Você está na página 1de 10

A questão do mal

Sumário
Introdução
1 A experiência humana do mal na história da teologia moral
1.1 Primeira experiência humana do mal
1.2 Na historia da teologia moral
2 Características do mal
3 Simbólica do mal
4 Culpa e pecado
5 Formas de expressão
6 Resposta ao mal
7 Jesus frente ao mal
Referências
Introdução
Antes de iniciar o desenvolvimento de cada um dos pontos mencionados, é necessário situar,
de forma muito breve, o assunto do mal. Em primeiro lugar, é importante notar que o problema do
mal tem sido e pode ser abordado de várias maneiras, por exemplo, a partir de um ponto de vista
psicológico; outros acreditam que o mal é uma questão de natureza metafísica, outros que é quase
exclusivamente moral. Mas, em primeiro lugar, todos concordam que o mal é uma realidade que
afeta os seres humanos. Em segundo lugar, há várias teorias sobre a natureza do mal, entre as quais
estão aquelas que dizem: a) o mal faz parte da realidade; b) o mal é o último grau de ser, entendido
este grau como pobreza ontológica; c) o mal faz parte do real, mas como uma entidade que opera
dinamicamente e contribui para o desenvolvimento lógico-metafisico do que existe; d) o mal é o
sacrifício que executa uma parte para o benefício do todo; e) o mal é uma completa falta de
realidade, é pura e simplesmente o não ser; f) o mal é concebido como um afastamento de Deus e,
nesta perspectiva religiosa, é concebido como uma manifestação do pecado. Em terceiro lugar, as
doutrinas mais importantes sobre a origem do mal apresentam que: a) o mal procede de Deus ou da
causa primeira; b) o mal tem sua origem no ser humano; c) o mal é o resultado do acaso; d) é uma
consequência da natureza, da matéria ou de outras fontes. Tradicionalmente, os tipos de males
foram classificados entre o mal físico, o que equivale a dor e sofrimento, e o mal moral, que é
identificado com o pecado (e alguns autores concluem que esta é a origem do mal físico). A partir
de Leibniz, que classificou o mal em três tipos – metafísico, físico e moral –, fala-se também do mal
metafísico. Há, também, as seguintes maneiras de enfrentar o mal, ou atitudes frente a este que se
identificaram: a) a aceitação do mal; b) o desespero; c) a fuga; d) a adesão; e) a ação individual ou
coletiva para transformar radicalmente o mal (FERRATER MORA, 1979, p. 2079-2086).
Finalmente, é importante ressaltar que a maioria das religiões tem entendido o problema do
mal essencialmente desde sua dimensão moral e não como uma questão física ou metafísica, mas
nas histórias míticas todos estes aspectos estão sempre relacionados. Para a grande maioria das
religiões o mal consistiu em uma violação da lei divina, portanto, o sofrimento, dor e morte são
consequências da infração (GONZÁLEZ, 2014, p. 49).
1 A experiência humana do mal na historia da teologia moral
1.1 Primeira experiência humana do mal
Devemos começar destacando que abordar uma reflexão sobre a questão do mal não é uma
tarefa fácil ou simples, porque de todos os problemas, a presença do mal no mundo é, sem dúvida, o
que levanta mais perguntas. A dificuldade reside, também, na multiplicidade de abordagens devido
à diversidade de maneiras com que se apresenta o mal (LATOURELLE, 1984, p. 335-337).
Da mesma forma, devemos esclarecer que levantar a questão do mal em termos de problema é
uma consideração que pode ser incompleta e insuficiente, uma vez que o mal é uma realidade
também apresentada como um mistério (LACOSTE, 2007, p. 733). Podemos dizer que se o mal é
tanto problema quanto mistério, a sua abordagem não pertence exclusivamente ao campo filosófico,
mas também ao campo religioso e teológico (LATOURELLE, 1984, p. 337-339).
Todo o enigma do mal radica em que entendemos sob o mesmo termo, pelo
menos na tradição judaico-cristã ocidental, fenômenos tão diversos como,
em uma primeira aproximação, o pecado, o sofrimento e a morte. Pode-se
mesmo dizer que, se a questão do mal se distingue de pecado e culpa, é
porque o sofrimento é constantemente tomado como um termo de
referência (RICOEUR, 2007, p. 23-24).
