Você está na página 1de 8

Congresso de Jovens Shalom- 2016

Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia


Moysés Azevedo
Mantido o tom coloquial

O rosto de Deus é misericórdia. O coração de Deus é misericórdia. Por quê? Porque Deus não quer
a nossa condenação, mas a nossa salvação. Deus não deseja a condenação de ninguém. Ninguém! Deus não
lhe criou e não redimiu você no Seu Filho Jesus Cristo na cruz para lhe condenar. Deus é um pai amoroso,
um pai cheio de misericórdia, que tudo faz. Tudo, tudo! Deus tudo faz para tirar você da prisão das cadeias
do pecado, para trazê-lo para os Seus braços e para você beber do coração Dele a fonte da vida e da
felicidade. Deus não quer a condenação de ninguém.
Qual é a nossa condenação? Viver afastados Dele. O inferno é viver apartado de Deus, é viver como
ainda inimigos de Deus. Não. Deus nos amou tanto que enviou o Seu Filho para nós vivermos juntos, bem
juntos dentro do coração Dele, dentro das entranhas Dele. Deus não quer a condenação de ninguém. O
pior pecador do mundo, Deus não quer a condenação dele. Deus não queria a condenação de Judas, aquele
que traiu nosso Senhor. Deus amou e ama Judas. Foi Judas quem condenou a si mesmo não confiando na
misericórdia de Deus. Deus não quer e não quis a condenação de Pedro, quando ele negou Jesus, fazendo
um ato igual ao de Judas, mas a diferença foi de que Pedro confiou na misericórdia de Deus, e por isso a
mão salvífica de Deus o salvou. Deus não quer a sua condenação e nem a minha, porque o nome de Deus é
misericórdia. Deus não quer a condenação de ninguém.
“Ah Moysés, mas aquele criminoso que sai na televisão, que faz barbaridades, que todos querem
descontar tudo nele”, ele é amado por Deus, e Deus não quer a condenação dele. Deus é misericórdia.
Deus quer salvar todos os homens e a cada um.
E qual é então a questão fundamental para que nós não vivamos esta condenação de vivermos
afastados de Deus? Qual é então a condição fundamental para usufruirmos desse Deus misericordioso? A
questão central é deixar que Ele entre no nosso coração e permaneça, e nós permaneçamos Nele. Essa é a
questão fundamental para usufruirmos da misericórdia. Deixar que a misericórdia nos alcance, porque
Deus é rico em misericórdia. O que nós precisamos é deixar que a misericórdia nos alcance, e nos
alcançando permanecer, continuar caminhando Nele e nesta misericórdia.
Só para repetirmos e não esquecermos: a misericórdia nas Sagradas Escrituras tem dois
significados. Quais são as duas palavras em hebraico que nas Sagradas Escrituras significam misericórdia? A
primeira é Rahamim, e a segunda é Hesed. O que quer dizer Rahamim? É aquele amor de entranhas, aquele
amor materno, aquele amor de uma mãe que quando traz o seu filho dentro de si, nas suas entranhas, a
dor do filho é a dor dela, o bater do coração do filho é o bater do coração dela, a alegria do filho é a dela. É
o amor de mãe que ama com as entranhas o seu filho. Que quando o seu filho nasce ela pega aquela
criancinha pequenininha e a abraça, e está disposta a dar tudo, tudo para que aquela criança viva e se
desenvolva. É assim que Deus nos ama, como uma mãe, com um amor de entranhas.
O amor misericordioso de Deus significa esse amor assim entranhado, como o de uma mãe. A nossa
dor é a dor de Deus. A nossa alegria é a alegria de Deus. Deus nos ama entranhado, um amor entranhado,
como uma mãe e o seu filho pequenininho. E assim Ele olha para nós, como quando lemos nas Sagradas
Escrituras: “Vermezinho de Israel, Jacozinho do Senhor” 1. São as expressões bíblicas que Deus usa para nós
como um pai olha para a criancinha e diz: “Meu neném!”. “Ah, Moysés, é melosidade”. Não! Não é
melosidade. É assim que quando Deus repousa os Seus olhos sobre nós, o Seu coração se estremece de
amor por nós. Ele nos ama assim, com amor de entranhas, misericórdia com amor de mãe.
E ao mesmo tempo o amor Hesed, que é amor na sua dimensão paterna. Rahamim na sua
dimensão materna, feminina. Hesed na sua dimensão paterna, masculina, que quer dizer o quê? Fidelidade.
Deus fez uma aliança com o Seu povo. Deus fez uma aliança com cada um de nós. E Deus é fiel, estará
sempre ali. Deus nunca, nunca voltará atrás com o pacto de amor que Ele fez com cada um de nós. Ele

