Você está na página 1de 13

1

111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
1111111111111111111111111111111Workshop – Construção de
Marionetes
Passo a Passo

Passo 1 - Personagem
O passo inicial de construção de uma marionete é a determinação do personagem. Para
este exemplo, escolhi um velhinho rabugento. Eu quis mostrar a personalidade dele na
sua própria forma e aparência. Para mim, a idéia de ‘rabugento’ significa introvertido,
curvado, insatisfeito com o mundo exterior. Assim, pensei que uma forma corcunda
seria melhor. Utilizei Google para pesquisar formas corcundas e achei a imagem em
baixo:

Utilizando esta foto como base do meu desenho, comecei a


esboçar o meu velhinho em dois planos: frontal e lateral. O
resultado ficou assim
Passo 2 – Desenho Estrutural
Com estes esboços iniciais, desenhei a forma da cada parte da
figura (cabeça, torso, quadril, braços e pernas) numa outra
folha de papel vegetal diretamente em cima do meu esboço
original. Do lado temos a vista lateral da figura.

Notas Sobre o Desenho:


A linha de suporte do peso (ou vertical) entra no torso pelas
costas e sai no ponto de conexão com o quadril, alinhado com
o ponto de conexão das pernas, e sai no calcanhar do pé. Numa
pessoa normal - sem corcunda - as orelhas na cabeça e os
ombros (no ponto de conexão com os braços) também caíam
nesta linha e, em vez de sair pelo calcanhar, a linha sairia um
pouco mais para frente.
Os joelhos ficam na frente da linha de suporte para facilitar o
caminhar. Quando os joelhos ficam ou alinhados ou atrás da
linha, têm a tendência a trancar e não deixar o caminhar
fluente.
O antebraço foi desenhado em duas posições. A primeira segue
o esboço original e a segunda, para baixo, foi adicionado
para determinar a forma de cada peça do braço na área da ontrole e a mão. Amarre a
articulação.
As articulações dos membros (braços e pernas) serão feitas utilizando cadarço. Portanto,
as articulações não são pontos, mas sim linhas. No plano lateral, isso é evidente no
ombro.
Na articulação do ombro, desenhei um retângulo. Isso representa o cadarço que conecta
o braço ao torso. Diferente das outras articulações dos membros, o ombro precisa de
muita flexibilidade, o que é obtido através do cadarço.
A articulação do cotovelo não fica alinhada com a articulação do ombro; é deslocada em
60º. Este deslocamento não pode ser mostrado nem na vista lateral, nem na vista frontal.
A mais simples maneira de fazê-lo é cortar a parte do braço nesta linha e colar de nova
as peças com o deslocamento.
Nos casos do cotovelo e joelho, as peças se sobrepõem. Assim, têm ‘paradas’
incorporadas que bloqueiam movimento indesejável. É importante lembrar que quando
os membros fiquem dobrados, os pontos se projetarão. Um outro método, que evitará
projeções, utiliza fitas coladas nas duas peças que formam a articulação no lado oposto
do movimento indesejável (É assim que funcionam os ligamentos do corpo humano).
Tem um espaço entre o torso e o quadril. A conexão será feita com cadarço. A
vantagem é que o corpo pode girar para os lados sem exigir movimentar as pernas. Esta
articulação nem sempre é necessária, dependendo do tipo e quantidade de movimento
desejado.
Passo 3 – Montar Esqueleto
Com desenhos em dois planos que mostram as peças do corpo, começa o terceiro passo.
Para esta explicação vou utilizar o torso, mas as regras podem ser aplicadas a qualquer
parte do corpo.
Eu transferi cada peça numa outra folha de papel e cortei-as para usar como modelos em
cima do EVA. Sabendo que o torso e quadril são normalmente simétricos, eu cortei as
peças do plano frontal no meio. Depois, utilizando fita crepe, juntei as peças de EVA
para criar o esqueleto. A seguir, adicionei mais peças de EVA no esqueleto para reforçar
a estrutura. Coloquei as primeiras duas peças na linha do ombro para marcá-la. Isso é
muito importante; a conexão dos braços tem que ser feita numa junção da pele.
Coloquei as outras duas peças numa linha entre os ombros e a base do torso.