Além disso, o fenômeno do mal é um fato indiscutível na experiência humana (BRAVO, 2006,
p. 17). De uma coisa, todos os seres humanos, e não apenas os cristãos, estamos cientes: a
existência do mal. Nós não precisamos de uma revelação particular ou uma demonstração específica
para verificar a experiência dos seus efeitos (GUTIERREZ, 2014, p. 21). Todos nós podemos ver
como “o problema do mal corta como uma espada, dura e terrível, toda a história da humanidade.
Nenhuma cultura, e dentro dela nenhum indivíduo poderia escapar de seu enfrentamento”
(TORRES, 2011, p. 11). A partir desta experiência do mal surgem questões prementes. Por que a
fome? Por que os genocídios? Por que tal crueldade? Por que tantas guerras sem sentido? Por que o
sofrimento de tantos seres humanos inocentes? (RUBIO, 1999, p. 151-155).
Esta experiência humana do mal é encontrada em fenômenos naturais como terremotos, secas,
vulcões, inundações etc.; em males físicos e psíquicos que estão relacionados com a doença física e
mental. Do mesmo modo a experiência do mal está presente no mal moral que afeta os indivíduos e
grupos. Poderíamos dizer que o último, o mal moral, desde uma perspectiva teológica, refere-se ao
pecado. Tem sua origem no coração do homem e é a causa da maioria das doenças físicas e
psíquicas (LATOURELLE, 1984, p. 339-340). Portanto, a experiência do mal é teologicamente
ligada ao que chamamos de pecado estrutural, o pecado coletivo ou pecado social (ESTRADA,
2012, p. 92). Assim, o mal moral refere-se a uma problemática de liberdade. Intrinsecamente.
Assim, é possível ser responsável por ele, assumi-lo, confessá-lo e combatê-lo. O mal está inscrito
no coração do ser humano. O mal remete a uma questão da liberdade, ou da moral (RICOEUR,
2007, p. 15). Se é assim, a questão já não é de onde vem o mal, mas de onde vem que o homem faça
o mal.
1.2 Na historia da teologia moral
Os Padres da Igreja, desde Orígenes, Clemente de Alexandria, Gregório de Nissa, até
Agostinho, levantaram o problema do mal com referência à criação. No entanto, e desde Agostinho,
o mal é concebido não só como negatividade, mas, acima de tudo, como a decisão livre da pessoa. A
causa é a deficiência da pessoa que se aplica a toda a sua vontade. Pois, embora o ser humano tenda,
por sua natureza, para o bem, sempre há a possibilidade de escolher o mal. Nisso reside a grandeza
do homem, mas também a maior deficiência do seu ser (GONZALEZ, 2014, p. 5-9). A partir desta
abordagem falamos não de mal, mas do pecado constitutivo, e este como uma causa do pecado
pessoal e do mal moral.
2 Características do mal
No contexto da racionalidade ocidental e da religião judaico-cristã, o mal se caracteriza por
ser universal, irracional, pessoal e social. É universal porque nele testemunham os mitos mais
antigos que procuram explicar a presença do mal no mundo[1].
Todas as etapas da história são atravessadas pela presença do mal que, sob diversas formas,
chega até o presente. O mal, pelo menos como uma ameaça,  é encontrado em todas as realidades
criadas e adota uma multiplicidade de formas, portanto, podemos dizer que a sua presença é
universal e pluridimensional (GELABERT, 1999, p. 191-192). O mal é irracional. O mal é sempre
irracional, não tem razão de ser e está além de toda razão (GELABERT, 1999, p. 192-193). Como
exemplo, podemos ver essa irracionalidade nos campos de concentração de Auschwitz, nos
bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, apenas para ilustrar o que dizemos. No entanto, são muitas
as situações que mostram a irracionalidade do mal.
Uma das características mais importantes é que o mal é um problema da liberdade humana.
Por esta razão, o ser humano pode ser responsável por ele, aceitá-lo, confessá-lo e combatê-lo. O
mal está escrito no coração do homem, portanto, o mal é também de ordem moral, como já
tínhamos apontado (RICOEUR, 2007, p. 15).
3 Simbólica do mal
A simbólica do mal é uma tentativa de interpretar, compreender e explicar a questão do mal.
