Você está na página 1de 4

NOV.

1991 MB-3472
ABNT Estacas Prova de carga estática

ABNT Associação Brasileira


de Normas Técnicas
Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 28º andar
CEP 20003-900 Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro RJ
Tel.: PABX (021) 210-3122
Telex: (021) 34333 ABNT BR
Endereço Telegráfico:
NORMATÉCNICA

Método de ensaio

Origem: Projeto 02:004.11-001/90


CB-02 Comitê Brasileiro de Construção Civil
Copyright © 1996. CE-02:004.11 Comissão de Estudo de Execução de Prova de Estacas
ABNT Associação Brasileira de
Normas Técnicas MB-3472 Pile load test - Method of test
Printed in Brazil/ Esta Norma cancela e substitui a NB-20/85
Impresso no Brasil
Todos os Direitos Reservados Palavra-chave: Prova de carga 4 páginas

1. Objetivo 2.1.3 O macaco ou macacos utilizados devem ter


capacidade, ao menos, 10% maior que o máximo
1.1 Esta Norma prescreve o método de prova de carga em carregamento do ensaio e cuso de êmbolo compatível com
estacas, que visa fornecer elementos para avaliar seu os deslocamentos máximos esperados entre o topo da
comportamento carga x deslocamento e estimar suas estaca e o sistema de reação.
características de carga.
2.1.4 O sistema de reação para provas de carga à
1.2 A prova de carga consiste, basicamente, em aplicar compressão pode ser:
esforços estáticos crescentes à estaca e registrar os
deslocamentos correspondentes. Os esforços aplicados a) plataforma carregada (cargueira), desde que:
podem ser axiais de tração ou compressão, ou transversais.
- a plataforma seja sustentada por cavaletes ou
1.3 Esta Norma se aplica a todos os tipos de estacas, fogueiras , projetadas de forma a garantir condições
verticais ou inclinadas, independente do processo de adequadas de segurança;
execução e de instalação no terreno, inclusive a tubulões,
que a elas se assemelham. - a plataforma seja carregada com material cuja
massa total permita superar a carga máxima prevista
2 Aparelhagem para a prova em, ao menos, 15%;

- a segurança do sistema seja verificada durante


2.1 Dispositivo de aplicação de carga
toda a realização da prova de carga;
2.1.1 O dispositivo de aplicação de carga é constituído por
d) estruturas fixadas ao terreno através de elementos
um ou mais macacos hidráulicos alimentados por bombas
tracionados, projetados e executados em número
elétricas ou manuais, atuando contra um sistema de reação
suficiente para que o conjunto permaneça estável
estável.
sob as cargas máximas do ensaio. Estes elementos
tracionados podem ser:
2.1.2 O conjunto deve ser projetado, montado e utilizado de
forma que a carga aplicada atue na direção desejada, sem
- conjunto de estacas definitivas ou executadas
produzir choques ou vibrações. Quando for utilizado mais de
apenas para atender à realização do ensaio,
um macaco hidráulico deve ser feita uma programação e o
projetadas com capacidade de carga à tração, ao
ponto de aplicação da carga.
menos, 1,5 vez maior que a máxima carga
MB-3472/1991

- prevista para a prova. Por segurança, o anualmente.


