Você está na página 1de 32

1 - LEMBRANDO DE DEUS

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução

Uma jovem judia que vivia na Polônia durante a ocupação nazista na 2a. Guerra Mundial, foi presa num dos palcos de maior
horror em crimes contra a humanidade que o mundo já conheceu que ficou conhecido como - O Gueto de Varsóvia.
O Gueto de Varsóvia, foi um bairro que os nazistas fecharam com altos muros e para lá levaram todos os judeus da Polônia e
da Áustria. Daquele local eles eram proibidos de sair e as portas eram fortemente guardadas por soldados, que garantiam que
tal ordem fosse cumprida.
Vieram então a fome, as doenças e os judeus começaram a morrer ora de doenças ora de inanição, um horror que acredito
todos já tenham visto algum documentário deste macabro acontecimento histórico.
Foi deste palco de horror que uma jovem judia, pulando um muro conseguiu escapar e foi se esconder em uma caverna.
Desgraçadamente, pelo seu estado de debilidade, ela não sobreviveu e seu corpo foi encontrado assim que o exército dos
aliados chegou à Polônia.
Antes de sua morte, porém, ela rabiscou três frases na parede.
A primeira dizia: “Eu creio no sol mesmo quando ele não esteja brilhando”.
A segunda: “Eu creio no amor, mesmo quando eu não o sinta”.
E a terceira: “Eu creio em Deus, mesmo que ele fique em silêncio”.

Dilemas como este, que esta jovem viveu acontecem freqüentemente em nossas vidas em diferentes graus de intensidade, e
fazem com que estejamos olhando para dentro de nós mesmos e nos perguntando sobre a nossa fidelidade para com Deus.
Estes confrontos, fazem com que muitas e muitas vezes, em nossa luta nos esqueçamos de Deus e é diante desta realidade,
que precisamos refletir sobre a necessidade de estarmos constantemente: LEMBRANDO DE DEUS.

LEITURA BÍBLICA : Deuteronômio 4 : 9

Se fizéssemos uma resenha bíblica, iríamos encontrar a Palavra de Deus orientando os líderes e reis do povo de Deus sempre
de uma maneira constante, recomendando seus servos a não se afastarem dos mandamentos de Deus, assim foi com Josué em
Js 1 : 8 - “Não cesses de falar deste livro da lei, antes medita nele dia e noite para que tenhas cuidado de fazer segundo a
tudo que nele está escrito.”

Com Saul, com Davi, com Salomão, com todos os demais reis de Israel, assim clamaram os profetas em nome de Deus, assim
ensinou Jesus ao jovem mancebo, que queria alcançar a vida eterna.
A porção das Sagradas Escrituras que lemos nos mostra primeiramente a necessidade de estarmos cuidando de nós mesmos

1 - TÃO SOMENTE GUARDA-TE A TI MESMO

O mundo que nos cerca traz ao homem toda a sorte de tentações.


Por elas somos sempre convidados a transgredir e estar em desacordo com a vontade de Deus para nossas vidas. Mas a
Palavra de Deus nos exorta a nos guardarmos
Este texto que lemos foi escrito por Moisés, cerca de 1500 anos antes de Jesus Cristo.
Quando Jesus estava no Jardim do Getsêmani, prestes a ser traído por Judas, e voltando de sua oração, encontrou Pedro, Tiago
e João dormindo instrui-lhes assim, como está escrito no evangelho de Mateus 26:41: “Vigiai e orai, para que não entreis em
tentação...”. Podemos ver que trata-se da mesma instrução.
Como cristão devemos estar atentos ao nosso cotidiano para lembrarmos de Deus em tudo o que fazemos. Se clamamos pela
proteção de Deus, precisamos caminhar segundo a sua vontade e para tanto temos que vigiar.
Temos que nos lembrar de Deus no relacionamento com nossos familiares, nossos esposos, nossas esposas, nossos filhos.
Devemos refletir o amor que aprendemos de Jesus, somos testemunhas de seu amor.
Temos que lembrar de Deus no relacionamento com o nosso próximo. “Amai-vos uns aos outros...”, diz o Mestre. É difícil
amar aos seu próximo em condições adversas? É sim! Mas ama-lo em condições favoráveis é o mesmo que pregar o
Evangelho para crente.
Temos que lembra de Deus em nossos negócios, sabendo que Deus não abençoa as coisas ilícitas e que tudo isto depõe contra
o comportamento que devemos incondicionalmente ter.

2 - E GUARDA BEM A TUA ALMA

Esta segunda colocação do texto que lemos nos dá conta das nossas responsabilidades espirituais.
Dos nossos compromissos com a nossa igreja. Para andarmos segundo a vontade de Deus em nossa igreja, precisamos
assumir integralmente nossas responsabilidades.
Precisamos, entregar nossos dízimos com fidelidade. Precisamos assumir com responsabilidade nosso papel no Corpo de
Cristo. A sua igreja necessita de seu trabalho. O Reino de Deus precisa de seu serviço. Não permita a você mesmo ser um
cristão de final de semana. Que acredita que basta apenas vir à igreja aos domingos que já esta cuidando de sua alma.
Deus deu a cada um dom para o serviço. Precisamos nos lembrar de Deus, no momento em que somos chamados a servir no
Reino
Precisamos nos lembrar de Deus quando cumprimos as nossas obrigações na igreja. Desta forma estaremos guardando da
nossa alma, como nos diz as Escrituras.
Não cruze seus braços esperando que o Pastor, ou algum líder da igreja lhe convide para trabalhar neste ou naquele ministério.
Tome a iniciativa segundo o que Deus colocar no seu coração. Não permita que acomodações da carne lhe impeçam de servir
à Deus.
Tenha certeza de que há um trabalho esperando por ser feito em sua igreja. Tem um trabalho a ser feito por você em sua
igreja. Portanto lembre-se de Deus e guarde a sua alma.

3 - NÃO TE ESQUEÇAS DAQUELAS COISAS QUE TEUS OLHOS TEM VISTO...

Nesta chamada a Palavra de Deus nos convoca a sermos fiéis e lembrarmos de Deus por tudo o que temos vivido em seu
nome.
Quantas transformações de vidas. Almas perdidas resgatadas diante dos nossos olhos. Vidas destruídas pelo inimigo
devorador, resgatadas pelo poder do sangue de Jesus Cristo. De repente isto não é lembrado em nosso dia-a-dia. Fica muito
cômodo nós lembrarmos destas maravilhas somente dentro da igreja.
Lembre-se de Deus. Lembre-se que o Espírito Santo habita em você e que clama por você com gemidos inexprimíveis. No
Evangelho de Lucas 24:48 , Jesus estava para subir aos céus e deixa uma advertência a seus discípulos: “Vós sois testemunhas
destas cousas.”. Sede pois testemunha de Jesus Cristo.
Lembre-se de Deus quando encontrares com uma alma perdida. Tenha compaixão desta alma, dê o seu testemunho para o
resgate desta alma.

4 - O DEVER DE LEMBRAR DE DEUS

Como cristãos devemos nos lembrar de Deus e nos apropriarmos de Seu poder:
Nas batalhas da vida - Neemias enfrentou os perigos crendo no poder de Deus - Neemias 4 : 14: “Não os temais, lembrai-vos
do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossas mulheres e vossas casas”.
Deus está ao vosso lado, ele quer que você perceba isto.
Sua mão está sempre estendida para você porque o seu coração é cheio de amor.

CONCLUSÃO

Não permita que este esquecimento de Deus tome conta de seu coração, porquanto a Palavra de Deus nos adverte para a os
perigos que podem acontecer como está escrito em Jeremias 17: 13 e 14: “Ó Senhor, esperança de Israel, todos aquele que te
deixaram serão envergonhados; os nomes dos que se apartam de mim serão escritos no chão; porque abandonaram o Senhor,
fonte das águas vivas.
Cura-me, Senhor, e serei curado, salva-me, e serei salvo; porque tu és o meu louvor.”
Lembre-se sempre de Deus!
2 - O VERDADEIRO AMOR CRISTÃO

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introduçaõ

Falar de amor é uma coisa relativamente fácil. A palavra amor tem uma abrangência muito ampla, por exemplo: amo minha
esposa, amo meus filhos, meus pais, meus livros, minha profissão, minha casa ou meu carro e por aí vai...
Mas na verdade, o amor de que quero falar é o verdadeiro amor cristão.
Quando Deus ditou a Moisés a Lei, entre centenas de instruções uma se destacou e ficou conhecida como a Lei Régia. Esta se
encontra no livro de Levíticos capítulo 19, verso 18, que diz assim: “Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do
teu povo; amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
O próprio Jesus quando indagado por aquele jovem rico sobre o que poderia fazer de bom para alcançar a vida eterna ,
respondeu: “guarda os mandamentos” e enfatizou ainda “amarás a teu próximo como a ti mesmo”, este episódio é narrado
no Evangelho de Mateus no capítulo 19, versos de 17 a 19.
Mas desde a instituição da Lei mosaica até a vinda de Jesus, parece que os homens não entenderam este mandamento, ou se
entenderam fizeram-se de desentendidos. Uma ou outra coisa. Fato é que o amor que Deus esperava dos homens não foi
praticado.

LEITURA DA PALAVRA : Evangelho de João cap.13 v.34

A dificuldade dos discípulos e portanto de seus contemporâneos, em compreender a mensagem expressa na Lei Régia era tão
grande que foi preciso que Jesus viesse à presença deles e os amasse para então reescrever aquela Lei de Deus. Na nova
configuração então Jesus falou a seus discípulos que eles deveriam mirar-se em seu amor. Amor que naquele momento lhes
estava sendo dado e os instruiu para que o aplicasse entre eles. Do mesmo modo, contextualizando esta porção da Palavra de
Deus que acabamos de ler é que sabemos que seguindo nos passos de Jesus devemos amar o nosso próximo.
O verdadeiro amor cristão - Quais são suas principais características?
É um amor divino - Todo amor emana de Deus, assim aquele que não ama não conhece a Deus. Na Primeira Carta de
João, no capítulo 4, verso 7, o apóstolo diz: “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus, e todo
aquele que ama é nascido de Deus, e conhece a Deus”.
O amor procede de Deus, portanto é um dom divino. E esta é uma outra das características a que nos referimos. O amor é
um dom de Deus. Na verdade o amor é o maior dos dons de Deus, que nos é ofertado graciosamente.
O apóstolo Paulo, em uma das passagens mais belas de suas cartas, cita na Primeira Epístola aos Corintios, capítulo 13, a
grandeza deste verdadeiro amor cristão, e termina assim no verso 13: “Agora pois, permanecem a fé, a esperança e o amor,
estes três; porém o maior destes é o amor”.
Outra característica do verdadeiro amor cristão que não podemos deixar de observar é que ele como vimos é um mandamento
de Jesus Cristo. Ë preciso que entendamos definitivamente que este mandamento foi nos dado por Deus para ser cumprido.
Ora, não mal comparando, façamos um paralelo com estes sensores óticos espalhados nos cruzamentos pela cidade. Ao vê-
los, lembramos que não podemos infringir a lei do trânsito e passar com o sinal fechado. E se o fizermos seremos multados.
Da mesma forma precisamos entender os mandamentos de Deus com clareza. Eles nos foram dados para serem cumpridos. E
se não forem cumpridos seremos “infratores da lei” e consequentemente, então, seremos “multados”. Como? Não sei, nem
serei eu a profetizar coisas desagradáveis, mas é certo, que quando descumprimos este mandamento estamos desagradando ao
nosso Deus.
Jesus, no Evangelho de João, no capítulo 13, verso 35, nos diz: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes
amor uns com os outros”.
O verdadeiro amor cristão nos conduz a refletir Jesus em nossas vidas, ao nosso próximo, e isto só é possível através do amor.
Precisamos ser reconhecidos como discípulos de Jesus, precisamos refletir o amor de Jesus.
Uma ocasião um jovem crente, contava que em uma reunião de amigos havia uma determinada pessoa com quem ele não
tinha muita afinidade. Porém, respondendo a um chamado de seu coração, aproximou-se dele e, amavelmente, valorizou sua
presença naquela reunião, dando-lhe as boas vindas, agradecendo por ele estar ali.
Para a sua surpresa, em uma outra oportunidade, aquela mesma pessoa o abordou e o agradeceu pelo carinho que ele havia lhe
dispensado naquele ocasião. Acontece que naquele tal dia o homem encontrava-se abatido. Derrotado dentro de si mesmo, e
com aquela demonstração de amor ele revigorou-se e encontrou forças para superar as suas dificuldades.
Isto é o verdadeiro amor cristão. Diante deste testemunho, vem a minha mente uma verdade que deve ser o nosso estandarte.
Precisamos além de deixar que brilhe cada vez mais o amor de Jesus em nossas vidas, também reconhecê-lo em nosso
próximo. Isto é um desafio constante para o cristão.
Reconhecer Jesus em nosso próximo dentro dos muros de nossa igreja é tarefa fácil. Afinal somos da mesma família.
Professamos a mesma fé. Mas o verdadeiro amor cristão projeta-nos para fora dos muros e lá encontramos um outro mundo,
muitas vezes imundo e carente de Jesus, portanto, mais do que nunca devemos deixar que este amor brilhe.
Assim como refletimos a Jesus através de seu amor, precisamos também reconhece-lo naquela sociedade de excluídos, como
crentes comissionados por Jesus Cristo para sermos os portadores do Evangelho da Salvação.
O verdadeiro amor cristão nos conduz a buscar a Deus, e como chegar até Ele? Como praticar este amor diante de Deus?
Na Palavra de Deus encontramos orientações claras para nos apresentarmos diante do Senhor, podemos ler no Segundo livro
de Crônicas, capítulo 7, verso 14: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar e me buscar, e se
converter de seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” .
Temos que buscar a Deus em oração, com temor, ou seja, com humildade diante da sua majestade, e Ele ouvirá as nossas
orações, nos perdoará e nos abençoará. Que Deus misericordioso!
Precisamos estar conscientes de nossas responsabilidades, porque este amor cristão nos coloca em ação. Estarmos preparados
para agir pelo Reino de Deus.
Sabemos que somos salvos pela fé no sacrifício de Jesus Cristo, mas o apóstolo Tiago em sua epístola no capítulo 2, verso 26
nos diz: “Porque assim como o corpo sem espírito é morto, assim também a fé sem obras é morta”.
No momento que nos colocamos a praticar o verdadeiro amor cristão, somos levados pelo Espirito Santo de Deus a agir. E
esta ação SEMPRE estará centrada no nosso próximo. O ensinamento que Tiago nos dá é que não somos salvos pelas boas
obras mas PARA as boas obras, e as boas obras refletem na verdade a prática deste amor.

