Você está na página 1de 2

PRÉ-UNIVERSITÁRIO OFICINA DO SABER Aluno(a):

DISCIPLINA: História PROFESSORES: Ana Carolina Rocha, Diogo Alchorne e Fabrício Sampaio.
Data: / / 2020

1- (ENEM 2015) No início foram as cidades. O intelectual da Idade Média – no Ocidente – nasceu
com elas. Foi com o desenvolvimento urbano ligado às funções comercial e industrial – digamos
modestamente artesanal – que ele apareceu, como um desses homens de ofício que se instalavam
nas cidades nas quais se impôs a divisão do trabalho. Um homem cujo ofício é escrever ou
ensinar, e de preferência as duas coisas a um só tempo, um homem que, profissionalmente, tem
uma atividade de professor e erudito, em resumo, um intelectual – esse homem só aparecerá com
as cidades. LE GOFF, J. Os intelectuais da Idade Média. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

O surgimento da categoria mencionada no período em destaque no texto evidencia o(a)

(A) apoio dado pela Igreja ao trabalho abstrato.


(B) relação entre desenvolvimento urbano e divisão de trabalho.
(C) importância organizacional das corporações de ofício.
(D) progressiva expansão da educação escolar.
(E) acúmulo de trabalho dos professores e eruditos.

2- (ENEM 2015) TEXTO I

Em todo o país a lei de 13 de maio de 1888 libertou poucos negros em relação à população de cor. A
maioria já havia conquistado a alforria antes de 1888, por meio de estratégias possíveis. No entanto, a
importância histórica da lei de 1888 não pode ser mensurada apenas em termos numéricos. O impacto
que a extinção da escravidão causou numa sociedade constituída a partir da legitimidade da propriedade
sobre a pessoa não cabe em cifras. ALBUQUERQUE. W. O jogo da dissimulação: Abolição e cidadania
negra no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2009 (adaptado).

TEXTO II

Nos anos imediatamente anteriores à Abolição, a população livre do Rio de Janeiro se tornou mais
numerosa e diversificada. Os escravos, bem menos numerosos que antes, e com os africanos mais
aculturados, certamente não se distinguiam muito facilmente dos libertos e dos pretos e pardos livres
habitantes da cidade. Também já não é razoável presumir que uma pessoa de cor seja provavelmente
cativa, pois os negros libertos e livres poderiam ser encontrados em toda parte. CHALHOUB, S. Visões da
liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990
(adaptado).

Sobre o fim da escravidão no Brasil, o elemento destacado no Texto I que complementa os argumentos
apresentados no Texto II é o(a)

(A) Variedade das estratégias de resistência dos cativos.


(B) Controle jurídico exercido pelos proprietários.
(C) Inovação social representada pela lei.
(D) Ineficácia prática da libertação.
(E) Significado político da Abolição.

3- (ENEM 2017) O instituto popular, de acordo com o exame da razão, fez da figura do alferes Xavier
o principal dos inconfidentes, e colocou os seus parceiros a meia ração de glória. Merecem,
decerto, a nossa estima aqueles outros; eram patriotas. Mas o que se ofereceu a carregar com os
pecadores de Israel, o que chorou de alegria quando viu comutada a pena de morte dos seus
companheiros, pena que só ia ser executada nele, o enforcado, o esquartejado, o decapitado, esse
tem de receber o prêmio na proporção do martírio, e ganhar por todos, visto que pagou por todos.
ASSIS, M. Gazeta de Notícias, n. 114, 24 abr. 1892.

No processo de transição para a República, a narrativa machadiana sobre a Inconfidência Mineira associa:
(A) redenção cristã e cultura cívica.
(B) veneração aos santos e radicalismo militar.
(C) apologia aos protestantes e culto ufanista.
(D) tradição messiânica e tendência regionalista.
(E) representação eclesiástica e dogmatismo ideológico.

4- (ENEM 2015) A Justiça Eleitoral foi criada em 1932, como parte de uma ampla reforma no
processo eleitoral incentivada pela Revolução de 1930. Sua criação foi um grande avanço
institucional, garantindo que as eleições tivessem o aval de um órgão teoricamente imune à
influência dos mandatários. TAYLOR, M. Justiça Eleitoral. In: AVRITZER, L.; ANASTASIA, F.
Reforma política no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2006 (adaptado).

Em relação ao regime democrático no país, a instituição analisada teve o seguinte papel:

(A) Implementou o voto direto para presidente.


(B) Combateu as fraudes sistemáticas nas apurações.
(C) Alterou as regras para as candidaturas na ditadura.
(D) Impulsionou as denúncias de corrupção administrativa.
(E) Expandiu a participação com o fim do critério censitário.

5- (UERJ 2015) O aniversário dos quarenta anos da Revolução dos Cravos está sendo comemorado
com uma série de conferências, debates e eventos culturais. A agência turística Lisbon Movie Tour
lançou um roteiro inspirado no filme Capitães de abril. Os turistas visitam os locais onde foram
filmadas as principais cenas, em uma mistura de passeio cinéfilo e aula de História. Em cada
parada, a guia conta detalhes do famoso 25 de abril de 1974 e do movimento político que derrubou
o regime salazarista. O giro termina no Largo do Carmo onde, há quarenta anos, uma barraca de
flores deu origem ao nome dessa revolução. Adaptado de portugues.rfi.fr, 21/04/2014.

As diversas comemorações do aniversário da Revolução dos Cravos, em Portugal, indicam a importância


dessa data para o país.

Devido à conjuntura em que ocorreu, a Revolução dos Cravos tem para a sociedade portuguesa o
seguinte significado:

(A) Instauração da ordem democrática


(B) Diversificação dos espaços culturais
(C) Integração do setor financeiro europeu
(D) Internacionalização do desenvolvimento econômico

GABARITO

1- B

2- E

3- A

4- B

5- A