Você está na página 1de 24

Universidade de São Paulo

Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Relatório de Conclusão

Estágio Curricular em Farmácia

Aluna:
Nº USP:

2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

Índice

I. Identificação da estagiária.............................................................................................................................03
II. Identificação da concedente........................................................................................................................03
III. Características da farmácia.......................................................................................................................03
III.1. Organograma........................................................................................................................................03
III.2. Fundação...............................................................................................................................................03
III.3. Serviços................................................................................................................................................03
III.4. Vigilância Sanitária............................................................................................................................04
III.5. Área física............................................................................................................................................04
III.6. Área de dispensação..........................................................................................................................05
III.6.1. Medicamentos da Portaria nº 344.......................................................................................07
III.6.2. Reposição de produtos.........................................................................................................11
III.7. Área de manipulação..........................................................................................................................12
III.7.1. Laboratório de manipulação de medicamentos de uso externo e cosméticos.........12
III.7.2. Laboratório de manipulação de produtos de uso interno............................................13
III.8. Sala de estoque de matérias-prima................................................................................................13
III.9. Sala de estoque de materiais de acondicionamento...................................................................14
III.10. Sala de curativos e aplicações.......................................................................................................14
III.11. Sala administrativa...........................................................................................................................14
III.12. Sala de estoques...............................................................................................................................14
III.13. Equipamentos de segurança e informativos................................................................................15
IV. Horário de funcionamento............................................................................................................................15
V. Período de estágio............................................................................................................................................15
V.1. Cronograma de estágio..........................................................................................................................15
VI. Objetivos do estágio......................................................................................................................................16
VI.1. Dispensação de medicamentos...........................................................................................................16
VI. 2.Manipulação de medicamentos..........................................................................................................16
VI. 3. Atividades administrativas...............................................................................................................17
VII. Exemplos de formulações desenvolvidas.................................................................................................17
VII.1. Solução de fluoreto de sódio a 0,05%...........................................................................................17
VII.2. Solução de minoxidil..........................................................................................................................18
VII.3. Xampu viscoso.....................................................................................................................................18
VII.4. Creme com ácido glicólico................................................................................................................19
VII.5. Loção umectante................................................................................................................................19
VII.6. Creme com hidroquinona e ácido glicólico....................................................................................20
VII.7. Loção de ácido Kojico........................................................................................................................20
VII.8. Creme com DMAE..............................................................................................................................21
VII.9. Xampu de cetoconazol.......................................................................................................................21
VII.10. Gel antiacne.......................................................................................................................................22
VIII. Bibliografia...................................................................................................................................................22
IX. Comentários gerais.........................................................................................................................................23
X. Parecer do supervisor/orientador sobre o desempenho do estagiário................................................23
XI. Data e assinatura do estagiário e do supervisor/orientador...............................................................24
XII. Espaço destinado ao parecer CAM-FM...................................................................................................24

2
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

I. Identificação da estagiária

Nome:
Nº USP:
RG:
CPF:
Endereço:
Telefones:
Residencial: (0**11)
Celular: (0**11) 9700-2609
e-mail:
Ano de ingresso: 2000
Período: integral
Faculdade: Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Endereço: Av. Profº Lineu Preste, 580

II. Identificação do concedente:

Nome Da Farmácia: Farmácia Universitária - USP (FARMAUSP)


Farmacêutica Responsável e Orientadora: Dra. Maria Aparecida Nicoletti – CRF-SP: 8.457
Endereço: Rua da Reitoria, no 74 – Cidade Universitária – Butantã – São Paulo – SP
CEP 05508-900
Telefones: (0**11) 3091-3003 / (0**11) 3091-3004
FAX: (0**11) 3091-6941
CNPJ: 65.0250.530/0015-00
ICM, INSS, Inscrição Estadual e Municipal: isento

III. Características da Farmácia

III.1. Organograma: Vide anexo 01

III.2. Fundação: a Farmácia Universitária, FARMAUSP, foi fundada em 2 de março de


1977.
III.3. Serviços: visando o atendimento da comunidade USP e de todos aqueles que
procuram serviços de uma farmácia, a FARMAUSP oferece serviços de dispensação de

3
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

medicamentos industrializados (de marca e genéricos), formulações manipuladas,


produtos de higiene e produtos para saúde.
Adicionalmente, a FARMAUSP é uma escola para os estudantes de farmácia. Os
alunos são treinados e têm a possibilidade de vivenciar o trabalho do dia a dia de uma
farmácia pública.
III.4. Vigilância Sanitária: a farmácia apresenta toda documentação (licença de
funcionamento, termo de responsabilidade técnica), equipamentos e instalações de acordo
com a legislação vigente.