Gostaria de desafiar a cada irmão neste momento a refletir sobre sua vida cristã. Você tem cumprido com o mandamento de
Jesus Cristo? Qual tem sido seu testemunho cristão? Você tem sido reconhecido como discípulo de Jesus pelo amor que tem
irradiado? Qual a sua contribuição para sua igreja?
Estas questões devem estar constantemente em nossos corações, como forma de nos orientar a agir com amor a favor de nosso
próximo. Será que você ama as coisas e usa as pessoas, ou ama as pessoas e usa as coisas!
3 - QUEM SOMOS E PARA ONDE VAMOS?

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Estudando a história das religiões contemporâneas e entre muitas informações preciosas uma causa especial atenção pois são
alarmantes.
- O mundo tem 6 bilhões de habitantes. Somos 1,6 bilhões de cristãos de diversas denominações, inclusive
a
católica.
- Existem 2,2 bilhões de pessoas que embora não sejam cristãs tem algum contato com cristãos.
- E 1,7 bilhões de pessoas que nunca ouviram falar de Jesus.
Paralelamente, as taxas de crescimento das religiões são:
1o. Lugar - Islamismo - 9,8% a.a
2o. Lugar - Budismo - 8,4% a.a
3o. Lugar - Ateísmo - 6,4% a.a
4o. Lugar - Cristianismo - 3,2% a.a
Em termos práticos, isto significa que a população cristã do mundo está diminuindo, o que reflete a nossa incompetência em
cumprir o comissionamento que Jesus Cristo nos deixou, como lemos no Evangelho Segundo Mateus no capítulo 28 versos 19
a 20, que diz: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito
Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que tenho ordenado.”
Diante deste quadro dramático, precisamos nos encontrar e procurar saber: QUEM SOMOS E PARA ONDE VAMOS?

LEITURA DA PALAVRA : Evangelho de Mateus cap.7 v.21 - 27

I - PORQUE SOMOS CRISTÃOS?

Esta pergunta deveria ter uma resposta simples, mas na verdade a resposta é complexa e para responde-la, precisamos deixar
as quatro paredes desta igreja e procurarmos saber o que acontece no mundo.
E nossa busca vai iniciar nas criancinhas, seja em seus lares, evangélicos ou não, ou em suas escolas, encontramos ali o
ensinamento: “Olha, não faz assim que Papai do céu não gosta!” ou ainda “Olha, criança mal criada não vai para o céu!”
E nesta linha de pensamento, permanecemos e aprendemos que:
Primeiro - Há um Deus!
Segundo - Que existe um local onde habita este Deus, que é o Céu.
Terceiro - Finalmente quando já somos mais crescidos aprendemos que aquele é o Reino dos Céus.
A partir do momento que estas coisas são colocadas dentro de nossas cabeças, passamos então a reagir de maneiras muito
diferentes

1 - Alguns seguem práticas escritas - Encontramos no mundo diversas religiões e cada uma tem o seu “manual”:
- O Islamismo tem o Corão
- O Hinduísmo tem o Baghabaghitta
- O Judaísmo tem o Torah
- O Cristianismo tem a Bíblia
Mas quando me refiro a seguir práticas escritas, quero que os irmãos pensem em posições radicais que as pessoas assumem
tomando a palavra escrita como a verdade absoluta. Encontramos também em todo o mundo rituais de purificação, homens se
auto-imolando, ou colocando-se em total isolamento, em conventos onde se submetem a toda sorte de privações . O que eles
querem?

2 - Milhões de pessoas adotam práticas cristãs


Aqui também não é muito diferente, encontramos em todos os cantos pessoas que se dizem próximas a Deus porque fazem o
bem, ou porque são caridosas ou ainda porque são pessoas que apenas cumprem suas obrigações, ou seja, são bons pais, bons
maridos ou esposas, trabalhadores responsáveis e crêem que assim estão agradando a Deus. O que eles querem?

3 - Todos invocam o nome do Senhor


Na verdade irmãos, o que todos querem, inclusive nós quando também seguimos nosso manual de fé, e agora estarei
respondendo a todas as perguntas que deixei em aberto: TODOS QUEREM ENTRAR NO REINO DE DEUS

I I - O QUE SE FALA SOBRE O REINO DE DEUS?

Inicialmente muita bobagem. Encontramos de tudo por aí, anjinhos que são capazes de trazer a paz, duendes e principalmente
muita gente faturando alto comisso tudo. Houve uma pesquisa que perguntava: Você acredita em Deus? Resposta 99% - Sim.
Segunda pergunta você freqüenta algum templo? Resposta 47% Sim.
No texto em que lemos, encontramos Jesus Cristo dando um sinal de alerta: “Nem todo que me diz Senhor, Senhor! entrará
no reino dos céus!”
Podemos então concluir que existem condições especiais para que possamos ser incluídos no rol dos cidadãos do reino
celestial. Diz assim o texto: “Mas não temos nós profetizado em teu nome?”
Encontramos um numero enorme de falsas doutrinas ventando em todos os cantos e Jesus em seu sermão messiânico
profetizou em Mateus 24 : 24 - “Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para
enganar, se possível, os próprios eleitos.”
Como vimos a pouco todos invocam o nome do Senhor, mas Jesus continua: “Nunca vos conheci, apartai-vos de mim!”
Amados irmãos, a profissão de fé só tem valor quando fazemos a vontade de Deus. e as palavras de Jesus são muito claras:
“Entrará no Reino dos céus aquele que faz a vontade de meu Pai”

1 - O que fazer então? - A primeira providência é guardar os mandamentos e encontramos a essência deste princípio no
Evangelho segundo Marcos no capítulo12 versos 30 e 31, que diz assim: “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu
coração, de toda a tua alma, de todo teu entendimento e de toda a tua força. O segundo é amarás ao teu próximo como a ti
mesmo. Não há outro mandamento maior do que este”.

2 - Amar a Deus e ao próximo é a essência da vida cristã. - Fazemos a vontade de Deus quando amamos o nosso próximo.

III - A PROVA FINAL

Mas em tudo colocamos provas. Assim Aprovamos e Reprovamos as coisas segundo nossos critérios. Mas sempre sabemos
reconhecer os méritos de quem age corretamente. Por exempo: O bom aluno é reconhecido pelo professor.

Em Romanos 10 : 9 e 10 - Temos a prova final


1 - Confessa a Jesus com tua boca e serás salvo.
2 - Guarde o mandamento maior.
3 - Desfrute das bênçãos desta certeza de pertencer ao Reino de Deus:
- Salvo pelo sacrifico de Jesus na cruz do Calvário
- Terás uma vida alegre e guiada pelo Espirito Santo de Deus
- Poderás então colocar-se a serviço do Rei e cumprir o Ide de Jesus.

Agora, já sabemos quem somos, e sabemos também quais os caminhos que temos a seguir e Jesus está lhe chamando, está lhe
estendendo a mão, convidando-o para entrar neste reino onde a vida eterna lhe é assegurada. Faça hoje sua escolha .
4 - TOMANDO UMA DECISÃO

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução

Em uma cidade pequena do interior, um certo pastor tentava de todas as maneiras evangelizar o médico local, mas ele
mantinha-se sempre afastado e por ser rico e prepotente desprezava o pastor por acreditar que nada que ele dissesse poderia lhe
acrescentar alguma coisa.
Um certo dia um comerciante da cidade faleceu e tanto o médico como o pastor encontraram-se no velório. De repente o
pastor aproximou-se do morto e começou a lhe falar: Sabe aquela área atrás de sua casa? Você ainda quer vende-la? Me
responda por favor pois tenho alguém muito interessado em ficar com ela. Gostaria de falar a respeito?
O médico vendo a cena patética saiu do riso à indignação e aborda o pastor dizendo: - Você está louco? Este homem não
pode lhe responder, não pode ouvi-lo. Ele está morto!
Calmamente o pastor virou-se e respondeu: Assim como você não pode ouvir e nem responder ao chamado de Deus, pois está
morto na sua arrogância e prepotência.

Tomando uma decisão

De um modo genérico podemos dizer que o homem vive em função das decisões que toma:
 Decisões levam-no ao Sucesso ou ao Fracasso
 Decisões levam-no ao Ganho ou as Perdas
 Decisões levam-no a Vitória ou a Derrota
 Decisões levam-no ao Enriquecimento ou ao Empobrecimento
 Decisões levam-no as Coisas Materiais ou as Intelectuais

Mas mais do que isto, nossas vidas, o nosso cotidiano é totalmente direcionado por nossas decisões. Tomamos decisões da
hora em que abrimos nossos olhos pela manhã até o nosso deitar - Vivemos tomamos decisões.

As vezes a decisão é obvia mas não deixa de existir, por exemplo quando nos levantamos pela manhã decidimos se vamos ou
não escovar os dentes, em seguida decidimos se vamos ou não tomar café, depois que roupa iremos vestir ou ainda se vou ou
não trabalhar naquele dia.
São sem dúvida pequenas decisões, mas determinam o encaminhamento que daremos ao nosso dia.
E nós podemos observar também que à cada decisão tomada existe uma ação que irá executar a decisão tomada. Por exemplo:
Se eu decidir que devo ir ao trabalho, preciso sair cedo de casa, tomar o ônibus e assim por diante. Existe aí uma ação
motivada pela decisão.
No Plano Espiritual não é diferente. Compete a nós decidirmos se queremos ou não seguir a Deus.
 Se vamos cumprir ou não seus mandamentos
 Se vamos agir segundo seu ensinamento, etc.
É verdade que existem situações que independem da nossa vontade, são situações na maioria das vezes ambientais, ou seja,
decisões que outras pessoas tomaram e que afetam diretamente a minha situação.
Mas ainda assim somente nossa decisão poderá alterar ou mudar aquela situação.

LEITURA BÍBLICA: Apocalipse 3 : 20

1 - O PRIMEIRO ELEMENTO O HOMEM

No texto que acabamos de ler encontramos dois personagens interagindo e um deles colocando uma proposta que pede uma
decisão imediata. Então vamos identificar o primeiro elemento desta conversa:
E eu pergunto: Quem vive naquela casa? Você é o dono da casa...., cada um de nós é dono da casa, dono de seu próprio
coração. Como dono de seu coração compete somente a voce estabelecer quem terá o privilégio de estar ali. Você determina
a quem será dado o seu amor.
E a Palavra de Deus compara o seu coração com a sua casa, quem poderá entrar em sua casa senão aquele que você DECIDIU
que irá receber.

