Você está na página 1de 37

Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento de Parasitologia, Microbiologia e


Imunologia

Patogênese Bacteriana

Alessandra Barbosa Ferreira Machado


Elementos envolvidos no processo saúde-doença

Ambiente

Agente etiológico Hospedeiro


Exposição X Infecção X Doença

Morte
Doença - alteração do estado normal do organismo
Infecção - colonização ou multiplicação bacteriana no
hospedeiro, sem sinais e sintomas perceptíveis

Exposição
Um microrganismo é um patógeno
se for capaz de causar doença.

Patogenicidade – capacidade de um microrganismo de provocar


alterações fisiológicas no hospedeiro, ou seja, capacidade de
produzir doença.

Virulência – Grau de patogenicidade, determinada pelos fatores


de virulência expressos pelas células.
Fatores de virulência
Estruturas, produtos ou
estratégias que contribuem
para o aumento da
capacidade da bactéria de
causar doença.
O resultado da relação bactéria-hospedeiro depende da:

Patogenicidade do Resistência do
microrganismo hospedeiro

X
Fatores de virulência Mecanismo de defesa
Mecanismos bacterianos de patogenicidade

Rotas de
transmissão

Portas de Aderência Dano Portas de


entrada Invasão Doença saída
Portas de entrada

o Membranas
mucosas
(Trato respiratório,
gastrintestinal,
geniturinário,
conjuntiva)
o Pele
o Via parenteral
Portas de entrada

Trato respiratório
Inaladas para dentro da cavidade nasal ou boca
– gotículas de umidade ou partículas de pó

Bactéria Doença
Streptococcus pneumoniae Pneumonia pneumocócica
Mycobacterium tuberculosis Tuberculose
Bordetella pertusis Coqueluche
Portas de entrada

Trato gastrintestinal
Alimentos e água

Bactéria Doença
Shigella spp Shigelose
Salmonella enterica Salmonelose
Salmonella Typhi Febre tifoide
Portas de entrada

Trato geniturinário
Porta de entrada de patógenos sexualmente transmitidos
Membranas mucosas íntegras ou presença de cortes
Bactéria Doença
Neisseria gonorrhoeae Gonorreia
Treponema pallidum Sífilis
Chlamydia trachomatis Uretrite
Portas de entrada

Pele ou via parenteral


Pele íntegra – impenetrável para bactérias
Cortes, ferimentos, injeções - favorecem a entrada

Bactéria Doença
Clostridium tetani Tétano
Rickettsia rickettsii Febre maculosa
Clostridium perfringens Gangrena gasosa
Mecanismos bacterianos de patogenicidade

Rotas de
transmissão

Portas de Aderência Dano Portas de


entrada Invasão Doença saída
Aderência
Geralmente é específica, dependente do reconhecimento bactéria-
hospedeiro
•Adesinas - localizadas em estruturas de superfície da célula que
interagem com receptores das células do hospedeiro.
Aderência

Cápsula

Fímbrias

Flagelos Pilus
Aderência

E. coli aderida nas


E. coli entero-hemorrágica células da bexiga
O157:H7 aderida às humana
microvilosidades intestinais
Escape do sistema imune, invasão e disseminação

• Fatores anti-fagocitose – bloqueiam a fagocitose. Cápsula,


componentes superfície celular (proteína M)
Enzimas
•Coagulase – forma coágulo – protege a bactéria da fagocitose e a
isola de outras defesas do hospedeiro.

Staphylococcus aureus
Enzimas
•Cinases ou quinases – dissolvem os coágulos – disseminação
bacteriana
Ex: fibrinolisina, estafilocinase
Enzimas
•Colagenase – hidrólise do colágeno - tecidos conectivos de
músculos e outros tecidos. Células do hospedeiro fracamente
aderidas - disseminação da bactéria.

• Hialuronidase – hidrólise do ácido


Clostridium perfringens e
hialurônico.
Streptococcus
Enzimas
•Protease de IgA – cliva e inativa a IgA1 presente nas mucosas –
facilita a colonização.
Ex: N. gonorrhoeae,
N. meningitidis
Utilização de nutrientes do hospedeiro
Sideróforos – proteínas quelantes de ferro - removem
ferro das proteínas transportadoras do hospedeiro.
Sideróforo – enterobactina
Salmonella spp e E.coli
Como os patógenos bacterianos causam danos às células
hospedeiras

Exotoxina – produzidas e liberadas no meio


•Citotoxina
•Neurotoxina
•Enterotoxina

Endotoxina – lipídeo A do LPS


Neurotoxina – Clostridium botulinum
Toxina botulínica – age nas junções neuromusculares e impede a
transmissão de impulsos para músculo (não se contrai)
Enterotoxina – Vibrio cholerae
Aumento da secreção de líquidos e eletrólitos pelas células
intestinais – diarreia intensa
Enterotoxina – Vibrio cholerae
Enterotoxina – Vibrio cholerae

Diarreia
intensa

transmissão
Vibrio cholerae
Parede celular Gram negativa

ENDOTOXINA
Endotoxinas e a resposta pirogênica
Exotoxinas e endotoxinas

Propriedade Exotoxina Endotoxina


Fonte bacteriana Gram positiva e Gram Gram negativa
negativa
Relação com a bactéria Produto metabólico Presente LPS
Propriedade química Proteína Lipídeo
Efeito no organismo Específica para estrutura Geral – produzem
ou função mesmo efeito
Indução de febre Não Sim
Mecanismos bacterianos de patogenicidade

Rotas de
transmissão

Portas de Aderência Dano Portas de


entrada Invasão Doença saída
Portas de saída

• Secreções, excreções ou tecidos que descamam


• Geralmente é a mesma da porta de entrada
• Trato respiratório, gastrintestinal, geniturinário e
pele
• Várias portas de saída – podem disseminar entre
hospedeiros susceptíveis

Rotas de
transmissão

Portas de Portas de
entrada saída
Interações bactéria-hospedeiro

“O jogo da patogênese”
Quais são cartas das bactérias? “As cartas de virulência”
Cada fator de virulência é considerado uma carta que pode
contribuir para a patogenicidade bacteriana

(Microbe, 2006)
“As cartas de virulência”
Conjunto de diferentes cartas e trocas de cartas
Quais são as cartas do hospedeiro? “As cartas de defesa”
As cartas do hospedeiro: barreiras químicas e físicas, resposta imune inata,
resposta imune adaptativa, imunização, tratamento, diagnóstico, prevenção

pele vacinação antimicrobiano macrófago

pH ácido neutrófilos diagnostico anticorpo


O resultado do jogo da patogênese

- Quais as cartas cada jogador possui

- Como as cartas são usadas

Você também pode gostar