Você está na página 1de 10

Abdalah Kassim Hemed Abdalah

Diana Serafim
Domingas Juma
Racho Pinto Machirica
Rosalina Francisco Simões
Suraya Saide

Perfil de género em Moçambique


(Síntese)

Universidade Rovuma
Nampula
2020
1

Abdalah Kassim Hemed Abdalah


Diana Serafim
Domingas Juma
Racho Pinto Machirica
Rosalina Francisco Simões
Suraya Saide

Perfil de género em Moçambique


(Síntese)

Trabalho de pesquisa de caráter avaliativo,


realizado no âmbito da cadeira de teorias
sobre diferenças de gênero, a ser entregue
no Departamento de ciências de educação
e psicologia. Leccionado pela MA. Amélia
Ernesto Tocova.

Universidade Rovuma
Nampula
2020
2

Índice

Introdução.................................................................................................................................3
1. Diferentes formas de discriminação que inscidem nos meios de vida e direitos das
raparigas e mulheres.................................................................................................................4
2. A situação socioeconômica do gênero em Moçambique......................................................4
3. Principais documentos, leis e acordos que favorecem a igualdade de genero em
Moçambiue...............................................................................................................................4
4. As principais limitações das raparigas..................................................................................5
a) Acesso à justiça....................................................................................................................5
b) O direito e acesso aos serviços da educação........................................................................5
c) Direitos e acesso aos serviços de Saúde...............................................................................6
d) A participação das raparigas e mulheres nos processos de tomada de decisões..................6
Conclusão.................................................................................................................................7
Referências Bibliográficas........................................................................................................8
3

Introdução

Esta síntese que se insere na cadeira de Teoris sobre as Diferênças de Género, baseada num
roteiro de actividades e um texto de apoio direcionado pelo docente da mesma cadeira, como
uma forma a aprofundar os nossos conhecimentos sobre o perfi de género em Moçambique.

O conceito género refere-se aos papéis socialmente construídos, comportamentos,


actividades e atributos que uma determinada sociedade considera apropriados para homens e
mulheres. As relações de género variam e mudam numa mesma sociedade de acordo com
outras categorias sociais, tais como raça, classe, idade, orientação sexual, etnia e religião.
Estes factores não agem de forma independente e criam um sistema que reflecte o
"cruzamento" de múltiplas formas de discriminação. As discussões sobre as relações de
género não abrangem apenas a análise da distribuição de recursos e poder entre homens e
mulheres, mas também a analise sobre as desigualdades entre as outras categorias sociais.

A Constituição da República de Moçambique reconhece, desde 1975, a igualdade entre


homens e mulheres em todos os domínios da vida política, económica, social e cultural. Do
mesmo modo, a igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres está
plasmada nos vários instrumentos internacionais que o País ratificou na área de género. 3.

Assim, este trabalho tem como objetivo ajudar ao discente a desenvolver inúmeras
capacidades intelectuais e fornecer estímulo para a aquisição de conhecimentos. O mesmo
encontra-se dividido em três secções, que correspondem, respectivamente, à introdução,
desenvolvimento e as conclusões. Contudo, utilizou-se o metodo de pesquisa bibliografica
de modo a aferir informações seguras no ambito da pesquisa.
4

1. Diferentes formas de discriminação que inscidem nos meios de vida e direitos das
raparigas e mulheres

Sobre as diferentes formas de discriminação que ocorrem no meio de vida das raparigas e
mulheres, na maioria dos casos, elas encontram-se numa situação de desvantagem em
relação aos homens e rapazes. Também o não conhecimento dos seus direitos, Estas
desigualdades pode resultar das crenças sobre as mulheres como pertencentes à esfera
doméstica e reprodutiva, e os homens como pertencentes ao domínio público e produtivo.
Criando-se assim, o princípio de não descriminação, que tem como foco a inibição
preconceituosa e inferiorizada sobre as raparigas e mulheres, podendo assim, criar-se uma
adopção geral de género.

2. A situação socioeconômica do gênero em Moçambique

Entorno da situação socioeconómica do género no nosso país, torna-se favorável garantir o


igual controlo de acesso aos recursos, como herança, direito a propriedade e entre outros,
promovendo assim, alguns programas de geração de rendimentos que beneficiem famílias, a
fim de se obter a equidade de género na família, sociedade e no país em geral.

3. Principais documentos, leis e acordos que favorecem a igualdade de genero em


Moçambiue

As principais leis, documentos e acordos que favorecem igualdade de género no nosso pai,
são: Lei da violação doméstica praticada contra a Mulher, Protocolo da SADC sobre Género
e Desenvolvimento concerne ao alcance da equidade de género, Documento: A Estratégia de
Género na Função Pública (EGFP). Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de
Discriminação contra a Mulher CEDAW.
5

4. As principais limitações das raparigas

a) Acesso à justiça

Muitas mulheres dispõem de menos recursos e está pouco familiarizada com a Língua
Portuguesa. Além disso, elas detêm uma alta taxa de analfabetismo, o que torna difícil seguir
os procedimentos prescritos e conhecer as leis. Prevalece nas mulheres uma descrença no
complicado aparato judicial, e a demora em a obtenção de uma decisão, fazendo com que
muitas vezes se opte pela máxima, por estes e outros motivos homens e especialmente
mulheres tendem a recorrer a sistemas de justiça informais para a resolução de seus
problemas. Como consequência, muitos dos conflitos são resolvidos não tendo em conta os
direitos das mulheres e contra as leis.