2 - O SEGUNDO ELEMENTO - JESUS

A segunda pessoa deste encontro não é outro senão Jesus Cristo, o nosso Senhor e Salvador, e o que ele está fazendo? Diz o
texto: “Eis que estou à porta e bato”
Jesus está batendo, pedindo, convidando-se para entrar. Ele quer entrar para estar com voce, mas educadamente ele bate na
porta. Ele não arrebenta a porta, não entra à força e nem utiliza seus poderes divinais.
Ele apenas bate na porta - Porque te ama, porque não desiste de você. E todos os dias, por causa deste tão grande amor, ele
volta a bater e outro dia e mais outro. E assim vai. Jesus renova seu convite a cada dia.
Jesus bate sempre na sua porta e sempre traz a mesma proposta. Ele diz: “Eu entrarei e cearei com ele e ele comigo.”
Ou seja Jesus Cristo quer participar do seu dia a dia, quer entrar em seu coração levando perdão e salvação. Mas como eu
disse ele traz uma proposta e como vimos no início uma proposta exige uma decisão. - Abrir ou não a porta.
Para abrir a porta é preciso que você saiba o que está fazendo e porque está fazendo. É preciso ter cuidado para não cometer
erros como o que foi cometido em Tróia, antiga cidade grega.
Conta a história que os homens de Atenas não conseguiam vencer a resistência de Tróia. Então decidem colocar um enorme
cavalo de madeira, no interior do qual estavam escondidos alguns soldados, junto aos portões da cidade. Curiosos os homens
de Tróia colocaram o enorme cavalo para dentro da cidade. Quando chega a noite os soldados saem de dentro do cavalo
abrem os portões da cidade o inimigo entra e ganha a guerra. Este episódio gerou a expressão até hoje usada para “presente de
grego”, ou seja algo que nos é dado de graça mas que acaba por nos prejudicar.
Tróia caiu porque abriu seus portões sem saber a quem.
Mas será que você sabe quem está batendo à sua porta?
Você tem ouvido Deus falar com você? Deus se manifesta de diversas maneiras. Sejam situações específicas, sejam fatos
sobrenaturais. Mas hoje Deus está falando através da Pregação da Sua Palavra.
Começa então a se definir a única dúvida que você poderia ter para tomar a sua decisão: A quem eu abrirei a porta? A sua
decisão de abrir a porta pode significar deixar o preconceito, a desconfiança, a vergonha, o orgulho e enfim ouvir o que Deus
tem para você.

A Palavra de Deus ainda nos diz em Hebreus 3:7-8. “Hoje se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração ...”
Jesus está falando com voce meu amigo, agora. Posso ver o Mestre junto a porta de seu coração, batendo e pedindo para
entrar. Tome uma decisão acertada. Abra agora a porta do seu coração e receba o Senhor Jesus. Receba o seu amor, a sua
Paz, a sua Salvação.
Deixe ele entrar, deixe ele tomar conta da sua vida e te conduzir para uma vida melhor.
5 -UMA MENSAGEM DE DEUS

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução

Alguém já prometeu alguma coisa a uma criança?


Imaginemos um pai que gostava muito de seu filho. Quando o filho completou oito anos, ele deu ao filho um carrinho com
radio controle, e prometeu que quando ele completasse 12 anos que daria um bugre com motor. Ao chegar aos doze anos, o
pai cumpriu a promessa, deu o bugre ao menino que ficou radiante com o presente pois o pai tinha sido “legal” e cumprido a
promessa.
Mas a estória não para aí. O pai deu o presente ao filho e prometeu que quando ele completasse 18 anos lhe daria um
automóvel novo.
Porém, quis o destino que pai e filho se separassem. O pai por razões profissionais foi morar em S.Paulo e o filho que estava
iniciando a faculdade, não pode acompanha-lo. Amavam-se muito, mas estavam distantes.
Até que chegou o dia em que ele completou dezoito anos e ficou supreso quando recebeu um telegrama do pai. Coração
saudoso, ele abre o telegrama e ali está escrito: “Amado filho, que Deus te abençoe e te guarde. Como havia lhe prometido,
você ira receber de presente um carro novo. Compareça à autorizada tal, identifique-se e seja feliz. Beijos sinceros do teu
pai!”
Qual seria a sua reação? Com certeza uma alegria exultante.
Estamos vivendo os dias que antecedem o Natal. Dias de grande alegria. A cidade toda enfeitada, já fizemos nossa
programação, uma ceia, um presentinho para quem amamos. É tempo de alegria.
Alegria porque comemoramos o nascimento de Jesus Cristo.
A mensagem hoje será apresentada em duas partes:
A primeira: - A Promessa

Leitura Bíblica: Isaias capítulo 9 versos 6 e 7

Eis então a maravilhosa promessa da vinda do Redentor, daquele que traria a Salvação para todos nós, o Maravilhoso e
Conselheiro, o Pai da Eternidade, ou seja aquele que acompanhou e acompanha e acompanhará seu povo por este novo
caminho.
O Príncipe da Paz - que garante a todos que nele crê a paz eternal.
Eis então a promessa de Deus, que foi feita 700 anos antes da vinda de Cristo, porquanto diz o salmista:

“Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade em eternidade tu és Deus ... Pois mil anos
aos teus olhos, são como o dia de ontem que se foi e como a vigília da noite” - Salmo 90: 2 e 4

Eis que chega o momento que Deus preparou para a entrega do presente maior aos homens. A Bíblia chama assim este
momento:

“Vindo porem, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.” - Gálatas 4 : 4

A Plenitude dos tempos - o que quer dizer isto? É o momento onde tudo é pleno. Onde tudo está pronto e preparado para
recebe-lo. Aí Deus manda um telegrama aos homens que diz assim:

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a
vida eterna.” - João 3 : 16

E a segunda parte: O cumprimento da promessa

Leitura Bíblica: Evangelho Segundo Lucas, capítulo 2 verso de 4 a 20.

Ah meus irmãos! Jesus nascera e os céus estavam em festa, os anjos exultavam de alegria e louvavam a Deus dizendo:

“Glória a Deus nas maiores alturas e paz na terra aos homens a quem ele quer bem.” v.14

Chegara Jesus - o Príncipe da Paz.


E quem recebe a mensagem dos anjos? Não foi o governador da província de Belém, ou o rei Herodes ou ainda César
Augusto, o imperador romano, o homem de maior autoridade desta época.
Não. Foram humildes pastores, o povo de Belém, pastores que cuidavam de seus rebanhos e diante da presença dos anjos e de
toda aquela euforia, ficaram cheios de tremor. E o anjo insistia: Não tema porque

“Hoje vos nasceu o Salvador que é o Cristo, o Senhor” V.11


E os pastores rapidamente largaram tudo o que estavam fazendo e correram ao encontro do Salvador.
Quantas vezes somos chamados a estar na presença de Deus e ficamos desviando, buscando desculpas esfarrapadas ou outras
justificativas para não atende-lo prontamente.
Mas aquele pastores, homens do povo, como nós, não! Eles não questionaram se os anjos falavam mesmo o Messias citado
nas Escrituras. Eles foram objetivos. Largaram tudo para trás e foram em busca do Senhor Jesus para adora-lo.
E ao chegarem ao local, contaram a todos tudo o que lhes havia acontecido. E mais ainda, a Bíblia nos diz que os pastores
foram embora glorificando a Deus e anunciando o nascimento de Jesus aos outros.
Quando nos colocamos diante de Jesus como servos, precisamos nos comprometer com Ele. Precisamos dar o nosso
testemunho onde quer que estejamos.
Esta é a forma de adoração que Jesus espera de nós.
E Maria? Ah! Que momento especialmente belo da chegada do Mestre.

“Maria guardava todas estas palavras meditando-as no coração.” v.19

Precisamos aprender com Maria estas duas grandes lições:


1a. Guardar as Palavras - Precisamos reter as coisas de Deus em nossas mentes e em nossos corações.
2a. Meditar no coração - Maria não se restringiu a guardar as palavras, ela meditou com elas. e assim devemos ser nós.
Precisamos iniciar este dialogo com o Espírito Santo que habita em nós. A meditação a ter comunhão com o Espírito Santo e
esta comunhão nos dá acesso a Deus.

Que neste Natal, quando estivermos comemorando a vinda de Jesus Cristo à terra, nós saibamos reservar a melhor parte, o
lugar de honra à Ele. Que saibamos fazê-Lo presente nas festas, nas refeições e nos presentes.
6 - A CRISE DE VALORES

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Ano Novo, Virada do Milênio, Misticismo


Resultado: O mundo não acabou, O Bug não apareceu, e acordamos exatamente do mesmo jeito que fomos dormir.
Diante desta realidade precisamos olhar para este mundo e nos conscientizar de que é importante reconsiderarmos alguns
valores que devem ser redefinidos e firmados.
Isto se aplica a nós como pessoas, casais, famílias e em nosso vida comunitária. Proponho três características que devem estar
presentes em nós e pelas quais devemos nos empenhar

Leitura da Palavra de Deus: 1 Tessalonicenses 2 : 1 - 8

1 - ESTABELECER PRIORIDADES

"Não deixe o que é urgente tomar em sua vida o lugar do que é importante"

Esta frase de Charles Hummel em seu livro "A Tirania do Urgente" pode ser um bom critério para avaliarmos aquilo que
estamos fazendo.
O Apóstolo Paulo ilustra esta questão de prioridades da seguinte maneira, em 1Coríntios 9:26

"Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar."

Afim de não ficar "desferindo golpes no ar" podemos colocar quatro prioridades gerais em nossas vidas e lutar por alcança-las:

Primeira Prioridade: Querer agradar a Deus

Mais importante do que ler a Bíblia e conhecê-la é ter o desejo sincero de agradar a Deus em tudo que fazemos.
Muitas vezes queremos, como diz o ditado, "agradar a Deus e todo mundo"
Obviamente que nem sempre vamos conseguir "agradar" naquilo que fazemos mas, como prioridade, devemos "querer agradar
a Deus" como Paulo testemunha em I Tessalonicenses 2:4.

“ ...mas, como fomos aprovados de Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não como para agradar
aos homens, mas a Deus, que prova o nosso coração.”

Este desejo de agradar a Deus também significa um envolvimento sério com a Bíblia, a Palavra de Deus. É dela que vem a
orientação para tudo que devemos fazer.
Estamos colocando Deus em nossa primeira prioridade? Lendo a Bíblia?

Segunda Prioridade: Ser autêntico

Num mundo em que tudo acaba se "mascarando" de tal modo que se confunde a verdade com a mentira, o certo com o errado
e o bom com o ruim, querer ser autêntico é um alvo invejável para a vida de qualquer pessoa ou grupo.
Novamente é o Apostolo Paulo quem nos serve de exemplo naquilo que escreve em I Tessalonicenses 2:5,6.

“Porque, como bem sabeis, nunca usamos de palavras lisonjeiras, nem houve um pretexto de avareza; Deus é testemunha.
E não buscamos glória dos homens, nem de vós, nem de outros, ainda que podíamos, como apóstolos de Cristo, ser-vos
pesados;”

Ele era autêntico. Tinha tanta firmeza de caráter, que arrancou todas as máscaras e todos os envoltórios.
O uso de máscaras tem inspirado pinturas, esculturas, teatro e festas, mas não deveria ser inspiração para nosso estilo de vida.
Ao contrário do que acontece no primeiro exemplo do uso de máscaras, onde há alegria e satisfação, no segundo exemplo há
tristeza e destruição.
Estamos fugindo da contaminação do mundo? Da mídia?

Terceira Prioridade: Crescer espiritualmente

O verdadeiro crescimento espiritual é ser cada vez mais dependente da graça e do amor de Deus. Por isso o Apóstolo Pedro
escreve na 2 Pedro 3:18:

"Antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo..."


Isso ele diz no final de sua segunda carta, depois de ter dado muitos conselhos e orientações ligadas à todas as áreas da vida
pessoal, familiar e comunitária. "Antes crescei na graça".
O Apóstolo Paulo mais uma vez é exemplo na compreensão desta verdade. No seguimento do texto já visto de 1
Tessalonicenses, ele fala de seu ministério entre aqueles irmãos e demonstra que ele crescia à medida em que sua obediência
ao chamado de Deus o levava a depender cada vez mais do amor e da graça de Deus para que ele pudesse como "ama
carinhosa" e "pai dedicado" exercer seu trabalho entre eles.
Este homem culto e capaz, tem como prioridade uma atitude de amor e compaixão. Seu interesse não era apenas despejar uma
carga de informação doutrinária e teológica sobre eles; não, ele queria dar-lhes o evangelho, mas também sua própria vida.
Devemos Ter este mesmo sentimento - igreja e comunidade

Quarta Prioridade: Deixar-se usar por Deus

Quando queremos que Deus nos use no seu trabalho é muito importante detectar onde e como podemos faze-lo. Também
devemos saber a quem queremos nos dirigir.
A Bíblia é a mesma em todas as épocas mas ela deve ser "contextualizada", isto é, ser apresentada para as pessoas de cada
época e geração de tal modo que possam entende-la como Palavra de Deus.

