Você está na página 1de 13

FUMDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR

CMPUS DE ROLIM DE MOURA - RM

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - DED

PROJETO DE PESQUISA

CONVERGÊNCIAS LINGÜÍSTICAS EM ROLIM DE MOURA


E CIDADES ADJACENTES

CODRDENADOR: Prof. Dr. Francisco Ferreira Moreira

Rolim de Moura

Março de 2009
1. IDENTIFICAÇÃO

1.1 Titulo do projeto: CONVERGÊNCIAS LINGUISTICAS EM ROLIM DE

MOURA E CIDADES ADJACENTES

1.2 Dados do Coordenador:

Nome completo: Francisco Ferreira Moreira


CPF: 101.651.853-68 RG: 124.747/SSP-RO
Endereço completo: Av Salvador, 4931, Bairro Olímpico.
Cidade: Rolim de Moura Estado: Rondônia CEP: 74940.000
Tel. (69) 34426886 – 92580640 e-mails: profmorgm@hotmail.com;
ffmor@unir.br ; ffmor@bol.com.br; profmoreira@yahoo.com.br
Titulação: ( ) Especialista ( ) Mestre ( x ) Doutor
Regime de trabalho: Dedicação exclusiva

1.3 Área do conhecimento na qual está inserido o projeto:


Letras e Lingüística
Subárea: Sociolinguística

1.4 Data de inicio: agosto de 2009

1.5 Data de termino: Julho de 2011

1.6 Local de realização: Campus da UNIR Rolim de Moura

1.7 Grupo de Pesquisa:

Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Educação na Amazônia

Lingua, Cultura e Sociedade Amazônica/Amazônidas

1.8 Linha de pesquisa:

Sociolingüística linguas, linguagens e culturas amazônicas/amazônidas.

2.0 CONVERGÊNCIA LINGUÍSTICA EM ROLIM DE MOURA E


CIDADES ADJACENTES
RESUMO: O presente projeto pretende investigar as convergências lingüísticas em Rolim de
Moura e cidades adjacentes, com vistas a identificar quais os fatores que levas as variações
lingüísticas proveniente das demais regiões do paìs a se aproximarem quando passam a conviver
num novo espaço geográfico. Para tanto, apoia-se em autores como, Preti, Tarallo, Tarallo &
Alkimin, além de outros que apontam princípios teóricos e metodológicos para pesquisas desta
natureza. Quanto ao trabalho de campo o mesmo será levado a efeito em várias etapas
primeiramente, serão definidas as Comunidades lingüísticas a serem investigadas, depois, far-
se-ão reunião nessas comunidades com vistas a explicar os objetivos da pesquisa; seleção de
falantes/informantes, levando em consideração a procedência, sexo faixa etária e outras
variáveis como aplicação de questionários e gravações de entrevista espontâneas.

2.1 Dados do Projeto e do(a) Proponente

Título do Projeto: Babel às avessas: convergências lingüísticas em Rolim de Moura e


cidades adjacentes
Referência do Edital: CNPq Nº 02/2009
Coordenador(a) do Francisco Ferreira Moreira
Projeto:
Instituição Executora: Universidade Federal de Rondônia-UNIR
Campus de Rolim de Moura

2.2 Categoria de Enquadramento da Proposta

Apoio a atividade de pesquisa científica, O Edital tem por objetivo apoiar atividades de
tecnológica e de inovação pesquisa científica, tecnológica e de inovação,
mediante a seleção de propostas para apoio
financeiro a projetos relacionados ao objeto
abaixo indicado .

