Você está na página 1de 29

AS

 CINCO  FACES  DA  PROTEÇÃO  À  LIBERDADE  DE  


EXPRESSÃO  NO  MARCO  CIVIL  DA  INTERNET  
 
 
Carlos  Affonso  Pereira  de  Souza  
 
Doutor  em  Direito  Civil  na  Universidade  do  Estado  do  Rio  de  Janeiro.  Diretor  do  Instituto  de  
Tecnologia  e  Sociedade  do  Rio  de  Janeiro  (ITS).  Professor  Visitante  na  Faculdade  de  Direito  da  UERJ.  
Professor  dos  cursos  de  graduação  e  pós-­‐graduação  da  PUC-­‐Rio.  Pesquisador  Visitante  do  
Information  Society  Project,  da  Faculdade  de  Direito  da  Universidade  de  Yale.  Membro  da  Comissão  
de  Direito  Autoral,  Direitos  Imateriais  e  do  Entretenimento  da  OAB/RJ.  
 
˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜ººº˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜  
 
Resumo:  
 
A   liberdade   de   expressão   recebeu   um   tratamento   destacado   no   Marco   Civil   da   Internet   (Lei  
12965/2014).   Ao   redor   das   cinco   menções   à   proteção   desse   direito,   temas   de   natureza   prática  
emergem   em   ações   judiciais   que   buscam   definir   a   abrangência   da   tutela   conferida   pela   lei   à  
manifestação  do  pensamento  na  rede.  Do  questionamento  sobre  o  discurso  anônimo  aos  desafios  de  
implementação   da   responsabilidade   civil   por   conteúdos   de   terceiros,   o   artigo   passa   em   revista   o  
tratamento  dado  ao  tema  pelo  Marco  Civil  da  Internet.  
 
Palavras-­‐Chave:  
 
Marco  Civil  da   Internet   –  Liberdade  de  Expressão  -­‐  Responsabilidade  Civil  –  Anonimato  –  Direitos  
Autorais  
 
˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜ººº˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜˜  
 
1.  Introdução:  
 
  O   Marco   Civil   da   Internet   (Lei   nº   12.965/14)   é   essencialmente   uma  
afirmação   de   direitos.   Criada   a   partir   do   anseio   de   se   inaugurar   a   regulação   da  
Internet  no  Brasil  não  pela  perspectiva  criminal,  mas  sim  pela  tutela  de  direitos  
fundamentais,   a   redação   da   Lei   assegura   uma   série   de   direitos   e   garantias   ao  
usuário  da  rede.  Todavia,  para  além  dos  debates  sobre  a  tutela  da  privacidade  e  
dos  dados  pessoais,  ou  mesmo  sobre  os  contornos  da  neutralidade  da  rede,  uma  
questão   parece   ter   recebido   tratamento   destacado   pela   Lei.   As   suas   cinco  
menções   em   momentos-­‐chave   do   Marco   Civil   da   Internet   deixam   então   poucas  
dúvidas   sobre   a   enorme   relevância   que   a   liberdade   de   expressão   desempenha  
nos  contornos  da  referida  Lei.  
 
  Não   se   quer   afirmar   aqui   que   o   número   de   menções   é   prova   sozinha   da  
relevância  que  a  liberdade  de  expressão  desempenha  nos  quadrantes  da  Lei  nº  
12.965/14.   Uma   leitura   mais   aprofundada   de   seus   dispositivos   deixa   claro   que  
além   de   critérios   meramente   quantitativos,   é   sobretudo   a   qualidade   de   suas  
inserções   na   redação   da   Lei   que   evidenciam   o   papel   de   destaque   conferido   à  
liberdade  de  expressão.  
 

1
  A   disciplina   do   uso   da   Internet   no   Brasil   tem   a   liberdade   de   expressão  
como   o   seu   fundamento,   conforme   dispõe   o   artigo   2º.   Logo   em   seguida,   no  
artigo   3º,     a   sua   garantia   aparece   como   princípio   dessa   mesma   disciplina.   O  
artigo   8º,   por   sua   vez,   afirma   que   a   proteção   da   liberdade   de   expressão   é  
condição  para  o  pleno  exercício  do  direito  de  acesso  à  rede.  
 
  No   que   diz   respeito   aos   danos   causados   na   Internet   e   a   consequente  
responsabilização  de  seus  agentes,  a  liberdade  de  expressão  desempenha  ainda  
dois   relevantes   papéis.   O   caput   do   artigo   19,   que   estabelece   a   regra   para  
responsabilização   dos   provedores   de   aplicações   de   Internet,   é   iniciado   com   a  
expressão   “com   o   intuito   de   assegurar   a   liberdade   de   expressão   e   impedir   a  
censura.”  
   
  Com   relação   aos   danos   causados   aos   direitos   autorais   na   Internet,   o  
Marco   Civil,   no   parágrafo   segundo   do   mesmo   artigo   19,   afirma   ainda   que   a  
aplicação   do   regime   de   responsabilização   por   ele   determinado   depende   de  
previsão   legal   específica.   Embora   essa   redação   desloque   o   tratamento   do   tema  
para   outro   processo   de   alteração   legislativa,   é   importante   destacar   que,   segundo  
o   dispositivo   mencionado,   essa   nova   legislação   específica   deverá   “respeitar   a  
liberdade  de  expressão  e  demais  garantias  previstas  no  art.  5o  da  Constituição  
Federal”.  
 
  O  presente  artigo  passa  em  revista  as  referidas  cinco  menções  à  liberdade  
de   expressão   no   Marco   Civil   da   Internet   e,   a   partir   das   mesmas,   busca   abordar  
questões  de  natureza  prática  envolvendo  a  sua  tutela  conforme  desenhada  pela  
Lei  nº  12.965/14.  Embora  o  campo  de  aplicação  desse  direito  seja  extremamente  
abrangente,  a  compreensão  sobre  como  se  dá  a  sua  tutela  é  de  clara  relevância  
para  garantir,  nos  casos  práticos,  a  aplicação  dos  dispositivos  legais  em  atenção  
às   transformações   constantes   apresentadas   pelas   modernas   tecnologias   de  
comunicação  e  informação.  
 
2.  Fundamentos  da  proteção  à  liberdade  de  expressão    
 
Nenhum   outro   conceito   parece   ter   gerado   mais   adágios,   axiomas   e  
verbetes   em   dicionários   de   citações   do   que   a   liberdade.   Em   sua   defesa   se  
organizaram   no   decorrer   da   história   alguns   dos   mais   importantes   movimentos  
políticos   e   sociais,   assim   como,   em   seu   nome,   indizíveis   atrocidades   foram  
cometidas.1  Por  ser  tão  próxima  à  natureza  humana  a  ponto  de  se  identificar  com  
a   própria   condição   do   homem,   apreender   o   conceito   de   liberdade   é   tarefa  
deveras   complexa.   Por   isso,   e   apenas   para   fins   de   argumentação   no   presente  
texto,  pode-­‐se  dizer  que  a  liberdade  é  a  ausência  de  restrições  de  ordem  física  ou  
moral,   não   estando   a   vontade   do   sujeito   submetida   a   de   terceiros.   Assim,   pelo  
aspecto  negativo  é  mais  facilmente  compreendida  a  ideia  de  liberdade.2    

1  CASANOVA,   Ludovico.   Del  Diritto  Constituzonale.   Florença,   Eugenio   e   Filipo   Cammeli,   1875;   p.  

29.  
2  Vide,   dentre   outros,   Gilberto   Haddad   Jabur,   Liberdade  de  Pensamento  e  Direito  à  Vida  Privada.  

São   Paulo:   Revista   dos   Tribunais,   2000;   p.   141.   Uma   definição   pelo   aspecto   positivo   é  
apresentada  
2  Vide,   dentre  
por  
outros,  
Antonio  
Gilberto  
Scalisi,  
Haddad  
segundo  
Jabur,  
o  qual,  
Liberdade  de  Pensamento  e  Direito  à  Vida  Privada.  
a  liberdade  é  “a  faculdade  do  homem  de  explicar  
São   Paulo:   Revista   dos   Tribunais,   2000;   p.   141.   Uma   definição   pelo   aspecto   positivo   é  

2
 
A  vontade  do  sujeito,  contudo,  pode  não  ser  exteriorizada.  Justamente  por  
isso   é   importante   ressaltar   que   essa   dimensão   interna   da   liberdade   não   sofre  
qualquer  restrição  de  natureza  jurídica.  Por  outro  lado,  é  exatamente  no  atuar  do  
indivíduo,   na   expressão   de   seu   pensamento,   que   o   Direito   incide   para   ordenar  
condutas   e   promover   o   apaziguamento   das   relações   sociais.   Saber   em   quais  
condições  o  Direito  protege  essa  expressão  é  de  fundamental  relevância.  
 
Através   dessa   percepção,   poderia   se   imaginar   que   a   presença   de   uma  
norma  jurídica  implica  necessariamente  no  cerceamento  da  vontade  individual,  
constituindo  uma  verdadeira  prisão  do  livre-­‐arbítrio.  Essa  noção  foi  exposta,  em  
termos   literários,   por   Giuseppe   Tomasi   di   Lampedusa,   autor   do   célebre   romance  
Gattopardo,  em  seu  poema  La  gioia  e  la  legge,  no  qual  a  existência  de  lei  opõe-­‐se  
ao  sentimento  de  felicidade.3  
 
Todavia,  a  oposição  não  é  de  todo  procedente,  pois  ao  lado  de  sua  função  
repressiva,  cerceadora  da  liberdade  individual,  a  lei  também  –  e  principalmente  
–  assegura  os  direitos  fundamentais  a  dignidade  da  pessoa  humana.    
 
Essa   dupla   missão   é   presente   no   texto   constitucional,   ao   tutelar   direitos   e  
ao   impor   deveres   e   restrições.   Da   mesma   forma,   o   Marco   Civil   da   Internet,  
profícuo  em  menções  à  liberdade  de  expressão,  explicita  em  seu  artigo  6º  que  a  
sua   vigência   não   visa   apenas   a   sancionar   condutas,   como   mais   tipicamente   se  
esperaria   de   uma   legislação   penal,   mas   principalmente   visa   a   assegurar   as  
liberdades   conquistadas   através   do   uso   da   rede.   Tanto   é   assim   que   a   própria  
“natureza   da   internet”   é   alçada   explicitamente   ao   patamar   de   vetor  
interpretativo,  conforme  consta  do  mencionado  artigo:        
 
Art.   6o  Na   interpretação   desta   Lei   serão   levados   em   conta,   além   dos  
fundamentos,  princípios  e  objetivos  previstos,  a  natureza  da  internet,  
seus   usos   e   costumes   particulares   e   sua   importância   para   a   promoção  
do  desenvolvimento  humano,  econômico,  social  e  cultural.  
 
Nesse  sentido,  o  melhor  entendimento  das  razões  que  justificam  a  edição  
do  Marco  Civil  da  Internet  parecem  apontar  para  o  fato  de  que  a  regulação  das  
relações   travadas   pela   internet   através   de   seus   dispositivos   visa   não   apenas   a  
orientar   condutas   e   apontar   os   princípios   que   devem   reger   regulações   futuras  
sobre   a   internet   no   País,   mas   também   garantir   que   as   liberdades   conquistadas  
através   do   desenvolvimento   da   internet   e   das   tecnologias   de   informação   e  
comunicação  não  sejam  erodidas  por  interesses  diversos.    
 
Em   fóruns   globais   sobre   regulação   e   governança   da   rede   é   sempre  
repetida   a   expressão   “internet   freedom”.   Nesse   compasso,   é   importante  
esclarecer  -­‐  e  o  Marco  Civil  auxilia  nessa  empreitada  -­‐  que  a  liberdade  desfrutada  

apresentada  por  Antonio  Scalisi,  segundo  o  qual,  a  liberdade  é  “a  faculdade  do  homem  de  explicar  
a   própria   personalidade,   interpretar   e   viver   a   experiência   existencial,   segundo   um   próprio   e  
pessoal   modo   de   sentir   o   universo   ao   qual   pertence”   (in   Il   Valore   della   Persona   nel   Sistema   e   i  
Nuovi  Diritti  della  Personalittà.  Milão,  Giuffrè,  1990;  p.  31).  
3  Apud.  LUÑO,  Antonio-­‐Enrique  Pérez.  Teoría  del  Derecho.  Madrid,  Tecnos,  2002;  p.  25.  

3
na   Internet   não   existe   porque   não   há   lei   que   regule   as   condutas   ali  
desempenhadas,   mas   ao   contrário,   ela   existe   justamente   por   que   as   leis   que  
atualmente  se  projetam  ou  que  começam  a  vigorar,  além  da  interpretação  de  leis  
anteriores   ao   desenvolvimento   da   rede,   devem   procurar   preservar   as   liberdades  
conquistadas   pelo   desenvolvimento   da   tecnologia,   sempre   atentando   para   o  
equilíbrio  de  direitos  envolvidos  em  sua  aplicação.        
 
A   própria   liberdade   apenas   pode   ser   praticada   plenamente   em   razão   de  
prover   ao   Direito   os   meios   necessários   para   a   sua   efetividade.   A   função  
repressora   e   protetora   da   lei   já   estava   sintetizada   desde   os   tempos   romanos,  
quando  se  cunhou  o  brocardo  ubi  lex,  ibi  poena;  ubi  periculum,  ibi  lex.  
 
Para   o   Direito,   o   ser   humano,   condenado   à   liberdade,   segundo   trecho  
sempre  referido  de  Sartre4,  é  livre  para  atuar  no  mundo  da  forma  que  melhor  lhe  
aprouver,   contanto   que   não   incida   em   proibitivo   jurídico.   Por   outro   lado,   é   o  
próprio   Direito   que   irá   garantir   o   exercício   dessa   liberdade,   tutelando   diversas  
manifestações  desse  primeiro  direito  à  liberdade.  
 
Assim,   encontram   proteção   no   ordenamento   jurídico   as   liberdades   de  
pensamento,   de   comunicação,   de   religião,   de   expressão   intelectual,   artística   e  
científica,   profissional,   e   de   reunião.   Por   conta   dos   desafios   apresentados   pelo  
desenvolvimento   da   internet,   maior   destaque   será   aqui   concedido   à   análise   da  
liberdade   de   expressão   e   seus   contornos   constitucionais,   já   que   é   justamente   a  
partir   de   uma   interpretação   sobre   como   a   Constituição   protege   essa   liberdade  
que  poderá  ser  melhor  compreendida  a  sua  tutela  no  Marco  Civil  da  Internet.  
 
