Você está na página 1de 17

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.98


Departamento de Tecnologia Rural e Animal

Ciência e Mecânica dos Materiais/Resistência dos Materiais


Engenharia de Alimentos/Engenharia Ambiental

Professor: Luciano B. Rodrigues


rodrigueslb@gmail.com
Período Letivo: 2011.1

PRINCIPAIS MATERIAIS PARA


ENGENHARIA - Parte II

Materiais Metálicos: Aço

1
Definição

É uma liga ferro-carbono com teor de carbono menor do


que 2%, podendo conter concentrações apreciáveis de
outros elementos de liga.

A transformação do ferro gusa em aço é feita por meio


de um processo chamado de oxidação, no qual as
concentrações de carbono e das impurezas presentes
são reduzidas a valores desejados.

Propriedades

As propriedades do aço dependem: da composição


química e da sua estrutura:
• A composição química é definida em função do teor de
Carbono.
• A estrutura está relacionada com a composição química
(%C), tratamentos mecânicos (condições de
deformação do material) e tratamentos térmicos
(temperatura de aquecimento e velocidade de
resfriamento).

2
Propriedades

A partir destes dois fatores pode-se fazer com que as


propriedades do aço sejam melhoradas para que seu
desempenho aumente tanto no processo de fabricação
como no produto final. Elas podem ser melhoradas por
meio dos seguintes procedimentos:
- Controle da quantidade de carbono e impurezas;
- Tratamento térmico;
- Processos de conformação mecânica;
- Adição de outros elementos.

Tipos de Aço
• De forma geral, os aços podem ser divididos em
Aço-carbono e Aços-liga.
• Esta divisão é feita em função dos teores de
elementos de liga presentes.
• Estes teores mais ou menos elevados são definidos
em função das características que se pretende para
cada tipo de aço.
• Existe ainda, em cada grupo, subclasses, de acordo
com as concentrações de elementos de liga.

3
Aplicações

Os aços são designados em função de suas muitas


aplicações na indústria, podendo ser considerados os
seguintes grupos:
- aços para fundição;
- aços estruturais;
- aços para chapas;
- aços para tubos;
- aços para arames, fios e molas;
- aços de usinagem fácil;
- aços para fins especiais.

Classificação

Os aços, em geral, são classificados em Grau, Tipo e


Classe:
• O Grau normalmente identifica a faixa de composição
química do aço.
• O Tipo identifica o processo de desoxidação utilizado.
• A Classe é utilizada para descrever outros atributos,
como nível de resistência e acabamento superficial.
• A designação do Grau, Tipo e Classe utiliza uma letra,
número, símbolo ou nome.

4
Existem vários sistemas de designação para os Aços,
tais como:
• SAE (Society of Automotive Engineers);
• AISI (American Iron and Steel Institute);
• ASTM (American Society of Testing and Materials);
• ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas);
• UNS (Unified Numbering System).

No Brasil a normalização é padronizada pela ABNT


através da NBR6006, que, por sua vez, é a reunião das
normas estabelecidas pela AISI e pela SAE.
Esta norma classifica os aços para construção mecânica
em função da composição química. Nela, os aços são
representados por meio de um número, de quatro ou
cinco dígitos, onde cada dígito corresponde a uma
informação acerca deste aço.

5
AÇOS CARBONO

Definição

É uma liga de Fe-C contendo, teoricamente, entre 0,05


e 2,0% de carbono. Entretanto, nos aços usuais, na
prática, a quantdade de carbono nunca é superior a
1,5%. Nos aços empregados em equipamentos de
processo, a quantidade máxima de carbono é de 0,35%.
Além do ferro de do carbono, esses aços sempre contém
alguma quantidade Manganês, Enxofre e Fósforo, além
de de Silício, Alumínio e Cobre.

6
• O aço carbono é o material de uso geral para os
equipamentos de processos industriais, podendo ser
empregado em todos os casos, exceto quando alguma
circunstância proíba ou não recomendae o seu
emprego.
• Por isso quase todos os equipamentos e tubulações que
trabalham com água, vapor de baixa pressão, ar
comrpimido, condensado, óleos e muitos outros fluidos
pouco corrosivos.
• O aço carbono é também o mais importante produto
metálico industrial, cabendo-lhe mais de 90% de toda
produção mundial de materiais metálicos.

• O aço-carbono é o material indstrial de menor preço


em relação à sua resistência mecânica, além de ser um
material fácil de se trabalhar, de soldar e ainda fácil de
ser encontrado em todas as formas de apresentação.
• Em outras palavras, se tivermos várias peças de
diversos materiais, todas dimensionadas para os
mesmos esforços solicitantes, a peça mais barata será
de aço carbono.
• Note-se que existem materiais de menor preço por
quilo, bem como de maior resistência mecânica do que
o aço carbono.

7
Qualidade

Os aços-carbono seguem uma divisão padronizada na


indústria. Alguns grupos de descrição de qualidade
utilizados são os seguintes:
• Semi-acabados para forjamento;
• Estrutural;
• Placas;
• Bobinas laminadas a quente;
• Bobinas laminadas a frio;
• Folhas-de-flandres;
• Arames;
• Tubos.

