Você está na página 1de 33

Unidade IV

Unidade IV
7 Classificação, cadastro e codificação de materiais

7.1 Classificação de materiais

Segundo Gonçalves (2007), com o aumento considerável dos materiais utilizados nas empresas e
as exigências dos consumidores de novos produtos, tornou‑se necessária a criação de uma linguagem
única que permitisse identificar, de forma inequívoca, cada item de material. Essa linguagem envolve
uma classificação e uma codificação dos diversos materiais.

Conforme Dias (2004), o objetivo da classificação de materiais é definir uma catalogação, simplificação,
especificação, normalização, padronização e codificação de todos os materiais componentes do estoque
da empresa. A necessidade de um sistema de classificação é primordial para qualquer departamento
de materiais, pois sem ela não podem existir o controle eficiente dos estoques, os procedimentos de
armazenagem adequados e a operação do almoxarifado de maneira correta.

Reduzir a diversidade de um item empregado para um mesmo fim significa simplificar o material.
Assim, no caso de haver duas peças para uma finalidade qualquer, aconselham‑se a simplificação, ou
seja, a opção pelo uso de uma delas. Ao simplificarmos um material, favorecemos sua normalização,
reduzimos as despesas ou evitamos que elas oscilem. Por exemplo, cadernos com capa, número de folhas
e formato idênticos, contribuem para que haja a normalização. Ao requisitar uma quantidade desse
material, o usuário fornece todos os dados (tipo de capa, número de folhas e formato), o que facilita,
sobremaneira, não somente sua aquisição, como também o desempenho daqueles que se servem do
material, pois a não simplificação (padronização) pode confundir o usuário do material, se este um dia
apresentar uma forma e outro dia outra totalmente diferente.

Classificar um material, então, é agrupá‑lo segundo sua forma, dimensão, peso, tipo, uso etc. A
classificação não deve gerar confusão, ou seja, um produto não pode ser classificado de modo que
seja confundido com outro, mesmo sendo semelhante. A classificação ainda deve ser feita de maneira
com que cada gênero de material ocupe seu respectivo local. Por exemplo: produtos químicos podem
estragar produtos alimentícios se estiverem próximos uns dos outros.

Classificar material, em outras palavras, significa ordená‑lo segundo critérios estabelecidos, agrupá‑los de
acordo com a semelhança, sem, contudo, causar confusão ou dispersão no espaço e alteração na qualidade.

A primeira fase da classificação, na visão de Gonçalves (2007), é a identificação que consiste na


análise e no registro dos principais dados que caracterizam e individualizam cada item de material em
particular. Sua finalidade é identificar, a partir de um processo descritivo que objetiva, seguindo regras
específicas, atribuir uma nomenclatura padronizada a todos os materiais.
86
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Na composição da nomenclatura são determinados: nome básico do material, nome modificador


(que é sua denominação complementar), as características físicas de cada material, a aplicação (onde
o material é utilizado), a embalagem (apresentação do invólucro, por exemplo: tinta em galões ou em
baldes etc.) e as referências comerciais que contêm o nome ou o código de referência de cada fabricante.

Veja, no exemplo a seguir, a classificação de um produto levando em consideração a hierarquia.

• Produto: amaciante de roupas Confort Natural 500 ml.

• Departamento (setor): limpeza.

• Categoria: lavagem de roupas.

• Subcategoria: pós‑lavagem de roupas.

• Grupo: amaciantes.

• Subgrupo: amaciantes 500 ml.

• Descrição de produto: amaciante de roupas Confort Natural 500 ml.

Problemas resultantes das diferenças entre descrições de produtos semelhantes no cadastro de uma
empresa ou entre cadastros e documentos fiscais devem, portanto, ser evitados. No computador (por
meio do qual se farão a pesquisa e análise), se um amaciante for cadastrado como “amac.” e outro como
“amaciante”, serão produtos diferentes. Por essa razão, recomenda‑se estabelecer um padrão único de
descrição de produtos, utilizando pelo menos quatro variáveis: produto (amaciante de roupas); marca
(Confort); detalhe (natural); conteúdo (500 ml).

Lembrete

Classificar material, em outras palavras, significa ordená‑lo segundo


critérios estabelecidos, agrupá‑lo de acordo com a semelhança, sem,
contudo, causar confusão ou dispersão no espaço e alteração na qualidade.

7.2 Codificação de materiais

Conforme Gonçalves (2007), nada adianta criarmos um sistema de classificação de materiais se não
acoplarmos a ele um sistema de codificação. Da necessidade de implantar um sistema de identificação,
nasceu a classificação de materiais que tem por objetivo agrupá‑los segundo determinados critérios
tais como: forma, dimensões, peso, tipo, uso etc. Com base na classificação, é possível elaborar uma
catalogação de todos os materiais, utilizados na empresa, criando uma codificação e uma padronização
que simplificam os controles e facilitam os procedimentos de armazenagem e de operação de um
armazém.
87
Unidade IV

Após uma boa classificação de material, segundo orienta Dias (2004), podemos partir para a
codificação, ou seja, para a representação, por meio de números e/ou letras, de todas as informações
necessárias, suficientes e desejadas com base em toda a classificação obtida do material. Os sistemas de
codificação mais comumente usados são: o alfabeto, o alfanumérico e o numérico, também chamado
de decimal.

No sistema alfabético, o material é codificado segundo uma letra, sendo utilizado um conjunto
de letras suficiente para preencher toda a identificação do material. Pelo seu limite em termos de
quantidade de itens e uma difícil memorização, esse sistema está caindo em desuso.

O sistema alfanumérico é uma combinação de letras e números que permite um número de itens em
estoque superior ao sistema alfabético. Normalmente, é dividido em grupos e classes assim:

A C - 3721
Código de identificação
Classe
Grupo

Figura 21

O sistema decimal é o mais utilizado pelas empresas, pela sua simplicidade e facilidade de uso.
Suponhamos que uma empresa utilize a seguinte classificação para especificar os seus diversos tipos de
materiais em estoque:

• 01 – matéria‑prima;

• 02 – óleos combustíveis e lubrificantes;

• 03 – produtos em processo;

• 05 – material de escritório;

• 06 – material de limpeza.

