Você está na página 1de 7

479

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento


ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE FISIOTERAPIA NO PÓS-OPERATÓRIO


DE CIRURGIA BARIÁTRICA

Bruna Gracieli Bontempo1


Marcelo Taglietti2

RESUMO ABSTRACT

Introdução: Para dar melhores condições aos Humanization physiotherapy assistance post
pacientes, em meio hospitalar, necessita-se bariatric surgery
humanizar o atendimento, no qual se
compromete com a proteção e a promoção da Introduction: In order to better conditions of life
saúde. O fisioterapeuta tem papel importante for patients, one need is to humanize care,
na fase de recuperação, prestando assistência which is committed to promoting health. The
técnica e relacional de qualidade aos physical therapist plays an important role in the
indivíduos que realizaram a cirurgia bariátrica. recovery, with technical and relational
Objetivo: Verificar se a assistência assistance quality. Objective: check that the
fisioterapêutica, no pós-operatório de cirurgia physical therapy assistance post-bariatric
bariátrica, em unidade de terapia intensiva surgery in intensive care unit is performed
(UTI), é realizada de forma humanizada. humanized. Materials and Method: This is a
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo cross-sectional study, of qualitative character
transversal, de caráter qualitativo, realizado done through interviews with evaluative
através de entrevistas conduzidas por meio de questionnaire, in the room of post-discharge
um questionário avaliativo, aplicados no quarto patients from the intensive care unit. The
dos pacientes, após ter recebido alta da UTI. A sample included 30 individuals, older than 18
amostra foi composta por 30 indivíduos, years, who underwent bariatric surgery.
maiores de 18 anos, os quais haviam passado Results: the individuals interviewed approved
pela cirurgia bariátrica. Resultados: Os the approach taken by physiotherapists,
indivíduos entrevistados aprovaram as highlighting the care of them when performing
condutas utilizadas pelos fisioterapeutas, the procedures in order to avoid greater patient
destacando o cuidado dos mesmos ao realizar discomfort. Featuring in the categories dignity
os procedimentos, de modo a evitar maior and interpersonal aspects 100% satisfaction,
desconforto aos pacientes. A relação and positive responses to questions 93.5%
fisioterapeuta-paciente apresentou respostas communication, autonomy, 64.5%, 90.3%
positivas nos quesitos comunicação (93,5%), reliability, guaranteed 93.5%, empathy 90.3%,
autonomia (64,5%), confiabilidade (90,3%), effective 90,3% and 93.5% receptivity.
garantia (93,5%), empatia (90,3%), eficácia Conclusion: It was concluded that the physical
(90,3%) e receptividade 93,5%. Conclusão: therapy assistance available at ICU, for
Concluiu-se que a assistência fisioterápica postoperative bariatric surgery, was
disponibilizada na UTI, no pós-operatório de characterized as humanized by patients.
cirurgia bariátrica, foi caracterizada como
humanizada pelos pacientes. Key words: Humanization of Assistance.
Hospital Physical Therapy Department. Morbid
Palavras-chave: Humanização da Obesity.
Assistência. Serviço Hospitalar de Fisioterapia.
Obesidade Mórbida.
E-mail dos autores:
1-Fisioterapeuta pelo Centro Universitário bruna.bontempo@hotmail.com.
Assis Gurgacz (FAG), Cascavel, PR- Brasil. mtaglietti@fag.edu.br.
2-Fisioterapeuta, Doutor em Educação Física
pela Universidade Estadual de Londrina Autor correspondente:
(UEL), docente do curso de Fisioterapia do Marcelo Taglietti,
Centro Universitário Assis Gurgacz (FAG), Rua Sete de Setembro 2254/401.
Cascavel, PR- Brasil. Centro, Cascavel-PR.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919
480
Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento
ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