Em outras palavras, é uma hermenêutica porque, como diz Ricoeur, “se ‘o símbolo dá que pensar’,
o que a simbólica do mal dá que pensar se refere à grandeza e ao limite de qualquer visão ética do
mundo, já que o homem que mostra esta simbólica não parece menos vítima que culpado”
(RICOEUR, 2004, p. 17). Os símbolos são signos que expressam e comunicam um sentido, Ricoeur
justamente diz que mythos já é logos  (RICOEUR, 2004, p. 179-183). Dentro das cosmovisões
religiosas que Ricoeur apresenta, podem ser descritos quatro tipos de mitos sobre o mal: 1) na
primeira narrativa mítica, Ricoeur situa o início do mal na origem mesma do ser, nos deuses que
criam o mundo; 2) em um segundo grupo de mitos, afirma que o destino marca os acontecimentos e
o mal, portanto, é intrínseco à existência e ao sofrimento permanente; 3) o terceiro é o mito adâmico
judaico-cristão, que diz que foi o ser humano quem introduziu o mal no mundo; 4) finalmente, há o
mito órfico, que indica que uma alma de origem divina é aprisionada em um corpo que a arrasta
para o mal (DE COSSIO, 2011, p. 338-339). Não há, na verdade, uma linguagem direta, não
simbólica, do mal padecido, sofrido ou cometido. Ou seja, o homem já se reconhece a si mesmo
como responsável ou vítima de um mal que o ataca e que é expresso, desde um princípio, numa
simbólica (RICOEUR, 2004, p. 27). No entanto, os símbolos do mal, por excelência, são a
indigência e a finitude (ESTRADA, 2012, p. 74)
4 Culpa e pecado
Foi dito no primeiro ponto deste escrito que o mal é concebido não só como falta ou
negatividade, mas também como livre escolha do ser humano. É que “o mal pertence ao drama da
liberdade humana. É o preço da liberdade” (SAFRANSKI, 2005, p. 10). Assim, é a partir dessa
abordagem que deveríamos falar, já não do mal, mas do pecado constitutivo[2]. No entanto, falando
do pecado, devemos dar um passo adiante, e é o passo da razão à fé, porque, como Ricoeur observa,
o relacionamento pessoal com Deus estabelece o espaço espiritual no qual se tenta explicar o mal,
mas no nível do pecado. Portanto, a categoria que rege a noção do pecado é a que o compreende
como algo feito “diante de Deus”. Assim, o pecado é uma magnitude religiosa antes de ser ético,
não há a lesão de uma regra abstrata ou a violação de uma lei ou regulamento, mas, principalmente,
é a quebra de uma ligação pessoal (RICOEUR, 2004, p. 214). E o mal não aparece apenas como
uma carência, mas como o rompimento de um relacionamento (BRAVO, 2006, p. 218).
Além do pecado pessoal, existe a realidade de um pecado social ou estrutural, no sentido de
que todo pecado pessoal tem um impacto sobre toda a comunidade (MATHIAS, 2011). O autor
afirma, em seu livro, que existe um pecado estrutural, cujo sujeito está constituído pela comunidade
presente naquela instituição social que ataca abertamente a vida humana, analisando os efeitos nos
quais se reconhece a existência de um pecado estrutural num dado sistema social (VIDAL, 2012, p.
261-292).
5 Formas de expressão
É um fato indiscutível que o ser humano habita um mundo onde o mal existe e no qual se
podem reconhecer vários tipos ou formas como ele se expressa (MONTERO, 2010, p. 7). Entre as
várias manifestações do mal, que o homem reconhece, estão os desastres naturais, o mal físico que
se manifesta em doenças como o câncer, a AIDS, o Ebola, as doenças mentais etc. No entanto, a
presença do mal moral – como as guerras, o terrorismo, a fome, a crueldade, a pena de morte, a
exploração e o abuso de mulheres e crianças, o mal disfarçado de progresso, a corrupção e um sem
fim de eteceteras (LOPEZ, 2012, 20-49) – deve nos fazer pensar que somos todos responsáveis.
Para ilustrar isso, apresentamos alguns dados. Em 2000, o presidente do Banco Mundial, disse:
São muitos os países onde o HIV/AIDS impediu o aumento da expectativa
de vida e causou tanta dor e sofrimento. São muitos os países onde as
armas, a guerra e os conflitos têm minado o desenvolvimento (…) Vivemos
num mundo marcado pela desigualdade. Algo está errado quando os 20%
mais ricos da população mundial recebem mais de 80% da renda global.
Algo está errado quando 10% da população recebem metade da renda
nacional, como acontece num grande número de países. Algo está errado
quando a renda dos 20 países mais ricos é 37 vezes a média da renda dos 20
países mais pobres, uma diferença que aumentou mais do que o dobro nos
últimos 40 anos. Algo está errado quando 1,2 bilhão de pessoas ainda
vivem com menos de 1 dólar por dia e 2,8 bilhões com menos de 2 dólares. 
Num momento em que todas as forças estão fazendo o mundo menor, é
hora de mudar nossa maneira de pensar. É hora de perceber que vivemos
juntos em um mundo, não em dois; que essa pobreza está na nossa
comunidade, onde quer que vivamos. É nossa responsabilidade. É hora de
os líderes políticos reconhecerem essa obrigação (WOLFENSOHN, 2000).
Stiglitz, prêmio Nobel de Economia, diz que 1% da população tem o que 99% precisa. Esse
1% da população goza das melhores casas, a melhor educação, os melhores médicos e o melhor
padrão de vida.
Em 1 de abril de 2014, Jim Yong Kim, presidente do Banco Mundial, afirmou:
Vivemos em um mundo de desigualdades. As disparidades entre ricos e
pobres são tão evidentes aqui em Washington como em qualquer outra
capital do mundo. No entanto, para muitos de nós no mundo dos ricos, as
pessoas que estão excluídas do progresso econômico  permanecem, em
grande medida, invisíveis. Como o Papa Francisco expressou textualmente:
“Que algumas pessoas desabrigadas morram de frio na rua não é notícia.
Pelo contrário, uma queda (…) nas bolsas é uma tragédia”.
O Papa Francisco, na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, diz:
Assim como o mandamento “não matar” põe um limite claro para assegurar
o valor da vida humana, assim também hoje devemos dizer não a uma
economia da exclusão e da desigualdade social. Esta economia mata. Não é
possível que a morte por enregelamento dum idoso sem abrigo não seja
notícia, enquanto o é a descida de dois pontos na Bolsa. Isto é exclusão.
Não se pode tolerar mais o fato de se lançar comida no lixo, quando há
pessoas que passam fome. Isto é desigualdade social. Hoje, tudo entra no
jogo da competitividade e da lei do mais forte, onde o poderoso engole o
mais fraco. Em consequência desta situação, grandes massas da população
veem-se excluídas e marginalizadas: sem trabalho, sem perspectivas, num
beco sem saída. (FRANCISCO, 2013, n. 53)
Vivemos em um mundo dilacerado pela injustiça, a fome, as guerras, e assim por diante. E nós
estamos fazendo algo errado, porque estes números e muitos outros relatórios apresentados a cada
ano mostram que a desigualdade no mundo, em vez de diminuir, está aumentando.
6 Resposta ao mal
Deveria ser um fato indiscutível que “o mal convoca todos para lutar em uma frente comum:
encontrar respostas que, apesar dos terríveis e intermináveis desafios do mal, permitam viver sem
sucumbir ao absurdo e sem render-se para reparar os danos e procurar as melhorias possíveis”
(TORRES, 2011, p. 111). No entanto, contra o mal encontramos uma variada gama de respostas,
entre as quais estão: a aceitação alegre do mal (atitude que encontra no mal satisfação ou
complacência); a aceitação resignada (atitude passiva ou racionalizada ante o mal); o desespero
(atitude de escape psicológico); a adesão (atitude de submissão ou  reconciliação com o mal); e,
finalmente, a ação (atitude de confronto e contestação) individual e comunitária (FERRATER
MORA, 1979, p. 2084).
Não há dúvida que, para a teologia, a realidade do mal é um desafio (RICOEUR, 2007) e um
convite para pensar nele como a raiz comum do pecado e do sofrimento. A questão do mal exige
uma convergência de pensamento e ação que, política e moralmente, por sua vez, requer uma
transformação de sentimentos. Portanto, a partir dessa transformação surge não a clássica pergunta
“por que o mal”, mas “o que fazer contra o mal?” (Ricoeur, 2007, p. 25, 58, 60).
A resposta da fé em um Deus que livremente e gratuitamente se autocomunica ao homem (DV
n. 2), nos leva a afirmar, com Ellacuría, que é preciso enfrentar a realidade, carregar a realidade e
responsabilizar-se por transformá-la (ESTRADA, 2012, p. 789). Importante ter em conta que J.