as peças separadas as peças juntadas aos outros suportes

Passo 4 – A Pele
Agora, fiquei pronto para o quarto passo: fazer a pele da marionete. Lembrando a criar
um junto da pele na linha de ombro, comecei a criar os dois arcos que ficam em cima
desta linha. Curvei um pedacinho de papel seguindo a linha lateral do torso e marquei
com lápis. Cortei o papel e afixei-o no esqueleto com fita crepe. Curvei o papel
seguindo a linha frontal, marquei, cortei e afixei. Marquei a linha transversal e, também,
cortei e afixei. Depois, fiz a mesma coisa com o outro arco. A seguir, fiz as partes de
baixo, seguindo o mesmo método. O resultado foram quatro modelos da pele. Lembrar
que isso só constitui metade do torso; para montar o torso inteiro, tem-se que cortar um
total de oito peças (duas de cada modelo).

distância entre o
controle e os
joelhos. Amarre
Utilizei este sistema para criar os modelos para todas as partes da
marionete.

IMPORTANTE: Cada articulação tem que cair numa junção do modelo ou não a
poderá ser criada!!!
Passo 5 – Montar as Peças
Com todos os modelos feitos, chega a hora de montar as partes da marionete. Para
começar, tem que traçar todos os modelos no EVA. Não esqueça de marcar cada peça
com uma palavra, ou letras, descritiva para saber qual é qual.
A única parte do corpo que não se inclue nos modelos é o pescoço. Há algumas opções
para criar o pescoço.
Um tubo de tecido: Isso dá forma completa do pescoço.
Um pedaço de cadarço: Isso dá mais flexibilidade e movimento, mas tem espessura
numa direção só.
Uma corda grossa: Isso só funciona bem quando tem pescoço longo. Com um pescoço
curto (o que é normal), a corda não dá muito movimento.
A forma do pescoço determinará o tipo de ponto de conexão com o torso e a cabeça.
Com todas as peças cortadas, pode montá-los na ordem seguinte.

O Torso
O torso tem mais pontos de conexão do que qualquer outra parte do corpo. Há quatro
ligações com outros membros (o pescoço, os dois braços e o quadril). Também tem dois
pontos de suporte nos ombros. Estes dois pontos levam o peso da marionete e assim,
precisam ser bem fortes.
Monte as peças da parte superior do torso com cola quente. Normalmente tem quatro:
duas da frente e duas de atrás.
Na área da conexão com o pescoço faça ou um furo para tubo ou corda grossa, ou corte
linear para cadarço. Reforce esta área com cola quente.
Cole dois pedaços de cadarço, um de cada lado, ao interior e à linha de conexão entre as
peças frontais e as peça anteriores. Estes pedaços devem estender-se de 4 a 5 cm fora
do corpo. Eles ligarão os braços.
Cole mais dois pedaços de cadarço à superfície do torso, um a cada ponto de suporte
nos ombros para reforçá-los.
Cole as duas peças anteriores da parte inferior do torso juntas.
Para ligar o quadril, cole pedaços de cadarço ao largo do interior da beirada inferior do
torso. Estes pedaços têm que se estender cobrindo a distância entre o torso e o quadril
mais 5 cm.
Cole as peças frontais, da parte inferior do torso, juntas e depois cole ao resto da parte
inferior do torso.
Para finalizar, cole a parte inferior à parte superior, cuidando de não deixar a cola
grudar nos cadarços dos braços.
Para manter a forma do torso é necessário encher completamente a peça com
pedacinhos de EVA ou tecido, ou manta acrílica.
Os Braços
Numa marionete, os braços e as mãos são muito importantes para a expressão
dramática. Quando as articulações não seguem a forma verdadeira do corpo humano, o
resultado (como existe em virtualmente todas as marionetes vendidas) e um movimento
robótico, tipo monstro do Frankenstein. As três articulações não estão alinhadas: o
antebraço levanta-se num ângulo de 60º do eixo do ombro e a mão levanta-se num
ângulo de 60º do eixo do cotovelo.

