Você está na página 1de 7

Eficiência na gestão dos contratos

administrativos
Fernanda Alves Andrade

Sumário: 1 – Princípio da eficiência. 2 – Distinção entre eficiência e eficácia. 3 -


Práticas eficientes na gestão de contratos. 4 - Efetividade e gestão contratual. 5
Conclusão.

1 – PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA

O princípio da eficiência é condicionante da atividade legislativa infra-constitucional,


da atuação administrativa do Estado e do controle cabível. Antes de sua inserção no
caput do art. 37 da Constituição da República, ele já existia nos artigos 37, §3º, 70 e 175
da mesma Carta Política.

Sempre que houver menção à economicidade e a meios que assegurem o controle, a


aferição ou a reclamação quanto aos serviços públicos prestados, estar-se-á diante da
consagração do princípio da eficiência. Mas não é só isto. O foco no resultado final da
atividade desempenhada pela Administração Pública igualmente levará à identificação
deste princípio. Quer dizer, na escolha dos meios de atuação, o Estado deve considerar a
eficiência no atingimento dos objetivos públicos.

Numa visão mais abrangente dos meios de concreção do princípio da eficiência,


podemos relacionar: a realização de políticas democráticas, a eliminação de
formalidades excessivas, desnecessárias e infundadas (desburocratização), a eliminação
de desperdícios (seja de material, seja de recursos humanos), a implantação de
processos de planejamento, a adequada execução e efetivo controle das atividades
realizadas pela Administração.

O princípio da eficiência vincula a atividade administrativa sob dois aspectos: primeiro,


o comportamento da Administração em favor dos cidadãos; segundo, a atividade interna
instrumental, que deve focar na realização dos objetivos e finalidades do Estado. O
segundo aspecto possui maior intimidade com o tema gestão de contratos
administrativos. Mas este aspecto abrange o objetivo imediato da boa gestão, já que, em
resumo, esta haverá de irradiar seus efeitos também naquele primeiro aspecto abordado.

Textos relacionados

Controle externo da Administração Pública: hipóteses de determinação judicial


de cumprimento de norma programática
Lei de Mobilidade Urbana entra em vigor em abril com mudanças para
concessionários de serviços públicos
A inconstitucionalidade da exigibilidade da contribuição social do detentor de
mandato eletivo
Câmara Municipal: competência para normatizar licitações e contratos
administrativos
Teoria das autolimitações administrativas no processo administrativo

A eficiência deve sempre ser medida em estreita relação com aquilo que a
Administração pretende realizar ou adquirir. É que uma ação pode se revelar
extremamente eficiente, mas não estar em consonância com os valores e princípios
regentes da atividade administrativa. Por isso, é preciso cuidado e atenção na
estipulação de meios de aplicação de técnicas eficientes.

Por exemplo, aplicar penalidade a contratado que descumpre com seus deveres durante
a gestão contratual sem a instauração de regular processo administrativo, ofende à
legislação constitucional e infra-constitucional (contraditório, ampla defesa e a lei geral
de licitações e contratos). Não se pode, portanto, ofender ao procedimento regularmente
posto (legalidade), para se atingir a eficiência pretendida. Por outro lado, priorizar a
forma, em franco abandono à finalidade é conduta incompatível com a melhor
orientação administrativa.

Neste sentido leciona Jair Santana:

[...] Não se está advogando em absoluto o desapego às formas ou formalidades,


importantíssimas para guiar as condutas administrativas. Mas se quer pontuar, desde
logo, que casos há em que a forma não poderá sobrepor-se ao fim. Essa, aliás, a
tendência interpretativa propagada e adotada modernamente no cenário pátrio. [01] [...]

Nem se diga que esta eficiência deve-se ater tão somente à redução de gastos,
direcionando-a para a economicidade. A redução de custos é um dos objetivos da
eficiência, mas não o único. O foco no resultado, o ganho de tempo nos processos de
produção, a satisfação do usuário, o melhor exercício das missões de interesse coletivo
que incumbe ao Estado, são também objetivos aos quais a eficiência deve se
reverenciar.