2.1.  Liberdade  de  pensamento  e  de  expressão  
 
Dentre   as   diversas   formas   de   manifestação   da   liberdade   individual,   a  
Constituição   Federal   confere   amplo   tratamento   ao   tema   da   liberdade   de  
pensamento  e  de  expressão.  
 
As   referidas   liberdades   podem   ser   caracterizadas   como   liberdades   de  
conteúdo   intelectual,   tendo   como   pressuposto   para   o   seu   exercício   a   interação  
entre   indivíduos,   com   o   escopo   de   fazer   comunicar   o   produto   do   pensamento,  
mais   especificamente,   as   suas   crenças,   conhecimentos,   ideologias,   opiniões  
políticas  e  trabalhos  científicos.5  
 
Partindo-­‐se   do   binômio   pensamento/manifestação,   pode-­‐se,   para   fins  
meramente   acadêmicos,   separar   o   pensamento   não   exteriorizado   daquele   já  
manifestado.   Surge   assim   uma   divisão   entre   liberdade   de   pensamento,  
configurada   no   direito   à   liberdade   de   opinião,   ainda   que   não   manifestada,   e  
liberdade   de   expressão,   através   da   qual   se   tutela   a   livre   manifestação   do  
pensamento.    
 

4  SARTRE,  Jean-­‐Paul.  L’Existentialisme  est  un  Humanisme.  Paris,  Nagel,  1970;  p.  37.  
5  SILVA,   José   Afonso   da.   Curso   de   Direito   Constitucional   Positivo.   São   Paulo:   Malheiros,   1999,   p.  

240.  

4
A   liberdade   de   expressão   abrange   basicamente   um   direito   individual   à  
manifestação   do   pensamento   e   à   criação.   Para   além   do   pensamento   não  
exteriorizado,   a   liberdade   de   expressão   tutela   a   liberdade   de   culto   e   organização  
religiosa,   a   liberdade   de   expressão   intelectual,   artística   e   científica   e   cultural,  
bem  como  a  liberdade  de  informação.    
 
O   pensamento   íntimo,   não   exteriorizado   pelo   indivíduo,   é   o   objeto   de  
proteção  da  liberdade  de  opinião.  Quando  e  se  for  exteriorizado,  a  liberdade  de  
opinião   dará   espaço   à   liberdade   de   manifestação   do   pensamento   (expressão).  
Conforme  esclarece  Claudio  Luiz  Bueno  de  Godoy:  “forma-­‐se  assim  a  opinião  do  
indivíduo,  que  ele,  como  expressão  ainda  da  liberdade  de  pensamento,  já  sob  sua  
vertente  exterior,  tem  o  direito  de  propagar.”6  
 
A   liberdade   de   opinião   pode   ser   considerada   o   ponto   de   partida   para  
todas   as   demais   espécies   de   liberdade   de   pensamento,   pois   representa   a  
possibilidade   de   adotar   o   indivíduo   a   atitude   intelectual   que   melhor   lhe  
aprouver.    
 
A   proteção   constitucional   à   liberdade   de   opinião   está   contemplada   na  
parte   inicial   do   art.   5º,   VI,   da   Constituição   Federal,   segundo   o   qual   “é   inviolável   a  
liberdade  de  consciência  e  de  crença”,  bem  como  na  redação  do    art  5º,  VIII,  que  
garante  a  liberdade  de  crença  religiosa  e  convicção  filosófica.  
 
A   liberdade   de   expressão,   por   sua   vez,   traduz-­‐se   na   faceta   externa   da  
liberdade   de   pensamento,   conferindo   a   Constituição   uma   tutela   em   caráter  
genérico  para  a  manifestação  do  pensamento.  Essa,  por  seu  turno,  poderá  ter  por  
conteúdo  uma  crença  religiosa,  uma  matéria  jornalística,  um  trabalho  científico  e  
etc.  
 
A   tutela   conferida   à   liberdade   de   expressão,   está   regrada   no   texto  
constitucional   no   art.   5º,   IV,   da   Constituição   Federal,   que   garante   a   livre  
manifestação   do   pensamento,   sendo   vedado   o   anonimato,   e   no   art.   5º,   XIV,  
segundo   o   qual   “é   assegurado   a   todos   o   acesso   à   informação   e   resguardado   o  
sigilo   da   fonte,   quando   necessário   ao   exercício   profissional”.   O   artigo   220   da  
CFRB,   por   seu   turno,   afirma   que   a   “manifestação   do   pensamento,   a   criação,   a  
expressão  e  a  informação,  sob  qualquer  forma,  processo  ou  veículo  não  sofrerão  
qualquer  restrição,  observado  o  disposto  nesta  Constituição”.  
 
  A   liberdade   de   expressão,   na   dicção   de   Ingo   Wolfgang   Sarlet,   “nas   suas  
mais  diversas  manifestações,  engloba  tanto  o  direito  (faculdade)  de  a  pessoa  se  
exprimir   quanto   o   de   não   se   expressar   ou   mesmo   de   não   se   informar”.   Sendo  
assim,   “em   primeira   linha,   a   liberdade   de   expressão   assume   a   condição   precípua  
de  direito  de  defesa  (direito  negativo),  operando  como  o  direito  da  pessoa  de  não  
ser   impedida   de   exprimir   e/ou   divulgar   suas   ideias   e   opiniões,   sem   prejuízo,  

6  GODOY,   Claudio   Luiz   Bueno   de.   A   Liberdade   de   Imprensa   e   os   Direitos   da   Personalidade.   São  

Paulo:  Atlas,  2001;  p.  56.  

5
todavia,  de  uma  correlata  dimensão  positiva,  visto  que  a  liberdade  de  expressão  
implica  um  direito  de  acesso  aos  meios  de  expressão”.7      
 
  Ao   oferecer   um   ambiente   favorável   ao   desenvolvimento   da   liberdade   de  
expressão,  busca  o  texto  constitucional  empoderar  não  apenas  o  indivíduo,  mas  
também  criar  condições  para  o  desenvolvimento  do  próprio  Estado  Democrático  
de  Direito.  Essa  empreitada  não  se  esgota  no  texto  normativo.  Ao  contrário,  ela  
dialoga  com  as  práticas  sociais  para  fortalecer  uma  cultura  de  tutela  da  liberdade  
de   expressão   que   incentive   e   aprimore   a   participação   na   vida   pública,   ao   mesmo  
tempo   em   que   cria   condições   para   o   amplo   desenvolvimento   da   personalidade.  
Conforme  expõe  Nicole  Mader  Gonçalves:  
 
“A   consolidação   de   um   Estado   Democrático   de   Direito,   no   qual   os  
cidadãos   exercem   com   plenitude   a   autonomia   pública,   participando  
da   esfera   pública   de   decisão   de   forma   livre   e   igual,   e   possuem  
segurança   e   proteção   para   o   desenvolvimento   de   sua   autonomia  
privada,  isto  é,  para  refletir,  pensar,  participar  e  se  expressar  de  forma  
livre,   está   diretamente   condicionada   a   forma   como   a   liberdade   de  
expressão  está  interiorizada  nas  práticas  e  nos  costumes  sociais.”8  
 
A   partir   dessa   rápida   incursão   sobre   os   fundamentos   da   proteção   à  
liberdade  de  expressão  pode-­‐se  então,  a  seguir,  analisar  os  cinco  momentos  em  
que  a  sua  tutela  é  acionada  no  Marco  Civil  da  Internet  e  quais  controvérsias  de  
natureza  prática  ela  pode  gerar.    
 
3.   Liberdade   de   expressão   como   fundamento   da   disciplina   do   uso   da  
Internet  no  Brasil:  
 
  O  caput  do  art.  2º  do  Marco  Civil  da  Internet  afirma  que  “a  disciplina  do  
uso   da   internet   no   Brasil   tem   como   fundamento   o   respeito   à   liberdade   de  
expressão”.   Logo   em   seguida,   o   dispositivo   aponta   outros   fundamentos   que,  
juntamente   com   a   liberdade   de   expressão,   exercem   esse   papel   essencial   para   a  
construção  da  disciplina  da  rede  no  Brasil.  Dentre  os  incisos  do  artigo  segundo  
pode-­‐se  encontrar  também  designados  como  fundamentos  os  “direitos  humanos,  
o   desenvolvimento   da   personalidade   e   o   exercício   da   cidadania   em   meios  
digitais”(art.  2º,  II),  a  “pluralidade  e  a  diversidade”  (art.  2º,  III),  a  “livre  iniciativa,  
a  livre  concorrência  e  a  defesa  do  consumidor”  (art.  2º,  V)  e  a  “finalidade  social  
da  rede”  (art.  2º,  VI).  
 
  Um   primeiro   questionamento   que   surge   da   leitura   desse   dispositivo   é   a  
razão  para  a  liberdade  de  expressão  ter  gozado,  na  redação  da  Lei  nº  12965/14,  
de   um   destaque   tão   evidente,   fazendo-­‐se   constar   no   caput   do   artigo   segundo  
como   fundamento   da   disciplina   da   rede,   ao   passo   que   os   demais   fundamentos  
encontram-­‐se  elencados  nos  subsequentes  incisos.  

7  SARLET,  
Ingo   Wolfgang;   MARINONI,   Luiz   Guilherme;   e   MITIDIERO,   Daniel.   Curso   de   Direito  
Constitucional.  São  Paulo:  Revista  dos  Tribunais,  3ª  ed.,  2014;  p.  459.  
8  GONÇALVES,   Nicole   P.S.   Mader.   “Liberdade   de   Expressão   e   Estado   Democrático   de   Direito”,   in  

CLÈVE,   Clèmerson   Merlin   (coord).   Direito   Constitucional   Brasileiro.   São   Paulo:   Revista   dos  
Tribunais,  2014;  p.  403.  

6
 
  Existem,   na   verdade,   razões   técnicas   e   políticas   para   esse   tratamento  
concedido   à   liberdade   de   expressão.   Em   termos   políticos,   a   colocação   da  
liberdade   de   expressão   em   destaque   logo   no   caput   do   artigo   2º   atende   à  
demanda   de   prontamente   defender   a   legislação   como   um   passo   importante   para  
melhor  garantir  a  manifestação  do  pensamento  na  Internet.  
 
  A  rede  mundial  de  dispositivos  conectados  é  frequentemente  associada  à  
potencialização   das   formas   de   expressão,   furando   bloqueios   impostos   por  
governos   ou   empresas   sobre   outros   meios   de   comunicação.   Embora   essa   seja  
uma   visão   simplista   dos   desafios   que   a   liberdade   de   expressão   enfrenta   para   a  
sua   realização   na   Internet   -­‐   já   que   a   mesma   rede   que   potencializa   o   discurso  
também  pode  ser  um  meio  eficaz  para  o  seu  cerceamento  -­‐  existe  até  por  conta  
de  seu  alcance  global,  a  percepção  de  que  a  Internet  seria  um  território  de  franco  
exercício  da  liberdade  de  expressão.  
 
  Durante  o  processo  que  levou  à  aprovação  do  Marco  Civil,  muitas  foram  
as   críticas   destinadas   ao   então   projeto   de   lei   pelo   simples   fato   dele   buscar  
estabelecer   parâmetros   para   a   regulação   do   uso   da   Internet   no   País.   Conforme  
exposto   no   item   2   acima,   a   simples   existência   de   uma   lei   para   tratar   de   temas  
relacionados   ao   desenvolvimento   da   tecnologia   pode   ser   vista   como   uma  
restrição  à  liberdade  pretensamente  existente  justamente  pela  ausência  de  uma  
lei  específica.  
 
  O   processo   de   aprovação   do   Marco   Civil   da   Internet   precisou   contornar  
então  a  natural  desconfiança  de  parte  da  comunidade  técnica,  que  via  na  Lei  –  ou  
em   qualquer   lei,   diga-­‐se   de   passagem   –   uma   intromissão   no   desenvolvimento   de  
práticas  que  são  transformadas  pela  natural  evolução  dos  usos  da  rede.  
 
  Adicionalmente,  componentes  de  natureza  político-­‐partidária  se  juntaram  
à  mencionada  resistência,  procurando  descredenciar  a  iniciativa  do  projeto  de  lei  
como  sendo  uma  manobra  do  Governo  Federal  para  cercear  discursos  contrários  
aos  seus  interesses  na  rede.  
 
  Sendo  assim,  o  destaque  dado  à  liberdade  de  expressão  no  caput  do  artigo  
2º   possui   inegavelmente   um   componente   político,   procurando   rebater,   de   uma  
só   vez,   uma   parcela   da   comunidade   técnica   que   via   no   Marco   Civil   uma  
intromissão   no   progresso   tecnológico,   ao   mesmo   tempo   em   que   se   procurava  
evidenciar  que  a  sua  aprovação  não  levaria  a  qualquer  efeito  de  censura;  muito  
pelo   contrário,   a   liberdade   de   expressão   estava   até   mesmo   consagrada   em  
grande  destaque  como  fundamento  da  disciplina  da  Internet  no  Brasil.  
 
  Um   segundo   componente   que   ajuda   a   esclarecer   o   papel   desempenhado  
pelo  Marco  Civil  da  Internet  no  caput  do  artigo  2º  não  é  de  natureza  política,  mas  
sim   técnica.   Da   leitura   do   texto   da   Lei   nº   12.965/14   como   um   todo   pode-­‐se  
perceber  que  o  legislador  procurou  criar  um  ambiente  favorável  à  manifestação  
de   pensamento   na   rede.   Esse   ambiente   pode   ser   percebido   não   apenas   pelas  
enunciações  gerais  de  seus  primeiros  dispositivos,  mas  especialmente  a  partir  do  
regime  de  responsabilidade  civil  estabelecido  nos  artigos  18  e  seguintes.  

