Você está na página 1de 7

MEDICAMENTOS ANTIINFECCIOSOS

INTRODUÇÃO
Quando as bactérias ultrapassam as barreiras cutânea ou mucosa, e
penetram nos tecidos corporais, estamos diante de uma infecção
MEDICAMENTOS COM AÇÃO bacteriana.
ANTIINFECCIOSA Com frequência, o organismo consegue ter sucesso na remoção das
(12ª AULA) invasoras por meio de uma resposta imune, sem manifestar sinais de
doença.
Contudo, certos patógenos desenvolveram estratégias sofisticadas. Embora
sejam captados pelas células do hospedeiro pela fagocitose regular, são
capazes de impedir a fusão subsequente do fagossomo com o lisossomo e,
dessa forma evitam a degradação.
Profa. Alcinira Farias
2
1
MEDICAMENTOS ANTIINFECCIOSOS MEDICAMENTOS ANTIINFECCIOSOS
INTRODUÇÃO PAREDE CELULAR
Como as paredes do vacúolo protetor são permeáveis a nutrientes A parede celular envolve a célula como uma armadura rígida que a protege
(aminoácidos, açúcares), o m.o. é capaz de crescer e se multiplicar até que contra influências externas nocivas e impede a ruptura da membrana
a célula morra e libere os patógenos que infectam novas células do plasmática pela elevada pressão osmótica interna.
hospedeiro.
Essa estratégia é usada, por exemplo, Chlamydia e Salmonella,
Mycobacterium tuberculosis, Legionella pneumophila, Toxoplasma gondii e
espécies de Leishmania.
3 4
MEDICAMENTOS ANTIINFECCIOSOS MEDICAMENTOS ANTIINFECCIOSOS
PAREDE CELULAR
As substâncias da parede celular são sintetizadas na bactéria e
Parede celular transportadas para fora através da membrana celular.
Treliça de mureína (peptídeoglicano).
Consiste em elementos básicos unidos A enzima transpeptidase faz as ligações cruzadas das cadeias peptídicas de
formando uma grande macromolécula. cadeias de aminoaçúcares adjacentes.
Cada unidade básica contém 2
aminoácidos, a N-acetilglicosamina (NAG),
e o ácido N-acetilmurâmico (NAM) ligados;
o último integra uma cadeia peptídica.
5 6
AGENTES ANTIINFECCIOSOS
PENICILINAS
Continuam sendo um dos agentes antibacterianos de maior
importância e utilidade a despeito da disponibilidade de vários
outros fármacos.
Exerce ação bactericida nos microrganismos em multiplicação.
Obtida originalmente do Penicillium notatum, como
benzilpenicilina, que contém a estrutura básica comum a todas as
penicilinas, ácido 6-aminopenicilâmico (6-APA), compreendendo
uma tiazolidina e um anel β-lactâmico de 4 membros.
INIBIDORES DA SÍNTESE DA PAREDE
CELULAR
7 8
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
PENICILINAS PENICILINAS
Farmacodinâmica: inativam inúmeras proteínas na membrana
Farmacodinâmica Farmacodinâmica: inibem a transpeptidase. Algumas PBP catalisam
Farmacodinâmica
celular da bactéria. Essas proteínas ligadoras de penicilias (PBP ou a formação de ligações cruzadas entre as cadeias de
PLP) são enzimas bacterianas envolvidas na síntese da parede peptídeosglicanos.
celular e na manutenção das características morfológicas da
bactéria.
As penicilinas inibem essa reação, impedindo assim, a formação
A exposição a esses antibióticos pode, portanto, não só evitar a das ligações cruzadas essenciais para a parede celular. Como
síntese da parede celular, mas também levar a alterações resultado do bloqueio da síntese da parede celular, o nucleotídeo de
morfológicas ou lise das bactérias suscetíveis. estacionamento (anteriormente denominado “peptídeo de parada”),
UDP-acetilmuramil-L-Ala-D-Gln-L-Lys-D-Ala-D-Ala, acumula.
Alterações em algumas dessas moléculas-alvo faz surgir os m.o.
resistentes à penicilina.
9 10
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
PENICILINAS
Farmacodinâmica: produção de autolisinas. Várias bactérias,
Farmacodinâmica
particularmente os cocos Gram-positivos, produzem enzimas
degradativas (autolisinas) que participam da remodelagem normal
da prede celular bacteriana. Na presença de penicilina, a ação
degradativa das autolisinas ocorre na ausência da síntese da parede
celular.
Assim,, o efeito antibacteriano de uma penicilina é o resultado da
Assim
inibição da síntese da parede celular e da destruição da parede
celular existente pelas autolisinas.
autolisinas.
