Você está na página 1de 22

ECOLOGIA

Ecologia (oikos = casa + logos = estudo) é a área da biologia que abrange


o estudo do ambiente, seja ele natural ou alterado pela nossa ação, os seres que
ali residem bem como com as relações destes entre si e seus arredores.

1. CONCEITOS BÁSICOS DA ECOLOGIA


Para entender a maioria dos textos da área ambiental é necessário o
domínio sobre alguns conceitos, por isso abordaremos as principais definições
em ecologia.

1.1 População
Consiste em muitos organismos da mesma espécie vivendo juntos. As
populações são limitadas pelo tempo e área (delimitadas por fronteiras
geográficas).

Metapopulação
Chamamos de metapopulação uma população que ocorre numa
paisagem fragmentada, dividida em fragmento fonte (onde não há extinções
da espécie) e fragmentos dreno (onde pode ocorrer extinção). O estudo de
metapopulações está em evidência na biologia da conservação, um estudo
minucioso de uma paisagem fragmentada é muito importante para saber
comparativamente que remanescente florestal traria maior prejuízo caso fosse
removido no processo de expansão urbana, por exemplo.

1.2 Comunidade
Conjuntos de várias populações num mesmo ambiente e ao mesmo
tempo, ou seja são todos os organismos, de diferentes espécies, que coabitam
num espaço, ao mesmo tempo. As populações dentro de uma comunidade
interagem entre si através de eventos como polinização, predatismo,
competição, etc.

1
1.3 Ecossistema
Região onde são observadas relações entre fatores bióticos (biocenose)
e fatores abióticos(biótopo) uma determinada área, seja natural ou artificial. Em
outras palavras, relações entre seres vivos e o ambiente/seres não-vivos como
temperatura, luminosidade, umidade, salinidade e composição mineral do solo.

1.4 Bioma
Ecossistema natural e com características específicas. Sendo assim,
possui estreita relação com o clima, a topografia, o solo, etc; Fatores determinam
a tipificação da vida animal e vegetal. Embora não haja lugares que abriguem
exatamente o mesmo conjunto de espécies, podemos agrupar unidades
biológicas em categorias baseadas em suas formas vegetais dominantes, o que
dá as comunidades as suas características gerais. Os biomas são a principal
divisão das comunidades ecológicas da Terra, logo, uma dada região
biogeográfica pode conter vários biomas diferentes (abordaremos esse assunto
com mais detalhes num módulo adiante).
Exemplos: Tundra, Taiga, Floresta Temperada, Floresta Tropical.

1.5 Ecótono
Área limítrofe entre dois ecossistemas contíguos. Nos ecótones
encontramos maior biodiversidade e menor biomassa visto que, por ser uma
área de transição, é de difícil acesso para animais de grande porte que
costumam ser especializados em seu ambiente. Por vezes o ecótone apresenta
dimensões e condições particulares, que conferem a ele características de um
novo ecossistema, já que podem exibir espécies peculiares da região. Exemplo:
Mata dos Cocais.

1.6 Biosfera
Conjunto de todas as regiões do planeta nas quais os organismos podem
viver. Inclui a atmosfera, litosfera e hidrosfera.

1.7 Habitat
O habitat de um organismo é o local, ambiente físico-químico, no qual
ele vive. Geralmente, abriga mais de uma espécie. Os habitats são
caracterizados por suas notáveis características físicas, frequentemente
2
incluindo a forma de vida vegetal predominante, ou às vezes, a forma de vida
animal. Assim falamos de habitat de floresta, de deserto, de recife de coral, etc.

1.8.Nicho ecológico
O nicho ecológico agrupa as atividades que uma espécie desempenha,
como relações alimentares, onde busca abrigo e época da reprodução.
Considera-se também a relação com fatores ambientais para a ocorrência de
tal espécie. Podemos concluir então que as maneiras pelas quais a tolerância e
necessidade interagem, incluindo as condições e recursos específicos, definem
um nicho ecológico específico.

