Você está na página 1de 83

DEFINIÇÃO

• FAP é o mecanismo que permite à


Previdência Social aumentar em até
100% ou diminuir em até 50% as
alíquotas de contribuição para
financiar os Riscos do Ambiente de
Trabalho – RAT

• O SAT é o Seguro Acidentes de


Trabalho e agora denomina-se RAT
– Riscos Ambientais do Trabalho
OBJETIVO
• Incentivar a melhoria das condições
de trabalho e da saúde do
trabalhador estimulando as
empresas a implementarem políticas
mais efetivas de saúde e segurança
no trabalho para reduzir a
acidentalidade.
FINANCIAMENTO DO RAT/SAT
Definição de alíquota e base de cálculo

Por atividade % Sobre o


Econômica Salário de
CNAE Contribuição

Leve 1%
Grau Médio 2%
Grave 3%

A partir de 01/01/2010- Vigência do Anexo V do Dec. 3048/99


com redação dada pelo Dec. 6.957/2009
EXEMPLO DE CUSTO
Total das remunerações:
0,5% = 4.000,00
R$ 800.000,00 x 1,0% = 8.000,00
1,5% = 12.000,00

1% 8.000,00
R$ 800.000,00 X 2% 16.000,00
3% 24.000,00

2% = 16.000,00
R$ 800.000,00 x 4% = 32.000,00
6% = 48.000,00
EXEMPLO DE EMPRESAS E RESPECTIVOS
CNAE
CNAE ATIVIDADE ALÍQUOTA
2823-2/00 Fabricação de máquinas e aparelhos de 2%
refrigeração e ventilação para uso industrial e
comercial, peças e acessórios

2824-1/01 Fabricação de aparelhos e equipamentos de 2%


ar condicionado para uso industrial

2824-1/02 Fabricação de aparelhos e equipamentos de 2%


ar condicionado para uso não-industrial

4292-8/01 Montagem de estruturas metálicas 3%

3314-7/07 Manutenção e reparação de máquinas e 1%


aparelhos de refrigeração e ventilação para
uso industrial e comercial
FINANCIAMENTO DO RAT
Enquadramento no grau de risco

De acordo com a De responsabilidade


Atividade econômica da empresa.
Preponderante Cabe ao Fisco rever

Mensal

Que ocupa na Relação de atividade


Empresa o maior nº de e grau de risco
Empregados e avulsos Anexo V do RPS
RAT– ENQUADRAMENTO
NO GRAU DE RISCO

Empresa com um Enquadra na Respectiva


Estabelecimento e uma atividade
atividade econômica
Enquadra na atividade Com
Empresa com um maior número de
Estabelecimento e mais de Empregados e trab. avulso
uma atividade econômica
• Soma os segurados da
Empresa com mais de um mesma atividade em todos
Estabelecimento e diversas Estabelecimentos
atividade econômica • Enquadra na atividade
de maior nº de empregados
e trabalhador avulsos
RAT é único por empresa (vale para matriz e filiais. Enquadramento não computa
Segurados da atividade-meio (recepção, administração, cobrança contab. Vigilancia..
EXEMPLO
CONSTRUTORA X (sem filial), 3 Atividades:
Edifício, Ponte e Urbanização
COMPETÊNCIA 06/2007 07/2007 Nº

Edifício E
CNAE 4120-4/00 - Risco 3% 20 15 M
P
Ponte R
E
CNAE 4212-0/00 - Risco 2% 10 10 G
A
Urbanização D
CNAE 4213-8/00 - Risco 2% 15 20 O
S

CNAE PREPONDERANTE 4120-4/00 4213-8/00

RAT na competência 3% 2%
EXEMPLO DE ENQUADRAMENTO
EMPRESA y com um estabelecimento e mais de uma
atividade econômica COMP/ N. DE EMPR.

CNAE 2824-1/02 2% 06/2007 07/2007


Fabricação de aparelhos e equipamentos
de ar condicionado para uso não-industrial 12 10

CNAE 3314-7/07 1%
Manutenção e reparação de máquinas e
15
15 9
aparelhos de refrigeração e ventilação
para uso industrial e comercial

CNAE 4292-8/01 3%
3%
8 16
16
Montagem de estruturas metálicas
CNAE Preponderante: 3314-7/07 4292-8/01

RAT na competência 1% 3%
Exemplo:
Construtora Y (Matriz e Filial) - 3 atividades: Edifício,
Urbanização e Rodovia.
RAT único por empresa. Soma segurados mesma atividade
Nº Empregados
COMPETÊNCIA 08/2008 Matriz Filial
Edifício 1
CNAE 4120-4/00 - Risco 3% 10
Urbanização 15
CNAE 4213-8/00 - Risco 2%
Rodovia 18
CNAE 4211-1/01 - Risco 2%
Edifício 2
CNAE 4120-4/00 - Risco 3% 15
CNAE Preponderante 4120-4/00
RAT na competência 3%
FLEXIBILIZAÇÃO DAS ALÍQUOTAS
DO RAT