7
 
  Em   especial   o   artigo   19,   que   será   melhor   detalhado   mais   à   frente,   cria  
para   os   chamados   provedores   de   aplicações   de   Internet   um   ambiente   que  
restringe   a   possibilidade   de   sua   responsabilização   por   conteúdos   gerados   por  
terceiros  apenas  para  casos  de  descumprimento  de  ordem  judicial.  Esse  regime  
de   isenção   de   responsabilidade   dos   provedores   se   apoia   claramente   em   outras  
iniciativas   legislativas   que   geraram   forte   impacto   para   a   promoção   do   discurso   e  
para   a   inovação   em   outros   países,   conforme   se   deu,   por   exemplo,   com   o   artigo  
230  do  Communications  Decency  Act,  nos  Estados  Unidos.9  
 
  Dessa   forma,   o   sistema   de   responsabilização   de   provedores   de   aplicações  
no   Marco   Civil   garante   que   o   não   atendimento   de   uma   notificação   privada   não  
seria  suficiente,  em  regra,  para  tornar  o  provedor  responsável  por  conteúdo  de  
terceiro.  Entendendo  que  essa  engenharia  garante  um  ambiente  mais  favorável  à  
livre   manifestação   do   pensamento,   confere-­‐se   sentido   à   redação   do   caput   do  
artigo  2º  ao  eleger  a  liberdade  de  expressão  como  fundamento  da  disciplina  do  
uso  da  rede  no  País.  
 
  Na   verdade,   a   menção   à   liberdade   de   expressão   no   caput   do   artigo   2º  
guarda   até   mesmo   uma   certa   atecnicidade,   já   que   logo   em   seguida,   no   inciso   II,   é  
afirmado  que  os  direitos  humanos  são  também  fundamento  da  disciplina  do  uso  
da  rede.  Sob  todas  as  luzes,  a  liberdade  de  expressão  é  um  direito  humano,  razão  
pela   qual   já   estaria   contemplada   como   fundamento   da   disciplina   da   rede   no  
Brasil  apenas  pela  redação  do  inciso  II.    
 
  Todavia,   tendo   em   vista   as   motivações   políticas   e   técnicas   aqui  
mencionadas,   torna-­‐se   claro   o   papel   que   o   seu   posicionamento   no   caput   do  
artigo  2º  desempenha.    
 
4.   Liberdade   de   expressão   como   princípio  da  disciplina  do  uso  da  Internet  
no  Brasil:  
 
  O   art.   3º,   I,   da   Lei   nº   12.965/14   determina   que   a   disciplina   do   uso   da  
internet   no   Brasil   tem   como   um   de   seus   princípios   a   “garantia   da   liberdade   de  
expressão,   comunicação   e   manifestação   de   pensamento,   nos   termos   da  
Constituição  Federal”.    
 
  Através  dessa  redação  percebe-­‐se  que  a  liberdade  de  expressão,  além  de  
ser  fundamento  para  a  disciplina  do  uso  da  Internet  no  País,  é  também  um  dos  
princípios   que   devem   reger   essa   disciplina.   Vale   destacar   que,   na   locução   do  
mencionado   artigo,   a   garantia   da   liberdade   de   expressão   será   desempenhada  
“nos   termos   da   Constituição   Federal”,   atraindo   assim   toda   a   experiência  

9  Vide,  dentre  outros,  o  relatório  “Shielding  the  Messengers:  Protecting  Platforms  for  Expression  

and   Innovation”,   elaborado   pelo   CDT   -­‐   Center   for   Democracy   &   Technology,   em   dezembro/2012,  
in   https://www.cdt.org/files/pdfs/CDT-­‐Intermediary-­‐Liability-­‐2012.pdf   (acessado   em  
20.12.2014).  No  mesmo  sentido,  para  uma  relação  de  casos  envolvendo  a  aplicação  do  artigo  230,  
vide  a  compilação  elaborada  pela  EFF  -­‐  Electronic  Frontier  Foundation:  https://www.eff.org/pt-­‐
br/issues/cda230  (acessado  em  20.12.2014).    

8
acumulada   por   décadas   de   interpretação   sobre   os   dispositivos   constitucionais  
sobre  o  tema,  em  especial  os  artigos  5º,  IV  e  220  da  CFRB.  
 
  Uma   vez   incorporada   a   disciplina   constitucional   da   liberdade   de  
expressão  ao  Marco  Civil  da  Internet,  uma  questão  surge  com  grande  evidência:  
o   papel   desempenhado   pelo   anonimato   na   rede   e   como   compatibilizar   o   seu  
desenvolvimento   com   o   texto   constitucional   que   garante   a   liberdade   de  
expressão,  mas  proíbe  o  discurso  anônimo.    
 
  Para   melhor   compreender   esse   dilema   e   como   pode   ser   o   texto  
constitucional   interpretado   de   modo   a   viabilizar   as   diversas   formas   de  
implementação   do   anonimato   na   rede,   é   necessário   recorrer   de   início   à  
experiência   norte-­‐americana   sobre   o   tema,   já   que   o   tratamento   concedido   ao  
discurso   anônimo   nos   Estados   Unidos   pode   oferecer   boas   indicações   sobre   o  
tema.  
 
4.1.  A  tutela  da  liberdade  de  expressão  nos  Estados  Unidos  
 
  A   liberdade   de   expressão   é   garantida   no   ordenamento   jurídico   norte-­‐
americano   pela   Primeira   Emenda   à   Constituição.   Uma   longa   trajetória   de  
decisões   que   buscaram   compatibilizar   o   texto   –   que   aparentemente   assegura   à  
liberdade   de   expressão   um   tratamento   absoluto   –   com   os   demais   direitos  
fundamentais  e  interesses  coletivos,  como  a  segurança  pública,  terminaram  por  
moldar  uma  tutela  rigorosa  visando  à  preservação  da  liberdade  do  cidadão  para  
se   expressar   livremente,   salvo   algumas   exceções   nas   quais   entendeu   o   Judiciário  
que  a  liberdade  individual  deveria  ceder  espaço  para  valores  mais  relevantes  no  
caso  concreto.  
 
  Assim  dispõe  a  Emenda  nº  01  à  Constituição  norte-­‐americana:  
 
“Congress  shall  make  no  law  respecting  the  establishment  of  religion,  
or  prohibiting  the  free  exercise  thereof;  or  abridging  the  freedom  of  
speech,   or   of   the   press;   or   the   right   of   the   people   peaceably   to  
assemble,   and   to   petition   the   Government   for   a   redress   of  
grievances.”  
 
  Para   compatibilizar   a   liberdade   de   expressão   com   outros   direitos,   a  
jurisprudência   da   Suprema   Corte   norte-­‐americana   criou   diversos   standards   para  
mesurar  se,  em  determinada  situação,  a  referida  liberdade  deve  ser  cerceada.  
 
  Um   dos   mais   conhecidos   standards   norte-­‐americanos   é   o   denominado  
“perigo   claro   e   iminente”   (clear   and   present   danger),   segundo   o   qual   serão  
constitucionais  restrições  impostas  pela  legislação  à  liberdade  de  expressão,  se  a  
mesma   se   justificar   “por   evidente   interesse   público,   ameaçado   não   por   um  
perigo  duvidoso  e  remoto,  mas  por  um  perigo  evidente  e  atual”.10  
 

10  Trecho   do   voto   do   Justice   Rutlegde,   proferido   no   caso   Thomas   vs.   Collins.   Apud.   SARMENTO,  

Daniel.    A  Ponderação  de  Interesses  na  Constituição  Federal.  Rio:  Lumen  Juris,  2002;  p.  158.        

9
  O  critério  do  perigo  claro  e  iminente  foi  criado  a  partir  de  voto  proferido  
pelo  Justice  Oliver  Wendell  Holmes  no  caso  Schenk  vs.  Arizona,  julgado  em  1919.  
O   caso   envolvia   a   distribuição   de   panfletos   pelo   correio   realizada   por   dois  
indivíduos,   visando   obstruir   o   alistamento   nas   forças   armadas   durante   a  
Primeira   Guerra   Mundial.   O   texto   objeto   da   controvérsia   convocava   o   cidadão  
norte-­‐americano   a   resistir   à   intimidação   do   alistamento,   apontava   o   interesse   de  
uma   escolhida   minoria   de   Wall   Street   na   participação   dos   Estados   Unidos   no  
conflito,  bem  como  negava  o  acerto  em  se  enviar  soldados  americanos  “a  fim  de  
aterrorizar  os  povos  de  outras  terras”.11    
 
  Em   seu   voto,   o   Justice   Holmes   afirmou   que   “[a]   mais   rígida   garantia   da  
liberdade  de  expressão  não  protegeria  um  homem  que  falsamente  gritasse  ‘fogo!’  
num   teatro,   e,   assim,   causasse   pânico...   A   questão   em   cada   caso   é   saber   se   as  
palavras   foram   usadas   em   circunstâncias   e   são   de   tal   natureza   que   envolvem  
perigo   claro   e   iminente   (“clear   and   present   danger”)   de   produzirem   os   males  
substantivos  que  o  Congresso  tem  o  direito  de  prevenir.”12  
 
  Nos   anos   sessenta,   durante   o   período   que   ficou   conhecido   como   a   Corte  
de   Warren,   a   liberdade   de   expressão   foi   fortemente   tutelada,   alcançando   a  
Primeira  Emenda  uma  efetividade  inédita,  declarando-­‐se  a  inconstitucionalidade  
de   diversos   atos   legislativos   que   restringiam   de   forma   indevida   as   liberdades  
previstas  naquele  dispositivo.  
 
  Atualmente   a   Suprema   Corte   utiliza   também   outros   standards   para  
avaliar   a   conveniência   de   se   declarar   uma   lei   inconstitucional   por   lesão   à  
Primeira   Emenda.   A   proteção   à   liberdade   de   expressão   tem   sido   mais   intensa  
para   discursos   de   natureza   política   e   um   dos   debates   inseridos   no   contexto   de  
tutela   da   liberdade   de   expressão   a   partir   da   Primeira   Emenda   é   justamente  
aquele  derivado  da  proteção  do  chamado  “discurso  anônimo”  e  em  especial  a  sua  
proteção  na  internet.  
 
  A   Corte   Distrital   de   Washington,   por   exemplo,   ao   apreciar   caso   de  
postagem   anônima   na   rede,   afirmou   que   “a   internet   é   um   verdadeiro   fórum  
democrático   para   a   comunicação.   Ela   permite   o   livre   intercâmbio   de   ideias   de  
forma   inédita   tanto   em   velocidade   como   em   escala.   Por   essa   razão,   os   direitos  
constitucionais   dos   usuários   da   internet,   incluindo   a   proteção   da   Primeira  
Emenda  ao  discurso  anônimo,  devem  ser  tutelados  de  forma  cuidadosa.”13  
 
  A   Corte   Distrital   do   Norte   da     Califórnia,   por   sua   vez,   ao   analisar   caso  
envolvendo   a   postagem   anônima   de   críticas   em   um   blog,   explicitou   que   “as  
pessoas   podem   interagir   através   de   pseudônimos   ou   de   forma   de   anônima,  
contanto   que   seus   atos   não   impliquem   em   violação   à   lei.   A   possibilidade   de   se  

11  Conforme  relata  o  voto  de  Wendell  Holmes,  transcrito  em  CAPALDI,  Nicholas.  Da   Liberdade   de  

Expressão:  uma  antologia  de  Stuart  Mill  a  Marcuse.  Rio,  FGV,  1984;  p.  51.  
12  RODRIGUES,   Leda   Boechat.   A   Corte   Suprema   e   o   Direito   Constitucional   Norte-­‐Americano.   Rio,  

Forense,  1958;  p.  148.  


13  Doe  v.  2TheMart.  Com  Inc.,  140  F.  Supp.  2d  1088  -­‐  Dist.  Court,  WD  Washington  2001.  

10
expressar   sem   que   terceiros   possam   saber   detalhes   sobre   a   sua   identidade   pode  
fomentar  a  comunicação  ampla  e  um  debate  robusto.”14  
 
  Justamente   pela   forte   proteção   constitucional   conferida   ao   discurso  
anônimo,  as  Cortes  norte-­‐americanas  criaram  nos  últimos  quinze  anos  uma  série  
de  condições  para  que  a  vítima  de  ofensas  derivadas  de  comentários  anônimos  
possa  requerer  judicialmente  a  identificação  do  autor  do  discurso  lesivo.    
 
Os  critérios  para  que  essa  identificação  ocorra  são  os  mais  variados,  mas  
o   elenco   de   condições   impostas   no   caso   Dendrite   Int’l   v.   Doe   No.   3,   apreciado  
pela   Corte   Superior   de   Nova   Jersey,   ganhou   especial   destaque   e   vem   sendo  
rotineiramente  aplicado  para  danos  causados  através  da  internet  por  postagens  
anônimas.    
 
Segundo   o   teste   decorrente   da   decisão,   a   vítima,   ao   buscar   a   identificação  
da   autoria   de   comentário   lesivo   e   anônimo,   precisará   reunir   cinco   condições  
para   o   sucesso   de   sua   demanda:   (i)   demonstrar   que   a   vítima   se   compromete   a  
promover   a   citação   do   autor   do   discurso   anônimo;   (ii)   indicar   claramente   a  
expressão   do   pensamento   que   viola   seus   direitos;   (iii)   apontar   que   o   Poder  
Judiciário   poderá   analisar   o   caso   e   que   a   ação   contra   o   autor   do   discurso  
anônimo   é   viável;   (iv)   produzir   provas   suficientes   que   possam   prima   facie  
instruir  a  ação;  e  (v)  a  Corte  ponderar  a  proteção  do  discurso  anônimo  presente  
na   Primeira   Emenda   com   a   força   dos   argumentos   apresentados   pela   vítima   do  
dano   no   sentido   de   se   revelar   a   identidade   do   autor   do   discurso   anônimo   e  
ofensivo.”15      
 
  Dessa   forma,   percebe-­‐se   que   na   tradição   constitucional   norte-­‐americana  
o   discurso   anônimo   é,   em   regra,   protegido   pela   Primeira   Emenda,   sendo  
permitido,   em   situações   restritas,   à   vítima   do   dano   buscar   a   identificação   de   seu  
autor   e   a   partir   desse   resultado   prosseguir   com   uma   ação   de   natureza  
indenizatória.    
 
  É  importante  conhecer  a  experiência  norte-­‐americana  sobre  o  tema  para  
que   se   possa   compreender   em   que   medida   a   disciplina   do   tema   no   Brasil   se  
diferencia  daquele  tratamento  conferido  nos  Estados  Unidos.  Ainda  que  o  Brasil  
não   tenha   uma   tradição   em   proteger   o   discurso   anônimo   como   ocorre   naquele  
País,  é  preciso  reconhecer  quais  são  as  razões  para  que  a  tutela  constitucional  da  
liberdade   de   expressão   tenha   sido   atrelada   à   vedação   do   anonimato   e   como   a  
mesma  pode  ser  realizada  em  tempos  de  internet.  
 