A temperatura, por exemplo, limita o crescimento e a reprodução de todos


os organismos. Esse é apenas um dos fatores de um nicho, porém existem
muitos outros: umidade, pH, tipo de alimento, etc., ou seja, o nicho ecológico é
multidimensional/amplo.

Atenção! Normalmente existem mais de uma espécie com habitats e


nichos ecológicos semelhantes. Essa sobreposição de nichos gera competição
interespecífica, que abordaremos futuramente.

• Nicho ecológico fundamental (pré-interativo): refere-se às


potencialidades totais de uma espécie.
• Nicho ecológico efetivo (pós-interativo): espectro mais limitado de
condições e recursos existentes no ambiente, que permitem a
permanência da espécie, mesmo na presença de competidores,
predadores e parasitas.

2. DENSIDADE POPULACIONAL
Relação entre o número de indivíduos de uma mesma população e o
espaço por ela ocupado.
Densidade = número de indivíduos / área ou volume
2.1.Taxas de natalidade.
Número de indivíduos que nascem num intervalo de tempo.

3
2.2.Taxa de mortalidade
Número de indivíduos que morrem em um determinado intervalo do
tempo.

2.3.Taxa de imigração
Número de indivíduos que chegam ao local em um determinado intervalo
de tempo.
2.4.Taxa de emigração
Número de indivíduos que sai de um determinado local em um intervalo
de tempo. Para entendermos o comportamento do gráfico de crescimento
populacional devemos antes entender mais alguns conceitos
OBS.: A diminuição da densidade populacional está relacionada com a
taxa de emigração e a taxa de mortalidade. Já o aumento da densidade
populacional está ligado a taxa de natalidade e taxa de imigração.

2.5.Potencial biótico
Capacidade de reprodução da espécie desconsiderando qualquer
resistência ambiental.

2.6.Resistência ambiental
São os fatores ou processos que limitam o crescimento populacional, tais
como falta de espaço, baixa disponibilidade de alimento, etc.

2.7.Capacidade suporte do meio


Número de indivíduos de uma população que os recursos do habitat
podem sustentar. É o potencial de crescimento real, ou seja, considera a
resistência ambiental.
OBS.: Toda espécie tem um K específico ,ou seja, número máximo e
constante de indivíduos que o ambiente pode abrigar sem desdobramentos
negativos.
OBS.: A introdução de uma espécie exótica em um determinado
ecossistema pode resultar na ultrapassagem do K da mesma. Por encontrar
condições favoráveis para seu crescimento ou facilidade de dizimar populações

4
nativas e recursos, esta espécie exótica consegue obter um crescimento abrupto
que, geralmente, acarreta em extinções.

3. ECOLOGIA - RELAÇÕES ALIMENTARES


Como foi comentado anteriormente não podemos desconsiderar ao
estudar ecologia a dinâmica da matéria e energia nos ecossistemas, sendo
assim é importante compreendermos como se dá a alimentação dos seres. Para
isso se faz necessário entender diferentes modelos de relações alimentares,
através da compreensão dos níveis tróficos.

3.1 Níveis tróficos

3.1.1.Produtores
São os organismos capazes de sintetizar material orgânico (autotróficos),
a partir de gás carbônico, água, e sais minerais utilizando energia luminosa
(fotossíntese) ou energia química (quimiossíntese). Este material orgânico é
usado na construção, manutenção e renovação da matéria encontrada nos
próprios produtores bem como nos seres que deles dependem direta ou
indiretamente.

Nutrientes
Para uma planta sobreviver não apenas luz é necessária, os recursos
minerais são essenciais. A matéria inorgânica que a planta deve obter do solo
inclui os macronutrientes(requerido pelo produtor em alta concentração) como
N, P, S, K. Ca, MG, Fe e micronutrientes/elementos traço(requerido em baixas
concentrações), por exemplo, Mn, Zn, Cu, B e Mo. Não podemos esquecer que
diferentes plantas podem ter exigências em proporções distintas

3.1.2.Consumidores
São seres heterotróficos que dependem da ação dos produtores para se
alimentar.

