Você está na página 1de 15

Convecção

ü Natural

diferença de densidades do fluido causadas por diferença de temperaturas.

ü Forçada

forças externas representadas pela velocidade impelem o fluido.

Expressão Geral:
∞) , Equação de Newton
q = h*A*(Tp-T∞

onde:
q - fluxo de calor por convecção (W);
h - coeficiente de convecção (W/m2 ºC);
A - área da superfície (m2);
Tp - temperatura da superfície em contato com o fluido (ºC);
T∞ - temperatura do fluido (ºC).

1
Convecção
A análise da transferência do calor por convecção baseia-se na determinação do valor do
coeficiente de convecção (h).

O valor de “h” é função:

ü da geometria da superfície em contato com o fluido;


ü da velocidade do fluido;
ü das propriedades do fluido (temperatura, massa específica, viscosidade, etc....

Existem correlações, apresentadas em termos de parâmetros adimensionais, para a


determinação do coeficiente de convecção.

A transferência de calor por convecção se dá na “camada limite térmica”, ou seja, os


gradientes de temperatura do fluido só existem nessa região.

2
Convecção
ü Escoamento Laminar

As camadas de fluido deslizam umas sobre as outras sem que ocorra uma mistura macroscópica
e a velocidade, em escoamento macroscópico, em regime estacionário, é constante em qualquer
ponto.

Velocidades mais elevadas Þ turbilhões


Þ A velocidade oscila (em torno de um valor médio)

Reynolds (1883)

Re < 2100 Re > 2100

3
Convecção
Movimento Laminar x Turbulento

Pelotão de soldados Estação de metrô ou


estudantes no rush

ü Convecção Forçada
Número de Nusselt (Nu)

Relação empírica Nu = C * Ren * Prm

onde:
Nu - número de Nusselt;
Re - número de Reynolds;
C, n, m - constantes características do escoamento (determinadas experimentalmente);
Pr - número de Prandtl. 4
Convecção
O número de Nusselt é uma relação entre o gradiente de temperatura no fluido imediatamente em
contato com a superfície e o gradiente de temperatura de referência (Ts-T∞)/L. É uma medida
conveniente do coeficiente de transmissão de calor por convecção.

O número de Nusselt é dado pela relação:

h*l onde:
Nu =
k h - coeficiente de convecção (W/m2 ºC);
l - dimensão característica (m);
k - condutividade térmica de fluido (W/m ºC).

ü Número de Reynolds (Re)


É dado pela relação:

v*l onde:
Re = v - velocidade (m / s);
v
l - dimensão característica (m);
ν - viscosidade cinemática (m2/s).

O número de Reynolds é a medida da relação entre o efeito de inércia e o efeito viscoso e


também da possibilidade de desenvolvimento de turbulência.
5
Convecção
ü Número de Prandtl (Pr)

É o parâmetro que relaciona as espessuras relativas das camadas limite hidrodinâmica e térmica.
Camada limite hidrodinâmica: y tal que em y, µ= 0,99 µ∞
É a região do escoamento onde atuam as forças viscosas.

Camada limite térmica: região onde os gradientes de temperatura estão presentes no


escoamento.

Gradientes de temperatura: resultam da transferência de calor entre fluido e parede.

Dado pela relação:

ν k onde:
Pr = e α= k, ν - já definidos;
α ρ *c
α - difusividade térmica (m2/s);
c - calor específico (J / kg ºC);
ρ - massa específica (kg / m3).

6
Convecção
Valores de C, m e n.
m = 1/3

Geometria Re C n
v 5 * 103-105 0,246 0,588
l

v 5 * 103-105
l 0,102 0,675

v 5*103-1,95*104 0,160 0,638


l 1,95*104-105 0,0385 0,782
v
l 4000-40000 0,153 0,638

v l 0,228 0,731
4000-1,5*104

7
Convecção

v
[ar] v
[ar]

h = 7,2 v0,78 para 5 m/s < v < 30 m/s h = 6,47 v


h = 5,6 + 3,9 v para v < 5 m/s

ü Propriedades térmicas do Ar

Obs.: se a temperatura da superfície for muito diferente da temperatura do fluído, as propriedades


térmicas devem ser avaliadas à chamada “temperatura de filme” dada por:

T∞ + T p
Tf =
2
T Pr ρ k ν
K ºC [kg/m3] [w/m ºC] [10-6 m2/s]

250 -23 0,722 1,4128 0,01809 9,49

300 27 0,708 1,774 0,02624 16,84

350 77 0,697 0,9980 0,03003 20,76


8
Convecção
ü Convecção Natural

Fluido frio entra em contato com uma parede a temperatura mais alta.

ë pela diferença de temperaturas, recebe calor;

ë ao se aquecer, o fluido dilata (aumenta o volume específico, fica mais leve);

ë fluido aquecido.

Relação empírica
Nu = c * (Gr * Pr)m
onde:
Gr - número de Grashof, dado por:

g * β * (Tp − T∞ ) * l 3 onde:
Gr = g - aceleração da gravidade
v2
β - coeficiente de expansão volumétrica

9
Convecção
Para gases perfeitos:

1
β= Pr - já definido
T∞(k ) C, m - constantes tabeladas

O número de Grashof consiste em um grupo adimendional que representa a relação entre as forças
de empuxo e as forças viscosas na convecção natural

Geometria Gr * Pr C m
paredes 104-109 0,59 1/4
planas verticais 109-1013 0,10 1/3
planos horizontais
fluxo ascendente 104-8*106 0,56 1/4
lajes 8*106-1014 0,15 1/3
fluxo descendente 105-1014 0,58 1/5
10
Convecção
Superfície aquecida voltada para baixo

Tare= 12ºc θ > 0 → fluxo ascendente


0º ≤ θ ≤ 88º
60ºc Tpe= 10ºc
+ Nue = 0,56 (Gre Pre cos θ)1/4
θ=
Tp =
i 20ºc

Para avaliar propriedades: Te = Tp - 0,25 * (Tp - T∞)


Tari= 25ºc

temp. média da temp. ar


superfície

Para avaliar: β→ Tβ = T∞ + 0,25 (Tp - T∞)

11
Convecção
Superfície aquecida voltada para cima

Tare= 30ºc θ < 0 → fluxo descendente


ºc -15º ≤ θ ≤ 75º
- 60 Tpe= 50ºc
θ =
Tp =
i 35ºc
Nue = 0,14 [(Gre Pre)1/3 - (Grc Pre)1/3] + 0,56 (Gre Pre cos θ)1/4

Tari= 25ºc = 0 se Gre < Grc

Para 105 < Gre Pre cos θ < 1011


Grc: Grashof crítico (Nusselt se afasta da condição laminar

θ(graus) Grc

-15 5 * 109
-30 2 * 109
-60 108
-75 106
12
Convecção
Superfícies confinadas (pré-moldados)

T2

L
∆T = T2 - T1

T1

δ Placas planas verticais

Define-se uma condutividade térmica equivalente, ke, de modo a ter-se a mesma resistência que
teríamos por convecção. Assim:

δ ke
R= e = N u = C1 * (Gr * Pr) n * ( L / δ ) m
ke k

13
Convecção

g. β .∆T. δ 3
Gr =
ν2

Geometria Gr*Pr L/δ C n m


Placas < 6000 ke/k = 1
verticais 6000 - 2*105 11-42 0,197 1/4 -1/9
isotérmicas 2*105-1,1*107 11-42 0,073 1/3 -1/9

Placas < 1700 0,059 0,4 0


horizontais 1700 – 7000 0,212 ¼ 0
isotérmicas: 7000-3,2-105 ke/k = 1 0,061 1/3 0
-aquecidas > 3,0 * 105
por baixo

Aquecidas ke
por cima k =1

14
Convecção
Os valores de µ, k, Cp e Pr não são fortemente dependentes da pressão e podem ser usados para
uma faixa razoavelmente extensa de pressão.

T,K ρ Cp(KJ) µ(kg/ ν k(W/m α(m2/s* Pr


(kg/m3) kg* ºC ms*106) æ m2
çç
ö
× 10 −6 ÷÷ ºC) 104)
è s ø

100 3,6010 1,0266 0,6924 1,923 0,009246 0,02501 0,770


150 2,3675 1,0099 1,0283 4,343 0,013735 0,05745 0,753
200 1,7684 1,0061 1,3289 7,490 0,01809 0,10165 0,739
250 1,4128 1,0053 1,488 9,49 0,02227 0,13161 0,722
300 1,1774 1,0057 1,983 16,84 0,02624 0,22160 0,708
350 0,9980 1,0090 2,075 20,76 0,03003 0,2983 0,697
400 0,8826 1,0140 2,286 25,90 0,03365 0,3760 0,689
15