Você está na página 1de 2

PA – 8

Nome: Maria Julia Gomes Cibreiros

1 Remédios afirmativos para a injustiça, entende-se os remédios voltados para


corrigir efeitos desiguais de arranjos sociais sem abalar a estrutura subjacente
que os engendra. Esses para tais injustiças são presentemente associados ao
“multiculturalismo mainstream”. Essa espécie de multiculturalismo propõe
compensar o desrespeito por meio da revalorização das identidades grupais
injustamente desvalorizadas, enquanto deixa intactos os conteúdos dessas
identidades e as diferenciações grupais subjacentes a elas. Por remédios
transformativos, em contraste, entende os remédios voltados para corrigir
efeitos desiguais precisamente por meio da remodelação da estrutura gerativa
subjacente. Em contraste, são presentemente associados à desconstrução.
Eles compensariam o desrespeito por meio da transformação da estrutura
cultural-valorativa subjacente. Desestabilizando as identidades e diferenciações
grupais existentes, esses remédios não somente elevariam a autoestima dos
membros de grupos presentemente desrespeitados; eles transformariam o
sentido do eu de todos. Com base na ideia da autora sobre a importância do
reconhecimento para a representação, primeiramente é feita a análise do que
seja espaço público e espaço privado na perspectiva de gênero para a
compreensão das esferas de estruturação dos papéis sociais de homens e
mulheres. Em seguida será examinada a teoria da redistribuição e do
reconhecimento de Nancy Fraser que servirá de base para o cotejo com as
políticas públicas nas questões de gênero.
2 Com base no vídeo, a representação feminina dentro da política é muito
baixa ocupando apenas 15%, sob meu ponto de vista não sou favor de quotas
que definam quantidades especifica de vagas para as mulheres para os cargos
legislativo, mas sim de uma igualdade de gênero do espaço na política, e com
um apoio maior dos partidos políticos com as mulheres.
3 Está prevista no ordenamento jurídico apenas garantia de 30% do fundo
partidário a campanhas de candidatura para as mulheres. Como minha
perspectiva é uma porcentagem baixa, ainda mais que na maioria das vezes os
partidos não depositam esperanças nas mulheres. Sou totalmente contra pois
em pleno século 21 ainda é necessário lutar pelo espaço da mulher, pois
enxergam as mulheres como incapazes de ocupar um certo lugar, quanto à
politica sou a favor de uma ocupação igualitária de gênero, para que seja justo
de ambos os lados.
4 Para que a representação feminina na politica fosse melhor do que a
situação atual, idealizo que houvesse maior imposição das mulheres por meio
de fortes movimentos feministas solicitando ao campo legislativo uma
ocupação igual na política e sem instalações de quotas, exigindo uma posição
igualitária de gênero do âmbito político.