Até mesmo a discricionariedade administrativa tem seus parâmetros definidos pela


eficiência. É que na atuação discricionária deve o agente público pautar-se pela escolha
da forma que melhor se apresenta para o atendimento das necessidades sociais presentes
ao caso.

Também a segurança jurídica deve ser respeitada no emprego de meios eficientes de


gestão. A atuação dos gestores deve se pautar pelo seguimento à lei, aos princípios
regentes da Administração Pública e aos métodos de trabalho e de atuação previamente
definidos.

O conhecimento da legislação pertinente aos contratos administrativos, das regras


postas no edital para reger a contratação e das próprias cláusulas do contrato
administrativo, como também o respeito a estas regras são, portanto, imperativos.

2 – DISTINÇÃO ENTRE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA


É comum no meio jurídico e no âmbito da atuação administrativa a utilização da
expressão eficiência como sinônimo de eficácia.

No âmbito da ciência da Administração não é bem assim.

Eficiência simboliza o meio utilizado para a obtenção de determinado produto. É,


portanto, a razão entre o esforço e o resultado; entre o custo e o benefício. Traduz a
melhor maneira pela qual realizar alguma atividade, aplicando os recursos de que se
dispõe do modo mais racional possível.

Eficácia possui estreita relação com o resultado pretendido. Analisa o alcance dos
objetivos com os recursos disponíveis. Com sabedoria registrou a doutrinadora:

Não se pode correr o risco de transitar, atualmente, da máxima ‘os fins justificam os
meios’ para a ordem absoluta ‘use os meios de que precisar ou até mesmo os ignore,
mas atinja o fim a qualquer custo’. Isto significa proibição de abrir mão da eficácia, sem
exceções. Os riscos de tal comportamento elevam-se na medida em que eventualmente
se estabeleça como objetivos da atuação administrativa aspectos estritamente
econômicos, como a maximização de lucros e a redução de custos. Não se pode
mensurar o sucesso do exercício da competência pública pelos mesmos critérios que
orientam a atuação privada. [02]

O princípio da eficiência impõe atuação voltada ao atendimento dos objetivos da


administração (relação entre meios e fins). A eficácia impõe a escolha do método mais
adequado à busca desses fins (alcance dos objetivos por meio dos recursos disponíveis).

3 - PRÁTICAS EFICIENTES NA GESTÃO DE CONTRATOS

A condução das atividades internas deve se pautar por critérios que primem pela
maximização de resultados. Assim, o planejamento estratégico, o desenvolvimento de
metas e a parametrização dos meios de atingi-las são passos inafastáveis na atuação dos
gestores públicos.

A realização das atividades cotidianas há de se orientar por condutas objetivas, focadas


nos resultados a que se destinam, tais como as seguintes:

a)Otimização de resultados;

b)Ampliação, ao máximo, das vantagens aos administrados;

c)Enxugamento de gastos;

d)Enxugamento dos processos de produção;

e)Ampliação da qualidade nas atividades

f)Ampliação da produtividade
g)Satisfação das necessidades administrativas e sociais

O rol anteriormente descrito é meramente exemplificativo. Assim, um sem-número de


orientações e atividades podem conduzir à boa gestão dos contratos administrativos.

O setor encarregado dos contratos na Administração deve estar munido do instrumental


necessário ao adequado acompanhamento do processo de fornecimento. Referimo-nos a
meios eletrônicos (internet, softwares, etc.), à capacitação do pessoal envolvido nas
atividades respectivas, e a todo o operacional útil à concreção da autêntica gestão
contratual. O rigoroso controle das demandas, o acionamento de alerta diante da
redução de estoques, o adequado armazenamento de produtos e a sua dispensabilidade
quando cabível, o conhecimento do tempo demandado para o abastecimento, são
exemplos de informações que devem ser conhecidas dos gestores, uma vez que são
fundamentais na deflagração do processo de aquisição.

Mas não é só isto. O próprio exercício da função fiscalizatória e sancionadora constitui


excelente ferramenta de que pode dispor a Administração na busca da excelência. A
instauração de regular processo administrativo e o apenamento de contratados faltosos,
uma vez caracterizada a sua responsabilidade constitui fator não só corretivo, mas
também preventivo, na medida em que impõe uma atitude de respeito dos fornecedores
para com a Unidade Administrativa que faz uso desta prerrogativa legal.