Tabela 1 . Dimensões exigidas pela Vigilância Sanitária e respectivas dimensões da FARMUSP


Exigência da Vigilância Sanitária FARMUSP
Pé direito Mínimo de 3,0 m² 3,30 m²
Área de Manipulação Mínimo de 10,0 m² 37,0 m²
Área de Aplicação de Injeções Mínimo de 3,0 m² 3,75 m²

III.5. Área física (vide anexo 02): a área da farmácia é dividida por paredes de alvenaria
ou divisórias tipo Eucatex ®, resultando em:

 Almoxarifado
 Área de serviço
 Chuveiro de emergência
 Cozinha
 Dispensação de medicamentos
 Estoque de embalagens
 Estoque de medicamentos
 Hall de entrada
 Laboratório de controle de qualidade
 Laboratório de Manipulação de Uso Externo
 Laboratório de Manipulação de Uso Interno
 Sala administrativa
 Sala de aplicação e curativos
 Sala de HUB
 Sala de lavagem
 Sala de Reuniões
 Vestiário
 W.C.

4
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

III.6. Área de Dispensação

Na área de dispensação os produtos são distribuídos em estantes de madeira (atrás

do balcão) e prateleiras de vidro, sendo dividida em uma área na qual os clientes têm livre

acesso aos produtos e outra de acesso restrito aos funcionários.

Na área de livre acesso encontram-se produtos de higiene, produtos para a saúde,

cosméticos, alimentos, pastilhas e medicamentos sem necessidade de prescrição médica

(OTC), incluindo alguns produtos homeopáticos e fitoterápicos. Entre os medicamentos

OTC mais vendidos estão: os analgésicos, antigripais e digestivos.

Na área restrita aos funcionários estão localizados os produtos de perfumaria de

valor agregado maior (alguns hidratantes, protetores solares, etc), produtos da linha

Sanavita®, os medicamentos manipulados pela farmácia, e medicamentos que necessitam de

receita para dispensação (alopáticos de diversas empresas).

Os medicamentos de marca estão organizados nas estantes em ordem alfabética, o

que facilita a sua localização, assim como os medicamentos genéricos, localizados

separadamente.

Os medicamentos listados na Portaria n° 344 estão guardados em um armário de

maior segurança.

As classes de medicamentos disponíveis na farmácia são:

 Adrenérgicos

 Andrógenos

 Anestésicos locais

 Ansiolíticos

 Anti-ácidos e antiulcerosos

 Antianêmicos

 Antiarrítimicos

 Antibióticos

 Anticoagulantes

 Anticonvulsivantes

5
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

 Antidepressivos

 Antieméticos

 Anti-espasmódicos

 Anti-fúngico

 Anti-helmínticos

 Antihipertensivos

 Anti-histamínicos

 Anti-parkinsonianos

 Antipiréticos, Analgésicos e antiinflamatórios não esteroidais

 Antissépticos

 Antitussígenos

 Bloqueadores adrenérgicos

 Bloqueadores neuromusculares

 Broncodilatadores

 Cardiotônicos

 Colinérgicos

 Corticosteróides

 Descongestionantes nasais

 Estrógenos

 Hipnóticos e sedativos

 Hipoglicemiantes orais

 Laxantes e catárticos

 Neurolépticos

 Quimioterápicos

 Relaxantes musculares

 Vasodilatadores

 Vitaminas

A dispensação de medicamentos é realizada com orientação e esclarecimentos aos

requisitantes (prática de assistência farmacêutica). Caso surgissem dúvidas, recorria-se

6
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

aos farmacêuticos presentes e ao DEF (Dicionário de Especialidades Farmacêuticas), para

assim, fornecer informações precisas sobre os medicamentos e seu modo de uso. Desta

forma, as pessoas são orientadas sobre o modo correto da administração da medicação,

diminuindo o risco de erros e aumentando a probabilidade de se ter um tratamento eficaz.

Os produtos comerciais são vendidos com 10% de desconto sobre o preço tabelado e

o pagamento é efetuado à vista. O dinheiro arrecadado com a venda dos produtos (sejam

comerciais, manipulados ou cosméticos de linha), é revertido em investimentos para a

própria farmácia, ou seja, reposição de estoques, reformas e benefícios para melhor

atender o público.