• Consumidor primário ou consumidor de primeira ordem:

5
É um ser herbívoro, em outras palavras, se nutre do produtor com a
finalidade de garantir matéria e energia para a sua sobrevivência.

• Consumidor secundário, consumidor de segunda ordem:

O consumidor secundário é o que se alimenta do consumidor primário, e


servirá de fonte de matéria e energia para o consumidor terciário e assim
por diante.

3.3.Decompositores
São alguns grupos de fungos e bactérias responsáveis pela reciclagem
da matéria, isto é, nutrem-se da matéria orgânica morta, atuando, portanto em
todos os níveis tróficos, desde produtores até os últimos consumidores mortos.
Vale lembrar que detritos (folhas mortas, urina, fezes,...) também são
decompostos por esses seres. Ao decompor a matéria devolvem ao ambiente
matéria inorgânica (os macro e micro nutrientes) que serão reutilizados pelos
produtores, sendo assim sua ação é essencial para a manutenção da
biodiversidade.

Saprótrofos
São organismos que alimentam-se de matéria orgânica morta.
Distinguem-se dois grupos de Saprótrofos: detritívoros (animais consumidores
de matéria orgânica morta) e decompositores (bactérias e fungos que
compõem a matéria orgânica e convertem a mesma em matéria inorgânica).
Os primeiros podem contribuir para a ação dos segundos já que ao se
alimentarem (insetos comendo folhas mortas, por exemplo) deixam a matéria
com maior superfície para que os decompositores realizem a mineralização
dos compostos imobilizados pelos produtores.

As comunidades de detritívoros e de decompositores podem estabelecer


com as plantas um tipo de mutualismo indireto, as plantas doam matéria orgânica
morta (folhas que caem no solo) para esses seres e em contrapartida esses

6
Saprótrofos facilitam a disponibilidade de matéria inorgânica necessária para a
vida dos vegetais.

3.2.Cadeia trófica ou alimentar


Mostra os diferentes níveis tróficos observados no ecossistema e as
relações observadas por eles de forma linear. É uma forma simples de
representar as relações tróficas já que inclui um exemplo de cada nível
nutricional.

Produtor→ Consumidor primário→ Consumidor secundário…→ Decompositor

Relações tróficas
Podemos avaliar as relações tróficas entre os organismos tendo como
critério tanto a energia quanto a matéria, o uso da energia como critério facilita
a avaliação da influência de fatores abióticos nas relações tróficas, como por
exemplo a incidência de luz solar.

Transferência de matéria
A transferência de matéria segue uma dinâmica cíclica já que ela ora se
encontra sob a forma orgânica (graças à ação dos produtores) ora sob a forma
inorgânica (graças a ação dos decompositores)

Transferência de energia
Nos ecossistemas, há transferências contínuas de matéria e energia
entre os seres vivos e o meio. Os organismos vivos possuem uma
característica termodinâmica essencial, eles precisam dissipar energia para
manter a sua constituição. A energia é usada pelos seres de cada nível trófico
em função de seu metabolismo, por isso apenas uma parte restante é
transferida para o nível seguinte. Dessa forma, o fluxo de energia é
unidirecional.

7
3.3.Teia trófica ou alimentar
Junção/interligção de várias cadeias tróficas formando uma rede que
consta as relações existentes no ambiente avaliado.

OBS.: Em uma teia trófica, o consumidor sempre irá optar por predar os
indivíduos que estiverem mais próximos, energeticamente, dos produtores. Pois,
dessa forma ele obterá mais energia para si, ou seja, maior lucro energético.

CASCATAS TRÓFICAS: retirada de um predador da cadeia e análise de


seus efeitos para as demais populações que participam da cadeia/teia trófica.

