Você está na página 1de 53

SIMULADO

Procurador do Estado
SIMULADO – PROCURADOR DO ESTADO

1. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

José ingressou como servidor do Município “X” em 1980, sem concurso público e pelo
regime da Consolidação das Leis do Trabalho. No prazo adequado, e após a promulgação
da Constituição Federal de 1988, foi aprovado o estatuto dos servidores públicos daquele
ente federado, passando ele a ser servidor público estatutário, até sua exoneração.

Observado isso, é correto afirmar:

A) Como há dois períodos baseados em regimes diversos, prevalece aquele ocorrido por
último, o que determina a competência da Justiça comum.

B) Como se trata de servidor público municipal, mesmo em relação aos pedidos formulados
com base no regime celetista, a competência para julgamento é da justiça comum estadual.

C) A discussão a respeito da competência para conhecer os pedidos, tanto aqueles


decorrentes do regime celetista, como aqueles decorrentes do regime estatutário, envolve
competência em razão da matéria, a qual é relativa e não pode ser conhecida de ofício pelo
juiz.

D) Como o servidor público, no caso, foi admitido sem concurso público, não há qualquer
possibilidade de se acolherem pedidos formulados com base no regime estatutário, motivo
pelo qual somente poderá pleitear perante a justiça do trabalho.

E) O pedido referente às verbas trabalhistas, formulado com base na Consolidação das


Leis do Trabalho, é de competência da Justiça do Trabalho. Os pedidos formulados com
base na relação estatutária são de competência da justiça comum estadual.

2. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

São legitimados ativos para propor ação declaratória de constitucionalidade perante o


Supremo Tribunal Federal, dentre outros:

A) Presidente da República; Governadores dos Estados ou do Distrito Federal; Mesa da


Câmara dos Deputados; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e partido
político com representação no Congresso Nacional.

B) Presidente da República; Governadores dos Estados ou do Distrito Federal; Mesa do


Senado Federal; Mesa da Câmara dos Deputados e Tribunais de Justiça dos Estados
Membros e do Distrito Federal.
C) Presidente da República; Governadores dos Estados ou do Distrito Federal; Mesa do
Senado Federal, Mesa da Câmara dos Deputados e Mesa das Assembleias Legislativas
dos Estados e do Distrito Federal e Procuradores Gerais dos Estados Membros.

D) Presidente da República; Governadores dos Estados ou do Distrito Federal; Partidos


Políticos; Mesa do Senado Federal; Mesa da Câmara dos Deputados; Mesa das
Assembleias Legislativas dos Estados e do Distrito Federal e qualquer partido político com
registro no Tribunal Superior Eleitoral.

E) Governadores dos Estados ou do Distrito Federal; Mesa do Senado Federal, Mesa da


Câmara dos Deputados e Mesa das Assembleias Legislativas dos Estados e do Distrito
Federal e confederação sindical ou entidade de classe de âmbito regional.

3. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Ao servidor público da administração direta, autárquica e fundacional, no exercício de


mandato eletivo, aplicam-se as seguintes disposições, de acordo com o texto constitucional
vigente:

1. tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, ficará afastado de seu cargo,
emprego ou função.

2. investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, emprego ou função, sendo-


lhe facultado optar pela sua remuneração.

3. em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício de mandato eletivo, seu
tempo de serviço será contado para todos os efeitos legais, exceto para promoção por
merecimento.

4. para efeito de benefício previdenciário, no caso de afastamento, os valores serão


determinados como se no exercício estivesse.

Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.

A) São corretas apenas as afirmativas 1, 2 e 3.

B) São corretas apenas as afirmativas 1, 2 e 4.

C) São corretas apenas as afirmativas 1, 3 e 4.

D) São corretas apenas as afirmativas 2, 3 e 4.

E) São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e 4.


4. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Sobre o regime previdenciário próprio, previsto no artigo 40 da Constituição Federal, é


correto afirmar:

A) Envolve os servidores titulares em cargo efetivo e aqueles que ocupam, exclusivamente,


cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração.

B) A aposentadoria compulsória dos servidores abrangidos pelo regime de previdência


própria sempre ocorrerá aos setenta anos de idade, com proventos proporcionais ao tempo
de serviço.

C) A aposentadoria voluntária será possível quando cumprido tempo mínimo de cinco anos
de efetivo exercício no serviço público, observadas as condições de idade mínima.

D) Os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão reduzidos em cinco anos, para


o professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de
magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio.

E) É proibida a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de


aposentadoria aos abrangidos pelo regime próprio, ainda que em caso de servidores que
exerçam atividades de risco.

5. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

O Benefício de Prestação Continuada (BPC), previsto no texto constitucional e regulado na


Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS),

A) é devido ao idoso maior de 70 anos que comprove não possuir meios de prover a própria
manutenção nem de tê-la provida por sua família.

B) não se estende à pessoa com deficiência, ainda que comprove não possuir meios de
prover a própria manutenção.

C) pode ser acumulado apenas com aquele relativo à pensão por morte.

D) tem valor de um salário mínimo mensal, podendo ser majorado em até 25%, caso
comprovada a real necessidade.

E) deve ser revisto a cada dois anos para avaliação da continuidade das condições que lhe
deram origem.

6. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado


Conforme previsão constitucional sobre competência e organização da Justiça do Trabalho,

A) o Tribunal Superior do Trabalho é composto de 27 Ministros, escolhidos dentre


brasileiros com mais de 35 anos e menos de 70 anos, nomeados pelo Presidente da
República após aprovação pela maioria absoluta do Congresso Nacional.

B) em cada Estado e no Distrito Federal haverá ao menos um Tribunal Regional do


Trabalho, e a lei instituirá as Varas do Trabalho, abrangendo todas as comarcas,
extinguindo-se a atribuição residual de jurisdição trabalhista aos juízes de direito.

C) compete à Justiça do Trabalho processar e julgar as ações relativas às penalidades


administrativas impostas aos empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de
trabalho.

D) a execução, de ofício, das contribuições previdenciárias decorrentes das sentenças


proferidas nos órgãos da Justiça do Trabalho deverá ocorrer na Justiça Federal.

E) compete ao Supremo Tribunal Federal processar e julgar, originariamente, a reclamação


para a preservação da competência e garantia da autoridade das decisões do Tribunal
Superior do Trabalho.

7. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

A exploração direta de atividade econômica pelo Estado, nos limites delineados pela
Constituição da República,

A) sujeita-se às disposições da legislação antitruste relativas à prevenção e à repressão às


infrações contra a ordem econômica, mesmo quando exercida em regime de monopólio
legal.

B) atende a imperativos da segurança nacional ou relevante interesse público, ensejando,


assim, regime tributário essencialmente diverso do que se aplica aos agentes privados que
atuem no mesmo mercado competitivo.

C) sujeita-se apenas ao controle setorial, próprio das agências reguladoras, de forma


simétrica ao aplicável aos agentes privados, somente incidindo a legislação antitruste
quando atue em regime de monopólio legal ou natural.

D) não autoriza a atuação em regime de competição concorrencial com agentes privados,


mas apenas em caráter subsidiário, quando verificadas falhas de mercado, de molde a
corrigi-las ou mitigá-las.

E) não se submete ao controle instituído pela legislação antitruste, eis que tal controle é
voltado exclusivamente a agentes privados que explorem atividade econômica sujeita à
livre iniciativa.
8. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Maria de Oliveira efetuou inscrição definitiva na Ordem dos Advogados do Brasil logo após
sua colação de grau, no início de 1987. Vocacionada ao exercício da advocacia pública,
optou por dedicar-se exclusivamente aos estudos para o concurso da Procuradoria Geral
do Estado de São Paulo, tendo sido aprovada no concurso de 1993, ano em que tomou
posse e iniciou o exercício do cargo. Ultrapassados 25 anos de efetivo exercício do cargo
de Procuradora do Estado de São Paulo, Maria de Oliveira, que hoje conta 56 anos, solicitou
aposentadoria com lastro no artigo 3° da Emenda Constitucional n° 47/2005. No mesmo
instante, ciente de que lei estadual vigente quando de sua posse assegurava aos
Procuradores do Estado o cômputo do tempo de inscrição na OAB como tempo de serviço
público para todos os efeitos, apresentou certidão emitida por tal entidade ao setor de
recursos humanos, requerendo a contagem do período como tempo de contribuição.
Examinando o pleito, é possível concluir que a Procuradora do Estado de São Paulo

A) não faz jus à aposentadoria requerida, pois apenas solicitou averbação do tempo de
inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil em seus assentamentos funcionais após a
vigência da Emenda Constitucional n° 20/1998, que veda a contagem de tempo de
contribuição ficto.

B) não faz jus à aposentadoria requerida, pois a EC n° 20/1998, ao eleger o sistema de


capitalização para financiamento do Regime Próprio de Previdência Social, vedou a
contagem de tempo ficto.

C) não faz jus à aposentadoria requerida, pois apenas passou a recolher contribuições
previdenciárias para fins de aposentadoria quando de sua posse.

D) faz jus à aposentadoria requerida, pois o cômputo do período de inscrição na Ordem dos
Advogados do Brasil como tempo de contribuição não caracteriza contagem de tempo ficto.

E) faz jus à aposentadoria requerida, pois o artigo 4° da Emenda Constitucional n° 20/1998


consagrou o direito adquirido à qualificação jurídica do tempo.

9. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Ana Maria, titular de cargo efetivo, foi eleita vereadora do Município de São José do Rio
Preto. Assim que soube do fato, o órgão de recursos humanos a que se vincula solicitou à
Consultoria Jurídica orientações sobre a situação funcional da servidora caso viesse a
assumir o mandato eletivo. O Procurador do Estado instado a responder à consulta poderá
apresentar, sem risco de incorrer em equívoco, os seguintes esclarecimentos acerca da
situação:

A) caso haja compatibilidade de horários, a servidora fará jus à percepção das vantagens
do seu cargo, sem prejuízo da remuneração do mandato eletivo e, caso não haja
compatibilidade de horários, fará jus ao afastamento do cargo efetivo, com a faculdade de
optar pela melhor remuneração. O tempo de afastamento do cargo efetivo para exercício
de mandato eletivo será computado para todos os efeitos legais, exceto para promoção por
merecimento.

B) a servidora deverá afastar-se do cargo efetivo para exercer o mandato eletivo, com a
faculdade de optar pela melhor remuneração. O tempo de afastamento do cargo efetivo
para exercício de mandato eletivo será computado para todos os efeitos legais, exceto para
adicionais temporais e promoção por merecimento.

C) a servidora deverá afastar-se do cargo efetivo para exercer o mandato eletivo, fazendo
jus apenas à remuneração deste. O tempo de afastamento do cargo efetivo para exercício
de mandato eletivo será computado para todos os efeitos legais, exceto para promoção por
merecimento.

D) caso haja compatibilidade de horários, a servidora fará jus à percepção das vantagens
do seu cargo, sem prejuízo da remuneração do mandato eletivo e, caso não haja
compatibilidade de horários, fará jus ao afastamento do cargo efetivo, com a faculdade de
optar pela melhor remuneração. O tempo de afastamento do cargo efetivo para exercício
de mandato eletivo será computado para todos os efeitos legais, exceto para adicionais
temporais e promoção por merecimento.

E) a servidora deverá afastar-se do cargo efetivo para exercer o mandato eletivo, com a
faculdade de optar pela melhor remuneração. O tempo de afastamento do cargo efetivo
para exercício de mandato eletivo não será computado para fins de obtenção de quaisquer
vantagens funcionais.

10. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

José é servidor do estado de Pernambuco desde 1.º/3/2005. Além disso, é segurado do


RGPS, como contribuinte individual, desde 9/2/1990.

Considerando-se o entendimento dos tribunais superiores, nessa situação hipotética, José

A) incorre em ilegalidade, pois não é permitido ao servidor do estado estar vinculado,


concomitantemente, ao RGPS.

B) não poderá auferir a aposentadoria dos dois regimes de previdência, ainda que cumpra,
separadamente, os requisitos de cada um.

C) poderá auferir dois benefícios de aposentadoria, um de cada regime, tendo direito à


contagem em dobro do período exercido em concomitância.

D) não poderá requerer contagem recíproca do tempo de contribuição.

E) terá direito à contagem recíproca do tempo de contribuição apenas em relação aos


períodos que não foram exercidos em concomitância.
11. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Se determinado indivíduo impetrar mandado de segurança sobre matéria trabalhista contra


ato de governador de estado, tal mandado deverá ser processado e julgado pelo

A) tribunal de justiça local.

B) TRT local.

C) TRF local.

D) STJ.

E) STF.

12. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Com base nas disposições constitucionais a respeito da administração pública, assinale a


opção correta.

A) As funções de confiança devem ser exercidas por servidores ocupantes de cargo efetivo
e limitam-se a atribuições de direção, chefia, apoio e assessoramento.

B) Governadores de estado e desembargadores do tribunal de justiça local não podem


receber vencimentos superiores aos de deputado estadual.

C) O Poder Judiciário pode determinar a equiparação salarial de servidores públicos com o


aumento de salários para garantir a aplicação do princípio da isonomia.

D) Os direitos políticos do agente público que usa de seu cargo ou função para auferir
enriquecimento ilícito poderão ser suspensos e seus bens poderão ser decretados
indisponíveis.

E) Servidor público efetivo eleito vereador será, necessariamente, afastado de seu cargo.

13. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

A implantação de um conjunto habitacional de baixa renda por determinado Estado deve

A) passar por todas as instâncias de aprovação existentes, municipal, estadual e federal,


em face da inexistência de hierarquia entre os entes, não cabendo a exigência de
observância da legislação ambiental no caso de se tratar de empreendimento financiado
pelo programa Minha Casa Minha Vida.

B) obedecer a legislação ambiental vigente, dispensada, no entanto, a submissão às


normas municipais, especialmente zoneamento e plano diretor, por se tratar de ente público
hierarquicamente superior.

C) se submeter à legislação que rege o parcelamento do solo, dispensada, no entanto, a


previsão de áreas verdes e institucionais em razão da natureza do empreendimento.

D) observar a legislação municipal vigente, tendo em vista que inexiste hierarquia entre os
entes federados, devendo ser respeitada a repartição de competências constitucional.

E) se submeter às normas gerais federais que tratam sobre uso e ordenação do solo, em
face da hierarquia federativa, dispensada a observância de normas estaduais e municipais,
porque inferiores àquelas.

14. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

O princípio da separação de poderes, erigido como cláusula pétrea da Constituição da


República, traduzindo o sistema de freios e contrapesos do regime democrático, impõe
restrições à atividade do Poder Legislativo, entre as quais,

I. inconstitucionalidade de leis de iniciativa parlamentar instituindo programas de governo,


que estabeleçam competências ou atribuições específicas para órgãos da Administração.

II. vedação à apresentação de projetos de lei que gerem despesa, salvo na forma de
emenda à Lei Orçamentária Anual.

III. restrição ao poder de emendar projetos de iniciativa privativa do Chefe do Executivo


quando a emenda não guarde pertinência temática com a proposição original,
apresentando matéria diversa.

Está correto o que se afirma APENAS em

A) I e II.

B) I.

C) I e III.

D) III.

E) II e III.

15. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Dentro do sistema de proteção e preservação do meio ambiente, na forma prevista na


Constituição Federal, emerge o instituto dos espaços territoriais especialmente protegidos,
cuja instituição

A) não se sujeita à reserva de lei, porém, uma vez criados, ainda que por decreto, a
proteção ambiental assim instituída somente pode ser suprimida por lei em sentido formal.
B) importa sempre em vedação à utilização da área correspondente para qualquer atividade
privada, bem como a realização de intervenções ou obras, sendo erigida à categoria de
parque nacional.

C) deve estar adstrita às normas editadas pela União sobre unidades de conservação, vez
que todas terão status de federais, observados os requisitos correspondentes a cada
categoria.

D) se dá, obrigatoriamente, por lei de âmbito estadual, no exercício da competência


concorrente para dispor sobre normas gerais em matéria ambiental.

E) somente pode se dar mediante lei da União, no uso da competência privativa para
legislar sobre direito civil, dado que o instituto não corresponde a restrição ambiental stricto
sensu, mas sim a restrição à propriedade.

16. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Proposta ação direta de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal,

A) o autor poderá desistir da ação apenas enquanto não juntado aos autos do processo o
parecer emitido pelo Procurador-Geral da República.

B) o Advogado-Geral da União não será citado para a defesa do ato normativo impugnado
quando esse tiver sido editado em âmbito estadual.

C) a decisão sobre a constitucionalidade ou a inconstitucionalidade do ato normativo


impugnado poderá ser tomada na hipótese de estarem presentes na sessão apenas oito
Ministros, podendo ser declarado inconstitucional, com efeitos vinculantes, pelo voto de
cinco dos presentes.

D) o Tribunal poderá conceder medida cautelar com eficácia contra todos, mas não para
alcançar atos jurídicos praticados anteriormente à decisão judicial.

E) a concessão de medida cautelar pelo Tribunal torna aplicável a legislação anterior acaso
existente, salvo expressa manifestação em sentido contrário.

17. Ano: 2017 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-SE / Procurador do Estado

Determinado estado da Federação promulgou sua lei orçamentária anual, a qual teve sua
constitucionalidade contestada em sede de controle abstrato de constitucionalidade, sob o
argumento de que ela não teria dado oportunidade, na fase de elaboração do seu texto, de
participação aos cidadãos, bem como que teria desrespeitado os marcos temporais do ciclo
orçamentário estabelecidos pela lei estadual a que deu aplicação.

Quanto à situação hipotética apresentada, assinale a opção correta.


A) É admissível, segundo entendimento do STF, o controle abstrato de constitucionalidade
de lei orçamentária anual, independentemente do caráter abstrato ou concreto do seu
objeto.

B) A constitucionalidade da lei em questão não poderia ter sido questionada, uma vez que
o orçamento participativo não tem previsão legal.

C) A constitucionalidade da lei em apreço foi corretamente questionada, pois os estados


devem cumprir o prazo de envio e devolução do projeto de lei orçamentária, sendo
impedidos de fixar outros marcos temporais.

D) A participação popular é prevista apenas na fase de discussão do projeto de lei


orçamentária, não sendo extensiva à fase de elaboração do texto legal.

E) A declaração de inconstitucionalidade da lei possibilitará a aplicação de lei municipal


suplementar que verse sobre direito financeiro, mesmo que inexista interesse local.

18. Ano: 2017 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-SE / Procurador do Estado

A câmara municipal de Aracaju, preocupada com o risco de acidentes ambientais e com a


saúde da população, publicou uma lei decretando a impossibilidade, nos limites do
município, de instalação de empresas que lidem com materiais nucleares, bem como de
realização de atividades que envolvam esses materiais.

Nesse caso, considerando-se a legislação pertinente, a norma municipal publicada é

A) constitucional, pois compete aos municípios legislar sobre assuntos de interesse local.

B) inconstitucional, uma vez que a competência sobre o assunto é concorrente à União,


aos estados e ao DF.

C) inconstitucional, já que a competência sobre o assunto é supletiva dos estados.

D) inconstitucional, haja vista que a competência sobre o assunto é privativa da União.

E) constitucional, porque a competência sobre o assunto é concorrente à União, aos


estados, ao DF e aos municípios.

19. Ano: 2017 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-SE / Procurador do Estado

O CNJ, órgão do Poder Judiciário que possui somente atribuições de natureza


administrativa,

A) poderá, apenas por provocação, rever processos disciplinares de membros de tribunais,


sem nenhum limite temporal.
B) não terá competência para zelar pela autonomia do Poder Judiciário.

C) é composto por membros com mandato de quatro anos, admitindo-se uma reeleição.

D) é presidido pelo presidente do STF ou, na sua ausência, pelo presidente do STJ.

E) poderá, de ofício, rever processos disciplinares de juízes julgados há menos de um ano.

20. Ano: 2017 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-SE / Procurador do Estado

Embora o sistema brasileiro não admita o controle jurisdicional da constitucionalidade


material dos projetos de lei, a jurisprudência do STF reconhece, excepcionalmente, que
tem legitimidade para impetrar mandado de segurança

A) o parlamentar ou o MP, em se tratando de proposta de emenda à CF ou projeto de lei


tendente a abolir cláusula pétrea.

B) qualquer cidadão ou o MP, se o projeto de lei tender a abolir cláusula pétrea.

C) apenas o MP, caso se trate exclusivamente de proposta de emenda à CF tendente a


abolir cláusula pétrea.

D) o parlamentar, para impugnar inconstitucionalidade formal no processo legislativo ou


proposição tendente a abolir cláusulas pétreas.

E) a mesa de qualquer uma das casas legislativas, para impugnar inconstitucionalidade


formal no processo legislativo ou proposta de emenda à CF tendente a abolir cláusulas
pétreas.

21. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Em relação ao processo administrativo disciplinar, é correto afirmar:

A) As nulidades ocorridas durante a sindicância investigativa ou preparatória maculam o


próprio Processo Administrativo Disciplinar, porquanto é ela – sindicância – que dá ensejo
à aplicação de penalidades disciplinares.

B) Ofende o princípio da ampla defesa e do contraditório, previstos na Constituição Federal


e aplicáveis aos processos judiciais e administrativos, a falta de defesa técnica por
advogado no processo administrativo disciplinar.

C) Doutrina e jurisprudência afirmam, de modo contundente, que no tocante ao controle


jurisdicional de processos administrativos, o Poder Judiciário pode, e deve, atuar com
ampla liberdade, ultrapassando o exame da mera legalidade do ato atacado.

D) A regra da independência entre as esferas penal e administrativa, consagrada em nosso


ordenamento jurídico, aponta que somente haverá repercussão, no processo administrati-
vo, quando a instância penal manifestar-se pela inexistência material do fato ou pela
negativa de sua autoria.

E) Não há necessidade de processo administrativo disciplinar para a imposição de


demissão ao funcionário estável quando ele, intimado para responder a sindicância
investigativa, não se manifestar no prazo legal.

22. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

De acordo com a Lei n° 8.666/1993 e suas alterações posteriores, no que tange ao contrato
administrativo:

1. Deve mencionar os nomes das partes e os de seus representantes, a finalidade, o ato


que autorizou a sua lavratura, o número do processo da licitação, da dispensa ou da
inexigibilidade, a sujeição dos contratantes às normas da Lei n° 8.666/1993 e às cláusulas
contratuais.

2. É permitido a qualquer licitante o conhecimento dos termos do contrato e do respectivo


processo licitatório e, a qualquer interessado, a obtenção de cópia autenticada, mediante o
pagamento dos emolumentos devidos.

3. As cláusulas econômico-financeiras e monetárias poderão ser alteradas, ainda que sem


a prévia concordância do contratado, para que se mantenha o equilíbrio contratual, em
observância ao princípio da supremacia do interesse público sobre o interesse privado.

4. A Administração tem a prerrogativa de modificá-los, unilateralmente, para melhor


adequação às finalidades de interesse público, respeitados os direitos do contratado;
rescindi-los, unilateralmente, nos casos especificados na Lei n. 8.666/1993 e aplicar
sanções em caso de inexecução total ou parcial do ajuste.

Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.

A) São corretas apenas as afirmativas 1, 2 e 3.

B) São corretas apenas as afirmativas 1, 2 e 4.

C) São corretas apenas as afirmativas 1, 3 e 4.

D) São corretas apenas as afirmativas 2, 3 e 4.

E) São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e 4.

23. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Acerca do regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos, previsto


na Lei nº 8.987/1995 e suas alterações posteriores, é correto afirmar:
A) A concessão de serviço público consiste na delegação, a título precário, da prestação
de serviços públicos, feita pelo poder concedente (União, Estados, Distrito Federal e
Municípios) à pessoa física ou jurídica que demonstre capacidade para seu desempenho,
por sua conta e risco.

B) A permissão de serviço público corresponde à delegação de sua prestação, feita pelo


poder concedente (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) à pessoa jurídica ou
consórcio de empresas que demonstre capacidade para seu desempenho, por sua conta e
risco e por prazo determinado.

C) O serviço adequado é aquele que satisfaz as condições de regularidade, continuidade,


eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação, ainda que exija
do usuário, a título de contraprestação, tarifa de caráter elevado.

D) Toda concessão de serviço público, precedida ou não da execução de obra pública, será
objeto de prévia licitação, nos termos da legislação própria e com observância dos
princípios da legalidade, moralidade, publicidade, igualdade, do julgamento por critérios
objetivos e da vinculação ao instrumento convocatório.

E) Não se caracteriza como descontinuidade do serviço a sua interrupção em situação de


calamidade pública, emergência, grave perturbação da ordem ou, ainda, após prévio aviso,
quando motivada por razões de inadimplemento do usuário, falta justificada de pessoal ou
greve.

24. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Identifique abaixo as afirmativas verdadeiras ( V ) e as falsas ( F ) em relação à parceria


público-privada, conforme previsto na Lei n. 11.079/2004 e suas alterações posteriores.

( ) Na contratação de parceria público-privada será observada a eficiência no cumprimento


das missões de Estado e no emprego dos recursos da sociedade, bem como a
transparência dos procedimentos e das decisões.

