Você está na página 1de 2

Os Castelos «O Conde D.

Henrique»
TERCEIRO
O CONDE D. HENRIQUE

Todo começo é involuntario.


Deus é o agente.
O herói a si assiste, vário
E inconsciente.

À espada em tuas mãos achada


Teu olhar desce.
«Que farei eu com esta espada?»

Ergueste-a, e fez-se.

Para uma análise completa, convém localizar o poema que me proponho a tratar: O
Conde D. Henrique é o 3º texto do conjunto II Os Castellos, da 1ª parte da Mensagem
denominada Brasão.
Convém também lembrar as diversas simbologias associadas ao nº 3:
• Representação da totalidade através da união DEUS/UNIVERSO/HOMEM;
• Ligação à figura de Cristo e à espiritualidade (PAI/FILHO/ESPÍRITO SANTO);
• Fases da existência NASCIMENTO/CRESCIMENTO/MORTE, que aliás estão cada uma
respectivamente associada à simbologia das três partes da “Mensagem” BRASÃO/MAR
PORTUGUÊS/ENCOBERTO (estrutura tripartida).
Passo então à análise concreta do poema. Conde D. Henrique, contribuiu para a
fundação de Portugal, para a criação da nossa nacionalidade, foi o fundador do
Condado Portucalense.
Apesar de o poema possuir este título, pouco está ele relacionado directamente com a
personagem. O texto ultrapassa mesmo a figura de Conde D. Henrique através de
afirmações altamente simbólicas.
Comentários:

D.Henrique: "Todo o começo é involuntário. Deus é o agente"- exprime a ideia de


Fernando Pessoa segundo a qual o Destino rege inexoravelmente a História e foi
traçado por Deus desde a origem dos tempos. Assim, aqueles que, na Terra,
determinam a História não são mais do que agentes da vontade primeva de Deus e
assistem aos seus próprios actos confusos ("vários") e inconscientes de estar a cumprir
um plano.

"À espada em tuas mãos achada... etc"- A ideia anterior é particularizada para o pai de
D.Afonso Henriques, que talhou à espada os alicerces da futura independência de
Portugal. Confuso, pegou em armas e inconscientemente cumpriu a sua missão na
Terra... O trabalho que lhe estava destinado "fez-se" (isto é, cumpriu-se, não por sua
vontade, mas pela de Deus).

Na 1ª estrofe, o herói (Conde D. Henrique) actua como agente de Deus, comandado


por uma força que o transcende, uma força que o faz agir inconscientemente.
Dá-se portanto início a um percurso espiritual. O que este percurso pretende atingir, é
a ideia de que mais importante do que a terra (matéria), é o espírito, os valores sobre
os quais ele (herói) vai criar as suas raízes.
Podemos de certa forma, através deste conceito de herói inconsciente, fazer a
seguinte questão de teor filosófico: até que ponto é que o Homem é autónomo?
Resumidamente, nesta 1ª estrofe o herói imóvel assiste ao desenrolar involuntário de
alguma ação.

A espada, símbolo de guerra, de morte. Será esta a mensagem que Pessoa quererá
fazer passar? Não, aqui a espada funciona paradoxalmente. Não é de guerra
verdadeira que fala o poeta, é de guerra à ignorância. Poderá ainda ser interpretada
como símbolo fálico, pela sua forma longa e comprida, simbolizando a fecundação dos
campos, a criação de vida.
Ora, nesta 2ª estrofe o herói desce o olhar na espada e faz aquela interrogação
retórica «Que farei eu com esta espada?»:
Pessoa conclui então o poema com a finalização do ato, a concretização de algo por
parte do herói, o nascimento de Portugal.