4.2.  A  vedação  ao  anonimato  no  Direito  brasileiro  
 
O  artigo  5º  IV,  da  Constituição  Federal,  proclama  ser  "livre  a  manifestação  
do   pensamento,   sendo   vedado   o   anonimato".   Esse   dispositivo   traz   para   o   Direito  
brasileiro   a   percepção   de   que   o   discurso   anônimo   não   deve   ser   protegido,  
distanciando-­‐se  assim  da  tradição  norte-­‐americana,  conforme  retratada.    

14  Columbia  Ins.  Co.  v.  Seescandy.Com,  185  F.R.D.  573,  578  (N.D.Cal.  1999)  
15  Dendrite  International,  Inc.  v.  Doe  No.  3,  A-­‐2774-­‐00T3  (2001)  

11
 
Mas   qual   seria   a   razão   para,   na   experiência   brasileira,   a   tutela   da  
liberdade   de   expressão   não   incluir   a   proteção   ao   discurso   anônimo?   Na   raiz  
desse   preceito,   conforme   explicitado   pelos   mais   renomados   comentaristas   ao  
texto  constitucional,  está  a  preocupação  em  se  identificar  quem  é  o  autor  de  uma  
manifestação   do   pensamento   para   que   o   mesmo   possa   responder   pelos  
eventuais  abusos  na  expressão  e  danos  que  vier  a  causar.    
 
A   vedação   ao   anonimato,   vale   lembrar,   não   foi   introduzida   no   Direito  
brasileiro  pela  atual  Constituição.  A  sua  disposição  decorre  desde  a  Constituição  
de     1891,   em   seu   art.   72,   §   12.   Desde   então   esse   atrelamento   entre   vedação   ao  
anonimato   e   necessidade   de   se   responsabilizar   o   autor   de   danos   causados  
através  do  abuso  na  manifestação  do  pensamento  é  recorrente  na  doutrina  e  na  
jurisprudência  nacional.  
 
Nesse  sentido  já  se  pronunciou  o  Supremo  Tribunal  Federal:  
 
“O   veto   constitucional   ao   anonimato,   como   se   sabe,   busca   impedir   a  
consumação   de   abusos   no   exercício   da   liberdade   de   manifestação   do  
pensamento,   pois,   ao   exigir-­‐se   a   identificação   de   quem   se   vale   dessa  
extraordinária   prerrogativa   político-­‐jurídica,   essencial   à   própria  
configuração   do   Estado   democrático   de   direito,   visa-­‐se,   em   última  
análise,  a  possibilitar  que  eventuais  excessos,  derivados  da  prática  do  
direito   à   livre   expressão,   sejam   tornados   passíveis   de  
responsabilização,  'a  posteriori',  tanto  na  esfera  civil,  quanto  no  
âmbito  penal.  
(...)  
Torna-­‐se   evidente,   pois,   que   a   cláusula   que   proíbe   o   anonimato   -­‐   ao  
viabilizar,   'a   posteriori',   a   responsabilização   penal   e/ou   civil   do  
ofensor   -­‐   traduz   medida   constitucional   destinada   a   desestimular  
manifestações   abusivas   do   pensamento,   de   que   possa   decorrer  
gravame   ao   patrimônio   moral   das   pessoas   injustamente  
desrespeitadas  em  sua  esfera  de  dignidade,  qualquer  que  seja  o  meio  
utilizado  na  veiculação  das  imputações  contumeliosas.”16  (grifos)  
 
Diversos   são   os   autores   que   interpretam   esse   dispositivo   para   realçar   a  
sua   finalidade   de   restringir   comportamentos   danosos   e   identificar   o   autor   de  
abusos  na  manifestação  do  pensamento.17  
 
Partindo  do  disposto  do  art.  7º,  da  revogada  Lei  de  Imprensa,  que  também  
vedava  o  anonimato,  aponta  Edilson  Farias  que,  “tendo  em  vista  que  o  anonimato  
significa   a   ocultação   maliciosa   do   próprio   nome   para   fugir   à   responsabilidade  
pela   divulgação   de   matérias   que   podem   causar   prejuízos   a   terceiros,   é   fácil  
deduzir  que  a  finalidade  precípua  do  princípio  em  tela  é  evitar  que  os  autores  de  
mensagens  apócrifas  fiquem  imunes  dos  dados  provocados  à  honra,  à  intimidade  

16  STF,  MS  nº  24369  MC/DF,  rel.  Min.  Celso  de  Mello;  j.  em  10/10/2002.    
17  Vide,   dentre   outros,   MORAES,   Alexandre   de.   “Constituição   do   Brasil   Interpretada”.   São   Paulo:  

Atlas,  2002;  p.  207.  

12
e   bem-­‐estar   da   sociedade,   constituindo,   assim,   a   identificação   do   agente  
comunicador  um  ônus  da  liberdade  de  expressão  e  comunicação.”18    
 
Nesse   ponto   parece   muito   apropriada   a   expressão   de   Daniel   Sarmento  
sobre  o  modelo  de  tutela  da  liberdade  de  expressão  desenhado  pela  Constituição  
de  1988  ser  o  da  “liberdade  com  responsabilidade”.19  Isto  é,  apenas  se  protegeria  
o  discurso  na  justa  medida  em  que  se  fizesse  possível  a  identificação  de  seu  autor  
para  fins  de  se  promover  a  consequente  responsabilização  por  abusos  cometidos  
na  expressão  do  pensamento.  
 
4.3.  Liberdade  de  expressão  e  anonimato  na  Internet    
 
A   evolução   das   forma   de   comunicação   através   da   internet   passam,   em  
grande   medida,   pela   preservação   do   anonimato.   Para   fins   políticos,   a  
disponibilização   de   meios   de   navegação   e   comunicação   anônimas   têm   sido  
cruciais  para  o  desenvolvimento  do  potencial  libertário  da  rede,  em  especial  em  
países  cujos  governos  exercem  um  monitoramento  e  uma  censura  rígida  do  que  
se  vê  e  do  que  se  posta  na  Internet.  
 
O   atrelamento   entre   a   disponibilização   de   ferramentas   que   permitem   o  
uso   anônimo   da   rede   e   importantes   movimentos   de   resistência   política   no  
passado  recente  evidenciam  o  papel  que  o  anonimato  exerce  para  impulsionar  a  
tutela  da  liberdade  de  expressão  e  do  acesso  ao  conhecimento  e  à  informação.  
 
Uma  das  ferramentas  que  permite  a  navegação  anônima  através  de  uma  
série  de  roteamentos  para  a  conexão  à  rede  é  o  browser  Tor.  Hoje  sustentado  por  
uma   extensa   comunidade   de   voluntários   e   doadores   para   essa   iniciativa,   o  
navegador  Tor  foi  um  instrumento  importante  para  a  comunicação  e  o  acesso  à  
informação   que   instruiu   movimentos   políticos   de   extrema   relevância   como   a  
Primavera  Árabe.20  
 
Após   as   revelações   trazidas   à   tona   por   Edward   Snowden   sobre   a  
implementação   de   um   extenso   programa   de   vigilância   em   massa   na   rede21 ,  
ferramentas   de   anonimização   da   navegação   e   de   proteção   do   conteúdo   das  
comunicações   pela   internet   se   tornaram   mais   comentadas.   Nesse   sentido,   não  
apenas   o   Tor,   mas   também   alguns   dos   navegadores   mais   populares   da   rede  
passaram   a   implementar   uma   função   de   “navegação   anônima”,   conforme   hoje  
disponível  para  os  browsers  Google  Chrome  e  Mozilla  Firefox.  
 
Além   do   componente   político   e   de   preservação   da   privacidade,   o  
anonimato  também  vem  se  constituindo  como  uma  ferramenta  poderosa  para  a  

18  FARIAS,  Edilsom.  Liberdade  de  Expressão  e  Comunicação  –  Teoria  e  Proteção  Constitucional.  São  

Paulo:  Revista  dos  Tribunais,  2004;  p.  183.  


19  SARMENTO,   Daniel.   “Comentário   ao   artigo   5º,   IV”.   In   CANOTILHO,   J.   J.   Gomes;   MENDES,   Gilmar  

F.;  SARLET,  Ingo  W.;  STRECK,  Lenio  L.  (Coords.).  Comentários  à  Constituição  do  Brasil.  São  Paulo:  
Saraiva/Almedina,  2013;  p.  259.  
20  Tor,  Anonymity,  and  the  Arab  Spring:  An  Interview  with  Jacob  Appelbaum,  in  

http://www.monitor.upeace.org/innerpg.cfm?id_article=816  (acessado  em  20.12.2014).  


21  http://pt.wikipedia.org/wiki/Revela%C3%A7%C3%B5es_da_Vigil%C3%A2ncia_global_(2013-­‐

presente)  (acessado  em  20.12.2014)  

13
criação   de   comunidades   na   internet.   Nesses   casos,   o   discurso   anônimo   tem  
gerado  não  apenas  comunidades  online  para  a  disseminação  de  toda  espécie  de  
material,   como   o   site   4Chan,   até   o   desenvolvimento   de   grupos   extremamente  
organizados   como   o   anonymous 22 .   Provavelmente   uma   das   evidências   mais  
claras  do  papel  que  o  anonimato  desempenha  na  rede,  o  grupo  anonymous  tem  
sido  objeto  de  diversos  estudos  sobre  a  sua  controvertida  forma  de  organização  
e  de  atuação.23    
 
Durante  os  protestos  que  marcaram  a  recente  histórica  política  do  Brasil,  
o   uso   de   máscaras   por   parte   dos   manifestantes   fez   surgir   um   intenso   debate  
sobre  os  contornos  da  liberdade  de  expressão  no  País.  Podem  os  manifestantes  
cobrir   seus   rostos   com   máscaras   durante   um   protesto?   Como   pode   o   Poder  
Público   garantir   que   abusos   cometidos   durante   essas   manifestações   sejam  
punidos?   Seria   melhor   proibir   a   utilização   de   máscaras   ou   simplesmente  
determinar   que   toda   pessoa   mascarada   poderá   ser   obrigada   a   se   identificar   para  
uma  autoridade  policial  para  fins  de  eventual  responsabilização?  
 
Esse   dilema   evidencia   como   o   anonimato,   impulsionado   pelos  
comportamentos   naturais   da   rede,   pode   ter   consequências   que   transbordam   o  
universo   da   internet.   O   grupo   anonymous   elegeu   a   máscara   utilizada   pelo  
revolucionário   irlandês   Guy   Fawkes   (e   popularizada   por   quadrinhos   e   filme)  
como  seu  símbolo.  A  mesma  máscara  hoje  em  dia  pode  ser  vista  em  protestos  e  
manifestações   pelo   mundo   afora.   Desde   deputados   na   Polônia   usando   a   máscara  
como   protesto   contra   a   votação   de   uma   lei   sobre   propriedade   intelectual24,   até   a  
sua  extensa  utilização  nos  protestos  de  2013  no  Brasil.  
   
Assim,  elementos  técnicos,  políticos,  sociais  e  jurídicos  se  confundem  no  
mosaico  que  reflete  o  papel  relevante  que  o  anonimato  desempenha  na  evolução  
das  formas  de  comunicação  através  da  internet.    
 
4.4.  O  caso  do  aplicativo  Secret  
 
Um  caso  ocorrido  logo  após  a  aprovação  do  Marco  Civil  da  Internet  já  teve  
a   oportunidade   de   colocar   em   prática   o   debate   aqui   trazido   sobre   o   papel   do  
anonimato  na  rede  e  a  tutela  constitucional  da  liberdade  de  expressão.  Tratou-­‐se  
da  proibição  da  disponibilização  de  um  aplicativo  denominado  “Secret”  no  País.    
 
O   aplicativo   foi   disponibilizado   no   Brasil   através   das   lojas   virtuais   das  
empresas   Apple   (“AppStore”)   e   Google   (“Google   Play”),   tendo   rapidamente   se  
tornado   um   sucesso   em   número   de   downloads   e   de   usuários   no   País.  
Disponibilizado   de   forma   gratuita,   o   aplicativo   permite   que   seus   usuários  
publiquem   pequenos   comentários   sem   que   exista   uma   identificação   imediata  
sobre  a  autoria  da  mensagem.    
 

22  http://pt.wikipedia.org/wiki/Anonymous  
23  Vide,  dentre  outros,  OLSON,  Parmy.  “We  Are  Anonymous:  Inside  the  Hacker  World  of  LulzSec,  

Anonymous,  and  the  Global  Cyber  Insurgency”.  Nova  Iorque:  Back  Bay  Books,  2014.  
24  http://www.forbes.com/sites/parmyolson/2012/01/27/amid-­‐acta-­‐outcy-­‐politicians-­‐don-­‐
anonymous-­‐guy-­‐fawkes-­‐masks/  (acessado  em  20.12.2014).  

14
Ao   usuário   do   aplicativo   apenas   é   informado   se   o   autor   da   mensagem   é  
“amigo”   ou   “amigo   de   amigo”.   Essa   informação   é   obtida   a   partir   do   momento   em  
que   o   usuário   autoriza   o   aplicativo   a   ter   acesso   à   lista   de   amigos   do   Facebook   ou  
aos   contatos   da   agenda   de   seu   aparelho   celular.   Comentários   mais   populares  
podem  ainda  ser  exibidos  no  aplicativo  através  da  seção  “Explorar”.  Em  versões  
anteriores   do   aplicativo,   era   ainda   facultado   o   upload   de   qualquer   foto   para  
ilustrar  a  mensagem.  Ao  visualizar  uma  mensagem,  outros  usuários  podem  curtir  
ou   inserir   comentários.   Não   existe,   nem   para   o   autor   da   mensagem,   nem   para   os  
que   comentam,   qualquer   indicação   sobre   autoria   da   mensagem   original   ou   dos  
comentários  subsequentes.  
 
A   disponibilização   do   aplicativo   foi   objeto   de   Ação   Civil   Pública   movida  
pelo   Ministério   Público   do   Estado   do   Espírito   Santo,   através   de   sua   26ª  
Promotoria   Cível   da   Cidade   de   Vitória.   A   ação,   ingressada   contra   as   empresas  
Apple,   Google   e   Microsoft,   buscava   proibir   a   disponibilização   do   aplicativo   no  
Brasil   por   entender   que   sua   operação   violava   a   vedação   constitucional   ao  
anonimato  e  proporcionava  ofensas  à  dignidade  da  pessoa  humana.  
 