INTRODUÇÃO Sarmento (2009) relata que a cirurgia


bariátrica está indicada para obesos mórbidos
A obesidade é caracterizada pelo ou obesos grau II e III, porém o médico deve
acúmulo excessivo de tecido adiposo, analisar as condições do paciente para a
derivado de um aporte calórico excessivo e realização da mesma, sugerindo a perda de
crônico de substratos presentes nos alimentos peso antes do procedimento. Relata ainda que
e bebidas (Lopes e Brito, 2009). para a cirurgia ser realizada, o paciente deve
Tem sido desencadeada por fatores estar em jejum de 10 horas antes do
ambientais, como a ingestão alimentar procedimento, sendo feita a internação e
inadequada e o gasto calórico diário reduzido checado os exames laboratoriais, no centro
(Pereira e colaboradores, 2003). cirúrgico é instalada a bomba de compressão
Como consequência, desenvolvem-se pneumática intermitente e a meia elástica,
doenças crônicas não transmissíveis, iniciando assim o procedimento cirúrgico.
principalmente o diabetes tipo dois e as A equipe multiprofissional tem papel
doenças cardiovasculares, tendo como importante no tratamento desses indivíduos,
impacto principal a redução da qualidade de promovendo mudanças nos hábitos
vida do indivíduo e até a morte (Vedana e alimentares, psicossociais e nas práticas de
colaboradores, 2008). atividade física, apresentando resultados
A obesidade também traz consigo positivos ligados à saúde dos obesos,
estigmas sociais, onde o corpo magro parece incluindo o controle da pressão arterial e a
ser o único tipo de corpo valorizado e manutenção do peso (Silva e Silveira, 2011).
reconhecido na sociedade atual, gerando O fisioterapeuta é um profissional
sofrimento aos que não se enquadram nesses fundamental nessa equipe, o qual visa
padrões de beleza (Mattos e Luz, 2009). promover a melhora da função pulmonar e a
A obesidade é um dano causado no analgesia, atuando ainda tanto na prevenção
próprio corpo e na mente, como resultado de quanto na reabilitação das complicações
um vício, e os problemas não se restringem na osteomioarticulares, cardiovasculares e
dieta e nos exercícios, mas também nos neurológicas (Lopes e Brito, 2009).
contextos culturais e sociais da construção do Com isso, o tratamento fisioterapêutico
corpo (Gilman, 2004). necessita realizar avaliações e reavaliações,
Um dos métodos de tratamento cabendo ao profissional comunicar à equipe
atualmente utilizado é o cirúrgico. Contudo, multidisciplinar o estado funcional atual do
durante a fase pós-operatória (P.O.) pode-se paciente (Nassif e colaboradores, 2011).
passar por complicações cirúrgicas, O paciente durante o P.O. necessita,
respiratórias, psicológicas e nutricionais, as entretanto, de cuidados que não estão ligados
quais devem ser identificadas imediatamente somente à doença, mas também a questões
pela equipe multiprofissional (Cunha e psicossociais, visto que o temor, a ansiedade
colaboradores, 2010). e as angústias do mesmo agem
Dentre as complicações respiratórias negativamente no seu processo de
podemos ressaltar as infecções e as recuperação, quando não controlados (Lopes
atelectasias (Tenório e colaboradores, 2010). e Brito, 2009).
Além destas possíveis complicações, Desta forma, é de supra importância a
durante o P.O., o paciente depara-se com o realização de um atendimento mais
convívio na UTI, ambiente o qual é humanizado, assumindo uma posição de
direcionado aos atendimentos de pacientes respeito ao outro, sendo o ponto chave do
em estado grave, sendo este mais presente trabalho (Salicio e Gaiva, 2006).
estressante, frio e agressivo para os pacientes Para realização de tal investigação,
e familiares. efetuada no período de pós-alta da UTI,
Porém, em contrapartida, a UTI propõe-se analisar o fator humanização, nos
proporciona um atendimento multiprofissional atendimentos fisioterápicos realizados na UTI,
com o auxílio de equipamentos e tecnologias durante o P.O. de cirurgia bariátrica.
modernas, dando maior segurança para o
paciente em seu diagnóstico, tratamento e
cuidados (Bettinelli e Erdmann, 2009).

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919
481
Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento
ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

