Você está na página 1de 12

REPÚBLICA VELHA

(POLÍTICA E ECONOMIA)

A REPÚBLICA DE DEODORO homens alfabetizados que tivessem mais de 21 anos. Não existiria mais
a figura do voto censitário. A União, entretanto, não era obrigada por
As primeiras medidas do novo governo republicano podem ser matéria constitucional a ofertar educação aos brasileiros. A Assembleia
sintetizadas facilmente. O marechal Deodoro da Fonseca, monarquista Nacional elegeu, ainda, Deodoro da Fonseca como presidente da
de formação e líder do movimento republicano por ocasião, foi República e Floriano Peixoto como vice. Os dois militares, entretanto,
designado como presidente provisório, posteriormente confirmado eram oriundos de chapas políticas rivais. Prudente de Morais era o
na presidência por uma Assembleia Nacional Constituinte. A família candidato derrotado à Presidência na chapa de Floriano Peixoto,
real foi banida do país, tomando o rumo da Europa. O governo enquanto o almirante Eduardo Wandenkolk era o candidato a vice de
decretou a separação do Estado em relação ao catolicismo e ainda Deodoro da Fonseca. As tensões políticas levariam ao agravamento da
se comprometeu a honrar todos os compromissos internacionais situação da recente República.
herdados do Império. Os estrangeiros que se encontravam no território
nacional receberiam, automaticamente, a cidadania brasileira, uma Observação
medida que evidencia claramente a preocupação em incorporar à
população nacional elementos de cor branca. O governo determinava Constituição de 1891
que os estrangeiros que não quisessem a cidadania brasileira deveriam Promulgada, recebeu influência da Constituição dos EUA,
expressar claramente o desejo em contrário, dificultando, portanto, Argentina, Suíça e Positivismo. Ela era representativa e federalista.
a não aceitação. Os sucessivos governos brasileiros da Primeira Havia o cargo de Presidente em um mandato de 4 anos e a
República mostrariam uma grande preocupação em reproduzir no país existência de três poderes Legislativo, Judiciário e Executivo).
os moldes e a estética europeia. O Voto universal masculino (21 anos, alfabetizados), com isso,
excetuando-se: mulheres, mendigos, soldados, praças, sargentos
e integrantes das ordens religiosas. Separação da Igreja do Estado.

O presidente Deodoro da Fonseca, considerando-se limitado pelo


Congresso Nacional, decretou estado de sítio e o fechamento da Casa
Legislativa. O primeiro presidente do Brasil, que originalmente era
um monarquista, tentou, em vão, dar um golpe de Estado e acabou
afastado de suas funções executivas. Para agravar o quadro legal,
o vice-presidente assumiria, ao arrepio da Lei. O golpe de Deodoro
da Fonseca falhou, pois ocorreu uma grande mobilização civil e
militar contra o presidente golpista. O contra-almirante Custódio de
Melo ameaçou bombardear a capital da República, em um episódio
conhecido como a Primeira Revolta da Armada. O vice-presidente
Floriano Peixoto mobilizou parte do Exército contra o golpe. Por fim,
os congressistas resistiram ao ato inconstitucional. Sem apoio da
Armada, e sobretudo do Exército, Deodoro da Fonseca renunciou sem
ter cumprido dois anos de mandato presidencial.

O GOVERNO DE FLORIANO PEIXOTO


A posse de Floriano Peixoto, entretanto, foi prontamente rejeitada
por amplos setores da sociedade brasileira. O art. 42 da recente
Magna Carta determinava que “se, no caso de vaga, por qualquer
A política econômica do breve governo Deodoro da Fonseca
causa, da Presidência ou Vice-Presidência, não houver ainda decorrido
foi conduzida pelo ministro Rui Barbosa e ficou conhecida como
dois anos do período presidencial, proceder-se-á à nova eleição”. Era o
“encilhamento”. A estratégia do governo estava baseada no princípio
caso de Deodoro da Fonseca. O vice-presidente, entretanto, advogava
de concessão de autorização para que bancos privados emitissem
que aquele artigo somente poderia ser aplicado em caso de presidente
papel-moeda sob título de crédito para financiar atividades produtivas
eleito diretamente e não em uma situação excepcional de presidente
no país. O plano econômico, contudo, sofreu com casos de fraudes
constitucional. Os opositores, entretanto, não haviam se mobilizado
e especulação. Tornou-se comum que supostos empresários que
contra Deodoro da Fonseca para aceitar sem questionamento que
obtinham os empréstimos com juros baixos concedidos pelo governo
outro marechal de cunho autoritário assumisse a Presidência.
empregassem o dinheiro na compra de ações de empresas, moeda
estrangeira ou imóveis. O programa foi um total fiasco, agravando a Floriano Peixoto, que seria retratado como o “Marechal de Ferro”,
situação econômica do país pelo aumento da inflação. enfrentou três movimentos que questionaram qual diziam que “a
continuar por muito tempo semelhante estado de desorganização
Em 24 de fevereiro de 1891 foi promulgada a primeira Constituição
geral do país, será convertida a obra de 15 de novembro de 1889
Republicana. A Carta confirmava os princípios republicanos federalistas,
na mais completa anarquia”. O almirante Wandenkolk estava entre
a separação do Estado em relação ao catolicismo, a divisão dos três
os signatários. O contra-almirante Custódio de Melo, que ameaçara
poderes harmônicos e independentes e o direito de voto a todos os
Deodoro da Fonseca, repetiu a intimidação contra Floriano Peixoto.

PROMILITARES.COM.BR 121
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

tais oligarquias levou à formulação de um dos mais sólidos conceitos


da historiografia brasileira: a política do “café com leite”. Esta seria
uma espécie de acordo, entre os políticos paulistas e mineiros, em
que ocorreria um revezamento no poder, através da indicação do
cargo de presidente da República. Tal conceito recebeu duras críticas
da historiografia mais recente. Para alguns autores, preconizaria uma
aliança pacífica entre os estados, o que eliminaria as instabilidades
políticas do período. Esses mesmos autores atestam que as eleições, a
despeito da aparente tranquilidade, eram precedidas de um intricado
processo político que acarretava na escolha do nome do presidente.
Assim, a Primeira República guardaria no seu processo político-
eleitoral uma grande instabilidade, cuja grande marca era uma pouco
aparente disputa política entre São Paulo e Minas Gerais. O historiador
Eul-Soo Pang chega a afirmar que seria mais prudente falar em política
do “café contra leite”, tendo em vista os diversos níveis de conflito
e instabilidade que permearam a ação dos oligarcas de São Paulo e
Minas Gerais.
Já em termos da relação entre governo federal e os estados,
ganha relevo a análise da Política dos Governadores, implementada
O “Marechal de Ferro”, entretanto, enfrentou o militar da por Campos Salles durante seu período na Presidência, na qual se
Armada, que, em 1893, bombardeou o Rio de Janeiro através dos permitiu ao presidente suplantar os limites imputados pelas disputas
vasos fundeados na baía de Guanabara. Floriano respondeu ao políticas estaduais e funcionar como uma espécie de “gestor” da
fogo e manteve a Armada isolada de tal modo que não era possível máquina pública. Funcionava através de um jogo de apoios mútuos
o desembarque em terra, tampouco a saída para o mar aberto. O entre o presidente da República e os governadores estaduais. Os
contra-almirante seria obrigado a pedir asilo político em um navio governadores ordenavam que os deputados federais votassem
português. A concessão do benefício diplomático irritou Floriano em bancada, fechados, as propostas do presidente. Além disso, os
Peixoto, que considerava o caso uma intervenção portuguesa em governadores deveriam garantir voto e apoio político aos candidatos
um assunto doméstico do Brasil. O presidente rompeu relações com do governo federal em momentos de eleição. Em última análise, a
Portugal e ameaçou qualquer nação estrangeira que se intrometesse associação com o presidente era uma forma de os poderes estaduais
no problema brasileiro. No Sul, Floriano enfrentou, ainda, a Revolução evitarem intervenção federal, fator comum em especial em estados
Federalista, que foi sufocada com muito sangue e rendeu uma mais frágeis. As intervenções, por vezes, culminavam com a retirada
antipática homenagem ao presidente: Florianópolis. do governador do poder. Em contrapartida, nos momentos de eleição,
apenas os deputados que possuíam a ligação com a oligarquia
dominante no estado tinham reconhecimento para assumir o cargo
A POLÍTICA NA REPÚBLICA efetivamente.
OLIGÁRQUICA
O período que se estende do final do governo Floriano Peixoto até CICLO DA POLÍTICA DO CAFÉ COM LEITE
a Revolução de 1930 é comumente designado como República Velha
ou Oligárquica. Ambas as denominações carregam um significado FAVORECE
coronéis governadores
pejorativo, sendo a primeira oriunda de um contexto histórico em que
LA )
RO m o

