Você está na página 1de 3

Cópia não autorizada

ABR 1992 NBR 12042


Materiais inorgânicos - Determinação do
desgaste por abrasão
ABNT-Associação
Brasileira de
Normas Técnicas

Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar
CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro - RJ
Tel.: PABX (021) 210 -3122
Telex: (021) 34333 ABNT - BR
Endereço Telegráfico:
NORMATÉCNICA

Método de ensaio

Origem: Projeto 18:004.03-002/1990


CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados
CE-18:004.03 - Comissão de Estudo de Concreto de Alta Resistência para Pisos
NBR 12042 - Inorganic materials - Determination of the resistance to abrasion -
Method of test
Copyright © 1992, Descriptors: Inorganic material. Abrasion
ABNT–Associação Brasileira Reimpressão da MB-3379, de DEZ 1990
de Normas Técnicas
Printed in Brazil/
Impresso no Brasil Palavras-chave: Material inorgânico. Abrasão 3 páginas
Todos os direitos reservados

SUMÁRIO pressão simples e tração por compressão diametral -


1 Objetivo Método de ensaio
2 Documentos complementares
3 Definição 3 Definição
4 Aparelhagem
5 Execução do ensaio Para os efeitos desta Norma é adotada a definição de 3.1.
6 Resultados
3.1 Desgaste
1 Objetivo
Desagregação superficial e remoção de partículas de um
determinado material submetido a forças de atrito.
1.1 Esta Norma prescreve o método para a determinação
do desgaste por abrasão de materiais inorgânicos. 4 Aparelhagem
1.2 O desgaste do corpo-de-prova deve se dar através do 4.1 Para a execução deste ensaio, deve-se utilizar um equi-
atrito entre sua superfície de uso e a superfície de um anel pamento, com as seguintes características(1), que:
de ferro fundido, que é continuamente abastecido com um
material abrasivo. a) seja provido de um anel de ferro fundido, com su-
perfície plana e lisa (pista de desgaste), de dureza
1.3 O desgaste por abrasão é determinado pela perda de Brinell entre 160 e 190, disposto horizontalmente,
espessura do corpo-de-prova. com diâmetro externo de (800 ± 5) mm e largura de
(160 ± 2) mm;
2 Documentos complementares
b) possibilite a rotação da pista de desgaste em torno
Na aplicação desta Norma é necessário consultar: de um eixo vertical, com velocidade de (30 ± 1) rpm;

NBR 7214 - Areia normal para ensaio de cimento - c) permita ensaiar dois corpos-de-prova simultanea-
Especificação mente;

NBR 12041 - Argamassa de alta resistência mecâ- d) seja provido de sapatas de acoplamento que mante-
nica para pisos - Determinação da resistência à com- nham os corpos-de-prova em contato com a pista

(1)
A máquina marca AMSLER, tipo A 154, atende às condições mencionadas.
Cópia não autorizada
2 NBR 12042/1992

de desgaste, em posições diametralmente opostas g) seja provido de dois funis para armazenar o abrasivo
em relação ao eixo vertical do equipamento; o centro (areia seca número 50 (0,3 mm), conforme a
geométrico dos corpos-de-prova deve estar posi- NBR 7214) e dispositivo que possibilite a regulagem
cionado à meia largura da pista de desgaste, de da vazão;
maneira que, a cada rotação desta, tenha-se percor-
rido uma distância de (200 ± 2) cm; h) seja provido de escovas de cerdas macias, que di-
recionem o abrasivo para a parte da pista de des-
e) possibilite a rotação de corpos-de-prova em torno gaste em contato com os corpos-de-prova;
do seu próprio eixo perpendicular à superfície de
uso, com velocidade de (0,6 ± 0,02) rpm; i) seja provido de contador automático do número de
voltas da pista de desgaste.
f) permita aplicar uma carga variável sobre cada corpo-
de-prova; Nota: Um esquema do equipamento é apresentado na Figura 1.

Figura 1 - Esquema do equipamento

4.2 Dispositivo para medida da perda de espessura, com- de-prova e relógio comparador com curso de 30 mm e
posto por chapa metálica provida de dois apoios laterais, resolução igual ou inferior a 0,01 mm, fixado à garra mag-
perpendiculares entre si, três pinos para apoio do corpo- nética, conforme esquema apresentado na Figura 2.

Figura 2 - Dispositivos de medida da perda de espessura


Cópia não autorizada
NBR 12042/1992 3

4.3 Soquete de base quadrada de 2 cm x 2 cm e compri- 5.2.3 Aplicar sobre cada corpo-de-prova uma carga de 66N.
mento aproximado de 15 cm, de borracha dura com madei-
ra tornada não absorvente por banho em parafina à tem- 5.2.4 Regular a vazão de areia em (72 ± 6) cm3/min.
peratura de 200ºC, durante 15 min.
5.2.5 Colocar o equipamento em funcionamento, até que o
5 Execução do ensaio anel tenha dado 250 voltas, que equivalem a um percurso
dos corpos-de-prova em relação ao anel de aproximada-
5.1 Corpo-de-prova mente 500 m.

5.1.1 Os corpos-de-prova devem ter a forma de um pa- 5.2.6 Terminado o percurso, retirar os corpos-de-prova do
ralelepípedo regular, com os lados da base medindo equipamento, remover a poeira aderente a eles com escova
(70 ± 2) mm e com altura entre 25 mm e 50 mm. macia e repetir a operação descrita em 5.2.1, para obter a
leitura intermediária (média das leituras efetuadas nos qua-
5.1.2 O corpo-de-prova que não apresentar paralelismo entre tro pontos).
bases e/ou altura inferior a 25 mm deve ser arrematado
com argamassa e/ou colagem de uma placa, na superfície 5.2.7 Repetir as operações descritas em 5.2.5, mas inver-
oposta à superfície a ser ensaiada, com adesivo à base de tendo a posição dos corpos-de-prova nas sapatas de
resina epóxi. As dimensões superficiais da placa devem acoplamento.
ser iguais às do corpo-de-prova, devendo a altura do corpo-
de-prova arrematado estar entre 25 mm e 50 mm. 5.2.8 Terminado o novo percurso de aproximadamente
500 m, retirar os corpos-de-prova do equipamento, remover
5.1.3 Corpos-de-prova de concreto ou argamassa podem a poeira aderente a eles com escova macia e repetir a
ser obtidos por moldagem ou cortados com disco diaman- operação descrita em 5.2.1, para obter a leitura final (média
tado de componentes acabados. das leituras efetuadas nos quatro pontos).

5.1.3.1 No preparo de corpos-de-prova de argamassa, 5.2.9 Para corpos-de-prova passíveis de sofrerem alguma
recomenda-se que sejam seguidas as diretrizes gerais da alteração superficial, recomenda-se que as operações
NBR 12041, em relação ao preparo da argamassa e cura. descritas em 5.2.5 e 5.2.7 sejam feitas em etapas. Por
exemplo, percursos percorridos pelos corpos-de-prova da
5.1.3.2 Corpos-de-prova com altura de até 30 mm devem ordem de 50 m por etapa. Ao final de cada etapa, deve-se
ser moldados em uma única camada; os com altura entre efetuar uma inspeção visual nos corpos-de-prova,
30 mm e 50 mm devem ser moldados em duas camadas. registrando-se eventuais alterações, tais como perda de
Em cada camada devem-se aplicar 25 golpes, uniforme- brilho e risco.
mente distribuídos, com o soquete descrito em 4.3.
6 Resultados
5.1.3.3 Entre 48 h e 72 h antes do ensaio, os corpos-de-
prova devem ser retirados da câmara úmida e deixados no 6.1 Os resultados relativos a 500 m e a 1000 m de percurso
laboratório, de tal modo que seja permitida a livre aeração são obtidos respectivamente pela diferença entre a leitura
de suas faces. final e a leitura intermediária, e pela diferença entre a leitura
final e a leitura inicial.
5.1.4 Corpos-de-prova especialmente moldados de com-
ponentes que são polidos antes de serem colocados em 6.2 O documento técnico, contendo os resultados do ensaio,
uso devem ser submetidos ao desgaste preliminar, que é deve apresentar:
obtido no próprio equipamento de ensaio, seguindo-se o
procedimento especificado em 5.2.2 a 5.2.5, para um per- a) descrição dos corpos-de-prova ensaiados:
curso de 200 m (100 voltas da pista de desgaste).
- tipo de material;
5.2 Ensaio
- características apresentadas e/ou as declaradas
5.2.1 Com auxílio do dispositivo descrito em 4.2, efetuar as
pelo solicitante do ensaio;
leituras nos pontos indicados na Figura 3. A leitura inicial é
a média das quatro leituras obtidas. b) desgaste aos 500 m de percurso e aos 1000 m de
percurso de cada corpo-de-prova ensaiado, bem
como a média dos desgastes verificados nos cor-
pos-de-prova; todos com aproximação para décimo
de milímetro;

c) descrição das eventuais alterações observadas em


relação ao aspecto superficial dos corpos-de-prova,
com os respectivos percursos nos quais foram
observadas as alterações;

Figura 3 - Dispositivo dos pontos para leitura d) identificação desta Norma;

5.2.2 Posicionar os corpos-de-prova nas respectivas sapa- e) data da realização do ensaio e, no caso de corpos-
tas de acoplamento do equipamento descrito em 4.1. de-prova moldados, a sua idade.