Você está na página 1de 83

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP


FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

Limites

Prof.: Rogério Dias Dalla Riva


Limites

1.O limite de uma função


2.Propriedades dos limites
3.Técnicas para o cálculo de limites
4.Limites unilaterais
5.Comportamento não-limitado
6.Expressões indeterminadas
7.Limites no infinito
8.Limites infinitos
1. O limite de uma função

Na linguagem cotidiana, referimo-nos ao


limite de uma velocidade, ao limite do peso de um
lutador, ao limite da resistência humana, ou ao
limite de uma mola. Todas essas expressões
sugerem que o limite é uma cota, que em certas
ocasiões pode não ser atingida ou mesmo 3
ultrapassada.
1. O limite de uma função

Consideremos uma mola que se romperá se


lhe for apenso um peso de 10 kg ou mais. Para
determinar o quanto a mola se distenderá sem se
romper, poderemos anexar-lhe pesos cada vez
maiores, medindo o comprimento da mola para cada
peso w, conforme a figura acima. 4
1. O limite de uma função

Se o comprimento da mola tende para um


valor L, então dizemos que “o limite de x quando w
tende para 10 é L.” Um limite matemático é
bastante semelhante ao limite de uma mola.

5
1. O limite de uma função

A notação para limite é

lim f ( x ) = L
x →c

que se lê “o limite de f(x) quando x tende para c é L.”


6
1. O limite de uma função

Exemplo 1: Ache o limite de: lim ( x 2 + 1)


x →1

Seja f(x) = x2 + 1. Pelo gráfico de f


na figura ao lado, tudo indica que
f(x) se aproxima de 2 quando x se
aproxima de 1 pela direita ou pela
esquerda. Podemos, assim, escrever

( )
lim x 2 + 1 = 2
x →1

7
1. O limite de uma função

Exemplo 1: Ache o limite de: lim


x →1
( x 2 + 1)

A tabela abaixo chega à mesma


conclusão. Note que quando x fica
cada vez mais próximo de 1, f(x)
fica cada vez mais próxima de 2.
x tende para 1 x tende para 1

x 0,900 0,990 0,999 1,000 1,001 1,010 1,100

f(x) 1,810 1,980 1,998 2,000 2,002 2,020 2,200

8
f(x) tende para 2 f(x) tende para 2
1. O limite de uma função

x2 − 1
Exemplo 2: Ache o limite de: lim
x →1 x − 1

O gráfico de f, na figura ao lado,


sugere que f(x) se aproxima de 2
quando x se aproxima de 1 por
qualquer dos dois lados.

x2 − 1
lim =2
x →1 x − 1

9
1. O limite de uma função

x2 − 1
Exemplo 2: Ache o limite de: lim
x →1 x − 1

A tabela abaixo reforça esta


conclusão. Certifique-se de que não
importa se f(x) não é definida para
x = 1. O limite depende somente dos
valores de f(x) na vizinhança de 1, e
não em 1.
x tende para 1 x tende para 1

x 0,900 0,990 0,999 1,000 1,001 1,010 1,100

f(x) 1,900 1,990 1,999 ? 2,001 2,010 2,100

10
f(x) tende para 2 f(x) tende para 2
1. O limite de uma função

x −1
Exemplo 3: Ache o limite de: lim
x →1 x −1

Podemos ver que f(x) = -1 para


todos os valores à esquerda de
x = 1, e f(x) = 1 para todos os
valores à direita de x = 1. Em tais
situações, dizemos que o limite não
existe.
x −1
lim = ∃
x →1 x − 1

11
1. O limite de uma função

x −1
Exemplo 3: Ache o limite de: lim
x →1 x −1

A tabela abaixo reforça esta


conclusão.
x tende para 1 x tende para 1

x 0,900 0,990 0,999 1,000 1,001 1,010 1,100

f(x) -1,00 -1,00 -1,00 ? 1,00 1,00 1,00

f(x) tende para -1 f(x) tende para 1

12
1. O limite de uma função

 x, x ≠ 1
Exemplo 4: Ache o limite de: f ( x ) = 
0, x = 1

Pelo gráfico de f, parece que f(x)


tende para 1 quando x tende para 1
por qualquer dos dois lados.

