Você está na página 1de 62

ORIX REIKI

Conexão Divina
211 © Rodrigo Romo
RODRIG
IGO
O R
 RO
OM O

TEXO: Rodrigo Romo


PRODUÇÃO Luciane Zagonel
REVISÃO Virgínia Dammoze
CAPA Cláudo Gianfadoni
DREOS DE MAGEM DA CAPA Rodrigo Romo
DAGRAMAÇÃO Antônio iado
DESENHOS SÍMBOLOS Suzana Facão
DESENHOS GRÁFICOS João Vctor Eltz da Siva
ORIX REIK IKII
Conexão Divin
inaa

São Paulo
2011

SBN 978-85-90883-7-3

 odos os direitos desta edção reservados ao autor. P obda a cópia ou reprodão po qualer
meo, inclusve eletrônico confome a le n 0695 de 4 de jho de 003

wrodrigoromo.com.br SHHNIH�
Vamos coectar 1 eergia d cura das atas esferas com a Egégoa Unersal do
Rek Cura Quâtica Estelar e tradções dos oxás em ma oa ealdade juto à
ÍNDICE
ação dos Portas 1 1 :  1 ; 1 2 1 2 e 3 3 na esença do Cturão de Fótos e otras
hierarquias como os amados Mestres Ascesos da Fatedade Baca Unersa
 A Fonte Suprema e os Orixás Superlumnais 11
.............................

Este ro se desna a todos os buscadoes da Verdade qe qeem ma


comreensão maio r da eal atuação das dferetes ierarqias dos anos esir ituais Odu 16
        

da Terra, em suas diersas dimesões e caactesticas, com um gande acevo de Fatores de Movimentação e Evolução  8
 

noos símbolos reelados em recetes caazações Queemos enrquecer a oa Irradiação dos Diferentes Tronos da Luz  33
 

consciência que desperta com o nécta do conhecimento e da uz dos orxás e dos
mestres que atuam com ees Estruturas Fatoriais da Natureza Terrestre junto aos Orixás .......... . 3 7
Aspectos positivos e negativos dos O ri xás nos seres humanos 43 

O m atera aqui cotido é uma parte do curso Rometria - módlo Oxá Reki
 Relaçao dos sete raos 45
Magncado, ministrado por mim. Saeto qe ão existem pessoas atorizadas a .......................................................

miis trar tal curso em meu ome.  Coronados ................................................................ 49


....................

Esto dispoibilizado este material ara os leitores em geral, ideedene Tronados do Conselho Cármico 
 49


de reazaem o curso para que mas essoas tenham acesso a essas ifomações,  O Poder das Ervas .......................................... 8
......................

indeendente de terem acesso ao cuso Microespírtos da Coluna 92




 Os Prncipas Orixás ...................................... 94


.................

 Polaridades Cruzadas ................................................ 2


...................

Linhas cuzadas 26




Arcanjo Lúcifer e Liith  134




Trono da vitalidade e expansâo   138


   

 Umbra e o Purgatório ......................................... 141


..............

Dimensão Umbraina ou lnradimensional    142


 

 O Mstério de Exu e Pomba Gira .......................... 149


................

Exus e Lebaras Tronadas 7D a D 3  ................................... 149


Exus e Pombagiras menores em evolução e resgate cármico 150 

Níveis de Consciência com os Orixás   56


   

• Tronados do Orixá Reik Magnificado ............ 169


..........................

Exus Tronados ou executores da legislação  169


 

Exus nas sete inhas de Umbanda  89




Lebaras-Pombagiras Tronadas 192


          

Caciques ronados 212




Tronos de Pretos Velhos    213


 

Tronos de Pretas Velhas  213


      
Om Patochy   306
• Templos e Cidades Etéres na Tera ............. 25
Hak  307
• Oferendas e Entregas .................... 23
Om Choroque  307
O Poder das Velas  . . ....  .. . . . ....  . 232
Om Obaluaê    308
Assentameno   ... ..   .. 238
Om Omolu  309
MengaSangue    ... .. ..  . .. . 238
Om Sayath - 7 Saias  31 o
Ancestraidade e as Entdades Guias  . .. . 240
Koorax  311
Ponto de Força das Encruzihadas    . .. . . 241
Stelik  312
Realidades Paralelas   . 245
Maxam   313
• Orxá Reiki Magnificado na Práctica ........... 255
Om Oxalá   313
Acoplamento de seus mentores e guias intedimensonais  . 256
Om Nana   315
O ancoramento  ..  . . 258
Om lansã  316
Merkabas de Proteção  .. 270
Om lemanjá  317
• A conduçao de energia .................... 275
Oxug  318
A imposição das mãos e a CQE e o ORM  276
Om Xangô  319
Imposição em outras pessoas  279
om o .   320
Terapia com o Orxá Reki Magniicado  282 ..
Kara  321
Semelhanias do percurso energetio em dferentes erapias  287
Om Ogum   322
• Pontos Riscados e Símbolos de poder ......... 291
Om Hamari Tranca-Ruas   323
Om Oxum .  292 A
Om Oxumare  325
Om Barakesan  293
Om Muntrochy   326
Om Marabô .  295
Om Padilha   327
7 Flechas  .  296
Om Ramatis  328
Om Claunech  297
Yopach  329
Om Sugart   298
Om Thot  330
Yoshi Pena Branca  .  298
Om Gareb  331
Om Cobra Kan  . . 299
Sete Encruzilhadas  332
Om Cavera   .  . .. . 300
XangueNoi   333
Om Veudo  . . . .. .  301
OrixáHan    334
Exu R'
e  .. .. . . 303
Om Katana   335
Om Jurem a  ... . . 304
 Shurey Katana   336
Yanon .. 304
Om Shuman  337
Om Maren ·            
 . . .    . .   . 305
• X 1

Os tronos exstem para assegurar esse novo processo dero de cada um, pois f tor A grcg or > gea u< wndi�ã e agregar condiçoes evolutvas e
cada mestre e comandante está sustenando parcuas importantes para ajudar a pcrt  �nias m os a onada e pemie o itecâmbio com enidades e irmo de
humandade. IOnl 1 .�uJo d agregar uma condyao vlua à noa caminhada, atraes
 1m. situal ou sica, conforme a situação de cada parte. Este faor soma
FATORES DE MOVIMENTAÇÃO E EVOLUÇÃO o" dções positivas, na realidade humana denro da dualdade e, pode
l'

1 7' d ções de retorno cármicas, que nem sempre são consideradas postivas na
Os fatores geram a ação do movimento no unverso e de odas as qualdades que   análse. Assim se veric que muias situações consderadas ruins são um
compõem as suas diversas dimensões e poardades Cada faor gera o aspecto de 1  nw p endizado no decorrer do processo todo.
ação-reação, o que é a denominada evolução peo amor ou pea dor, conforme as
escolhas de cada alma e suas partculas na il usão.  uma condção de gameno, de reencontro e de unicação importante, que
� w cta ao faor energético e nuclear do átomo, e do própro espírito, onde existe
Cada faor desses e outros que exisem são o processo de evolução e movmentação  0 sustentação do Eu Sou dentro da sustentação de odas as almas e partículas
do universo humano errestre, no atual enedi meto. (  la emanou para os diferentes ciclos evolutivos e encarnacionais na casa do Pa i.
O despertar da consciência humana esá abrdo a nova linha da esprtualidade  esse motivo, estamos todos interligados em alma com ouros planetas e com
HI! as culturas siderais Assim, a partcipação dos irmãos siderais se enquadra nas
e in teração com a nova osoa dos mestres e Orixás Maores; aqui odas as lnhas se
1 as mais elevadas que vêm de longe, aprender com a human dade e os mestres
cruzam com as novas nformações do cinturão de fótons, de Kryon, de Shtareer, dos
1   uais a guia r a h umanidade na caminhada mais correta para se atingr a
mesres da Fraterndade Branca e m udanças geológicas e có smicas na Terra
  egração cósmica, que está no camnho de todos nó, tanto no plano sico como
Os faores de movimentação e evolução são: no spiri tual. Todas as relgiões abordam o crescme nto e poran o, o faor agregador
 Fator agregador   represena a união naural do processo cósmico da sístole e diástole do coração
 Fator ordenador mico do criador e de seus hos paradisíacos
 Fator evolutvo ou transmutador
 Ftorordcnador-> Como podemos vericar, esta condição permite que coloq uemos
 Fator temporal
uilíbrio e ordem em nossa rajetória e nas nossas epeiências Portanto, está ligado
 Fator conceptivo
s egentes das diversas hierarquas e aos tronos de diversos grupos que regem as
• Fator gerador
'ruzilhadas e diversas realidades de ordem espiritua e extraterrestre, que atuam
 Faor equilibrador
1, Terra e em odas as esferas da criação dos universos que exsem, o que vai ao
 Fator racionalizador
•n ro dos ensnamentos do Lvro de Uranta e de muos outros canais, como o
 Faor diludor
 ado Chico Xavier.
 Faor magnetzador

 Fator paralisador  tor Evolutivo ou Trnsmutador - > Este faor é extremamente importane e

 Faor criacionista ambém mal compreendido, pois emos que entender que o faor de ransmutação
 Fator transformador é constante, pois toda vez que se evolu se modica um esado de célula ou
 Fator ene rgizador onsciência para outro mais lúcido ou evoluído, o que signica que existiu uma
 Fator expansor eeração e m udança de estágio Portanto, este fator está presente na criação e, todas
 Fator da necessidade s entidades conhecidas estão regdas por essa eergia e, em especial, as entidades de
 Fator evolutivo e e Tronados, que trabalham nesta egrégora. Todos os seres no universo tem uma
 Fator atômico  nada a cumprir, que só pode ser realizada se houver a transmutação e mudança de
stágio, c onforme o amadurec mento. Isso equivale a evolução, pois ao se aprender,
Cada fator é uma qualidade impulsionadora do unverso que exse detro de se o amadurecimento, logo, evolução é mais sabedoria e experiência, que por
cada ser vivo, poranto é a sabedoria divina da Fone auando e manfestando as leis sua ve, signica capacdade de superar obstáculos Vericamos que ese fator é de
divinas. vial importância e está inserido em odo o processo do despertar de consciênca
de uma alma e, em especial, as que orbtam o umbral e locais equivalenes, e que

18
19

precsam ser emovdas dal atavés do amo e potanto da tasmtação de antgos .tlma c  síi b como o poe ds ohns no equlíbro dos planetas e do
parâmetos aprendendo a perdoar e a supera os pópos desaos cspa<o  e está se man festando a evolução das raças mas desequilbradas c omo é
o •  h .
Todos os orixás e mestres asce nsos tabalam dento da tônca de tansmutação
cada qua no trono que lhe concerne confome a sua mssão e capacidade sob N amos q ue cada fato descto epesenta importantes ferrametas da apli cação
responsabiidade adquirida na mestra assm todos ajudam neste mpotante fato  is uni vesais paa que o nosso uiverso e a nossa ama possa se expessa e evolur
universa que está dento de cada um de nós sea como encanao ou desencarnado rumo à eintegração cósmica com a fonte que nos criou na qua a nossa experiênci a
Cada etapa do luxo de vda da ama ou da pessoa encanada epesenta naturamente 'IHsenta a tua sabedoria que a quirremos nesta camnhada que é absovda
o uxo do Fato Evoutivo que é o cescmento de cada um dento dos dversos s hieaquia s que nos acompanham nossos me ntoes e ampaadores.
ciclos da vida Essa vda se estende também paa os panos etécos, onde a nossa
alma resde e bem além dela onde encontramos todas as hieraquas e tronos dos entro do nosso propósito temos dversos aspectos a eva em cosdeação no
orxás e demais eaquias espirituais e extraterestes, que fazem pate dos obes dzado tais como: amor, fé conhec imento, luz, inormação, justiça, ordem
celestes dos antigos deuses caídos e demais orbes das divndades de todas as eligiões ei, evolução e aprendizado, geração  criação - vida.
e lendas do passado sses aspectos representam dentro de diversos grupos de estudo importantes
1 osde regênca que possuem elação dreta com os 7 Raios dos mestres ascensos
Lembramos a fase de Jesus Cristo: ··Na casa de meu pai existem muitas outras
c tas lnhas que vão bem além; no entanto esses tonos estão dvdidos em
moradas, que nem eu conheço".
i etes esfeas dimenson as de atuação que prevaecem de cima paa baixo
Sabemos que o uiveso possu muitas outas moadas panetas e eaidades
paalelas onde há vida que se enquadam no termo extrateestres e que patcpam RSULTANTE > RINTEGÇO CÓSMI > COCROR
do pocesso evolutvo da umanidade ste é o caminho que os gandes mestres da luz nos ensinaram e mostraam com
• Fator da Concepção -> fato que tem a capacidade de gea as matrzes cósmicas  o amor e fé. Des sa forma devemos aprende esses prncípos de vda e ensnálos aos
da vda aém de todos os conceitos tato da vida como da genétca e das condições ssos hos pos sem eles não exste evoução e nem apendzado camos estagnados
geadoras conceptvas da mesma tanto na ealidade sica mateia como nas outas  im itados pela lusão dos dogmas do passado e do medo
do univeso mais suts e etércas que estão coodenadas pelas leis que exstem Vamos entrar no novo plano consciencial sobe a hieraquia dos oxás para uma
dento da concepção das matizes genéticas. Este fato é eguado pelo patama a ea que se abe para aquees que querem se uz e compartilha com os mestes
mais elevado junto aos Anciões de Das Fihos Paradsíacos Conseo Dos 49 e i os (oxás) de cada um.
União dos Das entre outros grupos mais elevados onde está diretamente inseda
e egégoa dos oixás ancestas
FLUXO DE APRES ENTAÇÃO DAS HIERARQUIAS CÓSMCAS
A concepção da vida rege divesas es que por sua vez estão nteligadas aos
outros fatoes de Deus Pai-Mãe onde está nseda toda a foça e genadade Vmos estuda este uxo e enteder meho o que realmente ocore m uito além
das leis que são a base dos ensnamentos dos oxás ancestrais que possuem seus � enções humanas sobe a hieaqua estear dos oixás
epresentantes em divesas esferas menoes que podem se insedas no contexto dos aa que possam entende o aspecto D de dimensão e (d) densdade muto
tronos e Tronados e oxás menoes Estes são na verdade os drigentes e aplicadores  i I ido em todos os meus livros vou expicar mais detalhadamente. Dento dos
das les maioes em cada mundo da senda e da casa do Pai-Mãe universal. \ os modeno s da sica sabese que para mudar de fase dmensonal da matéria
• Fator Equiibrador > este por sua vez petence aos Regentes dos Dias que têm  ssa densidade necessita-se excitála 1024 vezes Ao adiconarmos essa enegia
a capacdade eetromagnética quântica de gerar as condições de estabidade entre as  a desintegração do estado material e a mesma passa a vibar em uma outra
dmensões e a apcação da energia ente todas as eaquias da uz e as que ai nda ·iade ou fase dimensonal Partndo do pincípo que a nossa realidade é 3D
�c • icarmos as equações relatvas à densidade da matéra na Tera e apicamos os
estão em evolução (geradoas de enegias em desequiíbo) Assm, a egênca de
equlíbro pass a pea energia e correspondênca apcatva dos orxás ancestas e peos es exponenciais indcados pela dimensão indicada saberemos quantas vezes
orxás menores na aplcação da e evolutiva e i ntegação com todas as ealdades da   is ápido vibra o estado dimens ional desses sees do plano esptual. Portato um

20 21
Rodrgo Ramo Orixá Reiki • Cnexã Dvin

O dsnvovimno a psiqu umana é cnrado  id plas nossas prório qui brio  ao da naurza,  qu faz com qu nos dsvrumos  armos
combinaçõs d orixás, qu rprsnam uma prgramação qu es pla nossa psiqu na iusão.
nossa voução dntro das cmbinaçõs cícicas, qu a cada 7 aos manistam
transformaçõs  dsprar para qu pssams br a sabdoa  copaiháa Vams s fators qu concmos m ação as orxás qu auam dirtamn
ara o bm maior da umanidad. na psiqu humana  do concimno mais cn qu m rvado aspcos
impoans paa odos nós qu somos sudans  psquisadors.
Assm o qu tmos qu nndr é a chav sbr o DNA sagrao
sagrao d 1 2 amnos
qu m sid o aprsnado  proposo pr vários canaizadors nas úti mas ês décadas • FÉ  faor congrador à Oxaá  mantizado; Oiácrstaizador
O qu s são capando é par do mistéo in do odu da umandad, qu • AMOR  Faor agrador à Oxum concpção; Oxmarêrnova
Oxmarêrnovador dor
• CONHEC IMNTO à Oxóssixpansão; Obá-concnradoa
Obá-concnradoa
comça a s manfsar. • JUST ÇA à Xanôazão; gunánrgizadoa