Sobrino considera a misericórdia ante o sofrimento das vítimas como a atitude fundamental de todo
ser humano justo e como uma categoria articuladora da reflexão teológica (TAMAYO-ACOSTA,
1999, p. 241-242). Esta abordagem para a ação não pretende dar uma solução pronta, mas
apresentar apenas o esboço de uma resposta (BRAVO, 2006, p. 220), porque sabemos que “o
triunfo humano sobre o mal é sempre parcial e cada conquista é precária, prelúdio de novos desafios
(…)” (ESTRADA, 2012, p. 87). No entanto, em face do mal, temos de ter esperança, porque o amor
de Deus encarnado em Jesus capacita o ser humano para gerar o bem a partir da experiência do mal
(ESTRADA, 2012, p. 94). Não há dúvida que o mistério do mal é muito profundo, mas ainda mais
profundo é o abismo do amor de Deus. A força para lutar contra o mal é encontrada em um Deus
que se comprometeu com um amor misericordioso na cruz e nos dá a esperança da vitória na
ressurreição. Consequentemente, o que nos faz cristãos é acreditar que a última e definitiva palavra
de esperança na luta contra o mal chegou até nós na cruz e ressurreição (TORRES, 2005a, p. 267)
de Cristo, de quem se disse que: “(…)  andou fazendo o bem (…)” (At 10,38).
7 Jesus frente ao mal
Na seção anterior, fizemos uma breve aproximação do tema da resposta ao mal e insinuamos
os limites e as possibilidades que tem. Temos também insinuado que a força e esperança, nesta
tentativa de responder ao mal, são encontradas no amor de um Deus que se autocomunicou em
Jesus de Nazaré. Por isso, olhar como Jesus se posicionou contra o mal pode guiar-nos nesta grande
tarefa pendente de reagir e combater o mal.
Devemos começar por salientar que um dos traços característicos de Jesus é a sua
sensibilidade ao sofrimento. “E, vendo as multidões, teve grande compaixão delas, porque andavam
cansadas e desamparadas, como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9,36). Essa sensibilidade é
transformada em compaixão e solidariedade com aqueles que sofrem e isso é demonstrado na
parábola do Bom Samaritano (Lc 10,29-37), em que fica evidente que não é suficiente o
cumprimento dos deveres religiosos, mas o nosso amor por Deus deve ser traduzido em
solidariedade efetiva com os que sofrem (TAMAYO-ACOSTA, 1999, p. 243). Devido à sua
sensibilidade ao sofrimento, Jesus é solidário com aqueles que são estigmatizados e excluídos por
causas religiosas, políticas e sociais, como os leprosos (Lc 5,12-15; 17,11-19; Mt 8,1-4), os cegos
(Mt 9,27-31), os paralíticos (Mt 9,1-8; Lc 5,17-26), os possuídos por demônios (Mt 8,28-34; 9,32-
34), os pecadores (Mt 9,10-13; Lc 5,29-32; Lc 7,36-50) os samaritanos (Jo 4,9-10) etc. São relações
de reconhecimento e acolhida. É uma solidariedade tão profunda que o próprio Jesus se identifica
com todos aqueles que sofrem:
Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber;
era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me
visitastes; preso, e fostes ver-me (…). Em verdade vos afirmo que, sempre
que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.  (Mt
25, 31-46)
Porém, Jesus não fica apenas no tratamento misericordioso, solidário e compassivo com os
que sofrem, Ele vai além e denúncia os poderes religiosos, políticos, sociais e econômicos que estão
causando esse sofrimento (Mt 23,1-32; Lc 11,37-54). Poderíamos dizer que sua atitude com os
marginalizados, excluídos e estigmatizados por todos esses poderes já é uma denúncia e um
confronto contra o mal, esse mal que teologicamente identificamos com o pecado social ou com as
estruturas de pecado (NEBEL, 2001, p. 292-340; SARMIENTO, 1987, p. 869-881; MOSER, 1992,
p. 1369-1383)
Resulta evidente que a perseguição, o juízo, a condenação, a cruz e a morte que Jesus sofreu
foi o resultado da sua vida, da sua luta contra o mal e do seu compromisso com a justiça e com o
bem (GELABERT, 1999, p. 217). Portanto, a cruz não é um sinal da fraqueza de Deus, mas um
símbolo da força do seu amor. A cruz não é o símbolo de um Deus que pacientemente aceita o
sofrimento, ao ser ele próprio vítima do mal, pelo contrário, a cruz é o grito de protesto mais forte
que alguém pode manifestar contra o mal.
