Você está na página 1de 76

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

INSTITUTO DE FÍSICA

PROGRAMA PRÓ-LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

TERMODINÂMICA

JEFFERSON ADRIANY R. DA CUNHA

13 de setembro de 2010
Sumário

Apresentação da Disciplina 2

1 Temperatura e Equilíbrio Térmico 3


1.1 Termodinâmica e os sistemas termodinâmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.2 Temperatura, equilíbrio térmico e a lei zero da termodinâmica . . . . . . . . . . . . . 5
1.2.1 Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.2.2 Equilíbrio térmico e a lei zero da termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.3 Escalas de temperatura e o termômetro de gás a volume constante . . . . . . . . . . . 7
1.3.1 Escala Celsius de temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3.2 Escala Fahrenheit de temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3.3 O Termômetro de gás a volume constante e a escala Kelvin de temperatura . 9
1.4 Dilatação térmica linear, superficial e volumétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.5 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

2 Calor e a primeira lei da termodinâmica 16


2.1 Calor como forma de energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.1.1 Histórico sobre a natureza do calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.1.2 Energia mecânica e calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
2.2 Quantidade de calor e calor específico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.2.1 Caloria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.2.2 Joule . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.2.3 Capacidade térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.2.4 Calor específico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.2.5 Calor de transformação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.3 Condução, radiação e convecção do calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3.1 Transferência de calor por condução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3.2 Transferência de calor por convecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.3.3 Transferência de calor por radiação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.4 Trabalho de um sistema termodinâmico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
2.4.1 Processos termodinâmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.4.2 Cálculo do trabalho de um sistema termodinâmico . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.5 A primeira lei da termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.5.1 Energia interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

i
3 O Modelo do Gás Ideal 35
3.1 Equação de estado de um gás ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
3.1.1 O número de Avogadro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.1.2 Lei de Boyle-Mariotte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.1.3 Lei de Gay-Lussac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.1.4 Lei de Charles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.1.5 Lei dos gases ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.2 Trabalho de um gás ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.3 Modelo cinético-molecular do gás ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.4 Calor específico molar de um gás ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.5 Graus de liberdade e o princípio da equipartição da energia . . . . . . . . . . . . . . 47
3.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

4 Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica 52


4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
4.2 Processos irreversíveis e reversíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
4.3 Máquinas térmicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
4.3.1 Máquinas e os ciclos termodinâmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
4.4 Segunda lei da termodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
4.5 O ciclo de Carnot . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
4.6 A entropia de Clausius . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.7 Entropia como uma função de estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.8 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Referências 73

ii
Lista de Figuras

1.1 Termômetro de gás a volume constante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9


1.2 Extrapolação de p × T, para p → 0. Independente do gás todos os termômetros indicarão a
menor temperatura possível −273, 15◦ C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

2.1 Procedimento de Joule. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20


2.2 Condução do calor entre dois corpos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3 Sistema termodinâmico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.4 Processos termodinâmicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.5 Trabalho e calor na mudança de estado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

3.1 Diagrama p × V de um gás ideal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38


3.2 Molécula em uma caixa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.3 Processo isobárico, isotérmico isocórico e adiabático em um gás ideal. . . . . . . . . . . . . . 44
3.4 Molécula (a) diatômica e (b) monoatômica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

4.1 Ciclo Otto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55


4.2 Ciclo Diesel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
4.3 Ciclo Stirling. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.4 Máquina térmica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
4.5 Refrigerador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
4.6 Ciclo de Carnot. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.7 Diagrama de fluxo de calor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.8 Processo reversível de um gás ideal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

1
Apresentação

Caro estudante,

O presente material foi escrito para ser a referência básica no curso de Termodinâmica.
Focamos nossa atenção aos temas principais no estudo de fenômenos térmicos, apresentando e
discutindo estes conteúdos observando as necessidades de um curso de formação de professores
em Física. Com este objetivo norteador, utilizamos vários aspectos históricos e filosóficos na con-
dução dos temas e montamos algumas estratégias didáticas e objetos de diálogo para que ajudem
na compreensão dos conteúdos e que também sirvam como modelo para os futuros professores,
na confecção de material didático.

A apresentação histórica de determinados conceitos foram intensamente utilizados pois defen-


demos que esta estratégia é fundamental para o estudo da Termodinâmica. Também acreditamos,
que com esta abordagem, no dia a dia dos futuros professores este material pode ser útil para
incrementar suas aulas e pesquisar alguns pontos não tratados pelos livros didáticos do ensino
médio. Os aspectos referentes a filosofia da ciência também estão presentes neste texto, uma vez
que estamos lidando com a construção e quebra de modelos, estes processos de ruptura e esta-
belecimento de um novo paradigma devem ser salientados e são extremamente pertinentes na
formação dos futuros professores de Física.

Em relação aos aspectos estruturais do texto, utilizamos os objetos de diálogo “Diário de


Bordo” e “Quer Saber Mais?”. A estratégia do Diário de Bordo foi pensada com o objetivo de
fazer com que os próprios estudantes façam sínteses dos conteúdos discutidos. Em cada cha-
mada do Diário de Bordo, convidamos o leitor a realizar uma releitura do material e montar um
pequeno texto no formato de estratégia didática para futuramente ser empregada com seus es-
tudantes. Esta síntese poderia ser apresentada ao leitor após os capítulos, mas é fato que esta
estratégia não se torna tão eficiente se comparada ao resumo feito pelo próprio leitor, guiado pelo
Diário de Bordo. Montando um esquema didático sobre um assunto aprendemos mais do que
quando apenas apreciamos uma estratégia didática já construída. O objeto “Quer Saber Mais?”
é utilizado para apresentar algumas referências sobre os conteúdos apresentados, no intuito de
propiciar um conhecimento maior destes assuntos.

Prof. Dr. Jefferson Adriany Ribeiro da Cunha

2
Unidade 1

Temperatura e Equilíbrio Térmico

Objetivos da Unidade

Nesta unidade discutiremos alguns conceitos e fenômenos que se referem ao estudo da ter-
modinâmica. Para que o aprendizado nesta unidade seja alcançado, destacamos os seguintes
objetivos que devem nortear a leitura dos estudantes ao longo do texto:

• Compreender os objetivos da termodinâmica, como definir um sistema termodinâmico e sua


vizinhança, estado termodinâmico e mudança de estado e equação de estado;

• Descobrir como surge o conceito de temperatura de um sistema e equilíbrio térmico;

• Verificar como se definem as diversas escalas de temperatura;

• Descobrir por que as dimensões de um corpo mudam quando sua temperatura varia.

1.1 Termodinâmica e os sistemas termodinâmicos

A termodinâmica é a parte da Física que se dedica ao estudo dos fenômenos térmicos em


uma análise macroscópica. Um sistema termodinâmico pode ser qualquer porção de matéria que
ocupa um certo volume no espaço, e o espaço que circunda nossa porção material é tida como
vizinhança do sistema. Um exemplo de sistema na mecânica, pode ser uma pedra lançada, e, neste
caso, sua vizinhança seria o espaço a sua volta juntamente com o planeta Terra e os demais astros.
Na termodinâmica um sistema e sua vizinhança, podem ser, por exemplo, a água em uma panela
e sua vizinhança tudo a sua volta que pode trocar calor e matéria com este sistema.

De forma análoga ao que ocorre na mecânica, na termodinâmica também estudamos um sis-


tema por meio da descrição do estado deste sistema. Na mecânica, estes estados podem ser ca-
racterizados pela posição e velocidade, no caso de uma pedra caindo. Neste estudo, estamos
interessados em analisar como estas variáveis mudam de um estado para outro. Para um sistema
termodinâmico, como um gás confinado em um recipiente, as variáveis de interesse que o define

3
4

são: a pressão que mede a taxa de transferência temporal do momento linear das moléculas do gás,
por unidade de área, se chocando contra as paredes do recipiente, a temperatura que é uma indi-
cação do nível de agitação das moléculas e o volume que é o espaço ocupado pelas partículas no
espaço, ou seja, o volume do recipiente. Este conjunto de variáveis, são medidas macroscópicas,
realizadas em laboratório com uso de termômetros, manômetros e outros instrumentos, de médias
de processos microscópicos que ocorrem em tempos e dimensões extremamente pequenos.

Quando estudamos as mudanças dos estados de um sistema, tanto na mecânica quanto na


termodinâmica, fazemos uso de uma equação chamada equação de estado. Esta equação de estado
depende das variáveis de estado, e é responsável por definir cada ponto no espaço destas variá-
veis, ou seja, ela define o estado do sistema. A equação de estado é a lei que estabelece a mudança
de um estado para outro no espaço das variáveis de estado. Quando um corpo executa um mo-
vimento unidimensional com velocidade constante, a equação de estado do espaço ( x, v0 ) deste
sistema, mostra uma reta horizontal em v0 . Se esta partícula estivesse em queda livre, teremos
uma parábola no espaço (y, v), que será a equação de estado deste sistema determinando sua
evolução temporal e cada ponto no espaço das variáveis de estado deste sistema.

A termodinâmica é fundamentada em observações macroscópicas do estado e mudança do


estado de um sistema, enquanto a análise destes processos de um ponto de vista microscópico,
é o objetivo da Física Estatística. Existe naturalmente uma conexão e uma correspondência entre
as variáveis microscópicas, como posição e velocidade das partículas que compõem um gás, com
as variáveis macroscópicas como pressão, volume e temperatura, mas estas conexões não saão
imediatas e requerem um estudo mais sistematizado.

No início da nossa trajetória pela compreensão dos fenômenos térmicos, nos ateremos primei-
ramente ao estudo das variáveis macroscópicas e as formulações empíricas das leis. Em seguida,
faremos uma investigação de como conectar estas variáveis com as variáveis que descrevem o
estado microscópico de partículas do sistema, por meio do modelo cinético do gás ideal.

Diário de Bordo 1.1:


Leia o texto anterior e monte um resumo, identificando os pontos principais
da discussão:

• Qual é o objeto de estudo da termodinâmica?

• Defina sistema e vizinhança e cite três exemplos encontrados na me-


cânica e na termodinâmica;

• Comente sobre o que é um estado e exemplifique este conceito nos


sistemas mecânicos e termodinâmicos;

• Como ocorrem as mudanças de estados nos sistemas mecânicos e ter-


modinâmicos?

• Como surge o conceito de equação de estado?


5

1.2 Temperatura, equilíbrio térmico e a lei zero da termodinâmica

1.2.1 Temperatura

O termo Temperatura está muito ligado às experiências diárias de todos nós. Mesmo sem com-
preendermos este conceito de forma científica, nós fazemos uso dele e o comparamos no dia a dia.
Se algum objeto está frio ou quente, isso depende necessariamente da comparação deste objeto
com um segundo. Utilizando o sentido do tato, dizer que algo está frio ou quente, se comparado
a um outro objeto, é uma informação útil, em determinadas situações, mas subjetiva e muito im-
precisa. Se realizarmos uma experiência para medir temperaturas apenas utilizando nosso tato,
podemos ser enganados. Imaginem a seguinte experiência: mergulhamos nossa mão direita em
um recipiente contendo água quente e nossa mão esquerda em um recipiente contendo água ge-
lada. Em seguida colocamos as duas mãos em um terceiro recipiente contendo água a uma tem-
peratura intermediária. Para a mão direita a água estará fria e para a mão esquerda a água estará
quente. Concluímos que nossos sentidos podem ser enganados ao tentar medir a temperatura de
determinados corpos e, com isso, precisamos de um mecanismo mais confiável para esta tarefa.

A temperatura é uma característica


Tabela 1.1: As Sete Unidades Fundamentais do Sistema In-
do estado termodinâmico de um de-
ternacional (SI).
terminado sistema, assim como a pres-
são e o volume. A pressão, no Sistema Grandeza Unidade Símbolo
Internacional de Unidades (SI), tabela Comprimento Metro m
Massa Quilograma kg
1.1, é dada em pascal Pa = N/m2 , que
Tempo Segundo s
por sua vez pode ser escrito nas unida- Corrente Elétrica Ampère A
des fundamentais de quilograma (kg), Temperatura Kelvin K
metro (m) e segundo (s), como Pa = Quantidade de Matéria Mol mol
Intensidade Luminosa Candela cd
kg/m · s2 . A temperatura faz parte da
relação das sete grandezas fundamentais do SI, veja a tabela 1.1, e é medida em kelvin (K). Para
exemplificar esta denominação fundamental, diferente de outras unidades, ela não pode ser quan-
tificada em termos de quilograma, metro e segundo como fizemos anteriormente com pascal. Este
aspecto fundamental, exemplifica também a complexidade dos fenômenos térmicos e a dificul-
dade que existe em estabelecer uma relação entre temperatura e algumas grandezas de natureza
mecânica que são quantificadas em termos de quilograma, metro e segundo.

1.2.2 Equilíbrio térmico e a lei zero da termodinâmica

Para discutirmos o conceito de equilíbrio térmico e a lei zero da termodinâmica, é preciso


entendermos primeiramente como a vizinhança de um sistema termodinâmico afeta este sistema
por meio de suas paredes, e, também, compreendermos de forma geral, o que é equilíbrio termo-
6

dinâmico.

Os sistemas termodinâmicos estão em contato com suas vizinhanças, por meio de paredes.
As paredes que permitem a troca de calor destes sistemas com suas vizinhanças, são chamadas
diatérmicas. As paredes que não permitem nenhuma troca de calor, são chamadas adiabáticas. Estas
paredes também podem ser fixas ou móveis, utilizando, por exemplo, uma tampa verticalmente
móvel de uma caixa e dentro desta um gás qualquer.

Nas mudanças de estado de um sistema termodinâmico, ( p0 , V 0 , T 0 ) → ( p00 , V 00 , T 00 ), estamos


registrando os valores da pressão, volume e temperatura, que são medidas experimentais em um
estado inicial e comparando com um outro estado final. Para que possamos fazer estes registros,
necessariamente estas variáveis não devem mudar ao longo do tempo, ou, então, não estaremos
computando o estado real deste sistema para a situação inicial ou final. Quando, a partir de um
determinado momento, as variáveis de estado de um sistema não variam com relação ao tempo,
dizemos que o sistema está em equilíbrio térmico. Caso estas variáveis macroscópicas de estado
estejam mudando no tempo, dizemos que este sistema está fora do equilíbrio térmico. Quando
as medidas de pressão, temperatura e volume de um determinado sistemas estão constantes no
tempo, ou seja, quando o sistema está em equilíbrio térmico, poderíamos imaginar que esta con-
dição é microscopicamente estática. Mas, na realidade, o movimento das moléculas do sistema é
incessante, e o que medimos é a média destes movimentos aleatórios que não se altera no tempo.

Para compreendermos o conceito de temperatura, devemos examinar um experimento sobre o


equilíbrio térmico entre corpos. Considere três corpos: A, B e C em equilíbrio térmico individual-
mente e que possuem paredes diatérmicas. Suponha que o corpo A esteja quente ao nosso toque,
se comparado ao corpo B, que apresenta uma sensação de frio quando colocamos nossa mão so-
bre ele. Os corpos A e B são então colocados em contato por meio de suas paredes e atingem o
equilíbrio térmico depois de um determinado tempo. Percebemos este equilíbrio, pois a sensação
térmica é igual para os dois corpos. Nesta condição, dizemos que A e B estão em equilíbrio tér-
mico entre si. Caso não soubéssemos se A e B estão ou não em equilíbrio térmico, poderíamos
utilizar o corpo C (termoscópio) para tal verificação. Operacionalmente, se o corpo C estiver em
equilíbrio térmico com A e B, necessariamente A e B estão em equilíbrio térmico entre si. Este
resultado é conhecido como Lei Zero da termodinâmica e pode ser enunciado como:

Lei Zero da Termodinâmica: Se dois corpos, A e B, estão em equilíbrio térmico com um terceiro corpo
C (Termoscópio), então A e B estão em equilíbrio térmico entre si.

A lei zero garante a existência da temperatura, que é uma propriedade de um corpo em equilí-
brio térmico. Quando corpos com valores diferentes desta propriedade são colocados em contato,
estes atingirão um novo estado de equilíbrio e terão um mesmo valor para esta propriedade, tem-
peratura, que será igual para ambos.

A lei zero da termodinâmica, apesar de simples, não decorre diretamente de um raciocínio


lógico, mas sim de resultados experimentais. Contra exemplos que refutam esta possível argu-
7

mentação são:

• Duas pessoas têm um amigo em comum, logo eles também são amigos. Esta argumentação
está errada, pois sabemos, de experiências sociais, que a existência de um amigo em comum
para duas pessoas não garante a amizade entre ambas.

• Dois objetos, quando colocados a uma certa distância de um terceiro, são atraídos por este,
logo concluímos que estes objetos serão atraídos um pelo outro. De experiências em labora-
tório, sabemos que isso não é uma obviedade, pois se estes objetos forem cargas positivas,
eles serão repelidos entre si e atraídos por uma terceira carga negativa.

Diário de Bordo 1.2:


Para organizarmos as ideias colocadas no texto anterior, monte uma estra-
tégia didática sobre o conceito de temperatura, para ser trabalhada com os
estudantes do ensino médio. Tente responder as seguintes perguntas nesta
estratégia:

• O que é temperatura?

• Por que nossos sentidos fisiológicos não são adequados para nos aju-
dar a medir a temperatura de diferentes corpos?

• O termômetro é uma aplicação direta de qual lei da termodinâmica?


Explique sua resposta.

• Monte uma pequena lista de perguntas que os estudantes terão a res-


peito deste tema e responda esta lista.

1.3 Escalas de temperatura e o termômetro de gás a volume constante

Como discutimos anteriormente, nossa percepção fisiológica de temperatura não é adequada


para classificar diversos sistemas quanto a esta propriedade de estado, mas podemos distinguir
sistemas que tenham as mesmas variáveis de estado analisando a relação destas variáveis com
relação à temperatura. Se estivermos observando um sistema que consiste de uma barra metálica
fina, o estado deste sistema pode ser caracterizado por ( L, T ) onde T é a percepção de temperatura
e L seu comprimento. Experimentalmente, existe uma relação linear entre estas variáveis, que
pode ser escrita como:
T ( L) = α0 L. (1.1)

Se considerarmos um sistema constituído por um gás em um recipiente de volume fixo, podemos


estudar este sistema através da evolução do estado ( p, T ), com p a pressão do gás, que pode ser
medida com o uso de um manômetro. Para este sistema, podemos relacionar diferentes tempera-
turas pela relação:
T ( p) = α00 p. (1.2)
8

Generalizando, para um sistema qualquer que tenha uma variável de estado Z relacionada line-
armente com a temperatura T, podemos escrever a dependência desta temperatura com Z por:

T ( Z ) = αZ. (1.3)

A propriedade Z é chamada Propriedade Termométrica relacionada ao sistema em questão que cha-


mamos de Substância Termométrica. Operacionalmente, 1.3 é a equação de uma reta, e, como tal,
precisamos definir pontos para traçarmos seu gráfico. A partir desta reta, poderemos encontrar
qualquer valor de temperatura, sabendo a correspondente propriedade termométrica. Os pontos
de definição das temperaturas da nossa reta, são chamados Pontos Fixos e a temperatura corres-
pondente é chamada Temperatura de Ponto Fixo. Para a nossa propriedade termométrica arbitrária
Z, podemos definir duas temperaturas de ponto fixo para encontrarmos nossa equação de reta:
( Z1 , T1 ) e ( Z2 , T2 ). Um ponto qualquer ( Z, T ) desta reta pode ser dado por:

( T2 − T1 )
T = T1 + ( Z − Z1 ) (1.4)
Z2 − Z1

1.3.1 Escala Celsius de temperatura

Na escala Celsius de temperatura usamos uma coluna de mercúrio ou álcool como substância
termométrica. Arbitrariamente, definimos dois pontos fixos de nossa reta, que são: ( Z1 , 0◦ C)
ponto de congelamento da água e ( Z2 , 100◦ C) ponto de ebulição da água. Com esta definição
podemos encontrar qualquer temperatura TC , utilizando a equação 1.4, apenas sabendo a altura
Z da coluna:
( Z − Z1 )
TC = 100◦ C (1.5)
Z2 − Z1

1.3.2 Escala Fahrenheit de temperatura

A escala Fahrenheit é muito utilizada em países de língua inglesa. Nesta escala, definimos os
pontos fixos como: ( Z1 , 32◦ F) ponto de congelamento da água e ( Z2 , 212◦ F) ponto de ebulição da
água. Com isso teremos a equação 1.4, escrita como:

( Z − Z1 )
TF = 32◦ F + 180◦ F (1.6)
Z2 − Z1

Exemplo 1.1

Em um termômetro de resistência usamos a resistência elétrica de um condutor como substância termomé-


trica. Para um termômetro de resistência de platina, as temperaturas Celsius deste termômetro são denomi-
nadas temperaturas da platina, Tpl , e são definidas pela relação:

R − Rc
Tpl = 100◦ C ,
Rv − Rc
9

com Rc e Rv as resistências da platina no ponto de congelamento e no ponto de vapor da água. Quando este
termômetro está em contato com água no ponto de congelamento e no ponto de vapor, temos Rc = 10000Ω
e Rv = 13860Ω. Sabendo que no ponto do enxofre a resistência da platina vale R = 26270Ω, calcule nesta
escala a temperatura do enxofre.
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - A propriedade termométrica em
questão é a resistência R da platina. Para este termômetro temos também dois pontos fixos,
(0◦ C, 10.000Ω) e (100◦ C, 13.860Ω). Identificando a condição ( Renx = 26.270Ω, Tenx =?) pode-
remos resolver a equação anterior para determinar a temperatura desejada.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Resolvendo a equação para Tenx , tere-
mos:
Renx − Rc 26.270Ω − 10.000Ω
Tenx = 100◦ C = Tenx = 100◦ C = 100◦ C × 4, 215 = 421, 5◦ C
Rv − Rc 13.860Ω − 10.000Ω
Este resultado é ligeiramente diferente do valor encontrado para a escala utilizando uma coluna
de mercúrio, Tenx = 444, 6◦ C, pois estamos utilizando substâncias termométricas diferentes para
nossa escala.

