Você está na página 1de 11

Disciplinas

Espirituais
Meditação e Soaking
Disciplinas Espirituais
Meditação e Soaking
ZOE LILLY -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ao tratarmos das disciplinas espirituais nesta aula, não nos limitaremos a falar apenas sobre o que podemos
fazer para desenvolver nosso espírito, mas sim tudo aquilo que rege as diversas áreas da nossa vida, como as
finanças, a saúde, a parte profissional e também no que diz respeito ao nosso convívio familiar.

Isso quer dizer que disciplinas espirituais vão muito mais além do que simples práticas diárias nessa área.
Por exemplo, sempre que pagamos as contas no prazo, estamos cumprindo com o compromisso ao qual nos
dispomos. Como quando chegamos no horário estipulado ao nosso trabalho. Situações como essas mostram
que somos responsáveis e que nos importamos com aquilo. Do mesmo modo, se Cristo nos deu uma nova forma
de viver, temos que estar aptos para aceitar o desenvolvimento do Espírito Santo em nosso caráter. Esse é
o processo de metanoia do nosso homem interior que, ao ser guiado pela Palavra, começa agindo no espírito e
depois no corpo e alma.

Desta forma, se desprezamos a importância das disciplinas espirituais, ficamos impotentes para cumprir
os propósitos que foram designados por Deus. É o Seu chamado para nós que permite a nós experimentarmos
uma vida abundante, preenchendo o grande vazio que existe em nosso coração. Como a Palavra diz:

Nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito
daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade. (Efésios 1.11)

Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa
a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento. (Hebreus 6.17)

Por meio desses versículos, percebemos que Deus nos deu um propósito para cumprirmos. Entendemos os
detalhes dessa verdade à medida que cultivamos intimidade com Ele. Sobre isso, recomendamos a leitura do
livro: A prática da presença de Deus, de Nicholas Herman.

Logo, são as disciplinas espirituais que nos impulsionam a uma rotina de sensibilidade ao coração do Pai.
Existem várias formas de nos alinharmos com Sua vontade, como discorreremos nesta aula.

1. Leitura da palavra de Deus


Quando lemos as Escrituras, ouvimos o Senhor. Por esse motivo, não podemos ficar presos a uma leitura que
acontece apenas nos fins de semana ou nos cultos. Ter esse costume é caminhar sem direção:

Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para


os meus caminhos. (Salmos 119.105)

Existem tantas pessoas que vivem perdidas em seus próprios pensamentos e sem capacidade de se
posicionarem para tomar decisões importantes simplesmente porque não conhecem a Palavra de Deus. Esse
Salmo diz que ela é nossa direção, aquela que nos guia quando tudo o que vemos ao redor é escuridão. Porém,

2 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
não basta somente lermos da mesma forma que fazemos com outros livros. Precisamos entender que a palavra
escrita, logos, quando inspirada pelo Espírito Santo, se torna uma revelação vivificante, rhema. Por essa
causa, sempre que formos ler, temos que pedir ao Senhor uma mente aberta para aquilo que Ele quer dizer. Paulo
tinha esse costume e orava para que os cristãos em Éfeso também recebessem revelação das Escrituras:

Não cesso de dar graças por vós, fazendo menção de vós nas minhas orações, para
que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito
de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele. (Efésios 1.16-17)

Ainda assim, vemos com frequência pessoas dizerem que se cansaram da leitura bíblica. É provável que
isso aconteça porque elas não conseguiram alcançar a revelação que Deus tinha para elas. Se lemos, mas
não entendemos, então nos desinteressamos. Ou até pode ser que tenhamos entendimento, mas ficamos
desanimados por não caminharmos em direção aos passos práticos. Sendo assim, é importante reforçarmos que
não faz parte do Reino uma conversão que não se fundamenta na Palavra, como está escrito:

Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente


ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. (Tiago 1.22)

Isso não significa que a disciplina espiritual seja uma tarefa maçante. Tudo aquilo que fazemos referente ao
Reino Eterno segue uma linha de obediência e fluidez. Ou seja, quando submetemos nossas atitudes à ordem
divina, somos levados cada vez mais à espontaneidade. A menor das experiências que tivermos com a leitura
da Palavra, nos fará famintos por cada vez mais dela. É nesses momentos que desejamos maior intensidade
na presença de Deus, mais profundidade no Seu conhecimento e buscamos participação na edificação do Reino.