Ess DNA é impoan nas rapas d Orixá Riki, pois a Odm Sana • LI à Ogum-Ordnador; Iansãdircionador

Esmrada mpa dvrsos


dvrsos mcanismos d ajusts ns corpos suprascos aém d • SABDORIA à Obauaiêransmutadr; Nanãdcanadora
Nanãdcanadora
orb trsr. A codcaçõs qu xism nssa srutura prmm mxr nos corpos • VDA à manjácriadora; Omousabizador

acima da raidad graviaciona da Trra


Trra  ajusar a ração com os outros panas Ess 7 aspcos são imporans para s sabr a duaidad  compmnos
 fdraçõs,
fdraçõs, dvido à xisência das raidads paraas, poi s  dsdobramnto do ivi nos d cada orixá, qu são susnados na nrgia  não apnas no focor,  qu
odu é um aspcto faoria cósmico qu nvov os dmais panas, ond a ama  _ vzs prvac dntro das tradçõs qu já prdram o vrdadio aspcto
uas
suas parcuas êmas são manifsando a xpssão da vida. os faors
faors ssncias para sua sustnação.
O sr humano é pra nia m difrns saos d fquência, nr
a aidad sica mara do crpo  as xisns aém da pópria struua do Ao nrarmos m pondidad nos aspcos d cada oixá qu rg uma pssoa,
pana Trra. Quando andms uma pssoa com o Orixá Riki Manicado, dmos fazr um sudo mais pro fundo do qu s imai na  cruzar ssas in formaçõs
acabamos nraind com as raidads do spírio, dos oixás  ronos subims � m � part da psicoogia  ouras inas d sudo cínicas, qu possum supor
 suprumnais, conform a dimnsão qu sjamos astrando  atuano com n�c  cuua. Parmos d um pinc ípo d nria  quai aiv
aivoo da éora
nossos uias  inas d projção psíquica, acopada aos símboos qu mpramos s oxas � da auação dssa nia na prsonaidad, tanto d forma posiiva
m cada apa. Aqui a capacidad cocriaciona s manifsa, para podr ajusar os  mo nava, nos srs umanos, um assuno po dmais profundo,
profundo, qu carc d
vnuais dsquibios d nrgia. wnd sudo.
Os 7 snidos são inrns ao sr umano  são
são prsnts m odas as nossas ASPECTOS POSITIVOS E NEGATVOS DOS ORIXS NO SER
srutuas poíica  socia, o qu incui o aspco riioso dsd o início dos HUMANO
mpos.
s aspctos abaixo racionados são, dnro do ntndmno umano , basados
• Snido da fé ou da riiosdad 1.�squisas mdúnicas qu foram raizadas m divrsos cnros d umbanda
• Snid do amor ou da concpção
1 de gira d candombé, buscando nndr o funcionamno na psiqu dos srs
• Sntido do conhcmnto ou do aciocíno
  nos . Não rprsnta uma dirriz xata, mas apnas como as
as pssoas ragm à
• Snido da j usiça ou da razão
 ia d cada orixá, quando não stão quibadas consio msmas.
• Snido da i ou dada mora
• Sntido da voução ou do sabr  Oxaá: manzador da fé;
fé; ra iusão, fasidad, ambiuidad.
• Snido da ração ou da criavidad
 crsaizadora da riiosidad; ra o fanaismo
Oiá: fanaismo rioso.
Vricamos qu a nrgia dos mnais  dos sntidos atuam coordnando
as nossas açõs  moçõs  qu, m muios casos, têm s mosrado oamn os rrsnam uma poaridad compmnar ou ama gêma.
dsquiibrados, dvid à nossa forma d vida caóca  incor m ração ao  Oxum: cocbdora  adora do amr; gra o ciúm  a poss po
� <I  i r.
COROADOS

Mestres ascensos do processo evolutivo da Terra, que estão deto da bare ira de
r ência. A maio parte dos mestres do plao sico da Terra que ascensioaram,
f  m dentro da estrutua do plaeta ajudando os demais até criaem as diferetes
f ges do pao espiritua. São guardiões e mestres que esinam, como pr ofessores,
i do un iverso e preparam as ovas falanges para o sporte espiritual do plan eta
 a tempora desses sees é regida pelo ciclo soar de 26 mil anos terrenos, motivo
  ual eles não empregam o mesmo tempo dos humanos da Terra. Esses seres,
o  girem o limite de 7 ,5D , têm a opção de cotinuar na Terra ou de seguir nas
sft•r já de caater extraterrestre e voltar às suas ori gens estelares.

sse processo é ealizado com as equipes tronadas que fazem o itecâmbio j unto
 roos com os quais possuem ressoância. Cada grupo de Coroados, após a
ergêcia Hamôica de 1987, passou a ter cotato e acesso direto aos tronos
res e jutos iiciaram uma nova fase da evolução espiritua do planeta e, têm
· rado os procedimetos da Operação Resgate a Terra em todos os gradiente s
éticos da mesma. A estutura dos Coroados tem uicado diversos tronos
o ssado e procurado atuar as mais variadas linas da comunicação com a
 ni dade. A umbanda foi uma das linhas emp regadas, assim como o kardecismo
tras losoas ode a comunicação com os espíritos é aceita e paticada. Os
 'dos nem sempre se identicaram perate a humanidade dessa forma, devido
 1   conceito por parte da humaidade.
( )s grandes mestres da espiri tuaidade terestre são justamente parte dos Cooados
(Ul' empregam omenclaturas e egégoras para poderem tabaar no plao
1   n   Lico com a hum anidade. Já os Tonados represetam os comadantes estelares
(l' stão no comado e estudam, junto aos Coroados, os processos evoutivos da
  nidad e. Os Tronados, por não terem encarnado na Terra e nas suas realidades,
'11 e apreder através dos Cooados, os diversos aspectos da emocionalidade e
  � ue dos seres humanos. Por esse motivo ambas estruturas acabam aando em
1   to para que as di feretes etapas da Operação Resgate sejam cocuídas.

TRONADOS DO CONSELHO CÁRM ICO


 orgaização cósmica epeseta o Conselho Crístico Universal, a qual
.o dados os genomas que devem ser aplicados a cada paneta, costelação,
sa, galáxia, universo setoia, univeso loca e, por m, aos superuniversos.
I >r do quadrante de Teta, que é um universo setorial composto de 21 galáxias,
  rdem dos 144 Raios de Afa & Ômega, que juntamente com a Ordem
\1.1 meralda sustentam os proets criacionais do conjunto de galáxias ao

49
Rodrgo Romo Orixá Reik - Cnexã Divna

foram aplicados no processo evolutivo da huma idade e das herauas e spituas Os famentos menores da esrutura enerética do Eu Sou são denidos como
da erra. amas, ou sea, a eergia que irá movimetar formas de vida variadas dentro dos
univesos de 12D, que represetam as realidades do plano sico existencal simlar
Portano, isso é a repetição de uma esruura fracta de comando e da ciação. ao nosso. O pono de origem da nossa alma ormalmente parte de uma coscênc ia
Signica que a codicação do unierso se epee e segue parâmetros maemáticos cósmica acma da 12• dimensão, partindo do referencial que a nossa realidade é de
perfetos; o mesmo vale dzer que o odu de codcação de uma gaáxa possu 3 dmensão ou 3D. Portanto, a esrutura eergética po assim chamar de Eu Sou,
interação enre seus plaetas e sstemas solaes paa permi r a expansão do processo exise a pat desse patamar de energia, o que signica uma readade espirtual
evoluivo e a condição associativa de combinações, a nteratvidade ene os espíios e imateial. Entetanto todas as ouas dimensões além da nossa 3D, também
e demais qualidades de consciência no univeso todo. epesenam frequêcias imaterais.
A direção adminstrativa do nosso universo Nebadon é atibuda ao
TRONAOS ULTRA SUPER LUMlNAIS 160 - 230
arcanjo Mcah, que é representado pea energia de Miguel e seus respectivos
Conselho d e cada universo ocal como Nebadon, interaçáo do s Aciões de Dias
desdobramentos. Como esse foco é a emanação da energia Crística, podemos
Porões dos Dia s, cico evouivo de cada universo
colocar a emanação direiva de Oxalá ou até mesmo de Orumá c omo sendo essa
Neste patamar temos uma es ruura que inerage mais pr óxma das dvindades egrégora criadora. Ou seja, odos os desdobramentos de orixás conhecidos nas
conhecidas ou relatadas nas antigas liteaturas sobe os deuses e hierarquas da lendas da criação podem ser inserdos dentro deste segmento, não esquecendo a ei
criação divina. A esrutura organizacional do un iverso ocal de Nebadon, na qual nos da proporcioaidade para os patamares superiores também. Poém pocuremos
encontramos, aravés do foco de Mcah e seus desdobramenos da enegia cístca nos ater ao nosso universo, de onde suposamete todos nós somos provenientes
são um e xemplo disso. A própi a enegia atribuída a Oxalá é uma refeêcia direta e hos dessas egrégoras maioes.
a essa estuua diretiva do nosso univeso local de Nebadon, q ue é constiuído de odos os conselhos evolutivos para as cerca de 100 ml galáxias de Nebadon
aproximadamente 1 00 mil galáxias similares à nossa Via Láctea. epresentam desdobramentos, onde nossa môada está atuando com seus fractas
Aqui o Conselho Criacional dos Anciões de Dias coodena os grupos de mônadas de Eu Sou. Se admtirmos que cada um de nós possui entre 12 a 144 Eu Sou
na proposta evolutiva paa cada quadrante ntero de um universo ocal e, isso é espalhado s no unverso de Nebadon, emos então um fracal desdobrado bem maior
muito impo ane, pois ele é a referência da disribuição dos ronos e dos fatores de do que supostamente entendemos, pois signica que os onos que compõem cada
foma cocriaconal, em cada segmento admnisatvo dos universos. uma dessas egégoras dendas como Eu Sou estão espahadas pelo unveso, iso
é, são as ealdades paaleas onde as almas criadas por essas pequenas estruuras
O Conselho dos Porões dos Dias é o responsáve pelas codicações dos ronos estão atuando na cociação, coforme as codcações que estão expeeciando
em cada setor dimensiona que fo escolhdo peo Conselho de Anciões, desdobando da mesma forma que nós aqui na Terra e nos ouros planetas onde temos amas
assim quas e como cada rono será agegado, dentro de cada desdobrameno gêmeas e demas partícuas da mesma fonte do osso Eu Sou. Percebam como esse
dmensional no desenvolvimento das aveuras de consciênca de cada fagmeno ema é bem complexo e demonstra como somos apenas um fracal de algo muio
gerado pelas mônadas setoriais. Esses fragmentos são denomados normamente maior.
de Eu Sou.
A própria irradiação dos 7 ele metos que vimos aneriormete se desdobra em
Cada um desses fragmenos fo criado a partir do desdobramento iteno de outras pobabl idades matemáticas da criação. Somos apenas um número dero da
uma mônada, que a exempo de sua criadora supamônada, também pode se divdir criação, que possui represenaivdade em outros plaos sem ao menos sabemos
ete 12 a 1 44 mônadas - Eu Sou, que são, na verdade, uma dvisão setoa com as dsso, mas os tonos que estão dento da nossa estruura exsem em todo o universo;
combi nações especícas de odu e ronos conforme as dretrizes dos Portões de Das , porano a ossa consciência cósmica está decodicada detro desse msério dos
para cada seor galáctico que foi denido para os grupos de Eu Sou, que devem fatores de popagação de cada tono, nas difeentes formas de vida e de consciência
efetuar os devidos desdobramentos em partícuas menores no uverso da forma, do uverso.
abaixo de 12D.
Entre 16D a 23D temos um grupo de gerenciamento da Confederação
ultidimensonal que estuda o desdobramento da cosciência em cada Portal de

52 53
Rodrgo Roma

Sabemos apenas que ele possui requêncas que atibumos às uadades de orixás O PODER DAS ERVAS
conhecdos o estudo do candombé esses oixás possuem quaiades de associação
com os o utros orixás, da mesma orma que na fsica a uz é decomposa e apresenta
quaidades interessantes, até de aplicação na medcina como o aser, ou na guerra Toda planta possui seu respectivo deva, porém a exempo do ser humano, eas
como o nravermelho. Portanto decodica odu não é uma possibilidade para a mbém têm um DNA que ormata as quadades de orixás; sgnica, portanto que
humandade s plantas têm ago smlar ao odu. Tavez a codcação seja dsina à da estruura
A criação da supramônada onde o odu é constiudo  ocore em realidades acma umana, j usamente por represenar um reino dierene, no qua a presença de devas
de 25D, sgnifcando enão que o desobramento da luz desse odu e, portanto, do c enidades desse segmeno seja muito mais prounda. O deva que rege uma plana

código genético primordial, está mihares de oitavas acima da dmensão expressa ossui a mesma q ualicação como no ser humano, gada à atoração que já vimo s.
como 3D. s orixás conhecidos estão presentes nos microespíritos que compõem a co dicação
erna. As dierentes qualidades de orixás e suas associações estão codicadas nas
ais dierente s ervas do paneta, e todas elas expressam as requênci as dos atores dos
evas sobre a realidade psíquica do ser h umano.
O corpo humano possui derenes órgãos e suas unções são coordenadas e
antidas por devas internos ligados ao odu de cada pessoa. Signifca que os devas
os órgãos humanos possuem comuni cação com os devas das ervas e pantas durane
m banho de descarrego ou vitalização, por estarem sob a mesma requência de
rixá Prmordial. A mesma carga crisalina e magnetzadora que existe no odu
umano existe no deva de uma planta.
O universo é regido por eis universais , tudo o que existe nesse universo tem que
guir essas leis, ator que gera a condição em que os orixás do reino mi neral e vegetal
 teragem e trocam requências com o reino ani mal e com o reino huma no. Esa
 cusve é a premissa da atoração exisente nos eitiços e seus desdobramentos.
As pantas possuem uma regência importante em sua unção energética e na
rópra esrutura como seres vivos, pos aivam a memória primordial do deva
rporal do ser humano e ajudam e remover os parasitas que se conectam ao ssema
'ergético da psique humana; cortam o eeto de vampirização e ranserência
romagnéica de alguns imp lantes extrafsicos encontrados em pessoas nas terapias
m a Cura Quântica Estelar (CQE e Orixá Reiki Magnicado (ORM .
Toda planta atva o poder do microespír ito (devas) do corpo huma no em todos os
órgãos, mas em especial os da coluna vertebral, pos esta possui 4 m icroespíritos
.\l'US

que são orixás de sustentação do odu da pessoa A codicação do odu, como emos
o é orignára das eseras mais elevadas do universo, muio aém da reaidade
ensiona terrestre. Mas o mesmo é váido para a ormaação dos outros reinos
 atureza.
erentes reinos da natureza possuem a mesma codcação, porém em esado
orial, como ocorre com o reino miner e vegetal já o reino animal, com as
1s mutações genéicas devido a atores diversos, não sei ao certo até que ponto

80 81
Rodrigo Romo Orxá Reik • Conão Divia

ainda respondem na mesma frequência primorda de anes O conceio básico é ue a As ervas ossue a capacidade de corrgr essa defciênca, porém é importante
memóra celuar humana é corrgda pea requênca prmorda do deva da planta.  entendamos a codicação do orxá e deva das plantas em associação com aquilo
Essa motvação é a que a huma ndade tem empregado sem saer desde os tempos  uma pessoa pode receber, pois como o ser humano possui seu DNA codicado
mais remot os, na qu al a prática de banhos com ervas , inaação de apores das ervas, bém na regência de orixá ocorre a questão da polaridade catônca entre os orxás
fumo de ervas, defumação e outras técnicas têm como obje tvo nserir essa frequência pementares e os não ans.
prmordial em nosso corpo e psique. A coluna é um ponto mportante, por ser o Fssetema é extremamente mportante, devido à dissocação da energia eletromagnétca
ponto que o si stema nervoso centra passa e se ramica para todo o corpo. eras no conjunto bioquímico do ser humano. Cada chacra ou centro de energia vita
ao mesmo tempo um ponto de produção de hormônios, portanto é uma ramicação
emos 4 microespíritos ou devas no decorrer da nossa couna, e são justamente
os que compõem a decodcação eleromagnétca do odu da própra pessoa ao ócrina do corpo. Como o centro de controle dessa produção endócrna está situado
receber, pelo chacra da coroa ou antakarana, a energa sut il das esferas dimenson as  ipóse, este está diretamente sob controle do chacra antakarana. Ocorre um
 obramento na produção das frequências do microespíito situado na base do crânio
além da scalidade. Esse chacra é o ponto no qual esá situado o cordão dourado
uc é o primeiro a interagr com os impulsos dos mcrotransmissores provenientes dos
de conexão com os copos superiores além do Mental Superor em direção ao Eu
rônios com o sistema nervoso central na couna.
Sou e todos os desdobramentos no c onunto de 3 2 corpos dentro do universo oca
de eta e em Nebadon  sse ponto é extremamente mportante, o que eva ao dito popuar que não
A energa é dssociada entre o conjunto do hpotálamo e as conexões dos axônios o todos os banhos que podem ser coocados na cabeça de uma pessoa. O motivo
dentro dos microtransmissores cerebrais, reagindo assim nas diferentes funções asicamente esse, pois dferentes frequêncas podem alterar o ângulo rotaciona
endócrnas e ramicações de estímuo químico no sistema nervoso centra. Esse  i nclinação das 1 44 pétaas do antakarana, o que signica mudança nas  reações
processo gera o uxo de energia vital entre as dferentes reações nucleares do conju nto químicas endócrinas e ateração do sistema nervoso central partindo do primeiro
de moécuas e dos tecdos que compõem o corpo humano, além dos corpos sutis icroespírito, que é na verdade um deva ligado ao orixá de cabeça da pessoa
ou corpos sombreados acetos na sca moderna. As reações químcas, por sua vez, Cada planta atua sobre a energia dos tronos e da fatoração que a pessoa arrega em
estimuam a formação das dstintas descargas elétricas e suas transferêncas de íons e os os chacras, o que controla o uxo endócrino e vta; signca que a produção de
cátons entre cada conjunto de células . Tudo isso é energia vital que atua na estrutura plasma e reações energéticas interdimensionais com os corpos sutis e, portanto, as
atômica dos devas do corpo humano.  as realidades paralelas estão diretamente ligadas e codcadas neste contexto.
Portanto, uma panta ao possuir também o seu deva, gera uma combinação de
reações químicas de estímulo nos desdobramentos que estão sendo empregados, no PLANTA:
momento do axé apicado no encantamento com o orxá das plantas.
Raiz: Energia e força vita susten tada a partr de Shambala no centro da Terra e
O ser humano acaba criando asmas, tal como já visto nos outros livros que s as qualidades energéticas desse centro.
escrevi, como o Tratado de Cura Quântica Estear; esses miasmas interferem nas R'ência do orixá Nan e suas qualidades desdobradas.
reações químicas primordais dos devas do corpo humano. A psicoogia explica Caule: Apresenta o crescimento e o transporte da vda e a evoução da planta com
isso com memória reativa das embranças traumáicas que são armazenadas no  a sua in formação energética e químca dos seus devas, já codicados a partir da
inconsciente. Essa memória reativa é uma programação paralela que nterage ncia de Shambala.
com o caráter psíquico do ser humano, gerando nterferência na propagação da R·ência do orxá Obaluaê e seus desdobramentos.
corrente elétrica e do estímuo natura das pessoas. Essa ateração gera mudanças no
comportamento do ser humano, pos tas utuações na corrente eétrca interferem Fohagem: Expressão das qualidades dos devas da planta e das combinações do poder
na amentação celular e na geometra das moléculas, o que gera o rompimento dl' Lda microespírito, referentes ao odu da planta e a quem ea irá ser designada
da membrana citoplasmátca das céuas quando em patamares críticos. Isso tem l o o regênca dos demais orixás.
sido estudado por pesqusadores como a nova medcna quântca pos coloca o ser ( ) ncial químico é muto mportante aqui, pois iga com os devas.
humano como reexo e subproduto do meio no qual vve. Ria do orixá Ossanha.

82 83
Rodrigo Ramo Orixá Rek • Conão Dvna

Regência do Orixá Vibracional: Aqui ca a combinaão que serve para cada orxá Existem plantas que só podem ser empreadas em conformidade com aspectos
conforme a s ua combnação vibraciona nas quadades de cada Trono. Aqui reside o astrológicos e lunares, devido às reações dos orxás das pessoas com os das plantas,
segredo do orxá de cabeça de cada pessoa. pois as plantas produzem alcaloides que podem ser tóxicos em determinadas épocas
do ano, devido à concentração existente com a interferência lunar, e além disso a
Percebe-se a grande responsabidade que exste no emprego de ervas, nas mais regência de orixá tem que se r devdamente ajustada e vericada. Um orixá de fogo
diferentes aplcações, sejam elas com o reno humao e nos outros reinos, como não pode receber uma panta da inha de água, pois existe ncompatbdade, além
a preparação de fetços e encantamentos existentes na umbanda e o candombé, de quzlar a pessoa em muitos aspectos. Esse princípi o pode ser utiizado para todas
justam ente peo segredo do orixá das evas e as formas como seus m croespíritos atuam as quaidades de orixás partndo da fatoração. Cada orxá possui, pelo menos, 49
nas mais variadas combaçõe s. Ser um conhecedor de ervas é reame nte um importante ervas para sua regência, exstndo plantas que tem características comuns a vários
aspecto no setor de terapas e de magismo, pois eas são importantes complemetos. orixás, mas outras são excusivas. Esse conheci mento é fundamenta na preparação
A regência em cada parte das plantas nterage com toda a estrutura do corpo dos encantamentos.
humano, além de codicar a frequênca do campo eetromagnético de quem as utiliza Faça você mesmo o encantamento
dretamente no corpo, pos são como atvadores de condutores elétrcos, que atvam,
peo processo de ressonânca e simlaridade, os processos iternos de cada deva Inciamente é necessário denir o que você necessta para o seu equlíbrio ou
exstente na pessoa em relação a seu orixá. Cada orixá que existe nos desdobramentos esejo.
das qualidades da pessoa, é ativado pela seuênc a do encatamento que é realizado
com os devas das plantas em sua preparação. Esse poto ativa mlhares de efeitos  Proteção
energéticos nos dis tintos corpos sutis até o pano sico de quem toma esses banhos  Restauração do campo áurico
ou emprega as ervas em outra forma de preparo.  Energizantes
 Atração amorosa
Raiz, caule e folhagem cada qual atua sobre diferentes regências e processos  Quebra demanda
endócrinos do ser humano, restaurando a memória primordial dos devas do corpo - Atrasos nanceros
humano. A interatividade com o quadro obsessor é outro aspecto mportante na  Contra larvas astrais de doença
propagação do luxo neural e na corrente sanguínea das pessoas, que pela n ha de  Contra malolhado
água acaba por desenvolver a remoção do efeito ressonante das baxas frequências.  Equilibrador emocional
O encantamento é o fator que reamente atva o deva da panta e, deve ser  Lmpeza gera
cuidadosamente preparado durante as etapas que antecedem ao banho ou outra - Banho codicado no odu pessoal
forma de apcação.  Limpeza da residência
 Polarizador dos chacras
A oração é uma das chaves, o poder do verbo é uma das formas de ativar o deva  Alinhamento astral com os guias de ancestralidade
das plantas e dos cristais, pois ativa a sequência fractal do deva em cada reino e, com  Banhos para linha de ancestralidade no odu
isso a programação com as formaspensamentos de quem faz o encanto.
Como podem ver, existem muitas opções relativas ao emprego de ervas em
O estudo deste tema é um dos mais fascinantes, pois entra na realidade dos devas  versas sit uações, conforme a linha de conhe cimento e forma de trabahar de cada
minerais e vegetais e coloca o pesquisador de frente a um p ano além do que pode dor de orxá, ou mesmo para pessoas que são especiastas em ervas e produzem
ser raconalizado, poi s não se trata de pessoas mortas em outra realdade, mas de um .1 ha toterápca. Toda planta apresenta uma linha complexa de orixás e seus
novo unverso que é totamente distinto do nosso , porém totalmente complementar  roespíritos nos desdobramentos com o campo energétco do corpo humano. Isso
já que a nossa realdade é sustentada pea deles. Ees estão otavas de luz à nossa nos xige um entendmento profundo da ação desses ementais em nosso campo
frete e se conectam com a Fonte Prmordal através do uxo taquiônco que ees vi h ciona
possuem. O Orixá de regência de cada panta atua pelo processo químico residua
fornecido pela al imentação no solo, que é enviado peo c aule a todas as células das De posse do que você deseja das erva s, o segundo passo é a preparação, na qua
plantas, gerando dessa forma um uxo de formas-sentmetos e formaconsciência vou: recsará dos seguintes objetos:
da natureza e dos seus reinos.

84 85
Rodrigo Romo

Esse manancial foi criado pela erauia da Faenidae Baca para sustentar OS PRINCIPAIS ORIXÁS
o uxo de reikianos no planeta e, com esse excedene de ecolasma, empregá-lo
para ajudar as essoas nas diferentes reaiades dmens ionais ente a sicaidade e o
astra Esse manancia é um reservatóio planetário de todo o excedente de energia imeiro te mos que entende r que existe uma diferença de fundamentação ent re
reiiana produzido, e o que sobra poe ser uti lizao nos casos mai s compexos onde uc originalmente era cultuad na África em suas diferentes localidades e tribo s.
necessitamos de maior gradiente de ectoplasma para ajuda ma pessoa Os nossos ocesso de escravidão essas culturas acabaram por ser mescadas, o que gerou
guias empregam essa energia para substituir o uxo de sangue de animais para mistura de ritos, entendimentos, nomes e formas de descrever ou de chamar
neutralizar os feitiços com a nimais  No entanto, este contexto será mais aprofundado ixás, criando a diferença de qualidades de orixás como é expicado no rasil.
adiante, pois o desdobramento do sangue com a ama dos anima is está bem além do to, a questão de quaidade apresenta um aspecto imortante quanto à vibração
que se espera e se entende es emi tem, porém em cada cidade africana se empregava o nome c onforme a
Não é tão simples a iberação da alma e um animal de m feitiço; podemos dade, o que por si já é uma vibração diferenciada, pois ao mudar o nome ocorre
ntervir e pedir que seja solucionado, c omo ocorre com as écnicas da umbanda, mas  ação do padrão fonético de energia.
isso leva um tempo maior do que quando se emprega novamente sangue, como é  estudarmos a cabala e a numerologia saberemos então que um mantra pos sui
realizado no canomb é, j ustamente pelo desobramento que veremos a seguir ibracional conforme a sintonia vibracional que emite Signica que então
asil, ao se denirem as diferentes qualidades de orixá, ocorre reamente uma
ção de energias distinta s ao que er a cultuado nos d iferentes lugares da África
e centenas de anos
A igamente, na África, cada loca possuía uma forma de culto e a nomenclatur a
1ociada á região do culto, portanto não existiam quaidades de orixá para os
1os Por exempo, o Exu é cultuado em todo territrio africano, assim como
um da cidade de Ologbô é chamaa de Oxum Ologbô, que para alguns pode ser

ualidade de Ox um. Isso é i mportante para entender a diferença entre a forma


 o no rasil e na África.
 ·brando ue no Brasi surge uma derivação xamnica, que é fundamental
ução de muitos aspectos da espiritualidade que denominamos de umbanda.
 .    l O , as qualidades apresentam diferenças na emanação vibracional dos devas
eza e dos seus ementais, devido à relação com a natureza que é diferente

(  ome os di ferentes grupos africanos foram se fundamentando no Brasil pela


 dà e pela mistura com a própria esiritualidade natiaxamâ nica dos indígenas,
1a nova proposta na ual criamse entendimentos, a troca de conhecimentos
m scravos e os sacerdotes dos mesmos e, com a união indígena, é gerada a
ud�.o ara que diferentes quaidades de orixás sejam cluadas no rasi 
( ,d liha apresenta formas de cuto e fundamentos, o que gera em ag uns casos
c  d:m c  ou até rivaidade. No passado da África, devio às gerras e disputas, os
 dos impunham a sua forma de culto dos orixás, e tudo isso acabou gerando,
I 1 rn do tempo, a diferença de quaidade ou cuto ara as mesmas entidades
 lds

98 99
Rodrigo Ramo Orxá Reíkí • Conão Dvina

O Brasil sustenta uma grande variedad d oas em suas apesenaçes de iversos aspectos e nçes que os sacerdotes africanos começaram e entender e

qualidades, podendo chegar a um valor muto superior aos 2 1 apresentados. Em dicar segundo a companha ou comple mento.
alguns aspectos se fala em cerca de 256 oxás ou até mesmo além, conforme o
entendimento e a l inha que se queira pesqu sar e interagir, poém são poucos os que Mas na verdade é a capacidade do orixá em cada c onteto da natureza, não que a
aceitam esse desdobramento, devido à sua compleidade sociação com outro oriá faça a ansã muda r de tarefas Outro exemplo interessante
 qualidade de ansã que recolhe almas das pedreiras dos oceanos Essa qualidade
Podemos destacar uma situação interessate que pode ajudar a entender essa de lansã não tem correlação com a energia de Iemaná, é o vento que recolhe as almas
compleidade denominada qualidade de oriá O oixá roco possui esse nome as encaminh a para o ponto de força de transferência das mesmas. Para muitos es sa
proveniente da linguagem iorubá; j á na li nguagem jêje é chamado de Loko; na nação alidade de ansã tem parcera e mistura a sua energia com emanjá, o que não é
Oyo é chamado de Xangô; na nação fé de Oranfé, o que torna o culto diferente eto, o que ocorre é uma interação energética dos devas de ambas as qualidades
para cada nação denro do seu entendimento sobre a divindade e suas emanações a que seja executada uma função na natureza do planeta
Se o culto muda , muda a vi bração do que é atribuído e oferecido. Estamos falando
de um aspecto muito profundo que são as vibraçes dos Devas e dos ementais Este tema é muito interessante e o que me encantou no candomblé é justamente
atômicos que atuam na estrutura molecular do universo. a riqueza de fatores que podemos explora r e estudar pela vida adentro e semp re
aremos aprendendo algo mais Cada nação cultua seus orixás e está coreta
Cada alimento possui uma frequência, e a forma como é preparado ou mis turado ob o seu ponto de vista, portanto unir esses conhecimentos ajuda a entender a
altera igualmente essa frequência, portato estamos colocando que ao mudar o pleidade de Deus desdobrado em frequências que a humanidade dene como
culto, muda a regência dos ementais, o que para o entendimento terrestre é uma iás ou divindades
qualidade diferente de oriá Mesmo sendo um assunto delicado, é dess a forma que
tenho recebido o esclarecimento de meus guias esprituais. OXUM: Possui desdobramentos cósmicos entre a linha réptil e humana. Seus
istérios ainda são pouco conhecidos, por reger diversos aspectos entre a colonização
A água, por eemplo, possui s eu trono e suas qualidades, porém conforme o solo coniana e outros genomas com o genoma hum ano da Terra e de outros mudos A
no qua ela se desloca, p romove a erosão e traz consigo elementos qumicos distintos, ratividade entre reinos estelares e intraterrenos faz o seu trono muito importante
e isso altera a frequência interna da água, que não deia de ser água, porém está  elação à transição entre as realidades paralelas das federações envolvidas no projeto
carregando elementos distntos ou em maior ou menor quantidade, como o ferro,  a/Urantia. Signica então que as polaridades entre o reino humano e reptiliano em
cobalto, silício, manganês, magnésio etc. O mesmo pode ser atribuído aos oriás  processo evolutivo estão inseridas neste contexto A alma não possui raça, somente
com relação à regência dos ementais que estão consigo egia que toma forma conforme o genoma do corpo que irá utilizar. Oxumarê atua
o rocesso das polaridades que a alma emprega em sua evolução.
A energia dos ventos de ansã na margem dos grandes oceanos possui uma carga
direta da energia de emaná, Ogum Be iramar, Ogum Marinh o e outros devas nessa O trono de Oxumarê é o mistério, aspectos exóticos entre as dimensões Os
propagação de energia, que possui memó ria planetária. É distinto dos ventos polares nvos ciclos são uma característica que seu trono rege, criando as etapas evolutivas de
etremos, ou mesmo dos gerados no deserto ou inc lusive dentro dos continentes, pois   sformação e evolução, porém dentro de um processo oculto Oxumarê também
possuem outros devas envolvidos, e isso acarreta um desdobramento de ementais mado de Araka, e representa o arco-íris e a transformação para novas etapas na
atômios carregados com di ferentes aspectos da natureza na sua c omposição.   inhada evolutiva. No entanto, como ele é um oriá associado ao poder e mundo
das serpentes, possui outras denições e nomes conforme a localidade, tais como
O mesmo ocorre com o nome Oiá ou Oyá, que é o nome de ansã em orubá,
entretanto esse orixá possui diversos desdobramentos muito im porantes e compleos Vdum Becem, Dangbe, Danwedo.
Seguindo a regência de Oiá ligada à energia de Oxalá signica que ela está atuando A regência da água está na sua radiação e é um oriá repetitivo e que varia as suas
diretamente com a base de magnetizadora do processo atômico da energia crística as, mantendo um ciclo de repetição para cada cico, semelhante ao ciclo da
Isso é, portanto, uma qualidade de eergia presente na associação de Oiá com Oxalá, \1 que evapora e depois volta a ser água Oumarê representa uma li nha paralela
o que já muda se colocarmos ansã em associação com Xagô ou Ogum O orixá é .1 ( )ou no ciclo da vida, da morte e o renascimento.
o mesmo, porém a associação gera uma nova frequência de emanação dos devas e
da regência sobre o odu das pessoas Signi ca então que no caso relatado Oiá possui ormalmente os lhos desse oriá são persistentes e possuem paencia, não
l'ido esforços na busca de seus obetivos. Possuem uma dualidade interessante,

1 00 01
Io é ua informação fundamea para nossa proposta de rixá Reiki
Orix
ixáá E
 Ess se nc
ncal
al a ca
cabbça Mnicado, pois gera o entendimento das informações dos nossos guias quando
n am qu a p tá desequiibrada em tal orixá e a entdade correata está

O
_ Oixixáá E/
E /em
emeeta
ta  D
 Dev
evaa
ndo algo dessa pessoa Essa entidade é um deva ligado à codicação do trono
-. Mic
ico Esp
spíío
o d
 daa C
 Coolu
luna
na C
 Ceee
ebbe  · está em desequiíbrio no corpo ou energia desse cliente. As linhas cruzadas
1 Gra I Nve couna
judam na visualização do processo, mas o que temos que entender é a base de
Eeerg
E rga
a m
 mooz do
do 
 xá
xá 
 aa co
 cou
ua
a Eó
Eóiica
ca J onda faorial para saber quais as entidades que realmente são regidas
regidas por es sa
2 Grau  Níel coa Ee
eg
gaa mo
oz
z d
 doo  O
 Oxá
xá  aa co
 cou
uaa T
 Te
eú
ú
··uência de orixá e dos devas contidos no odu.