13
1. O limite de uma função

 x, x ≠ 1
Exemplo 4: Ache o limite de: f ( x ) = 
0, x = 1
A tabela abaixo reforça esta
conclusão. Não importa que f(1) = 0.
O limite depende somente dos
valores de f(x) na vizinhança de 1,
não em 1.
x tende para 1 x tende para 1

x 0,900 0,990 0,999 1,000 1,001 1,010 1,100

f(x) 0,900 0,990 0,999 0,000 1,001 1,010 1,100

14
f(x) tende para 1 f(x) tende para 1
1. O limite de uma função

Há três idéias importantes que podemos


extrair dos exemplos anteriores:
1. Dizer que o limite de f(x) é L quando x tende
para c significa que o valor de f(x) pode tornar-
se arbitrariamente próximo do número L
escolhendo-se x cada vez mais próximo de c.
2. Para que um limite exista, devemos fazer x
tender para c por ambos os lados de c. Se f(x)
tende para números diferentes quando x tende
para c pela esquerda ou pela direita, então o
limite não existe.
15
1. O limite de uma função

3. O valor de f(x) para x = c não tem qualquer


influência na existência ou não-existência do
limite de f(x) quando x tende para c. Por
exemplo, no Exemplo 2, o limite de f(x) existe
quando x tende para 1, mesmo que a função não
seja definida em x = 1.

16
1. O limite de uma função

Definição de Limite de uma Função

Se f(x) se torna arbitrariamente próxima de um


número (único) L quando x tende para c de
qualquer lado, então

lim f ( x ) = L
x →c

que se lê “o limite de f(x), quando x tende para c é


L.”
17
2. Propriedades dos limites

Muitas vezes o limite de f(x), quando x


tende para c, é simplesmente f(c), conforme
ilustrado no Exemplo 1. Sempre que o limite de f(x)
quando x tende para c é

lim f ( x ) = f (c ), Substituição direta


x →c

dizemos que o limite pode ser calculado por


substituição direta. É importante que saibamos
reconhecer os tipos de funções que apresentam
esta propriedade.
18
2. Propriedades dos limites

Propriedades dos Limites

Sejam b e c números reais, e n um inteiro positivo.

1. lim b = b 2. lim x = c
x →c x →c

3. lim x n = c n 4. lim n x = n c
x →c x →c

Na propriedade 4, se n é par, c deve ser positivo.

Combinando as propriedades de limites com


as seguintes regras para operar com eles, podemos
determinar os limites de uma ampla diversidade de
19
funções.
2. Propriedades dos limites

Operações com Limites


Sejam b e c números reais e n um inteiro
positivo. Se os limites de f(x) e g(x) existem
quando x tende para c, então valem as seguintes
operações.

1. Múltiplo constante lim [ bf ( x )] = b  lim f ( x )


x →c  x →c 
2. Adição lim [f ( x ) ± g ( x )] = lim f ( x ) ± lim g ( x )
x →c x →c x →c

3. Multiplicação lim [f ( x ) ⋅ g ( x )] =  lim f ( x ) ⋅  lim g ( x )


x →c  x →c   x →c 

20
2. Propriedades dos limites

Operações com Limites


Sejam b e c números reais e n um inteiro
positivo. Se os limites de f(x) e g(x) existem
quando x tende para c, então valem as seguintes
operações.
f ( x ) lim f (x)
4. Divisão lim = x →c
, lim g ( x ) ≠ 0
x →c g ( x ) lim g ( x ) x →c
x →c
n
lim [f ( x )] =  lim f ( x )
n
5. Potência
x →c  x →c 
6. Radical lim n f ( x ) = n lim f ( x )
x →c x →c

Na propriedade 6, se n é par e lim f ( x ) = L ,


x →c
então L deve ser positivo. 21
2. Propriedades dos limites

Exemplo 5: Calcule lim


x →2
( x 2 + 2x − 3 )

x →2
( )
lim x 2 + 2 x − 3 = lim x 2 + lim 2 x − lim 3
x →2 x →2 x →2
Propriedade aditiva
= 22 + 2(2) − 3 Substituição direta
= 4+4−3
=5 Simplificar

22
2. Propriedades dos limites

Limite de uma Função Polinomial

Se p é uma função polinomial e c é um


número real arbitrário, então

lim p( x ) = p(c )
x →c

23
3. Técnicas para o cálculo de
limites

Muitas técnicas para o cálculo de limites se


baseiam no teorema da substituição. Basicamente,
o teorema afirma que se duas funções coincidem
em todos os pontos exceto no ponto (único) c,
então elas têm comportamento limite idêntico em
x = c.

24
3. Técnicas para o cálculo de
limites

O Teorema da Substituição
Seja c um número real e seja f(x) = g(x) para
todo x ≠ c. Se o limite de g(x) existe quando x → c,
então o limite de f(x) também existe e

lim f ( x ) = lim g ( x )
x →c x →c

Para aplicar o Teorema da Substituição,


podemos utilizar um resultado da álgebra, que
afirma que, para uma função polinomial p, p(c) = 0 se
e somente se (x – c) é fator de p(x).
25
3. Técnicas para o cálculo de
limites

x3 − 1
Exemplo 6: Calcule lim
x →1 x − 1

Note que tanto o numerador como o


denominador se anulam para x = 1. Isto implica que
(x – 1) é fator de ambos, podendo, pois, ser
cancelado.
x 3 − 1 ( x − 1)( x 2 + x + 1)
= Fatoração do numerador
x −1 x −1
( x − 1 )( x 2 + x + 1)
= Cancelamento do fator comum
x −1
= x 2 + x + 1, x ≠1 Simplificar 26
3. Técnicas para o cálculo de
limites

Assim, a função racional (x3 – 1)/(x – 1) e a


função polinomial x2 + x + 1 concordam para todos
os valores de x tais que x ≠ 1. Podemos, pois,
aplicar o Teorema da Substituição.

x3 − 1
lim
x →1 x − 1
(
x →1
)
= lim x 2 + x + 1 = 12 + 1 + 1 = 3

27
3. Técnicas para o cálculo de
limites

A figura acima ilustra este resultado


graficamente. Note que os dois gráficos são
idênticos, com a única diferença que o gráfico de g
contém o ponto (1, 3), enquanto este ponto está
ausente do gráfico de f. Na figura à esquerda, o
ponto ausente é representado por um ponto
28
aberto.
3. Técnicas para o cálculo de
limites

x2 + x − 6
Exemplo 7: Calcule xlim
→−3 x +3

A substituição direta falha porque tanto o


numerador como o denominador se anulam quando x
= -3.
x + x −6
2
x →−3
(
← lim x 2 + x − 6 = 0 )
lim
x →−3 x +3 ← lim ( x + 3 ) = 0
x →−3

Todavia, como ambos os limites do numerador e do


denominador são zero, sabemos que eles têm um
fator comum (x + 3). Assim, para todo x ≠ -3,
29
podemos cancelar este fator, obtendo:
3. Técnicas para o cálculo de
limites

x2 + x − 6 ( x − 2)( x + 3)
lim = lim Fatoração do numerador
x →−3 x +3 x →−3 x +3
( x − 2)( x + 3 )
= lim Cancelamento do fator comum
x →−3 x +3
= lim ( x − 2) Simplificar
x →−3

= −5 Substituição direta

30
3. Técnicas para o cálculo de
limites

A figura acima mostra o resultado. Note que


o gráfico de f coincide com o gráfico de
g(x) = x – 2, com a diferença que o gráfico de f
tem uma interrupção (buraco) em (-3, -5).

31
3. Técnicas para o cálculo de
limites

x2 + x − 2
Exemplo 8: Calcule xlim
→−2 x −2

Como o limite do denominador não é zero,


podemos utilizar o limite de um quociente.

x2 + x − 2 ( −2)2 − 2 − 2
lim = lim Substituição direta
x →−2 x −2 x →−2 −2 − 2
0
= Simplificar
−4
=0 O limite é 0

32
4. Limites unilaterais

No Exemplo 3, vimos que um limite pode não


existir pelo fato de uma função tender para
valores diferentes à esquerda e à direita de c.
Este tipo de comportamento pode ser descrito de
modo mais conciso com o conceito de limite
unilateral.
lim− f ( x ) = L Limite à esquerda
x →c

lim+ f ( x ) = L Limite à direita


x →c

O primeiro limite lê-se como “o limite de


f(x) quando x tende para c pela esquerda é L.” O
segundo lê-se: “o limite de f(x) quando x tende
33
para c pela direita é L.”
4. Limites unilaterais