A alíquota de contribuição de 1%, 2% ou 3%, destinada ao


financiamento do benefício de aposentadoria especial ou
daqueles concedidos em razão do grau de incidência de
incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais
do trabalho, poderá ser reduzida, em até 50%, ou
aumentada, em até 100%, conforme dispuser o
regulamento, em razão do desempenho da empresa em
relação à respectiva atividade econômica, apurado em
conformidade com os resultados obtidos a partir dos
índices de freqüência, gravidade e custo, calculados
segundo metodologia aprovada pelo Conselho Nacional de
Previdência ((LEI 10.666/2003, Art. 10. )
FAP MULTIPLICADOR

O FAP consiste num multiplicador variável


num intervalo contínuo de cinco décimos
(0,5000) a dois inteiros (2,0000), aplicado
com quatro casas decimais, considerado
o critério de arredondamento na quarta
casa decimal, a ser aplicado à respectiva
alíquota.(Art. 202-A, § 1º)
Nome Empresarial
CNPJ Raiz: 12345678 FAP 1.0863
Endereço:
PODERÁ SER REDUZIDA EM ATÉ 50%
OU AUMENTADA EM ATÉ100%

0 0,50 1,0
FAP 1.0863

REDUÇÃO
REDUÇÃO
MAJORAÇÃO

0,5000 1,0000 2,0000

O FAP consiste num multiplicador variável num intervalo


contínuo de cinco décimos (0,5000) a dois inteiros (2,0000),
aplicado com quatro casas decimais
CÁLCULO DO FAP

Por Atividade Econômica % Sobre o Salário


CNAE Subclasse de Contribuição
Leve 1%
Grau Médio 2% FAP do
Grave 3% exemplo

FAP MULTIPLICADOR
0,5000 1,000 2,0000 FAP.1,0863
Alíquota RAT
0,5% 1,0% 2,0% 1,0863
1,0% 2,0% 4,0% 2,1726
1,5% 3,0% 6,0% 3,2589
CÁLCULO DO FAP
Metodologia na Resolução nº 1.308/09

Consiste no cálculo dos índices de frequência,


gravidade e custo para empresa a partir dos
dados apurados no período base (04/07 a 12/08).

Realizado em 3 etapas:

1) Cálculo dos índices: Frequência (IF)

2) Cálculo do Percentil de
Gravidade (IG)
ordem para:
3) Cálculo do Índice Composto a
partir do Percentil de ordem de: Custo (IC)
ÍNDICE DE FREQUÊNCIA
I- Para esse índice são computadas as ocorrência
acidentárias registrada por meio da CAT e os B91 e
B93 sem registro de CAT, ou seja, aqueles que
foram estabelecidos por nexos técnicos, inclusive por
NTEP.
Podem ocorrer casos de concessão de B92 e B94
sem a precedência de um B91 e sem a existência da
CAT e nestes casos serão contabilizados como
registros de acidentes ou doença do trabalho
FÓRMULA

IF = Nº de acidentes
x 1.000
Nº Médio de Vínculos
ÍNDICE DE GRAVIDADE
(1º ETAPA)

Indica a gravidade das ocorrências acidentarias em


cada empresa. São computados todos casos de
afastamento acidentario por mais de 15 dias, os casos
de invalidez e morte acidentárias, de auxílio-doença
acidentário e auxílio-acidente.

É atribuído peso diferente para 0,50 Morte


cada tipo de afastamento em 0,30 Invalidez
função da gravidade da 0,10 Auxílio-Doença
ocorrência. 0,10 Auxílio-Acidente
ÍNDICE DE GRAVIDADE (IG)

FÓRMULA

IG = [(Nº de B91 x 0,1) + (Nº de B92 x 0,3)


+(Nº de B93 x 0,5)+(Nº de B94 x 0,1)] x 1.000
Nº médio de vínculos

B91 = Auxílio doença por Acidentária


B92 = Aposentadoria por Invalidez por Acidentária
B93 = Pensão por Morte Acidentária
B94 = Auxílio Acidente por Acidente de Trabalho
ÍNDICE DE CUSTO
• Representa o custo dos benefícios por afastamento
coberto pela Previdência em rendas mensais de
benefícios.
• No caso de auxílio doença (B91), o custo é
calculado pelo tempo de afastamento, em meses e
fração de mês, do trabalhador.
• Nos casos de Invalidez, parcial ou total, e morte, os
custos são calculados fazendo uma projeção da
expectativa de vida a partir da tábua completa de
mortalidade construída pelo IBGE.
Valor total dos Benefícios
IC = Valor Total de Remuneração paga X 1.000
pelo estabelecimento aos segurados
CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM
2ª ETAPA

DOS ÍNDICES DE FREQUÊNCIA, GRAVIDADE E CUSTO


• Após o cálculo dos índices de frequência, gravidade e
custo, são atribuídos os percentis de ordem para as
empresas por setor (subclasse da CNAE) para cada
um desses índices.
• A empresa com menor índice de frequência de
acidentes e doenças do trabalho no setor, por
exemplo, recebe o menor percentual 50% e o
estabelecimento com maior frequência acidentária
recebe 100%.
• O percentil é calculado com os dados ordenados de
forma ascendente (do menor para o maior)
CÁLCULO DO PERCENTIL