O  Juízo  da  5ª  Vara  Cível  concedeu  medida  liminar  para  que  as  empresas  
Apple  e  Google  removessem  o  aplicativo  de  suas  lojas  virtuais  e  que,  no  prazo  de  
dez  dias,  apagassem  os  aplicativos  já  instalados  de  todos  os  dispositivos  móveis  
no  País.  
 
Em   face   dessa   medida,   a   empresa   responsável   pelo   aplicativo   tomou  
medidas  para  evitar  que  danos  a  direitos  de  terceiros  fossem  cometidos  através  
de   seu   aplicativo.   Nesse   sentido,   foi   restringida   inicialmente   a   utilização   de   fotos  
na   plataforma   para   usuários   brasileiros.   A   empresa   afirmou   ainda   à   imprensa  
que   buscava   remover   rapidamente   qualquer   publicação   ilícita   assim   que  
notificada  pela  eventual  vítima,  usualmente  através  de  mecanismo  existente  no  
próprio  aplicativo  desde  o  seu  lançamento.25  
 
  Ao  apreciar  o  agravo  impetrado  pela  Google  Brasil,  o  Tribunal  de  Justiça  
do   Espírito   Santo   entendeu   que   a   medida   que   obrigava   as   empresas   Google,  
Apple   e   Microsoft   a   apagar   o   aplicativo   dos   dispositivos   celulares   de   quem   havia  
realizado   o   seu   download   não   poderia   prosperar.   Em   seu   voto   o   relator  
mencionou  que  a  invasão  de  dispositivo  informático  alheio  é  crime  no  País  desde  
a   entrada   em   vigor   da   Lei   12.737/12   (conhecida   como   “Lei   Carolina  
Dieckmann”)  e  por  isso  não  poderia  o  Poder  Judiciário  adotar  tal  medida.26  
 
  Para  além  do  debate  sobre  a  possibilidade  de  serem  removidos  conteúdos  
diretamente   dos   dispositivos   móveis   particulares   –   tema   que   cresce   em  
relevância   na   mesma   velocidade   em   que   avança   a   inclusão   digital   através   da  
internet  móvel  no  País  –  é  relevante  investigar  se  o  caso  do  aplicativo  Secret  se  
enquadra  nos  contornos  constitucionais.  
 

25  http://idgnow.com.br/blog/circuito/2014/09/03/secret-­‐quer-­‐colaborar-­‐com-­‐as-­‐autoridades-­‐

brasileiras-­‐e-­‐aqui-­‐no-­‐brasil/  (acessado  em  20.12.2014).  


26  http://blogs.estadao.com.br/link/justica-­‐do-­‐es-­‐volta-­‐atras-­‐e-­‐libera-­‐aplicativo-­‐secret/  
(acessado  em  20.12.2014).  

15
  Essa   investigação   faz-­‐se   relevante   pela   diversidade   de   aplicações   de  
Internet   que,   de   variadas   formas,   se   vale   do   anonimato   (ou   pela   menos   de   sua  
aparência  ou  expectativa)  como  uma  característica  essencial  da  ferramenta.    
 
O  aplicativo  Secret  parece  então  integrar  o  extenso  e  complexo  conjunto  
de   aplicações   na   internet   que   promove   o   anonimato.   Ao   permitir   que   usuários  
postem  mensagens  sem  a  sua  imediata  identificação,  a  plataforma,  em  primeira  
análise,   parece   propiciar   o   uso   anônimo   de   seus   serviços.   Uma   análise   mais  
apurada   sobre   como   o   aplicativo   é   utilizado   e   como   provedores   reagem   à  
notificações  sobre  conteúdos  ilícitos,  revela  uma  perspectiva  bem  diferente.  Por  
mais   paradoxal   que   possa   parecer,   o   que   o   aplicativo   em   questão   oferece   aos  
seus  usuários  não  é  a  experiência  de  anonimato  integral,  mas  tão  somente  uma  
expectativa  de  anonimato.  
 
Essa  conclusão  pode  ser  retirada  da  leitura  da  Política  de  Privacidade  do  
aplicativo,   que   muito   claramente   afirma   manter   o   pretenso   anonimato   apenas  
entre   os   usuários   do   serviço,   sendo   assegurada   a   possibilidade   não   apenas   de  
identificação   de   quem   é   o   autor   de   uma   referida   mensagem,   bem   como   o  
compartilhamento   dessa   informação   com   autoridades   que   venham   a   deter   a  
competência  para  ordenar  a  empresa  a  revelá-­‐la  para  fins  de  apuração  de  ilícitos.  
 
A   Política   de   Privacidade   da   Consulente,   em   sua   versão   de   11   de   junho   de  
2014,   esclarecia   que,   mesmo   com   o   pretenso   anonimato   existente   na   interface  
entre  usuários,  “ainda  é  tecnicamente  possível  para  o  Secret  conectar  seus  Posts  
com   o   seu   endereço   de   e-­‐mail,   número   de   telefone   ou   outros   dados   pessoais   que  
você   nos   tenha   fornecido.   Isto   significa   que,   se   um   tribunal   ou   uma   autoridade  
competente  nos  pedir  para  revelar  a  sua  identidade,  poderemos  ser  obrigados  a  
fazê-­‐lo.”27  
 
Além   de   informar   as   autoridades   competentes   sobre   dados   que   podem  
identificar   o   autor   de   mensagens   danosas,   a   empresa   Secret   também  
disponibiliza  para  a  vítima  de  eventual  dano  causado  através  de  sua  plataforma  
uma  ferramenta  para  a  denúncia  de  conteúdo  ilícito.    
 
Uma  ferramenta  que  gera  expectativa  de  anonimato  no  ambiente  em  que  
usuários   interagem,   e   que   possui   os   meios   para   identificar   o   autor   das  
mensagens,   informando   tais   dados   às   autoridades   competentes,   além   de  
promover  a  retirada  de  conteúdos  reputados  como  lesivos,  se  enquadra  então  na  
proibição  constitucional  ao  discurso  anônimo?    
 
Ao   permitir   a   identificação   do   autor   de   mensagens   postadas   em   sua  
plataforma,  mantendo  apenas  o  pretenso  anonimato  entre  os  seus  usuários,  pode  
ser   mesmo   questionado   se   o   aplicativo   Secret   criou   um   ambiente   que   pode   ser  
reputado   anônimo.   Parece   mais   apropriado   caracterizar   o   anonimato  
disponibilizado  pelo  aplicativo  como  relativo,  ou  na  melhor  das  hipóteses,  como  
uma   mera   expectativa   de   anonimato,   que   pode   ser   quebrada   na   exata  

27  https://www.secret.ly/privacy  (acessado  em  01.09.2014)  

16
circunstância  em  que  o  autor  da  mensagem  viola  os  termos  de  uso  da  ferramenta  
ou  causa  um  dano.    
 
Em   suporte   ao   entendimento   de   que   o   ambiente   disponibilizado   pelo  
Secret  não  se  enquadra  na  proibição  constitucional  ao  anonimato  pode-­‐se  ainda  
afirmar   que   a   ratio   do   preceito   constitucional   é   evitar   que   o   discurso   anônimo  
venha  a  incentivar  o  abuso  na  manifestação  do  pensamento,  usando  o  autor  da  
expressão  o  manto  do  anonimato  para  se  evadir  de  eventual  responsabilização.    
 
Nesse   sentido,   ao   manter   a   possibilidade   de   identificação   do   autor   da  
mensagem,  ao  colaborar  com  as  autoridades  competentes  para  essa  identificação  
seja  conhecida,  e  ao  promover  um  sistema  de  denúncia  e  remoção  de  conteúdos  
ilícitos,  parece  que  o  aplicativo  cumpre  com  a  finalidade  da  norma  constitucional  
que  tutela  a  liberdade  de  expressão  no  art.  5º,  IV.  
 
Conforme   visto,   doutrina   e   jurisprudência   afirmam   que   a   interpretação  
teleológica   da   vedação   ao   anonimato   presente   na   Constituição   é   garantir   a  
responsabilização   decorrente   do   discurso   que   causa   danos.   O   aplicativo   Secret,  
nessa   direção,   parece   construir   um   ambiente   que   busca   aproveitar   a   liberdade  
que  o  pretenso  anonimato  confere,  incentivando  que  seus  usuários  expressem  as  
suas   ideias   e   opiniões   livremente,   o   que   remete   à   raiz   da   proteção   do   anonimato  
na   sua   origem   norte-­‐americana,   mas,   ao   mesmo   tempo,   afirma   que   a  
identificação   do   autor   de   mensagens   danosas   será   possível,   o   que   parece  
condizente   com   a   ratio   do   preceito   constitucional   brasileiro.   A   interpretação  
teleológica  do  preceito  constitucional  parece  indicar  nesse  sentido.  
 
Nessa   direção,   lembra   a   sempre   citada   lição   de   Francesco   Ferrara,   que  
“toda  disposição  de  direito  tem  um  escopo  a  realizar,  quer  cumprir  certa  função  
e   finalidade,   para   cujo   conseguimento   foi   criada.   A   norma   descansa   num  
fundamento  jurídico,  numa  ratio  iuris,  que  indigita  a  sua  real  compreensão.”28    
 
A   finalidade   do   dispositivo   constitucional   em   se   vedar   o   anonimato   não  
estenderia   os   efeitos   de   vedação   ao   uso   do   aplicativo   Secret   conforme  
atualmente   desempenhado.   Em   outras   palavras,   o   usuário   do   aplicativo   é  
anônimo  até  o  momento  em  que  ele  abusa  da  sua  liberdade  de  expressão  e  passa  
a  causar  danos  a  terceiros,  atendendo  assim  ao  mandamento  constitucional.  
 
Resta   então   uma   última   questão   que   se   pode   retirar   da   disciplina  
constitucional    sobre  liberdade  de  expressão  e  sua  ligação  com  o  Marco  Civil  da  
Internet:   se   aplicativos   que   geram   mera   expectativa   de   anonimato   podem   ser  
disponibilizados   no   País,   o   que   dizer   daqueles   que   realmente   oferecem   uma  
experiência  completa  de  anonimato,  não  revelando  o  autor  da  mensagem  e  nem  
mesmo   retendo   registros   sobre   a   utilização   do   serviço?   Para   essas   ferramentas  
será   preciso   construir   uma   nova   interpretação,   já   que   a   análise   finalística   da  
Constituição   apenas   mais   diretamente   protegeria   aquelas   aplicações   que  
produzem  um  pretenso  anonimato  para  quem  usa  a  plataforma,  mas  não  para  as  
autoridades  competentes  para  apurar  eventuais  danos  causados.  

28  FERRARA,  Francesco.  Interpretação  e  Aplicação  das  Leis.  São  Paulo:  Saraiva,  1987;  p.  141.  

17
 
Em   adição   ao   questionamento,   vale   ainda   enfatizar   que   o   Marco   Civil  
obriga,   conforme   dispõe   o   artigo   15,   os   provedores   de   aplicações   de   Internet,  
constituídos  na  forma  de  pessoa  jurídica  e  que  exerçam  essa  atividade  de  forma  
organizada,   profissionalmente   e   com   fins   econômicos,   a   manter   os   respectivos  
registros  de  acesso  a  aplicações  de  internet,  sob  sigilo,  em  ambiente  controlado  e  
de  segurança,  pelo  prazo  de  6  (seis)  meses,  nos  termos  do  regulamento.  
 
Dessa   forma,   ao   gerar   um   ambiente   de   aparente   anonimato,   mas   com   a  
retenção   de   registros   em   conformidade   com   a   regulamentação   do   artigo   15   do  
Marco   Civil,   os   provedores   de   aplicações   poderiam   disponibilizar   aplicativos  
como   o   Secret   no   Brasil.   Todavia,   como   já   se   percebe   hoje,   essa   questão   é   de  
menor   complexidade   perto   da   disponibilização   de   ferramentas   que   garantem  
integralmente  o  anonimato  na  rede.  
 
5.   Liberdade   de   expressão   como   condição  para  o  pleno  exercício  do  direito  
de  acesso  à  Internet:  
 
  O   artigo   oitavo   do   Marco   Civil   da   Internet   estabelece   que   a   “garantia   do  
direito   à   privacidade   e   à   liberdade   de   expressão   nas   comunicações   é   condição  
para  o  pleno  exercício  do  direito  de  acesso  à  internet.”  
 
  Dotado   de   grande   carga   principiológica,   esse   artigo   dialoga   com   o  
processo   de   construção   do   acesso   à   internet   como   um   direito   e   condiciona   o   seu  
pleno   exercício   ao   fato   de   que,   uma   vez   tendo   acesso   à   rede,   ao   seu   uso   sejam  
assegurados  o  direito  à  privacidade  e  à  liberdade  de  expressão.  
 
  O  debate  sobre  o  acesso  à  internet  como  um  direito,  seja  ele  humano  ou  
fundamental,   transcende   os   limites   desse   trabalho.   Em   breve   nota,   pode-­‐se  
afirmar   que   a   discussão   atualmente   encontra-­‐se   polarizada   entre   aqueles   que  
entendem   que   o   acesso   à   Internet   seria   apenas   um   meio   para   a   realização   de  
verdadeiros   direitos   fundamentais   (como   o   acesso   à   informação   e   a   própria  
liberdade   de   expressão),   enquanto   outros   reconhecem   o   seu   caráter   de   direito  
humano  autônomo.  
 
  Um   posicionamento   bastante   lembrado   contrariamente   ao  
reconhecimento  do  acesso  à  rede  como  direito  é  aquele  defendido  por  Vint  Cerf  
em   artigo   publicado   no   jornal   New   York   Times.29  Segundo   o   autor,   o   acesso   à  
internet   não   deveria   ser   considerado   um   direito   humano,   pois,   como   toda  
tecnologia,  é  apenas  uma  “viabilizadora  de  direitos”;  um  meio  e  não  um  fim  em  si  
mesma.  
 
