Você está na página 1de 23

HISTÓRIA DO BRASIL

NAVEGAÇÃO PORTUGUESA

PRE COLONIA
02. (UEFS/2013.1) Voltando ao pau-brasil, direi que tem folhas semelhantes às do buxo,
embora de um verde mais claro, e não dá frutos.
Quanto ao modo de carregar os navios com essa mercadoria, direi que, tanto por causa da
dureza, e consequente dificuldade em derrubá-la, como por não existirem cavalos, asnos nem
outros animais de tiro para transportá-la, é ela arrastada por meio de muitos homens; e se os
estrangeiros que por aí viajam não fossem ajudados pelos selvagens não poderiam nem sequer
em um ano carregar um navio de tamanho médio. (LÉRY. In: BRAIK; MOTA, 2010, p. 75).
A descrição do viajante francês Jean de Léry refere-se a uma das primeiras atividades
econômicas do Brasil colonial, cujas características se opunham
A) ao caráter competitivo e liberal do comércio colonial, dirigido pela Coroa portuguesa e por
uma rede de funcionários e de instituições controladoras.
B) às atividades da pecuária, responsáveis pelo povoamento denso e contínuo do litoral da
colônia.
C) à economia agroexportadora, baseada no latifúndio e no trabalho escravo, que
predominou, em grande parte, no litoral da colônia.
D) à economia gerada pela intensa produção da manufatura urbana, controlada por judeus e
cristãos novos.
E) às atividades de mineração da prata, relacionadas ao desmatamento e à desertificação da
área que integra o planalto central brasileiro.

COLÔNIA
07. (Consulplan – ES/2011) Em sua obra: História Econômica do Brasil, Caio Prado Júnior
descreve assim o sentido da colonização da América Portuguesa: “No seu conjunto, e vista no
plano mundial e internacional, a colonização dos trópicos toma o aspecto de uma vasta
empresa comercial, mais complexa que a antiga feitoria, mas sempre com o mesmo caráter
que ela, destinada a explorar os recursos naturais de um território virgem em proveito do
comércio europeu. É este o verdadeiro sentido da colonização tropical, de que o Brasil é uma
das resultantes;
(...) Se vamos à essência da nossa formação, veremos que na realidade nos constituímos para
fornecer recursos para a manutenção do comércio europeu.” (...)
Assinale a alternativa que apresenta corretamente as características do modelo colonizador
implantado no Brasil.
A) Sistema colonial baseado em pequenas e médias propriedades, denominadas feitorias,
sustentado pelo trabalho assalariado ou familiar, de caráter monocultor para a sustentação do
mercado interno.
B) Estruturação do processo colonizador com base na complementariedade, uma vez que
privilegiava a produção para o mercado interno e para a burguesia mercantil.
C) Estrutura latifundiária, destinada a explorar o território para o comércio exterior, utilização
de mão-de-obra escrava, predominantemente de origem africana, com a qual paralelizava o
lucrativo tráfico.
D) Mecanismo do antigo regime de feitorias, utilização de mão-de-obra escrava, agro
manufatura, constante presença de concorrentes, complementariedade das colônias
espanholas para garantir o ideário da União Ibérica.
E) Dinâmica do sistema colonial mercantilista, utilização de mão-de-obra escrava, entremeada
com a assalariada, caráter monocultor e de importação, a fim de garantir a produção
excedente.

10. (Comperve-MG/2011) “No início do século XVI, cerca de 65% da renda do Estado
Português provinha do comércio ultramarinho. O monarca português transformou-se em um
autêntico empresário, agraciando nobres e mercadores com a concessão de monopólios de
rotas comerciais e de terras. Para preservar toda a rede comercial, os portugueses
organizaram a colonização do Brasil criando os sistemas de capitanias hereditárias e de
sesmarias a partir de 1532, dentre outros.”
(Vainfas, Ronaldo et al História. São Paulo: Saraiva)
Assinale a alternativa que apresenta corretamente o significado de capitanias hereditárias e
sesmarias.
A) O sistema de capitanias hereditárias e o de sesmarias eram sinônimos, pois ambos se
restringiam à concessão de terras a cavaleiros da pequena nobreza portuguesa. Os
beneficiários dessas concessões se tornavam proprietários das terras, podendo se tornar
empresários autônomos.
B) No regime de capitanias hereditárias, os donatários recebiam vasta extensão de terras e
ficavam incumbidos de representar o rei no que se refere à defesa militar do território, ao
governo dos colonos, à ///aplicação dos impostos, etc., enquanto que no sistema de sesmarias
os capitães donatários concediam terras aos colonos que deveriam cultivá-las sem direitos
administrativos.
C) São dois sistemas totalmente contrários porque no Sistema de Capitanias Hereditárias os
interesses econômicos eram apenas dos donatários deixando os interesses da Coroa para
serem atendidos apenas pelos colonos das sesmarias que eram obrigados a cumprir todos os
deveres estabelecidos na carta de doação.
D) São regimes idênticos, pois estabeleciam os mesmos direitos e deveres para os capitães
donatários e para os colonos das sesmarias, incluindo o direito de transmitir benefícios e o
cargo recebido a seus herdeiros.
E) O êxito na aplicação do Sistema de Capitanias Hereditárias serviu de inspiração para
implantar o regime das sesmarias para agraciar nobres e mercadores que se tinham destacado
na expansão para a África e para a Índia.
Ambos foram largamente utilizados para incentivar a agricultura e estimular o povoamento.

11. (Consulplan – João Câmara/RN – 2005) Sobre a sociedade colonial e todas as afirmativas
estão corretas, EXCETO:
A) O excesso de trabalho, a má alimentação e as péssimas condições de higiene e os castigos
deterioravam a saúde do escravo que morriam depois de cinco a dez anos de trabalho.
B) Na época em que os portugueses chegavam ao Brasil calculava-se que a população indígena
brasileira era superior a toda a população existente em Portugal.
C) Assumindo o papel de “soldados da religião” os Jesuítas tinham como objetivo: conquistar
índios e colonos, convertendo-os ao catolicismo.
D) A Igreja católica era a oficial do Brasil, durante a missa o sermão do padre servia também
para divulgar informações cotidianas, embora a Igreja não tivesse nenhuma responsabilidade
administrativa na colônia.
E) O Senhor de engenho concentrava em suas mãos o poder econômico, político e religioso.

12. (AOCP-RJ/2013) Portugal e Espanha assinam um acordo pelo qual os territórios da Ilha de
Santa Catarina (atual Florianópolis) ocupados pelos espanhóis e terras do que hoje é o Rio
Grande do Sul seriam devolvidos a Portugal. Em troca, a Espanha teria o controle da Colônia do
Sacramento e da região dos Sete Povos das Missões. Com o tratado, Portugal é prejudicado e
perde todo o controle sobre a região da bacia do Rio da Prata. O enunciado refere-se ao
A) Tratado de Tordesilhas.
B) Tratado de Santo Ildefonso.
C) Tratado de Madri.
D) Tratado da Bacia do Prata.
E) Tratado de Versalhes.

13. (Consulplan-Gararu-SE/2007) “A necessidade de coordenar as iniciativas de povoamento


produtivo, até então muito isoladas, levou o rei colonizador a criar o governo geral”.
(Alencar Francisco e outros. História da Sociedade Brasileira pág. 22.)
Sobre o governo Geral é correto afirmar:
A) O governo deveria aliar-se às tribos indígenas, possibilitando maior integração entre
colonizadores e colonizados.
B) Desenvolveu a construção naval, buscando a organização militar e a defesa da América
Portuguesa.
C) O governador nomeado deveria cuidar da colonização, defender os colonos e organizar as
“rendas”.
D) Eliminou o sistema de capitanias hereditárias garantindo a centralização do poder.
E) Concedeu liberdade de prática religiosa, incentivando a vinda dos cristãos novos para a
América Portuguesa.

14. (UEFS/2013.1) O poder municipal tinha como unidade o município, cuja sede era a vila,
excepcionalmente intitulada de cidade, sem que nesta designação houvesse um referencial à
complexidade do núcleo urbano. Somente o soberano tinha o direito à fundação de cidades.
As práticas municipais tinham como organismo principal a câmara, designada como Câmara
Municipal, Câmara dos Vereadores, Conselho de Vereança e Senado da Câmara.
(ALBUQUERQUE, 1981, p. 187).
Na estrutura político-administrativa do Brasil Colonial, o poder descrito no texto representava
A) o caráter legislativo da Câmara Municipal, ao produzir as leis responsáveis pela orientação e
pela administração da vida coletiva local.
B) o poder local, controlado pelos grandes proprietários, mas subordinado às ordens
estabelecidas pela Coroa portuguesa.
C) um braço do poder metropolitano, que governava o território colonial por meio de
desembargadores e magistrados.
D) um instrumento por excelência da justiça colonial, com atribuições de julgar os crimes e as
infrações cometidas pela população.
E) a prática democrática de organização e administração de cidades por parte da própria
população local.