FÓRMULA

Nordem – 1
PERCENTIL = 100 x
n-1

Onde:
n = Número de estabelecimento na Subclasse
Nordem = Posição do índice no ordenamento
da empresa na Subclasse
PERCENTIS

• No 4º Percentil (P4), 4% dos elementos


• estarão abaixo dele e 96% estarão acima.
• No 8º Percentil (P8), 8% dos elementos
• estarão abaixo dele e 92% estarão acima.
• No 40º Percentil (P40), 40% dos elementos
• estarão abaixo dele e 60% estarão acima.
• .
• No 99º Percentil (P99), 99% dos elementos
• estarão abaixo dele e 1% estarão acima.
• E assim por diante.
ÍNDICE COMPOSTO

• Após o cálculo do percentil de ordem de


cada índice podemos calcular o índice
composto (IC) que determinará o FAP para
a empresa.
• No critério das ponderações para a criação
do índice composto dá-se peso:
• 0,50 Gravidade
• 0,35 Frequência
• 0,15 Custo
ÍNDICE COMPOSTO
3ª ETAPA

• O índice composto calculado para cada empresa é


multiplicado por 0,02 para a distribuição dos
estabelecimentos dentro de determinado CNAE-
Subclasse variar de 0 a 2.
• Os valores inferiores a 0,5 receberão 0,5 que é o
menor fator acidentário (FAP)

FÓRMULA
IC = [(0,50 X Percentil de Gravidade) + (0,35 X Percentil de Frequência)
+ (0,15 X Percentil de Custo)] X 0,02
TAXA MÉDIA DE ROTATIVIDADE
TMR
• A taxa média de rotatividade do CNPJ consiste na
média aritmética resultante das taxas de rotatividade
verificadas anualmente na empresa, considerando o
período total de dois anos
• A taxa de rotatividade anual é a razão entre o
número de admissões ou rescisões (considerando-
se sempre o menor), sobre o número de vínculos na
empresa no inicio de cada ano de apuração,
excluídas as admissões que representarem apenas
crescimento e as rescisões que representarem
diminuição do número de trabalhadores do
respectivo CNPJ.
TRAVA DE ROTATIVIDADE

• Após o cálculo do FAP não será concedida


a bonificação (redução) para as empresas
cuja taxa média de rotatividade for superior
a 75%
• Aplicação – Justificativa: A taxa média de
rotatividade faz parte do modelo do FAP
para evitar que as empresas que mantém
por mais tempo os seus trabalhadores
sejam prejudicadas por assumirem toda a
acidentalidade.
TAXA DE ROTATIVIDADE ANUAL
Média das Taxas de Rotatividade - TRA
Anuais dos últimos 2 anos

TRA = Nº de Admissões ou Demissões X 100


Nº de Vínculos no inicio do ano

TAXA MÉDIA DE ROTATIVIDADE


Média aritmética resultante das taxas de
rotatividade verificadas anualmente na
empresa, considerando o período total
de dois anos
TRAVA DE MORTALIDADE OU
INVALIDEZ

• Caso a empresa apresente casos de morte ou


invalidez permanente, seu valor FAP não pode ser
inferior a 1,0, para que a alíquota da empresa não
seja inferior à alíquota de contribuição da sua área
econômica, prevista no Anexo V do RPS, salvo, a
hipótese de a empresa comprovar, de acordo com
regras estabelecidas pelo INSS, investimentos em
recursos materiais, humanos e tecnológicos em
melhoria na segurança do trabalho, com o
acompanhamento dos sindicatos dos trabalhadores
e dos empregadores.
MAJORAÇÃO EM 75%
• Excepcionalmente, no primeiro ano de aplicação
do FAP, nos casos, exclusivamente, de aumento
das alíquotas constantes nos incisos I a II do
artigo 202 do RPS, esta serão majoradas,
observando o mínimo equivalente à 75% da parte
do índice apurado que exceder 1
• Desta forma consistirá num multiplicador variável
num intervalo contínuo de 1,75 e será aplicado
com quatro casas decimais, considerado o
critério de arredondamento, a ser aplicado à
respectiva alíquota
EXEMPLO
• Suponha que um CNPJ, enquadrado no
CNAE preponderante 4120-4/00 (Construção
de Edifícios), alíquota RAT 3%, com média de
250 empregados, tem no período base de
cálculo 60 eventos das seguintes espécies:
• 40 B91; 05 B92; 10 B93; 05 B94
• O Valor total da remuneração paga pela
empresa é de R$800.000,00 e o valor total
dos benefícios pagos pelo INSS é de
R$516.000,00
EXEMPLO: CÁLCULO DO ÍNDICE
DE FREQUÊNCIA
IF = nº de acidente registrados em cada
empresa, mais os benefícios que entraram
sem CAT vinculada, por nexo técnico
nº médio de vínculos x 1.000 (mil).

IF=(nºde acidentes/nº médio de vínculos) x1.000

• Nº total de acidente = 60
• Nº de empregados = 250
• IF = (60/250) X 1.000
EXEMPLO: CALCULANDO ÍNDICE DE
GREVIDADE

IG = (Nº B91x0,1+ Nº B92x0,3+ Nº B93X0,5 + Nº 94x0,1) x 1.000


Nº médio de vínculos.

IG = 40x0,1 + 5x0,3 + 10x0,5 + 5x0,1 x 1.000


250
IG = 4 + 1,5 + 0,50 x 1.000
250
IG = 11 x 1.00
250
IG = 0,044 x 1.000 IG = 44
EXEMPLO: CALCULO
DO ÍNDICE DE CUSTO

IC = Valor total dos benefícios x 1.000


valor total de remuneração paga
pelo estabelecimento aos segurados

• Valor total dos benefícios: R$516.000,00


• Valor da remuneração: R$800.000,00

• IC= (516.000,00/800.000,00) x 1.000


• IC = 0,6450 x 1.000

CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM DE
FREQUÊNCIA
Exemplo:
Suponha que, no exercício, temos 15 empresas enquadradas na CNAE-
Subclasse 4120-4/00 – construção de edifício apresentando os seguintes
índices de frequencia
POSIÇÃO CNPJ RAIZ FREQÊNCIA
1 00.000.000/001-00 44,00
2 00.000.000/001-00 45,55
3 00.000.000/001-00 86,10
4 00.000.000/001-00 97,00
5 00.000.000/001-00 107,80
6 00.000.000/001-00 115,00
7 00.000.000/001-00 117,98
8 00.000.000/001-00 179,00
9 00.000.000/001-00 181,12
10 00.000.000/001-00 213,45
11 00.000.000/001-00 213,00
12 00.000.000/001-00 240,00
13 00.000.000/001-00 279,00
14 00.000.000/001-00 384,00
15 00.000.000/001-00 497,89
CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM DE
FREQUÊNCIA

PERCENTIL = 100 x Nordem – 1


n-1
PERCENTIL = 100 X (12-1)
15-1

PERCENTIL = 100 X 11
14

PERCENTIL = 100 X 0,7857


PERCENTIL = 78,57
CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM DE
GRAVIDADE
Exemplo:
Suponha que, no exercício, temos 15 empresas enquadradas na CNAE-
Subclasse 4120-4/00 – construção de edifício apresentando os seguintes
índices de gravidade
POSIÇÃO CNPJ RAIZ GRAVIDADE
1 00.000.000/001-00 18,00
2 00.000.000/001-00 19,15
3 00.000.000/001-00 20,10
4 00.000.000/001-00 24,40
5 00.000.000/001-00 23,75
6 00.000.000/001-00 24,77
7 00.000.000/001-00 25,00
8 00.000.000/001-00 28,78
9 00.000.000/001-00 28,90
10 00.000.000/001-00 29,96
11 00.000.000/001-00 30,00
12 00.000.000/001-00 33,00
13 00.000.000/001-00 37,89
14 00.000.000/001-00 44,00
15 00.000.000/001-00 58,64
CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM DE
GRAVIDADE

PERCENTIL = 100 x Nordem – 1


n-1
PERCENTIL = 100 X (14-1)
15-1

PERCENTIL = 100 X 13
14

PERCENTIL = 100 X 0,9286


PERCENTIL = 92,86
CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM DE
CUSTO
Exemplo:
Suponha que, no exercício, temos 15 empresas enquadradas na CNAE-
Subclasse 4120-4/00 – construção de edifício apresentando os seguintes
índices custo
POSIÇÃO CNPJ RAIZ CUSTO
1 00.000.000/001-00 235,00
2 00.000.000/001-00 257,00
3 00.000.000/001-00 260,00
4 00.000.000/001-00 280,00
5 00.000.000/001-00 287,00
6 00.000.000/001-00 290,00
7 00.000.000/001-00 305,00
8 00.000.000/001-00 317,00
9 00.000.000/001-00 339,00
10 00.000.000/001-00 448,00
11 00.000.000/001-00 470,00
12 00.000.000/001-00 580,00
13 00.000.000/001-00 645,00
14 00.000.000/001-00 709,00
15 00.000.000/001-00 767,00
CÁLCULO DO PERCENTIL DE ORDEM DE
CUSTO

PERCENTIL = 100 x Nordem – 1


n-1
PERCENTIL = 100 X (13-1)
15-1

PERCENTIL = 100 X 12
14

PERCENTIL = 100 X 0,8571


PERCENTIL = 85,71
CÁLCULO DO
ÍNDICE COMPOSTO

• IC = [(0,50 x Percentil de Gravidade) +


(0,35 x Percentil de Frequência) +
(0,15 x Percentil de Custo)] x 0,02

• IC = [(0,50 x 92,86) + (0,35 x 78,57) +


(0,15 x 85,71)] x 0,02

• IC = [46,43 + 27,50 +12,86] x 0,02


• IC = 86,79 x 0,02
• IC = 1,7358
Exemplo: FAP REDUÇÃO DE 25%

• FAP Integral = 1,7358 (1-1,7358 = 0,7358)


