Você está na página 1de 242

Matemática A • 12.

º ano

EXERCÍCIOS DE
MATEMÁTICA A 12
Francisco Cabral
PROPRIEDADES DAS OPERAÇÕES SOBRE CONJUNTOS
RESOLUÇÕES

ITENS DE SELEÇÃO

1
​|x - 1| > 7 ⇔ x - 1 < -7 ∨ x - 1 > 7 ⇔ x < -6  x > 8​
Então, ​A = ​{x   ∈ ℕ :  x < − 6 ∨ x > 8}​  = ​{9   ;  10 ;  11 ;  …}​​ 
E, portanto, no universo ​ℕ​, A​ ​​   = ​{1   ;  2 ;  3 ;  4 ;  5 ;  6 ;  7 ;  8}​​ 

Resposta: B .

2
​ | − 1 + 2x | ​ < 15 ⇔ − 1 + 2x > − 15 ∧ − 1 + 2x < 15 ⇔ 2x > − 14 ∧ 2x < 16 ⇔​
​⇔ x > − 7 ∧ x < 8​

Portanto, no universo ​ℕ​, ​A = ​{1   ;  2 ;  3 ;  4 ;  5 ;  6 ;  7}​​ 


​ | 1 − x | ​ ≥ 3 ⇔ 1 − x ≤ − 3 ∨ 1 − x ≥ 3 ⇔ x ≤ − 2 ∨ x ≥ 4​

Logo, no universo ​ℕ​, ​B = ​{4   ;  5 ;  6 ;  7 ;  8 ;  9 ;  10 ;  …}​​ 


Logo, ​A ∩ B = ​{4   ;  5 ;  6 ;  7}​​ 
Resposta: D .

3
​1 − ​x​ ​ > − 24 ⇔ ​x​ ​ − 25 < 0 ⇔ x > − 5 ∧ x < 5​
2 2

Logo, no universo ​ℕ ,​ ​A = ​{1   ;  2 ;  3 ;  4}​​ 


‾  = ​{5   ;  6 ;  7 ;  8 ;  …}​​ 
​​A​
​x​ ​ − 8x ≥ 0 ⇔ x ​(x − 8)​ ≥ 0 ⇔ x ≤ 0 ∨ x ≥ 8​
2

Assim, no universo ​ℕ ,​ ​B = ​{8   ;  9 ;  10 ;  11 ;  …}​​ 


‾  = ​{1   ;  2 ;  3 ;  4 ;  … ;  7}​​ 
​​B​


O conjunto A ∪ B​
​ = ​A​
   ‾  = ​{5   ;  6 ;  7}​​ 
‾  ∩ ​B​
Resposta: A .

4 ​x​ ​ = − 4 ∨ x ≤ 2 ⇔ condição impossível  ∨ x ≤ 2 ⇔ x ≤ 2​
2

Logo, no universo ​ℕ ,​ ​A = ​{1   ;  2}​​ 


​− 6x ≤ − 36  ∧ x ≤ 7 ⇔ x ≥ 6 ∧ x ≤ 7 ⇔ x = 6 ∨ x = 7​

Logo, no universo ​ℕ,​ ​B = ​{6   ; 7}​​ 


​A × B = ​{(​  a ;  b)​ : a ∈ A  ∧ B ∈ B}​  = ​{​(  1 ;  6)​ ;  ​(1 ;  7)​ ;  ​(2 ;  6)​ ;  ​(2 ;  7)​}​​ 
Resposta: A .

5
​A ∩ ​(A​ ‾)  ​ = ​(A ∩ ​A​
​‾  ∪ ​B​ ‾)  ​ ∪ ​(A ∩ ​B​
‾)  ​ = ∅ ∪ ​(A ∩ ​B​
‾)  ​ = A ∩ ​B​
‾​ 
Resposta: D .

6 Pretende-se contar todas as funções que se podem definir de ​A​ para ​B​, isto é , funções de domínio ​A​ e
conjunto de chegada ​B.​

Resolução:
Sejam ​f​i​ tais funções. Construindo os respetivos gráficos, tem-se que:
​G​​f​ ​​ = ​{​(  a ; 1)​ ; ​(b ; 1)​ ; ​(c ; 1)​ ; ​(d ; 1)​}​​ 
1

​G​​f​ ​​ = ​{​(  a ; 2)​ ; ​(b ; 2)​ ; ​(c ; 2)​ ; ​(d ; 2)​}​​ 


2

​G​​f​ ​​ = ​{​(  a ; 3)​ ; ​(b ; 3)​ ; ​(c ; 3)​ ; ​(d ; 3)​}​​ 


2

​G​​f​ ​​ = ​{​(  a ; 1)​ ; ​(b ; 1)​ ; ​(c ; 1)​ ; ​(d ; 2)​}​​ 


EXMAT12 © RAIZ EDITORA

​G​​f​ ​​ = ​{​(  a ; 1)​ ; ​(b ; 1)​ ; ​(c ; 1)​ ; ​(d ; 3)​}​​ 


3

Etc…

2
Verificamos que existem ​(​3​ ​)​ funções de domínio ​A​ e conjunto de chegada ​B.​ Este número representa o núme-
4

ro de sequências de quatro elementos que se podem formar com valores em { ​ 1   ;  2 ;  3}​​ 

RESOLUÇÕES
Com efeito, se considerarmos apenas as imagens em cada função temos as seguintes sequências constituídas
por três elementos:
(​ 1 ;  1 ;  1 ;  1)​ ;   ​(2 ;  2 ;  2 ;  2)​ ;  ​(2 ;  2 ;  2 ;  2)​ ;   ​(1 ;  1 ;  1 ;  2)​ ;   ​(1 ;  1 ;  1 ;  3)​ ;​ …
Resposta: B .

7 Pretende-se determinar o número de elementos do conjunto das partes de ​A,​ sendo este conjunto formado
por todos os subconjuntos de ​A,​ e que se representa por ​𝒫 ​(A)​.
Prova-se por indução que, para qualquer ​n ∈ ​ℕ​0​, um conjunto com n
n
​ ​ elementos tem ​2​ ​   ​ subconjuntos. Então,
neste exemplo, o conjunto das partes do conjunto ​A​ tem ​2​ ​ = 128​
7

Logo, ​#𝒫 ​(A)​ = 128​
Resposta: D .

ITENS DE CONSTRUÇÃO

8
8.1
​A = ​{x   ∈ ℝ :   ​ | x − 3 | ​ > 4}​​ 
​ | x − 3 | ​ > 4 ⇔ x − 3 < − 3 ∨ x − 3 > 3 ⇔ x < 0 ∨ x > 6​
Logo, ​A = ​ ] − ∞ ;  0 [ ​ ∪ ​ ] 6 ;  + ∞ [ ​​


​​   = ​ [0 ;  6] ​​
8.2 A​

8.3 ​B = ​{x   ∈ ℝ : ​ | 2 − x | ​ < 2}​​ 


​ | 2 − x | ​ < 2 ⇔ 2 − x > − 2 ∧ 2 − x < 2 ⇔ − x > − 4 ∧ − x < 0 ⇔ x < 4 ∧ x > 0​
Logo, ​B = ​ ] 0 ;  4 [ ​​


​​   = ​] − ∞ ;  0]​ ∪ ​[4 ;  + ∞ [​​
8.4 B​

9

x + 2 ⎫⎬
​A = ​{x   ∈ ℝ :   ​ | − 2 + 2x | ​ < 4}​ , ​B = ​{x   ∈ ℝ : ​ | 3x + 1 | ​ ≥ 1}​    e​ ​C = ​⎨x    ∈ ℝ : x ≤ x − ​ ____
     ​ ​ , subconjuntos de ​ℝ​.
⎩ 3 ⎭
​ | − 2 + 2x | ​ < 4 ⇔ − 2 + 2x > − 4 ∧ − 2 + 2x < 4 ⇔ x > − 1 ∧ x < 3​
Logo, ​A = ​ ] − 1 ; 3 [ ​ e A​ ‾
​​   = ​] − ∞ ;  − 1]​ ∪ ​[3 ;  + ∞ [​​

​ | 3x + 1 | ​ ≥ 1 ⇔ 3x + 1 ≤ − 1 ∨ 3x + 1 ≥ 1 ⇔ x ≤ − ​ __
2 ​ ∨ x ≥ 0​
3
Logo, ​B = ​] − ∞ ;  − ​__ 2 ​]​ ∪ ​[0 ;  + ∞ [​​
3

​x ≤ x − ​ ____  ​ ⇔ 0 ≤ − ​ ____
x + 2 x + 2
     ​ ⇔ x + 2 ≤ 0 ⇔ x ≤ − 2​
   
3 3
Logo, ​C = ​] − ∞ ;  − 2]​​

9.1 ​A ∩ B = ​] − 1 ;  − ​__
 2 ​]​ ∪ ​[0 ;  3 [​​
3

9.2 (​ A ∩ B)​ ∪ C = ​] − ∞ ;  − 2]​ ∪ ​] − 1 ;  − ​__
 2 ​]​ ∪ ​[0 ; 3 [​​
3

9.3 (​ A ∩ B)​ ∪ ​(A ∩ C)​ = ​(​] − 1 ;  − ​__
 2 ​]​ ∪ ​[0 ; 3 [​)​ ∪ ​(​ ] − 1 ; 3 [ ​ ∩ ​] − ∞ ;  − 2]​)​ = ​] − 1 ;  − ​__
 2 ​]​ ∪ ​[0 ; 3 [​​
3 3


​​   ∩ B = ​] − ∞ ;  − 1]​ ∪ ​[3 ;  + ∞ [​​
9.4 A​
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

3
10
​A = ​{x   ∈ ℤ :   ​x​ ​ = 4}​ ,
2
RESOLUÇÕES

​x​ ​ = 4 ⇔ x = − 2 ∨ x = 2​
2

Logo, ​A = ​{−
   2 ; 2}​​ 

​B = ​{x   ∈ ℕ : ​x​ ​ − 3x = 0}​   ​


2

​x​ ​ − 3x = 0 ⇔ x ​(x − 3)​ = 0 ⇔ x = 0 ∨ x = 3​
2

Logo, ​B = ​{3  }​​ 


⎧ 1 ​ = 1⎫⎬​  ,​ subconjuntos de ​ℝ​.
​C = ​⎨x    ∈ ℕ : ​ __
⎩ x ⎭

__ 1 − x
​ 1 ​ = 1 ⇔ ​ __
1 ​ − 1 = 0 ⇔ ​ ____  ​ = 0 ⇔ 1 − x = 0 ∧ x ≠ 0 ⇔ x = 1​
   
x x x
Logo, ​C = ​{1  }​​ 

10.1.1 ​A ∪ B = ​{−
   2 ;  2 ;  3}​​ 

10.1.2 ​A × B = ​{​(  − 2 ;  3)​ ;  ​(2 ;  3)​}​​ 

10.1.3 ​(A ∪ B)​ × C = ​{​(  − 2 ;  1)​ ;  ​(2 ;  1)​ ;  ​(3 ;  1)​}​​ 

10.1.4 (​ A × C)​ ∪ ​(B × C)​ = ​{​(  − 2 ;  1)​ ;  ​(2 ;  1)​}​  ∪ ​{​(  3 ;  1)​}​  = ​{​(  − 2 ;  1)​ ;  ​(2 ;  1)​ ;  ​(3 ;  1)​}​​ 

10.2 Verifica-se que ​(A ∪ B)​ × C =   ​(A × C)​ ∪ ​(B × C)​​

11
11.1
11.1.1

​A ∩ ​(B​
​‾   ∩ A​) ​ = A ∩ ​(B ∪ ​A​
‾)  ​ = ​(A ∩ B)​ ∪ ​(A ∩ ​A​
‾)  ​ = ​(A ∩ B)​ ∪ ∅ = A ∩ B​

11.2
​​‾ ‾   
A ∩ ​B​​ ∩ A = ​(A​
​   ∪ B)​ ∩ A = ​(A​
‾ ​   ∩ A)​ ∪ ​(B ∩ A)​ = ∅ ∪ ​(B ∩ A)​ = B ∩ A​

11.3
​(B ∪ A)​ ∩ A = ​(B ∪ A)​ ∩ ​(A ∪ ∅)​ = A ∪ ​(B ∩ ∅)​ = A ∪ ∅ = A​

11.4
​(B ∩ A)​ ∪ A = ​(B ∩ A)​ ∪ ​(A ∩ U)​ = A ∩ ​(B ∪ U)​ = A ∩ U = A​

11.5
​​‾ ​   ∩ A)​] ​ = ​‾
B​  ∩ ​  [B ∪ ​(‾
B​ ‾)  ​ ∩ ​(B ∪ A)​] ​ = ​‾
B​  ∩ ​  [​(B ∪ ​B​ B​  ∩ ​ [U ∩ ​(B ∪ A)​] ​ = ​B​
‾  ∩ ​(B ∪ A)​ =​
= ​(‾
​ ​   ∩ B)​ ∪ ​(B​
B​ ​   ∩ A)​ = ∅ ∪ ​(B​
‾ ​   ∩ A)​ = ​B​
‾ ‾  ∩ A​

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO COMBINATÓRIO

ITENS DE SELEÇÃO

12 O código de um cofre é constituído por uma sequência de cinco números.


Façamos um esquema:

Para o primeiro dígito tenho nove escolhas (número de 1 a 9). Escolhido esse número, para o segundo dígito vol-
tamos a ter nove escolhas; e assim sucessivamente para os restantes dígitos.
Pelo que o número total de códigos que se podem constituir é igual a
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

5
​9 × 9 × 9 × 9 × 9 = ​9​ ​​

Resposta: A .

4
13 As matrículas dos automóveis, atribuídas num estado americano, são constituídas por uma sequência de
quatro letras seguidas de três números.

RESOLUÇÕES
As matrículas são da forma, por exemplo, AACD-000.
Para as duas primeiras letras, como têm de ser iguais, há 23 possibilidades (AA…; BB…; CC…;…). Fixadas essas
letras, para cada uma das terceira e quarta letras temos 23 escolhas (23 letras do alfabeto), e para cada um dos
números há nove escolhas (número de 1 a 9). Então, o número de total de matrículas é igual a
​23 × ​(23 × 23 × 9 × 9 × 9)​ = ​23​​ ​ × ​9​ ​ = 8869743​
3 3

Resposta: B .

14 Fazendo um esquema:
M + J

Se a Maria e o João ficam juntos (lado a lado), então imaginemos que funcionam como um bloco. Ou seja, ficamos
com quatro blocos, que podem permutar entre si de 4 ​  !​ maneiras distintas. Para cada uma dessas permutações,
a Maria e o João podem permutar entre si de ​2 !​ maneiras distintas. Então, o número de maneiras de os cinco
amigos se colocarem em fila é dado por ​4 ! × 2 !​

Resposta: C .

15 Fazendo um esquema:

M1M2M3 P1P2P3P4 F1F2F3

Se os livros de cada disciplina ficam juntos (lado a lado), então imaginemos que funcionam como um bloco. Ou
seja, ficamos com três blocos, que podem permutar entre si de 3 ​!​ maneiras distintas. Para cada uma dessas
permutações, dentro de cada bloco, os livros podem permutar entre si, os de matemática permutam de 3 ​!​ ma-
neiras distintas, os de física permutam de 3 ​!​ maneiras distintas e os de português permutam de 4 ​!​ maneiras
distintas. Então, o número de maneiras de colocar os livros na prateleira, nas condições exigidas, é dado por
3​ ​!​ × ​​3  ! × 3 ! × 4 ! = 5184​

Resposta: A .

16 Fazendo um esquema:

M1M2M3M4

OU

M1M2M3M4

Portanto, há duas situações a considerar. Pensando na primeira e tendo em atenção que as raparigas ficam jun-
tas, então, formam um bloco.
Ou seja, podemos permutar entre si os rapazes de 5 ​  !​ maneiras distintas. Para cada uma dessas permutações,
dentro do bloco das raparigas, pode haver permutações entre si, isto é, as raparigas podem permutar de ​4 !​ manei-
ras distintas. Então o número de maneiras de os amigos se sentarem, nas condições exigidas, é dado por 5 !​​​ ​​× ​4​  !​
Como o segundo caso é semelhante ao primeiro, o número total de maneiras de os amigos se sentarem, nas
condições exigidas, é dado por ​2 × 5 ! × 4 !​
Resposta: A .
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

5
17
2n + 6 ______
______ 2n + 6 ___________ 2n + 6 ______
= ​ ______ 
​ − ​  1   ​   = ​ ______ 
n + 3 n + 3
RESOLUÇÕES

​      − ​ 
 ​       ​   − ​ 
 ​   =​
  ​  
(​ n + 3)​ ! (​ n + 2)​ ! ​(n + 3)​ ! ​(n + 3)​ ​(n + 2)​ ! ​(n + 3)​ ! ​(n + 3)​ !

2n + 6 − n − 3 ______
​= ​__________
n + 3
        ​ = ​ 
    ​  

(​ n + 3)​ ! ​(n + 3)​ !

​= ​ ___________ ​ = ​ ______
1   ​​ 
n + 3
     
(​ n + 3)​ (​ n + 2)​ ! ​(n + 2)​ !
Resposta: C .

18 A palavra BIOLOGIA é constituída por oito letras, sendo que algumas delas são repetidas. Temos oito posi-
ções para oito letras.
8
Colocar as letras O : ​ ​ C​2​​
6
Colocar as letras I : ​ ​ C2​ ​​
4
Colocar as letras A : ​ ​ C​1​​
3
Colocar as letras G : ​ ​ C​1​​
2
Colocar as letras L : ​ ​ C1​ ​​
1
Colocar as letras B : ​ ​ C1​ ​​

Não havendo qualquer restrição, o número de anagramas que se podem fazer com a palavra BIOLOGIA é igual a
​ ​ C​2​ × ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ = 10080​
8 6 4 3 2 1

Um outro processo consiste em pensar em permutações com repetição:


8 !   
​ ______  ​ = 10080​
2 ! × 2 !
Resposta: A .

19 Fazendo um esquema:

Como o número é inferior a 4


​ 999​ e tem cinco algarismos, então, para o primeiro dígito há três possibilidades
(pode ser 2 , 3 ou 4) .

1.° caso:
2

Como o número tem de ser ímpar, então, o algarismo das unidades só pode ser ​3 , 5 , 7​,ou ​9​ .
Por exemplo, pode ser
2 3

Fixados o primeiro e último dígitos, para os três do meio, como não pode haver repetição de algarismos, temos​
6 × 5 × 4 = 120​ possibilidades.
Portanto, podem escrever-se ​120 × 4 = 480​ números.

2.° caso:
3

Como o número tem de ser ímpar, então o algarismo das unidades só pode ser ​5 , 7​ ou ​9​ .
Por exemplo, pode ser
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

3 5

6
Fixados o primeiro e último dígitos para os três do meio, como não pode haver repetição de algarismos, temos​
6 × 5 × 4 = 120​ possibilidades.

RESOLUÇÕES
E, portanto, podem escrever-se ​120 × 3 = 360​ números.

3.° caso:
4

Como o número tem de ser ímpar, então o algarismo das unidades só pode ser ​3 , 5 , 7​ ou ​9​ .
Por exemplo, pode ser
4 5

Fixados o primeiro e último dígitos, para os três do meio, como não pode haver repetição de algarismos, temos​
6 × 5 × 4​ possibilidades.
E, portanto, podem escrever-se ​120 × 4 = 480​ números.
Resumindo: podem escrever-se ​360 + 2 × 480 = 1320​ números.
Resposta: B .

20 A estratégia de resolução passa por determinar todas as disposições possíveis, não havendo restrições, e
depois a esse número retirar todos os casos em que os dois irmãos estão sentados lado a lado.
Ora se são seis pessoas para seis lugares disponíveis, então há 6 ! maneiras distintas de se sentarem nos lugares
da fila.
Vejamos agora os casos em que os dois irmãos ficam juntos.
Fazendo um esquema:
A + S

Se o André e a Sandra ficarem juntos (lado a lado), então imaginemos que funcionam como um bloco. Ou seja,
ficamos com cinco blocos, que podem permutar entre si de ​5 !​ maneiras distintas. Para cada uma dessas permu-
tações, o André e a Sandra podem permutar entre si de 2 ​  !​ maneiras distintas. Então, o número de maneiras de
os seis amigos se sentarem nos lugares da fila é dado por ​5 ! × 2 !​
Logo, o número de maneiras distintas de serem distribuídos os bilhetes de forma a que o André e a Sandra não
fiquem juntos é igual a ​6 ! − 5 ! × 2 ! = 480​ .
Resposta: C .
n !
​ ______    ​ 
n
​___
​ A2​ ​ (
​ n − 2)​ ! n ! n ​(n − 1)​ (​ n − 2)​ !
21 ​     ​ = 19 ⇔ ​ ________ ​  = 19 ⇔ ​ _________
      ​  = 19 ⇔ ​ ____________
       ​   = 19 ⇔​
n n ​(n − 2)​ ! × n ​(n − 2)​ ! × n
n ​(n − 1)​ n ​(n − 1)​ ​n​ ​ − n − 19n
2
​n​ ​ − 20n
2
​⇔ ​ _______   ​  = 19 ⇔ ​ _______   ​  − 19 = 0 ⇔ ​ _________      = 0 ⇔ ​ _______
​       = 0 ​
​  
n n n n

​⇔ ​n​ ​ − 20n = 0  ∧ n ≠ 0 ⇔ n ​(n − 20)​ = 0  ∧ n ≠ 0 ⇔ ​(n = 0 ∨  n = 20 )​ ∧ n ≠ 0 ​
2

​⇔ n = 20​
Resposta: A .

22
22.1 O octógono tem oito vértices, mas como no enunciado é dito que se pretende encontrar o número de retas
definidas por esses pontos, não escolhendo o vértice A, então, tudo está em encontrar o número de subconjuntos
com dois elementos cada, escolhidos de entre sete.
Esse número é dado por ​ ​ C​2​ = 21​
7

Resposta: A .

22.2 O octógono tem oito vértices, mas como no enunciado é dito que se pretende encontrar o número de diago-
nais, então, tudo está em encontrar o número de subconjuntos com dois elementos cada, escolhidos de entre oito
e a esse número retirar os oito lados do octógono.
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Esse número é dado por ​ ​ C​2​ − 8​


8

Resposta: C .

7
2
23 Em primeiro lugar temos de escolher o condutor e isso pode ser feito de ​ ​ C1​ ​ maneiras diferentes. Em se-
guida, é preciso colocar os três ocupantes nos restantes lugares do automóvel e o número de maneiras diferen-
RESOLUÇÕES

3
tes de o fazer é dado por ​ ​ A3​ ​.
Então, o número de maneiras diferentes de os quatro amigos ocuparem os lugares do carro é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ A3​ ​​
2 3

Resposta: B .

3
24 Em primeiro lugar temos de escolher o condutor e isso pode ser feito de ​ ​ C1​ ​ maneiras diferentes. Em se-
guida é preciso colocar os três ocupantes nos restantes quatro lugares do automóvel. Como há um lugar que fica
4
vago, é preciso escolher esse lugar, e o número de maneiras de o escolher é igual a ​ ​ C1​ ​. Escolhido o lugar que
fica vago, sobram três lugares para serem ocupados por três amigos. O número de maneiras diferentes de ocu-
3
parem esses lugares é dado por ​ ​ A3​ ​.
Então, o número de maneiras diferentes de os quatro amigos ocuparem os cinco lugares do carro é dado
por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ A3​ ​​
3 4 3

Resposta: A .

25 O Rodrigo vai escolher seis números de entre aqueles que saem mais vezes. Então, o número de apostas
simples que o Rodrigo teria de fazer é igual a ​ ​ C6​ ​ = 924​
12

Resposta: D .

26 O delegado é rapaz e faz parte da comissão, então, só é preciso escolher mais dois rapazes de um total de
12 17
12 (retirou-se o Jorge) e isso pode ser feito de ​ ​ C2​ ​. Para cada escolha destes dois rapazes existem ​ ​ C​3​ manei-
ras de escolher as três raparigas.
Então, o número de comissões é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​3​ = 44880​
12 17

Resposta: A .

27 Fazendo um esquema:
4 4

Como quero que tenha exatamente dois quatros, o número de maneiras de os colocar nos seis espaços disponí-
veis é dado por ​ ​ C​2​ = ​​ ​ C​4​. Colocados os quatros, sobram quatro espaços para colocar números (​1 , 2 , 3 , 5 , 6 ,
6 6

4
7 , 8 , 9​; repetidos ou não) essa escolha pode ser feita de ​8​ ​ maneiras distintas.
Sendo assim, o número de números de seis algarismos com exatamente dois quatros é dado por ​ ​ C​2​ × ​8​ ​ ou ​ ​ C4​ ​ × ​8​ ​​
6 4 6 4

Resposta: A .

28 Se se pretende mais raparigas do que rapazes, então, temos de considerar os casos seguintes:
Três raparigas e dois rapazes ou quatro raparigas e um rapaz.

• Três raparigas e dois rapazes


12
Das doze raparigas pretende-se escolher 3 e isso pode ser feito de ​ ​ C​3​ maneiras diferentes.
7
Dos sete rapazes pretende-se escolher 2 e isso pode ser feito de ​ ​ C​2​ maneiras diferentes.
Então, três raparigas e dois rapazes podem ser escolhidos de ​ ​ C​3​ × ​​ ​ C​2​ maneiras diferentes.
12 7

• Quatro raparigas e um rapaz


12
Das doze raparigas pretende-se escolher 4 e isso pode ser feito de ​ ​ C4​ ​ maneiras diferentes. Dos sete rapazes
7
pretende-se escolher um e isso pode ser feito de ​​ C​1​ maneiras diferentes. Então, quatro raparigas e um rapaz
podem ser escolhidos de ​ ​ C​4​ × ​​ ​ C​1​ maneiras diferentes.
12 7

Portanto, o número de comissões é dado por ​ ​ C​4​ × ​​ ​ C1​ ​ + ​​ ​ C3​ ​ × ​​ ​ C2​ ​​
12 7 12 7

Resposta: D .
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

8
29 Se foram realizadas dez partidas, e pretende-se que haja sete empates, então, restam três partidas para as
vitórias da Ana e do Bruno.

RESOLUÇÕES
Para que a Ana saia vitoriosa deverá acontecer o seguinte:
• a Ana ganha duas partidas e o Bruno ganha uma;
• a Ana ganha as três partidas.

1.º caso: A Ana ganha duas partidas e o Bruno ganha uma.


10
Comecemos por escolher a posição dos sete empates, que pode ser feito de ​ ​ C7 ​ ​ maneiras diferentes.
Restam três posições. Seguidamente, vamos escolher as posições das duas vitórias da Ana, que pode ser feito
3
de ​ ​ C​2​  ​ maneiras diferentes. Fixados os empates e as vitórias da Ana só resta uma posição para a vitória do
Bruno. Então, neste caso, temos ​ ​ C7 ​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ registos diferentes.
10 3

2.º caso: A Ana ganha três partidas.


10
Comecemos por escolher a posição dos sete empates, que pode ser feito de ​ ​ C​7 ​  ​ maneiras diferentes.
Restam três posições. Seguidamente, vamos escolher as posições das três vitórias da Ana, que pode ser feito
de ​ ​ C3​ ​  ​ maneiras diferentes. Então neste caso temos ​ ​ C7 ​ ​ × ​​ ​ C​3​ registos diferentes.
3 10 3

Concluindo, temos então ​ ​ C​7 ​ × ​​ ​ C2​ ​ + ​​ ​ C​7 ​ × ​​ ​ C​3​ = 480​ registos diferentes.
10 3 10 3

Resposta: D .

ITENS DE CONSTRUÇÃO

30
30.1 Fazendo um esquema:

Códigos possíveis poderão ser ​0000 ou 0011 ou 9999 , …​


Para o primeiro dígito temos dez escolhas (colocar um número de 0 a 9); escolhido esse número, para o segundo
dígito voltamos a ter dez escolhas (colocar um número de 0 a 9); e com o mesmo raciocínio, para o terceiro e
quarto dígitos também há dez escolhas.
Então, o número de códigos que se podem fazer é dado por ​10 × 10 × 10 × 10 = ​10​​ ​ = 10000​ .
4

30.2
30.2.1 Se o código é constituído apenas por números pares, então:
Para o primeiro dígito temos cinco escolhas (colocar o número 0 , 2 , 4 , 6 ou 8); escolhido esse número, para o
segundo dígito voltamos a ter cinco escolhas (colocar o número 0 , 2 , 4 , 6 ou 8); e com o mesmo raciocínio,
para o terceiro e quarto dígitos também há cinco escolhas.
Então, o número de códigos que se podem fazer é dado por ​5 × 5 × 5 × 5 = ​5​ ​ = 625​ .
4

30.2.2 Se o código é constituído apenas por números primos, então:


Para o primeiro dígito temos quatro escolhas (colocar o número 2 , 3 , 5 ou 7); escolhido esse número, para o
segundo dígito voltamos a ter quatro escolhas (colocar o número 2 , 3 , 5 ou 7); e com o mesmo raciocínio, para
o terceiro e quarto dígito também há cinco escolhas.
Então, o número de códigos que se podem fazer é dado por ​4 × 4 × 4 × 4 = ​4​ ​ = 256​ .
4

30.3 Para ser uma capicua, o número tem de ser lido de igual forma da direita para a esquerda e da esquerda
para a direita.
Por exemplo: ​1221 ;   2332 ;   0000 …​
Ou seja, escolhido um número de 0 a 9 para o primeiro dígito, para o último digito não há escolhas, já que tem
de ser igual ao primeiro.
Fixados o primeiro e último dígitos, para o segundo dígito voltamos a ter dez escolhas (número de 0 a 9), e para
o terceiro, como tem de ser igual ao segundo, não há escolhas.
Então, o número de códigos nestas condições é igual a ​10 × 10 = 100​ .
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Há ​100​ cartões multibanco que têm um código que é uma capicua.

9
30.4 Como pretendemos um e um só 4 no código, então temos ​ ​ C1​ ​ = 4​ maneiras diferentes de o colocar num dos
4

quatro dígitos.
RESOLUÇÕES

Fixado esse dígito (com o número 4), para cada um dos dígitos que sobram há nove escolhas (0 , 1 , 2 , 3 , 5 , 6 ,
7 , 8 ou 9) .
Então, o número de códigos é igual a ​ ​ C​1​ × ​10​​ ​ = 4000​ .
4 3

Há ​4000​ cartões multibanco que têm um código nas condições desejadas.

31
31.1 Os representantes de cada Ministério fiquem juntos?
Fazendo um esquema:

Comecemos por considerar que os cinco grupos podem permutar (trocar) entre si, e podem fazê-lo de 5
​  !​ manei-
ras distintas. Note-se que os representantes de cada país têm de ficar juntos.
Seguidamente temos de ter em atenção que, dentro de cada grupo, os três elementos podem permutar entre si,
e podem fazê-lo de 3 ​!​ maneiras distintas. Como temos cinco grupos então temos (​ 3 !)​ ​ maneiras de os dispor.
5

Concluindo, podemos dispor as ​15​ pessoas de (​ 3 !)​ ​ × 5 ! = 933120​ maneiras diferentes.


5

31.2 Os representantes do Ministério das Finanças fiquem juntos numa das extremidades da fila e os represen-
tantes de cada um dos restantes ministérios fiquem juntos.
Fazendo um esquema:

F1 F2 F3

Ou

F1 F2 F3

Comecemos por considerar que os quatro grupos podem permutar (trocar) entre si, e podem fazê-lo de ​4 !​ ma-
neiras distintas. Note-se que os representantes de cada país têm de ficar juntos.
Seguidamente temos de ter em atenção que, dentro de cada grupo, os três elementos podem permutar entre si,
e podem fazê-lo de 3 ​!​ maneiras distintas. Como temos cinco grupos então temos (​ 3 !)​ ​ maneiras de os dispor.
5

podemos dispor as ​15​ pessoas de (​ 3 !)​ ​ × 4 ! = 186624​ maneiras diferentes.


5

Concluindo,como o grupo do Ministério das Finanças tem duas posições possíveis na fila, podemos dispor as ​15​
pessoas de ​2 ! × ​​(3 !)​ ​ × 4 ! = 373248​ maneiras diferentes.
5

31.3 Os representantes do Ministério da Educação fiquem juntos na posição central da fila.

E1 E2 E3

Ficando os representantes do Ministério da Educação juntos na posição central da fila, todos os outros partici-
pantes, seis de cada lado deste grupo podem trocar de posição entre si de ​12 !​ maneiras distintas. Para cada uma
destas permutações, os representantes do Ministério da Educação podem permutar entre si, ficando sempre na
posição central.
Concluindo, podemos dispor as ​15​ pessoas de ​3 ! × 12 ! = 2874009600​ maneiras diferentes.
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

10
32
32.1

RESOLUÇÕES
Como as bolas da mesma cor não se distinguem, então, estamos perante o problema de permutações com repe-
tição.
Admitindo que todas as bolas eram distintas, o número total de sequências era dado por 9
​  !​.
Atendendo a que as bolas da mesma cor não se distinguem, então, temos de eliminar todas as permutações de
cada grupo de bolas.
​​  9!   ​ 
Portanto, o número total de sequências é igual a __________ = 1260​
3! × 2! × 4!
9
Um outro processo consiste em colocar as bolas verdes na sequência: ​ ​ C3​ ​​ .

Colocadas as bolas verdes, sobram seis posições para as amarelas.


6
Colocar as bolas amarelas na sequência: ​ ​ C​2​​ .

Colocadas as bolas verdes e amarelas sobram quatro posições para as quatro bolas brancas que só têm uma
possibilidade de ser colocadas.
4
Colocar as bolas brancas na sequência: ​ ​ C4​ ​​ .
Portanto, o número total de sequências é igual a ​ ​ C3​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C4​ ​ = 1260​ .
9 6 4

32.2
32.2.1 Se as bolas verdes saem seguidas, logo no início da sequência, então, só há uma maneira de saírem, pois
não se distinguem.
Colocadas as bolas verdes, sobram seis posições para colocar as bolas brancas.
6
Colocar as bolas brancas na sequência: ​ ​ C​4​​ .
Colocadas as bolas verdes e brancas sobram duas posições para as duas bolas amarelas que só têm uma possi-
bilidade de ser colocadas.
2
Colocar as bolas amarelas na sequência: ​ ​ C2​ ​​ .
Portanto, o número total de sequências é igual a ​ ​ C​4​ × ​​ ​ C2​ ​ = 15​ .
6 2

32.2.2 Se as bolas verdes saem seguidas, podemos imaginar que funcionam como um bloco. Esse bloco tem
sete posições possíveis na sequência.
Vejamos um esquema com um exemplo:

V V V
     

Colocadas as bolas verdes, sobram seis posições para colocar as bolas brancas.
6
Colocar as bolas brancas na sequência: ​ ​ C​4​​ .
Colocadas as bolas verdes e brancas sobram duas posições para as duas bolas amarelas que só têm uma possi-
bilidade de ser colocadas.
E portanto, o número total de sequências é igual a ​7 × ​​ ​ C​4​ × ​​ ​ C​2​ = 105​ .
6 2

32.3 Quantas sequências iniciam com a cor amarela e terminam com a mesma cor?
Fazendo um esquema:

A A

Como as bolas amarelas não se distinguem, só há uma maneira de as colocar na sequência, uma no início e a
outra no fim da sequência.
Pelo meio sobram sete lugares.
7
Colocar as bolas brancas na sequência: ​ ​ C​4​.
Colocadas as bolas amarelas e brancas sobram três posições para as três bolas verdes que só têm uma possibi-
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

lidade de ser colocadas.


Portanto, o número total de sequências é igual a ​ ​ C​4​ × ​​ ​ C3​ ​ = 35​.
7 3

11
33
33.1 A palavra MONUMENTO é constituída por nove letras, sendo que algumas delas são repetidas. Temos nove
RESOLUÇÕES

posições para nove letras.


9
Colocar as letras O : ​ ​ C2​ ​​
7
Colocar as letras M : ​ ​ C2​ ​​
5
Colocar as letras N : ​ ​ C2​ ​​
3
Colocar a letra E : ​ ​ C​1​​
2
Colocar a letra U : ​ ​ C1​ ​​
1
Colocar a letra T : ​ ​ C1​ ​​

Não havendo qualquer restrição, o número de anagramas que se podem fazer com a palavra MONUMENTO é
igual a
​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ = 45360​
9 7 5 3 2 1

Um outro processo consiste em pensar em permutações com repetição:

​ __________
9 !     ​ = 45360​
2 ! × 2 ! × 2 !

9 ! representa o número de maneiras de permutar as 9 ​  ​ letras da palavra. Depois é necessário eliminar as per-
mutações das letras repetidas, (2!), e são três grupos.

33.2 Se as letras T e E têm de estar juntas, então funcionam como um bloco. Esse bloco tem 8 posições pos-
síveis, ​ ​ C1​ ​, e como podem permutar entre si, temos ​ ​ C​1​ × 2 !​ possibilidades de as colocar. Colocadas as letras T
8 8

e E , e pensando como no item anterior, temos

(​ ​ ​ C1​ ​ × 2 !)​ × ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ = 10080​ anagramas.


8 7 5 3 1

33.3 Se o anagrama começa pela letra T e termina na letra N , ou vice-versa, então só há duas maneiras de
colocar essas duas letras. Colocadas as letras T e N , e raciocinando como no item 22.1, temos

​2 ! × ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ = 2520​ anagramas.


7 5 3 1

34
34.1
34.1.1 Temos oito amigos para oito lugares disponíveis. Então, o número de maneiras distintas de os sentar nos
oito lugares das duas mesas é dado por ​P8​ ​ = 8 ! = 40320​.
Atendendo a que os oito amigos podem sentar-se em duas das vinte mesas disponíveis no restaurante, tem-se
que o número de maneiras distintas de todos os amigos se sentarem em duas mesas do restaurante é dado
por ​ ​ C​2​ × 8 ! = 190 × 40320 = 7660800​ .
20

Também poderíamos calcular esse número através de arranjos sem repetição.


20 8 8 !    
Seria ​ ​ C​2​ × ​​ ​ A8​ ​ = 190 × ​ ______ ​ = 8 ! = 7660800​
(​ 8 − 8)​ !
34.1.2 Imaginemos que a Maria e o João se sentam numa das mesas, um em frente ao outro. Para essa mesa,
existem ​2 × 2​ maneiras distintas de sentarem, ou seja ​4​. Para cada uma destas quatro maneiras, os restantes
6 6 !    
seis amigos podem sentar-se, nos restantes lugares de ​ ​ A6​ ​ = ​ ______ ​ = 6 ! = 720​
(​ 6 − 6)​ !
6
Então, o número de maneiras de se sentarem todos é dado por ​2 × 2 × ​​ ​ A6​ ​.
Como a Maria e o João podem sentar-se, nas mesmas condições, na outra mesa, então, o número de maneiras
distintas de todos os amigos se sentarem nas duas mesas é dado por

​(2 × 2 × ​​ ​ A6​ ​)​ × 2 = 4 × 720 × 2 = 5760​


6

Atendendo a que os oito amigos se podem sentar em duas das vinte mesas disponíveis no restaurante, tem-se
que o número de maneiras distintas de todos os amigos se sentarem em duas mesas do restaurante é dado por
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

​ ​ C2​ ​ × ​(2 × 2 × ​​ ​ A6​ ​)​ × 2 = 190 × 5760 = 1094400​


20 6

12
34.1.3 Imaginemos que os três amigos se sentam numa das duas mesas. Para essa mesa, existem
​ ​ A3​ ​ = ​ ______
4 !   ​  
= 4 ! = 24 ​ maneiras distintas de se sentarem. Para cada uma destas ​24​ maneiras, os restantes
4

RESOLUÇÕES
(​ 4 − 3)​ !
cinco amigos podem sentar-se, nos restantes lugares que sobram das duas mesas, de ​ ​ A5​ ​ = 5 ! = 120​. Então, o
5

número de maneiras de todos os amigos se sentarem nas duas mesas, é dado por ​​ A3​ ​ × ​​ ​ A5​ ​ = 24 × 120 = 2880​ .
4 5

Atendendo a que existem duas mesas, os três amigos também se podem sentar na outra mesa. Então, o número
total de maneiras distintas de todos os amigos se sentarem nas duas mesas é dado por

​2 × ​​ ​ A3​ ​ × ​​ ​ A5​ ​ = 2 × 2880 = 5760​


4 5

Atendendo a que os oito amigos se podem sentar em duas das vinte mesas disponíveis no restaurante, tem-se
que o número de maneiras distintas de todos os amigos se sentarem em duas mesas do restaurante é dado
por ​ ​ C2​ ​ × 2 × ​​ ​ A3​ ​ × ​​ ​ A5​ ​ = 190 × 5760 = 1094400​
20 4 5

34.2 Para que o Jorge e a Beatriz fiquem sentados de costas voltadas um para o outro, só há duas hipóteses: o
Jorge senta-se numa das mesas, num único lugar possível e a Beatriz senta-se no único lugar possível, podendo
6
trocar de lugar entre eles. Para cada uma destas hipóteses, existem ​ ​ A6​ ​  ​ maneiras distintas de os restantes seis
amigos se sentarem.
Portanto, o número total de maneiras distintas de todos os amigos se sentarem nas duas mesas é dado por​
2 × ​​ ​ A6​ ​ = 2 × 6 ! = 2 × 720 = 1440​
6

35
35.1
Como as bolas estão numeradas, distinguem-se umas das outras, mesmo sendo da mesma cor.

1 2 3 4

5 6 7

8 9 10 11

Então, o número total de sequências que se podem construir é igual a

​11 ! = 39916800​

35.2
35.2.1
Fazendo um esquema

A5 A6 A7

Como as bolas amarelas se distinguem, há 3


​  !​ maneiras distintas de as colocar no fim da sequência (elas permu-
tam entre si).
Para cada uma destas permutações, sobram oito lugares para as restantes bolas, que podem ser colocadas de ​8 !​
maneiras distintas.
Portanto, o número total de sequências é igual a ​3 ! × 8 !  = 241920​

35.2.2
Fazendo um esquema:

V1 V2 V3 V4 A5 A6 A7 B8 B9 B10 B11

Ou

B8 B9 B10 B11 A5 A6 A7 V1 V2 V3 V4
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Como as bolas amarelas se distinguem, há 3 ​!​ maneiras distintas de as colocar na sequência entre as verdes e as
amarelas (elas permutam entre si).

13
Para cada uma destas permutações, sobram oito lugares para as restantes bolas, que podem ser colocadas de​
4 ! × 4 !​(cada um dos grupos de bolas, amarelas ou brancas permutam entre si) maneiras distintas.
RESOLUÇÕES

Portanto, o número total de sequências é igual a ​3 ! × 4 ! × 4 ! = 3456​

35.3
Fazendo um esquema:

B8 B9 B10 B11

Como as bolas brancas se distinguem, há 4​  !​ maneiras distintas de as colocar na sequência, duas no início e duas
no fim (as quatro bolas permutam entre si).
Para cada uma destas maneiras de colocar as bolas brancas, todas as outras podem ser colocadas na sequência
de ​7 !​ maneiras distintas.
Portanto, o número total de sequências é igual a ​4 ! × 7 !  = 120960​ .

36
36.1 Se o Rodrigo e a Inês ficam sentados na cabeceira da mesa, então, há duas maneiras distintas de eles se
sentarem na mesa. Para cada uma destas maneiras distintas os restantes seis amigos têm 6
​  !​ maneiras distintas
de se sentarem nos lugares que sobram.
Logo, o número total de maneiras distintas de os oito amigos se sentarem na mesa, nas condições exigidas, é
igual a ​2 ! × 6 !  = 1440​ .

36.2 Se o Rodrigo e a Inês ficam sentados um em frente do outro, então, têm 2


​  × 4 = 8​ maneiras distintas de se
sentarem na mesa. Para cada uma destas maneiras, os restantes seis amigos têm 6 ​  !​ maneiras distintas de se
sentarem nos lugares que sobram.
Logo, o número total de maneiras distintas de os oito amigos se sentarem na mesa, nas condições exigidas, é
igual a ​2 × 4 × 6 !  = 5760​ .

37
37.1
Fazendo um esquema:
Por exemplo:

B4 B5 B6 B7 B8 B9 B10 B11 B12 P1 P2 P3

Se as bolas da mesma cor saem todas seguidas, então podemos imaginar que cada conjunto de bolas da mesma
cor funciona como um bloco; temos, portanto dois blocos, como o esquematizado acima. Estes dois blocos podem
permutar entre si de ​2 !​ maneiras distintas. Para cada uma destas permutações, as bolas brancas podem per-
mutar entre si (​ 9 !)​ e as bolas pretas podem permutar entre si (​ 3 !)​.
Logo, o número de maneiras de as bolas da mesma cor saírem juntas (umas a seguir às outras) é igual a​
2 ! × 9 ! × 3 ! = 4354560​

37.2
Fazendo um esquema:
Por exemplo:

P1 P2 P3 B4 B5 B6 B7 B8 B9 B10 B11 B12

Se as bolas pretas saem todas seguidas, então imaginemos que funcionam como um bloco. Este bloco tem dez
posições possíveis na sequência das doze bolas. Para cada uma destas dez possibilidades, as bolas pretas per-
mutam entre si de 3 ​  !​ maneiras distintas. E para cada uma destas permutações, as bolas brancas permutam
entre si nos restantes lugares na sequência de ​9 !​ maneiras distintas.
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Então, o número de maneiras de as três bolas pretas serem extraídas consecutivamente (umas a seguir às ou-
tras) é igual a ​10 × 3 ! × 9 ! = 10 ! × 3 ! = 21772800​ .

14
37.3 Se as duas primeiras bolas não são da mesma cor, então, poderá sair:

RESOLUÇÕES
BP

ou

PB

1.° caso: Para a primeira posição da sequência tenho de escolher uma bola preta, o que pode ser feito de ​ ​ C1​ ​ = 3​
3

maneiras, e para a segunda posição da sequência tenho de escolher uma bola branca, o que pode ser feito
de ​ ​ C1​ ​ = 9​ maneiras.
9

Escolhidas as duas primeiras bolas, as restantes dez permutam entre si nas dez posições restantes na sequência​​
(10 !)​​
Então neste caso há ​ ​ C1​ ​× ​ ​ C​1​× 10 ! = 97977600​ maneiras.
3 9

2.° caso: Para a primeira posição da sequência tenho de escolher uma bola branca, o que pode ser feito de ​ ​ C1​ ​ = 9​
9

maneiras, e para a segunda posição da sequência tenho de escolher uma bola preta, o que pode ser feito de ​  ​C1​ ​ = 3​
3

maneiras.
Escolhidas as duas primeiras bolas, as restantes dez permutam entre si nas dez posições restantes na sequência​​
(10 !)​​
Então neste caso há ​ ​ C1​ ​× ​ ​ C​1​× 10 ! = 97977600​ maneiras.
9 3

Concluindo, há ​2 × ​ ​ C​1​ × ​ ​ C​1​ × 10 ! = 195955200​ maneiras distintas de as duas primeiras bolas extraídas não
9 3

serem da mesma cor.

38
38.1 Uma reta fica definida por dois pontos. O número de retas distintas que se podem desenhar no referencial,
utilizando os oito pontos é dado por ​ ​ C2​ ​ = 28​. Com efeito, trata-se de contar todos os subconjuntos com dois
8

elementos de um conjunto com oito elementos.

38.2 Um plano fica definido por três pontos não colineares.


Determinemos todos os subconjuntos de três elementos de um conjunto de oito elementos. Este número é dado
por ​ ​ C3​ ​ = 56​. Nestes subconjuntos estão, por exemplo, todos os subconjuntos de três elementos que se podem
8

construir com os quatro vértices da face superior. O número destes subconjuntos é dado por ​ ​ C3​ ​ = 4​. Ora, como
4

facilmente se verifica, todos estes subconjuntos geram o mesmo plano (por exemplo, plano ​EFG​), e como este
plano é paralelo ao plano ​xOy​, então, de acordo com o pretendido, têm de ser retirados ao número total de sub-
conjuntos ​​(56)​​. Repetindo este procedimento para cada uma das seis faces (situação semelhante). Nos quadri-
láteros ​​  [BDHF] ​​ , ​​  [ACGE] ​​ , ​​  [CDEF] ​​ , ​​  [ABGH] ​​ , ​​  [ADGF] ​​ e ​​  [BCHE] ​​ o mesmo problema também se coloca, uma vez
que há repetição de planos. Então, o número total de planos não paralelos aos planos coordenados é dado
por ​ ​ C​3​ − 12 × ​​ ​ C​3​ + 6 = 56 − 12 × 4 + 6 = 14​.
8 4

38.3
38.3.1 Se todas as faces têm cores diferentes, então, para uma face tenho oito escolhas (oito cores); fixada essa
cor nessa face, restam sete escolhas para a segunda face a colorir; fixadas estas duas faces e estas duas cores,
para a terceira face a colorir já só restam seis cores disponíveis. Repetindo este procedimento, verificamos que o
número de maneiras distintas de colorir as seis faces do paralelepípedo com as oito cores é dado por

​ ​ A​6​ = 8 × 7 × 6 × 5 × 4 × 3 = 20160​
8

38.3.2 Se as faces paralelas ao plano ​xOy​ são coloridas com a mesma cor, então, para estas duas faces temos
oito escolhas (oito cores). Para cada uma destas escolhas, existem sete cores para colorir as restantes quatro
faces, sem haver faces com cores iguais. Então, o número de maneiras de colorir as seis faces do paralelepípedo
é dado por
​8 × ​​ ​ A4​ ​ = 8 × 35 = 280​
7
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

38.3.3 Se faces opostas ficam coloridas com a mesma cor, então, escolhidas duas faces opostas para colorir,
existem oito escolhas (oito cores para colorir as duas faces); fixadas estas duas faces e a cor escolhida, restam

15
sete cores para colorir mais duas faces opostas; fixadas estas quatro faces e as duas cores escolhidas, sobram
seis cores para colorir mais duas faces opostas. Então, o número de maneiras de colorir as seis faces do parale-
RESOLUÇÕES

lepípedo é dado por

​ ​ A3​ ​ = 8 × 7 × 6 = 336​
8

38.3.4 Se as faces paralelas ao plano ​xOz​ são coloridas com a mesma cor, então para estas duas faces temos
oito escolhas (oito cores). Para cada uma destas escolhas, existem sete cores para colorir as restantes quatro
faces, podendo haver faces com cores iguais. Então, o número de maneiras de colorir as seis faces do paralelepí-
pedo é dado por
​8 × ​​ ​ A′ 4​ ​ = 8 × ​7​ ​ = 19208​
7 4

39
39.1 Teremos de pensar em construir todos os subconjuntos com quatro dos oito pontos disponíveis, de forma
que cada grupo de quatro pontos gere um quadrilátero (ou seja, não podem ser colineares).
Como não existem no polígono quatro pontos colineares, então o número de quadriláteros que se podem cons-
truir é dado por ​ ​ C​4​ = 70​ .
8

39.2 Teremos de pensar em construir todos os subconjuntos com três dos oito pontos disponíveis, de forma que
cada grupo de três pontos gere um triângulo (ou seja, não podem ser colineares). Então, teremos de escolher
dois pontos no polígono exterior e um no polígono interior ou escolher um ponto no polígono exterior e dois no
polígono interior. E o número de maneiras de fazer essa escolha é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ + ​​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ . No entanto,
8 4 8 4

observando a figura, verificamos que existem grupos de três pontos, incluídos nesta contagem, que são colinea-
res e que, portanto, não geram um triângulo. Sendo assim, temos de os retirar ao número calculado acima.
Portanto, o número de triângulos que se podem construir é dado por

(​ ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​1​ − 2 × 2 − 2 × 2 )  + ( ​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​2​ − 4)​ = 148​


8 4 8 4

39.3
Há três casos a considerar:
• escolhe-se um vértice no polígono exterior e dois vértices no polígono interior; o número de maneiras de fazer
essa escolha é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C​2​​
8 4

• escolhem-se dois vértices no polígono exterior e um vértice no polígono interior; o número de maneiras de
fazer essa escolha é dado por ​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​​
8 4

8
• escolhem-se três vértices no polígono exterior; o número de maneiras de fazer essa escolha é dado por ​ ​ C3​ ​​

Então, o número de triângulos que se podem desenhar, se pelo menos um dos seus vértices for do polígono exte-
rior e os restantes vértices forem vértices do polígono interior, é dado por
​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ + ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​1​ + ​​ ​ C​3​ = 216​
8 4 8 4 8

39.4 Teremos de pensar em construir todos os subconjuntos com dois dos doze pontos disponíveis, de forma que
12
cada grupo de dois pontos gere uma reta. O número de maneiras de fazer essa escolha é dado por ​ ​ C​2​. No en-
tanto, observando a figura, verificamos que existem (dois) grupos de quatro pontos que são colineares e que,
portanto, quando agrupados dois a dois, geram a mesma reta. Sendo assim, temos de retirar estes subconjuntos​
(​ ​ C2​ ​ × 2)​ ao número calculado acima. Também verificamos que existem (quatro) grupos de três pontos que são
4

colineares e que, portanto, quando agrupados dois a dois, geram a mesma reta. Sendo assim, temos de retirar
estes subconjuntos (​ ​ ​ C​2​ × 4)​ ao número calculado acima. Não esquecer que a serem retirados estes subconjun-
3

tos temos de acrescentar ​2 + 4​, que representam o número de retas formadas por esses pontos.
Sendo assim, o número de retas que se podem desenhar é dado por
​ ​ C​2​ − ​​ ​ C2​ ​ × 2 + 2 − ​​ ​ C2​ ​ × 4 + 4 = 48​
12 4 3

40
40.1 Teremos de pensar em construir todos os subconjuntos com três dos oito pontos disponíveis, de forma que
cada grupo de três pontos gere um triângulo (ou seja, não podem ser colineares).
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Como não existem na circunferência três ou mais pontos colineares, então o número de triângulos que se podem
construir é dado por ​ ​ C​3​ = 56​
8

16
40.2 Na figura existem onze pontos; destes, quatro estão sobre a semirreta referida. Assim, teremos de escolher
dois de entre estes quatro pontos e isso pode ser feito de ​ ​ C​2​ = 6​, para cada uma destas escolhas, teremos de
4

RESOLUÇÕES
escolher um ponto de entre sete disponíveis. Então, o número de triângulos que se podem desenhar de acordo
com o pretendido é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ = 6 × 7 = 42​
4 7

40.3 Teremos de pensar em construir todos os subconjuntos com três dos seis pontos disponíveis, de forma que
cada grupo de três pontos gere um triângulo (ou seja, não podem ser colineares).
Então, há dois casos a considerar:
• Um dos vértices é o ponto ​A​: escolher um ponto na semirreta que tem quatro pontos e um na semirreta que tem
três pontos (que não seja o ponto ​A​). O número de maneiras de fazer essa escolha é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ = 6​;
3 2

• O ponto A ​ ​ não é vértice: escolher dois pontos na semirreta que tem três pontos e um na semirreta que tem
quatro pontos (que não seja o ponto A ​ ​), ou escolher dois pontos na semirreta que tem quatro pontos e um na
semirreta que tem três pontos (que não seja o ponto A ​ ​). O número de maneiras de fazer essa escolha é dado
por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​1​ + ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ = 9​;
2 3 3 2

Assim, o número de triângulos que se podem construir é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ + ​ ​ C​2​ × ​​ ​ C1​ ​ + ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ = 6 + 9 = 15​
3 2 2 3 3 2

40.4 Uma reta fica definida por dois pontos. Então comecemos por determinar todos os subconjuntos com dois
elementos, escolhidos de entre onze (há onze pontos assinalados na figura). Esse número é dado por ​ ​ C2​ ​ = 55​ .
11

Acontece que na figura, mais precisamente nas semirretas, há três ou quatro pontos colineares. Sendo assim e fi-
xando-nos na semirreta com quatro pontos, quando fazemos ​ ​ C2​ ​ = 6​, estamos a calcular todos os subconjuntos de
4

dois elementos escolhidos de entre quatro disponíveis. Ora todos estes subconjuntos (6) geram a mesma reta, pelo
que teremos de os retirar ao conjunto total (55). De igual modo, fixando-nos na semirreta com três pontos, quando
fazemos ​ ​ C​2​ = 3​, estamos a calcular todos os subconjuntos de dois elementos escolhidos de entre três disponíveis.
3

Ora todos estes subconjuntos ​(3)​ geram a mesma reta, pelo que teremos de os retirar ao conjunto total (​ 55)​ .​
Assim, o número total de retas que se podem desenhar com todos os pontos assinalados na figura é dado
por ​ ​ C2​ ​ − ​​ ​ C​2​ − ​​ ​ C2​ ​  − ​​ ​ C​2​ + 3 = 55 − 6 − 3 − 6 + 3 = 43​
11 4 3 4

41
41.1
41.1.1 No conjunto ​A​ existem quatro números ímpares e quatro números pares.
4
Então, podemos numerar as faces da pirâmide superior de ​4 × 4 × 4 × 4 = ​4​ ​​. Repare-se que as quatro faces
podem ser numeradas com o mesmo número.
4
Para cada uma destas numerações das faces superiores, temos ​4 × 4 × 4 × 4 = ​4​ ​ maneiras de numerar as faces
da pirâmide inferior com números pares.
Então, as faces do octaedro podem ser numeradas de ​4​ ​ × ​4​ ​ = 65536​ maneiras distintas.
4 4

41.1.2 No conjunto ​A​ existem quatro números ímpares e quatro números pares.
Então, podemos numerar as faces da pirâmide superior de ​ ​ A4​ ​ = 4 × 3 × 2 × 1​ .
4

Repare-se que as quatro faces não podem ser numeradas com o mesmo número.
Para cada uma destas numerações das faces superiores, temos ​ ​ A4​ ​ = 4 × 3 × 2 × 1​ maneiras de numerar as faces
4

da pirâmide inferior com números pares.


Então, as faces do octaedro podem ser numeradas de ​ ​ A4​ ​ × ​​ ​ A4​ ​ = 576​ maneiras distintas.
4 4

41.2
41.2.1 Para a primeira face a colorir há nove cores à disposição; colorida esta face, para a segunda face volta a
haver nove cores para colorir; e de igual modo para as faces seguintes.
Então, o número de maneiras distintas de colorir todas as faces com alguma das cores disponíveis é igual a

​9​ ​ = 43046721​
8

41.2.2
Se todas as faces têm de ser coloridas com cores diferentes, então, para a primeira face a colorir há nove cores à
disposição; colorida esta face, para a segunda face já só há oito cores para colorir; para a terceira face já só há
sete cores para colorir; e assim sucessivamente.
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Então, o número de maneiras distintas de colorir todas as faces como o pretendido é igual a

​ ​ A8​ ​ = 362880​
9

17
41.2.3 Se todas as faces têm de ser coloridas com cores diferentes, então, para a primeira face superior a colo-
rir há quatro cores à disposição; colorida esta face, para a segunda face já só há três cores para colorir; para a
RESOLUÇÕES

terceira face já só há duas cores para colorir; para a quarta face já só há uma disponível. Ou seja, a pirâmide su-
4
perior pode ser colorida de ​ ​ A4​ ​. Para cada uma das colorações da pirâmide superior, e raciocinando da mesma
5
maneira, temos ​ ​ A4​ ​ maneiras distintas de colorir a pirâmide inferior.
Então, o número de maneiras distintas de colorir todas as faces como o pretendido é igual a

​ ​ A4​ ​ × ​​ ​ A4​ ​ = 2880​


4 5

42 Produtos possíveis: 0 , 1 e 2 .
42.1 Produto zero:
Duas bolas com o número zero
Uma bola com o número zero e uma que não tem o número zero

​ ​ C​2​ + ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ = 12​


3 3 3

42.2 Produto um:


Duas bolas com o número um
​ ​ C2​ ​ = 1​
2

42.3 Produto dois:


Uma bola com o número um e uma com o número dois

​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ = 2​


2 1

43 As quantias possíveis são: 1€; 1,5€ e 2€


• O número de maneiras de ocorrer saída de 1€ é dado por ​ ​ C2​ ​ = 190​
20

• O número de maneiras de ocorrer saída de 1,5€ é dado por ​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ = 600​


30 20

• O número de maneiras de ocorrer saída de 2€ é dado por ​ ​ C2​ ​ = 435​


30

44 Raciocínio do João
12
Existem ​ ​ C​7​ maneiras diferentes de escolher os sete compartimentos onde se vão colocar os iogurtes. Para
7
cada posição destes compartimentos, existem ​ ​ A3​ ​ maneiras diferentes de colocar neles os três iogurtes de fru-
tas (dado que estes iogurtes são diferentes, interessa a ordem pela qual ficam dispostos na caixa). Colocados os
iogurtes de frutas, existe apenas uma maneira de colocar os quatro iogurtes naturais nos quatro lugares dispo-
níveis (já que eles não se distinguem). Existem, assim, ​ ​ C7​ ​ × ​​ ​ A3​ ​ maneiras de colocar os sete iogurtes na caixa.
12 7

Raciocínio da Joana
12
Existem ​ ​ C4​ ​ maneiras diferentes de colocar os iogurtes naturais (dado que estes não se distinguem, não inte-
ressa a ordem pela qual ficam dispostos na caixa). Colocados os iogurtes naturais, sobram oito compartimentos
para colocar os três iogurtes de frutas. Portanto, para cada uma das maneiras de colocar os iogurtes naturais,
8
existem ​ ​ A3​ ​ maneiras diferentes de colocar os três iogurtes de frutas na caixa (dado que estes iogurtes são dife-
rentes, interessa a ordem pela qual ficam dispostos na caixa). Existem, assim, ​ ​ C4​ ​ × ​​ ​ A3​ ​ maneiras de colocar os
12 8

sete iogurtes na caixa.

TRIÂNGULO DE PASCAL E BINÓMIO DE NEWTON

ITENS DE SELEÇÃO

45 Seja ​n​ o número da linha do triângulo de Pascal


Então tem-se que ​1 + n = 21 ∴ n = 20​
Sendo assim, a soma dos quatro primeiros elementos da linha seguinte é :

​S = ​​ ​ C0​ ​ + ​​ ​ C1​ ​ + ​​ ​ C​2​ + ​​ ​ C​3​ = 1 + 21 + 210 + 1330 = 1562​


21 21 21 21
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

Resposta: A .

18
46 Seja ​n ​ o número da linha do triângulo de Pascal.
Então, tem-se que ​n + 1 = 199 ∴ n = 198​

RESOLUÇÕES
n
Sabendo que a soma de todos os elementos da linha n do triângulo de Pascal é ​2​ ​, tem-se que,

​S​todos os elementos​ = ​2​ ​ = ​​(​2​ ​)​ ​ = ​4​ ​​


198 2 99 99

Resposta: C .

47 Seja n ​ ​ o número da linha do triângulo de Pascal. Então, os dois primeiros elementos são 1 ​​e n
​ ​ e o tercei-
n
ro é ​ ​ C​2​. Se a soma destes três elementos for 121
n ! n ​(n − 1)​ (​ n − 2)​ !
​ ​ C​2​ + n + 1 = 121 ∴ ​ ________ ​ + n − 120 = 0 ∴ ​ ____________ + n − 120 = 0 ∴​
n
            ​  
2 ! ​(n − 2)​ ! 2 ​(n − 2)​ !
n ​(n − 1)​
​∴ ​ _______ ​  + n − 120 = 0 ∴ n ​(n − 1)​ + 2n − 240 = 0 ∴ ​n​ ​ + n − 240 = 0​
2
   
2
Recorrendo à fórmula resolvente, tem-se que ​n = 15 ∨ n = − 16​. Como ​n​ é número natural, tem-se que ​ n = 15​ ,
ou seja, trata-se da linha número ​15​.
Sendo assim, o terceiro elemento da linha seguinte é igual a ​ ​ C2​ ​ = 120​ .
16

Resposta: C .

7
48 ​(x − 3)​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​x​ ​ × ​​(− 3)​ ​​
7 7 7−p p

p=0

Para que exista termo de grau cinco do desenvolvimento, deverá ter-se ​7 − p = 5​, ou seja, ​p = 2.​
Então, o termo de grau cinco é ​ ​ C2​ ​ × ​x​ ​ × ​​(− 3)​ ​ = 189 ​x​ ​​
7 7−2 2 5

Resposta: B .

49 ​(− x + ​ __) ​  ​× ​​(__
​ 1 ​)​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ C​p​ × ​​(− 1)​ ​ × ​x​ ​ × ​2​ ​ =​
6 6 p 6
1 ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​ n​ C​ ​ × ​​(− x)n−p 6 6−p n−p −p

2 p=0
p
2 p=0

n
​= ​ ∑ ​ ​ 2​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​​ ​ C​p​ × ​x​ ​​
−p 6−p 6 6−p

p=0

Para que exista termo independente do desenvolvimento, deverá ter-se ​6 − p = 0​, ou seja, ​p = 6.​
Então, o termo independente é ​2​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​​ ​ C6​ ​ × ​x​ ​ = ​ ___
1   ​​
−6 6−6 6 6−6

64
Resposta: D .

__ __ 12−p
( y) ( )
2 ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​ 12​ C​ ​ × ​​(√
​   ​x  ​ ​ )​ ​ × ​​ − ​__
12 12 p 12 48−4p
​   ​x  ​ ​  − ​ __  2 ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ C​p​ × ​x​ 5 ​ × ​​(− 2)​ ​ × ​y​ ​ =​
5 5 ______
50 ​ √
4 4 12 ​       
​ p −p
p
p=0 y p=0

12 48−4p
​ ______
​= ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​​(− 2)​ ​ × ​x​
p −p
​ × ​y​ ​​
12    
 ​
5
p=0

Como o desenvolvimento tem treze termos, então o termo médio é


48−24
​ ______ ___
​ 24 ​  −6
​ ​ C​6​ × ​​(− 2)​ ​ × ​x​
6    
​  −6
​ × ​y​ ​ = 59136 ​x​5 ​ y​ ​​
12
5

Portanto, o coeficiente é ​59136​.


Resposta: B .

( x ​x2​ ​) p=0 p ( x ) ( ​x2​ ​) p=0 p


30 30 30−p p 30
51 ​ __
​ 1 ​ − ​ __
1  ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​ 30​ C​ ​ × ​​ __
​ 1 ​ ​ ​ × ​​ − ​__
 1  ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ C​ ​ × ​x​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​x​ ​ =​
30 p−30 p −2p

30
​= ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​x​
30 p −p−30
​​
p=0

−39
Como a parte literal de uma das parcelas é ​x​ ​, então ​− p − 30 = − 39​. Logo, ​p = 9​
​ ​ C​9​ × ​​(− 1)​ ​ × ​x​
9 −9−30 −39
​ = − 14307150 ​x​ ​​ e, sendo assim, tem-se que​
30
Portanto, a parcela em causa seria ​
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

286143k = − 14307150​, ou seja, ​k = − 50​


Resposta: C .

19
ITENS DE CONSTRUÇÃO
RESOLUÇÕES

52 Se a linha tem quinze elementos, então, trata-se da linha numero catorze.


Sendo assim, a soma dos três últimos elementos dessa linha é igual a ​ ​ C​12​ + ​​ ​ C13
​ ​ + ​​ ​ C​14​ = 91 + 14 + 1 = 106​ .
14 14 14

n n
53 Como ​ ​ C2016
​ ​ , ​ ​ C2017
​ ​ são dois elementos consecutivos de uma certa linha do triângulo de Pascal, então a sua
soma é igual ao elemento da linha seguinte que se encontra entre eles, ou seja, ​ ​ C​2016​ + ​​ ​ C2017
​ ​ = ​​ ​ C2017
n n n+1
​ ​ . Assim
​ ​ = 2018​.
n+1
sendo, tem-se que ​ ​ C2017
Recorrendo à calculadora, encontramos ​n = 2017​ .

54 Atendendo às propriedades do triângulo de Pascal, tem-se que

⎧210 + x = 1540 ⎧x = 1540 − 210 ⎧ x = 1330 ⎧ x = 1330 ⎧x = 1330 ⎧x = 1330


⎨​ ​  ⎨ ⎨ ⎨ ⎨  ⇔ ​⎨​ 
⎪ ⎪ ⎪ ⎪ ⎪ ⎪

​  ⇔ ​ ​ 
  ​   ​  ⇔ ​ ​ 
  ​   ​  ​  ​ ⇔​ ​ ​ ​  ​  ​  ​ ⇔ ​ ​  ​   ​  ​   ​​ 
⎩ x + 5985 = y ⎩ x + 5985 = y ⎩x + 5985 = y ⎩1330 + 5985 = y ⎩7315 = y ⎩y = 7315
⎪ ⎪ ⎪ ⎪ ⎪ ⎪

Então, a soma dos cinco elementos representados é igual a

​210 + 1330 + 5985 + 1540 + 7315 = 16380​

55 O desenvolvimento pelo Binómio de Newton é


12 12
​(3x − 2)​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​​(3x)​ ​ × ​​(− 2)​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ C​p​ × ​​(− 2)​ ​ × ​3​
12 12−p p p 12−p 12−p
​ × ​x​
12 12
​​
p=0 p=0

55.1 Como o desenvolvimento tem quinze termos, então o termo médio é

​ ​ C​6​ × ​​(− 2)​ ​ × ​3​
6
​ × ​x​ ​ = 43110144 ​x​ ​​
12 12−6 12−6 6

Portanto, o coeficiente é ​43110144​.

55.2 Para que exista termo de grau oito do desenvolvimento, deverá ter-se ​12 − p = 8​, ou seja, ​p = 4 ∈ ℕ.​
Então, o termo de grau oito é ​ ​ C4​ ​ × ​​(− 2)​ ​ × ​3​
4
​ × ​x​ ​ = 51963120 ​x​ ​​
12 12−4 12−4 8

55.3 Para que exista termo independente do desenvolvimento, deverá ter-se ​12 − p = 0​, ou seja, ​p = 12.​
​ ​ × ​​(− 2)​ ​ × ​3​
12
​ × ​x​ ​ = 4096​
12 12−12 12−12
Então, o termo independente é ​ ​ C12

56
__ 16 16 __ p 16
​ 12  ​ ​ ​ × ​​(√   ​)  ​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​y​ ​ × ​x​​ 5 ​​
( ​y​ ​ ) ( ​y​ ​)
16−p p
__
​ __
​ 12  ​ + ​√   ​  ​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​​ __
5 16 5 16 2p−32 ​   ​
   x  ​   x 
p=0 p=0

p
56.1 Para que exista termo de grau três do desenvolvimento, deverá ter-se ​__     ​= 3​, ou seja, ​p = 15 ∈ ℕ.​
3 −2
5
​ ​ × ​y​ ​ × ​x​ ​ = 16 ​x​ ​ y​ ​​.
16 30−32 3
Então, o termo de grau três na incógnita ​x​ é ​ ​ C15

56.2 Para que exista termo do desenvolvimento, cuja parte literal é constituída apenas pela incógnita ​x​, deverá
ter-se ​2p − 32 = 0​, ou seja, ​p = 16.​
16 ​ 
​ ___ 16 ​ 
​ ___
Então, o termo é ​ ​ C​16​ × ​y​ ​ × ​x​​ 5 ​ = ​x​​ 5 ​​ .
16 32−32

56.3 Como o desenvolvimento tem dezassete termos, então o termo médio é


​ 8 ​
__ ​ 8 ​ −16
__
​ ​ C8​ ​ × ​y​ ​ × ​x​​ 5 ​ = 12870 ​x​​ 5​ y​ ​​
16 16−32
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

20
57
__ n __ p

( ​x​ ​ 2y ) p=0 ( 2y ) p=0


p
__

( ​x​ ​)
__ √​  x 
___  ​ 
n
__
n−p
√___  ​ 
​  x 
n ​   ​
​x​2 ​
1 1 ​ × ​​(− 2)​ ​ × ​ __p  ​ =​

RESOLUÇÕES
−p
​ − ​  3  ​ − ​   ​  ​ ​ = ​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​​ − ​  3  ​ ​ ​ × ​​ − ​   ​  ​ ​ =​ ​​ ∑ ​ ​  ​ Cp​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​x​
n n n−p −3n+3p

​y​ ​
n 7p
−p −3n+​___
​= ​ ∑ ​ ​  ​ C​p​ × ​​(− 1)​ ​ × ​​(− 2)​ ​ × ​x​
n−p −p
​ × ​y​ ​​
n    ​ 
2
p=0

105   −16​ y−4
Como o termo é igual a ​ ____
  ​ x​ ​ ​, resulta que
8
⎧ ⎧
⎪ ⎪
7p 7p
− 3n + ​ ___ ​  = − 16 − 3n + ​ ___ ​  = − 16
2 2
​⎨n​     ​ ⇔ ​⎨n​    

105 ​ ⇔​
⎪​ ​ C​p​ × ​​(− 1)​ ​ × ​​(− 2)​ ​ = ​  8    ​
     −p ​ ____
105      −p ​ ____
​ ​ Cp​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​​(− 2)​ ​ = ​      ​
n−p n−p

8
⎩ − p = − 4 ⎩ p = 4

⎧ − 3n + 14 = − 16 ⎧ n = 10
⎪ ⎪
​⇔ ​⎨​        ​  ⇔ ​⎨​    
105 105  
​ C​4​ × ​​(− 1)​      )​ ​ ​= ​ ____
​ × ​​(− 2 ​ C4​ ​ × ​​(− 1)​      ​ )​ ​ = ​ ____
​ × ​​(− 2
n n−4 −4 n n−4 −4
  ​​
⎪ 8 ⎪ 8
⎩ p = 4 ⎩ p = 4

⎧ n = 10 ⎧ n = 10
⎪ ⎪
​⇔ ​⎨​        ​  ⇔ ​⎨____
105 105 105
​ C4​ ​ × ​​(− 1)​    ​ )​ ​ = ​ ____
​ × ​​( − 2     ​ = ​ ____  ​( Verdadeiro )​​
10 10−4 −4
​        ​      ​
⎪ 8 ⎪ 8 8
⎩ p = 4 ⎩ p = 4

Logo, ​n = 10​ .
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

21
ESPAÇO DE PROBABILIDADE / PROBABILIDADE CONDICIONADA
RESOLUÇÕES

ITENS DE SELEÇÃO

1 Número de casos possíveis: ​ ​ C​5​ × ​​ ​ C2​ ​ – escolher cinco números de entre ​50​ e duas estrelas de entre ​11​ .
50 11

Número de casos favoráveis: 1 – uma única aposta

​P = ​ _________ 1   ​  .
​ ​ C5​ ​ × ​​ ​ C2​ ​
50 11

Resposta: C .
2
2 Para o condutor há duas escolhas ​ ​ C​1​​ .
Para o lugar ao lado do condutor só há uma escolha (lugar da Ana).
Fixados os amigos que ocupam o lugar do condutor e o lugar ao lado, sobram quatro lugares para serem ocupa-
4
dos por quatro amigos. O número de maneiras de se sentarem é dado por ​ ​ A4​ ​​ .
Então, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ A4​ ​.
2 4

Quanto ao número de casos possíveis, como só há limitações quanto ao lugar ocupado pelo condutor, tem-se que
o número de casos possíveis é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ A5​ ​.
2 5

​ ​ C​ ​ × ​​ ​ A​ ​


2 4

Portanto, a probabilidade pedida é dada por ________


​ 2 1 5 4   ​.
​ ​ C​1​ × ​​ ​ A5​ ​
Resposta: B .
20
3 Como vão ser retiradas, em simultâneo, três bolas da caixa, o número de casos possíveis é dado por ​ ​ C​3​ .​
Quanto ao número de casos favoráveis: pretende-se que a soma dos números das três bolas seja igual a vinte,
então há dois casos a considerar:

1.° caso: saírem duas bolas com o número zero e uma com o número vinte. O número de maneiras de tal situação
ocorrer é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​1​​ .
8 6

2.° caso: saírem duas bolas com o número dez e uma com o número zero. O número de maneiras de tal situação
ocorrer é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​1​​ .
6 6

Resumindo, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ + ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C1​ ​.
8 6 6 8

​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ + ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C1​ ​


8 6 6 8

A probabilidade pedida é dada por ​ ________________


   20
  ​​ 
​ ​ C3​ ​
Resposta: B .

10
4 O número de casos possíveis é dado por ​ ​ A4​ ​​ .
Para a contagem do número de casos favoráveis:
2
• Para a primeira letra temos ​ ​ A1​ ​ escolhas, já que existem dois T disponíveis para a primeira posição;
• Para a segunda letra só temos uma escolha, já que só há um E ;
2
• Para a terceira letra voltamos a ter ​ ​ A1​ ​ escolhas, já que existem dois M disponíveis para essa posição;
3
• Por fim, para a última letra temos ​ ​ A1​ ​ escolhas, já que existem três A disponíveis para essa posição.
Concluindo, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ A1​ ​ × 1 × ​​ ​ A1​ ​ × ​​ ​ A1​ ​​
2 2 3

​ ​ A​ ​ × 1 × ​​ ​ A1​ ​ × ​​ ​ A1​ ​ ____


2 2 3

Portanto, a probabilidade pedida é dada por _______________


​  1
     = ​  1    
​   ​​
10
​ ​ A4​ ​ 420
Resposta: A .
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

22
5 O número de casos possíveis é igual a ​8​ ​ × ​10​​ ​ , dado que para cada uma das letras temos 8 escolhas e
4 4

para cada um dos quatro dígitos temos 10 escolhas possíveis (números de 0 a 9) .

RESOLUÇÕES
Quanto ao número de casos favoráveis:
Como pretendemos a sequência,

AA 99
,

então, há ​8​ ​ × ​10​​ ​ casos favoráveis.


2 2

​8​ ​ × ​10​​ ​ _____


2 2
Então, a probabilidade pedida é igual a ​P = ​ _______  ​ = ​  1    
​​
​8​ ​ × ​10​​ ​ 6400
4 4

Resposta: A .

6 Quanto ao número de casos possíveis:

O número do conjunto ​A​ ou tem quatro dígitos ou tem cinco dígitos.

Os que têm quatro dígitos:


O primeiro dígito pode ser um número de 5 a 9.
Para cada um dos restantes dígitos há 10 escolhas (números de 0 a 9).

Os que têm cinco dígitos:


só há o número 10000.
Então o número de casos possíveis é igual a ​5 × ​10​​ ​ + 1 = 5001​ .
3

Quanto ao número de casos favoráveis:


Os que têm quatro dígitos:
O primeiro dígito pode ser um número de 5 a 9 .
O último dígito pode ser 0 , 2 , 4 , 6 ou 8 .
Como se pretende que tenha exatamente dois dígitos iguais a 2 , há que considerar dois casos:

1.° caso: o último dígito é um 2 .

A 2

2
O outro dígito igual a 2 tem duas posições possíveis, ​ ​ C1​ ​​
Fixados os dígitos iguais a 2 , temos 5 escolhas para o primeiro dígito e para cada uma delas há 9 escolhas para
o outro dígito. Ou seja, há ​ ​ C​1​ × 5 × 9 = 2 × 5 × 9​ números no conjunto ​A​, nas condições do problema
2

2.° caso: o último dígito não é um 2 .


2
Para colocar os dígitos iguais 2 , há uma posição possível, ​ ​ C2​ ​​
Colocados esses dois dígitos, para o primeiro dígito há 5 escolhas e para cada uma delas há 4 escolhas para o
último dígito (0 , 4 , 6 ou 8).
Ou seja, há ​ ​ C​2​ × 5 × 4 = 1 × 4 × 5​ números no conjunto ​A​, nas condições do problema.
2

Então, o número de casos favoráveis é dado por ​2 × 5 × 9 + 1 × 4 × 5​ .


2 × 5 × 9 + 1 × 4 × 5 
Então, a probabilidade pedida é igual a ​P = ​ ___________________
        ​​
5001
Resposta: A .
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

23
7 O número de casos possíveis é dado por ​ ​ C​4​ × ​​ ​ C​3​ , já que dos sete atores necessários para a peça, quatro
6 4

têm de ser do sexo masculino (e há seis atores do sexo masculino) e três têm de ser do sexo feminino (e há quatro
RESOLUÇÕES

atores do sexo feminino).


Quanto o número de casos favoráveis:
Pretende-se que o Rodrigo e a Inês façam parte do elenco, logo, falta apenas escolher três atores do sexo mas-
5
culino. Isso pode ser feito de ​ ​ C​3​ maneiras distintas e para cada um destes grupos temos de escolher dois atores
3
do sexo feminino. Isso pode ser feito de ​ ​ C2​ ​ maneiras distintas.
Então, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C​3​ × ​​ ​ C​2​ .​
5 3

​ ​ C​ ​ × ​​ ​ C​ ​


5 3

Portanto, a probabilidade pedida é dada por ________


​ 6 3 4 2   ​​
​ ​ C4​ ​ × ​​ ​ C3​ ​
Resposta: D .

8 O número de casos possíveis é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C3​ ​ × ​​ ​ C1​ ​ = ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C3​ ​, dado que, dos seis lugares possíveis para as
6 4 1 6 4

bolas tenho de escolher dois para as bolas pretas (que não se distinguem) e o número de maneiras de o fazer é dado
6
por ​ ​ C2​ ​; colocadas as bolas pretas, sobram quatro lugares para colocar as bolas azuis e o número de maneiras de
o fazer é dado por ​ ​ C3​ ​; finalmente, colocadas as bolas pretas e azuis, sobra um lugar para a bola verde ​​(​ ​ C​1​)​​ .
4 1

Quanto ao número de casos favoráveis:


Pretende-se que a sequência comece e termine com uma bola preta, então há apenas uma forma de colocar essas
bolas; colocadas as bolas pretas, sobram quatro lugares para colocar as bolas azuis e o número de maneiras de o
fazer é dado por ​ ​ C3​ ​; finalmente, colocadas as bolas pretas e azuis, sobra um lugar para a bola verde ​​(​ ​ C1​ ​)​​ .
4 1

Então, o número de casos favoráveis é dado por ​1 × ​​ ​ C​3​ × 1 = ​​ ​ C​3​ .​


4 4

4
​ ​ C3​ ​
A probabilidade pedida é dada por ​ ________    ​  .
​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C3​ ​
6 4

Resposta: A .

9
9.1 No sólido estão representados dezasseis pontos, sendo oito de cada cubo.
16
Como vão ser escolhidos dois pontos ao acaso, o número de conjuntos com dois pontos é dado por ​ ​ C​2​, portan-
16
to, o número de casos possíveis é dado por ​ ​ C​2​.
Quanto ao número de casos favoráveis:
Como se pretendem retas paralelas ao eixo ​Oz​ ou ao eixo O
​ y​, então, só há ​4 + 4 + 4 + 6 = 18​ retas nestas condições.
18 ____
Assim, a probabilidade pedida é dada por ​ ____ ​ = ​  18   
    3   ​​.
​ = ​ ___
16
​ ​ C2​ ​ 120 20
Resposta: B .

9.2 No sólido estão representados dezasseis pontos, sendo oito de cada cubo.
16
Como vão ser escolhidos três pontos ao acaso, o número de conjuntos com três pontos é dado por ​ ​ C3​ ​, portan-
16
to, o número de casos possíveis é dado por ​ ​ C3​ ​​ .
Quanto ao número de casos favoráveis:
Como se pretende que os três pontos formem um triângulo em que apenas um dos vértices é um ponto do
cubo ​ [IJKLMNPQ] ​ ou do cubo ​ [ABCDEFGH] ​, então, pode ser escolhido um ponto do cubo ​ [IJKLMNPQ] ​ e dois do
cubo ​ [ABCDEFGH] ​ ou ser escolhido um ponto do cubo ​ [ABCDEFGH] ​ e dois do cubo ​ [IJKLMNPQ] ​​.

1.° caso: ser escolhido um ponto do cubo ​ [ABCDEFGH] ​ e dois do cubo ​ [IJKLMNPQ] ​​:
O número de triângulos nestas condições é dado por ​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​2​ = ​​ ​ C2​ ​ × 8​ .
8 8 8

2.° caso: ser escolhido um ponto do cubo ​ [IJKLMNPQ] ​ e dois do cubo ​ [ABCDEFGH] ​​:
O número de triângulos nestas condições é dado por ​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​2​ − 4 = ​​ ​ C2​ ​ × 8 − 4​ .
8 8 8

Nota: foi necessário retirar quatro grupos de três pontos, que são exatamente os grupos I​ EF​, J​ FG , KGH​ e L
​ EH​, uma vez
que cada um destes grupos não forma um triângulo (pontos colineares).

Então, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C​2​ × 8 + ​​ ​ C​2​ × 8 − 4 = ​​ ​ C​2​ × 16 − 4​ .


8 8 8
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

​ ​ C2​ ​ × 16 − 4
8

Sendo assim, a probabilidade pedida é dada por ​ __________16


   
​​ 
​ ​ C3​ ​
Resposta: D .

24
9.3 No sólido estão representados dezasseis pontos, sendo oito de cada cubo.
16
Como vão ser escolhidos três pontos ao acaso, o número de conjuntos com três pontos é dado por ​ ​ C3​ ​, portan-

RESOLUÇÕES
16
to, o número de casos possíveis é dado por ​ ​ C3​ ​​ .
Quanto ao número de casos favoráveis:
Como se pretende que os três pontos formem um plano paralelo ao plano ​xOy​, então, os três pontos têm de ser
escolhidos entre os quatro pontos do quadrado  ​​ [ABCD] ​ e o número de maneiras de fazer essa escolha é dado
por ​ ​ C3​ ​; ou entre os quatro pontos do quadrado ​ [MNPQ] ​ ,​ e o número de maneiras de fazer essa escolha é dado
4

por ​​ C3​ ​ ; ou entre os oito pontos do quadrado ​ [EFGH] ​ ,​ e o número de maneiras de fazer essa escolha é dado
4

por ​ ​ C3​ ​ − 4​ .


8

Então, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C​3​ + ​​ ​ C​3​ + ​​ ​ C3​ ​ − 4 = 3 × ​​ ​ C3​ ​ − 4​ .
4 4 8 4

Nota: foi necessário retirar quatro grupos de três pontos, que são exatamente os grupos ​IEF​, ​JFG, KGH​ e ​LEH​, uma vez
que cada um destes grupos não forma um plano (pontos colineares).

2 × ​​​ ​  C3​​​​ ​​ ​+ ​​ ​  C3​​​​ ​​  − 4


4 8

Sendo assim a probabilidade pedida é dada por _________


  
​​  16
 ​​  .
​​​ ​  C3​​​​ ​​
Resposta: A .

9.4 Pretende-se colorir nove faces, cinco do cubo ​ [IJKLMNPQ] ​ e quatro do cubo ​ [ABCDEFGH] ​​.
9
Para o fazer dispomos de doze cores. Então o número de maneiras de colorir essas nove faces é dado por ​​12​​ ​​ ,
uma vez que, para a primeira face dispomos de doze cores, para segunda face voltamos a ter doze cores disponí-
veis e assim sucessivamente.
9
Portanto, o número de casos possíveis é dado por ​​12​​ ​​ .

