CONTEMPLANDO O FILHO PRÓDIGO

“... como se eu me encontrasse presente, com todo acatamento e reverência; e depois, deixar refletir em mim mesmo para tirar algum proveito” (S.Inácio)

A parábola do Filho Pródigo é a expressão humana da misericórdia divina. Todos os detalhes da figura do pai, na pintura de Rembrandt, - expressão do seu rosto, sua postura, a cor de seu traje, as suas mãos, o seu gesto – falam do AMOR de Deus pela humanidade. Embora Rembrandt não coloque o pai fisicamente no centro da pintura, é claro que o pai é o centro do acontecimento que a obra retrata. Dele vem toda a luz, para ele vai toda a atenção. A pintura de Rembrandt tem pouco movimento – é de total calmaria. O contato do pai com o filho é uma bênção perene. No contexto do abraço compassivo, a fragilidade do filho pode parecer bela, mas sua fragilidade não tem outra beleza senão aquela que vem da compaixão que a cerca. O verdadeiro alvo da pintura de Rembrandt são as mãos do pai. Nelas se concentra toda a luminosidade, a elas se dirigem os olhares dos que estão próximos; nelas a misericórdia se personifica; nelas há perdão, reconciliação e cura e, através delas, não somente o filho cansado, mas também o pai abatido, encontra repouso. As duas mãos são bem diferentes.
A mão esquerda do pai tocando o ombro do filho é forte e musculosa. Os dedos estão bem abertos e se estendem sobre boa parte do ombro e costas do filho mais jovem. Podemos sentir uma certa pressão, especialmente no polegar. A mão não parece somente tocar, mas com sua força, também sustentar. Nota-se um firme envolvimento. Como é diferente a mão direita do pai! Esta mão não segura ou agarra. Ela é delicada, macia e muito meimeiga. Os dedos estão juntos e tem uma certa elegancia. Toca gentilmente os ombros do filho. Ela quer acariciar, afagar e oferecer consolo e o conforto. É a mão de uma mãe.

O pai não é somente um grande patriarca. Ele é igualmente pai-mãe. Ele toca o filho com uma mão masculina e uma feminina. Ele segura, ela acaricia. Ele confirma, ela consola. Ele é, certamente, Deus em quem o masculino e o feminino, a paternidade e a maternidade, estão totalmente presentes. Aquela mão direita carinhosa faz ecoar as palavras do profeta Isaías:
“Por acaso uma mulher se esquecerá da sua criancinha de peito? Não se compadecerá ela do filho do seu ventre? Ainda que as mulheres se esquecessem eu não me esqueceria de ti. Eis que te gravei nas palmas das minhas mãos” (Is. 49,15-16).

Há depois o amplo manto vermelho. Com sua cor quente e sua forma arcada, oferece um lugar de abrigo onde é bom estar. O manto cobrindo o corpo curvado do pai parece-nos uma tenda convidando o viajante cansado a encontrar algum repouso. Além disso, outra imagem, mais forte do que a da tenda, vem à mente: as asas protetoras do pássaro fêmea. A figura das asas de uma mãe vigilante representa a segurança que Deus oferece aos seus filhos. Exprimem cuidado, proteção, um lugar para repousar e se sentir a salvo. Ao contemplar o velho patriarca pintado por Rembrandt, debruçado sobre seu filho que volta e tocando seus ombros com suas mãos, passamos a ver não só um pai que aperta seu filho nos braços, mas também uma mãe que acaricia seu filho, envolve-o com o calor do seu corpo, e segura-o contra o ventre do qual ele se originou.
Assim, a “volta do filho pródigo” se torna a volta ao seio de Deus, o retôrno às origens do ser e

novamente faz ecoar a exortação de Jesus a Nicodemos para renascer do alto. Agora podemos perceber melhor a grande paz deste retrato de Deus. Não há sentimentalismo aqui, nem romantismo, nem um simples conto com um final feliz. O que vemos aqui é Deus como mãe, acolhendo de volta no seu ventre aquele que foi criado à sua semelhança. Os olhos quase cegos, as mãos, o manto, o corpo curvado, todos evocam o amor maternal de Deus, marcado por pesar, desejo, esperança e interminável expectativa.

Ser pai-mãe: deixar transparecer em nós os traços paternos e maternos de Deus; as mãos
que permioutros, doam, consolam, curam, acariciam e oferecem uma refeição festiva devem ser as nhas mãos; contemplar minhas mãos: foram dadas para serem estendidas no direção dos para oferecer a bênção, para socorrer, ajudar...

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful