Auxilio Doença Benefício concedido ao segurado impedido de trabalhar por doença ou acidente por mais de 15 dias consecutivos.

No caso dos trabalhadores com carteira assinada, os primeiros 15 dias são pagos pelo empregador, exceto o doméstico, e a Previdência Social paga a partir do 16º dia de afastamento do trabalho. Para os demais segurados inclusive o doméstico, a Previdência paga o auxílio desde o início da incapacidade e enquanto a mesma perdurar. Em ambos os casos, deverá ter ocorrido o requerimento do benefício. Clique aqui para mais informações sobre pagamento. Para concessão de auxílio-doença é necessária a comprovação da incapacidade em exame realizado pela perícia médica da Previdência Social. Para ter direito ao benefício, o trabalhador tem de contribuir para a Previdência Social por, no mínimo, 12 meses (carência). Esse prazo não será exigido em caso de acidente de qualquer natureza (por acidente de trabalho ou fora do trabalho) ou de doença profissional ou do trabalho. Terá direito ao benefício sem a necessidade de cumprir o prazo mínimo de contribuição e desde que tenha qualidade de segurado quando do início da incapacidade, o trabalhador acometido de tuberculose ativa, hanseníase, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, doença de Paget em estágio avançado (osteíte deformante), síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), contaminação por radiação (comprovada em laudo médico) ou hepatopatia grave. Não tem direito ao auxílio-doença quem, ao se filiar à Previdência Social, já tiver doença ou lesão que geraria o benefício, a não ser quando a incapacidade resulta do agravamento da enfermidade. O trabalhador que recebe auxílio-doença é obrigado a realizar exame médico periódico e, se constatado que não poderá retornar para sua atividade habitual, deverá participar do programa de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade, prescrito e custeado pela Previdência Social, sob pena de ter o benefício suspenso. Quando o trabalhador perder a qualidade de segurado, as contribuições anteriores só serão consideradas para concessão do auxílio-doença se, após nova filiação à Previdência Social, houver pelo menos quatro contribuições que, somadas às anteriores, totalizem, no mínimo, a carência exigida (12 meses). O auxílio-doença deixa de ser pago quando o segurado recupera a capacidade e retorna ao trabalho ou quando o benefício se transforma em aposentadoria por invalidez. A empresa poderá requerer o benefício de auxílio-doença para seu empregado ou contribuinte individual que lhe preste serviço e, nesse caso, terá acesso às decisões referentes ao benefício. Nota: A Previdência Social processará de ofício o benefício, quando tiver conhecimento, por meio de documentos que comprovem essa situação, de que o segurado encontra-se incapacitado para o trabalho e impossibilitado de se comunicar com o INSS. Nesse caso, será obrigatória a realização de exame médico-pericial pelo INSS para comprovação da alegada incapacidade.

O auxílio-doença deixa de ser pago quando o segurado recupera a capacidade e retorna ao trabalho ou quando o benefício se transforma em aposentadoria por invalidez. O formulário preenchido tem que ser entregue em uma Agência da Previdência Social pelo emitente. 2ª via (segurado ou dependente). A comunicação de acidente de trabalho ou doença profissional será feita à Previdência Social em formulário próprio (veja como preencher o CAT). da Aeronáutica. da Marinha. o salário do trabalhador é pago pela empresa. Depois. A concessão do auxílio-doença acidentário não exige tempo mínimo de contribuição. até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência. atestado médico e data da emissão). o médicoresidente e o segurado especial. A empresa é obrigada a informar à Previdência Social acidentes de trabalho ocorridos com seus funcionários. Em caso de morte. Nos primeiros 15 dias de afastamento. a comunicação deve ser imediata. pela entidade sindical. a Previdência oferece o programa de reabilitação profissional. Também devem ser informadas à Previdência Social por meio da CAT mortes de segurados decorrentes de acidente de trabalho ou doença ocupacional. A empresa que não informar acidentes de trabalho está sujeita à multa. Ao trabalhador que recebe auxílio-doença. preenchido em quatro vias: 1ª via (INSS). Considera-se acidente de trabalho aquele ocorrido no exercício de atividades profissionais a serviço da empresa (típico) ou ocorrido no trajeto casa-trabalho-casa (de trajeto) Têm direito ao auxílio-doença acidentário o empregado. por seus dependentes. A retomada de tratamento e o afastamento por agravamento de lesão decorrentes de acidente de trabalho ou doença profissional têm de ser comunicados à Previdência Social em formulário próprio. o trabalhador é considerado licenciado e terá estabilidade por 12 meses após o retorno às atividades.Auxílio-doença acidentário Benefício concedido ao segurado incapacitado para o trabalho em decorrência de acidente de trabalho ou de doença profissional. o trabalhador avulso. pelo médico ou por autoridade (magistrados. mesmo que não haja afastamento das atividades. . do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar). 3ª via (sindicato de classe do trabalhador) e 4ª (empresa). a Previdência Social é responsável pelo pagamento. membros do Ministério Público e dos serviços jurídicos da União. Nessa CAT deverão constar as informações da época do acidente e os dados atualizados do novo afastamento (último dia trabalhado. dos estados e do Distrito Federal e comandantes de unidades do Exército. Enquanto recebe auxíliodoença por acidente de trabalho ou doença ocupacional. A CAT deverá ser emitida pela empresa ou pelo próprio trabalhador.