Exemplo 9: Ache o limite, quando x → 0 pela


esquerda, e o limite, quando x → 0 pela direita, da
função
2x
f (x) =
x

Pelo gráfico de f, vemos que


f(x) = -2 para todo x < 0 e que
f(x) = 2 para todo x > 0.
2x
lim = −2 Limite à esquerda
x →0 − x
2x
lim+ =2 Limite à direita 34
x →0 x
4. Limites unilaterais

No Exemplo 9, a função tem limites


diferentes à esquerda e à direita. Em tais casos, o
limite de f(x) quando x → c não existe. Para que o
limite de uma função exista quando x → c, ambos
os limites laterais devem existir e ser iguais.

35
4. Limites unilaterais

Existência de um Limite

Se f é uma função e c e L são números reais,


então

lim f ( x ) = L
x →c

se e somente se ambos os limites à esquerda e à


direita são iguais a L.

36
4. Limites unilaterais

Exemplo 10: Ache o limite de f(x), quando x tende


para 1.
4 − x, x <1
f (x) = 
4 x − x , x >1
2

Tenha em mente que o que


nos interessa é o valor de f na
vizinhança de 1, e não em x = 1.
Assim, podemos utilizar a
substituição direta para achar os
limites à esquerda e à direita de 1.
37
4. Limites unilaterais

Exemplo 10: Ache o limite de f(x), quando x tende


para 1.
4 − x, x <1
f (x) = 
 4 x − x 2
, x >1

Para x < 1 ⇒ lim− f ( x ) = lim− (4 − x ) = 4 − 1 = 3


x →1 x →1

Para x > 1 ⇒ lim+ f ( x ) = lim+ (4 x − x 2 ) = 4 − 1 = 3


x →1 x →1

Como ambos os limites


laterais existem e são iguais a 3,
decorre que
lim f ( x ) = 3 38
x →1
4. Limites unilaterais

Exemplo 11: Um serviço de entregas noturnas


cobra $ 8 pela primeira lb e $ 2 por cada lb
adicional. Seja x o peso de uma encomenda e f(x) o
custo de entrega. Mostre que o limite de f(x),
quando x → 2, não existe.

8, 0 < x ≤1

f ( x ) = 10, 1< x ≤ 2
12, 2< x≤3

39
4. Limites unilaterais

Exemplo 11: Um serviço de entregas noturnas


cobra $ 8 pela primeira lb e $ 2 por cada lb
adicional. Seja x o peso de uma encomenda e f(x) o
custo de entrega. Mostre que o limite de f(x),
quando x → 2, não existe.

lim− f ( x ) = 10
x →2

lim+ f ( x ) = 12
x →2

Como esses limites unilaterais


são diferentes, o limite de f(x),
quando x → 2, não existe.
40
5. Comportamento não-limitado

O Exemplo 11 mostra um limite que não


existe porque os limites à esquerda e à direita são
diferentes. Outra maneira importante pela qual um
limite pode não existir é quando f(x) aumenta ou
diminui indefinidamente quando x tende para c.

41
5. Comportamento não-limitado

3
Exemplo 12: Calcule o limite (se possível): lim
x →2 x − 2

Pela figura, vemos que


f(x) decresce sem limite
quando x tende para 2 pela
esquerda e cresce sem limite
quando x tende para 2 pela
direita. Simbolicamente, pode-
mos escrever

42
5. Comportamento não-limitado

3
Exemplo 12: Calcule o limite (se possível): lim
x →2 x − 2

3
lim− = −∞
x →2 x − 2

3
lim+ = +∞
x →2 x − 2

Como f é não-limitada
quando x tende para 2, o limite
não existe

43
5. Comportamento não-limitado

Nota: O sinal de igualdade em


lim+ f ( x ) = +∞
x →c

não significa que o limite exista! Pelo contrário,


diz-nos como o limite deixa de existir denotando o
comportamento não-limitado de f(x) quando x
tende para c.

44
6. Expressões indeterminadas

Costuma-se dizer que as expressões do tipo:

0 ∞ 0 ∞
, , ∞ − ∞,0 × ∞,0 , ∞ ,1
0

0 ∞

são indeterminadas.

45
6. Expressões indeterminadas

Vejamos por exemplo, a expressão 0/0.

Sejam f e g funções tais que:

lim f ( x ) = lim g ( x ) = 0
x →a x →a

46
6. Expressões indeterminadas

Nada se pode afirmar, a priori, sobre o


limite do quociente f/g. Dependendo das funções f
e g ele pode assumir qualquer valor real ou não
existir.

Exprimimos isso dizendo que 0/0 é um


símbolo de indeterminação.

47
6. Expressões indeterminadas

Para comprovar o que foi dito, vejamos dois


exemplos:

(i) Sejam f(x) = x3 e g(x) = x2.

Temos,

lim f ( x ) = lim g ( x ) = 0
x →0 x →0

3
f (x) x
e lim = lim 2 = lim x = 0.
x →0 g ( x ) x →0 x x →0
48
6. Expressões indeterminadas

(ii) Sejam f(x) = x2 e g(x) = 2x2.

Temos,

lim f ( x ) = lim g ( x ) = 0
x →0 x →0

f (x) x2 1 1
e lim = lim 2 = lim = .
x →0 g ( x ) x →0 2 x x →0 2 2

49
7. Limites no infinito

Se n é um número inteiro positivo, então:

1
lim n = 0
x →±∞ x

50
7. Limites no infinito

Exemplo 13: Determinar o limite da expressão

2x − 5
lim
x →+∞ x + 8

Neste caso, temos uma indeterminação do


tipo ∞/∞.

Vamos dividir o numerador e o denominador


por x e depois aplicar as propriedades de limites,
juntamente com a propriedade vista no slide
anterior. 51
7. Limites no infinito

Temos,

 5  5
x2 −   2− 
2x − 5  x  x
lim = lim = lim =
x →+∞ x + 8 x →+∞  8  x →+∞  8 
x 1+   1+ 
 x  x
 5
lim  2 −  lim 2 − lim 5
x →+∞
 x  x →+∞ x →+∞ x 2 − 5⋅0
= = = =2
 8 8 1+ 8 ⋅ 0
lim  1 +  xlim 1 + lim
→+∞ x →+∞ x
x →+∞
 x 52
7. Limites no infinito

Exemplo 14: Determinar o limite da expressão

2x 3 + 3 x + 5
lim
x →+∞ 4x + 2
5

Novamente temos uma indeterminação do


tipo ∞/∞.

Vamos dividir o numerador e o denominador


pela maior potência de x, que neste caso é x5.

53
7. Limites no infinito

Temos,

2 3 5  2 3 5 
+ 4 + 5 xlim  + 4+ 5
2x + 3 x + 5
3
x 2
x x →+∞
 x 2
x x 
lim = lim = =
x →+∞ 4x + 2
5 x →+∞
4+ 5
2  2 
lim  4 + 5 
x x →+∞
 x 

 1   1   1 
2 lim  2  + 3 lim  4  + 5 lim  5 

x →+∞ x
 
x →+∞ x
 
x →+∞ x
 2⋅0 + 3⋅0 + 5⋅0
= = =0
 1  4 + 2⋅0
lim 4 + 2 lim  5 
x →+∞
 
x →+∞ x
54
7. Limites no infinito

Exemplo 15: Determinar o limite da expressão

2x + 5
lim
x →+∞
2x 2 − 5

Neste caso dividimos o numerador e o


denominador por x. No denominador tomamos
x = raiz quadrada de x2, já que os valores de x
podem ser considerados positivos (x → +∞).

55
7. Limites no infinito

Temos,
 5  5
x 2 +  x2 + 
2x + 5  x  x
lim = lim = lim =
x →+∞
2x − 5
2 x →+∞
2 5  x →+∞
 5 
x 2 − 2  x 2 − 2 
 x   x 
5  5 5
2+ lim  2 +  lim 2 + lim
= lim x =
x →+∞
 x
=
x →+∞ x →+∞ x
=
x →+∞
2− 2
5
lim 2 − 2
5  5 
x →+∞
lim  2 − 2 
x x x →+∞
 x 
5
lim 2 + lim
x →+∞ x →+∞ x 2+0 2 2 2 2 2
= = = = ⋅ = = 2
5 2−0 2 2 2 2
lim 2 − lim 2 56
x →+∞ x →+∞ x
7. Limites no infinito