Em I Coríntios 9:22 Paulo descreve sua prioridade dizendo:

"Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns"

Deixar-se usar por Deus significa também crescer no conhecimento da realidade em que vivemos e envolvimento com as
pessoas que queremos alcançar. Isso significa compromisso.
Estamos nos comprometendo a este ponto? Vidas transformadas?

Alem de estabelecer prioridades precisamos tambem:

2- TER ENVOLVIMENTO

Um dicionário define "estar envolvido" como "ser participante, ter uma relação bem próxima, ter conexão, estar incluído".
Nessa compreensão temos pelo menos 4 áreas de envolvimento:
· nosso envolvimento com Deus
· nosso envolvimento com os membros da família
· nosso envolvimento com nossa comunidade de fé
· nosso envolvimento com o mundo no qual vivemos
No aspecto comunitário há exemplos importantes na Bíblia Sagrada.
A palavra mais forte nas Escrituras é "comunhão", "koinonia" no original grego, cuja raiz tem o sentido de "comum". Um
texto que nos ajuda no aprofundamento deste tema é Atos 2: 42-44.

“E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. Em cada alma havia temor,
me muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo nem comum”
O envolvimento mútuo daqueles cristãos tinha quatro características:
· era assumido por "todos"
· fortaleceu-os fazendo com que se mantivessem juntos nas dificuldades
· era genuíno e espontâneo, nunca forçado (ser autêntico - prioridades)
· aumentou seu sentimento de unidade e harmonia
Outro bom exemplo de envolvimento está em 1Coríntios 12:20-27.

“ ...para que não haja divisão no corpo, mas, antes, tenham os membros igual cuidado uns dos outros. De maneira que, se
um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com
ele. Ora, vós sois o corpo de Cristo e seus membros em particular.

Neste texto descobrimos quais são as características do envolvimento:

· Espontaneidade - v.25
Quando Deus pede um envolvimento, não é um envolvimento forçado. Nunca é imposto, mas brota naturalmente. Não é uma
ordenança feita sob legislação; não é uma obrigação imposta. Ocorre porque a pessoa deseja, não porque tenha que se
envolver.

· Vulnerabilidade - v.26
Aquele que se envolve com os outros nunca assume o "papel" de "bonzinho e certinho". Não; ele é humano, vulnerável - está
exposto a ferir-se, aberto ao ataque, a incompreensões e lesões. É uma pessoa sem defesas.

· Responsabilidade - v.27
Somos responsáveis uns pelos outros. Estamos ligados uns aos outros. Isto é confortante, levando-se em conta que vivemos
num mundo de isolamento e anonimato, um mundo indiferente e preocupado consigo mesmo. Alguém nos ama. Alguém se
interessa por nós. Alguém nota quando sofremos.
Estamos assumindo a responsabilidade por nossos irmãos?
E além de estabelecer prioridades, de termos envolvimento, precisamos de:

3. INCENTIVO

Quando pensamos no nosso envolvimento no reino de Deus sabemos que precisamos de incentivo.
Estamos falando de estimular e ser estimulado. Isto é incentivo. É inspirar os outros, dando-lhes renovada coragem, ânimo e
esperança.
Quando incentivamos outros, nós os estimulamos a prosseguir, nós os encorajamos e reanimamos. Significa gratidão e
aprovação.
Quer dizer que, mesmo não conquistando o direito de receber gratidão (porque falhamos ou porque não realizamos
determinado propósito), ainda assim podemos ser aceitos - e na verdade, é nessa situação que mais necessitamos disso.
Um texto bíblico que nos ajuda aqui é Hebreus 10:23-25. Nele vemos que temos de descobrir meios de nos estimularmos uns
aos outros, para que tenhamos um amor mais profundo, de uns pelos outros, e um maior envolvimento para fazermos o bem
uns aos outros.

“ ...retenhamos firmes a confissão da nossa esperança, porque fiel é o que prometeu. E consideremo-nos uns aos outros,
para nos estimularmos à caridade e às boas obras, não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns; antes,
admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele Dia.”

É lógico que essa questão de incentivo não é apenas um sorriso e um tapinha nas costas.
Deus nos chamou para "estarmos ao lado" de pessoas e para ajudá-las. Enquanto alguns pensam apenas em "destruir" as vidas
dos outros, nós podemos ajudá-las a "construírem" suas vidas.
Um dos mais elevados deveres do ser humano é o do encorajamento... É muito fácil jogar água fria no entusiasmo de alguém;
é fácil desestimular uma pessoa.
O mundo está cheio de desanimadores. Mas nós temos o dever cristão de estimularmos uns aos outros. Quantas vezes uma
palavra de agradecimento, de gra- tidão ou de ânimo tem mantido pessoas de pé.
Você já refletiu sobre o seu comportamento?

Apelo
7 - VOANDO COMO ÁGUIAS

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Certo camponês achou no meio da floresta um ovo de águia pensando se tratar de um ovo de galinha. Convencido disso, logo
que achou um ninho de galinha, colocou nele o ovo para ser chocado com os demais.
Aquele ovo, junto de outros, no tempo certo deu ensejo ao nascimento de uma avezinha era uma águia.
Mas como fora chocada entre ovos de galinha, veio a ser criada como uma galinha.
Os dias e meses se passaram e aquela águia, já crescida, alimentava a idéia ser apenas uma galinha. Afinal, ela nascera sob os
cuidados de "mamãe" galinha.
Fora criada com outras galinhas, e tinha uma vida similar, caçando no lixo seu alimento diário. Enfim, assimilara a idéia de ser
uma galinha.
Certo dia, quando juntamente com outras galinhas do mato se encaminhava ao lixo para buscar alimento, olhou para cima e se
deparou com uma enorme e linda ave que voava numa altura espetacular. Fascinada, perguntou às suas companheiras:
- Que ave linda é aquela lá em cima?
- Uma águia, respondeu uma galinha.
- Mas que ave linda! Indagou a jovem águia, ignorando sua própria identidade.
- E a mais linda e poderosa das aves! - disse outra. E acrescentou:
- Mas você nunca chegará a ser igual a ela. Vamos ao lixo!
Aquela jovem águia, resignada, voltou ao lixo e viveu o resto de sua vida sem nunca descobrir que também era como aquela
águia, bonita e altaneira.
Note que ela nasceu para ser águia, mas apesar de todas as semelhanças ; externas e potenciais qualificações para subir às
alturas, nunca saiu do chão.
Viveu como uma simples galinha do mato.

Leitura Bíblica: Isaías 40 : 30 - 31

Hoje, quando olhamos para a Igreja de Jesus, dois fatos podem ser considerados do texto que lemos:
Um, que Deus nos chamou para viver na dimensão das águias;
Outro, nosso estilo de vida parece mostrar que não passamos de galinhas do mato.
Somos águias, mas vivemos como galinhas do mato. Não estamos alcançando os nobres ideais do cristianismo de Jesus. As
alturas de uma vida cheia do Espírito Santo : estão longe de ser atingidas.
Refletindo sobre isso, o que nos leva a uma vida cristã que jamais chega a ser o que Deus pretende que seja?
Por que abrimos mão de um viver cheio de realizações no Reino de Deus, preferindo antes ficar ciscando no lixo enlameado
deste mundo?
A galinha é uma ave comum. Nada de especial. Mas Deus não nos chamou a uma vida comum. Somos especiais, porquanto
temos uma participação especial no seu propósito eterno.
Tenha sempre isto em mente: você é especial para Deus.
Outro fato importante é que todos querem ver uma águia.
Responda com honestidade. Se alguém lhe disser que tem em casa uma galinha e uma águia, qual delas você fará questão de
ver?
A águia, certamente, pois é uma ave diferente e rara.
Assim é a vida do cristão; ela chama a atenção de todos quando é verdadeiramente especial e incomum. Todos estão "de olho"
na vida do crente que vive nas alturas da fé.
Nós somos a vitrine de Deus. Quando vivemos como águias, o testemunho de nossa vida, nada comum, permite às pessoas um
entendimento ímpar do que significa ser cidadão do Reino de Deus.
Se, ao invés disso, optarmos por uma vida comum e medíocre, como galinhas, não chamaremos a atenção de ninguém e nunca
poderemos influenciar ou motivar as pessoas a uma vida de excelência.
O mundo está cansado da mediocridade religiosa e isso é um fato!
Logo se entende porque muita gente não se sente atraída por um estilo cristão de vida. Muita coisa rotulada de cristianismo,
não passa de religiosidade fria. Tais formas religiosas carregam um ideal de vida comum e corriqueira incapaz de produzir
impacto nas pessoas e na sociedade.
A falta de excelência tira o brilho da vida cristã e desestimula o homem natural em sua busca pela verdade do Evangelho.
Outro ponto característico de uma vida de galinha é a falta de visão, de objetivos ou perspectiva.
Nada desestimula mais as pessoas que uma igreja destituída de planos e de alvos, cujos talentos foram enterrados, sem nada a
dizer ou fazer numa sociedade carente, como a nossa.

Uma igreja assim nada tem de especial ou significativo, presa a uma vida comum e corriqueira, feito galinha. E não pense que
alguém vai se dar ao trabalho de lhe prestar atenção.
Nem mesmo o diabo se sente na necessidade de vigiá-la.
Quanto à nossa vida pessoal, precisamos reavaliá-la. Urge, hoje mesmo, examinar nosso cristianismo para ver se estamos
chamando a atenção de alguém. Estamos influenciando ou sendo influenciados?
Somos comuns, como galinhas, ou diferentes e especiais, como águias?
Como crentes, talvez nem despertemos a atenção de Satanás para que queira levar-nos a uma vida de devassidão.
Basta que sejamos crentes comuns! Basta renunciarmos a uma vida de discipulado excelente. Isso já é suficiente para mantê-lo
na dianteira enquanto recrudesce a luta pela conquista do mundo.
Ainda que haja cometido pecado, quando um crente se quebranta e chora, voltando-se para Deus com sinceridade de coração,
esse tal acaba se tornando mais perigoso para o inferno do que aquele que, apesar de nunca ter sido pego em fracasso, vive um
cristianismo de galinha - comum e sem excelência espiritual.
O cristianismo comum é baseado apenas em preceitos éticos, sendo norteado por uma lista de "não pode" ou "pode".
Se você se omite de fazer o que "não pode", ao mesmo tempo em que faz "o que pode", terá atingido o cume desse projeto
religioso.
0 cristianismo excelente representa muito, muito mais que isso; não se conforma às baixezas, deixando-se antes conduzir ás
alturas pelo amor.
Nessa dimensão, a decisão de "fazer" ou "não fazer" baseia-se exclusivamente, no amor a Deus e ao próximo. 0 projeto de
vida de um cristão legítimo não está baseado em regras, mas em sentimentos.
Corresponde à presença viva de Cristo na alma - um autêntico viver cristão. Não significa, apenas, a presença de seus
princípios na mente - uma crença intelectual destituída de vida.