MATERIAIS E MÉTODOS Foi categorizada como humanizada


quando representada por cinco ou mais
Trata-se de um estudo transversal, de respostas positivas na avaliação da relação
caráter qualitativo, realizado de novembro de fisioterapeuta-paciente, e desumanizada,
2015 a junho de 2016, com pacientes quando representada por cinco ou mais
provenientes de P.O. de cirurgia bariátrica, os respostas negativas na avaliação da relação
quais receberam alta da UTI adulto do fisioterapeuta-paciente.
Hospital de Ensino São Lucas, Cascavel - Assim que finalizada a coleta, os
Paraná. A referida UTI é destinada a pacientes dados foram transferidos para uma tabela,
adultos, com casos clínicos e cirúrgicos através do software da Microsoft Excel, e
críticos, sendo de qualquer especialidade transportados para o programa SPSS Versão
médica. 22.0.
A amostra foi definida por Os dados quantitativos foram testados
conveniência, sendo compostas por 30 para a distribuição de normalidade e
indivíduos, maiores de 18 anos, que assumindo o pressuposto, apresentados em
corresponderam aos critérios de inclusão da média e desvio padrão. Os dados qualitativos
pesquisa, sendo eles: histórico de foram apresentados em porcentagem através
internamento na referida unidade por período da realização da distribuição de frequências
igual ou superior a 24 horas; ter realizado dos mesmos.
cirurgia bariátrica; ter recebido atendimento
fisioterapêutico na UTI, durante a atual RESULTADOS
internação; estar lúcido e orientado, com
capacidade de verbalização oral e/ou escritas Após a coleta e análise dos dados, foi
preservadas; estar internado em outra unidade observado que, de forma geral, os pacientes
do próprio hospital no momento da coleta de entrevistados apontaram como humanizado o
dados; concordar em fazer parte do estudo. atendimento fisioterapêutico, e demonstraram
O projeto foi analisado e aprovado satisfação com os serviços oferecidos pelos
pelo comitê de ética da instituição pelo CAEE profissionais de fisioterapia atuantes na
38080214.9.0000.0107 e autorizado pelo unidade de terapia intensiva adulto do Hospital
Hospital de Ensino São Lucas. Os pacientes de Ensino São Lucas.
foram assegurados de que seus dados e Pode-se observar que 77,4% dos
informações permanecerão confidenciais e pacientes são do sexo feminino, com faixa
sigilosos, não possibilitando sua identificação. etária definida entre 18 a 59 anos (96,8),
Os pesquisadores receberam 64,5% casados, 22,6% deles concluíram o
informações diárias sobre as altas da UTI, ensino superior e mantêm uma renda de zero
para possível coleta de dados. A pesquisa era a três salários mínimos (83,9%). Destes
então realizada, em forma de entrevista face a pacientes, 100% permaneceram internados na
face, no quarto dos pacientes, após os referida unidade até três dias e 58,1% deles
esclarecimentos e a obtenção da assinatura utilizaram da ventilação mecânica.
do termo de consentimento livre e esclarecido Na avaliação da relação fisioterapeuta-
pelo mesmo. paciente foram observados resultados
O questionário utilizado foi positivos quanto ao atendimento
padronizado, estruturado e desenvolvido por fisioterapêutico recebido na unidade de terapia
Lopes e Brito (2009), composto por questões intensiva. Os pacientes demonstraram alto
fechadas incluindo dados sociodemográficos, grau de aprazimento, nos vários aspectos
análise da relação fisioterapeuta-paciente e analisados, quanto à assistência oferecida
dos procedimentos adotados pelos pelos fisioterapeutas (Tabela 01 – Relação
fisioterapeutas, considerados de forma Fisioterapeuta X Paciente).
humanizada (positiva) ou desumanizada
(negativa).

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919
482
Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento
ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

Tabela 1 - Relação Fisioterapeuta X Paciente.


Dimensões de
n (Frequência) Porcentagem
atendimento
Dignidade
Positiva 30 100%
Negativa 0 0%
Comunicação
Positiva 29 93,5%
Negativa 1 6,5%
Autonomia
Positiva 20 64,5%
Negativa 10 35,5%
Confiabilidade
Positiva 28 90,3%
Negativa 2 9,7%
Garantia
Positiva 29 93,5%
Negativa 1 6,5%
Aspectos Interpessoais
Positiva 30 100%
Negativa 0 0%
Empatia
Positiva 28 90,3%
Negativa 2 9,7%
Eficácia
Positiva 28 90,3%
Negativa 2 9,7%
Receptividade
Positiva 29 93,5%
Negativa 1 6,5%

