Você está na página 1de 2

c  



Havia um verdadeiro temor por parte dos diversos      


grupos sociais da possibilidade do Brasil sofrer o
A maioria dos presidentes desta época eram políticos
mesmo destino das colônias hispano-americanas, ou
de Minas Gerais e São Paulo. Estes dois estados eram
seja: caos político, social e econômico,
desmembramento territorial, golpes de Estado, os mais ricos da nação e, por isso, dominavam o
cenário político da república. Saídos das elites mineiras
ditaduras e caudilhos.
e paulistas, os presidentes acabavam favorecendo
O terceiro elemento para a escolha da forma sempre o setor agrícola, principalmente do café
monárquica foi à necessidade de se fazer respeitar (paulista) e do leite (mineiro). A política do café-com-
perante as potências da época, todas localizadas na leite sofreu duras críticas de empresários ligados à
Europa. indústria, que estava em expansão neste período.

Em 30 de abril de 1854 abriram-se os primeiros quinze Este período da História do Brasil é marcado pelo
quilômetros de estrada de ferro no Brasil. Em 1868, domínio político das elites agrárias mineiras, paulistas e
eram 718 quilômetros em tráfego. Em 1889, havia cariocas. O Brasil firmou-se como um país exportador
9.200 quilômetros em tráfego e 9 mil em construção. de café, e a indústria deu um significativo salto. Na área
social, várias revoltas e problemas sociais aconteceram
nos quatro cantos do território brasileiro.

O Brasil, ao tornar-se independente em 1822, possuía Pode-se dizer que a República não afetou num primeiro
uma economia voltada para a exportação de matérias- momento a cultura nacional que continuava presa aos
primas. O mercado interno era pequeno, devido à falta padrões estéticos da Europa, especialmente da França.
de créditos e a quase completa subsistência das
cidades, vilas e fazendas do país que se dedicavam à
produção de alimentos e a criação de animais.

O início do Primeiro Reinado coincide com o início do A Constituição de 1934 havia consagrado Getúlio
período, que se prolongou até 1860, em que o Vargas como Presidente Constitucional até 1938. Em
comércio exterior brasileiro foi quase o tempo todo 1937 estávamos em plena campanha eleitoral para a
deficitário. Isto é, importávamos mais do que sucessão presidencial: Vargas pretextando futuras
exportávamos: estávamos sempre devendo. convulsões provocadas pelos comunistas e apoiado
num apócrifo plano - o Plano Cohen - resolveu
Para pagar as dívidas, o país fazia empréstimos proclamar-se ditador cancelando as eleições,
externos, solução que ia transferindo o problema para suprimindo com os partidos, afastando governadores e
o futuro. Novos pagamentos eram acrescidos a títulos prefeitos e esmagando qualquer tipo de oposição ao
de juros e amortizações. O resultado era contínuo
novo regime de nítida inspiração nos moldes fascistas
aumento do desequilíbrio em nossas contas com o que então ascendiam em boa parte da Europa (O
exterior. "Estado Novo" em Portugal em 1932, Hitler na
Alemanha em 1933, o golpe do general Franco em
1936, etc...). a nova Constituição, redigida por um
simpatizante do fascismo, Francisco Campos,
denominou-se "a polaca" por inspirar-se no sistema
autoritário do Marechal Pilszuldski da Polônia.
Simultaneamente à sua política repressiva, Vargas
consolidou a legislação trabalhista que integrou
socialmente a classe operária brasileira, dando-lhes
garantias protetoras e tornando-se assim "o pai dos
pobres".