Outra grande problema do cristianismo em nossos dias é que muitos autoproclamados cristãos estão aprendendo a gostar do
lixo. vivem como galinhas do mato, no meio da podridão.
Mas o que é pior: estão gostando disso!
Uma das maravilhas do Evangelho é que ele tira de nós o prazer de pecar. Cristo nos liberta da escravidão da pecado. Elevados
à condição de águias, passamos naturalmente a odiar o lixo.
Deus nos capacita não só a viver como águias e ter prazer nas coisas excelentes, mas igualmente nos permite ver o lixo do
pecado como ele na verdade é: odioso e repulsivo.
Como explicar então esse fascínio pelo lixo? Somente se a pessoa for ainda uma galinha é a única maneira de entender como
alguém que se diz salvo por Jesus continua amando os prazeres do mundo.
Mas não queremos dizer que o crente está imune a tentações. Não é isso. Seria ignorância pensar assim. Parece-nos óbvio que
enquanto permanecemos na carne estamos sujeitos a nos deixar seduzir, caindo mesmo às vezes. Mas o verdadeiro cristão
encontra lugar de arrependimento, com certeza, pois o justo não tem prazer no pecado.
Podemos tropeçar num momento, mas no outra estaremos amargando a dor do arrependimento e da culpa. Nenhuma alma em
Cristo tem prazer permanente no pecado.
O lixo não nos será prolongadamente atraente - perceberemos logo do que se trata e o abandonaremos.
Se isso não acontece com você, algo está errado, frisamos. De alguma forma, você foi ludibriado, ou Satanás conseguiu fazê-
lo pensar que já é salvo, não o sendo. Ou você optou por um viver segundo a carne, quando deveria andar no Espírito.
A salvação de Cristo liberta o homem não apenas da perdição do inferno, mas também da escravidão do pecado (Jo 8.32-36).
Existem pessoas que ainda não tiveram uma experiência de salvação em Cristo, mas que supõem o contrário. Devemos
submeter nossa vida à vontade de Deus.
Se continuamos amando o mundo e seus prazeres é porque há um equívoco em nossa vida cristã e deve ser resolvido!
O pecado talvez não seja abandonado com facilidade, mas precisa ser odiado com intensidade. Amá-lo é pisar na graça de
Jesus.
A Bíblia diz que "sem santificação ninguém verá o Senhor" (Hb 12.14) . Essa não é uma referência a grau de santidade, mas
ao processo de santificação pelo qual somos, progressivamente, separadas do mundo.
Sem um esforço consciente e deliberado no sentido de aperfeiçoar nossa santificação no temor de Deus nunca gozaremos de
uma comunhão efetiva e real com o Senhor. Afinal, Ele é santo.
Noutras palavras, sem separação do mundo e de seus prazeres, o que acontece pela salvação em Jesus Cristo - e somente,
ninguém poderá penetrar nas mansões de Deus e, muito menos, contemplar sua glória.
Observem as galinhas, elas conseguem no máximo pequenos vôos, movendo-se de um galho para outro. As águias têm vôos
longos e altos.
Hoje a Igreja, num certo sentido, está voando baixo. Não se arrisca. Não pensa em grandes coisas. Vive de galha em galho,
sem alçar grandes alturas.
Voar alto importa em riscos e exige confiança plena no Deus do impossível. Houve tempo em que a Igreja não fugia desses
desafios, confiando no seu grande Deus.

Levantavam-se grandes ofertas missionárias entre comunidades materialmente pobres.


Eram alvos arrojados, grandes vôos. Porém Deus jamais deixou de abençoar. Mesmo porque a Igreja colocava sua confiança
no Deus Todo-Poderoso, crendo plenamente que Ele podia executar até o impossível.
Hoje a Igreja só vai até onde sua visão permite, restrita que está a números, contas e balancetes. A fé, coitada, transformou-se
numa temeridade - um risco. desnecessário, um salto no escuro que ninguém ousa dar.
Realmente vivemos um tempo de vôos baixos na Igreja de Cristo. Quase todos os nossos projetos cristãos não passam de
desafios ocos e vazios, desprovidos de motivação.
Não estamos mais sonhando com o mundo. Importamo-nos, quando muito, com uma ínfima parcela dele, ao redor de nossa
comunidade. Não temos mais aspirações altas. Não anelamos mais ver toda gente aos pés de Jesus, declarando da própria boca
que Ele é o Senhor.
Nossas igrejas precisam voar alto! Precisamos agir como águias que somos. Temos de sair do chão, parar de olhar para baixo!
Haverá ocasiões em que teremos de arriscar e não nos limitar aos números da tesouraria.
O Senhor Jesus está conosco! Sua mão nos garante vitória. A fé não é burra, mas ainda é fé. Não pode ser apagada pela razão.
Deus se agrada dela. Ele honra a fé onde quer que seja encontrada.
Temos de voltar a sonhar com a salvação do mundo. temos de nos lançar ao mar alto. Não podemos ficar na praia com a rede
recolhida, desanimadas, ainda que pareça loucura voltar ao mar.
Talvez a razão nos reprove. Mas se crermos de coração, veremos, como os discípulos, as redes se romperem de bênçãos.
A audácia espiritual da Igreja trará o mundo a Cristo. Pense alto! Um Deus grande requer de nós grandes realizações.
A mediocridade é o oposto do projeto de Deus para sua Igreja.
Pense alto! Leve a Igreja a acreditar e se envolver em grandes desafios na causa do Mestre. Você verá o que o Senhor é capaz
de fazer àqueles que ousam se lançar ao mar alto buscando grandes vôos. Grandes coisas para um Deus grande!

Lembra-se da história da galinha e da águia que contei no início? Recorda-se que o ovo da águia caiu nas mãos de um
camponês que, sem conhecê-lo bem, achou que era um ovo de galinha, pondo-o no ninho errado?
O resultado é que aquela águia nunca chegou a viver conforme sua natureza. Nunca pôde realizar suas potencialidades, nem
descobrir a razão de sua existência. Tudo, porque caiu em mãos erradas.
O propósito de Deus ao criá-la era que fosse uma águia, mas estava em mãos erradas e não pôde alcançar o glorioso ideal de
Deus.
Na cruz o Senhor Jesus criou definitivamente a Igreja, fazendo de nós novas criaturas. Nascemos em Cristo, mas estamos em
suas mãos? Parece que muitos de nós estão em mãos estranhas.
É triste dizer isso. Não o fazemos com alegria, senão com profundo pesar. Somos a Igreja, vivemos no meio dela e não
podemos deixar de ver que ela em grande parte está em mãos erradas.
Essas pessoas desafiam o próprio Deus, fazendo tropeçar com seus escândalos os filhos do Reino.
Por causa de seus pecados, que insistem em praticar, são pedras de tropeço e serão chamados a juízo. Suas vidas extravagantes
e luxuosas, em vez de testemunhar a simplicidade do Evangelho, criam na mente do povo de Deus uma doutrina errada de
prosperidade.
Na verdade, ressaltando o que já dissemos, somos forçados a admitir que o próprio Satanás está por trás disso tudo. Ele é o
principal interessado em que a humanidade viva abaixo dos padrões de Deus.
Ele é quem nos joga uns contra os outros, levando-nos a uma relação de mútua hostilidade. Afinal, ele é quem sai no lucro
quando nos mantêm separados de um mesmo ideal.
Estamos em mãos erradas. Precisamos nos voltar agora mesmo para o Senhor, em profundo quebrantamento, e nos colocar
debaixo da potente mão de Deus, se não queremos ser um povo marcado por um viver medíocre, abaixo e longe da vida
abundante que Ele nos oferece.

Apelo
8 - QUALIDADE DE VIDA

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Nesta semana vivemos momentos de grande tensão. O mundo todo pode assistir ao vivo o maior ataque terrorista de todos os
tempos e a queda das Torres Gêmeas de Nova York. Uma ação espetacularmente trágica e diabólica que resultou na morte de
dezenas de milhares de mortos.
Um ataque a uma população civil, que marcou a historia do munso e que terá desdobramentos que tememos imaginar.
As marcas dessa tragédia, que dentro de pouco tempo esqueceremos são muitas famílias desestruturadas, outras com
necessidades materiais, famílias sem seus pai, sua mãe, filhos em orfanatos.... enfim são todos os problemas que nem
podemos imaginar.
Como igreja devemos estar orando no sentido de que Deus possa se manifestar na vida de cada vítima deste triste evento.
Nosso Deus é um Deus que dá o dom da vida ao homem para que ele viva em qualidade de vida elvada.
Deus é o Senhor da Qualidade
Quando se fala em qualidade, pensamos em termos de objetos ou produtos industrializados, cuja durabilidade, beleza e
funcionalidade sejam as marcas determinantes de uma dada mercadoria.
No entanto, podemos entender qualidade como tudo que está contido em nossas vidas e não apenas a produtos e objetos.
Podemos estender este conceito também as relações pessoais e aos sentimentos que as envolvem.
Dentro desse conceito é que surgiram na última década o conceito, hoje, muito conhecido de “Qualidade Total”.
Um conceito novo para o homem, mas antigo para Deus, que é um Deus de qualidade, que ensina qualidade e que exige
qualidade.

LEITURA DA PALAVRA: João 2 : 1 –12

Ao lermos o Evangelho de João percebemos uma de suas principais finalidades que é produzir vida e vida com qualidade.
Partindo do texto das Sagradas Escrituras que acabamos de ler, vejamos quais as lições que podemos tirar do primeiro milagre
de Jesus.

1. O MILAGRE E SEU CONTEXTO

 Aconteceu num lugar - cidade de Caná da Galiléia


 Aconteceu num evento - um casamento
 Usou um produto secular – o vinho
 Teve um objetivo – abençoar o ambiente

2. LIÇÕES DO TEXTO
 Dá um novo conteúdo à religião - sabor, cor e vida
 Invade o mundo secular – marca presença
 O milagre para impactar o meio secular é a qualidade

(v.10) - E disse-lhe: Todo homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então, o inferior; mas tu
guardaste até agora o bom vinho.

3. MANIFESTAÇÕES PRÁTICAS DO MILAGRE DA QUALIDADE

3.1. Mais qualidade na família

Efésios 5:22-23 - Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher,
como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo.

A Família foi criada por Deus para que ali o homem pudesse exercer a Qualidade de uma vida cristã.
 Mais prazer conjugal
 Mais diálogo
 Mais alegria e tempo para os filhos
 Mais compreensão
 Mais amor

Desenvolver: A família deve ser resgatada - deve ser reconstituída - O pecado deve ser afastado do seio da família - As
Bênçãos onde elas estão?

3.2. Mais qualidade no trabalho


Efésios 6:5-6 - Vós, servos, obedecei a vosso senhor segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso coração,
como a Cristo, não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a
vontade de Deus;

 Pontualidade
 Dedicação
 Produtividade

Muitos empresários se agradam de contratar crentes, pois sabe que pode contar com uma qualidade diferenciada.

3.3. Mais qualidade na escola

 Mais estudo
 Mais atenção
 Mais testemunho

As vezes eu imagino que os jovens pensam que as verdades de Deus são somente para os adultos.

3.4. Mais qualidade nos relacionamentos

Efésios 5:19-21 - Falando entre vós com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no
vosso coração, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, sujeitando-vos
uns aos outros no temor de Deus.

 Cordialidade
 Fidelidade
 Paciência
 Compreensão

4. CONSEQÜÊNCIAS DESSE MILAGRE

 Surpresa com o que Deus pode fazer


(v.10) - E disse-lhe: Todo homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então, o inferior; mas tu
guardaste até agora o bom vinho.

 Crédito para testemunhar


(v.9) - E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os
empregados que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo.

 Manifestação da fé
(v.11) - Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galiléia e manifestou a sua glória, e
os seus discípulos creram nele.

CONCLUSÃO

Jesus quer comunicar vida de alta qualidade a cada um de nós. A Salvação não é apenas a redenção da alma, mas a mudança
de qualidade na vida do homem.

A quantos Cristo teria que dizer?: Tu te chamas cristão pois tens que trocar teu nome, ou mudar de vida.
9 - FIDELIDADE A DEUS

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Certo fazendeiro se encontrava em sua fazenda, quando a ela chegou um colega, que desejava comprar-lhe quatro vacas.
Depois de escolhidos os animais, foi o preço fixado em 3.500 reais. O pretendente ofereceu três mil que não foram aceitos.
Separaram-se sem realizar o negócio.
No dia imediato o fazendeiro, o que queria adquirir as quatro vacas, telefonou para o colega:
Você quer vender os animais pelos três mil reais?
Não vendo-os por três mil e quinhentos reais.
- Bem, vou fazer-lhe uma proposta. Jogue uma moeda para cima. Se cair com a parte da coroa para cima, pagar-lhe-ei o
preço pedido. Mas, se cair a parte contrária, pagar-lhe-ei apenas três mil reais. Aceita?
Momentos depois, ouviu-se o tilintar da moeda e o fazendeiro gritar: Cara! Venha buscar os animais.
Ele poderia ter dito o contrário, pois o colega nada via. Como crente porém não podia enganá-lo.
As marcas do caráter cristão são muito fortes, não permitem que uma pessoa que aceita a Jesus como seu Salvador e Senhor,
cometa atos voluntários de infidelidade, que esqueça que tem responsabilidades com seus semelhantes.
Precisamos nos lembrar a todo instante dos compromissos que assumimos diante de Deus para cumpri-los.