III.6.1. Medicamentos da Portaria nº 344

Os medicamentos constantes nesta Portaria são :

 Entorpecentes

 Psicotrópicos

 Retinóides de uso sistêmico e imunossupressores

 Anti-retrovirais

 Anabolizantes

 Outras substâncias sujeitas a controle especial

Tais medicamentos precisam de notificação de receita. A Notificação de Receita é o

documento que acompanhado de receita autoriza a dispensação de medicamentos a base de

substâncias constantes das listas "A1" e "A2" (entorpecentes), "A3", "B1" e "B2"

(psicotrópicas), "C2" (retinóicas para uso sistêmico) e "C3" (imunossupressoras). No caso

das notificações de receita de controle especial que são em duas vias, uma fica retida e a

outra devolvida ao paciente devidamente carimbada, como comprovante do aviamento ou da

dispensação do medicamento. A notificação da receita é personalizada e intransferível,

devendo conter somente uma substância das listas “A1” e “A2” (entorpecentes) e “A3”, “B1”

e “B2” (psicotrópicas), “C2” (retinóides de uso sistêmico) e “C3” (imunossupressores), ou um

medicamento que as contenham.

7
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

Dados como identificação do emitente; identificação do usuário; nome do

medicamento ou da substância; identificação do comprador e do fornecedor; quantidade

aviada devem estar presentes na notificação de receita.

A notificação de receita “A”, para prescrição dos medicamentos e substâncias das

listas “A1” e “A2” (entorpecentes) e “A3” (psicotrópicos) é de cor amarela. A notificação de

receita “A” é valida por 30 dias a contar da data de sua emissão e pode conter no máximo

de 5 ampolas e para as demais formas farmacêuticas de apresentação, poderá conter a

quantidade correspondente no máximo a 30 dias de tratamento.

As notificações de receitas “A” que contiverem medicamentos a base das substâncias

constantes das listas “A1” e “A2” (entorpecentes) e “A3” (psicotrópicas) deverão ser

remetidas até o dia 15 do mês subseqüente às autoridades sanitárias estaduais ou

municipais e do Distrito Federal, através de relação em duplicata, que será recebida pela

autoridade sanitária competente mediante recibo, as quais, após conferência, serão

devolvidas no prazo de trinta dias. Na portaria 28/86, os medicamentos com substância

entorpecente que necessita de notificação de receita A, têm uma faixa preta com os

dizeres “Venda sob prescrição médica e atenção pode causar dependência física ou

psíquica”. As classes terapêuticas sujeitas à notificação de Receita A são:

 Entorpecentes

 Analgésicos narcóticos

 Psicoanalépticos orais e injetáveis

A notificação de receita “B”, de cor azul, tem validade por um período de 30 dias

contados a partir da data de sua emissão e pode conter no máximo 5 ampolas e, para as

demais formas farmacêuticas, a quantidade para o tratamento de no máximo 60 dias, sendo

que para alguns medicamentos o tratamento pode ser para seis meses. Os medicamentos

com substância psicotrópicas que necessitam de notificação B, têm uma faixa preta como

os dizeres “Venda sob prescrição médica, o abuso deste medicamento pode causar

dependência”. As classes terapêuticas sujeitas à notificação de Receita B são:

 Benzodiazepínicos

 Anorexígenos

8
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

 Barbitúricos

 Sedativos hipnóticos

Pela Portaria nº 344, ficam proibidas a prescrição e o aviamento de fórmulas contendo

associação medicamentosa das substâncias anorexígenas quando associadas entre si ou com

ansiolíticos, diuréticos, hormônios ou extratos hormonais e laxantes, bem como quaisquer

outras substâncias com ação medicamentosa.

Ficam também proibidas a prescrição e o aviamento de fórmulas contendo

associação medicamentosa de substâncias ansiolíticas associadas a substâncias

simpatolíticas ou parassimpatolíticas.

A notificação de receita especial, de cor branca, para prescrição de medicamentos a

base de substâncias constantes da lista “C2” (retinóides de uso sistêmico) tem validade de

30 dias contados a partir de sua emissão e também pode conter no máximo 5 ampolas ou

quantidade suficiente para 30 dias de tratamento.

O formulário de receita de controle especial, válido em todo o território nacional,

deve ser preenchido em duas vias, manuscrito, datilografado ou informatizado,

apresentando, obrigatoriamente, em destaque em cada uma das vias os dizeres: “1a via –

retenção da farmácia ou drogaria” e “2a via – orientação do paciente”.

A receita de controle especial tem validade de 30 dias contados a partir da data de

sua emissão para medicamentos a base de substâncias constantes das listas “C1” (outras

substâncias sujeitas a controle especial) e “C5” (anabolizantes).

As farmácias ou drogarias são obrigadas a apresentar dentro do prazo de 72 horas

à autoridade sanitária local a receita de qualquer controlado procedente de outras

unidades federativas, para averiguação e visto.

O aviamento ou dispensação de receitas de controle especial, contendo

medicamentos a base de substâncias constantes das listas “C1” e “C5” (anabolizantes) em

qualquer forma farmacêutica ou apresentação, é privativo de farmácia ou drogaria e

somente pode ser efetuado mediante receita, sendo a “1a via – retida no estabelecimento

farmacêutico” e a “2a via – devolvida ao paciente”, com o carimbo comprovando o

atendimento.

9
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

A prescrição de medicamentos a base de substâncias anti-retrovirais (lista “C4”), só

pode ser feita por médico e é aviada ou dispensada nas farmácias do Sistema Único de

Saúde, em formulário próprio estabelecido pelo programa de DST/AIDS, onde a receita

ficará retida.

As receitas que incluem medicamentos a base de substâncias constantes da lista

“C1” (outras substâncias sujeitas a controle especial), “C5” (anabolizantes) e os adendos

das listas “A1” (entorpecentes), “A2” e “B1” (psicotrópicos), somente podem ser aviadas

quando prescritas por profissionais devidamente habilitados e com todos os campos

preenchidos.

A prescrição pode conter em cada receita no máximo 3 substâncias constantes da

lista “C1” ou medicamentos que as contenham. A quantidade prescrita de cada substância da

lista “C1” e “C5” (anabolizantes) ou medicamentos que as contenham fica limitada a 5

ampolas e para as demais formas farmacêuticas, a quantidade para o tratamento

correspondente a no máximo 60 dias. No caso de prescrição de substâncias ou

medicamentos antiparkinsonianos e anticonvulsivantes, a quantidade fica limitada até 6

meses de tratamento.

As plantas constantes da lista “E” (plantas que podem originar substâncias

entorpecentes e/ou psicotrópicas) e as substâncias da lista “F” (substâncias de uso

proibido no Brasil) não podem ser objeto de prescrição e manipulação de medicamentos

alopáticos e homeopáticos.

As embalagens de medicamentos a base de substâncias constantes das listas “A1” e

“A2” (entorpecentes) e “A3” (psicotrópicas), têm uma faixa de cor preta com os dizeres:

“Venda sob Prescrição Médica” – “Atenção: Pode causar Dependência Física ou Psíquica”.

Os medicamentos a base de substâncias constantes das listas “B1” e “B2”

(psicotrópicas), têm em suas embalagens uma faixa de cor preta com os dizeres: “Venda

sob Prescrição Médica” – “O Abuso deste Medicamento pode causar Dependência”.

No caso das embalagens de medicamentos a base de substâncias constantes das

listas “C1” (outras substâncias sujeitas a controle especial), “C4” (anti-retrovirais) e “C5”

(anabolizantes), têm uma faixa de cor vermelha, com os dizeres: “Venda sob Prescrição

10
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

Médica” – “Só pode ser vendido com Retenção da Receita”. Sendo que este dizer está

presente também na bula.

Os medicamentos contendo substâncias constantes da lista “C2” (retinóides de uso

tópico) também possuem uma faixa vermelha, porém contendo os dizeres: “Venda sob

Prescrição Médica” – “Atenção: Risco para Mulheres Grávidas, Causa Graves Defeitos na

Face, nas Orelhas, no Coração e no Sistema Nervoso do Feto”.

Segundo a Portaria nº 344/1998, as farmácias devem manter os seguintes

documentos por dois anos:

 Livro de receituário

 Livro de registro

 Documentos comprovantes de movimentação de estoque

 Relação mensal de venda

 Balanço trimestral e anual

III.6.2 Reposição de produtos

A compra e reposição dos produtos oferecidos pela FARMUSP são feitas

diretamente com as distribuidoras, sendo a reposição rápida. Isto permite que a farmácia

não necessite de grandes estoques, beneficiando o consumidor e aumentando o giro de

capital.

Quando um funcionário observa a falta de um medicamento ele anota em um caderno

de faltas.

Caso seja solicitado algum medicamento que não esteja disponível, o paciente poderá

fazer o seu pedido. O funcionário anota em um caderno o produto que está em falta e no

mesmo dia é feito contato com as distribuidoras, que, geralmente, no dia seguinte

disponibiliza o produto para a farmácia.

Os itens comercializados devem estar prontamente disponíveis, para que possam

seguir um fluxo regular de entrada e saída. Um bom controle de estoque visa lucros (venda)

e serviços (continuidade do processo produtivo), regularizando a manutenção da quantidade

11
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

dos itens, sempre de acordo com um item específico em função de seu consumo e seu custo,

evitando a falta ou excesso desse item.