Essas instruções são confirmadas por Deus, quando Ele nos diz:

Eu corrijo e disciplino todo aquele a quem amo; portanto, abandone a sua


indiferença e se torne um entusiasta das coisas de Deus. (Apocalipse 3.19 – NBV)

Nesse texto, a palavra “entusiasta” vem do grego zéloó, que é compreendida da seguinte forma por alguns
estudiosos:

Zēlóō (uma palavra onomatopeia, imitando o som da água fervente) -


corretamente, borbulhar porque está muito quente (fervendo); (figurativamente)
“queimar com zelo” (J. Thayer); “estar profundamente comprometido com
alguma coisa, com a implicação do desejo associado - ‘ser sincero, colocar
o coração na pessoa, estar completamente atento’”. (tradução do autor)¹

Logo, compreendemos que uma função essencial da Palavra em nossas vidas é nos inspirar de tal forma que
não consigamos manter distância daquilo que Deus fala por meio dela. Assim, com a leitura bíblica, buscamos
compreender o que o Senhor está fazendo na Terra. Para isso, nós sempre teremos Seus ensinamentos à
disposição, e poderemos nos alimentar deles até estarmos saciados. Com o nosso corpo, não é diferente. Por
exemplo, nós nos alimentamos até percebermos que já temos o suficiente para cumprir as tarefas diárias.

¹ Estudo de Palavras. Bible Hub. Disponível em https://biblehub.com/greek/2206.htm. Acesso em março de 2020.

3 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
2. Oração
Assim como a leitura bíblica, a oração com entendimento é uma prática diária que deve ser realizada individual
e coletivamente. Diferente do que muitos podem pensar, ela não é uma frase simples que fazemos para Deus de
nossa lista de pedidos. Mas se agirmos dessa forma, estamos nos colocando em uma posição de dar instruções
ao Senhor, dizendo o que Ele precisa e o que não pode fazer. E não é esse o significado de oração, na verdade, ela
é um momento de relacionamento que está mais ligado com a amizade e paternidade que construímos com o
Senhor do que com uma fórmula preestabelecida de conversar. Esse é o tempo ideal para abrirmos nosso coração
ao Pai, dizendo aquilo que nos aflige e desanima, como também o que tem nos alegrado e motivado. Por meio de
um diálogo, nós receberemos as melhores instruções que vêm d’Ele. Essa visão da soberania divina faz com que o
cumprimento das disciplinas espirituais se torne um processo natural durante o dia.

3. Oração em línguas
No instante em que fomos batizados no Espírito Santo, adquirimos uma poderosa ferramenta de construção
interior:

O que fala em outra língua a si mesmo se edifica, mas o


que profetiza edifica a igreja. (1 Coríntios 14.4)

Além de gerar o crescimento do nosso novo homem, a oração em línguas é diferente da oração com
entendimento, visto que não precisamos compreendê-la. Quem fala a Deus é nosso espírito, como Paulo ensina:

Pois quem fala em outra língua não fala a homens, senão a Deus, visto
que ninguém o entende, e em espírito fala mistérios. (1 Coríntios 14.2)

Quando fluímos no Espírito, nossa mente fica inativa. Isso nos dá a possibilidade, por exemplo, de orarmos
em línguas ao mesmo tempo em que fazemos outras coisas. Ou seja, enquanto estamos arrumando a casa,
tomando banho, trabalhando ou dirigindo, podemos deixar que o Espírito de Deus flua em nós. Entretanto,
por mais que não precise de tanta concentração, essa é uma prática que exige fé. Sem isso, não enxergamos
que Deus está movimentando o mundo sobrenatural diante do natural. Logo, é necessário crer que enquanto
oramos, Ele está formando nosso interior.

4. Adoração
Sempre que comentamos sobre um momento de adoração, logo pensamos em uma banda ministrando o
louvor com alguma música. Ela também faz parte, mas não é a finalidade. Adorar a Deus é se derramar em Sua
presença, com cânticos ou não, com instrumentos ou somente usando a voz para fazer declarações de amor
em reconhecimento à Sua grandeza.

No Antigo Testamento, a adoração era o momento em que as pessoas se prostravam com rosto em terra, em
sinal de reverência. Hoje, por meio de Cristo, temos o contato direto com o Pai. Assim, quando nos achegamos a
Ele, teremos sempre um espírito renovado de adoração. É o que encontramos no livro de Salmos:

Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao


Senhor, todas as terras. (Salmos 96.1)

4 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
5. Jejum
Existem vários tipos de como se fazer um jejum. O que as pessoas mais fazem é o de Jesus, que também foi
feito por Moisés:

Durante quarenta dias, sendo tentado pelo diabo. Nada comeu


naqueles dias, ao fim dos quais teve fome. (Lucas 4.2)

Essa é a forma mais comum de jejuar, se abstendo totalmente de alimentos e, em alguns casos, permite-
se apenas a ingestão de água. Contudo, antes de se comprometer com um jejum, é bom ter a direção de Deus.
Assim, é possível notar grandes frutos, ao invés de começar por conta própria e correr o risco de desistir do
planejamento, criando uma grande frustração.