Bobinas laminadas a frio Latas de folha-de-flandres

Chapas automobilísticas

8
Tipos

O carbono é o elemento responsável direto pela dureza


do material e a quantidade de Carbono presente no aço
define a sua classificação.
• Aços baixo carbono (máximo 0,30% de Carbono);
• Aços médio carbono (de 0,30 a 0,60% C);
• Aços alto carbono (0,60 a 1,00% C).

Classificação

9
Palácio de Cristal, Petrópolis, RJ (Inaugurado em 1884).
Em 1938 foi coberto por folhas-de-flandres e tijolos para abrigar o
Museu Histórico de Petrópolis.

AÇOS LIGA

10
Definição

São aços que contém quantidades específicas de

elementos de liga diferentes daqueles normalmente

utilizados nos aços comuns.

Estas quantidades são determinadas com o objetivo de

promover mudanças nas propriedades físicas e mecânicas

que permitam ao material desempenhar funções

específicas.

Tipos

Os aços-liga costumam ser designados de acordo com

o(s) seu(s) elemento(s) predominante(s), como por

exemplo, aço-níquel, aço-cromo e aço-cromo-vanádio.

A depender da quantidade de elementos de liga

adicionados, o aço-liga pode ser:

• baixa liga: com até 5% de elementos de liga;

• média liga: de 5% a 10% de elementos de liga;

• alta liga: mais de 10% de elementos de liga.

11
Aplicações

Todos os aços-liga são bem mais caros que o aço-


carbono, sendo o seu preço em greal mais elevado
quanto maior o percentual de elementos de liga
presentes. Por esta razão estes materiais só devem ser
emprgados quando as condições de serviço forem
diferenciadas.

São os seguintes os principais casos em que é necessário


o emprego desses aços especiais:

• Altas temperaturas;
• Baixas temperaturas;
• Alta corrosão;
• Necessidade de não-contaminação;
• Segurança;
• Alta resistência.

12
Sistema de Classificação
Os aços-liga são identificados por um número de quatro dígitos,
onde os dois primeiros indicam os elementos de liga
predominantes e os dois últimos dígitos indicam a porcentagem
do teor de carbono.

AÇOS INOXIDÁVEIS

13
Definição

• Denomina-se genericamente de aços-inoxidáveis, os aços


que não enferrujam, mesmo pela exposição prolongada a
uma atmosfera normal.
• Essa propriedade é conseguida pela adição de pelo menos
12% de cromo (12 a 26%), que é o elemento de liga
principal deste aço, cuja passivação é conseguida pela
formação de uma película de óxidos e hidróxidos de
cromo na superfície do metal.

Definição

• Portanto, a característica principal desses aços é o fato


de possuírem uma resistência à corrosão superior à dos
outros aços.
• Os aços inoxidáveis são aços de alta liga, contendo 12
a 26% de Cr, até 22% de Ni e, frequentemente,
pequenas quantidades de outros elementos de liga.
• São consideralvemente mais caros do que os aço-
carbono e os aços de baixa liga.

14
Passividade dos aços inoxidáveis

• Os aços inoxidáveis são resistentes à corrosão devido


ao fenômeno da passividade.
• Os elementos de liga dos aços inoxidáveis reagem com
o meio ambiente e um deles em particular, o cromo,
ajuda a formar um filme fino e aderente que protege o
material de subsequentes ataques corrosivos.
• A película passivadora de óxidos e hidróxidos de cromo,
que é resistente e uniforme, tem excelente aparência e
plasticidade e baixa porosidade.
• Este filme é conhecido como filme passivo que resulta
da reação entre o material e a água.

Passividade dos aços inoxidáveis

• Pintar uma superfície metálica, utilizar revestimentos,


fazer metalizações, são algumas das formas de proteção
contra corrosão.
• Outra maneira é desenvolver ligas que, por algum
motivo, sejam mais resistentes à corrosão.

15
Passividade dos aços inoxidáveis

Gráfico ilustrando a passividade dos aço-cromo expostos


durante 10 anos em uma atmosfera industrial

Um pouco de história

• Diz a história que os aços inoxidáveis foram descobertos


por acaso. Em 1821 Pierre Berthier descobriu que as
ligas ferro-cromo possuíam alta resistência a oxidação.
• Após esta descoberta só em 1912 é que se tem registro
da primeira patente industrial de um aço inoxidável.
• Foi o inglês Harry Brearly que ao estudar as ligas de Fe-
Cr (13%), percebeu que as mesmas resistiam a uma
série de agentes utilizados na época em metalografia. O
próprio Brearly batizou a liga de “stainless steel”, o aço
que não mancha.

16
Aplicações

Os casos gerais de emprego são os esmos dos aços-liga,


porém devido ao custo elevado, os aços inoxidáveis só
devem ser empregados onde não for possível o uso de
materiais mais econômicos.

Cutelaria, Construção Civil, Indústria química, Indústria


alimentícia, Móveis, Bens de Consumo Duráveis

Tipos

A ASTM define mais de 80 tipos diferentes, onde os mais


comuns costumam ser classificados em quatro grupos, de
acordo com a estrutura metalúrgica predominante na liga
em temperatura ambiente:
- Aços inoxidáveis austeníticos;
- Aços inoxidáveis ferríticos;
- Aços inoxidáveis martensíticos.
- Aços inoxidáveis duplex.
A aparência externa de todos os aços inoxidáveis é quase
sempre a mesma e, portanto a distinção visual entre os
diversos tipos é praticamente impossível.

17

Você também pode gostar