Você está na página 1de 3

CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA

Viver em Português – A literatura do nosso tempo

1. Leia o poema “Trova do vento que passa” de Manuel Alegre.

Trova do vento que passa


Para António Portugal Vi navios a partir
(Portugal à flor das águas)
Pergunto ao vento que passa vi minha trova florir
notícias do meu país (verdes folhas verdes mágoas).
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz. Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Pergunto aos rios que levam Eu vi-te crucificada
tanto sonho à flor das águas nos braços negros da fome.
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas. E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Levam sonhos deixam mágoas
Vi minha pátria parada
ai rios do meu país
à beira de um rio triste.
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.
Ninguém diz nada de novo
Se o verde trevo desfolhas se notícias vou pedindo
pede notícias e diz nas mãos vazias do povo
ao trevo de quatro folhas vi minha pátria florindo.
que morro por meu país.
E a noite cresce por dentro
Pergunto à gente que passa dos homens do meu país.
por que vai de olhos no chão. Peço notícias ao vento
Silêncio – é tudo o que tem e o vento nada me diz.
quem vive na servidão.
Mas há sempre uma candeia
Vi florir os verdes ramos dentro da própria desgraça
direitos e ao céu voltados. há sempre alguém que semeia
E a quem gosta de ter amos canções no vento que passa.
vi sempre os ombros curvados.
Mesmo na noite mais triste
E o vento não me diz nada em tempo de servidão
ninguém diz nada de novo. há sempre alguém que resiste
Vi minha pátria pregada há sempre alguém que diz não.
nos braços em cruz do povo.
ALEGRE, Manuel (1995). 30 Anos de Poesia.
Vi meu poema na margem Lisboa: Dom Quixote, pp. 93-95.
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar
2. Tendo em conta que o poema foi escrito num regime ditatorial,
indique os versos onde estão presentes os seguintes temas:

2.1. Denúncia do regime ditatorial, marcado pelo exílio ________________


2.2. Falta de liberdade de expressão __________________
2.3. Desânimo e desalento ao ver a pátria sem rumo
__________________
2.4. Opressão/repressão __________________
2.5. Falta de patriotismo ___________________
2.6. Fome ____________________
2.7. Expressão da revolta face ao regime e incitação a uma posição interventiva de
resistência ao fascismo (nomeadamente sob a forma de canções de resistência)
__________________________

3. Escreva uma carta a um amigo ou familiar que viva longe de Portugal. Conte-
lhe como está o país inspirando-se no poema de Manuel Alegre. Escreva um
texto que respeite a estrutura da carta informal. (mínimo 100 palavras)

Agora, leia o seguinte poema de António Gedeão


CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA

4.1.Indique o tema do poema.

4.2.Neste poema são evidentes os procedimentos próprios de uma experiência.


Sublinhe os versos que indicam a veracidade da afirmação anterior.

4.3.Nem sinais de negro/ nem vestígios de ódio.


Indique a intenção crítica presente nos versos transcritos.

5. Faça uma analogia entre o tema do poema anterior e o anúncio publicitário


que se segue.