comportamento das estacas de reação deve ser
verificado durante todo o desenrolar da prova; 2.2.4 Os deslocamentos verticais do topo da estaca são
medidos simultaneamente através de quatro extensômetros
mecânicos instalados em dois eixos ortogonais. Os
- conjunto de tirantes ancorados no terreno, extensômetros devem permitir leituras diretas de 0,01mm.
previamente ensaiados com, pelo menos, 1,2
vez a máxima carga prevista para cada tirante; 2.2.5 No caso de carregamento transversais os
deslocamentos são medidos por dois ou mais extensômetros
c) a própria estrutura, devidamente verificada. dispostos no plano ortogonal ao eixo da estaca,
simetricamente posicionadas em relação ao plano vertical
2.1.5 Nas provas de carga com carregamentos transversais que contém a carga e na direção desta. Os extensômetros
ou axiais à tração, a reação pode ser obtida no terreno, nas devem permitir leituras diretas de 0,01mm.
estruturas existentes ou em outras estacas. O sistema deve
ser projetado de modo a garantir coeficiente de segurança 2.2.6 Por segurança, em ensaios carregamento axial, os
mínimo de 1,5. movimentos laterais da estaca devem ser continuamente
acompanhados para identificar a introdução de esforços
2.1.6 Para provas de carga com esforços simultâneos, em adicionais.
estacas inclinadas e em obras dentro d água, exige-se a
apresentação de projeto especifico e memorial justificativo. 2.2.7 Os extensômetros ficam apoiados ou fixados em vigas
de referência com as seguintes características:
2.1.7 Entre o sistema de reação e a estaca ensaiada,
quando esta tiver seção transversal, deve haver uma b) rigidez compatível com a sensibilidade das
distância livre mínima de três vezes o diâmetro da maior medidas;
seção transversal da estaca ou ao menos 1,5 m. Esta
distância livre é medida do eixo da estaca ao ponto mais c) Independência de eventuais movimentos do
próximo do eixo do bulbo dos tirantes ou, estacas terreno. Para tanto, são simplesmente apoiados em
tracionadas ou, no caso de reação contra a estrutura ou ambas extremidades, em peças fixadas ao solo
cargueiras, do eixo da estaca até o ponto mais próximo do distantes, quando as estacas forem de seção
apoio do sistema de reação. Para o caso de estacas de transversal circular, cinco diâmetro da maior seção
seção transversal não circular, a distância livre mínima deve transversal ou 1,5m, no mínimo, do eixo da estaca
ser 2,5 vezes a menor dimensão da maior seção transversal, ensaiada, do eixo dos tirantes ou estacas
medida de qualquer ponto do menor polígono que tracionadas ou do ponto mais próximo do apoio do
circunscreve esta seção até o ponto mais próximo do eixo do sistema de reação. Para as estacas de seção
bulbo dos tirantes ou estacas da reação, ou ainda, do ponto transversal não circular, a distância deve ser 4,5
mais próximo do apoio do sistema de reação, nos casos em vezes a menor dimensão da maior seção
que este sega a estrutura ou cargueiras. transversal da estaca ou 1,5m, ao menos, medidos
de qualquer ponto das faces do menor polígono que
2.1.8 A distância mínima especificada em 2.1.7 deve ser circunscreve a seção;
majorada nos seguintes casos:
d) Os efeitos externos, tais como o vento e a
a) quando o processo executivo do sistema de reação temperatura sobre a viga de referência, devem ser
e a natureza do terreno puderem influenciar o considerados quando os deslocamentos por eles
comportamento da estaca ser ensaiada; provados forem significativos.

b) quando as estacas tiverem comprimentos 2.2.8 Nos casos que houver dúvidas quando à imobilidade
superiores a 20m e não haja garantia da sua do sistema de referência, deve haver controle através de
axialidade. instrumento ótico de pressão e referencial de nível profundo
situado a uma distância mínima de 30 diâmetros ou 10m do
2.2 Dispositivos de medidas eixo da estaca ensaiada. Para as estacas de seção
transversal não circular, a distância deve ser de 29,5 vezes a
2.2.1 Na prova de carga são, obrigatoriamente, realizadas menor dimensão da maior seção transversal da estaca,
medidas das cargas aplicadas, dos deslocamentos axiais medidos de qualquer ponto das faces do menor polígono
(ensaio com carregamento axial) ou transversais (ensaios que circunscreve a seção.
com carregamento transversal) do topo da estaca e do
tempo da realização de cada medida. Eventualmente, 2.2.9 Os dispositivos de medidas aparelhos e vigas de
podem ser medidos os deslocamentos e deformações ao referência deve estar convenientemente abrigados de
longo da estaca ensaiada visando conhecer a transferência intempéries. Outras interferências, tais como vibrações,
de carga. devem ser evitadas durante todo o transcorrer da prova.

