Você está na página 1de 10

Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado.

Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Neutrófilos (/mm³) 1800 a 7500


Plaquetas (/mm³) 140 a 450
CHCM 32 a 37 g/dL (g Hb/dL de eritrócito)
HCM 26 a 34 pg/eritrócito
VCM 87 a 103 mm³/ eritrócito
VG Hb/2xE (nº Eritrócitos)
Interação droga x nutriente, 1998

*Linfocitometria (CTL)

(mm³) = % Linfócitos x Leucócitos (mm³) / 100

Minerais, Enzimas, Proteínas e subprodutos

Exame de Sangue Valor de Referência Exame Valor de Referência


Ácido úrico Homem: 4,0 a 8,0 Sódio 136 a 143 mEq/L
mg/dL
Mulher: 2,7 a 7,3
mg/dL
ALT (TGP) 4,0 a 36 U/L Potássio 3,5 a 5,0 mEq/L
AST (TGO) 8 a 33 U/L Magnésio 1,3 a 2,1 mEq/L
Bilirrubina direta 0,1 a 0,4 mg/dL Zinco 50 a 150 mg/dL
Fosfatase alcalina 12 a 90 U/L Fósforo 2,3 a 4,7 mg/dL
Bilirrubina total 0,2 a 1,2 mg/dL Ferro Homem: 65 a 175
mg/dL
Mulher: 50 a 170
mg/dL
Amilase 25 a 125 UI Ferritina Homem: 15 a 200 ng/ml
Mulher: 12 a 15 ng/ml
Lipase < 190 UI Transferrina 200 a 400 mg/dL
Desidrogenase 100 A 190 U/L Albumina Adulto: 3,5 a 5,5
lática mg/dL
Idoso: 3,2 a 4,6 mg/dL
Criança: 3,8 a 5,4
mg/dL
Cálcio total Adulto: 8,8 a 10,8 Globulina 2,3 a 3,5 mg/dL
mg/dL
Idoso: 8,3 a 10,7 mg/dL
Creatinina Homem:0,6 a 1,2 mg/dL Proteínas 6,0 a 8,0 mg/dL
Mulher: 0,6 a 1,1 mg/dL totais
Uréia 20 a 40 mg Glicose 70 a 105 mg/dL
Albumina 3,5 a 5,5g/dL
Interação droga x nutriente, 1998
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Classificação da concentração Plasmática de Lipoproteínas

Lipoproteína (mg/dL) Classificação dos níveis


Colesterol total
< 200 Ótimo
200-239 Limítrofe
³ 240 Alto
LDL colesterol
< 100 Ótimo
100-129 Próximo do ótimo
130-159 No limite
160-189 Alto
³ 190 Muito Alto
HDL colesterol
< 40 Baixo
³ 60 Alto
Triglicerídeos
<150 Ótimo
150-200 Limítrofe
201-499 Alto
³ 500 Muito Alto
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2001

Fórmula de Friedwald
VLDL = Tg/5
LDL = Col Tt – (HDL + VLDL)

Balanço Nitrogenado

BN = Ingestão protéica 24 horas (g) ÷ 6,25 – uréia urinária / 2,14* +


4g** + outras perdas***
*100g de uréia = 46,7g de nitrogênio (100/46,7 = 2,14)
**perdas insensíveis: pele, fezes, respiração, controle da temperatura
do corpo, etc.
***outras perdas: diarréia (2,5g), drenagem de fístula gastrointestinal
(1,0g)

Interpretação:
BN + ou > 0 = ganho de peso (anabolismo) ou ingestão protéica excessiva
ou catabolismo protéico (sepse, trauma)
BN = 0 = equilíbrio
BN – ou < 0 = perda de peso (catabolismo) ou ingestão inadequada crônica
ou jejum
Fonte: Blackburn & Harvey (1982); Shenkin (1996)
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Cálculo do Índice de Creatinina/Altura (ICA):

% de adequação do ICA = Creatinina atual/creatinina ideal x 100

Creatinina atual = creatinina urinária do indivíduo nas 24h (mg)


Creatinina urinária ideal = homens: 23 mg/kg de peso corporal/24h
mulheres: 18 mg/kg de peso corporal/24h
Fonte: Blackbum (1977)

Classificação do ICA
Valor ICA Depleção Grave Depleção Moderada Depleção Leve
% < 60 60 < ICA < 80 80 < ICA < 100
Fonte: Blackburn & Harvey (1982)

Cálculo do Índice Catabólico (IC):

Avalia a ocorrência de catabolismo protéico e seu grau na presença de


estresse metabólico.

IC = NUU – [(0,5 X NI) + 3}


NUU: Nitrogênio Uréico Urinário = 7 / 15 x uréia urinária
NI: Nitrogênio ingerido = proteína ingerida (g) / 6,25

Classificação do IC
Valor IC Depleção Grave Depleção Moderada Depleção Leve
% >5 0 < IC < 5 <0
Fonte: Blackburn & Harvey (1982)

Blackburn (1979) sugere a seguinte freqüência das medidas de


avaliação do estado nutricional:

Parâmetros Avaliação inicial Outras avaliações (quando houver anormalidades)


Albumina/transferrina Na admissão A cada 10-14 dias com dieta
Antropometria Na admissão Após cada 21- 30 dias
Contagem linfocitária Na admissão Semanalmente
Peso corporal Na admissão No mínimo três vezes por semana
Pregas/circunferências Na admissão No mínimo duas vezes por mês*
ICA Quando indicado Após cada 21- 30 dias
* Sezini, A. M., 2004
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Cálculo das Necessidades Nutricionais

Estimativa da taxa metabólica basal conforme peso, sexo e


faixa etária em adultos saudáveis

Faixa etária (anos) Sexo masculino Sexo feminino


TMB (kcal/dia) TMB (kcal/dia)
0-3 60,9 P – 54 61,0 P - 51
3-10 22,7 P + 495 22,5 P + 499
10-18 17,5 P + 651 12,2 P + 746
18-30 15,3 P + 679 14,7 P + 496
30-60 11,6 P + 879 8,7 P + 829
>60 13,5 P + 487 10,5 P + 596
P: Peso atual (kg)
Adaptado de FAO/OMS/ONU, 1985

Necessidades energéticas diárias de adultos conforme a categoria de


trabalho ocupacional expressas em múltiplos da TMB, segundo sexo

Trabalho Homens Mulheres


Leve 1,55 1,56
Moderado 1,78 1,64
Pesado 2,10 1,82
Adaptado de FAO/OMS/ONU, 1985

Fórmula de Harris e Benedict para cálculo da TMB segundo sexo, 1988

Homem 66,5 + 13,7P + 5,0A – 6,8I


Mulher 655 + 9,6P + 1,9A – 4,7I
P: Peso atual (kg), se IMC < 40, e Peso ideal ou desejável, se IMC > 40
A: Altura (cm); I: idade (anos)
Fonte: LONG, C. I. et al, JPEN, 1979
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Fatores para o cálculo do gasto energético diário (GEB)


em processos de doença

Fator atividade Fator lesão (FL) Fator térmico (FT)


(injúria/estresse)
Acamado = 1,2 Pacien te não complicado 38° C
1,0 1,1
Acamado + móvel = Pós-operatório de câncer 39° C
1,25 1,1 1,2
Ambulante = 1,3 Fratura 40° C
1,2 1,3
Sepse 41° C
1,3 1,4
Peritonite
1,4
Infecção grave 1,3-
1,35
Multitrauma reabilitação
1,5
Multitrauma + sepse
1,6
Queimadura até 20% 1,0-
1,5
Queimadura 30- 50%
1,7
Queimadura 50- 70%
1,8
Queimadura 70- 90%
2,0
Câncer 1,1-
1,45
Insuficiência cardíaca 1,3-
1,5
Jejum 0,85-
1,0
Desnutrição grave
1,5
Fonte: CUPPARI, L., 2003; AUGUSTO, A. L, 1995

· DRI´s (crianças, adolescentes e micronutrientes)

· EEN

· Kcal/kg

· Macronutrientes de acordo com a doença


Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Cálculos dos requisitos protéicos (g/kg de peso ideal/dia)

Adultos Crianças
Desnutrição não complicada 0,8 – 1,0 (VCT <15%) 1,3 – 1,8
Rel cal/gN = 150:1
Stress metabólico leve/moderado 1,0 – 1,5 (VCT = 15 a 20%) 1,5 – 2,5
Rel cal/gN = 150-100:1
Stress metabólico acentuado 1,5 – 2,0 (VCT > 20%) 2,5 – 3,5
Rel cal/gN < 100:1
Fonte: Burton, R.G., 1998
Nota: Poderá haver necessidade de redução nestes valores em presença de doença renal ou hepática.

Estimativa das exigências de água (mL/24h)

Crianças (>1 anos) Adultos Idosos (>65 anos)


1-10kg: 100 x P Mínimo usual: 1500mL Mínimo usual: 1700mL
11-20kg: 1000 + 50 x (peso – 10) 30-50 mL/kg peso
> 20kg: 1500 + 20 x (peso – 20)
Fonte: Ferreira, T. R. A. S., 2000
Nota: acrescentar 350mL de líquido extra para cada °C de aumento médio da temperatura diária; Peso (P) em kg.

Ascite e Edema – contribuição no aumento ponderal

Edema Ascite
+ Tornozelo 1kg Leve 2,2kg
++ Até o joelho 3 a 4kg Moderada 6,0
+++ Até a raiz da coxa 5 a 6kg grave 12,0kg
++++ Anasarca 10 a 12kg
Fonte: Duarte, 2002
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Fatores de risco nutricional

1) Peso:
a) Insuficiente: < 80% do habitual
b) Perda involuntária de peso: ≥ 10% do peso habitual nos últimos 06
meses
2) Valores de laboratório:
a) Albumina sérica < 3,5g/dl
b) Contagem total de linfócitos < 1500/mm³
3) Dieta: redução significativa da ingestão durante 07 dias ou mais
4) Doença – Trauma – Estresse:
a) Perdas prolongadas de nutrientes por síndrome de má-absorção,
síndrome de intestino curto, fístulas gastrintestinais, hemodiálise,
abscessos, etc
b) Aumento das necessidades metabólicas por queimaduras extensas,
cirurgias importantes recentes, infecções, trauma, drogas com
propriedades catabólicas, etc
c) Doenças prolongadas (mais de 03 semanas)
d) Circunstâncias médicas: câncer e tratamento antineoplásico, doenças
gastrintestinais, demora na cicatrização de feridas, mastigação e/ou
deglutição difícil, desnutrição pré-existente
Fonte: Longo, E. N.; Navarro, E., 2002

Classificação da Desnutrição do Adulto

Marasmo Kwashiorkor
Ausência de massa: gordurosa e muscular Trauma /infecção
Peso < 80% do ideal Reservas de gordurosas e musculares - normais
PCT < 3mm Edema
ICA < 60% do padrão Ruptura da pele
Albumina ≥ 2,8g/dL Má cicatrização
Arrancamento dos cabelos
Hipoalbuminemia < 2,8
Transferrina < 150mg/dL
Leucócitos < 1500 mm
Waitzberg, 2000
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Caracterização da Desnutrição

Tipo de Características Déficit


desnutrição nutricional
Kwashiorkor · Curso rápido
· Associado a estresse metabólico
· Peso e antropometria conservados ou não Proteínas
· Depleção dos níveis de proteínas viscerais
· Deterioração da resposta de imunidade celular
Marasmo · Perda crônica de peso Proteínas e
· Ingestão dietética inadequada de longa duração Calorias
· Esgotamento dos tecidos adiposo e muscular
· Níveis de proteínas viscerais conservados
· Resposta da imunidade celular relativamente
intacta
Kwashiorkor- · Freqüentemente por estresse catabólico Proteínas e
marasmático superposto ao marasmo pré-existente Calorias
· Perda de tecido adiposo e muscular
· Diminuição dos níveis de proteínas viscerais
Fonte: Longo, E.N.; Navarro, E., 2002