A cruz não é um sinal de fracasso e desespero na luta contra o mal, porque “(…) Deus se
solidariza com a vítima (…) Deus está no crucificado e em todos os massacrados da história,
incluindo aquele que pendurava no arame farpado de Auschwitz (…) Deus está envolvido no mal
não desde o poder, mas desde o amor (…) Não elimina a morte, mas oferece, desde ela, a vida”
(LOIS, 2004, p. 35-36).
Ao observar qual é a atitude de Jesus contra o mal, devemos ter em mente que “a referência
vinculante à memória do crucificado e ressuscitado, memória subversiva e subjugante (…) permite
intuir ao crente o que é que seu Deus quer dele na relação com o mal existente (LOIS, 2004, 40).
Portanto, o Cristianismo não é, em  primeiro lugar, uma doutrina que deve ser mantida o mais pura
possível, mas uma práxis que devemos viver da maneira mais radical possível  (METZ, 1982, p.
33).
Algo parece claro a partir da vida e a mensagem de Jesus, da sua morte e
ressurreição, Deus, o seu Deus, como diz Schillebeeckx, é o antimal. Esta é
a grande contribuição da fé cristã ao problema do mal. Ao colocar Jesus no
centro da sua vida e mensagem, o serviço a um reino de justiça e
fraternidade, a luta contra o mal torna-se componente essencial da vida de
cada seguidor de Jesus (LOIS, 2004, p. 40).
A atitude de Jesus contra o mal mostra que nem o pecado nem a morte têm a última palavra. A
última palavra é a proximidade amorosa e clemente do Deus que se comunicou a si mesmo e quis
vir fazer parte da nossa história.
 María Isabel Gil Espinosa. Pontificia Universidad Javeriana, Colombia. Texto original em
espanhol[3]
Referências
 BRAVO, L., C. S.J. (ed. Germán Neira F. S.J.) El problema del mal. Bogotá: PUJ, 2006.
ESTRADA, J. A. El mal y la creencia en Dios. In: GÓMEZ-NOVELLA, A. D. (Dir.). Misterio
del mal y fe cristiana. Valencia: Tirant Humanidades, 2012. p.69-100.
FERRATER MORA, J. El mal. In: ______. Diccionario de filosofía, 2. Buenos Aires:
Sudamericana, 1979.
FRANCISCO, Exhortación apostólica Egangelii Gaudium, 2013. Disponível
em: http://w2.vatican.va/content/francesco/es/apost_exhortations/documents/papa-
francesco_esortazione-ap_20131124_evangelii-gaudium.html Acesso em: 30 nov 2014.
GELABERT, M. El mal como estigma teológico. ¿Un signo de interrogaciónenel discurso
sobre Dios? Moralia: Revista de Ciencias Morales, v.22, n.82-83 (Abr-Sep 1999) p.191-222.
GONZÁLEZ, A. Dios y la realidad del mal desde el pensamiento de Zubiri. Disponível
em: http://www.praxeologia.org/malum97.html Acesso em: 5 jul 2014.
GUTIERREZ, H. Il male: tra cosmología, antropología e teología. In: Ce. Do. MEI, Livorno,
Pharus, 2014. p.21-30.
KIM, JIMYONG. Discurso del presidente del grupo del Banco mundial, ante el Consejo de
Relaciones exteriores. Washington, DC Estados Unidos, abril, 2014. Disponível
em: http://www.bancomundial.org/es/news/speech/2014/04/01/speech-world-bank-group-president-
jim-yong-kim-council-on-foreign-relations Acesso em: 5 dez 2014.
LACOSTE, J.Y. El mal. In: LACOSTE, J.Y. (Dir.) Diccionario crítico de teología. Madrid:
Akal, 2007. p.731-734.
LATOURELLE, R. El hombre y sus problemas a la luz de Cristo. Salamanca: Sígueme, 1984.
p.335-359.
LOIS F, Julio, El silencio de Dios y el sufrimiento del hombre. (A vueltas con Job y con
Auschwitz: posibilidad o imposibilidad de la teodicea). In: BARCENA, Fernando, et al. La
autoridad del sufrimiento. El silencio de Dios y preguntas del hombre. Barcelona: Anthropos, 2004.
