Você está na página 1de 2

Figura 3.88 Diagrama de ligação de uma proteção de neutro sensível a 3V0.

Através da conexão dos transformadores de potencial do relé de neutro visto na Figura 3.88
em delta aberto obtém-se a tensão de sequência zero 3V0 que é a tensão de polarização do relé. A
corrente de operação Iop corresponde à corrente de neutro, obtida através da conexão dos
transformadores de corrente com a polaridade invertida. Essa proteção é chamada de neutro
sensível.
Em condições normais de operação o relé não deve atuar, pois o resultado da tensão e da
corrente na bobina de operação de neutro (67N) vale:
3 × V0 = Va + Vb + Vc = 0
3 × I0 = Ia + Ib + Ic = 0
Se o sistema está submetido a uma falta monopolar, por exemplo, na fase A para a terra,
haverá circulação de corrente de sequência zero 3 × I0 e, consequentemente, a atuação do relé que
está polarizado por 3V0.

EXEMPLO DE APLICAÇÃO (3.7)


Considerar o sistema de 138 kV representado na Figura 3.59. Determinar os ajustes dos relés
direcionais de sobrecorrente de fase, sabendo que a corrente de curto-circuito na barra consumidora é de Icc
= 3520−−67° A.
A carga máxima por linha é de 90 MVA. O relé direcional está ligado em quadratura, isto é, a corrente no
relé para fator de potência unitário está adiantada da tensão de polarização de um ângulo de 90°. O tempo de
atuação do relé é de 0,50 s. Utilizar o relé de característica muito inversa.
• O ângulo de projeto do relé: 70°.
• Transformadores de proteção

RTC: 200 − 5: 40

Finalmente: RTC: 400 − 5: 80


• Corrente de tape da unidade temporizada

Pela Tabela 3.13, tem-se:


It = 7 A (faixa: 1,5 a 12) A
• Tempo de operação do relé para a condição de curto-circuito
Icc = 3.520− −67° A

Pelo gráfico da Figura 3.62, tem-se:


Trs = 0,5 s Æ curva 2.
Logo, o ajuste do dial é o da curva 2. Assim, para uma corrente de curto-circuito Icc = 3.520−−67° A, o
relé atuará próximo ao ângulo do seu conjugado máximo, que é de 70° em relação à corrente e à tensão para
fator de potência unitário. Os demais relés direcionais não atuarão devido ao autobloqueio dado pela unidade
direcional. O mesmo ajuste deve ser aplicado aos demais relés.

3.3.2.3 Relé direcional de potência


A proteção com o relé direcional de potência tem a finalidade de reconhecer em que sentido
está fluindo a potência do sistema num determinado momento. Esses relés são empregados em
unidades geradoras, quando um fluxo de potência flui num sentido não desejado, denominado
potência reversa, ou quando se deseja limitar o fluxo de potência num determinado sentido. Neste
caso, o relé é ajustado para atuar se este fluxo de potência perdurar por um período de tempo além
do valor definido, fazendo operar o disjuntor correspondente.
Se por acaso houver um defeito no sistema da unidade geradora, então, nesse instante, a linha
de transmissão passa a alimentar esse ponto de falta através de outros pontos de geração; logo, o
relé de potência não deverá atuar. O relé direcional de sobrecorrente será o responsável pela
abertura do disjuntor. Dessa forma, nesse ponto devem ser instalados os dois tipos de relé. Essa
situação é mostrada na Figura 3.89.