Quanto ao número de casos favoráveis:


Como se pretende que as faces do cubo ​ [IJKLMNPQ] ​ sejam coloridas com as cores, branco, preto, azul, verde,
amarelo, rosa, roxo, e as faces do cubo ​ [ABCDEFGH] ​ com as restantes cores, não podendo em caso algum haver
faces com a mesma cor, então, o número de maneiras de o fazer é dado por ​ ​ A5​ ​ × ​​ ​ A4​ ​.
7 5

Com efeito, para colorir o cubo ​ [IJKLMNPQ] ​ há ​ ​ A5​ ​ maneiras distintas de o fazer, e para cada coloração das
7

cinco faces deste cubo, há ​ ​ A4​ ​ maneiras distintas de colorir o cubo ​ ​ [ABCDEFGH] ​ .​
5

Então o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ A5​ ​ × ​​ ​ A4​ ​​ .


7 5

​ ​ A​ ​ × ​​ ​ A​ ​


7 5

Sendo assim, a probabilidade pedida é dada por ________


​  5 9  4  ​​ 
.
​12​​ ​
Resposta: C .

10 Sabe-se que do grupo das seis pessoas, uma tem de ser um adulto e há ​ ​ C1​ ​ = 8 ​ formas distintas de fazer
8

40
essa escolha. Para cada uma destas escolhas há ​ ​ C5​ ​  ​ maneiras distintas de escolher cinco jovens de entre os
quarenta do grupo de escuteiros.
40
Portanto, o número de casos possíveis é dado por ​8 × ​​ ​ C​5​​ .

Quanto ao número de casos favoráveis:


Sabe-se que do grupo das seis pessoas, uma tem de ser um adulto e há ​ ​ C​1​ = 8 ​ formas distintas de fazer essa
8

escolha. Para cada uma destas escolhas há ​25 × ​​ ​ C​4​ + ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​3​ maneiras distintas de escolher cinco jovens de
15 25 15

entre os quarenta do grupo de escuteiros, de acordo com as condições impostas.


Então, o número de casos favoráveis é dado por ​8 × ​(25 × ​​ ​ C4​ ​ + ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C3​ ​)​​.
15 25 15

Com efeito:
Como o grupo dos jovens tem de ter elementos de ambos os sexos, mas mais raparigas do que rapazes, então há
dois casos a considerar:

1.° caso: no grupo há um rapaz e quatro raparigas.


O número de maneiras de fazer esta escolha é dado por ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C​4​ = 25 × ​​ ​ C4​ ​​ .
25 15 15

2.° caso: no grupo há dois rapazes e três raparigas.


O número de maneiras de fazer esta escolha é dado por ​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​3​​ .
25 15
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

8 × ​(25 × ​​ ​ C4​ ​ + ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C3​ )​ ​ __________________


15 25 15
25 × ​​ ​ C4​ ​ + ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​3​
15 25 15

Sendo assim, a probabilidade pedida é dada por _______________________


   
​     40
   
​= ​
  
  40
   
​​
8 × ​​ ​ C5​ ​ ​ ​ C5​ ​
Resposta: A .
25
​‾​) ​  = 0,1          ∴ 1 − P ​(A ∪ B)​  = 0,1 ∴ P ​(A ∪ B)​  = 0,9​
11 ​P ​(A ∪ B​

​P ​(A ∪ B)​  = 0,9 ∴ P ​(A)​  + P ​(B)​  − P ​(A ∩ B)​  = 0,9 ∴ P ​(A ∩ B)​  = 0,6 + 0,5 − 0,9 = 0,2​


RESOLUÇÕES

P ​(​A ​  ̅ ∩ ​B̅ ​ )​ _______ ​‾​) ​ ___


P ​(A ∪ B​ 0,1 1
​P ​(​A ​| ̅ ​B̅ ​ )​  = ​ ________  ​     = ​  = ​    ​  = ​ __
 ​  
    ​​
P ​(​B̅ ​)  ​ 0,5 0,5 5

​P ​(A ∩ B)​  = 0,2​ e ​P ​(A)​  × P ​(B)​  = 0,6 × 0,5 =  0,3​.


Logo, ​A e B ​não são acontecimentos independentes.
Resposta: D .

‾)  ​ = ​ __ (​‾)  ​ = ​ __


12 ​P ​(A​
​‾  ∩ ​B​ 1 ​ ∴ P ​ A ∪ B​ 1 ​ ∴ 1 − P ​(A ∪ B)​ = ​ __
1 ​ ∴ P ​(A ∪ B)​ = 1 − ​ __
1 ​ ∴  P ​(A)​ +  P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​ = ​ __
4 ​​
5 5 5 5 5
3 ​ − ​ __
​∴ P ​(A ∩ B)​ = ​ __
2 ​ + 1 − ​ __ 4 ​​
3 4 5
3 ​ − ​ __
​ __
2 ​ + 1 − ​ __ 4 ​
P ​(A ∩ B)​ _________
________ 3 4 5 ___
​P ​(B | A)​ = ​  ​ = ​ 
   
      = ​  7   ​​
​  

P ​(A)​ __
2
​   ​ 40
3
Resposta: D .

13 ​P ​(Y​
‾ ​ )  ​, representa a probabilidade de a bola retirada da caixa ​B​ ser branca, sabendo que as bolas retira-
​ |  ‾
X​
das da caixa ​A​ são de cores diferentes.
Se as bolas retiradas da caixa ​A​ são de cores diferentes, então retirou-se uma bola branca e uma bola preta.
Posteriormente, estas duas bolas foram colocadas na caixa B ​ ​, pelo que na caixa B
​ ​ ficaram oito bolas brancas

e seis bolas pretas. Portanto, a probabilidade ​P ​(Y​


​‾|  X​
‾ ​  8    ​= ​ __
​ )  ​ é igual a ___ 4 ​​.
14 7
Resposta: C .

P ​(A ∩ B)​ __ P ​(A ∩ B)​ __
14 ​P ​(A | B)​ = ​ __
1 ​ ⇔ ​ ________     = ​ 1 ​ ⇔ ​ ________
​       = ​ 1 ​ ⇔ P ​(A ∩ B)​ = ​ __
​   1 ​ × ​ __
1 ​ = ​ ___
1   ​​
2 P ​(B)​ 2 __
1
​   ​ 2 2 5 10
5

P ​(A​
​‾  ∩ ​B​ ​‾ 
‾ )​ ________
P ​(A ∪ B​ )​ __________ 1 − ​ [P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)]​ ​
1 − P ​(A ∪ B)​ ______________________
​P ​(A​ ​ )  ​ = ​ _________
​‾|  B​
‾  ​ = ​ 
    = ​ 
 ​       = ​    
​        ​ =​
P ​(B​
​‾)  ​ 1 − P ​(B)​ 1 − ​ __
1 ​ __
​ 4 ​
5 5
3 __
1 − ​ ___
   ​ − ​ 1 ​ + ​ ___
1   ​
1 − P ​(A)​ − P ​(B)​ + P ​(A ∩ B)​ ___________
10 5 10 __
_____________________
​= ​   
        ​ = ​      = ​ 3 ​​
​  
__
4
​   ​ __
4
​   ​ 4
5 5
Resposta: B .

ITENS DE CONSTRUÇÃO

15 Número de casos possíveis: ​ ​ C​2​ × ​​ ​ C2​ ​   ​


8 8

Escolher 2 cartas de entre as 8 de cada grupo.


Número de casos favoráveis: ​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ × ​​ ​ C​1​ = ​4​ ​​
4 4 4 4 4

Escolher um rei de entre 4 ‑ ​ ​ C1​ ​​


4

Escolher um ás de entre 4 ‑ ​ ​ C1​ ​​


4

Escolher uma dama de entre 4 ‑ ​ ​ C1​ ​​


4

Escolher um valete de entre 4 ‑ ​ ​ C1​ ​​


4

4
256  ___
Então, a probabilidade pedida é dada por: ​P = ​________
 8 ​4​ ​  = ​ ____
 ​    ​ = ​ 16  ​​
​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ 784 49
8
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

26
16 Um baralho de cartas completo é constituído por 52 cartas, repartidas em 4 naipes (Espadas, Copas, Ouros
e Paus). Em cada naipe há um Ás, três figuras (Rei, Dama e Valete) e mais nove cartas (do Dois ao Dez).

RESOLUÇÕES
Rei Ás Ás

4 × 4 × 3 × 44 × 43 = 90816

O Rodrigo pode fazer 90816 sequências diferentes.

16.1
52
16.1.1 Número de casos possíveis: ​ ​ C​6​    → escolher  6  cartas de um conjunto de 52​ cartas .

Número de casos favoráveis: ​ ​ C3​ ​ × ​​ ​ C​3​    → escolher 3 de entre 4 reis e 3 das restantes cartas​ .


4 48

​ ​ C3​ ​ × ​​ ​ C3​ ​ ______


4 48

Então, pela Lei de Laplace, tem-se que ​P = ​ _________     = ​  184   


​   ​​.
52
​ ​ C6​ ​ 54145

52
16.1.2 Número de casos possíveis: ​ ​ C​6​    → escolher 6 cartas de um conjunto de 52​

Número de casos favoráveis:


4 figuras e 2 não figuras: ​ ​ C4​ ​ × ​​ ​ C​2​​
12 40

5 figuras e 1 não figura: ​ ​ C5​ ​ × ​​ ​ C1​ ​​


12 40

12
6 figuras e 0 não figura: ​ ​ C6​ ​​
​ ​ C​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ + ​​ ​ C​5​ × ​​ ​ C1​ ​ + ​​ ​ C6​ ​ _________
12 40 12 40 12

Então, pela Lei de Laplace, tem-se que ​P = ​_______________________


  4
         ​ = ​  418704 
   52338 
​ = ​ ________  
​​.
52
​C​ 6​  ​ 20358520 2544815

17

( ) ( ) (y)
n n p n p
​ ​x​ ​ − ​ __ ​ ​ × ​​ − ​__
1 ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​ n​ ​ × ​​(​x2​ ​)n−p  1 ​ ​ ​ = ​ ∑ ​ ​ n​C​ ​ ​​ × ​x​ ​ × ​​(− 1)​ ​ × ​​ __
​ 1 ​ ​ ​ =​
2 2n−2p p
​C​ ​
y p=0
p
y p=0
p

(y)
n p
​= ​ ∑ ​ ​ n​C​ ​ ​​ (− 1)​ ​ × ​x​ ​ × ​​ __
​ 1 ​ ​ ​​
p 2n−2p
p
p=0

30
​x​ ​
Como um dos termos tem parte literal igual a ___
​  5 ​ ​, resulta que
​y​ ​
⎧2n − 2p = 30 ⎧2n − 10 = 30 ⎧2n = 40 ⎧n = 20
​⎨​  ⇔ ​⎨​ 
  ​   ⇔ ​⎨​ 
  ​   ⇔ ​⎨​ 
  ​   ⇔​​​
 ​ ​ 
⎩ p = 5 ⎩ p = 5 ⎩ p = 5 ⎩ p = 5

​ 1​ com coeficiente positivo (note-se que o fator ​(− 1)​ ​​


p
Se ​n = 20​, então o desenvolvimento tem 2 ​ 1​ termos, sendo 1
toma sinal positivo quando ​p​ toma os valores ​0 , 2 , 4 , 6 , 8 , 10 , 12 , 14 , 16 , … 20​) e ​10​ com coeficiente
negativo (note-se que o fator ​(− 1)​ ​ toma sinal negativo quando ​p​ toma os valores ​1 , 3 , 5 , 7 , 9 , 11 , 13 ,
p

15 , … ,  19)​ .

Número de casos possíveis: ​ ​ C​4​ −  dos 21 termos do desenvolvimento escolhem-se  4​ .


21

Número de casos favoráveis: para que o produto dos quatro números seja positivo, os quatro têm de ser negativos
ou têm de ser positivos. Também podemos ter dois números negativos e dois números positivos. Então, o número
de casos favoráveis é dado por ​ ​ C4​ ​ + ​​ ​ C4​ ​​​ + ​​ ​ C​2​​​ + ​​ ​ C​2​​ .
10 11 10 11

​ ​ C​ ​  + ​​ ​ C​4​  + ​​ ​ C2​ ​ × ​​ ​ C​4​ _____


10 11 10 11

E a probabilidade pedida é ​P = ​_________


  4         = ​ 3015 
​   67   
 ​ = ​ ____ ​ ≈ 50,4%​
21
​ ​ C4​ ​ 5985 133
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

27
18
18.1 O sólido tem ​6​ vértices.
RESOLUÇÕES

Número de casos possíveis: ​ ​ C​2​ – escolha de dois dos 6 vértices​.


6

Número de casos favoráveis: ​3​


3 ___
A probabilidade pedida é ​P = ​ ___    ​  = ​  3   ​ = ​ __
1 ​​
6
​ ​ C2​ ​ 15 5

18.2 O sólido tem ​6​ vértices


Número de casos possíveis: ​ ​ C3​ ​–  escolha de três dos 6 vértices​.
6

Número de casos favoráveis: ​ ​ C3​ ​ + ​​ ​ C​3​​


4 4

O polígono ​ [ABDE] ​ está contido no plano ​xOy​, logo é perpendicular ao eixo ​Oz​ .
4
Então, dos quatro pontos escolhemos três – ​ ​ C​3​​
O polígono ​ [ACDF] ​ está contido no plano ​xOz​, logo é perpendicular ao eixo ​Oy​ .
4
Então, dos quatro pontos escolhemos três – ​ ​ C​3​​

​ ​ C3​ ​ + ​​ ​ C3​ ​   ___


4 4

Portanto, a probabilidade pedida é ​P = ​ ________     ​ = ​  8   ​ = ​ __


  2 ​​.
6
​ ​ C3​ ​ 20 5
19
19.1
19.1.1 Quanto ao número de casos possíveis:
No sólido estão representados catorze pontos. Como se pretendem escolher dois, então essa escolha pode ser
14
feita de ​ ​ C2​ ​ maneiras.
z

H R
G
S
Q
E P
O F
D
C y

T
A
B
x

Quanto ao número de casos favoráveis:


Só há quatro retas paralelas ao eixo ​Oz​, então, o número de casos favoráveis é 4 .

Portanto, a probabilidade pedida é igual a ​P = ​ ____


4   ​  = ​ ___
4   ​​.
14
​ ​ C2​ ​ 91

19.1.2 Quanto ao número de casos possíveis:


No sólido estão representados catorze pontos. Como se pretendem escolher dois, então essa escolha pode ser
14
feita de ​ ​ C​2​ maneiras.

Quanto ao número de casos favoráveis:


Para a reta ser estritamente paralela ao plano x​ Oy​, a escolha dos dois pontos tem de ser feita ou no conjunto
dos oito pontos situados no quadrado ​ [EFGH] ​ ou nos quatro no quadrado ​ [ABCD] ​.
Então, temos: ​ ​ C​2​ + ​​ ​ C​2​ casos favoráveis.
8 4

​ ​ C​2​ + ​​ ​ C​2​   ___


8 4

Portanto, a probabilidade pedida é igual a ​P = ​ ________     = ​ 34  ​​.


​  
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

14
​ ​ C2​ ​ 91

28
19.2 Quanto ao número de casos possíveis:
No sólido estão representados catorze pontos. Como se pretendem escolher três pontos, então essa escolha

RESOLUÇÕES
14
pode ser feita de ​ ​ C3​ ​​ maneiras.

Quanto ao número de casos favoráveis:


Para esses três pontos definirem o plano de equação ​y = − x​, os três pontos têm de ser escolhidos no quadrilá-
tero ​ [ACGE] ​. Essa escolha pode ser feita de ​ ​ C3​ ​ maneiras.
4

4
​ ​ C​3​   ___
Portanto, a probabilidade pedida é igual a ​P = ​ ____ ​ = ​  1   ​​.
  
​ ​ C​3​ 91
14

19.3 O sólido tem ​9​ vértices


Número de casos possíveis: ​ ​ C2​ ​  – escolha de dois dos 9 vértices​
9

Número de casos favoráveis:

​ ​ C2​ ​ − ​(16 + 2 + 4 × 2)​​
9

N.º de diagonais das 4 faces laterais

N.º total de arestas N.º de diagonais da base ​​  [ABCD] ​​

​ ​ C2​ ​ - ​(16 + 2 + 4 × 2)​ ___


9

Portanto, a probabilidade pedida é ​P = ​ __________________ 10 5   


    ​ = ​    ​= ___
   ​   ​​ .
9
​ ​ C2​ ​ 36 18

19.4
9
19.4.1 O número de casos possíveis é igual a ​10​​ ​ ,​ uma vez que temos dez cores disponíveis para colorir nove
faces do sólido, podendo repetir cores na coloração das faces.
Quanto ao número de casos favoráveis:
Para as faces da pirâmide temos dez escolhas, dado que vão ser pintadas da mesma cor e há dez cores disponí-
veis.
9
Para cada uma das colorações das faces da pirâmide, há ​ ​ A5​ ​ formas distintas de pintar as cinco faces do cubo,
sem que haja faces pintadas com a mesma cor e não sejam pintadas com a cor escolhida para as faces da pirâ-
mide.
9
Então, o número de casos favoráveis é igual a ​10 × ​​ ​ A5​ ​​ .
9
10 × ​​ ​ A5​ ​ _________
A probabilidade pedida é igual a ​P = ​_______
      = ​  1512   
​   ​ ≈ 0,015%​ .
9
​10​​ ​ 10000000
9
19.4.2 O número de casos possíveis é igual a ​10​​ ​ ,​ uma vez que temos dez cores disponíveis para colorir nove
faces do sólido, podendo repetir cores na coloração das faces.
Quanto ao número de casos favoráveis:
4
Para as faces da pirâmide temos quatro cores disponíveis. O número de maneiras distintas de o fazer é igual a ​4​ ​​.
6
Para cada uma das colorações das faces da pirâmide, há ​ ​ A5​ ​ formas distintas de pintar as cinco faces do cubo,
sem que haja faces pintadas com a mesma cor e não sejam pintadas com as cores escolhidas para as faces da
pirâmide.
Então, número de casos favoráveis é igual a ​4​ ​ × ​​ ​ A5​ ​​ .
4 6

​4​ ​ × ​​ ​ A5​ ​ _____


2 6

A probabilidade pedida é igual a ​P = ​ ________     ​ = ​  72    


  ​ ≈ 0,018%​ .
9
​10​​ ​ 390625
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

29
20 Se as bolas vão ter cores diferentes, então podem ocorrer os seguintes casos:
• (amarela, verde), (verde, amarela);
RESOLUÇÕES

• (amarela, preta), (preta, amarela);


• (preta, verde), (verde, preta).

E então, ​P = ​_____
 4 × 2   4 × 3   3 × 4   3 × 2   2 × 3   16 + 24 + 12 52  ​ = ​ ___
13  ​​.
​ + ​ _____ ​ + ​ _____
2 × 4   ​ + ​ _____ ​ + ​ _____ ​ + ​ _____ ​ = ​ __________
    = ​ ___
​  
9 × 8 9 × 8 9 × 8 9 × 8 9 × 8 9 × 8 72 72 18

21 Quanto ao número de casos possíveis:

Para o primeiro dígito temos apenas 9 ​  ​ escolhas (não podemos utilizar o zero) e para cada um dos outros temos​
10​ escolhas (já podemos utilizar o zero).
Então, o número de casos possíveis é dado por ​9 × ​10​​ ​​ .
3

Quanto ao número de casos favoráveis:

1.° caso: o primeiro dígito é um.

1 1

3
• O outro um tem três posições possíveis: ​ ​ C1​ ​.
• Colocados os uns, para os dois dígitos que faltam temos ​9 × 9​ escolhas para os preencher, já que não pode-
mos escolher o um.

Então, temos ​ ​ C1​ ​ × 9 × 9​ casos favoráveis.


3

2.° caso: o primeiro dígito não é um 1 .

1 1

• Para o primeiro dígito temos 8 escolhas, já que não podemos utilizar o um nem o zero.
3
• Fixado o primeiro dígito, temos ​ ​ C​2​ formas diferentes de colocar os uns.
• Para o dígito em falta temos 9
​ ​ escolhas para o preencher, já que não podemos escolher o um mas podemos
escolher o zero.

Então temos, ​ ​ C2​ ​ × 8 × 9​ casos favoráveis.


3

Resumindo, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C​1​ × 9 × 9 + ​​ ​ C​2​ × 8 × 9​ .


3 3

​ ​ C1​ ​ × 9 × 9 + ​​ ​ C2​ ​ × 8 × 9 ___


3 3

A probabilidade pedida é igual a ​P = ​ _____________________


       ​  = ​  51   
​= 5,1%​.
3
9 × ​10​​ ​ 1000

22
22.1

1a4 9 escolhas 8 escolhas 7 escolhas

Então, no conjunto ​A​ existem ​4 × 9 × 8 × 7 = 2016 ​ elementos com os algarismos todos diferentes.
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

30
22.2 Número de casos possíveis:

RESOLUÇÕES
1a4 10 escolhas 10 escolhas 10 escolhas

Então, existem ​4 × 10 × 10 × 10 = 4000 ​ casos possíveis.

Número de casos favoráveis:

1a4 8 escolhas 7 escolhas 2 escolhas (0 ou 5)

Então, existem ​4 × 8 × 7 × 2 = 448​ casos favoráveis.


448   ____
Sendo assim, ​P = ​ ___  ​= ​  14  ​ = 0,112​.
4000 125

23 Se se extraem, em simultâneo, três bolas de um saco com vinte bolas numeradas, então, o número de casos
20
possíveis é dado por ​ ​ C3​ ​​ .
Quanto ao número de casos favoráveis: pretende-se que o maior dos três números escolhidos seja 1
​ 0​, então
tem-se:

10 n.º < 10 n.º < 10

Das vinte bolas que estão no saco, nove têm número inferior a dez.
Então, o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C​2​ = ​​ ​ C2​ ​​ .
9 9

9
​ ​ C2​ ​ ___
  n.º  casos favoráveis  ​ = ​ ____
Sendo assim, tem-se, pela Lei de Laplace, que ​P = ​_____________________
  
     ​  = ​  3   ​​.
n.º  de casos possíveis ​ ​ C​3​ 95
20

24
24.1 Vamos pintar quatro quadrados, então, comecemos por escolhê-los de um grupo de 20 . Isso pode ser feito
20
de ​ ​ C​4​ maneiras. De seguida, pintamos os quatro quadrados com as quatro cores disponíveis. Isso pode ser
feito de ​ ​ A4​ ​ = 4 !​ maneiras. Então, o quadrado pode ficar colorido de
4

​ ​ C4​ ​ × 4 ! = 116280​ maneiras diferentes.


20

24.2 Calculemos o número de casos possíveis. Vamos pintar quatro quadrados, então, comecemos por escolhê-
20
-los de um grupo de 20 . Isso pode ser feito de ​  ​ ​ C4​ ​ maneiras. De seguida, pintamos os quatro quadrados com
as quatro cores disponíveis e isso pode ser feito de ​​​ A4​ ​ = 4 !​maneiras. Então, o quadrado pode ficar colorido
4

de ​​ ​ C4​ ​ × 4 !​ maneiras. Quanto, aos casos favoráveis. Se pretendo que as diagonais fiquem coloridas, então,
20

temos de colorir quatro quadrados e, para tal, dispomos de quatro cores, então, podemos colorir de 4! maneiras
diferentes. Portanto, a probabilidade é dada por

​P = ​ ________
4 !   ​  = ​ ____
1   ​  = ​ _____
1    
​​
​ ​ C4​ ​ × 4 ! ​ ​ C4​ ​ 4845
20 20

24.3 Calculemos o número de casos possíveis. Vamos pintar quatro quadrados, então, comecemos por escolhê-
20
-los de um grupo de 20 . Isso pode ser feito de ​ ​ C4​ ​ maneiras. De seguida, pintamos os quatro quadrados com a
cor preta e isso pode ser feito de uma única maneira já que os quadrados pintados de preto não se distinguem.
20
Então, o quadrado pode ficar colorido de ​ ​ C4​ ​ maneiras. Quanto aos casos favoráveis, se pretendo que as diago-
nais fiquem coloridas, então, temos de colorir quatro quadrados e, para tal, dispomos de uma única cor, então
podemos colorir de uma única maneira. Portanto, a probabilidade é dada por

​P = ​____
 201   ​  = ​ _____
1    
​.
​ ​ C4​ ​ 4845
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

31
25 Para calcular a probabilidade pedida recorro à regra de Laplace, que consiste em dividir o número de casos
favoráveis ao acontecimento pelo número de casos possíveis, quando os acontecimentos elementares do espaço
RESOLUÇÕES

amostral são equiprováveis.


Para calcular o número de casos possíveis:
Tenho doze bolas no saco e pretendo agrupá-las três a três (uma vez que se retiram três bolas do saco). O núme-
12
ro de maneiras de o fazer é dado por ​ ​ C​3​​ .
Para calcular o número de casos favoráveis tenho de ter em atenção que vão sair três bolas e pretende-se que a
soma dos números seja cinco. Para que isso aconteça têm de ocorrer os seguintes casos:

Hipótese A: saírem duas bolas com o número 2 e uma bola com o número 1 .

Hipótese B: saírem duas bolas com o número 1 e uma bola com o número 3 .

Hipótese A:
Tenho cinco bolas com o número 2 e pretendo escolher duas. O número de maneiras de as agrupar duas a duas
5
é dado por ​ ​ C​2​.
Tenho três bolas com o número 1 e pretendo escolher uma. O número de maneiras de as agrupar uma a uma é​
3
3 = ​​ ​ C1​ ​​ .
Então, o número de maneiras que tenho de escolher duas bolas com o número 2 e uma bola com o número 1 é
dado por ​ ​ C​2​ × 3​.
5

Hipótese B
Tenho três bolas com o número 1 e pretendo escolher duas. O número de maneiras de as agrupar duas a duas é
3
dado por ​ ​ C​2​.
Tenho quatro bolas com o número 3 e pretendo escolher uma. O número de maneiras de as agrupar uma a uma
4
é ​4 = ​​ ​ C​1​.
Então, o número de maneiras que tenho de escolher duas bolas com o número 1 e uma bola com o número 3 é
dado por ​ ​ C​2​ × 4​.
3

Em resumo, atendendo às duas hipóteses, tem-se que o número de casos favoráveis é dado por ​ ​ C2​ ​ × 4 + ​​ ​ C2​ ​ × 3​ .
3 5

​ ​ C2​ ​ × 4 + ​​ ​ C2​ ​ × 3


3 5

A probabilidade pedida é dada por: ​ _____________


   12
   
​.
​ ​ C3​ ​

26 ​P ​(B | A)​  ​ é a probabilidade de sair bola com o número 1


​ ​ na segunda extração, sabendo que saiu bola com o
número ​1​ na primeira extração.

Tem-se, assim, que:


• o número de casos possíveis é 2 ​ 0​(número de bolas existentes no saco após a reposição da bola com o núme-
ro ​1​ saída na primeira extração, juntamente com mais dez bolas com o número 1);
• o número de casos favoráveis é ​14​(número de bolas existentes no saco com o número ​1​, após a reposição da
bola com o número ​1​ saída na primeira extração, juntamente com mais dez bolas com o número ​1​ ).
A probabilidade de acordo com a Regra de Laplace (que consiste em dividir o número de casos favoráveis ao
​ 14  ​ = ​ ___
acontecimento pelo número de casos possíveis, quando estes são equiprováveis), é igual a ___ 7   ​​.
20 10

27 Sejam os acontecimentos:
• ​A :​«o aluno escolhido é português»
• ​B :​«o aluno escolhido é do sexo masculino»

Do enunciado, tem-se que


​P ​(A​
​‾)  ​ = 0,4​ e, portanto ​P ​(A)​ = 1 − P ​(A​
​‾)  ​ = 0,6​
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

​P ​(B)​ = ​__
 1 ​ = 0,2​ portanto ​P ​(B​
​‾)  ​ = 1 − P ​(B)​ = 0,8​
5
3 ​, então tem-se que, ________P ​(A ∩ B)​
​P ​(A | B)​ = ​ __ ​      = 0,75 ∴ P ​(A ∩ B)​ = 0,75 × 0,2 = 0,15​ .
​  
4 P ​(B)​
32
Elaborando uma tabela do tipo

RESOLUÇÕES
​A​ ‾
​​ ​ 
A​
​B​ ​P ​(A ∩ B)​ ​P ​(A​
​‾  ∩ B)​ ​P ​(B)​

​​ ​ 
B​ ​P ​(A ∩ ​‾
B​)  ​ ​P ​(A​
‾ ‾)  ​
​   ∩ ​B​ ​P ​(B​
​ )  ​

​P ​(A)​ ​P ​(A​
​ )  ​
‾ ​1​ ou 100%

Tem-se que:

​A​ ‾
​​ ​ 
A​
​B​ ​0,15​ ​0,05​ ​0,2​

​​ ​ 
B​ ​0,45​ ​0,35​ ​0,8​
​0,6​ ​0,4​ ​1​

​P ​(A​
​‾  ∩ B)​ = 0,2 − 0,15 = 0,05​

​P ​(A​ ‾)  ​ = 0,4 − 0,05 = 0,35​


​‾  ∩ ​B​
Pretendemos calcular ​P ​(B|​A​
‾)  ​​

P ​(A​
​‾  ∩ B)​ ____ 0,05 __
‾)  ​ = ​ _________
Ora, ​P ​(B|​A​  ​  = ​ 1 ​​.
 = ​   ​ 


P ​(A​
​‾)  ​ 0,4 8

28 Sejam os acontecimentos:
100 
​M​: «o professor escolhido é mulher» – ​P ​(M)​ = ​ ____ ​ = ​ __
2 ​​
150 3
‾​ : «o professor escolhido é homem» – ​P ​(M​
​​M​ ​‾)  ​ = 1 − ​ __
2 ​ = ​ __
1 ​​
3 3
​A​: «o professor escolhido tem perfil para desempenhar a função de Diretor de Turma»
‾​​ ​ : «o professor escolhido não tem perfil para desempenhar a função de Diretor de Turma»
A​

Então,
​P ​(A | M)​ = 0,9  e  P ​(A|​‾
M​)  ​ = 0,6​

Fazendo um diagrama em árvore tem-se que

​P ​(A|M)​ = 0,9​ ​A​ ​P ​(M ∩ A)​ = P ​(M)​ × P ​(A|M)​ = ​ __


2  ​  × 0,9​
3
​M​
​P ​(M)​ = __
​  2 ​​  
3
​P ​(A​
​‾|  M)​ = 0,1​ ‾
​ ​ 
A​ ​P ​(M ∩ ​A​ ​ |  M)​ = ​ __
‾)  ​ = P ​(M)​ × P ​(A​
‾ 2  ​  × 0,1​
3

​P ​(A|​M​
‾)  ​ = 0,6​ ​A​ ​P ​(M​
​‾  ∩ A)​ = P ​(M​ ‾)  ​ = ​ __
​‾)  ​ × P ​(A|​M​ 1  ​  × 0,6​
3
​‾)  ​= __
​P ​(M​ ​  1 ​​  
3 ‾ 
​​M​​

​P ​(A​ ​ )  ​ = 0,4​
​‾|  M​
‾ ‾
​ ​ 
A​ ​P ​(M​ ‾)  ​ = P ​(M​
​‾  ∩ ​A​ ​‾)  ​ × P ​(A​ ​ )  ​ = ​ __
​‾|  M​
‾ 1  ​  × 0,4​
3

Nota:
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

​P ​(A​
​‾|  M)​ = 1 − P ​(A|M)​ = 1 − 0,9 =  0,1​
​P ​(A​ ​ )  ​ = 1 − P ​(A|​M​
​‾|  M​
‾ ‾)  ​ = 1 − 0,6 =  0,4​

33
28.1 Pretende-se determinar ​P ​(M​
​‾  ∩ A)​​
Pelo diagrama, tem-se que
RESOLUÇÕES

​P ​(‾
​   ∩ A)​ = P ​(‾
M​ M​)  ​ = ​ __
​ )  ​ × P ​(A|​‾
M​ 1 ​ × 0,6 = 0,2​
3

28.2 Pretende-se determinar ​P ​(M|​A​


‾)  ​​
Ora
​ __
2 ​ × 0,1
P ​(M ∩ ​A​
_________ ‾)  ​ ____________________
P ​(M ∩ ​A​‾)  ​ 3
______________
​P ​(M|​A​
‾)  ​ = ​   ​  = ​   
      ​ = ​       ​ =   ​ __
1 ​ ≈ 0,33   ​(33%)​​
P ​(A​
​‾)  ​ P ​(M ∩ ​A​
‾)  ​ + P ​(M​ ‾)  ​ __
​‾  ∩ ​A​ 2 __
1
​   ​ × 0,1 + ​   ​ × 0,4 3
3 3

Não ter perfil e ser Não ter perfil e ser


mulher homem

Outro Processo
Sejam os acontecimentos:
100 
​M​: «o professor escolhido é mulher» – ​P ​(M)​ = ​ ____ ​ = ​ __
2 ​​
150 3

​ )  ​ = 1 − ​ __
M​​ : «o professor escolhido é homem» – ​P ​(M​
​​‾ ‾ 2 ​ = ​ __
1 ​​
3 3
​A​: «o professor escolhido tem perfil para desempenhar a função de Diretor de Turma»
‾​​ ​ : «o professor escolhido não tem perfil para desempenhar a função de Diretor de Turma»
A​

Então,
​P ​(A | M)​ = 0,9  e   P ​(A|​M​
‾)  ​ = 0,6​

Fazendo uma tabela do tipo

​A​ ‾
​​ ​ 
A​ Totais
​M​ ​P ​(A ∩ M)​ ​P ​(A​
​‾  ∩ M)​ ​P ​(M)​

​​ ​ 
M​ ​P ​(A ∩ ​M​
‾)  ​ ​P ​(A​ ‾)  ​
​‾  ∩ ​M​ ​P ​(M​
​‾)  ​
Totais ​P ​(A)​ ​P ​(A​
​‾)  ​ ​1​ ou 100%

Tem-se que:

​A​ ‾
​​ ​ 
A​ Totais

3 ​
​M​ ​ __ ___
​  1   ​ __
​ 2 ​
5 15 3

‾​ 
​​M​ ​ __
1 ​ ___
​  2   ​ __
​ 2 ​
5 15 3

Totais ​ __
4 ​ __
​ 1 ​ ​1​
5 5
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

34
Nota:

RESOLUÇÕES
Sabe-se que:
P ​(A ∩ M)​ 3 ​​ 
​P ​(A|M)​ = 0,9  ∴ ​ _________  ​ = 0,9 ∴ P ​(A ∩ M)​ = P ​(M)​ × 0,9 = ​ __
  
  2 ​  × 0,9 = ​ __
P ​(M)​ 3 5

P ​(A ∩ ​M​‾)  ​
M​ )​ = 0,6  ∴ ​ _________
​P ​(A|​‾  ​ = 0,6 ∴ P ​(A ∩ ​‾
  
  ​‾ )​ × 0,6 = ​ __
M​ )​ = P ​(M​ 1 ​  × 0,6 = ​ __
1 ​​ 
P ​(M​
​‾ )​ 3 5

​ ___ 1  ​ 
15
‾)  ​ = ​   ​   = ​ __
____ 1  ​​
​P ​(M|​A​
__
​  1 ​   3
5

29 ​P ​((​ B ∩ C)​ |A)​ é a probabilidade de a segunda bola retirada ter cor cinza e ter número par, sabendo que a
primeira bola retirada é verde.
• Explicação do número de casos possíveis: como foi retirada uma bola e não há reposição, existem 1
​ 9​ bolas
possíveis para a 2.ª extração.
• Explicação do número de casos favoráveis: uma vez que a primeira bola retirada é verde, continuam na caixa
as ​10 ​ bolas cinza, numeradas de ​11​ a ​20​, das quais existem cinco com número par.

​  5   ​. De acordo com a Regra de Laplace, a probabilidade de um acontecimento


• Concluir que a probabilidade é ___
19
é o quociente entre o número de casos favoráveis ao acontecimento e o número de casos possíveis, quando
estes são todos equiprováveis.

20
30 Podemos considerar que o número de casos possíveis é dado por ​ ​ C8​ ​ , logo, percebe-se que existem no
saco um total de vinte bolas e que se pretendem extrair oito, em simultâneo. Considerando que o número de
casos favoráveis é dado por ​  ​ ​ C6​ ​ × ​​ ​ C2​ ​ + ​​ ​ C​7​ × ​​ ​ C​1​ + ​​ ​ C8​ ​, percebe-se que no saco estão doze bolas com numera-
12 8 12 8 12

ção par e que se pretende determinar a probabilidade de pelo menos seis das oito bolas extraídas terem nume-
ração par.
Um possível enunciado: Num saco existem vinte bolas, sendo doze com numeração par e oito com numeração
ímpar. Retiram-se, ao acaso, e em simultâneo, oito bolas do saco. Qual é a probabilidade de se retirarem pelo
menos seis bolas com numeração par?

31
31.1 A probabilidade de não ocorrer ​A​ nem ​B​ é dada por ​P ​(A​ ‾)  ​​
​‾  ∩ ​B​
Ora, ​P ​(A​ ​‾) ​ = 1 − P ​(A ∪ B)​ = 1 − P ​(A)​ − P ​(B)​ + P ​(A ∩ B)​ =​
‾)  ​ = P ​(A ∪ B​
​‾  ∩ ​B​
​= P ​(A​
​‾)  ​ − P ​(B)​ + P ​(A)​ × P ​(B)​ = P ​(A​
​‾)  ​ + P ​(B)​ ​ [P ​(A)​ − 1] ​​

Nota:
Como ​A   e   B   são acontecimentos independentes​, então, ​P ​(A ∩ B)​  = P ​(A)​  × P ​(B)​​ .

31.2 A probabilidade pedida é dada por


​P ​(X​ ‾)  ​ = P ​(X​
​‾  ∩ ​Y​ ​‾)  ​ + ​ [P ​(X)​ − 1] ​ × P ​(Y)​ = 1 − P ​(X)​ − P ​(Y)​ + P ​(X)​ × P ​(Y)​ =​

​= 1 − ​ __
1 ​ − ​ __
1 ​ + ​ __
1 ​ × ​ __ 8   ​​
1 ​ = ​ ___
5 3 5 3 15
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

35
32 Sejam os acontecimentos:
A: «o aluno pratica natação»
RESOLUÇÕES

B: «o aluno pratica futebol»

Então, sabe-se que:


​P ​(A)​ = 0,6​
​P ​(B)​ = 0,3​
​P ​(A ∩ B)​ = 0,1​
Elaborando um diagrama de Venn

B
A

P(B ∩ A) = 0,2
P(A ∩ B) = 0,5
P(A ∩ B)

0,1

P(A ∩ B) = 0,2

32.1 Pretende-se ​P ​(A ∩ ​‾ B​)  ​​


​P ​(A ∩ ​B​)  ​ = P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​ = 0,6 − 0,1 = 0,5​

A probabilidade de o aluno escolhido praticar apenas natação é igual a ​50%​ .

32.2 Pretende-se ​P ​(A ∪ B)​​


​P ​(A ∪ B)​ = P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​ = 0,6 + 0,3 − 0,1 = 0,8​
A probabilidade de o aluno escolhido praticar natação ou futebol é igual a ​80%​ .

32.3 Pretende-se ​P ​(A | B)​​


P ​(A ∩ B)​ ___ 0,1 1
​P ​(A | B)​ = ​ ________     = ​    ​ = ​ __
​    ​ ≈ 33,3%​
P ​(B)​ 0,3 3
A probabilidade de o aluno escolhido praticar natação sabendo que pratica futebol é aproximadamente igual a​
33,3%​.

32.4 Pretende-se ​P ​(A​ ‾)  ​​


​‾  ∩ ​B​
​P ​(A​ ​‾) ​ = 1 − P ​(A ∪ B)​ = 1 − 0,8 = 0,2 = 20%​
‾)  ​ = P ​(A ∪ B​
​‾  ∩ ​B​
A probabilidade de o aluno escolhido não praticar nem natação nem futebol é igual a 2
​ 0%​.

33 ​P ​(B | A)​ representa a probabilidade de as três bolas extraídas da caixa ​Z​ terem cores diferentes, sabendo
que as bolas retiradas das caixas ​X​ e ​Y​, têm cores diferentes.
Ora, se as bolas retiradas das caixas ​X​ e ​Y​ têm cores diferentes e se na caixa ​Y​ só há bolas azuis, então, foram
retiradas três bolas brancas da caixa ​X​. Como são colocadas na caixa ​Z​, então, na caixa ​Z​ ficaram onze bolas,
sendo três azuis e oito brancas.
11
Número de casos possíveis: ​ ​ C3​ ​– das ​11​ bolas escolho ​3​ .
Número de casos favoráveis: como as três bolas têm de ter cores diferentes então há dois casos a considerar:
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

• Uma azul + duas brancas


• Duas azuis + uma branca

36
Essa escolha pode ser feita de ​ ​ C1​ ​ × ​​ ​ C​2​ + ​​ ​ C​2​ × ​​ ​ C​1​ = 3 × 28 + 3 × 8 = 108​ maneiras.
3 8 3 8

Sendo assim, o número de casos favoráveis é igual a ​123​ .