• Redução de 25% =0,1840 (0,7358 x 25% = 0,1840)
• Redução de 25% =0,5518 (0,7358-0,1840 = 0,5518)

• FAP reduzido = 1,5518 (1 + 0,5518 = 1,5518)

• RAT Ajustado = 4,7% (3%x1,5518 = 4,6554%= 4,7%)

• Para lançamento da alíquota RAT Ajustada na folha


de pagamento, devemos considerar apenas uma
casa decimal, assim com o critério de
arredondamento, a alíquota será de 4,7%
Supondo que uma empresa apresente
os seguintes dados em cada ano
2007 2008
MES ADM. DEM. ADM. DEM. Para 2007
Taxa de Rotatividade Anual (TRA)
Jan. 10 5 7 3
TRA= (98 ÷ 400) x 100
Fev. 11 7 10 4
TRA = 0,2450 x 100
Mar. 13 8 12 5
TRA = 24,50
Abr. 11 3 23 6
Mai. 7 4 12 7 Para 2008
Jun 5 6 12 9 TRA= (113 ÷ 445)x 100
Jul 8 7 3 11
TRA = 0,2539 x 100
Ago. 10 9 4 21
Set. 15 10 6 22 TRA = 25,39
Out 26 12 7 12
Nov 15 15 8 12 Taxa Média de Rotatividade (TMR)
Dez 12 12 9 13 TMR =(24,50 + 25,39) ÷ 2
Total Quantidade
143 inicial
98em 01/jan
113 125 TMR = 24,94
(2º) Supondo que uma empresa apresente
os seguintes dados em cada ano
2007 2008
Para 2007
MES ADM. DEM. ADM. DEM.
Taxa de Rotatividade anual
Jan. 10 18 18 15 TRA= (185 ÷ 300) x 100
Fev. 11 29 16 18 TRA = 0,6166 x 100
Mar. 13 24 15 8 TRA = 61,66
Abr. 11 27 15 20
Para 2008
Mai. 17 25 16 9
Jun 10 16 19 18 TRA= (188 ÷ 211)x 100
Jul 18 10 28 11 TRA = 0,8909 x 100
Ago. 19 29 15 21 TRA = 89,09
Set. 15 4 13 22
Taxa Média de Rotatividade (TMR)
Out 17 36 15 25
TMR =(61,66 + 89,09) ÷ 2
Nov 25 27 10 34
TMR = 75,37
Dez 19 29 8 39
Total 185 274 188 240 TMR = acima de 75%
não dá direito a redução
Quantidade inicial em 01/01
EVENTOS CONSIDERADOS NO
FAP

• Benefícios considerados, por empresa, para


calculo do FAP:

• Auxílio-doença acidentária (B91)


• Pensão por morte acidentária (B93)
• Aposentadoria por invalidez acidentária (B92)
• Auxílio acidente por acidente de trabalho (B94)
• Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT)
DIVERGÊNCIAS

• 1ª.A empresa concorda


• 2ª.A empresa não reconhece o NIT informado
• 3ª. O NIT não teve benefício naquele período
• 4ª. CID incapacitante não confere com o CID
informado
• 5ª.Empresa não concorda com o quantitativo
informado de benefício por espécie
CONTESTAÇÃO DO FAP
PORTARIA Nº 329, 10/12/2009

O FAP atribuído pelo Ministério da Previdência


Social - MPS poderá ser contestado perante o
Departamento de Políticas de Saúde e
Segurança Ocupacional daquele Ministério, no
prazo de 30 (trinta) dias, contado da publicação
desta Portaria, por razões que versem sobre
possíveis divergências dos elementos
previdenciários que compõem o cálculo do
Fator.
CONTESTAÇÃO DO FAP

As empresas que quiserem contestar possíveis


divergências de informações de Comunicações de
Acidentes de Trabalho (CATs) e de benefícios
acidentários que compõem o Fator Acidentário de
Prevenção (FAP) devem encaminhar os processos
de contestação por correspondência registrada,
com aviso de recebimento (AR), ao Ministério da
Previdência Social, no endereço:
CONTESTAÇÃO DO FAP

Ministério da Previdência Social


Departamento de Políticas de Saúde
e Segurança Ocupacional
Esplanada dos Ministérios, Bl. F, Ed.
Sede, 7º andar, sala 723
Brasília – DF
CEP: 70059-900
CONTESTAÇÃO DO FAP

O MPS disponibilizará à empresa,


mediante acesso restrito, com uso
de senha pessoal, o resultado do
julgamento da contestação por ela
apresentada, o qual poderá ser
consultado na rede mundial de
computadores no sítio do MPS e,
mediante link, no sítio da Secretaria
da Receita Federal do Brasil - RFB.
CONTESTAÇÃO DO FAP