1.3.3 O Termômetro de gás a volume constante e a escala Kelvin de temperatura

Calibrando um termômetro na escala Celsius ou Fahrenheit,


utilizando substâncias termométricas diferentes, estes termômetros
irão nos fornecer leituras, ligeiramente diferentes para um mesmo
sistema que desejamos conhecer sua temperatura. Utilizando álcool
ou mercúrio podemos ter uma diferença de leitura da ordem de dé-
cimos de ◦ C ou ◦ F. Não podemos considerar que uma das substância
é melhor que a outra, pois se trata de uma convenção de substância
a ser utilizada. Com isso, notamos que existe uma dependência de
nossa escala, com relação à substância termométrica usada.

Diante do exposto, seria muito importante que pudéssemos de-


finir uma escala de temperatura que independesse de uma deter- Figura 1.1: Termômetro de
minada substância termométrica. Na tentativa de solucionar este gás a volume constante.
problema, definimos a escala Kelvin de temperatura a partir de um
termômetro de gás a volume contante. O termômetro de gás a volume constante é mostrado na
figura 1.1. Nesta figura, um determinado gás é colocado no buldo em contato com o sistema que
queremos medir a temperatura. Um capilar conecta o bulbo a um reservatório que pode se mover
verticalmente para manter o volume do gás constante. Para a temperatura de determinados sis-
temas, medimos na escala a altura h da coluna de mercúrio e esta altura nos fornece a pressão do
gás que está em equilíbrio com o sistema que queremos medir a temperatura por:

p = p0 + ρgh. (1.7)
10

Nesta equação, p0 é a pressão atmosférica, g é a aceleração da gravidade no local de medida de p


e ρ é a densidade do mercúrio.

Para um determinado gás A, podemos tomar o par temperatura e pressão para o ponto de
vapor da água ( TV , pV ) que é igual a 100◦ C e também o ponto ( TG , pG ) para o ponto de fusão, que
é 0◦ C. Marcamos ambos os pontos em um gráfico p × T, como ilustrado na figura 1.2 e realizamos
o mesmo procedimento para um segundo gás B e um terceiro gás C. Extrapolando estes pontos
para p → 0, verificamos que existe uma temperatura, −273, 15◦ C, que independe da quantidade
inicial de gás e do tipo de gás em questão. Este valor extrapolado é uma temperatura absoluta
limite, que independe da substância termométrica e para este ponto assinalamos nosso valor de
ponto zero da escala Kelvin, 0K. Por ser uma temperatura absoluta de ponto zero, não utilizamos
0◦ K mas simplesmente 0K. Da figura 1.2, para esta nova escala é fácil ver que a mudança para a
escala Celsius é dada por:
TK = TC + 273, 15 (1.8)

Exemplo 1.2

A temperatura na superfície do Sol vale aproximadamente 6.000K. Expresse este valor em ◦ C.


Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - A equação 1.8 nos fornece uma
relação direta entre as escalas Celsius e Fahrenheit.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Isolando a temperatura TC de 1.8 e
introduzindo o valor de TK = 6.000K, teremos:

TC = TK − 273, 15 = 6.000K − 273, 15 = 5.727◦ C

Apesar de não existir um limite superior para medidas de temperatura, o limite inferior para
medidas experimentais vale −273, 15◦ C ou 0K. É importante observar que os termômetros da fi-
gura 1.7 não atingem realmente esta temperatura, mas as curvas extrapoladas convergem para este
valor.

A definição da escala Kelvin, decorre de um compor-


tamento universal dos gases rarefeitos (p → 0). Veremos,
posteriormente, por que o comportamento destes gases é
tido universal e quais são estas propriedades universais.

O ponto triplo da água

Definindo a escala Kelvin coincidindo a temperatura Figura 1.2: Extrapolação de p × T, para


zero para a propriedade termométrica nula, se conhece- p → 0. Independente do gás todos os
termômetros indicarão a menor tempera-
tura possível −273, 15◦ C.
11

mos um determinado ponto fixo ( T1 , p1 ) e medimos a pro-


priedade termométrica para um segundo ponto ( T, p), a temperatura deste segundo ponto pode
ser dada por:
p
T = T1 (1.9)
p1
Por razões técnicas, utilizamos o ponto de coexistência entre o gelo, água e vapor como ponto fixo
para a escala Kelvin e definimos a temperatura deste ponto, que chamamos ponto triplo, como
Ttr = 273, 16K. Operacionalmente, para medir uma determinada temperatura T, relacionada a
pressão p do gás, procedemos da seguinte forma: com o bulbo de gás a volume fixo contendo
uma certa massa M1 de um gás arbitrário, medimos a pressão ptr,1 em contato com uma célula de
ponto triplo e em seguida medimos a pressão do sistema que queremos determinar a temperatura,
p1 . Para estas medidas, calculamos a temperatura:
 
p1
T = Ttr . (1.10)
ptr,1
Em seguida realizamos as mesmas medidas para uma massa inferior de gás, M2 < M1 , mantendo
seu volume constante. Para esta massa, teremos as medidas ptr,2 < ptr,1 e p2 < p1 e também uma
nova temperatura: 
p2
T = Ttr . (1.11)
ptr,2
Continuamos neste procedimento experimental até obtermos uma medida constante. Isso ocor-
rerá para ptr → 0. Esta medida de temperatura, independe da substância termométrica utilizada.
Uma medida assim é escrita como:
 
p
T = Ttr lim (1.12)
M →0 ptr

Diário de Bordo 1.3:


Faça um breve resumo dos tópicos anteriores indicando os pontos principais
discutidos contendo também passagens matemáticas. Tente contemplar em
seu resumo os seguinte pontos:

• O que são substâncias termométricas e as propriedades termométri-


cas?

• Como surgem as definições de uma escala de temperatura?

• Qual a motivação para se introduzir a escala Kelvin e por que ela é


tida como escala absoluta de temperatura?

• Monte as relações de mudança de escala entre todas as escalas discu-


tidas no texto.

Exemplo 1.3

Em um termômetro de gás a volume constante a pressão p0 está bem abaixo da pressão atmosférica quando
em equilíbrio térmico com um corpo a T0 = 280K. Quando conectamos este termômetro a um outro corpo é
12

verificado que sua nova pressão se torna 2p0 . Calcule a temperatura do novo objeto em equilíbrio térmico.
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - A temperatura em um termôme-
tro de gás a volume constante se relaciona com a pressão, pela equação T = kp. Para as duas
situações, teremos, como era de se esperar a mesma equação de estado:

T0 = kp0

e
T = kp.

Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Dividindo a última equação pela ante-


rior, teremos:
p 2p0
T = T0 = 280K = 280K × 2 = 560K.
p0 p0
Este resultado é esperado, pois a temperatura cresce linearmente com a pressão. Se duplicamos
a pressão, a temperatura também é duplicada, se triplicamos a pressão a temperatura do novo
estado deve ser multiplicada por 3 do estado anterior para se ter a nova temperatura.

Diário de Bordo 1.4:


Para compreendermos um pouco mais sobre termômetros e as diversas es-
calas de temperatura, acessem o material digital sobre termodinâmica no
terceiro volume e realizem as atividades propostas no objeto sobre escalas
termométricas. Através da realização desta dinâmica, vários pontos discu-
tidos no texto poderão ser compreendidos de forma visual e interativa.

1.4 Dilatação térmica linear, superficial e volumétrica

A dilatação de alguns materiais, quando submetidos a Tabela 1.2: Coeficiente de Dilatação


variações de temperatura, é uma experiência muito comum Linear α.
para todos nós. Algumas vezes precisamos esquentar uma Material α (◦ C−1 ou K−1 )
tampa metálica de um pote de vidro para que este seja aberto, Alumínio 2, 4 × 10−5
fitas bimetálicas são encurvadas quando aquecidas ou mesmo Latão 2, 0 × 10−5
Cobre 1, 7 × 10−5
pontes precisam de juntas de dilatações para que o efeito da
Vidro 0, 4 − 0, 9 × 10−5
variação de temperatura não cause danos a sua estrutura. Es- Gelo 5, 1 × 10−5
tes são alguns exemplos do fenômeno Dilatação Térmica. Chumbo 2, 9 × 10−5
Aço 1, 2 × 10−5
Experimentalmente verificamos que uma fina barra Concreto 1, 2 × 10−5
metálica sofre uma variação ∆L de seu comprimento inicial
L0 , quando sua temperatura varia de uma quantidade ∆T. Quando as variações de tempera-
tura são inferiores a 100◦ C a variação ∆L é diretamente proporcional ao tamanho inicial da barra,
L0 , e também a variação de temperatura ∆T. Para variações superiores, devemos considerar ou-
tras correções na dependência da variação do comprimento com a variação de temperatura. A
13

variação ∆L também depende do tipo de material em questão. Verificamos que duas barras idên-
ticas, sendo uma de vidro e outra de cobre, submetidas a mesma variação de temperatura, terão
variações de comprimento diferentes. Estes resultados experimentais são sintetizados em uma
expressão matemática empírica, que pode ser escrita com:

∆L = L0 α∆T (1.13)

Nesta equação, α é conhecido como coeficiente de dilação linear e mede a variação percentual de
comprimento por unidade de temperatura. A grandeza α tem unidade de ◦ C−1 ou K−1 , obser-
vando que ∆T◦ C = ∆TK . Na tabela 1.2, observamos alguns valores de α que em geral são muito
pequenos e são dados de acordo com a potência 10−5 .

Para materiais isotrópicos, que tem o mesmo valor de α em todas as direções, suas dimensões
se dilatarão seguindo a mesma lei experimental (equação 1.13). Seguindo esta lógica, é simples
verificar que um sistema que estamos observando sua dilatação superficial, a variação ∆A da área
inicial A0 deste sistema quando submetido a uma variação ∆T, será dada por:

∆A = A0 γ∆T (1.14)

com γ = 2α.

Utilizando as mesmas considerações anteriores, se estivermos analisando a variação ∆V de


um volume inicial V0 de um determinado sólido, teremos a relação empírica:

∆V = V0 β∆T (1.15)

com β = 3α.

Exemplo 1.4

Em uma temperatura de 20◦ C uma barra de aço e um anel de latão possuem diâmetros internos iguais a
d a = 3, 000cm e dl = 3, 006cm. Até que temperatura devemos resfriar o anel de latão para que este anel
possa receber este anel?
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - As variações de comprimento sob
diferenças de temperatura são dadas pela equação:

∆d = d0 α∆T.

O anel de latão deve sofrer uma variação negativa de comprimento igual ∆d = (d a − dl ), quando
submetido a uma variação negativa de temperatura ∆T = T − T0 .
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Conhecendo o coeficiente de dilatação
do latão, que é fornecido pela tabela 1.2, α = 2, 0 × 10−5 ◦ C−1 , poderemos calcular a temperatura
final, após o resfriamento como:
d a − dl 3, 000cm − 3, 006cm
d a − dl = dl α( T − T0 ) =⇒ T = T0 + = 20◦ C + = −80◦ C
dl α 3, 006cm · 2, 0 × 10−5 ◦ C−1
14

Como o coeficiente de dilatação do latão é muito pequeno, observamos que para uma pequena
variação de comprimento ∆d = 0, 006 é preciso uma grande diferença de temperatura, ∆T =
−100◦ C

1.5 Atividades

1. Fahrenheit 451 é o título de um famoso Integre a relação acima, para encontrar:


romance do escritor americano Ray Brad-
∆T (t) = ∆T0 e−kt ,
bury. O título faz alusão ao fenômeno
da combustão espontânea do papel a esta considerando que em t = 0 a diferença
temperatura. Verifique qual o equivalente de temperatura seja ∆T0 e que após um
deste valor nas escalas Kelvin e Celsius. tempo t a diferença se encontra em ∆T. (b)
Que dimensões deve ter a constante k?
2. A temperatura mais baixa registrada na
cidade de Goiânia, capital de Goiás, foi 5. A pressão de um gás no ponto triplo da
de 1, 2◦ C em um mês de julho. A tem- água é 1, 35atm. Se o seu volume perma-
peratura mais alta já registrada foi de nece inalterado qual será sua pressão, à
39, 2◦ C, registrada no mês de outubro de temperatura de 195K, no ponto de solidi-
2007. Faça a conversão destas temperatu- ficação do CO2 ?
ras para a escala Kelvin e Fahrenheit.
6. Mostre que para uma superfície retangu-
3. Um termômetro de gás registra uma pres- lar de lados a e b, que sofrem variações
são absoluta que corresponde a 325mm de dadas pela equação 1.13 sob uma varia-
mercúrio quando em contato com água ção ∆T, a superfície A0 = ab tem uma
que está no ponto triplo. Qual seria a pres- variação dada pela equação 1.14. Consi-
são lida no termômetro se estivesse em derar γ = 2α e que os termos não linea-
contato com água no ponto de ebulição res em α, não contribuem para a variação
normal? ∆A = A − A0 .

4. Os corpos tendem ao equilíbrio térmico 7. Utilize considerações semelhantes ao


com seus vizinhos. Para pequenas vari- exercício anterior, para verificar que a va-
ações de temperatura ∆T, a taxa de decai- riação de volume de um cubo de lado a é
mento temporal da diferença de tempera- dado pela equação 1.15. Por que podemos
tura entre corpos, pode ser dada por: considerar os termos de elevada ordem,
d∆T
= −k∆T. desprezíveis em relação ao termo linear?
dt
Esta lei é semelhante a lei malthusiana 8. Faça uma análise do gráfico abaixo, que
de decrescimento de uma população, e a descreve o comportamento anômalo da
constante k mede a taxa de decrescimento água, e responda por que a água se
da temperatura ∆T. Esta equação é conhe- expande quando congelada e por que
cida como Lei do Esfriamento de Newton. (a) os lagos, que aparecem nos filmes, se
15

congelam da superfície para o fundo? a 18, 0 × 10−5 K −1 , calcule o coeficiente de


(Esta figura deve ser substituída por ou- dilatação volumétrica do vidro.
tra, sem o fundo cinza que aparece).
10. Você está fazendo um molho pesto para o
seu macarrão e usa uma xícara cilíndrica
de medição com 10cm de altura feita de vi-
dro comum ( β = 2, 7 × 10−5 ◦ C−1 ), cheia
de azeite de oliva ( β = 6, 8 × 10−4 ◦ C−1 )
até uma altura de 1 mm abaixo do topo da
xícara. Inicialmente, a xícara e o azeite es-
tão à temperatura ambiente. você recebe
9. Um frasco de vidro com volume igual a um telefonema e se esquece do azeite de
1000cm3 a 0◦ C está completamente cheio oliva, deixando-o sobre o fogão quente.
de mercúrio a esta mesma temperatura. A xícara e o azeite se aquecem devagar e
Quando este sistema é aquecido até 55◦ C, atingem uma temperatura comum. Qual o
um volume de 8, 95cm3 de mercúrio trans- aumento de temperatura necessário para
borda. Sabendo que o coeficiente de di- fazer o azeite começar a transbordar da xí-
latação volumétrica do mercúrio é igual cara?
Unidade 2

Calor e a primeira lei da termodinâmica

Objetivos da unidade

Nesta unidade discutiremos o conceito de calor. Faremos uma análise histórica de como este
conceito foi mudando e evoluindo ao longo dos anos até chegar a atual concepção de calor dos dias
atuais. Discutiremos as várias formas de transferência de calor e como analisamos as conversões
de calor em outras formas de energia pela primeira lei da termodinâmica.

Durante o estudo desta unidade, devemos focar nos seguintes objetivos:

• Verificar como o conceito de calor foi sendo sofisticado ao longo dos tempos em um processo
de ruptura de paradigmas científicos;

• Compreender a diferença entre calor e temperatura e como as diferenças de temperatura


estão relacionadas com o fluxo de calor;

• Estudar os processos termodinâmicos e como um sistema termodinâmico realiza trabalho;

• Conhecer a primeira Lei da termodinâmica;

• Analisar as diversas formas de transferência de calor: condução, convecção e radiação;

2.1 Calor como forma de energia

Segundo as atuais concepções epistemológicas da construção do conhecimento científico, as


leis e teorias surgem com processos de ruptura. Concepções que estavam em voga em determi-
nados momentos, são abandonadas ou modificadas por propostas adaptadas à nova realidade
científica encontrada. Estas rupturas sempre ocorreram e sempre ocorrerão no processo de cons-
trução do conhecimento científico; certos paradigmas estabelecidos são modificados ou superados
por um novo modelo adaptado à realidade em vigência. O entendimento sobre a natureza do ca-
lor também sofreu um processo de ruptura em determinados momentos na história e se adaptou
à novas formas de se ver a natureza.

16
17

O conceito de calor surge, por exemplo, quando dois corpos, com temperaturas diferentes
atingem o equilíbrio térmico chegando a uma temperatura intermediária a temperatura inicial de
ambos. Quando esse fenômeno ocorre, dizemos que uma quantidade de calor, trocada entre os
dois corpos, é responsável pelo estabelecimento do equilíbrio térmico. A relação entre tempera-
tura e calor e o entendimento de que são conceitos distintos, foi estabelecido pelo médico escocês
Joseph Black (1728 - 1799). Black definiu a unidade de calor, mostrou que o gelo em um processo
de fusão recebe calor, mas não tem sua temperatura aumentada (conceito de calor latente), verificou
que massas diferentes necessitam de maiores quantidades de calor para elevar sua temperatura
(conceito de capacidade térmica) e observou que materiais diferentes respondem de maneira dife-
rente, elevando suas temperaturas, à mesma quantidade de calor (conceito de calor específico). Por
estes estudos, Black é considerado o pai da Termometria.

2.1.1 Histórico sobre a natureza do calor

A compreensão sobre o que é o calor sofreu várias mudanças ao longo dos tempos. Vamos
analisar agora, como a concepção sobre a natureza do calor chegou a formulação moderna que
conhecemos.

No final do século XVIII, o conceito de calor aceito pela maioria dos cientistas era a proposta
idealizada por Antoine Laurent Lavoisier (1743 - 1794), considerado o pai da Química Moderna
e conhecido pela Lei da Conservação da Massa. Após derrubar a Teoria do Flogístico, que era a
concepção existente sobre o calor, Lavoisier sugere que o calor é constituído por uma substância
imponderável que recebia o nome de Calórico. Para o calórico eram consideradas as seguintes
propriedades:

• Substância fluida e indestrutível;

• Preencheria os poros dos corpos;

• Corpos quentes continham mais calórico se comparado a corpos mais frios;

• O calórico escoaria de um corpo quente para um mais frio fazendo com que estes corpos
atingissem o equilíbrio térmico;

• Ao atritar um corpo, grandes quantidades de calórico poderiam ser retiradas deste, como se
estivéssemos expulsando água de um objeto esponjoso ao o esfregarmos contra uma super-
fície;

• A hipótese do calórico deveria obedecer a uma lei de conservação: o calórico seria transfe-
rido de um corpo para outro, mas a quantidade total em um sistema seria constante.

Apesar da hipótese do calórico descrever bem alguns processos de condução térmica e mistu-
ras em um calorímetro, esta teoria não suportou a principal provação experimental, o princípio de
18

conservação, um sistema não poderia gerar calórico indefinidamente em um processo qualquer.


Através dos estudos do americano Benjamin Thompson (1753 - 1814), o conde Runford da Bavá-
ria, a hipótese de que o calor seria uma substância, foi descartada. Utilizando juntas de cavalos,
Thompson realizou um experimento que consistia em girar um canhão de bronze contendo em
seu interior um objeto que, por atrito, liberava calor e poderia derreter uma quantidade de gelo
ou mesmo, ferver água em seu interior. A conclusão destes experimentos era que quantidades
ilimitadas de calor eram retiradas deste sistema e algo material não poderia exibir este comporta-
mento. Thompson foi levado a concluir que o agente responsável pela criação desta energia não
poderia ser outro senão o movimento.

Benjamin Thonpson foi um grande aventureiro e existem alguns fatos interessantes relaciona-
dos a sua vida. Durante a guerra civil americana, apesar de nascido nos EUA, ficou do lado inglês
e, em 1775, foi acusado de ser espião da coroa britânica. Quando a situação dos ingleses ficou in-
sustentável, decidiu partir para a Europa onde se tornou ministro da guerra e conquistou o título
de Conde Rumford da Bavária ao reorganizar o exército alemão. Posteriormente, quando se mu-
dou para Paris, casou-se com a viúva de Lavoisier, Marie Lavoisier, que foi morto na guilhotina
durante a revolução francesa.

Quer Saber Mais?