RESOLUÇÕES
108  ____
A probabilidade pedida é igual a ​P = ​ ____  ​ = ​ 108  36  ​​.
 ​ = ​ ____
11
​ ​ C3​ ​ 165 55
34
34.1 ​P ​(B​
​‾)  ​ = 1 − P ​(B)​ = 1 − 0,5 = 0,5​
34.2 ​P ​(A​ ​‾) ​ = 0,3 ⇔ 1 − P ​(A ∪ B)​ = 0,3 ⇔ P ​(A ∪ B)​ = 0,7 ⇔​
‾)  ​ = 0,3 ⇔ P ​(A ∪ B​
​‾  ∩ ​B​
​⇔ P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​ = 0,7 ⇔ 0,3 + 0,5 − P ​(A ∩ B)​ = 0,7​
​⇔ P ​(A ∩ B)​ = 0,8 − 0,7 ⇔ P ​(A ∩ B)​ = 0,1​

34.3 ​P ​(A − B)​ = P ​(A ∩ ​B​
‾)  ​ = P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​ = 0,3 − 0,1 = 0,2​

P ​(A ∩ B)​ ___ 0,1 1


34.4 ​P ​(A | B)​ = ​ ________     = ​    ​ = ​ __
​    ​ = 0,2​
P ​(B)​ 0,5 5

P ​(A​ ‾)  ​ ______


​‾  ∩ ​B​ 0,3 0,3 3
34.5 ​P ​(B​ ​ )  ​ = ​ _________
​‾|  A​
‾  ​  = ​ 

  = ​ ___  ​ = ​ __
   ​    ​​
P ​(A​
​‾)  ​ 1 − 0,3 0,7 7

35
35.1 ​P ​(A − B)​  = P ​(A ∩ ​B ̅ ​)​  = P ​(A)​  − P ​(A ∩ B)​  = P ​(A)​  − P ​(A)​  × P ​(B)​  =​
= 0,2 − 0,2 × 0,5 = 0,1​

P ​(‾
P ​(​A ̅ ​  ∩ ​B ̅ ​)​ _______​
A ∪ B​ ​)​ _________
  1 − P ​(A ∪ B)​ ___________________
1 − P ​(A)​  − P ​(B)​  + P ​(A ∩ B)​
35.2 ​P ​(​A ̅ ​|​B ̅ ​)​  = ​ ________  ​    = ​ 
    =  ​   
 ​    ​  =    
 ​      ​  =​
P ​(​B  ​)​
̅ 1 − P ​(B ) ​ 1 − 0,5 0,5

1 − 0,2 − 0,5 + P ​(A)​  × P ​(B)​ ______________


1 − 0,7 + 0,2 × 0,5 ___0,4 4
= ___________________
​    
 ​      ​  = ​     ​   = ​    ​  = ​ __  ​  = 0,8​
0,5 0,5 0,5 5

36
36.1
​‾) ​ − 1 = 1 − P ​(A ∪ B)​ − 1 = − P ​(A ∪ B)​ = − P ​(A)​ − P ​(B)​ + P ​(A ∩ B)​ =​
​P ​(A ∪ B​
​= − P ​(B)​ − ​ [P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​] ​ = − P ​(B)​ − P ​(A − B)​​

36.2
​P ​(A​ ‾)  ​ − P ​(A​
​‾  ∪ ​B​ ​‾) ​ − P ​(A​
​‾)  ​ + P ​(B)​ = P ​(A ∩ B​ ​‾)  ​ + P ​(B)​ = 1 − P ​(A ∩ B)​ − P ​(A​
​‾)  ​ + P ​(B)​ =​
​‾)  ​] ​ + ​ [P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​] ​ = P ​(A)​ + P ​(B − A)​​
​= ​  [1 − P ​(A​

36.3

​P ​(A)​ − P ​(A​ ‾)  ​ = P ​(A)​ − P ​(A​​
​‾  ∩ ​B​​ ​‾ ​‾)  ​ = P ​(A)​ − P ​(A ∪ B)​ =​
‾  ∪ ​‾B​​
​ )  ​] ​ + P ​(A ∩ B)​​
​= P ​(A)​ − ​ [P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​] ​ = − P ​(B)​ + P ​(A ∩ B)​ = − ​  [1 − P ​(B​

​= − 1 + P ​(B​ ​ )  ​ + P ​(A ∩ B)​​

36.4
(i) ​P ​(A​
​‾  ∪ B)​ − ​(1 − P ​(A)​)​ = P ​(A|​B​
‾)  ​ × P ​(B)​​
P ​(A ∩ ​B​ ‾)  ​
​∴ P ​(A​
​‾)  ​ + P ​(B)​ − P ​(A​ ​‾)  ​ = ​ _________
​‾  ∩ B)​ − P ​(A​  ​  × P ​(B)​​
  
P ​(B​
​‾)  ​

P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​
​∴ P ​(B)​ − P ​(B)​ + P ​(A ∩ B)​ = ​ _______________
    ​   × P ​(B)​​
P ​(B​
​‾)  ​

P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​
​∴ P ​(A ∩ B)​ = ​ _______________
    ​   × P ​(B)​​
P ​(B​
​‾)  ​

​∴ P ​(A ∩ B)​ × ​ [1 − P ​(B)​] ​ = ​ [P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​] ​ × P ​(B)​​
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

​∴ P ​(A ∩ B)​ − P ​(B)​ × P ​(A ∩ B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​ − P ​(B)​ × P ​(A ∩ B)​​
​∴ P ​(A ∩ B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​​

37
Logo, ​A  e  B​ são independentes.
(ii) ​A  e  B​ são independentes, logo, ​P ​(A ∩ B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​​
RESOLUÇÕES

​P ​(A​
​‾  ∪ B)​ − ​(1 − P ​(A)​)​ = P ​(A​
​‾)  ​ + P ​(B)​ − P ​(A​
​‾  ∩ B)​ − P ​(A​
​‾)  ​ =​
​= P ​(B)​ − P ​(B)​ + P ​(A ∩ B)​ = P ​(A ∩ B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​​

Por outro lado,


P ​(A ∩ ​‾ B​)  ​ P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​
‾)  ​ × P ​(B)​ = ​ _________
​P ​(A|​B​  ​  × P ​(B)​ = ​ _______________
       ​   × P ​(B)​ =​
P ​(B​
​ )  ​
‾ P ​(B​
​ )  ​

P ​(A)​ − P ​(A)​ × P ​(B)​ P ​(A)​ ​ [1 − P ​(B)]​ ​
​= ​ _________________
    ​  × P ​(B)​ = ​ _____________
      ​  × P ​(B)​​

P ​(B​
​‾)  ​ P ​(B​​‾)  ​

P ​(A)​ P ​(B​
​‾)  ​
​= ​ _________  ​  × P ​(B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​​


P ​(B​
​‾)  ​

Então, tem-se que ​P ​(A​


​‾  ∪ B)​ − ​(1 − P ​(A)​)​ = P ​(A|​B​
‾)  ​ × P ​(B)​​
De (i) e de (ii) fica provado o que se pretendia.

37
3 ​​
​‾)  ​ = ​ __
​P ​(B​ 1 ​ ⇔ 1 − P ​(B)​ = ​ __
1 ​ ⇔ P ​(B)​ = ​ __
4 4 4
​P ​(A ∪ B)​ = P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​​

​P ​(A ∪ B)​ = ​ __
4 ​ ⇔ P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​ = ​ __
4 ​ ⇔ ​ __ 3 ​ − P ​(A ∩ B)​ = ​ __
1 ​ + ​ __ 4 ​ ⇔​
5 5 3 4 5
3 ​ − ​ __
​⇔ ​ __
1 ​ + ​ __ 4 ​ = P ​(A ∩ B)​ ⇔ P ​(A ∩ B)​ = ​ ___
17  ​ ​
3 4 5 60

Por outro lado,


3 ​ = ​ __
​P ​(A)​ × P ​(B)​ = ​ __
1 ​ × ​ __ 1 ​​
3 4 4

Como ​P ​(A ∩ B)​ ≠ P ​(A)​ × P ​(B)​, então, os acontecimentos ​A​ e ​B​ não são independentes. Portanto, a afirmação é
falsa.

38
(
​ 1 − P ​(A)​)​ × ​(1 − P ​(B)​)​ = 1 − P ​(B)​ − P ​(A)​ + P ​(A)​ × P ​(B)​ =​
​= 1 − P ​(B)​ − P ​(A)​ + P ​(A ∩ B)​ = 1 − ​ [P ​(A)​ + P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​] ​ = 1 − P ​(A ∪ B)​​
​= P ​(‾
​  ​ = P ​(A​
)
A ∪ B​ ‾ ‾)  ​, c.q.d.
​   ∩ ​B​

39
P ​(A ∩ ​B​
P ​(A ∩ B)​ _________ ‾)  ​
‾)  ​ ⇔ ​ ________
​P ​(A | B)​ = P ​(A|​B​     = ​ 
​    ​ ⇔ P ​(A ∩ B)​ × P ​(‾
  
  ​ )  ​ = P ​(A ∩ ​‾
B​ B​)  ​ × P ​(B)​ ⇔​
( )
P ​ B ​ P ​(B​
​‾)  ​

​⇔ P ​(A ∩ B)​ × ​ [1 − P ​(B)​] ​ = ​ [P ​(A)​ − P ​(A ∩ B)​] ​ × P ​(B)​ ⇔​
​⇔ P ​(A ∩ B)​ − P ​(A ∩ B)​ × P ​(B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​ − P ​(A ∩ B)​ × P ​(B)​ ⇔​
​⇔ P ​(A ∩ B)​ = P ​(A)​ × P ​(B)​​

Logo, os acontecimentos ​A​ e ​B​ são independentes, c.q.d.

40
P ​(A ∩ B)​ ________ P ​ [(​ A ∩ C)​ ∩ B] ​
P ​(C ∩ B)​ ____________
(i) ​P ​(A | B)​ + P ​(C | B)​ − P ​(A ∩ C | B)​ = ​ ________     + ​ 
​   ​ − ​   
   
    ​ =​

P ​(B)​ P ​(B)​ P ​(B)​
P ​(A ∩ B)​ + P ​(C ∩ B)​ − P ​(A ∩ B ∩ C)​
​= ​ ____________________________
         ​ ​
P ​(B)​
EXMAT12 © RAIZ EDITORA

38
Por outro lado,
P ​ [(​ A ∪ C)​ ∩ B] ​ _________________
P ​ [(​ A ∩ B)​ ∪ ​(C ∩ B)]​ ​
(ii) ​P ​(A ∪ C | B)​ = ​ ____________

RESOLUÇÕES
     ​ = ​   
      ​ =​

P ​(B)​ P ​(B)​
P ​(A ∩ B)​ + P ​(C ∩ B)​ − P ​(A ∩ B ∩ C)​
​= ​ ____________________________
         ​​
P ​(B)​

De (i) e de (ii), vem que ​P ​(A ∪ C)​ = P ​(A | B)​ + P ​(C | B)​ − P ​(A ∩ C | B)​, c.q.d.

41 Por hipótese,
P ​(A ∩ C)​ ________
P ​(B ∩ C)​
​P ​(A | C)​ ≥ P ​(B | C)​ ⇔ ​ ________     ≥ ​ 
​   ​ ⇔ P ​(A ∩ C)​ ≥ P ​(B ∩ C)​ ⇔​
   

P ​(C)​ P ​(C)​

​⇔ P ​(A ∩ C)​ − P ​(B ∩ C)​ ≥ 0​

Por outro lado, também sabemos que

P ​(A ∩ ​C​ ‾)  ​ _________


P ​(B ∩ ​C​‾)  ​
​P ​(A|​C​ ‾)  ​ ⇔ ​ _________
‾)  ​ ≥ P ​(B|​C​  ​  ≥ ​ 
    ​  ⇔ P ​(A ∩ ​C​

  ‾)  ​ ≥ P ​(B ∩ ​C​
‾)  ​ ⇔​
P ​(C​
​‾)  ​ P ​(C​
​‾)  ​

​⇔ P ​(A)​ − P ​(A ∩ C)​ ≥ P ​(B)​ − P ​(B ∩ C)​ ⇔ P ​(A)​ ≥ P ​(B)​ + P ​(A ∩ C)​ − P ​(B ∩ C)​ ⇔​
​⇔ P ​(A)​ ≥ P ​(B)​ + ​ [P ​(A ∩ C)​ − P ​(B ∩ C)​] ​​

Como ​P ​(A ∩ C)​ − P ​(B ∩ C)​ ≥ 0​, então ​P ​(A)​ ≥ P ​(B)​ e , portanto, ​P ​(B)​ − P ​(A)​ ≤ 0​


EXMAT12 © RAIZ EDITORA

39
LIMITES E CONTINUIDADE
RESOLUÇÕES

ITENS DE SELEÇÃO
__
1 ​limf ​(​an​ ​)​ = lim ​ ________1  + 1 ​ = lim ​ __
​  1   ​  + 1 ​ = lim ​(√   ​  + 1)​ = + ∞​
( ) (√   ​  )
​     ​   ​  n 
__
− 1 + ​
  1__   ​  + 1 __

​ 1__   ​ 

​  n 
  ​  ​  n 
Resposta: A .

2 A função ​f​ é contínua em ​ [− 2 ; 3] ​​

​f ​(− 2)​ = 3  e   f ​(3)​ = 2​
5 ​ < f ​(− 2)​ , então pelo Teorema de Bolzano, existe pelo menos um c​  ∈ ​   − 2 ; 3   ​ : f ​(c)​ = ​ __
Ora, ​f ​(3)​ < ​ __ 5 ​ , ou seja, a
] [
2 2
5
__
equação ​f ​(x)​ = ​   ​ tem pelo menos uma solução em ​ ] − 2 ; 3 [ ​.
2
Resposta: D .

ITENS DE CONSTRUÇÃO

3
3.1 O limite da sucessão quando ​n​ tende para mais infinito é ​3​, ou seja,

n→ +∞ (   ​ )
​  lim​ ​ ​ 3 + ​ __1__   ​  ​ = 3​ .
√ ​  n 

Com efeito, fixado ​δ > 0​, existe uma ordem ​p​ ​(p ∈ ℕ)​, a partir da qual se tem

|
​  3 + ​ __
√ |
1__   ​  − 3  ​ < δ​
​  n 
  ​ 

| | | |
__
ora, de ​  3 + ​ __1__   ​  − 3  ​ < δ,​ resulta que ​  __
​ 1__   ​  ​  < δ ⇔ ​ __1__   ​   < δ ⇔ ​√   ​ >  ​__
  n   1 ​ ⇔ n >  ​ __
1  ​​ .
√ ​  n 
  ​  √​  n 
  ​  √ ​  n 
  ​  δ 2
​δ​  ​

Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a __

n→ +∞ (
​ 12    ​,​ tem-se que ​  3 + ​ __

δ  
​ ​ √  

1__   ​  − 3  ​ < δ​ e, portanto,
  ​ 
n  | |
  ​ )
fica provado que ​  lim​ ​ ​ 3 + ​ __1__   ​  ​ = 3​ .
√ ​  n 

(   ​ )
A sucessão ​ 3 + ​ __1__   ​  ​ é convergente.
√ ​  n 

3.2 O limite da sucessão quando ​n​ tende para mais infinito é ​0​, ou seja,

​  lim​ ​ ​(_____
4n + 1 )
​  1   ​ ​ = 0​ .
n→ +∞

Com efeito, fixado ​δ > 0​, existe uma ordem ​p​ ​(p ∈ ℕ)​, a partir da qual se tem

|
​  _____
​ 1   ​  
4n + 1 |
− 0  ​ < δ​

​ __
1 ​ − 1

| |
_____
1
ora, de ​  ​    ​ 
4n + 1
_____
1
 ​ < δ,​ resulta que ​     ​  
4n + 1
__
1 δ
____
< δ ⇔ 4n + 1 >  ​   ​ ⇔ n > ​     
δ 4
1 − δ
 ​ ⇔ n > ​ ____

   
​​.

Então, tomando para p


to, fica provado que ​  lim​ ​ ​(_____
1 − δ
​  ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ____
​     

​ ,​ tem-se que ​  _____
  ​ 1   ​  
4n + 1
− 0  ​ < δ,​ e portan-
| |
n→ +∞ 4n + 1 )
​  1   ​ ​ = 0​ .

A sucessão ​(_____
4n + 1 )
​  1   ​ ​ é convergente.
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

40
3.3 O limite da sucessão quando ​n​ tende para mais infinito é ​2​, ou seja,

​  lim​ ​ ​(_____
3n + 4 )
6n

RESOLUÇÕES
​     ​ ​ = 2​ .
n→ +∞

Com efeito, fixado ​δ > 0​, existe uma ordem ​p​ ​(p ∈ ℕ)​, a partir da qual se tem

| ​
6n
​  _____
|
− 2  ​ < δ​
   ​  
3n + 4

| | | |
8 ​ − 4
​ __
ora, de ​  ​
6n
_____ − 2  ​ < δ,​ resulta que ​  ​
   ​   − 8
_____ 8
_____
 ​ < δ ⇔ ​     ​  
  ​  8
__ δ
____
 < δ ⇔ 3n + 4 >  ​   ​ ⇔ n >  ​       ​ ⇔​
3n + 4 3n + 4 3n + 4 δ 3
8 − 4δ
​⇔ n > ​ _____   

​​.

tanto, fica provado que ​  lim​ ​ ​(_____


8 − 4δ
Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ​ _____

     ​
6n
 ​,​ tem-se que ​  _____
   ​  
3n + 4 |
− 2  ​ < δ​ e, por-
|
n→ +∞ 3n + 4 )
6n
​     ​ ​ = 2​ .

A sucessão ​(_____
3n + 4 )
6n
​     ​ ​ é convergente.

3.4 O limite da sucessão quando ​n​ tende para mais infinito é ​− 2​, ou seja,

​  lim​ ​ ​(_____
4n + 1 )
− 8n
​    ​ ​ = − 2​ .
n→ +∞

Com efeito, fixado ​δ > 0​, existe uma ordem ​p​ ​(p ∈ ℕ)​, a partir da qual se tem

| ​
− 8n
​  _____
4n + 1 |
− 2  ​ < δ​
  ​  

| |
​ __
2 ​ − 1

− 8n
ora, de ​  _____
4n + 1
  ​  
| |
− ​(− 2)​  ​ < δ ,​ resulta que ​  _____
2
​    ​ 
4n + 1
 ​ < δ ⇔ ​ _____
2    ​  
4n + 1
2
δ
δ
< δ ⇔ 4n + 1 >  ​ __ ​ ⇔​ ​n > ​ ____
4
   
2 − δ
 ​ ⇔ n > ​ ____

   
​​.

tanto, fica provado que ​  lim​ ​ ​(_____


2 − δ
Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ​ ____

    ​
− 8n
 ​,​ tem-se que ​  _____
4n + 1
  ​  
|
− ​(− 2)​  ​ < δ​ e, por-
|
n→ +∞ 4n + 1 )
− 8n
​    ​ ​ = − 2​ .

A sucessão ​(_____
4n + 1 )
− 8n
​    ​ ​ é convergente.

4
4.1 Seja ​vn​ ​ = 4 + 6n​ .
Esta sucessão tem por limite ​+ ∞  ​, quando ​n​ tende para mais infinito.
Na realidade, por muito grande que se fixe um número real ​L > 0​, existe uma ordem ​p ∈ ℕ​, tal que

​∀ n ∈ ℕ ,  n ≥ p ⇔ ​v​n​ > L​.
Fixemos ​L > 0​

De ​vn​ ​ > L​, resulta ​v​n​ > L ⇔ 4 + 6n > L ⇔ 6n > L − 4 ⇔ n > ​ ____


L − 4
   ​​ .
6

Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ​ ____L − 4    


​  ,​ tem-se que
6
​∀ n ∈ ℕ ,  n ≥ p ⇔ ​v​n​ > L .​

Fica, assim, provado que ​  lim​ ​ ​(​vn​ ​)​ = + ∞​. A sucessão ​(​vn​ ​)​ é divergente.
n→ +∞

Portanto, ​  lim​ ​ ​(4 + 6n)​ = + ∞​ .
n→ +∞
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

41
__
3 ​ + ​√
4.2 Seja ​vn​ ​ = − ​ __   n 
  ​​ 
2
RESOLUÇÕES

Esta sucessão tem por limite ​+ ∞​, quando ​n​ tende para mais infinito.
Na realidade, por muito grande que se fixe um número real ​L > 0​, existe uma ordem ​p ∈ ℕ​, tal que

​∀ n ∈ ℕ, n ≥ p ⇔ ​v​n​ > L​.

Fixemos ​L > 0​
__ __
( 2)
2
3 ​ + ​√
De ​v​n​ > L​, resulta ​v​n​ > L ⇔ − ​ __ 3 ​ ⇔ n > ​​ L + ​ __
3 ​ ​ ​​
  ​  > L ⇔ ​√
  n    ​  > L + ​ __
  n 
2 2

Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ( ​ L + ​ __ ​)​ ​ ,​ tem-se que
2
3
2
​∀ n ∈ ℕ ,  n ≥ p ⇔ ​v​n​ > L .​

Fica, assim, provado que ​  lim​ ​ ​(​vn​ ​)​ = + ∞​. A sucessão ​(​vn​ ​)​ é divergente.
n→ +∞

__
Logo, ​  lim​ ​ ​(− ​__
 3 ​ + ​√   ​ )​ = + ∞​ .
  n 
n→ +∞ 2

5
5.1 Seja ​vn​ ​ = 1 − 2n​ .
Esta sucessão tem por limite ​− ∞​, quando ​n​ tende para mais infinito.
Na realidade, por muito grande que se fixe um número real ​L > 0​, existe uma ordem ​p ∈ ℕ​, tal que

​∀ n ∈ ℕ, n ≥ p ⇔ ​v​n​ < − L​.

Fixemos ​L > 0​
De ​v​n​ < − L​, resulta ​v​n​ < − L ⇔ 1 − 2n < − L ⇔ − 2n < − L − 1 ⇔ n > ​ ____
L + 1
   ​​ 
2

Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ​ ____


L + 1   
​  ,​ tem-se que
2
​∀ n ∈ ℕ ,  n ≥ p ⇔ ​v​n​ < − L.​

Fica, assim, provado que ​  lim​ ​ ​(​vn​ ​)​ = − ∞​. A sucessão ​(​vn​ ​)​ é divergente (e não tende para ​  + ∞​ ).
n→ +∞

Portanto, ​  lim​ ​ ​(1 − 2n)​ = − ∞​ .
n→ +∞
__
√  
​   ​ 
5.2 Seja ​vn​ ​ = − ​ __ ​ − ​ __
2 n 
   ​​ 
3 4
Esta sucessão tem por limite ​− ∞  ​, quando ​n​ tende para mais infinito.
Na realidade, por muito grande que se fixe um número real ​L > 0​, existe uma ordem ​p ∈ ℕ​, tal que

​  n ∈ ℕ ,  n ≥ p ⇔ ​v​n​ < − L​.
Fixemos ​L > 0​ __ __

( 3)
2
√   ​ 
​  n  √   ​ 
​  n  8 ​ ​ ​​
De ​vn​ ​ < − L​, resulta ​v​n​ < − L ⇔ − ​   ​ − ​     ​  < − L ⇔ − ​     ​  < − L + ​ __
__
2 __ __ 2 ​ ⇔ n >  ​ 4L − ​ __
3 4 4 3

Então, tomando para ​p ∈ ℕ​ o primeiro número natural superior a ​(4L − ​ __


3)
2
8 ​ ​ ​ ,​ tem-se que

​∀ n ∈ ℕ ,  n ≥ p ⇔ ​v​n​ < − L.​

Fica, assim, provado que ​  lim​ ​ ​(​vn​ ​)​ = − ∞​. A sucessão ​(​vn​ ​)​ é divergente (e não tende para ​  + ∞​ ).
n→ +∞
__
E portanto, ​  lim​ ​ ​(− ​ __ ​ − ​ __
4 )
2 √  
​   ​ 
n 
   ​  ​ = − ∞​ .
n→ +∞ 3
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

42
6
6.1 Sejam ​(​an​ ​)​ e ​(​bn​ ​)​, as sucessões definidas por ​an​ ​ = _____
2 2n + 4  
​     ​ e ​bn​ ​ = _____
​  ​ = 1 + _____
3 .
​     ​​ 

RESOLUÇÕES
2n + 1 2n + 1 2n + 1
A partir de uma certa ordem ​p​(neste caso, ​p = 1​), tem-se que ​an​ ​ ≤ ​bn​ ​ . Então, sendo as duas sucessões
convergentes, pelo teorema de comparação, vem que ​  lim​ ​ ​(​an​ ​)​ ≤ ​  lim​ ​ ​(​bn​ ​)​, isto é ,
n→ +∞ n→ +∞

​  lim​ ​ ​(_____  ​ ≤ ​  lim​ ​ ​(_____


​     ​) ​)​​ .
2 ​ 
2n + 4
  
n→ +∞ 2n + 1 n→ +∞ 2n + 1

Ora, sem grande dificuldade se provaria que ​  lim​ ​ ​(​an​ ​)​ = 0​ e ​  lim​ ​ ​(​bn​ ​)​ = 1​ .
n→ +∞ n→ +∞

2 ​π​ ​ + 6
n
6.2 Sejam ​(​an​ ​)​ e ​(​bn​ ​)​, as sucessões definidas por ​an​ ​ = _____
4 ​ e ​b​ ​ = ______
​    n   n ​   = 2 + _____
 ​ 
4 .
​    n ​​ 
1 + ​π​ ​ 1 + ​π​ ​ 1 + ​π​ ​
n

A partir de uma certa ordem ​p​(neste caso, ​p = 1​), tem-se que ​an​ ​ ≤ ​bn​ ​ . Então, sendo as duas sucessões
convergentes, então, pelo teorema de comparação, vem que ​  lim​ ​ ​(​an​ ​)​ ≤ ​  lim​ ​ ​(​bn​ ​)​, isto é ,
n→ +∞ n→ +∞

n→ +∞ ( 1 + π ​ ​ ​) n→ +∞ ( 1 + ​π​ ​ )


2 ​π​ ​ + 6
n
​  lim​ ​ ​ _____
4 ​  ​≤ ​  lim​ ​ ​ ______
​    n   ​   ​ ​​ .
n

Ora, sem grande dificuldade se provaria que ​  lim​ ​ ​(​an​ ​)​ = 0​ e ​  lim​ ​ ​(​bn​ ​)​ = 2​ .
n→ +∞ n→ +∞

7
7.1 Sejam ​(​an​ ​)​ e ​(​bn​ ​)​, as sucessões definidas por ​bn​ ​ = n​ e ​an​ ​ = ​π​ ​​.
n+1

Observando os termos gerais das duas sucessões, tem-se que existe uma ordem ​p ∈ ℕ​ (neste caso parti-
cular ​p = 1​) a partir da qual se tem ​bn​ ​ ≤ ​an​ ​.
Como ​  lim​ ​ ​(​bn​ ​)​ = ​  lim​ ​ ​(n)​ = + ∞​, então pelo teorema de comparação, também
n→ +∞ n→ +∞

​  lim​ ​ ​(​an​ ​)​ = + ∞​, ou seja, ​  lim​ ​ ​(n + ​π​ ​)​ = + ∞​ .


n+1
n→ +∞ n→ +∞

7.2 Ora, existe uma ordem ​p ∈ ℕ ​(neste caso  p = 1)​ a partir da qual se tem ​4n ≥ 3n + 1​.
Mas então, a partir dessa ordem também se tem
___
​    ​  ≤ _____
6n ​  6n   ​​ 
1 ​  1   ​ e, portanto, ___
​     ​≤ _____
4n 3n + 1 4n 3n + 1

ou seja, ​(___
​    ​)​ ​ ≤ ​(_____
3n + 1 )
n n
6n ​ 
6n   ​ ​ ​​
4n

​   ​)​ ​ ≤ ​(_____
3n + 1 )
ou ainda, ​(__
n n
3 ​ 
6n   ​ ​ ​​.
2

Como ​  lim​ ​ (__
n→ +∞ 2 )
n
3
​   ​ ​ ​ = + ∞​, então também se tem

​  lim​ ​ (_____
n→ +∞ 3n + 1 )
n
​ 
6n   ​ ​ ​ = + ∞​.

8
4n + 2
8.1 Vamos começar por provar que a sucessão de termo geral ​un​ ​ = _____
​     ​ é limitada, admitindo, ​__
   ​ e ​__
1 3
   ​​ ,
8n 2 4
respetivamente, como minorante e majorante, do conjunto dos seus termos.
4n + 2
Ora, ​un​ ​ = _____
​     
4n ​  2  ​  = __
​  = ___
​    ​ + ___ ​   ​ + ___
1 ​  1  ​   ​
8n 8n 8n 2 4n
Ora,
​n ≥ 1 ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 4n ≥ 4 ,   ∀ n ∈ ℕ​
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

___
​    ​  ≤ __
1 ​ 1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
4n 4

43
Por outro lado, a sucessão de termo geral ___
1
​    ​  tem os termos todos positivos, logo, tem-se que
4n
​0 < ___
​    ​  ≤ __
1 ​ 1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
RESOLUÇÕES

4n 4

logo,
__
​ 1 ​ < ​ __
1 ​ + ​ ___
1   ​ ≤ ​ __
1 ​ + ​ __
1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
2 2 4n 4 2

ou seja,
__
​ 1 ​ < ​ __
1 ​ + ​ ___ 3 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
1   ​ ≤ ​ __
2 2 4n 4

resumindo,
__ 3 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​ 1 ​ < ​u​n​ ≤ ​ __
2 4
3
8.2 __
​ 1 ​ < ​u​n​ ≤ ​ __ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
2 4
donde

( ​ 1 ​)​ ​ < ​​(​un​ ​)​ ​ ≤ ​​(__


​ 3 ​)​ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
n n
​ __
n

2 4

ou ainda

​ 1 ​)​ ​ < ​​(_____
( 8n ) ( 4 )
n n n
4n + 2
​ __ ​       ​ 3 ​ ​ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​ ​ ​ ≤ ​​ __
2

​ 1 ​ ​ ​ = 0​ e ​  lim​ ​ (__


n→ +∞ 4 )
Como, ​  lim​ ​ (__
n→ +∞ 2 )
n n
​ 3 ​ ​ ​ = 0​

então, pelo teorema das sucessões enquadradas, ​  lim​ ​ (_____ ​)​ ​ = 0​ .


n
4n + 2
​     

n→ +∞ 8n

9
9.1 Pelo algoritmo de divisão de polinómios, tem-se que
5 
​ __​
_____
n + 4 __ 3
_____ 5   
​   
 ​   1
= ​   ​ + ​     ​  = ​ __
1 ​ + ​ ______ ​​
3n + 7 3 3n + 7 3 9n + 21
Ora,
​n ≥ 1 ,  ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 9n ≥ 9 ,  ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 9n + 21 ≥ 9 + 21 ,  ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 9n + 21 ≥ 30 ,  ∀ n ∈ ℕ​
1   ​  
​∴ ​ ______ ≤ ​ ___
1   ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
9n + 21 30
5   ​   5   ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ ​ ______ ≤ ​ ___
9n + 21 30
5    __
​∴ ​ ______  ​ ≤ ​ 1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
9n + 21 6

​  5   ​ 
Por outro lado, a sucessão de termo geral ______ tem os termos todos positivos, logo, tem-se que
9n + 21
5   ​  
​0 < ​ ______ ≤ ​ __
1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
9n + 21 6
logo,

​0 + ​ __
1 ​ < ​ __ 5    __
1 ​ + ​ ______ ​ ≤ ​ 1 ​ + ​ __
1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
3 3 9n + 21 6 3
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

ou seja,
__
​ 1 ​ < ​ __ 5    __
1 ​ + ​ ______ ​ ≤ ​ 1 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
3 3 9n + 21 2
44
donde

​ 1 ​)​ ​ ≤ ​​(__
3 9n + 21 ) ( 2 )
​(__
n n n
5   ​ ​ < ​​ __
​ 1 ​ + ​ ______ ​ 1 ​ ​ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​

RESOLUÇÕES
 ​
3

​ 1 ​)​ ​ ≤ ​​(_____
( 3n + 7 ) ( 2 )
n n n
​ __  ​ ​ ​ < ​​ __
​ 1 ​ ​ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​ .
n + 4
​   
3

Como, ​  lim​ ​ (__
n→ +∞ 3 )
​ 1 ​ ​ ​ = 0​ e ​  lim​ ​ (__
n→ +∞ 2 )
n n
​ 1 ​ ​ ​ = 0​

então, pelo teorema das sucessões enquadradas, ​  lim​ ​ (_____


n→ +∞ 3n + 7 )
n
n + 4
​   ​ ​ ​ = 0​ .

9.2 Pelo algoritmo de divisão de polinómios, tem-se que


10 ​ 
​ ___
5n 5 5 ​ − ​ _______
10   ​​ 
​ _____ = ​ __ ​ − ​ _____
   ​   = ​ __
7    ​  
7n + 2 7 7n + 2 7 49n + 14
Ora,
​n ≥ 1 ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 49n ≥ 49 ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 9n + 14 ≥ 49 + 14 ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ 49n + 14 ≥ 63 ,   ∀ n ∈ ℕ​

​∴ ​ _______ ≤ ​ ___
1   ​   1   ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
49n + 14 63
10   ​   10  ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ ​ _______ ≤ ​ ___
49n + 14 63

​  10   ​ 
Por outro lado, a sucessão de termo geral _______ tem os termos todos positivos, logo, tem-se que
49n + 14
10   ​   10  ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​0 < ​ _______ ≤ ​ ___
49n + 14 63
mas então,

​− ​ ___ 10   ​  


10  ​ ≤ − ​ _______ < 0 ,  ∀ n ∈ ℕ​
63 49n + 14

logo,
5 10  __ 5 10   ​   5
​ __ ​ − ​ ___ ​ ≤ ​   ​ − ​ _______ < ​ __ ​ + 0 ,  ∀ n ∈ ℕ​
7 63 7 49n + 14 7
35  __
 ​ ≤ ​ 5 ​ − ​ _______
10   ​  
​∴ ​ ___ 5 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
< ​ __
63 7 49n + 14 7
5 ​ − ​ _______
5 ​ ≤ ​ __ 10   ​   5 ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​∴ ​ __ < ​ __
9 7 49n + 14 7

donde

​ 5 ​)​ ​ ≤ ​​(__
7 49n + 14 ) ( 7 )
​(__
n n n
​ 5 ​ − ​ _______
10   ​  ​ 5 ​ ​ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​
​ ​ < ​​ __
9

​ 5 ​)​ ​ ≤ ​​(_____
( 7n + 2 ) ( 7 )
n n n
5n
​ __ ​  ​ 5 ​ ​ ​ ,   ∀ n ∈ ℕ​ .
   ​ ​ ​ < ​​ __
9

Como, ​  lim​ ​ (__
n→ +∞ 9 )
​ 5 ​ ​ ​ = 0​ e ​  lim​ ​ (__
n→ +∞ 7 )
n n
​ 5 ​ ​ ​ = 0​

então, pelo teorema das sucessões enquadradas, ​  lim​ ​ (_____


n→ +∞ 7n + 2 )
n
5n
​     ​ ​ ​ = 0​ .
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

45
10
2n
10.1 ​∑ ​​   ​ ______ 1   ​  
______ = ​ ______
1   ​  
______ + ​ ______
1   ​  
______ + … + ​ _______ 1   ​​ 
_______
RESOLUÇÕES

j=1 √ √
  ​n​  ​ + 3j ​ ​  2  √
  ​n​  ​ + 3 ​  ​  2 
  ​n​  ​ + 6 ​  √   ​n​  ​ + 6n ​ 
3 3 3 3
​  2  ​  2 

Ora, ​ ______ 1   ​ 


______ é a maior parcela da soma e ​ _______ 1   ​ 
_______ é a menor.
√   ​n​  ​ + 3 ​ 
​  2 
3
√   ​n​  ​ + 6n ​ 
​  2 
3

Então, a partir de uma certa ordem ​p ∈ ℕ​, tem-se que


2n
​∑ ​​   ​ ______ 1   ​  
______ ≤ ​ ______
1   ​  
______ + ​ ______
1   ​  
______ + … + ​ ______ 1   ​​ 
______ (i)
j=1 √ √
  ​n​  ​ + 3j ​  ​  2  √
  ​n​  ​ + 3 ​  ​  2 
  ​n​  ​ + 3 ​  √   ​n​  ​ + 3 ​ 
3 3 3 3
​  2  ​  2 
2n
e ​ _______ 1   ​  
_______ + ​_______ 1   ​  
  _______ + … + ​ _______ 1   ​  
_______ ≤ ​∑ ​​   ​ ______ 1   ​​ 
______ (ii)
√   ​n​  ​ + 6n ​ √   ​n​  ​ + 6n ​  √   ​n​  ​ + 6n ​ j=1 √   ​n​  ​ + 3j ​ 
3 3 3 3
​  2  ​  2  ​  2  ​  2 
2n
de (i) e de (ii), tem-se que ​2n × ​ __________1   ​ 
________ ≤ ​  ∑ ​​ ​​ _________
1   ​ 
_______ ≤ 2n × ________ 1   ​​ 
​  _______
√   n​​  ​ + 6n ​  √   n​​  ​ + 3j ​  √   n​​  ​ + 3 ​ 
3 3 3
​  ​2 j = 1 ​  ​2 ​  ​2
2n
2n 2n
ou seja, __________
​​  ________    ​  ≤ ​  ∑ ​​ ​​ _________
1   ​ 
_______ ≤ ________
​  _______    ​​ 
.
√   n​​  ​ + 6n ​  √ √
  n​​  ​ + 3j ​  ​  ​2
  n​​  ​ + 3 ​ 
3 3 3
​  ​2 j = 1 ​  ​2
Como ________ ___
√ √
2
2n ​n​​  ​
​​  lim​ ​​ __________
​  ________    ​  = 2 × ​  lim​ ​​ ​  ________
​   3    ​ ​  = 2 × ​  lim​ ​​ ​  ​ ___
  1  ​ ​ = 0​
n → + ∞ √
  n​​  ​ + 6n ​ 
​  ​2
3 n → + ∞ ​2n​​  ​ + 6n n → + ∞ 2n

e ________ ___
√ √
2
2n ​n​​  ​
​​  lim​ ​​ __________
​  ________    ​ = 2 × ​  lim​ ​​ ​  ________
​   3    ​ ​  = 2 × ​  lim​ ​​ ​  ___
​   1  ​ ​ = 0​
n → + ∞ √
  n​​  ​ + 3 ​ 
​  ​2
3 n → + ∞ ​2n​​  ​ + 3 n → + ∞ 2n
2n
então, pelo teorema das sucessões enquadradas, tem-se ​​  lim​ ​​ ​  ∑ ​​ ​​ __________
1   ​ 
________ = 0​ .
n → + ∞ j = 1
√   n​​  ​ + 3j ​ 
​  ​2
3

2n + cos ​(___
2 ) _______________
2jπ
​   ​ ​
n
2n + cos ​(π)​ _______________
2n + cos ​(2π)​ 2n + cos ​(nπ)​
10.2 ​​  ∑ ​​ ​  ​ ______________
    ​   = ​  + ​   
 ​ 
  + … + ​ _______________
 ​      ​​ 
​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2
2 2 2 2
j = 1

2n + cos ​(___
2 ) _______________
2jπ
n ​   ​ ​
2n - 1 _______________
2n + 1 2n + 1
Então, ​​  ∑ ​​ ​  ​ ______________
    ​   = ​  2   + ​  2  
 ​  + … + _______________
 ​  ​  2    ​​ 
​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2
2
j = 1

2n + 1 2n - 1
Ora, _______________
​​  2   é a maior parcela da soma e _______________
 ​​  ​​  2    ​​ 
é a menor.
​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2

Então, a partir de uma certa ordem ​p ∈ ℕ​, tem-se que

2n + cos ​(___
2 ) _______________
2jπ
n ​   ​ ​
2n + 1 _______________
2n + 1 2n + 1
​​  ∑  ​​​ ​ ______________
    ​   ≤ ​  2   + ​  2  
 ​  + … + = _______________
 ​  ​  2    ​​ 
 (i)
+ + + n​​  ​ + 2
2
k = 1 2
​ n​​  ​ 2 2
​ n​​  ​ 2 2
​ n​​  ​ 2 2

n 2n + cos ​(​ 
2 )
2jπ
___  ​
 ​
_______________ 2n - 1
2n - 1 _______________ 2n - 1
_______________ ______________
e ​​  2   + ​  2  
 ​  + … + = ​  2  
 ​  ≤ ​  ∑ 
 ​   ​​​ ​     ​​   (ii)
​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 k = 1 ​2n​​  ​ + 2
2

2n + cos ​(___
2 )
2jπ
n​   ​ ​
2n - 1 2n + 1
de (i) e de (ii), tem-se que n × _______________
​​  2    ​   ​​​ ​ ______________
≤ ​  ∑      ​  ≤ n × _______________
​  2    ​​ 
​2n​​  ​ + 2 k = 1 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2
2

2n + cos ​(___
2 ) _______
2jπ
​   ​ ​
​2n​​  ​  - n - 1 ​2n​​  ​  + n
2 n 2
ou seja, ​​ ___________  ​ 
 ≤ ​  ∑   ​​ 
​​  ______________
    ​   ≤ ​   ​​ 
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2 ​2n​​  ​ + 2


2 2 2
k = 1

46
​2n​​  ​  - n
2 2
​2n​​  ​
Como ​​  lim​ ​​ ________
​  2 = ​  lim​ ​​ ________

 ​  ​  2 ​ = 1​
n → + ∞ ​2n​​  ​ + 2 n → + ∞ ​2n​​  ​

RESOLUÇÕES
​2n​​  ​  + n
2 2
​2n​​  ​
e ​​  lim​ ​​ ________
​  2 = ​  lim​ ​​ ________

 ​  ​  2 ​ = 1​
n → + ∞ ​2n​​  ​ + 2
2n + cos ​(___
2 )
n → + ∞ ​2n​​  ​
2jπ
n​   ​ ​
 ​​​ ​ ______________
Então, pelo teorema das sucessões enquadradas, tem-se ​​  lim​ ​​ ​  ∑      ​  = 1​
​2n​​  ​ + 2
2
n → + ∞ k = 1

11
11.1 A sucessão ​​u​n​​ = 2 + ____
​  4__   ​​ tende para ​2​, por valores superiores a ​2​, quando n tende para mais infinito.
√ ​  n ​
  
Então, por observação do gráfico, a sucessão ​f ​(​un​ ​​)​​ tende para 4 por valores superiores a ​4​.
Isto é, ​lim f ​(​un​ ​​)​ = ​4​​ ​​
+

​​ n​​ = - 1 - ___
11.2 A sucessão u​ ​  1  ​​  tende para -
​ 1​, por valores inferiores a -
​ 1​, quando n tende para mais infinito.
2n
Então, por observação do gráfico, a sucessão ​f ​(​un​ ​​)​​ tende para ​0​ por valores superiores a ​0​.
Isto é, ​lim f ​(​un​ ​​)​ = ​0​​ ​​
+

11.3 ​− 2 ∉ ​D​f​ .​ ​− 2​ é ponto aderente do domínio da função.

Como, ​  lim​ ​ f ​(x)​ = 3​ e ​  lim​ ​ f ​(x)​ = 3​



x→−​2​ ​ +
x→−​2​ ​

Então, verifica-se que ​  lim​ ​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​ f ​(x)​, logo existe ​ lim​ ​ f ​(x)​ = 3​



x→−​2​ ​ +
x→−​2​ ​ x→−2

​(− 1)​ ​
n

11.4 A sucessão ​ _____    


​ tende para ​0 ,​ quando ​n​ tende para mais infinito.
n
Então, por observação do gráfico, a sucessão ​f ​(​un​ ​)​ tende para ​− 1​ por valores superiores a ​− 1​.
Isto é, ​lim f ​(​un​ ​)​ = − ​1​ ​​
+

11.5 ​0 ∈ ​D​f​ .​
Como, ​ lim​ ​ f ​(x)​ = − 1 = f ​(0)​ e ​ lim​ ​ f ​(x)​ = − 1 = f ​(0)​​

x→​0​ ​ +
x→​0​ ​

Então existe ​ lim​ ​ f ​(x)​ = − 1​


x→0

A afirmação é verdadeira.