No  mesmo  texto,  Vint  Cerf  afirma  que  o  progresso  tecnológico  deriva  das  
realizações   alcançadas   por   técnicos   e   que   deveria   caber   aos   mesmos   decidir  
sobre   os   rumos   da   tecnologia,   inclusive   garantindo   que   a   internet   continue   a  
viabilizar   o   exercício   de   direitos   humanos.   Essa   afirmação   possui   um  

29  http://www.nytimes.com/2012/01/05/opinion/internet-­‐access-­‐is-­‐not-­‐a-­‐human-­‐
right.html?_r=0  (acessado  em  20.12.2014)  

18
destinatário  oculto  -­‐  os  governos  -­‐  e  pode  ser  lida  como  um  discurso  em  prol  da  
autorregulação   técnica   da   internet.   A   ideia   parece   igualmente   simpática   e  
arriscada.   O   risco   mais   evidente   é   a   sua   própria   radicalização,   levando   ao  
entendimento   de   que   a   internet,   como   recurso   técnico,   não   deveria   ser   objeto   de  
decisões  políticas.    
 
Essa  percepção  perde  de  vista  o  fato  de  que  a  tecnologia  não  é  um  dado,  
mas  sim  um  construído.  Naturalmente  a  tecnologia  não  é  neutra,  mas  sim  fruto  
de   escolhas,   de   decisões   humanas   inerentes   ao   seu   processo   de  
desenvolvimento.   Ela   não   gera   impactos   na   sociedade,   como   algo   externo   que   se  
desloca   e   colide   com   a   sociedade;   ao   contrário,   ela   está   na   sociedade.   Por   isso  
mesmo   existem   tecnologias   mais   ou   menos   propensas   a   gerar   certos  
comportamentos.  
 
Veja   o   exemplo   das   redes   sociais   e   como   a   sua   própria   arquitetura   sugere  
os   efeitos   derivados   do   seu   uso.   Redes   em   que   se   pode   seguir   quem   bem  
entender  são  mais  diversificadas  e  informativas,  estimulando  a  crítica  e  a  troca  
de   ideias.   Redes   sociais   que   apenas   permitem   acompanhar   a   postagem   de  
amigos,   por   outro   lado,   podem   isolar   o   usuário   em   uma   verdadeira   bolha   de  
preferências,   estilos   e   ideologias   partilhadas   apenas   por   um   grupo   reduzido   de  
pessoas  que  se  parecem  entre  si.  
 
O   resultado   de   se   defender   uma   regulação   estritamente   técnica   da  
internet   significa   então   apenas   retirar   de   cena   os   canais   políticos  
institucionalizados,  pois  a  tecnologia  é  o  resultado  de  escolhas,  de  decisões  que  
são,   em   última   instância,   políticas.   A   internet   é   assim   um   espaço   para  
viabilização  de  direitos,  mas  cuja  construção  cabe  não  apenas  à  comunidade  de  
especialistas,  mas  também  aos  governos,  empresas,  terceiro  setor,  academia  e,  é  
claro,   ao   usuário   da   internet,   que   deve   ser   participante   e   o   fim   de   toda   regulação  
da  rede.  
 
O   Marco   Civil   é,   nesse   aspecto,   um   bom   exemplo   de   construção  
multissetorial   envolvendo   os   mais   diversos   interessados   na   regulação   da   rede.  
Sendo   assim,   dispositivos   essencialmente   principiológicos   como   o   aqui  
mencionado   artigo   oitavo   abrem   caminho   para   uma   compreensão   mais  
abrangente   sobre   o   que   se   deve   entender   como   pleno   exercício   do   direito   de  
acesso  à  internet  e  o  papel  destacado  que  a  liberdade  de  expressão  opera  nesse  
cenário.  
 
Mais   especificamente,   ao   garantir   que   a   construção   do   dispositivo   legal  
seja   plural   na   medida   em   que   diferentes   atores   puderam   contribuir   durante   o  
processo   de   criação   do   Projeto   de   Lei   que   deu   origem   ao   Marco   Civil   da   Internet,  
municiando   o   Poder   Legislativo   com   a   expertise   necessária   para   promover   a  
aprovação  de  seu  texto  final,  a  Lei  nº  12.965/14  aponta  em  uma  direção  profícua  
para   compreender   também   como   opera   o   multissetorialismo   na   definição   dos  
termos  legais.  
 
Em   outras   palavras,   a   composição   de   interesses   que   marca   o   processo  
legislativo   não   se   evidencia   apenas   em   dispositivos   específicos   que   busquem  

19
diretamente   atingir   uma   ou   outra   atividade.   Muito   ao   reverso,   em   artigos  
essencialmente   principiológicos,   como   o   art.   8º,   ao   afirmar   que   a   liberdade   de  
expressão   é   condição   para   o   pleno   exercício   do   direito   de   acesso   à   rede,   o   Marco  
Civil  busca  evidenciar  um  equilíbrio  que  atinge  a  todos  os  setores.    
   
6.   Liberdade   de   expressão   como   parâmetro   a   ser   ponderado   em   casos   de  
responsabilidade  civil  de  provedores:  
 
  Um   dos   aspectos   mais   relevantes   do   tratamento   da   liberdade   de  
expressão  no  Marco  Civil  da  Internet  decorre  justamente  da  sua  inserção  como  
parâmetro   a   ser   ponderado   em   casos   de   responsabilidade   civil   de   provedores  
por  conteúdos  de  terceiros.  O  caput  do  artigo  19  está  assim  redigido:    
 
“Art.   19.    Com   o   intuito   de   assegurar   a   liberdade   de   expressão   e  
impedir   a   censura,   o   provedor   de   aplicações   de   internet   somente  
poderá   ser   responsabilizado   civilmente   por   danos   decorrentes   de  
conteúdo  gerado  por  terceiros  se,  após  ordem  judicial  específica,  não  
tomar   as   providências   para,   no   âmbito   e   nos   limites   técnicos   do   seu  
serviço  e  dentro  do  prazo  assinalado,  tornar  indisponível  o  conteúdo  
apontado   como   infringente,   ressalvadas   as   disposições   legais   em  
contrário.”  
 
  É  digno  de  nota  que  o  artigo  sobre  responsabilidade  civil  de  provedores  
de   aplicações   inicie   a   disciplina   do   tema   indicando   que   o   regime   a   seguir  
disposto  tenha  por  intuito  preservar  a  liberdade  de  expressão  e  evitar  a  censura.  
Essa   menção   por   si   só   já   sinalizaria   o   papel   destacado   que   a   liberdade   de  
expressão   desempenha   no   Marco   Civil   da   Internet   e   justificaria   o   seu   tratamento  
mencionado   no   artigo   2º   como   fundamento   da   disciplina   do   uso   da   rede   no  
Brasil.  
 
  Dessa   forma,   o   desenho   do   regime   de   responsabilidade   civil   por   ato   de  
terceiros   no   Marco   Civil   da   Internet   visa   a   assegurar   que   a   liberdade   de  
expressão  não  sofra  restrições  indevidas,  sendo  a  mesma  alçada  à  parâmetro  de  
interpretação  teleológica  de  todo  o  sistema  de  responsabilização  previsto  na  Lei  
nº  12.965/14.    
 
Sabe-­‐se   que   diferentes   regimes   de   responsabilidade   podem   gerar  
distintos   impactos   no   modo   pelo   qual   a   liberdade   de   manifestação   do  
pensamento  é  exercida.  Um  sistema  de  responsabilidade  objetiva,  por  exemplo,  
ao   tornar   o   provedor   de   aplicações   diretamente   responsável   pelo   conteúdo  
exibido,   incentiva   o   dever   ativo   de   monitoramento   e   exclusão   de   conteúdos  
potencialmente  controvertidos.    
 
Como   consequência   dessa   medida,   a   manifestação   do   pensamento   sofre  
uma  indevida  restrição  gerada  pelo  receio  por  parte  dos  intermediários  de  que  
venham   a   ser   responsabilizados   por   conteúdos   alheios.   Na   dúvida,   caso  
identificado,   o   conteúdo   crítico,   polêmico,   contestador,   ainda   que   lícito,   seria  
removido.    
 

20
Essa  foi  justamente  a  conclusão  alcançada  pela  Suprema  Corte  Argentina  
ao   apreciar   caso   em   que   se   buscava   responsabilizar   a   Google   por   resultados  
constantes   de   seu   mecanismo   de   busca   naquele   País.   O   item   a   seguir   passa   em  
revista   essa   decisão   para   que,   com   base   em   seus   termos,   seja   possível   melhor  
compreender  o  resultado  que  o  Marco  Civil  brasileiro  procura  alcançar.  
 
6.1.  Lições  de  um  precedente  argentino:30  
 
A  Suprema  Corte  da  Argentina  decidiu  em  28  de  outubro  de  2014  o  caso  
em   que   a   atriz   e   modelo   María   Belén   Rodríguez   procurava   responsabilizar  
provedores   de   pesquisa   pela   exibição   de   fotos   suas   não   autorizadas,   além   de  
direcionar  a  pesquisa  pelo  seu  nome  para  sites  de  conteúdo  adulto.  
 
A   modelo   processou   o   Google   e   o   Yahoo!   na   Argentina   alegando   que   os  
seus  direitos  à  privacidade,  à  imagem  e  à  honra  estariam  sendo  violados  com  a  
disponibilização   de   resultados   de   busca   que   levavam   para   sites   adultos.   Afirmou  
ainda   a   atriz   que   o   uso   de   pequenas   amostras   de   imagens   (thumbnails)   na  
pesquisa   também   representava   uma   infração   ao   seu   direito   à   própria   imagem.  
Embora   esses   conteúdos   não   tivessem   sido   gerados   pelos   provedores   de  
pesquisa,   defendeu   a   atriz   que   a   sua   veiculação   através   das   chaves   de   busca  
tornava   mais   fácil   o   seu   acesso.   Além   da   remoção   dos   links   e   imagens,   foi   pedida  
a   reparação   pelos   danos   causados   e   que   o   tribunal   ordenasse   que   os   réus  
desenvolvessem  meios  para  evitar  que  o  dano  viesse  a  se  repetir  no  futuro.  
 
O  debate  promovido  pela  Corte  girou  em  torno  da  função  desempenhada  
por   esses   provedores   para   a   promoção   do   acesso   ao   conhecimento   e   à  
informação,   além   dos   impactos   que   uma   decisão   que   viesse   a   impor   uma  
filtragem   sobre   os   sites   poderia   gerar   na   tutela   da   liberdade   de   expressão.   De  
outro  lado,  procurou-­‐se  compreender  como  danos  causados  pela  rede  poderiam  
ser   evitados   sem   que   isso   implicasse   em   censura   prévia   por   parte   dos  
provedores.   Essa   é   justamente   a   mesma   direção   apontada   pelo   Marco   Civil   da  
Internet  brasileiro  ao  dispor  sobre  o  tema.  
 
A   primeira   questão   analisada   pela   Suprema   Corte   era   saber   se   os  
provedores   de   pesquisa   poderiam   estar   sujeitos   a   alguma   forma   de  
responsabilidade   objetiva,   ou   seja,   se   eles   poderiam   ser   responsabilizados  
apenas   pela   veiculação   do   conteúdo   em   si,   independentemente   de   qualquer  
conduta   culposa   de   sua   parte.   Esse   tipo   de   responsabilidade   é   geralmente  
derivado   da   afirmação   pelos   tribunais   de   que   certa   atividade   coloca   em   risco  
direitos   de   terceiros.   Assim,   mesmo   sem   qualquer   notificação,   seja   pelo  
particular   ou   por   alguma   autoridade   competente,   o   provedor   já   seria  
responsabilizado.  O  tribunal  rejeitou,  por  unanimidade,  essa  tal  abordagem.31  
 

30  Parte   dos   comentários   à   decisão   argentina   aqui   reproduzidos   são   derivados   de   artigo  
elaborado   originalmente   para   o   Observatório   da   Internet   no   Brasil,   um   projeto   do   Comitê   Gestor  
da  Internet  no  Brasil  (CGI.br):  http://observatoriodainternet.br/  (acessado  em  20.12.2014).  
31  A   íntegra   da   decisão   argentina   pode   ser   encontrada   no   link:  
http://www.dataprivacylaws.com.ar/wp-­‐content/uploads/2014/11/CSJN-­‐Rodriguez-­‐Maria-­‐
Bel%C3%A9n-­‐c-­‐Google-­‐Inc.-­‐s-­‐28-­‐oct-­‐2014.pdf  (acessado  em  20.12.2014).  

21
Ao   fazê-­‐lo,   o   tribunal   observou   que   as   chaves   de   busca   desempenham   um  
"papel-­‐chave   na   disseminação   global   de   conteúdo   online,   facilitando   muito   o  
acesso   e   a   identificação   dos   dados   relevantes   para   bilhões   de   usuários."   Assim,   o  
tribunal   entendeu   que   não   existiria   qualquer   dever   prévio   dos   provedores   de  
monitorar   a   sua   plataforma   em   busca   de   conteúdos   potencialmente   lesivos,  
tendo  em  vista  que  essa  avaliação  pode  ser  altamente  subjetiva.  
 
Mas   o   que   acontece   se   o   provedor   recebe   uma   notificação   da   vítima  
alegando   que   certo   conteúdo   está   causando   danos?   Deveria   então   o   provedor  
agir  para  remover  o  material?  E  se  ele  falhar  em  remover  o  conteúdo  ou  mesmo  
optar  por  não  fazê-­‐lo  ao  entender  que  não  existe  dano  no  caso  reclamado?  
 
O  Tribunal  considerou  então  que  a  simples  notificação  privada  não  seria  
suficiente   para   gerar   a   responsabilidade   dos   provedores.   Em   sua   decisão,   a  
Suprema   Corte   argentina   questiona   os   efeitos   de   se   criar   um   sistema   em   que  
qualquer   pessoa   poderia   notificar   o   provedor   e   com   isso   ver   o   conteúdo  
removido.   Aproximando-­‐se   de   um   cenário   de   verdadeira   censura   privada,   a  
Corte  afirmou  que  esse  resultado  terminaria  por  privar  o  Poder  Judiciário  de  agir  
como   instância   legítima   para   averiguar   se   um   material   é   realmente   lícito   ou  
ilícito.  
 
Segundo  consta  da  decisão,  apenas  uma  ordem  judicial  ou  notificação  de  
autoridade   competente   teria   o   condão   de   dar   ao   provedor   a   ciência   inequívoca  
de   que   um   conteúdo   é   ilícito   e   que   precisaria   ser   tomada   medida   para   a   sua  
remoção.   Todavia,   como   exceção,   entendeu   ainda   a   Corte   que   essa   regra   poderia  
ser  afastada  em  casos  de  materiais  cuja  ilicitude  fosse  manifesta,  enquadrando-­‐
se  nessa  categoria  a  pornografia  infantil,  ameaças  de  morte,  genocídio  e  "lesões  
deliberadas  à  honra"  de  terceiro.  
 