III.7. Área de manipulação

Primeiramente, os clientes chegam na farmácia com a formulação desejada, ou

mesmo com o frasco vazio, requisitando a repetição da formulação. Preenche-se uma folha

de requisição carbonada (uma via do cliente e outra da farmácia) com dados do cliente, da

formulação, do seu preço, data e horário para retirada e anexa a receita. As requisições de

formulações de uso externo e interno são dispostas separadamente. Posteriormente, são

confeccionadas etiquetas personalizadas e calculados os orçamentos para cada formulação.

As receitas são conferidas previamente pelos farmacêuticos, que calculam as

quantidades certas de cada matéria-prima a ser utilizada no preparo da formulação.

III.7.1. Laboratório de manipulação de medicamentos de uso externo e cosméticos

Todo o processo de manipulação é realizado em um laboratório que permanece com

acesso restrito aos funcionários deste setor.

A temperatura do Laboratório é controlada pelo sistema de ar condicionado.

O laboratório de manipulação de medicamentos de uso externo e cosméticos é

composto por duas bancadas utilizadas para manipulação, outra em que está localizada a

estufa, para secagem do material utilizado, e para recebimento de receitas, cálculo de

matéria-prima a ser utilizada nas formulações e acomodação temporária dos produtos

manipulados.

As bancadas possuem gavetas e prateleiras sendo sua parte inferior em forma de

armário. Nas gavetas das bancadas destinadas à manipulação são guardados pequenos

frascos, tampas do material de acondicionamento, contact, tesouras, material para

manipulação como espátulas, bastões de vidro, e medicamentos para fracionamento (como

peróxido de benzoíla em creme, etc.). Os armários das bancadas acomodam o material para

manipulação (copo graduado, béquer, funil, capacete, etc.), algumas matérias-primas

utilizadas na manipulação de xampu, descartáveis como luva, máscara, etc. Nas prateleiras

12
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

das bancadas ficam dispostos cremes e loções, que são as bases previamente manipuladas

utilizadas para facilitar e agilizar a manipulação dos medicamentos e cosméticos; essências

e os extratos; matéria-prima sólidas e líquidas de pequeno volume.

O material termolábil é armazenado na geladeira. Existe ainda um armário para

armazenamento de matérias-primas sólidas e líquidos de grande volume, bem como

solventes e outros reagentes oleosos.

Adicionalmente, o laboratório possui duas pias de aço inox e granito, onde são

lavados os frascos e vidraria e uma chapa de aquecimento elétrico. Dentre os equipamentos

disponíveis podemos citar as balanças semi-analíticas, destilador, agitador mecânico e a

estufa.

No laboratório ainda estão disponíveis livros, como Martindale e USP, para

esclarecer dúvidas em relação aos princípios ativos e excipientes, suas aplicações e

interações.

Após a manipulação das formulações, os frascos são rotulados e registra-se no

caderno de controle: a data, o nome do cliente e a pessoa responsável pela manipulação. O

produto, então, é separado e levado para a estante dos produtos manipulados disposta do

lado de fora do laboratório, na qual as formulações ficam expostas em ordem alfabética

por nome do cliente.

III.7.2. Laboratório de Manipulação de Produtos de Uso Interno

Este laboratório possui uma bancada e um armário em que são guardados os

utensílios necessários para manipulação de produtos de uso interno, como os

encapsuladores, cápsulas e demais matérias-prima. Tem características análogas às do

laboratório de manipulação de medicamentos de uso externo.

III.8. Sala de Estoque de Matérias-Prima

Nesta sala são estocados todos os tipos de matéria-prima, seja líquido ou sólido.

Estas estão dispostas em ordem alfabética, em armários de fórmica com portas

transparentes ou gavetas, devidamente identificadas. Possui uma geladeira, na qual os

13
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

medicamentos industrializados sensíveis ao calor (exemplo, supositórios de glicerina) são

armazenados.

III.9.Sala de Estoque de Materiais de Acondicionamento

A entrada para esta sala se dá pelo laboratório de manipulação de medicamentos de

uso externo e cosméticos.

Os materiais de acondicionamento estão dispostos nesta sala de acordo com o tipo

de formulação (frascos para creme, xampu/condicionador, loções, bisnagas, conta-gotas

etc) e capacidade de acondicionamento de cada frasco. Os armários são de fórmica branca

e possuem gavetas transparentes.

III.10. Sala de Curativos e Aplicações

Esta sala está localizada logo na lateral da entrada dos clientes da farmácia.

Quando solicitado o farmacêutico faz curativos e aplicação de injeção (mediante a

apresentação da receita médica). Esta sala tem as paredes revestidas por azulejos e piso

de paviflex. Conta com maca, cadeira e pia para lavagem das mãos.

III.11. Sala Administrativa

Esta sala é destinada às atividades burocráticas e administrativas da farmácia,

sendo equipada com aparelho de fax, telefone, computador, impressora e máquina de

fotocópias.

III.12. Sala de Estoque

Nesta sala são estocados alimentos (por exemplo, mel) medicamentos, cosméticos e

produtos de higiene industrializados. Ficam também nesta sala o armário com os

medicamentos controlados pela Portaria 344, computadores usados para cadastro de

entrada no estoque, impressão de etiquetas entre outros.

14
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

III.13. Equipamentos de Segurança e Informativos

Na FARMUSP estão dispostos três extintores de incêndio, sendo um de espuma à

base de água, para incêndios do tipo A (combustíveis sólidos) um de pó químico, para

incêndios do tipo B e C (líquidos inflamáveis e equipamentos elétricos) e um extintor de CO 2

para fogos das categorias B e C. Eles se encontram no setor de atendimento ao público,

laboratório de manipulação e no corredor (acesso aos outros laboratórios e também no

estoque). Adicionalmente, conta com o sistema de câmeras de segurança.

IV. Horário de funcionamento

A FARMUSP está aberta ao público de segunda a sexta, das 8:00 às 18:00 horas

V.Período de Estágio

Início: Agosto de 2003

Término: Outubro de 2003

Duração: 180 horas

V.1. Cronograma de estágio

Data Administração (h) Dispensação (h) Manipulação (h)


18/08/03 4 0 0
19/08/03 4 0 0
20/08/03 0 0 4
21/08/03 0 0 5
25/08/03 0 5:30 0
26/08/03 0 4:20 0
28/08/03 0 1 4:30
29/08/03 0 5 0
01/09/03 0 2 6:30
02/09/03 0 1 8:30
03/09/03 0 2 7
04/09/03 0 1 7
08/09/03 0 1:30 4
10/09/03 0 1:10 4
11/09/03 0 6 0
12/09/03 0 3:30 2
15/09/03 0 3:50 2
16/09/03 0 4:30 0
17/09/03 0 3 2

15
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

19/09/03 0 0 5:30
22/09/03 0 0 4:20
23/09/03 0 1 4
25/09/03 0 5 0
26/09/03 0 5:30 0
30/09/03 0 1 4:10
01/10/03 0 1 3:30
03/10/03 0 1:40 3:40
06/10/03 0 1:20 4:10
07/10/03 0 5:20 0
08/10/03 0 5:15 0
09/10/03 0 2:30 0
10/10/03 0 3 0
13/10/03 0 5:40 0
14/10/03 0 2 0
15/10/03 2:30 0 0
Total 10:30 85:35 85:50

VI. Objetivos do Estágio

O estágio teve como objetivo o desenvolvimento acadêmico e profissional em farmácia


pública através de atividades relacionadas à assistência farmacêutica, dispensação e
manipulação de medicamentos, produtos cosméticos e para a saúde.

VI.1. Dispensação de medicamentos


Promover conhecimento sobre:
 Os medicamentos disponíveis no mercado: genéricos, similares e referência

 Os medicamentos mais freqüentes nos receituários médicos;

 Aspectos farmacológicos dos medicamentos;

 Os medicamentos controlados, sua dispensação, legislação e registro;

 A assistência farmacêutica em farmácia pública;

 O atendimento ao consumidor;

 O sistema de compra, venda, controle de preços e estoques;

 As rotinas de atendimento.

VI.2. Manipulação de medicamentos

Promover conhecimento sobre:

16
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

 As técnicas das principais formulações farmacêuticas e suas propriedades, indicações e

correta administração;

 As metodologias de gestão de estoques, compras, armazenagem e conservação das

drogas, fármacos e dos produtos já acabados;

 As aplicações terapêuticas e a análise crítica das formulações;

 Noções sobre emprego de Boas Práticas de Manipulação;

 A documentação e os controles da produção;

 Rotinas de trabalho em um laboratório de manipulação de uso interno e externo;

 Sistema de gerenciamento do laboratório de manipulação.

VI.3.Atividades Administrativas

Promover conhecimento sobre:

 A documentação necessária para o funcionamento legal de uma farmácia;

 A aplicação das leis referentes à compra, armazenamento e dispensação de

medicamentos;

 As metodologias e rotinas de compras de medicamentos, matérias-primas e embalagens;

 A prática na organização e no controle de estoques e os principais métodos de gestão

de estoques;

 Otimização do sistema operacional informatizado na dispensação e manipulação.

VII. Exemplos de Formulações desenvolvidas

VII.1. Solução de Fluoreto de Sódio a 0,05%

Finalidade: profilático contra cáries.

