Você está na página 1de 7

Psicopatologia

Campbell (psicólogo importânte,1986) - Ramo da pPsiquiatria Legal ou Forense:


ciência que trata da natureza essencial da doença implicações legais criminais e éti-
mental - suas causas, as mudanças estruturais (cau- cas - defini o destino social, insti-
sas de esquisofrênia, psicose, bipolariedade) e fun- tucional e legal - orientação psico-
cionais associadas (dopamina, cerotônina, sinapse, logicoa para diminuir carga de réus
diminuição da massa cerebral) a ela e suas formas - teste Rosch. Exemplo: Bandido
de manifestação. da Luz Vermelha, Chico Picadinho - psicopata, sabe
o que é errado e o que é certo, mas faz o errado - não
Conjunto de conhecimentos referentes tem conciência, não tem clareza, vai reincidir - “só
ao adoecimento mental do ser humano. ele existe, não o outro” - pena diferencial se tiver
psicopatia - manicômio judicial (costuma-se não sair
Psicopatólogo: mais).
pNão julga moralmente (“aquele drogado, aquele
maluco, que horror, está demoníaco). pEpidemiologia Psiquiátrica:
pObserva objeto de trabalho e pesquisa
pIdentifica - estudos das doenças mentais na
pCompreende população, o quanto da população
tem - esquizofrênia = doença cara
A psicopatologia tem boa parte de e rara - prevalência (porcentagem
suas raízes na tradição médica, da população).
mas nutre-se de uma tradição
humanística (filosofia, artes, pPsiquiatria Cultural e Etno
literatura, psicanálise, etc) Psiquiátrica: contexto sociocul-
tural - “neste local é diferente
KARL JASPERS (1883-1969) - dos costumes sociais de uma tribo
É uma ciência básica, que serve local no Amazônas ou num vilarejo
com o auxílio á psiquiatria. na China.” - “um centro espírita,
um médium recebe uma entidade espiritual e se
CONCEITO DE NORMALIDADE acha que tal pessoa entrou em surto psicótico”.
pPlanejamento em pNormalidade operacional (pessoa esquizofrênica
Saúde Mental e Políticas que produz na sociedade é normal - “Maluco Bele-
de Saúde: demandas za” nos Jardins - Estamira).
assistênciais,
necessidades de serviços. Conteúdo Programático - 1ª semestre de 2011

(A)Introdução á Psicopatologia
pOrientação e Capacitação (B)Entrevista Psiquiátrica - Anamnese - Minimental
Profissional: uma pessoa com (C)Funções Psíquicas e suas alterações
esquisofrênia pode ser psicólogo?
Você entraria em um avião pSensopercepção
sabendo que o piloto tem psicose? pConsciência e Orientação
pPensamento
pAtenção e Memória
pPrática Clínica: discriminar pTranstornos Psicóticos
(se drogou-se, se está infectado, pHumor e Efetividade
alterações nas funções psíquicas pVolição e Psicomotricidade
por questão orgânica - (delírios), pTranstorno de Humor
avaliar e intervir (encaminhar se
está correndo risco o paciênte). Bibliografia básica:

CRITÉRIOS DE NORMALIDADE Psicopatologia e Semiologia


dos Transtornos
pNormalidade com ausência de doença (não tem Mentais - 2ª Ed. Autor:
sintoma detectável). Dalgalarrondo, Paulo.
Editora: Artmed.
pNormalidade ideal: utopia (quando olho para um Manual de Psiquiatria Clíni-
indivíduo e digo se ele é normal? Mas o que é nor- ca - 1ª Ed. Autor: Harold I.
malidade hoje? O mesmo, o que é felicidade?) Kaplan; Benjamin J. Sadock Editora: Medsi Editora
Médica e Científica Ltda Publicação: 1992
pNormalidade estatística: frequência ( na
população:avaliar pessoas que tem trauma mental Filmes recomendados pela professora:
na guerra e ver outra população que vive em Fer-
nando de Noronha). Estamira - Relata fielmente
a vida de uma senhora tacha-
pNormalidade completo bem-estar: completo da como louca pela família e
( físico, mental, social - OMS) médicos, porém de uma lucidez
incrível. Este foi o primeiro
pNormalidade funcional (orgânico). documentário do originalmen-
te fotógrafo Marcos Prado.
pNormalidade com processo ( “criança com 3 anos Vencedor de um total de 23
fazendo birra em supermercado - fase normal - no prêmios nacionais e interna-
caso mostra-se diferente quando a criança é um cionais conta a história de Es-
adulto) tamira, mulher simples de vida difícil que encontra
no lixão uma possibilidade de sobrevivência.
pNormalidade subjetiva (pessoa com esquisofrênia
com surto fala e sente-se normal).
Mente Brilhante - É um drama intensamente hu-
pNormalidade com liberdade (paciente casada que mano, inspirado nos eventos da vida de um gênio
engravidou, equipe mobilizada a prestar remédios de verdade - o matemático John Forbes Nash, Jr.
para seu controle mental, apesar de um cuidado Nascido numa família de classe média numa peque-
maior com o bêbe recêm-nascido em relação aos na cidade de West Virginia, ele fascinou o mundo
remédios pesado). intelectual há mais de 50 anos com uma surpreen-
dente descoberta. Seu traba- Wilkinson (Lynn Redgrave), uma pessoa muito séria
lho pioneiro sobre a “teoria que cuida de seus residentes com muito rigor e dis-
do jogo” tornou-o o astro da ciplina. As visões, os barulhos e os cheiros daquelas
“Nova Matemática” na déca- ruas começam a despertar nele lembranças esqueci-
da de 50 - mas sua ascensão das há muito tempo de sua infância, onde a ausência
mudou de rumo drasticamente da mãe o deixa cada vez mais transtornado. Sem
quando seu brilhantismo in- previsão e totalmente abandonado, Spider por conta
tuitivo foi afetado pela esqui- própria deixa de tomar seus medicamentos.
zofrenia. Enfrentando desafios
que destruíram muitas outras O Solista - Drama baseado
pessoas com essa doença, John Nash lutou com a na história real do talentoso
ajuda de sua devotada mulher, Alicia, e, depois de músico Nathaniel Ayers, que
décadas de dedicação, conseguiu superar a tragé- desenvolveu esquizofrenia no
dia e chegou até a receber o Prêmio Nobel de 1994. seu segundo ano na famosa
Lenda viva, o matemático continua envolvido em seu escola de artes performáticas
trabalho até hoje. Juilliard, de Nova York. Ayers,
no entanto, acabou como sem-
K-Pax - Kevin Spacey está teto nas ruas do centro de Los
na pele de Prot, um homem Angeles, onde toca violino e
inofensivo, detido na Grand violonce.
Central Station, em Nova York,
por causa de um roubo. Jeff Os Possuídos - Agnes(Ashley
Bridges é o Dr. Mark Powell, Judd) é (uma garçonete soli-
experiente psiquiatra de um tária com um passado trágico
hospital público da cidade. Os (Ashley Judd), que escapou de
caminhos dos dois se cruzam seu abusivo ex-marido Gross
depois que Prot diz para a (Harry Connick Jr.), recente-
polícia que a luz deste planeta é muito clara para mente saído da prisão estadu-
ele - muito mais clara do que em seu distante plane- al. Ela muda-se para um motel
ta, K-PAX. O Dr. Powell já cuidou de muitos pacien- de beira de estrada e através
tes com alucinações e acredita que é apenas uma de sua colega de trabalho
questão de tempo para conseguir que Prot conte o lésbica R.C. (Lynn Collins) é apresentada para um
verdadeiro motivo de estar fantasiando tudo isso. paranóico veterano da Guerra do Golfo ,Peter (Mi-
chael Shannon), e iniciam um romance. Contudo, as
coisas nem sempre são como parecem e Agnes está
Spider - Dennis Cleg (Brad- prestes a experimentar um pesadelo claustrofóbico e
ley Hall) é um garoto calado e real quando insetos começam a surgir...
estranho que ganhou o ape-
lido de Spider por colecionar O Clube da Luta - Jack
moscas. Uma noite Spider (Edward Norton) é um executi-
testemunha seu pai Bill Cleg vo que trabalha como investi-
(Gabriel Byrne) assassinando gador de seguros, tem uma boa
brutalmente sua mãe a Sra. vida financeira, mas sofre com
Cleg (Miranda Richardson) problemas de insônia. Para
para colocar em seu lugar a tentar se curar, ele começa a
prostituta Yvonne (também estrelado por Miranda freqüentar terapias em grupo,
Richardson). Convencido que ele seria a próxima mas sua vida vira de cabeça
vítima, Spider cria um plano carregado de trágicos para baixo quando ele conhece
efeitos que o leva às últimas conseqüências. Anos Tyler (Brad Pitt). Com ele, forma um clube da luta,
mais tarde após ficar internado em um manicômio, onde pessoas são amigas, mas se esmurram violen-
Spider (Halph Fiennes) volta às ruas do East End tamente em algumas noites. Tudo ganha propósitos
em Londres, onde é acolhido em uma casa de recu- maiores quando as coisas começam a ficar loucas e
peração para doentes mentais pela proprietária Sra. surreais.
Efeito Borboleta I - Na ten- compulsivo, o hoje popular
tativa de resolver seus pro- TOC. Porém, naquela época,
blemas de infância, o jovem comer a mesma quantidade de
Evan (Ashton Kutcher) faz uma ervilhas toda noite (dispostas
regressão por meio de antigos de maneira calculadamente
diários. Porém, ele consegue milimétrica no prato), não era
voltar fisicamente ao seu corpo a coisa mais comum do mundo.
de criança e, com isso, começa A doença, no entanto, acabou
a modificar seus velhos trau- absorvendo a genialidade
mas. O problema é que, a cada aventureira de Hughes, que
alteração, Evan percebe que novos fatos aparecem acabou consumido por transtornos psiquiátricos que
para aborrecê-lo. Tenso drama psicológico com o levaram à loucura e ao isolamento. E ao esque-
roteiro interessante e direção da dupla Eric Bress e cimento, até que Scorsese o retirasse do limbo e o
J. Mackye Gruber. fizesse voar novamente em um grandioso filme.

Mister Jones - Richard Gere, Trainspotting - Uma grupo


Lena Olin e Anne Bancroft de jovens escoceses mergulha
estrelam esta emocionante no vício para fugir das bana-
história sobre um homem á lidades da existência nos dias
beira da autodestruição que modernos. E logo começam a
é salvo pelo amor. Gere é um sentir as conseqüências de suas
show de interpretação como atitudes e a descobrir que não
Mr. Jones, um maníaco depres- existem soluções fáceis para a
sivo que, durante suas crises solidão e a dor que a vida nos
emocionais, é divertido, criati- proporciona. Sem moralismo e
vo e envolvente. Chocando a platéia esnobe de uma falsas mensagens, o filme acompanha a rotina alu-
orquestra subindo ao palco para reger uma sinfonia cinante dos garotos e traça um retrato da geração
de Beethoven, ou impulsivamente tomando uma cai- desesperançada dos anos 90.
xa de banco e uma fuga romântica, Mr. Jones é um
homem irresistível para qualquer mulher, incluindo As Horas - Em três períodos
a Dra. Libbie Bowen (Olin), a preocupa terapeuta diferentes vivem três mulheres
designada para seu caso. ligadas ao livro “Mrs. Dallo-
way”. Em 1923 vive Virginia
O Anticristo - Um casal (in- Woolf (Nicole Kidman), auto-
terpretado por Willem Dafoe e ra do livro, que enfrenta uma
Charlotte Gainsbourg) devas- crise de depressão e idéias de
tado pela morte de seu único suicídio. Em 1949 vive Laura
filho se muda para uma cabana Brown (Julianne Moore), uma
isolada na floresta Éden, onde dona de casa grávida que mora
coisas estranhas e obscuras em Los Angeles, planeja uma festa de aniversário
começam a acontecer. A mu- para o marido e não consegue parar de ler o livro.
lher é uma intelectual escritora Nos dias atuais vive Clarissa Vaughn (Meryl Streep),
que não consegue se livrar uma editora de livros que vive em Nova York e dá
do sentimento de culpa pela morte do filho, e ele, uma festa para Richard (Ed Harris), escritor que
um psicanalista, tenta exercer seu meio de traba- fora seu amante no passado e hoje está com Aids e
lho para ajudar a esposa. Anticristo é dividido em morrendo
partes: Prólogo e Epilogo e ainda capítulos que se
passam na floresta do Éden: Dor, Luto, Desespero e Bicho de 7 cabeças - Uma viagem ao inferno mani-
Os três Mendigos. comial. Esta é a odisséia vivida por Neto, um jovem
de classe media baixa que leva uma vida comum
O Aviador - Louco é o que deviam pensar as pes- até o dia em que o pai o interna em um manicômio
soas que conviviam com suas excentricidades. Na depois de encontrar um cigarro de maconha em seu
verdade, o aviador sofria de transtorno obsessivo- bolso. O fato é a gota dágua que deflagra a tragédia
na família. Neto é um adoles- ção de maconha, e pulando de uma cachoeira, mas
cente em busca de emoções e ao chegarem ao sonhado destino encontram uma
liberdade, com pequenas re- pequena comunidade de viajantes, que como eles en-
beldias incompreendidas pelo controu “a praia” e vivem em segredo. Eles recebem
pai, como pichar muros e usar as boas-vindas do grupo e esta parte da ilha para-
brincos. A falta de entendimen- disíaca se torna a casa deles, deixando para trás o
to leva ao emudecimento na re- mundo que conheciam. Mas na realidade este céu na
lação dentro de casa e o medo Terra não é tão perfeito. Conflitos pessoais e ciúmes
de perder o controle sobre o criam uma violenta rivalidade e trágicos eventos
filho vira o amor do avesso. No dividem a comunidade. Bastante isolado e transtor-
manicômio, Neto conhece uma realidade absurda e nado, Richard não sabe o que fazer, pois o sonho se
desumana, onde os internos são devorados por um tornou um pesadelo e o paraíso virou um inferno.
sistema corrupto e cruel. A linguagem de documen- Agora sua única meta é partir. Mas a fuga não será
tário utilizada pela diretora empresta ao filme uma fácil, pois “a praia” é um lugar secreto, que alguns
forte sensação de realidade, aumentando ainda mais defenderão até a morte.
o impacto das emoções vividas pelo protagonista.
Outros filmes sobre Psicopatologia podem ser
O Estranho no ninho - Ran- encontrados neste endereço da Internet:
dle Patrick McMurphy (Jack http://www.psicologiananet.com.br/filmes-que-
Nicholson), um prisioneiro, mostram-transtornos-psicologicos-e-psiquiatricos-
simula estar insano para não filmes-para-serem-trabalhados-em-psicologia-e-
trabalhar e vai para uma ins- psiquiatria/1854/
tituição para doentes mentais,
onde estimula os internos a se Roda de conversa na 1ª aula:
revoltarem contra as rígidas 1. O que você entende por normalidade
normas impostas pela enfer- e anormalidade?
