Você está na página 1de 10

DOCUMENTO UNESCO / UIA: SOBRE A FORMAÇÃO DO ARQUITETO

Data: 25/07/2003

No momento em que o Governo discute uma reformulação temerária, açodada e precoce do


Provão, antes mesmo que seus resultados tenham sido amadurecidos e serenamente avaliados, a
Revista ViverCidades publica o documento aprovado pela UNESCO, e endossado pela UIA, que
aborda a questão da formação e do exercício profissional do arquiteto. Como não existe uma
versão oficial do mesmo, em Português, estamos divulgando o original, em inglês, acompanhado
de uma tradução para nossa língua.

* * *
CARTA DA UNESCO / UIA SOBRE A FORMAÇÃO DO ARQUITETO
Abril de1996

Tradução livre: Mauro Almada

Imagem: www.unesco.org Imagem: www.uia-architectes.org

Nós, arquitetos, preocupados com o desenvolvimento futuro da Arquitetura, num mundo em rápida
transformação, acreditamos que tudo aquilo que influencia o modo como o ambiente construído é
produzido, utilizado, equipado, tratado paisagisticamente e mantido pertence ao campo disciplinar
dos arquitetos. Nós, enquanto responsáveis pela melhoria da formação dos futuros arquitetos, que
os permita trabalhar em prol de um desenvolvimento sustentável, no âmbito de qualquer tradição
cultural, declaramos:
I. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Que os novos tempos virão acompanhados de graves e complexos desafios relacionados à


degradação social e funcional de muitos assentamentos humanos, caracterizados pelo déficit
habitacional e de serviços urbanos para milhões de habitantes, e pela crescente exclusão, do
projetista, daquelas obras de interesse social. Isto torna essencial que os projetos e as pesquisas
desenvolvidos em instituições acadêmicas formulem novas soluções para o presente e o futuro.

1. Que a Arquitetura, a qualidade dos edifícios, a maneira como eles se relacionam com o entorno,
o respeito ao ambiente natural e construído, assim como ao patrimônio cultural, coletivo e
individual, são todas matérias do interesse público.

2. Que, conseqüentemente, há interesse público em assegurar que os arquitetos estejam


habilitados a compreender e expressar praticamente as necessidades dos indivíduos, grupos
sociais e comunidades, envolvidos no planejamento espacial, nas práticas projetuais, na
construção de edifícios, assim como na conservação e reabilitação do patrimônio construído, na
manutenção do equilíbrio ambiental e no uso racional dos recursos disponíveis.

3. Que os métodos de formação e treinamento de arquitetos são muito variáveis; e que isto
constitui um patrimônio cultural que deve ser preservado.

4. Que, não obstante, é prudente estabelecer uma base comum para a ação futura, não apenas
quanto aos métodos pedagógicos adotados, mas também objetivando-se alcançar padrões
apropriadamente elevados, estabelecendo-se critérios que permitam, às nações, escolas e
entidades profissionais, avaliar e aperfeiçoar a educação proporcionada aos futuros arquitetos.

5. Que a crescente mobilidade dos arquitetos, entre diferentes países, exige o mútuo
reconhecimento ou validação de diplomas e títulos individuais, assim como de outras
comprovações de qualificação formal.

6. Que o reconhecimento mútuo de diplomas, títulos ou outros atestados de qualificação formal


para a prática profissional no campo da Arquitetura, deve se basear em critérios objetivos, que
assegurem que os portadores de tais titulações efetivamente receberam e mantêm o tipo de
treinamento exigido nesta Carta.