Composição Estudo crítico % p/v


Fluoreto de Sódio Pó branco, inodoro e ativo da solução 0,05 %
Solução Conservante Conservante 1%
Água destilada Veículo q.s.p.300 mL

Técnica de Preparo

17
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

Pesar o fluoreto de sódio em recipiente, dissolver parcialmente com água destilada e

colocar o conservante (1%). Completar o volume com água destilada. Filtrar a solução em

papel de filtro e envasar em frasco de plástico leitoso. Rotular

VII.2. Solução de Minoxidil

Finalidade: tônico capilar, para o tratamento da alopécia e calvície.

Composição Estudo crítico % p/v


Pó cristalino, solúvel em álcool, estimula a 3%

Minoxidil Sulfato microcirculação em torno do folículo piloso e promove

o crescimento capilar
Propileonoglicol Líquido incolor, co-solvente do minoxidil, umectante 20 %
Álcool 70% Veículo q.s.p.50 mL

Técnica de Preparo
Pesar o minoxidil diretamente em cálice, acrescentar o propilenoglicol e 90% da

quantidade total do álcool 70%. Para acelerar a solubilização completa do minoxidil.

Filtrar a solução e acondicionar em frasco plástico opaco, devido à sensibilidade do


minoxidil à luz. Rotular.

VII.3. Xampu Viscoso

Finalidade: xampu viscoso base

Composição Estudo crítico Quantidade


Surfax 40 Tensoativo 6L
(texapon T42)
Água destilada Veículo 1,720L
Hidroxietilcelulose Pó branco, agente gelificante 100g
(natrosol)
Propilenoglicol Umectante 2L
Solução Conservante 100mL
conservante
Ácido cítrico a Corretor de pH 30 mL
20%
Essência babosa Aromatizante 50 mL
fresh

Técnica de Preparo

18
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

Medir a água destilada e transferi-la para o balde graduado. Adicionar o natrosol e

deixar sob agitação mecânica. Em seguida, medir o texapon T42, propilenoglicol, ácido

cítrico, solução conservante e a essência, transferi-los para o balde e homogeneizar

lentamente. Deixar em repouso por aproximadamente 1h. Conferir o pH (6-7), envasar e

rotular.

VII.4. Creme com ácido glicólico

Finalidade: pode ser usado em todos os tipos de pele, exceto nas mais sensíveis. É usado no

tratamento anti-envelhecimento, tratamento de acne e coadjuvante para reduzir manchas.

Composição Estudo crítico % p/v


Alfa-hidroxi ácido, uso de 7-14 % promove descamação 10 %

Ácido glicólico da pele, diminui a coesão dos corneócitos, favorece a

remoção das células da pele, minimiza manchas, linhas

finas de expressão e rugas


Creme Lanette Veículo q.s.p.50 g

Técnica de Preparo
Em um capacete pesar parte do creme Lanette®, acrescentar o ácido glicólico e

espatular bem. Em seguida, completar o peso do creme e homogeneizar. É necessário ainda

acertar o pH para 4 antes do envase, usando a trietanolamina. Após homogeneização com

todos os componentes envasar em pote plástico, fechar e rotular.

VII.5.Loção umectante

Composição Estudo crítico % p/v


Uréia Agente condicionador da pele, umectante 10 %
Óleo de semente Aromatizante 2%
de uva
Loção não iônica Veículo q.s.p. 200g
(Polawax®)

Técnica de Preparo
Em um capacete pesar o a loção não iônica com uréia a 30%, acrescentar o óleo de

semente de uva e depois a loção não iônica, sempre espatulando bem. Envasar e rotular.

19
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

VII.6. Creme com hidroquinona e ácido glicólico

Finalidade: utilizado no tratamento para clarear manchas.

Composição Estudo crítico % p/v


Cristal fino e branco, escurece quando exposto à 4%
Hidroquinona
luz, agente despigmentante, inibe a tirosinase
(solução a 20%)
impedindo a transformação de tirosina em melanina
Ácido Glicólico Alfa-hidroxi ácido, diminui a coesão entre 6%
corneócitos
Creme Lanette® Veículo q.s.p.40 g

Técnica de Preparo

Em um capacete tomar pequena porção do creme e adicionar a hidroquinona e o ácido

glicólico. Espatular acrescentando aos poucos o total do creme. Por último corrigir o pH

com trietanolamina. Envasar e rotular.

VII.7. Loção de Ácido Kojico

Finalidade: utilizado no tratamento para clarear manchas.