Para saber mais a respeito a discussão sobre a natureza do calor, leia:

• Os experimentos de Joule e a primeira lei da termodinâmica - Revista Brasileira de


Ensino, V. 31, N. 3, 3603 (2009)

• Evolução das Ideias da Física - Antonio S. T. Pires Editora Livraria da Física

2.1

2.1.2 Energia mecânica e calor

Nos estudos de Thompson, surgem alguns elementos que indicam a relação entre energia
mecânica, ou seja, trabalho realizado pelas juntas de cavalos, e calor observado na fervura da água
dentro dos cilindros de canhão. Apesar desta relação ser muito natural para todos nós atualmente,
ela passou despercebida por vários cientistas como Galileu, Newton e, até mesmo, por James Watt,
que desenvolveu a máquina a vapor na metade do século VXIII.

O médico alemão Julius Robert Mayer (1814 - 1888) foi o primeiro a apontar uma relação entre
trabalho e calor. Em seu estudo, Mayer apresenta o primeiro princípio de conservação de energia,
considerando que o calor também é uma forma de energia que pode ser convertida em outras. O
princípio de conservação da energia foi organizado de forma mais clara e geral por Hermann Von
Helmholtz (1821 - 1894). Este princípio é atribuído a Helmholtz onde sugere que o universo é um
grande reservatório energético e que todas as formas de energia são equivalentes, quando um tipo
de energia cessa esta mesma quantidade deve aparecer sob outra forma.
19

Compreendido que trabalho pode ser convertido em calor, surge outra questão fundamental:
qual o valor equivalente de uma unidade de trabalho convertida em calor? Ou seja, qual o fator
de conversão de trabalho em calor? Esta pergunta foi respondida pelo inglês James Joule (1818 -
1894) onde mostrou, experimentalmente, que uma quantidade de energia mecânica correspondia
sempre a uma mesma quantidade de calor, ou seja, toda a energia mecânica era convertida em
calor e não apenas uma fração. Os resultados de Joule e as equivalências entre calor e energia
mecânica serão discutidos na seção 2.2.

Diário de Bordo 2.1:


Para que as informações discutidas acima sejam compreendidas integralmente, desenvolva
uma estratégia didática para ser desenvolvida com estudantes do ensino médio, sobre a com-
preensão do calor como forma de energia e a compreensão da natureza do calor. Em sua es-
tratégia utilize elementos históricos mostrando os trabalhos de Black, Lavoisier, Thompson,
Mayer e Joule distribuídos em uma linha temporal para que os estudantes compreendam
que este conceito se desenvolveu ao longo dos tempos e é uma construção puramente hu-
mana. Pesquise e introduza fatos históricos sobre a vida de cada um, para que os estudantes
entendam mais profundamente a personalidade de cada personagem.

2.2 Quantidade de calor e calor específico

2.2.1 Caloria

Como discutimos, nos trabalhos de Black, as variações de temperatura em um sistema e con-


sequentemente sua variação de temperatura podem ser estudadas levando em conta vários fato-
res: a massa do sistema, o tipo de material e, de forma geral, o estado do sistema. Ao fervermos
água para uma xícara de café, precisamos de uma quantidade de calor muito menor comparado
a fervura de um litro, apesar da variação de temperatura ser a mesma. Uma quantidade de calor
diferente seria utilizado para derreter a mesma massa de gelo. Experimentalmente, também ve-
rificamos que uma quantidade de calor inferior, utilizado para aquecer nossa xícara de café, seria
necessário para elevar, na mesma variação de temperatura, uma mesma massa de prata. Tam-
bém é um resultado experimental, que diferentes quantidades de calor são necessários para variar
em ∆T a temperatura de 1g de água, considerando temperaturas diferentes, como a temperatura
ambiente ou a temperatura próximo do ponto de congelamento da água.

Atualmente definimos a caloria, cal, como a quantidade de calor necessária para elevar de
14, 5◦ C para 15, 5◦ C uma quantidade de 1 g de água. É importante ressaltar que a caloria utilizada
para medir a quantidade de energia armazenada nos alimentos é o quilocaloria kcal. Outra uni-
dade utilizada, no sistema inglês, é o Britsh Thermal Unit ( Btu) que é igual a energia necessária
para elevar de 63◦ F para 64◦ F uma libra-massa de água doce. Estas unidades são convertidas
pelos valores:
20

1 kcal = 1000 cal = 3, 968Btu (2.1)

É importante perceber que a definição de cal e Btu é feita para um intervalo de temperatura
de 1◦ C e 1◦ F, mas considerando um valor determinado a partir do qual realizamos esta variação:
15, 5◦ C − 14, 5◦ C e 64◦ F − 63◦ F. Caso escolhamos outro intervalo, correspondendo a variação de
uma unidade de temperatura, necessariamente teremos outra quantidade de calor envolvida.

2.2.2 Joule

Para determinar o equivalente mecânico do calor, Joule utilizou um procedimento experi-


mental que passamos a descrever e que recebe seu nome, “Procedimento de Joule”. Na figura
2.1, temos uma ilustração do procedimento de Joule. Neste experimento, uma determinada quan-
tidade de água é colocada em um recipiente de paredes adiabáticas e em seu interior existe um
conjunto de pás que pode girar por meio de um eixo que conecta as pás ao exterior do recipiente.
Na parte superior externa do recipiente, temos um fio inextensivo enrolado ao eixo que passa por
uma roldana que sustenta uma massa m, veja a figura 2.1.

No procedimento de Joule, em um intervalo de tempo ∆t, a


massa m é liberada e desce uma altura H com velocidade cons-
tante v devido ao atrito das pás e a água. Joule mostrou que nesta
mudança de estado, (massa y = 0, água sem agitação) → (massa
y = H, água agitada), a quantidade de calor recebida pela água é
igual a Q = mgv∆t = mgH, com g a aceleração da gravidade. Ou
seja, nosso sistema (massa m + água) permaneceu com a mesma
quantidade de energia, apenas a energia potencial, mgH, foi con-
vertida em calor Q, mgH → Q. Joule mostrou que precisamos sub-
meter a massa de 772 libras a uma queda de um pé, para elevar em
1◦ F a temperatura de uma libra de água ∗ . No SI esta energia vale
4, 16J. Figura 2.1: Procedimento de
Joule.
Outra forma de se realizar o procedimento de Joule é colocar
uma resistência elétrica R conectada a uma fonte com uma diferença de potencial V, dentro do
recipiente com água e fechar o circuito por um intervalo de tempo ∆t. Neste procedimento, a
energia da bateria é transferida à água e o calor recebido vale Q = (V 2 /R)∆t.

Julius Mayer realizou procedimentos semelhantes, antes de Joule, mas seu trabalho não cha-
mou tanta atenção por não ter boa precisão. Nos experimentos de Mayer, o aquecimento de uma
certa quantidade de água em 1◦ C corresponde a energia, da mesma quantidade de água, quando
cai de uma altura de 365m. A energia transferida para a água era de 3, 58J.
∗1 libra equivale a 0, 4536 kg e 1 pé vale 30, 48 cm
21

Atualmente, utilizando o procedimento de Joule, os valores correspondentes entre energia


térmica e energia mecânica são:

1cal = 4, 186J
1000 cal = 4186J = 3, 968Btu (2.2)
1Btu = 252cal = 1055 J

2.2.3 Capacidade térmica

A quantidade de calor Q para elevar uma determinada massa de um corpo em um fator ∆T


depende de cada substância. Para uma mesma massa, a razão entre entre Q e ∆T é a mesma,
considerando um mesmo material. Esta grandeza recebe o nome de capacidade térmica e pode
ser dada pela relação:
Q
C= (2.3)
∆T

É importante lembrar que o nome capacidade térmica não indica uma propriedade dos corpos
em reter calor, mas apenas a razão entre Q e ∆T para a massa de um corpo. A quantidade de calor
Q está relacionada apenas a um processo e não informa algo que um determinado corpo possa
possuir.

2.2.4 Calor específico

Definindo a resposta, em termos de variação de tempera- Tabela 2.1: Calor específico de algu-
tura, de um corpo a uma quantidade de calor Q por meio da mas substâncias.
capacidade térmica, percebemos que esta grandeza depende Substância c ( J/kg · K)
da massa do sistema e, a rigor, depende também da tempera- Alumínio 910
tura que estamos fornecendo Q. Podemos padronizar nossas Cobre 390
experiências, trabalhando com esta resposta por unidade de Gelo (0◦ C) 2100
Ferro 470
massa, apenas dividindo a capacidade térmica pela massa m Prata 234
dos sistemas, C/m. Esta nova grandeza é chamada calor es- Água 4190
pecífico e, definida assim, depende apenas da natureza dos
corpos.

1 Q
c= (2.4)
m ∆T
ou
Q = mc ∆T (2.5)

Considerando uma variação infinitesimais, dQ relacionada a uma pequena variação dT, teremos:

dQ = mc dT (2.6)
22

Para situações em que o calor específico depende da temperatura, c = c( T ), a quantidade de calor


necessário para elevar uma massa m de um sistema de uma temperatura T1 para uma temperatura
T2 é dada por:
Z 2
Q=m c( T )dT (2.7)
1

A quantidade dQ foi introduzida para indicar uma quantidade infinitesimal de calor em um


processo. Não faz sentido dizermos que em um determinado estado ( p1 , V1 , T1 ) o sistema tem
uma quantidade de calor Q1 , pois como já sabemos Q está relacionado a um processo. Por este
fato, dQ é também chamada diferencial inexata, pois não temos uma função de estado Q associada
a essa diferencial dQ. De forma semelhante ao calor, o trabalho, W, de uma força também exibe
este comportamento, pois um determinado sistema não exibe valores de trabalho em estados dife-
rentes, ou seja, calculamos o trabalho de uma força também em um processo. De forma contrária,
a energia potencial gravitacional U é uma função de estado e sua diferencial dU é dita exata, pois
em cada estado temos um valor de U definido, sendo que podemos escrever U relacionada a sua
diferencial por:
Z 2
U (2) − U (1) = dU . (2.8)
1

Os processos de variação de temperatura, via introdução de uma quantidade de calor, são


dependentes das condições de pressão e volume. Quando mantemos o volume de um sistema
constante, o calor específico envolvido é chamado de calor específico a volume constante cV . Para
a situação em que mantemos a pressão constante, o calor específico relacionado é o calor específico
a pressão constante c p . Para sólidos e líquidos não temos grandes diferenças entre cV e c p , mas,
em nosso estudo sobre gases ideais, veremos que estas grandezas são bem diferentes.

2.2.5 Calor de transformação

Em muitos processos, quando in- Tabela 2.2: Calor de transformação de algumas substâncias e
troduzimos uma quantidade de calor a temperatura que são calculadas.
Q a um sistema, não observamos uma Substância L f ( J/kg) × 103 Lv ( J/kg) × 103
variação de temperatura no sistema, Hidrogênio 58, 6 - 13, 84K 452 - 20, 26K
mas sim uma mudança de fase. Isso Nitrogênio 58, 6 - 63, 18K 201 - 77, 34K
ocorre quando o gelo se transforma em Cobre 134 - 1356K 5069 - 1460K
Enxofre 38, 1 - 392K 326 - 717, 75K
água, água se transforma em vapor, ou
Ouro 1063 - 1336K 2933 - 1578K
mesmo nos respectivos processos in- Água 334 - 273, 15K 2256 - 373, 15K
versos. Uma substância também pode Prata 88, 3 - 1233, 95K 2336 - 2466K
passar diretamente da fase sólida para
a fase gasosa, por meio de um calor Q. Os processos de combustão também são compreendidos
como mudança de fase, analisando a introdução de calor Q e avariação de temperatura. Todos
estes processos podem ser englobados em uma única equação que relaciona a quantidade de calor
23

e a massa m que sofre a mudança de estado:

Q = ±m L (2.9)

Nesta equação, L é chamado de calor de transformação e representa os vários processos de fusão,


vaporização, combustão e sublimação. É importante lembrar que o sinal positivo (+) ou negativo
(−) é colocado no final do cálculo na equação 2.9. Diferente da relação de Q com ∆T, o sinal do
calor de transformação não surge naturalmente quando temos calor entrando, Q > 0, ou saindo,
Q < 0, do sistema.

Exemplo 2.1

William Thomson, o Lord Kelvin, teve um encontro curioso com Joule em 1847. Algumas semanas após as-
sistir a apresentação de Joule em uma conferência, Thomson o encontrou de posse de um termômetro subindo
ao topo de uma cachoeira. Mesmo estando em lua de mel, Joule queria medir a diferença de temperatura entre
entre a água no topo e a água após a queda. Considere que a cachoeira do encontro de Thomson e Joule tinha
150m e calcule esta diferença de temperatura.
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Utilizando o procedimento de
Joule, a energia devido a queda de altura h, mgh, é convertida em calor. A condição para resolver
o problema pode ser escrito como:
Q = mgh

Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Como o calor transferido para uma


massa de água m é dado por:
Q = mc a ∆T,

podemos igualar as duas equações envolvendo o calor Q para encontrar a diferença de tempera-
tura ∆T

mgh = mc a ∆T
gh 9, 8m/s2 · 150m
⇒ ∆T = = = 0, 35K
ca 4190J/kg · K

Observamos uma diferença, condizente com o esperando, pois sabemos que a água de uma cacho-
eira realmente não deve sofre um grande aquecimento após uma queda como a sugerida. Também
é importante perceber a combinação de unidades que utilizamos para encontrar o resultado:

m/s2 · m m2 · kg · K m2 · kg · K · s2
= 2 = 2 =K
J/kg · K s ·N·m s · kg · m · m
24

Exemplo 2.2

Desejamos resfriar 0, 25kg de um refrigerante, em sua maioria constituído por água, inicialmente a uma
temperatura de 25◦ C, adicionando gelo a −20◦ C. Qual quantidade de gelo devemos adicionar para que a
temperatura final seja de 0◦ C, considerando que todo o gelo adicionado será fundido para esfriar o refrige-
rante?
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Nosso sistema em questão é cons-
tituído por duas partes: m a = 0, 25kg de água de calor específico c a = 4190J/kg · K e uma massa
m g de gelo de calor específico c g = 2100J/kg · K e calor de fusão L f = 3, 34 × 105 J/kg. Neste
processo, a água cede calor, Q a < 0, para que o gelo alcance a temperatura de 0◦ C e depois derreta
completamente. A massa de gelo muda de estado (Q0g > 0, −20◦ C → 0◦ C) e se transforma com-
pletamente em água em um processo de fusão (Q00g > 0, 0◦ C → 0◦ C). A condição para resolver o
problema, reside no fato de que nosso sistema, água + gelo, é fechado e a energia contida é sempre
constante durante as etapas do processo. Com isso:

Q0g + Q00g + Q a = 0

Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - As equações para as etapas do processo


são:
Q0g = m g c g ∆T 0 = m g c g [0◦ C − (−20◦ C)] = m g c g 20K

e
Q00g = m g L f

com:
Q a = m a c a ∆T = m a c a [0◦ C − 25◦ C] = −m a c a 25K

Observe que ∆T ◦ C = ∆TK e que o sinal de Q00 é positivo e devemos colocá-lo a mão pois ele não
surge naturalmente como quando temos variação de temperatura. Podemos resolver a equação
de troca de calor para a massa m g como:

Q0g + Q00g + Q a = m g c g 20K + m g L f − m a c a 25K = 0


m a c a 25K 0, 25kg 4190( J/kg · K) 25K
⇒ mg = =
c g 20K + L f 2100( J/kg · K) 20K + 3, 34 × 105 ( J/kg)
⇒ m g = 69 g

É importante observar o cancelamento das unidades, J e K para obtermos finalmente uma unidade
de massa g. Um problema semelhante poderia propor que encontrássemos a temperatura final,
de equilíbrio, sabendo as temperaturas iniciais dos constituintes da mistura e os demais dados.
25

2.3 Condução, radiação e convecção do calor

2.3.1 Transferência de calor por condução

Sempre que temos uma diferença de temperatura entre dois corpos que estão conectados,
surge o fenômeno chamado condução térmica, que é a transferência de calor entre estes corpos,
buscando o estabelecimento do equilíbrio térmico. Na figura 2.2, temos um corpo com tempera-
tura T1 conectado a outro corpo com temperatura T2 por meio de uma barra de comprimento ∆x
e área transversal A. Após um intervalo de tempo ∆t, uma quantidade de calor Q flui do corpo
mais quente para o mais frio, com o objetivo de estabelecer o equilíbrio térmico entre estes corpos.
A taxa temporal de transferência de energia, H = Q/∆t,
é diretamente proporcional ao gradiente de temperatura,
∆T/∆x, que nos fornece quão grande é a diferença de
temperatura em relação a separação entre os corpos. Esta
taxa também é diretamente proporcional a área A da co-
nexão entre os corpos. Levando em conta estas relações,
a lei experimental que nos fornece a taxa de transferência
do calor Q ao longo do tempo, é escrita como:
Figura 2.2: Condução do calor entre dois
corpos.
∆T
H = −kA (2.10)
∆x
A constante k é chamada de coeficiente de condutividade térmica, uma característica de cada
material. Um condutor com um grande valor de k é um bom condutor de calor, veja tabela 2.3,
pois com isso a taxa de transferência de calor Q/∆t será maior para este condutor. O sinal negativo
surge do fato de que a diferença de temperatura ∆T, dividida pela separação ∆x, tem sempre sinal
contrário ao sentido estabelecido para Q/∆t. Veja a figura 2.3, se T1 > T2 devemos ter um fluxo no
sentido + x, como o gradiente de temperatura é negativo, ( T2 − T1 )/∆x < 0, o sinal negativo na
equação 2.10 nos garante o sentido correto do fluxo. Analisando as dimensões da nossa equação,
como Q é energia medida em J, a condutividade térmica k é medida em ( J/s).(m/m2 · K) =
W/m · K.

Na situação estacionária a taxa H = Q/∆t é igual para qualquer intervalo de tempo conside-
rado e é o mesmo para um intervalo infinitesimal dt.

dQ ∆T
H= = −kA (2.11)
dt ∆x

Considerando a condução térmica em um comprimento infinitesimal dx, com diferenças de tem-


peratura pequenas encontramos:
dT
H = −kA (2.12)
dx
26

2.3.2 Transferência de calor por convecção

Na condução, o fluxo de calor oriundo da diferença de temperatura, que surge na tentativa de


se atingir o equilíbrio térmico, é um fluxo imaterial. No caso da transferência de calor por convec-
ção, os sistemas em geral são fluidos e o fluxo de calor é composto pelo próprio fluido do sistema,
ou seja, temos um fluxo de calor material. Este fluxo material de calor surge em líquidos ou
gases e o movimento material é provocado pela diferença de densidade entre pontos adjacentes.
Em um recipiente com água, uma região mais quente tem Tabela 2.3: Condutividades térmicas
uma baixa densidade e tende, pela ação da gravidade, a ir
Substância k (W/m · K)
para a superfície do recipiente. Se aquecermos o fundo do re-
Alumínio 205
cipiente, surgirá um fluxo de calor convectivo tentando esta- Latão 109
belecer o equilíbrio. Este fluxo carrega matéria de baixo para Cobre 385
cima e retorna para o fundo do recipiente. Um fluxo seme- Concreto 0, 8
Cortiça 0, 04
lhante, mas composto por ar, surge devido ao aquecimento
Gelo 1, 6
da Terra e é utilizado por águias e planadores para se manter Ar 0, 024
flutuando no céu. O fluxo convectivo também pode ser for-
çado, por meio de uma bomba, e nosso sistema de manutenção de temperatura trabalha desta
forma, por meio do bombeio de sangue pelo coração provocando um fluxo convectivo que atinge
todos os pontos do corpo equilibrando nossa temperatura.

2.3.3 Transferência de calor por radiação

Nos exemplos anteriores, sempre a transferência de calor era feita entre dois pontos envol-
vendo um meio material. No caso da transferência por radiação não precisamos de um meio
material para transferir calor, pois este processo se dá por meio de ondas eletromagnéticas que
se propagam melhor no vácuo, como a luz visível, infravermelho e a radiação ultravioleta. O
exemplo mais simples de aquecimento por radiação é devido à radiação solar ou quando nos
aquecemos em uma lareira ou por meio das brasas de uma fogueira, lembrando que a maior parte
do aquecimento que sentimos devido a churrasqueira ou uma fogueira não é por condução no ar
ou convecção dos gases, mas sim por radiação.

Todos os corpos, a uma determinada temperatura, emitem calor por radiação. Esta radiação
pode ter seu comprimento de onda medido e conforme a temperatura aumenta o comprimento de
onda desta radiação diminui. Os tons mais avermelhados de uma radiação indicam uma tempera-
tura menor se comparado a corpos aquecidos que emitem radiação mais clara, em tons azulados.

A taxa de transferência de calor H = dQ/dt de um corpo emitindo radiação, depende de três


fatores: a área total A da superfície emissora, o tipo de material, e, que é uma constante chamada
emissividade, e a temperatura T do corpo. A dependência de H = dQ/dt com estes elementos é
27

resumido na lei de Stefann-Boltzmann, que pode ser escrita como:

H = AeσT 4 (2.13)

onde σ é uma constante física chamada constante de Stefan-Boltzmann que vale σ = 5, 67 ×


10−8 W/m2 · K4 .

Considere um corpo de temperatura Tc dentro de um ambiente de temperatura Ta . Na situação


em que este corpo não esteja emitindo radiação significa que nossos detectores não captam sua
radiação, e, em outras palavras, o corpo está em equilíbrio térmico com o ambiente, ou seja, Tc =
Ta . Para analisarmos a situação em que nosso corpo pode emitir ou receber radiação, devemos
calcular a taxa de transferência total:

HT = Aeσ( Tc4 − Ta4 ) (2.14)

Caso Tc = Ta a taxa de transferência total será nula. Se o corpo tiver uma temperatura maior que o
ambiente, Tc > Ta , ele estará emitindo radiação, do contrário, Tc < Ta , estará recebendo radiação
do meio ambiente.