3 Gra I Ne coua


 energia eólica representa as i nterações do vento, porém o vento na Terra,
Terra, em nossa
Ee
eg
ga
a 
 ooz
z d
 doo x
xáá a co
cou
ua
a A
 Aqqát
át
  osf
osfera
era possui o oxigênio, que gera o movimento da vida pela respiração
respiração dos seres vivos,
4 Gra  el cola Ee
egga oz
z o
o 
 x
xáá a
a c
 coou
ua
a C
 Cs
sta
tai
ioo
tvo pelo qu é uma regência importante que sustenta todas as as outras. A in teração do
no telúrico é a relaç
relação
ão entre o corpo sico e os demais corpos sutis, e isso signica q ue
5' Grau  Níe couna eg
ega o
ottiz
iz 
 oo O
Ox
xáá a co
c ouua
a 
 e
ea
a iste uma in terativid
teratividade
ade atômica de reações química e atomísticas entre o plano s ico e
s eaidades paralelas diretamente associadas ao plano sico corporal.
6 Grau I Níe couna Ee
ega o
ottz
z d
 doo x
xáá 
 aa co
coa
a Ve
Vegget
eta
a
Essas trocas de energia são classicadas como telúricas e de suma importância
7 Gra I Ne coa Ee
egi
giaa o
oz
z do
do O
 Oxá
xá 
  a c
 coo
aa Íg
 Ígeo ra os nossos guias espirituais, porém são alimentados pelas reações químicas do
!mento eólico que gera o impulso da vida na matéria.
Como aproximadamente 68% do ser humano é água, odos os processos
Base da
Bas da c
 coo
a co
c o o
 oss 3 ic
ico
oeesp
spio
ioss  D
De
eaas oquímicos do nosso organi smo estão submetidos a essa solução aquosa que efetua efetua
Qua
ualid
lida
ades
es f
 fís
ísic
icaa do O DU do sese h
 hum
uma
ano c om a Tera . trocas de alimento celular e gera a mitose das mesmas. As nossas mitocôndrias
 com ra..

tuam a respiração celular e transportam todos os componentes necessários à vida.


Existe
iste u um ma seq
seq ênc
ncia
ia es
 espe
pecí
cíca
ca n
 noo u
uxoxo d
 dess
esseses el
 elem
emen ento toss que estãestãoo in ter A energia motriz do fator cristalino é a relaçã
relaçãoo da geometria sagrada na conguração
terca
calad
ladoos.
Ele
less geram o movm meeto
to e
 e nergéticticoo da
dass q u ali
al i dade
da dess de cada
ad a o r i xá q
xá s moléculas que se formam, partindo da base de reprodução do DNA através do
 mo e  que
ue p
 pos
ossu
suím
ímoos.
D a memess  a for que ue no
 no T
 Tao
aossmo  esse
sse m
 moovim
vimeent ntoo é a li
a  li nh
nhaa op
opererac acion RN transportador
transportador,, em que todas as células possuem uma estrutura cristalina que
ionalal d
 dos
os deva
de vass
e �os m cro roeesp
pttos
os d
 daa co lun
unaa , que são os c  cap
apta tado
doreress de
d e totodo
do o  uxo d 1 estudada na interação nuclear fraca e forte,
forte, j ustamente pela associação de átomos
 dee e
 enn e rgia
rg ia
p mordal qu� re rece
cebe
beos. T Tod
odaa a este stru
rutu
turra da
da n  nos
ossa
sa au
aura ra é
 é at
ativ
ivaada pe pel os s trocas com as realidades dos corpos so mbreados, criando dessa forma a estrutura
colu os d
 dev
evas
as da
lunna e do sste stemma eerv
rvos
osoo cecenntral
al;; aqu
quii os chacr craas sã
sãoo suste tentntadados
os de for ma a istalina que gera a Flor da Vida e o processo de multip icação celular.
ger encc.ar
eren ar a
 ass tro
 t roca
cass endó
dóccrin
inas
as d
 doo or
orga
gannism
ismoo. Porém, a base para que essa energia possa gerar a estrutura cristalina parte
�ad
adaa ní
nível
vel ou gra
grauu est
estáá ins
inser
erido
ido n
 n
 v
 véért
rteb
ebras
ras d
 dee for
formma a
 a g
 gera
erarr o 
 uuxo de
 de e
 ene
nerg
rgiia
os elementos químicos existentes na base aquosa da água do corpo, onde essa
do Sst
stem
emaa nerv rvos
oso,
o, o ququee ao mesmo te temmpo eq equuilib
libra
ra a lilinnh a cruruza
zada
da das en <>mposição é domínio mineral, que todos carregam pelos elementos da própria
que
ue es entitiddades
 estão
tão n
 naa reg
regêêca dede ca
 cada
da o
 orix
rixáá que pospossusuím
ímosos.. Sig
igni
nica
ca e  ent
ntão
ão qu
 quee exexist
istem mposição química do organismo A energi a motriz vegetal
vegetal rege o crescimento das
corp em p par araa 0
orpoo hum umananoo o
 oxxas u
uee pa
padr
dron
oniza
izamm ce
 cert
rtas
as sit
situa
uaçõ
çõeses da
da e
 estr
strut
utura
ura f  físic
ísicaa e pa ulas e demais funções, porém a energia para esse crecimento é a ígnea, que gera
patolológ
ógica
ica..
Comomoo totoo
oss tem
emoos a es
a estru
trutu
tura
ra de
 de O
 Om mou, a linhlinhaa do
do E Exu
xu e
 e Cabo boclo
clo C Cavavei
eira t trocas bioquímicas de transporte de uma substância para a outra.
ra é um
um T rono
ron o
ndam amenenta
tado
do n
 naa est
estrt
rtururaa óss
óssea
ea do serser h
 hum
umaano no,, não
n ão a ape
pena
nass umu m a enentid
tidadadee avulslsaa do
d o
etee: coo 
et Vericamos então que os processos químicos ou bioquímicos sã o, na verdade, as
 ggun acrdita tamm; o mes esmmo pod odee serer d
 deenid
nidoo dodo E
 Exu xu e
 e C
 Cababoc
oclo
lo Lo
Loddo, qu quee é
regen
reg enc
caa �e Na
Nann� , po pacidades dos devas de ativarem o uxo de movimentação que estudamos na onda
poss tod
todos cacarre
rregagammos essessaa qu
quali
alica
caçãção
o Po
 Port rtan
anto
to os
os escr
escrav
avos
os de
 de c caada torial de cada orixá, e isso é efetivamente o que o odu signica, na prática, para
Trono
no e essta
taoo codcado na na m
 maatriz
riz 
 sic
sicaa e teú
teúrrca
ca do
do c cor
orpo
po h
 humumaanono da ser humano. Estudar a codicação
codicação de Orixá signica entender a si mesmo.

1 24
125
     
 '' \           u m p r je t . O F x u oona a e i,
As im segui o ssa apresetação poemos eteder que
 que as congurações, l  smoo  s
 s oo a  e os c a m i h o s  e
aa cu pr 
possUmos a regenCa de Xango e asã parapara o caombe
caombe e Xango e Eguta p 1
.
  a
o        e   c  o      uu o  sm
a 
ai zar �e
�e jettiv os, poré sem o
 obje  o e lo não
ímuu
stím
 est
 um ban da epreset
epresetam
am as bases da trocas
trocas do poces�o emina o J oxrru<  f  lh .aa quL po�a
lhoo p.
      .   gn  cca então que Lebara e Exu devem e  eststaar e m  p  peer fettoo equi rio
o orgasmo mao mas tamém geram o pocesso psquico e raciona o '
 ssooa.
r l.   v i me n to evolutvo na v  vii a d dee um a pess
humao, pos_ e mportate utiiza o sicretso que é atrido a ca a oxa e · '

re1açao a perso a


'
 ade h umana.  umma as proprieaes negatvas os h hoos d  dee Xagô,
     o ue o orguho é  é u

 peera o camn
car a p nhho pos quao existe fata  de
 d e h u m    a  e   ão
ggn
 tuç çãão.
ssoo propós stto dvino e as mensa g e n s q u e r e c e  e m o s v  a iitu
LINHAS CRUZADAS  S o noss e O b á, o
onna p poode ad a ser
se r i m p  e m e  t a d o p e  a q u a  ida
id a d e  de
 d
óggico e raco
ó p a
a o
O po er geo e Xangô e Iasã controa as reações químicas a oxirreução
� c terís
er ísttca
c a  e c a a  pe
 p e s soa
so a , a  de
 d e ixa
ix a  se
 s e m c o n e x ã o c o m o
· ·eno a cara rac
 a m a t é r ia .
do organ smo h mao, o que gera a produção de eergia bioquímica e diversos ssaa a s omete acredititaar aquio que  hhe  é i
 é  i n t ere
er e s s a n te
  ll c ea pass m u  ver
v ers so
aspectos da energa esses orxás
orxás em caa
caa pessoa. ta entener o  arrqu
 oss a é t i p o s ,  já
 j á  qu
 q u e  ca
 c a d a p e s s o a é  um
 u
mo é amenta s s e  e p a r a m
sannte a ser es tud
tu d a d o  e a
 e  av v a ia
i a d o . A  ca
 c a d a ter
te r a p ia v o cês

ente in teressa t r a m n o s
mares ou até iguaisis poré rém m q u a n  o e n
IANSÃ
Discintológic
Eoção OU ANGC
    ç çõões aparetemente s m i  a s .
Rzão; eqíbo
 trratamento m  muuda assm c o m o  as
 a s e  t i  a d e s e n v o v
1  nnteros a fo rma o t
ioa da evolução ou r  reegreresssão em reação à postu turra
mbagra ra:: Aspecto emo cio u lo
 s t a r sua
su a s  rea
 r eai iz
z a ç õ e s . O e s t í m
v id a , ger eraano o im impp us o o des ejo para conqu
tass é uma d  daas ca r a c t e r í s tic
ti c a s d a e  e r g i a d a s P o m b a g i r a s  na
 n a iaa
 vi
 v
 ia e coquis ta
J U   uer pess oa.
O  trnsoção
n od d Sms
Sms
scaa apica r a e e o cotra ratoto que a pessoa tem que s egur r para que se
x u : B u sc
TOOS Fos
Fos
ccion
 dii c uldaes c  cárárm mic icaas. E  Ee p  pooe   eeix ixaar o
· a e  evvoução e a pessoa trascenda as d c a r n a çã o
.
e c a d a  e
 e 
·

cabbeça ura". Os m as


a s m a s  de
 d
  lo s eguir pea or caso seja ca
voão O OGM
ANSÃ picção d i d ES
Étic é Mor

Pob Gr do oo


Eocioidd  erssão X dodo oo
frqz, nsegç Psquic  Mor Apãod L   dvs.
N h do cr/dr
cr/dr

EGUNITÁ: Sehora os egus em evoução terrena o astral e seus O d psso
desobramentos teúros. TONO tol
Ond ftol
registas ds
ncões
cdr
XNG Ô : Justça
ustça   Dvna, equ
equíbro
íbro a lei e
e Deus dentr carma de caa
dentroo do carma
pessoa.
Pode � do Fogo: salamanras quemam o carma e vias passaas e da carga a
ancestradae as pessoas.
ancestradae
xu e Pombagira o fogo ajuam a equiirar as forças nuceaes do ser humano
; POMBA GA rssão U
zão 
Psqic, oc1on  Étic
e r a � esagregar ementais e miasmas de nvea e outros tipos que estejam
; oõs  dsjos dicono
dLEI
acop a os a aura da pessoa. O pape da Lebaa é ar estímuo gerar as condições

127
126
o Cons o
esão codicados e o Exu auda a emovê-os, mediane a posua e os c ont� qu  >n.  <Hao c pr if Lao, \pa�ao  do jo io  e do trigo l é
todos s rgist ros ca conais da uman idade e
ele vai enconando a cada eapa na da e seu  ho. d;a ' l c:a pois pssi
un Sbl L ur nro s.
r .  1s 1 la oud  O C�h  U<
ISÃ: Le1 e eca moral, audes coreas e iscenimeno de caáe e �t
J t: ansmuado e requai cador das energias; aravés
do poder do
valoes. Coba muio de seus hos a posua do re pensa e vive e, quan .r
 queba  d e
pessoa esá bem aspecada com a eégoa e Ians  conseue remove obsácu d, e emove e tansmua os miasma s das pessoas. Aua na
onscien cial da pessoa quando
sua vida. d· v id as passadas, e pomove o cesc imeno c
o desja
OGUM Lei Divina, auda seu   ho a seui o caminho e a condição de cum 
com os compromissos de seu conao, peo amo e na pleiude, esando  LU-TEMPO: Conse lho Cármico Temporal
e Esela, em a idenidade da
camin ho, seus lhos com os obsáculos do dia a dia Quando um lho desa eê   a iniciar o ciclo encan acional n aTea . Quebra de magias e conaos
cumpre a lei e permie que a sua vida ua por ela, o processo é muio consu o empo. Cura física de doenç as cám icas da linha emporal, liberando
e o apendizado o ibea de mui as siuações da l nha do cama que são dooros  pass e nanoecnolo gias eselaes.
Mas esas escohas cabem a cada pessoa na medida que speram obsáculos e \ e da do, quando uma pessoa
OLU: Paralisador na fequência da doença
defonam com as escolhas eadas do seu passado Oum é um eerno aprendiza a, maio a
de si mesmo, que acoplado com a eneria de Ians sinica que essa encarnação e  volur e mudar  a sua posura . Quano mais eimosa for a pesso éio e
e Omo lu, pois os eguns de cemi
siuações  mpoanes da evoução e da beação do ciclo e ncarnacional, resaan i dad de sofim eno na frequência d
de ancesa lidade auand o sobe a pessoa.
conios do passado; aqui exise um camnho paa se iberar da oda de samsa  pass esarão na inha
desde que as escolhas feias seam coeenes e a assocação com o  eso de seus orix Evolção ODU Ool
EMAJ Poral Via/ore/Cicos
do odu seja equl bada e usa. eciae
geração/vda
Avaliemos aora a oua siuação que emos abaixo, na qua as eências de
Nan, Obaluaiê, Omolu e OmoluTempo esão sinconizadas em linha cuzada
A decanação do processo cármico e psíquico das pessoas, esá aliada à condição
de ransmuação de Obauaiê, que é uma qualidade de Omolu . Muio i neessane
como esa esruura faz pare do cescimeno humano.
ROOS Fatoas Cico encaacona
ODU ODU
NNÁ volução ODU OBAUAI�
Decaador rasmuador, evoução