2.3 Caracterização e Justificativa

Por se tratar de um país de dimensões continentais, cuja colonização deu-se


por etapas instaurou-se o fenômeno da migração interna com consideráveis avanços
principalmente nos dois últimos séculos. Dado o perfil preliminar da grande extensão
territorial, é notório que haja uma diversidade de fatores, tanto do ponto de vista
climatológico quanto econômico-social e cultural que influenciou no processo de
migração. Diante disso, é natural que o Brasil abrigue em seu território povos de origens
diversas, e, conseqüentemente, apresente variações em sua língua, herdada dos “barões
assinalados” d`além mar desde a época da colonização, a quem vieram juntar-se os
negros africanos concentrados principalmente no litorâneos, nordestino no período da
produção açucareira.
Depois, em conseqüência das várias crises econômicas, principalmente do
estado beligerante que varreu a Europa no último século, para cá vieram os italianos,
eslavos e alemães, que se concentraram na região sul do país. A expansão da
cafeicultura, como atividade econômica no último quartel do século XIX e primeiras
décadas do século XX, tornou necessária a importação de mão-de-obra especializada
nesse sentido, uma vez que a escrava não havia mais no país nem era dotada de
qualificação profissional para o manuseio adequado à referida cultura. Assim, mais
imigrantes europeus (italianos) vieram para os estados do Sudeste, principalmente para
São Paulo e Espírito Santo. Houve ainda os migrantes orientais (japoneses, sírio-
libaneses, turcos, árabes, entre outros) que fizeram deste imenso país seu lar e de seus
descendentes Nesse sentido, é natural que tais povos e suas respectivas linguagens
acabassem por entrecruzar-se, mesclando-se, vindo assim, a constituir um universo
heterogêneo dentro de uma entidade homogênea denominada Nação Brasileira, cujo
idioma oficial é a Língua Portuguesa, mas completamente diferente daquela falada em
Portugal, visto ser tão diversificado quanto o seu próprio povo.
Na verdade, a movimentação interna desses povos propiciou contato entre
os diversos extratos regionais, os quais influenciados pelos vários fatores e somado às
contribuições advindas de migrantes estrangeiros, certamente interferiram nos processos
tanto estruturais quanto de articulação da linguagem, fomentando assim, o surgimento
de novos falares. Para melhor entender o que é variação lingüística, é preciso levar em
conta as perspectivas sociais, regionais e funcionais, é necessário também, compreendê-
la como reflexo de uma experiência atravessada pelos aspectos históricos, culturais
psicológicos e sociais de determinados grupos de falantes. Assim, as variantes
lingüísticas se configuram como um espelho da diversidade humana, na medida em que
refletem a coexistência de culturas distintas, ocupando o mesmo espaço onde cada etnia
apresenta-se com sua tradição, seu valor e sua língua, construindo um patrimônio cuja
transmissão se dá de geração a geração, num processo de socialização da herança
cultural, cujo elemento responsável pela veiculação de todos os traços sócio-culturais é
certamente, a língua.

2.3.1 O porquê de nossa escolha


Primeiramente porque a região que nos propomos investigar abrange os
municípios: de Rolim de Moura, Alta Santa Luzia D`Oeste, Alta Floresta D’Oeste e
Novo Horizonte D`Oeste e Castanheiras, municípios cuja colonização deu-se no ultimo
quartel do século passado, sendo Rolim de Moura o primeiro deles, portanto, mais
populoso e desenvolvido, considerado Pólo. Os demais são municípios satélites que
mantêm uma estreita relação com Rolim de Moura, inclusive no que diz respeito à
educação, uma vez que o Campus da UNIR atende a toda essa região.
Depois, em virtude de ser uma região cuja concentração humana é bastante
significativa no tocante a contingentes populacionais advindos de outras regiões do país,
apresenta condições ideais quanto à miscigenação cultural, com linguagem rica e
variada, determinada, evidentemente pelo contato entre os indivíduos de vários estados
brasileiros. Outro fator que levou a optar por esta região como campo de pesquisa, foi o
estado de ebulição lingüística em que a mesma se encontra haja vista a diversidade de
falas que se confrontam e se contrastam num constante movimento de linguagem.
Neste contexto, onde o original ainda se faz presente, a tendência é, aos poucos, irem se
apagando as marcas que os migrantes ainda carregam em seus sotaques e, naturalmente
constituir uma linguagem com as características.
Assim, não é difícil observar que os migrantes do Sul do país, ainda tragam
na linguagem “murmúrios europeus”; Os que vieram dos estados do Nordeste, com sua
linguagem de influência diversa, porém, bem demarcada; em escala numericamente
menor, os migrantes da região Sudeste, com pronúncia peculiar das consoantes
vibrantes, herança dos primeiros colonizadores. Esses falares em contato certamente
apresentam traços que carecem de sistematização e possam ser bem compreendidos,
principalmente pelos professores que atuam nas séries iniciais e no ensino fundamental.
A partir de tais considerações, o intuito é promoverer uma investigação no
sentido de verificar o comportamento de tal diversidade na região, visto que, neste
rincão concentram-se pessoas de quase todas as regiões do país, além de estrangeiros,
principalmente missionários e ambientalistas. Não se pode esquecer que a ocupação
dessa região é um processo recente, não indo além de (30) trinta anos, razão pela qual
boa parte de seus ocupantes ainda é constituída de “pioneiros”, por isso mesmo,
carregam, ainda que de forma já “suavizada” algumas expressões e sotaques de suas
regiões de origem. É esse manancial, atualmente em plena efervescência, que do
ponto de vista científico, reclama por uma sistematização, ou seja, faz-se necessário um
trabalho de investigação, de um lado, para que possamos conhecer melhor a evolução
desses contatos lingüísticos, e de outro, numa dimensão mais rigorosa, para verificar
algumas hipóteses no que diz respeito à possibilidade do surgimento de novos falares e
principalmente se há traços ou pistas que nos possam indicar a possível formação de um
futuro dialeto. Nesse sentido, a proposta visa o reconhecimento dessa fonte de riqueza
lingüístico-cultural e propõe-se a pesquisá-la de modo a valorizar a multiplicidade para
que a mesma possa contribuir numa educação pluralística, tão necessária ao ambiente
brasileiro visto que a diversidade cultural e lingüística são fatores pertinentes à
formação nacional, mas que só recentemente passaram a ser contemplados pelas
políticas publicas e educacionais

