Você está na página 1de 3

18/01/2021 SEI/GDF - 54313384 - Ofício

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL


INSTITUTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DE SAÚDE DO DISTRITO
FEDERAL
Diretoria Presidencial
Gabinete da Diretoria Presidencial
O cio Nº 191/2021 - IGESDF/IGES/DP/GAPRE Brasília-DF, 18 de janeiro de 2021.
Ao Senhor
Petrus Leonardo Barron Sanchez
Secretário Adjunto de Assistência à Saúde
Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Senhor Secretário Adjunto de Assistência à Saúde,

Cumprimentando-o cordialmente, em atenção ao O cio Nº 11/2021 - SES/SAA (54301720),


que versa sobre o cargo público de Superintendente do Hospital de Base, o qual opinou-se pela exoneração
do Dr. Lucas Seixas Doca Júnior, atualmente ocupado pelo do cargo de Superintendente do Hospital de Base,
gerido pelo Ins tuto de Gestão Estratégica do Distrito Federal - IGESDF.
Isso porque foi divulgado na imprensa que o referido Superintendente foi condenado em
segunda instância por homicídio culposo. Assim, conforme sugerido no O cio outrora encaminhado a este
Ins tuto, o Dr. Lucas Seixas não mais poderia ser man do no cargo, em razão de suposta existência de causa
de inelegibilidade, nos termos do art. 5º, § 3º, da Lei Complementar nº 840/2011 do Distrito Federal, do art.
1º, inciso I, “e”, 9, e “f”, da Lei Complementar nº Lei Complementar nº 64/1990 e do art. 1º do Decreto nº
33.564/2012 do Distrito Federal.
De início, cabe destacar que, nos termos do art. 1º do Decreto nº 39.674/2019, do Distrito
Federal, o IGESDF “é pessoa jurídica de direito privado, cons tuída sob a forma de Serviço Social Autônomo -
SSA, sem fins lucra vos, de interesse cole vo e de u lidade pública, que tem como obje vo prestar
assistência médica qualificada e gratuita à população e desenvolver a vidades de ensino, pesquisa e gestão
no campo da saúde, em cooperação com a Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal”.
Nesse contexto, em que pese ser uma pessoa jurídica de cooperação governamental e que,
portanto, colabora com o Poder Público, não integra o grupo de pessoas jurídicas da Administração
Indireta.
No ponto, vale dizer que, “por serem pessoas jurídicas de direito privado, as pessoas de
cooperação governamental sujeitam-se basicamente às regras de direito privado”.
Desse modo, em que pese a importância dos trabalhos e obje vos dos serviços sociais
autônomos, “O fato de serem elas subme das a algumas formas de controle especial por parte do Poder
Público não enseja seu enquadramento como pessoas da Administração Indireta”.
Portanto, ainda que o IGESDF preste relevante serviço à comunidade, em colaboração com o
Poder Público, não está subme do às regras a nentes à Administração Pública referidas no O cio nº
11/2021-SES/SAA, o que torna inaplicável a medida sugerida.
Ora, a análise dos disposi vos legais mencionados no referido O cio denota que as normas
nele inseridas estão voltadas a estabelecer o “regime jurídico dos servidores públicos civis da administração
direta, autárquica e fundacional e dos órgãos rela vamente autônomos do Distrito Federal.”(LC nº 840/2011
https://sei.df.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir_web&acao_origem=arvore_visualizar&id_documento=62348509&infra_sistema=1… 1/3
18/01/2021 SEI/GDF - 54313384 - Ofício