POMA GIRA EXU a TERRA


GUA Regessão
Psqca oeça nferílíae
ROO Faoria Trasmação pessoa
OD oOD

s  aumas na  ln �a
Pombagira da áa: Ajuda na liberação das emoçõe 
experiên cias amaze nadas n a memo a celula AqUI esao
 nacional das divesas
 ' ·nes os conaos e as cenças elgiosas de cada encanaç
ão.  esmulo ge�o
criando o mov1m eno necessao
I .1 Lebaa pemie o desboqueio em  cada eapa,
 t.l emover emoções cármicas ou dolo rosas do passado 
OMU·EPO Regessão OMOL
Expansor da eeg1a Fs, suca e eonal paahsado

1 29
128
e tra
raba
balho
lhoss que
que de
dese
senv
nvol
olvo
vo a pd
dio
io ees
es Os ama
mao
oss ix
ixás
ás T
 Tro
roa
ao
oss sã se vveu cm realiaes imensionais acima da frequência terrestre 3D.
1 11
exemplo desses irirm
mãos d
 doo espaç  p
 poorém r
 re
eaatitivvos à
 àss he
er
rrrq uia s da lu
luz.
z. ca que a relação de úcifer e ilith é direta com os genomas que foram
m caa um esses universos paraleos aos nosss, por estarem em
OlÁ TEMPO
diferentes
diferentes,, como 4D, 5D, 6D e 7D.
XAL

a grande prte dos antgos deuses era provenente e dimensões sutis acima
D, assi m como ocorre na atualidade com a m aior prte os extraterrestres
extraterrestres que
ifestam na evolução do planeta Terra O uxo o tempo neste estudo é
te pois ee interage com os processos dos corpos criogênicos em repouso,
a alma esses extraterrestres
extraterrestres se projetou na experi ência encarnacional na

rte dos extraterrestes


extraterrestes está encarnando na forma humana há mihares de anos, e
poe ser um ser extraterrestre
extraterrestre sem memória que tem a sua origem em siste mas
próximos ao nosso. Esse é um outro fator importante relativo à presença dos
Estelares que estão espertando e preparano seus lhos e irmãos para o
e a reconexão com as relidades extraterres
extraterrestres
tres da matéria e o espírito.
O arcano Lúcifer é um trabalhaor estear que respone para Micah, o que
ARCANGUNA
LILITH
ARCAJ ' ca, portanto, uma muança de entendimento muito profundo aceitar que
ÚCFER
fer não é o emônio que se acreita, mas um ser que sustenta  evolução na
a nãoluz para aqueles que acreitam que esse caminho é a verdae
Para
Pa ra en
ente
tend
nder
er e
 ete  ux
uxoo é nec
n eces
essá
sário
rio b
 bus
usca
carr as
as orrge
gens
ns e
 e a corre
correla
re es
 esselaçção
se ão e
 ent
ntre insere, pea or e pelo sofrimento, o aprenizado o amor e a maturidae,
4 fa tore
ress e ser
erees cosmcos que são ref
efeerência para todos os pov
povos do un iveso d essa forma
forma a poaridade que se opõe a Cristo pela ignorância, mas que
N ebad
eb

nucl
nu
adn , q e per
fator vb

Oxala
clea
porta
bra
perte

earr de esta
tant
tenc
ncee à dm
raccnal da en

_ esta
ala es ta no
 no f
stabblz
dm isistra

lzaç
ntoo; o fator �e mate

açao
 traçã

ao da mate
teria
rializ
çãoo de
eneerga cs titicca de O
A rela�ão com a quali�ade vibrcio
 faat  m aneeza
zado
de M
 Mic
 Oxxalá
icah
lá
ionnal de Oiá-
á-T
atea pa
lizaç
açãoão d
ah Ess

part
 daa en
E ssaa irr

Tem p o associad
dorr ista
stalin
lin  qu
rrad

adaa
quee já vim
rto das fa
e nerg
rgia
ia m
 mat
adaç
ação

fase
ater
ão d
 dee en

vimoo s, po
sess dim
eriial
al es
energ
rgia

porr ser
imeens
 está
tá in
inse
ia ge

ser re
 gera

nsio
serid
ra

 relt
ltivo
iona
à ener
ivo à
ridoo na
na c
 à in
naisis mai
erggia e
 inte
ais
 corr
teraç
s
orrel
ração
s
elaçã
açã
ão
0

utis·
ut is·

to MicahOxalá.
OX > signica  fé

Ol -> signica a religião


r
o desobramento do tempo acabará por aceit ar e votar aoao foco
foco primordial e

> Fator Congregador unicação

de Ox Oxal alaa c� m Oa a usa


sand
ndoo a frfreequ
quên
ênci
ciaa o temempopo com omoo bas asee dede ap
 apririmm oram
or amen
e am
amdu dure recm entoto
cmeentntoo dadass fas
ases
es pelalass quais o esp spíri
írito
to e a maté atéririaa pasassa
sam
m en entrtree um
umaa Religião signica religar a alguma coisa No contexto que estamos abordando
realiliade e  ouutra
 o ra gnica reconexão com o conhecimento perido da nossa origem e da reaiade
�essssee conte traterreste
traterreste e Deus e os antigos euses 
ntext
xto,
o, ao
 ao e
 e fetua
tuarm
rmoos um
umaa lin
linhha c ru
ruza
zada
da c
 com
om a
 a h
 hie
ierrar
arqu
qua
a d
 dee Lú
L úcif
e L. l!l!tt h, te
temmos a r
 reeaç
ação
ão e
 enntre as d i feren
ente
tess dim
imeens ões abaix
ixoo da su
sust
steenta
cifer
er
taçção do Eu LÚCIFER Ilusão
Ilusão  Pod
Poder
er  Conh
Conhecime
ecimento
nto
S ou
ou Sab
par
matatér
éria,
abem
arttirir d
emoos qu
ia, na
nass qu
na realiliddade te

.Em
Ple ade
Plea
outr
ou
des,s, Al
terr
tros
Alde
quee o po nt
 dee B D , iss
ssoo  ig
quai
aiss a
 a al
rreestre
os pov
deba
bara
re
ovos
 alm

os este
rann Ca
ntoo ini
ignn ic
ma se

stelar
Cano
lares
inicia
s e pr
ciall e
prooe
eta

es m ais co
nopp us
us,, S
e en
ta p
 eneergi
 paara
ra a

conh
Srroo s Pr
nhec
Proc
ecd
ocyo
yom
giaa de
caa que abaixo de BD existe
 ass ave

dos
de p
a vent

os com
 proj
ntur
rojeç
tem
uras
eção
as en

omoo na co
m  Antar
tares
es,, Bet
ão 
enca

Beteg
 oo u xo
carn
rnac

cos
acio

ste
egeu
euse
telaç
xo d
iona

lação
 doo Eu Sou é a
m as realiliddades ex exisistten
naisis  co
com

ão de Óririon
se e o utro
enccia
mo oc

tross sisisttem
iaiis  d
ocor

on,,
emaas,
 daa
orre
re LILITH
->

-> Possesã
Possesãoo  Contro
Controe
e da matéria - Dominaç

busca como entene e utiliza o poer como lhe agrada.


Dominação
ão  >Fanatismo

• Lúcifer: é um arquétipo que gera a necessidade do conhecimento, cada qual


qual o

1 36 1 37
• Lilith: é um arqétipo que gera o conroe e pode na mté.     < onno d Vit
dcds no o
<d que é um fator
de,, qu
tliliddade or d etoo d
 dii ret idaade d
 quual id
 daa q  daa
 a
1 ennovç
mo e da e
 am çãã o .
• Fanatismo: qualque forma em ue ele se mnifese será neatvo J)(l\
impede o entendime nto racional e equibado de ququer efeio
efeio da natureza o  1
espiritulidade  Um pessoa fnátic
fnátic eigios está desequilibada, e isso si gnic qu e AMORXM RENOVAÇÃO
XUARÉ
não podemos aribu ir a Lúcif
Lúcifer
er ou  iith  responsbilidde pelo fanatismo.
fanatismo.
Todos buscam o poder e o conhecimeno como tmbém buscam possuir o

controle sobre os mesmos, o que signica então que a condição aqui atribud 1
ii h e Lúc if
ifer
er são comuns a todas as formas de vda da gaáxia, pois todas busc 
o entendimento da pópria existência e a ecologia para conroa a natureza e M'
orna simil a Deus na criação
Nos relacionamenos temos a tendência a querer contolar o cônjugue; perceba
que esss características estão inseridas na psique humana desde que temos estudad
estudad
a nossa própria hisóia e, analisamos a evolução da ual humanidade com a su
ecnologia e desdobamenos poíicos e miitares. Quando avaimos de form
diferene estes
estes tonos e fazemos
fazemos o esudo c ombinado com a cabla e os nossos pontos
rscados e ensinamentos ds entiddes do plano espiritul, embrando que  maio
parte dos ensinamentos chegam a nós pela in uição. DSJO VITALIDA
HÓRY
AHÓRY�
Oiá representa o tempo na sua expressão
expressão nomina ; n a verdade, o tempo é inerente
a mutos faoes evouivos dos orixás, manifestos nos ciclos internos da vida do
univeso e d nossa própria vida na Tera e fora dela. Dessa forma, todos estamos  ennerg
or:: uxo da e
Amor  crri
rgiia c iv e
ittiv  reenovad
 e r ador so,, e
iveerso
 noo un iv
oraa n  em  eegên cia
 d 
manação d
submedos a esse pncípio enquano esivemos na polidde da dualidade enre Cisis o.
as forças.
forças. Quando saímos dessa realidade e nos fundimos a Cristo em consc iência, ress.
passamos a aua denro de um modelo atempoal da divindde mio da FONTE Renovaç
enov rooca de ci
ão:: r
ação loss à medid
cicclo quee oco
idaa qu çãoo das eap anteririoore
eraaçã
ocorrre a su�er
 bé
bémm é  um
 é u ma e ennergi
i d ecoore
 dec amadu
amoo r, am
 doo am
ennte d due meento e ace
em ce1a  doo novo.
1aççao d
QUE TUDO É
A questão ente o bem e o mal é um eferencia entre uz e ignorância, que eseejo
Des proomov
jo:: pr ovee o i im  voontade de a
mpulslsoo, a v  ain objeetitivvos e mets.
inggir obj
todos os povos em evoução passarm no decorer consciencia e isso representa itaali
Vit liddade: impuso gu
guer eirro de con
erei onqu sáácu
rarr os obs
tarr e supera
quisista loss na
culo
um movimento muito forte no processo das eis universais da vd para todos no  m in a.
hada.
inhad
universo regene, onde os princípi os e tronos de cada hierarquia auam p granti
o equilíbrio da sustentação
sustentação ds galáxias, que compõe o nosso univeso local Nebadon O Tron onoo de Ma aórór Yê está rela laccioionnado co com m a en eneergi fem in inii na do d eseo e
dentro do superuniverso Orvotón  sen suaaliliddade, aque
ensu uell q u e g er
er  o i m p us
u s o q u e g era
er a o m o imen
im enoo,, p oém ee �
asc
as c u 
_
n a  de
 d e M e ho
ho   Ye , qu mu_ as ve es e
pen d e ne
n e d a e n e ia
rgia
rg de v ita
it a lid
li d a de m :  .
ibuuido a
 ib  a E Exu Vamoos e
xu.. Vam tuddar m
 esstu  me eor e  essse coconnceiioo, pois ee e  a l l a  d  reegena
 dee r
TRONO DA VITALIDADE E EXPANSÃO mais e eeemp poos, á que au uaa no
ra o s es suudos em  n n c cuuzada co m o s de dem
O unverso é um ftor de expansão, e udo o que esá inserido no mesmo está essenvo
e volvlviimeno p síq
sí q u ico
ic o emo
em o c ion
io n a   de
 d e  qu
 q u a l que
qu e r  se
 s e r  u
  u m ano
an o .
se expandindo para atngir uma nova eapa na evolução e no desenvolvimento das ibuuídos a O
 arib  Oxxu m e a Oxumar arêê sã sãoo im impport rtaaneess no
no e ennd imeno
 enne
energias relativas à condição cocriacional de cada alma. Os desdobamentos que Os tro ronnos a
oss c
o iclo
 cic  quue a v
loss q  vid
idaa m a n i fe s ta;
ta ;  es
 e s ses
se s  cic
 c icll o s p o d em ser
se r  es
 e stud
tu d  d o s  at
 a t é  pe
 p e a rollogia
asttro
as
partem d congução
ução das supramônadas, mônads e do própío conceito do Eu ia,, que demonst t c coomo os ast stos e    c caaba at atuuam e m fa s es d : ci loss,
cicclo
c umeeol
num oloogia 0

em inddo que nova


mititin vass ene negias e s itituuaçõe s s e m a nif
ni f es
es  em e m n o ssa
ss a c am
am  ad
a da ,

138 139
o fgo omo

-1a realidade ast ral inferior negativado a evolução pela dor e carma C1Ja uma dessas nfraimensões epesentam eaidades de evoução o
-2a astral mais denso, umbralino de sofmento e bsca da verade   ç, conforme o foco das amas nea contidas. A onda de negativação
-3  mbral denso de mta conusão e medo ' L!a p��a e�ne em sua trajtóra d ia enaada, aaba por ser
-4 mbral denso de ód io, sexualidade e arqép os mito negatvos;
a
 sutante dieta no processo das ondas do pós-vida, pos os corpos stis de
S a mbral dos impérios dos sentidos e maplação do pode e mentra;  pessoa acabam armazenando as informações atômicas e subatômicas em seus
-6 impéro da fé e fanatismo negativado dos ajos caídos; I  ns, o qe denominamos de memória quântica Assim, os corpos emociona e
-7a impérios egentes umbalinos n tergaláctcs do Anticiso;  ta infeior estão impegnados das informações de ressonância da vda encanada
J ssa pessoa sustento, então, no processo da morte, essa ressonância cooca a
la na reaidade vibraciona que meho se adeqar à sua vibração Disso sugem
 fradmensões qe reatamos acima, e as diversas readades, impérios e cidades
Dimensão q� neas eistem.
Extensão csmica
Fonte Primordial o estdarmos as nhas cruzadas dos oriás reativos ao od e à congação
TETA controle 130 Matriz externa de manipulação do experimentos em  TETA)
� ica do se humano, vericamos qe a evoução eiste em todas as inhas,
Confederação 20 eseras de controle da Matrix de TETA básico) smo na nha dmensiona negativada, que aparentemente sea de voção Só
Confederação 1 10 (divisões e Orixás de luz estelares) . xste invoução se a ama assim o aceitar e entrar no processo de autodestrição;
Confederação 10 (divisões própias de esferas supeores 1  VIbrações)
Ascensão 90 1d ando sso ocorre, a forma sica e emocona desse se é autodestrtiva e acaba
E USOU 80 9d 1d po ocorrer a defomação. Essas amas eistem e não são poucas, porém foi ma
Orixás (diversos) 7D 8d 9d 1d ha reaizada com base nas crenças e nas attdes ue ees escoheam Aqu o
Extra Terrestres 60 7d 8d 9d d
Astral alto 50 6d 7d 8d 9d 1d ( :nseho acata e deia qe essas amas entrem o processo de atodestrição até
(Astral) 40 5d 6d 7d 8d 9d 1d [e seam desintegradas dos amentos de sstentação do Eu Sou que as crio na
(TERRA) 30 4d 5d 6d 7d 8d 9d 1d lha tempora Em agns casos o Comando Tempora do Comandante Yashami
Atómico 20 3d 4d 5d 6d 7d 8d 9d 1d
2d 3d 4d 5d 6d 7d 8d 9d 1d . a  uda e busca everter a sitação, qando assm é soicitado peo Conseho do Eu
Atómico 0
 e dos Troados.
Frequência vibracional (d) densidade m olecular (7 ou  ) escalas pa ralelas. Quando ma ama está negativada ao ecesso, pode entrar em m processo de
Dimensões de -10 1d 2d 3d 4d 5d 6d 7d ropia negatva e de invoção, o qe é raro , mas pode ocorer; isso ca reservado
Ordem Umbral ina 20 1d 2d 3d 4d 5d 6d 7d \s nveis mais densos entre a G e a 7a nfradimensão, e dento de ses sbníves
Portais com os -30 1d 2d 3d 4d 5d 6d 7d
Mundos não 40  d 2d 3d 4d 5d 6d 7d  de a ama pede a foma e a egrégoa de uz, acabando por de sintegrase, chegado
Confederados e 50 1 d 2d 3d 4d 5d 6d 7d ;\ 2a morte o em agns casos etemos, à 3a morte, c onfome a determnação do
Em exílio como -60 d 2d 3d 4d 5d 6d 7d
5d 6d 7d
( onseho Cármico e dos tronos temporais qe vigiam essas amas dentro de se
A Terra 70 1d 2d 3d 4d
ocesso evotivo o nvoutivo
Aqui tenemos 49 realidades um bralinas de coligação aos m périos �stelares que não Poém, isso é m acontecimento ao, já qe normamente o tempo no qua
pertenecem ao projecto de Cristo e usam a e nerga de forma negativada.
ma ama ca dentro das in fadimensões em estado de an imação suspensa de sas
Aqui existem Universos própio s, planetas e labora�orios de manipu ação de tecnologa lusões é de 2 a 4 cicos soares. Consderando qe cada cco soa possui cerca de
para controlar a humanidade e outras formas de vda. 26 mi anos, temos um fator de tempo de 26 mi  a 1 04 mi anos de umbraidade

LDERES DESSE PROJETO: GRAYS, DRACOS DRACONIA OS XOPATZ SGS, l' ejeição da ei Como em cada cco e dentro dos subccos, q e são regdos peos
LU MNATTS AURN S MERKAB AN OS CTRAKS R GEANOS  ONARHAS atares e peos raos das chamas sagradas a cada 2 mi anos, é possíve, dentro desse
ANHOTAK SATÁ (nem todas essas formas de vida sustentam essa energa e postura) ocesso de ondas de energia, modca o estado conscienca de mtas das amas
Ue estão no processo de negatividade, e o processo eoutvo, mesmo dentro do
mba, acaba por ser assegrado para a maior parte das amas rebedes.