DISCUSSÃO máquina não substitui a essência humana


(Caetano e colaboradores, 2007).
Segundo a Organização Mundial de A humanização tem se constituído
Saúde (OMS), a saúde é denominada como o como um item central atual, configurando
bem-estar geral da pessoa: mental, físico, como um elemento que deve resgatar o
social e espiritual. Portanto, promover a saúde cuidado humanizado ao indivíduo que vivencia
do ser humano vai além das técnicas e o estar saudável e o estar doente. Isso
tratamentos de melhor qualidade. Neste porque, ao longo dos tempos, a formação dos
conceito, descobrimos a necessidade de se profissionais e a organização dos serviços de
humanizar o atendimento (Abrão e Tufanin, saúde têm privilegiado e priorizado o padrão
2011). cartesiano, o conhecimento de serviços
Os fisioterapeutas demandam contato especializados, a prevalência do poder
físico com os pacientes internados em unidade médico, a valorização da técnica e da destreza
de terapia intensiva, tendo papel importante na manual e a visão do ser humano como
mobilização precoce para a reabilitação destes máquina (Costa e colaboradores, 2009).
pacientes (Oliveira e Souza, 2014). O profissional da saúde é o
Deve-se promover a humanização nas responsável pela melhora na qualidade da
UTIs, cada vez mais ciente, sobre o que é o assistência, porém deve-se pensar nos
ser humano. A UTI precisa e devem utilizar-se cuidados humanizados, com necessidade de
dos recursos tecnológicos cada dia mais socialização, cooperação e conformação.
moderno, em prol da saúde, mas esses Somam-se ainda as exigências atuais de uma
profissionais não devem esquecer que a rápida e continua implementação de novos
conhecimentos, tecnologias e

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919
483
Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento
ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

desenvolvimento constante de habilidades de leito, deve-se, como fisioterapeuta atuante,


comunicação e de tratamento de informações, proporcionar um bem- estar psíquico dos
sem deixar de contar o fator “dia-a-dia”, com pacientes, melhorar a capacidade respiratória
toda sua forma de angústias, a intensa relação e cardiovascular, promover a independência
com o meio da saúde e da doença, a vida funcional, proporcionar e acelerar uma
versus a morte, onde não se podem evitar as recuperação pós-operatória de qualidade,
consequências disto no corpo e na mente do além de diminuir o tempo de hospitalização
profissional atuante (Hennington, 2008). destes indivíduos (Feliciano e colaboradores,
No ambiente hospitalar, a 2012).
humanização ainda permanece focada na O atendimento humanizado tem como
pessoa-cliente, comprovando a pouca atenção objetivo valorizar a dimensão humana do
ao cuidado e à humanização do fisioterapeuta- paciente, atribuindo respeito, dignidade e
paciente. Tal prática é bastante abordada na levando em consideração a autonomia do
literatura, porém, como para a sua mesmo, exercendo um papel fundamental na
aplicabilidade necessita-se de mudança de humanização da assistência. Nota-se a
comportamento, somente poderá ser necessidade de o fisioterapeuta sempre
desempenhada englobando-se a proposta de acompanhar o paciente durante os
humanização pelos fisioterapeutas (Amestoy e atendimentos, incentivando à realização de
colaboradores, 2006). suas tarefas. A fisioterapia pode contribuir de
Contudo, é injustificável que os forma eficiente com o tratamento clínico na
profissionais incluídos na assistência, área hospitalar e de forma positiva na
independente da sua atuação, deixem de assistência geral ao paciente (Almeida, 2015).
persistir na construção de novos ambientes e O estudo demonstrou ótimos
modelos baseados no diálogo, os quais resultados quanto aos procedimentos
possam converter o domínio da técnica, em fisioterapêuticos realizados, definindo-os como
detrimento da intersubjetividade (Carvalho e humanizados, tendo uma avaliação positiva
colaboradores, 2008). frente aos quesitos dignidade e aspectos
Já segundo Souza e colaboradores interpessoais. Nos quesitos comunicação,
(2000), o atendimento na unidade de terapia autonomia, confiabilidade, garantia, empatia,
intensiva (UTI) é paradoxal, necessitando eficácia e receptividade houve algumas
provocar a dor para que se possa recuperar, ponderações negativas, devido à falta de
defendendo que em algumas situações não se atenção e diálogo por parte dos
pode ter um diálogo, deve-se apenas tratar. fisioterapeutas. Conforme queixa dos
Os pacientes mais obesos apresentam pacientes, os fisioterapeutas na sua
um risco maior de mortalidade na cirurgia, por abordagem inicial se apresentavam e
isso é indicada uma dieta para que esse realizavam os exercícios, porém sem maiores
paciente perca peso antes do procedimento contatos de cunho psicossociais / relacionais,
podendo até a fazer uso do balão gástrico deixando de ser um atendimento de cunho
para diminuir esse risco, além de garantir uma humanizado. O tratamento fisioterapêutico
boa condição ventilatória através de técnicas possibilita trazer mais aproximação no
de reexpansão forçadas obtidas pelo convívio entre fisioterapeuta e paciente devido
acompanhamento dos fisioterapeutas à sua forma de execução.
(Sarmento, 2009). Devido a isso, o profissional deve
No pós-operatório de cirurgia bariátrica buscar priorizar a qualidade humanitária do
o paciente também deve ser avaliado, seu atendimento, onde a complexidade do dia-
podendo estar presentes quadros de a-dia que envolve o contato físico, a fala e o
depressão necessitando de tratamento ouvir, se tornem atitudes despercebidas, mas
especializado (Fandiño e colaboradores, que levam à humanização almejada
2004). (Warpechowski, 2015).
Sabendo da importância da Para um bom atendimento, com
intervenção fisioterápica em pacientes humanização, é essencial que haja dignidade,
assistidos nas unidades de terapia intensiva e atenção e respeito, podendo o fisioterapeuta
que os benefícios são vários, como a auxiliar na redução do desconforto do
prevenção e a redução dos efeitos prejudiciais paciente, melhorando o bem-estar e a
ocasionados pela permanência prolongada no qualidade de vida do mesmo.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919
484
Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento
ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