7. Que a antevisão do mundo de amanhã, cultivada nas escolas de Arquitetura, deve incluir os
seguintes objetivos:
Qualidade de vida decente para todos os habitantes dos assentamentos humanos;
Aplicações tecnológicas que respeitem as necessidades sociais, culturais e estéticas das
pessoas;
Equilíbrio ecológico e desenvolvimento sustentável do ambiente construído;
Uma arquitetura que seja considerada patrimônio e responsabilidade de todos.
II. FORMAÇÃO E OBJETIVOS

Uma vez que a criação arquitetônica acontece no interior de um campo de tensão, onde atuam a
razão, a emoção e a intuição, a formação do arquiteto deve ser considerada como a manifestação
da habilidade de conceber, coordenar e executar a idéia de edifício enraizada na tradição humana.

1. A Arquitetura é um campo interdisciplinar que abarca, inclusivamente, diversas áreas de


conhecimento, em especial: Humanidades, Ciências Naturais e Sociais, Tecnologia e Artes. A
formação em Arquitetura é oferecida em Universidades, Escolas Politécnicas e Academias de
Belas Artes. A formação que conduz à qualificação formal, e que permite a prática profissional no
campo da Arquitetura, deve ser garantida em nível universitário, sendo a Arquitetura a matéria
principal do curso.

2. O objetivo básico deve ser a capacitação do arquiteto como um generalista capaz de resolver
potenciais contradições entre diferentes exigências, dando forma às necessidades espaciais e
ambientais da sociedade e dos indivíduos.

3. A formação do arquiteto pressupõe o seguinte:


Habilidade para criar projetos arquitetônicos que satisfaçam, tanto às exigências estéticas,
quanto às exigências técnicas;
Conhecimento adequado da história e das teorias da Arquitetura assim como das artes,
tecnologias e ciências humanas relacionadas;
Conhecimento das artes plásticas na medida que isto influencia a qualidade do projeto
arquitetônico;
Conhecimento adequado de projeto e planejamento urbano, e das ferramentas necessárias ao
processo de planejamento;
Entendimento das relações entre pessoas e edifícios, entre edifícios e seu contexto (entorno),
e da necessidade de se relacionar edifícios e espaços vazios às necessidades e à escala
humana;
Compreensão do que seja a profissão e o papel do arquiteto na sociedade, em especial na
condução de análises que lidem com aspectos sociais;
Conhecimento dos métodos de pesquisa e preparação de programas para obras a serem
projetadas;
Compreensão dos problemas relacionados à engenharia, construção e projeto de estruturas,
associados com o projeto de edifícios;
Conhecimento adequado dos problemas físicos, das tecnologias e do funcionamento dos
edifícios, de modo a prove-los com condições internas de conforto ambiental e proteção contra
as intempéries climáticas;
Habilidade projetual necessária para atender às necessidades dos usuários dos edifícios,
respeitadas as restrições impostas por fatores econômicos (custo) e legais (legislação
urbanística-edilícia);
Conhecimento adequado dos processos, organizações, regulamentos e procedimentos
envolvidos na tradução de conceitos projetuais em edifícios, e na integração de planos
específicos no planejamento global.

4. Os estudantes de Arquitetura devem ser criticamente esclarecidos sobre as motivações políticas


e econômicas, subjacentes aos programas elaborados pelos clientes, e subjacentes à legislação
urbanística-edilícia vigente, de tal forma que possam forjar uma estrutura ética que sustente a
tomada de decisões no contexto do ambiente construído. Os novos arquitetos devem ser
incentivados a assumir responsabilidades, enquanto profissionais no seio da sociedade.

5. Os programas educacionais devem promover os projetos arquitetônicos que considerem os


custos de manutenção futura, levando em conta, inclusive, que, ao contrário dos métodos
construtivos tradicionais, que utilizam materiais de fácil manutenção, alguns materiais e sistemas
industriais contemporâneos, experimentais e ainda não testados, exigem manutenção sistemática
e cara.

6. A aquisição equilibrada do conhecimento e das habilidades mencionadas no item 3, acima,


requer um longo período de maturação; os cursos de formação de arquitetos nunca devem ter
menos que cinco anos de estudos, em tempo integral, numa universidade ou instituição
equivalente, acrescidos de dois anos de experiência prática (estágio ou programa de treinamento)
em escritório de Arquitetura, dos quais, pelo menos um ano dedicado à prática 'profissional', após a
conclusão dos estudos acadêmicos.