2.2.2 As cargas aplicadas no topo da estaca são medidas


com manômetro instalado no sistema de alimentação do 3 Execução do ensaio
macaco hidráulico ou por uma célula de carga. O manômetro
a ser utilizado deve ter uma leitura máxima que não 3.1 Preparação da prova de carga
ultrapasse 25% à máxima prevista na prova de carga o uso
da célula nas provas de carga permitirá uma maior precisão. 3.1.1 A realização da prova de carga deve ser comunicada
ao executante da estaca e ao solicitante dos ensaios,
2.2.3 O conjunto macaco hidráulico-bomba-manômetro deve devendo ser garantido seu acesso em todas as frases da
estar calibrado e ter certificado de calibração atualizado execução do ensaio.
MB-3472/1991

3.1.2 A estaca a ser ensaiada deve ser suficientemente trabalho prevista para a estaca ensaiada;
documentada. Estes registros devem incluir, detalhamento,
sua geometria, seu método de execução e as propriedades - em cada estágio a carga deve ser mantida até a
dos materiais construtivos. Quando for o caso, serão estabilização dos deslocamentos e, no mínimo,
fornecidos parâmetros de cravação, escavação ou injeção e por 30min;
a descrição de incidentes de qualquer natureza.
b) em cada estágio os deslocamentos devem ser lidos
3.1.3 O subsolo onde estiver instalada a estaca submetida à imediatamente após a aplicação da carga
prova de carga deve estar reconhecido por meio de correspondente, seguindo-se leituras decorridos
sondagens de simples reconhecimento à percussão. A 2min, 4min, 8min, 15min, e 30min contados a partir
estaca deve estar situada dentro da área de abrangência da do início do estágio e posteriormente a cada 30min,
sondagem mais próxima. A profundidade atingida pela até se atingir a estabilização;
sondagem deve ser superior à área atingida pela ponta da
estaca. Quando necessário, a critério do projetista, as c) a estabilização dos deslocamentos é determinada
sondagens devem ser complementadas por novas através da avaliação do desempenho da curva
sondagens ou outros ensaios geotécnicos de campo ou de tempo x deslocamento, sendo admitida quando a
laboratório. diferença entre as leituras realizadas nos tempos t e
t/2 corresponder a, no máximo, 5% do
3.1.4 Para a realização da prova de carga o topo da estaca deslocamento havido no mesmo estágio (entre o
deve ser convenientemente preparado, de tal maneira que deslocamento da estabilização do estágio anterior e
os esforços aplicados não comprometam a sua integridade o atual);
estrutural. Nessa preparação deve-se remover o trecho do
topo da estaca eventualmente danificado ou o material de d) não sendo atingida a ruptura da estaca, a carga
má qualidade, refazendo-o de modo a adequá-lo às máxima do ensaio deve ser mantida durante um
condições do ensaio. tempo mínimo de 12h entre a estabilização dos
recalques e o início do descarregamento;
3.2 Momento do início do ensaio
e) o descarregamento deve ser feito em, no mínimo,
3.2.1 Entre a instalação da estaca e o início do quatro estágios. Cada estágio é mantido até a
carregamento da prova de carga deve ser respeitado um estabilização dos deslocamentos com registros
prazo mínimo de três dias, no caso de solos com segundo os critérios estabelecidos em 3.3.2b e
comportamento não coesivo e dez dias, no caso de solos 3.3.2c. O tempo mínimo de cada estágio é de
com comportamento coesivo. 15min;

3.2.2 No caso de estacas moldadas no solo, além do fixado f) após o descarregamento total, as leituras dos
em 3.2.1, deve-se garantir um prazo mínimo para que a deslocamentos devem continuar até a sua
resistência do elemento estrutural seja compatível com a estabilização.
carga máxima do ensaio. A resistência característica do
concreto deve ser certificada por meio de ensaios 3.3.3 O ensaio rápido é realizado segundo as seguintes
pertinentes. prescrições:

3.2.3 Os prazos fixados em 3.2.1 podem ser modificados a) o carregamento é feito em estágios iguais e
caso haja interesse em observar o comportamento da estaca sucessivos, observando-se que:
ao longo do tempo (casos de recuperação ou perda de
resistência do solo ao longo do tempo, atrito negativo, etc.). - a carga aplicada em cada estágio deve ser
superior a 10% da carga de trabalho prevista
3.3 Execução da prova de carga para a estaca ensaiada
- em cada estágio a carga deve ser mantida
3.3.1 Na execução da prova de carga, a estaca é carregada durante 5min, independente da estabilização
até a ruptura ou, ao menos, até duas vezes o valor previsto dos deslocamentos;
para sua carga de trabalho. A critério do projetista o ensaio
pode ser realizado. b) em cada estágio os deslocamentos são lidos
obrigatoriamente no início e no final do estágio;
a) com carregamento lento;
c) atingida a carga máxima do ensaio, o
b) com carregamento rápido descarregamento deve ser feito em quatro estágios,
cada um mantido por 5min, com a leitura dos
As deformações correspondentes a estes dois tipos de respectivos deslocamentos;
ensaios podem ser diferentes e sua interpretação deve
considerar o tipo de carregamento empregado. d) após de 10min do descarregamento total, deve ser
feita uma leitura final.
3.3.2 O ensaio lento é realizado segundo as seguintes
prescrições: 3.3.4 Outros procedimentos de ensaio podem ser adotados,
desde que previamente justificados pelo projetista. Neste
a) o carregamento é feito em estágios iguais e caso, é sempre exigido, para fins de comparação, que pelo
sucessivos, observando-se que: menos uma das provas de carga da obra sega executada
conforme 3.3.2 ou 3.3.3.
- a carga aplicada em cada estágio não deve ser
superior a 20% da carga de 3.3.5 Provas de carga para solicitações combinadas, como
MB-3472/1991

compressão com esforço transversal, etc. devem obedecer, - cotas do topo e ponta da estaca;
no que couber, a 3.3.1. Neste caso, é indispensável que os
dispositivos de reação e de aplicação de carga reproduzam - data de execução, moldagem e cravação;
as condições reais de trabalho da estaca.
- características estruturais da estaca (armadura,
3.3.6 Nas provas de carga interrompidas por acidente adota-
se em dos seguintes procedimentos:
concreto, etc.);

a) acidente no sistema de referência ou de leitura c) dados de instalação da estaca, como:

- nos ensaios lentos a estaca é descarregada até - dados do equipamento de execução, conforme o
o estágio anterior, refazendo-se imediatamente tipo da estaca;
o sistema de referência e leitura e retomando-
se,a prova de carga, adotando-se como nova - informações referente a eventuais ocorrência
leitura inicial o deslocamento de estabilização anormais durante a execução, conforme 3.1.1;
do estágio anterior;
d) referência aos dispositivos de aplicação de carga e
- nos ensaios rápidos a estaca deve ser de medição das deformações, inclusive número e
totalmente descarregada e o ensaio reiniciado; localização dos extensômetros e dados de aferição
b) anormalidade no sistema de reação ou de aplicação
do conjunto macaco-bomba-monômetro;
de carga
e) ocorrência excepcionais durante o ensaio, tais
- neste caso, a estaca deve ser totalmente como:
descarregada e a prova de carga reiniciada
dentro de um prazo a ser definido pelo - perturbações dos dispositivos de carga e de
projetista. medição;

4 Resultados - modificações na superfície do terreno contíguo


à estaca;
4.1 Os resultados da prova de carga devem ser
apresentados em relatórios contendo, pelo menos, as - eventuais alterações nos pontos de fixação das
seguintes informações: referências de leituras;
a) descrição geral do ensaio realizado, incluindo:
- desaprumos do dispositivo de carga;
- identificação do ensaio e sua localização;
- deformação excessiva dos tirantes;
- data e hora do início e final da prova;
- outras inobservâncias da Norma devidas a
- planta de locação, indicando a estaca ensaiada contingências locais:
e os pontos de realização dos ensaios de
campo para a caracterização do solo; f) tabelas das leituras tempo-recalque e carga-recalque
de todos os estágios;
- representação das características do terreno
através do perfil geotécnico do local do ensaio, g) curva carga x deslocamento salientando os tempos
obtido na sondagem mais próxima; de início e fim de cada estágio, adotando-se uma
escala tal que a reta ligando a origem e o ponto da
- planta e corte da montagem da prova de carga,
mostrando os sistemas de reação, de aplicação
curva correspondente à carga estimada de trabalho
de carga e os dispositivos de leitura e resulte numa inclinação de (20 ± 5)º com o eixo das
referência; cargas.

b) tipo e característica da estaca ensaiadas, tais 4.2 Adicionalmente, em provas de carga com instrumentação
como: ao longo do comprimento da estaca, devem ser apresentados
a descrição detalhada dos instrumentos utilizados, sua
- dimensões geotécnicas (o comprimento, a locação e os resultados obtidos, em forma de tabela, com
seção transversal, o volume de base, se houver, leituras, a formulação usada para interpretação dos dados e a
e, eventualmente, inclinação); interpretação gráfica da análise.