2.4 Objetivo geral

. Conhecer a diversidade lingüística existente na região de Rolim de Moura, levando em


consideração seu impacto, sua importância no processo de ensino aprendizagem e sua
posterior divulgação através de palestras, seminários, simpósios e publicações
científicas.

2.4.1 Objetivos específicos


. Identificar quais as variações transmigradas para a região;
. Observar como se processa sua miscigenação no novo espagráfico;
. Verificar como se dá a interação lingüística dos falantes, observado as perdas e ganhos
no que diz respeito aos aspectos fonético-fonológicos e morfossintáticos;
. Investigar quais os fatores determinantes da possível convergência lingüísticas na
região.

2.5 Hipóteses
I – O contato entre os falares que migraram de regiões diferentes para uma nova região
tende a se aproximar em busca da unificação;
II – a necessidade de convivência entre povos de falares diferente constitui-se princípio
de unificação dos falares.
III – O contato entre falares de regiões diferentes e a necessidade de convivência entre
os migrantes propiciam o surgimento de uma nova modalidade lingüística
IV – A coexistência pacífica entre brasileiros de diversas etnias e regiões do país, além
de fator de unificação lingüística, também contribui socialmente para a unidade
nacional;
V – A norma lingüística pertinente a Língua Portuguesa é a mesma que atravessa todos
os falares brasileiros, por isso, desempenha importante papel como fator de unificação
lingüística.

2.6 Metas

Preparar tecnicamente os pesquisadores para mapeamento das áreas a serem


pesquisadas......................................................................................... .......................04
meses
Identificar as comunidades de falas e selecionar informantes....................................02
meses
Coletar de informações...............................................................................................06
meses
Apresentar os fatores de convergência lingüística na região pesquisada...................12
meses