Exemplo 16: Determinar o limite da expressão

2x + 5
lim
x →−∞
2x 2 − 5

Como no exemplo anterior, dividimos o


numerador e o denominador por x. Como neste caso
x → -∞, os valores de x podem ser considerados
negativos. Então, para o denominador, tomamos
-x como sendo a raiz quadrada de x2.
57
7. Limites no infinito

Temos,
 5  5
x2 +  x 2 + 
2x + 5  x  x
lim = lim = lim =
x →−∞
2x − 5
2 x →−∞
2 5  x →−∞
 5 
x 2 − 2  −x  2 − 2 
 x   x 
5  5 5
2+ lim  2 +  lim 2 + lim
= lim x
=
x →−∞
 x
=
x →−∞ x →−∞ x
=
x →−∞ 5  5   5 
− 2− 2 lim  − 2 − 2  − xlim  2 − 2 
x x →−∞
 x 
→−∞
 x 
5
lim 2 + lim
x →−∞ x →−∞ x 2+0 2 2
2 2 2
= = = =− ⋅ =− =− 2
− lim 2 − lim
x →−∞
5
x →−∞ x 2
− ( 2−0 )
− 2 2 2 2
58
8. Limites infinitos

Se n é um número inteiro positivo, então:

1
lim+ n = +∞
x →0 x

1 +∞, se n é par
lim− n = 
x →0 x
−∞, se n é ímpar

59
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

De certo modo, as propriedades das


operações envolvendo limites permanecem válidas
para limites infinitos.
A tabela seguinte nos dá um resumo dos
fatos principais válidos para os limites infinitos,
onde podemos ter x → a, x → a+, x → a-, x → +∞ ou
x → -∞.

60
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

lim f ( x ) lim g ( x ) h( x ) = lim h( x ) simbolicamente


01 ±∞ ±∞ f ( x ) + g( x ) ±∞ ±∞ ± ∞ = ±∞
02 +∞ +∞ f ( x ) − g( x ) ? (+∞) − (+∞) é indeterminação
03 +∞ k f ( x ) + g( x ) +∞ +∞ + k = +∞
04 −∞ k f ( x ) + g( x ) −∞ −∞ + k = −∞
05 +∞ +∞ f ( x ) ⋅ g( x ) +∞ (+∞) ⋅ (+∞) = +∞
06 +∞ −∞ f ( x ) ⋅ g( x ) −∞ (+∞) ⋅ (−∞) = −∞
07 +∞ k>0 f ( x ) ⋅ g( x ) +∞ (+∞) ⋅ k = +∞, k > 0
08 +∞ k<0 f ( x ) ⋅ g( x ) −∞ (+∞) ⋅ k = −∞, k < 0
09 ±∞ 0 f ( x ) ⋅ g( x ) ? (±∞) ⋅ 0 é indeterminação
10 k ±∞ f ( x ) / g(x ) 0 k / (±∞) = 0
11 ±∞ ±∞ f ( x ) / g(x ) ? ±∞ / ±∞ é indeterminação
12 k>0 0+ f ( x ) / g(x ) +∞ k / 0+ = +∞, k > 0
13 +∞ 0+ f ( x ) / g(x ) +∞ +∞ / 0+ = +∞
14 k>0 0- f ( x ) / g(x ) −∞ k / 0− = −∞, k > 0
15 +∞ 0- f ( x ) / g(x ) −∞ +∞ / 0− = −∞
16 0 0 f ( x ) / g(x ) ? 0 / 0 é indeterminação
61
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 17: Determinar o limite da expressão

 3 1 
lim  x + x + 2 
x →0
 x 

62
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

x →0
 3

1 
lim  x + x + 2  = lim x + lim
x  x →0
3
x →0
( ) ( )  1 
x + lim  2 
 
x →0 x

= 0 + 0 + ∞ = +∞

63
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 18: Determinar o limite da expressão

x →+∞
(
lim 3 x − 4 x + 1
5 3
)
Neste caso, temos uma indeterminação do
tipo ∞ - ∞. Para determinarmos o limite usamos um
artifício de cálculo.