meira-chefe Ratched (Louise 2. O que você pensa sobre doença mental?
Fletcher). Mas ele não tem idéia do preço que irá 3. Você conhece algum portador de doença mental?
pagar por desafiar uma clínica “especializada”. 4. Você se relacionaria com alguém com algum
transtorno mental (afetivamente)?
A Praia - Em um hotel barato
de Bangcoc, o rapaz Richard ----------------------------------------------------
(Leonardo DiCaprio) conhece
Françoise (Virgine Ledoyen) e Carta Aberta aos professores (e alunos)
Étienne (Guillaume Canet), um da disciplina Psicopatologia
casal de franceses. Ele tam-
bém encontra Patolino (Robert Senhores professores,
Carlyle), um viajante mais Senhores alunos,
velho marcado por anos de sol Supondo que o móvel daqueles que ensinam e dos
e drogas. De forma paranói- que querem aprender, no ambiente de uma univer-
ca Patolino conta a Richard a improvável história sidade, esteja calcado numa relação sincera e ética
de uma ilha secreta, um paraíso na Terra, a praia para com este objetivo, entendemos adequado e
perfeita sem a presença de turistas. No dia seguin- oportuno dirigirmos a vocês as nossas interpelações
te, Richard encontra um mapa desenhado a mão da sobre as práticas adotadas no ensino da discipli-
ilha descrita por Patolino preso na sua porta. Ele na de Psicopatologia, que tem como modalidade a
vê nisto “algo diferente”, pois não pretende fazer apresentação do enfermo, ou a chamada entrevista
a mesma coisa que todos os outros turistas, assim psicopatológica, a qual pressupõe a utilização dos
Richard vai procurar Patolino e descobre que ele pacientes selecionados entre internos em hospitais
se suicidou cortando os pulsos. Richard persuade psiquiátricos, que são submetidos ao escrutínio do
Françoise e Etienne a se juntarem a ele em uma via- professor, diante de um grupo de aprendizes, para o
gem seguindo o mapa de Patolino. Para irem até “a assinalamento dos sintomas e dos quadros psicopa-
praia” eles arriscam suas vidas ao nadarem em mar tológicos.
aberto de uma ilha para outra, se arrastando e cor- Não faz mal lembrar a todos que hoje se encontra
rendo de guardas armados, que vigiam uma planta- sobejamente documentada e disponível a todos uma
vigorosa produção bibliográfica de natureza his- de 1991, e a vários dos princípios consignados na
tórica, profundamente reveladora das opressivas Carta de Direitos dos Usuários e Familiares de
condições sociais possibilitadoras da produção dos Serviços de Saúde Mental, de dezembro de 1993,
saberes e práticas médico-psicológicas acerca da além de contrariar também os aspectos previstos nas
loucura. De tal produção fica patente, sem preten- Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesqui-
der julgar moralmente o passado, que estes saberes sas envolvendo Seres Humanos estabelecidas pela
e práticas, ainda que produzidos por motivações Portaria n° 196/96, do Conselho Nacional de Saúde.
supostamente humanitárias, foram constituídos num A utilização do espaço dos anacrônicos hospitais
regime de poder e opressão, segregador e silencia- psiquiátricos como campo de prática para a forma-
dor da loucura, com forte compromisso com a ordem ção de profissionais de Saúde Mental não mais se
social, em detrimento ao respeito aos direitos e à justifica. Frutos do empenho de vários setores da
dignidade dos supostos beneficiários do seu desen- sociedade brasileira, já existem hoje no Brasil mais
volvimento. Marcada pelo signo da violência, que de 600 unidades públicas oficiais que oferecem aten-
converteu uma parcela da humanidade em meros dimento psicossocial aos portadores de transtorno
objetos de interesse científico, desqualificando siste- mental. Estes estabelecimentos, que têm como pilar
maticamente todas as palavras e atos deste grupo, a fundamental o dever de promover a cidadania dos
produção do discurso psicopatológico como a verda- seus usuários, a ampliação de sua autonomia e o
de positiva sobre a sua experiência é tributária das compromisso de contribuir decisivamente para a sua
condições institucionais do seu encarceramento ma- inserção social, colocam-se como o espaço privile-
nicomial, sempre justificado como necessário à boa giado para as práticas docentes assistenciais.
ordem social e ao bom desenvolvimento da ciência. Nestes serviços substitutivos, CAPS (Centros de
Cumpre assinalar que a condenável prática de Atenção Psicossocial), Hospitais-dia, Moradias-
apresentação do enfermo está a priori baseada protegidas, Centros de Convivência, são amplas as