Se do julgamento da contestação,
resultar FAP inferior ao atribuído pelo
MPS e, em razão dessa redução,
houver crédito em favor da empresa,
esta poderá compensá-lo na forma
da legislação tributária aplicável.
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO
SRF Nº 03, DE 18/012010
• Para a operacionalização do Fator
Acidentário de Prevenção (FAP) no
Sistema Empresa de Recolhimento
do Fundo de Garantia do Tempo de
Serviço e Informações à Previdência
Social (SEFIP), o preenchimento do
campo "FAP" deverá ser feito com 2
(duas) casas decimais, sem
arredondamento (truncamento).
CONTESTAÇÃO DA EMPRESA
A informação será disponibilizada para consulta
pela empresa, por meio do endereço
www.previdencia.gov.br ou, pela Comunicação
de Resultado do Requerimento – CRER,
entregue ao trabalhador

• Das provas: Com o requerimento, deverá


apresentar as alegações que entender
necessárias e apresentará a documentação
probatória, em duas vias, visando demonstrar a
inexistência do NTEP
DA DECISÃO DO REQUERIMENTO
• Da decisão do requerimento cabe recurso com efeito
suspensivo, por parte da empresa ou, conforme o
caso, do segurado ao Conselho de Recursos da
Previdência Social – CRPS.

• O INSS procederá à marcação eletrônica do benefício


que estará sob efeito suspensivo, deixando para
alterar a espécie após o julgamento do recurso pelo
CRPS, quando for o caso.

• O recurso com efeito suspensivo não prejudica o


pagamento regular do benefício, desde que atendidos
os requisitos de carência que permita a manutenção
CONTESTAÇÃO DA EMPRESA

• A empresa poderá requerer a não aplicação do


NTEP até 15 dias a contar da data da entrega da
GFIP sob pena de não conhecimento da alegação
em instância administrativa.

• Na impossibilidade de se efetuar o requerimento no


prazo em função do não conhecimento tempestivo
do diagnóstico do agravo, o requerimento poderá
ser apresentado no prazo de 15 dias da data para
entrega da GFIP do mes de competência da
realização da perícia que estabeleceu o NTEP
Empresas Optantes pelo Simples e Matrícula CEI têm,
por definição, FAP =1,0000;

2.Demais empresas contribuintes, que recolhem


alíquota RAT, deverão "de acordo com o
Ato Declaratório Nº 3 da RFB" observar o
procedimento: no SEFIP o campo FAP deverá ser
informado com 2 (duas) casas decimais, sem
arredondamento (truncamento). Isso fará com que o
valor da contribuição referente ao RAT calculada pelo
SEFIP seja menor. Portanto a GPS gerada pelo
SEFIP deve ser desprezada. O Contribuinte deverá
refazer a GPS ou utilizar a GPS gerada pelo seu
sistema de folha de pagamento utilizando 4 (quatro)
casas decimais para que o valor da contribuição seja
EXEMPLO:EMPRESA APRESENTOU NO PERÍODO:

de 04 a 12/2007 de 01 a 12/2008:
R$ 480.000,00 Massa salarial 304 Vínculos em 01/2008
584 Média dos vínculos empreg.
15 Admitidos no ano de 2008
300 Vínculos em 04/2007 53 Rescisões
12 Admitidos no ano de 2007
8 Rescisões

12 Afastamentos inferior a 15 dias, só tiveram CAT registrada.


4 Afastamentos com
1 por 2 meses RMI R$ 1.400,00
17 1 por 4 meses RMI R$ 1.800,00
recebimento de
Acidentes Auxílio-doença 1 por 6 meses RMI R$ 1.100,00
sendo: acidentária - B91 1 por 8 meses RMI R$ 850,00

1 Afastamento Idade de 33 anos


por óbito B93 Exp. de vida + 30 anos
RMI R$ 900,00
CÁLCULO ÍNDICE DE FREQUÊNCIA

IF = Nº de acidentes x 1.000
Nº Médio de Vínculos
17.
IF = x 1.000 = 29,11
584

CÁLCULO DO ÍNDICE DE GRAVIDADE

IG = (Nº B91x0,1+ Nº B92x0,3+ Nº B93X0,5 + Nº 94x0,1) x 1.000


Nº médio de vínculos
(4 x 0,1) +(1 x 0,5)
IG = X 1.000
584
0,4 + 0,5
IG = x 1.000 IG = 1,54
584
CALCULANDO ÍNDICE DE CUSTO - IC
Valor total dos Benefícios
__________________________
IC = Valor Total de Remuneração paga X 1.000
pelo estabelecimento aos segurados