2.7 Refencial teorico-metodologico


Como procedimento teórico-metodológico, pretende-se utilizar uma revisão
bibliográfica da literatura especifica, priorizando alguns enfoques referentes à
sociolingüística. Nessa perspectiva, far-se-á, em grupo, um estudo teórico de alguns
autores da área com vistas à aquisição de embasamento para o enfretamento dos
problemas pertinentes à investigação, visto que se pretende avançar na investigação à
luz de algumas teorias, principalmente aquelas que dizem respeito aos trabalhos com a
Fonética e fonologia, com a Sociolingüística, com as Variações e mudanças lingüísticas,
Variação dialetal e outras.
Quanto a Fonética e fonologia seguiremos os passos de Thais Cristófaro
Silva em sua obra Introdução a Fonética e Fonologia do Português: roteiro de estudos
e guia de exercícios, por julgar a obra suficientemente apropriada nas questões fonético-
fonológicas que pensa em utilizar no decorrer do trabalho. Ainda se faz mister a
apropriação de algumas considerações abordadas por Raquel Santana Santos e Paulo
Chagas de Souza nos textos “Fonética” e “Fonologia”, ambos In. Introdução
Lingüística II. Princípios e análise, organizado por José Luiz Fiorin.
Com relação à Sociolingüística busca-se apoio Dino Preti em várias de
suas obras, mas principalmente em Sociolingüística: os níveis da fala, visto que esta
obra aborda temas de alta relevância a respeito dos fenômenos da diversidade lingüística
em grupos sociais, além de tratar dos dialetos sociais e níveis da fala ou registros. Ainda
na mesma obra o autor tece várias considerações sobre a norma e os fatores de
unificação lingüística nas diversas comunidades, enfocando, inclusive a representação
escrita da língua oral. Desse modo, há de se considerar a abordagem do autor por
demais pertinente para proceder a investigação. Ainda deve-se recorrer a Tarallo &
Alkimin na obra Falares Crioulos: língua em contato, exatamente por esta obra abordar
fenômenos pertinentes à formação de Pigins e novos falares a partir do contato entre
línguas ou dialetos. Utilizar-se-á também A Pesquisa Sociolingüística, de Fernando
Tarallo, visto que a obra, de forma condensada e didaticamente preparada trata de todo
o percurso de uma pesquisa sociolingüística o que certamente orientará no trabalho que
se pretende empreender.
Nesta obra Tarallo trata com muita propriedade a relação entre língua e
sociedade, abordando aspectos históricos, a variável e as variantes lingüísticas sem
esquecer a modalidade padrão nem tampouco aquelas estigmatizadas. Ao se reportar ao
fato sociolingüístico, preocupa-se em dar especial atenção ao que chama de variação
lingüística de primeira e de segunda instância. Na verdade, isso se trata de orientações
metodológicas para desenvolver bem uma pesquisa sociolingüística. E por fim, comenta
de modo resumido, porém, preciso, inclusive comprovando por meio da análise de
dados levantados empiricamente, conforme tabelas metodicamente elaboradas, os
processos que envolvem a variação e a mudança lingüística. Ainda se há de lançar
olhares sobre textos complementares acerca de variação lingüística que tratem dos
diversos tipos de variação, levando em conta os limites da variação à comunidade de
fala, bem como o funcionamento lingüístico pertencente a essas comunidades.
Quanto ao trabalho de campo o mesmo será levado a efeito em várias
etapas primeiramente, serão definidas as Comunidades Linguísticas a serem
investigadas, depois, far-se-ão reunião nessas comunidades com vistas a explicar os
objetivos da pesquisa; seleção de falantes/informantes levando em consideração a
procedência, sexo faixa etária e outras variáveis; aplicação de questionários e gravações
de entrevista espontâneas. O desdobramento da metodologia pode ser melhor observado
no detalhamento das atividades a serem desenvolvidas.

2.8 Detalhamento das atividades a serem desenvolvidas (Cronograma)


Embora algumas etapas da pesquisa ocorram de forma concomitante, para
efeito de apresentação das tarefas a serem desenvolvidas apresentam-se abaixo as
principais atividades que serão desenvolvidas no tempo previsto para duração do projeto
(24 meses)

Etapa Atividades Período previsto

Preparação dos colaboradores e


alunos envolvidos no projeto,
através de um curso de iniciação à
Preparação da pesquisa no âmbito da linguagem;
equipe e do material 06 meses
Treinamento no uso das técnicas
para seleção de informantes;
Estudo da bibliografia específica e
pertinente;
Identificação e Visitas às comunidades
lingüísticas;
reconhecimento do
Contatos e identificação dos
espaço a ser informantes nas comunidades; 04 meses
pesquisado Seleção dos informantes a serem
entrevistados;

Gravação de entrevistas

Seleção das gravações;


Transcrição do material gravado. 06 meses
Levantamento de
Seleção e sistematização das
transcrições
informações
Triangulação dos resultados obtidos
por meio dos diferentes
instrumentos

Sistematização e Leitura e interpretação das


análise do material
ocorrências lingüísticas e sua 04 meses
confrontação com dados da língua
padrão.