FA
foi formulada com características claramente políticas. A designação 3 2
N T e lis

VO
CO ron

de “Velha” foi produzida por intelectuais ligados ao Varguismo

RE
o

CE
(C

dos anos 1930, especialmente no Estado Novo. Visavam denotar


o caráter arcaico das instituições republicanas anteriores a Vargas, 1
o que resultaria no fortalecimento da imagem do novo regime. Curral 4 ELEGE
PRESIDENTE
Assim, buscando uma maior neutralidade, a melhor designação para Eleitoral
o período entre 1894 e 1930 é de Primeira República, usada por IA
O
historiadores como Edgar Carone. 5 AP

deputados/senadores

POLÍTICA DOS GOVERNADORES


O reconhecimento ocorria por meio da Comissão de Verificação
de Poderes, composta por cinco membros indicados pelo presidente
da Câmara dos Deputados. Campos Salles alterou o Regimento Interno
da Câmara, de modo que o presidente da mesma ficasse sob maior
influência do governo federal. Dessa forma, conseguiu também o
controle da Comissão e do reconhecimento dos políticos na Primeira
República. A Comissão, através do reconhecimento ou veto dos eleitos,
conseguia garantir uma Câmara ligada aos interesses das oligarquias
estaduais dominantes e do próprio presidente da República. Os
que não se enquadravam no jogo eram “degolados”politicamente,
não conseguindo assumir efetivamente seus cargos. A Política dos
Governadores e a Comissão de Verificação de Poderes ajudaram a
As instituições políticas do primeiro governo republicano foram entronizar nos estados poderosas oligarquias, como os Rosa e Silva em
de fato marcadas pela predominância de oligarquias estaduais, com Pernambuco ou os Accioly no Ceará.
destaque para as de São Paulo e Minas Gerais, representadas no Durante o governo do marechal Hermes da Fonseca (1910-
plano políticos pelos partidos PRP e PRM. A presença destacada de 14) houve a ascensão de candidato que não possuía ligação com as

122 PROMILITARES.COM.BR
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

oligarquias de São Paulo ou Minas Gerais, mas sim do Rio Grande do Sul manter ainda parcelas de poder num cenário onde este, na prática, ia
de Pinheiro Machado (vice-presidente do Senado, conhecido como o diminuindo.
“fazedor de presidentes”). Assim, o marechal promoveu a substituição
de uma série de governadores por outros políticos de sua confiança, ECONOMIA NA REPÚBLICA
muitos deles militares. O movimento ficou conhecido como “Política
das Salvações”, e demonstrou a fragilidade das múltiplas alianças que OLIGÁRQUICA
sustentavam o jogo das oligarquias. Os primeiros dois governos do período oligárquico, Prudente
O processo político na Primeira República desmembrou-se através de Morais e Campos Salles, herdaram uma situação de confusão
do poder municipal também, personificado na figura dos “coronéis”. econômica oriunda do fracasso do programa do “encilhamento” e
A alcunha designava, em geral, grandes latifundiários que possuíam da instabilidade política dos anos da República da Espada. Em 1898,
influência local, seja por fazer parte da administração, seja por controlar antes mesmo da posse de Campos Sales, o ministro da Fazenda,
homens armados (“jagunços”) que foram usados para espalhar terror Joaquim Murtinho, buscou renegociar as dívidas do governo federal
e reforçar autoridade. O surgimento do termo é associado ao período junto aos credores europeus, sobretudo ingleses. O governo brasileiro
regencial, quando os proprietários de terra se responsabilizaram pela obteve, então, um empréstimo de consolidação, mais conhecido
organização da guarda nacional, e passaram a deter força de polícia pela denominação de funding loan. O empréstimo de consolidação
nas localidades. funcionava da seguinte forma: o governo brasileiro obtinha uma
moratória, isto é, a suspensão temporária do pagamento dos serviços
O “coronel” usava de sua força e influência especialmente no da dívida e a contratação de um novo empréstimo.
momento das eleições, formando “currais eleitorais”. Durante o
pleito, aproveitando-se do fato do voto ser aberto, o coronel usava Aparentemente, os credores dificilmente se arriscariam em
seus capangas para forçar os eleitores a votar em candidatos ligados conceder novas linhas de crédito para um governo cujo regime político,
às oligarquias que sustentavam o coronel. O uso da força para controle além de recentemente instalado, não conseguia levantar fundos para
eleitoral ficou conhecido como “voto de cabresto”. Variadas práticas o pagamento das dívidas originais. Os banqueiros ingleses, entretanto,
fraudulentas complementavam a ação do coronel, como a simples aceitaram a concessão de um novo prazo para o pagamento das dívidas
alteração das listas eleitorais, muito usadas como forma de controle. originais e promoveram a abertura de outras linhas de empréstimo.
Eles exigiram, contudo, garantias para a concessão das solicitações do
ministro Murtinho. O governo brasileiro dava como garantia as rendas
da alfândega do Rio de Janeiro, da Companhia de Estrada de Ferro
Central do Brasil e da Companhia de Águas do Rio de Janeiro.
A economia do período da Primeira República, entretanto,
ficou caracterizada pela produção primária exportadora cafeeira.
O café seria o traço de continuidade do Brasil em relação ao
regime monárquico. A plantation cafeeira agroexportadora estava
concentrada fundamentalmente na região sudeste, compreendendo
basicamente os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo
e Paraná. A expansão da malha ferroviária serviu para atender ao
transporte do produto aos portos do Rio de Janeiro e de Santos para
a exportação aos mercados europeu e americano. O Brasil atendia,
naquela época, cerca de três quartos do mercado mundial.

No entanto, em muitos casos era desnecessário o uso da força


ou coação para conquistar votos. O coronel era uma grande figura de
autoridade no local onde possuía influência, sendo visto pela comunidade
com um aspecto quase sempre positivo. Era comum que homens mais
humildes apelassem a ele para conseguir emprego, dinheiro para comprar
comida ou mesmo tratamento para si e seus familiares. Essas redes de
clientela funcionavam para que os coronéis conseguissem manter o
controle sobre o eleitorado, garantindo a perpetuação de candidatos que
apoiava.
Os estudos sobre coronelismo no Brasil são, em maior ou menor
medida, influenciados pelo trabalho Coronelismo, enxada e voto, de
Victor Nunes Leal. Este apresenta o coronelismo como fenômeno típico
da Primeira República, garantido por determinadas condições, como o
voto aberto. Assim, apesar de ainda existirem práticas que nos lembram
o coronelismo, especialmente as de cunho clientelista, devemos
restringir o fenômeno político ao seu devido tempo histórico. A produção do café, entretanto, começaria os seus primeiros
Além disso, o autor ainda salienta que, ao contrário da imagem que sinais de estagnação ainda nos primeiros anos do século XX. A crise
por vezes construímos, os coronéis eram figuras em notável declínio de superprodução de 1902, por exemplo, já registrava uma produção
em termos de força política. Durante a República, progressivamente, o de café que excedia em mais de um milhão de sacas, em relação à
poder público avançou mais para o interior dos estados, em especial por demanda internacional. As queimas de estoques tornar-se-iam comuns
conta do federalismo. Assim, a figura do governo, federal ou estadual, durante a década de 1930, como forma de tentar manter uma oferta
era mais visível através de políticas e funcionários públicos no interior, ótima que garantisse um preço estável no mercado internacional. O
ao contrário do que ocorria no Império, onde os grandes proprietários governo e os produtores rurais não podiam simplesmente deixar o
praticamente não eram incomodados em regiões mais distantes da produto apodrecendo na lavoura em casos de superprodução, pois isto
capital. Dessa forma, com o avanço do poder público, sobraria como agravaria ainda mais a crise, queimando empregos diretos e indiretos.
opção aos “coronéis” a associação às oligarquias, uma forma de Em 1906, durante a transição das presidências de Rodrigues Alves e

PROMILITARES.COM.BR 123
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

Afonso Pena, reuniu-se o Convênio de Taubaté, primeira manifestação primeiros grupos de proletários no país. O movimento operário seria
relevante de intervencionismo estatal na economia, como forma de constituído, sobremaneira, de imigrantes europeus, considerados
atender aos interesses dos grandes produtores de café do Brasil. “mais qualificados” pelo discurso oficial da época. Na realidade, a
O Convênio de Taubaté reuniu os três maiores estados produtores: suposta qualificação que os imigrantes italianos, espanhóis e alemães
Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. A principal medida do acordo traziam para o Brasil era apenas o fato de serem brancos, pois as
teve em vista manter o café valorizado mesmo em momentos de baixa elites nacionais desejavam reproduzir no país os moldes de civilização
do mercado. Para isso, o produto seria comprado e estocado através branca e europeia, em contraste com um país de passado escravista
da intervenção do governo dos três estados pactuantes. A compra do e miscigenado. Os imigrantes, contudo, tornar-se-iam uma fonte
produto seria feita pelos governos estaduais, através de empréstimos de dissabores para o governo federal, pois trariam para o Brasil os
contraídos no exterior. Estes seriam pagos com sobretaxas e os princípios ideológicos do anarcossindicalismo e do socialismo.
recursos advindos da venda do produto em momentos de entressafra. Os primeiros jornais operários da República Oligárquica eram
O sucesso inicial da política de valorização gerou incentivos para editados clandestinamente em idiomas como o italiano, comprovando
os produtores, pela impressão de que o preço se manteria sempre a hipótese de que a força do movimento sindical organizado estava
constante. Assim, novos produtores no Brasil e em outros países, nos imigrantes. O governo reagiu, instituindo a legislação que previa
como a Colômbia, resolveram expandir a produção, protegidos pelo a expulsão de estrangeiros residentes no Brasil que estivessem
“guarda-chuva” aberto pelo governo brasileiro. envolvidos em questões operárias que “ameaçassem a ordem e a
O aumento da concorrência fez com que as novas intervenções tranquilidade” nacional. Em frase que se tornou famosa, o presidente
fossem cada vez menos efetivas e mais custosas, mostrando os Washington Luís afirmou que a questão operária era “caso de
limites da prática. O Convênio estabeleceu ainda o compromisso dos polícia”. A repressão aos movimentos sociais trabalhistas, como, por
produtores em reduzir as plantações de café. No entanto, mediante os exemplo, a Lei Celerada, que permitia a intervenção e dissolução das
incentivos artificias do mercado, a redução não ocorreu. Ao contrário, organizações operárias e a censura sobre a imprensa, entretanto,
as safras de 1910 mostraram uma expansão do produto, tanto no não conseguiu evitar totalmente o silêncio da classe proletária. A
mercado doméstico quanto no internacional. grande greve de 1917, ano da Revolução Bolchevique, liderada pelos
anarquistas, e a organização do Partido Comunista do Brasil, seção da
A produção de borracha também mereceu destaque nas pautas III Internacional, em 1922, foram demonstrações de que a esquerda
de exportação brasileiras a partir da década de 1880. Nos últimos operária tinha a possibilidade de manter uma relevante articulação.
quarenta anos do século XIX, cerca de 500 mil nordestinos chegaram O Partido Comunista, posteriormente, organizaria o Bloco Operário
até a região Norte, repelidos pela seca em sua região e atraídos pelas e Camponês (BOC) com o objetivo de penetrar nos meios operários
oportunidades oferecidas pela produção borracheira. O avanço levou urbanos e camponeses no Brasil.
brasileiros a ocuparem, desavisadamente, território boliviano. O
governo brasileiro, a partir da interpretação do Tratado de Fronteiras
de 1867 (Tratado de Ayacucho), reconhecia o território ocupado CONTEXTO
como boliviano. Este país promoveu expedição militar na região em Um dos episódios mais importantes da República Velha diz
1899, à qual não se opôs o governo do Brasil. Seguiram-se, ainda, na respeito aos movimentos sociais que, de alguma forma, questionaram
região ocupada por brasileiros, revoltas que exigiam a autonomia e a ordem estabelecida pelas elites nacionais.
até mesmo a fundação de República autônoma em relação à Bolívia.
As primeiras revoltas sociais que poderíamos citar foram os
Em junho de 1901, o governo brasileiro recebeu a notícia de que movimentos denominados “milenaristas” ou “messiânicos”,
a região havia sido arrendada para uma empresa anglo-americana, constituídos por uma liderança religiosa pessoal carismática que
o Bolivian Syndicate. A situação era duplamente preocupante: além aglutinava em torno de si uma população formada por agricultores
do arrendamento significar ameaça à soberania brasileira na região interioranos pobres.
amazônica, anunciava-se um conflito armado entre as tropas do general
Pando, presidente da Bolívia, e os brasileiros que habitavam a região. Canudos (1870-97), na região do sertão baiano, e Contestado
(1912-16), na área limite entre os estados de Paraná e Santa Catarina,
Em 1903, o governo brasileiro anunciou sua reinterpretação do são os dois exemplos mais notáveis de movimentos de caráter religioso
Tratado de Ayacucho, o que tornaria a região ocupada uma área em e social que incomodaram as autoridades locais, religiosas e federais
litígio. Após indenizar a empresa anglo-americana e afastá-la da região, na República Velha.
o governo brasileiro partiu para a negociação, tendo à frente o Barão do
Rio Branco, chanceler brasileiro. O resultado foi a criação, em novembro,
do Tratado de Petrópolis, pelo qual o Brasil adquiria uma área de cerca CANUDOS
de 200.000 km² em troca da cessão de uma área de 3.000km², uma O movimento de Canudos foi liderado pelo beato Antônio
indenização de 2 milhões de libras esterlinas e a construção de uma Conselheiro e retirou temporariamente o sossego dos coronéis que
estrada de ferro que ligaria o território boliviano até a região litorânea tiveram sua hegemonia colocada em xeque por um líder religioso que
e Guarajá-mirim. A estrada de ferro, nomeada de Madeira-Marmoré, não se submetia às ordens das autoridades locais. Os membros do clero
nunca foi concluída. No entanto, o litígio fronteiriço foi solucionado católico também se sentiram prejudicados ao verem o crescimento
sem o recurso armado. de um movimento de discurso cristão que não estava subordinado
O Brasil, a despeito da relevância do café como o estandarte da à hierarquia católica. Conselheiro atacava aberta e publicamente o
economia nacional, passou, outrossim, por um surto industrial durante regime republicano, acusando o novo sistema de ter desvirtuado a
a República Velha. A incipiente indústria brasileira se beneficiou da I religião ao instituir a separação do Estado em relação à Igreja e de
Guerra Mundial, ocorrida durante a presidência de Venceslau Brás. A ter criado no país a figura do casamento civil. Os pobres sertanejos,
indústria brasileira estava limitada à produção de têxteis e processamento abandonados pelo governo e vitimados pela seca e pela exploração
de alimentos e foi favorecida pelo fato de os fornecedores tradicionais, dos latifundiários locais, eram seduzidos pelo discurso de Conselheiro,
sobretudo os europeus, estarem concentrados no esforço de guerra na que pregava a existência de um mundo melhor. O desafio contra o
Europa. O governo, em 1917, declarou guerra à Alemanha por conta sistema republicano foi respondido com quatro expedições militares
do ataque de submarinos alemães a navios mercantes brasileiros. O que envolveram cerca de dez mil soldados e modernos armamentos
país, contudo, participaria do conflito apenas enviando equipes médicas Krupp de fabricação alemã, contra os sertanejos. Além do escritor
e equipamentos. brasileiro Euclides da Cunha, que publicou o célebre Os Sertões,
O processo de industrialização no Brasil teve como consequência sobre a guerra de Canudos, o escritor peruano Mario Vargas Llosa
imediata o favorecimento de um tímido desenvolvimento urbano, descreveria em A Guerra do Fim do Mundo, o cenário apocalíptico de
sobretudo nas áreas fluminense e paulista, além de formar os matança na região.

124 PROMILITARES.COM.BR
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

REVOLTAS DA VACINA E DA CHIBATA


No Rio de Janeiro, capital da República, o movimento social
esteve associado ao projeto da elite brasileira, que intencionava
CONTESTADO tornar a cidade uma nova Paris. Há um século a capital da República
O movimento do Contestado, que recebeu este nome por ter enfrentava uma série de epidemias e moléstias que ameaçavam a vida
ocorrido em uma área contestada entre os governos do Paraná e de da população e desafiavam o poder público.
Santa Catarina, apresentou os mesmos sintomas e reações repressivas Em 15 de novembro de 1902, Francisco Rodrigues Alves tomou posse
por parte do governo republicano. Os beatos João Maria e José da presidência, iniciando uma série de medidas para a modernização
Maria advogavam o retorno de D. Sebastião, monarca português do Distrito Federal, tido então como “túmulo de estrangeiros”. O
desaparecido na batalha do Alcácer-Quibir em 1578, como o sinal de presidente, apelidado de “soneca”, nomeu o engenheiro Pereira Passos
que os caboclos deveriam aguardar um mundo melhor. A repressão se para a prefeitura do Rio de Janeiro e o médico Oswaldo Cruz para a
fez sentir em proporções parecidas com o episódio de Canudos, mas, diretoria de Saúde Pública, o equivalente a uma pasta ministerial.
desta vez, contando com o emprego de aeronaves contra os caboclos
do contestado.
É interessante estudar como estes movimentos eram tratados
pelos seus contemporâneos, recebendo, através dos órgãos
de imprensa, denominações pejorativas e acusatórias, que os
qualificavam como “fanáticos” ameaçadores da ordem republicana. A
finalidade de designar os movimentos sociais e religiosos meramente
como “movimentos de fanáticos” era desqualificar os envolvidos na
revolta, ressaltando a importância de eliminar focos que, de modo
fantasioso, eram tratados como “monarquistas” ou ameaçadores à
ordem republicana.

CANGAÇO
No rastro dos movimentos sertanejos desta época, verificamos o
florescimento de uma manifestação chamada de “banditismo social”
ou, como é mais conhecido, cangaço. Os cangaceiros eram indivíduos
que viviam à margem da lei e da autoridade no interior nordestino,
região pobre em que o poder público somente se fazia presente
através do coronelismo. O chamado “rei do cangaço”, Lampião,
vivia de ousadas ações de assaltos, saques e venda de proteção para
coronéis locais que não gozavam de uma força de jagunços que
pudesse fazer frente aos cangaceiros.
O cinema brasileiro homenageou Lampião no belo Baile
Perfumado, com trilha sonora do compositor pernambucano Chico
Science. As tropas volantes do governo, apelidadas de “macacos” Pereira Passos, que testemunhara a abertura dos boulevares
pelos cangaceiros, enfrentaram os bandos de Lampião, Corisco e parisienses por Eugene Haussmann, iniciou sua gestão alterando o
outros famosos cangaceiros até meados da década de 1940, quando panorama do centro da cidade: as ruelas cederam espaço para as
o cangaço foi totalmente desarticulado. A violência, contudo, vinha grandes avenidas, dentre as quais a Central (atual Rio Branco), o que
de ambas as partes. Não era incomum as forças do governo exibirem justificaria os epítetos de “prefeito do Bota-abaixo” e “Haussmann
publicamente os cadáveres e as cabeças decepadas dos cangaceiros dos trópicos”.
em praça pública, inclusive sendo este o destino de Lampião e Maria Oswaldo Cruz ingressara na Faculdade de Medicina do Rio
Bonita. de Janeiro com a surpreendente idade de quinze anos. Em 1900,
foi indicado por Émile Roux, chefe do prestigioso Instituto Pasteur,
ao presidente Campos Salles, para o Instituto Soroterápico de
Manguinhos. Seu precoce talento despontou para as autoridades ao
exterminar a peste bubônica em Santos, o que lhe rendeu a direção de
Manguinhos ainda com trinta anos.

PROMILITARES.COM.BR 125
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

Como diretor de Saúde Pública, apresentou ao presidente O líder do movimento, João Cândido, apelidado de “almirante
Rodrigues Alves a estratégia cubana para erradicar o vetor da febre negro”, deixou bem claro às autoridades que o movimento não tinha
amarela: eliminação do mosquito transmissor, através da inspeção dos finalidade política e que os marujos reivindicavam apenas a revogação
imóveis na cidade, tratamento adequado dos doentes em hospitais e dos castigos previstos pelo Código de Disciplina e uma anistia que
aplicação de vacina em massa. atendesse aos revoltosos. Rui Barbosa foi o responsável pela feitura
Contudo, os cerca de 2.500 mata-mosquitos, que iniciaram o do anteprojeto de lei que o Congresso aprovou, extinguindo os
combate contra o inseto, enfrentaram um inimigo mais resistente: a castigos corporais e prevendo a anistia pedida. Os revoltosos, após
própria população do Rio de Janeiro. A requisição de força policial entregarem os navios, contudo, foram presos pelo governo que
para acompanhar os agentes de saúde era fato corriqueiro. os puniu severamente. A maior parte dos envolvidos na revolta
foi enviada para a Ilha das Cobras, Acre ou Fernando de Noronha,
O decreto de junho de 1904, que instituiu a vacinação obrigatória, onde acabariam morrendo. Ironicamente, João Cândido, líder dos
era rotulado de draconiano e abusivo pelos opositores. O governo revoltosos, sobreviveria para contar posteriormente sua versão dos
não lançou mão de campanhas publicitárias ou de recursos para o fatos.
esclarecimento da questão. Rui Barbosa, o ícone dos bacharéis de
Direito, em extenso libelo no Senado, afirmou que “assim como o
direito veda ao poder humano invadir-nos a consciência, assim lhe EXERCÍCIOS DE