Podemos verificar que todos os materiais são classificados sob títulos inespecíficos, de acordo
com suas características. É uma classificação bem geral. Cada um dos títulos de classificação
geral é submetido a uma nova divisão que individualiza os materiais. Para exemplificar, tomemos
o título 05 – material de escritório, da classificação geral, e suponhamos que tenha a seguinte
divisão:

• 05 – material de escritório

— lápis

— canetas esferográficas
88
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

— blocos pautados

— papel carta

Devido ao fato de um escritório ter diversos tipos de materiais, essa classificação, denomidada
individualizadora, torna‑se necessária, não sendo ainda suficiente, por faltar uma definição dos diversos
tipos de materiais. Por essa razão, cada título da classificação individualizadora recebe uma nova
codificação. Por exemplo, tomemos o título 02 – canetas esferográficas, da classificação individualizadora,
e suponhamos que seja classificada da seguinte maneira:

• 05 – Material de escritório

— 02 – canetas esferográficas

– marca alfa, escrita fina, cor azul

– marca gama, escrita fina, cor preta

Essa nova classificação é chamada de codificação definidora, e, quando necessitamos referir‑nos a


qualquer material, basta que informemos os números das três classificações que obedecem a seguinte ordem:

• número da classificação geral

— número da classificação individualizadora

– número da classificação definidora

Por exemplo, quando quisermos nos referir a “canetas esferográficas marca alfa, cor vermelha, escrita
fina”, basta que tomemos os números: 05 da classificação geral, 02 da classificação individualizadora e
03 da classificação definidora, escrevendo:

Código: 05‑02‑03

Posteriormente, esse último sistema foi ampliado, dando origem ao denominado Federal Stock
Number (FSN), que faz parte do sistema federal de suprimentos dos Estados Unidos, sendo composto de
10 algarismos e estruturado em quatro partes:

• grupo;

• classe;

• número de identificação;

• dígito de controle.
89
Unidade IV

O sistema numérico pode ter uma amplitude muito grande e enormes variações, tendo a seguinte
estrutura:

0 - 00 - 00000 - 0
Dígito de controle
Código de identificação
Classe
Grupo

Figura 22 – Sistema numérico

Como pode ser observado, o conjunto de cinco números permite identificar até 99.999 itens de
materiais. Por sua vez, as classes acrescidas dos grupos podem atingir um total de 9.999 possibilidades.
Assim, esse conjunto estruturado de número permite classificar um elevadíssimo número de itens.

Em razão disso, o governo dos Estados Unidos passou a utilizar essa estrutura para codificar todos
os materiais utilizados usando o Federal Supply Classification (FSC), desenvolvido pelo Departamento
de Defesa1 para identificar, classificar e catalogar todos os materiais movimentados pelos diversos
departamentos do governo americano.

Assim mesmo, ele pode ser subdividido em subgrupos e subclasses, de acordo com a necessidade da
empresa e do volume de informações que se deseja obter de um sistema de codificação.

Saiba mais

Acesse o site indicado em seguida e conheça a seção de pesquisa e


publicações, onde você encontrará estatísticas importantes para o mercado
de Logística e Supply Chain.

<http://www.ilos.com.br/>. Acesso em: 02 abr. 2012.

7.3 Cadastramento de materiais

Após a codificação dos materiais, é necessário fazer o cadastro dos itens em um sistema informatizado,
que pode ser feito de várias maneiras, por exemplo, manualmente: os dados dos itens são lançados um a
um no sistema ou por meio de leitores de códigos de barras; o conjunto de dados de cada item é lançado
em cada operação de leitura das etiquetas de identificação.

1
O Departamento de Defesa é um departamento federal dos Estados Unidos responsável pela coordenação e
supervisão de todas as agências e funções do governo ligadas diretamente com a segurança nacional e com as forças
armadas.
90
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Segundo Gonçalves (2007), o cadastramento tem como objetivo o registro do item com todas as
suas características em um banco de dados. Uma vez que os dados de cada item de material são aí
inseridos, o catálogo vai se formando, podendo estar disponível a todos os usuários interessados.

Esse cadastro envolve, em termos gerais, três operações básicas: a inclusão de um item de material
no cadastro de materiais; eventuais alterações, quando algum item de material tem algumas de suas
características modificadas; e a exclusão, quando um item de material não faz mais parte dos materiais
utilizados na empresa.

Assim, a última fase do processo de classificação de material é a catalogação visando à consolidação


de todos os dados cadastrais de cada material em um acervo conhecido como banco de dados de
matérias, que:

• permite a consulta de todos os usuários para se certificarem do material de que necessitam ou


esclarecerem eventuais dúvidas sobre as características dele.

• facilita os processos de licitação, uma vez que todas as características do material licitado estão
aí disponíveis.

• evita a duplicidade de inclusão de itens no catálogo, assim como no banco de dados.

• permite a conferência dos dados cadastrais com os documentos de identificação dos materiais da
empresa.

8 Código de Barras

Segundo Gonçalves (2007), um supermercado realizava em média 250.000 digitações por dia,
isto é, para registrar um produto, vários números eram digitados para compor o código d e um
produto. Isso demandava um grande número de pessoas para realizarem essa operação e, com
grandes possibilidades de cometerem erros. Contudo, tivemos um grande avanço com novas técnicas
introduzidas; torna‑se possível o reconhecimento ótico de caracteres, em substituição da digitação
de código de itens. Vejamos algumas vantagens do revolucionário código de barras, examinando a
figura em seguida.

• Fácil utilização.

• Grande capacidade de captura dos dados via reconhecimento ótico das barras.

• Baixo custo operacional.

• Implantação relativamente simples.

• Uso de equipamento compacto na leitura dos dados.

91
Unidade IV

UPC-A Para identificação de EAN 14 Para identificação EAN 8 Para identificação de


itens comerciais em produtos de artigos comerciais. Este artigos comerciais.
do mercado americano. é geralmente utilizado em
fardos e caixas de papelão.

7 89878 78978 0 78987878978994 7898 7876

EAN 13 Para identificação UCC/EAN 128 Desenvolvido UPC-E Para identificação de


de itens comerciais. Este é para troca de dados entre artigos comerciais. Foi criada
geralmente utilizado em empresas em todo o mundo. com o objetivo de gerar
produtos vendidos no varejo um código mais curto para
(supermercados). produtos menores.

7 898787 897899 (00) 006141411234567890 0 123456 5

Figura 23 – Diversos tipos de código de barras

A EAN Brasil – Associação Brasileira de Automação Comercial, criada pelo Decreto 90.095/84 e
Portaria 143 do Ministério de Indústria e Comércio, é quem supervisiona, no Brasil, a introdução
e gerenciamento do uso e da aplicação de códigos de barras. O Brasil, em face do citado decreto,
passou a adotar o sistema EAN (Europe Article Number). A estrutura do código de um nível de
sistema de informações e troca de dados e aplicações é parecida com esta que vemos na figura em
seguida:

Estrutura Identificação
de dados automática

(00) 006141411234567890

Mensagem de
negócios

Figura 24 – Base do sistema de código de barras. Gonçalves, 2007 (adaptada).

92
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Observemos na figura seguinte como se apresenta a estrutura de codificação de um código


de barras. O dígito verificador é calculado a partir de um conjunto de operações matemáticas
realizadas com os números representados pelas barras. Esses algarismos indicam o prefixo, a
empresa e o produto. O resultado final é comparado ao dígito verificador. Caso o dígito verificador
não seja igual aos resultados das operações matemáticas realizadas, o leitor de código de barras
rejeita a sua leitura. Você já deve ter visto a operadora do caixa de um supermercado digitar os
números que estão logo abaixo do código de barras, o que ocorre porque a leitura do código de
barras não foi bem‑sucedida.

EAN 13

7 898157 615115
789 5
Prefixo do país: 81576 Dígito verificador
3 dígitos concedidos (cálculo algoritimo)
pela EAN. Identificação concedida 1511
(789 = Brasil) pela EAN para a empresa:
são 6, 5 ou 4 dígitos. Identificação do produto
elaborado pela empresa:
são 3,04 ou 5 dígitos.

Figura 25 – Exemplo de estrutura do código de barras

Observação

O dígito verificador verifica se a leitura dos números representados por


barras verticais está correta.

Observe novamente, na figura 32, a existência de códigos de barras com vários dígitos. Isso se deve à
gama de aplicações que cada código opera. No elenco de códigos de barras, cada uma das modalidades
existentes tem aplicações específicas. Vamos ver agora as configurações de código de barras mais
utilizados:

• EAN‑8: é um código de barras utilizado em embalagens que possuem espaço limitado e não
comportam um código de barras com um número maior de dígitos. Sua estrutura de codificação
envolve o prefixo do país em que é comercializado o produto, o código do produto fornecido pela
EAN e o dígito verificador, conforme podemos ver na figura em seguida:

93
Unidade IV

EAN 8

7898 1575
5
789
Dígito verificador.
Prefixo do país: 8157
3 dígitos concedidos Código do produto
pela EAN. fornecido pela EAN.
(789 = Brasil)

Figura 26 – Estrutura do código EAN‑8

• EAN‑13: Possui treze dígitos e tem uma estrutura semelhante ao código da EAN‑8. Possui cinco
dígitos a mais destinados à inclusão do código da empresa fornecido pela EAN Brasil. Sua estrutura
está representada na figura em seguida.

EAN 13

7 898157 615115
789 5
Prefixo do país: 81576 Dígito verificador
3 dígitos concedidos (cálculo algoritimo)
pela EAN. Identificação concedida 1511
(789 = Brasil) pela EAN para a empresa:
são 6, 5 ou 4 dígitos. Identificação do produto
elaborado pela empresa:
são 3, 4 ou 5 dígitos.

Figura 27 – Estrutura do código EAN‑13.

• EAN/UCC‑14: uma estrutura que migrou do código EAN‑13 e inclui um dígito que identifica
a quantidade de produto ou a quantidade de embalagens. Em alguns casos, esse dígito a mais
recebe o nome de variante logística. Esse código destina‑se à identificação da embalagem de
comercialização do produto.
94
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

• EAN‑UCC‑128: é um código projetado para fornecer mais detalhes sobre o produto, pois permite
a inclusão de dados adicionais como: data de fabricação, data de validade etc., informações
importantes especialmente no caso de produtos perecíveis. Esse código pode ser lido em sistemas
que não tenham disponibilidade de leitura para o código EAN‑128, como um código EAN‑13. Essa
leitura menciona os dados contidos na codificação do EAN‑13, como mostra figura a seguir.

EAN 128

(01) 99310095000358(15)950827(30)03
(15) (30)
(01)
Período de validade Quantidade entregue
Identificador EAN do produto

Figura 28 – Código EAN/UCC‑128

É muito importante o controle de qualidade do código de barras, pois as barras existentes nos
códigos possuem uma série de informações, têm larguras apropriadas e definidas, pois de acordo com
normas especificas, os códigos têm de ter uma boa qualidade de impressão. Existem equipamentos
que foram projetados para fazer o controle de qualidade das barras, que normalmente é realizado pela
gráfica responsável pela impressão das embalagens que têm os códigos de barras.

Existem equipamentos para realizar a leitura do código de barras, como o escâner, pistolas a laser e
canetas ópticas. Basta posicionar o código de barras na altura especifica, e a leitura é feita. Hoje, com
o desenvolvimento da tecnologia, existem equipamentos muito sensíveis que permitem a leitura em
situações bastante adversas, comparados aos equipamentos anteriores.

A utilização do código de barras é inúmera. Além de utilizado em embalagens industriais e comerciais,


foi muito bem aproveitado na produção, no manuseio e no despacho de cargas e serviços de atendimento
ao cliente, como é o caso de uma loja de departamento ou mesmo no supermercado.

Decisão acertada: BSH Continental Eletrodomésticos Ltda

A BSH Continental Eletrodomésticos Ltda., um dos maiores fabricantes de linha branca do


país, inaugurou em abril de 2003, em Jundiaí – SP, um novo centro de distribuição que tem uma
área útil de 32 mil metros quadrados e que armazena produtos acabados e peças de reposição
de fogões, geladeiras, freezer, secadoras e máquinas de lavar da marca Continental e Bosch.
O CD (centro de distribuição) tem capacidade de armazenar até 150 mil itens. Os produtos
acabados somam 700 diferentes tipos. O sistema de gerenciamento do armazém conta com
automação com código de barras e leitores óticos de radio frequência. Movimentando cerca
de sete mil itens diariamente, organizados por categoria, que entram e saem do depósito,
95
Unidade IV

esse sistema automatizado produziu benefícios, como o aumento da produtividade em 30%,


a redução de 30% na discrepância dos inventários e a eliminação dos erros de despacho e
a possibilidade de rastreamento de carga com uso da radio frequência. Outros ganhos não
mensurados são verificados na otimização e flexibilização das operações, agilidade, controle
FIFO (first in first out) e melhor atendimento ao cliente nos 350 pontos de revendas autorizados
que recebem diariamente cerca de 5 mil unidades de produtos por dia.

Fonte: Gonçalves (2007).

8.1 Preparação da carga para distribuição

Atendimento da demanda

Segundo Taylor (2005), das várias operações diárias para atender a demanda dos produtos dentro de
uma cadeia logística, o processo de satisfazer a demanda imediata é a operação mais básica que pode
ser descrito como ciclo de atendimento, conforme ilustra a figura a seguir:

Cliente
1 3

PEDIDO
R$

Entrega

Pagamento
Pedido

Processamento Montagem Entrega Cobrança


do pedido do pedido

Fornecedor

Figura 29 – Ciclo de Atendimento. Taylor, 2005 (adaptada).

O ciclo tem início com o pedido de um cliente e termina quando o pagamento pelo produto é
recebido.

Um pedido pode englobar vários produtos, e não basta simplesmente especificá‑los. Os produtos
fora da prateleira devem ser especificados por identificadores exclusivos, como número de peças,
códigos de barras (universal product codes – UPCs) ou itens de estoque (stock‑keeping unit – SKU).
Alguns identificadores já têm um padrão específico dentro de cada setor, porém ainda muitos não são
códigos exclusivos de cada empresa, e isso significa que uma ou duas partes façam a transformação de
um sistema de identificação para outro. O mesmo acontece com a maneira de estipular a quantidade
desses produtos, pois, às vezes, as empresas especificam o mesmo produto de formas diferentes, por
96
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

exemplo: por libras x fardos. Para os produtos personalizados, as especificações devem ser extremamente
detalhadas quanto à dimensão, composição, qualidade do material, entre outras.

Devido às inúmeras informações que podem existir dentro do ciclo de pedido, é importante a
utilização de uma estrutura padrão para os pedidos com o objetivo de concentrar essas informações,
como mostra esta figura:

Cabeçalho

Qtde. Item Descrição R$ unit. R$

Corpo (linhas do documento)


Valor Valor com
Qtde. Item Descrição unitário desconto

Rodapé

Figura 30 – Estrutura de um pedido. Taylor, 2005 (adaptada).

Os pedidos são formados por três partes: cabeçalho, corpo e rodapé.

• Cabeçalho: contém informações genéricas, tais como: as partes envolvidas na negociação, as


datas importantes a respeito da transação e as condições de pagamento.

• Corpo: são as linhas do documento. Em cada uma é especificada a quantidade do produto, o


preço por unidade e o preço conforme a quantidade solicitada após a incidência de desconto.

• Rodapé: contém informações financeiras que dependem do conteúdo das linhas do documento:
preço total, impostos e taxas de entrega.

O pedido inicial, isto é, aquele que aciona a demanda que o cliente passa ao fornecedor, não contém
em geral todas essas informações, é feito no formato de uma ordem de compra: o fornecedor recebe e
devolve ao cliente no formato de ordem de venda. Este sim inclui todas as informações conforme vimos
na figura anterior. O pedido ordem de venda representa um compromisso por parte do fornecedor em
fornecer o produto nas condições especificadas, cabendo ao cliente aceitá‑las ou não. Se não aceita,
o pedido fica sujeito à negociação. Quando o cliente aceita, já com as devidas alterações, caso haja, o
pedido torna‑se obrigatório para ambas as partes. Veja as fases do pedido:
97
Unidade IV

Ordem
de
venda

Cliente Fornecedor

Ordem
de
compra

Discorda Concorda

Pedido em Pedido
negociação obrigatório

Figura 31 – Fases do pedido – Elaborado pelo autor.

Geralmente, a estrutura básica de um pedido, conforme ilustrado na figura 40, atende a grande
maioria dos pedidos, porém não é raro uma extensão dele para lidar com diversas entregas. Por exemplo,
é comum adicionar, após as linhas do documento, outro nível de estrutura para especificar entregas
separadas, conforme ilustra a figura 42. Alguns mercados utilizam outro formato conhecido como
“programação do cliente”. Um novo nível é criado antes das linhas do documento a fim de se ter uma
rápida visualização do pedido entregue. A figura ilustra esse pedido em três níveis.

Programação do cliente Pedido padrão

Cabeçalho Cabeçalho

Corpo Corpo

Entregas Linhas do documento

Linhas do documento Entregas

Rodapé Rodapé

Figura 32 – Pedido em três níveis. Taylor, 2005 (adaptada).

98
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Observação

O formato do pedido conhecido como “Programação do cliente” é


muito comum em ambientes JIT (Just‑in‑Time), nos quais é importante a
rápida visualização de itens que chegam a cada entrega.

8.2 Reunindo os produtos

A preparação de um pedido geralmente envolve uma sequência complexa de atividades. É importante


esclarecer que estas serão aqui descritas no contexto de um armazém, por serem nesse caso melhor compreendidas.
Contudo, é bom saber que elas ocorrem no momento de retirada de estoques das fábricas, almoxarifados e outros
locais destinados à armazenagem, recebendo suporte eletrônico de sistemas de gerenciamento de armazéns.

Um típico armazém é dividido em cinco setores diferentes:

• galpão de recebimento;
• área para armazenagem de cargas;
• área de separação;
• uma ou mais áreas de montagem do pedido;
• galpão de embarque.

Cada um desses setores é responsável por uma função diferente e possui equipamentos específicos
para dar apoio e realizar essas funções. A figura 43 ilustra o layout de um típico armazém. Os armazéns são
projetados a partir do fluxo de produtos, e o mais importante na hora de projetar o layout é manter altas
taxas de fluxo. Uma opção comum a essa estrutura é transformar esse formato em uma curva em forma de
U, possibilitando que a mesma área de galpões sirva tanto ao recebimento como ao embarque de produtos.

Push (Empurrar) Pull (Puxar)

Galpão de Armazenagem Área de Áreas de Galpão de


recebimento de cargas separação montagem embarque
do pedido

Figura 33 – Layout de um Armazém. Taylor, 2005 (adaptada).

99
Unidade IV

Os armazéns utilizam o sistema push‑pull, localizado na área de separação para controlar o fluxo
de estoque do galpão de recebimento ao galpão de embarque. Para descrever esses movimentos, vamos
separar atividades do tipo push e atividades do tipo pull:

Atividades do tipo push enfileiram o produto antecipadamente à demanda. Isso funciona da seguinte
maneira:

1. o estoque chega ao armazém;

2. sua maior parte é descarregada e colocada na área de armazenagem de cargas;

3. a outra parte pode permanecer nas embalagens e ser colocada em cestas, prateleiras ou caixas na
área de separação.

Atividades do tipo pull só ocorrem quando o armazém recebe um pedido. Isso funciona assim:

1. o sistema de gerenciamento de armazéns gera uma lista de separação indicando as quantidades


de cada item incluídas no pedido;

2. o funcionário chamado “separador”, recupera os itens na ordem em que aparecem na lista, pois
é elaborada de forma que este percorra o menor trajeto possível. É importante otimizar o trajeto,
pois a separação é responsável por metade dos custos de mão de obra em um armazém, e os
separadores costumam gastar 70% do seu tempo indo de um local a outro para recuperar os
itens;

3. o estoque, depois de selecionado, é encaminhado à sua área de montagem designada, junto com
a listagem de produtos;

4. na área de montagem, outros funcionários realizam operações finais necessárias antes da entrega,
como, em muitas das vezes, a rápida inspeção visual e a adição de um rótulo;

5. uma vez montado, o pedido é embalado para ser despachado.

A separação de itens pequenos e leves é geralmente feita de forma manual. Quando os produtos são
maiores, os separadores fazem uso de condutores, carregadoras a motor ou outros equipamentos. Em
alguns armazéns, correias transportadoras movimentam o estoque encaminhando‑os automaticamente
ao destino. Em outros, é utilizado o sistema de carrossel, em que os separadores permanecem parados e
o estoque é levado à sua posição.

Está se tornando comum efetuar a montagem final dos produtos no armazém, pois é bem mais
fácil para os fabricantes a personalização do produto de acordo com a solicitação local. Nas empresas
adeptas dessa prática, a área de montagem parece mais uma miniatura de fábrica do que um setor
intermediário.

100
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Certos produtos podem receber até três camadas de embalagem, conforme vemos na figura
em seguida. A embalagem primária é a caixa, lata ou bisnaga ou outro recipiente que embala
o produto. A embalagem secundária geralmente é uma caixa de papelão que concentra um
número padrão de embalagens primárias, facilitando o manuseio. Com exceção de armazéns que
realizam a montagem final, a maioria dos produtos já chega com esses dois níveis de embalagem.
A terceira camada, a embalagem de transporte, é geralmente um palete envolto por espumas ou
plásticos.

Primária Secundária Transporte

Embalagem de Caixa de papelão Palete


contenção

Figura 34 – Três camadas de embalagem. Taylor, 2005 (adaptada).

8.3 O sistema de distribuição de produtos

O sistema de distribuição de produtos é o processo que assegura a integração do fluxo de mercadorias,


desde o fornecedor até a área de vendas da loja e então para o consumidor final. Um sistema de
distribuição eficaz é um elemento importante da estratégia competitiva das empresas varejistas; pode
influenciar a lucratividade da empresa.

8.3.1 Entrega direta – na loja ou depósito central

As empresas podem adotar dois tipos de sistemas de distribuição para que os produtos cheguem dos
fornecedores até seus clientes: por meio da entrega direta do fornecedor a seus clientes ou mediante
centros de distribuição. Muitas empresas adotam um sistema misto de distribuição, em que parte dos
produtos chega aos clientes por meio de depósitos centrais do varejista e outros produtos são entregues
diretamente pelos fabricantes.

8.3.2 Centros de distribuição (CDs)

Muitas empresas estão desenvolvendo centros de distribuição utilizando sistemas computadorizados


de distribuição altamente automatizados que permitem expressivas melhorias no processo de
abastecimento, como é o caso do Carrefour, cuja leitura propomos em seguida. Esses sistemas
aperfeiçoam o sistema de controle de estoques, ajudam a implementar a reposição contínua, permitem

101
Unidade IV

maior segurança e rapidez do fluxo de abastecimento e do giro dos estoques. A implementação de


sistemas mais eficazes de distribuição provoca impactos significativos nos resultados de lucratividade
da empresa.

Exemplo de Aplicação

Carrefour investe em distribuição centralizada

Após os grandes investimentos na compra de sete redes de supermercados, agregando um


faturamento anual de R$ 1,7 bilhões, o Carrefour está partindo para a implantação de uma estrutura de
centros de distribuição. A mudança da operação de distribuição descentralizada ocorre porque a logística
da empresa ficou mais complexa com a redução do tamanho das lojas e a expansão da rede em cinco
Estados: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Amazonas e Distrito Federal. Antes, o Carrefour
operava somente com lojas grandes, que trabalhavam diretamente com os fornecedores. Além disso,
acompanha a nova estratégia de tirar a autonomia das lojas e centralizar compras e decisões. Outro
fator importante é a ampliação da variedade de mercadorias oferecidas ao consumidor. Há poucos anos
o mix de produtos era composto de 15 mil itens, atualmente é de 30 mil, e a meta é chegar aos padrões
europeus com 45 mil itens.

Com investimentos de US$ 35 milhões, o centro de distribuição do Carrefour está localizado em um


terreno de 220 mil m² na rodovia Anhanguera, ao lado do mega depósito do Pão de Açúcar, que tem
suas operações centralizadas há 20 anos. Em uma primeira fase, o galpão ocupará 45 mil m² com espaço
para 50 mil paletes. Entretanto, a meta é operar somente 35 mil paletes com capacidade para descarga
diária de 250 veículos e carregamento de 100 carretas, atendendo São Paulo, Paraná e Mato Grosso
do Sul. Em uma segunda etapa, serão incorporados mais de 35 mil m² que funcionarão como uma
plataforma satélite para produtos de baixo giro e alto valor (artigos de bazar, têxteis e eletrodomésticos)
destinados a todos os Estados com lojas Carrefour.

Embora tenha menor capacidade de armazenamento do que o concorrente Pão de Açúcar (100 mil
paletes), o Carrefour acredita que atualmente a deficiência está relacionada ao fluxo de mercadoria
em vez do tamanho do depósito. Por isso, os centros de distribuição devem ser avaliados pela rapidez
em descarregar os produtos dos fornecedores e pela montagem das carretas completas para abastecer
as lojas. A meta do Carrefour é que um produto de grande consumo fique, no máximo, 6 dias no
megadepósito e 10 dias nas lojas. Para isso, um caminhão de monoproduto, paletizado, deve ser
descarregado em 12 minutos.

A operação do centro de distribuição Carrefour será operada por uma joint venture entre Cotia
Trading e a norte‑americana Pense Logistics. Como em outros centros de distribuição, todos os processos
internos serão computadorizados, descartando a utilização de papel, e as atividades de recebimento,
armazenamento e expedição de mercadorias serão controladas por rádio frequência.

A agilidade dos processos logísticos reflete‑se no ponto de venda, pois reduz o tamanho necessário
para estocagem de mercadorias, aumentando a superfície destinada à área de vendas. No caso do
Carrefour, a área reservada para depósito em suas lojas será um décimo do espaço ocupado anteriormente.
102
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Os investimentos na distribuição significam uma redução nos custos da cadeia de abastecimento,


compartilhada pelo varejista e pela indústria, tornando os produtos mais competitivos nas gôndolas.

Fonte: Parente (2000).

Reflita e comente sobre esse case.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Lembrete

Um sistema de distribuição eficaz é um elemento importante da


estratégia competitiva das empresas varejistas, podendo influenciar na
lucratividade da empresa.

8.4 Seleção e montagem do pedido

Quando se recebe um pedido, seus itens devem ser retirados do depósito, agrupados e preparados
para a remessa. Todas essas atividades envolvem mão de obra e transporte de produtos. O trabalho deve
ser organizado de modo a fornecer o nível exigido de atendimento aos clientes com um custo mínimo.
Há vários sistemas que podem ser utilizados para organizar o trabalho. Dentre eles temos os seguintes:

• sistema por área: o responsável por pegar os itens circula pelo depósito selecionando itens, como
um comprador faz em um supermercado. Os itens são, então, levados à área de embarque para
que sejam despachados. O pedido organiza‑se sozinho, uma vez que quando o responsável pela
função coleta todos os itens que está no pedido, o mesmo encontra‑se completo. Esse sistema é,
geralmente, utilizado em pequenos depósitos, onde os produtos são armazenados em locais fixos;

• sistema por zona: o depósito é dividido em zonas, e as pessoas que escolhem os itens trabalham
apenas em sua própria área. Um pedido é dividido por zona, e cada pessoa escolhe os itens
de sua zona e os envia para a área de preparação, onde o pedido é montado para a remessa.
Cada pedido é manuseado separadamente: um só pedido é atendido de cada vez em uma zona.
As zonas são geralmente estabelecidas por agrupamentos de peças relacionadas pelo tipo de
armazenamento que exigem (por exemplo, armazenamento em congeladores) ou então pelo fato

103
Unidade IV

de serem, frequentemente, pedidas em conjunto. Uma variação do sistema por zona é fazer com
que o pedido vá para a próxima zona, e não para a área de preparação. Quando deixa a última
zona, o pedido está pronto para remessa;

• sistema de pedidos múltiplos: igual ao sistema por zona, só que, em vez de atender pedidos
individuais, reúne vários pedidos, divide todos os itens por zona. As pessoas que escolhem os itens,
então, circulam por sua área, selecionando todos os necessários para aquele grupo de pedidos.
Os itens são, depois, enviados à área de preparação, onde são separados em pedidos individuais a
serem remetidos.

O sistema por área pode ser facilmente controlado e administrado, mas à medida que o
processamento do depósito aumenta, ele passa a ter baixo rendimento. Os sistemas por zonas dividem o
processo de atendimento de pedidos em várias pequenas áreas, que podem ser bem mais administradas
individualmente. O sistema de pedidos múltiplos é, provavelmente, mais adequado à situação em que
existem muitos itens ou vários pequenos pedidos com poucos itens.

