Você está na página 1de 7

Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.

Conversor Flash 2-bits


A. V. M. de Oliveira, H. N. A. Leite, R.H.Fraga, R.M. Araújo, E. J. Silva.
Engenharia de Controle e Automação-POLI, Recife, Brasil
email: hugonascimentoal@gmail.com

Resumo: A prática intitulada Conversor Flash 2-bits Os conversores Analógicos-Digitais são dispositivos
consiste em um estudo completo sobre este tipo de que dão uma saída em bits, ou seja, em formato digital
conversor desde a base teórica, simulação e como para uma entrada analógica, com valores contínuos de
também a construção do circuito em placa de cobre. tensão e corrente. Veja na figura 1 (que foi retirada da
Nesta atividade, para a confecção do circuito, referência [1]) o diagrama de blocos de um conversor
primeiramente foram estudados os princípios básicos A/D (analogico/ digital).
dos conversores A/D e do conversor Flash. Estudos
necessários para posteriormente projetar e simular o
circuito em computador, como também projetar a placa
em software dedicado para tal atividade. Depois de todo
o projeto feito, foram comprados os necessários para a
confecção do circuito, e em atividade em grupo o
circuito foi confeccionado. Houve o teste de seu
funcionamento, seu comportamento foi devidamente
estudado e comparado com os resultados esperados
vindos da simulação. Todo esse estudo revelou que a Figura 1: Diagrama de blocos para um conversor
correta confecção do circuito fez com que os resultados A/D
reais se aproximasse da simulação e também foi de
grande importância para o grupo tanto para o Este tipo de dispositivo se faz importante pois as
aprendizado sobre conversores A/D, quanto para variáveis presentes no mundo são "analógicas", sejam
aprender sobre a confecção de circuitos em placas de elas temperatura, pressão, tensão, etc. Porém, os sinais
cobre. digitais tem uma facilidade muito maior de serem
Palavras-chave: Conversores A/D, Conversor Flash, computados, armazenados, são menos suscetíveis a
Circuito Impresso. ruídos e erros, como também possuem melhor facilidade
no controle.
Abstract: The practice titled 2-btis Flash Converter Um dos vários tipos de conversores AD são os
consists in a complete study about this type of converter, conversores Flash ou paralelos. Este circuito é uma
since the theoretic basis, computer simulation and the forma de conversor muito popular em uso devido a
making of copper board circuit as well. In this activity grande velocidade e simplicidade dos componentes
to the making of the circuit, firstly were studied the utilizados, porém necessita de uma construção mais
basic principles of A/D converters and the Flash complexa quando aumentado o número de bits. Vale-se
converter. Studies necessary to later project and dizer que os circuitos Flash são ideais para conversão
simulate the circuit in a dedicated software. After all the de palavras pequenas, onde o aumento do número de
projecting was done, the necessary componets were bits causa grande aumento de complexidade e custo. Os
bought, and in a group effort the circuit was built. conversores Flash são utilizados em circuitos digitais de
Testing was done to observe the workings of the board alta velocidade, radares e aplicações com sinais de
and the results were compared with the computer vídeo.
simulation. All those analysis revealed that the correct Nesta atividade este tipo de conversor será estudado
making of the board made so that the results were very de forma teórica, por meio de simulações
close to the obtained in the simulation and also was computacionais e de experiência realizada em circuito
very important to the group, both to learn about A/D impresso e testada em laboratório. Os resultados serão
converters and about how to make a copper board comparados, estudados e comentados ao final do
circuit. experimento.
Keywords: A/D Converters, Flash converter, Printed
board. Materiais e métodos

Introdução Preço em R$
Material Qtd.
(und.)
Resistor 1K 4 0,10
Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.1

Resistor 220 2 0,10 assumir dois valores VDC e zero Volts, que
correspondem aos níveis 1 e 0 lógico.
LEDs azuis 2 0,15
Esses níveis vão depender das tensões de entrada do
SN74LS08 1 5,00 amplificador, se o terminal não inversor for mais
SN74LS32 1 5,00 positivo que o inversor, a tensão de saída será VDC
Volts, e se o terminal inversor estiver em uma tensão
SN74LS04 1 5,00 maior que a do terminal não inversor a saída assume 0
Barra de 15 pinos 1 5,00 Volts [3], os estados de zero e um lógico dependem dos
valores de tensão V0, V1, V2, da malha de resistores R
Placa 10x10 (cm) 1 5,00 da figura 2, de acordo com a referência [4], aplicando a
Folha de papel Glossy 1 1,00 equação de divisores de tensão será obtido:
LM324 1 2,00 𝑉0 = 𝑉 ∗ (1/4) (3)
Soquete 14 pinos 4 0,70 𝑉1 = 𝑉 ∗ (2/4) (4)
TOTAL 31,70 𝑉0 = 𝑉 ∗ (3/4) (5)