FIXAÇÃO
veda transpor-nos a epiderme”.
A honra da família também era colocada em xeque: como o
homem do início do século XX poderia tolerar que o poder público,
amparado na lei, invadisse seu foro íntimo, colocando em risco o
que havia de mais sagrado em seu lar? A ingerência de estranhos no
ambiente privado ameaçaria a boa reputação das esposas e moças de 01. (UNICAMP 2011) A denominação de república oligárquica é
família. Um contemporâneo reclamou que “a messalina entrega-se frequentemente atribuída aos primeiros 40 anos da República no Brasil.
a quem quer, mas a virgem, a esposa e a filha terão que desnudar Coronelismo, oligarquia e política dos governadores fazem parte do
braços e colos para os agentes da vacina”? vocabulário político necessário ao entendimento desse período.
(Adaptado de Maria Efigênia Lage de Resende, “O processo político na Primeira República
Os seguidores do positivismo ortodoxo, reunidos no Apostolado, e o liberalismo oligárquico”, em Jorge Ferreira e Lucilia de Almeida Neves Delgado (orgs.),
denominaram pejorativamente a política de Oswaldo Cruz como O tempo do liberalismo excludente – da Proclamação da República à Revolução de 1930.
“depotismo sanitário”, pois atentava contra a teoria microbiana de Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006, p. 91.)
Comte e interferia na esfera de saúde pública, estritamente limitada
ao poder espiritual. O Centro das Classes Operárias e os cadetes Relacionando os termos do enunciado, a chamada “república
da Escola Militar, numa inusitada confluência de opiniões, também oligárquica” pode ser explicada da seguinte maneira:
se manifestaram contra o decreto. Uma “Liga contra a Vacina a) os governadores representavam as oligarquias estaduais e
Obrigatória” chegou a ser constituída e advogava resistência “até controlavam as eleições, realizadas com voto aberto. Isso
mesmo à bala”. sustentava a República da Espada, na qual vários coronéis
Em novembro de 1904, as manifestações contra a vacinação governaram o país, retribuindo o apoio político dos governadores.
se transformaram em ameaça à ordem social e até mesmo em b) diante das revoltas populares do período, que ameaçavam as
rumor de golpe de Estado. O presidente impõe estado de sítio e oligarquias estaduais, os governadores se aliaram aos coronéis,
as comemorações de 15 de novembro são canceladas. O governo, para que chefiassem as expedições militares contra as revoltas,
entretanto, apela para uma tática eficaz: a exigência do atestado de garantindo a ordem, em troca de maior poder político.
vacinação para praticamente tudo – matrículas em escola, emprego, c) as oligarquias estaduais se aliavam aos coronéis, que detinham
hospedagem, viagem, casamento, voto –, obrigando o cidadão o poder político nos municípios, e estes fraudavam as eleições.
comum a se submeter aos desígnios da higiene pública. No final, a Assim, os governadores elegiam candidatos que apoiariam o
febre amarela, a varíola e a peste bubônica foram erradicadas do Rio presidente da República, e este retribuía com recursos aos estados.
de Janeiro, apesar da população.
d) os governadores excluídos da política do “café com leite” se
aliaram às oligarquias nordestinas, a fim de superar São Paulo e
Minas Gerais. Essas alianças favoreceram uma série de revoltas
chefiadas por coronéis, que comandavam bandos de jagunços.

02. (PUC-RJ 2016) Sobre o período da Primeira República (1889-


1930), é CORRETO afirmar que:
e) os temas da nação e da cidadania ganharam centralidade na
Constituição de 1891, havendo atenção aos problemas sociais e à
participação política, com leis trabalhistas e extensão significativa
do direito ao voto.
a) a violência e o risco de fraude nas eleições eram reduzidos - assim
como a barganha política, a venda de votos e a dependência a chefes
locais, havendo combate dos expedientes ilícitos pelo Estado.
Ainda na capital, em 1910, durante a presidência do marechal
Hermes da Fonseca, estourou a revolta dos marinheiros da Armada, b) havia um estado forte e centralizador que limitava a autonomia
denominada de Revolta da Chibata. A Armada brasileira, apesar de ser do poder estadual e garantia o controle sobre a produção e
uma das mais modernas do mundo na época, mantinha um arcaico comercialização dos principais produtos agrícolas brasileiros.
código de disciplina que remontava à época do Império e previa c) havia uma ordem liberal e uma organização federativa, o domínio
castigos corporais como forma de punir faltas e infrações. A terrível político das oligarquias estaduais e a força dos coronéis nos
chibata, que feria e humilhava os marujos, foi a gota d‘água para municípios, além de uma participação eleitoral restrita.
uma revolta que quebrou o que há de mais sagrado entre os militares, d) houve a rejeição do capital externo na promoção da urbanização das
a hierarquia. O motim causou a morte de oficiais que resistiram aos cidades brasileiras e também o incentivo estatal à industrialização,
marujos e colocou o governo Hermes da Fonseca sob a mira dos que superou a fragilidade de uma economia outrora dependente
poderosos canhões dos navios da Armada. da agroexportação

126 PROMILITARES.COM.BR
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

03. (ENEM 2010) As secas e o apelo econômico da borracha – produto que 06. (ESA 2016) A Política de emissão de dinheiro em grande
no final do século XIX alcançava preços altos nos mercados internacionais quantidade, que causou uma desenfreada especulação na Bolsa de
– motivaram a movimentação de massas humanas oriundas do Nordeste Valores, durante o governo do marechal Deodoro da Fonseca, ficou
do Brasil para o Acre. Entretanto, até o início do século XX, essa região conhecida como:
pertencia à Bolívia, embora a maioria da sua população fosse brasileira e
não obedecesse à autoridade boliviana. a) Encilhamento.
Para reagir à presença de brasileiros, o governo de La Paz negociou b) Crise de 1929.
o arrendamento da região a uma entidade internacional, o Bolivian
c) Crise Contestada.
Syndicate, iniciando violentas disputas dos dois lados da fronteira.
O conflito só terminou em 1903, com a assinatura do Tratado de d) Queda do Banco do Brasil.
Petrópolis, pelo qual o Brasil comprou o território por 2 milhões de
e) Queda do Marechal de Ferro.
libras esterlinas.
(Disponível em: www.mre.gov.br. Acesso em: 03 nov. 2008 - adaptado)
07. (ESA 2015) Na República Velha, ocorreram vários movimentos
Compreendendo o contexto em que ocorreram os fatos apresentados, contestatórios. Identifique aquele que está localizado geograficamente
o Acre tornou-se parte do território nacional brasileiro de forma correta.
a) pela formalização do Tratado de Petrópolis, que indenizava o a) Revolta da Vacina – Rio de Janeiro
Brasil pela sua anexação.
b) Revolução Federalista – Paraná
b) por meio do auxílio do Bolivian Syndicate aos emigrantes brasileiros
na região. c) Canudos – Minas Gerais
c) devido à crescente emigração de brasileiros que exploravam os d) Contestado – Bahia
seringais.
e) Revolta da Armada – Rio Grande do Sul
d) em função da presença de inúmeros imigrantes estrangeiros na
região.
08. (ESA 2012) Na história do Brasil, o termo “messianismo” é usado
e) pela indenização que os emigrantes brasileiros pagaram à Bolívia.
no estudo de alguns movimentos sociais. Assinale a única alternativa
que apresenta um desses movimentos e seu respectivo líder.
04. (ENEM PPL 2013) O trabalho de recomposição que nos espera
não admite medidas contemporizadoras. Implica o reajustamento a) Revolta de Canudos – Antônio Conselheiro
social e econômico de todos os rumos até aqui seguidos. Comecemos
por desmontar a máquina do favoritismo parasitário, com toda sua b) Revolta da Vacina – João Maria
descendência espúria. c) Guerra do Contestado – Euclides da Cunha
(Discurso de posse de Getúlio Vargas como chefe do governo provisório,
pronunciado em 03 de novembro de 1930. FILHO, I. A. Brasil, 500 anos em d) Os 18 do Forte de Copacabana – Miguel Lucena
documento. Rio de Janeiro: Mauad, 1999 - adaptado)
e) Coluna Prestes – Luís Carlos Prestes
Em seu discurso de posse, como forma de legitimar o regime político
implantado em 1930, Getúlio Vargas estabelece uma crítica ao 09. (ESA 2009) Quanto à forma do Estado brasileiro, é correto afirmar:
a) funcionamento regular dos partidos políticos. a) segundo a Constituição de 1891, o Brasil passou a ser um Estado
b) controle político exercido pelas oligarquias estaduais. unitário.
c) centralismo presente na Constituição então em vigor. b) segundo a Constituição de 1891, o Brasil passou a ser um Estado
d) mecanismo jurídico que impedia as fraudes eleitorais. federal.
e) imobilismo popular nos processos político-eleitorais. c) segundo a Constituição de 1824 e de 1891, o Brasil era um
Estado federal.
05. (ENEM 2010) Para os amigos pão, para os inimigos pau; aos
amigos se faz justiça, aos inimigos aplica-se a lei. d) segundo a Constituição de 1934, o Brasil passou a ser um Estado
(LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa Omega.)
unitário.
e) segundo a Constituição de 1824, o Brasil passou a ser um Estado
Esse discurso, típico do contexto histórico da República Velha e usado federal.
por chefes políticos, expressa uma realidade caracterizada
a) pela força política dos burocratas do nascente Estado republicano, 10. Desde o ano de 1993 vários eventos vêm sendo realizados em
que utilizavam de suas prerrogativas para controlar e dominar o
rememoração da Revolta da Armada e da Revolução Federativa, as
poder nos municípios.
quais podem ser consideradas como:
b) pelo controle político dos proprietários no interior do país, que
buscavam, por meio dos seus currais eleitorais, enfraquecer a a) representativas dos movimentos monárquicos restauradores do
nascente burguesia brasileira. início da República.
c) pelo mandonismo das oligarquias no interior do Brasil, que utilizavam b) projeção das diversas concepções republicanas existentes no país.
diferentes mecanismos assistencialistas e de favorecimento para c) reações contra o Federalismo republicano, que defendia a
garantir o controle dos votos. eliminação da autonomia dos Estados.
d) pelo domínio político de grupos ligados às velhas instituições d) reações de segmentos sociais emergentes do domínio oligárquico
monárquicas e que não encontraram espaço de ascensão política
no Estado Republicano.
na nascente república.
e) pela aliança política firmada entre as oligarquias do norte e e) exemplo do confronto civilismo x militarismo, que caracterizaram
nordeste do Brasil, que garantiria uma alternância no poder o início da República.
federal de presidentes originários dessas regiões

