Você está na página 1de 24

1

Índice pág
Capitulo I .......................................................................................................................... 3

1.1 Introdução ................................................................................................................... 3

1.1.2 Referencial Teórico .............................................................................................. 4

1.1.3.Enssencia Das Praticas Pedagogica ......................................................................... 4

1.1.4. Objectivos gerais das PPGs .................................................................................... 5

1.1.5 Objectivos específicos. ............................................................................................ 5

1.1.6 Fases das Praticas Pedagógicas Gerais (PPGs) ....................................................... 6

1.1.7 Pré-observação......................................................................................................... 6

1.1.8 Observação; ............................................................................................................. 6

1.1.10 Importância de PPGs ............................................................................................. 7

Capitulo II ......................................................................................................................... 8

2.1 Análise do trabalho teórico ......................................................................................... 8

2.1.2 Conferencias ........................................................................................................ 8

Capitulo III ....................................................................................................................... 9

3.1. Análise do trabalho de campo ................................................................................... 9

3.1 Descrição Geografica da escola secundária são José da Munhava ........................... 9

3.2 Historial ...................................................................................................................... 9

3.3 Corpo directivo ........................................................................................................... 9

3.4 Descrição Física ........................................................................................................ 10

3.4.1 Condições físicas da escola ................................................................................... 10

3.4.2 Condições de segurança interna da escola. ............................................................ 14


2

3.4.3 Outras condições ................................................................................................... 14

3.5 Organização e Gestão Escolar .................................................................................. 14

3.6 Horário escolar ......................................................................................................... 15

3.7 Leccionação .............................................................................................................. 15

3.7 Número de alunos por turma classe e total classe .................................................... 15

3.8. Área Pedagógica: ..................................................................................................... 16

3.8.2.Aproveitamento pedagógico dos 3 anos passados ................................................. 17

3.8.3 Documentos normativos e meios de ensino ..................................................... 17

3.9 Saúde escolar ........................................................................................................ 18

3.10 Periodicidade da supervisão e controle da escola ................................................... 18

3.11 Outras observações ................................................................................................. 18

3.11.1 Uniforme dos alunos desta escola ....................................................................... 18

3.11.2 Gabinete da directora ........................................................................................... 18

Capitulo IV ..................................................................................................................... 19

4.1 Conclusão.............................................................................................................. 19

4.2 Recomendações .................................................................................................... 20

Capitulo V ................................................................................................................... 21

5.1 Apêndice – 1 ......................................................................................................... 21

5.2 Anexos ...................................................................................................................... 22

5.3 Bibliografia ........................................................................................................... 24


3

Capitulo I

1.1 Introdução
O presente trabalho surge no âmbito da Cadeira das Práticas Pedagógica Gerais,
leccionada na Universidade Pedagógica, com a intenção de integrar os estudantes desta
agremiação na articulação da teoria e prática.

É na cadeira de Práticas Pedagógica Gerais, que são implementadas as actividades


curriculares que garantem um contacto experimental com situações psíquicas e
pedagógicas e ainda didácticas concretas que contribuem para preparar de forma
gradual o estudante para a vida profissional da qual a importância é de aproximar o
futuro professor a situações reais de ensino e aprendizagem permitindo a aplicação de
conhecimentos adquiridos na sala. As PPGs, visam colocar o estudante em contacto
directo com a realidade profissional do curso em que esta frequentar, proporcionando-
lhe novas aprendizagens, prática.

Escola é um espaço fechado que permite a realização de projectos pedagógicos


encerados no meio social que se abre cada vez mais para o exterior, esta organizada
duma maneira que condiciona a aprendizagem e que tem as suas características do
funcionamento.

Os objectivos deste relatório centram-se em descrever a escola secundaria são José da


Munhava, indicar os sectores que guiam o funcionamento da escola, a estruturação e o
seu funcionamento, ainda mais procura Identificar os problemas enfrentados pela
escola, Fornecer o número de professores e alunos que fazem parte desta escola,
identificar os níveis académicos do corpo directivo e dos de mais docentes, indicar os
constituintes básicos duma escola, descrever os materiais necessários numa escola,
identificar a contribuição de cada sector no PEA.

De referir que este relatório tem três fases a pré-observação onde trato aspectos que
antecederam as actividades, observação - inclui as próprias conferencias seminários e o
foi observado durante o trabalho de campo e por fim a pós-observação momento este da
execução do relatório. A metodologia usada para a elaboração deste relatório foi a
pesquisa bibliográfica. A bibliografia usada centrou-se em temas como, escola e seus
4

componentes organizacionais observação como técnica de recolha de dados nas escolas,


questionários e entrevistas.

1.1.2 Referencial Teórico


O referencial teórico para a construção do relatório esteve centrado nos fundamentos
teóricos das áreas das Práticas Pedagógicas Gerais, Metodologia de Investigação
Científica e normas de publicação de trabalhos científicos na UP.

De acordo com DIAS (2010:16) as PPGs visa preparar os estudantes para observar e
analisar criticamente situações escolares nos aspectos organizacionais, pedagógicos e
administrativos. Esta disciplina possibilita ainda uma vivência real no meio escolar em
contacto com os alunos, professores e funcionários de modo a criar no estudante da UP
hábitos de trabalho, de colaboração e de convivência apropriada a esse meio.

O Trabalho de Campo nas Práticas Pedagógicas pode ser realizado de forma real ou
virtual (simulada). Na forma real, o praticante desloca-se a Escola Integrada e trabalha
em ambiente escolar verdadeiro. Na forma virtual ou simulada, o praticante permanece
na UP e trabalha com vídeos de escolas, de aulas, com entrevistas aos vários actores
intervenientes no ambiente escolar diz (DIAS;2010:24).

O professor que sabe tomar decisões não se prende de forma categórica a uma sua
alternativa, ele busca muitas soluções possíveis e, após uma análise profunda e
criteriosa, vai optar pela mais segura e real (NIVAGARA S/a:16).

COMENIUS (2001) afirma que, para uma educação perfeita do homem todo precisa-se
de todo o tempo da juventude, por outro lado, os trabalhos de cada uma das escolas não
devem diferir quanto á matéria, mas quanto a forma.

1.1.3.Enssencia Das Praticas Pedagogica


Falar de Práticas Pedagógicas é falar de uma orientação pedagógica assente numa visão
de educação que defendemos e/ou perfilhamos. Genericamente, as Práticas Pedagógicas
afiguram-se como um suporte de experimentação do ensino.

Como tal, divergem as orientações que a suportam exactamente pela existência de


várias concepções de ensino: transmissionismo/aplicassionismo, orientações de
imitação artesanal, orientações construtivistas, orientações transformadoras de ensino
etc.
5

Importa também salientar que cada área de conhecimento ou disciplinar comporta um


tipo específico de Práticas Pedagógicas, sendo explorada usando recursos diversos de
domínio.

A Prática Pedagógica é definida como a componente real da supervisão pedagógica em


que decorre o ensino acompanhado com vista a elevar o grau da qualidade da
aprendizagem do aluno.

Neste caso particulara da formação de professores, a Prática Pedagógica é assumida


como um instrumento com o qual os futuros professores apreendem, na prática, a
ensinar e ajudados pelos supervisores e/ou tutores a experimentar a função docente.

Na verdade é um momento da formação destes e o supervisor desempenha um papel


crucial ao ajudá-los a desenvolver suas capacidacdes, competências e habilidades de
ensino, incutindo neles um espírito crítico e reflexivo nos contextos onde o ensino tem
lugar.

1.1.4. Objectivos gerais das PPGs


As práticas pedagógicas visam:

 Integrar progressivamente o estudante em contexto real de ensino e


aprendizagem de uma certa disciplina;

 Contribui para formação de um professor que possua saberes teórica e práticos;

 Contribui em formar um professor que saiba fazer gestão de um currículo, e que


saiba diferenciar a aprendizagem e orientar a sua auto-formação;

 Proporcionar aquisição de habilidades e competências que possibilitam em


intervenção e investigação e a pratica de projectos pedagógicas;

 Contribuir por várias actividades para formação de um professor que saiba


diferenciar o ensino e aprendizagem, gerindo de forma adequada as várias
situações de ensino e aprendizagem;

 Propor melhorias no processo de ensino e aprendizagem.

1.1.5 Objectivos específicos.


 Compreender o ensino e aprendizagem da escola;
6

 Compreender os conceitos fundamentais de área científica e dos métodos de


trabalho apropriado;

 Ser capaz de desenvolver estratégias pedagógicas diferenciadas, conducentes ao


sucesso e realização de cada estudante no quadro de diversidade cultural e de
heterogeneidade dos sujeitos mobilizando valores, saberes, experiencias
culturais e sociais de aluno;

 Integrar-se nos grupos de trabalho da escola;

 Praticar relações de respeito mútuo entre aluno e professor da escola integrada,


bem com colegas e supervisores da UP.

1.1.6 Fases das Praticas Pedagógicas Gerais (PPGs)


Este relatório apresenta três fases a pré-observação onde tratamos aspectos que
antecederam as actividades, observação - inclui as próprias conferências e seminários e
o que foi observado durante o trabalho de campo e por fim a pós-observação momento
este da execução do relatório.

1.1.7 Pré-observação
Constituíram primeira fase das PPGs todas conferencia decorrida desde a apresentação
do programa da cadeira seguindo-se a uma visão geral da quilo que seriam as
actividades ao longo do semestre esta que foi moderada pelo Mestre Bernardino ,
começamos com as conferencias ligadas a assuntos concretos da escola e seus
componentes organizacionais, posto isto, docente dividiu a turma em grupos para poder
ir ao campo fazer recolha de dados.

1.1.8 Observação;
É trabalho de campo que consiste em integrar do estudante na compreensão da
organização administrativa e pedagógica de uma escola. Nesta fase destacam-se duas
vertentes em que os estudantes foram até Escola secundaria são José da Munhava, para
que de perto cada estudante vivesse os aspectos e físicos administrativos da escola, a
partir de uma entrevista, conheceu tanto o que se esperava, os pormenores
administrativo, aspectos pedagógicos e algum historial da escola, com ajuda director da
da escola José Guila , que concedeu também outros dados inerentes ao inquérito.
7

1.1.9 Pós-observação

É última fase da organização dos dados da observação de fazer-se o resumo dos dados
obtidos em forma de relatório das actividades desenvolvidas em todo o semestre no
âmbito de PPGs.

1.1.10 Importância de PPGs


A PPGs visam preparar os estudantes para observarem e analisarem criticamente
situações escolares nos aspectos organizacionais pedagógicas e administrativas
permitindo uma vivência real ou virtual pelo contacto com professores, aluno,
funcionários de modo a proporcionar-lhes ao meio.
8

Capitulo II

2.1 Análise do trabalho teórico


O trabalho teórico iniciou no dia 19 de Setembro do ano em curso com duas
conferências a primeira foi dirigida pelo mestre Bernardino, que tratou de assuntos
como objectivos da cadeira, fases das PPGs, actividades desenvolvidas nas escolas, o
mesmo recomendou que cada estudante devia ter uma pasta de arquivo para organizar o
material da cadeira e futuramente entregaria com o relatório final, e é nesta data que
fizemos um estudo detalhado da escola e suas componentes organizacionais, que passo
a apresentar as respectivas resenhas.

2.1.2 Conferencias
Na Introdução/primeira aula das PPGs, ficamos a saber que as práticas pedagógicas
gerais visam integrar o estudante a lidar com os assuntos concretos das escolas, fornecer
as orientações para melhor trabalho nas funções do professorado.

Na realização das práticas pedagógicas exige-se interdisciplinaridade, dedicação, saber


trabalhar em grupos de estudo, responsabilidade, assiduidade. Este cadeira é feita em
fases que começam do geral para o específico, esta última trata de metodologias
relacionadas a uma determinada cadeira, e a geral faz menção a tudo que diz respeito a
pedagogia.

As PPGs, na formação de professores, estão organizadas em quatro fases que


acompanham todo o percurso da formação inicial de professores na UP,
respectivamente: Praticas Pedagógicas Geral, Praticas Pedagógicas I, Praticas
Pedagógicas II, Praticas Pedagógicas III.

Esta cadeira tem actividades de campo e seminários, os seminários foram as aulas com
conteúdos que proporcionam aos estudantes métodos, instrumento de recolha de dados,
estes que culminarão com as actividades do campo em que o estudante foi observar com
minúcia a escola e suas componentes organizacionais como, área administrativa, área
Pedagógica e outras que estão referenciadas neste trabalho.
9

Capitulo III

3.1. Análise do trabalho de campo


O trabalho de campo iniciou com a divisão das turmas em grupos e distribuição de
escolas onde os estudantes foram realizar os trabalhos, no primeiro dia que foi a escola
fiz uma apresentação com a secretaria, mostrando o credencial e mi disseram que
esperar dois dias para ter a resposta. Depois da resposta fui encaminha para a sala do
director da escola, onde ela ficou a saber qual era o nosso objectivo, mas que no próprio
dia não mostrou se capaz de satisfazer tendo pedido a o inquérito que trazíamos para ver
o que é que poderia fazer para disponibilizar os dados que necessitávamos. Posto isto
coube aos estudantes fazerem o estudo externo da escola, como por exemplo o número
de salas existentes, estado físico da escola, ária administrativa a situação da limpeza
escolar e muito mais.

Estas analises foram feitas durante duas semanas as quais eram feitas nas segundas e
quinta-feiras.

3.1 Descrição Geografica da escola secundária são José da Munhava


A escola Secundaria são José da Munhava localiza se no centro do pais a província de
sofala na cidade da beira particularmente no Bairro da Munhava, situado frente a
Machipisse e mercado central da munhava junto com a rua Krusse Gomes a mais ou
menos 250 metros da maternidade da Munhava, No recinto escolar contem uma
paroquia e um lar.

3.2 Historial
Esta escola foi fundada por um padre católico depois da independência nacional, Foi
inaugurada 19 de Março de 2010, no princípio era uma escola não oficializada, e tornou
como uma escola oficia no ano 2014.

3.3 Corpo directivo


A escola são José da Munhava é chefiada por um director que é mestrado no ensino de
desenho fez o nível superior na UP Delegação da Beira e o adjunto Pedagógico e
licenciando em ensino da historia fez o nível superior UP Delegação da Beira, o chefe
da secretaria e um homem que também tem nível superior . Em ensino da historia fez o
nível superior UP Delegação da Beira.
10

A escola lecciona 3 turnos tem diurno( de manha e de tarde ) e curso nocturno.

3.4 Descrição Física


A escola apresenta boas condições físicas para o ensino nos Países do nível superior
mundo que é caso do nosso, ela tem estrutura apresentável, possui carteiras em todas
salas, tem salas construídas de material convencional e uma fonte de agua para os
alunos.

3.4.1 Condições físicas da escola


Na escola existe uma área especifica reservada para jogos, a secretaria e o edifício de
quatro salas dispõem de passeios mas pouco seguros, material de construção da escola e
de teto falso, besta, madeira, vidros ferro… Todas as salas têm janelas e todas as janelas
estão bem gradeadas,, ela tem um jardim, as salas expressivamente tem boas portas e
esta gradeada.

Existe sala de professores, mastro, bandeira nacional, quadro de informação no lugar de


uma vitrina, as casas de banhos e latrina estão em operação, por enquanto não tem
cantina escolar, tem também uma sala para material de limpeza.

A escola secundaria são José da Munhava conta com apenas 18 salas, 4 não estão em
uso. compreende seis blocos (auditórios), a saber: bloco A, (sala dos professor) sala de
reuniões e conferências com uma capacidade de 15 lugares e altamente equipada ( com
um TV, e aparelhos electrónicos). Tem um gabinete de apoio ao docente, gabinete dos
coordenadores e sala de docentes a tempo inteiro. No mesmo bloco esta também a
secretaria equipada com ar condicionado, ventoinha, computadores e impressoras. O
bloco também contem a foto copiadora e a papelaria que esta equipada com ar
condicionado a maquina da foto copiadora e as impressoras.

O bloco B, composto de salas de aulas normais, algumas com uma capacidade de trinta
estudantes, e outras com capacidade de 50 - 60 estudante e tem 28 carteiras com uma
mesa do professor, os alunos sentam dois a dois ).

. O bloco C também é composto por algumas salas com capacidade de 56 alunos, mas a
escola lecciona em cada sala 50 - 60 aluno no máximo, e tem 28 carteiras e uma mesa
de professor. os alunos sentam dois a dois.
11

O bloco D esta composta por sala de informática ( TIC’s) altamente equipada com data
show, com amais de 20 computadores, a internet e ar condicionados. No mesmo bloco
tem uma sala simples com capacidade de 56 alunos e tem 26 carteiras e uma mesa de
professor, os alunos sentam dois a dois. E também o bloco F e composto por duas salas.
Com mesmas características.

E finalmente no bloco G, o maior bloco de todos composto com 8 salas, estão patentes
algumas sala de aulas com capacidade de 56 estudante, mas a escola lecciona 50
estudante no máximo, tem 28 carteiras e os alunos sentam doía dois. Todos os blocos
(auditórios) contêm quartos de banho para os professores. Os quartos de banho dos
alunos estão no outro bloco separado, no quarto de banho dos alunos do sexo masculino
tem quatro (4) pias e duas (2) de lacar cara, com tambores de agua, no quarto de banho
de alunas de sexo masculina é composta por quatro (4) pias e duas (2) de lava cara
com tambores auxiliares caso haja escassez da água. Em geral o quarto de banho e
constituído por dois tanques de agua um com 1000 ml outro de 500 ml.

A escola conte um campo de futebol para prática da disciplina de educação física, o


mesmo capo e usado para prática de outras modalidades, e usada para a exposição de
feira escolar. Ela tem duas torneiras externas para uso dos alunos. A escola tem uma
cantina que neste momento não esta em funcionamento devidos alguns problemas que
ocorreram com o dono da cantina, a escola decidiu criar a sua própria cantina. A escola
possua um jardim e tem lugares de lazeres para um intervalo. A escola são José da
Munhava esta vedado com um muro, e possui um capo cultivo para plantio da horta e
outras culturas

- A escola não tem biblioteca;

- A escola não tem laboratórios

- A escola não tem cantina

- A escola não tem ginásio


12

Figura 1. edifício de sala de aulas da escola secundaria são José- munhava

Figura 2. edifício de sala de aulas da escola secundaria são José- munhava


13

. Figura 3. edifício de casa de banho da escola secundaria são José- munhava

Figura 4. Campo da escola secundaria são José- munhava


14

Figura 5. Secretaria da escola secundaria são José- munhava

3.4.2 Condições de segurança interna da escola.


A escola possui uma vedação, de um murro aproximadamente 2 metros e 50 cm tem
portões, na obstante tem duas segurança/guarda e não ostenta nenhum dispositivo contra
incêndios.

3.4.3 Outras condições


Esta escola tem casas de banhos para raparigas e rapazes bem separados, ela não carece
de material de limpeza por conseguinte a limpeza é das agradáveis também porque a
limpeza esta sob tutela dos adultos, a sua aparência e aceitável esta bem localizada, sem
biblioteca, as salas de material convencional estão pintadas .

A escola são José da Munhava tem 3 professores de química, todos com formação do
nível superior, todos os professores de química são homens

3.5 Organização e Gestão Escolar


Esta escola tem conselho da escola a entidade deliberativa dos assuntos desta, corpo
directivo, corpo docente e grupos de disciplinas. Ainda mais encontramos a organização
interna a dos horários leccionação, a disposição dos alunos em cada turma e classe.
15

3.6 Horário escolar


Esta escola tem três turnos de manha ,de tarde e a noite, cada aula tem duração de 45
minutos e cada turno com uma duração média de (5) cinco horas de trabalho.

A escola tem actividades extra-escolares como e ocaso de: culturais, núcleos de


interesse e desportivas, são também zelados pela direcção da escola.

3.7 Leccionação
O director da escola lecciona algumas turmas da 10 e 11 classe da ária B e C
respectivamente, no período de manha e a tarde, por outro lado o director adjunto
lecciona também algumas turmas da 11 classe e outras que as quais não nos foi
avançadas as respectivas classes.

O responsável administrativo e quem responde pelo processamento de mapas de salários


dos professores, mapas de efectividade, mapas de controlo e assiduidade.

O pessoal do sector administrativo tem o horário normal das 8:00 as 16:00 de segunda a
sexta e nos sábados não abre sendo, estes dias de planificações semanais.

3.7 Número de alunos por turma classe e total classe


Escola secundária são José da Munhava tem quatro (4) turmas da 8ª classe diurno e
uma turma no curso nocturno.

- Tem quatro (4) turmas da 9ª classe no curso diurno e uma no curso nocturno.

- Tem cinco (5) turmas da 10ª classe, no curso diurno e duas (2) turmas no curso
nocturno.

- Tem sete (7) turmas da 11ª classe no curso diurno e duas (2) turmas no curso nocturno.

- Tem cinco (5) turmas da 12ª classe no curso diurno e três (3) turmas no curso
nocturno. Em geral o numero de aluno varia de 50-60.
16

3.8. Área Pedagógica:


3.8.1 Funcionamento do sector Pedagógico

O sector pedagógico tem se reunido quinzenalmente em condições normais, e com os


professores uma vez por mês, as reuniões com os alunos semanalmente, mas para com
os encarregados de Educação ou pais normalmente e quatro (4) vez por ano, e a par dos
grupos de disciplinas/classes tem encontros quinzenais.

A escola dispõe de calendário de avaliação; um facto curioso e importante e que não


tem alunos necessidades específicas de ordem pedagógica ou dos professores.

No que diz respeito a área pedagógica, começa-se por dizer que os planos curriculares
estão adaptados a realidade moçambicana, visto que, a maior parte do corpo docente é
moçambicano. Por este motivo existe, nesta escola em relação as outras do pais, o
paralelismo pedagógico, isto é, o estudante que estiver a frequentar

Na outra escola, caso decida se ingressar nesta escola, usa o regra de equivalência de
níveis (notas informativas). Desde que a ária seja a mesmo.

Diferentemente de outras escolas estatais, a escola são José da Munhava não se


dispensa mas se exclui, faz exames finais o aluno que admite. Em termos de exames
temos a primeira época e a segunda época, vai para a segunda época o aluno que
reprovar algumas disciplinas. As avaliações são feitas em três vertentes, que são:

a) Avaliação escrita;

b) Trabalho de investigação

c) Participação directa das aulas.

d) Avaliação pratica

e) Avaliação oral

f) avaliação em grupo

g) avaliação independente

A formação nesta escola compreende seguintes classes 8, 9, 10, 11, e 12 classe. São
ministrados na escola são José as disciplinas de : Matemática Português, Química,
17

Física, Inglês, Filosofia, Desenho, Geografia, Historia, Noções De Empreendedorismo,


TIC’s, Educação Física, Educação Moral Cívica, Psicologia e Francês.

Os estudantes são organizados em pequenos grupos tutoriais num número de 5 a 10


estudantes. Discutem as sessões tutoriais em sala de aulas com capacidade até 15
estudantes, excepto o ano propedêutico que está organizado em turmas e ocupa salas
com capacidade de 50 ou mais estudantes. Ela conta com um laboratório de TIC’s,
onde os estudante que frequentam a escola fazem uso e suas pesquisas de trabalhos
em grupo.

3.8.2.Aproveitamento pedagógico dos 3 anos passados


8 classe 9 classe 10 classe 11 classe 12 classe

Ano № de Apro № de Apro- № de Aprova № de Aprov № de Aprova


vados aluno dos ados dos
aluno Vados aluno aluno aluno

2014 240 228 249 162 278 268 154 124 53 53

2015 214 128 226 198 298 273 141 122 134 122

2016 195 162 206 183 366 304 157 150 157 147

3.8.3 Documentos normativos e meios de ensino


A escola são José da Munhava tem os seguintes documentos normativos:

- Instrumento ministerial sobre o calendário escolar;

- Regulamento interno e de avaliação;

- EGFE- Estatuto geral dos funcionários do estado;

- Estatuto dos professores;

- REGEB- Regulamento geral de ensino básico e médio

- Plano anual e de avaliação;

- Programas de ensino;
18

3.9 Saúde escolar


A escola não tem um responsável da saúde ou primeiros socorros, mas na obstante tem
muitos urinóis e deposito ou sistema de enterro de lixo no recinto escolar são muitas
depósitos que a escola tem.

Em suma a que referir que os trabalhadores deste estabelecimento de ensino tem um


bom relacionamento na seu todo. Encontramos nesta escola exemplares de avaliação,
actas de análises de avaliação e planificação, relatórios, mapas estatísticos e grupos de
classes/disciplina que constituem o arquivo.

3.10 Periodicidade da supervisão e controle da escola


Esta e visitada pelos técnicos de MEC,
 Técnicos da direcção provincial;
 Técnicos de serviços distritais;
 Pelos responsáveis das ZIP’S e;
 E por outro pessoal integrado na MINED.

3.11 Outras observações


No que diz respeito a outros aspectos desta escola vimos também a situação de
uniforme dos alunos, o material existente no gabinete do director e na sala dos
professores,

3.11.1 Uniforme dos alunos desta escola


Os alunos desta escola vestem uniforme azul que corresponde a 11 e 12 classe, tem
também uniforme verde creme que corresponde a 8, 9 e 10 classe, o qual azul-claro são
as camisas e azul-escuro as calças ou saias. Entretanto constatei que os professores
controlam com tanta rigorosidade o aspecto de uniforme visto nos dias que estivemos a
fazer os trabalho era notável que quais todos numero de alunos estavam trajados
devidamente pelas cores recomendadas.

3.11.2 Gabinete da directora


A escola tem gabinete do director, onde ficam actas e calendários de reuniões plano de
actividades. Pastas de (assistência de aulas, expedientes e relatórios). Documentos
normativos, EGFE, REGEB, materiais de exame e outros.
19

Capitulo IV

4.1 Conclusão
Após realização deste relatório conclui que as aulas das PPG proporcionaram uma nova
visão das escolas, em particular a escola onde foram realizadas as actividades do campo,
através de uma série de documentos da escola facilitaram e permitiram que me integrasse
na vida escolar, como trabalhar com alguns documentos em anexo.

Também ficou bem claro que os seminários apresentados estão concretamente ligados aos
aspectos que encontrei na escola, ajudam duma certa forma a melhor Seleccionar os
melhores caminhos para a recolha de dados ou informações, facultaram na compreensão ou
interpretação de alguns documentos que regem o funcionamento das escolas.

Por outro lado a que referir escola ‘e no concreto o principal centro da educação visto que é
lá onde estão presentes os instrumentos que por sinal são muito preponderante para que o
aluno consiga se integrar no ambiente estudantil e socializar se com o são as inovações
tecnológicas do mundo fora.

De salientar que os nossos professores empenham para garantir a qualidade de ensino


exigida, alcançar os objectivos do SNE, também um facto importante e curioso e que nesta
escola por mim observada um dos grandes objectivos que é a promoção da educação da
rapariga já esta a surtir efeitos positivos tendo em conta as estatísticas fornecidas que
indicam uma superioridade da mulher em relação aos homens.

Como dificuldades, a que avançar o caso do tempo que era pouco nos contactos directos
entre o director da escola e os estudantes para a fazer perguntas, e em muitos dias que
estivemos a fazer o trabalho de campo

só dois colegas que nos representavam tinham acesso ao contacto com chefe da secretaria,
outro ponto é a não aceitação de aquisição de algumas informações que nos pensamos que
de uma ou de outra maneira dariam nos vantagens por para saber por que é que os docentes
desta escola não põem identificação ou simplesmente crachá ? Constituiu dificuldade ou
obstáculo o processo da dedução da grelha de observações tendo em vista sua extensão e
complexidade.
20

4.2 Recomendações
Tendo em conta o rosto da escola importa recomendar aos funcionários desta escola a
selarem um pouco mais pela limpeza das casas e banhos e do próprio recinto escolar,
melhorarem aquilo e o jardim deste local, aumentar a rigorosidade pela assiduidade,
aliarem o ritmo do hino nacional ao padrão.

Em especial da direcção da escola agradecia se criassem uma cantina escolar para


evitar que os alunos saiam fora da escola para poderem lanchar, que a sociedade, tente criar
meios para tal. Ainda mais gostaria que os parceiros e comunidade criassem meios de haver
umas balizas no campo de futebol onde os alunos podiam praticar esta modalidade assim
como outras actividades desportistas.
21

Capitulo V

5.1 Apêndice – 1
Estrutura do Relatório de PPG
1.Estrutura do Relatório
O relatório da Prática Pedagógica Geral seguirá a estrutura básica de um relatório
de pesquisa e será constituído por 3 partes principais: elementos pré-textuais, textuais e
pós-textuais.
 Elementos Pré-Textuais
 Capa;
 Folha De Rosto;
 Índice;
 Lista De Símbolos E Abreviaturas;
 Lista De Tabelas E Gráficos;
 Dedicatória (Opcional);
 Agradecimentos;
 Resumo.
Elementos Textuais
1. Introdução
 Objectivos (Gerais E Específicos);
 Fases Da Prática Pedagógica;
 Metodologia De Trabalho;
 Referências Teóricas.
2. Desenvolvimento
Etapas da Prática Pedagógica (pré-observação, observação, pós-observação,
seminários):
2.1. Pré-observação (trabalho preliminar realizado antes do Trabalho de Campo e dos
Seminários);
2.2. Observação
Sistematização e análise de dados da observação da escola. Os dados poderão ser
sistematizados de acordo com as seguintes categorias:
a) Objectivos e critérios de observação;
b) Técnicas e instrumentos de recolha de dados;
c) Descrição da escola:
22

5.2 Anexos
I.Condições da escola

a) características física Sim Não


Existe uma ária para jogar ? X
Os edifícios dispõem de passeios? X
Os edifícios dispõem de janelas ? X
Os edifícios tem portas ? X
A escola tem jardim com arvores ? X
Os edifícios dispõem de salas de professores ? X
A Escola possui mastro e bandeira nacional ? X
A escola possui vitrina onde são afixadas informações? X
A escola dispõem duma cantina escolar ? X
A escola dispõem de casa de banho ou latrina ? X
As casas de banhos são operacionais X
A escola dispõe sala para material de limpeza ? X

b) Condições de segurança interna da escola Sim Não


A escola possui vedação ? X
A escola dispõe de portões ? X
Existe na escola condições de segurança X
A escola tem guarda X
A escola dispõem de um dispositivo contra incêndio X

c) outras condições Sim Não


A escola tem casa de banho para rapazes e raparigas X
As casas de banhos são comum para os ambos sexos X
A escola e limpa X
A escola tem boa aparência X
A escola esta bem localizada X
A escola dispõem de uma biblioteca X
23

A escola dispõem de material para limpeza ? X


A escola esta pintada ? X
A escola esta em reabilitação? X
Os corredores são seguros e iluminados? X

II. Organização e Gestão Escolar

a) Horário Escolar
Quantos turnos lecciona a escola ? 3
Qual e a duração media de cada turno? 5 horas
Qual e, em semanas, a duração do ano lectivo? 37

b) leccionação Sim Não


O director da escola lecciona algumas disciplinas ? X
O director adjunto / pedagógico lecciona algumas turmas ? X
Existe na escola condições de segurança X

Qual e horário do pessoal administrativa

2 ª feirra 8: 00 – 16:00 3 ª feirra 8: 00 – 16:00 4 ª Quarta 8: 00 – 16:00

5 ª feirra 8: 00 – 16:00 6 ª feirra 8: 00 – 16:00 Sábado ---------------


24

5.3 Bibliografia
DIAS Hildizina Norberto; et – al. Manual de Praticas Pedagógicas; Maputo, edição
educar; 2008.

DIAS Hildizina Norberto; et – al. Guia de Práticas pedagógicas versão de trabalho


para seminários de Praticas Pedagógicas, Faculdade de línguas departamento de
Português; 2006.

MARCONE Maria de André e LAKATOS Eva Maria. Metodologia científica; 5ª


edição, São Paulo, editora atlas, S.A, 2010.

Normas Para a produção e Publicação de Trabalhos Científicos da UP. Maputo, 2004.

MEC, Agenda do professor 2009. Maputo, Ministério de Educação. 2008.

http://nobresantoss.blogspot.com/2009/04/observação-na-escola.html, arquivo
consultado no dia 17/08/2011

DELORES, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir relatório para Unesco da


comissão internacional sobre a educação para o século XXI. 8ª Edição, Porto, Asa
Editores, 2003.
LAERCIO, Sistema Nacional de Educação, [online], disponível na internet via
www.http/pt.wikipedia.org/wiki.sistema-nacional-de-educaçao pelas 18:30h do dia 19
de Agosto de 2011.

BOLENTIM DA REPUBLICA 6 /92 SNE, 6 de Maio de 1992 1ª serie no 19. Sistema


Nacional de Educação, Linhas Gerais 4/83, Maputo, Novembro de 1995.