Você está na página 1de 16

Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

Sistema músculo-esquelético

• Músculos
• Tendões
• Ligamentos
• Cápsulas articulares
• Articulações
• Osso

Lesões traumáticas do Sistema Músculo-esquelético

Músculos

As lesões musculares são a causa mais frequente de incapacidade física na prática desportiva.

As lesões musculares podem ser causadas por contusões, estiramentos ou lacerações

Contusão muscular

Lesão traumática dos tecidos subjacentes bem como rompimento de capilares.

Aparecimento de hematoma, equimose

Evoluindo para um processo inflamatório agudo

Laceração muscular

É uma lesão muscular causada na maioria das vezes por um objeto penetrante.

Esta lesão forma uma cicatriz fibrosa no tecido muscular, desencadeando dor e restrição do movimento.

Estiramento/rutura muscular

O estiramento é uma rutura de fibras musculares, provocada por alongamento excessivo das fibras musculares

Dor, hematoma e incapacidade parcial ou total (sintoma mais característicos: dor)


Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

Músculos que se rompem com maior frequência

• Isquiotibiais
• Quadríceps
• Adutores
• Grande peitoral
• Tríceps
• Oblíquo interno

Fatores predisponentes

• Fadiga muscular
• Lesões prévias
• Deficiências de flexibilidade, desequilíbrios de força entre músculos de ações opostas (agonistas e
antagonistas),
• Distúrbios nutricionais e hormonais,
• Infeções,
• Fatores relacionados com o treino, má coordenação de movimentos, técnica incorreta, sobrecarga e
fadiga muscular, má postura durante a execução do treino, insuficiência no aquecimento inicial antes
da prática dos exercícios,
• Discrepância de comprimento dos membros inferiores,
• Diminuição da amplitude de movimento

Os estiramentos/rutura podem ser classificados de acordo com as dimensões da lesão, sendo os sintomas
diferentes em cada caso:

Grau I

• Estiramento de uma pequena quantidade de fibras musculares (< 5% do músculo). A dor ocorre num
ponto específico, surge durante a contração muscular contra uma resistência e pode estar ausente
durante o repouso. O edema pode estar presente, mas, de um modo geral não é evidente.
• Ocorrem danos estruturais mínimos, a hemorragia é pequena, a resolução é rápida e a limitação
funcional é leve.
• Apresenta bom prognóstico e a restauração das fibras é relativamente rápida.

Grau II

• O número de fibras lesionadas e a gravidade da lesão são maiores ( > 5 e < 50% do músculo), com as
mesmas características da lesão de primeiro grau, porém com maior intensidade.
• Acompanha-se de dor, moderada hemorragia, processo inflamatório local mais acentuado e redução
da função muscular.
• A resolução é mais lenta.

Grau III

• Ocorre uma rotura completa do músculo ou de grande parte dele (> 50% do músculo), resultando
numa importante perda da função com presença de um defeito palpável.
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

• A dor pode variar de moderada a muito intensa, provocada pela contração muscular passiva, e a
hemorragia são grandes. Uma rotura completa é muito rara, sendo as roturas subtotais mais
frequentes

Diagnóstico

O diagnóstico é essencialmente clínico, sendo complementado pela ecografia, ressonância magnética e


tomografia computorizada.

Como regra, recomenda-se começar o diagnóstico pela história detalhada da ocorrência, seguida de uma
observação médica minuciosa.

Quando se suspeita de lesão da estrutura do músculo, a ressonância magnética é muito importante, por
permitir observar o padrão e a extensão dessa lesão, bem como o grau de envolvimento do tendão.

Tratamento

A aplicação de gelo na região afetada em ciclos de 10 a 15 minutos

O membro deve permanecer elevado e em repouso, devendo o período de imobilização ser o mais curto
possível de modo a se evitar a perda de força muscular e de sensibilidade do movimento.

Analgésicos e anti-inflamatórios

A intervenção cirúrgica é necessária em pacientes com grandes hematomas intramusculares, lesões ou roturas
completas (grau III) e lesões parciais em que mais da metade do músculo esteja roto. Também pode ser
considerada se o paciente se queixa de dor persistente por mais de quatro a seis meses, particularmente se
houver défice de extensão

Tendinite

Tendinite é a inflamação de um tendão que surge usualmente através do excesso de repetições de um mesmo
movimento.