Produção de um relatório escrito


Realização de seminários para
Divulgação dos 04 meses
divulgação dos resultados
resultados
Divulgação em eventos científicos

A apresentação dos resultados da pesquisa em eventos científicos e também sua


Publicação em periódicos serão feitas na etapa de divulgação dos resultados, mas
também após a conclusão do projeto.

2.9 Correlação entre objetivos e metas

Para se identifica quais as variações transmigradas para a região se


faz necessário o cumprimento de uma meta, ou seja, fazer um mapeamento das
variações transmigradas para a região num prazo de aproximadamente 04 meses,
envolvendo, evidentemente, uma pesquisa de campo. Depois advém a necessidade de
se observar como se processa a miscigenação de tais variações no novo espaço
geográfico, para tanto, uma outra meta precisa ser estabelecida, isto é, identificar as
comunidades de falas e seleciona os informantes num período não superior a 02
meses. Em seguida, vem o cerne de nosso projeto que é seu objetivo fundamental:
Verificar como se dá a interação lingüística dos falantes, observado as perdas e
ganhos no que diz respeito aos aspectos fonético-fonológicos e morfossintático,
mas para concretização este objetivo é imperativo o cumprimento de uma meta: a
coleta de informações o que deverá acontecer num lapso de tempo não inferior a 06
meses. Por último, vem o processo investigativo dos fatores determinantes da
possível convergência lingüística na região, que certamente, alinhar-se-á com a meta
de demonstração dos fatores de convergência lingüística na região e que, em virtude
de tratar-se da parte conclusiva do projeto, exige mais meticulosidade e rigor no que
diz respeito à análise dos dados e informações coletadas, razão pela qual o tempo
previsto para essa etapa é 12 meses.

2.10 Cronograma físico-finaceiro

Item Descrição Quantidade Especificação Valor Unit. Valor Total

Filmadora Mini DV SC-D381/XAZ c/ Zoom 1 Un. R$ 700,00 R$ 700,00


óptico 34X e LCD 2,7"
Armário 2 Portas Com Chave - Alt. 161cm, 1 Un. R$ 280,00 R$ 280,00
Larg. 91cm, Prof. 42cm.
Projetor Multimídia MP512 (2200 Ansi 1 Un. R$ 2.800,00 R$ 2.800,00
Lumens)
Mesa Para Computador 1.20m com 2
Gavetas - Alt. 75cm, Larg. 123cm, Prof. 3 Un. R$ 250,00 R$ 750,00
MATERIAL PERMANENTE

70cm / P.Bruto 24.35kg


Switch 8 portas 10/100 Tp-Link TL-SF1008D 1 Un. R$ 60,00 R$ 60,00
Acervo teórico temático e sobre pesquisa
1 Verba R$ 2.000,00 R$ 2.000,00
científica

Microcomputador Celeron D440 2.0 Ghz


2GB/HD250/DVDRW. Processador: Intel
Celeron D 440 2.0GHz, Memoria: 1GB
DDR2 533Mhz, Disco Rígido: HD 250GB,
Drive: DVDRW, Gabinete Micro ATX (Preto
e Prata), Conexões: 2 USB frontais e 4 USB, 2 Un. R$ 850,00 R$ 1.700,00
traseiras: Placa som: on-board, Placa rede:
on-board 10/100 Mbps, Placa video: on-
board - compartilhada 64 MB, Modem: off-
board PCI 56K, Caixa de Som: 180 watts,
Teclado Multimídia PS2, Mouse Óptico PS2
com Scroll, Sistema Operacional: LINUX.
Monitor 17 Polegadas LCD Widescren 2 Un. R$ 580,00 R$ 1.160,00
732NW, Resolução máxima de 1440 x 900.
Multifuncional Laser - Funções: Digitalização
a cores, impressão a preto e branco, cópia a
1 Un. R$ 700,00 R$ 700,00
preto e branco, digitalização a preto e
branco.
MP3 Player 1 Gb (C/Gravador Voz, FM) 3 Un. R$ 330,00 R$ 990,00
Câmera Digital 7.2 Megapixels Zoom Óptico 2 Un. R$ 500,00 R$ 1.000,00
3x.
Nobreak 4+ 1400Va Bivolt 27251BIFX 1 Un. R$ 560,00 R$ 560,00
Nobreak 700bi Expert - 27409 - Potência 2 Un. R$ 350,00 R$ 700,00
Máxima: 700 VA.
Estante de aço com 6 prateleiras, med. 1,98 2 Un. R$ 120,00 R$ 240,00
x 0,92 x 0,30 m.
Cadeira - Espuma Injetada de alta
densidade, Base giratória em nylon branco,
Regulagem de altura com pistão a gás,
Revestida com Korino, Rodízios em nylon,
Peso suportado: 95kg, Dimensões 6 Un. R$ 60,00 R$ 360,00
aproximadas do produto: Altura mínima:
76cm, Altura máxima: 88cm, Largura: 45cm,
Profundidade: 48cm, Peso líq.aproximado
do produto: 8kg.
Pen Drive 8Gb 2 Un. R$ 150,00 R$ 300,00
Carregador c/ 4 pilhas AA 2500mAh SC 1 Un. R$ 60,00 R$ 60,00
2100 - Bivolt -
SUB-TOTAL MATERIAL DE CUSTEIO R$ 10.350,00 R$ 14.360,00
Item Descrição Quantidade Especificação Valor Unit. Valor Total