( ) O contrato de parceria público-privada deve prever o prazo de sua vigência, compatível


com a amortização dos investimentos realizados, não inferior a 5, nem superior a 35 anos,
incluindo eventual prorrogação.

( ) O contrato de parceria público-privada deve dispor acerca da repartição de riscos entre


as partes, inclusive os referentes a caso fortuito, força maior, fato do príncipe e álea
econômica extraordinária.

( ) O contrato de parceria público-privada não poderá prever o pagamento ao parceiro


privado de remuneração variável vinculada ao seu desempenho, conforme metas e padrões
de qualidade e disponibilidade previamente definidos.
( ) A parceria público-privada é o contrato administrativo de concessão, cuja contratação
deve ser precedida de licitação na modalidade de concorrência ou tomada de preços.

Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.

A) V • V • V • F • F

B) V • V • F • F • F

C) F • V • V • F • V

D) F • F • V • V • V

E) F • F • F • V • V

25. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Em relação ao Estatuto Jurídico das Empresas Públicas, das Sociedades de Economia


Mista e suas subsidiárias,

A) a sociedade de economia mista poderá solucionar, mediante arbitragem, as divergências


entre acionistas e a sociedade, ou entre acionistas controladores e acionistas minoritários,
nos termos previstos em seu estatuto social.

B) a exploração de atividade econômica pelo Estado será exercida por meio de empresa
pública, de sociedade de economia mista e por meio de cooperativas.

C) a constituição de empresa pública ou de sociedade de economia mista não depende de


autorização legal prévia, pois o fato caracterizaria afronta aos princípios da livre iniciativa e
do interesse social.

D) sociedade de economia mista é a entidade dotada de personalidade jurídica de direito


público, com criação autorizada por lei, sob a forma de sociedade anônima, cujas ações
com direito a voto pertençam em sua maioria à União, aos Estados, ao Distrito Federal, aos
Municípios ou a entidade da administração indireta.

E) a sociedade de economia mista e as empresas públicas constituir-se-ão sob a forma de


sociedades por responsabilidade limitada, a elas se aplicando subsidiariamente as normas
do Código Civil.

26. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

O Tribunal de Justiça de determinado Estado celebrou contrato com empresa


especializada, para prestar serviço educacional nas modalidades de creche e pré-escola,
em estabelecimento escolar mantido pelo Tribunal, dedicado ao atendimento de filhos de
seus servidores. Durante a prestação do serviço, um dos alunos empurrou o colega do alto
de um escorregador, causando-lhe ferimentos graves e gerando sequelas para a criança
acidentada. Nessa situação, no tocante à responsabilidade civil,

A) trata-se de hipótese em que o ente estatal não será responsabilizado, visto que se trata
de ato de terceiro, a excluir o nexo causal entre a atividade estatal e o dano.

B) há responsabilidade objetiva da empresa contratada, sendo que não haverá


responsabilização estatal, visto que o serviço era prestado em benefício de terceiros.

C) haverá responsabilização civil dos pais do causador direto do dano, pois este é menor e
civilmente irresponsável.

D) é cabível a responsabilização estatal, com base na teoria da culpa do serviço, em vista


do funcionamento deficiente do serviço público.

E) não haverá responsabilização do ente estatal, visto que a situação não se enquadra
entre as hipóteses de responsabilização por atos praticados pelo Poder Judiciário.

27. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Acerca da participação de cooperativas em licitações e contratações públicas, a legislação


nacional dispõe que:

A) cooperativas formadas exclusivamente por pessoas físicas de baixa renda reconhecidas


pelo poder público como catadores de materiais recicláveis podem ser contratadas com
dispensa de licitação, para coleta, processamento e comercialização de resíduos sólidos
urbanos recicláveis ou reutilizáveis, em áreas com sistema de coleta seletiva de lixo.

B) em igualdade de condições, como critério de desempate, será assegurada preferência,


aos bens e serviços produzidos por cooperativas.

C) os atos de convocação não podem restringir a participação de cooperativas, sendo


admissível que estabeleçam preferência para as cooperativas que atuem em âmbito local.

D) aplica-se regra de empate ficto às propostas apresentadas pelas cooperativas que sejam
iguais ou até 10% (dez por cento) superiores à proposta mais bem classificada.

E) a contratação de cooperativas implica em responsabilidade solidária do ente contratante


em relação aos direitos trabalhistas e previdenciários dos cooperados.

28. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Considere que, visando realizar obras de saneamento básico, o Estado do Amapá edita
decreto no qual declara a utilidade pública, para fins de desapropriação, de imóvel
residencial urbano habitado pelo respectivo proprietário, em favor da Companhia de Água
e Esgoto do Amapá (CAESA). A referida empresa estatal ajuíza a ação de desapropriação
e, na petição inicial, alega urgência e requer a imissão provisória no imóvel expropriando.
Nesse caso,

A) não deve ser concedida a imissão provisória, visto que a urgência deveria ser
previamente declarada no decreto de utilidade pública.

B) se houver impugnação pelo expropriado, haverá arbitramento de indenização provisória


pelo juiz, que somente autorizará a imissão, se o expropriante complementar o depósito
para que este atinja a metade do valor arbitrado.

C) não é possível imissão provisória, pois o direito à moradia se sobrepõe à conveniência


da Administração Pública.

D) deve haver a citação do expropriado antes da decisão sobre a imissão provisória na


posse.

E) a empresa estatal nunca terá competência para ajuizar ação de desapropriação, que
deve ser proposta diretamente pelo ente que emitiu o decreto de utilidade pública.

29. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

De acordo com as disposições da Lei Federal n° 13.303/2016, que estabelece o estatuto


jurídico das empresas estatais,

A) a participação de empresas públicas e sociedades de economia mista no capital social


de empresas privadas é vedada, salvo para operações de tesouraria e adjudicações de
ações em garantia mediante autorização legal específica.

B) a explicitação do interesse coletivo ou imperativo de segurança nacional que justifica a


criação de tais entidades deve constar da lei que autoriza sua constituição apenas quando
se tratar de empresa pública.

C) a exigência de autorização legislativa, prevista para criação de empresa pública e


sociedade de economia mista, não se impõe para a criação de subsidiária integral de tais
entidades, salvo se caracterizada como sociedade de propósito específico.

D) as sociedades de economia mista são constituídas, obrigatoriamente, sob a forma de


sociedade anônima e, ainda que sob a modalidade de capital fechado, devem adotar as
normas da Comissão de Valores Mobiliários sobre escrituração e elaboração de
demonstrações financeiras.

E) a natureza de empresa pública, conquanto pressuponha que a integralidade do capital


social seja detida pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, fica
afastada quando ocorra o ingresso, como outros acionistas, de pessoas jurídicas de direito
interno ou entidades da administração indireta do mesmo ente.
30. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Firmado um contrato de parceria público-privada – PPP, na modalidade concessão


patrocinada, tendo por objeto a construção e operação de uma linha metroviária, suponha
que tenha ocorrido atraso no cumprimento do cronograma de obras estabelecido
contratualmente, em face da não imissão na posse de terrenos objeto de desapropriação
judicial. Nesse cenário, considere que o parceiro privado venha a pleitear o reequilíbrio
econômico-financeiro do contrato, apontando frustração de receitas pela redução do prazo
efetivo de operação, além de custos de mobilização.

Considerando as disposições da legislação de regência, o pleito de reequilíbrio seria

A) incabível, eis que, em contratos de PPP, o pleito de reequilíbrio somente é oponível ao


poder concedente após iniciada a fase de operação ou a efetiva disponibilização de
parcelas fruíveis do objeto.

B) cabível apenas se verificada a ocorrência de evento que caracterize fato do príncipe,


único risco passível de alocação ou imputação ao poder concedente em tal modalidade
contratual.

C) incabível, eis que, em tal modalidade contratual, a única forma de mitigar os riscos
suportados pelo parceiro privado é mediante a modulação da contraprestação,
considerando-se como parcela fruível aquela prevista no cronograma físico-financeiro
fixado contratualmente, independentemente da efetiva execução.

D) inviável, eis que, em se tratando de uma modalidade contratual, que é espécie do gênero
concessão, a exploração do objeto dar-se-á, integralmente, por conta e risco do
concessionário, vedada a alocação de riscos econômicos ao parceiro público.

E) cabível, desde que a matriz de riscos do contrato tenha alocado o risco de atraso da
disponibilização dos terrenos ao poder concedente, existindo, em tal modalidade contratual,
ampla margem legal para estabelecer a divisão dos riscos entre as partes.

31. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Com a notícia de que determinado servidor titular de cargo efetivo solicitara vantagem
indevida em razão de sua função, a Administração Pública instaurou apuração preliminar
com o fito de colher elementos acerca da autoria e da materialidade de eventual falta
funcional. Antes mesmo de a apuração preliminar ser concluída, sentença penal que
condenou o servidor pelo crime de corrupção passiva, sem declaração de perda do cargo,
alcançou o trânsito em julgado. Diante disso, é possível afirmar que a condenação na esfera
criminal:

A) repercutirá no âmbito disciplinar, mas a aplicação de pena funcional depende da prévia


instauração de procedimento administrativo disciplinar em que seja apurado o ilícito e
garantida ampla defesa ao servidor.
B) não repercutirá na seara administrativa se não houver determinação expressa nesse
sentido no corpo do julgado. No silêncio da decisão judicial, a apuração preliminar deve
seguir seu curso normal e, na hipótese de instauração de processo administrativo
disciplinar, a autoridade administrativa poderá, inclusive, concluir pela não caracterização
do ilícito funcional.

C) implica reconhecimento automático da prática de infração disciplinar e, nesse caso, o


princípio da economia processual autoriza que a condenação administrativa se dê no bojo
da apuração preliminar, desde que assegurada ampla defesa.

D) não repercute na esfera administrativa, de modo que a apuração preliminar deve seguir
seu curso normal e, na hipótese de instauração de processo administrativo disciplinar, a
autoridade administrativa poderá, motivadamente, concluir pela não caracterização da falta
funcional e absolver o servidor.

E) repercute imediata e automaticamente no âmbito disciplinar, de forma que a autoridade


administrativa deverá declarar a perda do cargo público e reconhecer a caracterização da
falta funcional.

32. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Antônio Joaquim foi aprovado em concurso público e, nomeado para cargo efetivo, iniciou
exercício em 12 de janeiro de 2015. Um ano depois, sem ter sido exonerado do cargo
efetivo, iniciou exercício de cargo em comissão no âmbito do órgão em que está lotado,
situação que se mantém até os dias de hoje. Ultrapassados três anos desde que iniciou o
exercício do cargo efetivo, a Administração ainda não concluiu sua avaliação de
desempenho. Nesse cenário, é possível afirmar:

A) somente depois de concluída a avaliação de desempenho pela chefia imediata de


Antônio Joaquim, o servidor poderá ser considerado estável.

B) assim que adquirir a estabilidade no cargo, Antônio Joaquim somente poderá perder o
cargo efetivo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou mediante
procedimento de avaliação periódica de desempenho.

C) decorridos três anos de efetivo exercício, Antônio Joaquim tornou-se automaticamente


estável.

D) a nomeação de Antônio Joaquim para exercer cargo em comissão é regular.

E) enquanto não concluído o estágio probatório, Antônio Joaquim poderá ser exonerado de
ofício, sem oportunidade de defesa, porque a exoneração não constitui penalidade
disciplinar.

33. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado


Segundo o entendimento do STF, a responsabilidade civil do Estado pela morte de detento
sob sua custódia é

A) objetiva, com base na teoria do risco integral, sem a possibilidade de aplicação de causas
excludentes de responsabilidade.

B) subjetiva, tanto para as condutas estatais comissivas quanto para as omissivas.

C) objetiva, com base na teoria do risco administrativo, mas apenas em relação às condutas
estatais comissivas.

D) subjetiva, com base na teoria da falta do serviço, no caso de omissão estatal.

E) objetiva, com base na teoria do risco administrativo, em caso de inobservância do seu


dever constitucional específico de proteção, tanto para as condutas estatais comissivas
quanto para as omissivas.

34. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Conforme a Lei de Improbidade Administrativa, configura ato de improbidade administrativa


que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que
viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições, em
especial,

A) perceber vantagem econômica para intermediar a liberação de verba pública de qualquer


natureza.

B) utilizar, em obra particular, máquinas de propriedade de entidades da administração


pública indireta estadual.

C) frustrar a licitude de processo seletivo para a celebração de parcerias com entidades


sem fins lucrativos.

D) realizar operação financeira sem a observância das normas legais e regulamentares.

E) deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo.

35. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

De acordo com a conceituação dada pela doutrina pertinente, o ato administrativo unilateral,
discricionário e precário pelo qual a administração consente na utilização privativa de bem
público para fins de interesse público é denominado

A) permissão de uso de bem público.

B) autorização de uso de bem público.

C) concessão de direito real de uso de bem público.


D) concessão de uso de bem público.

E) cessão de uso de bem público.

36. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Acerca dos contratos administrativos, julgue os itens a seguir.

I No caso de atrasos dos pagamentos devidos pela administração contratante, superiores


a noventa dias, é possível a aplicação, pelo contratado, da exceção do contrato não
cumprido, salvo em casos excepcionais, como calamidade pública ou guerra.

II A modificação do regime de execução da obra para melhor adequação técnica constitui


hipótese de alteração unilateral do contrato.

III Aos contratos administrativos de prestação de serviços contínuos com dedicação


exclusiva de mão de obra aplica-se o reajuste por índices.

IV É cláusula necessária dos contratos administrativos a que estabelece as penalidades


cabíveis para as situações de sua inexecução parcial ou total.

Assinale a opção correta.

A) Apenas os itens I e II estão certos.

B) Apenas os itens I e IV estão certos.

C) Apenas os itens II e III estão certos.

D) Apenas os itens III e IV estão certos.

E) Todos os itens estão certos.

37. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Considere que determinada Municipalidade precise desapropriar um terreno para


instalação de um equipamento público. Durante a avaliação pericial da área para
identificação do valor do imóvel foi apurado que o terreno apresentava contaminação do
solo, decorrente da destinação pelo proprietário para atividades não autorizadas. O ente
público expropriante

A) poderá pleitear a dedução do custo de descontaminação do valor da indenização, já que


havia responsabilidade do dono do terreno pela observância da legislação ambiental
vigente.

B) poderá desistir da desapropriação, diante do vício de legalidade, cabendo, contudo,


indenização em favor do proprietário do terreno, por não ter dado causa à desistência da
área, esta que constituiu decisão discricionária do ente.
C) deverá necessariamente arcar com os custos de descontaminação, que não podem ser
imputados no valor da avaliação, sendo inerentes ao risco da aquisição.

D) pode pleitear que a indenização devida ao proprietário da área seja posterior à


desapropriação, e não prévia, como usual, em razão da necessidade de ser incluído o custo
de descontaminação da área.

E) deve desistir da desapropriação, já que o valor estimado da indenização será


necessariamente superado em razão do custo de indenização.

38. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Na hipótese de um servidor público patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado


perante a Administração, dando causa à instauração de licitação ou à celebração de
contrato, cuja invalidação vier a ser decretada pelo Poder Judiciário,

A) o agente terá praticado crime de advocacia administrativa, previsto no art. 321, do Código
Penal.

B) em razão do crime ser de menor potencial ofensivo, são cabíveis a transação penal e a
suspensão condicional do processo.

C) o delito praticado é punível tanto na modalidade dolosa como na culposa.

D) a instauração de licitação é mero exaurimento do crime, não sendo obrigatória a sua


ocorrência para a consumação do crime.

E) o delito praticado é punível com reclusão.

39. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

O Governo do Estado pretende que a iniciativa privada administre, mediante contrato, os


terminais de ônibus intermunicipais existentes no Estado, sendo que, em contrapartida dos
gastos de manutenção, os empresários possam explorar, por prazo determinado, a área
dos terminais com a construção de lojas, escritórios, hotéis etc. Pelas características
anunciadas, o negócio deve ser enquadrado como

A) autorização de uso de bem público.

B) concessão de uso de bem público.

C) permissão de uso de bem público.

D) direito de superfície.

E) outorga onerosa de potencial construtivo.


40. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Sobre a responsabilidade do agente público e de particulares a ele associados por atos de


improbidade, é correto afirmar, à luz da legislação pertinente e da jurisprudência dominante
dos Tribunais:

A) Em vista do silêncio da Lei Federal no 8.429/1992, considera-se imprescritível a


pretensão de impor sanções aos particulares que atuarem em conluio com os agentes
públicos em atos de improbidade.

B) É cabível o trancamento de ação de improbidade por meio de habeas corpus.

C) Por força de norma vigente do Código de Processo Penal, aplicam-se à ação de


improbidade as regras relativas à prerrogativa de foro em razão do exercício de função
pública.

D) É nula a abertura de inquérito civil para apuração de ato de improbidade, em razão de


indícios obtidos a partir de denúncia anônima.

E) A decretação da indisponibilidade de bens do demandado, quando presentes fortes


indícios de responsabilidade pela prática de ato ímprobo, independe de comprovação do
periculum in mora.

41. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Assinale a alternativa correta a respeito do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação


de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e
Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

A) Incide o ICMS sobre a alienação de salvados de sinistro pelas seguradoras.

B) Empresas do ramo da construção civil estão obrigadas a pagar ICMS sobre mercadorias
adquiridas como insumos em operações interestaduais.

C) É legítima a cobrança de ICMS com base no valor da mercadoria submetido ao regime


de pauta fiscal.

D) Os descontos incondicionais em operações mercantis não se incluem na base de cálculo


do ICMS.

E) O deslocamento de bens ou mercadorias entre estabelecimentos de uma mesma


empresa constitui fato gerador do ICMS.

42. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Assinale a alternativa correta acerca do processo tributário.


A) É lícita a exigência de depósito prévio como requisito de admissibilidade de ação judicial
na qual se pretenda discutir a exigibilidade de crédito tributário.

B) O mandado de segurança não constitui via processual adequada para a declaração do


direito à compensação tributária.

C) É admitida a impetração de mandado de segurança para convalidação de compensação


tributária realizada pelo contribuinte.

D) Em ações de execução fiscal, é obrigatória a instrução da petição inicial com o


demonstrativo de cálculo do débito, por se tratar de requisito previsto em lei.

E) O contribuinte pode escolher por receber, por meio de precatório ou de compensação, o


indébito tributário certificado por sentença declaratória transitada em julgado.

43. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Com base na legislação, assinale a alternativa correta a respeito do processo administrativo


fiscal federal.

A) Os prazos processuais serão contínuos, incluindo-se na sua contagem o dia do início e


excluindo-se o do vencimento.

B) Apenas o sujeito passivo poderá formular consultas sobre dispositivos da legislação


tributária aplicáveis a fato determinado, sendo vedada a formulação de consultas por
órgãos da Administração e por entidades representativas de categorias econômicas ou
profissionais.

C) Na hipótese de decisão definitiva favorável ao sujeito passivo, cumpre à autoridade


preparadora, de ofício, exonerá-lo dos gravames decorrentes do litígio.

D) O auto de infração será lavrado por servidor competente, no local da verificação da falta,
e conterá obrigatoriamente o montante do crédito tributário, além do prazo para
recolhimento ou impugnação.

E) A impugnação da exigência, que instaura a fase litigiosa do procedimento fiscal, deverá


ser apresentada ao órgão preparador no prazo de quinze dias, contados da data em que
for feita a intimação da exigência.

44. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Considere hipoteticamente que tendo assumido o compromisso de buscar alternativas para


recuperar parte dos expressivos montantes registrados a título de Dívida Ativa, o
Procurador-Geral do Estado do Amapá determinou que as certidões de dívida ativa que se
enquadrassem em determinadas circunstâncias de valor e data de registro deveriam ser
imediatamente enviadas a protesto no Tabelionato de Protesto de Títulos da Capital.

Assim procedendo, o Procurador-Geral teria errado, pois

A) o protesto deveria ser realizado no local do domicílio do devedor.

B) o protesto deveria ser realizado no local do fato gerador do tributo.

C) a constituição do devedor em mora é satisfeita pela emissão da CDA, sendo qualquer


protesto subsequente abusivo.

D) o único meio apto para o recebimento de créditos públicos inadimplidos é a execução


fiscal em juízo.

E) o pagamento prévio de emolumentos, taxas e outras despesas tornaria antieconômica a


via eleita

45. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Dentre as regras essenciais para o lançamento e cobrança do ICMS, encontram-se aquelas


que dizem respeito ao local da operação ou da prestação, à definição do estabelecimento
responsável, ao momento da ocorrência do fato gerador e à determinação de sua base de
cálculo. De acordo com a Lei Complementar federal nº 87/1996, local da operação, para os
efeitos da cobrança do imposto e definição do estabelecimento responsável é, tratando-se
de mercadoria ou bem,

A) o do estabelecimento que transfira a propriedade de mercadoria por ele adquirida no


país, e que por ele não tenha transitado; a base de cálculo é o valor da aquisição da
mercadoria, acrescida de um IVA de até 20%, e considera-se ocorrido o fato gerador no
momento da transmissão da sua propriedade.

B) importado do exterior, o do local em que se encontrar a repartição que processar o


despacho aduaneiro; a base de cálculo é o valor da operação, podendo ser aplicado um
IVA de até 80% sobre esse valor, em substituição aos impostos e encargos incidentes na
importação, e considera-se ocorrido o fato gerador no momento da saída da mercadoria da
repartição aduaneira que processou o despacho e desembaraçou a mercadoria.

C) importado do exterior, o do domicílio do adquirente, quando não estabelecido; a base de


cálculo é o valor da operação, determinado com base no valor da mesma mercadoria, ou
de mercadoria equivalente, no local do desembaraço aduaneiro, e considera-se ocorrido o
fato gerador no momento do seu efetivo recebimento pelo adquirente, ou da entrega da
mercadoria em seu domicílio.

D) aquele onde seja realizada a licitação, no caso de arrematação de mercadoria importada


do exterior e apreendida; a base de cálculo é o valor da operação acrescido do valor dos
impostos de importação e sobre produtos industrializados e de todas as despesas cobradas
ou debitadas ao adquirente e considera-se ocorrido o fato gerador no momento do
desembaraço aduaneiro.
E) o do Estado onde estiver localizado o adquirente, nas operações interestaduais com
energia elétrica, quando não destinada à industrialização ou à comercialização; a base de
cálculo é o valor da operação de que decorrer essa entrada, e considera-se ocorrido o fato
gerador no momento da entrada da energia elétrica no território do Estado do adquirente.

46. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Um determinado Estado concedeu desconto de 80% sobre as multas moratórias aplicáveis


aos contribuintes devedores do ICMS, desde que eles (1) requeressem esse benefício até
o dia 30/06/2010, (2) confessassem expressamente o débito do imposto e dos encargos
incidentes sobre ele, e (3) efetuassem o pagamento de todo o crédito tributário devido, com
o referido desconto, em, no máximo, 12 parcelas consecutivas. O não pagamento de
qualquer parcela, na data de vencimento, autorizaria a Fazenda Pública estadual a romper
o acordo e a ingressar, imediatamente, com ação de execução fiscal, para cobrança do
valor remanescente, objeto de confissão.

Determinada empresa requereu o benefício em 25/10/2010, relativamente a um débito


líquido e certo, constituído definitivamente no mês de maio de 2006, confessou o débito na
mesma data, mas só pagou a primeira das 12 parcelas. Em razão disso, foi proposta a ação
de execução fiscal, e a empresa em questão foi regularmente citada em 10/02/2014. Ao
oferecer seus embargos à execução, dias depois de sua citação, ela alegou, entre outras
coisas, a ocorrência de prescrição. A decisão de primeira instância só foi proferida em
março de 2016. A tramitação do processo nunca parou.

Tendo em vista as normas do Código Tributário Nacional acerca desta matéria, na data em
que foi proferida a referida sentença,

A) ainda não tinha ocorrido a prescrição.

B) já tinha ocorrido a prescrição, em maio de 2011.

C) já tinha ocorrido a prescrição, em junho de 2015.

D) ainda não tinha ocorrido a prescrição, mas tinha ocorrido a decadência.

E) já tinha ocorrido a prescrição, na data do oferecimento dos embargos pelo executado.

47. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Em execução fiscal, Antônio, sócio-gerente de empresa contribuinte encerrada de forma


irregular, é responsabilizado, nos termos do art. 135, III, do Código Tributário Nacional, por
crédito tributário, cujo fato gerador ocorrera quatro anos antes da citação pessoal de
Antônio. Como defesa, Antônio aduz, em exceção de pré-executividade, que o
inadimplemento do crédito tributário exequendo não decorreu de fato que lhe pudesse ser
imputado.
Com base na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, é correto afirmar que a
exceção de pré-executividade

A) é cabível para excluir o sócio, pois a execução fiscal fora ajuizada contra a empresa
contribuinte, sendo inviável a responsabilização posterior ao ajuizamento.