Causas intrínsecas:

• Alterações genéticas;
• Diferenças anatómicas;
• Alterações da postura;
• Presença de calcificações (tendinopatia calcificada).

Causas extrínsecas:

• Uso intensivo do computador;


• O trabalho com os braços acima do plano das omoplatas;
• A prática de exercício físico de forma inadequada ou demasiadamente intensiva;
• Transporte intensivo de pesos com os membros superiores

Sintomas

Podem aparecer de três formas distintas:


Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

• Forma mais comum é o aparecimento de dores ligeiras quando se executam determinados


movimentos. Estas dores podem, progressivamente, ir-se agravando e começar a surgir dor noturna
• Outra forma de apresentação é uma dor muito intensa sem causa aparente EX: acorda de noite e não
tolera nenhuma mobilização.
• A terceira forma é uma conjugação das duas anteriores. Abrange pessoas que têm dores
perfeitamente toleráveis em algumas atividades, não procuram tratamento até ao aparecimento de
um episódio extremamente doloroso

Tratamento

• Passa pelo controlo da dor e da inflamação, mas, sobretudo,


• Fisioterapia

Articulação

• Entorse
o Alteração de uma articulação, devido a um movimento bruscos que leva ao ultrapassar da
amplitude articular fisiológica.
o Mais frequentes tornozelo e joelho.
o Habitualmente são lesões benignas e resolvem sem sequelas, mas mesmo as lesões mais
graves podem evoluir favoravelmente, se sujeitas a uma abordagem terapêutica adequada.
Os ligamentos do tornozelo mantêm os ossos e articulação na sua posição, protegendo a
articulação do tornozelo contramovimentos anormais, como as torções, rotações e
rolamentos do pé.
o Estes ligamentos são estruturas elásticas que esticam até ao seu limite regressando à sua
posição normal. Se um ligamento for forçado para lá da sua normal capacidade, ocorre uma
entorse que, em casos graves, pode associar-se a uma rotura das fibras elásticas que o
compõem.
o Fatores de risco
§ Alterações anatómicas predisponentes,
§ Existência de antecedentes de entorses de repetição
§ Desportos que envolvem movimentos de impulsão/salto e corrida
o Sintomas
§ Dor imediata e lancinante
§ Perceção de rotura na face externa do tornozelo acompanhada de estalido/ruído e o
aparecimento rápido de tumefação/edema,
§ Formação de hematoma, instabilidade nos movimentos e a impossibilidade de
suportar carga sobre o tornozelo,
o Classificação
§ Grau 1, o mais ligeiro, ocorre apenas um estiramento ligeiro do ligamento
§ Grau 2 verifica-se rotura parcial do ligamento
§ Grau 3 a rotura é total.
o Diagnóstico
§ O diagnóstico é realizado com base nos elementos clínicos.
§ A radiografia permite excluir uma fratura associada.
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

§ A ressonância magnética permite estudar melhor os ligamentos envolvidos


o Tratamento
§ Anti-inflamatórios não esteroides
§ Nas formas ligeiras, não é necessária imobilização, bastando a realização de exercícios
de força e flexibilidade. Nestes casos, o repouso, a aplicação de gelo durante 20-30
minutos 3 a vezes por dia, o uso de uma ligadura e a elevação do tornozelo acima do
nível do coração durante os primeiros dois dias são medidas muito úteis.
§ Nas entorses de grau 2, as medidas anteriores são importantes, mas as imobilizações
associadas à fisioterapia adquirem maior relevância
§ No grau 3, a cirurgia poderá ser necessária, embora alguns casos possam ser tratados
somente com uma imobilização adequada
• Luxação
o Uma luxação é o deslocamento de um ou mais ossos de uma articulação.
o Desencadeado por uma força que atua diretamente ou indiretamente numa articulação,
empurrando o osso para uma posição anormal.
o Pode ser completa ou incompleta
o Causas:
§ Traumatismo direto ou indireto;
§ Quedas
§ Lesão congênita
§ Laxidez ligamentar, capsular ou muscular gerada por doenças crônicas
o Diagnóstico:
§ RX
§ Visualização do membro
o Tratamento:
§ Conservador
§ cirúrgico
• Sub-luxação

Ossos

Fraturas

“Perda parcial ou completa Da integridade do osso”

“A fratura é uma interrupção da continuidade do tecido ósseo, normalmente provocada por agentes
traumáticos”

Critérios para a classificação:

• Segundo a causa
o Fraturas traumáticas
o Fraturas de fadiga, de stress ou por sobrecarga
o Fraturas patológicas
• Segundo a lesão das partes moles
o Fraturas expostas
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

o Fraturas complicadas
o Fraturas simples
• Segundo os traços de fratura
o Fraturas completas
o Fraturas incompletas
o Fraturas cominutivas
o Fraturas por esmagamento ou por compressão
• Sinais e sintomas
o Deformidade visível ou palpável
o Tumefação local
o Equimose
o Dor
o Impotência funcional
o Edema
o Mobilidade anormal
o Crepitação óssea
• Diagnósticos

Aspetos relevantes

o A forma como aconteceu o traumatismo


o Nunca esquecer a possibilidade de lesões associadas
• Exames complementares de diagnóstico
o Radiografia de face
o Radiografia de perfil
• Outras avaliações obrigatórias
o Exame de rotina para pesquisa de outras lesões
o Exame para pesquisa de complicações da fratura
o Lesões vasculares
o Lesões neurológicas
o Choque traumático
o Lesões viscerais
o Lesões tendinosas
o Lesões e afeções pós-traumáticas
o Embolia
o Tromboses
• Tratamento:

Objetivos

o Diminuir a dor
o Controlar a posição dos fragmentos
o Obter a união
o Recuperar a função
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

• Cuidados imediatos
o Imobilização provisória (tração manual)
o Diminui a dor
o Evitar lesões provisórias enquanto se aguarda o tratamento definitivo
• Tratamento definitivo: Redução / fixação
o redução fechada por manipulação e fixação externa por gesso;
o redução fechada por manipulação e fixação por tração cutânea ou esquelética;
o redução por manipulação com controlo radiológico e fixação com fios percutâneos
o redução aberta e fixação interna com placa e parafusos ou com vareta endomedular
o redução aberta e fixação interna transcutânea com fixador externo
• Consolidação óssea
o Formação do hematoma fraturaria
o Organização do hematoma
o Formação do calo ósseo
o Consolidação por osso lamelar definitivo
o Remodelação
• Condições Básicas para a Consolidação da Fratura:
o Existência de vascularização
o Imobilização eficaz, para proteger tecidos recém-formados
o Estimulação mecânica capaz de promover o processo de reparação biológica
• Tempo de consolidação:

Adulto

o O tempo necessário para formação do calo ósseo é de seis semanas


o Três meses – é o tempo necessário para a união topo a topo em fraturas dos ossos longos
sobretudos os do membro inferior
• Complicações das fraturas

Atraso da consolidação e pseudartrose (até não consolidação)

Pseudartrose

o Atrófica (impossibilidade de união por necrose isquémica dos topos com ou sem infeção)
o Hipertrófica (impossibilidade de união por movimento por uma fratura que não formou calo
ósseo
• Causas:
o infeção
o persistência de topos isquémicos
o movimento excessivo entre os topos
o deficiente contacto
o interposição de partes moles
o má rigidez da fixação interna
o doença subjacente nas fraturas patológicas
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

Artrose

Degenerescência articular de etiologia não inflamatória

• Classificação:

Artrose idiopática ou primária: pode atingir (sem etiologia conhecida), mais de uma articulação e é responsável
por mais de 70% dos casos

o Existem alterações articulares bem definidas


o Gasto de cartilagem articular
o Etiologia é muito difícil de definir

Artrose secundária: Forma mono-articular quando se relaciona com irregularidade das superfícies articulares
resultantes de um traumatismo ou doença prévia

Qualquer doença que possa danificar uma estrutura articular pode predispor à artrose daí a sua etiologia
poder ter várias origens (congénitas, traumáticas, inflamatórias, infeciosas, etc…)

Causas:

• Agressão articular
o Traumatismo único
o Traumatismo repetido
o Infeção
o Hemartrose
• Alterações na arquitetura articular
o Displasia: um defeito no desenvolvimento do teto acetabular
o Doença de Legg-Perthes: ocorre necrose avascular na épifise proximal do fémur que pode
ocasionar colapso tornando-a achatada, em que cogumelo, o que leva a incongruência
articular
o Epifisiolise proximal do fémur: existe um deslizamento progressivo da epífise, que leva à
deformidade da cabeça
• Doenças metabólicas
o Ocronosis ou alcaptonúria: Defeito do metabolismo do ácido homogentísico que se deposita
nas cartilagens articulares originando a sua degradação
o Acromegalia: Resulta da hiperprodução da hormona de crescimento no adulto que leva a um
engrossamento da cartilagem articular levando a um processo de degenerescência
• Sobrecargas mecânicas
o Varismo e valgismo
• Dados clínicos
o Dor
o Rigidez
o Deformidade
o Sinais inflamatórios (mínimos)
o Crepitação
o Claudicação
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