Outra forma de abstenção que encontramos na Palavra é a de modo parcial, muito conhecida por meio de Daniel:

Naqueles dias, eu, Daniel, pranteei durante três semanas. Manjar desejável
não comi, nem carne, nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com
óleo algum, até que passaram as três semanas inteiras. (Daniel 10.2-3)

Vemos nesse texto que Daniel não tirou todos os alimentos de sua refeição, e sim aqueles que fariam alguma
falta para o seu corpo. Normalmente, esse jejum é feito pela opção de se alimentar apenas com verduras e
legumes. Porém, vale observar que, no caso de um vegetariano ou vegano, a carne não lhe trará diferença
alguma, pois já não há mais esse consumo. Logo, é melhor retirar aquilo que fará falta, em que realmente exista
um esforço físico ou optar pelo jejum total. Assim, quando escolhemos transferir nossos desejos carnais para
os espirituais, aumentamos a sensibilidade para perceber o mundo sobrenatural. Aos poucos desenvolvemos
essa disciplina, alcançando níveis maiores. Portanto, é necessário sempre dar o primeiro passo, para, então,
criar um hábito.

Sabendo disso, reflita sobre as questões abaixo e responda:

1. No que consiste as disciplinas espirituais?

5 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
2. Como as disciplinas espirituais afetam seu relacionamento com Deus?

3. Por que precisamos priorizar as disciplinas espirituais em nossas vidas?

4. Qual foi o exemplo que Jesus nos deu sobre este assunto?

5. O que você pode fazer para se desenvolver nesta área?

6 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
6. Quais resultados você consegue notar pela prática da leitura bíblica em sua vida?

7. Como você pode influenciar outras pessoas a também


se aplicarem nas disciplinas espirituais?

8. Usando como exemplo a tabela a seguir, estipule suas metas diárias e


quanto tempo passará realizando cada uma, de acordo com sua rotina:

Oração com Oração em


Leitura da Bíblia Meditação Jejum
entendimento línguas

Data / Dia 15 min 15 min 10 min


Plano de leitura Check
da semana

- Mateus 1, 2
Segunda - Provérbios 1 X X X X 24h água
- Salmos 1

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

Domingo

7 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
MEDITAÇÃO E SOAKIN
A. O QUE É MEDITAÇÃO
Uma disciplina espiritual que ainda é confusa na mente de muitas pessoas é a meditação. Pensamos que ela
é uma atividade exotérica, de propriedades ocultas ou, ainda, que vem do yoga. Esquecemos, contudo, que essa
prática é citada na Bíblia inúmeras vezes, sendo um exercício fundamental para crescermos no entendimento e
na revelação das Escrituras.

No próprio Velho Testamento encontramos versículos se referindo à meditação:

Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite,
para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito;
então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido. (Josué 1.8)

Quanto amo a tua lei! É a minha


meditação, todo o dia! (Salmos 119.97)

Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei


medita de dia e de noite. (Salmos 1.2)

Nos três exemplos que vimos, percebemos que a meditação está sempre acompanhada da Palavra. Essa é
a diferença para as outras formas de meditação que conhecemos, na qual apenas buscam esvaziar o homem
interior. Porém, quando olhamos para a Bíblia, não temos o objetivo de desocupar a mente, mas preenchê-la
com a voz de Deus. Esse é o processo no qual lemos as Escrituras: concentramos nela nosso entendimento e
pedimos ao Senhor para que revele Suas intenções.

Dentre os diversos benefícios que essa disciplina pode trazer, podemos citar:

1. Profundidade na Palavra: Essa é a consequência de digerir tudo o que lemos nas Escrituras. Quando
comemos um saboroso prato de comida, valorizamos cada instante daquele momento. Da mesma forma,
precisamos apreciar a Palavra de Deus, visto que ela nos levará a mais maturidade espiritual;

2. Mudança de perspectiva: Enquanto estamos em uma situação intensa emocionalmente, quer boa ou ruim,
somos frágeis em enxergar o que realmente está acontecendo. Mas se pararmos o que estamos fazendo e
meditarmos no que a Palavra diz, então nossa visão muda. Nós passamos a ver pela perspectiva de Deus,
em que tudo é mais nítido e simples de ser resolvido;

3. Sensibilidade ao Espírito Santo: Um erro comum em nossa rotina é tratarmos as disciplinas espirituais
como uma lista que só existe para darmos check. Fazemos isso porque temos, além do serviço no Reino
de Deus, dezenas de outros compromissos que consomem nosso tempo. Entretanto, se não soubermos
valorizar o que tem poder para direcionar nossas vidas, não alcançaremos a vontade de Deus. É importante
desenvolvermos intimidade com o Espírito Santo para sabermos aonde Ele quer nos levar. A meditação nos
conduz a esse lugar de alinhamento com a Palavra.