CONCLUSÃO Bariátrica. Revista de Nutrição. Vol. 23. Num.


4. 2010. p.535-541.
Concluiu-se que a assistência
fisioterápica disponibilizada na unidade de 9-Fandiño, J.; Benchimol, K.A.; Coutinho,
terapia intensiva no pós-operatório de cirurgia F.W.; Appolinário, C.J. Cirurgia Bariátrica:
bariátrica foi caracterizada como humanizada Aspectos Clínico-cirúrgicos e Psiquiátricos.
pelos indivíduos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul.
Vol. 26. Num. 1. 2004. p.47-51.
REFERÊNCIAS
10-Feliciano, V.A.; Albuquerque, C.G.;
1-Abrão, M.C.R.; Tufanin, A.T. Humanização Andrade, F.M.D.; Dantas, C.M.; Lopez, A.;
no Atendimento Fisioterapêutico: Uma Ramos, F.F.; Silva, P.F.S.; França, E.E.T.
experiência de um centro de referência em Influência Da Mobilização Precoce No Tempo
Goiânia. Dissertação de Mestrado. PUC-GO. De Internamento Na Unidade De Terapia
Goiânia. 2011. Intensiva. ASSOBRAFIR Ciência. Vol. 3. Num.
2. 2012. p.31-42.
2-Almeida, W.S. A Fisioterapia Hospitalar e
sua Assistência Humanizada. Dissertação de 11-Gilman, S.L. Obesidade Como Deficiência:
Mestrado. PUC-MS. Campo Grande. 2015. O Caso Dos Judeus. Cadernos Pagu. Num.
23. 2004. p.329-353.
3-Amestoy, S.C.; Schwartz, E.; Thofehrn, M.B.
A Humanização Do Trabalho Para Os 12-Hennington, E.A. Gestão Dos Processos
Profissionais De Enfermagem. Revista Acta De Trabalho E Humanização Em Saúde:
Paulista de Enfermagem. Vol. 19. Num. 4. Reflexões A Partir Da Ergologia. Revista
2006. p.444-449. Saúde Pública. Vol. 43. Num. 3. 2008. p.555-
561.
4-Bettinelli, L.A.; Erdmann, A.L. Internação Em
Unidade De Terapia Intensiva E A Família: 13-Lopes, F.M.; Brito, E.S. Humanização Da
Perspectivas De Cuidado. Avances em Assistência De Fisioterapia: Estudo Com
Enfermería. Vol. 27. Num. 1. 2009. p.15-21. Pacientes No Período Pós Internação Em
Unidade De Terapia Intensiva. Revista
5-Caetano, J.A.; Andrade, L.M.; Soares, E.; Brasileira de Terapia Intensiva. Vol. 21. Num.
Ponte, R.B. Cuidado Humanizado em Terapia 3. 2009. p.283-291.
Intensiva: Um Estudo Reflexivo. Escola Anna
Nery Revista de Enfermagem. Vol. 11. Num. 2. 14-Mattos, R.S.; Luz, M.T. Sobrevivendo Ao
2007. p.325-330. Estigma Da Gordura: Um Estudo
Socioantropológico Sobre Obesidade. Revista
6-Carvalho, C.A.P.; Marsicano, J.A.; Carvalho, de Saúde Coletiva. Vol. 19. Num. 2. 2009.
F.S.; Peres, A.S.; Bastos, J.R.M.; Peres, p.489-506.
S.H.C.S. Acolhimento Aos Usuários: Uma
Revisão Sistemática Do Atendimento No 15-Nassif, D.S.B.; Malafaia, O.; Nassif, P.A.N.;
Sistema Único De Saúde. Arquivo Ciência Kuretzki, C.R.; Lucas, R.W.C.; Pinto, J.S.P.
Saúde. Vol. 15. Num. 2. 2008. p.93-95. Protocolo Eletrônico Multiprofissional Em
Cirurgia Bariátrica. ABCD. Arquivos Brasileiros
7-Costa, S.C.; Figueiredo, M.R.B.; Schaurich, De Cirurgia Digestiva. Vol. 24. Num. 3. 2011.
D. Humanização em Unidade de Terapia p.215-218.
Intensiva Adulto (UTI): Compreensões da
Equipe de Enfermagem. Interface: 16-Oliveira, T.C.P.; Souza, S.B. As Atribuições
Comunicação, Saúde e Educação. Vol.13. E Benefícios Da Fisioterapia No Contexto
Sup. 1. 2009. p.571-580. Hospitalar E Sua Contribuição Para
Humanização Da Assistência. Rio de Janeiro.
8-Cunha, S.F.C.; Sanches, M.; Faria, A.; 2014.
Santos, J.E.; Borges, C.B.N. Evolução Da
Massa Corporal Após 12 Meses Da Cirurgia 17-Pereira, L.O.; Francischi, R.P.; Junior,
A.H.L. Obesidade: Hábitos Nutricionais,