PROMILITARES.COM.BR 127
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

EXERCÍCIOS DE Nessa citação, o presidente do Brasil no período expressa uma

TREINAMENTO estratégia política no sentido de


a) governar com a adesão popular.
b) atrair o apoio das oligarquias regionais.
c) conferir maior autonomia às prefeituras.
01. (ENEM 2011) Completamente analfabeto, ou quase, sem assistência
médica, não lendo jornais, nem revistas, nas quais se limita a ver figuras, d) democratizar o poder do governo central.
o trabalhador rural, a não ser em casos esporádicos, tem o patrão na e) ampliar a influência da capital no cenário nacional.
conta de benfeitor. No plano político, ele luta com o “coronel” e pelo
“coronel”. Aí estão os votos de cabresto, que resultam, em grande 05. (FUVEST 2015) Observe a tabela:
parte, da nossa organização econômica rural.
(LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-Ômega, 1978 - adaptado.) IMIGRAÇÃO: BRASIL, 1881-1930 (EM MILHARES)

O coronelismo, fenômeno político da Primeira República (1889-1930), ANO CHEGADAS


tinha como uma de suas principais características o controle do voto,
o que limitava, portanto, o exercício da cidadania. Nesse período, esta 1881-1885 133,4
prática estava vinculada a uma estrutura social
1886-1890 391,6
a) igualitária, com um nível satisfatório de distribuição da renda.
b) estagnada, com uma relativa harmonia entre as classes. 1891-1895 659,7
c) tradicional, com a manutenção da escravidão nos engenhos como 1896-1900 470,3
forma produtiva típica.
d) ditatorial, perturbada por um constante clima de opressão mantido 1901-1905 279,7
pelo exército e polícia.
1906-1910 391,6
e) agrária, marcada pela concentração da terra e do poder político
local e regional. 1911-1915 611,4

02. Durante o Governo Republicano Provisório (1889-1891), o Ministro 1916-1920 186,4


da Fazenda, Rui Barbosa, põe em prática uma política econômica
1921-1925 368,6
caracterizada pela emissão de papel-moeda e pelo aumento das
tarifas alfandegárias para os produtos estrangeiros, visando promover 1926-1930 453,6
o crescimento industrial. Essa política ficou conhecida como
a) Plano de Metas. d) Salvacionismo. Total 3.964,3
b) Convênio de Taubaté. e) Encilhamento. (Leslie Bethell (ed.), The Cambridge History of Latin America, vol. IV. Adaptado.)
c) Funding-loan.
Os dados apresentados na tabela se explicam, dentre outros fatores,
03. (MACKENZIE 2014) Os reflexos da Primeira Guerra Mundial para a) pela industrialização significativa em estados do nordeste do
economia brasileira, durante o governo de Wenceslau Brás (1914– Brasil, sobretudo aquela ligada a bens de consumo.
1918), ocasionaram b) pela forte demanda por força de trabalho criada pela expansão
a) o aumento do deficit orçamentário, pois, para corrigir os problemas cafeeira nos estados do sudeste do Brasil.
financeiros do governo anterior, Wenceslau Brás teve de recorrer a c) pela democracia racial brasileira, a favorecer a convivência pacífica
um novo Funding Loan. entre culturas que, nos seus continentes de origem, poderiam até
b) a ampliação da produção industrial brasileira e a criação de novas mesmo ser rivais.
fábricas para suprir o mercado nacional, devido à queda das d) pelos expurgos em massa promovidos em países que viviam sob
importações de produtos industrializados estrangeiros. regimes fascistas, como Itália, Alemanha e Japão.
c) a sensível diminuição na produção industrial brasileira, devido à enor- e) pela supervalorização do trabalho assalariado nas cidades, já que no
me evasão de mão de obra das indústrias, pois grande contingente campo prevalecia a mão de obra de origem escrava, mais barata.
de operários foi enviado, como soldados, para lutar no conflito.
d) o aumento de empréstimos e investimentos em diversos setores 06. (ENEM 2013) Nos estados, entretanto, instalavam-se as oligarquias,
da nossa economia, por parte de banqueiros e industriais de cujo perigo já nos advertia Saint-Hilaire, e sob o disfarce do que se
estrangeiros que, temerosos dos rumos do conflito mundial, chamou “a política dos governadores”. Em círculos concêntricos esse
passaram a investir no país. sistema vem cumular no próprio poder central que é o sol do nosso
e) a drástica redução dos investimentos no setor industrial e a queda sistema.
de sua produção, uma vez que o governo brasileiro incentivou os (PRADO, P. Retrato do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.)
produtores agrícolas a aumentarem suas safras a fim de abastecer A crítica presente no texto remete ao acordo que fundamentou o
o mercado externo. regime republicano brasileiro durante as três primeiras décadas do
século XX e fortaleceu o(a)
04. (ENEM 2014) O problema central a ser resolvido pelo Novo Regime
a) poder militar, enquanto fiador da ordem econômica.
era a organização de outro pacto de poder que pudesse substituir
o arranjo imperial com grau suficiente de estabilidade. O próprio b) presidencialismo, com o objetivo de limitar o poder dos coronéis.
presidente Campos Sales resumiu claramente seu objetivo: “É de lá, c) domínio de grupos regionais sobre a ordem federativa.
dos estados, que se governa a República, por cima das multidões d) intervenção nos estados, autorizada pelas normas constitucionais.
que tumultuam agitadas nas ruas da capital da União. A política dos
estados é a política nacional”. e) isonomia do governo federal no tratamento das disputas locais.
(CARVALHO, J. M. Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi.
São Paulo: Companhia das Letras, 1987 - adaptado).