12
− 8n + 2 ____− 8n ___
12.1 A sucessão ​a​n​ = ​ ______   
  ​ + ​  2   ​ = − 2 + ​ ___
​ = ​      1   ​ tende para −
​  2,​ por valores superiores a −
​  2​, quando n
​​
4n 4n 4n 2n
tende para mais infinito.
Então, por observação do gráfico, a sucessão ​g ​(​an​ ​)​ tende para ​− ∞​, isto é , ​lim g ​(​an​ ​)​ = − ∞​

12.2 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = − ∞​
+
x→−​2​ ​

12.3 A afirmação é falsa, porque a função é descontínua em ​x = 3​, dado que não existe ​ lim​ ​ g ​(x)​​
x→3
​ lim​ ​ g ​(x)​ ≠ g ​(3)​ e ​ lim​ ​ g ​(x)​ ≠ g ​(3)​​

x→ ​3​ ​ +
x→​3​ ​

12.4 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(1 − ​ ____


x + 2 )
2   ​ ​ = 1 − ​ ____
2    
​ = 1 − 0 = 1​
x→+∞ x→+∞ + ∞

​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(1 − ​ ____
x + 2 )
2   ​ ​ = 1 − ​ ____
2    
​ = 1 + 0 = 1​
x→−∞ x→−∞ − ∞

Então, ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ g ​(x)​ = 1​


x→+∞ x→−∞
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

47
13
13.1
​  2   ​  ​ = lim ​(− ​___
   ​ )​ = − ∞​
( ​an​ ​ − 1 )
RESOLUÇÕES

2n
13.1.1 ​lim g ​(​an​ ​)​ = lim ​ _____
​  2   ​  ​= lim ​ ________
2   ​  ​ = lim ​ ___
( ​  − n   ​ − 1 ) ( − ​ n ​)
​ 
− n + 3
_____  3
__ 3

( ​bn​ ​ − 1 )
13.1.2 ​lim g ​(​bn​ ​)​ = lim ​ _____
​  2   ​  ​= lim ​ __________
2   ​ ​ = lim ​ _____
​  2   ​ ​ = lim ​(4n + 2)​ = + ∞​
( 1 + ​ 2n + 1 − 1 ) ( ​ 2n + 1 )
​   
_____
1    ​   _____
1   ​ 

13.2 ​1 ∉ ​D​g​ .​ ​1​ é ponto aderente de ​Dg​ ​ .​


Não existe ​ lim​ ​ g ​(x)​, dado que ​ lim​ ​ g ​(x)​ ≠ ​ lim​ ​ g ​(x)​​

x→ 1 x→ ​1​ ​ +
x→​1​ ​

14
14.1
14.1.1

14.1.1.1 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(− ​____


x − 2 )
2
​x​  ​
     ​  ​ = − ​ ___
4  ​  = + ∞​

x→ ​2​ ​
´− ´−
x→ ​2​ ​ ​0​ ​

14.1.1.2 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(− ​____


x − 2 ) x→ −∞ ( x ) x→ −∞
2 2
​x​  ​ ​x​  ​
     ​  ​ = ​  lim​ ​ ​ − ​__
   ​  ​ = ​  lim​ ​ ​(− x)​ = + ∞​
x→ −∞ x→ −∞

14.1.2
14.1.2.1 ​ lim​ ​ f ​(x)​​

x→ ​2​ ​

Como ​f​ é uma função real de variável real, com o mesmo domínio da função ​g​ e tal que
​f ​(x)​ ≥ g ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ​ ] − ∞ ; 2 [ ​ e ​  lim​ ​ g ​(x)​ = + ∞​, então, pelo teorema de comparação de funções, tem-se que
´−
x→ ​2​ ​

​ lim​ ​ f ​(x)​ = + ∞​

x→ ​2​ ​

14.1.2.2 ​  lim​ ​ g ​(x)​​
x→ −∞

Como ​f​ é uma função real de variável real, com o mesmo domínio da função ​g​ e tal que
​f ​(x)​ ≥ g ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ​ ] − ∞ ; 2 [ ​ e ​  lim​ ​ g ​(x)​ = + ∞​, então, pelo teorema de comparação de funções, tem-se que
x→ −∞

​  lim​ ​ f ​(x)​ = + ∞​
x→ −∞

14.2
14.2.1
14.2.1.1 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(− ​____
x − 2 )
2
​x​  ​
     ​  ​ = − ​ ___
4  ​ = − ∞​
+
x→ ​2​ ​
´+ ´+
x→ ​2​ ​ ​0​ ​

14.2.1.2 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(− ​____


x − 2 ) x→ +∞ ( x ) x→ +∞
2 2
​x​  ​ ​x​  ​
     ​  ​ = ​  lim​ ​ ​ − ​__
   ​  ​ = ​  lim​ ​ ​(− x)​ = − ∞​
x→ +∞ x→ +∞

14.2.2
14.2.2.1 ​ lim​ ​ f ​(x)​​
+
x→ ​2​ ​

Como ​f​ é uma função real de variável real, com o mesmo domínio da função ​g​ e tal que
​f ​(x)​ ≤ g ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ​ ] 2 ;  + ∞ [ ​ e ​  lim​ ​ g ​(x)​ = − ∞​, então, pelo teorema de comparação de funções, tem-se que
´+
x→ ​2​ ​

​  lim​ ​ f ​(x)​ = − ∞​
´+
x→ ​2​ ​

14.2.2.2 ​  lim​ ​ f ​(x)​​
x→ +∞

Como ​f​ é uma função real de variável real, com o mesmo domínio da função ​g​ e tal que
f​  ​(x)​ ≤ g ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ​ ] 2 ;  + ∞ [ ​ e ​  lim​ ​ g ​(x)​ = − ∞​, então, pelo teorema de comparação de funções, tem-se que
x→ +∞

​  lim​ ​ f ​(x)​ = − ∞​
x→ +∞
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

48
14.3 Já vimos que ​  lim​ ​ g ​(x)​ = + ∞​, então, o gráfico da função admite uma assíntota vertical de equação ​x = 2​ .
´−
x→ ​2​ ​

RESOLUÇÕES
2
​x​  ​
− ​ ____
 ​ = ​  lim​ ​ ​(​  )
   ​ 
x→+∞ ( ​x​  ​ − 2x ) x→+∞ ( ​x​  ​)
g ​(x)​
____ _____
2
​x​  ​
2
​x​  ​
​ ​ = − ​  lim​ ​ ​ ______
​  2    ​ ​ = − ​  lim​ ​ ​ __
x − 2
Por outro lado, ​  lim​ ​ ​            ​  2 ​  ​ = − ​  lim​ ​ ​(1)​ = − 1​
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞

Logo, ​m = − 1​

​  lim​ ​ ​ [g ​(x)​ − ​(− 1x)​] ​ = ​  lim​ ​ ​(− ​____ + x)​ = ​  lim​ ​ ​(____


x→+∞ x − 2 )
 ​ ​ = ​  lim​ ​ ​(____
x ) x→+∞
− 2x − 2x
2
​x​  ​
     ​   ​    ​      ​ ​ =​ ​​  lim​ ​ ​(− 2)​ = − 2​
x→+∞ x→+∞ x − 2 x→+∞

Logo, ​b = − 2​

Então, o gráfico da função admite a reta de equação ​y = − x − 2​ como assíntota oblíqua.
De igual modo, se tem
2
​x​  ​
− ​____
 ​ = ​  lim​ ​ ​(​  )
     ​ 
x→−∞ ( ​x​  ​ − 2x ) x→−∞ ( ​x​  ​)
g ​(x)​
____ _____
2
​x​  ​
2
​x​  ​
​ ​ = − ​  lim​ ​ ​ ______
​  2    ​ ​ = − ​  lim​ ​ ​ __
x − 2
​  lim​ ​ ​            ​  2 ​  ​ = − ​  lim​ ​ ​(1)​ = − 1​
x→−∞ x x→+∞ x x→−∞

Logo, ​m = − 1​

​  lim​ ​ ​ [g ​(x)​ − ​(− 1x)​] ​ = ​  lim​ ​ ​(− ​____ + x)​ = ​  lim​ ​ ​(____


x→−∞ x − 2 )
 ​ ​ = ​  lim​ ​ ​(____
x ) x→−∞
− 2x − 2x
2
​x​  ​
     ​   ​    ​     ​  ​ =​ ​​  lim​ ​ ​(− 2)​ = − 2​
x→−∞ x→−∞ x − 2 x→−∞

Logo, ​b = − 2​

Então, o gráfico da função admite a reta de equação ​y = − x − 2​ como assíntota oblíqua.
O ponto ​I​ é o ponto de interseção das duas assíntotas.

Então
⎧ x = 2 ⎧ x = 2 ⎧ x = 2
​⎨​  ​  ​ ⇔​ ​⎨​  ​  ​ ⇔ ​⎨​  ​ ​​
⎩y = − x − 2 ⎩y = − 2 − 2 ⎩y = − 4

Logo, ​I ​(2 ;  − 4)​​

15 _______ _____ _______ _____


​(​  ​x  ​  ​ + ​x​  ​ + 1 ​     x​  ​ ) ​ ​(​  ​x  ​  ​ + ​x​  ​ + 1 ​     x​  ​ ) ​
_______ _____ √ √ √ √
x→ +∞ ( )
​  lim​ ​ h ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(√   x​  ​ ) ​ =​ ​​  lim​ ​ ​ ____________________________
− ​_______ + ​  1 + ​
3 2 2 3 2 2
  1 + ​
− ​√
​  ​x  ​  ​ + ​x​  ​ + 1 ​     _____  ​ ​ =​
3 2 2
  1 + ​ ​          
x→ +∞ x→ +∞ √ + ​√
​  ​x  ​  ​ + ​x​  ​ + 1 ​  
3 2
  1 + ​
  x​  ​  
2

x→ +∞ (√ 3 2) x→ +∞ (√ 3 2)
​  ​ + ​x​  ​ + 1 − 1 − ​
3 2 2 3
​x_______ x​  ​ ​x​  ​
= ​  lim​ ​ ​ _____________
​ ​   
   _____  ​ ​ = ​  lim​ ​ ​ _____________
​    _______     _____ ​ ​ =​
​  ​x  ​  ​ + ​x​  ​ + 1 ​  
2

+ ​  1 + ​
  x​  ​   ​  ​x  ​  ​ + ​x​  ​ + 1 ​  
2
+ ​√
  1 + ​
  x​  ​  

⎜ ⎟ ⎜√ ⎟
__
⎛ ⎞ ⎛ ⎞

3
__ ​  ​
​x__ ​x​  ​
__
6
​    ​   
​  
​  ​

√ 3
​  ​x  ​  ​   _____
3
​x​  ​ _____
= ​  lim​ ​ ​ _____________
​ ​    _______      ​ ​  = ​  lim​ ​ ​ _____________
​    ________      ​ ​  =​


x→ +∞ √ 3
​  ​x  ​  ​ + ​__ x​  ​ + 1 ​ √ ​x​  ​ + ​x​  ​ + 1
2 2 3 2 2
________ ​  1 + ​
  __x​  ​   x→ +∞ _______
_____ 1 + ​x​  ​
_____
​       + ​ 
​      ​  ​  ​      ​  + ​  ​  3   
   ​  

⎝ √ 3
​  ​x  ​  ​   ​  ​x  ​  ​   ⎠
√ 3 ⎝ 3
​x​  ​ ​x​  ​ ⎠
________
 ​ ​  lim​ ​ ​(​x​  ​)​   √
3

= ​ ___________________________
​ ______________
  
   
   
x→ +∞
____________ ​ = ​ ____ + ∞  ​  = + ∞​

√ √
1 + 0
x→ +∞ ( x ​x​ 3​) x→ +∞ ( ​x​ 3​ x )
lim​ ​ ​ 1 + ​ __
​  ​    1 ​ + ​ __ lim​ ​ ​ __
1  ​  ​  + ​  ​    ​ 1  ​  + ​ __
1 ​ ​ 

Como ​i​ é uma função real de variável real, com o mesmo domínio da função ​h​ e tal que

​h ​(x)​ ≤ i ​(x)​ ,    ∀ x ∈ ​[− 1 ;  + ∞ [​ ,​ e ​​ lim​ ​ h ​(x)​ = + ∞​, então, pelo teorema de comparação de funções, tem-se


x→  +∞
que ​  lim​ ​ i ​(x)​ = + ∞​
x→ +∞
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

49
_______ _______


16 _______ − ​√ ​x​  ​ + x + 2 __
3
_______
  ​x  ​  ​ + x + 2 ​ __  + ​ 1 ​
3
________

​     


​ + ​1 ​
  − ​
   
​      
​  
− ​√
  ​x  ​  ​ + x + 2  + 1
3 2
___________  

  ___________ x x ___________ ​
x  
​ ​ x
RESOLUÇÕES

​  lim​ ​ i ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​  ____


        = ​  lim​ ​ ​ 
​   ____
        ​= ​  lim​ ​ ​ 
​​  ____
        ​ =​


x→ +∞ x→ +∞ √
x + ​  1 + x 
  ​  x→ +∞
__
x ____ √
​  1 + x 
  ​  x→ +∞ 1 + x
____
​   ​ + ​      ​  1 + ​  ​  2     
​  
x x ​x​  ​
____________ _______

√ ​x​  ​ + x + 2
​  + ​  lim​ ​ ​(​   ​)​ √x→ +∞ ​x​  ​ x→ +∞ ( x )
3 3
_______ __ ​x​  ​
− ​  ​   
lim​ ​ ​  2
      1 − ​  ​  lim​ ​ __ + ​  lim​ ​ ​ __
​  2 ​    ​ 1 ​ ​
​= ​ _______________________
   
x→ +∞ ​
x  
​ ​
____________

  
x→ +∞ x
  ​​​= − ​ __________________
      ____________  ​ = ​ _______ − ∞ + 0   = − ∞​
​  
√ x→ +∞ ( ​x​  ​ x ) √
x→ +∞ ( ​x​  ​ x )
__
1 __
1 __
1 __
1 1 + 0
1 + ​  ​    lim​ ​ ​ ​  2  ​  + ​   ​ ​  lim​ ​ ​ ​  2  ​  + ​   ​ ​ 
1 + ​  ​   

Como ​j​ é uma função real de variável real, com o mesmo domínio da função ​i​ e tal que

​j ​(x)​ ≤ i ​(x)​ ,    ∀ x ∈ ​ ] − 1 ;  + ∞ [ ​ , ​ e ​​ lim​ ​ i ​(x)​ = − ∞​, então, pelo teorema de comparação de funções, tem-se


x→  +∞
que ​  lim​ ​ j ​(x)​ = − ∞​
x→ +∞

17
17.1 ​ lim​ ​ ____
x − 1 ____
​   = ​ 1 − 1 ​ 
 ​   = 0​
x→1 x + 1 1 + 1

(​ x + 1)​ ​ − 1 x ​(x + 2)​


2
​x​  ​ + 2x + 1 − 1 ​x​  ​ + 2x
2 2
17.2 ​ lim​ ​ ________
​      = ​ lim​ ​ __________
​   ​       = ​ lim​ ​ ______
​   ​      ​ = ​ lim​ ​ ______
  ​      =  ​ ​(x + 2)​ = 2​
​  ​​​ x→0
x→0 x x→0 x x→0 x x→0 x
__ __ __ __
x − ​√
_____   5   ​  ​(x − ​√
___________   ​)  ​ ​(x + ​√
  5    5   ​)  ​ ___________​
x  

2

​− 5 ____
1 ___
1 √ 
​ 5 
  ​ 
___
17.3 ​  lim​__ ​ ​  2  = ​  lim​__ ​ ​  2
 ​      __  ​   ​​​  = __​ ​  2   __  ​   = ​  lim​__ ​ ​   __ ​  
= ​   __ ​  = ​   ​ ​
x→​√  5    ​  ​x​  ​ − 5 x→​√   ​  ​(​x​  ​ − 5)​ ​(x + ​
  5  √
  5   ​)  ​ x→​√  5   ​ ​(​x​  ​ − 5)​ ​(x + ​√   ​)  ​ x→​√  5   ​ x + ​√
  5    ​  2 ​√
  5    ​  10
  5 

​x​  ​ − 1
5
(​ x − 1)​ ​(​x​  ​ + ​x​  ​ + ​x​  ​ + x + 1)​
4 3 2
​x​  ​ + ​x​  ​ + ​x​  ​ + x + 1 __
4 3 2
17.4 ​ lim​ ​ _____
​  2 ​ = ​ lim​ ​ ___________________
   ​      
    ​ = ​ lim​ ​ _____________
​      = ​ 5 ​​
​  
x→1 ​x​  ​ − 1 x→1 ​(x − 1)​ ​(x + 1)​ x→1 x + 1 2

​x​  ​ + 3 ​x​  ​ + 3x + 1


3 2
(​ x + 1)​ ​(​x​  ​ + 2x + 1)​
2
(​ x + 1)​ (​ x + 1)​ (​ x + 1)​
17.5 ​  lim​ ​ ____________
​        ​   =  ​  lim​ ​ ______________
​         ​ = ​  lim​ ​ _______________
​         ​​​= ​  lim​ ​ ​(x + 1)​ = 0​
x→−​1​ ​
+
​x​  ​ + 2x + 1
2
x→−​1​ ​ (​ x + 1)​ (​ x + 1)​
+
x→−​1​ ​ (​ x + 1)​ (​ x + 1)​
+
x→−​1​ ​
+

17.6 ​ lim​ ​ _____ = ​ lim​ ​ __________


​  2 1   ​   ​  1    = ​ _____
 ​   1   ​  
= + ∞​
x→​2​ ​ ​x​  ​ − 4 x→​2​ ​ (​ x − 2)​ ​(x + 2)​ ​0+​ ​ × 4
+ +

17.7 ​ lim​ ​ _____ = ​ lim​ ​ __________


​  2 1   ​   ​  1    = ​ _____
 ​   1 = − ∞​
−    ​  
x→​2​ ​ ​x​  ​ − 4 x→​2​ ​ (​ x − 2)​ (​ x + 2)​ ​0​ ​ × 4
− −

3x 15
17.8 ​ lim​ ​ ____ = ​ ___
​    ​    = − ∞​
− ​ 
x→​5​ ​ 5 − x ​0​ ​
+

3x 15 ​  = + ∞​
17.9 ​ lim​ ​ ____ = ​ ___
​    ​  
x→​5​ ​ 5 − x +
​0​ ​

17.10 ​ lim​ ​ ______ = ​ ___


1  ​ = + ∞​
x − 1
​     ​  
x→2 ( ​ 2 − x)​ ​ ​0​ ​
+
2

17.11 ​ lim​ ​ ________
​  2 11   ​   = ​ lim​ ​ __________
​  11    ​   = ​ _______
11   ​  
= − ∞​
x→​1​ ​ ​(x − 1)​ ​(x − 6)​ − 5 × ​0​ ​
+
x→​1​ ​ ​x​  ​ − 7x + 6
+ +

17.12 ​ lim​ ​ ________
​  2 11   ​   = ​ lim​ ​ __________
​  11    ​   = ​ _____
11   ​  = + ∞​
x→​6​ ​ ​x​  ​ − 7x + 6
+
x→​6​ ​ (
​ x − 1 ) 
​(
​ x − 6
+
)​ +
5 × ​0​ ​

− ​x​  ​ + x + 7 − ​x​  ​


2 2
17.13 ​  lim​ ​ ________
​      = ​  lim​ ​ ____
​   ​  3 ​  ​ − 1 ​  = ​ ____
 = ​  lim​ ​ ___ − 1   
​ = 0​
x→+∞ 2 ​x​  ​ − 4
3 x→+∞ 2 ​x​  ​ x→+∞ 2x + ∞

− ​x​  ​ − 5 − ​x​  ​


2 2
​ − 1   ​ = − ​ __
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

17.14 ​  lim​ ​ ______
​  2  = ​  lim​ ​ ____
 ​  ​  2 ​   = ​  lim​ ​ ___ 1 ​​
x→−∞ 2 ​x​  ​ + 1 x→−∞ 2 ​x​  ​ x→−∞ 2 2

50
6   ​   6 
17.15 ​ lim​ ​ ____
​  ____ = ​ ___
+
 ​ = + ∞​
x→​3​ ​√ ​  x − 3 
  ​  ​0​ ​
+

RESOLUÇÕES
____ ____
2x____
______ 2x ​(1 + ​√  x + 1 
_______________   ​) ​ 2x ​(1 + ​√
__________   x + 1 
  ​) ​
17.16 ​ lim​ ​ ​  = ​ lim​ ​ ​   
   ​   ____

   ____  ​ = ​ lim​ ​ ​  ____ 2 ​ 

   =​
x→0 1 − ​ √ ​  x→0 ​(1 − ​√
  x + 1 
    x + 1 
  ​) ​ ​(1 + ​  x + 1 
√   ​) ​ x→0
​1​ ​ − ​​(√
2
​) ​ ​
​  x + 1 

____ ____
(
2x ​ √
1 + ​
    )


x + 1  ​ (
2x ​ √
1 + ​
    ​) ​
x + 1  ____
=  ​ __________
​ x→0 ​         ​ = ​ lim​ ​ __________
  ​      
​   ​  ​  ​(1 + ​√
= − ​2 lim​   x + 1 
  )​ = − 4​
​ 
1 − ​(x + 1)​ x→0 − x x→0

__ __ __
√   ​  − 1
​  x 
_____ (√   ​  − 1)​ ​(√
​  x 
​___________   ​  + 1)​
​  x 
 = ​ lim​ ​ ___________ = ​ __
1 ​ lim​ ​ ____
​  __1   ​  = ​ __
1 ​​
x − 1 __
17.17 ​ lim​ ​ ​   = ​ lim​ ​ ​ 
 ​     __  ​  ​      ​  
x→1 2x − 2 x→1 2 ​(x − 1)​ ​(√ ​  x   ​  + 1)​ x→1 2 ​(x − 1)​ ​(√   ​  + 1)​
​  x  2 x→1 √   ​  + 1 4
​  x 

____ _________ __________ _____ __ __

√ √ √ √

______  
​  _____
x − 2  ​  ______
x − 2 ______
x − 2 __
1 __
1 √​  2 
__   ​ 
17.18 ​ lim​ ​ ​    = ​  ​ lim​ ​ ​  2
 ​     ​ = 2 × ​  ​ lim​ ​ ​      ​ 
   ​ = = ​  ​   ​  = ​     ​​
​  ​  ​ lim​ ​ ​   ​  
x→​2​ ​√ ​  ​x  ​  ​ − 2x ​ 
+ 2 x→​ 2 ​ ​ ​
x
+

​  
​− 2x x→​ 2 ​ ​ (
x ​ x − 2
+
)​ x→​ 2 ​ ​ x +
2 2

_____ ______ _________ __________ _____ __ __


  ​  √__
√ 4 ​(x − 2)​
√ √ √ √

______4x − 8 

​  _____ ​  ______ ______
x − 2 ______
x − 2 __
1 __
1 4 ​√
___  2 
17.19 ​ lim​ ​ ​    = ​ lim​ ​ ​ 
 ​   ​  2  ​  = 2 × ​  ​ lim​ ​ ​  2
 ​     ​ = 2 × ​  ​ lim​ ​ ​      ​ 
   ​  = = 4 ​  ​   ​  = ​     
​  2 × ​  ​ lim​ ​ ​   ​    ​ = 2 ​  2 
  ​​ 
x→​2​ ​√ ​  ​x  ​  ​ − 2x ​ x→​2​ ​
2
​x​  ​ − 2x x→​2​ ​ ​x​  ​ − 2x x→​2​ ​ x ​(x − 2)​ x→​2​ ​ x 2 2
+ + + + +

____ ____
______
x − 1 (
​ x − 1 )
_______________ 
​(√
​  
​  
x + 8   

 + 3 )​ (
​ x − 1 )
____________  
​(√
​  
​  
x + 8  ​  + 3)​
17.20 ​ lim​ ​ ​  ____    ​   = ​ lim​ ​ ​    ____      ____  ​ = ​ lim​ ​ ​    ____     ​  =​
​  − 3 x→1 ​(√ ​  − 3)​ ​(​  x + 8 ​  + 3)​ ​(√ )​ ​ − 9
2
x→1 √ ​  x + 8 
  ​  x + 8 
  √   x→1
​  x + 8 
  ​ 
____
​ x − 1)​ ​(√
(____________ ​  + 3)​
​  x + 8 
  ____
​= ​ lim​ ​ ​       = ​ lim​ ​ ​(√
​   ​  + 3)​ = 6​
​  x + 8 

x→1 x − 1 x→1

____ ____
3x − 3
______
____ 3 ​(x − 1)​ ​(√
_______________ ​  x + 8 
  ​  + 3)​ 3 ​(x − 1)​ ​(√
_____________ ​  x + 8 
  ​  + 3)​
17.21 ​ lim​ ​ ​  = ​ lim​ ​ ​   
  ​   ____   ____
   ​ = ​ lim​ ​ ​    ____     ​   =​
​  − 3 ​(√ ​  − 3)​ ​(√ ​  + 3)​ ​(√ )​ ​ − 9
2
x→1 √ ​  x + 8 
  ​  x + 8 
  ​  x + 8 

x→1 x→1
​  x + 8 
  ​ 
____
3 ​(x − 1)​ ​(√ ​  + 3)​
​  x + 8 
  ____
= _____________
​  ​ lim​ ​ ​       = 3 ​ lim​ ​ ​(√
​   ​  + 3)​ = 18​
​  x + 8 

x→1 x − 1 x→1

____ ____
2x − 4
______ 2 ​(x − 2
_______________ ) 
​(√
​  
​  
x + 2  

 + 2 )​ (
2 ​ x − 2 )
_____________ 
​(√
​  
​  
x + 2  ​  + 2)​
17.22 ​ lim​ ​ ​  ____   ​   = ​ lim​ ​ ​    ____      ____  ​ = ​ lim​ ​ ​    ____2     =​
​  
x→2 √ ​  − 2 x→2 ​(√
​  x + 2 
  ​  x + 2 
  ​  − 2)​ ​(​  x + 2 
√   ​  + 2)​ x→2 √
​  x + 2 
  ​ ​ − 4
____
(
2 ​ x − 2 ) 
​(
​ √

​   ​  + 2)​
x + 2  ____
​= ​ lim​ ​ _____________
​       = 2 ​ lim​ ​ ​(√
​   ​  + 2)​ = 8​
​  x + 2 

x→2 x − 2 x→2

__
√   ​x  ​  ​   − 1
​_____
2
​ | x | ​ − 1 − ​(1 − x)​
​ = ​  lim​ ​ __________ = ​  lim​ ​ __________ = ​  lim​ ​ __________
x − 1
17.23 ​  lim​ ​ ​     ​       ​   ​       ​   ​      =​
 ​  
x→+∞ ( ​ 1 − x)​ ​(1 + x)​ ​(1 − x)​ ​(1 + x)​ ​(1 − x)​ ​(1 + x)​
2
x→+∞ 1 − ​x​  ​ x→+∞ x→+∞

​  − 1  ​  = ​ ____
​= ​  lim​ ​ ____ − 1   
​ = 0​
x→+∞ 1 + x + ∞

__
√   ​x  ​  ​   − 1
2
​ | x | ​ − 1 − x − 1 − ​(1 + x)​
​  − 1  ​   − 1   
​_____
17.24 ​  lim​ ​ ​    ​ = ​  lim​ ​ __________
​  = ​  lim​ ​ __________
     ​   ​      ​   = ​  lim​ ​ __________
​      ​   =​ ​​  lim​ ​ ____ = ​ ____ ​ = 0​
x→−∞ ( ​ 1 − x)​ ​(1 + x)​ ​(1 − x)​ ​(1 + x)​ ​(1 − x)​ ​(1 + x)​ x→−∞ 1 − x + ∞
2
x→−∞ 1 − ​x​  ​ x→−∞ x→−∞
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

51
18
18.1 ​​  lim​ ​​  g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(x + 2)​  =  1​
RESOLUÇÕES

x→ - 1 x→ - 1
______ ___________ __
​​  lim​ ​​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​​ √  = ​ √​  lim​ ​​​(​  x​​  ​ + 8)​ ​  
​  ​x  ​​  ​ + 8 ​  = ​ √ ​ = 3​
2 2

9

x→ 1 x→ 1 x→ 1

Logo, ​​  lim​ ​​ ​(f ∘ g)​ ​(x)​ = 3​ .


x→ - 1
______ ___________
√  = ​ √​   
18.2 ​​  lim​ ​​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​​ ​  ​x  ​​  ​ + 8 ​    lim​ ​​​(​  x​​  ​ + 8)​ ​ = 3​
2 2
x→ - 1 x→ - 1 x→ - 1

​​  lim​ ​​  g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(x + 2)​  = 5​


x→ 3 x→ 3

Então, ​​  lim​ ​​ ​(g ∘ f)​ ​(x)​ = 5​ .


x→ - 1

19
cos ​(2 × ​(− x)​)​ ________
cos ​(− 2x)​ _______
cos ​(2x)​
19.1 ​f ​(− x)​ = ​ ____________
      ​ = ​      = ​ 
​     ​ = f ​(x)​ ,   ∀ − x ; x ∈ ​D​f​. Logo, a função é par. Geometricamente, o
1 + ​​(− x)​ ​
2 2 2
1 + ​x​  ​ 1 + ​x​  ​
gráfico da função é simétrico em relação ao eixo das ordenadas.
A afirmação é verdadeira.

19.2 ​− 1 ≤ cos ​(2x)​ ≤ 1 ,  ∀ x ∈ ℝ​


cos ​(2x)​ _____
​∴ − ​ _____
1   ​  
2
≤ ​ _______2
​ ≤ ​  2  2 ​  
   ,  ∀ x ∈ ℝ​
1 + ​x​  ​ 1 + ​x​  ​ 1 + ​x​  ​

cos ​(2x)​
​∴ − 3 − ​ _____
1   ​  
2
≤ − 3 + ​ _______ 2
  ​ ≤ − 3 + ​ _____
2   ​  
2
,  ∀ x ∈ ℝ​
1 + ​x​  ​ 1 + ​x​  ​ 1 + ​x​  ​

​∴​ Consideremos, então, ​ g ​(x)​ = − 3 − ​ _____


1   ​ e ​h ​(x)​ = − 3 + ​ _____
2
2   ​​ 
2
1 + ​x​  ​ 1 + ​x​  ​

x→ +∞ ( 1 + ​x​  ​)
19.3 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ − 3 − ​ _____
1   ​ ​ = − 3 − ​ ____
1    
​ = − 3 − 0 = − 3​
x→ +∞
2
+ ∞

x→ +∞ (
2)
​  lim​ ​ h ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ − 3 + ​ _____
1   ​ ​ = − 3 + ​ ____
1    
​ = − 3 + 0 = − 3​
x→ +∞ 1 + ​x​  ​ + ∞

19.4 Pela alínea 19.1 tem-se que ​g ​(x)​ ≤ f ​(x)​ ≤ h ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ​ℝ​ ​, e como


+

​  lim​ ​ g ​(x)​ = − 3  e   ​  lim​ ​ h ​(x)​ = − 3​, então, pelo teorema das funções enquadradas, tem-se que ​  lim​ ​ f ​(x)​ = − 3​
x→ +∞ x→ +∞ x→ +∞

x→ −∞ (
2)
19.5 ​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ − 3 − ​ _____
1     ​ ​ = − 3 − ​ ____
1    
​ = − 3 − 0 = − 3​
x→ −∞ 1 + ​x​  ​ + ∞

x→ −∞ (
2)
​  lim​ ​ h ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ − 3 + ​ _____
1   ​ ​ = − 3 + ​ ____
1    
​ = − 3 + 0 = − 3​
x→ −∞ 1 + ​x​  ​ + ∞

19.6 Pela alínea 19.2 tem-se que ​g ​(x)​ ≤ f ​(x)​ ≤ h ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ​ℝ​ ​, e como


+

​  lim​ ​ g ​(x)​ = − 3  e   ​  lim​ ​ h ​(x)​ = − 3​, então, pelo teorema das funções enquadradas, tem-se que ​  lim​ ​ f ​(x)​ = − 3​ ,
x→ −∞ x→ −∞ x→ −∞

20
sin ​(​(− x)​ ​ − π)​ _________
sin ​(​x​  ​ − π)​
2 2
20.1 ​g ​(− x)​ = ​ ____________
      

​= ​
      = g ​(x)​ ,   ∀ − x ; x ∈ ​D​g​. Logo, a função é par. Geometricamente, o gráfi-
​  
(​ − x)​ ​ + 1 ​x​  ​ + 1
4 4

co da função é simétrico em relação ao eixo das ordenadas.

20.2 ​− 1 ≤ sin ​(​x​  ​ − π)​ ≤ 1 ,  ∀ x ∈ ℝ​


2

sin ​(​x​  ​ − π)​ _____


2
​∴ − ​ _____ ≤ ​ _________
1   ​       ≤ ​  4 1   ​  
​   ,  ∀ x ∈ ℝ​
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

​x​  ​ + 1 ​x​  ​ + 1 ​x​  ​ + 1


4 4

​∴​ Consideremos, então, ​ f ​(x)​ = − ​ _____ 1   ​ e ​h ​(x)​ = ​ _____ 1   ​​ 


​x​  ​ + 1 ​x​  ​ + 1
4 4

52
20.3
(i)

RESOLUÇÕES
x→ +∞ ( ​x​  ​ + 1 )
​  lim​ ​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ − ​_____
  4 1   ​ ​ = − ​ ____
1    
​ = 0​
x→ +∞ + ∞

x→ +∞ ( ​x​  ​ + 1 )


​  lim​ ​ h ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ ​ _____
1   ​ ​ = ​ ____
1    
​ = 0​
x→ +∞
4
+ ∞

Pela alínea 20.2 tem-se que ​f ​(x)​ ≤ g ​(x)​ ≤ h ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ℝ, ​ e como

​  lim​ ​ f ​(x)​ = 0  e   ​  lim​ ​ h ​(x)​ = 0​, então, pelo teorema das funções enquadradas, tem-se que ​  lim​ ​ g ​(x)​ = 0​
x→ +∞ x→ +∞ x→ +∞

(ii)

x→ −∞ ( ​x​  ​ + 1 )


​  lim​ ​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ − ​_____
  4 1   ​ ​ = − ​ ____
1    
​ = 0​
x→ −∞ + ∞

x→ −∞ ( ​x​  ​ + 1 )


​  lim​ ​ h ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​ _____
​  4 1   ​ ​ = ​ ____
1    
​ = 0​
x→ −∞ + ∞

Pela alínea 20.2 tem-se que ​f ​(x) ​≤ g ​(x)​ ≤ h ​(x)​ ,   ∀ x ∈ ℝ​, e como

​  lim​ ​ f ​(x)​ = 0  e   ​  lim​ ​ h ​(x)​ = 0​, então, pelo teorema das funções enquadradas, tem-se que ​  lim​ ​ g ​(x)​ = 0​,
x→ −∞ x→ −∞ x→ −∞

21
21.1
21.1.1 ​  lim​ ​ f ​(x)​ = 0​ −
x→ −​2​ ​

21.1.2 ​  lim​ ​ f ​(x)​ = 0​ +
x→ −​2​ ​

21.1.3 ​ lim​ ​ f ​(x)​ = 3​
+
x→ ​0​ ​

21.1.4 ​ lim​ ​ f ​(x)​ = 3​

x→ ​0​ ​

21.1.5 ​ lim​ ​ f ​(x)​ = 4​
+
x→ ​4​ ​

21.1.6 ​ lim​ ​ f ​(x)​ = 3​

x→ ​4​ ​

21.2
• ​  lim​ ​ f ​(x)​ ≠ f ​(− 2)​    e    ​  lim​ ​ f ​(x)​ ≠ f ​(− 2)​​

x→ −​2​ ​ +
x→ −​2​ ​

Ou seja, não existe ​  lim​ ​ f ​(x)​​.


x→ −2

Sendo assim, a função ​f​ é descontínua em ​  − 2​ .

• ​ lim​ ​ f ​(x)​ = ​ lim​ ​ f ​(x)​ = f ​(2)​ = 0​

x→ ​2​ ​ +
x→ ​2​ ​

Ou seja, existe ​ lim​ ​ f ​(x)​​.


x→ 2

Sendo assim, a função ​f​ é contínua em ​ 2​ .

• ​ lim​ ​ f ​(x)​ = f ​(4)​    e    ​ lim​ ​ f ​(x)​ ≠ f ​(4)​​.

x→ ​4​ ​ +
x→ ​4​ ​

Ou seja, não existe ​ lim​ ​ f ​(x)​​.


x→ 4

Sendo assim, a função ​f​ é descontínua em ​ 4​ .


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

• Para ​x = 0​ não faz sentido estudar a continuidade da função neste ponto, dado que a função não está definida
neste ponto.

53
22 ​1 ∈ ​D​f​​​
​x​​  ​  − x (0) x ​(x − 1)​
2 0
_
​ ​   ​  ​
​​  lim​ ​​f ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _   ​ ​  =​ ​​​  lim​ ​​ ​ _  = − ​  lim​ ​​ ​ _  ​  = − ​ _1  ​​
x
RESOLUÇÕES

 ​  
x → ​1​​ ​ 2 − 2x x → ​1​​ ​ − 2 ​(x − 1)​ x → ​1​​ ​ 2 2
− − − −
x → ​1​​ ​
_ _ _
  ​  − 1 ​(​ 0 ​ )​ ​(√   ​  − 1)​ ​(√   ​  + 1)​ ​  | x | ​  − 1
0
_
√​  x  ​  x  ​  x 
​​  lim​ ​​f ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _ ​ ​  =​ ​​​  lim​ ​​ ​ ________________      _  ​  = − ​  lim​ ​​ ​ ______________
   _   ​  =
−  x  + 1 x → ​3​​ ​ − ​(x − 1)​ ​(√ ​  x   ​  + 1)​ ​ x − 1)​ ​(√
x → ​1​​ ​ (   ​  + 1)​
​  x 
+ + + +
x → ​1​​ ​ x → ​1​​ ​

= − ​  lim​ ​​ ​ ______________    ​  = − ​  lim​ ​​ ​ _ _1   ​   = − ​ _


1  ​​
x − 1_
  
​ x − 1)​ ​(√
x → ​1​​ ​ (   ​  + 1)​
​  x  +
x → ​1​​ ​√   ​  + 1
​  x  2 +

​f ​(1)​  = − ​ _
1  ​​
2

Como ​​  lim​ ​​f ​(x)​  = f ​(1)​  = − ​ _


1  ​​ e ​​  lim​ ​​f ​(x)​  = f ​(1)​  = − ​ _
1  ​​, logo, existe ​​ lim​ ​​f ​(x)​​, portanto, a função ​f​ é contínua em​
x → ​1​​ ​

2 x → ​1​​ ​ 2 +
x → 1
x =  1​ .

23 ​− 1  ∈ ​Dg​ ​​​ _ _


​(_
​  0 ​ )​
3x + 3 (
3 ​ x + 1 )​ ​ (√
​  − 
  4  
​ 
x  + 2 )​ (
​ x + 1 ) ​ ​ ( √
​  − 
  4x   ​  + 2)​
​​  lim​ ​​g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _ _   ​ ​   =​ ​​​  lim​ ​​ ​ _____________________
_ _  ​  =  3​  lim​ ​​ ​ ________________
0
            ​  =

x → − ​1​​ ​ ​  − 
x → − ​1​​ ​√ ​  − 2
  4x  

x → − ​ 1 ​​ ​ ​(​  − 
√   4x  ​  − 2)​ ​(​  − 

√   4x   ​  + 2)​ x → − ​ 1 ​​ ​ ​  | |



 4 x ​ 
  − 4
_ _
(​ x + 1)​ ​(√
​  −  ​  + 2)​
  4x   ​(x + 1)​ ​(√
​  −  ​  + 2)​
  4x   _
________________ ________________ 3  ​​  lim​ ​​ ​ √
=  3​  lim​ ​​ ​        ​  =  3​  lim​ ​​ ​        ​  = − ​ _ (​  −  ​  + 2)​  = − 3​
  4x  
x → − ​1​​ ​ − 4x − 4 −
x → − ​1​​ ​ − 4 ​(x + 1)​ 4 x → − ​1​​ ​ − −

​x​​  ​  − 1 (0) ​(x − 1)​ ​(x + 1)​


2 ​  0 ​  ​
​_
​​  lim​ ​​g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _ =​ ​​​  lim​ ​​ ​ ____________ = ​  lim​ ​​ ​ _  = ​  − +2 ​  = − ∞​
x − 1 _
  ​ ​       ​    ​  
x → − ​1​​ ​ 2​​(x + 1)​​​ ​ 2​​(x + 1)​​​ ​ 2x + 2
2 2
+
x → − ​1​​ ​
+
x → − ​1​​ ​
+
x → − ​ 1 ​​ ​
+
​0​​ ​
​g ​(− 1)​  = − 3​

Como ​​  lim​ ​​g ​(x)​  ≠ g ​(− 1)​​ e ​​  lim​ ​​g ​(x)​  = g ​(− 1)​​, logo, não existe ​​  lim​ ​​g ​(x)​​, portanto, a função ​g​ é descontínua

x → − ​1​​ ​
+
x → − ​1​​ ​ x → − 1

em ​x = − 1​.

24 ​0 ∈ ​D​h​​​

x → ​0​​ ​( 2​x​​  ​  + 2x ) x → ​0​​ ​( 2x ​(x + 1)​) x → ​0​​ ​( 2 ) x → ​0​​ ​( 2x + 2 ) 2


− x + ​x​​  ​
2
x ​(x − 1)​
​​  lim​ ​​h ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _ + 1 ​  = ​  lim​ ​​ ​ _ ​  + ​  lim​ ​​ ​ _
​  1 ​  ​  = ​  lim​ ​​ ​ _  ​ ​  + ​ _
1  ​  =
x − 1

​  2 −
  ​   ​    ​  − −
​    −
x → ​0​​ ​

= − ​ _ 1  ​  + ​ _


1  ​  = 0​
2 2 _ _
_ _ 0 _ _
  − ​ √​x  ​​  ​  +  2 ​  ​(_
​   ​ )​
​(√   − ​ √​x  ​​  ​  +  2 ​) ​ ​(√   + ​ √​x  ​​  ​  +  2 ​) ​
2 2 2
√​   
 ​ 
2
____________ ​   
 ​ 
2
____________________________ ​   ​ 

2
​​  lim​ ​​h ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​    _  ​  =
0
  ​ ​   =​ ​​​  lim​ ​​ ​        _
x x ​(√   + ​ √​x  ​​  ​  +  2 ​) ​
+ + + 2
x → ​0​​ ​ x → ​0​​ ​ x → ​0​​ ​
​     ​ 
2

  
  
2 − ​   ​x​​  ​  + 2  ​
= ​  lim​ ​​ ​ _______________
_
| 2
_  ​  = ​  lim​ ​​ ​ _______________
  
   _
2
|− 2
2 − ​x​​  ​  _ − ​x​​  _
 ​  = ​  lim​ ​​ ​ _______________
   _
2

   ​  =
x ​(​   ​ 
  + ​  ​x  ​​  ​  +  2 ​) ​
√ x ​(​     + ​  ​x  ​​  ​  +  2 ​) ​
√ x ​(​   ​ 
  + ​  ​x  ​​  ​  +  2 ​) ​

2 2 2
√ √ √
+ + +
x → ​0​​ ​

2 x → ​0​​ ​
 ​ 
2 x → ​0​​ ​

2

= − ​  lim​ ​​ ​ ____________
x_
_
      ​  = 0​
  + ​ √​x  ​​  ​  +  2 ​ 
x → ​0​​ ​√ 2
​   
 ​ 
2
+

​h ​(0)​  = 2​k​​  ​  −  8​
2

A função ​h​ é contínua em ​x = 0​ se e só se existir ​​ lim​ ​​h ​(x)​​ .


x → 0

Para que exista ​​ lim​ ​​h ​(x)​​, deverá ter-se:


x → 0

​​  lim​ ​​h ​(x)​  = h ​(0)​  ∧ ​  lim​ ​​h ​(x)​  = h ​(0)​​



x → ​0​​ ​ +
x → ​0​​ ​

Ou seja,

​​  lim​ ​​h ​(x)​  = h ​(0)​  ∧ ​  lim​ ​​h ​(x)​  = h ​(0)​  ⇔



EXMAT11 © RAIZ EDITORA

x → ​0​​ ​ +
x → ​0​​ ​

⇔ 0 = 2​k​​  ​  − 8 ∧ 0 = 2​k​​  ​  − 8  ⇔ 2​


k​​  ​  − 8 = 0  ⇔ 2​
k​​  ​  = 8  ⇔ ​
k​​  ​  = 4  ⇔  k = − 2  ∨ k = 2​
2 2 2 2 2

54
25
25.1 Se ​x < 5​ , a função é contínua, pois trata-se de uma função racional.