146 147
Lembrado vocês que temos 1 44 frequêca s de umba no cotexto de ' l : .1
das 2 1 gaáxias qu e se relacioam  com  outros superui ersos, mas ii cialment  RONADOS DO ORIX REIKI MAGNIFICADO
proposta do Oriá Reiki Magido e da CQ, auamos ap a� com u mb 
É fudament a eteder a relação ee div dades extraterre stres, humano
c
outros seres em evolução que cometiam e aida comete erros, pois estão ape den US TRONADOS OU EXECUTORES DA LEGISLAÇÃO
a cocriar da mesma forma que ós aqu a Tera. A percepção equivocad a da dualida
evou uma grade pate das civilizações das fedeações a cometer erros a utiiza  ·os algus Troados mas coecdos que desdobram outras entdades que
da geética e de outras fomas d e pode sobe os mais fracos, gerado a ssim u  w a eles e normalmete são do total desconecmeto das pessoas, o que gera
u r mstéro sobe como trabalha as etdades lgadas aos exus e lebaas. Todos
dualidade desequili brada e mal estruturad  em muitas sociedades,  como ocorre co
a ossa desd e que temos regists hstórico s. Uma gade p ate dos nossos m s relaconados que colocamos aqu são resposáves pelo desdobrameto
que marcaam pe a profudidade de suas mesages relatam a poaridade da luz cação da le dva paa cada poardade e dmesão a qual atuem. Todos
l'
7 r parte do Acorameto da CQ e do Oxá Rek Mag cado, ex stndo um
das trevas peo poder dese freado, como por exemplo  a saga Star Wars , O Seho
dos Anéi s e Avatar. stas são amostas que estão eaizadas em ossa coduta  o anda maor ão revelado de etdades.
t'
memória há milênio s.  REI > Arajo Lúcfe e seus escravos  umbada

Temos registrs histórico s de seres como Belzebu, Asmodeus, Sataás, Sabat  ORA > Arcajo Lúcfe e seus escavos  cadombé.
Lilith, Yave, Jeová, Melchizedeck, Laoadec k, Mudock, Marduk e tatos outro HROKE > Arcanjo Lúcfer  Troo dreto  candomblé  Cofederação.
que epresentam sees celestiais ou umbaios , que o passado estiveram o Jardi NRUAS > Star Rog da Federação de Síros.
_ _
do Eden e, por motivos desconhecidos acabaram caido e atuando na Rebelião. ABO > Yako Ha  da Federação de Oo .
 A MUNDO > Sas tru Om Petek da Federação de Síros Beta.
Aalisado i sso e otros regis trs, cocluímos que a duaidade e as escohas de RI > Yebeah Sarbetha da Federação de Plê ades 
cada um a sua tajetó ia iuecia ram outas pessoas e sustetaram uma iusão na GUEIRA > Cadosh Aquar do Comando de Betegeuse Oro
qual os seguidores e comadados "etraram de cabeçà', gerando resposab ilidade E ENCRUZAS > Asera Raban da Federação de Tolma, Alfa Cetauo.
por suas próprias relações cám icas, da mesma fo rma que ós aqui a Terra também .UDO > Astar Nyoln I I da Federação de Síros Afa.
fazemos, detro da s ossas li mitações de pecepção. > Thaderha Omare da Fedeação de Síros Alfa
GUE NOI > Ramaum Cobaha Ta  da Federação de Síros Beta
No caso do estudo dos Tronados da falange dos Exus Troados, que são seres que
:EIRA > Yogoar Sharan da Federação de Mtaka  Ó ro
orbitam a realidade de 5D a 8D, esses represetam os executores da ei e intecâmbio
DO > Naor S usma da Fedeação de Ó ro.
entre as hierarquias superiores dos mestres ascesos e as faages mais desas do
7 STRES > Naymar Om Rack da Fedeação de Caopus.
astral e mesmo do umbral, que por sua vez, comadam as divesas falages de exus
 > Roah Poars da Federação Adebarã Touro
e pombagir as que conhecemos. Muitos de les são conhecidos por omes pejorativos
TEMPO > Caya Agor da Federação Tolma n, fa Cetauo.
e po omes bíbicos o u sagrados, cofome a eligião qu se estuda, o etato,
TROVÃO > Ayelus Dagor da Federação Caopeaa 
estão presetes  em todas as reigiõe s, como dividades de cotrole da evolução e do
U DO OURO > Poloar Ramashd da Federação de Altar.
cumprime to da lei  maior.
?VULCÕES  > Yagor CoraysBel da Fede �ação Daco
EXU BRASA -> Haeya Hoosh da Fedeação de Aqua
EXU DO FOGO > Drobha Quaesh da Fedeação Vega/Lra.
EXU C > Erisko Shr d Fedeção Ril-Ório (vo do E Cavera).
EXU TIGRE NEGRO > Raya Shantor da Federação Leão (R.)
EXU MBA NEGRA > Toea Boreal s da Federação Auroa Boreal s
EU CRUZEIRO > Rachor Canars da Federação Mmosa - Alfa Cucs
U DA PORTEIRA -> Sana Ogera ba da Federação Antares de Escorpão.
EU VNTAI > Calohy Geas da Federação Ala

1 68
169
essa liha de
troo é muito impotate, pois ea pemte acesso às 9 fequêcas do ubal c .tm rliJd testre. São pocas as pessoas o momet o que possuem
do as que a possuem têm forte ligação com o plao
desdobramentos que exstem além desses 49 unversos O comadane Shot l'  do e sua regêc ia contu
roso de despe rta e a coplame to de noos mentoe s e s eres
um importante ponto de igação om e�st tro pos ee i  a fêa pa   Mclu c cMau un
 exigido de cada pes soa
poder ajudar nas pesquisas e trabalhos de limpeza paetáa  hiearquia da Federação e da Confederação o que tem
stes iternos profudos.
Mutos desdobamentos de impezas pofudas são consegdos com a aj1 seres que
do Exu do Lodo poi s ee pode penetrar em fequêcias his tórcas da Terra, desd .1 Relacionei alguns dos nossos querido aigos Tronados e Coroados,
imeto da humai dade existindo
sua conguração há bilhões de anos o que pe mite acesso a registrs aáshcos  ustetam tarefas fudamentais no desenol
em outos mateiais  Temos agoa que e as ossas
apeas das pessoas e etidades mas também dos outos eos e do própo históriw ida outros que relaciono
acerdotisa s ou Leba ras (Pom bagira), q ue são comple entares à energia dos
do plaeta. migas s
xus, como vmos no estudo das linhas cruzadas.
podemos
• EXU SETE ESTRELAS ·> NAYMAR OM RACK DA FEDERAÇÃO DE CANOPUS Nos estudos oferecidos pelos diesos autores d a linha de umbanda,
das inhas de atuação dos
cont ar as seguinte s descrições eativas ao cotexto
O Exu Sete Estrelas tem uma linha direta com o Caboclo Sete Esteas po� às linhas dos mesos; obiame nte que
xus com os Orixás m aiores referentes 7
candomblé,
são desdobaetos de um meso trono aio que ata sob a superisão do alt este ponto exi ste diferença s co as descritas pelos babalorixá s do
comado canopeao e siriano. A coelação das 7 estrelas efee-se às 7 picipa difeencia da, mas tam bém
ustamente pelos fundame tos serem entedid os de forma
estrelas de Plêiades, as també às 7 estelas do coando mao ete Plêiades maneira s erem co o base par a estudo
existem aspectos c oincidet es De qualquer
com seus
Sírios e Canopus, que sustentam u importate tabaho de eaidades paaleas. e aaliação das próprias espostas que ocês buscarem na jonada pópia
Este Troo tem relação com o intercâmbio de iformações e taefas em outros guias e orixás pes soais.
Tonos, que estão sustentando os trabalhos das federações e da Confedeação no
âbito terrestre e dos outros udos em exíio No entato, este Tono possui a EXUS NAS SETE LIN HAS DE U M B AN DA
Terra tarefas diferenciadas pois ele atua jut o à li nha de estres e diindades para Exu
poder ajusta o campo enegétco das difeentes dimensões e estutu ras gravtacoai s. Linha de Ogum: Exu TrancaRuas das Amas, Exu TacaRuas de Embaé
e Encruzi lhadas Exu Sete
A sua complexidade é grade pois ele atua ais a parte sut il da espiritual idade do Tanca-Ruas das Sete Ecruzilhadas Exu Veludo, Exu Set
que nas esferas mas desas da Terra e do ub al Embora ele p ossa atua nas esfeas Facas, Exu Mangue a e outos.
umbralias a sua função é picipalmete no âmbito da política interestelar da s
Linha de Oxóssi: Exu Marabô, Exu Tronquei ra Exu Manguei ra e outro
operação resgate dos outros troos e de suas frequêncas na Tera, portanto ele atua
Exu
ais coo um gerencado de frequências e polítca na espi itualidade terestre. Linha de Xangô: Exu Marabô Toqunho , Exu Labareda, Exu do Lodo,
Peda Negra e outros
Po ser um troo e u cago que adinistra diversos aspectos da colonização e
a
da política iteestea e iterpanetária da Fedeação de 3 impéios extremamente Linha deYorimá: Exu Caeia ExuTaa Caera, Exu Sete Coas Exu Baaneir
importantes do setor de Satânia, este trono acaba iteragido com diversos outros xu Mola mbo, Exu Sete Porteira e outros.
tronos e situações do ubral e da espirtualidade teestre que por sa ez tem Exu Sete
envolieto com a cooização e pesquisas com a humadade e suas foras de Linha de Oxalá: Exu Tiriri Exu Veudih o, Exu Gira Mundo
Encruzilh adas e outros.
ida. Aqui residem aspectos delicados, p ois os Comandos Esteares estão procurando
atua de forma a conseguir desenvoer uma audtoria mais competa em parceria Linha de emanjá: Todas as Pombagas.
co os outros tronos que estão deseolendo suas funções na Terra
Linha de Yori: Todos os Exus mris.
O too de Sete Estreas diigido pelo Comadate Naymar Om Rack, está da
desenoledo trabalhos com diversas pessoas poré a maior parte o plao do Paa um melhor entendi meto passarei agora às sete linhas de tabalho
incosciete, para atavés do processo de tansmigrações psquicas dos corpos Umbanda:
criogêicos, poder atua com maior dinâca junto a seus discípuos e canais na

1 89
188
da roda de samsara encarnacional Portanto ese troo juda  soucoar st<H �  r r da e dvin a no que se pede para que possam alcançar uma si ntonia
este contexto e a minim izar os contos soc as e resges cármcos famlares  a

• ROSA RIDENE -> RANYA MO BARA DA FE DRAÇÃO DE AAIR VIÚVA NEGRA -> ATIMA KONALHI DA'FEDE RAÇÃO DE ÓRION (M 78)
Out ro trono colgado ao poder das sacerdotisas junto ao Trono a Rosa represe   .bara de cemitério e encruzilada s que ajuda a despachar e ntregas de c ura e
um outro aspecto, no qual o tridente é uma importate ferrameta de rabalo  ra de magas na lna de pombagira. Possui conexão com a lnha insectode dos
espiri tualidade e dos desdobramentos do tempo e dos três poderes da espir tualida' ídeos e da frequênca xamânica, que essa ara na sustent a na magia e no foco
O Tridente é uma ferramenta mágica que abre portas nterdmesonais e at d ncestralidade familiar e c onjugal. Pertence às antigas guerreras do seor estela r
na na da trindade e do tempo, permtndo remover obstácuos dos cicl de M78 que possui diversas bases da polícia temporal de Óron. Colgação com
encarnacionais de cada um que esteja solicitando a sua ajuda áros comandos estelares e projetos de universos paralelos entre aTe rra e os planetas
p rféricos do sistema solar e de Sírios . Por pertencer ao setor M78
dversos mundos
Ranya Mobara pertence aos grupos lderados pelo Arcanjo Sandalfon, no êxo  Órion responde m para este trono portanto a  Viúva Negra atua em um malha
de algumas raças umanas d a estrela de Altair e de Áquia, que cegaram na Terr d fractais da espirtualid ade e do umbral, por ter um passado que faz a li gação entre
á mais d 45 mil anos e seguiram o seu desenvolvimento evolutivo, mas que passo dos os mundos subordinad os à estrutura de Órion dentr o do tempo e espaço.
dentro da espiritualidade a orientar e efetuar os ntercâmbios com os outros tronos
das sacerdotsas e da divindade Aqui existem fortes ligações com o te mplo int erno de
Shambala e Agartha no qual os grupos de Altair tem crpos em estado de criogena •SETE VÉUS > RONA PUR AKARA DA EDERAÇÃO DE ANDRÔMEDA
e mestres atuando n a Operação Resgate Lebara que representou o foco de in teresses dos grupos da galáxia de Andrômeda
Sandalfon é um companero deste trono de sacerdotsas e as protege pelos o passado e que fazem parte do Conselho da Federação junto aos grupos que estudam
esforços que o mesmo desenvolveu em guardar o sagrado da trindade e do arquétipo s civlizações em desenvolvimento tecnológico e psíquico Rona Pur Akara é um
femin ino j unto a mui tos povos do passado da uman idade A cabala indica Malkut embro desse grupo e atua junto as outras lebaras, em 7 n íveis psíqucos diferentes
c nos desdobramentos da espirtualidade terrestre Teve envolvimento nas escolas
como um dos centros de poder da sicalidade justamente por ser um centro de
nterli gação entre diversas realidades dos extraterrestres e da umanidade c om seus erméticas do passado da umanidade e sustentou relações com os povos etéreos
antgos templos, sendo que os templos da espritualidade e das sacerdotisas eram os de cidade telúricas, que passaram a ser as escolas dos mestres para a umanidade
princ pas focos de intercâmbo e ascensão sta lebara atua em conjunto com Sete Saias e Padilha conforme a necessidade
os trabalos que le são solictados desdobrando-se em dmensões superiores e
nferores para abrir os véus da conscência hum ana e esprtual.
• KOONDRINA -> MARUANY SHERANIS DA FEDERAÇÃO DE PÊIADES (ALCÍONE)
Cada uma dessas lebaras ou pombagiras como ta mbém são conhecdas, foram no
Este trono é de uma lina de guerreiras ligadas às antigas tropas do sistema p�ssado sacerdotisas solares ou lunares, que tinham uma incumbência fundamental
de Alcíone das Plêades que ajudaram a trazer a matrx adâmica para a Terra e na evolução da espécie umana e na criação de mestres ascensos que tnham que vr
que codcaram diversos genomas umanoides dentro das raças do aglomerado como seus los Este papel é pouco revelado e procuro explicálo em odos os cursos
de Plêiades, sendo que uma parte foi trazida para a Terra Kolondrina sustenta para que as muleres entendam o papel real de suas lebaras no processo mediúnico
diversos grupos de lebaras e intercâmbi o com exus para poder ajudar nas tarefas de que estão desenvolvendo O que existe, na verdade, é um grande holograma que
ajustes da espritualidade e da transção plaetária Atua junto a Exu Veludo e seus desvrtuou o real papel das lebaras na Terra Espero poder ajudar a retratar este trono
desdobramentos para consolidar uma linha de trabaho de ativação dos coroados e que vocês possam c onrmar este assunto c om as suas lebaras no desenvolvimento
em suas novas atribuições j unto ao Comando da rota Estelar e todo o sistema de dos trabalos que devem realizar com as mesmas
corpos crogê ncos que estão sendo preparados para os portais na psq ue uma na e
umbralina No passado deste p laneta, com a cegada dos extraterrestres à ierarqua d a Terra
ceados por Nan Buruquê e Oxalá, sustentaramse diversos projetos genétcos
Mutas questões de relaconamentos amorosos e familiares podem ser resolvdas e criaconas Esses seres são também conecidos como Grande Mãe Cósmca
ou encam nadas através da energa deste trono e de suas ebaras bsta saber pedi r
207
206
Gaia e Sana Kumara Ambos estavam traao na exaso dos omíi t·
esse ero os sacerdotes aceitaram um rograma de fertilidade com outros
roetos crísticos de Shambala e Agara aém as outs cides eéreas   rotes dos emais continentes e civilizações, com a intenção e orientação e
e nas realidades aralelas. Porém, a erra cou  a órbita d xáono olna d., :m lho s com um DNA diferenciao, que seria m, o fuur o mestres encarnados
�9 Feerações e incuía como laneta e exío retivo os oemas poíticos k  audar a iertar a humanidade do foco negativo dos fasos deuses A escolha
Orion, Pêiades, Srios, Vega e outros sstemas soares as imeações do setor t izaa eos orácuos tinha o objetivo de misturar os genes de diversas raças que
Satânia. erra ossuía na ocasião, cerca de 25 etnias distintas do que oemos enominar
d omo Saiens e mais 4 etni as e cicloes misturados com humaos, que eram
Com ase nesse rocesso o Co nselho Terrestre eniu que as scerdotisas da ' rigem a seres humanos co m cerca de 1 3 metros de atura.
everiam iniciar um rograma e fertiidae direciona  mestres de uz estear l'