1 Is 41,14.
1
estará sempre ali, pronto para honrar a Sua parte, pronto para cumprir a Sua palavra. Ele nos ama assim,
de tal forma que mesmo se eu for infiel, como diz São Paulo, Ele continuará sendo fiel 2. Mesmo se eu não
honrar o pacto, Ele continua honrando o pacto. Mesmo se eu pecar, Ele está pronto para perdoar, porque
Ele mantem a parte Dele. Ele é um pai que sempre está disposto a nos ajudar a recomeçar. Ele nos ama
assim. Misericórdia Rahamim e misericórdia Hesed.
Qual é o nome de Deus? Misericórdia. Quais são as duas expressões para manifestar misericórdia
nas Sagradas Escrituras? A primeira, a dimensão materna, Deus é Rahamim. A segunda, a dimensão
paterna, Deus é Hesed. Rahamim significa um amor de entranhas, e Hesed significa um amor de fidelidade.
Vocês não podem imaginar como isso é fundamental para a nossa vida, porque aqui está à base do
nosso relacionamento com Deus. Nós temos que nos relacionar com Ele assim. No dia a dia isso é
fundamental. Na caminhada de fé isto é essencial. Não são só conceitos. Isso é decisivo para a nossa
amizade e a nossa intimidade com Deus, para permanecermos nos caminhos da salvação, porque aí vamos
descobrindo que a misericórdia é a mãe da esperança.
Qual é a sua verdadeira necessidade, a que você acha que tem? Qual a grande necessidade da sua
vida, que sem isso você morre? O Papa diz uma frase sobre isso fundamental: “A verdadeira necessidade
do homem, a única coisa da qual temos deveras necessidade na nossa vida é ser perdoados, libertados do
mal e das suas consequências da morte” 3. Essa é de fundo, de maneira existencial, essa é a maior
necessidade da minha vida. ser perdoado. Sabe por quê? Infelizmente, a vida nos faz experimentar que
muitas vezes caímos em situações de pecado. Quem já pecou aqui? Eu. Quem não pecou aí do seu lado,
saiba que ele acabou de cometer um pecado. Mentiu. Porque todos nós somos pecadores. Essa é a
realidade. Às vezes nós caímos em situações de pecado duras, duras, duras. Não é qualquer pecadinho não.
É aquele pecado assim que meu Deus do céu! Seria humanamente imperdoável. Aquele pecado que nós
jamais imaginaríamos de nos encontrar nele. Aquele pecado que sabemos que as consequências são
devastadoras na vida da gente, infelizmente. Pela nossa fragilidade, por nossa natureza humana ferida,
muitas vezes nós nos encontramos nessas situações. E qual é o salário do pecado?
Muitas vezes nós nos encontramos nessa situação em que pecamos, e pecamos feio, com
consequências mortais na nossa alma e ao redor de nós. E nesses momentos a única coisa que nós mais
precisamos ouvir para existir um futuro para nós, para não entrarmos de vez no pecado, na morte e na
infelicidade, é a misericórdia de Deus, é o perdão de Deus. É confiar que Deus é misericórdia. Os dois
conceitos: Deus é Rahamim. Deus me ama, e me ama com entranhas. E Deus é Hesed, é fiel. Mesmo que eu
seja infiel, Ele continua sendo fiel. Quando você viver momentos duros, quando você se sentir no chão,
massacrado, pisado, quando você pecou e pecou de novo, e você e sente na situação: “Como é que pode?
Eu não tenho jeito mesmo”. Quando esta frase cair na sua frase e no seu coração, “eu não tenho jeito
mesmo”, se lembre de que você sempre tem jeito, porque Deus é misericórdia. Mesmo você sujo pelo
pecado, ferido, fedorento, Deus continua a te amar com amor de entranhas. É assim que Ele te ama, e Ele
está lá pronto, fiel para te perdoar. Ele está lá para colocar a mão sobre você, abraça-lo, pegá-lo do chão
mais sujo e te trazer para os Seus ombros e para o Seu coração.
Neste momento é fundamental confiarmos na misericórdia. Isso significa algumas coisas muito
concretas. Confiar na misericórdia significa: Deus é maior do que o nosso pecado, seja ele qual for. Pense
no pecado mais horrível que você já cometeu na vida. Deus é maior do que este pecado. Se você tem o
coração arrependido, sinceramente arrependido, se você buscou o Sacramento da Confissão, saiba que o
que Deus fez com você foi que lhe perdoou, e perdoou para sempre, apagou esse pecado, ele não existe
mais. Esse pecado não tem o direito mais de voltar na sua memória, porque na memória de Deus está
apagado. Deus é assim. Deus tem uma memória incrível, infinita, mas Ele tem um “defeito”: Ele esquece
todos os nossos pecados confessados, e isso é a Sagrada Escritura que garante. Ele esquece. É como se não
tivesse existido. O problema é porque não acreditamos nisso e continuamos vivendo com aquele peso do
pesado, arrastando o peso, quando para Deus Ele já cortou, já jogou aquilo no fundo do mar. Aquilo não
existe mais para Deus! E nessas horas é fundamental confiar em Deus, confiar nisso, porque quando
cortamos, podemos caminhar mais livres: há esperança para mim! Não arraste o pecado que Deus já
cancelou. Não arraste um peso que ele já apagou. Confie na misericórdia de Deus e ganhe asas para voar
mais alto no plano de amor e de santidade que Ele tem para a sua vida.