Leitura Bíblica - Lucas 16 : 1 – 13 - A parábola do mordomo infiel

Jesus Cristo ensinava às pessoas através de parábolas, que são histórias que devem ser interpretadas por uma analogia com as
nossas vidas, ou seja precisamos entender a quem Jesus se refere, e em seguida viver o papel que nos é reservado na história.
Só assim poderemos compreender integralmente a mensagem que o Mestre está nos ensinado.
Entre as diversas parábolas contadas por Jesus, a que acabamos de ler nas Escrituras Sagradas, a do Mordomo Infiel, nos
coloca no papel do tal mordomo que tem como seu senhor o nosso Deus.
Para uma melhor compreensão do texto, precisamos ir ao dicionário e entender o que significa a palavra “mordomo” -
Mordomo é aquela pessoa que cuida do que não é seu.
Assim somos Mordomos de Deus, para cuidarmos das coisas mas não somos donos, coisas que pertencem a Deus, e que
coisas são estas?
Precisamos entender que tudo que existe pertence a Deus – Sl 24:1 - Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e
aqueles que nele habitam.
Devemos cuidar do nosso corpo – Sl 139:14 - Eu te louvarei, porque de um modo terrível e tão maravilhoso fui formado;
maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
Devemos cuidar dos nossos dons – 1Pe 4 : 10 - Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons
despenseiros da multiforme graça de Deus.
Devemos cuidar o tempo - Sl 90 : 12 - Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio.
Devemos cuidar dos nossos bens – Ag 2 : 8 - Minha é a prata, e meu é o ouro, disse o SENHOR dos Exércitos.
Devemos cuidar de nossas famílias – Js 24 : 15 - ... eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.

No v.8 do texto que lemos, Jesus diz louvou... o injusto mordomo.


Cristo usa esta ilustração para ensinar que os incrédulos têm muito interesse nas coisas materiais, para promover seus próprios
interesses e bem-estar.
Quando Jesus está falando que os incrédulos são mais prudentes que os crentes pelos seus interesses ele está nos mostrando
que nós os crentes somos imprudentes para com as coisas do Reino de Deus.

No v.9 Jesus nos fala sobre as riquezas da injustiça. Dos bens que acumulamos indevidamente, de tudo aquilo que somamos
através de atos desonestos ou imorais. A injustiça, a cobiça e o poder estão comumente envolvidos na acumulação e emprego
das riquezas deste mundo.
Nâo podemos nos deixar contaminar, nosso dinheiro e nossos bens devem ser fruto de trabalho honesto, conquistados debaixo
da graça de Deus. Devemos empregar nossos bens e dinheiro de modo a promover os interesses do Reino de Deus e a
salvação do próximo.

No v.10 e 11, Jesus faz um forte apelo a fidelidade. . Quem não é digno de confiança na aquisição e emprego de bens
terrestres, tampouco o será com as coisas espirituais.
Por isso, os crentes e, especialmente, os líderes da igreja, devem estar libertos do amor ao dinheiro.
Quanto à atitude correta em relação a bens e o seu uso, o crente tem a obrigação de ser fiel. O cristão não deve apegar-se às
riquezas como um tesouro ou garantia pessoal; pelo contrário, deve abrir mão delas, colocando-as nas mãos de Deus para uso
no seu reino, promoção da causa de Cristo na terra, salvação dos perdidos e atendimento de necessidades do próximo.
Há muitos anos faleceu na Inglaterra, o Sr. William Bamister, homem que dedicava um amor especial ao trabalho
evangélico no Amazonas. Ele contribuiu com muito dinheiro para a obra missionária de seu país aqui no Brasil.
Ao morrer, o testamento do Sr. Bamister foi publicado nos jornais londrinos e continha o seguinte trecho: "Visto ter sido meu
costume distribuir para fins caritativos e religiosos a décima parte, no mínimo, dos meus rendimentos, ordeno que o meu livro
com as iniciais "G.T" (God's Treasury ou Tesouro de Deus) seja posto em dia até a data de minha morte, e que qualquer saldo
em dinheiro por distribuir seja entregue ao tesoureiro da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira para os fins da mesma.
Aconselho os meus filhos a adotarem o mesmo plano de dar, sistematicamente, o dízimo de tudo quanto Deus lhes dá ... e hão
de experimentar, no uso das dádivas divinas, o mesmo gozo que eu tenho tido."
Portanto, quem possui riquezas e bens não deve julgar-se rico em si, e sim administrador dos bens de Deus. Os tais devem ser
generosos, prontos a ajudar o carente, e serem ricos em boas obras.

Finalmente, no v.13 lemos não podeis servir a deus e a Mamom. As riquezas do mundo tornam muito difícil a pessoa ter
Deus como centro da sua vida.
A cobiça é uma forma de idolatria. A conexão é óbvia: pois os demônios são capazes de proporcionar benefícios materiais.
Uma pessoa insatisfeita com aquilo que tem e que sempre cobiça mais, não hesitará em obedecer aos princípios e vontade
desses seres sobrenaturais que conseguem para tais pessoas aquilo que desejam.
Embora tais pessoas talvez não adorem ídolos de madeira e de pedra, entretanto adoram os demônios que estão por trás da
cobiça e dos desejos maus; logo, tais pessoas são idólatras. Dessa maneira, a declaração de Jesus: “Não podeis servir a Deus e
a Mamom [as riquezas]”.
Cada cristão deve examinar seu próprio coração e desejos: sou uma pessoa cobiçosa? Sou egoísta? Aflijo-me para ser rico?
Tenho forte desejo de honrarias, prestígio, poder e posição, o que muitas vezes depende da posse de muita riqueza?
A idolatria manifesta-se de várias formas hoje em dia. Aparece abertamente nas falsas religiões mundiais, bem como na
feitiçaria, no satanismo e noutras formas de ocultismo.
A idolatria está presente sempre que as pessoas dão lugar à cobiça e ao materialismo, ao invés de confiarem em Deus somente.
Finalmente, ela ocorre dentro da igreja, quando seus membros acreditam que, a um só tempo, poderão servir a Deus, desfrutar
da experiência da salvação e as bênçãos divinas, e também participar das práticas imorais e ímpias do mundo.
Daí, as Escrituras nos admoestar a não sermos cobiçosos, avarentos, nem imorais e, sim, a fugirmos de todas as formas de
idolatria. Deus reforça suas advertências com a declaração de que aqueles que praticam qualquer forma de idolatria não
herdarão o seu reino.
10 - VENCENDO OS OBSTÁCULOS

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Uma certa ocasião, um soldado do exército de Napoleão Bonaparte, foi julgado na Corte Marcial por ter promovido um motim
em sua guarnição. O julgamento foi sumário e o jovem condenado a morte.
No mesmo julgamento, foi marcada a data de sua execução por enforcamento.
Ao saber do resultado julgamento sua mãe entrou em pânico, e inconformada, como todas as mães, colocou um propósito em
seu coração de ir até a presença do Imperador pedir clemência pela vida de seu filho.
E assim o fez e após muita luta conseguiu se apresentar diante de Napoleão, logo que viu-se diante do imperador, sem que
fossem ditas quaisquer palavras ela atirou-se aos seus pés e clamou: Vossa Majestade tenha clemência do meu filho!
Napoleão admirado com aquele gesto, levantou a senhora e falou com tranqüilidade: Mas senhora, seu filho não merece
perdão!
Ao que a mãe do jovem respondeu: Eu sei, Majestade, pois se ele merecesse eu certamente não precisaria estar aqui. Conta a
história que diante desta resposta Napoleão poupou a vida do jovem soldado.

Podemos fazer um paralelo desta história com nossa relação com Deus, ou seja, sabemos que não merecemos sua divina
clemência, mas temos um advogado fiel que age como aquela mãe e clama ao Pai por nossa vidas tendo derramado seu
próprio sangue por este ideal de amor.
Assim é o Senhor Jesus e durante o seu ministério na terra, onde quer que fosse, Jesus Cristo levava sempre a saúde e a feli-
cidade.

Percebemos com facilidade isto ao lermos seus passos descritos nos evangelhos, o seu cuidados para com as pessoas, fossem
ricas ou pobres, nobres ou plebeus, a todos Jesus dava o mesmo tratamento, promovendo a paz.]
Sua missão era curar física e espiritualmente (Mt 8.16,17).
“E, chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele, com a sua palavra, expulsou deles os espíritos e curou a
todos os que estavam enfermos, para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas
enfermidades e levou as nossas doenças.”

O problema das enfermidades e das doenças está fortemente vinculado ao problema do pecado e da morte, isto é., às
consequências da queda.
Enquanto a ciência médica considera as causas das enfermidades e das doenças em termos psicológicos ou psicossomáticos, a
Bíblia apresenta as causas espirituais como sendo o problema fundamental desses males.
Essas causas são de dois tipos com a mesma origem: (a) O pecado, que afetou a constituição física e espiritual do homem e (b)
Satanás

A provisão de Deus através da redenção é tão abrangente quanto as conseqüências da queda. Para o pecado, Deus provê o
perdão; para a morte, Deus provê a vida eterna, e a vida ressurreta; e para a enfermidade, Deus provê a cura.
Daí, durante a sua vida terrestre, Jesus ter tido um tríplice ministério: ensinar a Palavra de Deus, pregar o arrependimento (o
problema do pecado) e as bênçãos do reino de Deus (a vida) e curar todo tipo de moléstia, doença e enfermidade entre o povo.
Por onde quer que passasse, vinham ao seu encontro os doentes e infelizes, todos em busca da mesma coisa a cura para seus
males e suas infelicidades, e todos Jesus curava e ensinava.
Mas ainda assim, apesar deste ministério maravilhoso do Mestre, houve um incidente na vida de Jesus e nós vamos conhecê-lo
melhor.

Leitura Bíblica: Mateus 15 : 21 - 28

Entre muitos incidentes do Seu ministério público, o caso da mulher cananéia encerra para nós proveitosas lições.
Para uma compreensão melhor do texto precisamos entender o contexto histórico daquela época.
A vinda de Jesus Cristo, está ligada diretamente ao projeto de Deus para o resgate dos homens, Deus que havia eleito a nação
judáica através da descendência de Abrão, Isaque e Jacó, mas os homens perverteram os seus mandamentos e se afastaram de
seus propósitos.

Nos planos de Deus, a nação judáica deveria ter sido a mensageira da luz de Deus a todas as nações, mas isto não aconteceu.
Então no tempo de Deus, ele enviou seu filho Jesus para Israel para promover uma correção de rota nesta trajetória. Jesus veio
para ensinar os judeus que o amor de Deus era universal, e que seu propósito estava em alcançar a todos.
Mas o texto que lemos nos fala que Jesus estava na cidade de Sidom, na região de Tiro uma cidade da Filistéia, uma terra pagã
habitada pelos cananeus.
Quem se lembra que nasceu nesta cidade? Jezabel
Jesus portanto tinha saído de Israel e naquela cidade de estrangeiros teve um encontro com uma mulher, a Bíblia não nos
revela seu nome, apenas sabemos tratar-se de uma mulher cananéia, ou uma mulher gentia.
As lições que podemos tirar para nossas vidas tratam de alguns requisitos indispensáveis à salvação eterna
1 . Fé ( vv.25,28 )

a) É um requisito indispensável a quem se aproxima de Deus {Hb 11:6)


Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de
Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam.

A mulher cananéia se torna para nós um exemplo de fé, pois ela tinha a certeza que Jesus poderia curar a sua filha. Uma fé
que a colocou em ação, uma fé que fez com que ela superasse as suas dificuldades, as suas diferenças, pois judeus e cananeus
não se suportavam.
Mas nada disso foi obstáculo para ela. Movida pela fé que aquele Jesus poderia curar a sua filha ela foi a sua procura, contra
tudo e contra todos.
Estamos vivendo movidos pela fé? Acreditamos incondicionalmente neste Jesus? Lutamos contra os obstáculos das nossas
vidas para apresentarmo-nos a Jesus?

b) Pela fé nos tornamos filhos de Deus (Gl 3:26)


Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus;

Somente crendo incondicionalmente em Jesus é que poderemos gozar do privilégio de sermos chamados filho de Deus, de
pertencermos a família de Deus, de gozarmos de sua misericórdia e de sua graça, sem a qual já estaríamos destruídos por
nossos pecados e delitos. Com ela alcançaremos a salvação.

2. Coragem (v.22)

Aquela mulher demonstra toda sua coragem, no momento que se despe dos preconceitos e das discriminações e vai até Jesus,
enfrentando o seu povo, enfrentando os discípulos que cercavam o Mestre, mas ela não temeu, caminhou em direção ao seu
alvo.

a) Não devemos temer, mas crer (Lc 8:50).


Jesus, porém, ouvindo-o, respondeu-lhe, dizendo: Não temas; crê somente, e será salva.