A formação deve ser formalizada por um exame, ao final do programa de estudos, cuja principal
parte seja a apresentação e defesa individual de um projeto de arquitetura que demonstre o
conhecimento adquirido e as habilidades correlatas. Para este fim, os júris devem incluir arquitetos
praticantes e professores externos à escola, se possível, até de outros países.

7. Objetivando-se aproveitar os benefícios decorrentes da enorme variedade de métodos de


ensino, programas de intercâmbio para professores e estudantes de nível avançado, são
desejáveis. Idealmente, os projetos finais de curso devem ser compartilhados entre as escolas,
visando facilitar a comparação entre resultados e a auto-avaliação dos estabelecimentos de
ensino, através de um sistema de prêmios internacionais e exposições.

8. Informações relacionadas à Arquitetura e ao ambiente natural-cultural devem ser introduzidas no


ensino fundamental e médio, como parte da formação educacional geral, uma vez que algum
conhecimento arquitetônico básico é importante, tanto para os futuros arquitetos quanto para os
usuários de edifícios.
9. Programas de educação continuada devem ser oferecidos aos arquitetos; sua formação nunca
deve ser considerada como um processo concluído.

III. CRITÉRIOS PARA A FORMAÇÃO DO ARQUITETO

A fim de atingir os objetivos acima mencionados, os seguintes aspectos devem ser levados em
consideração:

1. Recomenda-se aos estabelecimentos educacionais a criação de sistemas de avaliação interna e


externa, conduzidas a intervalos regulares, incluindo-se nos seminários críticos, professores de
outras escolas e arquitetos praticantes.

2. Cada instituição de ensino deve ajustar o número de estudantes à sua capacidade docente. Os
critérios para a seleção de candidatos devem estar relacionados com as aptidões necessárias a
uma formação bem sucedida em Arquitetura, e serão aplicados por meio de processos de seleção
apropriados, conduzidos pelas escolas, por ocasião do acesso ao curso.

3. A moderna tecnologia computacional de uso pessoal (PCs) e o desenvolvimento de programas


(softwares) especializados tornam imperativo o ensino do uso de computadores em todos as
vertentes da formação do arquiteto. Laboratórios adequados, instalações para pesquisa e estudos
avançados, intercâmbio de informações e dados relacionados a novas tecnologias devem ser
disponibilizados nas escolas da Arquitetura.

4. A criação de uma rede mundial para troca de informações, e intercâmbio de professores e


estudantes avançados, é necessária para a promoção do mútuo entendimento e para a melhoria
da qualidade da educação arquitetônica.

5. A interação contínua, entre prática e ensino da Arquitetura, deve ser incentivada e protegida.

6. A pesquisa arquitetônica deve ser considerada uma atividade inerente dos professores de
Arquitetura, e se fundar no trabalho projetual, nos métodos construtivos e, ainda, nas disciplinas
acadêmicas. Seminários críticos específicos devem ser organizados para sua avaliação, e
arquitetos praticantes incluídos nas comissões de avaliação geral.

7. O trabalho projetual deve ser uma síntese do conhecimento adquirido e das habilidades
relacionadas.

O currículo dos cursos de Arquitetura deve incluir as matérias mencionadas nos objetivos
educacionais (item II.3) desta Carta.

O exercício projetual individual, com professor e estudante dialogando diretamente, deve ocupar
uma parte substancial do tempo de estudo e constituir metade do currículo.
CONCLUSÃO

Esta Carta nasceu de uma iniciativa da UIA e da UNESCO, de tal forma que possa ser aplicada por
qualquer escola de Arquitetura, internacional ou nacionalmente.

Espera-se que esta Carta possa ser utilizada para a criação de uma rede global de educação
arquitetônica, no interior da qual as contribuições individuais possam ser compartilhadas por todos.