2 2Tim 2,13.
3 Audiência Geral do Papa Francisco, em 30 de março de 2016.
2
Então o primeiro: Deus é maior do que o nosso pecado. Ele é maior, e quando ele nos perdoa está
dizendo o seguinte: Eu nunca te abandono! Se há uma coisa que Deus gosta de fazer é perdoar um pecador
arrependido, porque ele manifesta quem Ele é: “Está vendo? Eu continuo fiel a ti. Eu nunca te abandono!
Eu nunca te abandono!”. Deus manifesta a fidelidade de Sua aliança, de seu pacto, a dimensão Hesed Dele.
“Eu nunca te abandono, Eu nunca te abandonarei”.
E ainda tem uma terceira coisa, que está na Primeira Carta de São João4. Mesmo que uma vez
confessado com o coração arrependido e você ainda fica remoendo o seu pecado, a palavra de Deus diz o
seguinte: se uma vez você se arrependeu, uma vez você se confessou, independente de que você fique
ainda se reprovando ou remoendo o seu pecado, independente disso, Ele ainda é maior do que tudo, Ele é
maior do que até a tua consciência. Se a tua consciência te acusa de alguma coisa, mas se você já se
arrependeu e se confessou, Deus é maior. Jesus está diante do Pai, e Ele é maior até do que quando nos
acusamos a nós mesmos, e Seu perdão e misericórdia são maiores do que esse sentimento de culpa que
carregamos muitas vezes dentro de nós mesmos, porque o nome Dele é misericórdia. Sim, é assim que
Deus é.
Olha o que o Papa fala sobre isso: “O perdão divino é sumamente eficaz. Não esconde o pecado,
mas destrói-o e cancela-o; mas cancela-o precisamente pela raiz, todo. Por isso o penitente volta a ser
puro, toda a mancha é eliminada e agora ele está mais branco que a neve incontaminada” 5. Nós
precisamos acreditar e confiar nisso. Deus não perdoa só: “Está perdoado meu filho e vá em paz”. Não é
assim que Deus perdoa. Ele vai lá ao fundo da nossa alma. Ele não passa uma tintazinha branca, um
corretivo não! Ele entra, e desculpa, mas devo dizer assim, com os dentes trincados mesmos. Ele entra nas
nossas entranhas mais profundas e Ele arranca o pecado pela raiz. Deus cura, e cura o profundo do nosso
ser. Ele não põe só um corretivo e faz branco por cima. Ele nos cura de dentro para fora. É assim que Deus
perdoa, e nós precisamos acreditar nisso, porque quando acreditamos, nós nos apossamos da graça.
Acreditar no poder da misericórdia de Deus que vai na raiz e nos transforma de dentro para fora e vai nos
transformando assim, vai mudando a nossa existência e vai nos fazendo novas criaturas, novas criaturas!
O perdão de Deus faz você nova criatura. Ele não lhe remenda não, porque senão já estaríamos
todo remendado, um “Frankenstein” aqui. Deus não é assim. Deus não vai colocar um remendo aqui, outro
acolá. Perdão aqui e é um remendo. Não é assim. Aquela pessoa que sofre várias cirurgias plásticas e fica
horrível. Deus não é assim. Quando Ele perdoa, Ele nos recria de novo, e nós ficamos melhores do que
antes. Não é estética a maneira que Deus age em nós. É de dentro. Ele nos transforma e nos faz novas
criaturas, nos faz novos, completamente novos, e aí a misericórdia mostra a sua face mais bela: a
misericórdia tira do pecado o poder que ele tem sobre o nosso futuro. (nesta hora o microfone falha).
Muita estratégica a tentação aqui, mas mais estratégica ainda é a ação da graça de Deus. Vocês vão prestar
atenção mais do que nunca a isso que vou dizer: a misericórdia tira o poder do pecado para o nosso futuro.
Este é o grande poder da misericórdia.
Quando Deus perdoa, Ele perdoa totalmente e dá ao pecador a esperança de uma vida nova, uma
esperança que não engana. Não é como a esperança do mundo. Ele dá a graça da pessoa poder recomeçar
de fato e contar com toda a graça de Deus, porque ela é uma nova criatura. O pecado não tem mais a força,
e você precisa acreditar nisso. Recebendo o perdão de Deus, sendo alcançado pela misericórdia divina,
Deus abre a porta para um futuro novo para a sua vida, porque a misericórdia tira o poder da morte sobre
nós, porque o salário do pecado é a morte6. Mas a misericórdia cancelando o pecado, a morte se acaba, e
nós temos a esperança da vida plena. É possível construir uma vida nova. Isso é pregação de Seminário de
Vida no Espírito Santo, mas precisa ser repetido todos os dias: não interessa o pecado que você cometeu
ontem. Hoje você pode recomeçar! A misericórdia de Deus te dá uma chance sempre nova. O pecado não é
a última palavra na sua vida. Há um futuro para você! Há um futuro! Existe a esperança! A misericórdia te
põe diante desse futuro, dessa esperança. Por isso a misericórdia é a mãe da esperança.
A misericórdia é a verdadeira atitude de vida que se opõe à morte, que é o fruto amargo do
pecado. Deus nos perdoa e diz assim: “Olhe meu filho, não fique mais remoendo o passado não. Eu sou
misericordioso e a misericórdia é completa”. E atenção! A misericórdia não é ingênua não. Ela não deixa de
levar em conta o seu pecado objetivo não. Ele perdoa, perdoa totalmente, e diz: “Agora vai se dando a Mim

