Você está na página 1de 9

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.98


Departamento de Tecnologia Rural e Animal

Ciência e Mecânica dos Materiais/Resistência dos Materiais


Engenharia de Alimentos/Engenharia Ambiental

Professor: Luciano B. Rodrigues


rodrigueslb@gmail.com
Período Letivo: 2011.1

FATORES GERAIS PARA


SELEÇÃO DE MATERIAIS

Introdução

Consideraremos os fatores gerais para seleção de materiais


para equipamentos de processo.
Esses equipamentos usados em
indústrias de processamento, nas
quais os materiais sólidos ou
fluidos sofrem transformações
físicas ou químicas ou nas
indústrias que se dedicam à
armazenagem, manuseio ou
distribuição de fluídos.

1
Classificam-se, de forma geral em: Equipamentos de
caldeiraria, Máquinas e Tubulações.

Características das indústrias de processo

• Todos os equipamentos, na maioria das industria de


processamento funcionam 24h por dia, durante meses;
• Caso ocorra uma interrupção não programada para
manutenção de um único equipamento, na melhor das
hipóteses, diminui o fluxo de produção da industria,
aumentando o custo da manufatura do produto;
• Nessas indústrias existem, muitas vezes, condições de
grande risco, devido ao manuseio de fluidos inflamáveis,
tóxicos, explosivos ou em elevadas pressões ou
temperaturas.

2
Fatores gerais na seleção de materiais

A seleção do material adequado é influenciada por diversos


fatores, alguns destes conflitantes (o material menos
corrosivo é geralmente o mais caro) alguns são gerais para
todos os equipamentos e alguns são específicos para alguns
tipos de equipamentos.
Deve-se portanto em selecionar e especificar um material
que atenda com segurança às condições de serviço de uma
determinada aplicação, com o menor custo possível,
levando-se em conta as propriedades mecânicas dos
materiais, resistência à corrosão, facilidades de obtenção.

Fatores relativos as Propriedades Mecânicas

As propriedades mecânicas definem o comportamento do


material quando sujeitos à esforços mecânicos, e estão
relacionadas à capacidade do material de resistir ou
transmitir estes esforços aplicados sem romper e sem se
deformar de forma incontrolável.

3
Fatores relativos ao Serviço
• Temperatura de trabalho: geralmente igual à
temperatura do fluido;
• Composição química do fluido, pH do fluido, caráter
redutor/oxidante: pode levar a fragilização do material,
causar alterações químicas no material, corroer o
material;
• Corrosividade do material: os efeitos da corrosão do
material contaminam o fluido.

Fatores relativos ao Serviço

• Impurezas e contaminantes existentes ou possíveis de


existir: existência ou não de gases dissolvidos ou sólidos
em suspensão;
• Pressão, temperatura e
velocidade de escoamento
do fluido: o material deve
resistir mecanicamente aos
esforços solicitados, os
esforços podem ser feitos
pelo fluido assim como por
agentes externos.

4
Fatores relativos à fabricação do equipamento

• Com exeção do aço carbono, todos os outros materiais


têm determinadas limitações quanto às possibilidades de
fabricação e de montagem.
• Independente de outras considerações, o tipo, o formato
e o tamenho da peça ou equipamento já são suficientes
para excluir o emprego de determinados materiais, com
os quais não seja possível, ou não seja econômico,
fabricar ou montar o equipamento em questão.
• Devem ser considerados aspectos de soldabilidade,
usinabilidade e facilidade de conformação; independente
do tipo, formato ou tamanho do equipamento.

Disponibilidade do material

• Facilidade de obtenção (importação, prazo de entrega)


do material em sua forma de apresentação (tubos,
chapas grossas ou finas, bobinas, etc). Caso não se
tenha facilidade na obtenção do material é necessário
manter um estoque no almoxarifado.

• Na prática, muitos dos materiais não são encontrados no


comércio nas formas desejadas. Assim, dependendo da
forma desejada da matéria prima, alguns materiais
devem ser prelimirnamente eliminados, para os quais a
forma necessária não exista ou seja muito difícil.

5
Custo do material

• É um fator importantíssimo e, frequentemente decisivo


na escolha. Para a decisão sobre qual material é mais
econômico, deve ser considerado não apenas o custo do
material, mas também o custo da aquisição assim como
o tempo de vida, custo da fabricação, manutenção,
amortização, etc.

Experiência prévia
• Este fator nos diz que é mais seguro utilizar materiais
que já demonstraram sua eficácia para um serviço.

Tempo de vida previsto do material

• O tempo de utilização mínima do material deve ser


compatível com o tempo de vida útil previsto para o
equipamento ou peça.
• O tempo de vida do material depende da natureza da
aplicação (equipamento principal, secundário, peça de
reposição), da importância do equipamento, da
amortização do investimento, bem como o tempo
previsível da obsolescência do equipamento ou da
instalação.

6
Variações toleradas de forma ou dimensões

• Para a maior parte dos equipamentos


é tolerada variações (próximas de
1%) de forma e dimensões, durante
sua vida util, sem que haja prejuízo
para o funcionamento, podendo
portanto, serem selecionados
materiais capazes de sofrer tais
variações, por efeito de deformações
mecânicas, dilatações, desgastes por
corrosão, etc.

Segurança

• É necessário prever os efeitos de dilatação, corrosão,


desgastes do material para evitar a paralisação dos
equipamentos e mesmo para evitar desastres.
• São exemplos de risco potencial os materiais que
trabalham com fluido infamáveis, tóxicos, explosivos, ou
substancias radioativas, ou em temperaturas e pressões
elevadas.
• Materiais com baixo ponto de fusão não podem ser
empregados em equipamentos que devam ser a prova de
fogo ou que trabalhem em elevadas temperaturas.

7
Outros fatores específicos de certos equipamentos

• Coeficiente de atrito (tubulações);


• Condutividade térmica (tubos de troca de calor);
• Método de fixação dos tubos aos espelhos em aparelhos
de troca de calor;
• Dureza e resistência a abrasão;
• Possibilidade de solda com outros materiais.

Considerações Finais

• Para a escolha do material mais adequado é


indispensável a experiência do projetista ou usuário do
equipamento, resultante do acúmulo de informações
adquiridas ao longo de sua carreira.
• Para a maioria dos trabalhos já existem materiais
consagrados pela tradição ou pelas normas e códigos
existentes.
• Numa nova prática onde os materiais ainda não sejam
consagrados cabe ao projetista o estudo do melhor
material. O projetista deve sempre estar atento ao
mercado que evolui e propõem novos materiais.

8
Indica-se a seguinte rotina para a seleção de materiais para
um determinado serviço:

1- Relacionar e estudar a experiência prévia existente para o


serviço em questão;
2- Analisar todos os fatores de influência na escolha dos
materiais;
3- Classificar os fatores em ordem de importância;
4-Conhecer os materiais disponíveis e suas formas de
apresentação;
5- Se necessário realizar teste e ensaios com o material
escolhido;
6- Escolher dentre os materiais possíveis, levando em conta o
custo e a amortização.

Você também pode gostar