B) não é cabível, pois, em se tratando de matéria de defesa do sócio responsabilizado,


pode ser aduzida somente por meio de recurso contra o despacho que o incluiu no polo
passivo da execução.

C) é cabível, pois, em se tratando de responsabilidade do sócio, todos os fundamentos do


responsabilizado podem ser apreciados de ofício pelo juiz.

D) é cabível, desde que o crédito exequendo tenha sido constituído de ofício, circunstância
em que a ausência de culpa do responsável pode ser alegada por qualquer meio
processual.

E) não é cabível, pois tem por causa matéria de fato, insuscetível de conhecimento de ofício
pelo juiz, demandando prova que não pode ser produzida pelo meio processual utilizado.

48. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Estado AB cria imposto sobre o valor das operações internas de circulação de mercadorias
que ultrapassar o preço nacional médio do mesmo produto, conforme divulgado pela
Administração Tributária local. Considerada a situação hipotética apresentada, e com base
na Constituição Federal, assinale a alternativa correta.

A) O imposto é inconstitucional porque o Estado AB não tem competência residual para


instituir tributos.

B) O imposto é constitucional por ser de competência tributária especial dos Estados para
criar tributos com a finalidade de corrigir distorções concorrenciais, tendo como fato gerador
e base de cálculo o desequilíbrio e o respectivo valor.

C) O imposto é constitucional, pois decorre da competência tributária residual do Estado


para prevenir distorções concorrenciais, tendo por base de cálculo o valor do desequilíbrio
concorrencial.

D) O imposto é inconstitucional porque, embora o Estado AB possa instituir tributo para


corrigir distorções concorrenciais, a base de cálculo do novo tributo é própria do ICMS.

E) O imposto é inconstitucional porque, embora o Estado AB possa instituir tributo para


corrigir distorções concorrenciais, está baseado em pauta fiscal, vedada pela Constituição
Federal.

49. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado


Tendo em mente as disposições constitucionais sobre a fixação de alíquotas do ICMS,
assinale a alternativa correta.

A) A alíquota do ICMS aplicável às operações ou prestações interestaduais, que destinem


a bens ou serviços a consumidor final, é aquela do Estado de origem.

B) A alíquota do ICMS aplicável às operações ou prestações interestaduais é a do Estado


de destino, somente no caso em que o adquirente for contribuinte do imposto.

C) As alíquotas internas máximas do ICMS não podem ser fixadas pelo Senado Federal em
hipótese alguma.

D) O ICMS pode ter alíquotas mínimas para operações internas fixadas pelo Senado
Federal.

E) A alíquota do ICMS incidente em operações de exportação não pode ser fixada pelo
Senado Federal.

50. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Determinado município ajuizou ação contra o estado de Pernambuco, questionando a


diminuição dos valores de repasse constitucional do ICMS. Conforme alegações do
município: a diminuição resultou tanto da concessão de benefícios fiscais não aprovados
pelo CONFAZ quanto de isenções aprovadas por esse conselho; o repasse total foi inferior
a 25% da receita efetivamente auferida pelo estado.

No que se refere a essa situação hipotética, considere as asserções apresentadas a seguir.

I Conforme o entendimento jurisprudencial a respeito da matéria, o juiz responsável pela


ação deverá decidir a favor do município. II A concessão de benefícios ou isenções não
pode impactar o repasse aos municípios, já que a titularidade da receita do ICMS não é
exclusiva do estado.

Assinale a opção correta.

A) As asserções I e II são falsas.

B) A asserção I é verdadeira, e a II, falsa.

C) A asserção I é falsa, e a II, verdadeira.

D) As asserções I e II são verdadeiras, e a II é justificativa da I.

E) As asserções I e II são verdadeiras, e a II não é uma justificativa da I.


51. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

De acordo com a Lei n.º 6.830/1980, a PGE/PE pode promover execução fiscal contra

A) o devedor e o interessado economicamente na ocorrência do fato gerador.

B) o fiador e o administrador judicial da massa falida.

C) o depositário e o espólio.

D) o fiador e o responsável tributário.

E) o administrador judicial da massa falida e o responsável tributário.

52. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Determinada empresa de revenda de veículos usados aceitou automóvel de passeio em


consignação com o objetivo de intermediar a venda. Dada a pouca demanda dos clientes
pelo veículo, resolveu transportá-lo para uma de suas filiais, dentro do mesmo estado, com
maior visibilidade de mercado.

No que se refere a essa situação hipotética, considere as asserções apresentadas a seguir.

I O ICMS incide sobre a operação de transferência entre as filiais, mas não sobre a
operação de consignação.

II Para a incidência do ICMS, exige-se a transferência física da mercadoria.

Assinale a opção correta.

A) As asserções I e II são falsas.

B) A asserção I é verdadeira, e a II, falsa.

C) A asserção I é falsa, e a II, verdadeira.

D) As asserções I e II são verdadeiras, e a II é justificativa da I.

E) As asserções I e II são verdadeiras, e a II não é uma justificativa da I.

53. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Determinado município deseja criar um novo tributo com a finalidade específica de custear
o serviço de iluminação pública. O valor arrecadado ficará afetado exclusivamente a esse
tipo de despesa.

De acordo com a CF, nesse caso, o município deve criar

A) um imposto.
B) uma contribuição.

C) uma taxa.

D) um emolumento.

E) um preço público.

54. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Determinado tributo deveria ter sido lançado no dia 5 de setembro de 2016, uma segunda-
feira, mas o contribuinte não providenciou a declaração do débito. A legislação desse tributo
atribuiu ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da
autoridade administrativa.

Nessa situação hipotética, considerando-se a posição majoritária do STJ, a data correta


para o início da contagem do prazo quinquenal para a fazenda pública constituir o crédito
tributário é o

A) dia 5 de setembro de 2016.

B) dia 6 de setembro de 2016.

C) último dia útil de setembro de 2016.

D) primeiro dia útil de outubro de 2016.

E) dia 1.º de janeiro de 2017.

55. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Considerando o que dispõe o CTN, assinale a opção correta a respeito das obrigações
tributárias.

A) A obrigação tributária surge apenas com a ocorrência da hipótese de incidência do


tributo.

B) A obrigação acessória é convertida em obrigação principal na hipótese de sua


inobservância.

C) O fato gerador deve ser o mesmo tanto para a obrigação principal quanto para a
obrigação acessória.

D) O sujeito ativo da obrigação acessória é denominado responsável tributário.

E) Uma vez modificado o crédito tributário, deve ser igualmente alterada a obrigação
tributária dele originada.
56. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

No que diz respeito ao processo de execução, é correto afirmar:

A) Na ação de execução, a citação do devedor interrompe a prescrição.

B) Em se tratando de ação de execução de obrigação de entrega de coisa certa, o devedor


será citado para, em quinze dias a contar da citação, satisfazer a obrigação.

C) No caso de execução por quantia certa, com a penhora dá-se a transmissão da


propriedade ao credor, o qual deverá depositar a diferença a mais, caso a avaliação seja
inferior ao débito.

D) No caso de ação de execução por quantia certa, o devedor será citado para pagar a
dívida no prazo de três dias, contados da citação.

E) Em todas as hipóteses previstas em lei, a fraude à execução importa em anulação do


ato de alienação.

57. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Em relação à técnica de julgamento ampliado em caso de resultado não unânime, é correto


afirmar:

A) Com o julgamento ampliado há uma alteração de competência funcional, que é relativa.

B) Os julgadores que já tiverem votado não poderão rever seus votos por ocasião do
prosseguimento do julgamento com colegiado ampliado.

C) A técnica de julgamento ampliado será aplicada nos casos de remessa necessária


quando o julgamento não unânime reformar a sentença de mérito.

D) Em caso de decisão não unânime proferida em incidente de resolução de demandas


repetitivas submetido a julgamento na corte especial, a competência será do plenário do
Tribunal.

E) Sua aplicação ocorrerá no recurso de apelação, na ação rescisória julgada procedente


e no agravo de instrumento que reforma decisão que julga parcialmente o mérito.

58. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Assinale a alternativa correta.

A) A reconvenção deverá ser apresentada na contestação e a pretensão nela deduzida


deverá ser conexa com a demanda principal ou com o fundamento da defesa.

B) Na reconvenção é vedada a proposição contra autor e terceiro não participante da


demanda principal.
C) Em caso de desistência ou causa extintiva que impeça o exame do mérito da demanda
principal, não há possibilidade de prosseguimento da reconvenção, merecendo ela também
a solução de extinção.

D) A reconvenção somente será admissível em caso de apresentação de contestação,


sendo vedado ao réu apresentá-la sozinha.

E) Não são devidos honorários advocatícios na reconvenção, apenas na ação principal.

59. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

João adquiriu de Pedro um imóvel e nele reside com sua família. Em determinado dia e
hora, um oficial de justiça comparece na residência de João e promove a citação dele em
ação reivindicatória promovida por Manuel, que se diz proprietário do imóvel, tendo
adquirido o mesmo de Maria, conforme documentos acostados. Observadas as hipóteses
de intervenção de terceiros, quais as opções possíveis, ainda que independentes entre si?

Identifique abaixo as afirmativas verdadeiras (V) e as falsas (F) em relação ao


questionamento acima.

( ) João promover a denunciação da lide a Pedro.

( ) Pedro requerer seu ingresso na demanda na condição de assistente.

( ) Pedro requerer seu ingresso na demanda na condição de assistente litisconsorcial.

( ) Manuel, ao ajuizar a demanda contra João, denunciar a lide à Maria.

( ) João promover o chamamento ao processo de Pedro.

Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.

A) V • V • V • V • F

B) V • V • F • V • F

C) V • F • F • F • V

D) F • V • F • F • F

E) F • F • V • V • V

60. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

No tocante à modificação da competência,


A) quando houver continência e a ação continente tiver sido proposta anteriormente, no
processo relativo à ação contida será proferida sentença sem resolução de mérito, caso
contrário, as ações serão necessariamente reunidas.

B) caso a alegação de incompetência seja acolhida, o processo será sempre extinto sem
resolução do mérito, interrompida porém a prescrição.

C) a competência relativa poderá modificar-se pela conexão, litispendência ou pela


continência.

D) os processos de ações conexas serão reunidos para decisão conjunta, mesmo que um
deles já tenha sido sentenciado.

E) a incompetência, absoluta ou relativa, será alegada como questão preliminar de


contestação; se relativa a incompetência pode ser alegada em qualquer tempo e grau de
jurisdição e deve ser declarada de ofício.

61. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Em relação às provas,

A) as provas no sistema processual civil pátrio obedecem a uma hierarquia de valores,


tendo a confissão como a de maior valor e a prova testemunhal como a de menor valor.

B) caberá ao juiz, desde que requerido pelas partes, determinar as provas necessárias ao
julgamento do mérito, indeferindo por despacho as diligências inúteis ou procrastinatórias.

C) a distribuição diversa do ônus da prova é possível, por acordo das partes, desde que
tenha ocorrido durante o processo e não torne excessivamente difícil a uma parte o
exercício do direito.

D) preservado o direito de não propor prova contra si própria, incumbe à parte comparecer
em juízo, respondendo ao que lhe for perguntado; colaborar com o juízo na realização de
inspeção judicial que for considerada necessária; e praticar o ato que lhe for determinado.

E) a produção antecipada da prova, na qual não se julga o mérito da causa, previne a


competência do juízo para a ação que venha a ser proposta.

62. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Em relação à mediação e autocomposição de conflitos

A) poderá atuar como mediador judicial a pessoa capaz, graduada há pelo menos dois anos
em curso de ensino superior de instituição reconhecida pelo Ministério da Educação e que
tenha obtido capacitação em escola ou instituição de formação de mediadores, reconhecida
pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados − ENFAM ou pelos
tribunais, observados os requisitos mínimos estabelecidos pelo Conselho Nacional de Jus-
tiça em conjunto com o Ministério da Justiça.

B) o consenso das partes envolvendo direitos indisponíveis, mas transigíveis, deve ser
homologado em juízo, prescindível a oitiva do Ministério Público.

C) por não ter poder decisório, não se aplicam ao mediador as hipóteses legais de
impedimento e suspeição do juiz.

D) o mediador fica impedido, por tempo indefinido, de assessorar, representar ou patrocinar


qualquer das partes, embora possa atuar como árbitro em conflito que as envolva.

E) no desempenho de sua função, o mediador deverá reunir-se com as partes sempre em


conjunto, a fim de não se levantar qualquer objeção quanto à sua imparcialidade.

63. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Em relação as ações possessórias,

A) é possível, tanto ao autor quanto ao réu, na pendência da ação possessória, propor ação
de reconhecimento do domínio em face de ambos ou de terceira pessoa.