Mas, a forma mais simples para reproduzir este ‘não-alinhamento’ entre as partes do
braço será realizada depois de montar os braços.
Comece por colar a(s) peça(s) da parte superior do braço juntas, deixando uma linha de
conexão longitudinal aberta, para ter acesso ao interior do braço. Marque 1,5 cm no
cadarço saindo do torso. Cole o cadarço ao interior do braço exatamente na linha
marcada. Este 1,5 cm de cadarço livre dará a flexibilidade necessária para a articulação
do ombro.
Cole um outro pedaço do cadarço de 6 cm à área do cotovelo da parte superior do braço,
deixando 3 cm fora para conectar o antebraço. Com o cadarço colado dentro, a parte
superior do braço pode ser fechada. Normalmente no caso do braço não precisa enchê-
lo; por causa do tamanho, o EVA tem dureza suficiente para manter a forma.
Cole a(s) peça(s) do antebraço juntas, também deixando uma linha de conexão aberta.
Para fazer o cotovelo, dobre a articulação e, nesta posição, cole o cadarço dentro do
antebraço.
Agora, vem a forma mais simples para reproduzir o não-alinhamento. Corte a parte
superior do braço no meio. Alinhe seguindo o eixo certo e cole de novo.
No caso do pulso, tem duas opções. A mão pode ser colada diretamente no antebraço ou
o pulso pode ser feito com cadarço.
Em qualquer caso, a ligação da mão deveria ser feita num ângulo de 60º do eixo do
cotovelo.
O Quadril

As articulações do quadril (com o torso e as pernas) caem na linha do suporte da


marionete. Portanto, o quadril tem que agüentar o peso do corpo sem distorcer. Isso
pode ser feito colocando um pedaço de EVA no plano da linha do suporte. Há dois
métodos para fazer isso.
Dividir o esqueleto do quadril na linha do suporte. Assim, tem duas partes do quadril
para criar modelos. Na parte posterior, adicione um modelo para a superfície interior
que liga as duas partes do quadril. Monte as peças do exterior da cada parte do quadril,
mantendo as duas partes separadas.
Monte o quadril e depois corte na linha do suporte. Crie um pedaço do EVA para a
superfície interior que liga as duas partes do quadril.
A seguir, seja pelo método 1 ou 2, faz um modelo do plano vertical que fica entre as
duas partes do quadril, e corte em EVA. Cole o mesmo no interior da parte anterior do
quadril, às beiradas laterais e a superior, deixando a beirada inferior aberta. Encha a
parte posterior do quadril, através da beirada inferior, com pedacinhos de EVA, tecido,
ou manta acrílica. Cole a beirada inferior.
Meça a distância entre o torso e o quadril e marque o cadarço que faz esta conexão.
Cole o cadarço ao quadril nesta linha.
Cole mais um ou dois cadarços (dependendo da largura das pernas) ao quadril no ponto
de conexão para cada perna. Estes pedaços devem estender-se ao menos 4 cm.
Encha a parte anterior e cole a mesma à parte posterior.
Às vezes, o quadril ficaria desequilibrado por causa de falta de peso posicionado
adequadamente. Portanto, poderia ser necessária a adição de peso na parte anterior do
quadril. Possibilidades para este peso são: chumbo, parafusos, ou outros pedacinhos de
metal ou pedra. Faz a adição pouco a pouco, sempre checando o equilíbrio do quadril
até ficar certo.
Centralizado na superfície do traseiro, cole um pedaço de cadarço. Isso serve para
conectar um fio que deixará a marionete sentar e vergar.

As Pernas
Montar as pernas é bem semelhante ao montar os braços, mas mais fácil. As
articulações das pernas são alinhadas e tem dobras simples (como o cotovelo).
Comece com a parte superior, colando as peças, mas deixando uma linha de conexão
aberta para ter acesso ao interior da perna. Dobre a articulação no quadril e cole o
cadarço dentro da perna. Cole um pedaço de cadarço de 6 cm na área de joelho,
deixando 3 cm fora para conectar a parte inferior da perna. Na frente da parte superior
da perna, 1 cm acima do joelho, cole um pedaço quadrado de cadarço. Isso é para
conectar o fio do controle. No caso de perna grande, encha a peça antes de fechá-la.
Para a parte inferior da perna, o processo é igual mais um passo extra: antes de fechá-la,
cole um parafuso (tamanho 8 – 10, dependendo do tamanho da perna) dentro da peça
com a cabeça para baixo. O parafuso dará o peso necessário para facilitar a articulação
das pernas. Sem este peso, as pernas poderiam ficar leves demais e flutuar.
Os pés podem ser ligados ou diretamente às pernas ou através de uma articulação de
cadarço. O primeiro método é bem mais simples, e ainda deixa movimentação na área
do tornozelo por que o EVA tem flexibilidade. Antes de fechar os pés, teste o
movimento das pernas. Às vezes, ainda faltam peso suficiente nos pés. Isso é bem
comum quando os pés são grandes. Nestes casos, adicione mais peso na forma de
chumbo ou parafuso, etc.
A Cabeça
Há dois métodos que podem ser utilizados para a criação da cabeça.
Criar uma cabeça genérica. Isso significa que ela somente tem a forma geral, poderia ser
ou esferoidal ou a forma de um ovo ou qualquer outra forma. O rosto, feito de outro
material como papier mâché, pode ser adicionado depois como máscara.
Seguir o mesmo processo que as outras partes do corpo. Infelizmente, por causa do
tamanho da cabeça, este processo não deixa criar detalhes finos.
No ponto de conexão com o pescoço, deixe um furo ou corte do mesmo tamanho que o
pescoço (veja descrição do pescoço).
Para pendurar a cabeça precisam-se três pontos de conexão para os fios. Em vista
vertical descendente, os pontos são eqüidistantes. Visto do lado, o ponto atrás fica um
pouco por baixo da linha central e os da frente um pouco por cima.