15. (CONPASS-Extremoz/2013) Dentre as características das Câmaras Municipais, durante o


período colonial brasileiro, está:
A) a subordinação ao governo-geral.
B) a qualificação de capitania especial, mas sem um capitão donatário.
C) a composição de políticos que estivessem ligados a atividades comerciais, os “homens-
bons”.
D) a renda utilizada publicamente provinha da receita da metrópole.
E) a sua extinção com a criação das capitanias hereditárias.

16. (UEFS/2013.2) O calendário político do novo ano é marcado pelas eleições municipais em
outubro [2012].
Elegeremos mais de cinco mil prefeitos e vice-prefeitos e milhares de vereadores. O poder
local é aquele que proporciona o mais efetivo exercício da democracia.
A cidade é o cenário que emoldura o cotidiano das pessoas. A qualidade de vida é dada, em
última análise, pelo ambiente vivido em cada município.
Nas experiências locais de poder, é possível um acompanhamento muito mais próximo dos
cidadãos em relação ao desenrolar das diversas políticas públicas, possibilitando participação
direta e um maior controle social. (PESTANA, 2012).
A característica democrática, apontada no texto, quanto ao exercício do poder local, no Brasil
atual, difere desse mesmo exercício no Brasil Colonial, porque, na colônia,
A) a Constituição nacional estabelecia as formas de organização das instituições destinadas ao
exercício do poder.
B) as leis portuguesas, vigentes no Brasil colonial, impediam a participação de clérigos e
militares no exercício do poder.
C) as populações urbanas tinham direito de voto, em detrimento das populações rurais,
afastadas dos centros decisórios do poder.
D) o poder se concentrava no grupo dos chamados “homens bons”, que administravam as
vilas-sede dos municípios, em benefício dos seus próprios interesses.
E) o caráter legislativo das Câmaras Municipais coloniais se constituía instrumento de pressão
da classe dominante sobre as populações menos favorecidas.

17. (PUC-Rio/2012) “Eu, El-Rei, faço saber aos que este meu regimento virem, que sendo
informado das muitas desordens que há no sertão do pau-brasil, e na conservação dele, de que
se tem seguido haver hoje muita falta, cada vez será o dano maior se não se atalhar e der nisso
a ordem conveniente (...): mando que nenhuma pessoa possa cortar, nem mandar cortar o dito
pau-brasil, por si ou seus escravos, sem expressa licença do provedor-mor da minha Fazenda
(...); e quem o contrário fizer incorrerá em pena de morte e confiscação de toda a sua
fazenda.”
Felipe III, Regimento do pau-brasil, 1605.
No contexto da colonização das terras do Brasil, o regimento do rei Felipe III apresenta
medidas associadas:
A) à afirmação do poder da Coroa espanhola, em detrimento dos comerciantes e colonos
portugueses.
B) ao caráter monopolista da extração do pau-brasil, pois era necessária autorização expressa
da Coroa para atividade extrativista.
C) às preocupações da Coroa na preservação da Mata Atlântica, que estava sendo devastada
pelos colonos.
D) à importância do pau-brasil no comércio colonial como principal produto de exportação da
América Portuguesa, em inícios do século XVII.
E) à afirmação da política absolutista dos reinos europeus cerceadora de todas as iniciativas
dos colonos nas Américas.

21. (Consulplan-campo verde MT/2010) No Brasil colonial, a utilização da mão-de-obra


escrava indígena limitou-se, ao longo do processo colonizador, às áreas econômicas
secundárias, isto é, de economias menos prósperas e não diretamente inseridas nos circuitos
mercantilistas de exportação. A escravidão indígena revelou-se pouco eficaz, particularmente
nas áreas da grande lavoura de exportação por vários fatores. Assinale a alternativa que
apresenta corretamente tais fatores:
A) Os constantes ataques às missões ou reduções, reorientação da política dos colonos,
adaptação ao trabalho de natureza agrícola visando produção de excedente, conflitos
intertribais, reconhecimento da diversidade cultural, não resistência à dominação.
B) Percepção dos índios como uma outra humanidade, como animais ou como demônios,
retirada dos nativos do seu habitat natural, boas chances de sobrevivência, alta rentabilidade
para os senhores de terra, força de trabalho básica para os engenhos e para a lavoura.
C) Firme organização intertribal, garantia de resistência maciça devido à identidade cultural,
rígida distribuição de tarefas, aceitação da conversão ao catolicismo para se tornarem
preferenciais aos colonos.
D) Resistência constante dos nativos, fuga em massa de tribos inteiras, aumento do preço dos
índios cativos, inadaptação ao regime de trabalho agrícola na grande lavoura, interesses
maiores da burguesia mercantil metropolitana no tráfico negreiro que lhe garantia significativa
acumulação de capital.
E) Resistência dos indígenas à escravidão por meio de lutas pela posse da terra, inserção dos
nativos nos circuitos mercantilistas de exportação, interesses dos nativos na mercantilização
humana, acumulação de capital em suas mãos, o que desagradava os colonizadores que
desejavam o exclusivo comercial.

05. (UEFS/2012.2) A primeira estratificação social na colônia brasileira se fundou na cor da


pele. Pela cor da pele se distinguiam os senhores dos escravos. A estratificação étnica
correspondia exatamente à estratificação social. A população colonial distribuía-se, pois, em
duas camadas principais: de um lado a nobreza, os senhores, de outro a massa servil.
(NOVINSKY, 1972, p. 59).
Apesar da estratificação social indicada no texto, havia outra forma de diferenciação social
entre os próprios brancos na Bahia colonial, baseada
A) no nível de riqueza, sendo os brancos pobres comparados aos escravos negros e
encarregados de trabalhos braçais nas áreas urbanas e rurais.
B) na nacionalidade, visto que os estrangeiros, mesmo brancos eram impedidos de
desembarcar nos portos coloniais, inclusive em situações de emergência.
C) na condição de gênero, que destinava à vida reclusa nos conventos e mosteiros as mulheres
brancas que não se casavam.
D) na origem religiosa, que distinguia os cristãos novos de origem judaica dos cristãos antigos,
sendo os primeiros impedidos de participar de diversas organizações da sociedade.
E) no nível intelectual, privilegiando os brancos portadores de educação universitária e
excluindo da vida pública os brancos que possuíam apenas a educação fundamental.

(CFO-MT/2012) A descoberta e a conquista da América teve como marco divisório o Tratado


de Tordesilhas (1494), que praticamente dividiu o mundo entre apoiadores da Espanha e de
Portugal. Alguns países recusaram-se a reconhecer tal divisão, entre eles, a Holanda.
Assinale a alternativa que se refere às ações holandesas contra as potências ibéricas.
a. Colonização do Sul dos Estados Unidos, onde fundaram os atuais Estados da Virgínia e
Carolina do Sul.
b. Ocupação da Bacia do Prata no século XVII.
c. Tomada do Rio de Janeiro, no século XVI, e do Maranhão no século seguinte.
d. Conquista e colonização da Jamaica.
e. Conquista e colonização do Nordeste do Brasil.

17. (Irapei/2013) O governo-geral é uma forma de governo que vigora no Brasil de 1548 até a
chegada da família real ao Rio de Janeiro, em 1808. O governo-geral é o representante do
poder real na colônia. Do século XVI ao XIX, diversos governadores exerceram essa função no
Brasil. O governador-geral Mem de Sá, resolveu as disputas políticas e dedicou-se à pacificação
dos índios e ao combate dos franceses no Rio de Janeiro. Com a ajuda dos jesuítas Manuel da
Nóbrega e José de Anchieta, neutraliza a aliança formada por índios tamoios e franceses.
O governo-geral de Mem de Sá foi o:
a) Primeiro governo-geral.
b) Segundo governo-geral.
c) Terceiro governo-geral.
d) Quarto governo-geral.

(Consulplan – João Câmara/RN – 2005) Marque abaixo, a alternativa que representa o fator
que, no século XVIII, contribuiu para a penetração do interior brasileiro:
A) O desenvolvimento da cultura da cana-de-açúcar e da cultura do algodão.
B) O apressamento de indígenas e a procura de riquezas naturais.
C) A fragilidade dos índios diante do poderio português e a busca de terras férteis.
D) A Guerra dos Emboabas e a transferência da capital da colônia para o Rio de Janeiro.
E) O sentimento nativista brasileiro em oposição aos colonizadores portugueses.

(AOCP-RJ/2013) As capitanias hereditárias e as sesmarias foram a primeira forma efetiva de


ocupação das terras da América Portuguesa e propiciaram o desenvolvimento da economia
açucareira. Sobre a economia açucareira, assinale a alternativa correta.
A) A cana de açúcar foi introduzida no Brasil em 1530 por Martim Afonso de Souza, que
construiu o primeiro engenho no ano de 1532 na capitania hereditária de Pernambuco.
B) Somente após 1570, a produção açucareira atingiu seu ápice, suplantando a Ilha da Madeira
mantendo-se o maior produtor e exportador do mundo até o início do século XIX.
C) A economia açucareira encontra concorrência quando, apoiadas por Ingleses, algumas ilhas
das Antilhas passam a ser grandes concorrentes do açúcar brasileiro.
D) O açúcar proporcionou grandes riquezas aos donos de engenhos, principalmente em
Pernambuco e São Paulo, onde o sistema de capitanias obteve o maior êxito.
E) Os holandeses, comandados por Nassau, invadem o nordeste brasileiro em 1630 e se
instalam na região mais próspera da economia açucareira brasileira.

06. (UEFS/2012.2) Os holandeses [...] não eram, nem de longe, os hereges e os bichos-papões
dos quais tanto se ouvia falar mal. Muito pelo contrário. Eram uma gente perseverante e
trabalhadora, que construía sua pátria domando rios, drenando lagos, escavando canais,
erguendo paisagens imensas e tomando terras ao Mar do Norte. Um povo destemido, que
lutava contra os espanhóis pela independência [...] e, ainda assim, entre uma batalha e outra,
havia construído a nação mais próspera do mundo cristão.
- Sei pouco sobre essas gentes — comentou em tom de mal disfarçado despeito Dom Álvaro
de Abranches, um capitão da infantaria. — Deve de ser um país bem grande, imagino eu.
— Muito pelo contrário, companheiro — garantiu Dom Diogo, naquele sorriso vaidoso dos
viajados — É até bem pequeno. Um pouquinho menor do que Portugal. E lá ninguém passa
fome; quase toda a gente sabe ler e escrever... É o povo mais rico e feliz que conheço. (RORIZ,
2006, p.130-131).
O texto, de ficção, traça um perfil otimista dos holandeses no século XVII, cuja prosperidade na
história relaciona-se com
A) a exploração colonial na costa oeste da América do Norte, o que lhes dava acesso à
navegação no oceano Pacífico.
B) o combate às heresias, através das quais os judeus e os protestantes buscavam resistir às
leis que predominavam nos Países Baixos.
C) uma economia mercantil baseada na navegação comercial e na parceria entre o Estado e as
Companhias de Comércio.
D) a proteção econômica que passaram a receber de Portugal, após as guerras de
independência que travaram contra a Espanha.
E) o apoio recebido pela Igreja Católica no combate ao luteranismo e ao calvinismo, que se
espalhavam pelo país, provocando lutas internas e desequilibrando a economia local.

07. (CONPASS-Extremoz/2013) No dia 20 de novembro comemora-se o Dia Nacional da


Consciência Negra, data em homenagem ao marco histórico:
A) Das reinvindicações a favor dos quilombolas na região de Palmares.
B) Da brutal repressão contra os negros revoltosos durante o Levante dos Malês, na Bahia.
C) Da morte do líder de um dos quilombos mais conhecidos na história brasileira, conhecido
como Zumbi dos Palmares.
D) Do registro da liderança feminina, a negra Luísa Mahin, em uma das batalhas na Revolta dos
Malês.
E) Da ação dos bandeirantes, liderados por Domingos Jorge Velho, na destruição e massacre de
irmandades negras, durante cultos religiosos realizados pelos escravos.

24. (Consulplan-campo verde MT/2010) Assinale a alternativa que apresenta um


relacionamento entre a acumulação capitalista na Inglaterra, a vinda da Corte Portuguesa para
o Brasil e o processo de emancipação política brasileira:
A) Para alcançar o objetivo prioritário, a Inglaterra articula um impulso externo, provindo do
quadro internacional, encontra como resposta a solidariedade interna. A associação entre as
classes dominantes nas colônias e nas metrópoles proporciona a vinda da Corte para o Brasil.
Quando essa conjugação de interesses se estabelece, o processo de independência atinge a
maturidade.
B) A eliminação dos intermediários é uma das mais prementes exigências das áreas de
produção em que as relações capitalistas estavam na plenitude do seu desenvolvimento. A
transferência da Corte Portuguesa para o Brasil sob a proteção inglesa proporciona as
condições em que o processo de independência poderá encontrar solução pacífica, visto em
seu conjunto.
C) A transferência da Corte lusa determina, além da liberdade comercial presidida pela
Inglaterra, a montagem do aparelhamento administrativo que prepara o da Independência.
Surgia a autonomia como consequência inelutável, pois as forças napoleônicas foram
derrotadas pelos lusitanos, redundando a opressão inglesa.
D) No processo de autonomia, presidido pela classe dominante, dos senhores territoriais,
ficam resguardados os privilégios dos franceses após a invasão da península ibérica. A coroa
lusa valendo-se da aliança britânica se transfere para o Brasil, a fim de beneficiar o
desenvolvimento do capitalismo configurado nas metrópoles europeias em destaque.
E) O desenvolvimento econômico das metrópoles assinala a transformação do mercantilismo
em capitalismo, configurando o largo quadro político europeu. Daí, a necessidade de
transferência da Corte Portuguesa, uma vez que Portugal desejava ampliar seus investimentos
nas relações comerciais com a Inglaterra, sua beneficiária, praticamente única.

(AOCP-RJ/2013) Em 1808, a família real e a corte portuguesa fogem de Portugal para a colônia
brasileira. Sobre o assunto, assinale a alternativa correta.
A) A fuga se deu em razão da invasão napoleônica após os portugueses infligirem o bloqueio
continental comercial imposto pelos franceses contra a Inglaterra.
B) A corte se instala em Salvador, transformando a cidade em capital brasileira, de onde foi
transferida para Brasília por Juscelino Kubistchek.
C) Ao chegar à colônia D. João VI promove a abertura dos portos brasileiros para o comércio
exterior, especialmente para a França.
D) A abertura dos portos foi restrita à exportação e importação de matéria-prima, não
resultou, portanto, em modificação nos hábitos da colônia.
E) Em 1822, diante das pressões populares, D. João VI eleva o Brasil de colônia portuguesa
para Reino Unido de Portugal e Algarves.

MONARQUIA

14. (UEFS/2012.2) — Os liberais, quando no governo, agiam sempre de maneira idêntica aos
conservadores. O programa liberal era uma espécie de trombeta sonora que eles só se
lembravam de clarinar quando estavam na oposição. Então, todo o país acordava sob o
estridor imenso de toques de alarme, de sonoridades marciais, de cânticos de guerra,
chamando a postos as consciências altivas para a defesa da Pátria, da Democracia e da
Liberdade. Desde o momento, porém, em que, ao aceno da Coroa, retornavam ao poder,
cessavam o trombetear formidável — e passavam a ser... como os conservadores. (ALENCAR;
RIBEIRO; CECCON, 1986, p.134).
As razões que explicam a situação descrita no texto, sobre a época do Segundo Império
brasileiro resultavam do fato de
A) o direito de voto ser estendido apenas às populações urbanas das capitais das províncias.
B) o Imperador Pedro II, através da distribuição de cargos e favores, comprar a fidelidade dos
componentes dos dois partidos.
C) todos temerem a volta do absolutismo, possibilidade sempre presente, face ao caráter
autoritário e orgulhoso do Imperador Pedro II.
D) os componentes dos dois partidos temerem a República e a democracia, forma de governo
e regime político que entregariam o poder à classe operária.
E) liberais e conservadores se originarem e expressarem os interesses da mesma classe
dominante brasileira, formada por grandes proprietários e grandes negociantes.