do DF) e “Regulamenta as hipóteses de impedimento para a posse e exercício na administração pública direta
e indireta do Poder Execu vo do Distrito Federal em função de prá ca de ato pificado como causa de
inelegibilidade.”(Decreto nº 33.564/12 do DF), conceitos nos quais não se insere o Ins tuto de Gestão
Estratégica do Distrito Federal – IGESDF, impedindo a exoneração do Superintendente por conta dos
disposi vos legais mencionados no O cio recebido por este Ins tuto.
Demais disso, cabe dizer que, ainda que aplicáveis ao Dr. Lucas Seixas, é certo que no presente
momento inexiste qualquer causa de inelegibilidade decorrente de condenação em segunda instância.
Ora, segundo o art. 1º, § 4º, da Lei Complementar nº 64/1990, a inelegibilidade prevista na
alínea “e” do inciso I – que embasou a sugestão de exoneração – não se aplica aos delitos culposos, o que
rechaça a proposição formulada no O cio recebido por este Ins tuto:
Art. 1º, LC nº 64/1990. São inelegíveis:
[...]
I - para qualquer cargo:
[...]
e) os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão
judicial colegiado, desde a condenação até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento da
pena, pelos crimes:
[...]
9. contra a vida e a dignidade sexual; e
[...]
§ 4o.A inelegibilidade prevista na alínea e do inciso I deste ar go não se aplica aos crimes
culposos e àqueles definidos em lei como de menor potencial ofensivo, nem aos crimes de ação penal
privada.
Dessa maneira, em conformidade com a legislação, não é cabível a exoneração do
Superintendente do Hospital de Base sob o argumento de que houve julgamento de processo por colegiado
do TJDFT.
Além disso, mesmo que o recurso de apelação apresentado pela Defesa do Dr. Lucas Seixas
tenha sido julgado pelo Tribunal de Jus ça do Distrito Federal e Territórios, ainda não foi esgotada a
jurisdição do mencionado Tribunal.
Veja-se que ao julgar o recurso na ação penal nº 0037500-72.2016.8.07.0001, a 2ª Turma
Criminal do TJDFT deu parcial provimento ao pedido defensivo, reduzindo a pena para 1 (um) ano.
Ademais, o Des. Silvânio Barbosa dos Santos proferiu voto absolvendo o Dr. Lucas Seixas das
acusações, ao reconhecer que a conduta do médico e da equipe de enfermagem estava de acordo com o
quadro clínico da paciente, sendo que o Dr. Lucas Seixas não agiu com negligência ao usar a aplicação de
plasma de argônio para o tratamento de reganho de peso em paciente que passou por cirurgia bariátrica,
tendo prestado o devido atendimento necessário a paciente.
Nesse enredo, diante da existência de voto absolutório, é cabível novo recurso defensivo ainda
no âmbito do Tribunal de Jus ça do Distrito Federal e Territórios, a ser apreciado pela Câmara Criminal da
mencionada Corte, oportunidade em que poderá prevalecer o posicionamento absolutório.
Portanto, considerando a inaplicabilidade da legislação apontada no O cio nº 11/2021-
SES/SAA ao presente caso, bem como que a segunda instância ainda não se esgotou, pois admissível novo
recurso junto ao TJDFT, sendo certo que imperam no Direito brasileiro os princípios da presunção de
inocência e do contraditório (art. 5º, incisos LVII e LV, da Cons tuição Federal), a exoneração do

https://sei.df.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir_web&acao_origem=arvore_visualizar&id_documento=62348509&infra_sistema=1… 2/3
18/01/2021 SEI/GDF - 54313384 - Ofício

Superintendente não se mostra medida justa ou salutar ao desenvolvimento das a vidades em prol da saúde
do Distrito Federal, devendo o Dr. Lucas Seixas Doca Júnior ser man do no posto atual.
Ademais, cabe dizer que a medida não implica em fragilizar a imagem e credibilidade do
IGESDF ou da Secretaria de Saúde do Distrito Federal ou do Governo do DF, pois devidamente amparada na
legislação vigente e na capacidade profissional do Superintendente.
Frise-se que os fatos que culminaram na ação penal ainda sob análise do TJDFT não têm
qualquer relação com as a vidades desenvolvidas pelo Dr. Lucas Seixas como Superintendente do Hospital
de Base, tampouco com qualquer função de algum modo relacionada ao Poder Público. Em verdade, a
situação ainda sob esclarecimento ocorreu em clínica par cular, sem qualquer nexo de causalidade com as
a vidades man das junto ao IGESDF, o que reforça a desnecessidade de exoneração, pois não aponta
nenhuma incompa bilidade com o exercício do cargo.
Por fim, importa dizer que a referida manutenção do Superintendente não acarretará em
vulneração de regras do Conselho Federal de Medicina, tampouco configurará an é co ou desabonador da
confiança do público, pois, além de não causar qualquer prejuízo aos expressivos trabalhos exercidos pelo
IGESDF, está devidamente amparada na legislação e nos princípios que regem o Estado brasileiro.
Diante do exposto, o Dr. Lucas Seixas Doca Júnior deve ser man do no cargo de
Superintendente do Hospital de Base.
No ensejo, renovamos os nossos protestos de elevada es ma e dis nta consideração.

Atenciosamente,

Paulo Ricardo Silva


Diretor-Presidente
Diretoria da Presidência
presidencia@igesdf.org.br
(+55) 61 3550-8767

Documento assinado eletronicamente por PAULO RICARDO SILVA - Matr.0000859-7, Diretor(a)-


Presidente, em 18/01/2021, às 09:30, conforme art. 6º do Decreto n° 36.756, de 16 de
setembro de 2015, publicado no Diário Oficial do Distrito Federal nº 180, quinta-feira, 17 de
setembro de 2015.

A auten cidade do documento pode ser conferida no site:


h p://sei.df.gov.br/sei/controlador_externo.php?
acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0
verificador= 54313384 código CRC= 669671F5.

"Brasília - Patrimônio Cultural da Humanidade"


SMHS - Área Especial - Quadra 101 - Brasília - DF - Bairro Asa Sul - CEP 70335900 - DF
35505900
Site: - igesdf.org.br

00060-00024569/2021-80 Doc. SEI/GDF 54313384

https://sei.df.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir_web&acao_origem=arvore_visualizar&id_documento=62348509&infra_sistema=1… 3/3

Você também pode gostar