RESOLUÇÕES
Se ​x  >  5​ , a função é contínua, pois trata-se de quociente de funções contínuas.

Vejamos se a função é contínua em ​5​.

​5  ∈ ​D​i​​​
​x​​  ​  − 8x + 15 (0) ​(x − 3)​ ​(x − 5)​ 1
2 0
_
​ ​   ​  ​
​​  lim​ ​​i ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ ___________ =​ ​​​  lim​ ​​ ​ _____________
   ​  = ​ _   ​​  lim​ ​​ ​ _ ​  = ​ _
x − 3 2 _


 ​ ​       ​  = ​  1  ​​ 
x → ​5​​ ​ 2​x​​  ​  − 50 x → ​5​​ ​ 2 ​(x − 5)​ ​(x + 5)​ 2 x → ​5​​ ​ x + 5 20 10
− − 2 − −
x → ​5​​ ​

Cálculo auxiliar: ________________ _



8 ± ​  ​​(  
  − 8)​​​ ​  − 4 × 1 ×  15 ​
2
____________________ 8 ± ​ √ ​
_  
4  8 ± 2
​​x​​  ​  − 8x + 15 = 0  ⇔  x = ​     ​  ⇔  x = ​   ⇔  x = ​ _  ⇔
2
    ​    ​  
2 × 1 2 2
⇔  x = ​ _ 8 − 2 8 + 2
 ∨ x = ​ _
 ​     ⇔  x = 3 ∨ x = 5​
 ​  
2 2

Logo, ​​x​​  ​  − 8x + 15 = ​(x − 3)​ ​(x − 5)​​


2

_ _ _ _ 2
√    ​  − 5
​  5x 
_ (√    ​  − 5)​ ​(√
​  5x 
​__________________    ​  + 5)​
​  5x  (
​​ √
​    ) ​ ​​​ ​  − 25
5x 
​​  lim​ ​​i ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​  = ​  lim​ ​​ ​   
 ​  
     _  ​  = ​  lim​ ​​ ​ _______________
  
   _  ​  =
+
x → ​5​​ ​ x → ​5​​ ​ x − 5
+
x → ​5​​ ​ ( ​ x − 5)​ ​(​  5x 
+
√    ​  + 5)​ x → ​5​​ ​ (​ x − 5)​ ​(√
+
​  5x     ​  + 5)​

​  | 5x | ​  − 25 5x − 25 5 ​(x − 5)​


= ​  lim​ ​​ ​ _______________
  
   _  ​  = ​  lim​ ​​ ​ _______________
  
   _  ​  = ​  lim​ ​​ ​ _______________
  
   _  ​  =
​ x − 5)​ ​(√
x → ​5​​ ​ (
+
   ​  + 5)​ x → ​5​​ ​(​ x − 5)​ ​(√
​  5x     ​  + 5)​ x → ​5​​ ​(​ x − 5)​ ​(√
​  5x  +
   ​  + 5)​
​  5x  +

= ​  lim​ ​​ ​ _ _5   ​   5 _


= ​ _  ​  = ​  1  ​​
√    ​  + 5
x → ​5​​ ​ ​  5x 
+
10 2

​i ​(5)​  = ​ _
1  ​​ 
10
Como ​​  lim​ ​​i ​(x)​  = i ​(5)​​ e ​​  lim​ ​​i ​(x)​  ≠ i ​(5)​​, então, não existe ​​ lim​ ​​i ​(x)​​. Portanto, a função ​i​ é descontínua em x​  = 5​ .

x → ​5​​ ​ +
x → ​5​​ ​ x → 5

Concluindo, a função ​i​ é contínua em ​ℝ\ ​{ 5} ​​ .

( 2)
x → − ∞ ( ​x​​  ​) _
8x 15 8 ​  + ​ _ 15  ​
​x​​  ​ ​ 1 − ​ _2 ​  + ​ _ ​  lim​ ​​ ​ 1 − ​ _
2
​(_
​  ∞   )
 ​  ​ 2
 ​
− 8x + 15 x
2
​ ​​  ​ 
___________
​​
_______________ ​ ​​  ​ ​ ​​  ​ _ __________________ 1 − 0 + 0
1  ​  = ​  1  ​  × ​ _ = ​ _
1  ​​
x x x
25.2 ​​  lim​ ​​i ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ 

 ​ ​  
  =​  ​​​  lim​ ​​ ​        ​  = ​    ​  × ​        ​  

( 2) ( 2)
25  ​ 2 25  ​ 2 1 − 0 2
2​x​​  ​  − 50 2​x​​  ​ ​ 1 − ​ _ ​  lim​ ​​ ​ 1 − ​ _
2
x → − ∞ x → − ∞ ∞
x → −  2
 ​  ​
​x​​  ​ x → − ∞ ​x​​  ​

26
26.1 Pode não existir o valor ​c​.
Se escolhermos o valor ​4,5​ para ​k​, não existe ​c​ em ​ ] 0 ; 2,5 [ ​  :  f ​(c)​ = 4,5​

26.2 O resultado encontrado na alínea anterior não contradiz o teorema de Bolzano porque não estão satisfeitas
as condições necessárias para a sua aplicação. Com efeito, a função f​ ​ não é contínua no intervalo ​ [0 ; 2,5] ​.
O valor lógico é falso.

26.3 Como a função ​f​ é contínua em ​ [3 ;  4] ​ e ​f ​(3)​ < k < f ​(4)​, então, pelo Teorema de Bolzano,
​∃ c ∈ ​ ] 3 ;  4 [ ​ : f ​(c)​ = k​ .

27
27.1 A função ​f​ é contínua em ​ [0 ; 2] ​, pois é uma função polinomial.
​f ​(0)​ = − ​0​ ​ + 5 = 5​
2

​f ​(2)​ = − ​2​ ​ + 5 = 1​
2

Como ​1 < 2 < 5​, isto é , ​f ​(2)​ < 2 < f ​(0)​, então, pelo teorema de Bolzano, ​∃ c ∈ ​ ] 0 ; 2 [ ​ : f ​(c)​ = 2​ .


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

55
27.2 A função ​f​ é contínua em ​ [0 ; 3] ​, pois é uma função polinomial.
​f ​(0)​ = − ​0​ ​ + 5 = 5 > 0​
2
RESOLUÇÕES

​f ​(3)​ = − ​3​ ​ + 5 = − 4 < 0​
2

Como f​  ​(0)​  e  f ​(3)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que f​  ​(0)​ × f ​(3)​ < 0, ​ e como f​  ​ é contínua no inter-
valo ​ [0 ; 3] ​, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de pelo menos um zero da função​
f​ no intervalo ​ ] 0 ; 3 [ ​ .​
Isto é, ​∃ c ∈ ​ ] 0 ; 3 [ ​ : f ​(c)​ = 0​ .

28
28.1 Para ​0 ≤ x < 2 ,  g ​(x)​ é contínua, por se tratar de soma algébrica de funções contínuas.
Para ​x > 2 ,  g ​(x)​ é contínua, por se tratar da diferença de funções contínuas.

Vejamos a continuidade no ponto ​x = 2​


__ __
​g ​(2)​ = 2 − ​√   ​  − 4 = − 2 − ​√
  2    2 
  ​​ 
_ __ __
​​  lim​ ​​  g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(x − ​ √x ​ 
+ +
   − 4)​  = 2 − ​ √ ​    − 4 = − 2 − ​ √ ​​

2  
2

x → ​2​​ ​ x → ​2​​ ​
_ __
​​  lim​ ​​  g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(− ​ ____    )​ = − 2 − ​ √ ​​
6   ​  − ​ √x ​  
2


x → ​2​​ ​

x → ​2​​ ​ x + 1

Como, ​ lim​ ​ g ​(x)​ = ​ lim​ ​ g ​(x)​ = g ​(2)​, então, existe ​ lim​ ​ g ​(x)​ e, portanto, a função é contínua no ponto ​x = 2.​ Sendo

x→​2​ ​ +
x→​2​ ​ x→2

assim, a função é contínua em todo o seu domínio.


__ __
28.2 ​g ​(6)​ = 6 − ​√   ​  − 4 = 2 − ​√
  6    ​  < 0​
  6 
__ __
​g ​(7)​ = 7 − ​√   ​  − 4 = 3 − ​√
  7    ​  > 0​
  7 

Como g​  ​(6)​   e  g ​(7)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que ​g ​(6)​ × g ​(7)​ < 0​, e como a função é contínua no
intervalo ​ [6 ; 7] ​ então, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de, pelo menos, um zero
da função ​g​ no intervalo ​ ] 6 ; 7 [ ​ .​

29
29.1 Ora ​h​ é uma função contínua em ​ [1 ; 2] ​  ,​ pois é função polinomial.

Por outro lado,


​h ​(1)​ = − 2 × ​1​ ​ − 1 + 7 = 4 > 0​
3

​h ​(2)​ = − 2 × ​2​ ​ − 2 + 7 = − 11 < 0​
3

Como ​h ​(1)​  e h ​(2)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que ​h ​(1)​ × h ​(2)​ < 0, ​ e como ​h ​ é contínua no in-
tervalo ​ [1 ; 2] ​, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de pelo menos um zero da fun-
ção ​h​ no intervalo ​ ] 1 ; 2 [ ​ .​

Isto é , ​∃ c ∈ ​ ] 1 ; 2 [ ​ : h ​(c)​ = 0​,

logo, a equação ​h ​(x)​ = 0​ é possível no intervalo ​ ] 1 ; 2 [ ​​.

29.2 A função ​f​ é contínua no intervalo ​ ] 1 ; 2 [ ​, pois é uma função polinomial.
Vamos verificar as condições do Teorema de Bolzano nos intervalos ​ [1,5 ; 2] ​ e ​ [1 ; 1,5] ​​
​h ​(1,5)​ = − 2 × 1, ​5​ ​ − 1,5 + 7 = − 1,25 < 0​
3

Concluímos que a solução tem de estar em ​ [1 ; 1,5] ​, mas estes valores ainda não são aproximados a menos de
uma décima.
Calculemos
​h ​(1,4)​ = − 2 × 1, ​4​ ​ − 1,4 + 7 = 0,112 > 0​
3

Então, a raiz está no intervalo ​ [1,4 ; 1,5] ​​.


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

Encontramos desta maneira um intervalo que contém o zero da função cujos extremos são valores aproximados,
por defeito (​ 1,4)​ e por excesso (​ 1,5)​, desse zero da função, a menos de uma décima.

56
30 A função ​g​ é contínua em ​ [2 ; 3] ​, pois é uma função racional.

RESOLUÇÕES
4 × 2 − 6
​g ​(2)​ = 1 − ​ _______    = ​ __
​   1 ​ > 0​
2 + 1 3
4 × 3 − 6 
​g ​(3)​ = 1 − ​ _______ = − ​ __
  ​   1 ​ < 0​
3 + 1 2

Como ​g ​(2)​ e  g ​(3)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que ​g ​(2)​ × g ​(3)​ < 0, ​ e como ​g ​ é contínua no inter-
valo ​ [2 ; 3] ​, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de pelo menos um zero da função​
g​ no intervalo ​ ] 2 ; 3 [ ​ .​
Isto é, ​∃ c ∈ ​ ] 2 ; 3 [ ​ : g ​(c)​ = 0​ .

31 A função g​ ​ é contínua em ​ [6 ; 7] ​, pois é quociente de funções contínuas.


_______ __
2 − 6 + ​√
  4 × 6 − 6 

____________ − 4 + 3 ​√
​ ______   2 
  ​ 
​g ​(6)​ = ​      ​  = ​    ​ > 0​


6 − 2 4
_______ ___
2 − 7 + ​√
  4 × 7 − 6 

____________ − 5 + ​√
​ ______   22 
   ​
​g ​(7)​ = ​      = ​ 
​      
​  < 0​
7 − 2 5

Como ​g ​(6)​ e  g ​(7)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que ​g ​(6)​ × g ​(7)​ < 0, ​ e como ​g ​ é contínua no inter-
valo ​ [6 ; 7] ​, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de pelo menos um zero da função​
g​ no intervalo ​ ] 6 ; 7 [ ​ .​

Isto é, ​∃ c ∈ ​ ] 6 ; 7 [ ​ : g ​(c)​ = 0​ .

32 Pretende-se encontrar uma solução da equação ​h ​(x)​ = x − 1​ .


Seja ​g ​(x)​ = h ​(x)​ − x + 1​
Ora ​g​ é uma função contínua em ​ [4 ; 5] ​ ,​ pois é diferença de funções contínuas. Note-se que, por hipótese, ​h​ é
uma função contínua em ​ [4 ; 5] ​​.
Por outro lado,
_______ __

​  2 × 4 − 6 

_______ ​  √
​  2 
__   ​ 
​g ​(4)​ = h ​(4)​ − 4 + 1 = 3 + ​     
​  − 3 = ​     ​ > 0​
4 4
_______
√ ​  2 × 5 − 6 
  ​  3 ​ < 0​
​g ​(5)​ = h ​(5)​ − 5 + 1 = 3 + ​ _______     − 4 = − 1 + ​ __
​   2 ​ = − ​ __
5 5 5
Como ​g ​(4)​  e  g ​(5)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que ​g ​(4)​ × g ​(5)​ < 0, ​ e como ​g ​ é contínua no in-
tervalo ​ [4 ; 5] ​, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de pelo menos um zero da fun-
ção ​g​ no intervalo ​ ] 4 ; 5 [ ​ .​
Isto é, ​∃ c ∈ ​ ] 4 ; 5 [ ​ : g ​(c)​ = 0​, e como ​g ​(c)​ = 0 ⇔ h ​(c)​ − c + 1 = 0 ⇔ h ​(c)​ = c − 1​
Tem-se que, ​∃ c ∈ ​ ] 4 ; 5 [ ​ : h ​(c)​ = c − 1​
Isto é , o gráfico da função ​h​ interseta a reta de equação ​y = x − 1​ num ponto cuja abcissa pertence ao interva-
lo ​ ] 4 ; 5 [ ​.

33 A função ​g​ é contínua em ​ [0 ; 2] ​, pois é a soma e o produto de funções contínuas (uma função polinomial
e a função ​f​) .

​g ​(0)​ = ​ __ ( )
1 ​ ​ ​03​ ​ − f ​(0)​ ​ = − ​ __
1 ​ × f ​(0)​ = − ​ __
1 ​ × 8 = − 4 < 0​
2 2 2

​g ​(2)​ = ​ __ ( )
1 ​ ​ ​23​ ​ − f ​(2)​ ​ = 4 − ​ __
1 ​ × f ​(2)​ = 4 − ​ __
1 ​ × ​(− 2)​ = 5 > 0​
2 2 2

Como ​g ​(0)​  e  g ​(2)​ têm sinais contrários, ou seja, verifica-se que ​g ​(0)​ × g ​(2)​ < 0 ,​ e como ​g ​ é contínua no in-
tervalo ​ [0 ; 2] ​, o Corolário do Teorema de Bolzano permite garantir a existência de pelo menos um zero da fun-
ção ​g​ no intervalo ​ ] 0 ; 2 [ ​ .​
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

Isto é, ​∃ c ∈ ​ ] 0 ; 2 [ ​ : g ​(c)​ = 0​ .

57
34
34.1 A função ​f​ é contínua no intervalo fechado e limitado ​ [2 ; 6] ​, por se tratar de produto de funções polinomiais.
RESOLUÇÕES

Então, o Teorema de Weirstrass, garante que a função tem máximo e mínimo.

O valor mínimo é ​f ​(2)​ = − ​ __


1 ​ (​ 2 − 1)​ ​(2 − 8)​ = 3​ .
2
O valor máximo é a ordenada do vértice da parábola, gráfico da função.
Ora, ​f ​ admite como zeros ​1​ e ​8​, que neste caso não fazem parte do domínio da função.
1 + 8
A abcissa do vértice é igual a ​x​V​ = ​ ____  ​ = ​ __
    9 ​​.
2 2
Então,

​yV​ ​ = f ​(__
​ 9 ​)​ = − ​ __
2 (2
​ 9 ​ − 1)​ ​(__
1 ​ ​ __ ​ 9 ​ − 8)​ = ​ ___
49 ​ ​
2 2 8

O valor máximo é igual a ___


​ 49 ​ ​ .
8

34.2 A função ​f​ é contínua no intervalo fechado e limitado ​ [2 ; 6] ​, por se tratar de uma função polinomial.
Então, o Teorema de Weirstrass, garante que a função tem máximo e mínimo.

O valor máximo é ​f ​(2)​ = ​ __


1 ​ × ​2​2​ − ​ __
9 ​ × 2 + 12 = 5​ .
2 2
O valor mínimo é a ordenada do vértice da parábola, gráfico da função.

− ​ __
9 ​
_____
A abcissa do vértice é igual a ​x​V​ = − ​  2   ​  = ​ __
9 ​​
__
1
2 × ​   ​ 2
então, 2

​yV​ ​ = f ​(__
​ 9 ​)​ = ​ __
2 (2) 2 2
2
1 ​ × ​​ __ 15 
​ 9 ​ ​ ​ − ​__
 9 ​ × ​ __
9 ​ + 12 = ​ ___ ​​.
2 8

​ 15 ​ ​ .
O valor mínimo é igual a ___
8

34.3 A função f​ ​ é contínua no intervalo limitado ​] 2 ; 6]​ mas não fechado, por se tratar de uma função polinomial.

O valor máximo é ​f ​(6)​ = ​ __ 5 ​ = ​ __


1 ​ × ​6​2​ − 2 × 6 − ​ __ 7 ​​.
2 2 2
O valor mínimo é a ordenada do vértice da parábola, gráfico da função.
− 2  ​  
A abcissa do vértice é igual a ​x​V​ = − ​ _____ = 2​ .
2 × ​ __
1 ​
2
O valor mínimo seria a imagem de ​2​, caso ​2​ pertencesse ao domínio. Então a função não admite mínimo.

34.4 A função f​ ​ é contínua no intervalo limitado ​[2 ; 6 [​ mas não fechado, por se tratar de uma função polinomial.

O valor máximo seria igual a ​f ​(6)​ = ​ __ 5 ​ = ​ __


1 ​ × ​6​2​ − 2 × 6 − ​ __ 7 ​​, mas como 6 não pertence ao domínio da função,
2 2 2
então, não existe máximo da função.
O valor mínimo é a ordenada do vértice da parábola, gráfico da função.

A abcissa do vértice é igual a ​xV​ ​ = − ​ _____ − 2  ​   = 2​


2 × ​ __
1 ​
então, 2

​y​V​ = f ​(2)​ = ​ __ 5 ​ = − ​ __
1 ​ × ​2​2​ − 2 × 2 − ​ __ 9 ​​.
2 2 2

O valor mínimo é igual a ​− ​__


 9 ​​.
2

34.5 A função é estritamente decrescente.


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

Como ​  lim​ ​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(− x)​ = + ∞​


x→−∞ x→−∞

então, não existe máximo da função.

58
​ lim​ ​ f ​(x)​ = ​ lim​ ​ ​(− x)​ = − 3​
− −
x→​3​ ​ x→​3​ ​

RESOLUÇÕES
O mínimo, a existir seria ​− 3​ .
Como ​3​ não pertence ao domínio da função, então não existe mínimo da função.

34.6 A função é estritamente decrescente

​ lim​ ​ f ​(x)​ = ​ lim​ ​ ​(2 +   ​ __
x)
1 ​ ​ = + ∞​ .
+ +
x→​0​ ​ x→​0​ ​

A função não admite máximo.

O valor mínimo da função é igual a ​f ​(2)​ = 2 +   ​ __ 5 ​.  


1 ​ = ​ __
2 2
34.7 A função é estritamente crescente

​  lim​ ​ f ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(3 − ​ ____
x − 1 )
x
   ​ ​ = 2​ .
x→−∞ x→−∞

A reta de equação ​y = 2​ é assíntota horizontal do gráfico da função.


A função não admite mínimo.
0   ​  
O valor máximo da função é igual a ​f ​(0)​ = 3 − ​ ____ = 3​ .
0 − 1
35
35.1 Para que a restrição da função ​f​ seja contínua em ​​ [1 ;  2] ​​, deverá ocorrer:
• a função ser contínua em [​​1 ;  2 [​​ ;
• a função ser contínua em ​2​.

Ora, a função é contínua em ​​[1 ;  2 [​​ pois é uma função racional, e toda a função racional é contínua no seu domínio.

2x − 4 (0) 2 ​(x − 2)​


0
_ ​ ​   ​  ​
​​  lim​ ​​f ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _  
 ​ ​  =​ ​​​  lim​ ​​ ​ ____________
     ​  = ​  lim​ ​​ ​ _
2   ​  = ​ _
1  ​​
x→​2​​ ​ ​x​​  ​  − 4 x→​2​​ ​ ​(x − 2)​ ​(x + 2)​ x→​2​​ ​ x + 2 2
− − 2 − −
x→​2​​ ​
_
x + ​ √2x     ​ _
​​  lim​ ​​f ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _  ​    = ​  1  ​​
+
x→​2​​ ​
+
x→​2​​ ​ 8 2

​f ​(2)​  = ​ _
1  ​​
2
Como ​​  lim​ ​​f ​(x)​  = f ​(0)​​ e ​​  lim​ ​​f ​(x)​  = f ​(0)​​, logo, existe ​​ lim​ ​​f ​(x)​​ e, portanto, a função ​f​ é contínua em ​x =  2​ .

x→​2​​ ​ x→​2​​ ​
+
x→2

Fica, assim, provado que a função ​f​ é contínua em ​​ [1  ; 2] ​​ .

35.2 A função ​f​ é contínua em ​​ ] 2 ;  + ∞ [ ​​, pois é o quociente de funções contínuas.

36
36.1 ​​D​f​​  = ​{x   ∈ ℝ :   x + 2 ≠ 0} ​  = ​{x   ∈ ℝ :   x ≠ − 2} ​  = ℝ\ ​{−
   2} ​​
O domínio da função ​f​ é ​ℝ\ ​{−    2}​​  .

36.2 ​​  lim​ ​f ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(2x − 1 − ​ _


x + 2 )
3   ​  = − 5  − ​ _3  
 ​ − ​  = + ∞​
x→−​2​​ ​

x→−​2​​ ​

​0​​ ​
Logo, o gráfico da função admite uma assíntota vertical de equação ​x = − 2​.
​​  lim​ ​f ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(2x − 1 − ​ _
x + 2 )
3   ​  = − 5  − ​ _3 
 ​ +
 ​ = − ∞​
x→−​2​​ ​
+
x→−​2​​ ​
+
​0​​ ​
Logo, o gráfico da função admite uma assíntota vertical de equação ​x = − 2​.

Nota: a assíntota é bilateral. Não existem outras assíntotas verticais ao gráfico da função, dado que a função é
contínua em todo o seu domínio.
3   
36.3 ​f ​(x)​  = 2x − 1 − ​ _  ​​
x + 2
3   
Portanto, ​f ​(x)​  − ​(2x − 1)​  = − ​ _  ​​ .
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

x + 2
Como ​​ lim​ ​​ ​(− ​ _
x + 2 )
3   ​  = 0​, então, também, ​​ lim​ ​​ ​ f ​(x)​  − ​(2x − 1)​ ​  = 0​, o que prova que a reta de equação​
 ​ ( )
x→+∞ x→+∞
y = 2x − 1​ é uma assíntota horizontal ao gráfico da função ​f​ quando ​x  →  + ∞​.
59
De igual modo se provaria que a reta de equação ​y = 2x − 1​ é uma assíntota horizontal ao gráfico da função ​f​ ,
quando ​x  →  − ∞​.
RESOLUÇÕES

37
Assíntotas verticais

​x​​  ​  − x _
2
​​ lim​ ​g ​(x)​  = ​ lim​ ​​ ​_
  = ​ 2−  ​  = − ∞​
 ​  

x→​2​​ ​ 4x − 8 ​0​​ ​
− −
x→​2​​ ​

​x​​  ​  − x _
2
​​ lim​ ​g ​(x)​  = ​ lim​ ​​ ​_
  = ​ 2+  ​ = + ∞​
 ​  

x→​2​​ ​ 4x − 8 ​0​​ ​
+ +
x→​2​​ ​

O gráfico da função admite uma assíntota vertical (bilateral) de equação ​x = 2​. Não existem outras assíntotas
verticais ao gráfico da função, dado que a função é contínua em todo o seu domínio.

Assintotas não verticais


Quando ​x  →  + ∞​:
​x​​  ​  − x
2
_
​   ​ 

( ) ​x​​  ​  − x ​(​ ∞  ​ )​

_

x→+∞ 4​x​​  ​ x→+∞ 4 )


  2  ​  = ​  lim​ ​​ ​(_
g ​ x ​ 4x − 8
2 2
​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
    2     =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
 ​ ​  ​  1 ​  ​  = ​ _
1 ​​
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ 4​x​​  ​  − 8x 4

Então, ​m = ​ _
1 ​​ .
4
​(​    ) ​(​    ​)

( − ​  1  ​  x)​ ​  =​  ​​​  lim​ ​​ ​(_________________ )



_ ∞
_

​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − ​ _ ) ​  = ​  lim​ ​​ ​(_ )


​x​​  ​  − x _ 4​x​​  ​  − 4x − 4​x​​  ​  + 8x
2  ​ ​ 2 2  ​
1  ​  x ​  = ​  lim​ ​​ ​ _ ∞ 4x ∞
​   ​  
  ​        ​ ​     ​ ​ ​  =​  ​​​
x→+∞ 4 x→+∞ 4x − 8 4 x→+∞ 16x − 32 x→+∞ 16x − 32

= ​  lim​ ​​ ​(​ _   
x→+∞ 16x )
​ ​  = ​  lim​ ​​ ​(_
x→+∞ 4 )
4x
​ ​  1 ​  ​  = ​ _
1 ​​
4

Logo, ​b = ​ _
1 ​​ .
4
Portanto, a reta de equação ​y = ​_
 1 ​ x + ​ _
1 ​​ é assíntota não vertical ao gráfico da função, quando ​x  →  + ∞​.
4 4
Quando ​x  →  − ∞​:
​x​​  ​  − x
2
_
​   ​ 

g ​(x)​ ​x​​  ​  − x ​(​ ∞  ​)  ​

_

x→−∞ 4​x​​  ​ x→−∞ 4 )


  2  ​  = ​  lim​ ​​ ​(_
2 2
_ _ 4x − 8 ​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​       ​  = ​  lim​ ​​ ​      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
    2     =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
 ​ ​  ​  1 ​  ​  = ​ _
1 ​​
x→−∞ x x→-∞ x x→−∞ 4​x​​  ​  − 8x 4

Então, ​m = ​ _
1 ​​ .
4
1  ​  x ​ ​ ​(​ ∞   ) ​(​     )

4 ) x→−∞ ( 4x − 8 4 ) x→−∞ ( ) x→−∞ 16x − 32



_ ∞
_

​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − ​ _


​x​​  ​  − x _ 4​x​​  ​  − 4x − 4​x​​  ​  + 8x
2 ​​ 2 2 ​​
1  ​  x ​  = ​  lim​ ​​ ​ _ _________________ _ 4x ∞
​   ​ 
  − ​ 
  =​
   
​​ ​  
lim​ ​ ​
​ ​         ​ ​  = ​
   
lim​ ​  ​​     
 ​
 ​  =​
  ​​​
x→−∞ 16x − 32

4x
= ​  lim​ ​​ _
​ ​ = ​  lim​ ​​ _
​      ​  1 ​  = ​ _
1 ​​
x→−∞ 16x x→−∞ 4 4

Logo, ​b = ​_
 1 ​​ .
4
Portanto, a reta de equação ​y = ​_
 1 ​ x + ​ _
1 ​​ é assíntota não vertical ao gráfico da função, quando ​x  →  − ∞​.
4 4
Procuremos as coordenadas do ponto ​I​:

⎧x = 2 ⎧x = 2 ⎧x = 2


⎨​​ ​  _ ⎨​  _
​​  ⇔ ​ ⎨​  _
​​  ⇔ ​
⎪ ⎪ ⎪

1​  _ 1 2​  _ 1 ​ ​​


y = ​    ​  x + ​    ​ y = ​    ​  + ​    ​ y = ​  3  ​
⎩ ⎩ ⎩
⎪ ⎪ ⎪

4 4 4 4 4

Logo, I​  ​(2  ; ​ _


4)
3  ​ ​​ . Opção A .

38
Assíntotas verticais
​  = ​ − −8 ​  = + ∞​
2x − 4 _
​​  lim​ ​h ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​_
    
x→−​2​​ ​

x→−​2​​ ​ x + 2

​0​​ ​
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

​​  lim​ ​h ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(3x − 2 − ​ _


x + 3 )
1   ​ ​  = − 8  − ​ _1    ​  = − 7​
x→−​2​​ ​
+
x→−​2​​ ​
+
− 1

60
O gráfico da função admite uma assíntota vertical de equação x​  = − 2​. Não existem outras assíntotas verticais ao
gráfico da função, dado que a função é contínua em todo o seu domínio.

RESOLUÇÕES
Assintotas não verticais
Quando ​x  →  + ∞​:
​f ​(x)​  = 3x − 2 − ​ _ 1   ​  ⇔  f ​(x)​  − ​(3x − 2)​  = − ​ _ 1   ​​ 
x + 3 x + 3

​​  lim​ ​​ ​(− ​ _
x + 3 )
1   ​ ​  = − ​ _1    
​  =  0​
x→+∞ + ∞

Então,  ​​ lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − ​(3x − 2)​)​  = 0​, logo a reta de equação y​  = 3x − 2​ é assíntota não vertical ao gráfico da função,
x→+∞
quando ​x  →  + ∞​.

Quando ​x  →  − ∞​:

_ 2x − 4
f ​(x)​ ​   ​ 
2x − 4 ​(​  ∞  ​ )​

_
_ _ 2x
​  = ​  lim​ ​​ ​_   =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
  2 ​  = ​  lim​ ​​ ​_
 2 ​  = 0​,
x + 2
​​  lim​ ​​ ​      ​  = ​  lim​ ​​ ​          2   ​ ​ 
x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ ​x​​  ​  + 2x x→−∞ ​x​​  ​ x→−∞ x

Então, ​m = 0​.
2x − 4 ​(​ ∞   )​ ​

_
2x
​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − 0x)​  = ​  lim​ ​​ ​_
  ​ ​  =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
      ​   = ​  lim​ ​​ ​(2)​  = 2​, logo, ​b =  2​
x→−∞ x→−∞ x + 2 x→−∞ x x→−∞

Portanto, a reta de equação ​y = 2​ é assíntota horizontal ao gráfico da função, quando ​x  →  − ∞​.

39
39.1
Assíntotas verticais
⎧1 ⎫
​​D​f​​ = ​{x   ∈ ℝ : 2x − 1 ≠ 0}​   = ℝ\ ​⎨ ​ _    ​ ⎬​​  
⎩2 ⎭

​ _
7  ​
− 
_  + 4 _
​  = ​ 2−  ​  = − ∞​
x
​​ lim​ ​f ​(x)​  = ​ lim​ ​​ ​    
x→​​ _

1 ​​​  ​ 1 ​​​  ​ 2x − 1
x→​​ _

​0​​ ​
2 2

​ _
7  ​
− 
_  + 4 _
​  = ​ 2+  ​ = + ∞​
x
​​ lim​ ​f ​(x)​  = ​ lim​ ​​ ​    
x→​​ _
+
1 ​​​  ​ 1 ​​​  ​ 2x − 1
x→​​ _
+
​0​​ ​
2 2

O gráfico da função admite uma assíntota vertical (bilateral) de equação x​  = ​ _


1 ​​. Não existem outras assíntotas
2
verticais ao gráfico da função, dado que a função é contínua em todo o seu domínio.

Assintotas não verticais


Quando ​x  →  + ∞​:

_ − x + 4
f ​(x)​ ​   ​ 
− x + 4 ​(​  ∞  ) ​ ​

_
_ _ 2x − 1 − x
​​  lim​ ​​ ​      ​  = ​  lim​ ​​ ​      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
  2     =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
 ​ ​    2  ​  = − ​  lim​ ​​ ​_
  1   ​  =  0​
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ 2​x​​  ​  − x x→+∞ 2​x​​  ​ x→+∞ 2x

Então, ​m = 0​.
− x + 4 ​(​ ∞  ) ​ ​

_

   ​  = ​  lim​ ​​ ​(− ​ _
2)
− x
​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − 0x)​  = ​  lim​ ​​ ​_
  ​ ​  =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
   1 ​  ​  = − ​ _
1 ​​
x→+∞ x→+∞ 2x − 1 x→+∞ 2x x→+∞ 2

Logo, ​b = − ​ _
1 ​​ .
2
Portanto, a reta de equação ​y = − ​_
 1 ​​ é assíntota horizontal ao gráfico da função, quando ​x  →  + ∞​.
2
Quando ​x → − ∞​:
_ − x + 4
( ) ​   ​ 
− x + 4 ​(​ ∞  ​ )​

_
f ​ x ​ 2x − 1 − x
​​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
  2     =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
 ​ ​    2  ​  = − ​  lim​ ​​ ​_
  1   ​  = 0​, então, ​m = 0​.
x→−∞ 2​x​​  ​  − x x→−∞ 2x
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ 2​x​​  ​

− x + 4 ​(​ ∞  ​ )​

_

   ​  = ​  lim​ ​​ ​(− ​ _
2)
− x
​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − 0x)​  = ​  lim​ ​​ ​_
  ​ ​  =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
   1 ​  ​  = − ​ _
1 ​​, logo, ​b = − ​ _
1 ​​ .
x→−∞ x→−∞ 2x − 1 x→−∞ 2x x→−∞ 2 2

61
Portanto, a reta de equação ​y = − ​_
 1 ​​ é assíntota horizontal ao gráfico da função, quando ​x  →  − ∞​.
2
RESOLUÇÕES

39.2 ​​Dg​ ​​ = ​{x   ∈ ℝ :  x + 1 ≠ 0}​   = ℝ\ ​{−


   1}​​  

Assíntotas verticais
​​  lim​ ​g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(x + 3 + ​ _
x + 1 )
1   ​ ​  = 2 + ​_
 1−   ​  = − ∞​
x→−​1​​ ​
− −
x→−​1​​ ​ ​0​​ ​

​​  lim​ ​g ​(x)​  = ​  lim​ ​​ ​(x + 3 + ​ _


x + 1 )
1   ​ ​  = 2 + ​_
 1+  ​ = + ∞​
x→−​1​​ ​
+ +
x→−​1​​ ​ ​0​​ ​
O gráfico da função admite uma assíntota vertical (bilateral) de equação ​x = − 1​. Não existem outras assíntotas
verticais ao gráfico da função, dado que a função é contínua em todo o seu domínio.

Assintotas não verticais


Quando ​x  →  + ∞​:

​g ​(x)​  = x + 3 + ​ _ 1   ​  ⇔  g ​(x)​  − ​(x + 3)​  = ​ _ 1   ​​ 


x + 1 x + 1

​​  lim​ ​​ ​(_
x→+∞ x + 1 )
​  1   ​ ​  = ​ _1    
​  =  0​
+ ∞

Então, ​​  lim​ ​​ ​(g ​(x)​  − ​(x + 3)​)​  = 0​, logo a reta de equação ​y = x + 3​ é assíntota não vertical ao gráfico da função,
x→+∞
quando ​x  →  + ∞​.

Quando ​x  →  − ∞​:

​g ​(x)​  = x + 3 + ​ _ 1   ​  ⇔  g ​(x)​  − ​(x + 3)​  = ​ _ 1   ​​ 


x + 1 x + 1

​​  lim​ ​​ ​(_
x→−∞ x + 1 )
​  1   ​ ​  = ​ _1    
​  =  0​
− ∞

Então, ​​  lim​ ​​ ​(g ​(x)​  − ​(x + 3)​)​  = 0​, logo a reta de equação ​y = x + 3​ é assíntota não vertical ao gráfico da função,
x→−∞
quando ​x  →  − ∞​.

39.3 ​​D​h​​ = ​{x   ∈ ℝ : 2  − x ≠ 0}​   = ℝ\ ​{ 2}​​  

Assíntotas verticais
2​x​​  ​  − 2x − 1 _
2
​​ lim​ ​h ​(x)​  = ​ lim​ ​​ ​___________
    = ​ 3+  ​ = + ∞​
  ​  

x→​2​​ ​

x→​2​​ ​ 2 − x ​0​​ ​

2​x​​  ​  − 2x − 1 _
2
​​ lim​ ​h ​(x)​  = ​ lim​ ​​ ​___________
    = ​ 3−   ​  = − ∞​
  ​  
+
x→​2​​ ​
+
x→​2​​ ​ 2 − x ​0​​ ​

O gráfico da função admite uma assíntota vertical (bilateral) de equação ​x = 2​. Não existem outras assíntotas
verticais ao gráfico da função, dado que a função é contínua em todo o seu domínio.

Assintotas não verticais


Quando ​x  →  + ∞​:

2​x​​  ​  − 2x − 1
2
___________
​      ​ 
h ​(x)​ 2​x​​  ​  − 2x − 1 ​(​ ∞  ​)  ​
2 ∞
_ 2
_ ___________ 2 − x 2​x​​  ​
 ​  = ​  lim​ ​​ ​   
​​  lim​ ​​ ​        = ​  lim​ ​​ ​___________
​          
​ ​   =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
  2  ​  = ​  lim​ ​​ ​(− 2)​  = −  2​
x→+∞ − ​x​​  ​ x→+∞
2
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ 2x − ​x​​  ​

Então, ​m = − 2​.

​​  lim​ ​​ ​(h ​(x)​  + 2x)​  = ​  lim​ ​​ ​(___________ + 2x)​  = ​  lim​ ​​ ​____________________


2​x​​  ​  − 2x − 1 2​x​​  ​  − 2x − 1 + 4x − 2​x​​  ​
2 2 2
​      ​            ​  =​
2 − x 2 − x
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

x→+∞ x→+∞ x→+∞

2x − 1 ​(​  ∞  ) ​ ​



_
2x
= ​  lim​ ​​ ​_
​     =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
 ​ ​       ​  = ​  lim​ ​​ ​(− 2)​  = −  2​
x→+∞ 2 − x x→+∞ − x x→+∞

62
Logo, ​b = − 2​.

RESOLUÇÕES
Portanto, a reta de equação ​y = − 2x − 2​ é assíntota não vertical ao gráfico da função, quando ​x  →  + ∞​.

Quando ​x  →  − ∞​:

2​x​​  ​  − 2x − 1
2
​ ___________
     ​ 
h ​(x)​ 2​x​​  ​  − 2x − 1 ​(​  ∞  ) ​ ​
2 ∞
_ 2
_ ___________ 2 − x 2​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​       ​  = ​  lim​ ​​ ​      = ​  lim​ ​​ ​___________
​          
​ ​   =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
  2  ​  = ​  lim​ ​​ ​(− 2)​  = − 2​
x→−∞ − ​x​​  ​ x→−∞
2
x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ 2x − ​x​​  ​
Então, ​m = − 2​.

​​  lim​ ​​ ​(h ​(x)​  + 2x)​  = ​  lim​ ​​ ​(___________ + 2x)​  = ​  lim​ ​​ ​____________________


2​x​​  ​  − 2x − 1 2​x​​  ​  − 2x − 1 + 4x − 2​x​​  ​
2 2 2
​      ​            ​  =​
x→−∞ x→−∞ 2 − x x→−∞ 2 − x

2x − 1 ​(​  ∞   )​ ​



_
2x
= ​  lim​ ​​ ​_
​     =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
 ​ ​       ​  = ​  lim​ ​​ ​(− 2)​  = −  2​
x→−∞ 2 − x x→−∞ − x x→−∞

Logo, ​b = − 2​.

Portanto, a reta de equação ​y = − 2x − 2​ é assíntota não vertical ao gráfico da função, quando ​x  →  − ∞​.

40
​x​​  ​  − 4 (0) ​(x − 2)​ ​(x + 2)​
​  0 ​  ​
​_
 = ​ lim​ ​​ ​(_ )​  = ​ ​0−​​   ​​  = − ∞​
2
40.1 ​​ lim​ ​g ​(x)​  = ​ lim​ ​​ _  =​ ​​​ lim​ ​​ ____________ _ 4
x + 2
​    ​ ​  ​     ​  ​   
 ​ 
x→​2​​ ​ ( ​​ x − 2)​​​ ​ (​​ x − 2)​​​ ​
2 2
x→​2​​ ​
− −
x→​ 2 ​​ ​

x→​ 2 ​​ ​ x − 2

Não existe ​​ lim​ ​g ​(x)​​, logo, a função é descontínua no ponto x​  = 2​. Como ​​ lim​ ​g ​(x)​  = − ∞​ o gráfico da função ad- −
x→2 x→​2​​ ​
mite uma assíntota vertical de equação ​x = 2​.

40.2

Assintotas não verticais

Quando ​x  →  + ∞​:

4​x​​  ​  − 3x − 1
2

( ) ​ ___________
    ​  
4​x​​  ​  − 3x − 1 ​(​ ∞  ​ )​

_
g ​ x ​ 2x + 1
2 2
4​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​___________
      = ​  lim​ ​​ ​___________
​         =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
  ​ ​    2  ​  = ​  lim​ ​​2  =  2​
2​x​​  ​  + x
2
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ x→+∞ 2​x​​  ​ x→+∞

Então, ​m =  2​ .

​​  lim​ ​​ ​(g ​(x)​  − 2x)​  = ​  lim​ ​​ ​(___________ − 2x)​  = ​  lim​ ​​ ​_____________________


4​x​​  ​  − 3x − 1 4​x​​  ​  − 3x − 1 − 4​x​​  ​  − 2x
2 2 2
​     ​             ​  =​
x→+∞ x→+∞ 2x + 1 x→+∞ 2x + 1

− 5x − 1 ​(​  ∞  )​  ​



_

​  = ​  lim​ ​​ ​(− ​ _ ​ )​  = − ​ _ ​​


− 5x 5 5
= ​  lim​ ​​ ​_
​   ​ ​  =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
       
x→+∞ 2x + 1 x→+∞ 2x x→+∞ 2 2

 5 ​​ .
Logo, ​b = − ​_
2
5 
Portanto, a reta de equação ​y = 2x − ​ _ ​​ é assíntota não vertical ao gráfico da função, quando ​x  →  + ∞​.
2
Quando ​x  →  − ∞​:

​x​​  ​  − 4
2
_
​    ​ 
_ ( )
g ​ x ​ _ (​​ x − 2)​​​ ​
2
​x​​  ​  − 4
2
​x​​  ​  − 4
2 ​(_
​  ∞  ​)
 ​ 2
​x​​  ​
​  = ​  lim​ ​​ ​_ = ​  lim​ ​​ ​____________ =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
  3 ​  = ​  lim​ ​​ ​_
 1 ​  =  0​

​​  lim​ ​​ ​       ​  = ​  lim​ ​​ ​         
​ 2  
        ​ ​
   
x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ x​​(x − 2)​​​ ​ x→−∞ ​x​​  ​  − 4​x​​  ​  + 4x
3 2 x→−∞ ​x​​  ​ x→−∞ x

Então, ​m = 0​.

x→−∞ ( ( ​​ x − 2)​​​ ​) x→−∞ ( ​x​​  ​  − 4x + 4 )


​(​    ) ∞
_
​x​​  ​  − 4 ​x​​  ​  − 4
2 2 ​  ​ 2
​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​(g ​(x)​  − 0x)​  = ​  lim​ ​​ ​ _  ​2  ​  = ​  lim​ ​​ ​ _ ​ ​  =​  ​​​  lim​ ​​ ​_
  2 ​  = ​  lim​ ​​ ​(1)​  =  1​

​    ​  2   ​ 
x→−∞ x→−∞ ​x​​  ​ x→−∞
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

Logo, ​b = 1​.
Portanto, a reta de equação ​y = 1​ é assíntota horizontal ao gráfico da função, quando ​x  →  − ∞​.