24. (Consulplan – Assú-RN/2010) “Os fazendeiros paulistas não se voltaram para o imigrante
porque acreditavam nas virtudes ou na maior rentabilidade do trabalho livre, mas porque a
alternativa do escravo desaparecia e era preciso dar uma resposta para o problema.”
(FAUSTO Boris. História do Brasil. São Paulo: EDUSP)
“Itália bela, mostre-se gentil
e os filhos não a abandonarão,
senão vamos todos para o Brasil,
e não se lembrarão de retornar.”
(Canção italiana: Italia bella, mostrati gentile)
No século XIX, a imigração para o Brasil foi um processo ligado:
A) Ao avanço da indústria artesanal europeia e a uma política organizada pelos abolicionistas
para substituir a mão-de-obra escrava nas regiões cafeeiras e evitar a escravização nas áreas
de povoamento do sul do país.
B) Ao atraso da consolidação do capitalismo industrial e sustentação do modelo de
propriedade agrária na Europa e, no Brasil, a políticas militares estabelecidas desde D. João VI
para a ocupação das fronteiras do sul.
C) À decomposição da pequena propriedade agrária, ao avanço do capitalismo industrial na
Europa e na Itália por causa das guerras de unificação. No Brasil, à política deliberada de
povoamento em áreas estratégicas do sul para obtenção de mão-de-obra.
D) À transição do trabalho escravo para o assalariado na Alemanha e, no Brasil, à política oficial
de povoamento baseada nos contratos de parceria como forma de estabelecer mão-de-obra
assalariada na área da agricultura.
E) Às exigências da elite política agrário-exportadora da Europa e, no Brasil, à política do
Partido Liberal para atrair cada vez mais novos grupos de europeus (principalmente italianos e
alemães) – (nas áreas de minifúndios) como meio alternativo de produção.

19. (SOLER/2013) A sociedade brasileira apresentou diversas formações sociais, nesses mais
de quinhentos anos de história do Brasil, transitando da escravidão à estrutura capitalista. Para
caracterizarmos adequadamente nossa estrutura de classes sociais em um dado momento
e/ou período histórico, é correto afirmar:
a) No Nordeste açucareiro dos séculos XVI e XVII, os escravos eram explorados por uma
burguesia agrária colonial e havia baixa concentração de renda social.
b) Na região mineradora, durante o século XVIII, encontrávamos grandes aristocracias e ampla
parcela de trabalhadores livres, mas a inexistência de escravos caracterizava a sociedade como
estamental, ou seja, sem qualquer mobilidade social.
c) A expansão do café, no século XIX, contribuiu para transformar gradativamente a estrutura
aristocrática e escravista numa sociedade que, no século XX, seria dominada por uma
burguesia capitalista e movida pelo trabalho assalariado.
d) Somente com a abolição da escravatura, em 1888, a sociedade brasileira deixou de ser
tipicamente feudal, ou seja, baseada na exploração do trabalho servil pela nobreza
latifundiária.
16. (PUC-Rio/2014) A abolição do tráfico de escravos a partir de 1850, com a Lei Eusébio de
Queirós, provocou significativas mudanças na vida brasileira. Dentre elas, é CORRETO afirmar
que:
A) houve um deslocamento imediato de mão de obra escrava das áreas decadentes para a
região cafeicultora do Vale do Paraíba, o que provocou um agravamento das questões platinas
em decorrência do incentivo daqueles países vizinhos à produção para exportação.
B) os países da região platina montaram um tráfico clandestino de escravos de maneira a
tornar os seus produtos mais competitivos no comércio internacional, desbancando, desta
forma, a produção das Antilhas inglesas.
C) os capitais liberados do tráfico de escravos foram aplicados em atividades de modernização
econômica do país e que a inevitável extinção futura da escravidão suscitou debates sobre a
questão da substituição da mão-de-obra e os primeiros ensaios de imigração estrangeira para
o Brasil.
D) a abolição do tráfico de escravos para o Brasil levou a Inglaterra a decretar o Bill Aberdeen,
lei que conseguiu estancar em definitivo o comércio de cativos no Oceano Atlântico
incrementando a produção industrial na região.
E) a proibição do tráfico de escravos incentivou a substituição do regime de produção em larga
escala para exportação na lavoura brasileira pelo cultivo em pequenas propriedades com mão-
de-obra livre, o que le

(AOCP-RJ/2013) Nas décadas finais do Império, ocorreram importantes transformações na


economia brasileira, notadamente nos complexos açucareiro e cafeeiro, os quais definiram a
participação da produção brasileira no mercado mundial do século XIX. A respeito da
supremacia do complexo cafeeiro durante o final do Brasil imperial, assinale a alternativa
correta.
A) Antes de se estabelecer a hegemonia do complexo cafeeiro, o Brasil vivenciou uma
economia pautada unicamente por uma economia de exportação de matéria-prima.
B) A economia diversificada que precedeu a cafeicultura alargou as fronteiras do país para
além do nordeste e permitiu o investimento para a lavoura do café.
C) A grande dificuldade de se conseguir investimentos para a lavoura do café era o fato da
economia açucareira ainda se encontrar em alta no mercado.
D) A mão de obra não foi problema para os cafeicultores, pois desde o início puderam contar
com a mão de obra assalariada de imigrantes europeus.
E) A introdução de trabalho livre na cafeicultura permitia aos cafeicultores obter lucros na
concorrência mundial propiciando preços baixos no mercado externo.

(AOCP-RJ/2013) Após a Guerra do Paraguai, o exército brasileiro e grupos republicanos


isolados buscavam a implantação de uma nova ordem (República) e a modernização do país. A
crise do império foi marcada por uma série de questões que favoreceram para a proclamação
da república com exceção da:
a) Questão abolicionista.
b) Questão republicana.
c) Questão de terras.
d) Questão religiosa.
e) Questão militar.

11. (CFO-MT/2012) Em 1888, o historiador Sílvio Romero fazia este protesto: “É uma vergonha
para a ciência do Brasil que nada tenhamos consagrado (...) ao estudo das línguas e das
religiões africanas. Quando vemos homens, como Bleek [linguista alemão], refugiarem-se
dezenas e dezenas de anos nos centros da África somente para estudar uma língua e coligir
uns mitos, nós, que temos o material em casa, que temos a África em nossas cozinhas, como a
América em nossas selvas, e a Europa em nossos salões, nada havemos produzido neste
sentido! É uma desgraça”
(LOPES, Nei. História e cultura africana e afrobrasileira. São Paulo: Barsa Planeta, 2008, p.37).
Sobre a história da presença dos negros no Brasil, assinale a alternativa incorreta.
A) Constantemente mencionado como país de população afrodescendente fora do
continente africano, o Brasil ainda é bastante carente de informações sobre a
História desse lado importante de sua formação.
B) Entre os levantes de escravos que aconteceram até o século XIX, são particularmente
notáveis os episódios que envolveram os quilombos de Palmares, a Revolta dos Malês, na
Bahia, e a Balaiada no Maranhão.
C) Os negros estiveram presentes em quase todas as ações realizadas no Brasil colonial, apenas
não participaram do movimento bandeirista do século XVIII.
D) Na Revolta dos Alfaiates, que ocorreu no século XVIII na Bahia, os rebeldes eram
essencialmente negros e pobres.
E) Na Guerra dos Farrapos, houve a participação de muitos escravos que se alistaram em busca
de alforria.

(Consulplan-SC/2012) Lei de Terras, como ficou conhecida a Lei nº 601, de 18 de setembro de


1850, foi a primeira iniciativa no sentido de organizar a propriedade privada no Brasil. Até
então, não havia nenhum documento que regulamentasse a posse de terras. Com as
modificações sociais e econômicas pelas quais passava o país, o governo se viu pressionado a
organizar esta questão. Sobre essa lei, é correto afirmar que
I. teve consequências que contribuíram significativamente para a transição do trabalho
escravo para o livre.
II. foi bem aceita e, em pouco tempo, todas as terras brasileiras estavam registradas e
pagavam impostos ao governo imperial.
III. viabilizou o acesso das camadas populares à propriedade de terra.
Está(ão) correta(s) apenas a(s) alternativa(s)
A) I
B) II
C) III
D) I, III
E) II, III

(Consulplan-Gararu-SE/2007) Na manhã de 15 de novembro de 1889, um grupo de militares


derrubou a monarquia e proclamou a República. A população da época entre perplexa e
surpresa não estava bem certa da vitória do novo regime. Vários fatores foram importantes
para a transição do sistema monárquico para o republicano, entre eles podemos citar,
EXCETO:
A) O fim da Guerra do Paraguai que provocou mudanças na vida social e política do país,
enaltecendo e desenvolvendo um exército moderno e profissional.
B) O desenvolvimento das cidades brasileiras que estavam em pleno crescimento e
começavam a se modernizar, possibilitando o surgimento de novos grupos sociais com novas
aspirações.
C) A oposição dos fazendeiros do oeste paulista que defendiam a centralização política e
menor participação popular.
D) A “questão militar” provocada quando o governo decidiu punir os militares que
desobedecessem as ordens do ministro da Guerra, que quase sempre um civil.
E) A reação dos fazendeiros escravista que diante da lei de 1.888, não receberam indenização.

REPÚBLICA – REP VELHA


14. (UNEMAT/2010.2) O texto abaixo remete aos termos de um importante acordo político
formulado no Brasil.
Leia-o.
“[...] reduzir ao máximo as disputas políticas no âmbito de cada Estado, prestigiando grupos
mais fortes; chegar a um acordo básico entre a união e os Estados; pôr fim à hostilidade
existente entre Executivo e Legislativo, domesticando a escolha de deputados. O governo
central sustentaria assim os grupos dominantes nos Estados, enquanto estes, em troca,
apoiariam a política do presidente da República”.
(FAUSTO, Boris. História do Brasil. 1997, p. 259.)
Acerca do período da história republicana em que foi acordado o referido entendimento,
assinale a alternativa correta.
a. Trata-se do acordo firmado durante o Estado Novo (1937-1945).
b. O acordo de que trata o texto foi articulado por Campos Sales.
c. Os termos do acordo transcrito foram estabelecidos durante a gestão do ex-presidente
José Sarney.
d. As características do arranjo político analisadas por Boris Fausto foram formuladas no
governo Collor.
e. O referido entendimento foi realizado quando da instalação do regime militar em 1964.

18. (Consulplan-Gararu-SE/2007) Em 1906, quando a crise cafeeira atingiu seu ponto alto, os
presidentes dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro reuniram-se em Taubaté,
SP. Desse encontro, surgiu um acordo que ficou conhecido como Convênio de Taubaté, nele
estavam estabelecidos os seguintes princípios, EXCETO:
A) A criação de um fundo para estabilização do câmbio, a caixa de conversão que deveria
impedir que o dinheiro brasileiro fosse valorizado.
B) A imposição de taxas especiais para impedir novas plantações de café.
C) O estabelecimento de um preço mínimo para cada saca de café.
D) A criação de leis imigratórias mais severas e taxativas, impedindo a entrada dos imigrantes
no Brasil a fim de reduzir o plantio do café.
E) A solicitação de um empréstimo externo para financiar as compras do produto que seriam
feitas pelos estados visando retirá-lo do mercado.

15. (UNEMAT/2010.2)
Euclides da Cunha, ao editar em 1902 a obra Os Sertões, tratou de um movimento social de
natureza religiosa denominado:
a. Canudos.
b. Pedra Bonita.
c. Cidade do Paraíso Terrestre.
d. Juazeiro.
e. Contestado.

13. (UNEMAT/2011.1) Sobre os movimentos operários nas três primeiras décadas do século
XX, no Brasil, assinale a alternativa correta.
A) Entre 1917 e 1920, ocorreram grandes greves que mobilizaram expressivo contingente de
operários especialmente no Rio de Janeiro e São Paulo.
B) Uma das principais características do movimento operário, nesse período no Brasil, foi a
ausência de divergências no interior da classe operária.
C) O anarquismo foi o movimento operário de menor expressão nas primeiras décadas do
século XX no Brasil.
D) A união entre comunistas e anarquistas, nesse período, foi o ponto marcante entre estas
duas importantes lideranças operárias.
E) O anarquismo defendia, sobretudo, a participação na luta operária através dos partidos
políticos, da mesma forma que os comunistas.

(UNEMAT/2012.1) QUESTÃO 11
No mês de fevereiro de 1922, o imponente Teatro Municipal de São Paulo foi palco de um
evento, que mudaria o caminho futuro das artes no Brasil. Sob vaias e assobios generalizados,
um grupo de jovens artistas e intelectuais divulgou suas novas ideias.
De que se tratava essas novas ideias?
a. Expansão do movimento simbolista no Brasil.
b. Promoção do parnasianismo no Brasil.
c. Reflexão sobre o romantismo no Brasil.
d. Inauguração do modernismo no Brasil.
e. Implantação do arcadismo no Brasil.

(PUC-Rio/2014) 17
“É de lá [dos estados] que se governa a República, por cima das multidões que tumultuam,
agitadas, nas ruas da capital da União. A política dos estados [...] é a política nacional.”
(Manoel Ferraz Campos Sales. Da propaganda à presidência, 1908).
A partir do diagnóstico acima, o presidente Campos Sales (1898-1902) criou a “Política dos
Governadores”, esquema político que deu ao país uma estabilidade de configuração
oligárquica.
Assinale a opção que resume o funcionamento daquela política.
A) Pela Constituição republicana de 1891, as pessoas de baixa renda não tinham direito de
voto, sendo, portanto, o congresso nacional composto somente por membros das elites e dos
sindicatos oficiais.
B) A inacessibilidade das camadas populares aos poucos serviços públicos tornava-as
dependentes dos chefes locais para o atendimento de suas necessidades básicas, destituindo-
as, na prática, da cidadania e, portanto, do exercício do voto.
C) A Constituição de 1891 estabeleceu uma tal superposição do executivo federal sobre todas
as outras instâncias de poder que os municípios e os estados ficaram alijados da política
nacional.
D) Os executivos estaduais, apoiados pelo executivo federal, garantiam a eleição dos
candidatos oficiais graças às suas ligações com o poder local dos “coronéis”, o que estabeleceu
uma cadeia nacional de troca de favores.
E) A inexistência de uma legislação trabalhista na Primeira República (1898-1930) afastou os
trabalhadores urbanos da vida política, entregando, dessa forma, o comando do Estado
brasileiro aos grandes empresários.

13. (SOLER/2013) Com a Primeira Guerra na Europa o Brasil foi beneficiado, pois passou a
conduzir os produtos manufaturados que antes recebia das potências industrializadas, agora
envolvidas no conflito. A exportação de produtos manufaturados passou de 0,9% do total
exportado em 1913 para 29% em 1918, demonstrando o impacto da guerra, para declinar para
12% em 1919.
Quanto à participação brasileira na “Grande Guerra”, assinale aquela que não se aplica a este
fato:
a) Após 1920 foi substituída a moeda-base para referências cambiais no Brasil da libra pelo
dólar.
b) Assumiu a condição de autonomia e potência latina americana, cresceu a produção de
carvão e petróleo, aumentou os investimentos nos países europeus devastados pela guerra e o
estoque de bens manufaturados cresceu.
c) Durante a Primeira Guerra o capital americano no Brasil começou a marcar presença,
sobretudo na exploração de jazidas de ferro e manganês.
d) Os interesses econômicos dos alemães vinham crescendo rapidamente no Brasil, até que a
“Grande Guerra” cortou o processo, pois o governo brasileiro tomou posse das empresas
alemãs e somente sobreviveram aquelas que se associaram a brasileiros.
REPÚBLICA – ERA VARGAS
(UEFS/2012.1) Questão 14
O período republicano brasileiro, compreendido entre 1930 e a imposição do Estado Novo,
registrou, como movimento político-ideológico de extrema direita,
A) o movimento anarquista, de origem espanhola, voltado para a arregimentação da classe
operária para a organização de sindicatos e ligas trabalhistas.
B) a revolução Constitucionalista de São Paulo, de orientação popular, com o objetivo de
proteger os ideais reformistas da Revolução de 1930.
C) a Intentona Comunista, protagonizada por militares socialistas do Exercito, que, aliados a
políticos liberais, planejavam reformas no País.
D) a campanha pelo voto secreto e pelo voto feminino, vitoriosa e concretizada pela
Constituição do Estado Novo, denominada de “A Polaca”.
E) o movimento integralista, organizado sobre as bases ideológicas do fascismo, de conteúdo
autoritário e centralizador.

(UEFS/2013.1) Questão 17
Ao voltarem para o Brasil, os pracinhas foram recebidos com entusiasmo e desfilaram sob
aplauso pelas avenidas das principais cidades, em 1945. A participação do Brasil, apesar de
modesta, foi significativa. Além de contribuir para a derrota do nazi-fascismo, colaborou
também para o fim da ditadura implantada pelo Estado Novo. A FEB e a FAB haviam lutado
pela democracia lá fora, então não havia sentido em apoiar uma ditadura aqui dentro.
(BOULOS JR. 2004, p. 132).
A pressão democrática contra a ditadura de Getúlio Vargas, após o fim da Segunda Guerra
Mundial, levou à tomada de atitudes paliativas por parte do ditador, dentre as quais se
incluem
A) a implantação do voto feminino e do voto dos soldados rasos (pracinhas).
B) a anistia a condenados políticos e a liberação para a organização de partidos políticos.
C) a aliança com o Exército, para sua continuação no poder, com o apoio dos partidos políticos
de orientação integralista.
D) a abertura de novos complexos industriais no Centro-Oeste e a autorização para o
estabelecimento da reforma agrária.
E) o estabelecimento de contrato com a França, para o financiamento da indústria siderúrgica
e para construção de bases militares no litoral do país.