Como o Vref é igual ao VDC que vale cinco Volts,


obtemos os resultados exibidos na tabela 1:
Análise teórica: Este conversor em questão
funciona usando amplificadores operacionais na
Tabela 1: Valores de tensão fixas na malha de resistores
configuração comparadora, dependendo da quantidade
de bits o número de comparadores varia com a equação
(1), todo o estudo será realizado para um conversor de Tensão Valor [V] Porcentagem de VDC
dois bits; sendo assim seguindo a equação (1) será V0 1,25 25%
usado 3 comparadores, veja na figura 2 o esquemático V1 2,50 50%
geral do conversor. Também pode ser utilizado a
V2 3,75 75%
equação (2) para descobrir a resolução do conversor em
questão, segundo a referência [3].
Perceba que: comparador 0 recebe V0 no terminal
𝑁 =2 −1 (1) inversor, e a tensão de entrada no terminal não inversor,
𝑅𝑒𝑠 = 𝑅𝑎𝑛𝑔𝑒/2 (2) o comparador 1 recebe V1 no terminal inversor, e a
tensão de entrada no terminal não inversor, e o
comparador 2 recebe V2 no terminal inversor, e a
tensão de entrada no terminal não inversor.
Basicamente pode-se descrever o funcionamento da
seguinte forma: Se a tensão de entrada for maior que V0
o comparador 0 assume nível lógico 1; Se a tensão de
entrada for maior que V1 o comparador 1 assume nível
lógico 1; se a tensão de entrada for maior que V2 o
comparador 2 assume nível lógico 1. Desse modo
observa-se que nas saídas dos comparadores será obtido
um código johnson de três bits, mas o conversor tem
duas saídas, sendo assim se faz necessário um
decodificador que converte os códigos da saída dos
comparadores, em um código binário de dois bits. A
tabela 2 exibe o funcionamento de forma resumida de
um conversor flash de dois bits. Contém os estados de
binário de saída em função da tensão de entrada, e os
estados dos comparadores em função também das
Figura 2: Esquema geral do conversor flash 2 bits
tensões de entrada.
Sendo assim o range é o valor em que pode variar a
tensão de entrada é cinco volts, e usando o número de
bits igual a 2, obtém-se uma resolução de 1,25V.
Tabela 2: Funcionamento do conversor A/D flash
Perceba que os três amplificadores estão na
configuração comparadora, e que os mesmos estão
alimentados com VDC e zero (GND) Volts. Por causa Vin [V] C2 C1 C0 Q1 Q0
dessa alimentação as saídas dos amplificadores podem 0 - 1,25 0 0 0 0 0
Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.1

1,25 - 2,5 0 0 1 0 1 V2 3,75 75%


2,5 - 3,75 0 1 1 1 0
3,75 - 5 1 1 1 1 1 Na simulação foi colocado uma fonte de tensão
variável (0-5V) na entrada e observado os valores que
estavam na entrada e a palavra digital formada na saída,
O circuito decodificador johnson para Binário pode o resumo dos dados obtidos encontram-se na tabela 4.
ser extraído facilmente da tabela 2, usando como Para o teste também foi colocado na entrada do
entradas: C0, C1 e C2, e as saídas Q0, Q1. Sendo assim conversor ondas senoidais e ondas triangulares em
as expressões 6 e 7 foram extraídas da tabela 2. rampa e observado os resultados. Para a onda triangular
os gráficos observados estão na figura 4.
𝑄 = 𝐶 (¬𝐶 )(¬𝐶 ) + 𝐶 𝐶 𝐶 (6)
𝑄 =𝐶 𝐶 (7) Tabela 4: Funcionamento do conversor A/D flash
Depois de ser realizada a análise teórica do
Vin [V] Q1 Q0
conversor e descoberto as equações do decodificador foi
realizada a simulação no software ISIS proteus. 0 - 1,25 0 0
Simulação: No software procurou-se os 1,25 - 2,5 0 1
dispositivos: Resistores, amplificadores, portas lógicas e 2,5 - 3,75 1 0
LED’s que tinha um modelo de simulação, isso porque
no proteus alguns componentes só servem para fazer o 3,75 - 5 1 1
diagrama eletrônico. Na área de criação foram
colocados os componentes e realizadas as ligações entre
eles, veja na figura 3 a simulação do circuito.

Figura 3: Simulação do conversor A/D flash em


software proteus

Perceba que as portas lógicas que aparecem na


figura 3 é o circuito de decodificação Johnson para
Binário dois bits.
Para medir as tensões do divisor de tensão, V0, V1,
V2 foram colocados na simulação voltímetros digitais,
os valores registrados estão mostrados na tabela 3.

Figura 4: gráficos das análises: analógica da entrada


e digital das saídas onde D1 é o LSB e D2 o MSB.
Tabela 3: Valores de tensão no divisor de tensão Se observar na figura 4 as quatro linhas vermelhas
verticais, podemos extrair os valores instantâneos da
tensão de entrada no gráfico ANALOGUE ANALYSIS , e
Tensão Valor [V] Porcentagem de VDC
os estados atuais de D1 e D2 naquele instante, os
V0 1,25 25% valores dos tempos marcados em vermelho encontram-
V1 2,50 50% se na tabela 4. Vale salientar que o D2 e D1 usado na
subsecção de simulação é o mesmo Q1 e Q2 da análise
Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.1

teórica. o nome D1 e D2 fazem menção aos diodos encontra de Vin[V]


emissores de luz colocados nas saídas. Vin [V]
0 - 1,25 0,9 0 0
Tabela 5: Alguns valores instantâneos retirados da
figura 4 1,25 - 2,5 2,0 0 1
2,5 - 3,75 3,35 1 0
Intervalo que se 3,75 - 5 4,55 1 1
Valor aproximado
encontra D2 D1
de Vin[V]
Vin [V]
0 - 1,25 0,8 0 0 Resultados
1,25 - 2,5 1,75 0 1
Os experimentos foram realizados no laboratório de
2,5 - 3,75 2,9 1 0
eletrônica da escola politécnica de Pernambuco,
3,75 - 5 4,6 1 1 obedecendo as instruções de segurança ditas pelo
professor em sala, sempre utilizando de forma adequada
A mesma análise para a onda triangular foi realizada cada ferramenta e instrumento.
para um sinal de entrada senoidal. Na figura 5 são Após a simulação do circuito (Figura 3), foi feito o
ilustrados os resultados. posicionamento dos componentes na placa, as trilhas,
ilhas e a malha de GND no próprio software (Figuras 6).
O desenho 3D do circuito foi gerado automaticamente
pelo Proteus (Figura 7). Foram utilizados 3 CIs (1
74LS04, 1 74LS08 e 1 74LS32) para a representação
das portas lógicas do chip decodificador e um LM324, o
qual possui 4 amplificadores.

Figura 6: Layout da PCB no Proteus.

Figura 5: gráficos das análises: analógica da entrada


e digital das saídas onde D1 é o LSB e D2 o MSB.
Da mesma forma que foram extraídos os valores
para a entrada como uma rampa triangular, serão
extraídos os valores e exibidos na tabela 5.

Tabela 6: Alguns valores instantâneos retirados da


figura 5

Intervalo que se Valor aproximado D2 D1


Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.1

Figura 7: Layout em 3D da placa no Proteus. Figura 9: Placa corroída.

Após o término do design, foi iniciada a confecção Com a placa corroída e cortada com o auxílio de
física da placa, a qual foi montada em um segmento de retífica, os componentes e jumpers necessários para o
fenolite de dimensões 10x10 (cm). O mesmo teve sua funcionamento do circuito foram soldados na placa
face com o condutor lixada com auxílio de uma esponja (Figura 10).
de aço para remoção de impurezas que poderiam
prejudicar o processo.
A impressão das trilhas do circuito na placa foi feita
através do processo térmico, no qual utilizamos um
ferro de passar roupas aquecido ao máximo e um folha
de papel glossy com as trilhas do circuito impressa.
Ao término desse processo, o segmento foi
mergulhado em uma solução de Percloreto de Ferro
(FeCl3) e água para ocorrer a corrosão da placa (Figura
8). Por fim, foi utilizado novamente uma esponja de aço
para a remoção da tinta de impressora. O resultado do
processo pode ser visto na Figura 9.

Figura 10: Placa do conversor Flash com os


componentes soldados.

Após o término da confecção, a placa foi levada para a


realização dos testes de funcionamento. Primeiro, foi
conectado uma fonte variável de 0V a 5V na entrada
para então ser analisado qual o intervalo em que ocorria
a mudança de estado das saídas Q0 e Q1. O resultado
pode ser visto na tabela 7.