OBS.: Indiretamente a população de predadores influencia na população


de produtores e na biodiversidade pois incide diretamente no controle
populacional de consumidores primários.

3.4 Pirâmides ecológicas

É uma diferente forma de representar uma cadeia trófica. Dependendo do


escopo obteremos pirâmides distintas.

3.4.1.Pirâmide de número
Nesse tipo de representação cada eixo está relacionado com o número
de indivíduos. Geralmente percebemos que a quantidade de seres diminui
conforme a cadeia progride, contudo, é comum encontrarmos pirâmides de
número invertidas onde o produtor é de grande porte e os consumidores são de
pequeno porte.

8
3.4.2.Pirâmide de biomassa
Reflete a quantidade de matéria componente de um organismo ou grupo
de organismos por unidade de área. Usualmente é usado o peso seco
(organismo desidratado) na comparação entre níveis tróficos. Apenas um
exemplo de pirâmide de biomassa é considerado, esse ocorre em ecossistemas
marinhos na relação fitoplâncton e zooplâncton como mostra uma das figuras.
Esse exemplo é viável por conta da altíssima taxa de reprodução do fitoplâncton
que propicia a manutenção do zooplâncton.

3.4.3. Pirâmide de energia


Grande parte da energia é consumida ou dissipada (cerca de 90%) de um
nível trófico ao outro. Como a energia disponível em cada nível trófico é
progressivamente menor, é muito clara a impossibilidade de uma pirâmide de
energia invertida.

9
DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS
1. (Enem 2016) Ao percorrer o trajeto de uma cadeia alimentar, o carbono,
elemento essencial e majoritário da matéria orgânica que compõe os indivíduos,
ora se encontra em sua forma inorgânica, ora se encontra em sua forma
orgânica. Em uma cadeia alimentar composta por fitoplâncton, zooplâncton,
moluscos, crustáceos e peixes ocorre a transição desse elemento da forma
inorgânica para a orgânica.

Em qual grupo de organismos ocorre essa transição?


a) Fitoplâncton.
b) Zooplâncton.
c) Moluscos.
d) Crustáceos.
e) Peixes.

2. (Enem 2ª aplicação) Suponha que um pesticida lipossolúvel que se acumula


no organismo após ser ingerido tenha sido utilizado durante anos na região do
Pantanal, ambiente que tem uma de suas cadeias alimentares representadas no
esquema:

PLÂNCTON —> PULGA-D’ÁGUA —> LAMBARI —> PIRANHA —> TUIUIÚ


Um pesquisador avaliou a concentração do pesticida nos tecidos de
lambaris da região e obteve um resultado de 6,1 partes por milhão (ppm).
Qual será o resultado compatível com a concentração do pesticida (em
ppm) nos tecidos dos outros componentes da cadeia alimentar?

PLÂNCTON PULGA-D’ÁGUA PIRANHA TUIUIÚ

a) 15,1 10,3 4,3 1,2

b) 6,1 6,1 6,1 6,1

10
c) 2,1 4,3 10,4 14,3

d) 2,1 3,9 4,1 2,3

e) 8,8 5,8 5,3 9,6

3. (Enem 2016) A vegetação apresenta adaptações ao ambiente, como plantas


arbóreas e arbustivas com raízes que se expandem horizontalmente, permitindo
forte ancoragem no substrato lamacento; raízes que se expandem verticalmente,
por causa da baixa oxigenação do substrato; folhas que têm glândulas para
eliminar o excesso de sais; folhas que podem apresentar cutícula espessa para
reduzir a perda de água por evaporação.

