Você está na página 1de 12

1

A ABORDAGEM DA DANÇA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA


IMPORTÂNCIA

Jefferson Francis Ferreira Lima

José Gerivânio Bezerra da Silva

RESUMO

O presente artigo procurou entender como a dança está sendo tratada nas aulas de Educação
Física, realizando discussões sobre as dificuldades, resistências por parte dos alunos e
professores e também sua importância como conteúdo a ser abordada. Por meio dos dados
coletados, buscamos compreender como os profissionais de Educação Física estão lidando
com o conteúdo de dança em suas aulas, como enfrentam as dificuldades e desafios, se a
dança está presente nas aulas e se sua preparação profissional é capaz de proporcionar
conhecimentos, aprendizagens e ensinamentos aos alunos. Baseado na literatura escolhemos a
dança por entender que a mesma está sendo descontextualizada e marginalizada nas aulas de
Educação Física, vimos também que a dança é muito utilizada como atividade extracurricular,
festas e eventos comemorativos por parte dos professores e não é tratada mostrando sua
essência, sua importância, seus reais significados para os alunos. Os professores questionados
entendem a dança como conteúdo importante para ser ensinado aos alunos, descrevem alguns
objetivos que podem ser alcançados durante o processo, porém muitos não tiveram em sua
graduação acadêmica ou não trabalham em suas aulas de Educação Física, desta maneira a
pesquisa e a busca pelo conhecimento passam a ser fatores importantes a serem abordados
para que os mesmos consigam ter a noção necessária para ensinar de maneira eficaz
aprofundando este conteúdo.
Palavras-chave: Dança – Educação Física – Formação Profissional.

INTRODUÇÃO

A Dança possui diferentes significados e sentidos e faz parte de diversos momentos de nossa
vida, ao dançar movimentamos expressivamente o corpo realizando movimentos ritmados,
com arte e criatividade. Porém a dança é mais do que uma expressão artística e por meio dela
podemos adquirir aprendizados, conhecimentos, desenvolver a criatividade e pode ser usada
2

como um lazer e uma maneira de comunicação por possuir uma linguagem corporal onde por
meio dos gestos, expressões faciais e posturas os movimentos querem nos dizer e transmitir
algo, passando de uma expressão corporal onde diz respeito apenas aos movimentos do
corpo propriamente dito e assim alcançando outros níveis.

Pensando nas aulas de Educação Física a dança é muito importante e o Brasil possui uma
grande diversidade cultural, desta maneira a dança é notada como uma das expressões com
mais significados e possibilidades de ser ensinada aos alunos da Educação Física Escolar.
Danças de rua, de salão, folclóricas, brasileiras, por exemplo, possuem características e
significados, fazendo parte da cultura de determinados povos, de determinados estados que
podem agregar aos alunos se forem bem exploradas em sua essência ou serem bem abordadas
pelos professores nas aulas de Educação Física pensando que algumas destas danças já fazem
até parte da cultura de alguns alunos, favorecendo a absorção do conhecimento, facilitando o
ensinamento e a aprendizagem dos mesmos.

A dança consiste num dos conteúdos do currículo da Educação Física, inclusa no Bloco das
Atividades Rítmicas e Expressivas, tendo como principal característica a expressão corporal.
Há uma diversidade de aprendizagens possíveis por meio da dança, em especial, o
conhecimento da cultura rítmica dos povos contribuindo para formação social e cultural do
aluno, permitindo discussões que inclui a valorização da identidade do sujeito. BRASIL, 1998
(Apud DA CRUZ; COFFANI, 2015)

Porém nas aulas de Educação Física ainda há muitas dificuldades, em algumas escolas a falta
de materiais e espaço surge como um dos problemas citados pelos professores para a não
presença da dança nas aulas de Educação Física, mas vemos outras situações mais relevantes
como o não interesse de alguns professores, o fato de não terem em sua formação o conteúdo
dança, a não formação continuada, a resistência encontrada nas aulas por parte de alguns
alunos, a utilização da mesma apenas em eventos e festas comemorativas, ou seja, diversos
desafios a serem superados para que se tenham boas aulas de dança na Educação Física e os
maiores beneficiados sejam os alunos.