Calculo do valor total de remunerações pagas ao segurado


1 B91 2 Meses R$ 1.400,00 2 X 1.400,00 = 2.800,00
1 B91 4 Meses R$ 1.800,00 4 X 1.800,00 = 7.200,00
1 B91 6 Meses R$ 1.100,00 6 X 1.100.00 = 6.600,00
1 B91 8 Meses R$ 850,00 8 X 850,00 = 6.800,00
1 B93 43 Anos R$ 900,00 (43 x12)x900,00 = 464.400,00
Total ........ R$
487.800,00
487.800,00
IC = X 1.000 = 1.016
480.000,00
CALCULO DOS PERCENTIS
Após apuração dos índices, a previdência social apura os
percentis de ordem

Considerando, hipoteticamente, que o setor de construção


de edifícios foi composto no período de 04/2007 a 12/2008,
por 40.751 empresas e que a empresa X ficou na posição
de 10.404 no índice de freqüência, 29.798 no índice de
gravidade e 18.902 no índice de custo, a Previdência Social
estabeleceu os seguintes percentis de ordem para X:

PERCENTIL = 100 x Nordem – 1


n-1
CÁLCULO DO PEERCENTIL DE
ORDEM DE FREQÜÊNCIA (PF)

10.404 – 1
PF = 100 x
40.751 – 1

10.403
PF= 100 x
40.750

PF = 100 x 0,25528

PF = 25,53
CÁLCULO DO PEERCENTIL DE
ORDEM DE GRAVIDADE - IG
29.789 – 1
IG = 100 x
40.751 – 1

29.788
IG = 100 x
40.750

IG = 100 x 0,73099

IG = 73,10
CÁLCULO DO PERCENTIL
DE ORDEM DE CUSTO

18.902 – 1
PC = 100 x
40751 – 1

18.901
PC = 100 x
40750

PC = 100 x 0,46382

PC = 46,38
CÁLCULO DO ÍNDICE COMPOSTO (IC)

Apurados os percentis de ordem da


empresa x, a Previdência Social,
finalmente, obtém o Índice Composto
(IC) da empresa X:

IC = [(0,50 x Percentil de Gravidade) +


(0,35 x Percentil de Frequência) +
(0,15 x Percentil de Custo)] x 0,02
CÁLCULO DO ÍNDICE COMPOSTO

IC= (25,53 x 0,35 + 73,10 x 0,5 + 46,38 x 0,15) x 0,02

IC= (8,9355 + 36,55 + 6,957) x 0,02

IC= (8,9355 + 36,55 + 6,957) x 0,02

IC= 52,4425 x 0,02


Valor que será
multiplicado pela
IC= 1,0489 alíquota RAT
(1%. 2%, 3%)

FAP =1,0489
Se alíquota RAT da empresa for:

1%, em 2010 passa para: 1% x1,0489 = 1,0489%

2%, em 2010 passa para: 2% x1,0489 = 2,0978%

3%, em 2010 passa para: 3% x1,0489 = 3,1467%


MALUS
• FAP maior que 1 é denominado MALUS. No primeiro ano de
vigência do FAP o malus será apenas de 75% do valor que
passar de 1,000.
• Assim, o FAP do exemplo para o primeiro ano será de:
75% x 0,0489 = 1,0367%

1,0489 -1= 0,0489 0,0489 x 75% =0,0367 1+0,0367 =1,0367%

Conclusão:
1%, em 2010 passa para: 1% x 1,0367= 1,0367%
Se aliquota
RAT da 2%,em 2010 passa para: 2% x 1,0367= 2,0734%
empresa
for: 3%, em 2010 passa para: 3% x 1,0367= 3,1101%
BÔNUS
Redução do SAT, ocorre sempre que o FAP
for menor que 1
• Se ao invés de FAP “malus” , a empresa X
tivesse um FAP “bônus”, estaria impedida de
receber a bonificação (redução do SAT) e
teria que calcular o SAT com base em FAP =
1,0000, tendo em vista que apresentou caso
de morte no período de apuração (2007).
Trata-se da trava de mortalidade e invalidez
prevista na lei.
TAXA DE ROTATIVIDADE ANUAL
Média das Taxas de Rotatividade - TRA
Anuais dos últimos 2 anos

TRA = Nº de Admissões ou Demissões X 100


Nº de Vínculos no inicio do ano

TAXA MÉDIA DE ROTATIVIDADE


Média aritmética resultante das taxas de
rotatividade verificadas anualmente na
empresa, considerando o período total
de dois anos
Taxa de rotatividade anual (TRA)

em 2007 em 2008
8 15
TRA = x 100 = 2,67% TRA = x 100 = 4,93%
300 304

Taxa Média de rotatividade TMR

TMR = (2,67 + 4,93) / 2 =


3,8
Para cada 100 vínculos ocorreram 3,8 substituições de
vínculos no período de apuração do FAP).
Se a taxa média de rotatividade da empresa tivesse sido
superior a 75%, o SAT não poderia ser reduzido, caso tivesse

obtido redução com o cálculo do FAP no período


pep.saopaulocentro@previdencia.gov.br

Marlene / Soraia / Paulo / Dario


PB. PERÍODO BASE

Período de tempo em meses ou anos que


define o universo de benefícios e vínculos
extraídos dos sistemas informatizados de
benefícios do INSS e do CNIS que será
considerado para o FAP
GRAVIDADE

