Você está na página 1de 4

TORRE DE RESFRIAMENTO VERSUS CONDENSADOR ADIABÁTICO

COM TUBOS EM ALUMÍNIO PARA AMÔNIA

Introdução:

O investimento na substituição de equipamentos comumente utilizados em refrigeração por outros


desenvolvidos com novas tecnologias e com materiais mais eficientes é uma tendência mundial. No Brasil
o processo de modernização de sistemas de refrigeração ainda é bastante lento, ainda que algumas
indústrias de equipamentos já disponibilizem produtos de elevado padrão de qualidade.

Um exemplo desta modernização é a substituição das torres de resfriamento por condensadores


adiabáticos e já vem sendo efetuada por empresas que fazem um estudo comparativo.

Funcionamento dos sistemas:

1. Torre de resfriamento:

Numa torre a principal contribuição para o resfriamento da água, a qual a seguir resfriará a amônia num
trocador de calor, é dada pela evaporação de parte da água que recircula na torre. A água que evapora
precisa de calor latente e este calor é retirado da própria água que escoa da torre.
A evaporação de parte desta água é responsável por aproximadamente 80% do resfriamento da água. A
diferença de temperatura entre o ar e a água é responsável pelos outros 20 % do resfriamento.

2. Condensador adiabático com variador de freqüência e tubos em alumínio:

A amônia circula dentro das serpentinas com tubos de alumínio e este sistema funciona a seco. Se
houver aumento na temperatura / pressão do fluido a esfriar, a velocidade dos ventiladores controlados
por variador de freqüência aumenta até o máximo de sua rotação (100%). Se não for suficiente, o
sistema de pulverização adiabático é ativado.
A pulverização somente é ativada quando se necessita, reduzindo ao máximo o consumo de água. A
pulverização é cortada quando a pressão de condensação diminui para valores de projeto a seco, com
isso fechando a admissão de água.

A seguir serão relacionadas as vantagens da utilização do alumínio em relação ao aço e também as


vantagens do condensador adiabático em relação a torre de resfriamento.
Vantagens da utilização do Alumínio em relação ao aço:

Condensadores usados em sistemas de Amônia são feitos tradicionalmente com tubos de aço carbono
galvanizado (zincado). Mas existem outros metais que também são compatíveis com amônia, incluindo o
Alumínio.

Amônia e alumínio são muito compatíveis e têm sido usados em trocadores de calor para amônia por
várias décadas. Por isso, a fim de atender a necessidade desse mercado, surge o condensador
adiabático com tubos de alumínio, o qual apresenta entre muitas outras vantagens uma significativa
economia de um recurso muito valioso, a água.

Comparação de propriedades:

Na TABELA 1 a seguir compara várias propriedades do Alumínio para o Aço Carbono e o Zincado.

TABELA 1
Propriedades de Vários Metais
Densidade Condutividade Térmica Calor Específico
Metal
(lbm/cu ft) (Btu/sq ft h F ft) (Btu/lbm F)
Alumínio 165 117 0,215
Aço Carbono 489 26 0,108
Aço Zincado 440 65 0,092

Como se pode observar, a densidade do alumínio é 3 vezes menor que a do aço carbono e a
condutividade térmica 4,5 vezes maior. A densidade do metal afeta diretamente o peso e a troca de
calor, e quando multiplicado pelo calor específico o produto indica a quantidade de energia requerida
para aquecer e resfriar o trocador de calor.

Vantagens: Peso

A densidade muito baixa do Alumínio comparada com o Aço galvanizado e zincado resultam num
pequeno aumento da capacidade de troca térmica. A alta condutividade térmica do Alumínio resulta num
desempenho melhor comparado ao aço galvanizado.

Vantagens: Performance

A condutividade térmica do Alumínio é 4,5 vezes maior do que o aço. Condutividade térmica tem um
efeito direto na eficiência de transferência de calor, quanto maior melhor.

Vantagens: Resistência à corrosão

Amônia pura é normalmente passiva às superfícies em alumínio. Este processo passivo limpa a superfície
do metal de impurezas e promove a formação de uma camada protetora de óxido de alumínio.

Vantagens do condensador adiabático em relação à torre de resfriamento.

Comparativo do consumo de água entre a torre de resfriamento e o condensador adiabático:

Considerações:
- Capacidade de condensação – 1.400.000 kcal/h
- Temperatura de condensação – 35°C
- Temperatura de bulbo úmido – 26°C

Obs.: Tanto a torre de resfriamento quanto o condensador adiabático, foram calculados nas condições
acima.
Torre de resfriamento:

Considerando um caso prático, esta torre de 1.400.000 kcal/h é dimensionada para uma vazão de água
de aproximadamente 250 m³/h (dado do fabricante de torres).

Em média a uma perda em torno de 3% da vazão, devido à evaporação e ao arraste da água.

Sabendo isso podemos calcular o consumo de água em relação a estas perdas:


Vazão: 250 m³/h x 3% = 7,5 m³/h.

Isto gera um consumo anual de 64.800 m³ de água.

Condensador Adiabático:

Para a mesma capacidade utilizaremos um condensador com 48 bicos pulverizadores.


Considerando uma vazão de 0,0462 m³/h cada, e sabendo a quantidade de bicos temos:
48 bicos x 0,0462 m³/h = 2,2176 m³/h.

Sabendo que o sistema adiabático só atua em dias onde a temperatura está mais elevada, consideramos
uma média de 3 horas por dia de funcionamento no verão e no inverno o consumo de água é
praticamente nulo. Fazendo uma média diária de 1,5 horas de funcionamento, temos:

Consumo anual de 1.200 m³ de água.

O consumo da água pelo sistema adiabático (1.200 m³/ano) é mínimo em relação ao consumo da torre
de resfriamento (64.800 m³/ano).

MANUTENÇÃO:

Torre de Resfriamento:

Quando a água evapora as impurezas presentes nela permanecem. Com isso, constantemente se faz
necessária a limpeza na torre de resfriamento, tendo que ser esgotada toda a água. Além de existir o
inconveniente da parada do sistema, ainda há a necessidade do tratamento da água.

Condensador Adiabático:

O custo de manutenção do condensador adiabático em relação a torre é praticamente nulo, pois a única
manutenção necessária é a limpeza das aletas a cada seis meses para evitar incrustações e sujeiras.

CONCLUSÃO:

A utilização de tubos de alumínio em sistemas de refrigeração torna os equipamentos mais leves,


melhores condutores de calor e mais resistentes a corrosão.

As vantagens dos condensadores adiabáticos em relação às torres são:


- Têm um custo de instalação mínimo, já vai montado ou semi-montado
- Ar de descarga completamente seco
- Só necessita de energia 220/380V e apenas uma entrada de água.
- Não há a necessidade de tratamento de água
- Aceita qualquer tipo de água potável
- Redução do consumo de água
- Longa durabilidade dos componentes com um custo mínimo
- Serpentinas com tubos e aletas em alumínio
- Custo de manutenção praticamente nulo

Eng. Marcelo Braga


Engenharia / Comercial
marcelo@thermokey.com.br
(41) – 2101-2250
CONDENSADOR ADIABÁTICO COM TUBOS EM ALUMÍNIO PARA AMÔNIA