Informações complementares: A Apresentação de Atestado(s) Médico(s).  Certidão de Nascimento dos filhos menores de 14 anos. 59.Requerimento de Auxílio-Doença O benefício pode ser solicitado via Internet.CPF (não obrigatório). 2. quando necessários para a regularização dos dados do Cadastro Nacional de Informações Sociais – CNIS: • Carteira de Trabalho e Previdência Social ou outro documento que comprove o exercício de atividade e/ou tempo de contribuição. Atestado médico. 26 a 30 do Regulamento citado no item anterior). 24 a 26 da Lei nº 8. No caso do segurado requerer o benefício após 30 dias o início do benefício será na data do requerimento. Para requerer diretamente na Agência da Previdência Social apresente os seguintes documentos:  Atestado Médico e/ou Exames de Laboratório (se houver). Cadastro de Pessoa Física – CPF. Auxílio-Doença ou Aposentadoria por Invalidez Segurado(a) Empregado(a)/Desempregado(a) • • • • Número de Identificação do Trabalhador – NIT (PIS/PASEP).213/91 e Arts.048/99 e 3. exames de laboratório.213/91).se for segurado(a) empregado(a).CTPS). Parecer da Perícia Médica atestando a incapacidade física e/ou mental para o trabalho ou para atividades pessoais (Art. Lei nº 8.  Atestado de Afastamento de Trabalho preenchido pela empresa com as informações referentes ao afastamento do trabalho . Nota: Para o auxílio-doença acidentário não é exigida a carência do item 3. Formulários: • Requerimento de Benefício por Incapacidade.15 da Lei nº 8. assinado pela empresa e pelo segurado. é opcional e não obrigatória.  PIS/PASEP.  Cadastro de Pessoa Física. atestado de internação hospitalar. 13 e 14 do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 3. entre outros). dentre outros que comprovem o tratamento médico. Carência de no mínimo 12 contribuições mensais (Arts. Comprovação da qualidade de segurado (Art. atestados de tratamento ambulatorial. com as informações referentes ao último dia de trabalho – se for segurado(a) empregado(a). Exigências cumulativas para recebimento deste tipo de benefício: 1. .  Documento de identificação (Carteira de Identidade/Carteira de Trabalho e Previdência Social . Carteira de Trabalho e Previdência Social. Documento de identificação (Carteira de Identidade. Documentos complementares. Exames de Laboratório e de Atestado(s) de Internação hospitalar.213/91 e Art.

NOTA: As informações sobre seus dados no CNIS poderão ser obtidas na Agência Eletrônica de Serviços aos Segurados no portal da Previdência Social. . ser exigida pelo INSS a apresentação dos documentos que serviram de base à anotação. o segurado poderá solicitar. relação de emprego. Caso não possua o Cadastro de Pessoa Física CPF. se for o caso.CNIS valem para todos os efeitos como prova de filiação à Previdência Social. (ATENÇÃO: A apresentação do CPF é obrigatória para o requerimento dos benefícios da Previdência Social. mediante senha de acesso. obtida através de agendamento do serviço pelo telefone 135 ou solicitada na Agência da Previdência Social de sua preferência. conforme critérios definidos pelo INSS. acompanhada de documento de identificação e CPF do procurador.ECT e apresente-o à Previdência Social no prazo máximo de até 60 dias após ter requerido o benefício. a qualquer momento. devendo constar informação sobre a data do último dia de trabalho e dependentes de cota de salário-família.722. De acordo com o Decreto 6. em caso de dúvida. exclusão ou retificação das informações constantes do CNIS com a apresentação de documentos comprobatórios dos dados divergentes. os dados constantes no Cadastro Nacional de Informações Sociais . podendo. a inclusão. tempo de serviço ou de contribuição e salários-de-contribuição. Procuração (se for o caso). Banco do Brasil ou Empresa de Correios e Telégrafos . na opção “Extrato de Informações Previdenciárias”. sob pena de ter o benefício cessado). de 30 de dezembro de 2008. Da mesma forma.• • Declaração da empresa. providencie-o junto à Caixa Econômica Federal. caso o requerimento não esteja assinado por ela.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful