Você está na página 1de 16

Fdsðwxor 4

Vxfhvvøhv Uhdlv h Vìulhv Qxpìulfdv


1 Exercícios propostos
Sucessões Reais
Exercício 1 Calcule o limite das seguintes sucessões:
n3 +1
1. 2n2 −3
;
n−2
2. n3 +2n2 −2
;

3. √ n ;
n2 +n

1+2+3+···+n
4. n2
;
(n+2)!−n!
5. n!(5n2 +2)
;

n
2k
6. 33+2k
;
k=0

3n+1 √
7. n
2 +4 n sen ( n
+ π) ;
√ 
8. n2 + 4 − n cos6 (2n + 1) ;
nn+1
9. nn +2
;
1
10. (2n2 − 1) n2 +1 ;
 n
11. 4n−3
4n+1
;
nn−2
12. (n+π)n
(n2 + 1) ;

n3 −1
13. n
4n3 +2
;

1 (2n)!
14. n
n
(n!)2
;

15. n
ln (n + 1);
1 1 1 1
16. 2n
+ 4n
+ 6n
+ ··· + 2n2
.

Exercício 2 Prove, por definição, que:

1. lim n+senn
n+5
= 1;

2. lim (n2 + 2) = +∞.

1 Setembro de 2004
Exercício 3 Utilize o teorema das sucessões enquadradas para calcular o
limite das seguintes sucessões:

2n+1
1. √ 1 ;
n2 +k
k=1


2n
n+cos(kπ)
2. 3n2 +1
;
k=1

n!
3. nn
.
Exercício 4 Estude quanto à monotonia as sucessões de termo geral:
4 2n−1
1. an = 3
− 3n
;
1
2. bn = − en−1 .
Exercício 5 Diga, justificando, se as seguintes afirmações são verdadeiras
ou falsas:
1. A sucessão de termo geral
 n
se n ≤ 10
an = n+1
3 se n > 10
é divergente;
2. A sucessão de termo geral
 n
se n é par
an = n+1
3 se n é ímpar
é divergente;
3. Se (un ) é uma sucessão decrescente de termos positivos, então (un ) é
convergente;
4. Uma sucessão decrescente de termos positivos tende para zero.
Exercício 6 Estude a natureza das seguintes sucessões e indique se são ou
não limitadas. Calcule, em cada caso, os limites inferior e superior:
1. an = [2 + (−1)n ] n;
n
2. bn = n(−1) ;
3. cn = (−1)n n!;
cos(nπ)+cos(2nπ)
4. un = n
.

2 Setembro de 2004
Exercício 7 Considere as seguintes proposições simples:
a = a sucessão (un ) é monótona crescente.
b = a sucessão (un ) é limitada.
c = a sucessão (un ) é convergente.
Transcreva em linguagem corrente e indique o valor lógico das seguintes
proposições:
1. c ⇒ a;
2. a ∧ b ⇒ c;
3. ∼ b ⇒∼ c;
4. ∼ c ⇒ (∼ a∧ ∼ b) .
Exercício 8 Considere a sucessão:
n
1
an = , ∀n ∈ IN.
k=0
(k + 1)(k + 2)
n+1
1. Prove, por indução matemática, que an = n+2
, ∀n ∈ IN;
2. Prove, por definição de limite, que lim an = 1.
Exercício 9 Sendo a ∈ IR, com 0 < a < 1, considere a sucessão definida
por recorrência do seguinte modo:

u1 = a
un−1 .
un = un−1 +1
, ∀n  2
1. Prove, por indução matemática, que 0 ≤ un ≤ 1, ∀n ∈ IN;
2. Prove que (un ) é convergente e calcule o seu limite.
Exercício 10 Seja (an ) uma sucessão definida por recorrência do seguinte
modo:

a1 = 1
.
5an+1 = an + 8, ∀n  1

Seja (bn ) a sucessão de termo geral bn = an − 2.


1. Prove, usando o método de indução matemática, que:
 n−1
1
bn = − , ∀n ∈ IN;
5
9
2. Mostre, sem utilizar o método anterior, que 5
≤ an ≤ 2, ∀n ≥ 2.