Exemplo 2.3

Um corpo humano tem em média uma área de superfície em torno de 1, 5m2 e uma temperatura de 37◦ C =
310K. (a) Calcule a taxa de transferência de calor do corpo humano sabendo que sua emissividade é apro-
ximadamente igual a unidade. (b) Encontre a taxa de transferência total, para uma temperatura ambiente
igual a 20◦ C = 293K.
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Devemos utilizar as equações 2.14
e 2.13 para encontrar as taxas desejadas.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Resolvendo as equações, teremos:
(a)
H = AeσT 4 = 1, 5m2 · 5, 67 × 10−8 W/m2 · K4 · (310K)4 = 785W

(b)
h i
HT = Aeσ( Tc4 − Ta4 ) = 1, 5m2 · 5, 67 × 10−8 W/m2 · (310K)4 − (293K)4 = 124W

Observamos que o resultado para a taxa total condiz com o esperado, pois teremos uma diminui-
ção significativa da emissão de um corpo humano levando em conta a temperatura ambiente.

2.4 Trabalho de um sistema termodinâmico

Para discutir como um sistema termodinâmico realiza trabalho contra sua vizinhança ou meio
externo, devemos revisitar, com mais detalhes, os processos pelos quais um sistema pode alterar
seu estado.
28

2.4.1 Processos termodinâmicos

Como ilustrado na figura 2.3, considere um sistema termodinâ-


mico constituído por um gás confinado em uma caixa com paredes adi-
abáticas. O volume desta caixa pode ser alterado por um pistão móvel.
A pressão, pela qual está submetido o gás, pode ser controlada pela
massa de uma quantidade de areia que está sobre o pistão. O calor
pode ser introduzido ou retirado deste sistema por meio de um reser-
vatório térmico abaixo desta caixa.

O estado termodinâmico deste sistema é determinado pelas variá-


veis de estado ( p, V, T ) e estes estados de equilíbrio podem ser regis-
trados em um diagrama p × V, que recebe o nome de diagrama de Cla-
peyron. Nosso sistema pode ir de um estado a para um estado b, por Figura 2.3: Sistema ter-
modinâmico.
uma sucessão de estados de equilíbrio, por meio de várias condições.
Na figura 2.4, representamos alguns destes processos e descrevemos abaixo as várias maneiras
pelas quais nosso sistema pode sair de um estado a e chegar a um estado b.

Processo de troca de calor

Nosso sistema pode trocar calor com a vizinhança por meio do reservatório térmico. Nos
processos envolvendo calor, definimos a quantidade de calor Q como sendo o calor recebido ou
retirado do sistema. Para uma mudança de estado ( p a , Va , Ta ) → ( pb , Vb , Tb ) por meio da introdu-
ção de calor, convencionamos que o sistema recebeu uma quantidade de calor Q ab > 0. Caso o
sistema tenha cedido calor de ( p a , Va , Ta ) → ( pb , Vb , Tb ) dizemos que foi retirado calor Q ab < 0 e o
gás foi resfriado. Caso o reservatório não seja acionado para retirar ou ceder calor em um processo
( p a , Va , Ta ) → ( pb , Vb , Tb ) dizemos que o processo é adiabático e Q ab = 0.

Processo isocórico

No processo isocórico ou isovolumétrico, veja figura 2.4, podemos


fornecer calor ao sistema mantendo seu volume constante simples-
mente travando o pistão e não permitindo que se mova. Com isso,
teremos a mudança de estado: ( p a , Va , Ta ) → ( pb , Va , Tb ).

Processo isobárico

Se fornecermos calor ao gás de forma lenta e não impedirmos


que o pistão se mova, este será conduzido para cima pelo gás e
Figura 2.4: Processos termodi-
como a massa do pistão é constante, o peso deste sobre o gás será nâmicos.
constante e, consequentemente, a pressão no interior do recipiente também será constante. Nestas
29

condições, nosso sistema realizará a seguinte mudança de estado: ( p a , Va , Ta ) → ( p a , Vb , Tb ), onde


a pressão permanece igual em ambos os estados.

Processo isotérmico

Um processo isotérmico é aquele que realizamos em um sistema na qual mantemos a tempe-


ratura constante. Imagine que queremos sair do estado ( p a , Va , Ta ) e chegar ao estado ( pb , Vb , Ta )
mantendo a temperatura constante. Como realizar tal façanha? Se introduzirmos uma pequena
quantidade de calor dQ, mantendo o peso do pistão constante, a temperatura aumentará para
Ta → Ta + dT, o volume será Va → Va + dV mas a pressão permanecerá constante p a → p a . Se
nesta situação retiramos uma quantidade de massa do pistão teremos uma diminuição da pres-
são p a → p a − dp, o volume aumentará mais e podemos fazer isso controladamente para termos
a mesma temperatura do estado anterior, Ta → Ta . Continuando com esta estratégia, podemos
gerar uma sucessão de estados de equilíbrio para sair do estado a e chegar a b, introduzindo
quantidades de calor dQ de tal maneira que a temperatura permaneça constante. Um processo
isotérmico como estes, é mostrado na figura 2.4.

2.4.2 Cálculo do trabalho de um sistema termodinâmico

Considere que nosso sistema realize uma expansão de seu volume em um processo genérico.
Em uma expansão qualquer, para uma variação de altura dh do pistão a pressão p pode ser consi-
derada constante. Como nosso pistão tem uma área de superfície A este deslocamento realizado
pelo gás surge devido a uma força F = pA. Podemos calcular o trabalho infinitesimal dW devido
a força do gás na expansão infinitesimal de volume dV = A dh, como:

dW = pAdh = p dV (2.15)

Se considerarmos que o gás realiza infinitésimos deslocamentos dh, e, consequentemente, va-


riações de volume dV, ao longo da mudança de estado ( p a , Va , Ta ) → ( pb , Vb , Tb ), poderemos
encontrar o trabalho total, apenas integrando todos estes valores entre a e b:

Z b
W= p dV (2.16)
a

O trabalho W é convencionado como o trabalho realizado pelo sistema. Se em um processo,


( p a , Va , Ta ) → ( pb , Vb , Tb ), ∆V = Vb − Va > 0 teremos W > 0. Do contrário, se ∆V = Vb − Va < 0,
encontraremos W < 0.

Exemplo 2.4

Um determinado gás expande de forma adiabática entre os estados 1 e 2. A função de estado que determina
os estados deste sistema é dada por pV 5/3 = k. Determine o trabalho realizado pelo gás durante a expansão,
30

sabendo seu volume final é 23/2 do volume inicial.


Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Para qualquer processo, sempre
podemos calcular o trabalho de um gás utilizando a equação 2.16. Para o presente sistema a con-
dição que nos permite calcular W é introduzir p(V ) por meio da função de estado e resolver a
integral.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Podemos resolver a integral do traba-
lho como: Z 2 Z V2
W= p(V ) dV = p(V ) dV
1 V1

Introduzindo p(V ) = k · V −5/3 na integral do trabalho juntamente com a informação de que V2 =


23/2 V1 , teremos:
Z V2 Z V2
W= p(V ) dV = k V −5/3 dV
V1 V1
 V2
3 3k  −2/3 
= − k V −2/3 =− V2 − V1−2/3
2 V1 2
3k  
= V1−2/3 − V2−2/3
2
3kV1−2/3
=
4

Como o volume final é maior que o volume inicial, garantimos que o trabalho executado pelo
sistema é positivo, como era de se esperar, pois o sistema sofre uma expansão.

2.5 A primeira lei da termodinâmica

2.5.1 Energia interna

Nos sistemas mecânicos, quando existe uma mudança de es-


tado também existe uma variação de energia deste sistema, de tal
forma que para cada estado atribuímos uma propriedade energé-
tica. Nos sistemas termodinâmicos também temos uma relação
análoga entre mudança de estado e balanço energético, pois sabe-
mos que sem a mudança do estado energético de um sistema não
existe mudança de estado das configurações.

Para um sistema termodinâmico atribuímos a cada estado, re- Figura 2.5: Trabalho e calor na
presentado no diagrama de Clapeyron, uma grandeza energética mudança de estado.
chamada Energia Interna U. Observando a figura 2.5 se considerarmos dois pontos quaisquer no
diagrama de Clapeyron, 1 = ( p1 , V1 , T1 ) e 2 = ( p2 , V2 , T2 ), podemos saber a diferença de energia
interna entre estes dois pontos apenas identificando quanta energia em forma de calor entrou ou
saiu do sistema e se o sistema realizou trabalho, ou realizaram trabalho sobre o sistema. Se sair-
31

mos do estado 1 e realizarmos o processo 1 → a e a → 2, a energia interna do estado 2, em relação


ao 1, será:
U2 = U1 + Q1,a − Wa,2 (2.17)

Descrição da trajetória (1 → a → 2) - De 1 → a travamos o pistão impedindo que o sistema


realize trabalho, W1,a = 0, e fornecemos calor utilizando o reservatório térmico, Q1,a > 0. Em
seguida, impedimos que seja fornecido calor ao sistema, Q a,2 = 0, e liberamos o pistão fazendo
com que o sistema perca energia realizando trabalho contra o meio externo Wa,2 < 0.

Se partirmos do estado 1 e percorrermos a trajetória inferior, poderemos encontrar a energia


interna U2 em relação a U1 , como:

U2 = U1 − W1,b + Qb,2 (2.18)

Descrição da trajetória (1 → b → 2) - Com o reservatório térmico desligado, Q1,b = 0, retira-


mos gradativamente o peso sobre o pistão, fazendo com que o sistema perca energia realizando
trabalho contra o meio externo, W1,b < 0. Na última etapa, mantemos o pistão preso, Wb,2 = 0, e
acionamos o reservatório térmico para fornecer calor ao sistema, Qb,2 > 0.

Percebam que o trabalho e o calor são diferentes nos dois trajetos, 1a2 e 1b2, mas para os dois
processos calculamos uma variação de energia interna U2 − U1 por meio de Q − W. Segundo o
princípio de Joule ou princípio da conservação da energia, a variação da energia interna em um
sistema depende apenas dos estados inicial e final, sendo independente do processo pelo qual foi
atingido e é sempre igual a Q − W. Podemos enunciar este importante princípio como:

Primeira Lei da Termodinâmica - Para um sistema termodinâmico em equilíbrio, o processo de


mudança de um determinado estado 1 para um estado 2, no qual é realizado um trabalho total W e recebido
uma quantidade de calor Q, a variação de energia interna ∆U = U2 − U1 independe do tipo de processo e
sempre igual a:

∆U = Q − W (2.19)

Para processos infinitesimais este princípio pode ser escrito como:

dU = dQ − dW (2.20)

Analisando com cuidado as figuras 2.5 e 2.4, pode surgir uma interpretação equivocada com
relação ao comportamento de um processo isotérmico, ∆T = 0 na figura 2.4, e um processo adia-
bático, Q = 0 na figura 2.5. Apesar destes processos se parecerem muito no gráfico de p × V, são
relações funcionais muito diferentes. Por enquanto, devemos nos contentar apenas em saber que
grandezas são nulas e qual o comportamento destes processos. No próximo capítulo, investigare-
mos com mais detalhes a relação funcional destes dois processos no gráfico p × V e veremos em
que eles se diferem.
32

Diário de Bordo 2.2:


Com o objetivo de organizar o conhecimento adquirido nos tópicos anteriores, monte um
esquema didático em termos de fluxogramas ou mesmo um texto, apontando em cada tópico
anterior, a informação principal que está sendo discutida. Escreva todas as equações e ao
lado o que cada termo significa e qual o fenômeno físico esta equação descreve.

Exemplo 2.5

Julius Mayer foi o primeiro a propor que nossos corpos trabalham de forma semelhante à máquinas térmicas.
Processos químicos em nosso organismo produzem movimento, trabalho e calor e existe uma conversão entre
estas formas de energia. Considerando este mecanismo de funcionamento dos corpos, imagine que uma
modelo com uma massa de 52kg consumiu 30g de uma barra de chocolate amargo com valor calórico igual
a 185 calorias. Para que esta energia não seja acumulada em seu organismo, quantos lances de escada, de
altura h = 2m cada, a modelo deve subir?
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - A situação em questão exemplifica
um processo termodinâmico no qual nosso sistema, o corpo da modelo, recebe uma quantidade
de calor Q, realiza um trabalho W subindo escadas e retorna ao estado energético inicial, ou seja,
∆U = 0 (condição do problema). Com isso, todo calor consumido pela modelo é gasto para subir
os lances de escada.

Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Aplicando o conhecimento adqui-


rido, podemos escrever a primeira lei da termodinâmica para este processo como:

∆U = Q − W

Como o sistema retorna ao estado energético inicial, ∆U = 0. Esta condição nos garante que a
quantidade de energia recebida pelo sistema é toda utilizada para realizar trabalho.

O trabalho do sistema é realizado contra o meio externo que é a força gravitacional que vale
W = mg( Nh) com N o número de lances de escada de altura h = 2m. O calor fornecido pode
ser escrito como: Q = 185 kcal = 185 · 4186J, pois uma caloria alimentar equivale a 1000 cal e
1kcal = 4186J. Introduzindo estes valores na 1o lei, poderemos encontrar o número N de lances
de escada como segue:

0 = Q − W = 185 · 4186J − mg( Nh)


185 · 4186J 185 · 4186J
⇒N= =
mgh 52kg · 9, 8m/s2 · 2m
⇒ N = 764 lances

Realmente a modelo terá que subir uma enorme quantidade de lances de escada. É importante
observar o cancelamento das unidade na equação para obtermos um número adimensional. Esta
quantidade gigantesca de lances poderia ser ligeiramente menor se considerarmos uma conversão
33

parcial da energia calórica em trabalho, que é o que realmente acontece devido ao rendimento de
nossa máquina térmica. Estes processos envolvendo o rendimento de máquinas térmicas serão
considerados na unidade sobre a segunda lei da termodinâmica.

2.6 Atividades

1. Um recipiente metálico de 4, 0kg contém termos das massas e das temperaturas ini-
14, 0kg de água e ambos estão a tempera- ciais, encontre uma expressão final para T.
tura de 15◦ C. Um bloco de 2, 0kg, feito do
mesmo metal que o latão, e que estava ini- 4. Monte uma estratégia didática para que os
cialmente a 250◦ C, é mergulhado na água. estudantes do ensino médio superem um
Após o equilíbrio térmico, o sistema todo obstáculo fundamental, que é o entendi-
acha-se a 18◦ C. (a) Calcule o calor especí- mento sobre a diferença entre calor e tem-
fico do bloco e do recipiente. Levando em peratura. Sugestão: separadamente, re-
conta possíveis erros experimentais, con- tome a discussão da unidade 1 e apresente
sulte a tabela 2.1 e indique de que material o conceito de temperatura. Em seguida,
é feito o recipiente e o bloco. retome a discussão sobre calor, apresen-
tada nesta unidade, e apresente o con-
2. O calor específico de uma certa substância
ceito de calor. Após esta etapa, considere
varia com a temperatura de acordo com a
um sistema constituído por um gás ideal,
seguinte expressão empírica:
e apresente um processo termodinâmico
c = a + bT, em que temos a introdução de calor neste
sistema sem a alteração da temperatura.
com a = 29, 5J/kg · K e b = 8, 20 ×
Mostre também o contrário, um processo
10−3 J/kg · K2 . Qual é a quantidade de ca-
em que não temos a introdução de calor,
lor necessária para fazer a temperatura de
mas temos a alteração de temperatura, de
0, 3kg dessa substância variar de 27◦ C até
um estado para outro.
227◦ C? Sugestão: a quantidade de calor
para um processo a calor específico variá-
5. Considere um processo em que água entra
vel pode ser dada por:
em ebulição sob uma pressão de 2, 0atm.
Z 2
Q= mc( T )dT. Nesta condição, o calor de vaporização
1
vale 2, 20 × 106 J/kg e o ponto de ebuli-
3. Considere dois materiais de mesmo calor ção é 12◦ C. Nestas condições, 1, 0kg de
específico e de massas m1 e m2 . Estes ma- água que ocupava um volume de 0, 001m3
teriais estão nas respectivas temperaturas passa para vapor que ocupa um volume
T1 e T2 antes de serem colocados em con- de 0, 824mm . (a) Calcule o trabalho reali-
tato. Após estabelecermos o contato entre zado pelo sistema na mudança de volume.
estes materiais, ambos entrarão em equi- (b) Calcule a variação da energia interna
líbrio térmico a uma temperatura T. Em da água.
34

6. Calcule a variação de energia interna de 9. A propriedade que nos informa se uma


0, 5kg de água em um processo de eva- casa é boa para garantir o aquecimento
poração a pressão constante de 1, 01 × interno ou se um recipiente é bom para
105 Pa. Nesta mudança de estado, a manter uma bebida gelada, é a resistên-
água expande seu volume de 2, 5cm3 para cia térmica dos materiais. A resistência R
2, 75cm3 . Pesquise e comente o significado de uma placa de espessura L, é definida
físico desta mudança de estado. como:
L
R= .
k
7. Uma bala de aço, calor específico
Ou seja, um valor que vai com o in-
440J/kg · K, atinge o tronco de uma ár-
verso da condutividade dos materiais e é
vore a 400m/s. Considerando que metade
diretamente proporcional a espessura do
do calor gerado por atrito é usado para
mesmo. Consulte a tabela sobre condu-
aquecer a bala, que estava a uma tempe-
tividades e encontre a espessura necessá-
ratura de 40◦ C em um instante anterior ao
ria do teto de uma casa em uma cidade
choque, qual deve ser a temperatura final
de clima frio, para garantir uma resistivi-
da bala em ◦ C?
dade R = 40 m2 · K/W, considerando o
teto feito de: (a) Latão e (b) Cortiça.
8. Considere a placa da figura 2.2. Supo-
nha que ∆x = 25cm, A = 90, 0cm2 , e o 10. A temperatura do filamento de tungstênio
material seja cobre. Seja T1 = 125◦ C e de uma lâmpada vale 2450K e sua emissi-
T2 = 10, 0◦ C. (a) Qual o gradiente de tem- vidade é igual a 0, 35. Calcule a área da
peratura ao longo da barra considerando superfície do filamento de uma lâmpada
que o sistema já atingiu o estado estacio- de 150W, supondo que toda a energia con-
nário. (b) Qual a taxa de transferência de sumida pela lâmpada seja convertida em
calor? luminosidade pelo filamento.
Unidade 3

O Modelo do Gás Ideal

Objetivos da unidade
Nesta unidade estudaremos o modelo do gás ideal. Faremos uma análise macroscópica e mi-
croscópica deste fascinante sistema tentando compreender suas propriedades universais e qual
sua importância para a termodinâmica.

Esta unidade tem os seguintes objetivos:

• Compreender do ponto de vista macroscópico o que é um gás ideal e quais parâmetros


definem este sistema;

• Encontrar a equação de estado de um gás ideal a partir de resultados empíricos;

• Verificar como aplicar a primeira lei da termodinâmica a um gás ideal e conhecer a relação
funcional p × V de um processo adiabático;

• Estudar o modelo cinético-molecular de um gás ideal e como este modelo teórico reproduz
os resultados experimentais;

• Analisar como introduzir o conceito de graus de liberdade no modelo cinético-molecular e


compreender o princípio da equipartição da energia;

3.1 Equação de estado de um gás ideal

Quando queremos exemplificar um determinado processo termodinâmico, nos referimos com


frequência a um sistema constituído por uma caixa contendo um gás. Não é por acaso que este
sistema é tão citado e constitui um dos tópicos de estudo mais importantes na termodinâmica. Um
gás é formado por átomos que podem estar isolados ou unidos formado moléculas. Estes sistemas
termodinâmicos têm um comportamento muito interessante, quando consideramos concentrações
suficientemente baixas e temperaturas bem acima do ponto de liquefação. Neste regime, todos
os gases, independente do tipo, exibem o mesmo comportamento. Para estas condições, estes

35
36

sistemas são denominados gases ideais ou gases perfeitos. Nesta seção, encontraremos a equação
de estado de um gás ideal e discutiremos as propriedades ditas universais, por meio da análise
de resultados experimentais. Mais a frente continuaremos nosso estudo dos gases ideais, mas em
uma análise microscópica do sistema, por meio da teoria cinético-molecular do gás ideal.