(UEFS/2012.2) 15.
Art. 6º: Cabe aos órgãos e entidades do poder público, observadas as normas e procedimentos
específicos aplicáveis, assegurar a
I. gestão transparente da informação, propiciando amplo acesso a ela e sua divulgação;
II. proteção da informação, garantindo-se sua disponibilidade, autenticidade e integridade e III.
proteção da informação sigilosa e da informação pessoal, observada a sua disponibilidade,
autenticidade, integridade e eventual restrição de acesso. (LEI N. 12.527...,2012).
O texto da Lei No 12.527, de 18/11/2011, assegurou ao cidadão brasileiro livre acesso à
informação de órgãos e entidades de poder público, estabelecendo uma prática política que se
diferencia
A) da Constituição de 1934 e do Ato Institucional Nº 1, que dissolveram, em suas respectivas
épocas, o Senado e a Câmara dos Deputados.
B) da atuação dos órgãos de controle estabelecidos no Estado Novo e na ditadura militar,
respectivamente o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) e a Lei de Imprensa
promulgada em 1967.
C) das formas de ação dos governos parlamentaristas que atuaram no Brasil, nas décadas de
50 e 70 do século passado.
D) do sistema de comunicação que vigorou no Brasil até a década de 90 do século XX, época
em que a inexistência da informática impedia o livre acesso à informação.
E) da situação que predominava no sistema de ensino da ditadura militar, quando era
facultado apenas aos estudantes universitários o livre acesso à informação.

(PUC-Rio/2012) 14
Analise as afirmativas abaixo referentes ao Estado Novo (1937-1945) no Brasil.
I - O Estado Novo contou com forte apoio das oligarquias estaduais, da Igreja católica e de
setores da esquerda defensores de um estado autoritário, que tomavam o stalinismo soviético
como exemplo.
II - O novo modelo de Estado, inaugurado em 1937, foi uma quebra na normalidade
constitucional brasileira e se legitimou através de uma nova constituição que tinha um
explícito conteúdo autoritário.
III - O Estado Novo foi um período marcado pelo autoritarismo, com intensa propaganda
política estatal, controle de informação, proibição de organizações políticas e forte repressão
policial.
IV - O Estado Novo se caracterizou por um esfriamento das relações diplomáticas entre Brasil e
Estados Unidos e por um alinhamento progressivo com os países fascistas da Europa.
São afirmativas corretas:
A) I, II, III e IV.
B) III e IV, apenas.
C) II e III, apenas.
D) II e IV, apenas.
E) I e IV, apenas.

(PUC-Rio/2013) 18
Brasil pandeiro (Assis Valente – 1940)
Chegou a hora dessa/ gente bronzeada/ mostrar seu valor!
Eu fui à Penha/ E pedi à padroeira/ Pra me ajudar
Salve o morro do Vintém/ Pindura-Saia
eu quero ver/ eu quero ver/ eu quero ver
O Tio Sam tocar pandeiro/ Para o mundo sambar
O Tio Sam está querendo/ conhecer a nossa batucada
anda dizendo/ que o molho da baiana/ melhorou seu prato
Vai entrar no cuscuz/ acarajé e abará
Na Casa Branca/ já dançou a batucada/ com Ioiô e Iaiá
Brasil esquentai/ vossos pandeiros/ Iluminai os terreiros/ Que nós queremos sambar!
Há quem sambe diferente/ Outras terras, outras gentes/ Num batuque de matar
A batucada/ reúne nossos valores/ Pastorinhas e cantores/ Expressões que não têm par
Brasil esquentai/ vossos pandeiros/ Iluminai os terreiros/ Que nós queremos sambar!
O samba de Assis Valente foi elaborado no contexto de aproximação de relações diplomáticas,
políticas e econômicas entre o Brasil e os Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial.
Sobre as relações entre os dois países, neste contexto, NÃO É CORRETO afirmar:
A) que houve intenso intercâmbio cultural, gerando a criação nos Estados Unidos de um
Escritório para Assuntos Interamericanos, chefiado por Nelson Rockfeller.
B) que, com a exportação de filmes produzidos em Hollywood, foi usual a visita de artistas e
cineastas norte-americanos ao Brasil, como, por exemplo, Walt Disney.
C) que um dos efeitos da aproximação foi a imediata adesão ao liberalismo político, por parte
do Governo Vargas, a partir de 1940, decretando o fim da ditadura estadonovista.
D) que o Brasil participou dos esforços de guerra, aliado aos Estados Unidos, chegando a enviar
tropas para o cenário de guerra europeu.
E) que o governo norte-americano realizou empréstimos vultuosos para a construção de uma
usina siderúrgica no Brasil.
48. (ADIVISE-PE/2013) “O Brasil era visto como um importante parceiro no hemisfério.
Americanizar o Brasil, por vias pacíficas, era, pois, tido como o caminho mais seguro para
garantir essa parceria. A americanização da nossa sociedade quebraria possíveis resistências à
aproximação política entre os Estados Unidos e o Brasil” (TOTA, Antonio Pedro. O
imperialismo sedutor: A americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo:
Companhia das Letras, 2000. p. 19).
A década de 1940 marcou um período de aproximação econômica e cultural entre o Brasil e
os Estados Unidos. Sobre essa realidade, assinale a alternativa CORRETA.
A) A Segunda Guerra Mundial não teve impacto nesse processo de aproximação, tendo em
vista que o Brasil foi uma nação neutra no conflito.
B) O Brasil negou aos Estados Unidos a possibilidade de instalação de bases militares no
território brasileiro.
C) A ligação entre Hollywood e Carmen Miranda é um dos símbolos da realidade apresentada
no texto.
D) Vargas, repelindo a tentativa de aproximação norte-americana, aliou-se à Alemanha nazista.
E) A aproximação entre Brasil e Estados Unidos só se deu no âmbito cultural.

23. (Santa Maria Madalena-Consulplan/2010) “Getúlio Vargas, até hoje é um nome conhecido
por muitos brasileiros. A maneira de Getúlio Vargas governar, nas décadas de 30 a 50, modo
esse típico da América Latina, denominou-se Populismo.”
As difíceis relações dos governantes de tendência populista, tais são os casos de Arbenz, na
Guatemala, Péron, na Argentina, e Vargas, no Brasil e o governo norte-americano se
explicam na alternativa:
A) O populismo latino-americano representou uma ampla mobilização das classes populares e
sua inserção direta nas lutas políticas, o que desagradava o governo norte-americano que
queria exclusividade na forma carismática de governar.
B) Os governos populistas alicerçam seus argumentos uma visão harmônica da sociedade, o
que desagradou o governo norte-americano que desejava garantir que a grandeza da Nação se
fundamenta nos conflitos e na produção de material bélico.
C) A radicalização ideológica e a crescente desconfiança das elites empresariais, associadas ao
capital estrangeiro, tornaram tensas as relações com o governo norte-americano, que
considerava o populismo um sério risco, porque o reformismo podia resultar em revoluções de
tendência comunista.
D) As tendências populistas inconvenientes, mas de alta confiabilidade tornou-se
desestabilizadora nas organizações sindicais, o que provocou conflitos com o governo norte-
americano que visava acelerar o processo de privatizações.
E) O crescimento da economia, o controle da inflação e o processo de privatizações nos países
da América Latina, acabaram desagradando o governo norte-americano que desejava adotar
uma política de alinhamento com os países anti-imperialistas.

(Consulplan – João Câmara/RN – 2005) Refere-se ao estado novo as afirmativas abaixo,


EXCETO:
A) O fortalecimento do federalismo com autonomia dos governadores.
B) O país viveu sob o chamado estado de “emergência”.
C) Getúlio Vargas mantinha em suas mãos amplos poderes e seus atos não submetiam à
justiça.
D) Greves e manifestações contrárias ao governo eram proibidas pela polícia.
E) Foi outorgada uma nova constituição que substituiu a Constituição de 1934.