63
41 Como
RESOLUÇÕES

​​  lim​ ​​f ​(x)​  = − ∞​, o gráfico da função ​f​ admite uma assíntota vertical de equação ​x = − 1​:

x→−​1​​ ​

​​ lim​ ​f ​(x)​  = + ∞​, o gráfico da função ​f​ admite uma assíntota vertical de equação ​x = 3​;
+
x→​3​​ ​

​​  lim​ ​​ ​ [f ​(x)​  − ​(x + 2)​] ​ = 0​, o gráfico da função ​f​ admite uma assíntota não vertical de equação ​y = x + 2​,
x→+∞

quando ​x  →  + ∞​;

​​  lim​ ​​ ​ [f ​(x)​  + 3x − 1] ​ = 0,​ ou seja,  ​​ lim​ ​​ ​ [f ​(x)​  − ​(− 3x + 1)​] ​ = 0,​ o gráfico da função f​ ​ admite uma assíntota não ver-
x→−∞ x→−∞
tical de equação ​y = − 3x + 1​, quando ​x  →  − ∞​.

42 Quando ​x  →  + ∞​: _ _


_
√ (
_ 1
) √   _
​  | x | ​ ​  1 − ​  1  ​ ​  
2
​  ​x  ​​  ​ ​ 1 − ​  2  ​  ​ ​ 
(
f ​ x )​ √​  ​x  ​​  ​  −  1 ​ 
2
​x​​  ​ 2
​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​____________
      = ​  lim​ ​​ ​_
​       ​  =​


x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ x
_
√   _
x ​  1 − ​  1  ​ ​   _ _____________
_
√ √ x→+∞ ( ​x​​  ​)
2
_ ​x​​  ​ _
​ = ​  lim​ ​​ ​    ​  = ​  lim​ ​​ ​  1 − ​ 

    1  2 ​  ​     lim​ ​​ ​ 1 − ​ _
= ​  ​    1  ​  ​  ​  = ​√
2
  1 − 0 
  =  1​
​  
x→+∞ x x→+∞ ​x​​  ​

Logo, ​m = 1​.
_ _
_
( √
​ ​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
2
− x ) (√ + x)​
​ ​ ​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
2
​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  − x)​  = ​  lim​ ​​ ​(√ − x)​  = ​  lim​ ​​ ​_________________________
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​   _ ​  =​
2
         
x→+∞ x→+∞ x→+∞ √
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
2
+ x


|
= ​  lim​ ​​ ​___________
  _  ​  
|
​   ​x​​  ​  − 1  ​  − ​x​​  ​
2 2
​x​​  ​  − 1 − ​x​​  ​
2
= ​  lim​ ​​ ​___________
  _  
2
=​ ​​  lim​ ​​ ​___________
 ​     _ − 1   ​   − 1   
= ​ _ ​  =  0​
x→+∞ √ 2
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  + x x→+∞ √ 2
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​   + x x→+∞ √ 2
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
+ x + 

Logo, ​b = 0​. O gráfico da função ​f​ admite uma assíntota não vertical de equação ​y = x​, quando ​x  →  + ∞​.

Quando ​x  →  − ∞​: _ _


_
√ (
_
2)
1  ​  ​ ​ 
√   _
​  | x | ​ ​  1 − ​  1  ​ ​  
2
​  ​

x ​​  ​ ​ 1 − ​ 
(
f ​ x ) ​ √ ​  ​x  ​​  ​  −  1 ​ 
2
​x​​  ​ 2
​x​​  ​
​​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​_
      ​  = ​  lim​ ​​ ​____________
      ​   = ​  lim​ ​​ ​_     ​  =​


x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ x
_

− x ​  1 − ​   _ 1  ​ ​   _ _____________
_
x→−∞ ( √ ​x​​  ​) √ x→−∞ ( ​x​​  ​)
2
_ ​ ​​  ​ _1   lim​ ​​ ​ 1 − ​ _ 1  ​  ​  ​  = − ​√
x
​ = ​  lim​ ​​ ​      = − ​  lim​ ​​ ​ ​  1 − ​ 
​      2 ​ ​  ​  = − ​  ​    2
  1 − 0 
  = −  1​
​  
x→−∞ x

Logo, ​m = − 1​.
_ _
_
( √
​ ​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
2
+ x ) (√ − x)​
​ ​ ​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
2
​​  lim​ ​​ ​(f ​(x)​  + x)​  = ​  lim​ ​​ ​(√ + x)​  = ​  lim​ ​​ ​_________________________
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​   _ ​  =​
2
         
x→−∞ x→−∞ x→−∞ √
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
2
− x

​   ​x​​  ​  − 1  ​  − ​x​​  ​


= ​  lim​ ​​ ​___________
​   _
| 2
|
2
​  = ​  lim​ ​​ ​___________
     _  
2
​x​​  ​  − 1 − ​x​​  ​
2
=​
 ​  
x→−∞ √ 2
− x x→−∞ √
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​   ​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  
− x
2

= ​  lim​ ​​ ​___________
​   _ − 1   ​   − 1   
= ​ _ ​  =  0​
x→−∞ √ 2
− x + ∞
​  ​x  ​​  ​  −  1 ​  

Logo, ​b = 0​. O gráfico da função ​f​ admite uma assíntota não vertical de equação ​y = − x​, quando ​x  →  − ∞​ .

Estas duas assíntotas intersetam-se na origem do referencial.

43 Se ​​D​g​​ = ℝ\ ​{ 1 ;  3}​​  e ​​ lim​ ​g ​(x)​  = − ∞​, então o gráfico da função admite uma assíntota vertical de equação​
x→1
x = 1​.
Como ​​  lim​ ​​ ​  [g ​(x)​  − 3x + 1] ​  = 0​, então, a reta de equação y​  = 3x − 1​ é assíntota não vertical ao gráfico da função,
x→−∞
quando ​x  →  − ∞​. E como ​​  lim​ ​g ​(x)​  = 2​, então, o gráfico da função admite uma assíntota horizontal de equa-
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

x→+∞
ção ​y = 2​, quando ​x  →  + ∞​.

64
DERIVADA DE SEGUNDA ORDEM, EXTREMOS, SENTIDO DAS CONCAVIDADES E PONTOS DE INFLEXÃO

RESOLUÇÕES
ITENS DE SELEÇÃO

44 Determinemos a função derivada de ​g​


'
​​g ' ​ (​ x)​ = ​​(− ​___
  1   ​ x​  ​ + x + 3) ​  ​  = − ​___
  3   ​ x​  ​ + 1 = − ​ __
1 ​ x​ 2​ + 1​
3 2

12 12 4

O declive da reta tangente é igual a ​m = ​g ' ​ ​(− 4)​ = − ​ __


1 ​ × ​​(− 4)2​ ​ + 1 = − 3​
4
​α = t​g​ ​ (​ − 3)​ + 180° ≈ 108, 43°​
−1

Resposta: C .

45 Por observação do gráfico:


​​g ' ​ ​(​3​ ​)​ > 0​; ​​g ' ​ ​(​3​ ​)​ > 0​
− +

logo, não existe ​​g ' ​ ​(3)​​.


Resposta: D .

1   ​ ' ​  ​  = 1 + ​ ______
46 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(x − ​ ____
x − b )
1   ​​ 
​(x − b)​ ​
2

0 × ​​(x − b)​ ​ − 1 × 2 × ​(x − b)​ × 1
2
'
( ​(x − b)​ ​)
​​f  " ​ (​ x)​ = ​​ 1 + ​ ______
1   ​   ​  ​  = 0 + ​ ________________________
         ​ = − ​ ______
2   ​  , x ≠ b​
(​ x − b)​ ​ ​(x − b)​ ​
2 4 3

Logo, ​​f  " ​ ​(a)​ = − ​ ______
2   ​  , com ​a ∈ ℝ ∧ a ≠ b​
(​ a − b)​ ​
3

Resposta: B .

47 Calculemos a função segunda derivada de ​f​


​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(​x​  ​ − ​x​  ​ + 1)' ​  ​  = 3 ​x​  ​ − 2x​
3 2 2

'
​​f  " ​ ​(x)​ = ​​(3 ​x​  ​ − 2x) ​ ​ = 6x − 2​
2

Zeros de ​​f  " ​ ​(x)​​

​​f  " ​ ​(x)​ = 0 ⇔ 6x − 2 = 0 ⇔ x = ​ __
1 ​​
3

Sinal de ​​f  " ​ ​(x)​​

​​f  " ​ ​(x)​ < 0 ⇔ 6x − 2 < 0 ⇔ x < ​ __
1 ​​
3

​​f  " ​ ​(x)​ > 0 ⇔ 6x − 2 > 0 ⇔ x > ​ __
1 ​​
3

Elaborando um quadro de sinal para a função segunda derivada, vem

​x​ ​- ∞​ __
​​  1 ​​  ​+ ∞​
3
​​f  " ​ (​ x)​ ​-​ 0 ​+​

​f ​(x)​ ∩ ​​  25  ​​


___ ∪
27

​f ​(__
​ 1 ​)​ = ​​(__
​ 1 ​)​ ​ − ​​(__
​ 1 ​)​ ​ + 1 = ​ ___
3 2
25 
 ​​
3 3 3 27

O gráfico da função ​f​ tem a concavidade voltada para baixo em ​ ] − ∞ ;  ​ __


3[
1 ​  ​ ; e tem a concavidade voltada para

​1 ​ ;  + ∞ [ ​. Tem um ponto de inflexão de coordenadas (


3 27 )
cima em ​ ] __ ​ __  25  ​ ​​.
​ 1 ​ ;  ​___
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

3
Resposta: A .

65
ITENS DE CONSTRUÇÃO
RESOLUÇÕES

48
48.1
48.1.1 ​f ​(3)​ = - ​ __ 1 ​ (​32​​ ​  - 4)​ ​(3 − 3)​ = 0​
4
​f ​(4)​ = - ​ __ ​ (​4​​ ​  - 4)​ ​(4 − 3)​ = - 3​
1 2

4
f ​(4)​ − f ​(3)​ _____
​t.m. ​v​​ [3 ;  4] ​ ​ = ​ ________     = ​ − 3 − 0
​       ​ = − 3​

4 − 3 1
A taxa média de variação da função no intervalo ​ [3 ;  4] ​ é ​− 3​ .

5 ​ × ​(− 4)​ + 3 = 1​
48.1.2 ​f ​(− 4)​ = ​ __
1 ​ (− 4)2​ ​ + ​ __
2 2
5 ​ × ​(− 3)​ + 3 = 0​
​f ​(− 3)​ = ​ __
1 ​ (− 3)2​ ​ + ​ __
2 2
f ​(− 3)​ − f ​(− 4)​ ____
​t.m. ​v​​ [− 4 ;  − 3] ​​ = ​ ___________
        ​ = ​ 0 − 1  ​ = − 1​
   
− 3 − ​(− 4)​ 1
A taxa média de variação da função no intervalo ​ [− 4 ;  − 3] ​ é ​− 1​ .

48.1.3 ​f ​(0)​ = − ​ __
1 ​ ​(​02​ ​ − 4)​ ​(0 − 3)​ = − 3​
4
3 ​​
​f ​(1)​ = − ​ __ 1 ​ ​(​12​ ​ − 4)​ ​(1 − 3)​ = − ​ __
4 2
3
__
− ​   ​ − ​(− 3)​
f ​(1)​ − f ​(0)​ ________
​t.m. ​v​ ​[0 ;  1] ​​ = ​ ________ 3 ​​
    = ​  2  
​   ​ = ​ __


1 − 0 1 2
​ 3 ​​.
A taxa média de variação da função no intervalo ​ [0 ;  1] ​ é __
2

48.1.4 ​f ​(2)​ = − ​ __
1 ​ ​(​22​ ​ − 4)​ ​(2 − 3)​ = 0​
4

​f ​(4)​ = − ​ __
1 ​ ​(​42​ ​ − 4)​ ​(4 − 3)​ = − 3​
4
f ​(4)​ − f ​(2)​ _____
= ​ − 3 − 0
​t.m. ​v​​ [2 ;  4] ​ ​ = ​ ________ 3 ​​
   ​       ​ = − ​ __

4 − 2 2 2
 3 ​​.
A taxa média de variação da função no intervalo ​ [2 ; 4] ​ é ​− ​__
2

48.2 ​f ​(- 3)​ = ​ __ ​  5 ​  × (​ − 3)​ + 3 = 0​


1 ​ ​(- 3)2​​​ ​ + __
2 3

​f ​(a)​ = ​ __ ​  5 ​  × a + 3 = __
1 ​ ​a​​  2​ + __ ​  5 ​  a + 3​
​ 1 ​ ​a​​  ​ + __
2

2 3 2 3
5 ​ a − 3 __ 5
0 − ​ __
1 ​ a​ 2​ − ​ __ ​ 1 ​ a​  ​ + ​ __ ​ a + 3
2
f ​(− 3)​ − f ​(a)​ ____________
_________ 2 2 __________
2 2
​t.m. ​v​​ [a ;  − 3] ​ ​ = ​        = ​   
​     = ​ 
​         
​​
− 3 − a − 3 − a 3 + a

5 ​ a + 3 5 ​ a + 3
​ __
1 ​ a​ 2​ + ​ __ ​ __
1 ​ a​ 2​ + ​ __
3 3 3 ​ = 0 ⇔​
​t.m. v​ ​ ​[a ;  − 3] ​​ = − ​ __ ​ ⇔ ​ __________
2 2
     ​ = − ​ __ ​ ⇔ ​ __________
  2 2
     ​ + ​ __

2 3 + a 2 3 + a 2
____________
− 8 ± ​√   ​ ​ − 4 × 1 × 15 ​
2
​a​  ​ + 8a + 15
2
  ​8   
​⇔ ​ _________     = 0 ⇔ a = ​ _______________
​          ∧ a ≠ − 3​
​  
3 + a 2 × 1

​⇔ ​(a = − 5 ∨ a = − 3)​ ∧ a ≠ − 3​
​⇔ a = − 5​
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

66
49
49.1 ​f ​(2)​ = ​2​ ​ − 2 × 2 + 1 = 1​
2

RESOLUÇÕES
​f ​(2 + h)​ = ​​(2 + h)​ ​ − 2 × ​(2 + h)​ + 1 = ​h​  ​ + 2h + 1​
2 2

f ​(2 + h)​ − f ​(2)​ ​h​  ​ + 2h + 1 − 1


2
​​f  ' ​ ​(2)​ = ​ lim​ ​ __________
​        = ​ lim​ ​ ___________
​   ​     ​ =​


h→0 h h→0 h

​h​  ​ + 2h
2
h ​(h + 2)​
= ​ lim​ ​ ______
​ ​      ​  = ​ lim​ ​ _______
​      ​ = ​ lim​ ​ ​(h + 2)​ = 2​

h→0 h h→0 h h→0

49.2 ​f ​(a)​ = ​a​  ​ − 2 × a + 1 = ​a​  ​ − 2a + 1​


2 2

​f ​(a + h)​ = ​​(a + h)​ ​ − 2 × ​(a + h)​ + 1 = ​h​  ​ + 2ah + ​a​  ​ − 2a − 2h + 1​


2 2 2

f ​(a + h)​ − f ​(a)​ ​h​  ​ + 2ah + ​a​  ​ − 2a − 2h + 1 − ​(​a​  ​ − 2a + 1)​


2 2 2
​​f  ' ​ ​(a)​ = ​ lim​ ​ ​ __________
      = ​ lim​ ​ _____________________________
​   ​     
      ​ =​
h→0 h h→0 h

​h​  ​ + 2ah − 2h
2
h ​(h + 2a − 2)​
​= ​ lim​ ​ __________
​     ​ = ​ lim​ ​ __________

  ​      ​   ​ lim​ ​ ​(h + 2a − 2)​ = 2a − 2​


h→0 h h→0 h h→0

Logo, ​​f  ' ​ ​(a)​ = 2a − 2 ,   ∀ a ∈ ​D​f​​

5   
50 ​g ​(a)​ = 1 − ​ _____  ​​
2a + 6

5    _________ 5   
​g ​(a + h)​ = 1 − ​ _________  ​ = 1 − ​   ​​
2 ​(a + h)​ + 6 2a + 2h + 6

2a + 2h + 6 ( 2a + 6 )
5 5   ​
1 − ​ _________ − ​ 1 − ​ _____
   ​    ​
g ​(a + h)​ − g ​(a)​
___________ _____________________
​​g ' ​ ​(a)​ = ​ lim​ ​ ​      = ​ lim​ ​ ​ 
​     
       ​ =​
h→0 h h→0 h
5 ​(2a + 2h + 6)​ − 5 ​(2a + 6)​
5   ​  ___________________
​  5   ​  
_____ − ​ _________ ​      
     ​
2a + 6 2a + 2h + 6
_______________ ​(2a + 6)​ ​(2a + 2h + 6)​
___________________
= ​ lim​ ​ ​   
​   ​ = ​ lim​ ​ ​ 
    
      ​ =​

h→0 h h→0 h

10h 10  10   ​​ 


​= ​ lim​ ​ _________________
​         ​ = ​ lim​ ​________________
​     ​ = ​ _______
h→0 h ​(2a + 6)​ (
​ 2a + 2h + 6)​ h→0 (​ 2a + 6)​ (​ 2a + 2h + 6)​ (​ 2a + 6)2​ ​

10   ​ 
Logo, ​​g ' ​ (​ a)​ = ​ _______ , com ​a ∈ ℝ ∧ a ≠ − 3​
(​ 2a + 6)​ ​
2

51
'
51.1 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(− 3x + 4) ​  ​  = − 3​

51.2 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(− 5 ​x​  ​ − 2x + 1)' ​ ​ = − 10x − 2​


2

51.3 ​f ' ​(x)​  = ​(​(− 2x + 2)​ ​(x + 1)​)​  '  = ​(− 2x + 2)​ ' ​(x + 1)​  + ​(− 2x + 2)​ ​(x + 1)​  '  =​ ​− 2 ​(x + 1)​ + ​(− 2x + 2)​ × 1 = − 4x​

51.4 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(​(2 ​x​  ​ + 1)​ ​) ​ ​ = 4 × ​​(2 ​x​  ​ + 1)​ ​ × ​​(2 ​x​  ​ + 1) ​ ​ = 16x (​ 2 ​x​  ​ + 1)​ ​​


2 4 ' 2 3 2 ' 2 3

' ​1 ' ​ × ​x​ 2​ − 1 × ​​(​x​ 2​)' ​​  _____


( ​x​  ​)
0 − 2x
51.5 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​ __
​ 12   ​  ​ ​ = ​ ________________
    ​  = ​  4   
  ​ = − ​ __
  2  ​ , x ≠ 0​
​(​x​  ​)​ ​
2 2 ​  
​ ​
3
x ​
x ​  ​

' '
​(− 5x − 2) ​ ​ × ​(x + 2)​ − ​(− 5x − 2)​ × ​​(x + 2) ​​ 
51.6 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(______ + ​x​  ​) ​ ​ = ​ ___________________________________
− 5x − 2 2 '
​     
​            ​  + 2x =​
​(x + 2)​ ​
2
x + 2

− 5 × ​(x + 2)​ − ​(− 5x − 2)​ × 1 − 8   ​  


= ​ _____________________
​  
       ​ + 2x = ​ ______ + 2x​
(​ x + 2)​ ​ ​(x + 2)​ ​
2 2
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

____
​) ' ​ ​ = ​​(​(x − 1)​​​2​) ​ ​  = ​ __
​ 1 ​ '
__ __
1
51.7 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(√
​  x − 1 
  1 ​ × ​​(x − 1)​ ​​​2 ​− 1​ × 1 = ​ _____1   ​  
____ ,  x > 1​
2 2 ​√
  x − 1 
  ​ 

67
 ​ ​ = ​​(​(x + 2)​​​ 2​) ​ ​  = − ​ __
'  1 ​ '
− ​__ __
 1 ​− 1

(√ )
51.8 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​ ____ 1   ​ 
​  ____ ​​​ 2 ​ × 1 = - ​ _______
1 ​ × ​​(x + 2)− ​ 1   ​  
______ =​
​  x + 2 
  ​  2 2 ​√
  ​(  x + 2)​ ​  
3
RESOLUÇÕES

= − ​ __________
​ 1   ____ ​  ,  x > − 2​
2 ​(x + 2)​ √
​  x + 2 
  ​ 
__
__ __
'
__
' ​ ___1 __ ​  × ​(x + 1)​ − ​(√   ​)  ​ × 1
​  x 
​(√   ​)   ​ ​ × ​(x + 1)​ − ​(√   ​)  ​ × ​​(x + 1) ​​  ________________
51.9 ​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(​    ​ 
x + 1 )
√   ​  ' ____________________________
​  x 
____ ​  x  ​  x  2 ​√
  x 
  ​ 
 ​ ​ = ​         ​  = ​   
      =​
​  
(​ x + 1)​ ​ (​ x + 1)​ ​
2 2

 ​_______
x + 1 − 2x
__    ​ 
2 ​√
_______   x 
  ​  1 − x
= ​ 
​     = ​ ________
​   __  2 ​  , x > 0​
(​ x + 1)​ ​ 2 ​√   ​  (x + 1)​ ​
2
  x 

52
'
52.1 ​​g ' ​ ​(x)​ = ​​(− ​​(x − 3)​ ​ + 3) ​ ​ = − 2 × ​(x − 3)​ × 1 = − 2x + 6​
2

Seja ​m​ o declive da reta ​t​.


​m = ​g ' ​ ​(4)​ = − 2 × 4 + 6 = − 2​
​α = t ​g​  ​ ​(− 2)​ + 180° ≈ 116,6°​
−1

A inclinação ​α,​ da reta ​t​, é , aproximadamente, ​116,6°​ .

52.2 Determinemos o ponto do gráfico de ordenada ​− 22​ e abcissa negativa.


​g ​(x)​ = − 22 ⇔ − ​​(x − 3)​ ​ + 3 = − 22 ⇔ ​​(x − 3)​ ​ = 25 ⇔ x − 3 = − 5 ∨ x − 3 = 5 ⇔​
2 2

​⇔ x = − 2 ∨ x = 8​

Como a abcissa é positiva, então, ​x = 8​


​r : y = mx + b​
​y = − 2x + b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(8 ;  − 22)​, vem
​− 22 = − 2 × 8 + b ⇔ b = − 6​

logo, ​y = − 2x − 6​ .

52.3 Determinemos as equações de cada uma das retas tangentes.


Reta ​t​:
​​g ' ​ ​(x)​ = ​​(− ​​(x − 3)​ ​ + 3)' ​ ​ = − 2 × ​(x − 3)​ × 1 = − 2x + 6​
2

Seja ​m​ o declive da reta ​t​.


​m = ​g ' ​ ​(4)​ = − 2 × 4 + 6 = − 2​
​g ​(4)​ = − ​​(4 − 3)​ ​ + 3 = 2​
2

O ponto de tangência é ​T​1​ ​(4 ; g ​(4)​)​ = ​(4 ; 2)​​


​t : y = mx + b​
​y = − 2x + b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(4 ; 2)​, vem
​2 = − 2 × 4 + b ⇔ b = 10​

logo, ​y = − 2x + 10​ .
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

68
Reta ​s​:
Seja ​m​ o declive da reta ​s​.

RESOLUÇÕES
​m = ​g ' ​ ​(1)​ = − 2 × 1 + 6 = 4​
​g ​(1)​ = − ​​(1 − 3)​ ​ + 3 = − 1​
2

O ponto de tangência é ​T​1​ ​(1 ; g ​(1)​)​ = ​(1 ;  − 1)​​


​s : y = mx + b​
​y = 4x + b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(1 ;  − 1)​, vem
​− 1 = 4 × 1 + b ⇔ b = − 5​

logo, ​y = 4x − 5​ .

Determinemos, agora as coordenadas do ponto ​I​:

⎧y = − 2x + 10
⎧ ⎧y = − 2x + 10
⎧ y = − 2x + 10
⇔ ​⎨​   ​ ​ ⇔ ​⎨​  ⇔ ​⎨​ 
y = − 2x + 10 ⎪

​⎨​ 

  ​     ​   ⇔​​​


15   ​  
___
⎩ y = 4x − 5 ⎩− 2x + 10 = 4x − 5

6x = 15 ⎩ x = ​  6 ​ 
⎪ ⎪

⎧ ⎧
⎪y = − 2x + 10
5
__
⎪y = − 2 × ​   ​ + 10 ⎧ y = 5
​⇔ ​⎨​  ⇔ ​⎨​  ⇔ ​⎨​  __ ​ , logo ​I ​(__
​ 5 ​ ; 5)​​
2 ⎪

5  ​     ​   5 
⎪ x = ​ __ ​ ⎪ 5
__ ⎩  
x = ​  
​ 2 ⎪

⎩ 2 ⎩ x = ​   ​
2
2

53
53.1 ​​g ' ​ (​ ​a​  ​)​ = − ∞​ e ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = − ∞​
− +

A função ​g​ não é diferenciável no ponto ​a​ .

53.2 ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = − ∞​ e ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = + ∞​


− +

A função ​g​ não é diferenciável no ponto ​a​ .

53.3 ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = + ∞​ e ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = − ∞​


− +

A função ​g​ não é diferenciável no ponto ​a​ .

53.4 ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = + ∞​ e ​​g ' ​ ​(​a​  ​)​ = + ∞​


− +

A função ​g​ não é diferenciável no ponto ​a​ .

54
54.1
____ __ ____ __
  ​)  ' ​ ​ = ​​((​ x + 1)​​​2 )​  ​ ​  − ​​(​x​​  2 )
​ 1 ​ '
__ ​ 1 ​ '
__
​​f  ' ​ (​ x)​ = ​​(√ ​  − ​√
​  x + 1 
    ​)  ' ​ ​ = ​​(√
  x  ​) ' ​ ​ − ​​(√
​  x + 1 
  ​  x  ​  ​ ​  =​

1 ​ (x + 1)__​ ​21 ​−1​ × 1 − ​ __
​= ​ __ 1 ​ x​ __​ 12 ​−1​ × 1 = ​ _____1   ​  
____ − ​ ___
1 __ ​  
,  x > 0​
2 2 2 ​√ ​  2 ​√
  x + 1 
    x 
  ​ 

54.2 __ __
_____ 1 ___1 ___1 __
1 √ 

__ 2 
   
​ __
1 √ 
​   ​  − 2
2 
____
​m = ​f  ' ​ ​(1)​ = ​  ____    ​   − ​   __ ​  = ​   __ ​  − ​   ​ = ​     ​ − ​   ​ = ​      ​​ 
2 ​√
  1 + 1 
  ​  2 ​√
  1    ​  2 ​√   ​  2
  2  4 2 4
____ __ __
​f ​(1)​ = ​√  1 + 1 
  ​  − ​√   ​  = ​√
  1    ​  − 1​
  2 
__
O ponto de tangência é ​T​1​ (​ 1 ; f ​(1))​ ​ = ​(1 ; ​√   ​  − 1)​​
  2 
​t : y = mx + b​
__
√   ​  − 2
​  2  __
​y = ​  ____     ​  x + b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(1 ;  ​√   ​  − 1)​, vem
  2 
4
__ __
__ √
​  2    ​  − 2 __ __ __ 3 ​√   ​  − 2
  2 
√​  2   ​  − 1 = ​ ____    ​  × 1 + b ⇔ 4b = 4 ​√   ​  − 4 + 2 − ​√
  2    ​  ⇔ 4b = 3 ​√
  2    ​  − 2 ⇔ b = ​ _____
  2       
​​
4 4
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

__ __
√​  2 
____   ​  − 2 3 ​√   ​  − 2
  2 
_____
logo, ​y = ​      ​  x + ​       
​​.
4 4

69
54.3
__
√   ​  − 2
​  2 
____
RESOLUÇÕES

​m = ​     ​​ 
4
____ __
​f ​(0)​ = ​√
  0 + 1 
  ​  − ​√   ​  = 1​
  0 

​T​1​ ​(0 ;  f ​(0)​)​ = ​(0 ;  1)​​

​r : y = mx + b​
__
√   ​  − 2
​  2 
____
​y = ​      ​  x + 1​, dado que a reta passa pelo ponto ​T ​(0 ;  1)​​.
4
__
A inclinação da reta ​r​ é igual a ​α = ta ​n​  ​ ​(​ 
4 )
−1 √   ​  − 2
​  2 
____     ​ ​ + 180° ≈ 171,67°​ .

55
55.1 Determinemos ​​f  ' ​​, para ​x < 0​ :

'
​​f  ' ​ ​(x)​ = ​​(____ )
​  1   ​  ​ ​ = − ​ ______
1   ​​ 
​(x − 3)​ ​
2
x − 3

​m = ​f  ' ​ ​(− 2)​ = − ​ _______
1     ​ = − ​ ___
1   ​​
(​ − 2 − 3)​ ​ 25
2

​f ​(− 2)​ = ​ _____ = − ​ __
1   ​   1 ​​
− 2 − 3 5

O ponto de tangência é ​T1​ ​ ​(− 2 ;  f ​(− 2)​)​ = ​(− 2 ;  − ​__


 1 ​)​​
5
​t : y = mx + b​
​y = − ​ ___ (  1 ​)​, vem
1   ​ x + b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​ − 2 ;  − ​__
25 5

​− ​__
 1 ​ = − ​ ___
1   ​ × ​(− 2)​ + b ⇔ 25b = − 5 − 2 ⇔ b = − ​ ___
7   ​​
5 25 25
logo, ​y = − ​ ___ 1   ​ x − ​ ___
7   ​​
25 25
ou seja, ​x + 25y + 7 = 0​ .

55.2 __
__ __
'
__
' ​ ___1 __ ​  × ​(x + 1)​ − ​√
  x 
  ​ 
​(√   ​)   ​ ​ × ​(x + 1)​ − ​√
f​​  ' ​ ​(x)​ = ​​(​    ​ 
x + 1 )
√   ​  ' __________________________
​  x 
____ ​  x    ​  × ​​(x + 1) ​​  ____________
  x  2 ​√
  x 
  ​  1 − x
​ = ​ ________ = ​ ________
x + 1 − 2x
__ __
 ​ ​ = ​         ​  = ​            ​    2 ​​ 
​(x + 1)​ ​ ​(x + 1)​ ​   ​  (x + 1)​ ​ 2 ​√   ​  (x + 1)​ ​
2 2 2
2 ​√
  x    x 
3   
​m = ​g ' ​ (​ 4)​ = ​ ________
1 − 4
__  2 ​   = − ​ ____  ​​
√   ​  (4 + 1)​ ​
2 ​  4  100
__
Um ponto da reta é ​A ​(− 1 ; ​√   ​)  ​​
  3 
​s : y = mx + b​
__
3
​y = − ​ ____ ​ x + b​, como a reta passa pelo ponto ​A ​(− 1 ;  ​√
       ​)  ​, vem
  3 
100
__ __
3    (− 1)​ + b ⇔ b = ​√ 3   
√   ​  = − ​ ____
​  3   ​ × ​   ​  − ​ ____
  3   ​​
100 100
__
  3    
3   
logo, ​y = − ​____ ​ x + ​√   ​  − ​ ____
  3   ​​.
100 100
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

70
55.3 Calculando as derivadas laterais em relação ao ponto ​0​.
Teremos de calcular, pela definição, ​​f  ' ​ (​ ​0​ ​)​ e ​​f  ' ​ (​ ​0​ ​)​​
− +

RESOLUÇÕES
• ​​f  ' ​ (​ ​0​ ​)​​

​f ​(0)​ = 0​

​f ​(0 + h)​ = ​ ____
1   ​​ 
h − 3

____
​  1   ​  
− 0
f ​(0 + h)​ − f ​(0)​
__________ _______ = ​ lim​ ​ _______
​  1   ​   = ​ ___
1  ​ = + ∞​
h − 3
f​​   ' ​ ​(​0​ ​)​ = ​ lim​ ​ ​ 

      = ​ lim​ ​ ​ 
​       ​  
h h h→​0​ ​ h ​(h − 3)​ ​0+ ​​
− − −
h→​0​ ​ h→​0​ ​

• ​​f  ' ​ ​(​0​ ​)​​
+

​f ​(0)​ = 0​
__
  ​ 
​  h  √
​f ​(0 + h)​ = ​ ____  ​​ 
h + 1
__ __
√   ​ 
​  h  √__   ​ 
​  h 
____

​    

​ __ ​  __  ​
( ) ( )
f ​ 0 + h ​ − f ​ 0 ​ √   ​ 
​  h  √ ​  h 
  ​ 
f​​   ' ​ ​(​0​ ​)​ = ​ lim​ ​ __________ = ​ lim​ ​ ______  = ​ lim​ ​ _____ = ​ lim​ ​ _____
+ h + 1
​       
​   ​   ​     ​  2   ​   ​  2    ​   =​
h h h→​0​ ​ ​h​  ​ + h h→​0​ ​ __ ​h​ __​ __ h__
+ + + +
h→​0​ ​ h→​0​ ​
​    ​  + ​     ​ 
√​  h    ​  √ ​  h 
  ​ 

​= ​ lim​ ​ ______
​  ___ 1  ___ ​   = ​ _______________
  ________1 _______ ​ = ​ ___ 1  ​ = + ∞​

√ √ √ lim​ ​ ​(​h​  ​)​   
+
h→​0​ ​ ​h​ 4​
  ​ lim​ ​ (​ h)​   ​0​ ​
+ ​√
2 3
​h​  ​
​  ​ __ ​ ​  + ​  ​ __ ​ ​  ​  ​ h→​
+

+ +
h h 0​ ​ h→​0​ ​

Como ​​f  ' ​ ​(​0​ ​)​ = ​f  ' ​ ​(​0​ ​)​ = + ∞​, logo ​​f  ' ​ ​(0)​ = + ∞​ .


+ −

Como ​​f  ' ​ (​ 0)​ não é finita, então a função ​f​ não é diferenciável para ​x = 0​ .

56
56.1 Determinemos os zeros da função:

​ 1 ​ ​(​x​  ​ − 1)​ ​(x − 3)​ = 0 ∧ x < 4 ] ​ ∨ ​ [___
​h ​(x)​ = 0 ⇔ ​ [__ ​ 15 ​  (​ x − 5)​ ​ = 0 ∧ x ≥ 4] ​ ⇔​
2 2

2 2

​⇔ ​ [​(​x​  ​ − 1 = 0  ∨ x − 3 = 0)​ ∧ x < 4 ] ​ ∨ ​ [x − 5 = 0 ∧ x ≥ 4] ​ ⇔​
2

​⇔ ​ [​(x = − 1 ∨ x = 1  ∨ x = 3)​ ∧ x < 4 ] ​ ∨ ​ [x = 5 ∧ x ≥ 4] ​ ⇔​

​⇔ x = − 1 ∨ x = 1  ∨ x = 3 ∨ x = 5​

Os valores de ​a , b , c​ e ​d​, são, respetivamente, ​− 1 ,  1 ,  3  e  5​ .


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

71
56.2
Teremos de calcular, pela definição, ​​f  ' ​ (​ ​4​ ​)​ e ​​f  ' ​ (​ ​4​ ​)​​.
− +
RESOLUÇÕES

• ​​f  ' ​ (​ ​4​ ​)​​


15 
​f ​(4)​ = ​ ___ ​​
2
( )
23  ___
​f ​(4 + h)​ = ​ __
1 ​ ​ ​(4 + h)2​ ​ − 1 ​ ​(4 + h − 3)​ = ​ __
1 ​ ​(​h​ 2​ + 8h + 15)​ ​(h + 1)​ =​ ​​ __
1 ​ h​ 3​ + ​ __
9 ​ h​ 2​ + ​ ___ ​ h + ​ 15 ​ ​
2 2 2 2 2 2
23  ___
 ​ h + ​ 15 ​  − ​ ___
__
​ 1 ​ h​  ​ + ​ __
3 9 ​ h​ 2​ + ​ ___ 15 ​ 
f ​(4 + h)​ − f ​(4)​
__________ ____________________
2 2 2 2
f​​   ' ​ (​ ​4​ ​)​ = ​ lim​ ​ ​    2 

      = ​ lim​ ​ ​ 
​    
     ​ =​

h→​0​ ​ h h→​0​ ​

h

h ​(__
2)
23  ​
​ 1 ​ h​  ​ + ​ __
9 ​ h + ​ ___
2
 ​
​ = ​ lim​ ​ ​(__
2) 2
2 2 23  ​ = ​ ___
23 
= ​ lim​ ​ ______________ ​ 1 ​ h​  ​ + ​ __
9 ​ h + ​ ___
2
​ ​         ​  ​​
h h→​0​ ​ 2 2
− −
h→​0​ ​

• ​​f  ' ​ ​(​4​ ​)​​
+

15 
f​  ​(4)​ = ​ ___ ​​
2
15 15 15 2 15
​f ​(4 + h)​ = ​ ___ ​  (​ 4 + h − 5)​ ​ = ​ ___ ​  (​ h − 1)​ ​ = ​ ___ ​  ​h​  ​ − 15h + ​ ___ ​ ​
2 2

2 2 2 2

​ 15 ​  ​h​  ​ − 15h + ​ ___
15  ___
___  ​ − ​ 15 ​ 
2
f ​(4 + h)​ − f ​(4)​
f​​   ' ​ (​ ​4​ ​)​ = ​ lim​ ​ ​ 
__________ ________________
2 2 2 ​  
+
      = ​ lim​ ​ ​   
​     =​
+
h→​0​ ​ h h→​0​ ​
+
h

​ 15 ​  ​h​  ​ − 15h
___ 2
h ​(___
​ 15 ​  h − 15)​
​ = ​ lim​ ​ ​(___
​ 15 ​  h − 15)​ = − 15​
_________
2 2
__________
​= ​ lim​ ​ ​      = ​ lim​ ​ ​ 
​       

h h h→​0​ ​ 2
+ + +
h→​0​ ​ h→​0​ ​

Como ​​f  ' ​ ​(​4​ ​)​ ≠ ​f  ' ​ ​(​4​ ​)​, logo, não existe ​​f  ' ​ (​ 4)​​.


+ −

Como ​​f  ' ​ ​(4)​ não existe, então a função ​f​ não é diferenciável para ​x = 4​ .

56.3
23 
​m = ​g ' ​ ​(​4​ ​)​ = ​ ___

 ​​
2
15
​g ​(4)​ = ​ ___ ​ ​
2
Um ponto da reta é ​A ​(4 ;  ​ ___ ​ )​​
15
2
​t1​ ​ : y = mx + b​

 ​  x + b​, como a reta passa pelo ponto ​A ​(4 ;  ​ ___ ​ )​, vem


23 15
​y = ​ ___
2 2
15 ___
​ ___ ​  = ​ 23 ​  × 4 + b ⇔ b = − ​ ___
77 ​ ​
2 2 2
23  ___
logo, ​y = ​ ___
 ​ x − ​ 77 ​ ​
2 2

​m = ​g ' ​ ​(​4​ ​)​ = − 15​
+

15
​g ​(4)​ = ​ ___ ​ ​ .
2

Um ponto da reta é ​A ​(4 ; ​ ___ ​ )​​


15
2
​t1​ ​ : y = mx + b​
​y = − 15x + b​, como a reta passa pelo ponto ​A ​(4 ;  ​ ___ ​ )​, vem
15
2
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

15
___ 135
____
​   ​  = − 15 × 4 + b ⇔ b = ​      ​​
2 2
135
____
logo, ​y = − 15x + ​      ​​.
2

72
56.4 Já vimos que a função não é diferenciável para ​x = 4​. Vejamos no resto do domínio.
​x < 4​

RESOLUÇÕES
' 1
​​h ' ​ ​(x)​ = ​​(__​ 1 ​ ​(​x​  ​ − 1)​ ​(x − 3)​) ​ ​ = ​ __ ​ × ​  [​(​x​  ​ − 1)' ​ ​ ​(x − 3)​ + ​(​x​  ​ − 1)​ ​(x − 3)' ​]​   ​ =​
2 2 2

2 2
[ ]
3 ​ x​ 2​ − 3x − ​ __
​= ​ __
1 ​ × ​  2x ​(x − 3)​ + ​(​x​ 2​ − 1)​ × 1  ​ = ​ __ 1 ​​
2 2 2

​x > 4​

​​h ' ​ (​ x)​ = ​​(___
​ 15 ​  (​ x − 5)​ ​) ​ ​ = ​ ___
2 ' 15 
 ​ × 2 × ​(x − 5)​ × 1 = 15x − 75​
2 2

Então, a função derivada de ​h ​ é definida por:

⎧__
​ 3 ​ x​  ​ − 3x − ​ __
1 ​    se   x < 4
2
​​h ' ​ ​(x)​ = ​⎨​ 2  

2  ​​
⎩ 15x − 75          se   x > 4

57
57.1 Determinemos os zeros de ​​g ' ​ ​(x)​​:
​​g ' ​ (​ x)​ = ​(2 ​x​  ​ + 4x + 2)​ = 4x + 4​
2

​​g ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ 4x + 4 = 0  ⇔ x = − 1​

O ponto de tangência tem abcissa ​− 1​


​g ​(− 1)​ = 2 ​(− 1)​ ​ + 4 × ​(− 1)​ + 5 = 3​
2

O ponto de tangência tem coordenadas ​T ​(− 1 ;  3)​​

Então, ​mt​​ = 0​
​t : y = mx + b​
​y = b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(− 1 ;  3)​, vem logo, ​y = 3​ .

57.2
57.2.1
​​g ' ​ ​(x)​ = 4x + 4​
Procuremos os zeros de ​​g ' ​ ​(x)​​
​​g ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ 4x + 4 = 0 ⇔ x = − 1​

Estudemos o sinal de ​​g ' ​ ​(x)​​


​​g ' ​ ​(x)​ > 0 ⇔ 4x + 4 > 0 ⇔ x > − 1​
​​g ' ​ ​(x)​ < 0 ⇔ 4x + 4 < 0 ⇔ x < − 1​

Elaboremos um quadro

​x​ ​- ∞​ ​- 1​ ​+ ∞​
​​g  ' ​ ​(x)​ ​-​ 0 ​+​
​g ​(x)​ ↘ ​3​ ↗

​g ​(− 1)​ = 2 ​(− 1)​ ​ + 4 × ​(− 1)​ + 5 = 3​
2

A função é estritamente decrescente em ​ ] − ∞ ;  − 1 [ ​ e é estritamente crescente em ​ ] − 1 ,  + ∞ [ ​​.

57.2.2 A função atinge o valor mínimo absoluto ​3​ para ​x = − 1​ .


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

73
57.2.3
Calculemos a função segunda derivada de ​g​
RESOLUÇÕES

​​g " ​ (​ x)​ = ​​(4x + 4)' ​ ​ = 4​

Procuremos os zeros de ​​g " ​ ​(x)​​


​​g ' ​ ​(x)​ = 0​, equação impossível. Não existem zeros de ​​g " ​ ​(x)​​.

Estudemos o sinal de ​​g ' ​ (​ x)​​


​​g " ​ ​(x)​ > 0 ,  ∀ x ∈ ​D​g​​

Logo, o gráfico da função tem a concavidade voltada para cima em todo o seu domínio. Não existem pontos de
inflexão.