3.1.1 O número de Avogadro

Quando lidamos com gases, a unidade de massa mais adequada é a massa por mol. Segundo
a hipótese do físico italiano Amedeo Avogadro (1776 - 1856) - volumes iguais de gases diferentes que
estão sob a mesma condição de temperatura e pressão, contém o mesmo número de átomos ou moléculas.
Através da hipótese de Avogadro, 1mol de qualquer substância deve ter:

NA = 6, 02 × 1023 moléculas/mol (3.1)

Por meio desta padronização, podemos compreender uma amostra contendo N átomos ou
moléculas de um gás, distribuído em n pacotes de mols, que chamamos de número de mols, que
contém NA átomos ou moléculas. Cada mol de um determinado gás tem uma massa M que
chamamos massa molar. Se em um determinado recipiente temos uma amostra de gás com massa
total Mam e cada molécula tem uma massa m, podemos escrever as seguintes relações para estes
valores:
N = n NA → Número de moléculas
Mam = n M → Massa da amostra de gás
M = m NA → Massa de um mol da amostra

Compreendido que uma quantidade de gás pode ser determinado pelo número de mols, n. O
estado deste gás pode ser descrito então pelas variáveis ( p, V, T, n) e qualquer equação de estado
pode ser dada por:
f ( p, V, T, n) = 0 (3.2)

Se padronizarmos nossas análises considerando apenas um mol de um determinado gás, n = 1,


podemos estudar separadamente quais funções de estado surgem de f ( p, V, T ) quando mantemos
uma das variáveis, ( p, V, T ), fixas. Para estas condições, teremos as seguintes funções de estado:

T = cte ⇒ g( p, V ) = 0 → equação de estado para um processo isotérmico


V = cte ⇒ h( p, T ) = 0 → equação de estado para um processo isocórico (3.3)
p = cte ⇒ w(V, T ) = 0 → equação de estado para um processo isobárico

3.1.2 Lei de Boyle-Mariotte

O primeiro resultado experimental que devemos descrever a respeito do comportamento de


um gás é a lei de Boyle-Mariotte, resultado enunciado independentemente pelo inglês Robert
37

Boyle (1627 - 1691), e também, pelo francês Edme Mariotte (1620 - 1684). A lei Boyle-Mariotte
descreve o processo isotérmico de um gás ideal, a primeira equação de estado da relação 3.3. Esta
lei pode ser compreendida da seguinte forma: considere 1mol de qualquer gás. Nas condições
ideais, mantido a temperatura fixa, a mudança de estado ( p0 , V0 , T ) → ( p1 , V1 , T ) é dada pela
seguinte equação de estado:
p0 V0 = p1 V1 . (3.4)

Na lei de Boyle-Mariotte, qualquer mudança de estado é feita de tal forma que o produto pV
permaneça constante. De forma geral, um estado qualquer ( p, V, T ), está relacionado a um estado
conhecido ( p0 , V0 , T ), pela equação:

( p0 , V0 , T ) → ( p, V, T )
(3.5)
pV = p0 V0

Percebam na notação utilizada, equação 3.4 e 3.5, que sempre indicamos na mudança de estado,
estado inicial → estado final, a variável que permanece fixa durante o processo termodinâmico.
Utilizamos este método para deixar claro qual variável está fixa e em momento algum devemos
utilizar o parâmetro que não se alterou, de um estado para outro, nas equações como variáveis.

3.1.3 Lei de Gay-Lussac

Em nossa discussão sobre a determinação de um termômetro de escala absoluta, fizemos uso


da lei de Gay-Lussac sem atermos em detalhes sobre esta lei. Joseph Louis Gay-Lussac (1778 -
1850) estudou como um determinado gás evolui de um estado a outro, mantendo seu volume
fixo. Para a presente discussão, podemos aplicar a lei de Gay-Lussac da seguinte forma: considere
1mol de um gás ideal qualquer. Se mantivermos o volume deste sistema fixo na mudança de
estado ( p0 , V, T0 ) → ( p1 , V, T1 ) a equação que nos fornece a relação entre estes dois estados terá a
forma:
p0 p
= 1. (3.6)
T0 T1
Nesta relação, a pressão cresce linearmente com a temperatura, como na discussão sobre o termô-
metro de gás a volume constante. De forma geral, podemos relacionar um estado desconhecido,
( p, V, T ), a um estado conhecido ( p0 , V, T0 ), pela equação:

( p0 , V, T0 ) → ( p, V, T )
p p0 (3.7)
=
T T0

3.1.4 Lei de Charles

A relação linear, da equação de estado, entre volume e temperatura em um gás ideal, man-
tido a pressão contante, foi descoberta em 1787 pelo físico francês Jacques Charles (1746 - 1823).
Em seus trabalhos, Charles encontrou que todos os gases deveriam ter o mesmo coeficiente de
38

dilatação volumétrica, β = 1/273. Posteriormente a Charles, Gay-Lussac também estudou a re-


lação entre volume e temperatura em um gás ideal mantido a pressão constante. Gay-Lussac
observou que a curva extrapolada da relação de V = V ( T ), para V → 0 fornecia a temperatura
T = −273◦ C. Este valor de temperatura corresponde ao coeficiente de dilatação volumétrica en-
contrado por Charles. Atualmente este valor corresponde a β = (1/273, 15)◦ C−1 . A lei de Charles,
como é conhecida, pode ser enunciada para a quantidade de 1mol de um gás perfeito como: um
processo isobárico de mudança de estado ( p, V0 , T0 ) → ( p, V1 , T1 ) ocorre de tal forma que a taxa
de acréscimo da temperatura é igual a taxa de acréscimo do volume. Com isso, podemos escrever:

V0 V
= 1. (3.8)
T0 T1

Se conhecermos um estado ( p, V0 , T0 ) e quisermos encontrar um estado desconhecido ( p, V, T )


poderemos usar a lei de Charles como:

( p, V, T ) → ( p, V0 , T0 )
V V0 (3.9)
=
T T0

3.1.5 Lei dos gases ideais

Diante da exposição das três leis empíricas anteriores,


podemos nos perguntar: dado a quantidade de 1mol de um
gás ideal, sabemos quais são as relações funcionais nos pro-
cessos isotérmico (lei de Boyle-Mariotte), isocórico (lei de
Gay-Lussac) e isobárico (Lei de Charles), mas para um pro-
cesso qualquer, ( p0 , V0 , T0 ) → ( p1 , V1 , T1 ), onde mudamos
simultaneamente as três variáveis de estado do gás. Como
será a relações funcional que nos fornece esta mudança de
estado?
Figura 3.1: Diagrama p × V de um gás
Podemos encontrar a resposta para esta pergunta anali- ideal.
sando a figura 3.1. Nesta figura, representamos os três tipos de processos. No ponto 0, temos os
estados ( p0 , V0 , T0 ) e no ponto a os estados ( p, V, T ), para 1mol de gás ideal. Podemos executar a
mudança de estado ( p0 , V0 , T0 ) → ( p, V, T ) utilizando as leis de estado que discutimos anterior-
mente. Quando realizamos a mudança de estado de 0 → a por qualquer conjunto de processos
conhecidos: isobárico, isotérmico e isocórico encontraremos sempre uma relação entre os estados
inicial e final do sistema, independente da sequência de processos. Analisemos a mudança de
estado 0 → a por meio do trajeto 0 → 1 → a. Estas etapas são descritas como segue:

Processo isobárico ( p0 , V0 , T0 ) → ( p0 , V1 , T ) - Neste processo podemos usar a lei de Charles


para relacionar os estados ( p0 , V0 , T0 ) e ( p0 , V1 , T ):
39

V0 V
= 1. (3.10)
T0 T
Processo isotérmico ( p0 , V1 , T ) → ( p, V, T ) - Para relacionar os estados ( p0 , V1 , T ) e ( p, V, T ),
devemos utilizar a lei de Boyle-Mariotte:

p0 V1 = pV. (3.11)

Isolando V1 na equação 3.11 e substituindo na equação 3.10, encontraremos a relação:


pV p0 V0
= (3.12)
T T0

Observamos então que a equação de estado da transformação ( p0 , V0 , T0 ) → ( p, V, T ) é tal que


o produto da pressão pelo volume dividido pela temperatura é sempre constante e independe do
gás, pois as leis empíricas que descrevemos anteriormente valem para qualquer gás.

Consideramos em nossas análises sempre 1mol de um gás perfeito. Segundo a hipótese de


Avogadro, para as mesmas condições de pressão temperatura e volume, teremos sempre a mesma
quantidade de moléculas em um gás. Experimentalmente, desta hipótese, verificamos que nossa
amostra de 1mol de gás ideal, sob as Condições Normais de Temperatura e Pressão (CNTP): T0 =
273, 15K e p0 = 1 atm = 1, 01 × 105 Pa, ocupa um volume de V0 = 22, 415L = 0, 0022415m3 .
Com este estado bem determinado experimentalmente, podemos encontrar qualquer outro estado
apenas calculando o lado direito da equação 3.12. Para 1mol de gás ideal encontramos:
pV p0 V0 1, 01 × 105 Pa · 0, 0022415m3
= = = 8, 31J/K. (3.13)
T T0 273, 15K

Definimos R = 8, 31J/K, que é conhecida como constante dos gases ideais. Considerando uma
quantidade n = 1, 2, 3, 4, . . . de mols do gás, chegaremos a equação de estado do gás ideal, que é
conhecida também como lei dos gases ideais:

pV
= nR (3.14)
T

Diário de Bordo 3.1:


Monte uma estratégia didática para o ensino médio, que contemple os passos anteriores,
descrevendo como podemos chegar a equação de estado pV = nRT que é a lei dos gases
ideais. Realize as demonstrações principais analisando as leis de Boyle e Mariotte, Gay-
Lussac e Charles, juntamente com a hipótese de Avogadro para mostrar como chegar a
equação desejada.

Exemplo 3.1

Considere um gás ideal a temperatura de 17◦ C, pressão de 10atm e volume de 35L. Se o volume deste gás
diminui para 20L, devido a compressão do êmbolo de seu recipiente, calcule a pressão final considerando que
40

a temperatura final será de 30◦ C.


Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Neste caso devemos utilizar a con-
dição dada pela equação 3.12:
p1 V1 p2 V2
= .
T1 T2

Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Isolando a pressão p2 após a compres-


são na mudança de estado ( p1 , V1 , T1 ) → ( p2 , V2 , T2 ) com p1 = 10atm, V1 = 35L, T1 = 17◦ C =
290K, p2 =?, V2 = 20L e T2 = 30◦ C = 303K, teremos:

T2 p1 V1 T2 V1 303K 35L
p2 = = p1 = 10atm = 18, 3atm.
V2 T1 T1 V2 290K 20L

3.2 Trabalho de um gás ideal

Conhecendo a equação de estado para os processos termodinâmicos discutidos na seção 3.1,


podemos calcular o trabalho deste gás para todos estes processos. Considere que n mols de um
gás ideal realiza uma mudança de estado ( p1 , V1 , T1 ) → ( p2 , V2 , T2 ) onde mantemos uma das três
variáveis de estado fixas em cada processo.

Processo isobárico - No processo isobárico, ( p1 , V1 , T1 ) → ( p1 , V2 , T2 ), o trabalho W será:


Z 2 Z V2 Z V2
V2

W= p dV = p1 dV = p1 dV = p1 V = p1 (V2 − V1 )

1 V1 V1
V1

W = p1 ∆V (3.15)

Processo isotérmico - Para o processo isotérmico, ( p1 , V1 , T1 ) → ( p2 , V2 , T1 ), podemos calcular


o trabalho W como segue:
Z 2 Z V2 Z V2
V2
nRT1 dV
W= p dV = dV = nRT1 = p1 ln V = nRT1 (ln V2 − ln V1 )

1 V1 V V1 V
V1
 
V2
W = nRT1 ln (3.16)
V1

Processo isovolumétrico - No processo isovolumétrico, ( p1 , V1 , T1 ) → ( p2 , V1 , T2 ), não temos


mudança de volume e, consequentemente, dV = 0:

Z 2
W= p dV = 0
1

W=0 (3.17)
41

3.3 Modelo cinético-molecular do gás ideal

Nesta seção, discutiremos o modelo cinético-molecular do


gás ideal, que consiste em tratar um gás do ponto de vista mi-
croscópico aplicando as leis da mecânica newtoniana. Consi-
dere uma caixa cúbica de lado l e volume V = l 3 contendo n
mols de um gás ideal que está a um temperatura T. Como na
figura 3.2, cada molécula do gás tem massa m e se movimenta
com uma velocidade ~v se chocando incessantemente contra as
paredes do recipiente. Qual será a relação entre a temperatura
do gás e a velocidade das moléculas? Como escrever a pressão,
Figura 3.2: Molécula em uma
grandeza macroscópica, medida por um barômetro conectado a caixa.
este sistema, com o movimento das moléculas dentro do recipiente, que é uma propriedade mi-
croscópica? Para responder a estas perguntas devemos montar um modelo físico apropriado que
descreva satisfatoriamente o comportamento das moléculas do gás.

Modelo cinético-molecular do gás ideal:

• Sistema constituído por N moléculas monoatômicas, ou seja um átomo por molécula;

• Gás rarefeito constituído por moléculas não interagentes;

• Não existem choques entre moléculas e consideraremos apenas os choques elásticos contra
as paredes do recipiente;

• A única energia do sistema é a energia cinética translacional. Quando o sistema recebe ou


cede energia a única energia que muda é cinética translacional.

• As componentes das velocidades das moléculas são iguais. Para uma molécula i, teremos:
~vi = (v x , vy , vz ) = (v x , v x , v x )

Para este modelo, a energia cinética translacional total das moléculas é dada por:

N
mN 2 Nm 1
v1 + v22 + v23 + . . . + v2N = ∑ v2i .

K= (3.18)
2N 2 N i =1

Podemos definir a média das velocidades das moléculas, v2 , como:

N
1
v2 =
N ∑ v2i (3.19)
i =1

Utilizando esta definição, escrevemos a energia cinética do gás, que é a energia total do sistema,
como:
Nm 2
K= v (3.20)
2
42

É importante também analisarmos a relação entre a velocidade, v2 , e suas componentes:


N N N
1 1 3
∑ v2i = ∑ v2i,x + v2i,x + v2i,x = ∑ v2i,x = 3v2x

v2 =
N i =1
N i =1
N i =1

v2 = 3v2x (3.21)

Pressão

Seguindo nosso modelo idealizado, figura 3.2, mostramos o choque de uma molécula i do gás
contra uma das paredes do recipiente. Quando esta partícula se choca contra a parede destacada,
apenas a componente x da velocidade muda. A variação da quantidade de movimento antes e
após o choque da partícula será:

∆Pi,x = −mvi,x − mvi,x = −2mvi,x . (3.22)

O intervalo entre choques desta partícula, é o tempo que ela gasta para retornar à parede do pri-
meiro choque. Este tempo será ∆t = 2l/vi,x . Com este resultado, a taxa temporal de transferência
de quantidade de movimento da partícula i para a parede destacada, que é a força desta partícula
sobre a parede, vale:
∆Pi,x 2mvi,x mv2i,x
Fi, x = = = . (3.23)
∆t 2l/vi,x l

Utilizando a força devido a partícula i sobre a parede de área l 2 , podemos encontrar a pressão
devido a todas as N partículas, se chocando sobre a parede destacada, apenas somando estas
contribuições:
N
Fi,x m N 2 Nm 2 Nm 2
p= ∑ l 2
= 3 ∑
l i =1
vi,x =
Nl 3
vx = v .
V x
(3.24)
i =1

Considerando N = nNA , M = mNA e que v2x = v2 /3 (veja a subseção 3.1.1 e equação 3.21) teremos
a seguinte expressão para a pressão devido N moléculas de um gás:

nM 2
p= v (3.25)
3V

Temperatura

Por meio da equação dos gases ideais, pV = nRT, podemos encontrar uma expressão que
relaciona a temperatura com a média da agitação molecular apenas substituindo pV em 3.25:
nM 2
pV = nRT = v
3

M 2
T= v (3.26)
3R
43

Energia cinética

Por meio da equação 3.18 e 3.26, podemos relacionar a energia cinética do sistema com a
temperatura, por:
Nm 2 Nm 3RT Mam 3RT nM 3RT
K= v = = =
2 2 M 2 M 2 M

3
K= nRT (3.27)
2
Esta equação apresenta uma relação direta entre energia cinética do sistema e temperatura. Ou
seja, a agitação molecular das partículas, uma observação microscópica, e a temperatura do gás,
uma observação macroscópica.

Podemos observar esta relação, micro ↔ macro, mais profundamente, se escrevermos a ener-
gia cinética do gás como:
Nm 2 Nm 3RT m m 3RT 3 RT 3 R
K= v = ⇒ v2 = = = T.
2 2 M 2 2 M 2 M/m 2 NA
Nesta passagem, utilizamos que M = mNA . No último termos, vemos que é importante definir-
mos a constante:
R 8, 31 J/mol · K
kB = = = 1, 38 × 10−23 J/molécula · K,
NA 6, 02 × 1023 molécula/mol
que recebe o nome de constante de Boltzmann. Com esta definição, podemos escrever a energia
de uma molécula, em termos da temperatura do sistema, como:

m 2 3
v = kB T (3.28)
2 2

A constante de Boltzmann nos fornece um resultado importante. Quando nosso sistema tem
3
uma variação de temperatura de 1K cada molécula recebe um acréscimo de energia de 2 · 1, 38 ×
10−23 J: se temos uma variação de temperatura T → T + 1K ⇒ m 2
2v → m 2
2v +
3
2 · 1, 38 × 10
−23 J. Esta

é então a energia para cada molécula na variação de temperatura de 1K. Se quisermos calcular a
energia para todos o gás, basta multiplicarmos este valor por N = n · NA .

Uma propriedade, também importante, pode ser extraída da equação 3.26. Isolando v2 e cal-
culando a raiz quadrada deste termo, teremos uma grandeza com dimensão de velocidade que
p
chamamos de velocidade quadrática média, vqm = v2 :
r
3RT
vqm = (3.29)
M

Exemplo 3.2

Suponha que a velocidade do som em um gás seja igual a velocidade quadrática média das moléculas. Se em
0◦ C a velocidade do som é de 332m/s, qual será a velocidade a 37◦ C?
44

Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Da equação 3.29, podemos relaci-
onar velocidades em diferentes estados: (v1 : T1 ) → (v2 : T2 ):
r r
3RT1 3RT2
v1 = → v2 =
M M

Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Dividindo as duas equações anteri-


ores e identificando os valores v1 = 332m/s, v2 =?, T1 = 0◦ C = 273K e T2 = 37◦ C = 310K
encontramos:
s r
v2 T2 310K
= ⇒ v2 = 332m/s · = 354m/s.
v1 T1 273K

Diário de Bordo 3.2:


Para que os conceitos sobre o modelo do gás ideal sejam compreendidos de forma visual,
os estudantes podem acessar o objeto que trata sobre este tópico na coleção de objetos de
aprendizagem.

3.4 Calor específico molar de um gás ideal

Utilizando nossas análises do gás ideal, em termos do


número de mols deste sistema, se torna importante rede-
finirmos também o calor específico de um gás por mol de
uma amostra, no lugar do calor por variação de tempera-
tura por quilograma, pois agora nossa unidade de massa
é a massa molar. Para um gás de massa Mam (massa da
amostra) o calor, Q, necessário para variar em ∆T sua tem-
peratura é dado por:

Q = Mam c ∆T. (3.30)

Escrevendo a massa do gás, Mam em termos da massa de Figura 3.3: Processo isobárico, isotér-
cada mol, M, teremos: mico isocórico e adiabático em um gás
ideal.
Q = Mam c ∆T = n M c ∆T = n C ∆T

Q = nC∆T (3.31)

Nesta equação, C = Mc, recebe o nome de calor específico molar. Com esta definição de calor
específico, padronizamos nossa análise para ver a quantidade de calor por mol, na variação de
temperatura ∆T.
45

Em nosso modelo de gás ideal, consideramos apenas a energia cinética translacional. Desta
forma, quando nosso sistema realiza um trabalho W ou quando fornecemos uma quantidade de
calor Q, a energia que deve variar neste processo é a energia cinética translacional, que é a energia
total do sistema. Desta forma, podemos concluir que a energia interna do sistema é a energia
cinética, U = K. Assim podemos escrever a energia interna de um gás ideal monoatômico como:

3
U= nRT (3.32)
2

E para uma variação infinitesimal dT,

3
dU = nRdT (3.33)
2

Com a última expressão, podemos escrever a primeira lei da termodinâmica para um gás ideal
monoatômico na forma:
3
nRdT = dQ − dW (3.34)
2

Calor específico a volume constante - CV

Se realizamos um processo termodinâmico a volume constante,


(dQ, dW =0)
( p1 , V1 , T1 ) −−−−−−→ ( p2 , V1 , T2 ),

o calor específico envolvido é o calor específico molar a volume constante, CV e o calor dQ do


processo é escrito como:
dQ = nCV dT

Na primeira lei,
3
nRdT = nCV dT.
2
Desta última relação, poderemos escrever o calor específico CV na forma:

3
CV = R (3.35)
2

Calor específico a pressão constante - Cp

De forma análoga, também podemos pensar em uma forma de introduzir dQ no sistema


mantendo-se a pressão constante. Este processo foi descrito na unidade 2 e pode ser esquemati-
zado da seguinte forma:
(dQ, dW )
( p1 , V1 , T1 ) −−−−−→ ( p1 , V2 , T2 ).

Para esta mudança de estado, o calor específico envolvido será o calor específico molar a pressão
constante, C p
dQ = nC p dT.
46

Neste caso, o trabalho não é nulo, e pode ser escrito na forma:

dW = pdV = nRdT.

Na primeira lei para gases ideais monoatômicos,


3 3
nRdT = dQ − dW = nC p dT − pdV = nC p dT − nRdT ⇒ C p = R + R
2 2
5
Cp = R (3.36)
2
Por meio da última equação, podemos escrever uma relação importante entre C p e CV :

C p − CV = R (3.37)

Equação de um processo adiabático - dQ = 0

De posse de todo este arsenal teórico que desenvolvemos até aqui, agora estamos prontos
para encontrar relação funcional de um processo adiabático, p × V ou p × T com Q = 0. Considere
a primeira lei da termodinâmica para um processo adiabático dQ = 0,
3
nRdT = − pdV.
2
Utilizando a lei dos gases ideais temos:

pdV + Vdp = nRdT.

Substituindo CV = 23 R, juntamente com a equação anterior podemos escrever:

CV ndT = − pdV
 
pdV + Vdp
CV n = − pdV
nR
( )
pdV + Vdp
⇒ CV  + pdV = 0
C p − CV
( )
pdV + Vdp
⇒  + pdV = 0
C p /CV − 1
Cp
⇒ Vdp + pdV = 0
CV
dp C p dV
⇒ + = 0.
p CV V
Definindo γ = C p /CV e integrando dos dois lados desta equação entre os estados ( p0 , V0 , T0 ) →
( p1 , V1 , T1 ) teremos:
Z p1 Z V1
dp dV
+γ = 0.
p0 p V0 V
Resolvendo a integral podemos encontrar a relação entre os estados 1 e 2 no processo adiabático
γ γ
p1 V1 = p1 V1 .
47

Para um estado qualquer ( p, V, T ) que passa pela adiabática a partir de p0 , V0 , T0

γ
pV γ = p0 V0 (3.38)

O gráfico da equação 3.38 é mostrado na figura 3.3, juntamente com a comparação de um


processo isotérmico, isocórico e isobárico. Neste gráfico podemos ver que os processos adiabáticos
ligam os isotérmicos, pois o volume cresce com o expoente maior que a unidade, V γ .

3.5 Graus de liberdade e o princípio da equipartição da energia

Nesta seção, discutiremos a validade do nosso Tabela 3.1: Calor específico molar a volume
modelo de gás ideal, sua comparação com resulta- constante.
dos experimentais e quais modificações podem ser Molécula Gás CV ( J/mol · K)
feitas no modelo para reproduzir resultados experi- He
Monoatômica 12, 47
mentais que estão fora do alcance deste modelo. Ar 12, 47
H2 20, 42
Nosso modelo de gás é constituído de moléculas Diatômica N2 20, 47
monoatômicas sem estrutura interna, representadas O2 21, 10
CO2 28, 47
por esferas que não interagem entre si. A única
Poliatômica SO2 31, 39
energia deste sistema é a energia cinética translaci- H2 S 25, 96
onal nos eixos x, y e z. Quando calculamos o calor específico molar a volume constante deste
sistema encontramos:

3 3
CV = R = · 8, 31J/mol · K = 12, 47J/mol · K
2 2

Observando a tabela 3.1, vemos que nossa previsão teórica do calor específico molar de um gás
ideal reproduz apenas os resultados experimentais para moléculas monoatômicas. Por que mo-
léculas diatômicas e poliatômicas exibem valores maiores de CV ? Ou melhor, por que estas mo-
léculas precisam de mais energia para variar em 1K sua temperatura, se nossas amostras tem o
mesmo número de átomos? Para responder a estas perguntas, precisamos analisar a forma como
nosso sistema e as moléculas diatômicas e poliatômicas armazenam energia.

Quando queremos estudar um determinado sistema, devemos ser rigorosos ao escrever sua
energia total, pois isso mostrará como o trabalho deste sistema ou o calor afetam sua variação
de energia. De uma forma mais rigorosa, mas não tanto, podemos escrever a energia de cada
molécula do sistema como:

     
1 2 1 2 1 2 1 2 1 2 1 2 1 1 1 2
u= mv x + mvy + mvz + Ix ωx + Iy ωy + Iz ωz + k x x2 + 2
ky y + kz z
2 2 2 2 2 2 2 2 2
| {z } | {z } | {z }
Cinética Translacional Cinética Rotacional Potencial Vibracional
(3.39)
48

Nesta equação ainda não estamos considerando a inte-


ração entre as moléculas, mas já temos uma descrição maior
das várias formas pela qual nossa molécula pode armaze-
nar energia. O primeiro termo representa a energia cinética
de translação nos três eixos em que nossa molécula pode
transladar. O segundo termo indica que para uma molé-
cula com estrutura interna, a mesma pode ter uma inércia
rotacional nos três eixos e, consequentemente, uma veloci-
dade rotacional nestes eixos, que acarreta outras três formas
de armazenar energia, agora, na forma rotacional. Por úl-
timo, esta molécula também pode vibrar em relação aos três Figura 3.4: Molécula (a) diatômica e
(b) monoatômica.
eixos, com diferentes resistências para estas vibrações, pois
nosso sistema pode ser anisotrópico com relação a estes pa-
râmetros.

Em nosso modelo de gás ideal, consideramos apenas o primeiro termo desta equação com a
condição que as componentes das velocidades seriam iguais. Com isso, simplificamos bastante
nossas contas a um nível que poderíamos resolvê-las e observando também a reprodutividade
dos resultados experimentais a um nível aceitável, pois não podemos simplificar tanto um mo-
delo para ser tratável matematicamente, a um ponto em que não reproduza o mais simples dos
experimentos.

Ao analisar o modelo cinético-molecular e os resultados experimentais para moléculas diatô-


micas e poliatômicas, vemos que as energias destas moléculas não estão sendo contempladas.
Precisaríamos acrescentar os últimos termos da equação 3.39 no caso destas moléculas com estru-
tura interna. Se considerarmos apenas uma molécula diatômica como o O2 , veja figura 3.4, vemos
que esta molécula além de transladar nos três eixos, que já está contemplado em nosso modelo,
também rotaciona em mais dois. Como introduzir mais estas duas formas de armazenar energia
no caso da molécula de O2 ?

O britânico James Clerk Maxwell (1831 - 1879) solucionou esta questão ao propôr uma modi-
ficação no modelo cinético-molecular, introduzindo o princípio da equipartição de energia. Segundo
este princípio:

Princípio da equipartição da energia - Chamamos número de graus de liberdade, f , todas as


formas com que uma molécula tem para armazenar energia. A cada grau de liberdade, associamos uma
energia 12 k B T.

Desta forma, a energia total de uma molécula pode ser escrita, utilizando o princípio da equi-
partição de energia e em termos do número de graus de liberdade, como:
 
1
u= f kB T (3.40)
2
49

Para todo o sistema, basta multiplicarmos este resultado por N para encontrar:
 
1
U= f nRT (3.41)
2

E finalmente o calor específico CV pode ser obtido por:


 
1
CV = f R (3.42)
2

Diário de Bordo 3.3:


Organize o conhecimento das últimas seções discutidas. Com este propósito, monte um
roteiro de aula indicando os pontos discutidos anteriormente sobre: calor específico molar
a volume e pressão constante, equação de um processo adiabático, modificação do modelo
cinético molecular e o princípio da equipartição de energia.

Exemplo 3.3

Como mostrado na figura 3.4 (a), a molécula do gás O2 tem três graus de liberdade translacionais, f t = 3,
e pode rotacionar em mais dois eixos, f r = 2. Para 1mol deste gás, (a) qual será sua energia interna para
uma dada temperatura T e (b) qual o calor específico molar a volume constante?
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - devemos observar que este sistema
se encaixa na extensão proposta por Maxwell para o modelo cinético-molecular. Nesta extensão
surge o conceito de graus de liberdade de um sistema que são as possíveis formas que uma molé-
cula tem para armazenar energia. No caso da molécula de O2 , f = f t + f r = 3 + 2 = 5. De posse
deste saber, devemos introduzir estas condições nas equações 3.41 e 3.42 para responder as letras
(a) e (b).
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - (a) Para um sistema com um número
total de graus de liberdade f = 5, podemos encontrar a energia total do sistema como:
   
1 1
U= f nRT = 5 1mol · 8, 31( J/mol · K) T = 20, 8( J/K) T
2 2
⇒ U = 20, 8( J/K) T

(b) Utilizando a equação 3.42 teremos um calor específico igual a:

CV = 20, 8 J/mol · K

Comparando este resultado teórico de CV com o resultado experimental, vemos uma grande apro-
ximação de ambos e notamos a eficiência do princípio da equipartição na explicação destes resul-
tados. No caso das moléculas diatômicas, além destas moléculas transladarem nos três eixos, elas
também podem girar em mais dois. Se quisermos alterar seu estado energético indo para um ní-
vel de agitação que corresponda a variação de 1K em sua temperatura, devemos introduzir mais
energia, se comparado a uma molécula monoatômica.
50

3.6 Atividades

1. Considere a demostração feita em 3.1.5. e o frasco é resfriado até atingir a tempe-


(a) Realize os mesmo procedimento uti- ratura inicial. (a) Qual é a pressão final do
lizando as mesmas condições para che- metano no fasco? (b) Qual é a quantidade
gar a lei de estado de um gás ideal, mas de etano, em gramas, que permanece no
agora considerando um processo isovolu- frasco?
métrico e em seguida uma expansão iso-
5. Mostre que a relação funcional do dia-
térmica:
grama p × T para um processo adiabático

( p0 , V0 , T0 ) → ( p1 , V0 , T ) → ( p, V, T ) pode ser dado por:


γ −1
pT γ−1 = p0 T0 ,
(b) Construa o diagrama p × V para esta
mudança de estado. onde ( p0 , V0 , T0 ) é um estado conhecido.

2. Um grande tanque cilíndrico contém 6. Considere um gás ideal. Mostre que

0, 750m3 de gás nitrogênio a 27◦ C e uma o trabalho realizado por este gás em

pressão de 1, 5 × 105 Pa (pressão absoluta). um processo adiabático entre os estados

O tanque possui um pistão bem ajustado ( p1 , V1 , T1 ) → ( p2 , V2 , T2 ) é pode ser es-

que pode fazer o volume variar. Qual é o crito como:

valor da pressão quando o volume dimi- p2 V2 − p1 V1


W=
1−γ
nui para 0, 480m3 e a temperatura aumen-
tou para 157◦ C? 7. Suponha que 1, 00L de um gás com γ =
1, 3 inicialmente a 273K e 1, 00atm é
3. Um tanque cilíndrico vertical contém comprimido adiabaticamente, de forma
1, 80mol de um gás ideal a uma pressão de brusca, para metade do volume inicial.
1, 0 atmosfera a 20◦ C. A parte redonda do (a) Determine a pressão final e faça uma
tanque tem um raio de 10cm, e o gás está ilustração do processo em um diagrama
sustentando um pistão que pode se des- p × V. (b) Encontre a temperatura final do
locar de cima para baixo no cilindro, sem processo.
atrito. (a) Qual é a massa deste pistão? (b)
8. (a) Calcule o calor específico a volume
Qual a altura da coluna de gás que sus-
constante do vapor d’água, supondo uma
tenta o pistão?
molécula triatômica linear com três graus
4. Um frasco com volume de 1, 5L, equipado de liberdade de translação e três graus de
com uma válvula, contém o gás etano liberdade de rotação, e que o movimento
C2 H6 a 300K e a pressão atmosférica de vibracional não contribua. A massa mo-
1, 03 × 105 Pa. A massa molar do etano é lar da água é 18g/mol. (b) Sabendo que
30, 1g/mol. O sistema é aquecido até uma o resultado experimental do calor especí-
temperatura de 380K, mantendo-se a vál- fico do vapor d’água vale 2000J/K encon-
vula aberta. A seguir, a válvula é fechada, tre qual a diferença em unidades de ( 12 R)
51

são devidos ao movimento vibracional no 10. Em um motor que usa ar comprimido, o


cálculo anterior. ar entra no motor com uma pressão igual
a 1, 60 × 106 Pa e sai com uma pressão de
9. Um sólido monoatômico é mostrado na fi-
2, 80 × 105 Pa. Qual deve ser a tempera-
gura abaixo. Neste modelo de um sólido
tura do ar comprimido para que não haja
isotrópico temos N átomos ligados a seus
possibilidade da formação de gelo nos tu-
vizinhos por molas de constantes elásti-
bos de exaustão do motor? Suponha que
cas, k, iguais. Estes átomos podem vi-
a expansão é adiabática. (Nota: O gelo
brar em torno de suas posições de equi-
se forma quando o ar úmido é resfriado
líbrio, como em um oscilador harmônico.
abaixo da temperatura de na expansão)
Para este modelo, a energia interna por
átomo pode ser dada pelo terceiro termo
da equação 3.39. (a) Mostre que a energia 11. Um gás ideal monoatômico se expande
total deste sistema pode ser dada por: lentamente até ocupar um volume igual
ao dobro do volume inicial, realizando um
U = 3Nk B T.
trabalho igual a 300J neste processo. Cal-
(b) Mostre que o calor específico molar é
cule o calor fornecido ao gás e a varia-
dado pela lei de Dulong e Petit:
ção de energia interna, sabendo que o pro-
CV = 3 R = 24, 9 J/mol · K cesso é a) isotérmico; b) adiabático.

12. Um tanque de volume igual a 0, 300m3


contém 2, 00mols de gás hélio a 20◦ C. Su-
pondo que o hélio comporta-se como um
gás ideal monoatômico, (a) encontre a
energia interna do gás e (b) calcule a ve-
locidade quadrática média, sabendo que a
massa molecular do hélio vale 4g/mol.
Unidade 4

Entropia e a Segunda Lei da


Termodinâmica

Objetivos da unidade

Na unidade 1, estudamos o conceito de equilíbrio térmico, por meio da lei zero da termodinâmica,
observamos que existe uma grandeza chamada temperatura, uma propriedade do estado de um
sistema que é igual para corpos que estão em equilíbrio térmico. Na unidade 2, apresentamos a
primeira lei da termodinâmica, que admite o calor como um tipo de energia e introduz uma função de
estado chamada energia interna estabelecendo as relações entre trabalho e calor em um processo
termodinâmico. Na unidade 3, aplicamos toda a construção teórica feita nas unidades 1 e 2 ao gás
ideal que é o sistema termodinâmico mais apropriado para se discutir os conceitos apresentados.
Na presente unidade, vamos discutir as condições de transformações de calor em trabalho por
meio da segunda lei da termodinâmica. Introduziremos uma nova função de estado que é a entropia,
que nos ajudará a compreender melhor estas condições de conversões de energia.

Esta unidade tem os seguintes objetivos:

• Discutir o que são processos irreversíveis e reversíveis;

• Estudar o funcionamento das máquinas térmicas;

• Calcular a eficiência de uma máquina térmica;

• Analisar as condições para converter calor em trabalho útil em uma máquina térmica;

• Conhecer os vários postulados da segunda lei da termodinâmica;

• Compreender o conceito de entropia e por que esta grandeza é uma função de estado;

52
53

4.1 Introdução

Segundo a primeira lei da termodinâmica, a energia de um sistema isolado é sempre constante


e o calor e trabalho são formas de energia que podem ser convertidas entre si indefinidamente.
Apesar das transformações Q ⇔ W estejam garantidas na primeira lei, experimentalmente obser-
vamos que estas conversões de trabalho em calor, W ⇒ Q, e calor em trabalho, Q ⇒ W, não são
simétricas. Veremos que esta assimetria está relacionada ao processo ser reversível ou irreversível
e se torna muito evidente ao analisarmos o funcionamento de máquinas térmicas que funcionam
através de ciclos termodinâmicos.

Em um ciclo termodinâmico, uma máquina térmica (sistema) retorna ao seu estado original
onde ∆U = 0 e, com isso, todo o trabalho realizado pela máquina pode ser convertido comple-
tamente em calor, W ⇒ Q. Mas quando olhamos o mesmo processo cíclico do ponto de vista
da conversão de calor em trabalho, vemos que nem todo o calor é convertido em trabalho, mas
apenas uma parte Q − Q0 ⇒ W. Esta situação é inerente ao fato da condição cíclica do processo e
se agrava para processos irreversíveis.

4.2 Processos irreversíveis e reversíveis

Existem vários processos na natureza que ocorrem em um determinado sentido, mas nunca
o veremos ocorrer em sentido contrário. Quando conectamos dois corpos, 1 e 2, com temperatu-
ras diferentes, T1 > T2 , uma quantidade de calor, Q2 > 0 e Q1 < 0, flui do corpo mais quente
para o mais frio fazendo com que o sistema, corpo 1 + corpo 2, atinja o equilíbrio térmico. Nunca
veremos este processo ocorrer no sentido contrário, a conexão destes corpos em equilíbrio e uma
quantidade de calor, Q2 < 0 e Q1 > 0, estabelecer o desequilíbrio térmico deixando estes corpos
novamente com temperaturas diferentes, T1 > T2 . É notável que quando analisamos a conserva-
ção da energia, os processos são simétricos, pois no primeiro temos Q1 + Q2 = 0 e no segundo
Q1 + Q2 = 0, pois em ambos o calor apenas flui de um corpo para outro, | Q1 | = | Q2 |.

De forma semelhante ao exemplo anterior, nunca vemos uma xícara de café quente se esquen-
tar mais e nossa mão se esfriar ao tocá-la. Quando uma pessoa salta de um trampolim, sua energia
potencial gravitacional é convertida em calor aquecendo as águas de uma piscina e jamais vemos a
situação contrária, as águas de uma piscina se esfriarem e devolverem ao trampolim um banhista
que se encontrava nela.

Nenhum destes processos inversos viola a primeira lei da termodinâmica, mas nunca ocorrem
naturalmente. Por que não? A resposta a esta pergunta esta relacionada ao sentido do processo e
será compreendida pela introdução da segunda lei da termodinâmica em termos do conceito de
entropia, que será discutido mais a frente.

No estudo dos fenômenos eletromagnéticos ou mecânicos, nunca nos questionamos sobre a


54

inversão dos processos, pois todas as leis destas duas áreas são simétricas em relação a uma in-
versão temporal. Nos sistemas termodinâmicos nos deparamos necessariamente com a questão
do sentido dos processos, pois isso se torna algo pertinente na discussão sobre as conversões de
trabalho em calor e calor em trabalho. Ao contrário dos sistemas eletromagnéticos e mecânicos,
as trocas de calor nos sistemas termodinâmicos ocorrem segundo processos que tem uma direção
temporal preferida e tendem a não ocorrer quando invertemos a seta do tempo. Nessa investiga-
ção, veremos que surgirá uma função de estado chamada entropia, S, que nos dará o sentido dos
processos irreversíveis, ou seja, nos fornecerá para onde aponta a seta do tempo das mudanças de
estado.

Para compreendermos as próximas discussões é importante introduzir os conceitos de proces-


sos irreversíveis e reversíveis. A rigor, todos os processos que ocorrem na natureza são irrever-
síveis. Um pêndulo oscilando perde energia por atrito e não o vemos resfriar o meio a sua volta
para aumentar sua amplitude de oscilação. No experimento de Joule, o peso desce e perde energia
potencial para fazer girar as pás dentro do recipiente com água e elevar sua temperatura, e nunca
veremos a água deste recipiente se resfriar transmitindo energia para devolver o peso a sua altura
original. Todos estes processos são irreversíveis, pois ocorrem em um sentido e nunca veremos
sua ocorrência espontânea no sentido contrário.

Processos irreversíveis:
São processos que ocorrem sempre em um sentido e nunca observamos sua ocor-
rência em sentido contrário.

Podemos imaginar um conjunto de processos que podem ocorrer em um sentido e no sentido


contrário. Estes processos são idealizações e são chamados de processos reversíveis. Considere
um gás dentro de uma caixa, com um êmbolo superior variando seu volume. Sobre o êmbolo
temos uma quantidade de areia em um pequeno recipiente para modificarmos sua pressão in-
terna. Sob esta caixa colocamos um reservatório térmico que pode fornecer ou retirar calor do
gás. A equação de estado deste gás é dado pela equação do gás ideal e seu estado é descrito
pelas variáveis ( p, V, T ). Com o reservatório térmico desligado, podemos diminuir a pressão do
sistema retirando uma infinitésima quantia de areia do recipiente (grão a grão) de tal forma que
o sistema não saia do estado de equilíbrio. Impondo que isso seja feito sem atrito entre o pistão
e as paredes do recipiente, podemos fazer com que o sistema realize uma mudança de estado
Q =0
( p1 , V1 , T1 ) −−→ ( p2 , V2 , T2 ), por etapas infinitesimais de equilíbrio em um processo adiabático
reversível. Esse processo é reversível, pois podemos introduzir as mesmas quantias de areia de
forma gradativa e infinitesimal, lentamente, fazendo o sistema retornar ao estado inicial. Um
processo como este é também chamado de processo quase-estático.

Podemos realizar um processo quase-estático ou reversível envolvendo troca de calor entre o


reservatório. Neste caso, introduzimos uma quantidade infinitesimal de calor dQ em intervalos
de tal maneira que a temperatura permaneça constante, retirando ao mesmo tempo uma quantia
infinitesimal de areia sobre o êmbolo. Com este procedimento, podemos ter um processo rever-
55

sível, pois conseguiremos restabelecer o estado inicial retirando calor dQ e introduzindo areia
dT =0 dT =0
sobre o êmbolo, seguindo a receita de estados de equilíbrio, ( p1 , V1 , T1 ) −−−→ ( p2 , V2 , T1 ) −−−→
( p1 , V1 , T1 ).

Processos reversíveis:
São processos que após terem ocorrido num dado sentido também podem ocorrer
naturalmente no sentido oposto, retornando ao estado inicial.

4.3 Máquinas térmicas

As máquinas térmicas de Thomas Newcomen e James Watt, utilizadas para bombear água
das minas de carvão, tiveram um papel fundamental na revolução industrial ocorrida no século
XV I I I na Inglaterra. Apesar da máquina de Newcomen ter sido aperfeiçoada por John Smeaton
dobrando seu rendimento e posteriormente ter seu projeto modificado por Watt para ganhar uma
eficiência ainda maior, estas sempre exibiram o mesmo princípio de funcionamento e apresenta-
vam uma perda de energia térmica considerável se comparadas às máquinas térmicas atuais.

O princípio de funcionamento de uma máquina é o ciclo termodinâmico. Toda máquina tér-


mica trabalha em ciclos recebendo uma quantidade de calor QQ , por meio de uma fonte térmica
quente a uma temperatura elevada TQ , gerando um trabalho líquido W observado na forma de
movimento, e para que o sistema retorne ao seu estado inicial a máquina deve rejeitar uma quan-
tidade de calor Q F a uma fonte fria de temperatura baixa, TF .

4.3.1 Máquinas e os ciclos termodinâmicos

Para compreendermos o princípio de funcionamento


das máquinas térmicas e como é feito o cálculo de sua efici-
ência, nada mais razoável que realizarmos a análise de vá-
rios ciclos que descrevem o funcionamento de alguns mo-
tores encontrados atualmente.

Ciclo Otto

Na figura 4.1, apresentamos o diagrama p × V do ciclo


idealizado que descreve o funcionamento de um motor de
combustão interna por centelha. Este ciclo recebe o nome de Figura 4.1: Ciclo Otto.
ciclo Otto, em homenagem ao seu implementador, o engenheiro alemão Nikolaus Otto. Abaixo,
faremos um tratamento matemático a partir da primeira lei da termodinâmica e definiremos a
eficiência desta máquina. Apesar de particularizarmos este tratamento, as definições seguinte
valem para qualquer máquina térmica.
56

O funcionamento deste ciclo pode ser visto com mais facilidade no objeto digital sobre mo-
tores, que está na coleção de objetos digitais. Partindo do estado em que temos uma mistura,
combustível + comburente, também chamada substância de trabalho, o sistema eleva sua pressão
em um processo irreversível recebendo calor QQ . Neste processo, temos uma mudança de estado
QQ >0,Wa,b =0
( p a , Va , Ta ) −−−−−−−→ ( pb , Va , Tb ). Na sequência, o sistema se expande em um processo adiabá-
Qb,c =0,Wb,c >0
tico, na mudança de estado ( pb , Va , Tb ) −−−−−−−→ ( pc , Vc , Tc ). Na terceira etapa, temos a exaustão
onde os gases são eliminados em um processo isocórico e uma quantidade de calor Q F é rejeitada
Q F <0,Wc,d =0
para que o sistema possa retornar ao estado inicial, ( pc , Vc , Tc ) −−−−−−−→ ( pd , Vc , Td ). Por último,
Qd,a =0,Wd,a >0
o sistema retorna ao seu estado inicial por uma compressão adiabática, ( pd , Vc , Td ) −−−−−−−−→
( p a , Va , Ta ).

Aplicando a primeira lei da termodinâmica para este ciclo entre a mudança de estado a → a,
teremos:
U ( a) − U ( a) = { QQ − Q F } − {Wb,c − Wd,a } = 0 (4.1)

Como o trabalho útil é a área entre as curvas adiabáticas e este valor é positivo, pois o sistema
executa trabalho contra o meio externo, podemos definir W = Wb,c − Wd,a . Com isso teremos:

W = QQ − Q F (4.2)

De forma geral, a energia em forma de trabalho retirada de uma fonte quente tem sempre a
forma dada por 4.2. Para todas as máquinas térmicas, podemos definir a eficiência e como sendo
o trabalho útil W pela energia térmica fornecida QQ .

W
e= (4.3)
QQ

ou substituindo W nesta equação:


QQ − Q F
e= (4.4)
QQ
Este número é sempre menor que a unidade, pois nunca conseguimos anular o desperdício Q F .

Para o ciclo Otto, QQ e Q F podem ser dados por:

QQ = nCV ( Tb − Ta );
Q F = nCV ( Tc − Td ). (4.5)

Perceba que na primeira lei, equação 4.2, já introduzimos o sinal de Q F , por isso não faz sentido
introduzirmos este sinal novamente por meio da diferença de temperatura Td − TF , assim intro-
duzimos o valor absoluto no cálculo de Q F .

Podemos escrever os volumes Va e Vc , em termos da definição de razão de compressão r,


r = Vc /Va . Sabendo que a curva dos dois processos adiabáticos podem ser dados por:

Tb (V )γ−1 = Tc (rV )γ−1 ⇒ Tb = Tc r γ−1


Ta (V )γ−1 = Td (rV )γ−1 ⇒ Ta = Td r γ−1 (4.6)
57

substituído 4.6 e 4.5 em 4.4, teremos:


QQ − Q F nCV ( Tb − Ta ) − nCV ( Tc − Td ) ( T − Ta ) − ( Tc − Td )
e= = = b
QQ ( Tb − Ta ) ( Tb − Ta )
( Tc r γ−1 − Td r γ−1 ) − ( Tc − Td ) r γ −1 − 1
= =
( Tc r γ−1 − Td r γ−1 ) r γ −1

1
e = 1− (4.7)
r γ −1

Exemplo 4.1

Calcule a eficiência teórica de um motor que trabalha segundo um ciclo Otto onde a razão de compressão
vale 8 e γ = C p /CV = 1, 4 que é o valor para o ar.
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Para o cálculo da eficiência pode-
mos usar diretamente a equação 4.7 juntamente com os valores dados, r = 8 e γ = 1, 4.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Calculando e para esta situação:
1 1
e = 1− = 1− = 56%.
r γ −1 (8)1,4−1
Este valor teórico está um pouco acima dos valores experimentais para motores a gasolina que
estão em torno de 35%. Este rendimento pode melhorar se conseguirmos valores elevados da
razão de compressão, mas existe um limite que é atingido para o aumento de r. Um longo cilindro,
com uma grande razão r tem elevada temperatura no final da compressão e isso pode causar uma
explosão espontânea da mistura, inviabilizando a utilização destes cilindros.

Ciclo Diesel

O ciclo dos motores a diesel foi idealizado pelo enge-


nheiro alemão Rudolf Diesel. Nestes motores de combustão
interna, não existe uma centelha que provoca a queima da
mistura combustível + comburente como no ciclo Otto. No
diagrama da figura 4.2, vemos como um motor de ciclo Die-
Q a,b =0,Wa,b <0
sel trabalha. Na mudança de estado ( p a , Va , Ta ) −−−−−−−→
( pb , Vb , Tb ), dentro do cilindro temos apenas ar que é com-
primido adiabaticamente, por um fator de compressão rc ,
até atingir uma temperatura elevada Tb . No ponto b, por
meio de um sofisticado bico ejetor, o combustível é ejetado
no ar aquecido onde ocorre a queima de maneira contro-
Figura 4.2: Ciclo Diesel.
lada mantendo a pressão constante elevando-se o volume
QQ >0,Wb,c >0
do cilindro ( pb , Vb , Tb ) −−−−−−−→ ( pc , Vc , Tc ). Após a queima o cilindro continua sua expansão
58

aumentando seu volume, agora adiabaticamente por um fator de expansão re , devido ao aumento
Qc,d =0,Wc,d >0
de pressão, ( pc , Vc , Tc ) −−−−−−−→ ( pd , Vd , Td ). A máquina térmica deve agora ceder calor para
o ambiente, em um processo isocórico, para retornar ao estado inicial e começar um novo ciclo,
Q F <0,Wd,c =0
( pd , Vd , Td ) −−−−−−−→ ( p a , Va , Ta ).

Para calcularmos a eficiência neste ciclo, podemos proceder de forma semelhante ao ciclo Otto.

QQ = nC p ( Tc − Tb );
Q F = nCV ( Td − Ta ). (4.8)

Na equação 4.4, teremos:

nCV ( Td − Ta ) 1 ( Td − Ta )
e = 1− = 1− .
nC p ( Tc − Tb ) γ ( Tc − Tb )

Como estamos lidando com um gás ideal, nas trocas de calor os sistema deve obedecer a equação
pV = nRT. Para o processo a pressão constante, b → c, podemos escrever

pb (Vc − Vb )
p∆V = nR∆T ⇒ pb (Vc − Vb ) = nR( Tc − Tb ) ⇒ ( Tc − Tb ) = .
nR
No processo a volume constante d → a,

V∆p = nR∆T ⇒ Vd ( p a − Vd ) = nR( Ta − Td ) ⇒ Vd ( pd − Va ) = nR( Td − Ta )


Vd ( pd − p a )
⇒ ( Td − Ta ) = .
nR
Com estes valores o rendimento fica escrito como:
1 ( Td − Ta ) 1 Vd ( pd − p a )
e = 1− = .
γ ( Tc − Tb ) γ pb (Vc − Vb )

Atacando agora os processos adiabáticos, podemos escrever as seguintes equações:


 γ
γ γ Vb
pb Vb = p a Va ⇒ p a = pb ;
Va
 γ
γ γ Vc
pc Vc = pd Vd ⇒ pd = pc .
Vd
Introduzindo estes valores na equação do rendimento e usando que pb = pc e Vd = Va , chegamos
em:
h γ  γ i
Vc Vb
1 Vd − Va
e = 1− h i .
γ Vc Vb
Va − Va

Como definimos as razões de compressão e expansão, Vd /Vc = re e Va /Vb = rc o cálculo da


eficiência fica em função destes parâmetros:
h γ  γ i
Vc
− V b −γ −γ
!
1 Vd Va 1 re − rc
e = 1− = 1− .
re−1 − rc−1
h i
γ V V γ
c
− b Va Va
59

−γ −γ
!
1 re − rc
e = 1− (4.9)
γ re−1 − rc−1
Para rc = 15, re = 7 e γ = 1, 4 considerando o ar, o rendimento teórico do ciclo diesel é de 60%.
Da mesma forma que nos motores a gasolina, nos motores a diesel o rendimento real também é
inferior ao teórico. Como nos motores Diesel o fator de compressão pode ser maior que nos ciclos
Otto, com cilindros maiores, teremos um significativo acréscimo de rendimento nestes motores se
comparados aos motores Otto.

Ciclo Stirling

O ciclo Stirling foi idealizado pelo escocês Robert Stirling. É


uma máquina de combustão externa, ao contrário das anteriores.
O gás dentro do cilindro não entra em combustão e o calor, que
é fornecido ao sistema de forma contínua, pode ser produzido
pela queima de algum material, radiação solar, gradiente geotér-
mico ou solar etc. Devido a não termos tempo de escape de gases
neste ciclo, os motores Stirling são mais silenciosos. Mas como
são muito grandes, pesados e caros, sua utilização na indústria
automobilística se torna inviável.

O motor Stirling desperta o fascínio de todos que passam a


conhecê-lo, devido a sua simplicidade de funcionamento e tam-
bém ao seu impressionante rendimento. Ao contrário das má- Figura 4.3: Ciclo Stirling.
quinas anteriores, um motor Stirling pode alcançar rendimentos
reais em torno de 45%. Seu autorrendimento será compreendido logo mais.

Na figura 4.3, apresentamos um diagrama do funcionamento do ciclo Stirling. A princípio um


detalhe que chama atenção neste ciclo é que em todos os processos o sistema troca calor com sua
vizinhança. No primeiro processo, a → b, o sistema exibe uma expansão isotérmica recebendo
Q a,b >0,Wa,b >0
calor de uma fonte quente, ( p a , Va , TQ ) −−−−−−−→ ( pb , Vb , TQ ). Da primeira lei, como o processo
é isotérmico, ∆U = 0, o calor que entra no sistema é dado por:
 
Vb
Q a,b = Wa,b = nRTQ ln .
Va
Qb,c <0,Wb,c =0
No processo b → c o sistema cede uma quantidade de calor Qb,c a volume constante, ( pb , Vb , TQ ) −−−−−−−→
( pc , Vb , TF ). Neste processo o calor, levando em conta seu sinal, vale:

Qb,c = nCV ( TF − TQ ).
Qc,d <0,Wc,d <0
Na etapa c → d o sistema ainda cede um calor Qc,d em um processo isotérmico, ( pc , Vc , TF ) −−−−−−−→
( pd , Vd , TF ). O calor neste processo, observando o sinal, é:
 
Vd
Qc,d = Wc,d = nRTF ln .
Vc
60

Qd,a >0,Wd,a =0
Na última etapa, d → a, o sistema recebe calor em um processo isovolumétrico, ( pd , Vd , TF ) −−−−−−−−→
( p a , Vd , TQ ). Neste caso, o calor recedido é dado por:

Qd,a = nCV ( TQ − TF ).

Como no ciclo mostrado não temos apenas um tempo de introdução de calor e outra de reti-
rada, se torna importante a utilização da primeira lei, aplicada ao ciclo completo para calcularmos
a eficiência do ciclo Stirling. Para o ciclo completo podemos escrever:

0 = Q−W
0 = { Q a,b + Qb,c + Qc,d + Qd,a } − {Wa,b − Wc,d }
   
Vb Vd
0 = {nRTQ ln + nCV ( TF − TQ ) + nRTF ln + nCV ( TQ − TF )} − {Wa,b − Wc,d }.
Va Vc

Pela expressão Qb,c = − Qd,a . Considerando uma razão de com-


pressão r entre o maior e o menor volume, Vc /Vd = Vb /Va = r,
poderemos calcular a eficiência teórica como:

0 = {nRTQ ln(r ) − nRTF ln(r )} − {Wa,b − Wc,d }


| {z } | {z } | {z }
QQ QF W

W = nRTQ ln(r ) − nRTF ln(r )


| {z } | {z }
QQ QF

W nRTF ln(r )
e= = 1−
QQ nRTQ ln(r )

A eficiência teórica de uma máquina Stirling fica então:

TF Figura 4.4: Máquina térmica.


e = 1− (4.10)
TQ

Como veremos nas próximas seções, esta eficiência é a mesma encontrada para o ciclo de
Carnot. Mais a frente ficará claro, que este é o limite de eficiência teórica de uma máquina térmica
e, por isso, o ciclo realizável Stirling é tão importante.

Na figura 4.4, apresentamos uma generalização de uma máquina térmica. Experimentalmente


o processo sempre se repete, a máquina recebe um calor QQ de uma fonte quente a uma tempera-
tura TQ , realiza um trabalho útil W e rejeita parte do calor recebido a outro reservatório térmico
frio Q F , a uma temperatura inferior TF .

Refrigeradores

Um refrigerador trabalha de forma contrária a uma máquina térmica. Enquanto que nas
máquinas térmicas fornecemos calor para que seja gerado uma quantidade de trabalho útil, sendo
que neste processo parte do calor tenha que ser necessariamente rejeitado, em um refrigerador
61

fornecemos trabalho útil a uma máquina para que ela retire calor de uma fonte fria e rejeite este
calor em uma fonte quente.

Em um ciclo, o meio externo fornece um trabalho mecânico líquido W, ou seja, o sistema


realiza um trabalho negativo, a máquina (refrigerador) recebe um calor Q F de uma fonte fria a
uma temperatura TF e rejeita um calor QQ a uma fonte quente de temperatura TQ . Utilizando a
primeira lei da termodinâmica para este ciclo invertido que é o refrigerador, teremos:

0 = Q − W = { Q F − QQ } − {−W } ⇒ Q F = QQ − W

Q F = QQ − W (4.11)

Como ilustrado na figura 4.5, em um refrigerador ou ar condicionado,


estamos sempre interessado em retirar a maior quantidade de calor
Q F , do meio que queremos resfriar (alimentos ou um determinado
ambiente), utilizando o menor trabalho útil W possível. Com isso,
a razão Q F /W deve ser máxima em refrigeradores com alta perfor-
mance. Utilizando este raciocínio, definimos o coeficiente de perfor-
mance k de um refrigerador como sendo:

QF QF
k= =
W QQ − Q F

QF Figura 4.5: Refrigerador.


k= (4.12)
QQ − Q F

Pela equação 4.12, um refrigerador miraculoso, ou ideal, deve conseguir a igualdade QQ = Q F ,


para termos k → ∞ e consequentemente W → 0. Com isso, nenhum trabalho seria necessário para
retirar calor de um corpo frio e transferi-lo a um corpo quente. Ou seja, calor seria transferido de
um corpo frio a um corpo quente espontaneamente. Veremos que isso realmente não é observado
na natureza, generalizado no enunciado de Clausius da segunda lei da termodinâmica.

Diário de Bordo 4.1:


Monte um texto, para ser trabalho com estudantes do ensino médio detalhando nossas dis-
cussões anteriores. Tente contemplar em seu texto os detalhes sobre processos reversíveis e
irreversíveis, princípio de funcionamento de uma máquina térmica, aplicação da primeira
lei a uma máquina térmica, cálculo do rendimento das máquinas térmicas apresentadas e
princípio de funcionamento de um refrigerador. Monte diagramas para ilustrar a exposição.

Diário de Bordo 4.2:


Acesse os objetos digitais, que acompanha o material textual, e analise o objeto sobre ci-
clos termodinâmicos. Nesta atividade, alguns detalhes que podem não ter ficado claros em
nossa exposição são melhor compreendidos em uma dinâmica de simulação dos conceitos
apresentados.
62

4.4 Segunda lei da termodinâmica

Experimentalmente, observamos que é impossível construir uma máquina com eficiência


100%. Esta impossibilidade é generalizada na segunda lei da termodinâmica. O enunciado de
William Thomson, o lord Kenvin para esta lei é a seguinte:

Enunciado de Kelvin - Máquinas térmicas: É impossível realizar um processo cujo


único efeito seja remover calor de um reservatório térmico e produzir uma quantidade equi-
valente de trabalho.

Enunciado de Clausius - Refrigeradores: É impossível realizar um processo cujo


único efeito seja transferir calor de um corpo mais frio para um corpo mais quente.

Como em muitas interpretações equivocadas da segunda lei, a questão não reside na impos-
sibilidade de se converter calor completamente em trabalho ou transferir calor de um corpo frio
a um quente. Com efeito, como descrito nos processos reversíveis, podemos perfeitamente for-
necer uma quantidade de calor Q a um gás em um processo isotérmico mudando seu estado,
Q>0,W >0
( p1 , V1 , T1 ) −−−−−→ ( p2 , V2 , T1 ). Neste caso, como ∆T = 0, pela primeira lei W1,2 = Q1,2 , conver-
temos completamente calor em trabalho.

O ponto chave do enunciado de Kelvin e Clausius, reside no termo único efeito que implica
necessariamente que o processo em questão é cíclico, como nas máquinas que estudamos, onde o
estado final é igual ao estado inicial. Neste caso, a conversão de calor em trabalho que apresenta-
mos, não viola o enunciado de Kelvin, pois o estado final é diferente do inicial, em que o sistema
não apenas converteu calor em trabalho mas também mudou seu estado, 1 → 2.

4.5 O ciclo de Carnot

Uma máquina perfeita, trabalhando em ciclos convertendo calor completamente em trabalho


seria um artefato maravilhoso. Um navio poderia navegar pelos mares apenas utilizando o calor
das águas, os carros poderiam retirar calor da radiação solar e convertê-la completamente em
movimento indefinidamente. Por que estas máquinas não são concebíveis? Qual o limite de
eficiência para uma dada máquina térmica?

O físico francês Nicolas Léonard Sadi Carnot (1796 - 1832) estudou estas questões e apresen-
tou em seu único trabalho, Reflexões Sobre a Força Motriz do Fogo, que é impossível uma máquina
térmica trabalhar em ciclos sem perdas. Mostrou também qual a maior eficiência determinada
pela natureza, para uma máquina retirando calor de uma fonte quente, gerando trabalho útil e
rejeitando calor a uma fonte fria.
63

Carnot era adepto da concepção de um fluido ígneo su-


gerido por Lavoisier para a natureza do calor e o tratava
como calórico. Utilizando uma analogia bem-sucedida,
Carnot sugeriu que o fluxo de calórico deveria escoar da di-
ferença de temperatura ∆T = TQ − TF da mesma forma que
a água flui em uma queda por meio de uma diferença de al-
tura h = h1 − h2 . Como nos níveis da queda d’água temos
valores diferentes de energia potencial que podem ser uti-
lizados para girar uma roda d’água produzindo trabalho,
na diferença de temperatura o calórico também deveria ter
uma potência motriz maior na temperatura TQ se comparado Figura 4.6: Ciclo de Carnot.
a temperatura TC e nesta queda de temperatura gera um trabalho útil W. Como na queda d’água
os elementos importantes são o volume de água e a altura da queda, no caso do calórico o que
determina o trabalho são o volume de calórico e a diferença de temperatura entre as fontes quente
e fria, TQ − TF .

Eficiência do ciclo de Carnot

Na figura 4.6, apresentamos as quatro etapas que um gás é submetido no ciclo de Carnot para
gerar trabalho. Carnot estruturou esta máquina, considerando que um processo cíclico ideal de-
veria ser totalmente reversível onde o calor flui da fonte ou fria para o gás de forma isotérmica. O
calor QQ e Q F não altera a energia interna do sistema, ∆U = 0, em nenhuma etapa, pois isso acar-
reta perdas uma vez que calor convertido em energia interna não retorna ao reservatório térmico.
Assim, nas etapas a, b e c, d o calor é convertido completamente em trabalho. As etapas b, c e d, a
não envolvem trocas de calor e, por isso, não temos calor convertido em outras formas de energia.

Q Q >0,Wa,d >0
1o Etapa - ( p a , Va , TQ ) −−−−−−−→ ( pb , Vb , TQ ): como no ciclo Stirling, neste processo ∆U = 0
e o calor, em módulo, vale:  
Vb
QQ = nRTQ ln . (4.13)
Va

Qb,c =0,Wb,c >0


2o Etapa - ( pb , Vb , TQ ) −−−−−−−−→ ( pc , Vc , TF ): nesta etapa, retiramos mais peso do gás de
tal forma que ele possa realizar uma expansão adiabática.