11 12
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
PENICILINAS PENICILINAS
Farmacoterapia: nenhuma outra classe de agentes antibacterianos
Farmacoterapia
oferece um espectro de atividade antimicrobiano tão amplo quanto as
penicilinas.
Não apresenta atividade contra microrganismos desprovidos de parede
celular, como Mycoplasma pneumoniae, Rickettsias sp. e
Pneumocystis carinii.
Apresenta resistência natural a bactérias produtoras de
betalactamases. O espectro antimicrobiano abrange cocos e bacilos
Gram-positivos, mas não bacilos Gram-negativos.
13 14
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
PENICILINAS PENICILINAS
Indicações:
Indicações Desvantagens:
Tratamento de infecções causadas por germes Gram positivos, como
estafilococos, pneumococos e estreptococos (faringoamigdalites, I- É inativada pelo suco gástrico, que quebra o anel β–lactâmico,
escarlatina e erisipela). obrigando a administração parenteral.
Tratamento de infecções por germes Gram negativos, tais como II- O anel β–lactâmico também pode ser rompido por enzimas
Neisseria gonorrhoeae não produtora de betalactamases, Neisseria bacterianas (β–lactamases).
meningitidis (meningite), Clostridium tetani e alguns anaeróbios e
espiroquetas. III- Vários patógenos Gram-negativos não são afetados (Salmonella
typhi, Escherichia coli, etc.)
É primeira escolha para pneumonia, sífilis, tétano, leptospirose,
gangrena gasosa e actinomicose. Tratamento de endocardite
bacteriana causada por S. viridans e S. faecalis (em associação com
gentamicina).
15 16
AGENTES ANTIINFECCIOSOS 17 AGENTES ANTIINFECCIOSOS 18
CEFALOSPORINAS
CEFALOSPORINAS
São reunidas em gerações, de acordo com sua eficácia contra
diferentes microrganismos, suas características e desenvolvimento:
Farmacodinâmica: inibem a síntese da parede celular em
Farmacodinâmica
conseqüência de sua ligação a enzimas bacterianas conhecidas com
1. As cefalosporinas de primeira geração incluem: cefadroxila,
proteínas de ligação das penicilinas - PBP, que se localizam na
cefazolina sódica, cefalexina monoidratada e cefadrina.
membrana celular.
2. As cefalosporinas de segunda geração incluem: ceflacor, nafato
Após lesão da parece celular em decorrência da ligação do fármaco
de cefamandol, cefmetazol sódico, cefprozi, etc.
à PBP, os mecanismos de defesa naturais do organismo destroem
3. As cefalosporinas de terceira geração incluem: cefnidir, cefixima, das bactérias.
cefoperazona sódica, cefotaxina sódica, etc.
4. As cefalosporinas de quarta geração incluem: cefalosporina e
cloridrato de cefepima.
AGENTES ANTIINFECCIOSOS 19 COMO AS CEFALOSPORINAS ATACAM AS BACTÉRIAS???
A ação antibacteriana das cefalosporinas depende de sua capacidade de penetrar na parede bacteriana e
CEFALOSPORINAS ligar-se a proteínas presentes na membrana citoplasmática.
Farmacoterapia: as quatro
Farmacoterapia gerações possuem aplicações
terapêuticas particulares:
1. As de primeira geração atuam contra microrganismos Gram-
positivos, infecções estafilocócicas e estreptocócicas, incluindo
pneumonia, celulite (infecção cutânea) e osteomielite (infecção
do osso).
2. As de segunda e terceira geração atuam contra bactérias Gram-
negativas.
3. As de quarta geração mostram-se ativas contra uma ampla gama
de bactérias Gram-positivas e Gram-negativas.
20
21
ESTRUTURA DA
PAREDE CELULAR DE
UMA BACTÉRIA GRAM-
GRAM-
POSITIVA
ESTRUTURA DA
PAREDE CELULAR DE
UMA BACTÉRIA GRAM-
GRAM-
NEGATIVA
INIBIDORES DA SÍNTESE DE PROTEÍNAS
22
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
AMINOGLICOSÍDIOS AMINOGLICOSÍDIOS
Exercem uma atividade bactericida efetiva contra:
– Bacilos Gram-negativos aeróbios; Farmacodinâmica: atuam como agentes bactericidas contra
Farmacodinâmica
– Algumas bactérias Gram-positivas aeróbicas; microrganismos sensíveis através de sua ação sobre o
– Micobactérias; ribossoma específico no microrganismo, interrompendo a
– Alguns protozoários síntese de proteínas.
Induzem a ligação de complexos de RNA-t “errados”. Resultando
Os aminoglicosídios atualmente utilizados incluem: na síntese de proteína “falsa”.
– Sulfato de amicacina;
– Sulfato de gentamicina;
– Sulfato de canamicina;
– Sulfato de neomicina;
– Sulfato de estreptomicina.