Ou   seja,   a   regra   geral,   conforme   a   decisão   argentina,   determina   que   os  
provedores   de   pesquisa   não   respondem   objetivamente   pelo   conteúdo   que  
indexam.  Eles  apenas  podem  ser  responsáveis  se  não  cumprem  uma  notificação  
que  dá  ciência  inequívoca  da  ilicitude  do  material,  como  ocorre  com  uma  decisão  
judicial.   A   exceção   à   essa   regra   recai   sobre   os   casos   em   que   a   ilicitude   é  
manifesta,   sendo   em   tais   circunstâncias   possível   que   um   particular,   mediante  
notificação,   possa   ter   o   provedor   responsável   se   ele   não   age   para   remover   o  
material  depois  de  notificado.  
 
Se   o   Tribunal   foi   unânime   na   aferição   desse   regime   de   responsabilidade  
dos  provedores,  o  mesmo  não  aconteceu  com  a  questão  do  uso  não  autorizado  da  
imagem   da   atriz   nos  thumbnails  visualizados   na   pesquisa   por   imagens.   Embora   a  
maioria   tenha   isentado   os   provedores   de   qualquer   responsabilidade   por   esse  
uso,   dois   ministros   da   Suprema   Corte   defenderam   a   tese   de   que   a   Lei   de  
Propriedade  Intelectual  da  Argentina  não  permitira  esse  uso  já  que  o  mesmo  não  
é   autorizado   e   não   se   enquadra   nas   exceções   ao   direito   à   imagem   lá   previstas  
(como   o   uso   sem   consentimento   da   imagem   alheia   para   fins   científicos,  
acadêmicos   ou   culturais).   Segundo   o   artigo   31   da   Lei   11.723:   "Es   libre   la  
publicación  del  retrato  cuando  se  relacione  con  fines  científicos,  didácticos  y  en  

22
general   culturales,   o   con   hechos   o   acontecimientos   de   interés   público   o   que   se  
hubieran  desarrollado  en  público."  
 
Ainda  existiu  divergência  entre  os  julgadores  no  que  diz  respeito  à  criação  
de  meios  para  evitar  que  o  dano  venha  a  se  repetir  no  futuro.  A  atriz  demandou  
que   os   provedores   passassem   a   criar   um   filtro   para   impedir   que   o   mesmo  
conteúdo  ilícito  pudesse  voltar  à  tona  e  ser  encontrado  através  das  ferramentas  
de  busca.  Esse  é  um  ponto  extremamente  delicado,  já  que  tais  filtros  geralmente  
não   são   precisos   e   podem   terminar   por   bloquear   muito   mais   do   que   se  
intencionava,   atingindo   homônimos   e   manifestações   legítimas   do   pensamento.   A  
maioria   da   Corte   entendeu   que   não   caberia   ao   tribunal   exigir   a   implementação  
desses   filtros,   salvo   em   questões   claramente   excepcionais,   conforme   enunciado  
na  Convenção  Americana  sobre  Direitos  Humanos.  
 
A   consequência   dessa   decisão   por   maioria   é   a   determinação   de   que   a  
vítima   do   dano   deve   necessariamente   apontar   de   forma   clara   a   localização   do  
conteúdo   que   ela   deseja   ver   removido.   Ou   seja,   para   que   os   tribunais   possam  
determinar   a   sua   remoção,   os   conteúdos   devem   vir   indicados   com   a  
correspondente   URL   ou   outro   meio   preciso   de   localização,   evitando   assim   a  
restrição  de  acesso  ao  material  por  meio  de  filtros  e  bloqueios  genéricos.  
 
E  o  que  essa  decisão  pode  gerar  como  precedente  na  região?  Além  de  ser  
a   primeira   decisão   de   uma   Corte   Constitucional   na   América   do   Sul   que   se  
debruça  com  maior  profundidade  sobre  a  responsabilidade  civil  dos  provedores  
de   pesquisa,   ela   deverá   receber   uma   repercussão   maior32  pelo   resultado   que   a  
mesma   alcança   na   ponderação   entre   a   necessidade   de   se   compensar   danos  
causados  na  rede  com  o  potencial  de  ameaça  à  liberdade  de  expressão  que  filtros  
e  bloqueios  poderiam  causar.  
 
Em  suas  razões  de  decidir  a  Corte  argentina  citou  ainda  o  Marco  Civil  da  
Internet   brasileiro   para   afirmar   que   a   solução   encontrada   pelo   tribunal   ia   na  
mesma  direção  daquela  prevista  em  nossa  Lei  n.  12965/14.33  
 
Segundo  Darian  Pavli,  o  julgamento  argentino  pode  criar  condições  para  a  
construção   de   uma   terceira   via   sobre   responsabilidade   civil   de   intermediários,  
ficando   entre   os   extremos   apresentados   pelos   Estados   Unidos,   que   possui   uma  
larga   isenção   de   responsabilidade   como   regra   (e   um   sistema   de   notificação   e  

32  http://www.lanacion.com.ar/1739554-­‐los-­‐buscadores-­‐de-­‐internet-­‐no-­‐son-­‐responsables-­‐de-­‐
los-­‐contenidos  (acessado  em  20.12.2014)  
33  É   verdade   que   tanto   a   decisão   judicial   argentina   como   o   Marco   Civil   compartilham   do  

entendimento   de   que   os   provedores   de   aplicações   apenas   respondem   pelos   conteúdos   de  


terceiros  caso  falhem  em  cumprir  uma  ordem  judicial.  Todavia,  o  Marco  Civil  faz  uma  distinção  
entre   provedores   de   conexão   (os   que   dão   acesso   à   rede)   e   os   de   aplicações   (como   pesquisa,  
hospedagem,   redes   sociais   e   etc).   Os   primeiros   não   respondem   pelos   atos   de   seus   usuários  
(art.18)   e   os   segundos   apenas   se   não   cumprirem   ordem   judicial   (com   a   exceção   dos   direitos  
autorais   e   de   materiais   de   "pornografia   de   vingança",   conforme   os   artigos   19   e   seguintes).   A  
Suprema  Corte  argentina  citou  o  artigo  18  do  Marco  Civil  da  Internet,  que  trata  dos  provedores  
de  conexão,  quando  na  verdade  seria  mais  adequado  ter  citado  o  artigo  19,  que  trata  justamente  
dos   provedores   de   aplicações,   como   são   Google   e   Yahoo!   ao   oferecer   um   serviço   de   chave   de  
busca.  

23
retirada  para  direitos  autorais)  e  a  Europa,  que  permitiria  um  espaço  maior  para  
a  notificação  privada.34  
 
Uma  preocupação  que  fica  para  o  futuro  é  a  exceção  prevista  pelo  tribunal  
no  sentido  de  que  em  casos  de  manifesta  ilicitude  a  regra  poderia  ser  afastada,  
gerando   uma   responsabilidade   do   provedor   ao   falhar   em   atuar   depois   de  
ter  inequívoca  ciência  do  material  lesivo.  Ao  dar  exemplos  de  casos  de  manifesta  
ilicitude   como   "lesões   deliberadas   à   honra"   permanece   o   perigo   de   que   o  
julgamento   sobre   a   ilicitude   de   conteúdo   postado   online   seja   extremamente  
subjetivo.  Dependendo  de  como  caminharem  as  decisões  futuras,  essa  abertura  
concedida  pelo  tribunal  poderia  mesmo  transformar  a  exceção  em  regra.  
 
A   Suprema   Corte   argentina   buscou   alcançar   um   equilíbrio   entre   a   tutela  
da   liberdade   de   expressão   e   dos   direitos   da   personalidade   ao   afirmar   que   os  
provedores  de  pesquisa  não  são  responsáveis  pelo  conteúdo  que  indexam,  salvo  
se   não   cumprirem   ordem   judicial   que   determine   sua   remoção,   ou   não   atuem  
depois   de   ter   ciência   inequívoca   de   material   flagrantemente   ilícito   (ainda   que  
por  via  de  notificação  privada).  
 
6.2.  Liberdade  de  expressão  e  danos  no  Marco  Civil  
 
  O   Marco   Civil   da   Internet,   em   seu   artigo   19,   aponta   na   direção   de   que   a  
responsabilidade  civil  dos  provedores  de  aplicações  é  de  natureza  subjetiva,  mas  
ela   não   deriva   do   descumprimento   de   uma   notificação   privada,   mas   sim   da   falha  
em  cumprir  ordem  judicial  que  determine  certo  conteúdo  como  sendo  ilícito.  
 
  Ao   afirmar   o   Poder   Judiciário   como   instância   fundamental   para   decidir  
sobre   a   ilicitude   de   um   material   disponibilizado   na   Internet   o   Marco   Civil   se  
aproxima   do   precedente   argentino,   reduzindo   o   espectro   das   notificações  
privadas.   Vale   ressaltar,   contudo,   que   se   as   exceções   na   decisão   argentinas   são  
amplas,  no  caso  do  Marco  Civil  brasileiro  as  exceções  à  essa  regra  encontram-­‐se  
previstas  diretamente  no  texto  da  lei  e  são  elas  direcionadas  ao  tratamento  dos  
direitos   autorais   (art.   19,   parágrafo   segundo)   e   aos   materiais   que   possam   ser  
enquadrados  como  “pornografia  de  vingança”35  (art.  21).    
 
  A  jurisprudência  nacional  anterior  ao  Marco  Civil  da  Internet,  sobretudo  
no   que   diz   respeito   ao   Superior   Tribunal   de   Justiça,   vem   entendendo   que   os  
provedores  de  aplicações  seriam  responsáveis  a  partir  do  momento  em  que  não  
retiram   do   ar   conteúdo   notificado   pelo   interessado   como   sendo   ilícito.   Esse  
regime   valeria   tanto   para   questões   envolvendo   direitos   autorais,   como   para  
aquelas  relacionadas  à  defesa  dos  mais  distintos  direitos  da  personalidade,  como  
honra,  privacidade  e  imagem.36  
 

34  PAVLI,  Darian.  “Case  Watch:  Top  Argentine  Court  Blazes  a  Trail  on  Online  Free  Expression”,  in  

 http://www.opensocietyfoundations.org/voices/case-­‐watch-­‐top-­‐argentine-­‐court-­‐blazes-­‐trail-­‐
online-­‐free-­‐expression  (acessado  em  20.14.2014).  
35  http://pt.wikipedia.org/wiki/Pornografia_de_vingan%C3%A7a  (acessado  em  20.12.2014).  
36  STJ,  Resp  1193764/SP,  rel.  Min.  Nany  Andrighi;  j.  em  14.12.2010.  Vide  ainda  STJ,  Agr.  Reg.  em  

Resp  1309891/MG,  rel.  Min.  Sidnei  Beneti;  j.  em  26.06.2012.  

24
  Nesse  sentido,  o  Marco  Civil  adota  uma  direção  distinta  daquela  marcada  
na   experiência   nacional   nos   últimos   anos   e   assim   o   faz,   dentre   outras   razões,  
pelo   papel   destacado   que   a   liberdade   de   expressão   encontra   em   seus   termos.   Ao  
dedicar   ao   tema   da   liberdade   de   expressão   as   cinco   menções   neste   artigo  
expostas,  a  Lei  nº  12.965/14  assegura  que  a  manifestação  do  pensamento  tenha  
uma  tutela  dedicada  sobre  o  tema.  
 
  A  Internet  é  um  meio  de  comunicação  e  informação  sem  precedentes.  Se  
por  um  lado  é  verdade  que  não  se  precisa  de  lei  nova  para  cada  nova  forma  de  
manifestação   do   pensamento   que   venha   a   surgir,   a   rede   inovou   de   forma   tão  
profunda   as   maneiras   de   expressão   que   o   Direito   não   pode   ficar   inerte   ao   seu  
desenvolvimento.   A   missão   delicada   do   Marco   Civil   é   encontrar   um   equilíbrio  
entre  a  criação  de  um  espaço  em  que  se  possa  cultivar  a  liberdade  de  expressão  -­‐  
já   que   a   rede   tanto   amplia   como   potencialmente   restringe   o   discurso   de   forma  
tão   facilitada   –   ao   mesmo   tempo   em   que   se   garante   às   vítimas   da  
disponibilização   de   conteúdo   ilícito   os   meios   para   identificar   o   seu   autor   e   a  
remoção  do  material  impugnado.  
 
  Vale  destacar  que  o  Marco  Civil  apenas  condiciona  a  responsabilidade  dos  
provedores   de   aplicações   ao   não   cumprimento   de   uma   ordem   judicial,   o   que  
prestigia   o   Poder   Judiciário   como   instância   legítima   para   definir   o   que   seria  
conteúdo  ilícito.  Todavia,  essa  afirmação  em  nada  impediria  os  provedores  de,  na  
organização   de   suas   atividades,   criar   regras   que   possam   definir   o   que   pode   ou  
não   ser   exibido   em   sua   plataforma.   Sendo   assim,   caso   recebam   notificações  
privadas   apontando   que   um   conteúdo   é   ilícito,   o   provedor   tem   a   liberdade   de  
decidir  se  mantém  o  conteúdo  ou  se  o  remove  conforme  solicitado.  
 
  Essa   conclusão   parece   oferecer   um   equilíbrio   mais   complexo   sobre   o  
exercício   de   direitos   na   medida   em   que   retira   do   provedor   a   pressão   para   que  
remova  todo  e  qualquer  conteúdo  apontado  como  ilícito,  o  que  atingira  em  cheio  
a   liberdade   de   expressão   na   rede,   mas   não   o   impede   de   assim   proceder   caso  
entenda   que   o   material   é   realmente   contrário   aos   termos   de   uso   e   demais  
políticas  que  regem  o  funcionamento  da  plataforma.  
 
  Assim,   embora   não   possua   o   condão   de   obrigatoriamente   forçar   o  
provedor   a   remover   o   conteúdo   ilícito,   sob   pena   de   sua   responsabilização,   a  
notificação   privada   é   prática   costumeira   na   rede   para   reportar   a   existência   de  
materiais  eventualmente  danosos.  Já  que  não  existe  para  os  provedores  dever  de  
monitoramento   prévio,   a   notificação   atua   como   um   alerta   para   que   os   mesmos  
possam  averiguar  a  procedência  de  um  suposto  dano  causado.    
 