As características descritas referem-se a plantas adaptadas ao bioma:

a) Cerrado
b) Pampas
c) Pantanal
d) Manguezal
e) Mata de Cocais

4. (Enem PPL) Bioindicador ou indicador biológico é uma espécie ou grupo de


espécies que reflete o estado biótico ou abiótico de um meio ambiente, o impacto
produzido sobre um hábitat, comunidade ou ecossistema, entre outras funções.
A posição trófica do organismo bioindicador é uma das características mais
relevantes quanto ao seu grau de importância para essa função: quanto mais
baixo o nível trófico do organismo, maior é a sua utilidade, pois pressupõe-se
que toda a cadeia trófica é contaminada a partir dele.
ANDRÉA, M. M. Bioindicadores ecotoxicológicos de agrotóxicos. Disponível em:
www.biologico.sp.gov.br. Acesso em: 11 mar. 2013 (adaptado).

O grupo de organismos mais adequado para essa condição, do ponto de


vista da sua posição na cadeia trófica, é constituído por:
a) algas.

11
b) peixes.
c) baleias.
d) camarões.
e) anêmonas.

5. (Enem PPL 2015) O caramujo gigante africano, Achatina fulica, é uma espécie
exótica que tem despertado o interesse das autoridades brasileiras, uma vez que
tem causado danos ambientais e prejuízos econômicos à agricultura. A
introdução da espécie no Brasil ocorreu clandestinamente, com o objetivo de ser
utilizada na alimentação humana. Porém, o molusco teve pouca aceitação no
comércio de alimentos, o que resultou em abandono e liberação intencional das
criações por vários produtores. Por ser uma espécie herbívora generalista
(alimenta-se de mais de 500 espécies diferentes de vegetais), com grande
capacidade reprodutiva, tornou-se uma praga agrícola de difícil erradicação.
Associada a isto, a ausência de predadores naturais fez com que ocorresse um
crescimento descontrolado da população.

O desequilíbrio da cadeia alimentar observado foi causado pelo aumento


da densidade populacional de

a) consumidores terciários, em função da elevada disponibilidade de


consumidores secundários.
b) consumidores primários, em função da ausência de consumidores
secundários.
c) consumidores secundários, em função da ausência de consumidores
primários.
d) consumidores terciários, em função da elevada disponibilidade de produtores.
e) consumidores primários, em função do aumento de produtores.

6. (Enem PPL 2013) A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro,


ocupando cerca de 7% a 10% do território nacional. Nesse ambiente seco,
mesmo quando chove, não há acúmulo de água, pois o solo é raso e pedregoso.
Assim, as plantas desse bioma possuem modificações em suas raízes, caules e
12
folhas, que permitem melhor adaptação a esse ambiente, contra a perda de água
e de nutrientes. Geralmente, seus caules são suculentos e suas folhas possuem
forma de espinhos e cutículas altamente impermeáveis, que apresentam queda
na estação seca.
Disponível em: www.ambientebrasil.com.br. Acesso em: 21 maio 2010 (adaptado).

Considerando as adaptações nos órgãos vegetativos, a principal


característica das raízes dessas plantas, que atribui sua maior adaptação
à Caatinga, é o(a)

a) armazenamento de nutrientes por um sistema radicular aéreo.


b) fixação do vegetal ao solo por um sistema radicular do tipo tuberoso.
c) fixação do vegetal ao substrato por um sistema radicular do tipo sugador.
d) absorção de água por um sistema radicular desenvolvido e profundo.
e) armazenamento de água do solo por um sistema radicular do tipo respiratório.

7. (Enem PPL 2014) Os corais funcionam como termômetros, capazes de


indicar, mudando de coloração, pequenas alterações na temperatura da água
dos oceanos. Mas, um alerta, eles estão ficando brancos. O seu clareamento
progressivo acontece pela perda de minúsculas algas, chamadas zooxantelas,
que vivem dentro de seus tecidos, numa relação de mutualismo.
Disponível em: http://super.abril.com.br acesso em 6 dez 2012 (adaptado)

O desequilíbrio dessa relação faz com que os pólipos que formam os corais
tenham dificuldade em:
a) produzir o próprio alimento
b) obter compostos nitrogenados
c) realizar a reprodução sexuada
d) absorver o oxigênio dissolvido na água
e) adquirir nutrientes derivados da fotossíntese

