Você está na página 1de 8

TRABALHO SOBRE MOLAS

Ronald Pereira Arruda


Jonas Marques da Silveira
Bruno Luiz de Araújo
Otto Magalhães
Márcio Martins Souza
Rodrigo Ramos
Hiles Ferreira da Costa

Resumo

Molas é um elemento único ou uma associação de elementos com a


finalidade de armazenar grande quantidade de energia potencial elástica devido
a sua capacidade de assumir deformações elásticas sobre a ação de forças ou
momento. Possui vários formatos e tamanhos, tornando seu uso essencial na
industria.

Palavras-chave: energia potencial, elasticicidade.


1. OBJETIVOS

Definir o conceito de molas e de elasticidades das molas, descrever


elementos característicos das molas demonstrando os modelos mais utilizados
nas industrias durante vários anos.

2. INTRODUÇÃO
Trata-se de um elemento único ou uma associação de elementos
(sistema) capaz de assumir notáveis deformações elásticas sob a ação de forças
ou momentos, e, portanto, em condições de armazenar uma grande quantidade
de energia potencial elástica. Elasticidade é a propriedade que determina como
um corpo retorna ao seu tamanho e forma originais após ter sido distendido
(deformado) por uma força. Se o restabelecimento ao tamanho e forma
primitivos for completo, o corpo será denominado perfeitamente elástico.
Uma mola helicoidal ou uma tira de borracha alongam-se sempre que
uma força for aplicada. Se a distensão não é muito grande, esses corpos tendem
a retornar aos comprimentos originais, ao ser removida a força deformadora.
Obviamente a elongação y de uma mola distendida, aumentará ao aumentar a
força. Se y = 0, quando a força F = 0, a relação entre a força e a elongação
poderá ser expressa por uma equação da forma

F = k.y
Chamam-se características elásticas de uma mola os gráficos que exibem
a variação da intensidade da força ou do valor do momento de reação em
função da excursão (deformação) retilínea y ou angular ϕ . Geralmente as
curvas representativas resultantes são curvas quaisquer, mas existem trechos
cujos diagramas mantém-se, com grande aproximação, retilíneos e para os
quais as expressões da força e do momento de reação em função das respectivas
excursões y e ϕ . podem ser postas sob a forma F = K.y ou M = K. ϕ .

3. DESENVOLVIMENTO

3.1 Elementos que caracterizam uma mola

• Flecha
• Rigidez
• flexibilidade
3.1.1 Flecha

Flecha é a deformação sofrida pela mola sob a ação de uma determinada


força, medida na direção da própria força. Tal conceito pode estender-se
também a um elemento elástico sujeito a um binário, neste caso a força é
substituída por um momento aplicado e a deformação retilínea pelo
deslocamento angular.

Figura 1 - Flecha

3.1.2 Rigidez
éÉ o
É o coeficiente de rigidez ou coeficiente angular dos considerados trechos
retilíneos nos diagramas de comportamento elástico das molas. De acordo com a
natureza e os efeitos dos elementos elásticos componentes dos sistemas
mecânicos, os relativos coeficientes de rigidez podem ser diferenciados em
coeficientes de rigidez axial, flexional, torcional e de deslizamento.

Figura 2 – Diagrama do coeficiente de rigidez


3.1.3 Flexibilidade

Flexibilidade da mola é o valor recíproco da rigidez, ou seja: ϕ = y / F ou


1 / K = ϕ / M onde y é a deformação linear, F a intensidade da força que a
originou, ϕ é a deformação angular, M o valor do momento que a determinou
e K é coeficiente de rigidez da mola. A flexibilidade da mola indica o valor da
deformação sob a carga unitária.