  E   assim   sendo,   caso   decidam   remover   o   conteúdo   por   ser   contrário   aos  
termos   que   regem   a   plataforma,   os   provedores   também   não   ofendem   o   Marco  
Civil   da   Internet,   já   que   a   Lei   nº   12.965/14   não   proíbe   a   exclusão   de   conteúdo  
nesses  termos.  Isso  não  significa  dizer  que  o  provedor  não  possa  abusar  de  sua  
posição   e   ativamente   filtrar   ou   bloquear   conteúdos   de   forma   a   restringir  
indevidamente  a  liberdade  de  expressão.    
 

25
  Nesses  casos  será  relevante  ponderar  as  razões  que  levaram  ao  bloqueio,  
filtragem  ou  remoção  espontânea  do  conteúdo  (buscava  o  provedor  evitar  danos  
derivados   daquele   conteúdo?)   com   o   impacto   que   a   sua   implementação   gera  
sobre   a   liberdade   de   expressão.   Já   que   gozam   de   isenção   de   responsabilidade   no  
caput   do   artigo   19,   com   as   referidas   exceções,   devem   os   provedores   tomar   o  
exercício   da   liberdade   de   expressão   como   vetor   de   suas   atividades   e   apenas  
tomar   medidas   para   filtrar,   bloquear   ou   remover   conteúdos   quando,   fora   das  
hipóteses  previstas  em  lei,  razões  muito  evidentes  assim  determinem.  
 
  Importa  por  fim  esclarecer  que,  se  para  grande  parte  dos  provedores  de  
aplicações   o   Marco   Civil   inova   ao   garantir   que   a   responsabilidade   apenas   será  
decorrente   de   falha   em   cumprir   ordem   judicial,   um   tratamento   distinto   aos  
chamados   “provedores   de   pesquisa”   tem   sido   concedido   pela   jurisprudência.   Em  
caso  apreciados  pelo  STJ,  a  Google,  enquanto  operadora  de  chave  de  busca,  teve  
reconhecida   a   sua   não   responsabilização   pelos   conteúdos   exibidos   como  
resultado  de  pesquisas  realizadas  por  seus  usuários.37    
 
No  caso  da  apresentadora  de  televisão  Xuxa  Meneghel,  em  que  buscava  a  
autora   compelir   a   Google   a   remover   da   pesquisa   resultados   relativos   à   busca  
pela   expressão   ‘xuxa   pedófila’   ou   qualquer   outra   que   associasse   o   seu   nome   a  
uma  prática  criminosa  qualquer,  o  STJ  entendeu  pela  improcedência  do  pedido.  
Segundo  consta  dos  termos  do  acórdão:  
 
6.  Os  provedores  de  pesquisa  não  podem  ser  obrigados  a  eliminar  do  
seu   sistema   os   resultados   derivados   da   busca   de   determinado   termo  
ou  expressão,  tampouco  os  resultados  que  apontem  para  uma  foto  ou  
texto   específico,   independentemente   da   indicação   do   URL   da   página  
onde  este  estiver  inserido.  
7.  Não  se  pode,  sob  o  pretexto  de  dificultar  a  propagação  de  conteúdo  
ilícito   ou   ofensivo   na   web,   reprimir   o   direito   da   coletividade   à  
informação.   Sopesados   os   direitos   envolvidos   e   o   risco   potencial   de  
violação   de   cada   um   deles,   o   fiel   da   balança   deve   pender   para   a  
garantia  da  liberdade  de  informação  assegurada  pelo  art.  220,  §  1o,  da  
CF/88,   sobretudo   considerando   que   a   Internet   representa,   hoje,  
importante  veículo  de  comunicação  social  de  massa.38  
 
Dessa   forma,   a   liberdade   de   expressão,   como   visto   desde   o   precedente  
argentino,   exerce   especial   influência   sobre   o   desenho   do   regime   de  
responsabilização   de   provedores   no   Marco   Civil   da   Internet.   Resta   ainda  
comentar   uma   última   face   da   liberdade   de   expressão   na   Lei   nº   12.965/14,  
especialmente  no  que  ela  se  aplica  ao  regime  dos  direito  autorais.    
 
7.  Liberdade  de  expressão  e  direitos  autorais:  
 
  O   parágrafo   segundo   do   artigo   19   remete   o   tratamento   dos   casos   de  
responsabilidade   civil   por   infração   aos   direitos   autorais   à   previsão   legal  
específica,  da  seguinte  forma:  

37  STJ,  Resp  1316921/RJ,  rel.  Min.  Nancy  Andrighi;  j.  em  26.06.12.  
38  STJ,  Resp  1316921/RJ,  rel.  Min.  Nancy  Andrighi;  j.  em  26.06.2012.  

26
 
Art.   19,   §   2o   A   aplicação   do   disposto   neste   artigo   para   infrações   a  
direitos   de   autor   ou   a   direitos   conexos   depende   de   previsão   legal  
específica,   que   deverá   respeitar   a   liberdade   de   expressão   e   demais  
garantias  previstas  no  art.  5o  da  Constituição  Federal.  
 
  Vale   notar   que   o   mencionado   dispositivo   não   apenas   direciona   o  
tratamento   do   tema   dos   direitos   autorais   para   fora   dos   limites   da   Lei   nº  
12.965/14,  como  também  já  o  encaminha  com  a  recomendação  de  que,  qualquer  
que  seja  a  solução  encontrada,  ela  deverá  “respeitar  a  liberdade  de  expressão.”  
 
  Essa  recomendação  tem  a  sua  raiz  em  um  longo  debate  sobre  o  exercício  
dos   direitos   autorais   e   como   a   sua   aplicação   nas   últimas   décadas   deu   ensejo   à  
uma   série   de   transformações   legislativas,   especialmente   no   campo   penal,  
buscando  consolidar  um  amplo  aparato  legal  para  responsabilizar  os  envolvidos  
em  infrações  a  tais  direitos.  
 
  Dois   movimentos   surgem   nesse   cenário:   de   um   lado   um   crescimento   no  
debate   sobre   a   pirataria   e   como   as   infrações   aos   direitos   autorais   devem   ser  
tratadas   de   forma   rigorosa   na   legislação;   de   outro   a   compreensão   de   que   não  
apenas   as   infrações   aos   direitos   autorais   devem   ser   analisadas,   mas   também   o  
comportamento   dos   autores   e   titulares   de   direitos   autorais,   já   que   os   mesmos  
podem  abusar  do  exercício  desse  mesmo  direito.39  
 
  Nesse   debate   surge   então   a   necessidade   de   reconhecer   o   papel   que   a  
liberdade   de   expressão   desempenha   e   como   o   desenho   de   uma   ou   outra   forma  
de  exercício  dos  direitos  autorais  pode  impactar  a  manifestação  do  pensamento.  
 
  Ao   garantir   ao   autor   e   ao   titular   dos   direitos   autorais   a   possibilidade   de  
impedir   o   uso   não   autorizado   de   uma   criação   intelectual,   resta   claro   que   essa  
faculdade  legítima  pode  colidir  com  outros  direitos  em  especial  com  a  liberdade  
de   expressão.   A   publicação   de   uma   crítica,   o   acesso   à   documentos   para   pesquisa,  
a  elaboração  de  uma  paródia,  a  citação  de  obra  artística,  dentre  diversas  outras  
situações   podem   servir   de   exemplos   nos   quais   a   interface   entre   o   respeito   aos  
direitos  autorais  e  a  manifestação  do  pensamento  se  faz  evidente.      
 
  É  nesse  sentido  que  se  pode  compreender  o  parágrafo  segundo  do  artigo  
19  como  uma  imposição  de  que,  qualquer  que  seja  a  solução  encontrada  para  a  
responsabilização   pelos   danos   causados   aos   direitos   autorais,   para   evitar   que  
esse   regime   acabe   invadindo   o   campo   reservado   à   manifestação   do   pensamento,  
deve  ela  sempre  ter  a  liberdade  de  expressão  como  referência.    
 
Conclusão:  
 

39  Sobre  o  tema,  vide  LEMOS,  Ronaldo.  Direito,  Tecnologia  e  Cultura.  Rio  de  Janeiro:  Editora  FGV,  

2005;   SOUZA,   Allan   Rocha.   A   Função   Social   dos   Direitos   Autorais.   Campos   dos   Goytacazes:  
Faculdade  de  Direito  de  Campos,  2005  e  SOUZA,  Carlos  Affonso  Pereira  de.  Abuso   do   Direito   nas  
Relações  Privadas.  Rio  de  Janeiro:  Elsevier,  2013.  

27
  As   cinco   faces   da   liberdade   de   expressão   no   Marco   Civil   da   Internet  
demonstram   de   forma   inequívoca   a   importância   desse   direito   para   a  
compreensão   do   papel   que   a   Lei   nº   12.965/14   ocupa   no   ordenamento   jurídico  
nacional.  Reconhecida  internacionalmente  como  um  passo  positivo  na  direção  da  
proteção  dos  direitos  fundamentais  na  rede  mundial  de  dispositivos  conectados,  
o   seu   futuro   passa   em   grande   medida   pelo   desafio   das   diversas   interpretações  
geradas  a  partir  dos  princípios  e  fundamentos  por  ela  traçados.  
 
  Nesse  particular,  o  lugar  de  destaque  da  liberdade  de  expressão  no  Marco  
Civil   da   Internet   atende,   como   visto,   a   razões   de   natureza   técnica   e   política.   O  
equilíbrio  que  se  buscou  estabelecer  com  a  sua  elaboração  é  complexo  e  caberá  
ao   Poder   Judiciário   fazer   valer   os   quase   sete   anos   de   pesquisa   acadêmica,  
ativismo  na  rede  e  trabalho  legislativo  dedicados  à  sua  formulação.  
 
  A  Internet  trará  desafios  não  imaginados  para  a  aplicação  dos  termos  do  
Marco   Civil.   Isso   é   uma   certeza.   Uma   segunda   certeza   é   a   percepção   de   que,  
sejam  quais  forem  os  desafios,  ter  a  liberdade  de  expressão  como  um  dos  vetores  
de   interpretação   e   aplicação   dessa   e   das   demais   leis   e   regulamentos   sobre  
Internet   no   País   é   um   passo   na   direção   certa.   É   um   movimento   no   sentido   de  
consolidar   o   Brasil   como   líder   na   regulação   da   rede   pautada   por   direitos  
humanos   e   em   direção   oposta   das   tentações   que   a   mesma   rede   oferece   para   que  
a  expressão  seja  cerceada.  A  mesma  Internet  que  impulsiona  liberdades  é  aquela  
que  as  restringe.  Sendo  assim,  melhor  será  o  futuro  da  Lei  nº  12.965/14  quanto  
mais  liberdades  e  direitos  ela  impulsionar.  
 
 
Bibliografia:  
 
 
CAPALDI,   Nicholas   Capaldi.   Da  Liberdade  de  Expressão:  uma  antologia  de  Stuart  Mill  a  Marcuse.  
Rio,  FGV,  1984.  
 
CASANOVA,  Ludovico.  Del  Diritto  Constituzonale.  Florença,  Eugenio  e  Filipo  Cammeli,  1875.  

CERF, Vint. “Internet Access is not a Human Right”, in New York Times, edição de 04/01/2012,
disponível em http://www.nytimes.com/2012/01/05/opinion/internet-access-is-not-a-human-
right.html?_r=0 (acessado em 20.12.2014)

FARIAS, Edilsom. Liberdade de Expressão e Comunicação – Teoria e Proteção Constitucional. São


Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.
 
FERRARA,  Francesco.  Interpretação  e  Aplicação  das  Leis.  São  Paulo:  Saraiva,  1987.

GODOY, Claudio Luiz Bueno de. A Liberdade de Imprensa e os Direitos da Personalidade. São
Paulo: Atlas, 2001.  

GONÇALVES, Nicole P.S. Mader. “Liberdade de Expressão e Estado Democrático de Direito”, in


CLÈVE, Clèmerson Merlin (coord). Direito Constitucional Brasileiro. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2014.

LEMOS, Ronaldo. Direito, Tecnologia e Cultura. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.
 
LUÑO,  Antonio-­‐Enrique  Pérez.  Teoría  del  Derecho.  Madrid,  Tecnos,  2002.
 

28
JABUR,   Gilberto   Haddad.   Liberdade   de   Pensamento   e   Direito   à   Vida   Privada.   São   Paulo:   Revista  
dos  Tribunais,  2000.
 
MORAES,  Alexandre  de.  Constituição  do  Brasil  Interpretada.  São  Paulo:  Atlas,  2002.
 
PAVLI,  Darian.  “Case  Watch:  Top  Argentine  Court  Blazes  a  Trail  on  Online  Free  Expression”,  in  
 http://www.opensocietyfoundations.org/voices/case-­‐watch-­‐top-­‐argentine-­‐court-­‐blazes-­‐trail-­‐
online-­‐free-­‐expression  (acessado  em  20.14.2014).
 
RODRIGUES,   Leda   Boechat.   A   Corte   Suprema   e   o   Direito   Constitucional   Norte-­‐Americano.   Rio,  
Forense,  1958.  

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; e MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito
Constitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 3ª ed., 2014.
 
SARMENTO,  Daniel.    A  Ponderação  de  Interesses  na  Constituição  Federal.  Rio:  Lumen  Juris,  2002.  
 
SARMENTO,  Daniel.  Comentário  ao  artigo  5º,  IV.  In  CANOTILHO,  J.  J.  Gomes;  MENDES,  Gilmar  F.;  
SARLET,   Ingo   W.;   STRECK,   Lenio   L.   (Coords.).   Comentários   à   Constituição   do   Brasil.   São   Paulo:  
Saraiva/Almedina,  2013.  
 
SCALISI,   Antonio.   Il   Valore   della   Persona   nel   Sistema   e   i   Nuovi   Diritti   della   Personalittà.   Milão,  
Giuffrè,  1990.  
 
SILVA,  José  Afonso  da.  Curso  de  Direito  Constitucional  Positivo.  São  Paulo:  Malheiros,  1999.  

SOUZA, Allan Rocha. A Função Social dos Direitos Autorais. Campos dos Goytacazes: Faculdade de
Direito de Campos, 2005

SOUZA, Carlos Affonso Pereira de. Abuso do Direito nas Relações Privadas. Rio de Janeiro: Elsevier,
2013.  

29

Você também pode gostar