B) no caso de ação possessória em que figure no polo passivo grande número de pessoas,
serão feitas a citação pessoal dos ocupantes que forem encontrados no local e a citação
por edital dos demais, determinando-se, ainda, a intimação do Ministério Público e, se
envolver pessoas em situação de hipossuficiência econômica, da Defensoria Pública.

C) impede a manutenção ou reintegração da posse a alegação de propriedade ou de outro


direito sobre a coisa.

D) por ser de natureza mandamental, o pedido possessório não pode ser cumulado com
perdas e danos, que devem ser pleiteados por ação própria.

E) além de contestar o pedido possessório, se o réu quiser demandar proteção possessória


para si, alegando que foi ele o ofendido em sua posse, deverá fazê-lo por meio de
reconvenção.

64. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

A ampliação objetiva dos limites da coisa julgada à questão prejudicial pode ser feita de
ofício pelo juiz, desde que

A) da resolução dessa questão não dependa o julgamento de mérito, e que o contraditório,


nesse caso, seja prévio e efetivo e o juiz seja competente em razão da matéria e do lugar,
mas essa ampliação não pode ocorrer em processos que possuam limitação da cognição
ou restrições probatórias.
B) exista contraditório prévio e efetivo, mesmo que o juiz não seja competente em razão da
pessoa. Se houver limitação da cognição que impeça o aprofundamento da análise dessa
questão prejudicial, o juiz deverá adaptar o procedimento para que essa limitação
desapareça, mediante prévia consulta às partes.

C) da resolução dessa questão dependa o julgamento de mérito, mas o contraditório precisa


ser prévio e efetivo e o juiz precisa ser competente em razão da matéria e da pessoa,
porém, essa ampliação não pode ocorrer se o réu for revel ou em processos que possuam
limitações da cognição que impeçam o aprofundamento da análise da questão prejudicial
ou restrição probatória.

D) exista contraditório prévio e efetivo, mesmo que o juiz não seja competente em razão da
matéria ou em razão do lugar, no entanto, se houver limitação da cognição que impeça o
aprofundamento da análise dessa questão prejudicial, essa ampliação não pode ocorrer.

E) exista contraditório prévio e efetivo, mesmo que o juiz não seja competente em razão da
matéria ou da pessoa, porém, se houver limitação da cognição que impeça o
aprofundamento da análise dessa questão prejudicial, essa ampliação não pode ocorrer.

65. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

A respeito do julgamento do mandado de segurança de competência originária de tribunais,


assinale a alternativa correta.

A) Quando a competência originária for do Superior Tribunal de Justiça e a decisão


colegiada for denegatória da segurança pretendida, cabe recurso extraordinário para o
Supremo Tribunal Federal.

B) não compete ao Superior Tribunal de Justiça julgar, em recurso ordinário, os mandados


de segurança decididos em única instância pelos tribunais regionais federais e pelos
tribunais de justiça estaduais e do Distrito Federal e Territórios, salvo quando concedida a
segurança pretendida.

C) Indeferido, liminarmente, mandado de segurança de competência originária do Tribunal


de Justiça de São Paulo, deve o impetrante interpor recurso especial, para o Superior
Tribunal de Justiça ou o extraordinário, para o Supremo Tribunal Federal, conforme o caso.

D) Indeferido, liminarmente, mandado de segurança de competência originária do Tribunal


de Justiça de São Paulo, deve o impetrante interpor recurso especial para o Superior
Tribunal de Justiça. Se o mandado se segurança for admitido e houver julgamento de mérito
por órgão colegiado desse Tribunal de Justiça denegando a segurança pretendida, o
recurso cabível também é o especial.

E) Indeferido, liminarmente, mandado de segurança de competência originária do Tribunal


de Justiça de São Paulo, deve o impetrante interpor agravo para órgão competente desse
mesmo tribunal. Contudo, se houver julgamento colegiado de mérito, denegando a seguran-
ça, o recurso cabível, pelo impetrante, é o ordinário, exclusivamente para o Superior
Tribunal de Justiça.

66. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

A sentença proferida em sede de ação civil pública, que acolhe integralmente o pedido do
autor e autoriza a liberação de remédios de uso proibido por órgãos administrativos
fiscalizadores, todos potencialmente lesivos à saúde da população, enseja

A) apenas pedido de suspensão de segurança que, por evidente prejudicialidade, suspende


o prazo do recurso de agravo, mas não o do recurso de apelação.

B) apelação, cujo efeito suspensivo deve ser pleiteado diretamente no Tribunal, por meio
de medida cautelar autônoma e inominada.

C) apelação, cujo efeito suspensivo é automático e impede a execução definitiva da


decisão.

D) apelação, com pedido de efeito suspensivo. Depois disso, a Fazenda de São Paulo
deverá protocolar, no Tribunal de Justiça, um pedido de análise imediata desse efeito
suspensivo pleiteado. Ao mesmo tempo, a Fazenda poderá pedir suspensão dos efeitos da
sentença ao Presidente do Tribunal competente.

E) agravo de instrumento contra o capítulo da decisão que concedeu a ordem de liberação


imediata das mercadorias, com pedido de efeito ativo, e apelação do capítulo que julgou o
mérito.

67. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Observada a regra que determina que o valor da causa não pode ultrapassar o limite de
sessenta salários mínimos, o juizado especial da fazenda pública possui competência para
julgar

A) ação civil pública para a tutela de direito difuso decorrente de dano ambiental simples.

B) ação que tenha como objeto a impugnação da pena de demissão imposta a servidor
civil.

C) ação em que contribuinte questione a validade do lançamento de crédito tributário


estadual.

D) mandado de segurança contra ato praticado por servidor municipal em procedimento


licitatório.

E) ação proposta por particular para reivindicar bem imóvel de autarquia estadual.
68. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

No que concerne a mandado de injunção, ação de improbidade administrativa, ação civil


pública e ação popular, julgue os seguintes itens.

I De acordo com o STJ, a sentença que julgar improcedente a ação de improbidade


administrativa se submeterá ao regime de reexame necessário, independentemente do
valor atribuído à causa.

II É vedado ao MP assumir a titularidade de ação popular na hipótese de desistência do


autor, ainda que nenhum outro cidadão legitimado promova o prosseguimento da ação.

III De acordo com lei que disciplina o mandado de injunção, uma vez transitada em julgado
a decisão final, o relator poderá, monocraticamente, estender seus efeitos a casos
análogos.

IV O STJ entende que o sindicato possui legitimidade para ajuizar, na qualidade de


substituto processual, ação civil pública para a defesa de direitos individuais homogêneos
da categoria que ele representa.

Assinale a opção correta.

A) Estão certos apenas os itens I e II.

B) Estão certos apenas os itens I e III.

C) Estão certos apenas os itens II e IV.

D) Estão certos apenas os itens I, III e IV.

E) Estão certos apenas os itens II, III e IV.

69. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

No processo civil, é vedado ao órgão judicial que prolatar a decisão recorrida exercer o
juízo de retratação na hipótese de interposição de

A) agravo de instrumento cuja finalidade seja impugnar decisão interlocutória que tenha
determinado a exclusão de litisconsorte.

B) apelação intempestiva, mesmo que o juízo reconheça erro em sua sentença pela
improcedência liminar do pedido.

C) agravo interno, sob pena de usurpação de competência de órgão colegiado.

D) recurso especial sobrestado que se submeta ao regime jurídico dos recursos repetitivos.

E) recurso contra decisão de natureza interlocutória prolatada, em primeiro grau, na fase


de execução.
70. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

No que concerne à execução contra a fazenda pública, ao regime de pagamento por


precatórios e RPVs, assinale a opção correta de acordo com a jurisprudência do STF.

A) Na execução contra a fazenda pública, incidem juros de mora no período compreendido


entre a data de realização dos cálculos e a de expedição da requisição para pagamento.

B) Em mandado de segurança, o pagamento dos valores devidos entre as datas de


impetração e de concessão da ordem não se submete ao regime de precatórios.

C) A execução de valores devidos por conselho de fiscalização se submete ao sistema de


precatórios previsto na CF, dada a natureza autárquica desses entes.

D) É inconstitucional a execução individual, por meio de RPV, de sentença genérica que


tenha condenado a fazenda pública em ação coletiva para a tutela de direitos individuais
homogêneos.

E) Quando da impugnação parcial feita pela fazenda pública, deve-se aguardar o trânsito
em julgado da discussão acerca da parcela controvertida para iniciar-se a execução da
parcela incontroversa.

71. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

De acordo com o CPC, no procedimento especial contencioso do inventário e da partilha,


o juiz responsável pelo julgamento do processo possui competência para decidir

A) qualquer questão de direito, decorrente ou não de controvérsia fática, que seja relevante
para o resultado final do processo.

B) questões de direito que dependam do exame de qualquer modalidade de prova,


excepcionada somente a prova pericial.

C) todas as questões de direito, mesmo as que decorram de controvérsia fática, desde que
os fatos relevantes estejam provados por documento.

D) apenas questões de direito que não dependam do exame de provas, sendo sempre nula
toda decisão que solucione controvérsia fática.

E) controvérsias jurídicas que dependam do exame de provas, desde que haja convenção
processual entre as partes para ampliar sua competência.

72. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

À luz do CPC e do entendimento jurisprudencial sobre a matéria, assinale a opção correta


acerca da reclamação constitucional.

A) O CPC contém dispositivo que regula o julgamento do mérito da reclamação


constitucional, determinando que compete ao plenário ou a órgão especial da corte
examiná-la.
B) Ocorrendo o julgamento de recurso interposto contra a mesma decisão proferida pelo
órgão reclamado, a reclamação constitucional será considerada prejudicada.

C) A reclamação poderá ser utilizada como sucedâneo de ação rescisória no caso de


trânsito em julgado da decisão reclamada, desde que observado o prazo decadencial de
dois anos.

D) A parte sucumbente não poderá ser condenada ao pagamento de honorários


advocatícios, uma vez que a interposição da reclamação caracteriza mero incidente
processual, dispensando-se o contraditório.

E) A reclamação constitucional poderá ser manejada para garantir a observância de


acórdão de recurso extraordinário com repercussão geral reconhecida, quando houver o
esgotamento das instâncias ordinárias.

73. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Em relação à ação rescisória,

A) o Ministério Público pode ajuizá-la apenas se não foi ouvido no processo em que lhe era
obrigatória a intervenção.

B) seu rol é meramente elucidativo, abrangendo na atual sistemática processual os atos


homologatórios praticados no curso da execução.

C) somente a decisão de mérito é rescindível.

D) seu objeto deve abranger necessariamente a decisão meritória em sua integralidade.

E) sua propositura não impede o cumprimento da decisão rescindenda, ressalvada a


concessão de tutela provisória.

74. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

No tocante ao cumprimento de sentença que reconheça a exigibilidade de obrigação de


pagar quantia certa pela Fazenda Pública, é correto afirmar:

A) Se não impugnada a execução, ou rejeitadas as arguições da executada, por ordem do


juiz, dirigida à autoridade na pessoa de quem o ente público foi citado para o processo, o
pagamento de obrigação de pequeno valor será realizado no prazo de dois meses contado
da entrega da requisição, mediante depósito na agência de banco oficial mais próxima da
residência do exequente.

B) O exequente apresentará demonstrativo discriminado e atualizado do crédito; se houver


pluralidade de exequentes, cujo número poderá ser limitado em caso de litisconsórcio
facultativo, deverá ser oferecido demonstrativo único em nome e benefício de todos eles.
C) Em sua impugnação, a Fazenda poderá arguir excesso de execução genericamente,
sem declarar de imediato o valor que entende correto, por se tratar de ente público, sem
que disso decorra o não conhecimento da arguição.

D) A impugnação fazendária poderá referir-se a qualquer causa modificativa ou extintiva da


obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição,
supervenientes ou anteriores ao trânsito em julgado da sentença.

E) Tornado líquido e certo o débito, expedir-se-á, por intermédio do juiz da execução,


precatório em favor do exequente, observadas as normas constitucionais pertinentes.

75. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

No que se refere às regras da confissão previstas no CPC, a confissão

A) em juízo vale como admissão de fatos relativos a direitos indisponíveis, se feita por
agente maior e capaz.

B) é revogável, como regra, por se tratar de ato jurídico unilateral, podendo ainda ser
anulada se decorreu de erro de fato, de dolo ou de coação.

C) judicial só pode ser espontânea, já que a confissão provocada é exclusiva do


procedimento extrajudicial.

D) judicial faz prova contra o confitente, prejudicando os litisconsortes.

E) extrajudicial, quando feita oralmente, só terá eficácia nos casos em que a lei não exija
prova literal.

76. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

O Código Civil estabelece a usucapião como uma forma de aquisição da propriedade


imóvel. O Sr. Valdomiro, sem interrupção e continuamente, sem oposição e pacificamente,
possui há 6 anos, como seu, imóvel na praia para passar alguns feriados, tendo adquirido
por doação de seu tio-avô, que o possuía, quando da doação, há 10 anos, de igual modo
sem interrupção e continuamente, sem oposição e pacificamente. Inexistem documentos
das aquisições, sendo as posses adquiridas por contrato verbal.

Considerando as disposições do Código Civil sobre usucapião, assinale a alternativa


correta.

A) Somente o tio-avô do Sr. Valdomiro poderá atualmente requerer a aquisição da


propriedade do imóvel por usucapião, pois, ao contrário do Sr. Valdomiro, possuía o imóvel
como sua moradia habitual.

B) Por não ter justo título, o tio-avô do Sr. Valdomiro deveria aguardar mais 10 anos para
requerer a aquisição da propriedade do imóvel por usucapião.
C) Por não ter justo título, o Sr. Valdomiro deverá aguardar mais 14 anos para requerer a
aquisição da propriedade do imóvel por usucapião.

D) O Sr. Valdomiro não poderá requerer a aquisição da propriedade do imóvel por


usucapião, por não ter preenchido os requisitos legais.

E) O Sr. Valdomiro poderá requerer a aquisição da propriedade do imóvel por usucapião,


por ter preenchido os requisitos legais.

77. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Incorre de pleno direito o devedor na cláusula penal, desde que,

A) culposamente, deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora e, sendo indivisível


a obrigação, todos os devedores, caindo em falta um deles, incorrerão na pena; mas esta
só se poderá demandar integralmente do culpado, respondendo cada um dos outros
somente pela sua quota, contudo, a penalidade deve se reduzida equitativamente pelo juiz
se a obrigação principal tiver sido cumprida em parte, ou se o montante da penalidade for
manifestamente excessivo, tendo-se em vista a natureza e a finalidade do negócio

B) independentemente de culpa ou dolo, deixe de cumprir a obrigação e, sendo indivisível


a obrigação, todos os devedores, caindo em falta um deles, incorrerão na pena, todavia, o
valor da sanção imposta na cláusula penal não pode exceder o da obrigação principal.

C) independentemente de culpa ou dolo, deixe de cumprir a obrigação e, sendo solidária a


obrigação, todos os devedores, caindo em falta um deles, incorrerão na pena, todavia, o
valor da soma imposta na cláusula penal não pode exceder o da obrigação principal e a
penalidade deve ser reduzida equitativamente pelo juiz se a obrigação principal tiver sido
cumprida em parte, ou se o montante da penalidade for manifestamente excessivo, tendo-
se em vista a natureza e a finalidade do negócio.

D) culposamente, deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora, e, quando se


estipular a cláusula penal para o caso de total inadimplemento da obrigação, esta converter-
se-á em alternativa a benefício do credor, poderá exceder o valor da obrigação principal e
o juiz não poderá reduzi-la.

E) culposamente, deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora e, se o prejuízo


exceder ao previsto na cláusula penal, independentemente de estipulação no contrato, o
credor poderá exigir indenização suplementar, até o montante do prejuízo e, neste caso, o
juiz poderá reduzir o valor estabelecido a título de pena contratual.

78. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

A sucessão hereditária abre-se

A) na comarca em que se realizar o inventário, deferindo-se a herança como um todo


unitário, ainda que vários sejam os herdeiros, por isso, cada um deles é legitimado isolada-
mente para reclamar a restituição de bens da herança que se encontrem na posse de
terceiros.

B) no lugar em que ocorrer o óbito, deferindo-se a herança como um todo unitário, ainda
que vários sejam os herdeiros, e, nesse caso, a ação de petição de herança pode ser
intentada por um só deles.

C) no lugar em que ocorrer o óbito, deferindo-se a herança como bem divisível em tantos
quantos forem os herdeiros, cada qual sendo legitimado para intentar ação de petição de
herança de sua cota parte.

D) no lugar do último domicílio do falecido, deferindo-se a herança como um todo unitário,


ainda que vários sejam os herdeiros, e, nesse caso, a ação de petição de herança pode ser
intentada por um só deles.

E) na comarca em que se realizar o inventário, deferindo-se a herança como um todo


unitário, ainda que vários sejam os herdeiros, mas, nesse caso, a ação de petição de
herança só pode ser intentada por todos em conjunto.

79. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Desde novembro de 2007, Tício exerce posse mansa, pacífica, ininterrupta e com fim de
moradia sobre imóvel urbano com área de 260 m2, baseado em compromisso de compra e
venda quitado, mas não registrado, celebrado com Caio. Mévio, de boa-fé, adquiriu o
mesmo imóvel de Caio em fevereiro de 2018, mediante pagamento à vista, seguido de
posterior registro da escritura pública de compra e venda no Cartório de Imóveis. Em
seguida, Mévio move ação de imissão na posse em face de Tício. Nesse caso,

A) mesmo ausentes os requisitos da usucapião ordinária, Tício poderá alegar a usucapião


especial urbana como matéria de defesa, para impedir a procedência do pedido.

B) se acolhida a usucapião como matéria de defesa, Tício deverá indenizar Mévio, pois este
não teria adquirido o imóvel de Caio caso o compromisso de compra e venda tivesse sido
levado a prévio registro.

C) Tício não poderá invocar a usucapião como matéria de defesa, ante a vedação à
exceptio proprietatis prescrita no art. 1.210, parágrafo 2° do Código Civil e o fato de Mévio
ser adquirente de boa-fé.

D) Tício poderá alegar a usucapião ordinária como matéria de defesa para impedir a
procedência do pedido, mediante prova da existência de compromisso de compra e venda
quitado, ainda que não registrado, e da posse prolongada exercida com boa-fé.

E) a alegação de usucapião ordinária formulada por Tício, como matéria de defesa, não
impedirá a procedência do pedido, por falta de prévio registro do compromisso de compra
e venda, condição indispensável para torná-lo oponível erga omnes, em especial a Mévio,
adquirente de boa-fé.
80. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Sobre o direito real de laje, é correto afirmar:

A) pressupõe a coexistência de unidades imobiliárias, autônomas ou não, de titularidades


distintas e situadas na mesma área, de modo a permitir que o proprietário ceda a superfície
de sua construção a outrem para que ali construa unidade distinta daquela originalmente
construída sobre o solo.

B) a ruína da construção-base não implica extinção do direito real de laje se houver sua
reconstrução no prazo de 10 anos.

C) as unidades autônomas constituídas em matrícula própria poderão ser alienadas por seu
titular sem necessidade de prévia anuência do proprietário da construção-base.

D) confere ao seu titular o direito de sobrelevações sucessivas, mediante autorização


expressa ou tácita do proprietário da construção-base, desde que observadas as posturas
edilícias e urbanísticas vigentes.

E) contempla espaço aéreo e subsolo, tomados em projeção vertical, atribuindo ao seu


titular fração ideal de terreno que comporte construção.

81. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Quando alguém obtém lucro exagerado, desproporcional, aproveitando-se da situação de


necessidade real e notória do outro contratante, configura-se o vício do negócio jurídico
denominado

A) abuso de direito.

B) lesão.

C) dolo de aproveitamento.

D) coação.

E) estado de perigo.

82. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Por meio de escritura pública devidamente registrada, Pedro concedeu a Rodolfo a


propriedade, por prazo determinado, de construção que efetuar em área de seu terreno.

Essa relação reflete o direito de

A) superfície.

B) servidão contínua contratual.

C) uso.
D) usufruto temporário.

E) habitação.

83. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Uma obrigação foi extinta em virtude da constituição de uma nova obrigação — com novo
devedor — que ocupou o lugar da primeira.

Nesse caso,

A) a nova obrigação será inválida se o débito primitivo estiver sujeito a termo.

B) a nova obrigação representará renúncia a sua invocação se estiver prescrito o débito


primitivo.

C) será lícito ao novo devedor alegar as exceções que beneficiariam o devedor anterior.

D) a dívida será satisfeita pelo devedor primitivo em caso de insolvência do novo devedor.

E) a exigência do primeiro débito ficará suspensa até a extinção da dívida atual.

84. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

O proprietário de um imóvel onde foi edificado um galpão comercial de grandes dimensões


precisa otimizar as receitas decorrentes da exploração desse bem. Uma das alternativas
que lhe foram apresentadas foi a construção de um espaço para a realização de feiras e
eventos, atraindo, assim, mais interessados em utilizar também o galpão comercial.
Considerando que não há área livre de terreno suficiente para a edificação do espaço
pretendido, o proprietário

A) poderá transferir o direito de construir de seu terreno para que o adquirente o exerça em
outro imóvel, considerando a impossibilidade de aproveitamento do imóvel para a finalidade
pretendida.

B) poderá edificar a construção no espaço aéreo do galpão comercial, desde que


tecnicamente possível e que seja o responsável direto pela exploração, vedada a cessão a
terceiros.

C) poderá conceder onerosamente o direito de superfície de seu imóvel, sendo permitido


ao superficiário construir e explorar o espaço de eventos no espaço aéreo do galpão,
revertendo ao dono do terreno as acessões e benfeitorias ao fim do contrato.

D) deverá providenciar projeto de reforma do galpão comercial, para fins de ampliar a


dimensão de área construída e então viabilizar a destinação das acessões para o segmento
de feiras e eventos.

E) deverá outorgar a terceiros o direito de construir em seu terreno, de forma que não seja
responsável pelos investimentos necessários para implantação do projeto, remanescendo
com o direito de retomar o domínio pleno do imóvel quando da extinção do contrato.
85. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

Em razão de fortes chuvas que ocasionaram inundação, os habitantes de certa área


ribeirinha tiveram de depositar seus móveis e utensílios nos armazéns e galpões
particulares que se situavam em lugares não atingidos pela calamidade. Esse depósito
qualifica-se como

A) contrato inominado, por faltar disposição legal sobre ele, podendo ser gratuito ou
oneroso.

B) voluntário e se presume gratuito, exceto se houver convenção em contrário.

C) necessário e se presume gratuito.

D) legal e sujeita o depositário que se recusar a devolver os bens, cessados os efeitos da


calamidade, à prisão e ao ressarcimento dos prejuízos.

E) miserável, mas não se presume gratuito.

86. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Em relação ao contrato individual de trabalho, conforme regras contidas na Consolidação


das Leis do Trabalho,

A) para fins de contratação, o empregador não exigirá do candidato a emprego


comprovação de experiência prévia por tempo superior a seis meses no mesmo tipo de
atividade.

B) poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito, por prazo
determinado ou indeterminado, não se incluindo a prestação de trabalho intermitente, que
deve ser por escrito.

C) o contrato de trabalho por prazo determinado não poderá ser estipulado por mais de um
ano, sujeito a duas prorrogações, por igual período.

D) considera-se por prazo indeterminado todo contrato que suceder, dentro de três meses,
a outro contrato por prazo determinado, em qualquer situação.

E) os contratos de trabalho dos empregados serão afetados pela mudança na propriedade


ou na estrutura jurídica da empresa, desde que tenha sido ajustada cláusula específica
neste sentido.

87. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Acerca dos grupos econômicos e da sucessão de empregadores, julgue os itens a seguir,


considerando a reforma trabalhista de 2017.

I Uma vez caracterizada a sucessão trabalhista, apenas a empresa sucessora responderá


pelos débitos de natureza trabalhista, podendo-se acionar a empresa sucedida somente se
comprovada fraude na operação societária que transferiu as atividades e os contratos de
trabalho.

II Para a justiça do trabalho, a mera identidade de sócios é suficiente para configurar a


existência de um grupo econômico.

III Configurado o grupo econômico, as empresas responderão subsidiariamente pelas


obrigações decorrentes das relações de emprego.

Assinale a opção correta.

A) Apenas o item I está certo.

B) Apenas o item III está certo.

C) Apenas os itens I e II estão certos.

D) Apenas os itens II e III estão certos.

E) Todos os itens estão certos.

88. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

A empresa “R” Móveis foi notificada para comparecer a audiência em reclamação


trabalhista movida por seu ex-empregado Thor. Em relação ao preposto que irá representar
a reclamada:

A) não precisa ser empregado, por força de dispositivo legal.

B) não precisa ser empregado, quando se tratar de empregador doméstico.

C) não precisa ser empregado, mas nesse caso, as suas declarações não obrigarão o
proponente.

D) deve ser empregado ou gerente que tenha conhecimento dos fatos.

E) deve ser empregado quando se tratar de micro ou pequeno empresário.

89. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Assinale a opção correta à luz do entendimento do TST acerca da ação rescisória no


processo do trabalho.

