Você está na página 1de 2

ORAÇÃO A PARTIR DA ARGILA

Trata-se de tomar o caminho mais próximo da realidade que é a experiência (e até o


contato físico) do modelar a argila: aprofundar, a partir da argila, a contemplação de
alguns textos bíblicos.
A Bíblia usa com frequência o argila como caminho de compreensão das relações do
homem e da mulher com Deus. O argila nos fala de Deus.

Assim, a pessoa procura sair do caminho puramente intelectual, para caminhar pelas
imagens até chegar aos sentimentos (S. Inácio fala muito em “sentir e saborear
internamente).
Trata-se de um processo espiritual que abarca toda a pessoa (corpo, afetividade,
razão, coração) e leva à oração: oração que quer ser encontro com o Senhor e se
centra mais n’Ele que em si mesmo.

O argila não somente nos fala de Deus senão que também nos levará a falar com Ele.
Enquanto trabalha-se a argila, a pessoa entra numa oração de contemplação
na ação. Por meio da imaginação ativa a pessoa usa a argila para plasmar
seus símbolos e imagens e trabalhar com eles.
Assim, o contato com a argila, o processo de trabalhá-la e a produção de obras
próprias lhes dá novas imagens e percepções de si mesmo, de Deus e dos
outros.
Estes ajudam muito, tanto para um maior conhecimento próprio como para uma
maior integração de Deus em suas vidas.

Três aspectos da experiência com argila impressionam muito:


- o material da argila
- o processo de trabalhá-la
- e a obra acabada de sua criação.

Isso influi muito em suas novas percepções:

a) Percepção de si mesmo: há uma nova concepção de si mesmo (capta-se detalhes inadvertidos).


Assim como eu valorizo o que faço, muito mais Deus valoriza a mim que
sou criatura feita por suas mãos.
Deixo-me modelar com a ajuda do Senhor.
Eu sou criativo; participo da obra de Deus. Ele precisa de minhas mãos.

b) Percepção de Deus: brota uma nova experiência de Deus e de minha relação com Ele.
Deus é o oleiro. Quando se cria algo, trato de fazê-lo da melhor maneira e
assim me fez Deus. Ele cria constantemente.
Estou em Suas mãos; ele me modela; sou sua obra.
Deus tem paciência em formar-me.
Trabalha muito comigo, como eu com a argila: plasmar o que brota de mim, tra-
balhar e elaborar bem, buscar a harmonia e finalmente dar um bom acabamen-
to. Como eu faço com a argila, Deus me dá mil voltas até deixar-me preparado.

c) Percepção dos outros: também nasce uma nova maneira de ver os outros e de relacionar-se com
eles. Deus cria e forma cada um, diferente e
único. Não devo manipular os outros segundo
meu gosto. A criatividade é importante no
desenvolvimento das pessoas.
Ajuda a apreciar os talentos e a atividade
dos outros. Assim como faço com a argila,
não forçar as pessoas,
mas esperar o momento propício...