13
8. (Enem PPL 2015) Dentre outras características, uma determinada vegetação
apresenta folhas durante três a quatro meses ao ano, com limbo reduzido,
mecanismo rápido de abertura e fechamento dos estômatos e caule suculento.
Essas são algumas características adaptativas das plantas ao bioma onde se
encontram.
Que fator ambiental é o responsável pela ocorrência dessas características
adaptativas?
a) Escassez de nutrientes no solo.
b) Estratificação da vegetação.
c) Elevada insolação.
d) Baixo pH do solo.
e) Escassez de água.

9. (Enem 2016) A Coleta das fezes dos animais domésticos em sacolas plásticas
e o seu descarte em lixeiras convencionais podem criar condições de
degradação que geram produtos prejudiciais ao meio ambiente (Figura 1).

A Figura 2 ilustra o Projeto Park Spark, desenvolvido em Cambridge, MA (EUA),


em que as fezes dos animais domésticos são recolhidas em sacolas
biodegradáveis e jogadas em um biodigestor instalado em parques públicos; e
os produtos são utilizados em equipamentos no próprio parque.

14
Uma inovação desse projeto é possibilitar o(a)
a) queima de gás metano.
b) armazenamento de gás carbônico.
c) decomposição aeróbica das fezes.
d) uso mais eficiente de combustíveis fósseis.
e) fixação de carbono em moléculas orgânicas.

10. (Enem 2ª aplicação) Em uma aula de biologia sobre formação vegetal


brasileira, a professora destacou que, em uma região, a flora convive com
condições ambientais curiosas. As características dessas plantas não estão
relacionadas com a falta de água, mas com as condições do solo, que é pobre
em sais minerais, ácido e rico em alumínio. Além disso, essas plantas possuem
adaptações ao fogo.

As características adaptativas das plantas que correspondem à região


destacada pela professora são:

a) Raízes escoras e respiratórias.


b) Raízes tabulares e folhas largas.
c) Casca grossa e galhos retorcidos.
d) Raízes aéreas e perpendiculares ao solo.
e) Folhas reduzidas ou modificadas em espinhos.

15
11. (Enem 2012) O menor tamanduá do mundo é solitário e tem hábitos
noturnos, passa o dia repousando, geralmente em um emaranhado de cipós,
com o corpo curvado de tal maneira que forma uma bola. Quando em atividade,
se locomove vagarosamente e emite som semelhante a um assobio. A cada
gestação, gera um único filhote. A cria é deixada em uma árvore à noite e é
amamentada pela mãe até que tenha idade para procurar alimento. As fêmeas
adultas têm territórios grandes e o território de um macho inclui o de várias
fêmeas, o que significa que ele tem sempre diversas pretendentes à disposição
para namorar!

Ciência Hoje das Crianças, ano 19, n.º 174, nov. 2006 (adaptado).

Essa descrição sobre o tamanduá diz respeito ao seu


a) hábitat.
b) biótopo.
c) nível trópico.
d) nicho ecológico.
e) potencial biótico.

12. (Enem 2014) Os parasitoides (misto de parasitas e predadores) são insetos


diminutos que têm hábitos muito peculiares: suas larvas podem se desenvolver
dentro do corpo de outros organismos, como mostra a figura. A forma adulta se
alimenta de pólen e açúcares. Em geral, cada parasitoide ataca hospedeiros de
determinada espécie e, por isso, esses organismos vêm sendo amplamente
usados para o controle biológico de pragas agrícolas.

16
A forma larval do parasitoide assume qual papel nessa cadeia alimentar?

a) Consumidor primário, pois ataca diretamente uma espécie herbívora.


b) Consumidor secundário, pois se alimenta diretamente dos tecidos da lagarta.
c) Organismo heterótrofo de primeira ordem, pois se alimenta de pólen na fase
adulta.
d) Organismo heterótrofo de segunda ordem, pois apresenta o maior nível
energético na cadeia.
e) Decompositor, pois se alimenta de tecidos do interior do corpo da lagarta e a
leva à morte.