A) A discussão sobre o prazo prescricional dos créditos trabalhistas, se total ou parcial,


pode ser objeto de ação rescisória.

B) A sentença normativa preexistente à sentença rescindenda poderá ser considerada


prova nova, mesmo que não tenha sido exibida no processo originário por negligência da
parte.
C) O silêncio da parte vencedora a respeito de fatos contrários a ela não constitui dolo
processual capaz de subsidiar ação rescisória.

D) O sindicato não possui legitimidade para figurar como réu na ação rescisória, ainda que
tenha atuado como substituto processual na reclamação trabalhista que tiver originado a
sentença rescindenda.

E) Não é necessário indicar a norma jurídica supostamente violada, ainda que a ação
rescisória seja fundamentada em manifesta violação da norma jurídica.

90. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Nas causas sujeitas ao rito sumaríssimo, somente será admitido recurso de revista na
hipótese de

A) violação à CLT ou contrariedade a súmula de jurisprudência uniforme do TST.

B) divergência estabelecida entre as turmas do TST.

C) violação às normas estabelecidas em convenção coletiva do trabalho da categoria ou


contrariedade a súmula de jurisprudência uniforme do TST.

D) divergência estabelecida entre os TRTs.

E) contrariedade a súmula de jurisprudência uniforme do TST ou a súmula vinculante do


STF, bem como por violação direta à CF.

91. Ano: 2018 / Banca: FEPESE / Órgão: PGE-SC / Procurador do Estado

Considera-se Área de Preservação Permanente, segundo o Código Florestal, Lei Federal


n° 12.651, de 25 de maio de 2012:

A) as restingas, em toda a sua extensão.

B) as restingas, como fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues.

C) os manguezais, nas áreas alagadas.

D) os manguezais, como fixadores de dunas ou quando estabilizadores de vegetação


marítima.

E) as veredas, em faixa marginal com largura mínima de 100 metros, a partir do espaço de
cursos d’água naturais.

92. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Uma companhia de transporte fluvial, que trabalhava na estrita legalidade, com as licenças
ambientais em dia, sofreu a colisão de outra embarcação desgovernada, no momento em
que realizava o abastecimento dos produtos químicos destinados a uma indústria têxtil. A
embarcação que causou o acidente navegava de forma irregular e sem qualquer licença
ambiental. Na ocasião, houve vazamento dos produtos carregados e uma explosão de
grande dimensão, gerando contaminação dos corpos hídricos da região, além de danos
aos pescadores, eis que por um período de 3 meses a associação de pescadores locais,
composta por 100 pescadores, ficou impossibilitada de exercer a sua atividade econômica.
O vazamento causou ainda a morte de diversas espécies de pássaros e peixes, e foi
responsável pela interdição de vários balneários.

Diante da situação hipotética acima e considerando os princípios de direito ambiental e a


doutrina da responsabilidade civil por dano ambiental:

A) o princípio de direito ambiental que determina o dever da empresa de transporte de arcar


com as consequências econômicas da atividade descrita é o princípio do usuário pagador.

B) para exonerar-se da responsabilidade de arcar com os danos ambientais, o poluidor


poderá alegar em sua defesa que o acidente ocorreu por fato de terceiro, o que exclui o
dever de indenizar.

C) tratando-se de atividade sujeita ao licenciamento ambiental, se o Poder Público não


exerceu o seu poder de fiscalização, ainda que a empresa possuísse a devida licença,
responderão objetivamente pelos danos causados, tanto o empresário como o Estado.

D) poder-se-á falar em reparação do dano material sofrido pelos pescadores, o que abrange
o prejuízo apurável e exclui os ganhos futuros, por tratar-se de atividade incerta.

E) o causador do dano deverá ser condenado à reparação pecuniária do dano e,


subsidiariamente, à obrigação de recompor o meio ambiente lesado para restituição do
status quo ante.

93. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

Sobre pagamento por serviços ambientais (PSA), é correto afirmar:

A) considerada sua natureza contratual, foi instituído no Estado de São Paulo como um
Programa, diretamente pela Secretaria do Meio Ambiente, por Resolução do Secretário,
com base em autorização expressa contida na Lei da Política Nacional do Meio Ambiente
(Lei n° 6.938/1981).

B) é imposição, ao poluidor, da obrigação de indenizar pelos danos causados ao meio


ambiente.

C) trata-se de transação voluntária por meio da qual uma atividade desenvolvida por um
provedor de serviços ambientais, que conserve ou recupere um serviço ambiental
previamente definido, é remunerada por um pagador de serviços ambientais, mediante a
comprovação do atendimento das disposições previamente contratadas, nos termos da
legislação vigente.
D) trata-se de prestação obrigatória, instituída por lei, com natureza de tributo, prevista
como um instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente.

E) como corolário do princípio poluidor-pagador, possibilita ao poder público cobrar do


usuário pela utilização dos recursos naturais.

94. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Determinada atividade poluiu parte de um rio no interior do estado de Pernambuco, o que


comprometeu a pesca de subsistência no local. Diante dessa situação, um dos afetados
pelos danos causados ajuizou ação indenizatória contra o responsável.

Nessa situação hipotética, a ação poderá ser julgada

A) improcedente, se for comprovado que o poluidor observou os limites da emissão de


poluentes, haja vista a sua responsabilidade ser subjetiva.

B) improcedente, se o dano perseguido for de cunho moral, uma vez que os danos
extrapatrimoniais não são alcançáveis em demandas com fundo de direito ambiental.

C) improcedente, se for comprovado que a atividade que causou o dano era lícita, o que,
por si só, caracteriza uma excludente da responsabilidade.

D) procedente, independentemente do nexo causal entre a conduta e o dano, uma vez que
a responsabilidade do poluidor é objetiva.

E) procedente, independentemente da licitude da atividade e da observância dos limites de


emissão de poluentes, uma vez que a responsabilidade do poluidor é objetiva.

95. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-TO / Procurador do Estado

De acordo com o disposto na Lei Complementar no 140/2011, a atividade de licenciamento


é realizada pelos entes federados

A) observando-se a competência primária dos Municípios, pelo critério do interesse local,


delegando-se aos Estados as atividades que aqueles entes não consideram de sua
competência e, em caráter excepcional, à União somente os casos em que o
empreendimento exceder o território nacional.

B) de forma concorrente, fixando-se a competência de acordo com o requerimento


formulado pelo empreendedor, independentemente da natureza ou finalidade de seu
projeto.

C) observada a hierarquia entre os entes federados, de modo que o Município é competente


para licenciar as atividades que a União e Estados, nessa ordem, permitirem.

D) com base na definição das atividades expressamente atribuídas a cada ente federado
em decreto federal.
E) considerando-se, entre outros aspectos, a inserção em unidades de conservação
instituídas por União, Estados e Municípios e a natureza da atividade, conforme definição
dos Conselhos Estaduais de Meio Ambiente.

96. Ano: 2018 / Banca: FCC / Órgão: PGE-AP / Procurador do Estado

Considere hipoteticamente que a Assembleia Legislativa do Estado do Amapá, em sua


última sessão no ano, tem como único item da pauta o Projeto de Lei Orçamentária Anual.
Iniciada a sessão, o relatório da Comissão é debatido, votado e o projeto é rejeitado.
Concluída a sessão, a Assembleia entra em recesso parlamentar. Nessa situação

A) não seria possível arrecadar impostos no exercício financeiro a que o projeto rejeitado
se refere enquanto a receita pública não seja devidamente autorizada com a aprovação da
LOA.

B) constitui crime de responsabilidade dos Parlamentares não aprovar o projeto de lei


orçamentária até o encerramento da sessão legislativa.

C) a Assembleia Legislativa não poderia ter entrado em recesso sem antes aprovar o
Projeto de Lei Orçamentária.

D) a LDO pode prever a execução do projeto não aprovado, à razão de um doze avos por
mês, para atendimento de certas despesas, tais como os débitos de precatórios.

E) se, até trinta dias antes do encerramento do exercício financeiro, o Poder Legislativo não
devolve o projeto de Lei Orçamentária para sanção, ele é promulgado como lei.

97. Ano: 2018 / Banca: VUNESP / Órgão: PGE-SP / Procurador do Estado

A Emenda Constitucional n° 86, de 2015, introduziu o conceito de execução equitativa das


emendas individuais ao projeto de Lei Orçamentária Anual. Para tanto, estabeleceu o limite
percentual de 1,2% da receita corrente líquida.

A) no qual se inserem também as programações oriundas de despesas discricionárias


incluídas pelo Chefe do Poder Executivo, igualmente não afetadas por contingenciamento
na hipótese do não atingimento da meta de resultado fiscal prevista na Lei de Diretrizes
Orçamentárias.

B) cuja liberação financeira não pode ser obstada pelo Poder Executivo, salvo quando a
execução da programação orçamentária correspondente for destinada a outros entes
federados que estejam inadimplentes, ainda que temporariamente.

C) destinado integralmente a ações e serviços públicos de saúde, vedada a aplicação em


despesas de pessoal ou encargos sociais, admitindo-se o cômputo das programações
correspondentes no cálculo do percentual mínimo de aplicação em saúde fixado na
Constituição Federal.
D) havendo precedência da liberação financeira para as programações decorrentes das
emendas inseridas em tal limite em relação àquelas destinadas a despesas discricionárias,
sendo apenas estas últimas atingidas por limitações de empenho decorrentes de frustração
da previsão de receita de impostos.

E) com obrigatoriedade da execução orçamentária e financeira das programações


decorrentes, salvo impedimentos de ordem técnica, comportando redução, até a mesma
proporção incidente sobre o conjunto das despesas discricionárias, na hipótese de não
cumprimento da meta de resultado fiscal estabelecida na Lei de Diretrizes Orçamentárias.

98. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

À luz da LRF, considera-se despesa de pessoal para fins de atendimento aos limites
orçamentários o(a)

A) auxílio-transporte.

B) FGTS.

C) indenização por demissão de servidores ou empregados.

D) assistência para custeio de educação pré-escolar.

E) auxílio-alimentação.

99. Ano: 2018 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-PE / Procurador do Estado

Determinado servidor público do estado de Pernambuco, insatisfeito com a instituição


financeira em que recebe seu salário, requereu administrativamente à administração
pública que seus proventos fossem depositados em instituição financeira privada.

Nessa situação hipotética, se for consultada a respeito do pedido, a PGE/PE, em


consonância com o entendimento jurisprudencial, deverá manifestar-se

A) contra o acolhimento do pedido, em decorrência do princípio da unidade de caixa.

B) contra o acolhimento do pedido, tendo em vista a economicidade gerada à administração


pública com o depósito em uma só instituição financeira.

C) a favor do acolhimento do pedido porque o salário não é disponibilidade de caixa.

D) a favor do acolhimento do pedido porque, embora seja disponibilidade de caixa, o salário


tem natureza e destinação especiais.

E) contra o acolhimento do pedido porque, embora não seja disponibilidade de caixa, o


salário deve ser depositado em instituição financeira oficial, nos termos da CF.
100. Ano: 2017 / Banca: CESPE / Órgão: PGE-SE / Procurador do Estado

Acerca dos limites da despesa total de gastos com pessoal, assinale a opção correta.

A) Os percentuais desses limites previstos na legislação incidem sobre a receita corrente


nominal.

B) Os percentuais de gastos para o MPU e o Poder Judiciário são equivalentes.

C) Estão previstos na CF os percentuais referentes a esses limites.

D) Os percentuais previstos para esses limites são os mesmos para cada ente federativo.

E) São excluídas desses limites as despesas com indenização por demissão de servidores.
GABARITO

Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta


1 E 36 B 71 C
2 A 37 A 72 E
3 E 38 B 73 E
4 D 39 B 74 A
5 E 40 E 75 E
6 C 41 D 76 E
7 A 42 E 77 A
8 E 43 C 78 D
9 A 44 A 79 D
10 E 45 E 80 C
11 A 46 A 81 B
12 D 47 E 82 A
13 D 48 A 83 B
14 C 49 D 84 C
15 A 50 D 85 E
16 E 51 D 86 A
17 A 52 A 87 A
18 D 53 B 88 A
19 E 54 E 89 C
20 D 55 B 90 E
21 D 56 D 91 B
22 B 57 E 92 C
23 D 58 A 93 C
24 A 59 B 94 E
25 A 60 A 95 E
26 D 61 D 96 D
27 A 62 A 97 E
28 B 63 B 98 B
29 D 64 C 99 C
30 E 65 E 100 E
31 A 66 D
32 D 67 C
33 E 68 D
34 E 69 B
35 A 70 A

Você também pode gostar