3 Setembro de 2004
Séries Numéricas
Exercício 11 Utilizando a definição de convergência de uma série, verifique
quais das seguintes séries são convergentes ou divergentes e sempre que pos-
sível calcule a sua soma:
1. 2 + 4 + 6 + 8 + . . . ;

+∞
6
2. 5n−2
;
n=2


+∞ 
1 (β−3)n
3. 3
, β ∈ IR;
n=0


+∞
2n+1
4. n2 (n+1)2
;
n=1


+∞ ln( n+2
n )
5. ln(n) ln(n+2)
;
n=2

+∞  α
  α

6. cos n+2
− cos n+1
, α ∈ IR;
n=1


+∞
5.3n −2n .n.(n−1)
7. 3n .n.(n−1)
.
n=2

Exercício 12 Diga qual a natureza e determine o termo geral de uma série


n
cuja sucessão das somas parciais é Sn = n+1 .
Exercício 13 Mostre que o número racional associado à dízima 0, 125000 . . .
também pode ser representado por 0, 124999 . . . .
Exercício 14 .
 1
1. Calcule o resto de ordem 100 da série n2 +n
;
n≥2

2. Determine uma ordem a partirda 1qual o erro que se comete ao tomar


para valor da soma da série (n+1)2
a sua soma parcial, não exceda
n≥1
0, 1.
an
Exercício 15 Considere a sucessão de termo geral vn = 22+3n
, com a ∈ IR.
1. Diga para que valores de a a sucessão (vn ) é:

(a) Convergente;
(b) Divergente mas limitada.

4 Setembro de 2004

2. Diga para que valores de a a série vn é convergente e calcule a sua
n≥1
soma.

Exercício 16 Determine a natureza das séries de termos não negativos cujos


termos gerais são:
n+1
1. n3 −n+2
;

2. √ 1
;
n(n+2)

3. cos n1 ;
sen2 (nα)
4. n3 +1
, α ∈ IR;
ln n
5. n
;
1×3×5×···×(2n+1)
6. 3×6×9×···×(3n+3)
;
n2
( n+1
n )
7. 4n
;
2n n!
8. nn
.

Exercício 171 Determine,


 em função de α ∈ IR, a natureza da série de termo
geral ln 1 + nα .
 
Exercício 18 Sejam an e bn duas séries de termos
 2 positivos
 conver-
√
gentes.
Que pode
afirmar acerca da natureza das séries an , an .bn , an bn
 1 1
e an
+ bn ?

Exercício 19 Sendo an o termo geral de uma sucessão de termos  1 positivos


tal que lim an = 0, indique, justificando, a natureza da série n+an
.

Exercício 20 Indique quais das seguintes séries são absolutamente conver-


gentes, simplesmente convergentes ou divergentes:

+∞
(−1)n
1. √ ;
n
n=1


+∞
2. (−1)n n
2n3 +1
;
n=1


+∞
3. (−1)n n2 +2n
n2 +1
;
n=1

5 Setembro de 2004

+∞
cos((n−1)π)
4. lnn (n+1)
;
n=1

+∞   n
5. sen a + n1 , 0 < a < π2 .
n=1

Exercício 21 Diga, justificando, qual o valor lógico das seguintes proposições:

1. A soma de duas séries divergentes é uma série divergente;

2. A soma de uma série convergente com uma série divergente é uma série
divergente;

3. Se an → 0 então a série an é convergente;
 1 
4. As séries √ e √1 são da mesma natureza;
n+1 n+1
n≥1 n≥100
 
5. Se a série a2n é convergente, então a série |an | também é conver-
gente;
 
6. Se a série 5n an é absolutamente convergente, então a série (−2)n an
é convergente.

6 Setembro de 2004
Exercícios Complementares
Sucessões Reais
Exercício 22 Determine, caso exista, o limite das sucessões que têm por
termo geral:
n2 +1
1. 3n2 −2n+1
;
3
2. √n +n+5 ;
2n5 +3n4

cos(nπ) (−1)n+1
3. n+1
+ n
+ 3;
1
4. (2n3 + n2 ) 3 − n;
n  
 1 k
5. 3
;
k=0


2n √
6. √ n ;
n3 +k
k=0

2n +3n
7. 2n −3n
;

8. n − n2 − n;
n+sen2 n
9. 2n+3
;
cos(nπ)
10. n2
;
1
11. [(n + 3)! − (n + 2)!] n ;
 n −2n
12. n−1 ;
3n2 +2
2n2 +n+5
13. n2 +3
;
2n
14. n!
.