Quando nos aproximamos de Jesus não devemos temê-lo e sim ama-lo. Jesus espera que cheguemos a ele corajosamente, que
creiamos com nossos corações, que tenhamos a coragem de entregar nossas vidas ao seu total controle.
Você tem colocado sua vida diante de Jesus de forma incondicional? Você tem tido esta coragem de enfrentar qualquer
dificuldade ou desafio sem vacilar na fé?

b) Devemos ter a coragem de confessar a Jesus e abraçar a salvação (Lc 12:8).


E digo-vos que todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem o confessará diante dos
anjos de Deus.

3. Humildade (w.25,27)

Mais uma vez a mulher cananéia se apresenta com um comportamento exemplar, ela diante de Jesus se humilha, ela não quer
saber o que todos estão achando de seu gesto ela está ali diante de Jesus, já colocou sua fé em ação, encheu-se de coragem
para enfrentar a tudo e a todos ela então humilha-se e clama.

a) O orgulho sempre traz a ruína

Normalmente somos tomados de um orgulho que nos faz supor que somos capazes de resolver nossos próprios problemas, ou
que somos capazes de estarmos acima das pessoas, das dificuldades. O orgulho, a auto suficiência são o oposto da atitude
humilde, agradável a Deus.
Como está a nossa aproximação com Jesus? Será humilde?

4. Perseverança (vv.23,25,27).

Um último aspecto me chama atenção nesta passagem, a perseverança. A mulher foi afastada pelos discípulos e continuou,
por duas vezes Jesus questionou seus propósitos, mas ela continuou, pois acreditava que a salvação de sua filha estava em
Jesus. A mulher perseverou diante de todos os obstáculos.

a) É preciso sermos firmes em seguir a Jesus (Lc 9:62).


E Jesus lhe disse: Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus.

Não podemos vacilar, precisamos continuar sempre, olhando para o nosso alvo que é Jesus, sem cair para a direita ou para
esquerda, na certeza de que perseverando até o fim seremos salvos.
CONCLUSÃO

No exercício da fé, coragem, humildade e perseverança o pedido da mulher cananéia foi deferido e sua filha, salva.
Todas as vezes que nos aproximamos de Jesus com estes sentimentos preciosos conseguimos alcançar as bênção de que tanto
precisamos.
Mais do que isto sempre que nos aproximamos de Jesus com estas virtudes, alcançamos a nossa salvação.

Apelo

Você deseja alcançar uma graça especial de Deus? Sua vida tem estado atribulada, vazia.
Você esta cansado de tanto sofrimento?
Então hoje é o dia do refrigério. O dia em que sua vida entrará nos eixos com Deus. O dia da cura espiritual, o dia em que os
males irão findar em nome de Jesus.
11 - UMA PROPOSTA VITORIOSA

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

Logo no começo da primeira guerra mundial um jovem piloto foi abatido nos céus do Báltico.
Quando caía, a última bomba que o avião carregava explodiu arrancando-lhe a perna direita.
Todos pensaram que ele estaria inutilizado para sempre. Jamais poderia trabalhar na aviação. Mas uma enfermeira do hospital
em que se internara disse-lhe: Não se esqueça de que um homem é tão forte como a sua vida interior!
O jovem, pensando nessas palavras, percebeu logo que algumas aptidões dormentes que trazia no íntimo começavam a
despertar-se. Tornou-se um dos maiores especialistas em criar desenho de aviões para uso militar.
Na história de grandes personalidades encontramos exemplos da maneira pela qual se podem transformar as aparentes derrotas
da .vida em vitórias definitivas brilhantes.
Todas estas pessoas tem uma marca em comum um ideal. Um ideal que os move, que os dá disposição para entrar nesta
corrida da vida e lutar contra as dificuldades e que lhes garante o sucesso.
Nós crentes, temos igualmente um ideal e certamente muito maior e mais nobre que todos os outros que chama-se Jesus Cristo,
e é fundeado nele através da nossa fé é que enfrentamos esta corrida da vida em busca da vitória e do sucesso.
E sobre esta corrida que quero refletir com os irmãos.

Leitura Bíblica: Hebreus 12 : 1 - 2

Esta corrida é o teste da fé neste mundo, que dura a vida inteira


(1) A corrida deve ser efetuada com "paciência", ou seja, com perseverança e constância. O caminho da vitória é o mesmo
que o dos heróis bíblicos que esforçaram-se para chegar até ao fim
(2) Na corrida, devemos deixar de lado os pecados que nos atrapalham ou que nos fazem ficar para trás (v. 1) e fixarmos os
olhos, nossas vidas e nossos corações em Jesus e no exemplo que Ele nos legou na terra, de obediência perseverante.
(3) Na corrida, devemos estar conscientes de que o maior perigo que nos confronta é a tentação de ceder ao pecado, de voltar
àquela pátria de onde haviam saído", e de nos tornar, de novo, cidadãos do mundo.

Na nossa corrida da fé, olhamos para Jesus como:


(1) Nosso exemplo de confiança em Deus, de dedicação à vontade de Deus, de oração, de vencer as tentações e os
sofrimentos, de perseverança na lealdade ao Pai e de terminar a obra para a qual Deus nos chamou.
(2) Nossa fonte de energia, amor, graça, misericórdia e auxílio.

Mas o texto que lemos nos diz que:

I. "RODEADOS DE UMA TÃO GRANDE NUVEM DE TESTEMUNHAS"

1 Somos contemplados pelo mundo, pelos anjos e pelos homens.


Precisamos vigiar os nossos passos, dar um testemunho fiel e permanente de Jesus Cristo.
Somos vigiados por todos onde passamos. A "marca" que levamos requer um comportamento que fale do nosso ideal, que fale
do alvo da nossa corrida.

2. Deus, o Ser supremo, também nos vê (Jó 34.21 ).


Porque os olhos de Deus estão sobre os caminhos de cada um, e ele vê todos os seus passos.
Precisamos ter a consciência que o nosso Deus em usa onipresença também nos observa e irá qualificar a nossa fidelidade.

3. E intenso o interesse da parte dos espectadores.


Somos julgados a todos os momentos, e em nossas falhas ouvimos: "Imagine se ele não fosse crente..."

II. "DEIXEMOS TODO O EMBARAÇO, E O PECADO QUE TAO DE PERTO NOS RODEIA"

1. Abstenhamo-nos de todo empecilho.

2. Não permitamos o reino do pecado (Rm 6.12,13).

Não reine, portanto, mo pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; nem tampouco
apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre
mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.

3. Cumpre-nos deixar tudo


4. Deve haver a negação própria (Lc 9.23).
E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.

III. CORRAMOS COM PACIÊNCIA A CARREIRA QUE NOS ESTÁ PROPOSTA"

1. A paciência é atributo da igreja de Cristo


A igreja de Jesus Cristo deve ser referência para todas as nossas ações.

2. Importa ter paciência na tribulação (Rm 12.12).

Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;

3. Fortaleçamo-nos com a paciência

IV. "OLHANDQ PARA JESUS AUTOR E CONSUMADOR DA FE" . .

1. "Continuamente diante de nós

2. Os mártires cristãos olhavam a Jesus, mesmo em meio às chamas e aos suplícios.

3. Ante os aterradores acontecimentos finais, olhemos a Cristo (Lc21.28).

Ora, quando essas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai a vossa cabeça, porque a vossa redenção está
próxima.

4. Só olhando a Ele seremos salvos (Is 45.22).

Olhai para mim te sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.
12 - SUPERANDO CRISES

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Introdução:

No século 16, havia na Itália, na cidade de Cremona um menino chamado Antônio.


Antônio, como os outros meninos de sua cidade queria tocar bem um instrumento, ou cantar, duas atividades importantes para
os meninos em sua época.
Sua voz porém, não ajudava, e assim o seu sonho de participar do Coro Infantil foi por água á baixo. Aquilo havia frustrado
muito o menino.
Restava ainda uma opção, Antônio poderia tocar um instrumento na orquestra. O menino então começou a estudar violino,
para o desespero de seus vizinhos, que tanto reclamaram com seus pais que eles acabaram por proibir Antônio também de
tocar o instrumento.
Nas rodas de amigos, Antônio era ridicularizados pelos amigos que diziam que a música não tinha simpatia por Antônio, que o
jeito seria ele ser marceneiro mesmo, pois esta parecia sua real vocação.
Antônio, foi para o fundo poço, chorou, sofreu, mas resolveu que iria dar a volta por cima.
Procurou um homem chamado Nicolô Amati, conhecido em sua cidade com um fabricante de violinos, e pediu-lhe para que o
ensinasse aquele oficio.
Assim, Antônio canalizou toda a sua paixão pela música, no fabrico de violinos, trabalhava de forma obstinada para fazer
sempre o melhor violino, um após outro.
Em sua vida, fabricou de 1500 violinos, todos assinados com seu nome: Antônio Stradivarius.
Simplesmente o melhor violino do mundo, de preço incalculável. Hoje, no mundo, ainda existem 650 violinos autênticos
Stradivarius.
Antônio Stradivarius não sabia cantar, nem tocar mas deu a volta por cima, fez o que sabia e depois de 300 anos seus violinos
ainda produzem música belíssima.

Este caso nos traz um homem que com sua vontade própria superou uma dificuldade de sua vida.
Mas constantemente nos deparamos com situações que mostram um homem incapaz de reagir com suas próprias forças, e que
ao invés de conduzi-lo a uma volta por cima, atira-o cada vez mais em um precipício.
Assim são um mundo de vícios como, o álcool, as drogas, o jogo, a prostituição.
Todos estes fatores saltam os nossos olhos constantemente trazendo para nossa presença vidas que cada dia se perdem mais e
mais.
Mas não é só no vício que encontramos o homem se perdendo.
Freqüentemente encontramos pessoas se perdendo em seus relacionamentos familiares, incapazes de trazer harmonia para
dentro dos lares. Ou vemos pessoas aceitando o jugo do mundo se conformando em seu estado caído e perturbado.
Se você tem vivido alguma destas dificuldades, e já perdeu as esperanças em ter uma vida feliz e realizada.
Se você acha que não pode recomeçar e reescrever o seu destino, por que o seu tempo já passou.
Se você já não acredita mais em você.
Eu quero pedir-lhe uma atenção especial na mensagem do Senhor nesta noite, pois ela é dirigida a você.

Leitura Bíblica: Lucas 7 : 36 – 50

No texto que lemos encontramos uma mulher cuja esperanças, cujas as forças já se haviam esgotados.
Não apenas isto mas ela já era reconhecida e descriminada pela sociedade como uma pecadora. Alguém que não merecia
mais cuidados ou atenção de ninguém.
Uma pessoa que não conseguiria dar a volta por cima e recomeçar.
Até que ela soube da presença de Jesus naquela casa, e em seu coração veio novamente a esperança do recomeço.
A mulher vai então a presença de Cristo para pedir-Ihe perdão. A Bíblia não nos relata nenhuma das palavras daquela mulher,
mas os seus atos.

No V.38. Pelo seu amor e devoção por Jesus, esta mulher rega seus pés com lágrimas. O choro pode ser uma expressão de
tristeza e pesar, ou de amor e gratidão para com Cristo.
Chorando em oração com fé, podemos expressar diante de Deus aquilo que está em nosso coração.

Diz o Salmista: Salmos 126 : 5 - 6

“Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará,
sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.”

Foi contundente em sua declaração de arrependimento; parece que viu em Cristo uma possibilidade de começar de novo.
Você já pensou nisso: começar de novo? Não seria maravilhoso?
Essa é uma das coisas que mais me admira no relacionamento com Jesus, a possibilidade de recomeçar a vida.
Nem sempre significa mudança das circunstâncias externas, porém, sempre significa mudança das circunstâncias internas.
O mundo à volta da gente pode não mudar um milímetro, mas, a gente muda quilômetros. Ele nos limpa! O mundo pode
continuar em crise, mas, a crise não continua mais na gente. O mar pode continuar bravio, porém, a gente passa a andar por
sobre o mar.
A vida da gente fica mais importante que a crise e a gente tira a crise de "letra".
Do que será que aquela moça estava pedindo perdão? A reação de Simão, o fariseu, indica que a menina não gozava de boa
reputação.

Você - Se estivesse no lugar dela, do que pediria perdão a Jesus Cristo?

Eu gostaria de sugerir que você pedisse perdão ao Senhor pelo mesmo motivo que ela. Não precisa se ofender!

Eu penso que a moça, com aquele gesto estava dizendo a Jesus: "Olha o que eu deixei que a vida fizesse de mim e comigo. Me
perdoa, me dá um novo começo."