CD-R Gravável 80 min 700 MB Pino c/ 25 2 Pino R$ 35,00 R$ 70,00


unidades. 48x. Color
Disco Ótico DVD-R 4,7 Gb. Pino com 50
1 Pino R$ 70,00 R$ 70,00
unds
Tonner compatível com Multifuncional Laser 4 Un. R$ 350,00 R$ 1.400,00
Canetas esferográficas - (50 unidades) 1 Cx R$ 32,80 R$ 32,80
Lápis Preto - Nº 02 (144 unidades) 1 Cx R$ 21,50 R$ 21,50
Borracha (20 unidades - lápis) 1 Cx R$ 9,65 R$ 9,65
MATERIAL DE CONSUMO

Papel Sulfite branco - modelo A4 3 Resma R$ 13,80 R$ 41,40


Grampeadores grande 2 Un. R$ 21,85 R$ 43,70
Grampos 2 Cx R$ 3,10 R$ 6,20
Clipes para papel (tamanho médio) 2 Cx R$ 1,70 R$ 3,40
Marca textos - 12 Unidades 1 Cx R$ 12,00 R$ 12,00
Régua acrílica 30 cm - 10 Un. R$ 0,45 R$ 4,50
Régua acrílica 50 cm - 10 Un. R$ 1,25 R$ 12,50
Corretores de Texto - (12 unidades) 1 Cx R$ 12,00 R$ 12,00
Fita crep grande - 10 Un. R$ 2,00 R$ 20,00
Pasta AZ Ofício Lombo Largo Unidade com 30 Un. R$ 4,00 R$ 120,00
borda interior reforçada.
Passagens - Trajeto ida e volta Rolim de 1 Un. R$ 13,25 R$ 13,25
Moura / Alta Floresta
Passagens - Trajeto ida e volta Rolim de 1 Un. R$ 5,00 R$ 5,00
Moura / Santa Luzia
Passagens - Trajeto ida e volta Rolim de 1 Un. R$ 7,00 R$ 7,00
Moura / Novo Horizonte
Diárias (Compreendendo permanênicia nos
três municípios onde se desenlvoverão os 15 Un. R$ 187,83 R$ 2.817,45
trabalhos de pesquisa).
Adequação de instalações para o R$ 900,00
funcionamento dos equipamentos. 1 Verba R$ 900,00
SUB-TOTAL MATERIAL DE CONSUMO R$ 1.704,18 R$ 5.622,35
TOTAL GERAL R$ 12.054,18 R$ 19.982,35

2.11 Equipe do projeto com suas respectivas funções


Francisco Ferreira Moreira (pesquisador - Rolim de Moura)
Helionice de Moura Silva (colaboradora –Rolim de Moura)
Ivone de Moraes Kerber (Colaboradora – Rolim de Moura)
Diane Borges da Silva ( aluna bolsista)

2.12 Proposta orçamentária


I Etapa Material necessário Semestre inicial

Material bibliográfico e .Livros


adequação do ambiente
. Adaptação do ambiente
06 meses

II Etapa Aquisição e instalação dos 2º semestre


Equipamentos 06 meses
Material permanente

Sistematização e Leitura e interpretação das ocorrências


análise do material lingüísticas e sua confrontação com dados
da língua padrão.
04 meses