Esperamos que esta Carta, dirigida a todas as nações, possa contribuir para o entendimento da
educação arquitetônica como um desafio sócio-cultural e profissional do mundo contemporâneo,
que como tal precisa de garantias de proteção, desenvolvimento e ação urgente.

* * *

UIA / UNESCO CHARTER FOR ARCHITECTURAL EDUCATION


April 1996

We, the architects, concerned by the future development of architecture in a fast changing world,
believe that everything, influencing the way in which the built environment is made, used, furnished,
landscaped and maintained, belongs to the domain of the architects. We, being responsible for the
improvement of the education of future architects to enable them to work for a sustainable
development in every cultural heritage, declare:

I. GENERAL CONSIDERATIONS

That the new era will bring with it grave and complex challenges with respect to social and
functional degradation of many human settlements, characterized by a shortage of housing and
urban services for millions of inhabitants and by the increasing exclusion of the designer from
projects with a social content. This makes it essential for projects and research conducted in
academic institutions to formulate new solutions for the present and the future.

1. That architecture, the quality of buildings, the way they relate to their surroundings, the respect
for the natural and built environment as well as the collective and individual cultural heritage are
matters of public concern.
2. That there is, consequently, public interest to ensure that architects are able to understand and to
give practical expression to the needs of individuals, social groups and communities, regarding
spatial planning, design organisation, construction of buildings as well as conservation and
enhancement of the built heritage, the protection of the natural balance and rational utilisation of
available resources.

3. That methods of education and training for architects are very varied ; this constitutes a cultural
richness which should be preserved.

4. That, nevertheless it is prudent to provide a common ground for future action, not only in the
pedagogical methods used, but also with the aim of achieving an appropriate elevated level, by
establishing criteria which permit countries, schools and professional organizations to evaluate and
improve the education given to the future architects.

5. That the increasing mobility of architects between the different countries calls for a mutual
recognition or validation of individual diplomas, certificates and other evidence of formal
qualification.

6. That the mutual recognition of diplomas, certificates or other evidence of formal qualification to
practise in the field of architecture has to be founded in objective criteria, guaranteeing that holders
of such qualifications have received and maintain the kind of training called for in this charter.

7. That the vision of the future world, cultivated in architectural schools, should include the following
goals:

a decent quality of life for all the inhabitants of human settlements,


a technological application which respects the people' social, cultural and aesthetic needs of
people,
an ecologically balanced and sustainable development of the built environment,
an architecture which is valued as the property and responsibility of everyone.

II. EDUCATION AND OBJECTIVES

Since architecture is created in a field of tension between reason, emotion and intuition,
architectural education should be regarded as the manifestation of the ability to conceptualize,
coordinate and execute the idea of building rooted in human tradition.
1. Architecture is an interdisciplinary field that comprises several major components: humanities,
social and physical sciences, technology and the creative arts. Architectural education is available
at Universities, Polytechnics and Academies. The education leading to formal qualifications and
permitting professionals to practise in the field of architecture has to be guaranteed to be at
university level with architecture as the main subject.

2. The basic goal is to develop the architect as a generalist able to resolve potential contradictions
between different requirements, giving form to the society's and the individual's environmental
needs.

3. Architectural education involves the acquisition of the following:

an ability to create architectural designs that satisfy both aesthetic and technical requirements,
an adequate knowledge of the history and theories of architecture and the related arts,
technologies and human sciences,
a knowledge of the fine arts as an influence on the quality of architectural design,
an adequate knowledge of urban design, planning and the skills involved in the planning
process,
an understanding of the relationship between people and buildings, and between buildings
and their environment, and of the need to relate buildings and the spaces between them to
human needs and scale,
an understanding of the profession of architecture and the role of the architect in society, in
particular in preparing briefs that take account of social factors,
an understanding of the methods of investigation and preparation of the brief for a design
project,
an understanding of the structural design, constructional and engineering problems
associated with building design,
an adequate knowledge of physical problems and technologies and of the function of
buildings so as to provide them with internal conditions of comfort and protection against the
climate,
the necessary design skills to meet building users' requirements within the constraints
imposed by cost factors and building regulations,
an adequate knowledge of the industries, organisations, regulations and procedures involved
in translating design concepts into buildings and integrating plans into overall planning.