13. (Enem 2011) Os personagens da figura estão representando uma situação


hipotética de cadeia alimentar.

17
Suponha que, em cena anterior à apresentada, o homem tenha se
alimentado de frutas e grãos que conseguiu coletar. Na hipótese de, nas
próximas cenas, o tigre ser bem-sucedido e, posteriormente, servir de
alimento aos abutres, tigre e abutres ocuparão, respectivamente, os níveis
tróficos de

a) produtor e consumidor primário.


b) consumidor primário e consumidor secundário.
c) consumidor secundário e consumidor terciário.
d) consumidor terciário e produtor.
e) consumidor secundário e consumidor primário.

14. (Enem 2012) A figura representa um dos modelos de um sistema de


interações entre seres vivos. Ela apresenta duas propriedades, P1 e P2, que
interagem em I, para afetar uma terceira propriedade, P3, quando o sistema é
alimentado por uma fonte de energia, E. Essa figura pode simular um sistema de
campo em que P1 representa as plantas verdes; P2 um animal herbívoro e P3,
um animal onívoro.

18
A função interativa I representa a proporção de
a) herbivoria entre P1 e P2.
b) polinização entre P1 e P2.
c) P3 utilizada na alimentação de P1 e P2.
d) P1 ou P2 utilizada na alimentação de P3.
e) energia de P1 e de P2 que saem do sistema.

15. (Enem 2014) Uma região de Cerrado possui lençol freático profundo, estação
seca bem marcada, grande insolação e recorrência de incêndios naturais. Cinco
espécies de árvores nativas, com as características apresentadas no quadro,
foram avaliadas quanto ao seu potencial para uso em projetos de
reflorestamento nessa região.

Característica Árvore 1 Árvore 2 Árvore 3 Árvore 4 Árvore 5


Coberta Coberta Coberta
Superfície Coberta Coberta
por por por
foliar por cera por cera
tricomas espinhos espinhos
Profundidade
Baixa Alta Baixa Baixa Alta
das raízes

Qual é a árvore adequada para o reflorestamento dessa região?


a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5

19
GABARITO COMENTADO
Resposta da questão 1

Gabarito: a
Resposta da questão 2

Gabarito: c
Resposta da questão 3

Gabarito: d
Resposta da questão 4

Gabarito: a
Resposta da questão 5

Gabarito: b
Resposta da questão 6

Gabarito: d
Resposta da questão 7

Gabarito: e

20
Resposta da questão 8

Gabarito: e
Resposta da questão 9

Gabarito: a
Resposta da questão 10

Gabarito: c
Resposta da questão 11
O texto descreve o nicho ecológico tamanduá-mirim, isto é, o papel funcional desempenhado por
esta espécie em seu habitat.

Gabarito: d

Resposta da questão 12
Ao se alimentar dos tecidos da lagarta que ingere os produtos agrícolas, a larva do inseto
parasitoide se comporta como consumidor secundário na cadeia alimentar proposta.

Gabarito: b

Resposta da questão 13
Ao se alimentar de humanos que comeram vegetais, o tigre comporta-se como consumidor
secundário. Os abutres serão consumidores terciários quando ingerirem a carne do tigre morto.

Gabarito: c

Resposta da questão 14
A função interativa I representa a proporção de energia transferida de P1 (herbívoro) ou P2
(carnívoro) na alimentação de P3 (onívoro).

Gabarito: d

Resposta da questão 15

21
A árvore adequada para um projeto de reflorestamento no Cerrado brasileiro deve produzir raízes
bem desenvolvidas que consigam atingir lençóis freáticos profundos. Essas plantas também
devem possuir a superfície foliar coberta por cutícula cerosa espessa para reduzir a transpiração
durante a estação seca e ensolarada.

Gabarito: b

22

Você também pode gostar