Você está na página 1de 4

Quais os fatores do meio que influenciam o

crescimento de fungos?

Disciplina de Ciências Naturais


Professora Ana Sousa
Ema Alvo
6ºA n.º5
1. Material utilizado

 Pão
 4 sacos de plástico com fecho hermético
 Conta-gotas
 Água
 Caneta de acetato
 Frigorífico

2. Procedimento

1. Com uma caneta de acetato identificar os sacos com as letras A, B, C e D;


2. Colocar uma fatia de pão junto a cada um dos sacos;
3. Deitar 10 gotas de água nas fatias de pão identificadas com as letras A, B e C;
4. Manter a fatia de pão do saco D seca;
5. Colocar as fatias de pão dentro dos sacos e fechá-los;
6. Colocar os sacos A e D à temperatura ambiente num local escuro durante 5
dias;
7. Colocar o saco B no frigorifico durante alguns dias;
8. Verificar as temperaturas de todos os locais e registar;
9. Manter o saco C à temperatura ambiente numa zona iluminada durante 5 dias.
3. Registo de observações
Após 5 dias observamos os resultados da nossa experiência. Mas só após 14 dias
fizemos os nossos registos finais. As observações que fizemos foram sempre feitas sem
retirarmos o pão dos sacos.

Condições de Crescimento Resultados


Saco Alimento Luz Água Temperatura Após 5 dias Após 14 dias
A Pão intacto sem Pão intacto sem
Sim Não Sim 20ºC
bolor bolor
B Pão intacto sem Pão intacto sem
Sim Não Sim 4ºC
bolor bolor
C Pão intacto sem Pão intacto sem
Sim Sim Sim 20ºC
bolor bolor
D Pão intacto sem Pão intacto sem
Sim Não Não 20ºC
bolor bolor

4. Análise / Interpretação dos resultados


Os fatores do meio que fizemos variar nesta experiência foram: a humidade, a temperatura e a
luz. Outro fator também avaliado foi a presença de nutrientes existentes no pão.

Todos os pães foram humedecidos com água à exceção do saco D.

O saco A ficou durante 14 dias num local sem luz e à temperatura ambiente e não se registou
o desenvolvimento de fungos na fatia de pão.

O saco B ficou num local sem luz, mas com temperaturas baixas (frigorifico) e não se registou o
desenvolvimento de fungos na fatia de pão.

O saco C ficou num local iluminado à temperatura ambiente e não se registou o


desenvolvimento de fungos na fatia de pão.

O saco D ficou num local escuro à temperatura ambiente e também não se registou o
desenvolvimento de fungos na fatia de pão.

Após os 14 dias, os fungos não se desenvolveram na experiência realizada porque o pão (de
forma) utilizado era um alimento ultra processado e que na sua composição continha aditivos
conservantes, que fazem com que o mesmo dure e se conserve por mais tempo. Isto explica, o
facto deste tipo de pão ter um maior período de validade em comparação aos restantes pães
que existem à venda nos supermercados.
5. Conclusões
Esta experiência não foi um sucesso, devido ao tipo de pão utilizado. Apesar de sabermos que
os fatores do meio influenciam o desenvolvimento dos microrganismos, não o conseguimos
comprovar com esta experiência.

Os fatores do meio que analisamos foram a água (humidade), a temperatura e a luz. Sabemos
também que a existência de nutrientes (do pão) é também uma condição favorável ao
desenvolvimento de microrganismos. Todos estes fatores são determinantes para o
aparecimento de microrganismos.

Se tivéssemos utilizado outro tipo de pão seriam precisos apenas 5 a 7 dias para que os
microrganismos se começassem a desenvolver. Mas, como podemos comprovar neste caso, o
aparecimento dos microrganismos depende, não só das condições ambientais, mas também
dos ingredientes do pão. Os microrganismos que apareceriam seriam os fungos.

De acordo com o que aprendemos nas aulas de ciências naturais, posso concluir que o bolor
não apareceria em todos os pães à mesma velocidade:

 O crescimento dos fungos seria maior no saco A, à temperatura ambiente, sem luz e
com humidade. O pão ficaria com um tom esverdeado e repleto de bolor.
 O pão que menos alterações registaria seria o B, que sujeito a temperaturas abaixo
dos 6ºC não apresentaria condições favoráveis ao desenvolvimento de
microrganismos (fungos). Podemos então concluir que as temperaturas baixas
ajudariam a conservar o alimento por mais tempo e retardariam o aparecimento do
bolor.
 A luz é também um fator importante no desenvolvimento do bolor. Os sacos A e C
estiveram nas mesmas condições, mas um apanhou luz (C) e o outro não (A). O saco C
registaria menor quantidade de bolor do que o saco A, uma vez que a luz é um fator
que retarda o aparecimento de fungos;
 A presença de água no pão é um dos principais fatores que determina a facilidade
com que os fungos podem crescer e estragá-lo, como aconteceu nos sacos A e C.
 O bolor que surgiria nos sacos A, C e D apodreceria e estragaria o pão.

Em conclusão, posso dizer que o bolor é um fungo pluricelular patogénico, e por isso não
devemos comer alimentos que tenham bolor. Apesar de não termos conseguido observar a
presença deste microrganismo na nossa experiência, podemos concluir, com base no que
aprendemos nas aulas de ciências naturais, que os fatores do meio são determinantes para o
surgimento dos microrganismos nos alimentos (pão). Neste caso, em especial, foram os
nutrientes presentes no pão que acabaram por condicionar a experiência, não permitindo o
desenvolvimento de fungos, devido ao fato de na sua composição ter aditivos conservantes
que impediram a criação de fungos.