Exercício 23 Prove, por definição, que:

1. lim n+10
2n−1
= 12 ;

2. lim (7 − 2n) = −∞;



3. lim (−1)n n = ∞.

7 Setembro de 2004

Exercício 24 Estude quanto à monotonia a sucessão an = 2n + 1.

Exercício 25 Estude a natureza das seguintes sucessões e indique se são ou


não limitadas. Calcule, em cada caso, os limites inferior e superior.
(sen n)n
1. an = 5n−1
;
an
2. bn = 42n
, a ∈ IR;

3. cn = [(−1)n + 1] 2n −n 2
n2 +2n
;
n+(−1)n (2n−1)
4. vn = n+1
;
5. wn = sen nπ
3
+ cos nπ
3
.

Exercício 26 Seja (un ) a progressão geométrica de razão r e 1o termo a


(a
= 0).

1. Sendo Sn a soma dos n primeiros termos desta progressão, prove que,


n
se r
= 1, Sn = a 1−r
1−r
;
2. Diga em que condições a sucessão (Sn ) é convergente.

Exercício 27 Sendo (un )n a progressão aritmética de razão r e 1o termo a


(a
= 0), prove que Sn = n a+u
2
n
, onde Sn é a soma dos n primeiros termos
desta progressão.

Exercício 28 Considere as seguintes sucessões


 2n
1 1 1 1 1
un = 1 − 2 e vn = + + + · · · + .
n 1! 2! 3! n!
1. Calcule lim un;
1
2. Prove, pelo método de indução matemática, que vn < 3 − n!
, ∀n ∈ IN;
3. Justifique que (un + vn ) é convergente.

Exercício 29 .

1. Prove, pelo método de indução matemática, que:

nn ≥ n!, ∀n ∈ IN;


n−1
k!
2. Calcule lim nn+1
.
k=0

8 Setembro de 2004
Exercício 30 Considere a sucessão:

u1 = −1
un .
un+1 = 1−2u n
, ∀n ≥ 1
1
1. Prove, pelo método de indução matemática, que un = 1−2n
, ∀n ∈ IN;
2. Calcule lim un .
Exercício 31 Considere a sucessão:

u1 = 34
.
un+1 = 2un + 1, ∀n  1
1. Mostre que un  n, ∀n > 1;
2. Mostre que lim un = +∞.
Exercício 32 Sejam (un ) e (vn ) duas sucessões de termos positivos tais que:
 
u1 = 4 v1 = 2
un +vn e √ .
un+1 = 2 , ∀n ∈ IN vn+1 = un vn , ∀n ∈ IN

1. Prove, por indução que un > vn , ∀n ∈ IN;


2. Justifique que (un ) é monótona decrescente.
Exercício 33 Seja bn a sucessão definida por recorrência:

b1 = 1
.
bn+1 = bnn , ∀n ∈ IN

1. Mostre, usando o princípio de indução matemática, que:


1
bn = , ∀n ∈ IN;
(n − 1)!

bn
2. Calcule lim n 2n .
Exercício 34 Sendo a ∈ IR, com 0 < a < 1, considere a sucessão definida
por recorrência do seguinte modo:

u1 = 3
.
un+1 = un + 3an , ∀n  1

n
1. Prove, por indução matemática, que un = 3 ak−1 , ∀n ∈ IN;
k=1

2. Prove, por indução matemática, que a sucessão (un ) é monótona;


3. Calcule o lim un .

9 Setembro de 2004
Séries Numéricas
Exercício 35 Mostre que:
 1
1. (n−1)n(n+1)
= 14 ;
n≥2
 2n +n2 +n
2. 2n+1 n(n+1)
= 1.
n≥1

Exercício 36 Estude, quanto à convergência, as seguintes séries:

1. 2 − 2 + 2 − 2 + 2 − . . . ;
7 7 7
2. 7 + 10
+ 102
+
+ ...; 103
 n
3. 1 − 12 + 14 − 18 + · · · + − 12 + · · · ;

+∞
2 3

4. 4n2 −1
− 2n
;
n=3


+∞  
5. ln 1 + n1 ;
n=1


+∞ √
n
6. √
n+1+1
;
n=1

 √
+∞ √
7. √n+2− n
;
n=1 n(n+2)