Vista Vertical Descente Vista ¾, do Atrais e Lado

O EVA sozinho não tem resistência suficiente para segurar os fios. Portanto, cada ponto
de conexão precisará de um pedacinho de cadarço, na superfície, para reforçá-lo. Uma
cabeça bem grande poderia precisar também de um suporte interior para não deixá-la
flexionar. Este suporte poderia ser feito de uma vara de madeira, o corpo de uma caneta
(tipo BIC) etc.
Cole as peças da parte superior da cabeça juntas. Cole as peças da parte inferior juntas.
É importante não juntar as partes da cabeça antes de fazer a conexão com o pescoço!

O Pescoço
Há algumas opções para criar o pescoço.
Um tubo de tecido: Isso dá forma completa do pescoço.
Um pedaço de cadarço: Isso dá mais flexibilidade e movimento, mas tem espessura
numa direção só.
Uma corda grossa: Isso só funciona bem quando tem pescoço longo. Com um pescoço
curto (o que é normal), a corda não dá muito movimento.
A ligação entre o pescoço e a cabeça pode ser feita ou na abertura na base da cabeça ou
no ponto central da cabeça. A segunda opção é um pouco mais difícil de fazer, mas tem
a vantagem que os pontos de suporte ficam mais alinhados com o ponto focal (o ponto
da conexão) e, portanto, ofereçem mais controle e maneabilidade.
Para a primeira opção, cole o pescoço ao torso. Meça a distância entre o torso e a cabeça
e marque-la no pescoço. Cole o pescoço à abertura na base da cabeça seguindo esta
linha. Enche as duas partes da cabeça e cole-las juntas.
Para a segunda opção, cole o pescoço ao torso. Cole um suporte entre os pontos laterais
do suporte da cabeça. Este suporte pode ser feito com uma vara de madeira, uma peça
do corpo de uma caneta, uma bobina de linha, etc. (No caso de um pescoço tubular,
corte um circulo de EVA do mesmo diâmetro que o pescoço e ponha na abertura do
tubo depois de determinar o tamanho certo do pescoço.) Meça a distância entre o torso e
o ponto central da cabeça, e marque-la no pescoço. Corte o pescoço nesta linha e cole-lo
ao centro do suporte lateral da cabeça. Não enche a cabeça, pois não deixará o pescoço
flexionar dentro da cabeça, que é o objetivo deste método. Cole juntas as duas partes da
cabeça.

Agora, a marionete está completa e pronta para o próximo passo.

Passo 6 – O Controle
Há três formatos de controle: vertical, ergonômico (feito na diagonal), e horizontal. O
primeiro tem mais facilidade de emaranhar os fios, pois eles ficam mais próximos um
ao outro. O segundo formato, embora que é mais confortável para manipular, tem a
desvantagem que só funciona quando a marionete e o manipulador estão olhando na
mesma direção. Portanto, optei para fazer um controle horizontal.
Do controle horizontal, a forma mais comum, a venda, é uma cruz fixa com os fios dos
membros (braços e pernas) ligados à mesma peça que os fios de suporte. O resultado e
que não dá para isolar o movimento e a marionete fica ‘epilética’.
Outro tipo utiliza uma barra separada para as pernas, que se pendura da parte principal
do controle. Isso isola o movimento das pernas, que melhora a situação. O problema que
surge é uma tendência a puxar as pernas para frente – dando um movimento típico às
marionetes, mas não muito realístico.
O controle descrito aqui utiliza uma barra de balanço ligado à barra principal do
controle para as pernas. Assim, isola o movimento do suporte da marionete, através do
balanço, e também levanta as pernas para cima e não para frente. Os braços utilizam um
único fio, que sobe de uma mão para o controle e desce para a outra mão. Isso deixa o
manipulador operar as duas mãos ao mesmo tempo.
Os três fios da cabeça conectam-se diretamente à barra principal do controle. Assim, a
cabeça é movimentada pela barra principal.
O suporte da marionete, que vem dos ombros, é feito através de um fio que vai de um
ombro até um furo na parte posterior do controle e desce ao outro ombro.
Só tem mais um fio que vai do traseiro da marionete até um ponto na parte posterior do
controle.