Aliás, a desconsideração da pessoa jurídica é outro instrumento de reconhecido


potencial no afastamento de pessoas mal intencionadas, cujas práticas comerciais lesam
seus fornecedores. E a modificação da legislação de licitações, tal como proposto no
projeto de lei nº 7.709/07, não é necessária para a aplicação desta ferramenta. É que por
força da aplicação supletiva da teoria geral dos contratos e das disposições do Direito
Privado aos contratos administrativos, nos termos do artigo 54 da Lei nº 8.666/93,
mesmo hoje se pode afastar dos processos licitatórios e da própria contratação
fornecedores cuja atuação pretérita lesou os interesses e os cofres públicos.

Neste sentido citamos:

[...] É instituto que se afeiçoa a qualquer ramo do Direito, pois o abuso pode ser
praticado pela pessoa jurídica com vista a lesar credores, a prejudicar o Fisco, a
ludibriar direitos dos familiares dos sócios, a escapar de sanções administrativas, a fazer
tabula rasa do interesse público, a ignorar os direitos do consumidor, a vilipendiar os
direitos dos trabalhadores e a burlar a lei, por exemplo, tendo como objetivo favorecer
seus sócios. É instituto, pode-se afirmar, da Teoria Geral do Direito. Aliás, Toshio
Mukai (Direito Administrativo e Empresas do Estado, 1ª. Ed., Rio de Janeiro, Forense,
1984, p.221) assevera que o problema da desconsideração da pessoa jurídica é do
âmbito da Teoria Geral do Direito. Esse reconhecimento não impede que o Direito
Positivo institua e estabeleça critérios objetivos para a desconsideração da pessoa
jurídica [03].

O TCU e o STJ, além de outros tribunais pátrios, entendem lícita a aplicação da


desconsideração da pessoa jurídica no âmbito administrativo. Este não é o foco do
presente estudo. Apenas para exemplificar, citamos os acórdãos do TCU, a saber:
2077/04 – Plenário, 2.437/04 – 2ª Câmara, 2.943/2004, 1ª Câmara e 39/05 – Plenário. E
ainda o acórdão proferido pelo STJ no Recurso Especial n.º n. 151.567.
Como se vê, o foco da gestão de contratos é amplíssimo, pois remete a questões legais,
instrumentais, operacionais e econômicas mas, sobretudo ao resultado do processo de
compra. É preciso, portanto, estabelecer canais de diálogo entre os "clientes" internos
(servidores, que obtém os produtos e serviços necessários à execução de suas funções) e
externos (os cidadãos, para os quais converge todo o interesse público, fim maior da
atividade estatal) da Administração com o setor encarregado dos contratos. Este diálogo
é o responsável pelo aperfeiçoamento das aquisições que se processam e, por
conseqüência, das atividades que presta a Unidade Administrativa. É impossível
mencionar tais questões sem que se pense, portanto, em efetividade.

4 - EFETIVIDADE E GESTÃO CONTRATUAL

Efetividade possui íntima ligação entre a norma jurídica e a realidade vivenciada.


Designa, assim, a atuação prática da norma. Quer dizer, diante da realidade, os valores e
interesses protegidos pela norma devem prevalecer.

Na efetividade administrativa resultados lucrativos não são os únicos objetivos a serem


buscados. À Administração cumpre: dar aplicação prática à lei naquilo que lhe compete;
ao executar políticas públicas, realizar despesas de maneira responsável, mas também, e
sobretudo, satisfazer o interesse público.

Por isso, a gestão de contratos deve pautar sua atuação através de critérios, dentre
outros, que primem pelos princípios da eficiência e da eficácia, garantindo efetividade
nas aquisições e contratações pretendidas. Para tanto, deve-se lembrar que o objetivo
maior da Administração é o atendimento das necessidades coletivas e que todas as
funções estatais, ao final, se voltam a este mister.