4 1Jo 3,20.
5 Audiência Geral do Papa Francisco, em 30 de março de 2016.
6 Rom 6,23.

3
e aos outros”, sem ficar olhando para o passado, porque muitas vezes o que nos faz pecar de novo é ficar
com o peso do pecado passado que já foi perdoado, mas se você confia na misericórdia, Deus diz: “Agora
vai para frente! Vai se dando a Mim, se dando aos outros, e aí eu vou te transformando mais e mais, e aí
qualquer mal que você possa ter feito será reparado pela Minha cruz e pela tua vida ofertada. Doa a tua
vida! Doa a tua vida! Vai, vai em frente! Tem um futuro para ti!”. Esta é a grande graça da misericórdia:
cancela o passado e abre com portas enormes o presente e o futuro. Confiar na misericórdia, porque a
misericórdia é a mãe da esperança.
A misericórdia é a mãe da esperança. E o maior sinal disso é uma frase clássica que o Papa
Francisco nos diz: “Não há santo sem passado e não há um pecador sem futuro” 7. Nós somos pecadores,
mas quando olhamos a vida dos santos, vemos que eles também foram e Deus deu um futuro de santidade
para eles. Então se nós também somos pecadores, olhando a vida deles nós podemos acreditar que há um
futuro para nós.
Veja bem! Francisco de Assis. Quem ele era antes? Um burguês, impuro, se prostituía, vendido às
riquezas, playboy, vida fácil. Não há um santo sem passado, mas se lembrem de que não há um pecador
sem futuro. Mateus. Quem era Mateus? Era um ladrão, mas Jesus entrou na vida dele e disse: “Vem e
segue-me” 8, e o ladrão virou São Mateus. Ontem a Gabriella abordou muito bem esse assunto. Mas vamos
em frente! São Paulo. Homicida, perseguidor da igreja. Ele mesmo se define assim. Mas o Senhor entrou na
sua vida. Ele foi misericordiado por Deus e aí ele pode usar de misericórdia. Pedro, na hora da negação.
Não pode existir uma coisa mais dolorosa do que essa. “Senhor, eu te seguirei para onde tu fores” 9,
“Senhor, eu estou pronto para dar a minha vida por ti” 10. O amigo, o próprio Filho de Deus, e na hora H,
“eu não O conheço. Não sei quem é” 11. Não O conheço. A negação. Esse Pedro que negou Jesus foi
alcançado pela misericórdia e se transformou naquele que deu a sua vida por inteiro até morrer crucificado
também de cabeça para baixo, porque não era digno de morrer como o seu Senhor. Santo Agostinho. Até
os 30 anos, resistiu. Escravo da impureza e transformou-se no homem da castidade. Não existe um santo
sem ser pecador.
“Moysés, você está esquecendo-se de Santa Teresinha. O confessor dela disse que ela não tinha
cometido nenhum pecado mortal”. É, mas ela é a cantora da misericórdia de Deus, e dizia sempre: “Se eu
não pequei é porque Deus me preservou”. A misericórdia atua assim na gente. Ou ela cura o pecado ou é a
própria misericórdia, como com Nossa Senhora, que foi concebida sem pecado, que a preserva de todo o
mal.
Às vezes na nossa vida somos assim. Olhamos para alguém que está em uma situação mais difícil do
que a nossa e dizemos: “Ah, mas como é que pode. Fulano de tal! Olha lá, o que ele está fazendo!”. Bonito
você, hein? Muito bonito. Quero dizer uma coisa para você: você é capaz de fazer pior do que ele. Se você
não fez é porque Deus te sustentou. É a mão misericordiosa de Deus que te preserva. O Papa Francisco me
chama muito a atenção. Toda vida em que ele vai a um presídio e ouve uma história daquelas “cabeludas”,
escabrosas, de alguém que está preso, ele sempre termina com essa frase: “Porque não sou eu que estou
aí? Porque eu sou capaz de fazer igual ou pior do que ele. Poderia ser eu que tivesse cometido esse
pecado”. Esse homem é um homem sábio. O que eu quero dizer para você: você é capaz de coisas muito
piores, daquelas que você abomina se outros cometem. Se você não faz, é porque Deus te preserva, é por
pura misericórdia de Deus.
Por isso não há um santo que não foi pecador, e mais ainda! E essa é a nossa situação: não há um
pecador que pela graça de Deus não possa se tornar santo. “Até eu Moysés?”, até eu o Moysés também,
até você, até cada um de nós. Quem é pecador aqui? Então você é candidato a ser santo, porque não há
um pecador que não possa se tornar santo, que não possa ter um futuro de santidade. Não há um pecador
sem futuro, então você tem futuro. Você tem futuro! Aos olhos de Deus você tem futuro! Nós temos
futuro! Há esperança! Existe esperança! Nós temos futuro pela misericórdia de Deus. Deus pode nos tornar
um santo. Deus pode. Não nós pelas nossas próprias forças, mas Deus pode nos fazer um santo. Deus pode.