3.2 Constante elástica

Uma mola quando submetida a uma força, se alonga por um certo momento,
quando é retirada a força a mola retorna ao seu comprimento original.
Vemos que aumentando a força de atuação aumenta-se o alongamento da mola.
Devido ao fato, deveremos obter uma reta de declividade igual a k. A
constante k dependerá da forma e das propriedades elásticas da mola e,como
sabemos, é denominada de constante elástica da mola. A Eq. (F=K.y) é uma das
formas da lei de Hooke. O fato de a mola retomar sua forma inicial ao ser
retirada a força de distensão indica possuir a mola certa energia potencial,
enquanto distendida. Essa energia potencial deverá ser igual ao trabalho
realizado para distender a mola. Ao se puxar uma mola, o deslocamento se dará
conforme o aumento da força. Isso significa não ser constante a força aplicada
durante o tempo em que se realiza o trabalho sobre a mola. F = k .y

3.3 TIPOS DE MOLAS


Existem vários tipos de molas, cada qual com as características necessárias para
a utilização.
Os tipos mais utilizados são os seguintes:

3.3.1 Molas de Flexão simples

As molas de flexão simples denominadas molas de folha são


molas de lâminas apoiadas nas duas extremidades e carregadas no
meio do vão livre por uma carga concentrada. Têm espessura
constante e largura constante ou variável linearmente com um valor
máximo em correspondência à carga de um valor mínimo nas
extremidades. Ver figura 3.
Figura 3 - Mola de flexão simples

3.3.2 Molas em Lâminas


Feixe de molas em lâminas são aqueles geralmente usados nos auto-
veículos e no material móvel ferroviário. Ver figura 4.

Figura 4 – Molas em lâmina

3.3.3 Molas de flexão em espiral


São formadas por uma fita de material elástico. A seção retangular
constante é posta em espiral plana com uma extremidade fixa e outra presa a
um órgão giratório em torno do próprio eixo. Aplicando-se ao órgão giratório,
um momento torçor, a mola se enrola em volta deste tensionando-se. Este tipo
de mola é aplicado nos equipamentos móveis de quase todos os aparelhos
elétricos e mecânicos de medida, para obter um momento de reação
proporcional àquele a ser medido. Ver figura 5 e 6.

Figura 5 – Mola espiral Figura 6 – Mola espiral (esquemático)

3.3.4 Molas de flexão helicoidal


É formada por uma barra de seção circular, enrolada numa hélice
cilíndrica, com uma extremidade fixa e outra coligada a um órgão móvel, que
gira em torno do eixo da mola. A mola resulta, portanto, solicitada por um
binário contido em um plano normal ao eixo da própria mola. O ângulo de
rotação depende do diâmetro do fio e do seu comprimento e não do passo ou
diâmetro do cilindro, sobre o qual é desenvolvida a hélice. Ver figura 7

Figura 7 – Molas de flexão helicoidal

3.3.5 Molas de torção


São aquelas cuja solicitação predominante é a da torção. A mola de
torção mais simples é chamada barra de torção. É constituída por uma barra de
seção circular de eixo retilíneo, presa por uma extremidade e sujeita na
extremidade livre a um momento que age num plano normal ao eixo da barra.
Age como mola quando coliga elasticamente dois órgãos mecânicos que devem
submeter-se a afastamentos angulares elásticos relativos. Ver figura 8 e 9.

Figura 8 – Mola de torção Figura 9 – Mola de torção

3.3.6 Molas de tração

Figura 10 – Molas de tração

3.4 Materiais utilizados na fabricação


Os materiais empregados na construção das molas são os aços a carbono,
com teor de carbono superior a 0,7% e até a 1 ou 1,2%, os aços a manganês,
pela sua elevada resistência à fadiga, os aços a silício, pelos seus elevados
limites de elasticidade e de ruptura, depois da têmpera. Para estes dois últimos
aços porém, as maiores propriedades são atingidas com a presença simultânea
do manganês e eventualmente do cromo.

4 CONCLUSÃO
Este trabalho foi realizado com o intuito de conhecer um elemento muito
utilizado na mecânica desde a antiguidade até a modernidade. Elemento de
várias característica e inúmeras finalidades podendo modificar seu tamanho
ou formato pa adequa-lo a qualquer equipamento mecânico com a mesma
finalidade, armazenar energia elástica.
4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• www.feiradeciencias.com.br/sala06/06_36.asp 09/11/2005
• www.feiradeciencias.com.br/sala06/06_34.asp 09/11/2005