5 – CONCLUSÃO

Ao longo dos anos diversos mecanismos foram introduzidos na Administração Pública,


focando a agilidade dos meios de sua produção, a eliminação das formalidades
excessivas e inúteis, priorizando a "gestão ótima" [04]. Foi assim com o pregão, cujo
sucesso irradia efeitos até mesmo na intenção de permitir a alteração dos procedimentos
para se realizar as demais modalidades de licitação (concorrência, tomada de preços e
convite). Referimo-nos, por exemplo, sobre a possibilidade de inversão de fases nestas
modalidades licitatórias, prática já adotada por alguns estados da federação em suas
legislações e recepcionada pelo projeto de lei nº 7.709/07, que visa a alteração da Lei
Nacional de Licitações e Contratos.

Outro exemplo do afirmado é o Sistema de Registro de Preços – instrumental útil ao


abastecimento das necessidades materiais administrativas (produtos e serviços), em
alinhamento com as práticas formais legalmente impostas aos que lidam com dinheiro
público [05].

A prática de atos focados na redução de tempo, de custos, na ampliação e melhoria de


resultados no âmbito da gestão de contratos é também conduta necessária ao
aperfeiçoamento do processo de aquisição. Atitudes ágeis e a busca pela qualidade são
também imperativas. A verdadeira satisfação das necessidades coletivas é outra meta
que não pode se distanciar, em hipótese alguma, dos objetivos a serem buscados pelo
setor. Lembramos que o processo de "gestão ótima" é contínuo, deve aprimorar-se
sempre.

E mais: por ser praticado no interior da Administração Pública, deve pautar-se, sempre,
pela orientação de que, mais importante do que vantagem econômica é a satisfação do
interesse público (primário).

Atitudes assim permitem afirmar a concreção do princípio da eficiência no exercício das


atividades administrativas de gestão de contratos, princípio este de observância
obrigatória, uma vez ser essencial na efetividade das autênticas finalidades públicas,
como também na realização e vivência do nosso Estado Democrático de Direito.

BIBLIOGRAFIA

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de


outubro de 1988. 21 ed. São Paulo: NDJ, 2004.

BRASIL. Lei n. 8.666, de 21 de junho de 1993. Legislação: licitações, pregão


presencial e eletrônico, leis complementares.Curitiba: Negócios Públicos, 2009.

BORGES, Alice Gonzalez. Reflexos do Código Civil nos Contratos Administrativos.


Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico. Salvador, Nº 9, p. 1/15,
fev/abr 2007. Disponível em: <www.direitodoestado.com.br> Acesso em 16 nov. 2008.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 15 ed. Rio
de Janeiro: Lúmen Júris, 2006.

CARVALHO, Raquel Melo Urbano de. Curso de Direito Administrativo. Jus Podivm:
Salvador, 2009, 2 ed.

GASPARINI, Diógenes. Desconsideração Administrativa da Pessoa Jurídica. Revista


JML de Licitações e Contratos. Curitiba, n. 2, p. 3-17, mar 2007.

MEIRELLES. Hely Lopes. Licitação e Contrato Administrativo. 10 ed. São Paulo:


Revista dos Tribunais, 1991.

MONTEBELLO, Marianna. Os Tribunais de Contas e a Disregard Doctrine. Revista


Fórum Administrativo. Belo Horizonte, nº. 49, p. 5238/5255, março 2005.

MUKAI, Toshio. Pena de Suspensão do Direito de Participar de Licitação pelo Estado.


Boletim de Licitações e Contratos. São Paulo, n. 12, p. 569/572, dezembro 1994.

SANTANA, Jair Eduardo. "Art. 26 da Lei nº 8.666/93. Não-observância dos Prazos


Respectivos. Reflexos nos Ajustes Decorrentes da Contratação Direta Emergencial.
Distinção entre Eficácia, Vigência e Validade." NDJ, BLC. Setembro de 2007, p. 883-
885.

Notas

1. (SANTANA, 2007: 883-8855)


2. (CARVALHO, 2009:201)
3. (GASPARINI, 2007, p. 6).
4. Expressão nossa.
5. Não convém, neste instante, a discussão acerca de certos aspectos do Decreto
Federal nº 3.931/01. O fato é que o SRP constitui ferramenta que, bem utilizada,
em muito contribui ao regular desempenho das atividades administrativas. Neste
sentido recomendamos leitura do acórdão TCU n.º 991/09 – Plenário.

Você também pode gostar