OBJETIVO

Entender como a dança está sendo abordada nas aulas de Educação Física e qual a sua
importância.
3

METODOLOGIA

A metodologia utilizada foi descritivo-qualitativo, por meio de pesquisa de campo, fazendo


um levantamento de como a dança está sendo tratada nas aulas de Educação Física e qual a
sua importância. Foi realizado um questionário aberto contendo cinco (5) perguntas para
cinco (5) professores de Educação Física, com idade entre 30 e 55 anos, classificados na
tabela como: P1, P2, P3, P4, P5, para colher informações e opiniões sobre o assunto. Todos os
profissionais são do sexo feminino, que atuam na área entre cinco (5) e vinte e sete (27) anos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Importância da preparação profissional (graduação em Educação Física) para o ensino da


Dança nas aulas de Educação Física

P1- Quando fiz a faculdade tínhamos recreação da matéria e nela estava inserida dança.

P2- Básicos.

P3- Sou formada em balé clássico, o que facilitou o ensino de dança para o ensino
fundamental I e II.

P4- Na faculdade onde fiz não tinha dança na grade curricular.

P5- Não tive dança.

Tendo em vista as respostas P1 e P2 é de se compreender que ambas adquiriram


conhecimentos básicos em dança na sua formação acadêmica, ou seja, apenas algo inicial,
muito raso para se chegar ao ensinamento ideal da dança na Educação Física, como por
exemplo, conceitos da linguagem e expressão corporal. Entendendo a Dança como conteúdo
importante a ser explorado nas aulas onde o aluno seja o maior beneficiado, é fundamental
abordar a dança em sua essência por parte dos profissionais como buscar ao máximo
informações e conceitos por meio de pesquisas e absorver conhecimentos a fim de sempre
estar buscando aprender e ensinar aos alunos a dança.

Brasileiro (2002, p. 10) apud DA CRUZ;COFFANI (2015) explica que a conceituação do que
seja dança é organizada em dois eixos conceituais, de forma que o “[...] primeiro apresenta-a
como movimento que fortalece, coordena, etc., e, com isso, ajuda a todas as atividades da
Educação Física; enquanto o segundo apresenta-a como expressão cultural de um povo”.
4

Citamos acima (BRASILEIRO, 2002) para exemplificar como a dança pode ser estudada em
diversas formas, ou seja, é um conteúdo que pode ser muito produtivo para os alunos e atingir
a motivação e interesse dos mesmos se forem bem utilizados, indo muito mais além do que a
questão mais estética da dança, como a realização pensando apenas nos movimentos do corpo
propriamente ditos, sem a transmissão de seus significados. Pensando nas respostas P4 e P5,
conclui-se que as mesmas não tiveram dança em sua formação, desta maneira se não houver
pesquisas e uma busca pelo conhecimento da dança como foi dito sobre as respostas de P1 e
P2 onde elas ainda vivenciaram o básico, inevitavelmente terão dificuldades em aplicá-la.
Uma inadequada formação em dança, que em muitos casos é restrita a uma única disciplina
do curso de graduação, com carga horária incipiente, o que não possibilita o aprofundamento
necessário de conhecimento e experiências com o ensino de dança. (DA CRUZ; COFFANI;
2015)

No entanto ao interpretar a resposta P3 notamos que ela possui algo a mais em comparação
com as outras, por ser formada em balé clássico a mesma tem facilidades em aplicar as aulas
de dança na Educação Física. Tudo indica que esta professora domina mais o conteúdo por de
alguma maneira já ter vivenciado, além de ser formada em balé, suas motivações em ensinar e
aprender podem ser motivos importantes para o ensinamentos da dança e nas aulas de
educação física a abordagem tende a ser benéfica a quem deve ser priorizado, os Alunos.

A importância da dança nas aulas de Educação Física.

P1- Acredito que ajudaria na formação corporal do educando.

P2- De grande importância.

P3- Os alunos vivenciam o mundo da música.

P4- Não tive na faculdade, mas acredito que seja importante para o desenvolvimento do
aluno.

P5- Expressão corporal.

Ao observar as respostas P1, P2, P4 e P5 é notório que todas entendem como é importante o
ensino da dança nas aulas de Educação Física, entendem como fundamental na formação
corporal do aluno, na expressão corporal e para o seu desenvolvimento, já a P3 relaciona a
5

música com a dança, ou seja, ela entende que a música é importante para os alunos ao
vivenciar a dança com música.

Percebemos nas falas que as professoras sabem da importância da dança para os alunos, para
a cultura deles e de alguns objetivos que ela pode atingir , no entanto vimos que as respostas
não estão totalmente abertas e bem explicadas ao ponto de deixar claro qual o real papel da
dança e sua importância nas aulas de Educação Física, como ela poderá contribuir para os
alunos em questões de habilidades básicas, em seus movimentos fundamentais, como ela
poderá favorecer na criatividade, aprendizagem e no processo de construção de
conhecimentos.