numa relação desrespeitosa com a dignidade dos possibilidades de práticas de ensino e produção de
sujeitos. Nesta circunstância, estes são expostos à conhecimento sobre as dinâmicas subjetivas dos
mera curiosidade acadêmica, numa desigual e assi- sujeitos ali atendidos, inclusive acerca dos aspectos
métrica relação de poder social, sem considerar os vinculados às suas expressões sintomáticas. Entre-
seus direitos à intimidade e à privacidade, servindo tanto, o acesso a tais expressões fica condicionado
a interesses que não lhe beneficiam pessoalmente a que as mesmas não sejam tomadas como meras
de qualquer modo, já que tais apresentações não se expressões bizarras do funcionamento psíquico do
inserem em nenhuma de suas necessidades terapêu- usuário, mas sim como uma ponte para a produção
ticas. dos sentidos e significados organizadores de sua
A formação que tem sido possibilitada por meio experiência vivida.
deste tipo de prática, além de questionável desde o Nestes ambientes, certamente não serão tolerados os
ponto de vista ético e igualmente pedagógico - por
insuficiente e infrutífera para a aprendizagem dos
estudantes - encontra-se na contra-mão da política
oficial da Saúde Mental do país, não respondendo
às exigências da formação de recursos humanos
adequados às necessidades da Reforma Psiquiá-
trica Brasileira.
E, neste contexto, o que é mais grave: a sua
manutenção atenta frontalmente contra vá-
rios dispositivos legais, tais como o Artigo
5°, incisos III e X da Constituição Fede-
ral; o Artigo 2°, incisos II , III e VIII, e o
Artigo 11° da Lei Federal 10216/2001, que
dispõe sobre a proteção e os direitos dos
portadores de transtornos mentais , além
de agredir também a vários aspectos do que
está disposto nos Princípios para a Proteção
de Pessoas Acometidas de Transtorno Mental,
da Organização das Nações Unidas - ONU,
modos ligeiros dos contactos superficiais, utilitários pSaber OUVIR - que valor daremos a este paciênte?
e descompromissados com os sujeitos, tal como se pEntrar no enquadramento (bom senso) sem críti-
caracteriza a prática de apresentação do enfermo cas - olhar o outro como um ser humano, um igual,
que ocorre nos manicômios atualmente. Em com- não como uma doença
pensação, os vínculos estabelecidos pelos professo- pACOLHIMENTO - não olhar o paciênte como
res e estudantes, com os serviços e suas clientelas uma aberração.
excederão em muito na qualidade, o entendimento
e a compreensão da dinâmica da experiência destes ----------------------
sujeitos em seus variados modos de expressão.
Aos estudantes, conclamamos que se rebelem contra
o comodismo conservador dos mestres que insistem
nesta tradição decadente e oferecem apenas uma
versão caricata, institucionalmente deformada,
das experiências do sofrimento humano de pessoas
assim reduzidas à condição de meras cobaias para
uma aprendizagem acadêmica. Rebelem-se! Não
aceitem que, por injunções burocráticas, o ensino
da Psicopatologia possa estar descolado das demais
aprendizagens fundamentais que possibilitam a
convivência e o manejo adequado das relações te-
rapêuticas em beneficio dos sujeitos atendidos. Não
aceitem o afrouxamento da Ética em prol do prag-
matismo burocrático daqueles que têm a responsabi-
lidade de organizar as condições dignas do ensino-
aprendizagem. Estimamos que vocês, na condição
de profissionais futuros, mobilizem-se e reivindiquem
das suas Faculdades e dos seus professores o urgen-
te estabelecimento das condições adequadas para a
qualidade de um verdadeiro processo de formação.

Núcleo de Estudos pela Superação dos Manicômios/


Bahia.
Rede Nacional Internúcleos da Luta Antimanicomial
Associação Brasileira de Ensino de Psicologia
Conselho Federal de Psicologia

Apontamentos realizados em classe (roda de con-


versa) com a professora de Psicopatologia sobre a
carta acima:

pO quanto não se respeita a entrevista


pUsar o estágio de forma desumana
pA ciência é extremamente necessário, mas não há TEXTOS COMPLEMENTARES
limite: exposição ao indivíduo - o destino do Pixote
pPerceber o limite do outro - ser explorado - uso pTexto: Louco, eu?
indiscrimidado do material recolhido pHistória da Psiquiatria
pEstar claro que não é o paciênte - não distingui (entrevista psiquiátrica)
pExiste uma lei, mas é respeitada? o paciênte é pO Homem que confundiu
respeitado? testagem farmacêutica em paciêntes de a Mulher com chápeu.
forma desumana e capitalísta pCarta aberta aos professores
pHospital psiquiátrico - serviços psicosociais - al- (e alunos) da disciplina
guém precisa de amparo - ganhos na internação Psicopatologia (Luciano Costa).