Criação do Controle
Para criar o controle, precisa-se de 16 palitos de sorvete e um parafuso.

Em dois palitos, desenhe uma linha perpendicular ao lado do palito, que corta somente o
arco. Ponha outro destes palitos perpendicular ao primeiro e alinhado com a linha
desenhada. Desenhe outra linha no outro lado do palito. Assim, tem duas linhas com
uma distância igual à largura do palito.
Corte o palito com uma linha só, seguindo essa linha. Utilize este palito para criar mais
dois palitos iguais a esse.
Corte o segundo palito, o que tem duas linhas, na segunda linha. Utilize este palito para
cortar mais um palito igual. Guarde as peças restantes destes dois palitos menores.
Cole os dois dos palitos menores superpostos a um dos palitos maiores. Chame-se essa
peça ‘A’.
Em um outro palito desenhe uma linha dividindo-o em duas peças iguais. Desenhe mais
duas linhas paralelas de distância igual à metade da largura de palito. Corte o palito
nessas duas linhas.

Cole essas duas peças ao mesmo lado de um outro palito, deixando um espaço entre as
duas peças, que é igual à largura de um palito. Chame-se essa peça ‘B’.
Cole peça ‘A’ à peça ‘B’.

Cole mais um palito, não cortado, ao longo da peça ‘B’ e em cima da junção com a peça
‘A’.
Cole os outros dois palitos cortados aos dois lados da peça ‘A’. Segure com fita crepe e
deixe para secar completamente. Isso faz a Barra ‘T’ do Controle.
Em um outro palito, segue as instruções do parágrafo 1 para criar um palito com duas
linhas. Faz mais uma terceira linha paralela a uma distância igual à largura de um palito.
Corte o palito na segunda e terceira linha. Guarde todas as peças. Repete este processo
mais três vezes.

Cole a peça grande e a peça pequena (as duas peças com arcos) na superfície de um
palito inteiro. Repita este processo mais três vezes.
Cole duas destas peças perpendicularmente na área do espaço. Repita este processo
mais uma vez.
Cole estas duas peças juntas e segure com fita crepe para secar. Isso faz a Barra do
Balanço.
Cole duas peças retangulares, que sobraram do parágrafo 11, na junção ‘T’ da Barra ‘T’
do Controle. Segure com fita crepe para secar.

Cole duas peças com arcos, que sobraram do parágrafo 3, em cima dos braços pequenos
da Barra do Balanço.

Espere um dia para as partes do controle secar completamente.

Lixe as peças.
Faz um furo, um pouco maior que o diâmetro do parafuso no centro do cruzamento da
Barra do Balanço.
Faz outro furo, do mesmo diâmetro que o parafuso, no centro da junção da Barra ‘T’ do
Controle.
Parafuse a Barra do Balanço à Barra ‘T’.
Faz os furos para os fios seguindo a diagrama abaixo.

Passo 6 – Ligar a Marionete ao Controle


Comece com o fio do suporte. Coloque o fio dentro do furo e depois amarre num dos
ombros. Determine a melhor altura do controle e corte o fio um pouco mais comprido
que o dobro da distância entre os ombros e o controle, para ter fio suficiente para
amarrar, e amarre-lo.
Corte três fios um pouco mais compridos que a distância entre o controle e a cabeça.
Amarre estes fios aos três pontos da cabeça. Amarre os dois fios laterais ao controle,
fazendo com que os dois fiquem do mesmo tamanho. Depois amarre o último fio ao
controle.
Corte dois fios um pouco mais compridos que a