Você está na página 1de 3

Avaliação de filosofia 2º ano

1) Tradicionalmente costuma-se definir conhecimento como:


a) O modo pelo qual o sujeito se apropria do objeto usando os sentidos e a
Inteligência.
b) O modo pelo qual o sujeito se apropria do objeto usando a sua religião.
c) O modo pelo qual o sujeito se apropria do objeto conhecido usando suas
crenças.
d) O modo pelo qual o sujeito se apropria do objeto a partir de uma condição
fora da realidade.
2) Uma realidade que diz respeito à relação que se estabelece entre sujeito
que conhece e o objeto a ser conhecido, na qual o objeto é algo fora da
mente, mas também a própria mente quando tem consciência de nossos
afetos, desejos e ideias. Quanto à esta definição pode-se dizer que se
trata do:
a) Produto do conhecimento.
b) Ato do conhecimento.
c) Ato do saber.
d) Produto da opinião.
3) É comum dizer que o conhecimento é um ato da razão, por meio do qual
encadeamos ideias e juízos para se chegar a uma conclusão. Nesse caso,
o conhecimento pode ser entendido em dois modos:
a) Intuitivo e experiencial
b) Sensitivo e racional
c) Intuitivo e discursivo
d) Discursivo e racional
4) A verdade é um problema perene na filosofia. Quando indagamos sobre a
verdade, verificamos a relação entre duas realidades, a primeira de cunho
axiológico, a segunda de viés epistemológico. Essas duas realidades
podem ser apontadas abaixo como:
a) Verdade e falsidade x verdade e realidade
b) Verdade e realidade x verdade e religião
c) Verdade e veracidade x verdade e falsidade
d) Verdade e veracidade x verdade e realidade
5) Esses filósofos observam a realidade e ponderam com minúcia e
profundidade, mas alguns deles concluem não ser possível atingir o
conhecimento certo e seguro. Essa impossibilidade refere-se aos casos
mais radicais dessa filosofia, embora as tendências moderadas sejam
mais comuns. Nisto, podemos dizer que se trata da filosofia:
a) Cética
b) Dogmática
c) Empirista
d) Criticista
Avaliação de filosofia 3º ano

1) De acordo com Piaget, o desenvolvimento cognitivo segue as seguintes


etapas:
a) período sensório-motor, período pré-operatório, período das operações
concretas, período das operações formais;
b) período sensório-motor, período das operações formais, período das
operações concretas;
c) período pré-operatório, período das operações formais, período das
operações abstratas;
d) período sensório-motor, período pré-operatório, período das operações
concretas.
2) No ensino dos conteúdos, durante as aulas de Educação Física, há
sempre valores morais em jogo, tais como: a justiça e a injustiça, o certo
e o errado, a solidariedade e o egoísmo, o respeito e o desrespeito, dentre
outros. Portanto, ensinar um determinado movimento, habilidade ou
fundamento dentro do contexto de um conteúdo específico de ensino, é,
antes de tudo, ensinar regras de comportamento e de convivência social.
Para Piaget (1994), a evolução da prática e da consciência da regra
abrange três fases que seguem a seguinte ordem de desenvolvimento:

a) heteronomia, autonomia e anomia.


b) anomia, heteronomia e autonomia.
c) heteronomia, anomia e autonomia.
d) anomia, autonomia e heteronomia.
3) A moral e os valores não constituem um objeto de conhecimento único.
Sendo assim, diferentes campos do saber e a pluralidade de perspectivas
se debruçam sobre o tema. Na Psicologia, um dos pioneiros no estudo do
desenvolvimento moral foi Jean Piaget na década de 30. Mas foi outro
autor que se dedicou exaustivamente aos estudos para a compreensão
do desenvolvimento moral, propondo três níveis subdivididos em dois
cada um. Quem foi este autor?
a) Kant
b) Sartre
c) Lawrence Kohlberg
d) Kafka.
4) Leia as proposições abaixo.
I. Para Kohlberg, nossa maneira de pensar sobre as questões morais reflete
nosso desenvolvimento afetivo e expressa a constituição de uma moralidade
heterônima; II. A moralidade pré-convencional é o estágio em que o controle é
externo e as regras são respeitadas para evitar punição ou por interesse
próprio; III. Na moralidade convencional, os padrões das figuras de autoridade
são internalizados; IV. Na moralidade pós-convencional, as pessoas seguem
princípios morais internalizados de correção, imparcialidade e de justiça a partir
dos quais podem escolher entre padrões morais conflitantes. Assinale a
opção CORRETA.
a) Todas as proposições são corretas.
b) Somente as proposições I, II e III estão corretas.
c) Somente as proposições I, II e IV estão corretas.
d) Somente as proposições II, III e IV estão corretas.

5) Enem 2ª aplicação 2010)  “Quando Édipo nasceu, seus pais, Laio e Jocasta,


os reis de Tebas, foram informados de uma profecia na qual o filho mataria o
pai e se casaria com a mãe. Para evitá-la, ordenaram a um criado que matasse
o menino. Porém, penalizado com a sorte de Édipo, ele o entregou a um casal
de camponeses que morava longe de Tebas para que o criasse. Édipo soube
da profecia quando se tornou adulto. Saiu então da casa de seus pais para
evitar a tragédia. Eis que, perambulando pelos caminhos da Grécia, encontrou-
se com Laio e seu séquito, que,insolentemente, ordenou que saísse da
estrada. Édipo reagiu e matou todos os integrantes do grupo, sem saber que
entre eles estava seu verdadeiro pai. Continuou a viagem até chegar em
Tebas, dominada por uma Esfinge. Ele decifrou o enigma da Esfinge, tornou-se
rei de Tebas e casou-se com a rainha, Jocasta, a mãe que desconhecia”.
Disponível em: http://www.culturabrasil.org. Acesso em: 09/04/2018
(adaptado).
No mito Édipo Rei, são dignos de destaque os temas do destino e do
determinismo. Ambos são características do mito grego e abordam a
relação entre liberdade humana e providência divina. A expressão
filosófica que toma como pressuposta a tese do determinismo é:
a) “Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o
que quiser.” (Santo Agostinho)   
b) “Nasci para satisfazer a grande necessidade que eu tinha de mim mesmo.”
(Jean Paul Sartre)   
c)  “Quem não tem medo da vida também não tem medo da morte.” (Arthur
Schopenhauer)   
d) “Não me pergunte quem sou eu e não me diga para permanecer o mesmo.”
(Michel Foucault)   

Você também pode gostar