Republica – populismo
UNEMAT/2010.2
QUESTÃO 13
A cidade de Brasília que, no dia 21 de abril de 2010 completou meio século, era definida como
meta-síntese do Programa de Metas posto em prática por JK.
Acerca das características dos demais aspectos econômicos relacionados ao governo de
Kubitschek, assinale a alternativa incorreta.
a. O Programa de Metas fez uma opção pelo nacional desenvolvimentismo.
b. O governo JK procurou atrair investimentos externos.
c. A gestão de JK procurou combinar as iniciativas do Estado, juntamente com o capital
estrangeiro e a empresa privada nacional, com vistas ao desenvolvimento industrial.
d. Durante o governo JK foi priorizada a ampliação de meios de transporte coletivo em
detrimento de uma “civilização” do automóvel.
e. Como forma de superar os entraves burocráticos, o governo JK criou órgãos que
trabalhavam paralelamente à administração pública.

(UEFS/2011.2) QUESTÃO 14
A teoria do desenvolvimento que, na década de 50 do século passado, apoiou o projeto
político-econômico do governo de Juscelino
Kubitschek (JK), quando analisada do ponto de vista dos contrastes dos dois brasis, indicados
no texto, revela que
A) a solução para o desenvolvimento dos dois brasis se encontrava na realização de projetos
beneficentes e assistenciais
para as populações pobres.
B) a sobrevivência de características coloniais na estrutura socioeconômica do Brasil se
constituía obstáculo para a efetivação daquele projeto desenvolvimentista e de superação das
desigualdades entre os dois brasis.
C) o Plano de Metas do governo JK se aplicou com iguais resultados positivos para os dois
brasis, superando as desigualdades regionais.
D) a fixação das populações rurais à terra, a extinção do êxodo rural e a sensível elevação da
qualidade de vida das populações do Brasil rural foram efeitos do citado desenvolvimentismo.
E) a superação das desigualdades entre os dois brasis resultou do combate e do efetivo
controle da inflação, como uma das metas do governo JK.

26. (CONPASS-Extremoz/2013) A base do governo de Juscelino Kubitschek era o Plano de


Metas, que defendia a modernização acelerada da economia, com aumento significativo do
nível de industrialização e forte crescimento da economia no decorrer da década de 1950. Na
prática, esse projeto:
A) Possibilitou a diminuição das desigualdades sociais com o aumento do consumo de gêneros
industriais por todas as classes sociais.
B) Garantiu a aceleração da modernização industrial e a criação de empregos, mantendo,
consequentemente, o equilíbrio da inflação no país.
C) Favoreceu a entrada de empresas estrangeiras no Brasil com foco principal na indústria de
bens duráveis.
D) Permitiu a distribuição do crescimento econômico para outras regiões brasileiras, com
destaque para o Nordeste, que consolidou seu desenvolvimento com a criação da
Superintendência para o desenvolvimento do Nordeste.
E) Representou a entrada exclusiva de capital estrangeiro advindo dos Estados Unidos, dentro
da política externa do Macartismo.

(Consulplan – João Câmara/RN – 2005) O governo de JK deu novo impulso ao modelo


desenvolvimentista. Através do plano de metas, esse modelo buscou uma estratégia de
desenvolvimento que combinava:
A) investimentos estatais, proteção do mercado interno e nacionalização das empresas
estrangeiras.
B) investimentos estatais e capital estrangeiro, incentivo à exportação de produtos
industrializados.
C) Estímulos para empresas nacionais com o crescimento equilibrado da indústria e da
agricultura.
D) Investimentos estatais, empresas nacionais, capital estrangeiro, priorizando a
industrialização por substituição de importações.
E) Proteção do mercado interno, valorização das indústrias nacionais.

REPUBLICA – DITADURA
02. (CONPASS-Extremoz/2013)

AUGUSTO, Sérgio e JAGUAR (Orgs.). O melhor do Pasquim. Rio de Janeiro: Ed. Desiderata,
2006. p. 144.
A análise abordada por Ziraldo, em uma das edições da Revista O Pasquim, destaca as frases
de efeito da propaganda política no Brasil e nos Estados Unidos, surgidas na década de 1960.
Além delas, esses países tiveram outras relações nesse contexto, pois:
A) a união entre o governo norte-americano e os oficiais da alta patente do exército brasileiro,
através do grupo da Escola Superior da Sorbonne, defensora da imposição de uma ditadura
política, resultou na tomada do governo sob a liderança militar.
B) governos norte-americanos apoiaram os chamados “Regimes de força”, não só no Brasil,
como também em outros países da América Latina, dentro da Doutrina de Segurança Nacional
fortemente difundida pela potência capitalista.
C) demonstrava uma relação antagonista, na qual os Estados Unidos combatiam as ditaduras
latino-americanas, mesmo sendo estas de economia capitalista.
D) o governo brasileiro, essencialmente ufanista, deixava claro sua oposição às ações políticas
norte-americanas, declaradamente imperialistas.
E) na economia, a dependência econômica brasileira aos Estados Unidos fez com que centenas
de empresas multinacionais atuassem no Brasil, principalmente nos setores ligados à
segurança nacional, como as indústrias pesada e bélica, por exemplo.

UNIMAT/2011.2
QUESTÃO 18
Sobre o golpe de 1964 ocorrido no Brasil, que deu início aos governos militares, é incorreto
afirmar.
a. O golpe militar de 1964 se insere na situação política mundial pós-segunda guerra mundial,
auge da Guerra Fria, quando EUA e URSS atuavam no sentido de ampliar suas áreas de
influência no mundo.
b. Este golpe, no Brasil, foi liderado por militares, grupos dominantes e setores conservadores
da sociedade brasileira, que se viram prejudicados pelo programa de Reformas de Base
propostas por João Goulart (Jango).
c. Os EUA apoiaram a Conspiração para a derrubada do Presidente da República João Goulart
(Jango) que, supostamente, era um “simpatizante soviético”.
d. Uma grande Marcha, em apoio às Reformas de Base e ao presidente João Goulart, foi
organizada pela classe média paulista em 19 de março de 1964, conhecida como Marcha da
Família com Deus pela liberdade.
e. O golpe de 1964, que implantou o Regime Militar no Brasil, foi acompanhado por outros
movimentos militares na América Latina nos anos 60 e 70. Os motivos básicos eram os
mesmos: impedir a mobilização popular e controlar a ameaça socialista.

UNIMAT/2011.1 QUESTÃO 11
As Diretas já foi um dos maiores movimentos de mobilização e politização da sociedade
brasileira.
Acerca deste grande movimento político nacional, assinale a alternativa correta.
a. Foi um movimento das camadas médias nacionais em defesa da intervenção militar em
1964.
b. Foi uma mobilização desencadeada com o objetivo de garantir a posse de Juscelino
Kubitschek em 1956.
c. Trata-se do movimento político articulado pelos seguidores do queremismo em defesa da
permanência de Getúlio Vargas no poder.
d. Foi uma mobilização popular que redundou na renúncia de Jânio Quadros.
e. Foi um movimento ocorrido na década de 1980 e envolveu grande parte da sociedade
brasileira em defesa do voto direto para Presidente da República.

QUESTÃO 19
O regime militar instaurado em 1964 estendeu-se por 21 anos, nos quais a presidência da
República foi ocupada sucessivamente por generais do exército.
Sobre o período da Ditadura Militar no Brasil de 1964 – 1985, assinale a alternativa correta.
a. Em relação aos movimentos de guerrilha, podemos afirmar que o movimento que durou
mais tempo foi o do Araguaia, talvez porque seus participantes ligados ao PC do B (Partido
Comunista do Brasil), dissidência do PCB (Partido Comunista Brasileiro) tenham conseguido
obter apoio da população local.
b. Foi criado o Departamento Administrativo do Serviço Público – DASP. O Estado brasileiro
crescia e suas atribuições aumentavam inclusive com intervenção e controle cada vez maiores
na economia.
c. Na época, ocorreu o episódio de Olga Benário, mulher de Prestes, alemã de nascimento e
agente soviética no Brasil, que, presa junto com o marido, provocou comoção ao ser
deportada, grávida, para a Alemanha nazista, onde foi confinada em um campo de
concentração. Poucos anos depois da prisão, foi assassinada na câmara de gás do campo de
Ravensbrück.
d. As ruas e avenidas elegantes foram tomadas de assalto. Barricadas foram erguidas e,
durante uma semana, a capital da república, Rio de Janeiro, foi palco de violentos combates,
até que as forças da polícia e do exército conseguiram reprimir os rebeldes. Um dos agentes
deste movimento foi Oswaldo Cruz.
e. O ponto mais alto do intervencionismo foi o Plano Salte. Constituía uma tentativa de conter
os gastos do governo, especialmente nas áreas da saúde, alimentação, transporte e energia.