58
58.1
Determinemos os zeros de ​​h ' ​ ​(x)​​

​​h ' ​ ​(x)​ = ​(− ​__
 1 ​ x​  ​ + ​ __ )
1 ​ x​ 2​ + 2x − 1 ​ = − ​x​ 2​ + x + 2​
3

3 2
_____________
− 1 ± ​ √
    ​ ​ − 4 × ​(− 1)​ × 2 ​
​1
  
2

​​h ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − ​x​  ​ + x + 2  ⇔ x = ​ _________________ ​ ⇔​


2
       
2 × ​(− 1)​
− 1 ± 3
​⇔ x = ​ _____ ​ ⇔ x = − 1 ∨ x = 2​
   

− 2

Os pontos de tangência têm abcissas ​− 1​ e ​ 2​

​h ​(− 1)​ = − ​ __
1 ​ × ​​(− 1)3​ ​ + ​ __ 13 
1 ​ × ​​(− 1)2​ ​ + 2 × ​(− 1)​ − 1 = − ​ ___
 ​​
3 2 6

​h ​(2)​ = − ​ __
1 ​ × ​2​3​ + ​ __
1 ​ × ​2​2​ + 2 × 2 − 1 = ​ __
7 ​​
3 2 3

• O ponto de tangência tem coordenadas ​T ​(− 1 ;  − ​___


 13 ​ )​​
6
Como, ​m​t​ = 0​
​t2 : y = mx + b​
​y = b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(− 1 ;  − ​___
 13 ​ )​, vem logo, ​y = − ​ ___
13 
 ​​.
6 6

• O ponto de tangência tem coordenadas ​T ​(2 ;  ​ __


3)
7 ​ ​​

Como, ​m​t​ = 0​
​t1 : y = mx + b​
​y = b​, como a reta passa pelo ponto ​T ​(2 ;  ​ __
3)
7 ​ ​, vem logo, ​y = ​ __
7 ​​.
3

58.2
​​h ' ​ ​(x)​ = − ​x​  ​ + x + 2​
2

Procuremos os zeros de ​​h ' ​ ​(x)​​


​​h ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ x = − 1 ∨ x = 2​
Elaboremos um quadro para a função derivada

​x​ ​- ∞​ ​- 1​ ​2​ ​+ ∞​
​​h  ' ​ (​ x)​ ​-​ ​0​ ​+​ 0 ​-​
13 
​h ​(x)​ ↘ ​- ​ __  ​​ ↗ ​​ __
7  ​​ ↘
6 3
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

​h ​(− 1)​  = − ​ __
1  ​  × ​​(− 1)3​​​ ​  + ​ __ 13 
1  ​  × ​​(− 1)2​​​ ​  + 2 × ​(− 1)​  − 1 = − ​ ___
 ​​
3 2 6
​h ​(2)​ = − ​ __
1 ​ × ​2​3​ + ​ __
1 ​ × ​2​2​ + 2 × 2 − 1 = ​ __ 7 ​​
3 2 3
74
A função é estritamente decrescente em  ​] − ∞ ;  − 1 [ ​ e em ​ ] 2 ;  + ∞ [ ​ e é estritamente crescente em ​ ] − 1 ,  2 [ ​​.
13 
Atinge o valor mínimo relativo ​− ​ ___ ​​ para ​x = − 1​ e atinge o valor máximo relativo ​ __
7 ​ para ​x = 2​.

RESOLUÇÕES
6 3

58.3 Calculemos a função segunda derivada de ​h​


​h" ​(x)​ = ​(− ​x​  ​ + x + 2)​'  = − 2x + 1​
2

Procuremos os zeros de ​h" ​(x)​​


​h" ​(x)​ = 0 ⇔ − 2x + 1 = 0 ⇔ x = ​ __
1 ​​
2
Sinal de ​h" ​(x)​​
​h" ​(x)​ > 0 ⇔ − 2x + 1 > 0 ⇔ x < ​ __
1 ​​
2

​h" ​(x)​  < 0 ⇔ − 2x + 1 < 0 ⇔ x > ​ __
1  ​​
2

Elaboremos um quadro para a função derivada

​x​ ​- ∞​ __
​​  1 ​​  ​+ ∞​
2
​​h " ​ ​(x)​ ​+​ ​0​ ​-​

​h ​(x)​ ∪ ​- __
​  1  ​​  ∩
12

​h ​(__
​ 1 ​)​ = − ​ __
3 (2) 2 (2)
3 2
1 ​ × ​​ __
​ 1 ​ ​ ​ + ​ __
1 ​ × ​​ __
​ 1 ​ ​ ​ + 2 × ​ __
1 ​ − 1 = ​ ___
1   ​​
2 2 12

O gráfico da função tem a concavidade voltada para baixo em ​​  ] ​ __ [


1 ​  ;   + ∞   ​​ e tem a concavidade voltada para cima
2
em ​​  ] − ∞  ;  ​ __
2[ (​  2 ​  ;   − ​  12  ​ )​​ .
1  ​   ​​. Existe um ponto de inflexão do gráfico, é o ponto de coordenadas ​​ __
1 ___
1

59
59.1
f ​(x)​ = − ​x​  ​ + x − 1​
3
(i) ​

Calculemos ​​f  ' ​ ​(x)​​
'
​​f  ' ​ (​ x)​ = ​​(− ​x​  ​ + x − 1) ​ ​ = − 3 ​x​  ​ + 1​
3 2

Procuremos os zeros de ​​f  ' ​ ​(x)​​


__ __
​  3 
  ​  ​  3 
  ​  √ √
​​f  ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − 3 ​x​  ​ + 1 = 0 ⇔ ​x​  ​ = ​ __
1 ​ ⇔ x = − ​__
     ​ ∨ x = ​ __   ​​
2 2

3 3 3
Estudemos o sinal de ​​g ' ​ (​ x)​​.
__ __

​     ​
3

_________ √
​     ​
3

_________
​x​ ​- ∞​ ​- ​   ​​  ​- ​   ​​  ​+ ∞​
3 3
​​f  ' ​ (​ x)​ ​-​ 0 ​+​ 0 ​-​
__ __
9 + 2​ √3
________  
 ​
  - 9 + 2​ √ 
________  ​
3

​f ​(x)​ ↘ -
​ ​   ​​    ↗ ​​   ​​    ↘
9 9
__ __ __ __
​f ​(− ​     )
​ ​ = − ​​(- ​     )
​ ​ ​ + ​(- ​     )
3

​  3 
__   ​  √
​  3 
__   ​  √
9 + 2 ​√
​  3 
__   ​ 
______   3 
  ​ 
​ ​ − 1 = - ​       
​​
3 3 3 9
__ __ __ __
​f ​(− ​     )
​ ​ = − ​​(​     )
​ ​ ​ + ​(​     )
3

​  3 
__   ​  √
​  3 
__   ​  √ − 9 + 2 ​√
​  3 
__   ​ 
______   3 
  ​ 
​ ​ − 1 = ​     

​​
3 3 3 9
__ __
A função ​f​ é estritamente decrescente em ​​ ] − ∞ ;  − ​     ​ [ ​​ e em ​​ ] ​    ​ ;  + ∞ [ ​​ e é estritamente crescente

​  3 
__   ​  √
​  3 
__   ​ 
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

__ __ 3 3
em ​ ] − ​__      ​ [ ​.
√​  3  √
  ​  ​  3 
  ​ 
     ​ ; ​__
3 3
75
__ __ __
− 9 + 2 ​√
______   3 
  ​  √​  3 
__   ​  9 + 2 ​√
_____   3 
  ​ 
A função atinge o valor máximo (relativo) ​    ​, para x​  = ​     ​ e atinge o valor mínimo (relativo) ​− ​ 

       
​​,
__ 9 3 9

RESOLUÇÕES

​  3 
  ​ 
para ​x = − ​__
     ​.
3

(ii)
​g ​(x)​ = − ​ __
1 ​ x​ 4​ + ​ __
1 ​ x​ 3​ + 2​
4 3

Calculemos ​​g ' ​ ​(x)​​

​​g ' ​ ​(x)​ = ​​(− ​__ 1 ​ x​ 3​ + 2 ' ​ ​ = − ​x​ 3​ + ​x​ 2​​


 1 ​ x​  ​ + ​ __ )
4

4 3

Procuremos os zeros de ​​g ' ​ ​(x)​​


​​g ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − ​x​  ​ + ​x​  ​ = 0 ⇔ ​x​  ​ ​(− x + 1)​ ⇔ x = 0 ∨ x = 1​
3 2 2

Estudemos o sinal de ​​g ' ​ ​(x)​​.

​x​ ​- ∞​ 0 1 ​+ ∞​
​+​ ​+​ ​+​
2
​​x​​  ​​ 0 0
​− x + 1​ ​+​ ​+​ ​+​ 0 ​-​
​​g  ' ​ ​(x)​ ​+​ 0 ​+​ 0 ​-​
25 
​g ​(x)​ ↗ 2 ↗ ​​ ___ ​​ ↘
12

​g ​(0)​ = - __
​  1 ​  × ​0​​ ​ + __
​  1 ​  × ​0​​ ​ + 2 = 2​
4 3

4 3

​g ​(1)​ = - __
​  1 ​  × ​1​​ ​ + __ ​  25  ​​
​  1 ​  × ​1​​ ​ + 2 = ___
4 3

4 3 12

A função ​g​ é estritamente crescente em ​ ] − ∞ ;  1 [ ​ e é estritamente decrescente ​ ] 1 ;  + ∞ [ ​. A função atinge o
​ 25  ​, para ​x = 1​.
valor máximo absoluto ___
12

1+x
(iii) ​h ​(x)​= _____
​    ​, ​x ≠ 1​
 ​ 
1-x
' '
​(1 + x) ​ ​ × ​(1 − x)​ − ​(1 + x)​ × ​​(1 − x) ​​ 
​​h ' ​ ​(x)​ = ​​(____
1 − x )
1 + x ' ______________________________
​   
 ​  ​

​ = ​          ​  =​
​(1 − x)​ ​
2

1 × ​(1 − x)​ − ​(1 + x)​ × ​(− 1)​ ______
​= ​____________________
   
       ​ = ​  2  2 ​​ 
(​ 1 − x)​ ​ ​(1 − x)​ ​
2

Calcular os zeros da função derivada

​​h ' ​ (​ x)​ = 0 ⇔ ​ ______
2     ​ = 0​, equação impossível.
(​ 1 − x)​ ​
2

Fazendo o quadro de variação da função.

​x​ ​- ∞​ ​1​ ​+ ∞​
​​h ' ​ (​ x)​ ​+​ n.d. ​+​
​h ​(x)​ ↗ n.d. ↗

A função ​h​ é estritamente crescente em ​ ] − ∞ ;  1 [ ​ e em ​ ] 1 ;  + ∞ [ ​.


EXMAT11 © RAIZ EDITORA

A função não tem extremos.

76
2 ' '
​(− ​x​  ​) ​ ​ × ​(2x − 1)​ − ​(− ​x​  ​)​ × ​​(2x − 1) ​​ 
i' (​ x)​ = ​​(− ​_____
2x − 1 )
​x​  ​ ' ________________________________
2 2
(iv) ​      ​  ​


​ = ​          ​  =​
​(2x − 1)​ ​
2

RESOLUÇÕES
​(− 2x)​ × ​(2x − 1)​ − ​(− ​x​  ​)​ × 2 ________
2
− 2 ​x​  ​ + 2x
2
​= ​ _____________________
  
        
​= ​
    
​​
(​ 2x − 1)​ ​ ​(2x − 1)​ ​
2 2

Calcular os zeros da função derivada:


− 2 ​x​  ​ + 2x
2
​​i ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ ​ ________ ​ = 0 ⇔ − 2 ​x​  ​ + 2x = 0 ∧ x ≠ ​ __
1 ​ ⇔​
2
  
(​ 2x − 1)​ ​ 2
2

​⇔ 2x ​(− x + 1)​ = 0 ∧ x ≠ ​ __
1 ​ ⇔​
2

​⇔ ​(x = 0 ∨ x = 1)​ ∧ x ≠ ​ __
1 ​​
2

Elaboremos um quadro de sinal para a função derivada.

​x​ ​- ∞​ 0 __
​​  1 ​​  ​- 1​ ​+ ∞​
2
​- ​2x​​  ​ + 2x​ ​-​ ​+​ ​+​ ​+​ ​-​
2
0 0
​​​(2x - 1)​​​ ​​
2
​+​ ​+​ ​+​ 0 ​+​ ​+​ ​+​
​​i ' ​ ​(x)​ ​-​ 0 ​+​ n.d. ​+​ 0 ​-​

Fazendo o quadro de variação da função.

​x​ ​- ∞​ 0 __
​​  1 ​​  ​1​ ​+ ∞​
2
​​i ' ​ ​(x)​ ​-​ 0 ​+​ n.d. ​+​ 0 ​-​
​i ​(x)​ ↘ 0 ↗ n.d. ↗ ​- 1​ ↘

2
​0​ ​   ​  
​i ​(0)​ = − ​ _______ = 0​
2 × 1 − 1
2
​i ​(1)​ = − ​ _______
​1​ ​   ​  
= − 1​
2 × 1 − 1

​ ​ é estritamente decrescente em ​ ] − ∞ ;  0 [ ​ e em ​ ] 1 ;  + ∞ [ ​ e é estritamente crescente em ​ ] 0 ;  ​ __


2[
A função h 1 ​  ​ e

​1 ​ ; 1 [ ​.
em ​ ] __
2

A função atinge o valor máximo (relativo) ​− 1​, para ​x = 1​ e atinge o valor mínimo (relativo) ​0​, para ​x = 0​.

59.2
f ​(x)​ = − ​x​  ​ + x − 1​
3
(i) ​

Calculemos ​​f  " ​ ​(x)​​
'
​​f  " ​ ​(x)​ = ​​(− 3 ​x​  ​ + 1) ​ ​ = − 6x​
2

Procuremos os zeros de ​​f  " ​ ​(x)​​


​​f  " ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − 6x = 0 ⇔ x = 0​

Estudemos o sinal de ​​f  " ​ ​(x)​​.

​x​ ​- ∞​ ​0​ ​+ ∞​
​​f  " ​ (​ x)​ ​+​ 0 ​-​
​f ​(x)​ ∪ ​- 1​ ∩
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

​f ​(0)​ = − ​0​ ​ + 0 − 1 = − 1​
3

77
O gráfico da função tem a concavidade voltada para cima em ​ ] − ∞ ;  0 [ ​ e tem a concavidade voltada para baixo
em ​ ] 0 ;  + ∞ [ ​. Há um ponto de inflexão no gráfico, a saber: ​A ​(0 ;  − 1)​  ​
RESOLUÇÕES

g ​(x)​ = − ​ __
(ii) ​ 1 ​ x​ 4​ + ​ __
1 ​ x​ 3​ + 2​
4 3

Calculemos ​​g " ​ ​(x)​​

​​g " ​ ​(x)​ = ​​(− ​x​  ​ + ​x​  ​)' ​ ​ = − 3 ​x​  ​ + 2x​


3 2 2

Procuremos os zeros de ​​g " ​ ​(x)​​


​​g " ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − 3 ​x​  ​ + 2x = 0 ⇔ x ​(− 3x + 2)​ ⇔ x = 0 ∨ x = ​ __
2 ​​
2

Estudemos o sinal de ​​g " ​ (​ x)​​.

​x​ ​- ∞​ 0 __
​​  2 ​​  ​+ ∞​
3
​​g  " ​ ​(x)​ ​-​ 0 ​+​ 0 ​-​

​g ​(x)​ ∩ 2 ∪ ​​  166 ​​ 


___ ∩
81

​g ​(0)​ = − ​ __
1 ​ × ​0​4​ + ​ __
1 ​ × ​0​3​ + 2 = 2​
4 3

​g ​(​ __
3) 4 (3) 3 (3)
4 3
2 ​ ​ = − ​ __ ​ 2 ​ ​ ​ + ​ __
1 ​ × ​​ __ 1 ​ × ​​ __ 166 ​ ​
​ 2 ​ ​ ​ + 2 = ​ ____
81

O gráfico da função tem a concavidade voltada para baixo em ​ ] − ∞ ;  0 [ ​ e em ​ ] __ ​2 ​ ;  + ∞ [ ​, e tem a concavidade
3
voltada para cima em ​ ] 0 ;  ​   ​[ ​. Há dois pontos de inflexão no gráfico, a saber: ​A ​(0 ;  2)​  ​ e ​B ​(__
3 81 )
__
2  166 ​  ​​.
​ 2 ​ ;  ​____
3

1 + x
h ​(x)​ = ​ ____ 
(iii) ​  ​  
,  x ≠ 1​
1 − x

Calculemos ​​h " ​ ​(x)​​
2 '
​2 ' ​ × ​​(1 − x)​ ​ − 2 × ​​((​ 1 − x)​ ​) ​​ 
2
' _________________________
( ​(1 − x)​ ​)
​​h ' ​ ​(x)​ = ​​ ______
​  2  2 ​   ​ ​ = ​         ​  =​
​(​(1 − x)​ ​)​ ​
2 2

0 + 2 × 2 × ​(1 − x)​ ______
​= ​______________
  
      ​ = ​  4  3 ​​ 

(​ 1 − x)​ ​ (​ 1 − x)​ ​
4

Procuremos os zeros de ​​h " ​ ​(x)​​

​​h " ​ ​(x)​ = 0 ⇔ ​ ______
4   ​   = 0 ,​ equação impossível.
(​ 1 − x)​ ​
3

Estudemos o sinal de ​​h " ​ ​(x)​​.

​x​ ​- ∞​ ​1​ ​+ ∞​
​​h " ​ ​(x)​ ​+​ n.d. ​-​
​h ​(x)​ ∪ n.d. ∩
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

O gráfico da função tem a concavidade voltada para cima em ​ ] − ∞ ;  1 [ ​ e tem a concavidade voltada para baixo
em ​ ] 1 ;  + ∞ [ ​; não há pontos de inflexão no gráfico.

78
2
​x​  ​
i ​(x)​ = − ​ _____
(iv) ​ ,  x ≠ ​ __
   ​   1 ​​
2x − 1 2

RESOLUÇÕES
Calculemos ​​i " ​ (​ x)​​
' 2 '
​(− 2 ​x​  ​ + 2x) ​ ​ × ​​(2x − 1)​ ​ − ​(− 2 ​x​  ​ + 2x)​ × ​​(​(2x − 1)​ ​) ​​ 
( (​ 2x − 1)2​ ​ )
2 2 2
− 2 

2

​  

________
x + 2x ' _____________________________________________
​​i " ​ ​(x)​ = ​​ ​    ​  ​ ​ = ​            ​  =​
​(​(2x − 1)​ ​)​ ​
2 2

​(− 4x + 2)​ × ​​(2x − 1)​ ​ − ​(− 2 ​x​  ​ + 2x)​ × 2 × 2 × ​(2x − 1)​


2 2
​= ​ _______________________________________
    
        ​ = − ​_______
  2  3 ​​ 
(​ 2x − 1)​ ​ (​ 2x − 1)​ ​
4

Procuremos os zeros de ​​i " ​ (​ x)​​

​​i " ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − ​ _______
2   ​   = 0​, equação impossível.
(​ 2x − 1)​ ​
3

Estudemos o sinal de ​​i " ​ ​(x)​​.

​x​ ​- ∞​ __
​​  1 ​​  ​+ ∞​
2
​​i " ​ (​ x)​ ​+​ n.d. ​-​
​i ​(x)​ ∪ n.d. ∩

O gráfico da função tem a concavidade voltada para cima em ​ ] − ∞ ; ​ __


2[
1 ​  ​ e tem a concavidade voltada para baixo

em ​ ] __
​1 ​ ;  + ∞ [ ​; não existem pontos de inflexão no gráfico.
2

60
60.1 Calculemos ​  lim​ ​ g ​(x)​​.
x→−∞

​  lim​ ​ g ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(____
x→−∞ x − 1 )
​    ​ ​ = ​  lim​ ​ ​(___
​   ​ )​ = ​  lim​ ​ ​(3)​ = 3​
3x 3x
x→−∞ x→−∞ x x→−∞

Então a reta de equação y​  = 3​ é assíntota horizontal ao gráfico quando x​ ​ tende para menos infinito. Conclui-se,
assim, que ​k = 3​.

60.2
​ lim​ ​ g ​(x)​ = ​ lim​ ​ ​(__
2)
3 ​ ​ = − ​ __
3 ​​
​ 1 ​ x​  ​ − x − ​ __
2

x→​0​ ​ 2 2
+ +
x→​0​ ​

​ lim​ ​ g ​(x)​ = ​ lim​ ​ ​(____
x→​0​ ​ x − 1 )
3x

​    ​ ​ = 0​

x→​0​ ​

3 × 0  
​g ​(0)​ = ​ _____  ​ = 0​
0 − 1

Como ​ lim​ ​ g ​(x)​ = g ​(0)​ e ​ lim​ ​ g ​(x)​ ≠ g ​(0)​​



x→​0​ ​ +
x→​0​ ​

então, não existe ​ lim​ ​ g ​(x)​ e, sendo assim, a função é descontínua no ponto ​x = 0​ .
x→0

60.3 Teremos de calcular, pela definição, ​​g ' ​ ​(​0​ ​)​ e ​​g ' ​ (​ ​0​ ​)​​
− +

• ​​g ' ​ ​(​0​ ​)​​

• ​g ​(0)​ = 0​
3h
​g ​(0 + h)​ = ​ ____  ​​ 
h − 1
3h
____
g ​(0 + h)​ − g ​(0)​ ​    ​  − 0
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

___________ _______ 3h
= ​ lim​ ​ _______
h − 1
​​g ' ​ ​(​0​ ​)​ = ​ lim​ ​ ​   

  = ​ lim​ ​ ​ 
​       ​   ​  =​
   ​  
h h h→​0​ ​ h ​(h − 1)​
− − −
h→​0​ ​ h→​0​ ​

3   
​= ​ lim​ ​ ​ ____  ​ = − 3​
h→​0​ ​ h − 1

79
• ​​g ' ​ (​ ​0​ ​)​​
+

​g ​(0)​ = 0​
RESOLUÇÕES

​g ​(0 + h)​ = ​ __ 3 ​ =​
1 ​ h​ 2​ − h − ​ __
2 2
__ 3 ​ − 0
​ 1 ​ h​  ​ − h − ​ __
2
g ​(0 + h)​ − g ​(0)​
g​​  ' ​ ​(​0​ ​)​ = ​ lim​ ​ ​   
___________ ___________
2   2
+
  = ​ lim​ ​ ​ 
​     ​ =​


+
h→​0​ ​ h h→​0​ ​
+
h

__ 3 ​ 3 ​
​ 1 ​ h​  ​ − h − ​ __ − ​ __
2

_________
​= ​ lim​ ​ ​  2   2  ​ = ​  +2 ​  = − ∞​
  ___
+
h→​0​ ​ h ​0​ ​

Como ​​g ' ​ ​(​0​ ​)​ ≠ ​g ' ​ ​(​0​ ​)​, logo, não existe ​​g ' ​ (​ 0)​​.


+ −

Como ​​g ' ​ ​(0)​​ não existe, então a função ​g​ não é diferenciável para ​x =  0​ .

60.4
3 × ​(x − 1)​ − 3x × 1
​​g ' ​ ​(x)​ = ​​(____
x − 1 )
3x ' _______________
​    ​   ​ ​ = ​            3  2 ​​ 
​ = − ​______
​(x − 1)​ ​ ​(x − 1)​ ​
2

3    __
​m = ​g ' ​ ​(− 2)​ = − ​ _______  ​ = − ​ 1 ​​
(​ − 2 − 1)​ ​ 3
2

3 × ​(− 2)​
​g ​(− 2)​ = ​ _______ ​  = 2​
− 2 − 1

Um ponto da reta é ​A ​(− 2 ;  2)​​


​t : y = mx + b​

​y = − ​ __
1 ​ x + b​, como a reta passa pelo ponto ​(− 2 ;  2)​, vem
3

​2 = − ​ __
1 ​ × ​(− 2)​ + b ⇔ b = ​ __
4 ​​
3 3

logo, ​y = − ​ __
1 ​ x + ​ __
4 ​​.
3 3

60.5
Se ​x < 0​

​​g ' ​ ​(x)​  = − ​ ______3   
 ​​
(​​ x − 1)​​​ ​
2

Procuremos os zeros de ​​g ' ​ (​ x)​​

  3  2 ​  
​​g ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − ​______ = 0​, equação impossível.
(​ x − 1)​ ​

​​g ' ​ ​(x)​ < 0 ,   ∀ x < 0​. Logo, neste ramo a função é estritamente decrescente.

Se ​x >  0​

​​g ' ​ ​(x)​ = ​​(__
2)
3 ​ ' ​ ​ = x − 1​
​ 1 ​ x​  ​ − x − ​ __
2

Procuremos os zeros de ​​g ' ​ ​(x)​​


​​g ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ x − 1 = 0 ⇔ x = 1​

Sinal de ​​g ' ​ ​(x)​​
​​g ' ​ ​(x)​ > 0 ⇔ x − 1 > 0 ⇔ x > 1​
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

​​g ' ​ ​(x)​ < 0 ⇔ x − 1 < 0 ⇔ x < 1​

80
Elaboremos um quadro para a função derivada.

RESOLUÇÕES
​x​ 0 ​1​ ​+ ∞​
​​g  ' ​ ​(x)​ ​-​ ​-​ ​0​ ​+​
​g ​(x)​ 0 ↘ ​- 2​ ↗

​g ​(1)​ = ​ __ 3 ​ = − 2​
1 ​​12​ ​ − 1 − ​ __
2 2

A função é estritamente decrescente em ​ ] 0 ;  1 [ ​ e é estritamente crescente em ​ ] 1 ;  + ∞ [ ​.

Um quadro conjunto

​x​ ​- ∞​ 0 ​1​ ​+ ∞​
​​g  ' ​ (​ x)​ ​-​ ​-​ ​-​ ​0​ ​+​
​g ​(x)​ ↘ 0 ↘ ​- 2​ ↗

Concluindo, a função é estritamente decrescente em ​​ ] − ∞ ;  0 [ ​​ e em ​​ ] 0 ;  1 [ ​​ e é estritamente crescente


em ​ ] 1 ;  + ∞ [ ​.

60.6 Atinge o valor mínimo absoluto ​− 2​ para ​x = 1​ .

61
61.1 Assíntotas verticais
​D​j​ = ℝ\ ​{−
   1}​  Vejamos o comportamento na vizinhança de ​− 1​

​  lim​ ​ j ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(​ ________
3x + 3 ) ​0​ ​
− 4 ​x​  ​ − 2x
2
   ​  − 2 ​  = + ∞​
​ = ​ ___
− −

x→−​1​ ​ x→−​1​ ​

​  lim​ ​ j ​(x)​ = ​  lim​ ​ ​(________ ​)
− 4 ​x​  ​ − 2x
2
​        − 2 ​  = − ∞​
​ = ​ ___
+
x→−​1​ ​
+
x→−​1​ ​ 3x + 3 +
​0​ ​

O gráfico da função admite uma assíntota vertical (bilateral) de equação ​x = − 1​

Assíntotas não verticais


− 4 ​x​  ​ − 2x
2
________
​  lim​ ​ ​      ​ = ​  lim​ ​ ​(​  )
​     ​ 
x→+∞ ( 3 ​x​  ​ + 3x ) x→+∞ ( 3 ​x​  ​ )
j ​(x)​
​ ​ =​ ​​  lim​ ​ ​(___
​ − 4   )
− 4 ​x​  ​ − 2x − 4 ​x​  ​
2 2
___ 3x + 3
________   ​ ​ = ​  lim​ ​ ​ ________

  ​  2    ​ = ​  lim​ ​ ​ _____
​  ​  2    ​ ​ = − ​ __
4 ​​
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ 3 3

logo, ​m = − ​ __
4 ​​.
3

 4 ​ x)​] ​ = ​  lim​ ​ ​(________ + ​ 4 ​ x)​ = ​  lim​ ​ ​(_____


x→+∞ [ x→+∞ 3x + 3 )
   ​ ​ =​ ​​  lim​ ​ ​(___
x→+∞ 3x )
​    ​ ​ = ​  lim​ ​ ​(__
x→+∞ 3 )
​  lim​ ​ ​  j ​(x)​ − ​(− ​__
− 4 ​x​  ​ − 2x __
2
2x 2x
​     
​   ​  ​ 2 ​ ​ = ​ __
2 ​​
3 x→+∞ 3x + 3 3 3

logo, ​b = ​ __
2 ​​.
3

Então, o gráfico da função admite uma assíntota oblíqua de equação ​y = − ​ __


4 ​ x + ​ __
2 ​ , quando ​x​ tende para mais
3 3
infinito.

De igual modo,
− 4 ​x​  ​ − 2x
2
________
​  lim​ ​ ​      ​ = ​  lim​ ​ ​(​  )
​     ​ 
x→−∞ ( 3 ​x​  ​ + 3x ) x→−∞ ( 3 ​x​  ​ )
j ​(x)​
​ ​ =​ ​​  lim​ ​ ​(___
​ − 4   )
− 4 ​x​  ​ − 2x − 4 ​x​  ​
2 2
___ 3x + 3
__________  ​  
  ​ = ​  lim​ ​ ​ ________
​  2    ​ = ​  lim​ ​ ​ _____
​  ​  2    ​ ​ = − ​ __
4 ​​
x→−∞ x x→−∞ x x→−∞ 3 3
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

logo, ​m = − ​ __
4 ​​.
3

81
 4 ​ x)​] ​ = ​  lim​ ​ ​(________
​  lim​ ​ ​ [j ​(x)​ − ​(− ​__ + ​ 4 ​ x)​ = ​  lim​ ​ ​(_____
x→−∞ 3x + 3 )
   ​ ​ =​ ​​  lim​ ​ ​(___
x→−∞ 3x )
​    ​ ​ = ​  lim​ ​ ​(__
x→−∞ 3 )
− 4 ​x​  ​ − 2x __
2
2x 2x
​     
​   ​  ​ 2 ​ ​ = ​ __
2 ​​
x→−∞ 3 x→−∞ 3x + 3 3 3
RESOLUÇÕES

logo, ​b = ​ __
2 ​​.
3

Então, o gráfico da função admite uma assíntota oblíqua de equação ​y = − ​ __


4 ​ x + ​ __
2 ​, quando ​x​ tende para menos
3 3
infinito.
Determinemos, agora as coordenadas do ponto ​I​
⎧ x = − 1 ⎧ x = − 1 ⎧x = − 1
⎨​ ​  ​ ⇔ ​⎨​  ​  2 ​ ⇔ ​⎨​ 
⎪ ⎪

__ ​  __   ​​ 
4 2
y = − ​   ​ x + ​   ​ y = − ​   ​ × ​(− 1)​ + ​ __
__
4  ​ ⎩ y = 2
⎩ ⎩
⎪ ⎪

3 3 3 3
logo, ​I ​(− 1 ;  2)​​.

61.2
​(− 8x − 2)​ (​ 3x + 3)​ − ​(− 4 ​x​  ​ − 2x)​ × 3 ____________
​​j ' ​ (​ x)​ = ​​(________
3x + 3 )
− 4 ​x​  ​ − 2x ' __________________________
2
− 12 ​x​  ​ − 24x − 6
2 2
​      ​ ​ = ​    
​       ​ = ​     2   
​​
(​ 3x + 3)​ ​ (​ 3x + 3)​ ​
2

Procuremos os zeros de ​​j ' ​ ​(x)​​


− 12 ​x​  ​ − 24x − 6
2
​​j ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ ​ ____________ ​ = 0 ⇔ − 12 ​x​  ​ − 24x − 6 = 0 ∧ ​​(3x + 3)​ ​ ≠ 0 ⇔​
2 2
    2   
(​ 3x + 3)​ ​
___________
− 4 ± ​√   ​ ​ − 4 × 2 × 1 
2
  ​4
______________   ​ 
​⇔ 2 ​x​  ​ + 4x + 1 = 0 ∧ x ≠ − 1 ⇔ x = ​    ∧ x ≠ − 1 ⇔​
2
    ​  
2 × 2
__ __ __ __
− 4 ± 2 ​ √
  2 
   
​ − 2 ± ​
√  2 
   
​ − 2 − ​√
  2 
   
​ − 2 + ​
√  2 
  ​ 
​⇔ x = ​ ______   ​ ∧ x ≠ − 1 ⇔ x = ​ _____

      ​  ∧ x ≠ − 1 ⇔ x = ​ _____     ∨ x = ​ _____
​       ​​ 
4 2 2 2

Sinal de ​​j ' ​ ​(x)​​
Elaboremos um quadro para a função derivada.
__ __
- 2 -√​   ​
_________ 
2
  - 2 +√
_________ ​   
 ​
2

​x​ ​- ∞​ ​​   ​​    ​- 1​ ​​   ​​    ​+ ∞​
2 2
​- ​12x​​  ​ - 24x - 6​ ​-​ ​+​ ​+​ ​+​ ​-​
2
0 0
(​​​ 3x + 3)​​​ ​​
2
​+​ ​+​ ​+​ ​0​ ​+​ ​+​ ​+​
​​j  ' ​ ​(x)​ ​-​ 0 ​+​ n.d. ​+​ 0 ​-​
__ __
6 + 4​ √ ​
________  
2
  6 - 4​ √ ​
________ 
2

​j ​(x)​ ↘ ​​   ​​    ↗ n.d. ↗ ​​   ​​    ↘
3 3
__ 2 __
− 4 ​(​  )​ ​ − 2 × ​(​  )​ 6 + 4 ​√
__ − 2 - ​√
_____   2 
  ​  − 2 - ​√
_____   2    ​  __
    ​      ​ 
​j ​(​  )​ = ​    
− 2 - ​√
_____   2  2
  ​  _______________________ __ 2 _____   2 
  ​ 
    ​   
     ​ = ​       
​​
3 × ​(​  )​ + 3
2 − 2 - ​  2 
_____ √   ​  3
    ​ 
2
__ 2 __
− 4 ​(​  )​ ​ − 2 × ​(​  2    )​ 6 − 4 ​√
__ − 2 + ​√
_____   2 
  ​  − 2 + ​√
_____   2   ​  __
    ​  ​ 
​j ​(​  )​ = ​    
− 2 + ​√
_____   2  2
  ​  _______________________ __ _____   2 
  ​ 
    ​   
     ​ = ​       
​​
3 × ​(​  )​ + 3
2 − 2 + ​  2 
_____ √   ​  3
    ​ 
2 __ __
Concluindo, a função é estritamente decrescente em ​ ] − ∞ ; ​  [ ​ e em ​ ] ​ 2    ;  + ∞ [ ​ e é estritamen-
− 2 − ​√
_____   2 
  ​  − 2 + ​√
_____   2 
  ​ 
    ​   ​  
2
__ __
te crescente em ​ ] _____ ;  − 1 [ ​ e em ​ ] − 1 ;  ​ _____ [ ​​.
− 2 − ​√  2 
  ​  − 2 + ​√   2 
  ​ 
​     ​       ​  
2 2
__ __ __
6 + 4 ​√
_____   2 
  ​  − 2 − ​√
_____   2 
  ​  6 − 4 ​√
_____   2 
  ​ 
61.3 Atinge o valor mínimo relativo ​       
​ para ​x = ​      ​ e atinge o valor máximo relativo ​       
​ para
3 2 3
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

__
− 2 + ​√
  2 
  ​ 
​x = ​ _____     ​​ .
2

82
61.4 Calculemos a função segunda derivada

​(− 24x − 24)​ (3x + 3)​ ​ − ​(− 12 ​x​  ​ − 24x − 6)​ × 2 × ​(3x + 3)​ × 3


( (​ 3x + 3)​ ​ )

RESOLUÇÕES
2
− 12 ​x​  ​ − 24x − 6 ' ____________________________________________
2 2
​​j " ​ (​ x)​ = ​​ ____________ 36    
​     2  ​ ​  ​  =​ ​​      
        ​ = − ​ _______ ​​
​(3x + 3)​ ​ ​(3x + 3)​ ​
4 3

Sinal de ​​j " ​ ​(x)​​

Elaboremos um quadro para a função derivada.

​x​ ​- ∞​ ​- 1​ ​+ ∞​
(​​​ 3x + 3)​​​ ​​
3
​-​ 0 ​+​
​​j " ​ (​ x)​ ​+​ n.d. ​-​
​j ​(x)​ ∪ n.d. ∩

O gráfico da função tem a concavidade voltada para cima em ​​ ] − ∞ ;  − 1 [ ​​ e tem a concavidade voltada para baixo
em ​​  ] − 1 ;  + ∞ [ ​​. Não existem pontos de inflexão no gráfico.

62
62.1
​g ​(x)​ = ​f  " ​ ​(x)​ = − 30 ​x​  ​ + 12 ​x​  ​​
4 2

Calculemos os zeros de ​g​


​g ​(x)​ = 0 ⇔ − 30 ​x​  ​ + 12 ​x​  ​ = 0 ⇔ ​x​  ​ ​(− 30 ​x​  ​ + 12)​ = 0 ⇔ ​x​  ​ = 0 ∨ − 30 ​x​  ​ + 12 = 0 ⇔​
4 2 2 2 2 2

___ ___

​  10 
   ​ √ ​  10 
   ​
​⇔ x = 0 ∨ x = − ​ ___ ​  ∨ x = ​ ___
       
​​ 
5 5

Elaboremos um quadro de sinal para a função segunda derivada.


___ ___

​  10 ​
   
_____ √
​  10 ​
   
_____
​x​ ​- ∞​ ​- ​   ​​ 
  ​0​ ​​   ​​ 
  ​+ ∞​
5 5
​​f  " ​ ​(x)​ ​-​ 0 + 0 + 0 ​-​
___ ___
​f (
5 )
​f (
5 )
√ ​  10 ​
_____    √ ​  10 ​
_____   
​f ​(x)​ ∩ ​ - ​   ​    ​​ ∪ ​f ​(0)​ ∪ ​ - ​   ​  
  ​​ ∩

___ ___
O gráfico da função ​f​ tem a concavidade voltada para baixo em ​ ] − ∞ ;  − ​     
5 [
​    ​ e em ​ ] ​     ​  ;  + ∞ [ ​; tem a con-

​  10 
___   ​ √
​  10 
___   ​
___ ___ 5
cavidade voltada para cima em ​ ] − ​___
5 [
√    ​ √
​  10  ​  10 
   ​
      ​  ;  ​ ___    ​    ​.
5
___ ___ ___ ___
O gráfico da função tem dois pontos de inflexão de coordenadas ​(− ​     
5 ))
​  ​ ​ e (
5 ))
​  ; f ​(− ​      ​  ; f ​(​     

​  10 
___   ​ √ ​  10 
___    ​ √    ​ √
​  10 
___ ​  10 
___   ​
​ ​      ​  ​ ​​.
5 5

62.2
62.2.1 Dterminemos a função derivada de ​g​ .
​​g ' ​ ​(x)​ = ​​(− 30 ​x​  ​ + 12 ​x​  )​ ' ​ ​ = − 30 × 4 × ​x​  ​ + 12 × 2 × x = − 120 ​x​  ​ + 24x​
4 2 3 3

Calculemos os zeros de ​​g ' ​ (​ x)​​


​​g ' ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − 120 ​x​  ​ + 24x = 0 ⇔ x ​(− 120 ​x​  ​ + 24)​ = 0 ⇔​
3 2

__ __

​  5 
__   ​  √​  5 
__   ​ 
​⇔ ​x​  ​ = 0 ∨ − 120 ​x​  ​ + 24 = 0 ⇔ x = 0 ∨ x = − ​     ​ ∨ x = ​     ​​
2 2
EXMAT11 © RAIZ EDITORA

5 5

83
Elaboremos um quadro de sinal para a função derivada de ​g​ .
__ __
RESOLUÇÕES


​     ​
5

_________ √
​     ​
5

_________
​x​ ​- ∞​ ​- ​   ​​  ​0​ ​​   ​​  ​+ ∞​
5 5
​x​ ​-​ ​-​ ​-​ 0 ​+​ 0 ​+​
​- ​120x​​  ​ + 24​ ​-​ ​+​ ​+​ ​+​ ​-​
2
0 0
​​j  ' ​ ​(x)​ ​+​ 0 ​-​ 0 ​+​ 0 ​-​

​j ​(x)​ ↗ ​​ _6_ _ _  ​​ ↘ 0 ↗ _​​  6_ _ _ ​​  ↘


5 5
__ __ __
​g ​(- ​     ) ​ ​ = − 30 × ​​(- ​     ) ​ ​ ​ + 12 ​(- ​     )
4 2

​  5 
__   ​  √
​  5 
__   ​  √
​  5 
__   ​  6 ​​
​ ​ ​ = ​ __
5 5 5 5
__ __ 4 __ 2
​g ​(__
​     )​ ​ = − 30 × ​​(__
​     )​ ​ ​ + 12 ​(__​     )
√​  5 
  ​  √​  5 
  ​  √​  5 
  ​  6 ​​
​ ​ ​ = ​ __
5 5 5 5
__ __
A função g​​ é estritamente crescente em ​ ​] − ∞ ;  − ​     ​ [ ​​ e em ​ ​] 0 ;  ​     ​ [ ​​ e é estritamente decrescente

​  5 
__   ​  √
​  5 
__   ​ 
__ __ 5 5
em ​ ] − ​__
     ​ ; 0 [ ​ e em ​ ] __
​    ​ ;  + ∞ [ ​​.
√​  5 
  ​  √​  5 
  ​ 
5 5
__ __
6
__ √​  5 
__   ​  √​  5 
__   ​ 
62.2.2 A função g​ ​ atinge o valor máximo (absoluto) ​   ​ para x​  = − ​     ​ e para x​  = ​     ​ atinge o valor mínimo
5 5 5
(relativo) ​0​ para ​x = 0​ .

62.2.3 Determinemos a função segunda derivada de ​g​


'
​​g " ​ (​ x)​ = ​​(− 120 ​x​  ​ + 24x) ​ ​ = − 120 × 3 × ​x​  ​ + 24 = − 360 ​x​  ​ + 24​
3 2 2

Calculemos os zeros de ​​g ' ​ ​(x)​​


___ ___
​  15 
   ​ ​  15 
   ​ √ √
​​g " ​ ​(x)​ = 0 ⇔ − 360 ​x​  ​ + 24 = 0 ⇔ ​x​  ​ = ​ ___
1   ​ ⇔ x = − ​ ___ ​ ∨ x = ​ ___   
2 2
   ​​
15 15 15

Elaboremos um quadro de sinal para a função segunda derivada de ​g​ .


__ __

​  15 ​
   
_________ √
​  15 ​
   
_________
​x​ ​- ∞​ ​- ​   ​​  ​​   ​​  ​+ ∞​
15 15
​​g " ​ (​ x)​ ​-​ 0 ​+​ 0 ​-​

​g ​(x)​ ∩ _​​  2_ _ _ ​​  ∪ ​​ _2_ _ _  ​​ ∩


3 3

___ ___ ___


​g ​(− ​  ​)​ = − 30 × ​​(− ​  ​)​ ​ + 12 ​(− ​ 
15 ) 3
4 2

​  15 
___   ​ √
​  15 
___   ​ √
​  15 
___   ​
      ​ ​ ​ = ​ __
   2 ​​
15 15
___ ___ ___
​g ​(​  ​)​ = − 30 × ​​(​  ​)​ ​ + 12 ​(​ 
15