7 Catequese do Papa Francisco em 13 de abril de 2016.


8 Mt 19,21.
9 Lc 9,57.
10 Lc 22,33.
11 Lc 22,57.

4
Como é que Deus pode nos fazer um santo? Onde é que a misericórdia de Deus vai tocar, qual é o
receptáculo da misericórdia? Qual é a porta que a misericórdia vai entrar para nos transformar e nos tornar
santo? Receptáculo é aquilo que vai receber a misericórdia. Qual é o receptáculo, qual é a porta onde a
misericórdia vai entrar e vai te transformar em um santo? É muito simples. Dizemos com uma palavra. Sabe
qual é o receptáculo da misericórdia, o vaso que pode receber a misericórdia dentro de nós e pode nos
transformar? O pecado. O nosso, o meu, o seu pecado. É isso mesmo. “Ah Moysés, o que é isso? Não é
heresia não?”, é não. Foi o Papa que disse. Mas não é qualquer pecadinho não, e na verdade não existe
pecadinho, mas nós é que categorizamos, porque pecado é pecado. Mas tem aquele pecado de raiz na sua
vida, aquele pecado em que você se sente o mais miserável de todos os homens ou de todas as mulheres.
Aquele pecado, aquela sua miséria, porque a misericórdia o que é? O coração de Deus na nossa miséria, o
amor de Deus na nossa miséria. Prestem atenção a isso porque é muito importante. Não é qualquer
miséria. É aquela miséria que está lá dentro de você, que você não quer que ninguém saiba, que você não
quer mostrar para ninguém. Você até maquia de todo jeito. É aquela miséria onde você se sente mais
humilhado, “meu Deus como é que eu fiz isso?”. É essa daí. É essa, que chamamos de miséria moral, aquela
que você num determinado momento da vida escolheu mesmo, e escolheu errado, escolheu feio, caiu, foi
fundo, e que você ainda sente a dor no fundo da alma. É ali.
Encontrar essa miséria, ser honesto diante dela, você não sabe o efeito que isso pode trazer na sua
vida. Reconhecer essa miséria. Encontra-la, sentir a sua dor, não ficar anestesiando não. Reconhecer essa
culpa: “Fui eu que escolhi”, porque somos assim, nos justificamos. Quanto mais doloroso é o nosso pecado,
mais queremos diminuir a nossa culpa dele, e mais nos justificamos ou para dizer que não é pecado ou que
a culpa não foi nossa. Isso o impede de usufruir o poder da misericórdia na sua vida. Mas quanto mais, e
isso é uma graça na história e na nossa vida! Quanto mais nós reconhecemos essa ferida profunda, essa
escolha errada que produziu tanto mal na minha vida e que produziu também na vida dos outros sem eu
nem perceber, quanto mais eu sinto a dor por essa escolha errada e mais eu me arrependo, mais o meu
coração se abre e mais eu posso usufruir da fonte inesgotável da misericórdia divina. Vejam a sabedoria de
Deus! O meu próprio pecado arrependido, a dor que eu cometi pelo meu pecado, o arrependimento
sincero do amor que eu traí faz com que as portas do coração se abram de tal forma que a misericórdia
entre, entre, entre e lave tudo! É um receptáculo da misericórdia divina.
Por isso, neste dia meu querido jovem, não tenha medo de enfrentar a sua verdade, por mais dura
que ela possa ser. Não tenha medo de enfrentar a sua miséria mais profunda. Pelo contrário! Peça a Deus a
grande graça de você reconhecê-la, vê-la, e arrepender-se profundamente, sentir a dor de Pedro que
chorou amargamente quando negou. Ah, essas lágrimas amargas transformaram-se em doce como o mel,
porque elas foram visitadas pela misericórdia divina, e a misericórdia assim pode lhe transformar de dentro
para fora. E aí você pode ser e o Papa inventa então um verbo: misericordiar. Veja bem! Não é só um
adjetivo ou um substantivo. Ele começa a usar um verbo: misericordiar. Aí você é misericordiado. Deus lhe
misericórdia. Você vai ser alcançado pela misericórdia. É um ato de Deus. Deus lhe misericórdia. Você se
transforma em alguém misericordiado, e porque você foi misericordiado, você é capaz de misericordiar, dar
misericórdia para os outros. “Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” 12. Você é
misericordiado e você começa a dar misericórdia, que foi o que aconteceu com o filho pródigo13.
O filho mais novo viveu exatamente essa dimensão. Ele desceu no mais fundo e soube reconhecer a
sua escolha errada, o seu pecado mais profundo, e gerou essa dor que o fez voltar para a casa do pai. E
quando chegou lá na casa do pai, ele não conseguiu nem sequer terminar a frase: “Pai, pequei contra o céu
e contra ti”. Ele saiu da pocilga, um lugar sujo. Todo lambuzado, sujo dos porcos, fedorento. Depois andou
não sei quantos dias. Imaginem o suor. E depois de tudo isso, ao chegar à casa do pai: “Pai, pequei contra o
céu e contra ti”, e qual é a surpresa? O pai o abraça, mesmo fedorento, sujo. O pai não diz: “Tá meu filho,
vá tomar um banho e depois venha aqui para eu te misericordiar”. Não foi assim que o pai fez. O pai o
vestiu, colocou um anel em seu dedo, fez festa com ele. Todo sujo, mas banhado pela misericórdia de Deus.
é assim que Deus faz conosco.
Santo Inácio usa outro exemplo. Usa o exemplo de um cavalheiro do seu tempo que recebeu muito
favores do rei, e tendo recebido todos esses favores, traiu o rei, fez tudo contra o rei, falou mal, conspirou,
e aí o rei chama este cavalheiro à sua presença, diante de todos os nobres. O cavalheiro entra e é