Q F <0,Wc,d <0
3o Etapa - ( pc , Vc , TF ) −−−−−−−→ ( pd , Vd , TF ): agora retiramos uma quantidade de calor
Q F isotermicamente por meio da retirada gradativa de peso que está sobre o êmbolo que confina
o gás. O módulo do calor Q F é escrito como:
 
Vc
Q F = nRTF ln . (4.14)
Vd
64

Qd,a =0,Wd,a <0


4o Etapa - ( pd , Vd , TF ) −−−−−−−−→ ( p a , Va , TQ ): fechando o ciclo introduzimos mais peso
sobre o gás de tal forma que sua temperatura retorna a TQ de forma adiabática.

Com estes valores a eficiência do ciclo de Carnot pode ser calculada da seguinte forma:
   
Vc   ln Vc
QF nRT F ln V TF V
e = 1− = 1−  d = 1−  d. (4.15)
QQ nRT ln Vb TQ ln Vb
Q Va Va

Lembrando das relações entre temperatura e volume nos processo adiabáticos encontramos:
γ −1
TQ Vb = TF Vcγ−1 ;
γ −1
TQ Va = TF Vdγ−1 .

Dividindo as equações anteriores, encontramos que:


γ −1 γ −1
Vb
   
Vc V Vc Vb Vc
γ −1
= γ −1
⇒ b = ⇒ ln = ln
Va Vd Va Vd Va Vd

Assim, na equação 4.15, podemos escrever finalmente a eficiência de um ciclo ideal de Carnot na
forma:
TF TQ − TF
eCarnot = 1 − = (4.16)
TQ TQ

O presente resultado mostra que a eficiência de uma máquina de Carnot depende apenas das
temperaturas dos dois reservatórios. Caso esta diferença seja grande, maior será a eficiência, se a
diferença for pequena, eCarnot também se torna pequena.

Em seu trabalho, Carnot propõe que a eficiência de uma máquina independe da substância de
trabalho e apresenta o teorema da máxima eficiência atingida por uma máquina térmica:

Teorema de Carnot
(a) Nenhuma máquina térmica que opere entre uma fonte quente e uma fonte fria pode ter
um rendimento superior ao de uma máquina de Carnot.
(b) Todas as máquinas de Carnot que operem entre essas duas fontes terão a mesma eficiên-
cia.

Para demonstrarmos o teorema de Carnot, vamos fazê-lo por absurdo, supondo que exista tal
máquina capaz de fornecer uma eficiência superior a máquina de Carnot e mostrar que isso viola
a segunda lei da termodinâmica no enunciado de Clausius.

Suponha que exista uma máquina ideal com eficiência ei maior que eCarnot . Partindo desta
afirmação, podemos escrever que:
ei > eCarnot (4.17)

Considerando este fato, podemos fazer um jogo de experimentação com esta máquina que con-
siste em acoplá-la a uma máquina de Carnot trabalhando em um ciclo invertido, ou seja, traba-
lhando como um refrigerador de Carnot. Como no diagrama da figura 4.7, nossa máquina ideal
65

retira um calor Q0Q de uma fonte a temperatura TQ , rejeita um calor Q0F a uma fonte fria de tempe-
ratura TF e neste processo gera um trabalho útil W. O refrigerador de Carnot, por sua vez, recebe
o trabalho W da máquina ideal e retira um calor Q F da fonte a temperatura TF e rejeita um calor,
QQ , na fonte de temperatura TQ . Partindo da afirmação 4.17 e utilizando a definição de eficiência,
temos:

W W
0 > .
QQ QQ

Com isso:

Q0Q < QQ .

Como o trabalho que sai da máquina ideal é igual ao traba-


lho que entra no refrigerador de Carnot, podemos escrever
a primeira lei para ambos os processos, como:

0 = Q0Q − Q0F − W → (Máquina ideal)


0 = Q F − QQ + W → (Refrigerador de Carnot)

Somando as duas últimas equações para cancelar W, encon-


tramos finalmente: Figura 4.7: Diagrama de fluxo de calor.

QQ − Q0Q = Q F − Q0F = Q > 0 (4.18)

Como o trabalho W da máquina ideal é todo consumido pela máquina de Carnot na equação 4.18,
observando o sentido dos fluxos, vemos que um calor resultante Q F − Q0F = Q flui da fonte fria
e chega a fonte quente que absorve um calor resultante QQ − Q0Q = Q. Com isso, um calor Q
está saindo de um fonte fria, TF , e chegando a uma fonte quente, TQ , sem que para isso nenhum
trabalho seja feito sobre o sistema, violando assim o enunciado de Clausius da segunda lei. Desta
forma, concluímos então que ei > eCarnot é um absurdo e a maior eficiência de uma máquina
térmica apenas pode ser dada pela máquina de Carnot.

4.6 A entropia de Clausius

Na formulação da primeira e segunda lei da termodinâmica, temos associados a estas vários


gênios da época: Mayer, Joule, Helmholtz, Kelvin, Carnot e Clausius. A introdução do último
nome desta lista ficará claro daqui a pouco. Mayer e Joule trabalharam na lei da conservação da
energia admitindo que o calor é também uma forma de energia. Nesta formulação utilizaram o
argumento, fundado pelo conde Runford que o calor é fruto da agitação molecular. Helmholtz
foi quem introduziu este princípio de forma matematizada, geral e convincente, culminando com
o descontentamento de Mayer que reivindicara os louros desta descoberta. No surgimento da
66

segunda lei da termodinâmica, que foi também apresentada por Kelvin, Carnot mostrou que exis-
tem condições para a conversão de calor em trabalho e a transferência de calor de um corpo frio
para um quente.

Neste momento, surge um dilema, pois apesar de bem-sucedido, os trabalhos de Carnot foram
alicerçados na concepção da natureza do calor como calórico, argumentando que uma quantidade
de calórico flui em uma diferença de temperatura TQ − TF , realizando um trabalho útil W, argu-
mentação esta que contradiz a visão de Mayer e Joule. Confrontando os fatos, os trabalhos de
Carnot estão equivocados ou Mayer e Joule devem rever suas concepções sobre a natureza do
calor? Logo mais compreenderemos melhor por que a argumentação da existência do calórico foi
útil no ciclo de Carnot e qual é a interpretação adequada do fenômeno conciliando a teoria de
Carnot e Mayer e Joule.

Análise de Clausius

Para elucidar a questão sobre a utilização do calórico na máquina de Carnot, entra em cena o
polonês Rudolf Julius Emanuel Clausius (1822 - 1888), que brilhantemente conseguiu harmonizar
as posições antagônicas de Carnot e Mayer e Joule ao introduzir uma interpretação para o que
Carnot chamava de calórico em seu ciclo.

Analisemos o funcionamento de uma máquina térmica de Carnot, do ponto de vista do calor


(Mayer e Joule) e do calórico (Carnot). O calor, que é a concepção aceita atualmente indicare-
mos, como sempre fizemos, pela letra Q e o fluido ígneo de Carnot representaremos pela letra C ,
separando os dois conceitos ∗ .

Calor - Mayer e Joule: Considere uma máquina trabalhando entre uma fonte quente a uma
temperatura TQ e uma fonte fria à TF . O trabalho gerado pela máquina, utilizando a concepção de
calor de Mayer e Joule é:
W = QQ − Q F (4.19)

Calórico - Carnot: Como discutido anteriormente, Carnot associava o funcionamento de uma


máquina térmica entre as fontes TQ e TF a uma queda d’água girando uma roda. Na queda d’água
o trabalho pode ser dado por W = mghQ − mgh F . De forma análoga, se imaginarmos que existe
uma quantidade de calórico C que flui de TQ para TF e que a energia é proporcional ao produto
da temperatura pelo calórico, o trabalho fica escrito como:

W = C TQ − C TF (4.20)

Com isso, na argumentação de Carnot, o trabalho é fruto da diferença da potência motriz do


calórico em TQ e TF . Quando o calórico cai, perde potência motriz que é transferido em forma de
trabalho.
∗ Nesta análise estamos considerando os dois pontos de vista da natureza do calor, Q e C , para compreendermos a
argumentação de Clausius que originou a definição de entropia. Em momento algum justificamos a existência de um
fluido material C .
67

Como o trabalho nas duas formulações está correto, podemos igualar 4.19 com 4.20 para en-
contrar o valor da grandeza C que é retirada de um corpo quente e dada a um corpo frio na
argumentação de Carnot:
QQ − Q F = C TQ − C TF (4.21)

Para que a presente igualdade seja estabelecida, devemos impor que:


QQ Q
C= = F. (4.22)
TQ TF

Por meio da equação 4.22, Clausius identifica o que Carnot chamava de calórico, como uma
grandeza que batizou de entropia, que do grego significa transformação, e atribui a esta o símbolo
S, C = S. Esta grandeza, no ciclo de Carnot, flui do reservatório quente para o frio em um processo
reversível.

Compreendendo a argumentação de Clausius: Para a máquina reversível de Carnot, em cada


ciclo uma quantidade de entropia S é retirada da fonte quente, S = QQ /TQ , e chega a fonte fria,
S = Q F /TF ,
QQ Q
S= = F. (4.23)
TQ TF
Desta forma, em um ciclo reversível não temos nenhuma alteração ou aumento de entropia.
Quando calculamos a variação desta grandeza fechando o ciclo encontramos ∆S = 0. S é sempre
constante, e não existe degradação da energia útil.

Clausius realizou vários estudos também com ciclos irreversíveis e concluiu que nestes casos,
QQ /TQ < Q F /TF , o que sugere um aumento da entropia. Mais entropia entrou na fonte fria que
saiu da fonte quente e assim temos uma degradação da energia útil.

Exemplo 4.2

Para compreendermos melhor o aumento da entropia de Clausius em um processo irreversível, imagine que
um corpo 1 a temperatura TQ é colocado em contato térmico com outro, 2, a temperatura TF . Ao longo do
tempo um calor Q flui do corpo mais quente para o mais frio buscando o equilíbrio térmico. Neste processo,
uma entropia Q/TQ diminui no corpo 1 e uma entropia Q/TF aumenta no corpo 2, no tempo. Considerando
o sistema 1 + 2, calcule a entropia total do sistema.
Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - Como sugerido por Clausius, a
entropia total será a soma da entropia em cada sistema individualmente.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - Calculando a entropia total, 1 + 2,
teremos  
1 1
S1 + 2 = Q − . (4.24)
TF TQ
Como TQ > TF , vemos que a entropia total deve aumentar em um processo irreversível.

Da análise dos processos reversíveis e irreversíveis Clausius sugere que:


68

Entropia de Clausius
(a) Um processo é dito reversível se a entropia total for constante;
(b) Um processo é dito irreversível se a entropia total aumentar.

Como os processos na natureza são predominantemente irreversíveis, Clausius conclui tam-


bém que a entropia do universo tende a um valor máximo.

Quer Saber Mais?


Para saber mais sobre a entropia de Clausius leia “A termodinâmica e a invenção das má-
quinas térmicas” [8]. 4.1

4.7 Entropia como uma função de estado

Na seção anterior, introduzimos o con-


ceito de entropia de uma forma histórica para
que todos compreendam como este conceito
surgiu na Física. Nesta seção, vamos discutir
este conceito de uma forma quantitativa e for-
mal.
Figura 4.8: Processo reversível de um gás ideal.
Para todas as leis da termodinâmica que
discutimos até o momento, sempre tivemos a introdução de uma nova variável de estado. Na
lei zero surge um novo conceito que é a temperatura T, para primeira lei foi necessário definirmos
a energia interna U. Agora, com a introdução da segunda lei da termodinâmica, é necessário in-
troduzirmos uma nova variável, a entropia S que veremos mais a frente ser também uma função
de estado do sistema.

Como vimos na seção anterior, a entropia surge no ciclo de Carnot observando que a grandeza
Q/T é sempre constante nos processos envolvendo transferência de calor. Se percorrermos o ciclo
fechando o circuito, teremos uma variação de entropia nula, pois o que sai da fonte quente entra
na fonte fria, em módulo, SQ = SF = QQ /TQ = Q F /TF . Para o processo, levando em conta o sinal
do calor QQ e Q F , a entropia total se torna:

QQ Q
∆S = SQ − SF = − F = 0. (4.25)
TQ TF

A equação 4.25 é válida para duas isotermas ligadas por duas adiabáticas. Se tivermos N pares de
isotermas ligadas por duas adiabáticas cada, esta equação pode ser generalizada para:
2N
Qi
∆S = ∑ T
= 0. (4.26)
i =1 i

O presente resultado pode ser utilizado para encontrarmos a entropia em um processo cíclico
qualquer. Imagine um processo ciclo reversível de um gás ideal, como o apresentado na figura 4.8
69

(a). Como descrito na figura 4.8 (b), podemos aproximar este ciclo qualquer por uma sequência de
isotermas ligadas por estreitas adiabáticas formando inúmeros ciclos de Carnot, onde a entropia
total do ciclo maior, genérico, é a soma das infinitésimas variações nulas de entropia em cada ciclo.
Com isso podemos escrever:
dQ
I
∆S = =0 (4.27)
C T
Pela figura 4.8 (c), como a variação de entropia é nula no circuito fechado, isso quer dizer que se
realizarmos a integração no caminho 1+2 teremos o mesmo resultado:
Z b Z a
dQ dQ dQ
I
= + =0
C T T T
| a {z } | b {z }
caminho 1 caminho 2
Z b Z b
dQ dQ
− =0
T T
| a {z } | a {z }
caminho 1 caminho 2
Z b Z b
dQ dQ
=
T T
| a {z } | a {z }
caminho 1 caminho 2

Deste último resultado, vemos que a integração pelo caminho 1 é igual a integral pelo caminho 2.
O valor da entropia depende apenas dos estados inicial e final, como no caso da energia interna
ou qualquer outra função de estado. Com este importante resultado, podemos definir a entropia
entre os estado a e b como função destes estados e independente da forma como são alcançados.
Z b
dQ
∆S = Sb − Sa = (4.28)
a T

Consideremos uma perda de calor infinitesimal em um processo reversível isotérmico de um


sistema qualquer com sua vizinhança. Como o universo é composto pela vizinhança mais o sis-
tema, u = v + s, neste caso a entropia total será dSu = dSv + dSs ,
dQ dQ
dSu = dSv + dSs = − = 0. (4.29)
T T
dSu = 0 (Processo reversível) (4.30)

Desta forma, concluímos que em um processo reversível a entropia do universo é constante,


pois o incremento dSu = 0.

Para um processo irreversível, em que temos a termalização do sistema com sua vizinhança,
Ts > Tv , considerando um processo quase-estático, a entropia do universo será:
dQ dQ
dSu = dSv + dSs = − >0 (4.31)
Tv Ts
Vemos então que em um processo irreversível a entropia do universo sempre cresce,

dSu > 0 (Processo irreversível) (4.32)

Veja que se considerarmos Ts < Tv , o sinal negativo deve ser invertido e teremos o mesmo resul-
tado para a entropia do universo.
70

De forma geral, se um sistema recebe uma quantidade de calor em um processo de mudança


entre estados de equilíbrio, a entropia permanece constante ou aumenta, de tal forma que:

∆S ≥ 0 (4.33)

Segunda lei da termodinâmica - Postulado da Entropia:


Em qualquer processo de mudança entre estados de equilíbrio em um sistema termodinâmico
a entropia do universo = sistema + vizinhança aumenta ou permanece constante.

Exemplo 4.3

Calcule a variação de entropia de n mols de um gás ideal em um processo de expansão isotérmica.


Solução:
Organizando o Conhecimento e Identificando as Condições - No processo isotérmico reversível
dU = 0 com dQ = dW = pdV.
Aplicando o Conhecimento e Analisando os Resultados - A variação de entropia neste processo
poderá ser dada pela equação 4.28,
Z b Z b  
dQ pdV Vb
∆S = Sb − Sa = = nR = nR ln
a T a pV Va

Como Vb > Va a entropia do sistema aumenta. Mas se considerarmos nosso sistema como cons-
tituído do gás e sua vizinhança, teremos ∆Ssistema+vizinhança = 0 mostrando que a entropia total
permaneceu constante.

4.8 Atividades

1. Considere um motor que trabalha se- minuto de uma sala que está sendo resfri-
gundo o ciclo Diesel, produzindo um tra- ada e no mesmo intervalo de tempo des-
balho líquido de 2200J e rejeitando um peja 1, 44 × 105 J de calor no ar externo. (a)
calor de 4300J para uma fonte fria. (a) Qual é o consumo de potência desta uni-
Qual deve ser o valor da energia da fonte dade em Watts? (b) Qual o coeficiente de
quente que devemos fornecer para a má- performance desta unidade?
quina em cada ciclo? (b) Calcule a eficiên-
4. Considere uma máquina de Carnot e um
cia desta máquina.
refrigerador de Carnot operando entre os
2. Qual deve ser a razão de compressão r de mesmos reservatórios térmicos. Mostre
um ciclo Otto para que ele atinja uma efi- que a eficiência desta máquina, eCarnot , e o
ciência ideal de 65%, considerando γ = coeficiente de performance, k Carnot , deste
1, 4? refrigerador estão relacionados pela equa-
ção:
3. Uma unidade de condicionador de ar em
1 − eCarnot
uma janela absorve 9, 8 × 104 J de calor por k carnot = .
eCarnot
71

Calcule os limites de k Carnot para eCarnot→1 gás em cada ciclo. (b) Qual é a energia
e eCarnot→0 . Explique estes resultados. mecânica da máquina e seu rendimento?

5. Em um motor que usa ar comprimido, o


ar entra no motor com uma pressão igual
a 1, 6 × 106 Pa e sai com uma pressão de
2, 8 × 105 Pa. Qual deve ser a tempera-
tura do ar comprimido para que não haja
possibilidade da formação de gelo nos tu-
bos de exaustão do motor? Suponha que
a expansão é adiabática. (Nota: O gelo
se forma quando o ar úmido é resfriado 8. Submetido a baixas temperaturas, o ca-
abaixo da temperatura de 0◦ C na expan- lor específico molar a volume constante
são. Para o ar γ = 7/5.) do alumínio varia com a temperatura de
acordo com a seguinte expressão:
6. Um gás monoatômico ideal executa o ci-
clo indicado na figura abaixo. O cami- CV = 2, 5 × 10−5 T 3 J/K4
nho no processo c → a é uma linha reta
Calcule a entropia de 1, 0 mol de alumínio
no diagrama p × V. (a) Calcule Q, W e
à temperatura de 100K.
∆U em cada processo: a → b, b → c e
c → a. (b) Calcule a eficiência do ciclo.
9. Considere o cálculo da variação de entro-
pia sendo dado pela seguinte equação:
Z 2
dQ
∆S = .
1 T

Os limites da integral indicam os estados


( p1 , V1, T1 ) e ( p2 , V2 , T2 ). A mudança de
um estado para outro pode ser efetuado
de diversas formas e em cada processo, te-
remos uma diferença de entropia associ-
7. Uma máquina térmica opera seguindo o
ada. Calcule a variação de entropia, su-
ciclo mostrado na figura abaixo. A subs-
gerido acima, para um gás ideal monoatô-
tância de trabalho são 2, 00mols de gás hé-
mico em um processo (a) isotérmico, (b)
lio, que atinge uma temperatura máxima
isobárico, (c) isovolumétrico e (d) adiabá-
no ponto b, de 600K. Considere o hélio
tico.
um gás ideal monoatômico. O processo
b → c é isotérmico. A pressão nos es- 10. Quanta energia deve ser transferida em
tados a e c vale 1, 5 × 105 Pa e a pressão forma de calor para uma expansão isotér-
no estado b é de 4, 5 × 105 Pa. (a) Encon- mica reversível de um gás ideal a 132◦ C se
tre o calor recebido e o calor liberado pelo a entropia do gás aumenta de 46, 0J/K?
72

11. Determine (a) a energia absorvida na 12. Um gás ideal sofre uma expansão isotér-
forma de calor e (b) a variação de entropia mica reversível a 77, 0◦ C, aumentando seu
de um bloco de cobre de 2, 00kg cuja tem- volume de 1, 30L para 3, 40L. A variação
peratura é aumentada reversivelmente de de entropia do gás é 22, 0J/K. Quantos
25, 0◦ C para 100◦ C. O calor específico do mols de gás estão presentes?
cobre é 386J/kg · K.
Referências Bibliográficas

[1] YOUNG, Hugh D. e FREEDMAN, Roger A. Física II - Termodinâmica e Ondas: 12o ed. São
Paulo: Addison Wesley, 2009.

[2] TIPLER, Paul A. e MOSCA, Gene. Física 2: 5o ed. Rio de Janeiro. Editora LTC, 2006.

[3] HALLIDAY, David, HESNICK, Robert e WALKER, Jearl. Fundamentos de Física 2 - Gravi-
tação, Ondas e Termodinâmica: 4o ed. Rio de Janeiro. Editora LTC, 1996.

[4] CHAVES, Alaor Silvério. Física: Sistemas Complexos e Outras Fronteiras. Rio de Janeiro:
Ed. Reichmann e Allonso, 2001.

[5] OLIVEIRA, Mário José de. Termodinâmica. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2005.

[6] SALINAS, Sílvio R. A. Introdução à Física Estatística. São Paulo: Edusp, 1999.

[7] NUSSENZVEIG, H. Myses. Curso de Física Básica 2 - Fluidos, Oscilações e Ondas e Calor:
7o ed, São Paulo, Editora Edigard Blücher Ltda, 2008.

[8] QUADROS, Sérgio. A termodinâmica e a invenção das máquinas térmicas. São Paulo: Sci-
pione, 1996.

73