Composição Estudo crítico % p/v


Ácido Kojico Despigmentante 3%

edta Agente quelante 0,2 %


Loção Lanette® veículo q.s.p. 10 g

Técnica de Preparo
Em um capacete, pesar primeiramente o ácido Kojico, o edta e por último adicionar de

forma fracionada a loção Lanette®, sempre espatulando de forma adequada. Envasar e

rotular.

VII.8. Creme com DMAE

Finalidade: creme “rejuvenescedor”

Composição Estudo crítico % p/v

20
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

DMAE Combate a flacidez da pele, melhora do aspecto da 5%

pele e efeito “lifting” na pele da face


Creme Polawax® veículo q.s.p. 50g
Adenin Pó cristalino branco, redução das rugas, melhora o 0,1%
aspecto da pele
(Solução a 1%)
Tensine Ação tensora imediata 3%

Técnica de Preparo
Em um capacete, pesar primeiramente o DMAE, adicionar aos poucos o creme Polawax®, em

seguida o Adenin e por último o Tensine, sempre espatulando de forma adequada entre as

adições das matérias-primas. Envasar e rotular.

VII.9. Xampu de Cetoconazol

Finalidade: para tratamento de dermatite ceborréica e pitiríase versicolor

Composição Estudo crítico % p/v


Cetoconazol Pó branco, antifúngico 2%

Ácido Lático Umectante 1%


Ácido cítrico Corretor de pH 2%
(Solução a 20%)
Xampu Fluido Veículo q.s.p. 150 mL
Xampu Viscoso Veículo q.s.p. 300 mL

Técnica de Preparo
Aquecer, sob agitação, em um béquer o cetoconazol, o ácido cítrico, o ácido lático e parte

do xampu fluido, até que o cetoconazol se dissolva. Adicionar o restante o xampu fluido e

em seguida acrescentar o xampu viscoso e homogeneizar. Envasar e rotular.

VII.10. Gel antiacne

Finalidade: destina-se ao uso do tratamento da acne, devendo ser usado apenas no local da

inflamação.

Composição Estudo crítico % p/v


Peróxido de A incorporação é muito difícil por isso utiliza-se o 7,5 %
Benzoíla Benzagel® (10%), tratamento da acne
Eritromicina Antibiótico indicado para uso local e externo, 4%

21
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

tratamento da acne, solubilizado em álcool de cereais


Gel de Natrosol Veículo q.s.p.40 g

Técnica de Preparo
Em um capacete pesar a eritromicina e acrescentar o álcool de cereais para sua dissolução.

Acrescentar a base com peróxido de benzoíla e espatular bem. Acrescentar o gel de

Natrosol e espatular. Envasar em pote plástico, fechar e rotular.

VIII. Bibliografia

 CHARLET, E. Cosmética para farmacêuticos. Editorial Acriba S.A., Zaragoza.


 FLICK, W. E., Cosmetic and Toiletry Formulations. Noyes Publications, Park Ridge,
N.J., USA, 1984.

 HANDBOOK of pharmaceutical excipients. 2. ed. Washington: American

Pharmaceutical Association, , 1994.

 KORORKOVAS A. Dicionário terapêutico Guanabara. 3. ed. Guanabara Koogan, Rio


de Janeiro.

 MARTINDALE, The Extra Pharmacopeia. 27. ed., The Pharmaceutical Press, London,
1979.

 MERCK index : An encyclopedia of chemicals drugs and biologycals. Whitehouse

Station, 1996.

 OSBORNE, D.W., AMANN, A. H. Topical drug delivery formulations. Marcel Dekker,


Inc, New York, 1990.

 REMINGTON, Pharmaceutical sciences. 18 ed., Mack Publishing Company, 1990.


IX. Comentários gerais

O estágio realizado na FARMAUSP foi de grande valia, uma vez que possibilitou o

aprendizado das tarefas realizadas no dia a dia de uma farmácia, assim como a aplicação e

complementação (prática de assistência farmacêutica, interpretação de receitas e controle

de estoques) dos conhecimentos adquiridos durante o curso de Farmácia e Bioquímica.

Adicionalmente, contribuiu para conhecer os medicamentos existentes no mercado e sua

freqüência de prescrição.

22
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

X. Parecer do supervisor/orientador sobre o desempenho do estagiário

XI. Data e assinatura do estagiário e do supervisor/orientador

São Paulo, 27 de novembro de 2004.

_________________________________

(Estagiária)

23
Farmácia Universitária – 2004
Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP
Relatório de Conclusão

_________________________________
Farmacêutica Responsável:

Dra. Maria Aparecida Nicoletti


CRF-SP: 8457
(Orientadora)

XII. Espaço destinado para o parecer da CAM-FM

24
Farmácia Universitária – 2004

Você também pode gostar