Grade de Critérios para a determinação do diagnóstico de Desnutrição

Peso como % do peso corporal ótimo calculado


< 60% 60 a 75% 76 a 90% > 90%
< 2,5 DPC severa DPC severa Desnutrição Desnutrição
moderada protéica
(Kwashiorkor)
Nível de
2,5-3,0 DPC Desnutrição Desnutrição Desnutrição
albumina
moderada moderada protéica
sérica
(Kwashiorkor)
(g/dL)
3,1-3,5 Desnutrição Desnutrição Desnutrição Desnutrição
moderada moderada leve leve
> 3,5 Desnutrição Desnutrição Desnutrição Nenhuma
calórica calórica leve desnutrição
(Marasmo) (Marasmo) presente
Fonte: Adaptado Escott-Stump, 1999
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

Conduta Nutricional / Patologias

Distúrbios Gástricos

Dispepsia

1. Proceder a avaliação nutricional: Paciente potencialmente desnutrido?


2. Tratar a causa (geralmente psicogênica).
3. Se etiologia orgânica, dietas com teores baixos de gordura (25%
VCT), branda e adaptada a síndrome do colón irritável, se verificada
associação.
4. Dieta adequada às necessidades individuais.
5. Atmosfera descontraída.
6. Evitar alimentar-se rapidamente.
7. Mastigar adequadamente.
8. Diminuir o volume, aumentar a freqüência.
9. Evitar alimento muito gorduroso.
10. Evitar condimentos em excesso.
11. Esclarecer o paciente (com dispepsia funcional) que os sintomas que
ele sente após a ingestão de qualquer alimento não significa doença
orgânica: um alimento pode fazer mal num dia e não provocar nenhum
sintoma desagradável em outro.
12. Emagrecer quando necessário (dispepsia com sintoma de azia).

OBS: Alimentos agressores da mucosa gástrica: cravo da índia, noz


moscada, pimenta vermelha, pimenta do reino e mostarda amarela.

Gastrite aguda

1. Realizar a avaliação nutricional.


2. Monitorar os sintomas de má-digestão (gastrite idiopática).
3. Realizar o inquérito sobre alimentos de intolerância individual.
4. Permitir, durante a crise, o repouso do TGI, avaliando, porém a sede
com água e líquidos tolerados, por 24 a 48 horas – permitir descanso,
cicatrização e diminuição da dor.
5. Certificar-se do esvaziamento do estômago para permitir que o
revestimento mucoso se regenere (gastrite granulomatosa ou pós-
radiação).
Impresso por Renata, CPF 657.730.393-20 para uso pessoal e privado. Este material pode ser protegido por direitos autorais e não pode
ser reproduzido ou repassado para terceiros. 03/07/2020 10:26:38

6. Observar episódios de hematêmese = homeostase – emergência


médica:
7. Após jejum – iniciar dieta progressiva.
8. Evitar alimentos reconhecidamente irritantes e os de irritação
individual.
9. Omitir alimentos que não sejam bem tolerados.
10. Proporcionar hidratação adequada.
11. Alterar dieta de acordo com o aparecimento de outras afecções.
12. Proibido o uso de álcool (deprime a motilidade gástrica).
13. Diminuir a ingestão de gordura (deprime a motilidade gástrica).

Gastrite Crônica

1. Dieta individualizada, excluindo alimentos de intolerância individual.


2. Intervalos regulares.
3. Mastigar adequadamente os alimentos.
4. Proibir alimentos estimulantes e irritantes.
5. Não beber líquidos nas refeições.
6. Proporcionar hidratação adequada.
7. Adequar a dieta de acordo com as conveniências: se atrofia da
mucosa for crônica poderá conduzir a deficiências nutricionais
(anemia perniciosa, acloridria, etc).
8. Proibido o uso de álcool (deprime a motilidade gástrica).

Úlcera Péptica/Úlcera Duodenal


Cuidado nutricional = terapêutica coadjuvante

1. Reduzir e neutralizar a secreção ácida:


a) Diminuição dos alimentos protéicos.
b) Estimulantes gástricos: cerveja, leite, cafeína, álcool, pimenta
malagueta e pimenta do reino, cravo-da-índia, noz-moscada e
mostarda.
c) Reduzir alimentos de intolerância individual.
d) Educação nutricional: o pH do alimento antes de ser consumido
tem pouca importância terapêutica.
e) Freqüência alimentar.
f) Refeições regulares com cronometragem da ingestão de antiácidos
(1-3horas após as refeições) é importante.
g) Dieta branda?