• Índice baseado na intensidade de cada


ocorrência acidentária estabelecida a partir
da multiplicação do número de ocorrências
de cada espécie de benefício acidentário
por um valor fixo representado os diferentes
níveis de gravidade:

• 0,50 para morte


• 0,30 para invalidez
• 0,10 para auxílio acidente
CUSTO

• Dimensão monetária do acidente que


expressa os gastos da Previdência
Social com pagamento de benefícios
de natureza acidentária e sua relação
com as contribuições das empresas.
MASSA SALARIAL–MS ANUAL

• Soma, em reais, dos salários, incluindo 13º


salário, informados pela empresa junto ao
CNIS
VÍNCULO EMPREGATÍCIO
•É identificado por um Número de
Identificação do Trabalhador – NIT, um
número no CNPJ e uma data de
admissão
DADOS DOS BENEFÍCIOS
• DIB – Data de Ínicio (dd/mm/aa) a partir da qual
se inicia o direito ao benefício

• DCB – Data (dd/mm/11) a partir da qual se


encerra o direito ao benefício

• IDADE- É a idade do segurado, expressa em


anos, na data do início do benefício

• SALÁRIO DE BENEFÍCIO – valor que serve de


base aos percentuais que calcularão a renda
mensal dos benefícios (Mensalidade Reajustada
–MR)
O FAP é um multiplicador a ser aplicado às alíquotas de 1%,
2% ou 3% incidentes sobre a folha de salários, para financiar o
Seguro Acidente de Trabalho (SAT). Ele varia de 0,5 a 2,0, o
que significa que a alíquota de contribuição da empresa pode
ser reduzida à
metade ou dobrar.
Exemplo:
uma determinada empresa que faz parte de um ramo de
atividade de alto risco (que tem alíquota de 3%), isoladamente,
apresenta os menores indicadores de risco de acidentes.
Graças ao bom desempenho dessa empresa em relação à
segurança do trabalho, ela tem um FAP de 0,5. Então
multiplica-se a alíquota de 3% (do ramo de atividade) por 0,5
(da empresa). O resultado, de 1,5%, será a nova alíquota de
contribuição dessa empresa. Já a empresa classificada no
mesmo ramo de atividade,com alta incidência de morbidade,
terá um FAP de 2,0, que multiplicado
CNAE Atividade % 2009 % 2010
0111303 Cultivo de trigo (percentis de 11%) 2% 2%

0311603 Coleta de prod. marinhos (percentis 11%) 2% 3%

4684299 Com. atac. produtos químicos ( perc. 1% 3%


39%)

4783102 Relojoaria (percentis 11%) 1% 2%

4789003 Com. Objetos de arte (percentis 15,8%) 1% 1%


 Exemplo:

Uma empresa enquadrada no CNAE – Subclasse com


alíquota de 2%, apresenta um percentil de gravidade de
30, percentual de freqüência de 80 e percentil de custo
de 44, ficaria com o seguinte calculo:
 IC = (0,50 X 30 + 0,35 X 80 + 0,15 X 44) X 0,02 = 0,9920
(Quatro casas decimais)
Neste caso, a alíquota para o SAT da devida empresa,
ficaria individualizada multiplicando o FAP pelo valor da
alíquota normal (2 * 0,9920 = 1,984 %), sendo que a
partir da competência de setembro de 2009, deixaria de
pagar em seus encargos sociais um percentual de 0,016
%, sofrendo uma redução na tributação.
Exemplo:

• Empresa com CNAE/SAT: 3%


• Folha de Salários: R$ 100.000,00
• FAP: 0,543
• Cálculo do novo SAT: 100.000,00 x 0,03
x 0,543 = R$ 1.629,00

Obs: Face o FAP ter sido 0,543 o novo


valor do SAT é menor em R$ 1.371,00.
NEXO TÉC. PROF. OU NEXO TÉC.POR DÇA NEXO TÉC.EPIDEMIOL.
DO TRABALHO EQUIP. A A.T. OU PREVIDENCIÁRIO OU
NEXO TÉC. INDIVIDUAL NTEP

EXP. ÀS LISTAS A/B ACID.TRABALHO TÍPICO CID X CNAE


DO ANEXO II DO ACID. TRAJETO NA LISTA B DO ANEXO II
DECR. 3048/99 DÇAS RELAC. AO TRAB. PARTE INSERIDA PELO
DEC. 6042/07

Recurso à CRPS Recurso à CRPS - Contestação à APS (por


Até 30 dias após Até 30 dias após requerimento)-até 15 dias
conhecimento pela conhecimento pela empresa após a data da entrega da
empresa GFIP
- Recurso à CRPS-para
quem entrou com
requerimento.

Sem efeito suspensivo/ Sem efeito suspensivo Com efeito suspensivo/


Não cabe recurso à CaJ Não cabe recurso à CaJ do Cabe recurso à CaJ do
Do CRPS CRPS CRPS