64
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

x →∞
( 3
x →∞


) 5

x
4 1 
lim 3 x − 4 x + 1 = lim x  3 − 2 + 5  =
5

x 

 4 1 
lim x ⋅ lim  3 − 2 + 5  = +∞ ⋅ ( 3 − 0 + 0 ) = +∞
5
x →∞ x →∞
 x x 

65
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 19: Determinar o limite das expressões

x x x
lim+ 2
, lim− 2
e lim 2
x →0 x x →0 x x →0 x

66
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução: Para x > 0, temos |x| = x. Assim,

x x 1
lim+ 2 = lim+ 2 = lim+ = +∞
x →0 x x →0 x x →0 x

67
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução: Para x < 0, temos |x| = -x. Portanto,

x −x −1
lim− 2 = lim− 2 = lim− = +∞
x →0 x x →0 x x →0 x

68
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

x x
lim+ 2
= lim− 2
= +∞
x →0 x x →0 x

69
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 20: Determinar o limite da expressão

5x + 2
lim
x →−1 x + 1

70
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução: Quando x → -1, |x + 1| → 0+. Assim,

5 x + 2 xlim ( 5 x + 2 ) −3
lim = →−1 = + = −∞
x →−1 x + 1 lim x + 1 0
x →−1

71
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 21: Determinar o limite das expressões

x + 3x + 1
2
x + 3x + 1 2
x + 3x + 12
lim+ 2 , lim− 2 e lim 2
x →2 x + x − 6 x →2 x + x − 6 x →2 x + x − 6

72
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

x 2 + 3x + 1 x 2 + 3x + 1 11
lim+ 2 = lim+ = + = +∞
x →2 x + x − 6 x →2 ( x − 2 )( x + 3 ) 0

73
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

x 2 + 3x + 1 x 2 + 3x + 1 11
lim− 2 = lim− = − = −∞
x →2 x + x − 6 x →2 ( x − 2 )( x + 3 ) 0

74
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

x 2 + 3x + 1 x 2 + 3x + 1
lim+ 2 ≠ lim− 2
x →2 x + x − 6 x →2 x + x − 6

Conclusão ????

75
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 22: Determinar o limite da expressão

x +3
2
lim
x →+∞ x + 2

76
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

 3  3
x  1 +2
2  1+ 2
x +3
2
 x  x =
lim = lim = lim
x →+∞ x + 2
2 1 2  x →+∞ 1 2
x →+∞
x  + 2 + 2
x x  x x

 3 
lim  1 + 2 
=
x →+∞
 x  1
= + = +∞
1 2  0
lim  + 2 

x →+∞ x x  77
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 23: Determinar o limite da expressão

5−x 3
lim
x →+∞ 8 x + 2

78
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

 5  5
x  3 − 1
3
−1
5−x 3
 x  = lim x 3
lim = lim =
x →+∞ 8 x + 2
3 8 2  x →+∞ 8 2
x →+∞
x  2+ 3 2
+ 3
x x  x x

 5 
lim  3 − 1

x →+∞ x
 −1
= = + = −∞
 8 2  0
lim  2 + 3 

x →+∞ x x  79
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 24: Determinar o limite da expressão

2x + 3 x + 2x + 1
4 2
lim
x →+∞ 4 − x4

80
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

 3 2 1 
4
x 2 + 2 + 3 + 4 
2x + 3 x + 2x + 1
4 2
 x x x 
lim = lim =
x →+∞ 4−x 4 x →+∞  4 
x 4  4 − 1
x 

3 2 1  3 2 1 
2 + 2 + 3 + 4 xlim  2 + x2 + x3 + x 4  2
= lim x x x = →+∞
 = = −2
x →+∞ 4
−  4  −1
4
1 lim  4 − 1
x x

→+∞ x

81
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Exemplo 25: Determinar o limite da expressão

x + 3x − 1
2
lim
x →+∞ x3 − 2

82
8.1. Propriedades dos limites
infinitos

Resolução:

3 1 3 1  1 3 1
x + −
 x x2 x3  + −
x 2 + 3x − 1   x x 2
x 3
lim = lim = lim =
x →+∞ x −2
3 x →+∞
3 2  x →+∞
1− 3
2
x 1 − 3 
 x  x

1 3 1 
lim  + 2 − 3 
= 
x →+∞ x x x  0
= =0
 2  1
lim  1 − 3 
x →+∞
 x 
83

Você também pode gostar