+∞
ln
8. √n ;
n2 n+1
n=1

√
+∞
n3 +2n+1
9. n5 +3
;
n=1


+∞ √ √
1+ 2+···+ n
10. 2
n +1
;
n=1


+∞
1
11. [3+(−1)n ]2n
;
n=1


+∞
12. n e−(2n+1);
n=1


+∞ 
13. n sen n1 − (n + 2) sen n+2
1
.
n=1

10 Setembro de 2004

+∞
Exercício 37 Seja un uma série convergente de soma S. Indique, justi-
n=1

2k 
2k
ficando, os limites das sucessões de termos gerais Uk = un e Vk = un .
n=1 n=k+1

Exercício 38 Represente, como quociente de dois inteiros, os números racionais


correspondentes às seguintes dízimas infinitas periódicas:

1. 3, 333 . . . ;

2. 1, 125125125 . . . ;

3. 2, 04125125125 . . . .
 2n−1
Exercício 39 Calcule a expressão geral do resto de ordem p da série 5n+2
.
n≥1

1
Exercício 40 Considere a sucessão an = 4n2 −1
.

1. Calcule o limite da sucessão bn = n (n + 1) an ;

2. Estude a natureza da série an e, se possível, calcule a sua soma.
n≥1

Exercício 41 Considere a seguinte sucessão:


1 1 1 1
un = √ 2 +√ 2 +√ 2 + ··· +  .
n +1 n +2 n +3 (n + 1) 2

1. Prove que lim un = 2;


 1
n
2. Estude a natureza da série un
.
n≥1

Exercício 42 Indique quais das seguintes séries são absolutamente conver-


gentes, simplesmente convergentes ou divergentes:

+∞
1. 1 + (−1)n 1
2n
;
n=1


+∞
sen n
2. n2
;
n=1


+∞
3. (−1)n n2
1+n2
;
n=1

11 Setembro de 2004
 n

+∞
3
4. 3+sen( nπ
;
n=1 2 )


+∞
5. (−1)n 1√
n+ n
;
n=1


+∞
(−1)n+1 n−1
n
6. 3n+1
;
n=1


+∞ 
−3 n
7. n
;
n=1


+∞
8. (1 + sen x)n .
n=1

Exercício 43 Determine, justificando, aproximações à soma das séries seguintes


com um erro inferior a 0, 001 :

+∞
(−1)n+1
1. 2n3 −1
;
n=1


+∞
(−1)n
2. n!
;
n=0


+∞
(−1)n
3. 2n n!
.
n=0

Exercício 44 Determine os valores de p ∈ IR, para os quais as seguintes


séries são convergentes:

+∞ √ √ 
1. np n+1− n−1 ;
n=1


+∞ p
2. sen n1 .
n=1

Exercício 45 Seja (un ) umasucessão convergente para a ∈ IR. Sendo


p ∈ IN, mostre que a série (un − un+p ) é convergente e calcule a sua
n≥1
soma.
Exercício
 46 Determine os valores do número real α, para os quais a série
(−1) (n + 1)−α é:
n

n≥0

1. Simplesmente convergente;
2. Absolutamente convergente.

12 Setembro de 2004
 
Exercício 47 Prove que se |an | converge, então a2n é convergente. Mostre
que a proposição recíproca é falsa.
 2  2
Exercício
 48 Mostre que se an e bn são convergentes, então a série
an bn é absolutamente convergente.