4. Architectural students should be made critically aware of the political and financial motivations
behind clients' briefs and building regulations in order to foster an ethical framework for
decisionmaking within the built environment. Young architects should be encouraged to assume
responsibilities as professionals within society.

5. Educational programs should promote architectural design which considers the cost of future
maintenance, also taking into account that, unlike traditional construction methods with low
maintenance materials, some contemporary, experimental and unproved industrial systems and
materials require constant and expensive maintenance.

6. The balanced acquisition of knowledge and skills cited in point 3. requires a long period of
maturation ; the period of studies in architecture should always be not less than five years of full-
time studies in a university or an equivalent institution, plus two years experience in an architectural
practice. At least one year must be devoted to professional practice following the conclusion of
academic studies.The training should be formalised by an examination at the end of the programme
of studies, the principal part being an individual presentation and defence of an architectural project
demonstrating the acquired knowledge and concomitant skills. For this purpose, juries should
include practising architects and teachers from other schools, and if possible, from other countries.

7. In order to benefit from the wide variety of teaching methods, exchange programmes for
teachers, and students at advanced level, will be desirable. Ideally final projects should be shared
among schools as a means of facilitating comparison between results and self-evaluation of
teaching establishments, through a system of international awards and exhibitions.

8. Issues related to the architecture and the environment should be introduced as part of a general
education at schools, because an early awareness of architecture is important to both future
architects and users of buildings.

9. Systems for continuing education must be set up for architects ; architectural education should
never be considered as a closed process.

III. CRITERIA FOR ARCHITECTURAL EDUCATION

In order to achieve the above mentioned goals, the following aspects should be taken into account:

1. Educational establishments are advised to create systems for self-evaluation and peer-review
conducted at regular intervals, including in the review panel, teachers from other schools and
practising architects.
2. Each teaching institution must adjust the number of students according to its teaching capacity.
Criteria for the selection of students shall be in relation to the aptitudes required for a successful
training in architecture and will be applied by means of an appropriate selection process, organised
by the schools at the point of entry in the programme.

3. Modern personalised computer technology and the development of specialised software make it
imperative to teach the use of computers in all aspects of architectural education. Adequate
laboratories, facilities for research, advanced studies, information and data exchanges for new
technologies should be provided at schools of architecture.

4. The creation of a network, on a world-wide basis, for the exchange of information, teachers and
senior students, is necessary in order to promote a common understanding and to raise the level of
architectural education.

5. Continuous interaction between practice and teaching of architecture must be encouraged and
protected.

6. Research should be regarded as an inherent activity of architectural teachers. This architectural


research must be founded on project work, construction methods, as well as academic disciplines.
Specific review panels are to be created to evaluate architectural research and architects must be
included in the general evaluation research commissions.

7. Design project work must be a synthesis of acquired knowledge and concomitant skills. The
architectural curriculum should include the subjects referred to under the educational objectives
(Section II.3.) of this charter. Individual project work with direct teacher / student dialogue must form
a substantial part of the learning period and occupy half of the curriculum.

CONCLUSION

This Charter was created on the initiative of the UIA and UNESCO, with the ability of being applied
by any architectural school on the international and national levels.

We hope that this Charter could be used for the creation of a global network of architectural
education within which individual achievements can be shared by all.

We hope that this Charter, in its appeal to the whole world, can help in the understanding that
architectural education constitutes both the socio-cultural and profesional challenge of the
contemporary world, and needs the garantee of protection, development and urgent action.

Você também pode gostar