128 PROMILITARES.COM.BR
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

07. (FUVEST 2014) 09. (ENEM 2010) O artigo 402 do Código penal Brasileiro de 1890 dizia:
Fazer nas ruas e praças públicas exercícios de agilidade e destreza
corporal, conhecidos pela denominação de capoeiragem: andar em
correrias, com armas ou instrumentos capazes de produzir uma lesão
corporal, provocando tumulto ou desordens.
Pena: Prisão de dois a seis meses.
(SOARES, C. E. L. A Negregada instituição: os capoeiras no Rio de Janeiro:
1850-1890. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1994 - adaptado.)

O artigo do primeiro Código Penal Republicano naturaliza medidas


socialmente excludentes. Nesse contexto, tal regulamento expressava
a) a manutenção de parte da legislação do Império com vistas ao
controle da criminalidade urbana.
b) a defesa do retorno do cativeiro e escravidão pelos primeiros
governos do período republicano.
c) o caráter disciplinador de uma sociedade industrializada, desejosa
de um equilíbrio entre progresso e civilização.
A charge satiriza uma prática eleitoral presente no Brasil da chamada d) a criminalização de práticas culturais e a persistência de valores
“Primeira República”. Tal prática revelava a que vinculavam certos grupos ao passado de escravidão.
a) ignorância, por parte dos eleitores, dos rumos políticos do e) o poder do regime escravista, que mantinha os negros como
país, tornando esses eleitores adeptos de ideologias políticas categoria social inferior, discriminada e segregada.
nazifascistas.
b) ausência de autonomia dos eleitores e sua fidelidade forçada 10. (ENEM 2016) O coronelismo era fruto de alteração na relação
a alguns políticos, as quais limitavam o direito de escolha e de forças entre os proprietários rurais e o governo, e significava o
demonstravam a fragilidade das instituições republicanas. fortalecimento do poder do Estado antes que o predomínio do
c) restrição provocada pelo voto censitário, que limitava o direito de coronel. Nessa concepção, o coronelismo é, então, um sistema político
participação política àqueles que possuíam um certo número de nacional, com base em barganhas entre o governo e os coronéis. O
animais. coronel tem o controle dos cargos públicos, desde o delegado de
polícia ate a professora primária. O coronel hipoteca seu apoio ao
d) facilidade de acesso à informação e propaganda política, governo, sobretudo na forma de voto.
permitindo, aos eleitores, a rápida identificação dos candidatos que
(CARVALHO, J. M. Pontos e bordados: escritos de história política.
defendiam a soberania nacional frente às ameaças estrangeiras. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998 - adaptado.)
e) ampliação do direito de voto trazida pela República, que passou
a incluir os analfabetos e facilitou sua manipulação por políticos No contexto da Primeira República no Brasil, as relações políticas
inescrupulosos. descritas baseavam-se na
a) coação das milícias locais.
08. (ENEM 2010) b) estagnação da dinâmica urbana.
I – Para consolidar-se como governo, a República precisava eliminar as c) valorização do proselitismo partidário.
arestas, conciliar-se com o passado monarquista, incorporar distintas
d) disseminação de práticas clientelistas.
vertentes do republicanismo. Tiradentes não deveria ser visto como herói
republicano radical, mas sim como herói cívico religioso, como mártir, e) centralização de decisões administrativas.
integrador, portador da imagem do povo inteiro.
(CARVALHO, J. M. C. A formação das almas: O imaginário da Republica no Brasil,
São Paulo: Companhia das Letras, 1990.)
EXERCÍCIOS DE
I – Ei-lo, o gigante da praça, / O Cristo da multidão!
É Tiradentes quem passa / Deixem passar o Titão. COMBATE
(ALVES, C. Gonzaga ou a revolução de Minas. In:CARVALHO. J. M. C. A formação das
almas: O imaginário da Republica no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.)
01. (CN 2016) Leia o texto a seguir:
A 1ª República brasileira, nos seus primórdios, precisava constituir uma
A administração da fazenda pública com a mais severa economia
figura heroica capaz de congregar diferenças e sustentar simbolica-
e a maior fiscalização no emprego da renda do Estado será uma das
mente o novo regime. Optando pela figura de Tiradentes, deixou de
minhas preocupações. Povos novos e onerados de dívidas nunca foram
lado figuras como Frei Caneca ou Bento Gonçalves. A transformação
povos felizes, e nada aumenta mais as dívidas dos estados do que
do inconfidente em herói nacional evidencia que o esforço de cons-
as despesas sem proporção com os recursos econômicos da nação,
trução de um simbolismo por parte da República estava relacionado
com as forças vivas do trabalho, das indústrias e do comércio, o que
a) ao caráter nacionalista e republicano da Inconfidência, evidenciado produz desequilíbrio dos orçamentos, o mal-estar social, a miséria.
nas ideias e na atuação de Tiradentes. Espero que, fiscalizada e economizada a fazenda pública, mantida
b) à identificação da Conjuração Mineira como o movimento a ordem no País, a paz com as nações estrangeiras sem quebra da
precursor do positivismo brasileiro. nossa honra e dos nossos direitos, animado o trabalho agrícola e
c) ao fato de a proclamação da República ter sido um movimento de industrial e reorganizado o regime bancário, os abundantes recursos
poucas raízes populares, que precisava de legitimação. do nosso solo vaporizarão progressivamente o nosso meio circulante,
depreciado para as permutas internacionais, o fortificarão o nosso
d) à semelhança física entre Tiradentes e Jesus, que proporcionaria, a crédito no interior e no exterior.
um povo católico como o brasileiro, uma fácil identificação. (Trecho do discurso de posse de Floriano Peixoto).
e) ao fato de Frei Caneca e Bento Gonçalves terem liderado movimentos
separatistas no Nordeste e no Sul do país.