Além dos benefícios espirituais, a meditação também funciona como um bom tratamento emocional. Ela
nos auxilia a ter mais controle sobre nossa mente, evitando pensamentos depressivos e de ansiedade. Na
maioria das situações, basta pararmos um momento para refletir naquilo que estamos pensando. Dessa forma,
entenderemos facilmente que grandes problemas que atrapalham nossos afazeres, crescem quando estamos

8 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
com a consciência desordenada. Ao alcançarmos o domínio dos nossos pensamentos, também teremos mais
capacidade para tomar melhores decisões. A falta de controle das emoções é um empecilho que nos faz tomar
atitudes que não estão baseadas na Bíblia. Assim, parar por um momento é muito útil para restaurar a calma
e a mansidão diante dos conflitos.

Por fim, são cientificamente reconhecidos os benefícios físicos da meditação. Ela melhora a qualidade do
sono; diminui a inflamação, aumentando com isso o sistema imunológico; abaixa os níveis de cortisol que causam
estresse; e eleva o desempenho mental com mais concentração, afetando, assim, a memória.

B. COMO PRATICAR O SOAKING E A MEDITAÇÃO


O soaking é uma técnica pouco conhecida no contexto da igreja. Não encontramos referência para esse
termo na Palavra, porém, isso não faz dela uma heresia. A tradução do inglês para essa expressão é “imersão”,
no sentido de algo que fica mergulhado em um líquido absorvendo suas propriedades. Então, quando praticamos
o soaking, nos encontramos em um lugar cheio da presença de Deus, e nossa vida absorve esse ambiente
espiritual. Podemos ver no livro de Lamentações que o profeta esperava no Senhor pela sua salvação:

Bom é o Senhor para os que esperam por ele, para a alma que o busca. Bom é
aguardar a salvação do Senhor, e isso, em silêncio. (Lamentações 3.25-26)

Da mesma forma podemos, em silêncio, colocar nosso coração na presença de Deus, nos concentrar nela e
sermos renovados. A diferença da meditação é que ela necessita da Palavra de Deus para ser praticada. Já no
soaking, estamos em um momento de completa rendição diante do Pai. Logo, definimos que o soaking está
inserido na esfera da meditação e que, assim, se faz essencial para o crescimento da vida cristã.

Portanto, a prática das duas técnicas pode ser muito semelhante. O exercício delas depende de um lugar
silencioso, preferencialmente, mais afastado. O uso de música nos ajuda, contanto que seja instrumental em um
idioma não conhecido, uma vez que o objetivo não é ouvir as letras da canção, e sim a voz de Deus.

No caso da meditação, um texto das Escrituras deve ser escolhido para pedirmos ao Senhor por revelações
mais profundas que venham do Seu coração. Talvez não seja fácil no início, mas depois de três semanas,
aproximadamente, criamos um hábito e, então, passamos a fluir com naturalidade.

Depois de cumprirmos as disciplinas espirituais, é importante agradecer por tudo o que Deus nos abençoou e,
cada vez mais, investir nossa melhor porção de tempo em Sua presença.

Por fim, para fixar tudo o que vimos em aula, responda as questões a seguir:

1. O que a Palavra diz sobre meditação?

9 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
2. Por que a meditação bíblica se difere tanto da secular?

3. Qual a importância da meditação em nosso crescimento espiritual?

4. Qual a diferença entre meditação e soaking?

5. Como você pode intensificar essas práticas?

10 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
6. Leia o texto de Efésios 6.18 e medite nele por cinco minutos.
Descreva quais revelações você teve nesse tempo.

7. Como você pode enfrentar os desafios que o(a) impedem de


estabelecer hábitos, principalmente ligados à área espiritual?

DESAFIO PESSOAL: Como vimos, podemos criar hábitos após cerca de 21 dias de repetição, mas também podemos
nos livrar de atitudes ruins. Com base nisso, pense em duas coisas: uma que gostaria que fosse presente em
sua rotina e outra que queira retirar de uma vez por todas da sua vida. Faça um planejamento de meditação
diário e escolha um versículo para declarar para cada dia. Isso lhe guiará ao longo desse tempo, fazendo com
que permaneça, mesmo querendo desistir. É importante se atentar ao desenvolvimento que terá nesse período,
celebrando cada passo, por menor que seja. Ao terminar, compartilhe conosco sua experiência!

11 DISCIPLINAS ESPIRITUAIS