terrestre, ara aceerar a evolução as raças humao ides e umaas resientes na Terr Ocorreram também atrocidaes geéticas que estavam sendo desevolvias sem
dese a chegaa dos fasos euses e seus roramas e coonização e escravião. torização de Sana Kumara, or arte os gruos rebedes de Pêiades, Nibiru,
ios, Vega, Rge, Merkab e Pégaso, Tau Ceti, Bor onak, Aares, Altair, Heridian us,
Isso gerou a coição ara que os sacerdotes mascuios e eminnos, através aco e outros setores do quadrante de Satânia, que estavam usando a Terra como
da energia sexua tântrica, udessem esenvover a fecudaço e óvulos co boratório e esquisas ara o avanço da tecnooia enética, em regando técnicas
elevado graiente de energia da kunaline o que deu oigem às práicas de tatr roibias elas cove nções e diretrizes das federações governamentais de então. Isso
ioga no laneta, justamente ara essoas que ão se conheciam, ois as arcerias igicava que os seres humanos e humaoies naturais do aneta, que até então
eram realizaas eos orácuos adivinhatóri os ara que udessem, sem se amar, gerar  ham vivio livremente, assaram a ser arisionados e utilizados como escravos
hos de elevao arão viracional. Dessa forma, os sacerotes eram roiidos ara esquisas genéticas ou mesmo ara mieração e trabalos forçados em troca e
e terem reações sexuais com essoas que não estivessem na mesma frequência imento e e tecnologia
cosciencial e esiritual criano assim o falso mito e que os sacerdotes tiham
que ser virgens. Caa sacerdotisa tinha o ireito de gerar até sete hos de eevado Esse rocesso marcou o m da comunhão entre a mente e o esírito ara
gradiente de eeria com um ou até com sete comanheiros distintos, conforme o miares de seres humanos da Terra e se formatou a liha umbralia da roa de
orácuo determinasse. samsara, que foi iseria elo fator meo, or arte dos deuses que exigiam ser
adorados. Obviamente que isso gerou iversos conl itos e guerras entre as diferentes
Os sacerotes tiham, ortanto, diversas incumbências aém do fato e facções esteares e os mestres da Terra, e os que  rimeiro co nfrontaram esse tio e
traaharem com os reinos évicos e estelares, ois cuidavam da educação e situação foram os cicloes, que eram descenentes a iha os eohis rimoriais
formatação as reigiões que ermitisse m ao seres humanos entender a natureza e o galácticos, que estavam na Terra ara gerar uma nova descendência que atuaria em
reseito com a mesma, aém e cuidar da evoução esiritua e todas as essoas com atamares de 3D a 5D
caacidades meiúnicas que fossem locaizaas. As religiões esse eríodo tinha m o
foco em coocar o ser humano semre em comunã o com a natureza e não destruí Os oos itores do rograma de ocuação e exoração daTerra acaaram sedo os
la, gerao assim um coceito simiar ao xamaismo, orém istinto na sua forma sacerdotes que estavam gerando seres de muita  uz e caacitação ara boquearem o
de ser trasmitio, ois toos tinham a conição de se comunicar com os anos avanço as esquisas não confederadas dos rebeles Uma grane arte esses mestres
araelos e atravessá-los caso fosse necessário. O contato com os emais reios era eixou os seus coros originais em estao e criogenia e ii ciaram uma oeração de
livre e o rocesso encarnacioal era uma oção d quem quisesse exerie ciar a vida resgate em massa ara com a humanidae a éoca, criado assim uma aiança
sica de 3D na Terra ou até mesmo as mais sutis e 4D em laos araelos com as equies da Terra. Isto acabou gerano conitos com os ruos rebeles que
consideravam a Terra sua roriedade devio a esta ; em uma órbita intermediária
Com a chegada e muitos seres extraterrestres e suas istintas formas e entre 2 quarantes e conito relativos à guerra e Orion e às diretrizes de Satã
comunicação e entendimento da evoução esiritua e tecnológica, ocorreu um
rocesso e densicação no laneta Terra, o que aos oucos acabou erano Deois de muitas guerras e disutas de oer os seres ideraos eo anuaki
o distanciamento e muitas essoas em reação ao ano espiritua, devio ao Marduk e sua equie comosta o r Leviatã, Belze bu, Caigasto, Astoroth, Asmodeus,
surgimet o de deuses que emregavam o oer te cnoógico ara gerar medo e serem Moock, Lucfugo e mais 83 anos caídos com alto  oder tecnoógico e conheceores
louvaos Isso marcou o início da ecadência da umaniade há cerca de 230 ml a legisação galáctica, acaaram or derrotar os seres de uz a Federação e os
anos emissários da Confederação, emregando armas caazes de estruir o r cometo o

209
208
� do  uxo enegéttcco o r pate do e eap
apee aa e sas entd
 daaes, san        
1 de n caçaçaa_ o dos en envvovdos e dos t  tonos qe e e  est
stão
ão acopa aos a
   ta(, poé  a nós cabe a postra de de permiti qe sea feita
feita a vontade e a
 a e
 esssa ene egga I i a á e não a nossa intervenção peo envovimento emoconal com a sitação.
ntendam qe não s  see tra
rata
ta d
 dee ma  sp spt a de poe ente e 
 oocê e a ss açã u  d o �oro�  p a. a s a� no�a enidads têm ao li bedade de
de ação e podem
traba
bah haada, mas de m ,1  der mais com ses coordenadores Coroados o Tronados aém de não nos
maa f fre
reqqênciaia a
 a s ser
er u
 utt z
zaaa q qe pe rmrm a a dar e am    
 padã ãoo e en:rgia qe esteja esa sam
môô  c coo  Qano se percebe esse p       vemos com a qestão no contexto cármico
xaa d e ex ssttJ r a
dex  a d
 dssppta e a p erdrdaa d e ener erggia, o  o q
 q e é a d i ferena e
tem
te m con hec men to e o que acre ettre aqee < J I  Mtos e eoutasentidadesdoAncorament
doAncoramentootêm condiçõ
condições
esdeatar nasencrzilhadas
reddta
ta  er
er o
 o pode. Ambas as as p
 poo a
a  d ades evevee  zer parceias
parceias com Sete Enczilhadas e isso é simp es para as entdades mas você deve
e q i b
brradas em cada pess ssoa
oa qe bsca aprende os se seggeos ds pa
M

espiriritu
tuaalid an
n os sts d . 1 ta eqilibado para pode permiti o xo de enega e troca de ectoplasma e tr seu
 �
idaade.
po eletroma
eletromagnético
gnético e o da pessoa que necessita de ajda. Ess a troca de energa e u
No
om
mamen
entte as encrzih
ihaadas são deid
idaas em mascuna o maco qndo p  ror importate a ser consderado que exige eqiíbrio e sensbildade até paa saber qal
4 ras
as,, c
 coomo n o des  pos
oss
s'' 
esen
enhho abai
aixxo, e a
e a e
 ennc
zzih
haaa êmea
, na
na qa tem
temoos 3 as  limite
li mite que você pode permitir nessa toca

REALI DADES PARALELAS


PARALELAS

Este tema é impotante para o entendimento po oto ânguo da qestão das
czilhadas e dos trabahos qe são eazados nas mesmas. A maior parte dos
Fêmea
Macho
paticantes de magismo não entendem a qestão de qe o niverso coexiste em
versas realidades em paaelo.
Todo trabalho de fetiçaa possi um uxo de negia qe foi projetado
pela formapensamento do executor e do mandante qe atva ementais. �sses
ementas possem ma estrutra mto impotante qe nomalmente e do
competo desconhecimento dos sees hmanos. Podemos denr a eneg� a intena
de m ementa e dos gênios da natreza como sendo sstentada atomamente
atavés das subpatícuas do átomo. Os centistas denem essas subpartíclas como
Essa con onddiçição
ão é coconnssddera radda o comum, poé ém m podemos encontra os tijoos da natreza.
onde mais ras sr ja rarr sisittuaçaçõõe�
jamm, porém o piinncíp íp o co
conntitinn a seno o mesm smo o , e c a d
desdoba 7 pat ataamaes de en a  Poém a matéra é enegia e não necessariamente palpável e sca como a
eneergia ia.. Qando o traba ahho é mo n tado n o ce cen n t ro d e ssa
ss a
encruziihhadas, o fator de d  deesdobram entendemos. Isso signica qe qando ma pessoa gera ma forma-pensamento
ameento
to é
 é a
 a s
 soomatóia ia d
 daas ruas qe pat tem
em d e ss 
núce eoo. Percebam a co mpexid idaade de m despach em m ritual de magsmo ea está constrindo m padrão de energia qe em
choo realilizzado ao ce cenntro de m agma eadade paalea do nosso nveso rec ebe essa energa e coia esse padão
rotnda com 5 ras o  mai aiss
que através do o de energia acaba nteragindo em todas as realidades paraleas
�s pontos de pode, po ex exeemplo, de encuziihhadas nas  m ediações de  m ce téio mas próximas pe a própia carga gravtaciona
são aa mais co mp e io,,
exxos, p poois signi ca outro t  tip
ipoo de pora i n ter erdd i m e n s ion
io n a l
po
oxximiiaades da energ n as Qando empregamos m ital de magismo em m ponto de força como ma
rgaa do oxá xá Omo e seus des esddobra
rammentos, al alé
é   e tod
to .
eneergia qe e
en  exi
xist
stee nas imed iações do cemttééio o de q d a encuzihada estamos crando ma fenda que inteage entre o plano da realdade
 quualqe o ouutr
troo ponto to d dee fo ça
ç a  sica dos vivos e os planos paralelos das entidaes não scas que denmos como
Todos e  ele
less possssem ex exs qe sã sãoo esponsáveisis p  pee a ex
exeecçã
çãoo das   ei s dvnas Ess
exs estão aé m do concettoo de bem o ma, do coreto o as
ex sses
es o niverso dos motos o dos devas.
u erado; ee ess tê
têm m eis a
seem c mpriridd as, energ rgia
iass a seserrem   eespachadas as e
 e e
 enn id
idaades a serem controa O ser hmano é m gerador de bósons com alta capacidade de interatividade
addas 
Qando a  aco
coppaam
mos noss ssaas ent d com todos os planos paralelos pos possi 9 copos paraleos dento da estrta
daades no Orixá Rek Magni cad cado, elas ent taa
em coconntatato
to c coom as entitiades desse atômica gavtacona do planeta Tea
Tea
sess centro
ross de poder e avaaam o qe pode s  seer feititoo
244
245
desfazer esse tipo de trabaho, na lnha e Ou e tdos os sus sbtamcn o l·\t ,1    i  ds seur na manipulação das energias espirituas . Quan�o
e das entidades que servem a esse arquétp. da base mi tar pssu c ãoex 011 is  l'  raçao para um trabalho para desfazer algo, qem d
ene se deve ou nao
diers ealõs da espriualidad sup e ier, aú de cuno  \LI' �t ao un: r ão � Fxus Cooads ou Trnad e não a pessoa que está
estruturas dos anjos caídos por parte de algumas ativdaes ligadas a SG e s J l I  ido a lipeza.
de controle pelo muno.
Aqui ocorre um esdobramento para a n a das bases contaas o as   !
sociedades secretas dos reptanos negativos e outros povs como os copa  • 
usam esse uxo e energa para espaar o controe munial. ara poer esma  •
esse tpo e entrega é necessário ser cnhecedr das esruturas ds Oxás Ma (
em seus desdobraments secretos e, entene  SGS e as reaiaes os ! c l <
neativos aprisionados na Terra. O maismo a qu, va aé do plao terres 
pode levar a reaidades de outros mund os n a época das grandes gueras estea·�
dos antios deuses.
Encruzilhada com hospita: Todo hospta é uma estrtura de cnexão e  
o alto, édi e baixo astra o que incui o umbral devd à energa de sofri1"
e à presença dos grays e utros seres negativos, efetuano pesquisas e experimew
genéticos não autorizads pela luz. Dessa forma, a presença do quadro bsess '
uto forte e toa entrega, nessa linha, pode gerar duas polardades muit fo
tanto para savar pessoas de doenças, co de levar pessoas para  outro pla
Portanto, ns spitas temos abas as realdades em uma mesma prporç:
entregas para pedir ajuda e salvar vidas e para o oposto. As entdades negati
locais, são alas penaas sedentas de sangue e ajuda, que acaba vampirizando
ítias dos hos pitais e dos eventuais trabalhos de maga realizados nas imedi açõe 
encruzilhadas. A inha médica espiritua l ajuda muito nos trabalhos de salvar vid
as também exste os seres negativos umbralnos que sugam pr cmpleto ,1

vtadade das pessoas que são seus avos.


Encruzlhada com bancos: Este é um ponto de força ut interessante, po
são reazadas entregas para ajudar na prosperdade nanceira, mas só podem s
reazadas em datas chaes para que o ux da energa ocorra de forma plena l'

pronada. ambé podem ser feitos trabals para minuar a questão nanceir;
prtanto mais ua vez entender o fundamento da energia e dos ponts ajuda .t

reaizar seu trabalho ou desfazê-lo.


odo trabalo requer o estudo e a autorização do plano espiritual superor
para que o retorno não recaia sobre a pessoa que está manpulando a energia e as
entidades. A lmpeza espiritual é um fator muto mportante para quem manpul
terapas e entidades, pois sempre correrá a trca de enerias entre os dferentes
planos. Estar autorzad pea ierarquia superr e luz sgca atuar na e e
Deus, caso contrári responderá pelo reazad.
Não faças ao próximo o que não qeres para t.