PROMILITARES.COM.BR 129
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

Em um trecho de seu discurso de posse, apresentado acima, Floriano Em relação às características dos projetos políticos republicanos, analise
Peixoto demonstrou grande preocupação com a economia brasileira as afirmativas abaixo.
que vivia a chamada “Crise do Encilhamento”. É correto afirmar que I. O projeto político defendido pelos cafeicultores paulistas e pelo
entre as características da crise estavam: PRP (Partido Republicano Paulista), com o apoio de vários grupos
a) o decréscimo das reservas cambiais e a escassez de papel moeda oligárquicos de outros estados, defendia a autonomia dos estados
no país. nos moldes de uma República Liberal, descartando o princípio do
b) a queda do preço do minério de ferro no mercado internacional e federalismo, que defendia a subordinação dos estados ao poder
a baixa na movimentação financeira da bolsa de valores. central.
c) as falências de indústrias e a inflação que elevou o custo de vida. II. O projeto republicano positivista tinha aceitação no Exército,
condenava a monarquia, vista como um impedimento à evolução
d) a liberação das barreiras fiscais para a importação de produtos da humanidade. Defendia que o progresso deveria ser alcançado
ingleses, levando à falência indústrias e grupos comerciais. a partir da ordem, daí o papel do Estado como seu promotor.
e) o excesso de gastos públicos com políticas assistencialistas e o III. O projeto republicano jacobino, em alusão ao radicalismo jacobino
endividamento com credores no exterior. da Revolução Francesa, era defendido por setores da população
urbana. Rejeitava a monarquia, por seu imobilismo, e preconizava
02. (CN 2013) Instaurado o regime republicano, existiam claramente a defesa da liberdade pública e a valorização da intervenção direta
três projetos de República para o Brasil de 1889. Sobre estes projetos do povo no governo republicano.
políticos pode-se afirmar que
IV. O projeto político denominado “Política das Salvações” do
a) a Igreja Católica aliou-se ao projeto dos militares positivistas, marechal Deodoro da Fonseca defendia o centralismo político
conseguindo com esse apoio que o catolicismo, possuidor do como forma de conter o poder das oligarquias estatais, através de
maior número de adeptos, continuasse como religião oficial do uma política intervencionista.
Estado brasileiro.
Assinale a opção correta.
b) os cafeicultores paulistas, na maioria contrários à República,
a) Apenas as afirmativas I e II são verdadeiras.
planejavam a volta da monarquia que assumiria um caráter liberal,
descentralizando o poder político por meio do federalismo. b) Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras.
c) para setores politizados da população urbana, que incluía a baixa c) Apenas as afirmativas II e III são verdadeiras.
classe média e grupos intelectualizados, a República deveria d) Apenas as afirmativas III e IV são verdadeiras.
garantir as liberdades públicas e ampliar a participação popular e) Apenas as afirmativas II e IV são verdadeiras.
nas decisões políticas.
d) os militares defendiam a necessidade de um poder executivo forte, 05. (CN 2009) A primeira Constituição republicana foi decretada e
capaz de coordenar e impulsionar o progresso do Brasil, por isso, promulgada pelo Congresso Constituinte de 1891, convocado pelo
apoiavam o projeto desenvolvimentista dos cafeicultores paulistas. governo provisório da República recém-proclamada. Teve por principal
e) tanto o projeto da República positivista quanto o projeto da fonte de influência a Constituição dos Estados Unidos. Entre os
República liberal defendiam uma ampla participação popular no diversos artigos da Constituição de 1891, NÄO é correto afirmar que
poder republicano, demonstrado posteriormente com o fim do estava previsto:
voto censitário, na constituição de 1891. a) o estabelecimento do sistema presidencialista de governo.
b) a divisão dos três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.
03. (CN 2012) A segunda Constituição brasileira estabeleceu o voto
direto. No entanto, a grande maioria da população foi excluída das c) o mandato de quatro anos para presidente da República.
eleições porque: d) as eleições com sistema de voto direto e universal (na prática,
a) a Constituição de 1891 adotou o voto censitário. Assim, só masculino).
eleitores com renda acima de 100 mil-réis poderiam votar, e) o fim da autonomia dos Estados.
deixando a maioria da população sem acesso ao voto.
b) os coronéis, querendo manter o controle político do país, ameaça- 06. (ESPCEX 2017) O conflito ocorrido no final do Século XIX,
vam e, em alguns casos, agrediam os eleitores que compareciam caracterizado pelo caráter messiânico (religioso) e de contestação social,
às urnas; eram as “eleições do cacete”. foi a
c) preocupado com a forte oposição popular a seu governo, o a) Guerra do Contestado. d) Revolta da Vacina.
presidente Deodoro da Fonseca fixou um decreto que limitou a b) Revolta da Armada. e) Guerra de Canudos.
participação popular.
c) Revolta Federalista.
d) a Constituição só considerava eleitores os cidadãos brasileiros
maiores de 21 anos, excluindo os analfabetos e também outras 07. (ESPCEX 2013) “O período da história política brasileira que
categorias. Com isso cerca de 80% da população não podia votar. vai de 1889 a 1930 costuma ser designado pelos historiadores de
e) as pessoas desiludidas com o sistema político vigente não se diferentes modos: República Oligárquica, República do “Café com
interessavam pelo comparecimento às urnas, pois sabiam que as Leite”, República Velha ou Primeira República. Neste período, em
eleições seriam fraudadas. troca de ‘favores’, os coronéis exigiam que os eleitores votassem nos
candidatos por eles indicados. Tal prática ficou conhecida como ‘voto
04. (CN 2011) Leia o texto a seguir. de cabresto’”
(COTRIM, 2009, modificado)
“A proclamação da República no Brasil foi, em grande parte,
resultado da aliança do café com a espada, isto é, dos cafeicultores As duas expressões grifadas (“coronéis” e “voto de cabresto”)
paulistas com os militares do Exército. (...) essa aliança ocorreu por referem-se, respectivamente:
motivos, antes de tudo, táticos, pois ambos os grupos, ainda que por a) aos grandes proprietários de terras e ao voto secreto.
razões diferentes, tinham um inimigo comum: o Império. Decretado
o seu fim, as divergências entre os cafeicultores e militares acabaram b) aos oficiais de carreira que exerciam cargos políticos e ao voto
vindo à tona, uma vez que as duas forças eram portadoras de projetos censitário.
políticos republicanos distintos.” c) à influência de oficiais do Exército na tomada de decisões políticas
(Cláudio Vicentino. História do Brasil. Pág 264.) e ao voto censitário.

130 PROMILITARES.COM.BR
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

d) aos grandes proprietários de terras e ao voto aberto dado sob


pressão. ANOTAÇÕES
e) aos grandes proprietários de terras e ao voto censitário.

08. (ESPCEX 2014) Durante o período conhecido por “República


Velha”, para assegurar a manutenção do controle das oligarquias
sobre a vida política do país foi criada pelo(a)(s)
a) Congresso Nacional a Comissão de Verificação de Poderes.
b) Governo Federal a Guarda Nacional, composta de grandes
proprietários rurais, que recebiam o título de coronéis.
c) presidentes estaduais, verdadeiros exércitos que impunham a
vontade popular contra a vontade política dos governantes.
d) Presidente da República, Prudente de Morais, primeiro presidente
civil e paulista, a política café com leite.
e) Constituição dos Estados Unidos do Brasil, o voto de cabresto,
que permitia transparência na escolha dos candidatos por parte
do eleitor.

09. (ESA 2012) Em 1906, os governadores de São Paulo, Minas Gerais


e Rio de Janeiro se reuniram e estabeleceram o Convênio de Taubaté,
que
a) pode ser considerado o marco inicial da “política dos governadores”.
b) defendeu medidas para incrementar a imigração europeia.
c) resultou na política de ampliação da produção cafeeira.
d) estabeleceu a primeira política de valorização do café.
e) caracteriza a fundação da “política do café com leite”.

10. (ESA 2010) Durante o governo de Marechal Deodoro da Fonseca,


seu ministro da fazenda, Rui Barbosa, adotou uma série de medidas
econômicas que ficou conhecida como “encilhamento”. Essa política
econômica estatal estava baseada em duas ações:
a) a abolição da escravatura e a abertura dos portos.
b) a emissão de papel moeda e a expansão do crédito.
c) o incentivo à imigração e o financiamento de casas próprias.
d) a especulação financeira e a criação de empresas fantasmas.
e) um programa de privatizações e a criação de um imposto único.

GABARITO
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
01. C 04. B 07. A 10. D
02. D 05. C 08. A
03. C 06. A 09. B
EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO
01. E 04. B 07. B 10. D
02. E 05. B 08. C
03. B 06. C 09. D
EXERCÍCIOS DE COMBATE
01. C 04. C 07. D 10. B
02. C 05. E 08. A
03. D 06. E 09. D

PROMILITARES.COM.BR 131
REPÚBLICA VELHA (POLÍTICA E ECONOMIA)

132 PROMILITARES.COM.BR