Como afirma Ehrenberg (2008) (apud SOUSA et al.) ainda parecem não estar claras as formas
e maneiras de vivenciar a dança nas aulas de Educação Física com a convicção de que a dança
pode e deve ser entendida como uma das manifestações da cultura corporal e que, portanto,
deve ser entendida como objeto de estudo da Educação Física. O autor referido explica como
a valorização da dança nas aulas é algo que deve ser prestigiado e estudado, pois está ligado a
cultura corporal.

Especificamente ao falar da relação dança/música, P3 cita algo muito observado aos que
vivenciam a dança, a questão musical. O Cognitivo (memória, raciocínio, processo mental de
percepção, etc.) é atingido e estimulado ao vivenciar a dança com música, desta forma
notamos que a dança pode ser abordada com a música (mais comum) e que traz benefícios,
como pode ser utilizada também sem a música. Os elementos trabalhados na dança por meio
da música criam experiências que auxiliam na elaboração do pensamento, implicando uma
consciência rítmica, recepção auditiva, compreensão intelectual da música, levando a um
desenvolvimento maior que apenas as faculdades corporais e mentais, contribuindo para o
desenvolvimento integral da personalidade em todos os âmbitos. ESCOBAR, 2005;
GONZÁLEZ, 2005. (apud SILVA et al., 2002).

Objetivos do ensino de dança nas aulas de Educação Física.

P1- Não posso descrever.

P2- Desenvolver noção de ritmo. Expressar-se corporalmente despertar o caráter lúdico e


prazeroso das diversas manifestações rítmicas.
6

P3- Capacitar o educando para que tenha ritmo, noção de espaço e percepção do corpo.

P4- Não dou aula de dança, mas acredito ser importante para a formação do aluno.

P5- Não tenho dança da grade.

Devido às respostas P1 e P5, concluímos que a primeira não soube ou não quis opinar sobre o
assunto, a segunda diz não ter dança na grade curricular, desconhecendo os objetivos do
ensino da dança, já a P4 não trabalha com a dança, mas entende como conteúdo importante
para os alunos. Os Objetivos da dança devem ser valorizados e alcançados quanto a
exploração desse conteúdo, para que se possa favorecer os principais alvos que são os alunos,
estimulá-los em vários níveis como a formação crítica, a socialização, tornar esse aluno mais
participativo e responsável nas aulas, em seus movimentos corporais e o conteúdo pode
proporcionar estes aspectos e influenciá-los culturalmente.

A dança pode proporcionar diferentes experimentações corporais e integradoras. Por meio


dela, pode-se trabalhar o desenvolvimento e o refinamento de habilidades motoras diversas, a
cultura e a socialização, não apenas com crianças, mas também com adolescentes e adultos.
(BÖHM; TOIGO; 2012). Os autores citados mencionam a importância de se trabalhar a dança
e seus objetivos de ensino nas aulas de Educação Física, sempre bom lembrar que deve haver
coerência ao tratar estes objetivos, cada faixa etária deve ser abordada de uma maneira para
que cada um possa adquirir e absorver melhor o que foi transmitido e não vivenciar situações
com objetivos inalcançáveis que possam desmotivar os alunos em suas aulas.

A dança, independentemente de sua modalidade, tem como objetivo buscar a expressão


individual de pensamentos e sentimentos, desenvolvendo a psicomotricidade, que é uma
percepção para gerar ações motoras que influenciam os fatores intelectuais, afetivos e
culturais. MARTÍN et al., 2008. (apud SILVA et al., 2012).

P2 e P3 seguem uma mesma linha de raciocínio, entendendo como de grande importância


trabalhar alguns objetivos ao ensinar a dança, como a questão do ritmo, percepção do corpo,
noção de espaço e expressão corporal. A dança é um meio que a Educação Física tem que se
caracteriza por ser uma prática que preconiza o movimento e este requer elementos com
ritmo, expressão e forma (SILVA et al., 2012). O Ritmo é um dos componentes essenciais da
música, pelos movimentos corporais o aluno poderá ser capaz de coordenar os movimentos
sentindo os tempos fortes e fracos de uma música, por exemplo. Desta maneira as
7

observações de P2 e P3 são muito relevantes ao mencionar o ritmo, que pode ser um dos
objetivos a serem alcançados nas aulas, além dos outros já mencionados.

Dificuldades encontradas pelo professor para trabalhar a dança na Educação


Física.

P1- Nunca trabalhei.

P2- Encontrar a identificação com o conteúdo.

P3- A interação de todos na mesma prática, é a maior dificuldade.

P4- Sem resposta pois não trabalho com dança.

P5- Não tenho dança.