253
252
ORIXÁ REIKI MAGNIFICADO NA PRÁTICA

Condeando que cada auno de Orxá Rek Magncado pou, de foa


cent e, o eu gua acopado durante a teapa, levamo e conderação que
emtmo, medante o noo lvre-arbto, que ele e acope ao noo campo
etomagnétco, paa utlzare o noo ectoplaa para podere nteagr co o
dvíduo na teapa. Portanto, o prncpa veícuo de nteração ente a enega
ca e ul da entdade etá em noo própro uxo de energa, que é o ponto de
ateazação da ntervençõe píquca do noo amgo eprtua O noo
croepíto perte ea conexão, devdo à qualdade de fatore que cada u
e nó acuula no proceo do deperta medúnco.
Toda a terapa podea pemt ee tpo de acopaento, poé, o
reconceto com a nha de orxá e ua entdade, acabaram po crar uma gande
arrea Meo no Rek tradconal ea entdade extem e poderam nterag
om aor capacdade e poder, e a foe petdo Ma abemo que ea
tuação não é aceta, o que cou ua muraha. Em noo cao, dede o curo
e CQE, explcao obre o Ancoraento e a obrepoção do noo amado
ua eptua em noo trabalho, e terapa e no da a da para poteção e
roperdade.
A eença do gua no O rxá Rek Magncado não é ma excluvdade, apena
tvamo a ent dade que cada aluno pou c om o Coroado e Tronado da efera
a Orde Santa Eealda e dea herarqua da eptuadade, fazendo co
ue o gua pa em a etudar co o Cooado e Tronado O proceo de etu do
era a condção de acenão da noa entdade que, normamente, poue o
eu contrato reatvo ao dogma lgado ao eu p roo encanaconal n a Terra,
a mema forma que nó e noo poceo tereno.
A Orde Santa Eerada, Santa Ametta, Coando Etelar, Conelho Cámco,
onelho Melchzedeck, Conelho Tronado, Coneho Cooado, Orde de Aruanda,
dem de Agad, Orde de Mateya, Ode de Oxumarê, Conelho do Cacue,
rde de Malta, Conelho Eohínco, entre algun do ma conhecdo, tods ea
den e etrutua repeenta dferente frequênca de uma ema hearqua,
onfore o grau denonal e ua nçõe em reação ao paneta Tera
Ea heraqua etão ajudando no deenvovento evolutvo de toda a ala
ue o planeta pou; além do unveo humano, nete contexto temo a readade
itra terena, ntaoceânca, telúca, ubaln a, paaela e obta. Deta forma,
o proceo do depertar e a Operação Regate deenvovem a etapa neceáa para o

to concenca e quântco panetáro, em cada efera denonal e concenca 

255
Rodrgo Romo Orxá Reik • Cexão Divna

rteçã em sso oca de traah   mesmo nas eas 7s a soiitação :H humaniae, ajuano na absorção a energia estelar e codicação os Mestres e
Poto Base, que susteta a energia e eimina os mgos e bsessores dos oss Orixás nas esferas superiores
clietes ou as ossas resdências.
49     : A proteção e sustentação, em
Para a maor parte as questões e oro terrestre, a energa e as uacaçõ ha cruzaa, esses Mestres com as emais lihas, ocorrem para ajuar na quebra
o Ponto Base são muito importates e resultam em seres com ata capacia· e cotratos e na nossa ascensão pessoa, à meia que utzamos e pe mos a aua
para resoerem situações em pouco tempo e atuarem os mas versos pan os mesmos.
eergéticos . . Portanto, é uma ferramenta idspensáve em osso tabaho, tan 
para aquees que querem reazar uma terapa, como p ara proteção e abertura de se     : Toas as ihas e oriás, além os
própros camhos pessoais. 16 cohecos a Umbana, e também etram as outras qualiaes aém os ão
conhecios, que os cooca em uma lista e aproximaamente mais e 400 Orixás
 : Aqui temos outras ihas e seres muto importantes, q atuantes n a Terra.
possuem outro tipo e abrangêcia poltca nas dersas realiaes a Ter
aado iretamente com o Ponto Base. Na erae, ambos se terlgam e troca 72     : Caa ser humao tem, em seu nascmento, a
atrbuções, conforme a necessidae e as questões a serem trataas A abragê proteção e um os 72 ajos da cabaa Hebraica, aém dos 72 omes e Deus, que
este grupo é fuamental para interação com os istint os grupos a espirituaia são também importates protetores.
na Terra, que se procura ucar através o coceto e Frateriae Esprit :Estaequipeéfuametalparaoeseolimento
Terrestre, oe ersos tronos e etiaes dos mais versos países e nhas esú a ossa evolução em dreção à Ascensão e a quebra os osso s contratos e feitiços,
buscano a uicação para mehor trabalhar com a humaiae, que busca e aém e ar muito suporte as terapas. Entram muitas entiaes e iersas nhas,
coexão espirtual e o aprenzao com as esferas suts. neste ponto, q ue é bem compexo, pois i mpca em qualidae a iha Tempora.
Neste grupo poemos citar os amaos Pretos vehos, Caboclos, Ciganos, Po   : Uma equi pe de Mestres o Coseho Galácti co e os Uiersos
os Mares, linha do Oriete, Boiadeiros, Cangaceiros, Erês e outras lihas e" Locas, que representam um Conselho Eoutio (Cármco) maior, que estuda os
segmeto. Toos estes atuam em liha cruzaa com o Ponto Base, o que oferece  contratos e a resolução dos mesmos  Aqui , entram os Mestres Troao� Galácticos,
ntercâmbio fantástco entre as di ferentes ihas , para caa si tuação a ser trabah  Mechizeecks, Voronanecks, Goroandecks, Portão dos Dias e Ultimos os
pea equipe o osso auno. Das.
 : Normamete, este grupo temos as equipes da iha mé  >�    : São estruturas de proteção e projeção
espritual, como o Dr Bezerra e Menezes, Dr. Fritz, Dr Aerowalo, Dra. PatrÍ  multiimesiona, baseaos a geometria sagraa, que esamos em nossos outros
Dr. Wesley, Dra. Aacleta e muitas outras etaes gadas a caa continete 1    cursos, partno a CQE e o Métoo Melchizeeck e Voronaneck, além o
qua atuamos També atuam em i ha cruzaa com as outras ihas  para pod'  p Grae. Algus pontos e símboos este liro possuem o mesmo princípio de
ajuar na resoução as situações que aparecem as terapias. Toas estas eq roteção.
respoem à Orem Santa Esmeralda, e caráter estelar, ligada ao amao M  
Hlario e Shia Hama Kur que foi originalmete, o icentiador o Orixá Rt·l    : A solictação essa proteção e irraiação as esferas
Magncao aiores é para ar boa aeturaça ao nosso trabalho e à nossa evoução. Mutas
tdaes e Orixás atuam partino dessa irradiação, para toa a humaiade; aqu
   : É apresentado esse ome na cocação, pela eti   edimos que ela se manifeste para agracar a toas as entiaes que rão nos ajuar
Shtreer, urante a stoização idual de cada auno , no nal do curso e C< >I m nossa tarefa.
Este mentor é uma iha e coexão reta com a môada e o Eu Sou  e caa a  
e, por esse motvo, é u m nome priao. A partir este acoramento poem-se realizar as terapas vibracioais e também
dir proteção e prosperiae pessoa, perm to q ue a nossa nha e ancestraiae
49   49    & Ô  Temos aqu os 49 Mestr q t  ssoa possa se expressar e partcipar do nosso a a da e, iiciar a quebra e
controam a stribuição os 49 Raios para a Terra e seus stntos re ios.      tratos e muança em nosso campo vibracoal .
rao atua em iferetes panos da rraiação a espirtua dae e do cosc   

260 261
Rodrigo Romo Orixá Reik • Cexã Dvna

OM MARABÓ

Figura 44 - OM BARAKESAN

Em nossa proposta no O rxá Reiki Magnicado, os Barás nos ajudam a proteger


e atrair a prosperdade para nossa casa e trabalho, além e proteção combnaa
com outras entiaes de sua linhagem Os outros exus atuam em conjunto com
Baraquesan sempre que socitado; para nós ele auxilia na abertura os camnhos Símboo empregao para fazer o ancoramento do Tonado Marabó como
na proposta da terapia e manutenção do uxo de clientes. Normalmente além  chefe maor de falange de todos os Exus Marabó. Esse ancoramento está gao
símboo temos que ancorar um ponto de escarga e troca e ectoplasma com est diretamente com trabalhos e limpeza esobsessão e resgate nas mais profundas
entiae, no local one se reaza a terapia camaas do umbra. Também faz a conexão com os níveis mais  elevaos e
comando e Marabó para desfazer manngas trabahos e cemitéro e quebra e
Ele possu a capacdade e abrir portais entre as realidades para permit ir o ux demanda sempre na frequênca e Marabó e e seu compemento femin ino quano
da energia positiva ou negativa, motivo pelo qua as 3 echas, na vertical inca necessário O Conseho Cármico também tem conexão direta com esse símboo. O
a troca de energia em ambos os sentidos, igad os aos tridentes. A nha de cemitéri amado Marab ó atua em outras r ealiades não só como exu mas como mensageiro
está incluía j ustamente peo aspecto de ancestra iade das pessoas nas terapas q e elevaas frequências na s esferas dos orxás e os comanos estelares, onde temos
são realzadas a reaiae os Mestres Ascensionaos 
Ter um Baraquesan é uma conição icil, pois eles escolhem as pesso Portanto OM MARB Ó realza uma conexão co m o aspecto mas elevao  a
portanto este arquétipo somente se realiza na vida de uma pessoa quando ela poss consciência de Marabó nos diversos graus que ee atua além da frequência de exu
merecimento e assume um contrato de conuta com o Trono de Baraquesan p que normalmente se c onhece Como j á foi comentao os Tronaos poem at uar
o resto de sua eterndade. Mesmo após a ini ciação do Orixá Rek Magncado elt- em versas reaaes empregano ou tras ientiaes quando necessário
cooca o aluno em tes te urante peo menos 2 anos até verica r se essa pessoa é dig 1
ou não d e sua parceria O Tronao Marabó é um grane e poeroso ser que atua em iversas reaidades
e possui realidades paralelas em outros munos fora o orbe do sistema solar: mas
Nas questões empresaras é possvel realizar uma parceria com as entdades th com consciência na frequência estelar e Shianon onde ele atua como um ser lgado
Baraquesan e a i nha de exu Tranca-Ruas Sete Encruzlhadas Marabô Peda Neg1  ao orbe dos Serans e Elohins, no espectro os Sete Raos seno o padrão o vere
Lodo e suas respectivas pombagras, ciano uma sustenação forte e exvel 1 e roxo um dos focos mais profunos e sua atuação. Mas está presente em outros
ant er empresas e negócos em funconamento. Toavia iss o requer conhecme w� focos mportantes, con forme o trabaho qu e ee tenha que desenvolver.
ais pronos para a realização desse contrato e sustentação. Essa proposta n .I
servada somente para os ini ciados no candombé e na umbana N o que efer s A sua relação com as matas e com Oxóss é forte por atuar no processo évico
,\ rixá Reik M agnicao podemos apenas nformar para auar na busca  1
da Terra e como guarião os ementais a Terra Ele seus companheiros e seu
a roota tem outra conotação. compemento divino têm um vasto trabalho de cura e recuperação conscenca a

294 295
Rodrigo Ramo Orxá Reki • Cnexão Dv

huanidade ue vai aé do que ormame e  edido ee os cetros esrituas ser removdos. se poto pode ser feito sobre a pessoa, projetado metamente ou
por não se ter copreesão da grandeza e força desse rão mesmo riscado com pemba ao redor dela e, fazendo  a solicitação dessa hierarquia
ara audar o processo.
SETE FLECHAS
OM CLAUNECH

Figura 46 - SETE FLECHAS


Fgura 47- OM CLAUNECH

Neste síbolo teos a eergia do caboco Sete Fechas que atua na frequênc
de Ogu e Oxóssi e pode ser epregado no atendiento de pessoas quando fo Símbolo envado por Pedra Negra,  um irmão que atua tanto  na frequêcia de
ecessária a quebra de deandas e desobsessão Este arquétipo trabalha co  caboclo como na de exu, coforme a necessidade do trabalho a ser realizado Em
eergia do exu Sete Encruzhadas e está relacionado a diversos asectos das falage� muitos casos de magismo, temos solicitado ajuda às suas  equipes, que têm  dado
que atua co o núero 7. assistência para remoção de miasmas deixados por ex-funcionários em uma empresa,
por exempo, junto a aspectos geopáticos. A mudança de polaridade, na frequência
Esse síbolo pode ser tiizado coo ponto rscado que pode ser usado co
entre caboclo e exu, permite dedobramentos bem compexos em planos paraelos,
pólvora branca para ajudar o deserolar de aspectos de iveja oho gordo rai
desde o baixo astral até o profundo umbral, fazendo parceria com as equipes coroadas
e al agouro direcionados à pessoa que está sendo tratada. Por se tratar de um
e troadas de Marabó, Traca-Ruas, exu Re, exu Coral, exu Veludo, exu Arraca
age de cabocos a utiiação de ervas de ipea coo arruda aecri g uié l'
Toco, exu Pimenta, exu Brasa, entre algumas das equipes que já conrmaram parceria
afazea é bastante cou. O caboco Sete Fechas possui conexão co as at
co o exucaboclo Pedra Negra.
pedreiras cachoeiras tendo coo ponto de força as clareiras as orestas
O seu ponto de mistério envolve desde as orestas até a linha de cemitéro,
Quado recebi este pono foi-e dito que os caboclos desta faange atuam em
o que  gera uma ampla diversidade de atuação e sustentação  para remover os
stoia co Oxóssi Ogu Oxu e Xangô confore a ocalzação na qual fo 
feitiços e quebrar as demandas, além de ter parcera com o exu Ecruzhadas para
utzado e chaado. Mas nas terapias de Orixá Reiki Magicado a sua prese
aprisionaento de quiubas.
dependerá do chaado e da sntona ressonate das pessoas para q e as faages d
t e Flechas esteja e parcera co as deais equpes Quando o terapeuta pos Notem que esse símbolo é mais complexo, embora possa ser riscado com pemba
ste arquétio e sua lih age natural, ee pode ser u os coordeadores ju  .r ou pólvora branca Ele possui  símbolos do Reki e da CQE, gerando uma linha
e a Braca Cobr a Coral e as equpes édicas direta de sustentação com as equpes da Ordem Santa Esmeralda, o que signica que
já está ligado à linha de comando do mentor de Cura Quântca Estelar pessoal.
Ao se acorar a faange do caboco Sete Fechas podese trabahar as
 ivos ma resolvidos ode andngas, aarrações e bscsre oem facl'

296 297
 AVATARES CÓ SMICOS
(MICAH, SANANDA, JESUS)

Sananda como avatar cósmico representa um oco de luz a ser seguido


internamente por seres nos cantos mais remotos de Nebadon, pois ele atingiu
uma maniestação sem antecedentes em nosso universo local e por isso vamos
conhecer em p roundidade o que uni ca de orma tão importante essa energia
criadora de Micah, S ananda, Jesus e o nosso maravilhoso planeta.

Além disso, o autor desvenda o que é a Chama Trina e passa técnicas de


meditacões e projeções para se elevar vibracionalmente e criar um ainhamento
consciente com essa partícua divina de orma a captar, via capacidade
extrassensorial, as outras realidades de seus corpos sutis, além de ormas de
unifcação com o Eu Sou  Isso é de extrema importância porque quando uma
pessoa direciona de orma consciente seu programa, está na linha direta da
ascensão, torna-se um mestre terreno de seu templo sico
O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA

Este livro foi inspirado peos conselheiros etéreos, no sentido de


elaborar um resumo objetivo contendo as respostas a muitas questões
ainda confusas O auto pocura esclarecer tópicos ainda obscuos pea
nossa cultura materialista.

As respostas deste livro buscam desperta as chaves da verdade de s


consciências cósmi cas. No decorer da leitura ocorrerão diversos ins g L 
do processo inteno do despetar e quebra dos contratos de vidas passa
ue ainda nos aprisionam na reaidade atual

Acesse o site do autor e cadastre-se para receber os


lançamentos: w.g•·..

367
Li\ ros do aor:

•Era de 01r de Sain Gcrmain


•Confederação Inrgaia I
• onfcdcraão lncrga'  i I 

• Vntos de Úrion

• Eu Sou, A Fone da Consiênia

Cósmia
• Os xidos de Aair IV

• Mnsgens do Aranjo Migu

• Mensagens do Me sre J iarion

• omandos Eseares

• Manua de Magias  Enanos

• A Irmandade dos See Raios

• O Tempo dos 22 Raios

 Orixá Riki

• O Desperar da Consiênia

 Amor-Próprio  Asensão

• Avaars Cósmios - Miah 

San anda - Jesus


• Traado de ura Quânia sear

• ihos das sreas - rianas da

N·a Era
• A Cosogêns de Shanar

• Operaço Resgae - O Desperar do

riso nerno
• Riki OMROM ní 1

 Riki OM ROM ne 2

lmpresao e Acamnto
lmpressAo e cabfHn