• estoques de trabalho e estoques de reserva: além dos sistemas descritos anteriormente, o


estoque de trabalho e o estoque de reserva podem ser separados. Esse procedimento é adequado
para quando a unidade selecionada no pedido de um cliente for uma caixa armazenada em
paletes. Um palete pode ser trazido para a área de trabalho por um carrinho elevador, e as caixas
podem ser retiradas dele. O estoque de trabalho é localizado perto da área de embarque, de modo
que o trabalho de seleção fica reduzido. Outra força de trabalho é utilizada para repor o estoque
de trabalho a partir do estoque de reserva.

8.5 Controle físico e segurança

Como o estoque é composto de objetos tangíveis, eles, por vezes, são perdidos, roubados,
ou desaparecem durante a noite, o que acontece nem sempre por as pessoas serem desonestas,
mas esquecidas. Por isso, torna‑se necessário um sistema que apresente obstáculos aos erros ou à
desonestidade das pessoas. Segundo Arnold (1998), vários elementos podem ajudar.

• Um bom sistema de numeração de peças.

• O acesso limitado: os estoques devem ser mantidos em locais seguros, com acesso geral limitado.
Devem ficar trancados, exceto nas horas normais de trabalho. Isso é mais para garantir que
pessoas não levem objetos sem completar os passos da transação do que para impedir furtos. Se
as pessoas puderem passear livremente nas áreas de armazenamento a qualquer hora e pegar
alguma coisa, o sistema de transação falha.

• Uma força de trabalho bem treinada: não apenas o pessoal dos almoxarifados deve ser bem
treinado no manuseio, no armazenamento dos materiais e no registro das transações, mas outros
funcionários que interagem com os almoxarifados devem ser treinados para garantir que as
transações sejam registradas adequadamente.

104
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

• Um sistema de transação simples e bem documentado: quando os produtos são recebidos, enviados
ou transportados, de alguma forma, ocorre uma transação. Em toda transação, há quatro passos
conforme segue:

— identificar o item: muitos erros ocorrem por causa de identificações incorretas. Quando se
recebe um item, deve‑se, portanto, identificar devidamente, no pedido de compra, o número
da peça e da quantidade. Quando os produtos são armazenados, a localização deve ser
precisamente identificada. Quando os produtos são lançados, a quantidade, a localização e o
número da peça devem ser registrados;

— conferir a quantidade: a quantidade é conferida por uma contagem física, mediante pesagens
ou mensurações. Em algumas ocasiões, contêineres de tamanho padronizados podem ser úteis
na contagem;

— registrar a transação: antes que qualquer transação seja fisicamente executada, toda a
informação sobre ela precisa ser registrada;

— executar fisicamente a transação: transportar os produtos para área interna ou para externa
de armazenamento.

8.6 Intensidade da distribuição

Levy (2000) considera que a intensidade da distribuição refere‑se ao número de varejistas que
trabalham com uma categoria em particular. No estagio introdutório, as categorias podem ser distribuídas
de forma mais ou menos intensiva, dependendo do tipo de categoria e de sua disponibilidade. Uma
categoria de alta tecnologia, como os telefones celulares, estaria inicialmente disponível somente por
meio de poucos varejistas. Um fabricante de nova ferramenta manual, por outro lado, quereria que essa
categoria fosse distribuída de forma mais intensiva – por intermédio da maior quantidade de varejistas
possível.

Conforme a categoria obtém popularidade nos estágio de crescimento e maturidade, a intensidade


de distribuição geralmente aumenta. Dessa forma, os telefones celulares foram disponibilizados em
muitos varejistas, mas quando a categoria entrar em declínio, menos varejistas se interessarão em
estocá‑la por causa da diminuição da demanda. Sendo assim, a gestão dos estoques também sofre forte
influência da intensidade de distribuição.

Saiba mais

Acesse o site e conheça a Associação Brasileira de Logística: <http://


www.aslog.org.br/novo/>. Acesso em 09 abr. 2012.

105
Unidade IV

Resumo

Neste último capítulo, você viu qual é o objetivo principal da classificação


de materiais e como ordená‑los agrupando‑os de acordo com a semelhança,
sem, contudo, causar confusão ou dispersão no espaço e alteração na
qualidade. Viu também que é possível simplificar os controles e facilitar os
procedimentos de armazenagem e de operação de um armazém, com o uso
de um sistema de codificação, o código de barras, e todas as outras etapas
complementares até a sua etapa final.

Ao final desta disciplina, você teve então a oportunidade de ver as várias


etapas sequenciais que envolvem a preparação de um pedido, assegurando
a integração do fluxo de mercadorias desde o fornecedor até a área de
vendas da loja, e então ao consumidor final.

Exercícios

Questão 1. (prova de concurso para engenheiro de produção da Companhia de Águas e Esgotos do


Rio Grande do Norte (Caern), 2010). A respeito da gestão da cadeia de suprimentos, analise as afirmativas
a seguir:

I. Para se implementar a gestão da cadeia de suprimentos, é necessário haver uma filosofia


compartilhada por todas as empresas constituintes, reunindo valores, crenças e ferramentas que
possibilitem a identificação das implicações sistêmicas das atividades envolvidas na administração
dos fluxos compreendidos.

II. Um de seus componentes é o planejamento de redução de custos e a gerência de desempenho.

III. A gestão da cadeia de suprimentos exige sinergia e dinamismo entre as atividades internas e
externas de uma empresa.

Assinale:

A) Se nenhuma afirmativa estiver correta.

B) Se todas estiverem corretas.

C) Se apenas I e II estiverem corretas.

D) Se apenas I e III estiverem corretas.

106
Planejamento e Operação por Categoria de Produto

E) Se apenas II e III estiverem corretas.

Resposta correta: alternativa B.

Análise das afirmativas

Afirmativa I: correta.

Justificativa: como sugere a afirmativa, a gestão de cadeia de suprimentos deve ser pensada de
forma estratégica e sistêmica.

Afirmativa II: correta.

Justificativa: um dos grandes objetivos da gestão de cadeia de suprimentos é a redução de custos e


o gerenciamento de estoque por desempenho no uso dos materiais.

Afirmativa III: correta.

Justificativa: a gestão da cadeia de suprimentos requer forte imbricação entre atividades internas e
externas à empresa.

Questão 2. Devido ao aumento considerável dos materiais utilizados nas empresas e às exigências de
novos produtos pelos consumidores, a classificação, o cadastro e a codificação de materiais representam
importantes aspectos a serem considerados quando do estudo da gestão de materiais. Sobre o assunto,
indique a alternativa correta.

A) O objetivo da classificação de materiais é a catalogação, a simplificação, a especificação, a


normalização, a padronização e a codificação de todos os materiais componentes do estoque de
uma empresa.

B) O sistema alfanumérico é uma combinação de letras e números, e permite quantidade de itens em


estoque inferior àquele possibilitado pelo sistema alfanumérico.

C) O sistema denominado Federal Stock Number (FSN) é estruturado em cinco partes: grupo, classe,
número de identificação, dígito de controle e classificação individualizadora.

D) A introdução da leitura de código de barras na saída de material revolucionou o sistema de


codificação e o reconhecimento de materiais, embora tenha gerado elevação nos custos
operacionais das empresas.

E) A modalidade de código de barras EAN‑8 é utilizada em embalagens que possuem espaço limitado,
que, devido a isso, apresentam data de fabricação do produto.

Resolução desta questão na plataforma.


107
REFERÊNCIAS

ARNOLD, J. R. Tony. Administração de materiais. São Paulo: Atlas, 1998.

BATALHA, M. O.; MILANEZE, K. L. N. Aplicação da ferramenta de gerenciamento por categorias em uma


empresa de atacado. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2003_TR0707_0115.
pdf>. Acesso em 9 de abril de 2012.

BERTÁGLIA, P. R. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, 2003.

BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística Empresarial: o processo de integração da cadeia de


suprimento. São Paulo: Atlas, 2001.

CHING, H. Y. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

CONWAY, W. E; COBRA, M.; PARENTE, J. O segredo da qualidade. São Paulo: Quality, 1996.

CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Administração de produção e operações: manufatura e serviços: uma


abordagem estratégica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

DIAS, M. A. P. Administração de materiais: princípios conceitos e gestão. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

ECR Brasil. Manual ECR. São Paulo: Informa Publicações Ltda., 2007.

GONÇALVES, P. S. Administração de Materiais. 2. ed. São Paulo: Campus, 2007.

LEVY, M.; WEITZ, B. A. Administração de varejo. São Paulo: Atlas, 2000.

MARTINS, G. A.; DOMINGUES, O. O Gerenciamento de categorias no varejo: um estudo de caso da


COOP, Cooperativa de Consumo. s/d. Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/Semead/7semead/
paginas/artigos%20recebidos/Varejo/VAR14_‑_O_Gerenciamento_de_Categorias_no_Varej.PDF>.
Acesso em: 9 de abril de 2012.

MORGADO, M. G.; GONÇALVES, M. N. Varejo, administração de empresas comerciais. 3. ed. São Paulo:
Senac, 2001.

MOURA, R. A. Manual de logística: armazenagem: do recebimento à expedição em almoxarifados ou


centros de distribuição. v. 2. São Paulo: IMAM, 1997.

NOVAES, A. G. Logística e o gerenciamento da cadeia de distribuição. 3. ed. São Paulo: Campus, 2007.

PARENTE, J. Varejo no Brasil: gestão estratégica. São Paulo: Atlas, 2000.

POZO, H. Administração de recursos materiais e patrimoniais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
108
______. Administração de recursos materiais e patrimoniais. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

RITZMAN, L.; KRAJEWSKI, L.; MALHOTRA, M. Administração de produção e operações. 8. ed. São Paulo:
Pearson, 2009.

SERRENTINO, A. Decifrando o quebra‑cabeça do consumidor. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006

SLACK, N; CHAMBERS, S; JOHNSTON, R. Administração da produção. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

TAYLOR, D. A. Logística na cadeia de suprimentos: uma perspectiva gerencial. São Paulo: Pearson, 2005.

TERRA, E. Manual do curso de gestão comercial: ECR, efficient consumer response, e gerenciamento de
categorias. São paulo: UPS/PROVAR, 2001.

TURBAN, E.; MCLEAN, E.; WETHERBE, J. Tecnologia da informação para gestão: transformando os
negócios na economia digital. São Paulo: Bookman, 2002.

VIANA, J. J. Administração de materiais: um enfoque prático. São paulo: Atlas, 2000.

WANKE, P. Gestão de estoques na cadeia de suprimentos: decisões e modelos quantitativos. São Paulo:
Atlas, 2003.

Sites

<http://www.aslog.org.br/novo/>

<http://www.ilos.com.br/>

<http://www/imam.com.br>

<http://www.mundologístico.com.br/>

<http://www.nfeiras.com/logistica/>

<http://www.revistaintralogistica.com.br/>

<http://www.revistamundologistica.com.br/>

Exercícios

Unidade I – Questão 2: INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO


TEIXEIRA (Inep). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2009: Tecnologia em
Gestão da Produção Industrial. Questão 33. Disponível em: < http://public.inep.gov.br/enade2009/
TECNOLOGIA_PROCESSOS_GERENCIAIS.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2012.
109
Unidade II – Questão 2 (adaptada de): INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS
ANÍSIO TEIXEIRA (Inep). Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2011: Tecnologia em
Gestão da Produção Industrial. Questão 33. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_
superior/enade/provas/2011/TECNOLOGIA_EM_GESTAO_%20DA_PRODUCAO_INDUSTRIAL.pdf>.
Acesso em: 26 abr. 2012.

Unidade IV – Questão 1: FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV). Concurso da Companhia de Águas e


Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) 2010: engenheiro de produção. Questão 46. Disponível em:
<http://www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/caern10/provas/caern/Caern_NS_ENGPRODUCAO_TIPO1.
pdf>. Acesso em: 26 abr. 2012.

110
111
112
113
114
115
116
Informações:
www.sepi.unip.br ou 0800 010 9000

Você também pode gostar