LÓPEZ R., M. A. Los rostros del mal hoy. In: GÓMEZ-NOVELLA, A. D. (Dir.) Misterio del
mal y fe cristiana. Valencia: Tirant Humanidades, 2012. p.19-50.
METZ, J. B. Más allá de la religión burguesa. Salamanca: Sígueme, 1982.
MONTERO, S. (Coord.) Los rostros del mal. Instituto Universitario de Ciencias de las
Religiones. Madrid: Khaf, 2010. Resenha: De Cossio, P. M. ’Ilu. Revista de Ciencias de las
Religiones, n.16, 2011 p.337-340. Disponível em: http://revistas.ucm.es/
index.php/ILUR/article/view/37718/36501 Acesso em: 20 ago 2014.
MOSER, A. Pecado estructural. In: COMPAGNONI, F.; PIANA, G.; PRIVITERA, S.
(Dirs.) Nuevo diccionario de teología moral. Madrid: Paulinas, 1992. p.1369-1383.
NEBEL, Mathias. La categoría moral del pecado estructural ensayo de teología
sistemática. Madrid: Trotta, 2011.
RICOEUR, P. El mal un desafío a la filosofía y a la teología. Madrid: Amorrortu, 2006.
(reimpressão 2007).
_____. Finitud y culpabilidad (comprende as obras L’homme faillible e La symbolique du
mal). Madrid: Trotta, 2004.
RUBIO, M. El mal nuestro de cada día. Moralia: Revista de Ciencias Morales,.v.22, n.82-83
(Abr-Sep 1999) p.151-172.
SAFRANSKI, R. El mal o el drama de la libertad. Barcelona: Tusqhets, 2005.
SARMIENTO, A. El pecado social. ScriptaTheologica, n.19, 1987. p.869-881.
STIGLITZ E. J. El precio de la desigualdad. El 1% de la población tiene lo que el 99%
necesita. Bogotá: Distribuidora y Editora Aguilar, Altea, Taurus, Alfaguara, 2012.
TAMAYO-ACOSTA, J. Viernes santo en la sociedad del bienestar social. La experiencia del
mal desde la perspectiva de las víctimas. Moralia, n.22, 1999. p.223-252.
TORRES, A. La realización concreta de la esperanza: el mal desde la cruz y la
resurrección. TheológicaXaveriana, n.154, 2005a. p. 267-292.
______. Repensar el mal. De la ponerología a la teodicea. Madrid: Trotta, 2011.
VIDAL, M. El mal moral estructural. Lugar hermenéutico de la responsabilidad moral y de los
valores éticos. In: GÓMEZ-NOVELLA, A. D. (Dir.) Misterio del mal y fe cristiana. Valencia: Tirant
Humanidades, 2012. p.261-292.
WOLFENSONHN, J. D. Presidente Grupo Banco Mundial. Discurso à Junta de
Governadores, Praga, República Checa, 26 de setembro de 2000. Disponível
em:  http://wwwwds.worldbank.org/external/default/WDSContentServer/WDSP/IB/2009/11/12/000
334955_20091112040027/Rendered/PDF/ATTAZNN7.pdf Acesso em: 5 dez 2014.
Para aprofundar mais
ABINGDON, O. The origin of our knowledge of right and wrong. New York: Routledge:
Taylor & Francis Group, 2009.
ALBERTOS, J. E. El mal en la filosofía de la voluntad de Paul Ricoeur. Pamplona:
Universidad de Navarra, EUNSA, 2008.
ARENDT, H. La condición humana. Trad. castellhana de Ramón Gil Novales. Barcelona:
Paidós, 2002.
AYAN, S.  Más allá de la maldad. Mente y Cerebro, n.52, Ene-Feb 2012. p.75-77.
BARAHONA, A. El Problema del Mal en R. Girard. Religión y Cultura, v.44, n.206, Jul-Sep
1998. p.513-536.
BOTERO, A. G. El mal radical y la banalidad del mal. Las dos caras del horror de los
regímenes totalitarios desde la perspectiva de Hannah Arendt. Universitas Philosophica, v.30, n.60,
Ene-Jun 2013. p.99-126.
CARBONELL,  J. Una reflexión sobre el problema del mal. Revista Javeriana, v.95, n.471,
Ene-Feb 1981. p.53-59.