Assimilando as respostas P1, P4 e P5, reconhecemos que as mesmas não trabalham e não tem
dança, assim não souberam responder, já a P2 vê dificuldade em encontrar afinidade com a
dança, entendemos que por alguns possíveis motivos, podendo ser o não aprofundamento do
conteúdo, o não interesse ou até mesmo por em sua cultura não ter vivenciado da melhor
maneira a ponto de obter o conhecimento necessário ou se vivenciou em poucos momentos,
como citou que tem conhecimentos básicos, não conseguir alcançar os objetivos nas aulas de
dança.

Agora P3 diz que a maior dificuldade é a interação com todos na aula de dança, ou seja,
integrar os gêneros. Falando da questão do gênero, muitos meninos, não todos, se recusam a
participar das aulas de dança por sentirem vergonha, por exemplo, e serem alvos de
preconceitos por parte dos colegas, neste caso cabe ao professor rebater esses
comportamentos e questioná-los, claro que com argumentos e atitudes respeitando o aluno,
pois há uma cultura na sociedade que ditam alguns valores e comportamentos, desta maneira
tentando superar esses desafios para que os mesmos possam estar integrados a aula
normalmente, fazendo intervenções para que a aula ocorra de forma eficaz e ambos os
gêneros aprendam a lidar com essas diferenças.

[...] Quando uma diferença entre sexos justifica a (não) participação/vivência de um ou


outro sexo em vivências de movimento que lhes proporcionariam descoberta de
potencial, estabelece-se a discriminação e não o atendimento à individualidade/
8

singularidade, como sempre foi reivindicado pelos professores, ou por preconceito, ou


por incapacidade de lidar com as diferenças de sexo e/ou de gênero. Saraiva Kunz et
al. (1998, p. 27), (apud BRASILEIRO, L.T.,2002-2003).

Aos professores que não tem e nunca trabalharam com a Dança, encontrarão muitas
dificuldades em aplicá-la, se em sua formação não a teve como conteúdo ou se teve não
conseguiu absorver da melhor forma, isso impactará em suas aulas de forma negativa
trazendo situações onde o professor se sentirá incapaz, não terá a experiência necessária para
resolver a situação, preconceitos por parte de alguns alunos e a não participação serão
algumas das dificuldades que certamente serão encontradas.

A formação de professores é um ponto crítico, no que diz respeito ao ensino de dança na


escola e nas aulas de Educação Física. Marques (2007, p. 21/22) ( apud DA CRUZ;
COFFANI, 2015), comenta a visão ingênua que se tem a respeito do ensino de dança e alguns
dos preconceitos existentes em relação à dança. Na grande maioria dos casos, professores não
sabem exatamente o que, como ou até mesmo o porquê de ensinar a dança na escola.

Resistência e dificuldades encontradas por parte dos alunos, quando se trata do


conteúdo dança na Educação Física.

P1- Não posso opinar.

P2- No ciclo I não vejo muita resistência, eles gostam, se divertem e sempre participam. No
ensino fundamental e médio eles têm vergonha e se sentem mais à vontade apenas quando
trata-se do gênero escolhido por eles.

P3- As resistências são mínimas, geralmente os meninos têm uma resistência maior, quando
percebem o tipo de música que é de sua geração começam a interagir mais.

P4- Como disse anteriormente, não trabalho com a dança.

P5- Não tenho dança.

Como foi citado anteriormente P1 não pôde opinar e P4 e P5 ou não souberam responder ou
não quiseram opinar e não trabalham com a dança, dessa maneira os mesmos talvez não
tenham a noção das resistências e dificuldades que os alunos possam ter, isto se deve
provavelmente a não vivencia da dança em sua graduação porque não tiveram ou pelo pouco
9

aprofundamento do conteúdo, falta de pesquisas para se chegar ao conhecimento ideal para se


ter o mínimo de noção para poder ensinar.

P2 e P3 praticamente não encontram resistência ou dificuldades, P2 afirma que no ensino


fundamental e médio eles sentem mais vergonha e só ficam mais à vontade quando os
próprios têm mais autonomia ao escolherem as músicas, já para P3 os alunos interagem mais
quando o tipo de música está ligado a sua cultura. Algumas dificuldades são encontradas
pelos alunos, o preconceito e discriminação são situações que ocorrem frequentemente nas
aulas de Educação Física, geralmente nos esportes as meninas não querem participar, por
sentirem vergonhas e por serem alvo de crítica dos meninos, como ser tratada como menos
habilidosa, de não ser competitiva, etc.