13 Setembro de 2004
Soluções

1.1: +∞; 1.2: 0; 1.3: 1; 1.4: 12 ; 1.5: 15 ; 1.6: 211


; 1.7: 0; 1.8: 0; 1.9: +∞;
−1 −π
1.10: 0; 1.11: e ; 1.12: e 1.13: 1; 1.14: 0; 1.15: 1; 1.16: 0.
2: - .
3.1: 2; 3.2: 23 ; 3.3: 0.
4.1: Estritamente decrescente; 4.2: Estritamente crescente.
5.1: Falsa; 5.2: Verdadeira; 5.3: Verdadeira; 5.4: Falsa.
6.1: Propriamente divergente, ilimitada, +∞, +∞; 6.2: Oscilante, ilimi-
tada, 0, +∞; 6.3: Oscilante, ilimitada, −∞, +∞; 6.4: Convergente, limi-
tada, 0, 0.
7.1: Se a sucessão (un ) é convergente então é monótona crescente; falsa;
7.2: Se a sucessão (un ) é monótona crescente e limitada então é convergente;
verdadeira; 7.3: Se a sucessão (un ) é não é limitada então não é convergente;
verdadeira; 7.4: Se a sucessão (un ) não é convergente então não é monótona
crescente e não é limitada; falsa.
8: - .
9.1: -; 9.2: 0.
10: - .
11.1: Divergente; 11.2: Convergente, S = 15 2
; 11.3: Convergente se β > 3,
1
S= β−3 ; 11.4: Convergente, S = 1; 11.5: Convergente, S = ln12 + ln13 ;
1−( 13 )
11.6: Convergente ∀α ∈ IR, S = 2 − cos α − cos α2 ;.11.7: Convergente;
S = 11 3
.
 1
+∞
12: Convergente, n(n+1)
.
n=1
13: - .
1
14.1: 101 ; 14.2: p ≥ 9.
a
15.1a: −8 < a ≤ 8; 15.1b: a = −8; 15.2: −8 < a < 8; S = 32−4a .
16.1: Convergente; 16.2: Divergente; 16.3: Divergente; 16.4: Convergente;
16.5: Divergente; 16.6: Convergente; 16.7: Convergente; 16.8: Conver-
gente.
17 Convergente se α > 1, divergente se α ≤ 1.
18 Convergente, convergente, convergente e divergente, respectivamente.
19: Divergente.
20.1: Simplesmente convergente; 20.2: Absolutamente convergente;
20.3: Divergente; 20.4: Absolutamente convergente; 20.5: Absolutamente
convergente.
21.1: Falsa; 21.2: Verdadeira; 21.3: Falsa; 21.4: Verdadeira; 21.5: Falsa;
21.6: Verdadeira.

14 Setembro de 2004
22.1: 13 ; 22.2: +∞; 22.3: 3; 22.4: +∞; 22.5: 32 ; 22.6: 2; 22.7: −1;
22.8: 12 ; 22.9: 12 ; 22.10: 0; 22.11: +∞; 22.12: e−2 ; 22.13: +∞;
22.14: 0.
23: - .
24: Estritamente crescente.
25.1: Convergente, limitada, 0, 0; 25.2: Se |a| < 16, convergente, limitada, 0,
0; se a > 16, propriamente divergente, ilimitada, +∞, +∞; se a < −16, os-
cilante, ilimitada, −∞, +∞; se a = 16, convergente, limitada, 1, 1;
se a = −16, oscilante, limitada, −1, 1; 25.3: Oscilante, limitada,
√ √ 0, 4;
25.4: Oscilante, limitada, −1, 3; 25.5: Oscilante, limitada, − 23 − 12 , 23 + 12 .
26.1: - ; 26.2: −1 < r < 1.
27: - .
28.1: 1; 28.2: - ; 28.3: - .
29.1: - ; 29.2: 0.
30.1: - ; 30.2: 0.
31: - .
32: - .
33.1: - ; 33.2: 0.
3
34.1: - ; 34.2: - ;34.3: 1−a .
35: - .
36.1: Divergente; 36.2: Convergente; 36.3: Convergente; 36.4: Conver-
gente; 36.5: Divergente; 36.6: Divergente; 36.7: Convergente;
36.8: Convergente; 36.9: Convergente; 36.10: Divergente; 36.11: Con-
vergente; 36.12: Convergente; 36.13: Convergente.
37: S, 0.
38.1: 10 ; 38.2: 1124
3  999
; 38.3: 203921
99900
.
1 2 p
39: 75 5 .
40.1: 1; 40.2: 12 .
41.1: - ; 41.2: Convergente.
42.1: Divergente; 42.2: Absolutamente convergente; 42.3: Divergente;
42.4: Divergente; 42.5: Simplesmente convergente; 42.6: Absolutamente
convergente; 42.7: Absolutamente convergente; 42.8: Absolutamente con-
vergente se x ∈ ](2k − 1) π, 2kπ[ , com k ∈ ZZ, divergente caso contrário.
43.1: S7 0.947478; 43.2: S6 0.368055; 43.3: S4 0.60677.
44.1: p < − 12 ; 44.2: p > 1.
45: S = a1 + a2 + · · · + ap − a × p.
46.1: 0 < α ≤ 1; 46.2: α > 1.
47: - .
48: - .

15 Setembro de 2004