Estado para facilitar o acesso à Justiça tendem a concentrar-se mais nas instituições formais
de Justiça, que se encontram nos centros urbanos. Um estudo realizado pela ONU Mulheres
entre 2011-2012 demonstra que, nos três anos precedentes ao inquérito, apenas 10% das
mulheres moçambicanas tiveram acesso a um Oficial do Governo especial no sistema
judicial para superar as desigualdades existentes entre mulheres e homens que contribuem
para um acesso desigual à justiça.

b) O direito e acesso aos serviços da educação

O numero maior das raparigas ressalta a quantidade de desistências por causa de gravidez,
estreitamente relacionado com as relações de género desiguais que à redução do poder de
negociação em relação ao sexo seguro e planeamento familiar, enquanto em relação aos
rapazes a falta de dinheiro é a principal causa de desistência. Outros factores que concorrem
para a baixa qualidade do ensino são poucas disponibilidades de materiais de ensino.
6

A Educação Para Todos estabelecidos no fórum Mundial de Educação em Dakar, em 2000,


está o alcance da paridade de género. Existem alguns factores agravantes a pobreza,
deficiências, o facto de viver numa área rural, ou de não falar Português. Muitas vezes, as
mulheres e raparigas não têm no sector da educação, o alto nível de analfabetismo entre as
mulheres e raparigas, especialmente nas mulheres das zonas rurais, limitam também o seu
acesso ao rendimento e igualdade no sector da Educação e estes documentos servem de base
para as intervenções no da igualdade de género neste Sector. Assédio e abuso sexual das
alunas também não foram criados nas instituições de ensino mecanismos eficientes de
protecção das vítimas de abusos (EGSEDH 2016:17). Apenas as raparigas são transferidas
para o curso nocturno e quando não existe acabam por desistir da escola e os professores não
são penalizados.

c) Direitos e acesso aos serviços de Saúde

O direito a vida saudavel é reconhecido no artigo 94° da constituição da republica


Moçambicana. Desde 2008, o país lancou suscessivamente várias campnhas para promover
este direito.

Tal como revelaram as entrevistas, os papéis de género e as dinâmicas de poder e relações


entre homens e mulheres influenciam quase todas as decisões relacionadas com a saúde.
Além disso, existem outras barreiras ou limitçõoes que têm impacto na utilização dos
serviços de saúde por mulheres/raparigas, assim como, por homens/rapazes, que resultam
das normas culturais, estigma, à pressão da comunidade e estrutura dos serviços.

d) A participação das raparigas e mulheres nos processos de tomada de decisões

Moçambique registou avanços substanciais no que concerne à participação de mulheres em


espaços de tomada de decisão. Este avanço se deve a uma combinação de factores, desde o
sistema „ad-hoc‟ de quotas para aceder ao poder legislativo, aumento do acesso à educação
7

e por parte de mulheres e aumento da consciência sobre a importância da mulher em todas


as esferas da sociedade.

Porém, ainda não se observa em igual medida melhorias na condição e posição de mulheres
e raparigas no que concerne ao exercício dos seus direitos nem à inclusão de forma explícita
das prioridades estratégicas das mulheres em várias políticas e programas aprovados. As
maiorias das mulheres encontram-se nos postos mais baixos da escala hierárquica tendo,
consequentemente, uma remuneração média inferior à dos homens.

Entre 2000 e 2014 tem-se observado um aumento notável da participação de mulheres em


postos de tomada de decisão na Função Pública As zonas rurais reflectem maior
analfabetismo por parte das mulheres, maiores taxas de desistência escolar os quais reduzem
as oportunidades de aceder aos postos de tomada de decisão.
8

Conclusão

A Política sobre o perfil de Género em Moçambique e Estratégia da sua implementação


contribui para o reforço das acções para a igualdade de direitos e oportunidades entre
homens e mulheres, é transversal, define os princípios e objectivos para cada eixo
estratégico cuja implementação é de responsabilidade do Governo, mas também da
sociedade civil e do sector privado. Para promover atitudes e práticas favoráveis à igualdade
e equidade de género, para que haja sociedade em que mulheres e homens usufruam de
direitos e oportunidades iguais, contribuam e se beneficiem dos processos de
desenvolvimento.
9

Referências Bibliográficas

MINISTÉRIO DO GÉNERO, CRINÇA E ACÇÃO SOCIAL. Perfil de género em


Moçambique. Maputo, 2016.