É assim mesmo: A gente vai vivendo displicentemente e, sem se dar conta de nossa maldade inata, que, muitas vezes,
manifesta-se de maneira sutil, vai deixando a roda da vida nos esmagar.
Um dia, a gente se levanta sem coragem de olhar se no espelho: não nos agüentamos mais, temos vergonha daquilo que nos
tornamos.
Subestimamos nossa fragilidade frente ao mal, assim como, nossa tendência para o mesmo.
A gente acumula preconceitos; teimosias; raivas; manias; mágoas; soberba; amargura; baixa estima; orgulhos; vaidades;
mentiras; frustrações; desesperanças; enganos; remorsos; depressões; vícios; inimizades e tantas outras manifestações da
maldade...
E agora? Faça como a moça, vá a Jesus Cristo, ele tem perdão para oferecer: perdão que esquece e que instaura a vida, que
desperta amor, que gera um novo começo.

v.47 . O verdadeiro amor e a sincera devoção a Cristo, da nossa parte, devem proceder da plena conscientização da gravidade
dos pecados cometidos no passado, do amor dEle por nós, manifesto na sua morte na cruz.
Precisamos Ter a convicção pessoal de que Ele cuida daqueles a quem perdoou.
Aproveite, Deus quer fazer surgir no ser humano o amor que nasce do perdão recebido - é tempo da graça.
Deus quer perdoar você e lhe dar um novo recomeço, para uma vida melhor diferente destes problemas que você tem vivido
até hoje.
Ah! Você não tem essa crise? É só uma questão de tempo ou de consciência. Não se iluda!
O homem com suas fraquezas é incapaz de superar estas crise sozinho, e é exatamente por isso é que ele fracassa.
Não queira ser um fracassado. Inicie hoje um recomeço. Um recomeço baseado no perdão de todos os seus pecados pelo
amor de Jesus Cristo.

Jesus é o único caminho que leva ao perdão de Deus.

Apelo
13 - O HOMEM E A PORTA ESTREITA

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Leitura Bíblica: Mt 7:13-14

Introdução: Para Jesus não há muitas portas, há somente duas, Não muitos caminhos, só dois: o bom e o mal, o da salvação
ou da perdição. O mundo, para Jesus, entra somente por duas portas e anda por dois caminhos. E a humanidade se divide em
cinco grupos com respeito a porta e o caminho a ser seguido.

I – OS QUE DEPRECIAM A PORTA: OS INIMIGOS

1 – são uma grande maioria


• São os soberbos e orgulhosos deste mundo
• Os que buscam a sua própria glória.
• Eles buscam arcos triunfais para passar por debaixo deles, como novos imperadores romanos.
• Os que necessitam de suficiente espaço para entrar com seu séquito de serventes

2 – Estes dão as recusas à porta


• É demasiadamente humilde para eles
• Não entra por ela aqueles que se consideram grandes
• Às vezes chegam a injuriar a porta e a maldizerem por ser um estorvo em seu caminho
• Em algumas ocasiões se lembram dela em silêncio com uma olhada de desprezo

II – OS QUE SE SIMPATIZAM COM A PORTA:SÃO OS AMIGOS DE LONGE

1 – O numero é bastante grande


• Formam um exército bastante numeroso diante da porta
• A contemplam com um sorriso e com um assentimento de cabeça
• Sabem que a porta é boa, a única que conduz a felicidade verdadeira
• E até chegam, às vezes, a mandar a outros que entrem por ela.

2 – Porém eles mesmos não entram


• Se desculpam com muita cortesia
• É que a porta para eles é demasiadamente estreita
• E demasiadamente humilde também
• Para alguns destes amigos, se a porta fosse um pouquinho mais larga... talvez entrariam! E até se atrevem a propor
uma reforma

III – OS QUE ENTRAM E SAEM: OS INCONSTANTES

1 – Compreendem uma grande maioria dos que passam pela igreja


• Se fosse publicada uma lista são 75 por cento dos membros que aceitam a Cristo
• Com esta gente a igreja é um saco furado, entram por cima e saem por baixo
• Entram muitas vezes sem propósito de entrar, e tão logo encontram o buraco, saem
• Constitui o problema mais sério para o pastor

2 – Porque saem tanta gente, depois de entrar ?


• Porque acreditavam que atrás da porta estava escondido um verdadeiro banquete
• Ou entraram pelo entusiasmo de alguém
• Ou tiveram que deixar para trás, não bem deixados, seus vícios
• E uma vez dentro da porta não se acostumaram sem eles
• E naturalmente, pulam fora

IV – OS QUE ENTRAM E SE DETÉM: OS VAGOS

1 – São menos que os do grupo anterior, porém são muitos


• Foram, que sabe, na promessa da igreja
• Entraram com muito entusiasmo
• Talvez chegaram a ser líderes de grupos
• Ou ocuparam outros cargos de importância
• Ou foram soldados de batalhas, porém valentes e fiéis

2 – Porém se cansaram logo


• Entraram pela porta e estacionaram perto dela contemplando
• Ou que sabe na metade do caminho
• Ou talvez três quartos da viagem
• Porém ai estão frios, mais mortos do que vivos
• São mais impecilhos do que bênçãos na igreja
• Não deixam outros passar, porque estão encostados no caminho, e impendem o transito
• Quando morrem se encontrarão muito longe da meta final
• Se encontrarão muito longe da porta final da glória

V – OS QUE ENTRAM E SEGUEM MARCHANDO FIÉIS

1 – São os poucos, os muitos contados


• Os que deixaram tudo para poder entrar pela porta
• Os que abraçaram com alegria as condições do porteiro
• Os que entraram decididos a não voltar atrás
• Os que abandonaram muito bem as coisas deste sistema
• Pode ser que caiam uma ou outra vez, porém uma ou outra vez se levantaram com muito mais brilho e força

2 – Para estes não há descanso


• Sabem que não podem retroceder
• Sabem que não podem dormir
• Sabem que a jornada é dura, porém também sabem que a medida que avançam fica mais fácil
• Sabem que há perigos, porém também sabem que estes não são nada comparado com as bênçãos recebidas
• Vão subindo, sempre subindo, até em cima
• Vão deixando o calor de baixo e sentindo o frescor das alturas
• Vão se submergindo de um novo ambiente de uma nova vida que se renova sem cessar a medida que vão subindo
• São estes somente que chegarão ao final da jornada, os que encontrarão aberta a segunda porta pela qual entrarão nas
moradas eternas.

Conclusão: Há somente um prêmio para os que entram pela porta e seguem marchando pelo caminho. E os outros? Resumir
os quatro grupos anteriores. Está você com os outros? Ap 3:20,21
14 - AOS PÉS DE JESUS
Pr. Laerte Corrêa dos Santos
Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Leitura Bíblica: Lc. 7:37-38.

Esse é o lugar mais abençoado no mundo (Dt. 33:3). Essa é a posição mais apropriada para todos os homens. O pecador
confessa, ali, seu pecado. O filho de Deus O adora ali.

1. O lugar do perdão dos pecados (Lc. 7:38 ss).


A grande pecadora encontrou a certeza do perdão dos pecados.

2. O lugar de descanso (Lc. 8:35).


E saíram a ver o que tinha acontecido e vieram ter com Jesus. Acharam, então, o homem de quem haviam
saído os demônios, vestido e em seu juízo, assentado aos pés de Jesus; e temeram.
O temido gesareno, sentou-se calmo e comportado. As forças de Satanás tiveram que se afastar.

3. Aos pés de Jesus qualquer aflição é acalmada (Mc. 7:25, 29, 30).
E eis que chegou um dos principais da sinagoga, por nome Jairo, e, vendo-o, prostrou-se aos seus pés
Neles, Jairo deixou o seu fardo (Mc. 5:22).

4. Aprendemos a maior sabedoria (Lc. 10:39-42).


E tinha esta uma irmã, chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra.
Isto Maria experimentou, lá ela recebeu a "boa parte". Sua obra em João 12:3-8, teve aqui sua origem.

5. Podemos adorar (Lc. 17:16).


E caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças; e este era samaritano.
Isto fez o samaritano curado. Dez foram curados, mas somente um voltou para adorar. Pertencemos aos nove ingratos?

6. Encontramos grande alegria (Lc. 24:52,53).


E, adorando-o eles, tornaram com grande júbilo para Jerusalém. E estavam sempre no templo, louvando e bendizendo a
Deus. Amém!
Mesmo na hora da despedida os discípulos foram enchidos com grande alegria.

7. Recebemos ordens (Lc. 24:46-47).


E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse e, ao terceiro dia, ressuscitasse dos mortos; e, em
seu nome, se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém.
Quando o Senhor partiu ordenou, aos discípulos, de trabalharem por Ele

8. Recebemos o poder para o serviço. (Lc. 24:49-50).


E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de
poder. E levou-os fora, até Betânia; e, levantando as mãos, os abençoou.
O Senhor mostrou a Seus discípulos a fonte do poder: a oração
14 - A FORÇA DO OLHAR

Pr. Laerte Corrêa dos Santos


Ig. Batista Josué - Fortaleza -Ce

Leitura Bíblica: Miquéias 7 : 1 - 19

Introdução:
- Stanley Jones ao analisar a atitude cristã diante do sofrimento humano afirmou:
"A vida muitas vezes, se nos parece como Simão: Saímos de casa num dia sem nuvens, com os pássaros a gorjear. A vida
parece cheia de esperança e promessa. Mas, de repente, encontramo-nos no meio da tragédia; as circunstâncias põem sobre nós
uma cruz pesada e somos obrigados a subir num calvário"
- O grande desafio do cristão é saber como enfrentar estes momentos de crise!
- O texto de Miquéias contém lições importantes para quemdeseja vencer os desafios da vida!

I - O PROFETA DESCREVE UM PERÍODO DE PROFUNDA ESCASSEZ ESPIRITUAL! - Miquéias 7: 1


- Numa simbologia ele descreve uma árvore sem fruto!
- Uma árvore desprovida de folhas e por isso condenada!
- Este quadro não nos é estranho!
- Hoje - a igreja mostra muita atividade com pouca produtividade!
- muito movimento e pouco deslocamento!
- muitas palavras e poucas ações!
- Sem dúvida - há na igreja de hoje uma escassez de salvação, de santificação, de fidelidade e pureza de vida!

II - O PROFETA DESCREVE UM PERÍODO DE PROFUNDA ESCASSEZ MORAL! - Miquéias 7: 2 - 3


- A história nos conta que os grandes impérios caíram não sob a força das armas...
- Mas foram derrotados pela força da corrupção moral!
- O quadro descrito pelo profeta Isaías ainda tem cores nos dias de hoje - Isaías 1:10-17

III - O PROFETA DESCREVE UM PERÍODO DE PROFUNDA DESCONFIANÇA NO RELACIONAMENTO


INTERPESSOAL! - Miquéias 7: 5
- Hoje é muito difícil acreditar na palavra de alguém!
- Membros não confiam nos seus pastores!
- Pastores desconfiam de seus auxiliares!
- Estamos vivendo em ilhas!
- A obra de Deus não consegue avançar quando há desconfiança no seio da igreja!

IV - O PROFETA DESCREVE UM PERÍODO DE PROFUNDAS MUDANÇAS NO SEIO DA FAMÍLIA! Miquéias 7:


6
- A família tem sido um dos alvos prediletos do diabo!
- Não há ódio, não há desamor, não há brigas!
- Simplesmente há muita indiferença entre seus membros!
- Quando a família é atingida, a igreja sofre!

V - A QUESTÃO É SABER COMO AGIR DURANTE ESSES PERÍODOS CRÍTICOS! - Miquéias 7:7
- A resposta parece muito simples em se tratando de problemas tão complexos!
- Mas o profeta conseguiu superar todas estas crises tomando uma decisão que está ao alcance de todos nós!
- O que é olhar para o Senhor?
- Em primeiro lugar - é reconhecer que esse olhar cria uma ponte entre a minha vida e Deus!
- ao olhar eu não estou contemplando uma pessoa estranha, desligada dos meus problemas!
- a linguagem do olhar é muito forte. Nem mesmo o diabo consegue impedir esta comunicação!
- Em segundo lugar - esse olhar nos levanta quando somos empurrados pelas adversidades da vida! Miquéias 7: 8
- Em terceiro lugar - esse olhar nos faz viver na dependência das misericórdias de Deus! Miquéias 7: 18
- Em quarto lugar - esse olhar renova a nossa esperança - Miquéias 7:19

CONCLUSÃO
- Jesus ao falar sobre as ansiedades da vida, deixou um remédio muito eficaz!
- Ele mandou simplesmente que olhássemos para os lírios do campo!
- Onde você estiver lendo esta mensagem, você pode levantar seus olhos e contemplar a graça libertadora de Deus!