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919
485
Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento
ISSN 1981-9919 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

Sedentarismo e Resistência à Insulina.


Arquivos Brasileiros de Endocrinologia &
Metabologia. Vol. 47. Num. 2. 2003. p.111-
127.

18-Salicio, D.M.B.; Gaiva, M.A.M. O


Significado De Humanização Da Assistência
Para Enfermeiros Que Atuam Em UTI. Revista
Eletrônica de Enfermagem. Vol. 8. Num. 3.
2006. p.370-376.

19-Sarmento G.J.V. Fisioterapia Hospitalar Pré


e Pós-Operatórios. São Paulo. Editora Manole.
2009. p.292.

20-Silva, I.D.; Silveira, M.F.A. A Humanização


E A Formação Do Profissional Em Fisioterapia.
Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 16. Num. 1.
2011. p.1535-1546.

21-Souza, L.N.A.; Padilha.; Souza, M.I.C. A


Humanização Na UTI: Um Caminho Em
Construção. Revista Texto e Contexto
Enfermagem. Vol. 9. Num. 2. 2000. p.324-335.

22-Tenorio, L.H.S.; Lima, A.M.J.; Santos,


M.S.B. Intervenção Da Fisioterapia
Respiratória Na Função Pulmonar De
Indivíduos Obesos Submetidos A Cirurgia
Bariátrica: Uma Revisão. Revista Portuguesa
de Pneumologia. Vol.16. Num. 2. 2010. p.307-
314.

23-Vedana, E.H.B.; Peres, M.A.; Neves, J.;


Rocha, G.C.; Longo, G.Z. Prevalência De
Obesidade E Fatores Potencialmente Causais
Em Adultos Em Região Do Sul Do Brasil.
Arquivos Brasileiros de Endocrinologia &
Metabologia. Vol. 52. Num. 7. 2008. p.1156-
1162.

24-Warpechowski, T.R. A Possibilidade De


Humanizar O Atendimento Fisioterapêutico. In:
Salão do Conhecimento. Ijuí. XX Jornada de
Pesquisa. 2015.

Recebido para publicação em 16/12/2016


Aceito em 31/01/2017

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.66. p.479-485. Nov./Dez. 2017. ISSN 1981-
9919

Você também pode gostar