• Diagnóstico:
o Radiografia
o Nos casos secundários: provas de atividade inflamatória, provas reumáticas, análise do líquido
sinovial, RMN, biópsia
• Tratamento:
o Conservador – Anti-inflamatórios, condroprotectores, viscosuplementação, restrição de
carga, fisioterapia
o Cirúrgico – artroscopia, osteostomia, artroplastia

Artrose da anca e do joelho

o São causa mais frequente de incapacidade nas populações ocidentais


o A sua etiologia dominante é a artrose primária idiopática
o A artrose idiopática é mais frequente na anca que no joelho

Doença de Dupuytren

o Envolve o espessamento e contratura progressivos da fáscia palmar, podendo causar a flexão


irredutível dos dedos, particularmente dos 5º e 4º dedos
o Causa desconhecida
o Mais frequentes em idosos, e no sexo masculino

Síndrome túnel cárpico

o Esta síndrome é devido à diminuição relativa do calibre do túnel cárpico por onde o nervo
mediano tem acesso à mão.

Escoliose

Uma curvatura lateral (que pende do centro para um dos lados) da coluna vertebral que pode ocorrer no
segmento torácico ou lombar.

• Classificação das escolioses quanto:


o Localização – cervico-torácica, dorso-lombar, duplas curvas primárias
o Etiologia – ideopática (resolutiva e progressiva), osteogénicas (congénitas, paralíticas)
• Idiopática:
o Subdivide-se segundo a faixa etária de aparecimento
o Infantil aparece antes dos 3 anos de idade (mais grave)
o Juvenil aparece dos 3 aos 10 anos de idade
o Adolescente a partir dos 10 anos
• Congênita:
o Resultada de uma alteração no período embrionário (defeito na forma da vértebra, segmento
vertebral)
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

Lordose

o Será importante distinguir o local da curva da cifose e da lordose, como tal, na parte superior,
do tórax, a curva normal é convexa, denominando-se de cifose, e na parte inferior na região
lombar, a curva é concava sendo denominada de lordose
o Deformidades com aumento dessas curvaturas são denominadas de hiperlordose
o A hiperlordose é um exagero com acentuação da curva lombar que está diretamente
relacionada com a retificação cervical e com o aumento da cifose dorsal.
o A etiologia mais frequente das hiperlordose são os distúrbios músculo-esquelético

Cifose

o São exageros da curvatura torácica fora dos eixos dos limites fisiológicos.
o Várias etiologias podem ser causas de cifose na coluna vertebral:
o Os defeitos congénitos, infeções, fraturas, doenças ósseas como a osteoporose e a doença de
Scheuermann ou dorso curvo do adolescente.

Hernias discais

o Fatores de risco
o Atividades ocupacionais
o Posturas inadequadas por tempo prolongado
o Movimentos repetitivos de flexão e rotação da coluna Sintomas
o Lombalgias
o A dor é agravada pela flexão, pela tosse e pelo espirro

Estenose do canal

Diminuição do calibre do canal lombar

o Dor lombar acompanhada de parestesias em uma ou em ambas as pernas, após uma


caminhada ou longo período de permanência em pé
o A estenose pode ser secundária a osteófitos dos corpos vertebrais, protrusão discal ou artrite
interfacetária.

Hallux valgus

Alteração verificada a nível do 1º dedo do pé, caracterizado por:

o Valgus falangico, frequentemente acompanhado de uma rotação para cima e para dentro
o Varus do 1º metatarso
o Desalinhamento muscular do 1º dedo do pé e dos sesamóides que se encontram para fora
o Alterações dérmicas
o Três fatores podem influenciar esta patologia – a hereditariedade, o calçado e o tipo do pé.
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

Infeção osteoarticular

o Qualquer infeção óssea que compromete a Zona cortical, esponjosa e o canal medular
o Infeção com rápida progressão, grave, podendo comprometer a vida do utente
o A destruição óssea causada pela necrose tende à cornificação se não for tratada
o A demora no diagnóstico, o tratamento errôneo ou tardio são erros que comprometem o
prognóstico

veiculada pela
Hematogenea
corrente sanguinea

Contacto círurgico ou
Via de infeção Direta traumático com o
exterior

infecção das partes


Continuidade moles que se
propaga por contacto

Osteomielite

o É a infeção, por bactérias piogénicas, de um osso na sua totalidade, ou seja, incluindo a medula
óssea
o A infeção afeta os espaços medulares, os canais haversianos e o espaço subperiósteo.
o Começa habitualmente na metáfise de um longo, e tem uma evolução séptica que pode
terminar de um modo fatal
• Sintomatologia
o Dor violenta
o Temperatura elevada
o Profunda prostração
o Pele quente e distendida por um ligeiro edema
• Diagnostico
o Os dois primeiros dias é a altura fundamental para o diagnóstico, que é essencialmente clínico
o Existe dor forte à palpação da metáfise atingida
• Exames de diagnóstico
o Rx
o Hemoculturas
o Hemograma
o Velocidade de sedimentação
• Tratamento
o Antibióticos
o Imobilização
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

o Correção das anomalias (hipertremia, desequilíbrio hidroelectrolitico, desidratação, valores


analíticos)
o Cirurgia (desde que a ferida supure pus)

Artrite Séptica

o Sinovite aguda necrosante e supurativa


o A artrite séptica é o resultado da invasão da membrana sinovial por microorganismos,
frequentemente meningococo, estreptococos etc.
• A bactéria pode entrar na articulação por via:
o hematogénea (causa mais comum)
o inoculação direta
o ou por extensão de uma infeção adjacente
• Fisiopatologia
o Os tecidos sinoviais respondem á invasão dos microrganismos desencadeando um processo
inflamatório
o A cavidade articular pode ficar envolvida e o pus estará presente na membrana e no líquido
sinovial. Se progredir, a infeção causará abcessos na articulação e no osso subcondral,
acabando por destruir a cartilagem
o Sinovite aguda necrosante e supurativa
• Sinais e sintomas:
o Dor de aparecimento brusco, a nível da articulação, acompanhada de aumento de volume
articulares de outros sinais inflamatórios
o Febre
o A claudicação ou impotência funcional acompanhando o quadro de uma infeção aguda com
atingimento, constituem as bases de diagnóstico clínico de artrite séptica
• RX
o Os exames radiográficos são inicialmente pouco demonstrativos das lesões destrutivas intra-
articulares
o Nas articulações mais profundas, como as da coluna e as sacroilíacas, é aconselhada a
cintigrafia
• Tratamento
o É semelhante ao da osteomielite

Artrites inflamatórias

• Podem ser classificadas:


o Poliartrites seropositivas
o Poliartrites seronegativas
o Poliartrites víricas
o Sinovites por cristais
o Doenças sistémicas
o Febre reumática
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

Tumores ósseos

• Tumores ósseos benignos


o Osteoma osteoide
o Encondroma
• Tumores ósseos malignos
o Osteossarcoma
o Sarcoma de Ewing

Os tumores do sistema músculo-esquelético desenvolvem-se em tecidos com origem mesenquimatosa e


neuroectodérmica.

Os tumores malignos chamam-se sarcomas, não havendo nome genérico correspondente para os tumores
benignos

• Diagnóstico
o Anamnese (idade, sexo, dor, antecedentes)
o Exame físico (localização, características clínicas, mobilidade articular,
o Exames laboratoriais
o Radiologia convencional
o Biopsia
• Tumores ósseos benignos

Osteoma osteoide

Este tumor é mais frequente nas diáfises dos ossos longos do membro inferior.

O tumor tem aspeto de um nicho arredondado de coloração castanho-avermelhada, delimitado por uma
reação de ósteo-esclerose. Este nicho é formado por tecido conjuntivo bem irrigado, onde predominam os
osteoblastos

• Sinais e sintomas
o Dores intensas
o Concomitantemente pode existir um compromisso da articulação vizinha, com atrofia
muscular
o Nas localizações peri ou intra-articulares podem existir sinais inflamatórios, devido á
correspondente sinovite simuladora de um processo reumatismal

Fibroma não ossificante

o É frequentemente assintomático na grande maioria dos casos e tende a desaparecer


espontaneamente na vida adulta
o Achado acidentalmente em adolescentes que foram radiografados por um motivo diverso
o Trata-se de uma proliferação fibro-histiocitária na cortical das metáfises
• Tratamento
o Geralmente não é necessário
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

o A raspagem para biopsia, em caso de dúvidas no diagnóstico, pode ser seguida de


preenchimento com enxerto se for grande e ocasionar dor

Displasia fibrosa

É igualmente uma afeção rara

Caracteriza-se por uma proliferação de tecido fibroso nos ossos longos, chatos e planos, aumentando de
volume, mas diminuindo a consistência

Esta afeção tanto pode afetar um só osso como vários

Atinge com maior incidência as crianças do sexo feminino nas zonas metafisárias e diafisárias dos ossos longos

Estas zonas tendem a estabilizar na idade adulta, embora possam complicar com dores e fraturas patológicas

A degenerescência sarcomatosa é rara, mas uma eventualidade a ter em consideração

Encondroma

Os encondromas são lesões que se encontram em quase todas as idades

Este tumor é constituído por cartilagem hialina

Tem predileção pelas extremidades das mãos e pés, mas também são frequentes no fémur proximal e distal

Tem uma localização central, na cavidade medular

Alguns são assintomáticos e constituem achados radiográficos, outros porem, podem causar dor, edema e
fratura patológica, como é comum principalmente nas mãos

• Tumores ósseos malignos

Osteossarcoma convencional

É um tumor intramedular, de alto grau de malignidade, cujas células formam osso

Constitui 40% de todos os tumores malignos primitivos do esqueleto (exceto o mieloma)

É o tumor ósseo maligno mais frequente nos jovens.

Surge como uma lesão nova ou desenvolve-se numa lesão pré-maligna, como a doença de Paget, osteomielite
crónica, displasia fibrosa, tumor de células gigantes, osteoblatoma etc.

Pode ainda originar secundariamente a um processo de radioterapia

Ocorre, frequentemente, abaixo dos 30 anos, com pico dos 15 aos 19.

As metáfises dos ossos tubulares são os locais mais atingidos, sobretudo no joelho.
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

O sintoma mais frequente é a dor insidiosa, com duração de vários meses, por fim, com duração de vários
meses, e por fim uma tumefação local

• Tratamento
o Cirurgia
o Quimioterapia

Sarcoma de Ewing

É uma neoplasia óssea composta por células pequenas e redondas, relativamente uniforme

Constitui cerca de 6 a 10% dos tumores ósseos malignos primários e é o 4º mais comum, atrás do mieloma,
osteossarcoma e condros sarcoma

Constitui cerca de 6 a 10% dos tumores ósseos malignos primários e é o 4º mais comum atrás do mieloma,
osteossarcoma e condros sarcoma

Cerca de 80% ocorrem nas primeiras décadas de vida, sendo a média das idades 13 anos, tendo maior
incidência no sexo masculino

Os sintomas mais frequentes são dor localizada e tumefação, no entanto existem outros que podem levantar
suspeita, nomeadamente:

Febre, mal-estar, aumento de velocidade de sedimentação, anemia com ou sem leucocitose

A lesão mais clássica localiza-se na diáfise do fémur, mas qualquer diáfise, e mesmo metáfise, de um osso
longo, podem ser atingidas. A bacia e as costelas são também locais de atingimento frequente

O tecido tumoral completamente o osso substituindo-o

• Tratamento
o Cirurgia
o Quimioterapia
o Radioterapia
• Meios de diagnóstico
o Densitometria óssea

Excelente método para se medir a densidade mineral óssea e comparado com padrões para idade e sexo.

Essa é condição indispensável para o diagnóstico e tratamento da osteoporose e de outras possíveis doenças
que possam atingir os ossos

o Radiografia:

Meio de diagnóstico imagiológico essencial na avaliação das patologias do foro osteoarticular

o Ressonância magnética

Técnica não invasiva, aniónica, que produz imagens em corte transversal através de energia magnética, ou
seja, sem utilizar radiações
Patologia Do Adulto E Do Idoso

Processo do sistema músculo-esquelético Diana cunha

o Tomografia axial computorizada

Imagem que representa uma secção do corpo. É obtida através do processamento por computador de
informação recolhida após expor o corpo a uma sucessão de raios X.

o Artroscopia

Exame endoscópico que permite visualizar o interior das articulações, através de um sistema endoscópico de
fibra ótica.

o Eletromiografia

Exame eletrofisiológico que permite a monitorização da atividade elétrica dos músculos.