12 Mt 5,7.
13 Cf. Lc 15,11-32.
5
descoberto todo o mal que ele estava fazendo. O cavalheiro entra envergonhado, arrependido, pensando:
“Pronto. Agora ele vai acabar comigo”. O rei olha para ele e diz: “Estais perdoado, e toda a dignidade que
tu tinhas antes ainda terás maior”. Vendo-o, o ergue e o coloca à frente de todo o seu exército. O que vai
acontecer com esse homem? Esse homem envergonhado pelo seu pecado de repente recebe toda a
dignidade do rei, a confiança total. Diz Santo Inácio em uma frase muito bonita: “Este homem, este
cavalheiro, com quanta humildade e lealdade servirá a este rei daqui em diante!”.
É o que aconteceu ontem em Ezequiel 16. Vocês assistiram o espetáculo Perfeição? Não tem uma
hora que dá uma agonia, em que dizemos: “Meu Deus do céu! Esse príncipe aí, pelo amor de Deus! De
novo?”. É o amor desconcertante, contínuo. É o amor sem limites, incondicional de Deus por nós, que
mesmo tantas vezes nós O traindo, pecando contra Ele, Ele continua a nos amar, e é este amor que
transforma, que muda. Este amor tem o poder de mudar a nossa vida. E aí, diz Ezequiel 16, quando Deus
diz: “Mesmo tu tendo cometido todos esses adultérios, mesmo tu tendo feito tudo isso, Eu permanecerei
fiel a ti, e Eu te perdoarei, e tu ficarás muda”. Ou seja, esse amor te transformará, tu serás misericordiada,
serás mudada, transformada de dentro para fora. É assim o amor de Deus por nós.
Sabe por quê? Porque o nosso coração é como um cântaro. Um cântaro é um vaso que vai
recebendo misericórdia de Deus. A pessoa vai pecando, Ele vai perdoando, só que tem um problema. Esse
vaso é um cântaro furado. O nosso coração é um cântaro furado. Nós recebemos a misericórdia e o que
acontece? Parece que ela vaza. Não pela misericórdia, mas pela fragilidade. “Mas Moysés, eu já me
confessei, já me arrependi, e caí de novo”, “eu já me confessei, me arrependi. Deus me fez novo e caí de
novo”, e aí ouvimos aquela passagem de Pedro para Jesus: “Senhor, quantas vezes eu devo perdoar? Sete
vezes Senhor?”, e o que Jesus diz: “Setenta vezes sete” 14. É. Se Jesus manda Pedro perdoar setenta vezes
sete é porque Ele perdoa setecentos vezes setenta. Jesus perdoa sempre. Ele não se cansa de perdoar. Nós
é que nos cansamos de pedir perdão a Deus, lembra-nos o Papa. Por quê? Porque esse cântaro furado tem
de ser mergulhado muitas vezes no Sangue de Jesus. Muitas vezes.
Por isso, se você pecou, se você cair e se arrepender sinceramente, procure a misericórdia, a
confissão, mergulhe esse cântaro furado no Sangue de Jesus, e esse Sangue de Jesus vai recriando esse
coração. Esse perdão, esse amor misericordioso vai lhe misericordiando, vai lhe dando um coração novo,
uma criatura nova que é capaz também de misericordiar, que é capaz também de dar misericórdia para os
outros. Porque foi misericordiado, pode misericordiar. Você porque foi perdoado, pode perdoar.
Quais são os dois tempos que o Papa usa? Ser misericordiado, misericordiar. É fundamental. Ser
alcançado pelo amor misericordioso de Deus, ser mergulhado e ter o seu coração continuamente recriado
pela misericórdia faz com que sejamos misericordiados, que consiste no que? Deus olhou para nós com
entranhas de misericórdia, se compadeceu da nossa dor, comoveu-se, veio ao nosso encontro e remediou a
nossa situação. Quem foi alcançado pela misericórdia de Deus? Agora é a hora de você fazer com que essa
misericórdia como um rio passe do seu coração para os outros. Você que foi alcançado pela misericórdia é
enviado a misericordiar. Deus olhou para você? Agora olhe para os seus irmãos que precisam da
misericórdia de Deus. Deus se compadeceu de você? Compadeça-se agora dos seus irmãos. Deus se
comoveu e se moveu na sua direção? Agora se comova com os seus irmãos e se mova na direção deles.
Uma vez alcançado pela misericórdia, Deus dá um coração capaz de misericordiar este mundo ferido e
necessitado da misericórdia de Deus.
Hoje de manhã o ponto fundamental para nós: nós precisamos deixar que a misericórdia de Deus
nos alcance no mais profundo de nós. Precisamos deixar que a luz da misericórdia identifique aquelas áreas
mais profundas que nós devemos mergulhar no Sangue misericordioso de Jesus. Devemos entregar os
nossos vasos, os nossos cântaros furados. Você já reconheceu o furo mais profundo do seu cântaro? Você é
capaz de reconhecer? Eu não vou mandar para a pessoa que está ao seu lado, porque senão você vai se
confessar, mas identifique, porque identificar o furo do cântaro significa que eu posso mergulhá-lo muitas
vezes no Sangue misericordioso de Jesus. Significa que eu posso encostar a minha cabeça no coração do
Pai. Foi isso que curou o filho pródigo. É isso o que nos cura. Quando nós pegamos o cântaro furado da
nossa vida e encostamos no coração do Pai, nós sentimos as batidas do coração do Pai, sentimos jorrar o
Sangue de Jesus no coração do Pai, e esse Sangue pode entrar nas profundezas do nosso ser e pode nos
fazer novas criaturas.

14 Mt 18, 21-22.
6
Este é o grande convite de Deus, este é o grande convite do Papa, este é o grande convite para nós
neste CJS: deixemo-nos ser alcançados pela misericórdia divina. Deixemo-nos e experimentemos o coração
do Pai que bombeia o Sangue de Jesus para penetrar nas entranhas mais profundas e para me dar a
esperança de uma vida nova, um coração novo.
Quem quer um coração novo, recriado, não remendado, mas recriado? Quem que diga eu! Então
vamos ficar de pé e vamos viver esse momento de oração, recebendo a cruz de Jesus. E recebendo a cruz
de Jesus, Nela, nos deixando lavar, nos deixando misericordiar, porque uma vez misericordiados somos
capazes de misericordiar. Esta cruz de Jesus manifesta o nome de Deus. Qual é o nome de Deus?
misericórdia. “Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”. Alcançados pela misericórdia
seremos capazes de misericordiar. Misericordiando, somos cada vez mais capazes de ser alcançados pela
misericórdia.
Recebamos a cruz de Jesus. Meu querido jovem exponha a sua necessidade mais profunda de ser
misericordiado. Exponha a sua ferida mais profunda, porque Deus não se cansa de perdoar. Exponha a sua
miséria mais profunda e experimente o coração do Pai que amorosamente derrama a Sua misericórdia.

Quem é esse Deus


Pra se entregar assim em nossas mãos?
Quem é esse Deus
Que chora a nossa dor como uma mãe?
Quem é esse Deus
Que pela sua morte vida nos dá?
Quem é esse Deus
Pra nos abrir as portas do seu céu?

Quem é esse Deus


Pra nos amar assim?
Quem então é Deus
Pra nos amar assim?

Quem é esse Deus


Que podemos ferir, ferindo o homem?
Quem é esse Deus
Tão grande, mas tão pobre e vulnerável?
Quem é esse Deus
Que o amor é o seu nome e o seu rosto?
Quem é esse Deus
Que faz de nós seus filhos sua imagem?

Deus não se cansa de nos perdoar. Nós é que nos cansamos de pedir perdão. Deus é misericórdia.
Deus nos ama com um amor de entranhas. Deus nos ama com um amor de fidelidade. Ele sempre volta a
semear a Sua misericórdia e o Seu perdão, se for preciso setenta vezes sete. A Sua misericórdia é eterna.
Ele nos perdoa e nos lava sempre no Sangue do Seu filho Jesus Cristo, até recriar o nosso coração, a nos dar
uma decisão de nunca nos apartar Dele, de deitar o nosso coração, a nossa vida, tudo o que somos e tudo o
que temos no Seu coração misericordioso, de nos deixar abraçar pelos seus braços de misericórdia. Que
mesmo nós sujos, nos deixarmos vestir com as roupas de festa, deixar que o anel seja posto no nosso dedo
e ouvir: “Este meu filho estava morto e agora está vivo”. Confiar na Sua misericórdia, entregar a nossa vida
a Ele, e nos deixar transformar de dentro para fora. Reconhecer quem somos, pecadores, feridos.
Reconhecer a miséria mais profunda do nosso ser, e deixar que o Seu amor misericordioso nos lave.
Senhor, neste breve momento de oração, alcança-nos com a Tua misericórdia. Que nós não
saiamos daqui sem ser misericordiados. Jesus alcança-nos com a Tua misericórdia, com a força da cruz fere
o nosso coração já ferido, porque a Tua ferida nos cura. Com as Chagas gloriosas estanca a ferida purulenta
do meu coração. Cura-me. Transforma-me. Jesus, muda a minha vida.

7
Estenda as suas mãos para a cruz de Cristo, fonte de misericórdia infinita. Não tenha receio. Pode
tocar na cruz de Cristo, e toquem as pessoas que tocam na cruz de Cristo. Cruz de Cristo, coração aberto de
Cristo, fonte de misericórdia infinita, que cura o nosso coração, nos misericórdia e nos faz capazes, homens
novos, criaturas novas. Não remendadas. Novas criaturas, capazes de perdoarmos. Pela Sua graça, Ele nos
tornar santos, como Ele é santo. Nós temos um futuro. Nós somos pecadores, mas temos um futuro. A
misericórdia de Deus pode nos dar o futuro da santidade. Quem deseja o futuro da santidade, ore no
Espírito, ore forte e deixe-se alcançar pelo sangue misericordioso do Filho.
O Senhor me recorda que este é o caminho da santidade, o caminho da cruz. Que nos recorda que
a igreja não é uma comunidade de perfeitos, mas de pessoas pecadoras que decidiram seguir Jesus, e com
o coração humilde e reto decidem, desejam passar pela cruz para que pela força Dele, de Cristo, nós
possamos ser misericordiados, transformados, e a esperança nos abriu o presente e o futuro da santidade.
Sim, Senhor, caminhar Contigo todos os dias. Recomeçar Contigo todos os dias. Renovar os meus
propósitos Contigo todos os dias. Confiar na Tua misericórdia todos os dias. Decidir-me sempre de novo por
Ti todos os dias. Tu, Senhor, me transformarás de dentro pra fora, e Tu me darás o futuro de participar da
Tua santidade. Reconhecendo que sou pecador, com a força da misericórdia, tenho a esperança da Tua
santidade. Muito obrigado. E você pode dizer: “Misericórdia divina, transforma o meu coração, cura a
minha história. Misericórdia divina, cura os meus cântaros furados, recria a minha vida. Misericórdia divina,
dai-me o arrependimento dos meus pecados, transforma as minhas lágrimas amargas em lágrimas doces
do Teu amor e do Teu perdão. Misericórdia divina, fortalece-me contra o pecado, dai-me a Tua vitória de
uma vida nova, uma criatura nova, a santidade de Cristo. misericórdia divina, minha esperança, nossa
esperança, nossa alegria”.

Quem é esse Deus


Pra nos amar assim?
Quem então é Deus
Pra nos amar assim?

É este amor que salva. É este amor que converte. É esta misericórdia que converte o nosso coração,
que nos dá a força de vencer o pecado. E erga os seus braços e louve, louve ao Senhor, agradeça, porque a
Sua misericórdia é eterna! Muito obrigado Senhor, Te louvamos, Te agradecemos, Te bendizemos, porque
a Tua misericórdia é eterna, porque Tu tiras o nosso coração de pedra e nos dá um novo coração. Tu nos
dás a esperança da santidade. Sim, nós temos um futuro Senhor, e o nosso futuro é contigo, em Ti. O nosso
futuro é a Tua santidade brilhando nos nossos corações, nos nossos olhos, em nossas mãos. Não pelas
nossas forças. Não pelos nossos méritos, mas pelos méritos da Tua cruz. Muito obrigado porque a força da
Tua ressurreição está no meio de nós. Glória a Ti Senhor. Louvamos, agradecemos, bendizemos, exaltamos,
Te aplaudimos Senhor!
Cruz, árvore da vida. E ao teu lado não pode faltar a presença da Mãe da cruz, a presença da Mãe
das misericórdias. Continuem olhando para a cruz, porque Ela está no meio de nós. Ela está com o Seu
manto nos envolvendo, a Mãe da misericórdia, a Mãe misericordiosa e, portanto, a Mãe da esperança, a
Virgem Maria. Com o coração Dela, que é uma expressão do Pai amoroso de misericórdia, nós juntos nos
confiamos, nós, pecadores, confiamos em Suas mãos a intercessão, para que sendo misericordiados nós
sejamos capazes de misericordiar, para que sendo misericordiados nós sejamos convertidos e alcançados
pela santidade do Seu Filho Jesus Cristo. Por isso nós juntos rezamos: Ave-Maria...