Levantamento de
informaçõea
04 meses

Produção de um relatório escrito


Realização de seminários para
Divulgação dos 04 meses
divulgação dos resultados
resultados
Divulgação em eventos científicos

2.13 Infra-estrutura existente na instituição


Uma sala com instalações elétrica e possibilidades de adaptação para execução do
projeto.
2.14 Participação em projetos e linhas de pesquisa em andamento

2.15. Resultados, avanços e impactos e potenciais esperados.


2.15.1 Impacto científico:

Formação de um grupo de iniciação à pesquisa sobre os fenômenos pertinentes à


variação lingüística na região de Rolim de Moura, preparando jovens para o exercício
da pesquisa a partir da graduação.
Estímulo á produção de trabalhos científicos, artigos durante a graduação e trabalhos de
conclusão de curso.
Apresentação dos resultados da pesquisa em p eventos científicos regionais nacionais;
Publicação dos resultados em revistas especializadas no assunto em também de âmbito
regional e nacional;

2.15.2 Impacto Social:

Produção de conhecimentos acerca das diversas variações transmigradas e sobre os


fenômenos que se manifestam lingüisticamente na região;
Estimular mudanças nas propostas nas propostas de ensino da língua Portuguesa,
principalmente nas séries iniciais e no ensino fundamental;
Fornecer elementos que permitam documentar as variações lingüísticas da região
pesquisada;

2.15.3 Impacto Tecnológico:

Treinamento de um grupo de pesquisadores no uso de recursos metodológicos de


pesquisa lingüísticas e no manuseio com equipamentos de transcrição fonética e de
informática;

2.15.4 Impacto ambiental:

Fornecer subsídios que permitam compreender como as condições materiais e o


ambiente em que vivem as comunidade influencia no processo de variação lingüística;.
Desperta nas comunidades lingüísticas uma consciência de valor no que diz respeito ao
patrimônio lingüístico de cada uma delas.

BILBIOGRAFIA
BAGNO, Marcos.1999. Preconceito Lingüístico, o que é, como se faz. São Paulo,
Edições Loyola.
BECHARA, E. 1979. Moderna gramática portuguesa. São Paulo, Nacional
-----------------.1993. Ensino da gramática: opressão ou liberdade?. São Paulo, Ática.
BORTONI, Ricardo 2004. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de
aula, São Paulo, Parábola Editorial.
BRITTO, L. P. L. 1997. A sombra do caos: ensino da língua x tradição gramatical,
Campinas-SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil.
FIORIN, J. L. (org) 2004. Introdução à Lingüística vol I. Objetos Teóricos. São Paulo,
Contexto.
.............. 2003. Introdução à Lingüística vol II. Princípios de Análise. São Paulo,
Contexto.
GERALDI, J. W. 1991. Portos de passagem. São Paulo. Martins Fontes.
HAUY, A. B. 1989. História da língua portuguesa (sécXII, XIII, XIV). São Paulo,
Ática.
ILARI, R..1992. (org). Gramática do português falado, vol. II: níveis de análise
linguística. Campinas, Fapesp/editora da Unicamp.
KEHDI, V. 1992. Formação de palavras em português. São Paulo, Ática
SOARES, M. B. Et alii. 1994. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo,
Ática .
TARALLO, Fernando.1986. A Pesquisa Sócio-lingüística. São Paulo, Ática.
PRETI, Dino. Analise de textos orais. São Paulo: Humanitas, 1999.
----------.Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, 2001.
----------. Estudos de língua oral e escrita. São Paulo, Humanitas, 2001.
-----------. Sociolingüística - níveis da fala.São Paulo: Humanitas, 2003.
MELICA, Maria Cecília & LUIZA, Maria. Introdução à sociolingüística. São Paulo:
Contexto, 2003.
CALVET, Louis-Jean. Sociolingüística: uma introdução crítica.São Paulo: Parábola,
2004.
RIBEIRO, Branca Telles & GARCIA, Sociolingüística interacional. Pedro M. São
Paulo: Loyola, 2002.
SILVA, Giselle M.& MARIA M. Padrões Sociolingüísticos. São Paulo: Tempo
Brasileiro 1996