23
24
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
Farmacoterapia::
Farmacoterapia
– Infecções causadas por bacilos Gram-negativos aeróbicos;
– Infecções hospitalares graves, como bacteremia por m.o. Gram-
negativos, peritonite, e pneumonia.
– Infecções do trato urinário causadas por bacilos entéricos que se
mostram resistentes a antibióticos menos tóxicos, como penicilinas e
cefalosporinas;
– Infecções do sistema nervoso central e no olho.
25 26
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS
Cada aminoglicosídio pode ter utilidade própria: Cada aminoglicosídio pode ter utilidade própria:
• A estreptomicina (protótipo do grupo) mostra-se contra cepas • A claritromicina, roxitromicina e azitromicina são derivadas da
de micobactérias, incluindo Mycobacterium tuberculosis, e eritromicina com atividade similar; contudo, sua eliminação é
contra as bactérias Gram-positivas Nocardia e Erysipelothrix. mais lenta, e assim, permite redução na dosagem e
administrações menos frequentes.
• A amicacina, gentamicina são ativas contra Acinetobacter,
Citrobacter, Enterobacter, Klebsiella, Proteus, Providencia,
Serratia, Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa.
27 28
AGENTES ANTIINFECCIOSOS AGENTES ANTIINFECCIOSOS 30
TETRACICLINAS
A resistência bacteriana a um aminoglicosídio pode estar
relacionada às seguintes situações: São antibióticos de amplo espectro. Podem ser classificadas em:
– Incapacidade de o medicamento atravessar a membrana celular;  Compostos de ação curta, como o cloridrato de clortetraciclina;
– Ligação alterada aos ribossomas;
 Compostos de ação intermediária, como cloridrato de demeclociclina;
– Destruição do fármaco por enzimas bacterianas.
 Compostos de ação longa, como hiclaro de doxicilina e cloridrato de
minociclina.
29
AGENTES ANTIINFECCIOSOS 31 32
TETRACICLINAS
Farmacodinâmica: são principalmente bacteriostática, o que
Farmacodinâmica
significa que elas inibem o crescimento ou a multiplicação das
bactérias.
Penetram na célula bacteriana por um processo que depende de
energia. No interior da célula, ligam-se basicamente a uma
subunidade do ribossoma (30S), inibindo a síntese de proteínas
necessárias para a manutenção da célula bacteriana.
Inibe a ligação dos complexos RNAt-AA ao complexo RNAm-
ribossomo.
AGENTES ANTIINFECCIOSOS 33 AGENTES ANTIINFECCIOSOS 34
TETRACICLINAS TETRACICLINAS
Farmacoterapia
Farmacoterapia: Farmacocinética e Metabolismo
1.Bactérias Gram-positivas e negativas aeróbicas e anaeróbicas;
É na farmacocinética que as tetraciclinas apresentam suas diferenças.
2.Espiroquetas; Sua absorção é prejudicada quando ingerida com leite, hidróxido de
alumínio, Ca, Mg e Fe.
As tetraciclinas também são eliminadas no leite em quantidade
correspondente a 20-90% da concentração do plasma. Apesar disto, não
se contra-indica a amamentação pois, quando em contato com o Ca do
leite, formam complexos insolúveis que não são absorvidos VO.
AGENTES ANTIINFECCIOSOS 35 AGENTES ANTIINFECCIOSOS 36
CLORANFENICOL
VANCOMICINAS
Farmacodinâmica Utilizados no tratamento da infecção por Staphylococcus sp.
resistente à meticilina, que se tornou um importante problema nos
Inibe a peptídeo-sintetase. Tem a ação bacteriostática contra um amplo EUA e em outras partes do mundo.
espectro de patógenos. Farmacodinâmica: inibe a síntese da parede celular de bactérias,
Farmacodinâmica
danificando a membrana plasmática. Quando a parede celular
A molécula quimicamente simples, hoje, é produzida de forma sintética. bacteriana é lesada, as defesas naturais do hospedeiro podem atacar
o microrganismo.
Ela bloqueia a incorporação no peptidoglicano das subunidades N-
ácido acetilmuramico (NAM) e N-acetilglucosamina (NAG), ao se ligar
reversivelmente a estas moléculas. Com parede celular deficiente as
bactérias não resistem às pressões osmóticas e morrem
AGENTES ANTIINFECCIOSOS 37 38
VANCOMICINAS
Farmacoterapia: eficaz contra microrganismos Gram-positivos, como
Farmacoterapia
S. aureus, S. epidermidis, S. pyogenes, Enterococcus e
Strepetococcus pneumoniae.
39
ESTUDAR CAPÍTULO DE QUALQUER
LIVRO DE FARMACOLOGIA SOBRE OS
ANTIBACTERIANOS.