16. (Irapei/2013) Sobre o processo de industrialização brasileira podemos afirmar:


I – No fim do século XIX e início do século XX, mesmo com o investimento de parte da renda do
café e da borracha, as indústrias brasileiras não passavam de pequenas oficinas, marcenarias,
tecelagens, chapelarias, serrarias, moinhos de trigo, fiações e fábricas de bebidas e de
conserva.
II – Os efeitos das quebra da Bolsa de Nova York sobre a indústria brasileira e as mudanças
geradas pela Primeira Guerra Mundial modificaram o eixo da política econômica, que assume
caráter estratégico nos países em crise e afetados pela guerra, financiado pela agricultura
cafeeira.
III – Atraindo o capital estrangeiro e estimulando o capital nacional com incentivos fiscais e
financeiros e medidas de proteção do mercado interno, entre 1956 e 1961, é implantado a
indústria de bens de consumo duráveis, sobretudo eletrodomésticos e veículos, com o objetivo
de multiplicar o número dessas indústrias e das fábricas de peças e componentes.
IV – De 1968 a 1974, a disponibilidade externa de capital e a determinação dos governos
militares de fazer o Brasil uma “potência emergente” viabilizam pesados investimentos em
infraestrutura, nas indústrias de base, de transformação, equipamentos, bens duráveis e na
agroindústria de alimentos.
Estão corretas as alternativas:
a) I, II e III.
b) I, III e IV.
c) II, III e IV.
d) Todas as alternativas.

(PUC-Rio/2014)
20. Após dez anos do Golpe de 1964, no Brasil, o regime militar iniciou um processo de
distensão política. Este período de “abertura política” durou até 1985, quando o país voltou a
ter um presidente civil.
Sobre este período (1974-1985), É INCORRETO afirmar:
A) que o governo Geisel (1974-1979) buscou manter altos índices de crescimento econômico
através de investimentos estatais.
B) que, durante o governo Figueiredo (1979-1985), foi concedida anistia política, permitindo a
volta ao país de exilados que atuaram na reformulação partidária.
C) que, ao longo do período, surgiram vários movimentos sociais reivindicatórios, vinculados
aos operários, estudantes, trabalhadores rurais e classes médias urbanas.
D) que alguns setores militares atuaram para desacreditar o projeto de distensão política; uma
de suas principais expressões foi o atentado do Riocentro, em 1981.
E) que, a despeito do projeto de liberalização política, este período representou o auge da
repressão e da violação dos direitos humanos, sendo denominado de “anos de chumbo”.

15. (CONPASS-Extremoz/2013) O conjunto de leis conhecido como Pacote de Abril, lançado no


governo de Ernesto Geisel, em 1977, teve como medidas, exceto:
A) O fechamento do Congresso Nacional.
B) Uma distensão política com a eleição do senado federal por meio do voto popular.
C) A realização da reforma do sistema judiciário.
D) A garantia de o presidente governar por meio de decreto.
E) A manutenção de eleições indiretas para governador.

REDEMOCRATIZAÇÃO

(UNEB/2014) A história do Brasil sempre esteve vinculada aos desdobramentos do


desenvolvimento econômico e à conjuntura política mundial.
Dessa forma, pode-se afirmar que a influência dos ideais socialistas no país se fez sentir
01) na Guerrilha do Araguaia, quando os militantes do Partido Comunista do Brasil, inspirados
na Revolução Chinesa, buscaram optar pela luta armada de base camponesa, para a derrubada
do regime ditatorial militar.
02) nas ações terroristas contra o governo João Figueiredo, como o ataque ao Riocentro, em
1981, que minou as bases do governo autoritário e provocou a imediata adoção de eleições
diretas para o Executivo e a redemocratização do país.
03) nas medidas adotadas pelo Plano Cruzado, no governo José Sarney, que adotou medidas
de estatização da economia, como o congelamento dos preços e salários, conseguindo conter
a inflação e permitindo uma equitativa distribuição de renda.
04) no governo Collor que, inspirado no modelo econômico chinês, mesclou medidas de
caráter socialista, como o confisco da poupança, com medidas de caráter capitalista, como a
privatização das empresas estatais.
05) no pragmatismo da política externa do governo de Luíz Inácio Lula da Silva, que, como os
chineses, defendia a dissolução do Conselho de Segurança da ONU, instrumento defensor dos
interesses dos Estados Unidos.

(UNEB/2014) Em relação às críticas à propriedade privada, ao capitalismo e aos direitos sociais,


pode-se afirmar que, no Brasil, ao longo de sua história,
01) o fim da propriedade particular e a adoção de uma sociedade igualitária formaram a base
das ideias defendidas pela Revolução Farroupilha.
02) encontraram respaldo nos primeiros movimentos operários, quando os trabalhadores
nacionais criticavam a política de consenso defendida pelos operários imigrantes italianos e
pelo governo.
03) os governos populistas buscaram conceder direitos sociais associados a mecanismos de
controle e manipulação, temerosos de uma radicalização política operária.
04) a popularidade do presidente Juscelino Kubistchek ocorreu em consequência do
acatamento das reivindicações da classe operária de romper com o capital estrangeiro,
suspendendo o pagamento da dívida externa.
05) o Comício da Central do Brasil consolidou a opção socialista do governo João Goulart e sua
aliança incondicional à União Soviética, contribuindo para o golpe militar de 1964.

(UNEB/2014) A ligação entre a participação política da sociedade brasileira à determinada


conjuntura econômica pode ser observada
01) na restrição da participação política, na época colonial, apenas aos homens bons,
elementos portugueses desvinculados da produção agrícola escravocrata e considerados a
elite intelectual e política da colônia.
02) na adoção do voto censitário, durante o Primeiro Reinado, que provocou um grande
desgaste na imagem do Imperador entre a aristocracia rural nordestina, excluída do processo
político, em função da crise da economia açucareira.
03) no Segundo Império, na medida em que o governo passou a incentivar o processo
industrial, fazendo surgir uma massa operária, que pressionou o governo para a ampliação da
sua participação política.
04) na criação de empresas estatais, na Primeira República, com o objetivo de modernização
da produção cafeeira do Oeste Paulista, o que levou os jovens tenentes do Exército a criar a
Coluna Prestes, como forma de pressão para a implantação de um modelo socialista no país.
05) na reação dos setores conservadores ligados ao capital estrangeiro contra a política
nacionalista e social estabelecida a partir da proposta das Reformas de Base, do governo João
Goulart, que provocou o apoio de diversos setores civis ao golpe militar de 1964.

(UNEB/2014) Os dados relativos a essa atividade [petrolífera] no Brasil apontam que ainda
faltam ser explorados 90% das áreas com chance de descoberta do petróleo e gás natural. Até
o fim desta década, a participação desse segmento no PIB nacional deve dobrar e chegar aos
20%. De fato, depois de quase seis décadas do início das atividades de exploração de gás e
petróleo no Brasil, apenas 75% dos 7,5 milhões de km² de bacias sedimentares já foram
pesquisados e, dessa área, só 4% estão submetidos à exploração. (GÁS E..., 2013. p. 15).
A criação da Petrobras se insere no contexto da relação entre o Estado e economia, cuja
discussão se baseava no governo
01) Getúlio Vargas, na ideia de que o Estado deveria atuar como principal elemento promotor
do processo industrial, controlando os setores estratégicos da economia, como
o petróleo e o gás natural.
02) Jânio Quadros, no princípio de que a iniciativa privada era incapaz de promover o
desenvolvimento industrial, o que resultou na implantação de uma política externa
independente, que atraísse investimentos de países socialistas na extração de riquezas
minerais.
03) Médici, na defesa de uma política ultranacionalista, de rompimento com o capital
estrangeiro, do controle estatal sobre as áreas fundamentais para o processo de modernização
das forças armadas e de rompimento com a dependência externa.
04) Fernando Henrique Cardoso, na inserção do Brasil em um mercado globalizado,
salvaguardando, contudo, o controle da infraestrutura e das indústrias de base sob o
monopólio estatal.
05) Luíz Inácio Lula da Silva, na privatização da exploração do petróleo, buscando a rápida
elevação dos royalties, a fim de gerar recursos para os investimentos na área de infraestrutura,
como portos e estradas.

(AOCP-RJ/2013) Último programa assistencialista criado em 2012 pela presidenta do Brasil,


Dilma Rousseff, foi o:
a) Bolsa Família.
b) Bolsa Escola.
c) Pró-Uni.
d) Brasil Carinhoso.
e) Enem.

GABARITO

PRÉ-COLÔNIA
01
02
03
04
05

COLÔNIA
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
IMPÉRIO
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
REPÚBLICA VELHA
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
ERA VARGAS
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
REPÚBLICA POPULISTA
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
DITADURA MILITAR
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
REDEMOCRATIZAÇÃO
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
100