Tabela 7: Estados de saída em função das tensões de


entrada.
Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.1

Vin [V] Q1 Q0
Discussão
0 - 1,22 0 0
1,22 - 2,45 0 1 Segue na tabela 8 o confrontamento dos estados da
2,45 - 3,70 1 0 saída do conversor (Q1, Q0), em função da tensão
analógica de entrada (dados obtidos pela teoria,
3,70 - 5 1 1
simulação e prática).
Quando foi utilizado um sinal de entrada em forma Tabela 8: estado de saída em função da tensão analógica
de rampa, a saída do conversor assumiu o
comportamento mostrado na figura 11. Enquanto na
Teoria Simulação Prática
figura 12, é possível observar o comportamento da
resposta para uma entrada de onda senoidal. Na duas Vin [V] Vin [V] Vin [V] Q1 Q0
situações, a entrada foi configurada para um intervalo 0 - 1,25 0 - 1,25 0 - 1,22 0 0
de 0V e 5V. Também foram utilizados diferentes tipos 1,25 - 2,5 1,25 - 2,5 1,22 - 2,45 0 1
de frequências, que respeitassem os limites do circuito.
2,5 - 3,75 2,5 - 3,75 2,45 - 3,70 1 0
Para as duas imagens o osciloscópio foi configurado
para a escala de tempo em 10ms, o canal 1 uma escala 3,75 - 5 3,75 - 5 3,70 - 5 1 1
de 500mV e o canal 2 em uma escala de 5V (as escalas
estavam diferente porque os cabos do osciloscópio tinha Pode-se visualizar que na tabela x os resultados
uma atenuação de 10x). foram bastante parecidos nas etapas de análise teórica
simulação e prática, só ocorreram pequenas
discrepâncias nos valores observados na prática, estas
foram resultados da imprecisão de resistores, queda de
tensão em trilhas, jumpers e soldas, como também
fatores relacionados a instrumentos de medição, e
deterioração de alguns componentes.
Tais erros podem ser minimizados com a utilização
de componentes mais precisos e processos de fabricação
de placas mais avançados.
Também foi visto que é um ótimo conversor para
altas freqûencia.

Conclusão

Na atividade foi possível observar a importância, as


características e comportamento dos conversores A/D
Figura 11: Saída do conversor para uma entrada de onda Flash. Também foram aprendidos os passos para a
em forma de rampa. O LSB em amarelo e o MSB em confecção de circuitos impressos em placa de fenolite,
azul. assim como o processo de soldagem.
O processo de confecção do circuito ofereceu alguns
desafios para a equipe, onde houveram algumas falhas
de CIs, e o processo de soldagem dos componentes
exige cuidado redobrado, porém também demonstrou a
importância que este tipo de circuito tem para a
eletrônica.
Da análise dos dados gerados pela placa
confeccionada, foi-se possível observar que a palavra
digital não representa perfeitamente a forma da onda de
entrada, mas pode se aproximar cada vez mais, quando
é melhorada a resolução do conversor (aumentando o
número de bits e ou diminuindo o range de entrada).
Por fim, esta atividade foi de grande importância
oferecendo aprendizado sobre conversores A/D, a
expertise de confecção de placas e melhorando a
Figura 12: Saída do conversor para uma entrada de onda destreza da equipe em eletrônica em geral. Os
em forma de senóide. O LSB em amarelo e o MSB em resultados não obtiveram grandes diferenças dos
azul. resultados obtidos pela simulação, além das esperadas
Eletrônica Analógica – Prática 3 – 2017.1

devido a ruídos do sinal e imprecisões dos resistores.


Sendo assim, a execução se provou satisfatória.

Referências

[1] CAPUANO, Francisco G.; IDOETA, Ivan Valeije.


Elementos de Eletrônica Digital. 40ª ed. São Paulo:
Érica
[2] TOCCI, J. R, WIDMER, N. S. e MOSS, G. L.
Sistemas Digitais. Princípios e aplicações. 10ª.Ed,
Pearson Books, São Paulo, Brasil.
[3] SEDRA, S.; SMITH, K.. Microeletrônica. 4ª.
Edição, Pearson Makron Books, São Paulo, Brasil,
2005.
[4] ALEXANDER, C. K. & SADIKU, M. N. O.
Fundamentos de Circuitos Elétricos. Porto Alegre,
Bookman Cia. Editora, 2003, 857p.

Você também pode gostar