Na Dança ocorre o mesmo, muitas vezes por outro lado, onde os meninos que querem
participar são alvos de colegas com discriminações e preconceitos, onde estes entendem que
dança é apenas para meninas. Como citado nas respostas duas professoras não encontram
muita resistência ( P2 e P3), quando se dá mais autonomia e os alunos por exemplo escolhem
um ritmo ou uma música que são mais de sua cultura ou época eles tendem a se sentirem mais
a vontade e com mais apetite de participar, vão se interagindo mais pois são situações que são
mais costumeiras e habituais deles, é de grande importância trabalhar pensando e construindo
um cenário favorável para que os mesmos se sintam motivados e confiantes em realizar o que
foi proposto. MOREIRA, FERREIRA e SÁ (2011) apud BÖHM; TOIGO; (2012),
argumentam que após um período de experiências com a dança nas escolas, os alunos se
sentem mais valorizados e seguros, melhorando sua capacidade de socialização e interação
dentro do ambiente escolar com colegas e professores.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Constatou-se através dos resultados do estudo que a Dança é um conteúdo muito importante a
ser ensinado nas aulas de Educação Física. Evidenciou-se que esses profissionais
questionados entendem como importante ensinar a dança nas aulas pois proporciona diversas
possibilidades de aprendizados como a expressão e linguagem corporal, auxiliando também
no desenvolvimento deste aluno. No âmbito de importância possui objetivos que se
alcançados levará aos alunos significados, valores e cultura, que se forem absorvidos servirão
de grande importância para o seu conhecimento.
10

O Papel no ensino da dança é de fundamental importância por parte do professor que deve
junto com a escola intervir sempre que for necessário e agir de maneira correta, encontrando
estratégias para enfrentar alguns desafios que são apresentados nas aulas de dança na
Educação Física. Situações de preconceitos e discriminações que são presenciados nas aulas
devem ser solucionadas sempre com boas atitudes, questionado e respeitando o aluno, que já
possui valores e hábitos adquiridos de sua cultura que podem acarretar em alguns
comportamentos indesejados.

Vimos que alguns professores questionados não trabalham com a dança e outros não
encontram resistência alguma em aplicá-la, porém isto não quer dizer que está claro o que a
dança pode significar para aquele aluno e que os objetivos a serem tratados fiquem apenas nas
questões de percepção corporal, ritmo e expressão corporal. Ao olhar do aluno, se sentirá mais
confiante quando possui mais responsabilidades nas aulas, como ter mais autonomia ao
escolher um ritmo ou música para se sentir mais confiante e integrado a aula, assim se
motivando a participar e auxiliando na motivação dos próprios colegas.

Verificou- se que a dança está sendo abordada por quem já possui algum tipo de experiência,
assim encontrando mais facilidade em dar as aulas, por outro lado quem não tem ou não teve
dança não está utilizando a dança como um conteúdo que está previsto nas orientações dos
currículos da escola.

Conclui-se que a dança além de ser algo diferente para a maioria dos alunos nas aulas de
Educação Física, possui inúmeros valores que podem agregar para o conhecimento dos
alunos, mas devem ser ensinados com objetivos claros, com o intuito de mostrar que a dança é
mais do que apenas uma questão estética e só de movimentos, coreografias e utilização da
música e sim porque possuem outros significados e uma linguagem corporal que são
necessários a serem aprendidos.

REFERÊNCIAS

BÖHM; TOIGO; A Dança nas aulas de Educação Física : A visão de alunos e professores das
5ª e 6ª série de uma escola municipal de Canoas, RS. Revista Cippus – UnilaSalle – v. 1 n. 2
nov/2012.

BRASILEIRO,L.T; O conteúdo “dança” em aulas de educação física : Temos o que ensinar ?.


Pensar a Prática 6 : 45-58, Jul./Jun. 2002 – 2003.
11

DA CRUZ; COFFANI ; Dificuldades e desafios para o ensino de dança, nas aulas de


educação física, no ensino fundamental II. Revista Kinesis, Vol. 33, n° 1, Jan-Jun de 2015,
Santa Maria.

SILVA ,C; ALCÂNTARA; LIBERALI; NETTO; MUTARELLI; A Importância da dança


nas aulas de educação física – Revisão Sistemática. Revista Mackenzie de Educação Física
e Esporte - v.11, n.2,2012, p.38-54.

SOUSA; A; FLORÊNCIO, N; DA SILVA; A Dança enquanto conteúdo da educação física


escolar.

STRAZZACAPPA; Dança na educação, Discutindo questões básicas e polêmicas; Pensar a


Prática 6 : 73-85, Jul./Jun.2002-2003.
1

Você também pode gostar