CARDONA, L. F.  Mal y sufrimiento humano un acercamiento filosófico a un problema
clásico. Bogotá: PUJ, 2013.
CASTILLO, M. Realidad y transcendentalidade nel planteamiento del problema del mal según
Xavier Zubiri. Tese (Doutorado em Filosofía), PUG, Roma, 1997.
CE.DO. MEI. Le religioni e il problema del male. Livorno: Pharus, 2014. p.31-44.
COOPER, T. D. Las dimensiones del mal las perspectivas actuales. Bilbao: Mensajero, 2009.
DÍAZ, J. A. Fuentes del mal. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2012.
DUQUOC, Ch. O.P. El mal, enigma del bien. Selecciones de Teología, v.l30, n.118, Abr-Jun
1991. p.83-90.
ECHEVERRÍA, J. Ciencia del bien y el mal. Barcelona: Herder, 2007.
FABRIS, A. Le religione come risposta al problema del male: un approccio filosófico.
In: Ce.Do. MEI. Livorno: Pharus, 2014. p.31-44.
FRAIJÓ, M. Dios. El mal y otros ensayos. Madrid: Trotta, 2004.
HAAG, H. El problema del mal. Barcelona: Herder, 1981.
LATOURELLE, R. El mal moral. In: Latourelle, R.; FISICHELLA, r. Diccionario de Teología
fundamental. Madrid: Paulinas, 1992. p. 849-858.
Marcel, N. El enigma del mal. Cantabria: Sal Terrae, 2010.
MATHIAS, N. Perspectivas filosófico-teológicas de la obra de Hannah Arendt. Moralia:
Revista de Ciencias Morales, v.24 Tomo 3, n.89, Ene-Mar 2001. p.119-140.
NEIRA, E. S.J. Problemas theilardianos II: el problema del mal y del pecado. Revista
Javeriana, v.75, n.372, Mar 1971. p.169-181.
NEUSCH, M.  El enigma del mal. Maliaño, Cantabria: Sal Terrae, 2010. 216 N38.
PEÑA, J. El mal para Ricoeur. 2ª Cuadernos de anuario filosófico, U. de N. Disponível
em: http://www.unav.es/filosofia/publicaciones/cuadernos/serieuniversitaria/ Acesso em: 5 jul 2014.
PÉREZ, F. J. S.J. El problema del mal reexaminado. Revista Estudios Eclesiásticos v.66,
n.256, 1991. p.67-86.
QUESADA, J. La filosofía y el mal. Madrid: Síntesis, 2004.
SEGUNDO, J. L. S.J.   Evolución y culpa. Buenos Aires: Lohle, 1972.
SERRANO DE HARO, A. Sobre la Trivialidad del Mal. A Modo de Introducción Al
Pensamiento de Hannah Arendt. Letras de Deusto v.27, n.74, Ene-Mar 1997. p.25-41.
SOLOVYOV, V. S. La justificación del bien ensayo de filosofía moral. Salamanca: Sígueme,
2011.
TAMAYO-ACOSTA, J. J. El Mal. Dimensiones Teológico Morales. Moralia: Revista de
Ciencias Morales, v.22, n.82-8, Abr-Sep 1999. p.223-252.
TORRES, A. La estructura fundamental de la esperanza bíblica. Theológica Xaveriana, n.154,
2005b. p. 227-252.
ZIMBARDO, P. G. El efecto Lucifer: el por qué de la maldad. Barcelona: Paidós, 2008.
[1] “O mal está nos mitos mais antigos como um poder cujas raízes estão em um caos
primordial ou nos domínios do divino. Pertence, como disse M. Eliade, o mundo da religião e
supera as possiblidades do conhecimento da ação humana até que, nos tempos modernos, começa a
sofrer um processo de secularização.” (Montero, 2010, 6-7)
[2] “A decisão de entrar no problema do mal pela porta estreita da realidade humana não
expressa, portanto, senão a escolha de uma perspectiva central (…) Vai-se objetar que a escolha
desta perspectiva é arbitrária, que é, em um sentido forte da palavra, preconceito. Em absoluto. A
decisão de enfrentar o mal do ponto de vista do homem e da sua liberdade não é uma escolha
arbitrária, mas adequada à natureza mesma do problema.” (RICOEUR, 2004, p.14).